Gonçalo Cadilhe Profissão: Viajante-escritor

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gonçalo Cadilhe Profissão: Viajante-escritor"

Transcrição

1 VI Congresso Nacional Associação Portuguesa de Literatura Comparada / Gonçalo Cadilhe Profissão: Viajante-escritor Maria Teresa Nascimento Universidade da Madeira Viajar serve essencialmente para comparar. Descobrir o que nos separa e o que nos une como seres humanos. Gonçalo Cadilhe, A Lua Pode Esperar Gonçalo Cadilhe viaja e escreve, asserção que está longe de se esgotar na simples adição das duas proposições, admitindo igualmente a comutação com outra de natureza causal. Gonçalo Cadilhe viaja, porque escreve. Gonçalo Cadilhe escreve, porque viaja. Lemos com interesse acrescido em cada um dos livros Planisfério Pessoal (2005), A Lua Pode Esperar (2006), África Acima (2007), ou Nos Passos de Magalhães (2008) as Notas Introdutórias que a todos precedem, nelas se consubstanciando a explicitação de um projecto em que a viagem e escrita se confundem. Lemos no início de África Acima: Tiro um bloco de notas da mochila, começo a escrever. Este livro (Cadilhe, 2007: 15). A escrita nasce, pois, de uma experiência contada em primeira pessoa, como expressamente se afirma em A Lua Pode Esperar: Neste livro aparece apenas uma pequena fracção do que já vi, conheci e vivi (Cadilhe, 2006: 12). Ficou claro, desde a primeira publicação em livro, que o gosto pela viagem, a demanda de novos horizontes, é um projecto que precisa de sustentar-se a si próprio,

2 devendo o autor assegurar que cada um dos empreendimentos é viável, também do ponto de vista económico. Nos Passos de Magalhães é, talvez, a obra em que esta questão se torna mais premente. Como se lê na sua Nota Introdutória, Fernão de Magalhães parecia ter estado em todo o lado, o que onerava qualquer projecto de viagem. O acaso da colaboração que Gonçalo Cadilhe acordaria com a Navigator e que se traduziria na visita a instituições de ensino espalhadas pelo mundo ditou o modo de viajar, não percorrendo os caminhos de Magalhães, da maneira como ele o fez Eu não ia navegar nem refazer um itinerário histórico, ia tocar os sítios mais importantes da vida do português (Cadilhe, 2008:10). A escolha do avião como meio de transporte, depois de enjeitada sucessivamente nos livros anteriores, viria assim a revelar-se uma opção legítima, porque agora o que importava ao autor não era viajar, mas chegar. Para ele, viajar não é utilizar o avião, como faz questão de acentuar inúmeras vezes, não apenas nos paratextos, mas também no decurso da própria obra. E esse registo depreciativo abrange, igualmente, os aeroportos onde tudo se iguala, a começar pelas próprias lojas de duty free shop. Na verdade, este não é o seu modo de viajar, como igualmente o não é, em alguma da sua parte, o percurso da viagem de Magalhães, que renova. Isso fica muito claro em Guam, onde afirma Desembarco em Guam com a estranha noção de vestir um fato que não é feito à minha medida. É-me perfeitamente claro que este nunca seria um lugar onde me interessaria chegar se não fosse por Magalhães (Idem:139). O supremo modo de viajar é a caminhada, diz-se em A Lua pode Esperar, e Marco Pólo, o arquétipo deste ideal impossível, que a urgência dos tempos modernos só esporadicamente deixa experimentar, como acontece com os 90 Kms de travessia do desfiladeiro do Fish River Canyon, percorridos em solidão, em África Acima. 2

3 Excluído o avião, para a quase totalidade dos trajectos, fica o viajante à mercê das contingências inerentes a uma tal opção. A começar pela inadequação dos meios de transporte, verificada desde a escolha de um cargueiro para a travessia entre Espanha e Nova York em Planisfério Pessoal até à prodigiosa descrição de uma viagem de oito horas numa carrinha de caixa aberta no Gabão: A ideia de viajar em pé, ao vento não me desagrada. ( ) Com os solavancos e as curvas e as contracurvas, precisamos todos uns dos outros para não sermos projectados borda fora. Quem pode, agarra-se a uma mala, a um cabo, a uma tira, a um bidão; quem não pode, agarra-se a quem pode. Seguimos em simbiose, uma corda alpinista, uma gelatina resistente, uma massa uniforme e orgânica que tenta resistir à força centrífuga deste rodeo rodoviário. Em Portugal, nem com a mais lasciva namorada eu aceitaria andar assim abraçado em público; e aqui percorro o profundo Sul do Gabão nesta descompostura orgiástica (Cadilhe, 2005: ). Sem falar ainda na escassa oferta de meios de transporte em determinados continentes, como no caso de África, onde o pedido de boleia é sempre um expediente a explorar. Letras em trânsito Que tipo de viajante é então aquele que nos conduz ao longo destes quatro livros pelas mais remotas paragens, que infatigavelmente calcorreia o mundo, às vezes mesmo 3

4 repetindo alguns dos seus destinos e neles reencontrando rostos familiares; 1 que se emociona com paisagens, que é capaz de gestos solidários, como o de contribuir com o que julga poder vir temporariamente a melhorar a vida de Carlos e da sua família em La Libertad, em El Salvador (Idem, p.61), ou que a partir de SoraKe, localidade atingida pelo tsunami, retoma o contacto com a fundação de Donna na Nicarágua, canalizando os donativos recolhidos para ajudarem em conjunto Deddy? Que outras lições, que não as de vida, traz ele ao seu leitor? As de ordem cultural, geográfica, histórica ou política diremos transmitidas directamente por si ou mediadas pelas suas leituras. A nenhum leitor passará despercebido o gosto do viajante pelos livros: Como ou quase nunca tinha tempo de chegar a conhecer bem um país ( ) pedia a alguém que mo explicasse. Assim tive lá em casa as visitas ilustres de Octávio Paz, Noam ChomsKy, Eduardo Galeano, Amartya Sen, V. S. Naipaul e tantos outros autores e respectivos livros. Mais os guias de viagem, claro está (Idem, 224). Desta casa, a Casa às Costas, nos fala um capítulo de A Lua Pode Esperar. Que práticas nos poderá oferecer quem se vê diariamente confrontado com a necessidade do transporte diário da bagagem pessoal, a pé, em tantas ocasiões? A da experiência que, começada a adquirir-se em Planisfério Pessoal, pode levar à escolha temporária de um itinerário circular que obrigando a regressar ao ponto de partida permita a libertação de algum peso. A do apuramento progressivo dessa mesma experiência que ditará a construção de uma espécie de manual de sobrevivência, o da Casa às Costas. Tendo de prover-se do necessário, ao viajante, caberá despojar-se do supérfluo, de modo a que 1 Veja-se, por exemplo, Planisfério Pessoal, onde em Haapiti, o autor recorre à mesma família de pescadores que lhe alugara há dois anos atrás uma cama numa cabana-dormitório. 4

5 esta casa que consigo transporta seja uma declaração de leveza e da essencialidade (Cadilhe, 2006: 222). Transportar livros em viagem constituirá um estorvo para quem se move como Cadilhe. A estratégia será, então, a de despachá-los, por correio, a espaços regulares, para casa. Mas a leitura pode não apenas servir de complemento à viagem, mas igualmente constituir motivação para ela. Foi, curiosamente em viagem pelo Pacífico, numa das que são relatadas no Planisfério Pessoal, a bordo de um cargueiro, que Gonçalo Cadilhe, para se abstrair da parafernália marítima (Cadilhe, 2007: 132), lendo John Chambers, descobre em si o gosto por este outro viajante, Fernão de Magalhães. Foi preciso um autor anglo-saxónico exaltar um marinheiro português para eu estar agora aqui (Idem: 134) dirá ele. Nos Passos de Magalhães, a viagem surge condicionada pelo rumo da vida do navegador português, cuja biografia acompanhamos desde o nascimento provável em Sabrosa, até à morte em Mactan. Essa especificidade que fora anunciada no subtítulo Uma Biografia itinerante vem insistentemente a ser recordada no decurso da leitura, desde a nota introdutória até ao próprio texto, mas é igualmente verificável na simultaneidade que pressentimos entre a escrita biográfica e a própria deslocação em viagem. Biografia viajada, dita de outro modo, ainda (Idem:122). Ao contrário do que poderíamos pressentir, a viagem não é, assim, apenas a de circum-navegação, começada quando Fernão de Magalhães rondaria já os quarenta anos. Com efeito, acompanhamo-lo, desde cedo, guiados por este outro viajante do Séc. XXI, através de lugares cuja História testemunhe a presença do navegador. Evocadas são a passagem por Quíloa e Mombaça, na frota de D. Francisco de Almeida, rumo à Índia, em De regresso à Europa, em 1513, eis Magalhães alistado na armada de D. Jaime, 5

6 duque de Bragança, com destino a Azamor que deixara de pagar tributo ao monarca. Em 1519, a missa celebrada em Sanlúcar, antecipa a partida para a grande viagem. O livro de Cadilhe constrói-se com base num compromisso entre o passado e o presente da revisitação, não exactamente, a nosso ver, na medida do equilíbrio a que alude o autor metade História, metade viagem partilhada mas levando a História a melhor pelas dimensões que ocupa no espaço discursivo. Dizia-nos o autor na nota introdutória que a consulta de um índice remissivo pertencente a obra que não menciona lhe permitira aceder à longa enunciação dos lugares percorridos por Magalhães, e que passara os últimos meses a pesquisar sobre a vida e a época do navegador. A escrita da obra assentará, assim, no cruzamento de várias fontes, de entre as quais avulta, naturalmente, a do cronista da armada, Antonio Pigaffeta, a que se soma uma expressiva lista de autores contemporâneos. O resultado torna-se manifesto. Cotejam-se opiniões, aventam-se hipóteses, na ausência de certezas, complementam-se as informações de um autor com as de outro, tudo fazendo convergir para a definição do perfil e do projecto de vida do navegador. E o texto, constituído por uma extensa rede de citações ganha, então, uma especificidade própria, diversa da de qualquer um dos livros anteriores de Cadilhe, não apenas porque à sua voz se junte a de outros, ou que na sua viagem solitária ecoe a de há séculos antes, mas porque a dinâmica da viagem parece subsumir-se à do registo histórico e geográfico. Tal não acontecerá em nenhum dos outros livros, a despeito das diferenças que os distinguem. Ao movimento vertiginoso do Planisfério Pessoal, contrapor-se-á a quietude de A Lua Pode Esperar, antologia pessoal de textos publicados em jornais e revistas diversos, organizada em torno de temas aglutinadores, como a Patagónia, cidades e aldeias, ilhas e arquipélagos e Indonésia. A última parte, feita de memórias e reflexões, é aquela onde se concentram cinco divagações sedentárias em torno das fronteiras que cruza o viajante, do alojamento que ele escolhe, dos meios de transporte que usa e dos encontros que faz. 6

7 A disposição das crónicas de África Acima transparece na do seu índice, cuja enunciação corresponde à sucessão dos meses e dos países percorridos entre Maio e Novembro, da África do Sul até Marrocos, porta de entrada em casa, na Europa. Mais complexo é o modo de organização de Planisfério Pessoal. Não tendo, como afirma o autor, conseguido libertar-se de alguma parte das crónicas que escrevera, no trabalho de depuração dos textos, opta por inserir alguns desses excertos, espaçadamente, com uma mancha gráfica diferente, agrupados nas categorias Em Trânsito (peripécias de Viagem), Planisfério para Sempre (momentos fundamentais) e Diferença Horária (confrontos culturais). O modo de publicação inicial destas obras de Gonçalo Cadilhe, sob forma de crónica semanal a maioria, pese embora o facto de a todas estar subjacente um determinado projecto de viagem, implica um processo de justaposição que, se em termos pragmáticos, é susceptível de permitir leituras avulsas, numa leitura sequencial pode ressentir-se da tenuidade de alguns nexos semânticos. Referimo-nos concretamente à transição entre alguns espaços, nem sempre tornada clara. A representação cartográfica que acompanha cada um dos livros pode então obviar a alguma dispersão do leitor, confirmando, igualmente, um dos lugares-comuns que a literatura do género vem patenteando desde há séculos. A Viagem como arte do Encontro e da Comparação Viajar deve ser um acto solitário, é essa a opinião que se expressa em A Lua Pode Esperar, porque a dinâmica do grupo faz com que ele se feche sobre si mesmo, diminuindo a necessidade de ir ao encontro do Outro. Em Machu Pichu, no Planisfério Pessoal, diz o autor: Encosto-me aos muros incas e pertenço-lhes: sou um cardo, um planisfério de 7

8 musgo. Afundo-me nas pedras (Cadilhe, 2005:115). Mas para fugir ao assombro massificado (Idem:113) das hordas de turistas, de que também ele se inebria à chegada, deixa-se ficar para o dia seguinte, como que querendo guardar só para si a beleza das ruínas. Viajar só significa, então, ter mais disponíveis os sentidos para ir ao encontro do Outro. A começar por aquele Outro cujo contacto ocasional o transforma, paradoxalmente, nesta solidão da viagem, em companheiro dela, porque o destino quis, de súbito, que se cruzassem e fizessem um percurso temporariamente comum. Seja, no Planisfério Pessoal, a extensa viagem de 5000 Kms, de Nova York à Califórnia, num autocarro da empresa Greyhound, o gueto ambulante, que reflecte a mobilidade social da América e ao longo da qual é possível o contacto com um grupo alargado de passageiros, a escumalha da sociedade americana. Sobre esta viagem se lê: a minha viagem de 5000 quilómetros de uma costa à outra terá o calor humano que nenhuma troca de olhares em Manhattan me soube dar (Idem, p. 32). Seja, por exemplo, ainda, a viagem de autocarro para Mossel Bay, narrada em África Acima, em que Gonçalo e um dos passageiros se convertem em motivo de curiosidade recíproca. Ao primeiro intrigam as diversas mudanças de lugar do segundo para, ao fim de algum tempo retomar aquele que inicialmente ocupava. Ao segundo, a proveniência deste outro que se senta a seu lado. De onde virá ele Are ya from overseas? (Cadilhe, 2007:24). As viagens longas têm destas particularidades e suscitam curiosidade recíproca. Como a de Twist, para quem viagens turísticas, como a de Gonçalo, são impensáveis pelo que elas significariam de desobriga do sistema de entreajuda familiar das sociedades africanas que impede que um dos membros tenha dinheiro de sobra. Em África, ainda, a partilha de um determinado meio de transporte para além de tornar a viagem financeiramente mais atractiva, estratégia usual, como o demonstram as 8

9 várias mensagens espalhadas um pouco por todo o lado no hotel de Jackie na Namíbia, pode ainda fazer despontar relações com outros viajantes (Idem, 53). Em África, a pele branca tem leituras diversas. A mesma cor que permite, por solicitude de Agnès, a vendedora da banca ao lado da estação ferroviária, conseguir a Gonçalo Cadilhe um bilhete de forma mais rápida ou fazê-lo aceitar, surpreendido, o lugar reservado por um outro passageiro que nele adivinhou o estatuto de turista no Zimbabué, é também a que o faz destacar-se como mancha descolorada neste lençol de negritude (Idem, 77) e atrair as atenções dos oficiais de fronteira. É ainda a marca da pele, que no meio das filas informes de negros pedindo boleia, provavelmente explicará que a atenção de um condutor mais rapidamente se faça sentir, vindo, consequentemente, a propiciar, momentos fugazes de viagem acompanhada. Contactos individualizados são ainda aqueles que, à distância de milhares de quilómetros, possibilitam que se estabeleçam laços estranhamente solidários, onde os únicos pontos em comum parecem ser a língua ou o remoto conhecimento através de interpostas pessoas Em Oshakati ligo ao filho de um amigo de um primo de um amigo do meu irmão (Idem, 91) trata-se de um angolano que trabalha num despachante de Alfândega e que lhe poderia conseguir arranjar uma boleia até Luanda. Algumas coincidências são aquelas que explicam encontros renovados, inopinadamente, milhares de quilómetros depois, sem que do primeiro se houvesse feito o relato, porque provavelmente se não imaginaria a sua repetição. Assim acontece com o encontro com Christian em Whindoek, renovado quinze dias depois em Ghanzi. Mas em África podem surgir coincidências insólitas com o Ocidente, como aquela em que se vê sair de uma cubata com um elegante vestido negro, cântaro em equilíbrio na cabeça, galinha debaixo do braço, filhito amarrado às costas (Idem, 133), parecendo vinda de uma loja de Paris, uma negra, com o filho às costas. 9

10 A temática do Outro e das relações que com ele se estabelecem ocorre de forma explícita Nos Passos de Magalhães, apresentada como motivação intemporal para qualquer viagem desde os tempos de Heródoto e evocada no contexto da crónica de António de Pigafetta e da sua chegada à Patagónia. À distância de séculos, a visão da alteridade veiculada pelo italiano à luz de concepções da diferença assentes em premissas de superioridade do europeu em relação aos povos descobertos surge assim desmitificada por Cadilhe O homem no centro do Universo é o próprio Pigafetta (Cadilhe, 2008:116). Antes da chegada à Patagónia, o olhar insistente sobre a diferença tinha-o já o cronista feito incidir, sobre o índio do Brasil: o mundo indígena torna-se o alvo das atenções de Pigafetta que, de uma forma caricata, descreve tudo o que lhe passa à frente do olhar: o tipo de alimentos, a forma de vestir, a estrutura familiar, a religião, (ou melhor, a falta dela) e os libertinos hábitos sexuais dos tamoios, os habitantes originais do litoral carioca. É um mundo novo, este que Pigafetta descreve (Idem, ). A Pigafetta, deixará Cadilhe, por impossibilidade manifesta de retroceder no tempo, substituir o seu olhar pelo dele. Não o fará, contudo, no troço da viagem não correspondente à de circum-navegação, demorando-se, por exemplo, de forma atenta, na observação dos habitantes de Goa, para neles descobrir, não os traços de diferença, mas antes os de identidade relativamente aos Portugueses. Utilizam também as obras de Gonçalo Cadilhe estratégias que desde sempre constituíram marcas distintivas da literatura de viagem. Falamos do recurso ao conhecido para explicar o desconhecido. Sabe o autor que muitos dos espaços remotos que percorre 10

11 são provavelmente estranhos ao seu leitor imediato, daí enveredar algumas vezes pela evocação de cenários que se revelem mais familiares. No Planisfério Pessoal, devido a um aluimento, o autocarro tem de parar na estrada entre Yurimaguas e Tarapoto: A lama massaja os dedos dos pés, acaricia os tornozelos, sobe e desce pela barriga das pernas, como um movimento das marés. Não sei porquê lembro-me de Veneza, quando as ondas da passagem das lanchas lambem o mármore e o musgo das escadas dos palácios (99). A mesma Veneza a que se comparam as ilhas flutuantes dos Uros, ou o delta do Okavango, observado graças a um passeio de piroga em África Acima: Todo este universo de artérias flutuantes horizontais e juncos que as contradizem verticalmente, recordam-me uma Veneza vegetal. A gôndola do Beni leva-nos através do mistério da Sereníssima africana. A neblina lagunar é aqui luminosidade cristalina; cada embondeiro, um palácio ducal; o flagelo da passagem de um elefante, destruindo toda a vegetação, decalca a passagem de Atila pela terra ferma, destruindo toda a civilização. E na minha tenda consigo noites de sono que nenhum quarto no Daniele poderia proporcionar (74). Outras vezes a comparação serve para instaurar a diferença. À subida para os Andes há lugar para a reflexão em torno da língua portuguesa que soube encontrar no seu léxico a riqueza necessária à expressão das realidades ligadas ao mar, mas não à montanha: Penso na relação do meu povo com as montanhas, na nossa curiosa indiferença. Colocámos conchas e amarras nas fachadas góticas das catedrais, exprimimos com 11

12 uma poesia rude e viril esses «lisos» e «voltas» de mar, essas «levadias» de Janeiro, essa «mareta» que cobre o horizonte de espuma branca, essas cabeleiras que o vento leste arranca da crista das ondas, esses cheiros a maresia que penetram a cidade nas noites de orvalho e lua nova. Enchemos o mar com o sal das lágrimas de Portugal. Mas para as montanhas não guardámos imagens nem palavras (Cadilhe, 2005: 104). Na verdade, a geografia e a relação que o homem com ela detém determinam a expressão dos sentimentos e a própria linguagem, a forma de estar no mundo. Na descida do planalto de Springbok para o mar, reflecte-se sobre a noção de espaço e tempo, numa paisagem onde nada acontece durante horas, ou por contraste, no torvelinho de sensações, de barulhos, de gentes na Índia. Durante a viagem no cargueiro, vemos Cadilhe a dizer: Preciso de um nova relação com o passar do tempo, mas também de um novo olhar sobre o espaço. Estamos habituados a observar de uma forma voraz e superficial (Idem, 24). As viagens de Cadilhe permitem, por isso, ao sujeito viajante uma constante reavaliação de si próprio, na sua relação consigo mesmo e com os outros. Mesmo que para isso seja preciso derrubar a barreira dos preconceitos. O final de a Lua Pode Esperar pode constituir uma reflexão sobre estas práticas, a partir da de Marco Pólo que soube descrever as maravilhas do mundo com humildade, tolerância, pasmo e exactidão. Não se encontram sinais de soberba, de arrogância, de superioridade religiosa ou escárnio cultural no seu olhar. É essa a lição eterna e universal de Marco Pólo. Viajar serve para nos descobrirmos a nós próprios e à civilização a que 12

13 pertencemos, através da descoberta dos outros e das civilizações a que pertencem (246) Por isso, como qualquer viajante de antanho, Cadilhe leva consigo na bagagem bens de troca, susceptíveis de chamar a atenção do Outro. Simbólicos, desta vez. Valores, como O sorriso, a solidariedade, o bom senso, a alegria, a música e a amizade (Cadilhe, 2007: 19). Bibliografia Cadilhe, Gonçalo (2005), Planisfério Pessoal, Lisboa, Oficina do Livro. A Lua Pode Esperar (2006), Lisboa, Oficina do Livro. África Acima (2007), Lisboa, Oficina do Livro. Nos Passos de Magalhães (2008), Lisboa, Oficina do Livro. 13

GONÇALO CADILHE. A minha vida é sempre uma viagem HÉLDER SPÍNOLA. Dossier especial Saúde & Beleza

GONÇALO CADILHE. A minha vida é sempre uma viagem HÉLDER SPÍNOLA. Dossier especial Saúde & Beleza 14 Tudo sobre o Funchal Jazz 2011 Conversas com Sabor: Sonya e António Reis HELENA PEDRO NUNES A pintura é uma paixão que vem desde criança ESPECIAL SAÚDE & BELEZA Porque nunca é demais mimar-se e cuidar-se...

Leia mais

TEXTO DE APOIO À EXPLORAÇÃO PEDAGÓGICA DO TEMA

TEXTO DE APOIO À EXPLORAÇÃO PEDAGÓGICA DO TEMA TEXTO DE APOIO À EXPLORAÇÃO PEDAGÓGICA DO TEMA TEMA SELECCIONADO A CAMINHO DA ESCOLA IDENTIFICAÇÃO DAS COMPONENTES DA RUA / ESTRADA A Educação Rodoviária é um processo ao longo da vida do cidadão como

Leia mais

GRADUADO EM EDUCAÇÃO SECUNDÁRIA PROVA LIVRE. Exercício 3 ÂMBITO DE COMUNICAÇÃO: PORTUGUÊS

GRADUADO EM EDUCAÇÃO SECUNDÁRIA PROVA LIVRE. Exercício 3 ÂMBITO DE COMUNICAÇÃO: PORTUGUÊS GRADUADO EM EDUCAÇÃO SECUNDÁRIA PROVA LIVRE Exercício 3 ÂMBITO DE COMUNICAÇÃO: PORTUGUÊS MAIO 2011 Apelidos e nome. GRUPO I Leia o Texto A e consulte o vocabulário apresentado a seguir ao texto. TEXTO

Leia mais

Criança como passageiro de automóveis. Tema seleccionado.

Criança como passageiro de automóveis. Tema seleccionado. www.prp.pt A Educação pré-escolar é a primeira etapa da educação básica e é uma estrutura de apoio de uma educação que se vai desenvolvendo ao longo da vida. Assim, é fundamental que a Educação Rodoviária

Leia mais

Guião de Entrevista. 1- Para ti, quais foram as coisas que Portugal descobriu na época dos Descobrimentos?

Guião de Entrevista. 1- Para ti, quais foram as coisas que Portugal descobriu na época dos Descobrimentos? Guião de Entrevista 1- Para ti, quais foram as coisas que Portugal descobriu na época dos Descobrimentos? 2- Consideras os Descobrimentos portugueses um assunto importante? Porquê? 3- Na tua opinião, por

Leia mais

PROVA DE HISTÓRIA 2 o TRIMESTRE 2012

PROVA DE HISTÓRIA 2 o TRIMESTRE 2012 PROVA DE HISTÓRIA 2 o TRIMESTRE 2012 PROFa. FLÁVIA N ME N o 6 o ANO Nos anos 80 quando esta professora tinha a sua idade! passava na televisão um seriado chamado Viajantes do Tempo. A ideia do seriado

Leia mais

UNIDADE LETIVA 2 ANEXO 1

UNIDADE LETIVA 2 ANEXO 1 UNIDADE LETIVA 2 ANEXO 1 HISTÓRIAS COM GENTE DENTRO REFUGIADOS À procura da paz Testemunho de Ibraim (nome fictício) O meu nome é Ibraim, sou natural de um país africano, tenho 25 anos, e estou alojado

Leia mais

Metro. é o que mais agrada. Transportes públicos

Metro. é o que mais agrada. Transportes públicos é o que mais agrada O metro é um dos meios de transporte mais usados e que mais satisfaz os inquiridos. Já o autocarro desilude a elevada percentagem que o usa METRO DO PORTO A empresa que lidera na satisfação

Leia mais

Esta edição segue as normas do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

Esta edição segue as normas do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. [2] Luciano Portela, 2015 Todos os direitos reservados. Não há nenhum empecilho caso queira compartilhar ou reproduzir frases do livro sem permissão, através de qualquer veículo impresso ou eletrônico,

Leia mais

Casa do Povo de Óbidos - Creche e Jardim de Infância Ano lectivo de 2011/2012 1

Casa do Povo de Óbidos - Creche e Jardim de Infância Ano lectivo de 2011/2012 1 PROJECTO DE VALÊNCIA DE CRECHE Ano lectivo de 2011/2012 1 Índice 1-INTRODUÇÃO... 1 2-PRINCÍPIOS GERAIS E OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS DA CRECHE... 2 3-ÁREAS DE CONTEÚDO... 4 3.1 - ÁREA DE FORMAÇÃO PESSOAL E

Leia mais

Por isso antes de propriamente entrares na meditação dos textos, proponho um pequeno percurso para te ajudar a fazer silêncio interior

Por isso antes de propriamente entrares na meditação dos textos, proponho um pequeno percurso para te ajudar a fazer silêncio interior Para rezar na Semana Santa Estamos em plena Semana Santa. Ao longo destes dias somos convidados a reflectir no mistério da Paixão-Morte e Ressurreição de Jesus. A tradição popular quis recordar os últimos

Leia mais

NELSON MANDELA. O VALOR DA PAZ

NELSON MANDELA. O VALOR DA PAZ Mário Júlio de Almeida Costa NELSON MANDELA. O VALOR DA PAZ ACADEMIA DAS CIÊNCIAS DE LISBOA FICHA TÉCNICA TITULO NELSON MANDELA. O VALOR DA PAZ AUTOR MÁRIO JÚLIO DE ALMEIDA COSTA EDITOR ACADEMIA DAS CIÊNCIAS

Leia mais

10 zoom - FOTOGRAFIA PRÁTICA FOTO-AVENTURA

10 zoom - FOTOGRAFIA PRÁTICA FOTO-AVENTURA 10 zoom - FOTOGRAFIA PRÁTICA FOTO-AVENTURA Maldivas - Brasil DAS MALDIVAS AO BRASIL A CÂMARA DE MAURÍCIO MATOS PARTIU DA EUROPA, ATRAVESSOU A ÁSIA, PASSOU UNS DIAS NAS MALDIVAS, DEPOIS VOOU SOBRE ÁFRICA

Leia mais

Nadir ou a pintura como pura sugestão

Nadir ou a pintura como pura sugestão Nadir ou a pintura como pura sugestão Na história da arte do século XX em Portugal, o nome de Nadir Afonso ascende, merecidamente, ao mais alto cume, e a passagem do tempo apenas o vem confirmando. Não

Leia mais

O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1

O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1 Glauce Souza Santos 2 O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1 Resumo Esta resenha objetiva analisar a relação local/global e a construção da identidade nacional na obra Luanda Beira Bahia do escritor

Leia mais

VIAGEM AOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

VIAGEM AOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA VIAGEM AOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA Viagem aos Estados Unidos e ao Canadá, feita em conjunto com um grupo de amigos. Um voo Lisboa Nova York e dirigimo- nos ao rent- a- car, para levantar os veículos

Leia mais

Resolução da Assembleia da República n.º 31/94 Acordo sobre Transportes Rodoviários Internacionais entre a República Portuguesa e o Reino da Noruega

Resolução da Assembleia da República n.º 31/94 Acordo sobre Transportes Rodoviários Internacionais entre a República Portuguesa e o Reino da Noruega Resolução da Assembleia da República n.º 31/94 Acordo sobre Transportes Rodoviários Internacionais entre a República Portuguesa e o Reino da Noruega Aprova, para ratificação, o Acordo sobre Transportes

Leia mais

A Terra gira... Nesta aula vamos aprender um pouco mais. sobre o movimento que a Terra realiza em torno do seu eixo: o movimento de

A Terra gira... Nesta aula vamos aprender um pouco mais. sobre o movimento que a Terra realiza em torno do seu eixo: o movimento de A U A U L L A A Terra gira... Nesta aula vamos aprender um pouco mais sobre o movimento que a Terra realiza em torno do seu eixo: o movimento de rotação. É esse movimento que dá origem à sucessão dos dias

Leia mais

Conheça os Seus Direitos de Passageiro

Conheça os Seus Direitos de Passageiro Conheça os Seus Direitos de Passageiro Índice Via Aérea... 2 Pessoas com deficiências e pessoas com mobilidade reduzida... 2 Embarque recusado... 2 Cancelamento... 2 Atrasos consideráveis... 2 Bagagem...

Leia mais

yuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnm qwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxc

yuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnm qwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxc qwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwe rtyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyui opasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopas

Leia mais

Planificação Anual 1º Ciclo 3º ano

Planificação Anual 1º Ciclo 3º ano Planificação Anual 1º Ciclo ano Planificação do Período Língua Portuguesa Descritores de desempenho Compreensão do oral Prestar atenção ao que ouve de modo a tornar possível:, responder a questões sobre

Leia mais

Informações e instruções para os candidatos

Informações e instruções para os candidatos A preencher pelo candidato: Nome: N.º de inscrição: Documento de identificação: N.º: Local de realização da prova: A preencher pelo avaliador: Classificação final: Ass: Informações e instruções para os

Leia mais

Jean-Marc Caracci. Fotógrafo humanista

Jean-Marc Caracci. Fotógrafo humanista Inspiração Fotógrafo humanista Jean-Marc Caracci Conheça este excepcional fotógrafo que percorre a Europa de ponta a ponta com a missão de registar o Homem em contacto com o seu meio envolvente. Jean-Marc

Leia mais

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 Planificação Anual Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 UNIDADE DIDÁTICA: TEMA A: DOS PRIMEIROS POVOS À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL.

Leia mais

Rotas da Leitura. Biblioteca Municipal de Beja. Cristina Taquelim. Introdução

Rotas da Leitura. Biblioteca Municipal de Beja. Cristina Taquelim. Introdução Rotas da Leitura Biblioteca Municipal de Beja Cristina Taquelim Introdução A promoção da leitura nas bibliotecas portuguesas públicas sofreu nos últimos anos uma forte expansão e alberga hoje um conjunto

Leia mais

Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar

Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar A U A U L L A Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar o lugar em que vivemos na superfície da Terra. Vamos verificar que os lugares são agrupados em grandes conjuntos chamados de continentes,

Leia mais

Neste ano estudaremos a Mecânica, que divide-se em dois tópicos:

Neste ano estudaremos a Mecânica, que divide-se em dois tópicos: CINEMÁTICA ESCALAR A Física objetiva o estudo dos fenômenos físicos por meio de observação, medição e experimentação, permite aos cientistas identificar os princípios e leis que regem estes fenômenos e

Leia mais

RAIZ DE ORVALHO E OUTROS POEMAS (4. a edição) Autor: Mia Couto Capa: Pedro Proença Editorial Caminho ISBN 9789722123662. www.editorial-caminho.

RAIZ DE ORVALHO E OUTROS POEMAS (4. a edição) Autor: Mia Couto Capa: Pedro Proença Editorial Caminho ISBN 9789722123662. www.editorial-caminho. RAIZ DE ORVALHO E OUTROS POEMAS (4. a edição) Autor: Mia Couto Capa: Pedro Proença Editorial Caminho ISBN 9789722123662 www.editorial-caminho.pt Palavras iniciais Hesitei muito e muito tempo até aceitar

Leia mais

Uma política de língua para o português

Uma política de língua para o português Uma política de língua para o português Maria Helena Mira Mateus Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa Instituto de Linguística Teórica e Computacional As várias intervenções sobre política linguística

Leia mais

GUIA PARA PESSOAS COM MOBILIDADE REDUZIDA QUE NÃO VIAJAM FREQUENTEMENTE OU QUE VIAJAM DE AVIÃO PELA PRIMEIRA VEZ.

GUIA PARA PESSOAS COM MOBILIDADE REDUZIDA QUE NÃO VIAJAM FREQUENTEMENTE OU QUE VIAJAM DE AVIÃO PELA PRIMEIRA VEZ. GUIA PARA PESSOAS COM MOBILIDADE REDUZIDA QUE NÃO VIAJAM FREQUENTEMENTE OU QUE VIAJAM DE AVIÃO PELA PRIMEIRA VEZ. Como pessoa com mobilidade reduzida (PMR) deve ter a oportunidade de desfrutar de uma viagem

Leia mais

- Fernão, mentes? - Minto!

- Fernão, mentes? - Minto! Na etapa 3, leste um excerto do primeiro capítulo da Peregrinação de Fernão Mendes Pinto, numa adaptação de Aquilino Ribeiro. Nesta etapa, vais ler um excerto do último capítulo do original, Peregrinação,

Leia mais

Agora não posso atender. Estou no. Vou comprar o último livro do José Luís Peixoto. Posso usar a tua gravata azul? A Ana Maria vai ser nossa

Agora não posso atender. Estou no. Vou comprar o último livro do José Luís Peixoto. Posso usar a tua gravata azul? A Ana Maria vai ser nossa MODELO 1 Compreensão da Leitura e Expressão Escrita Parte 1 Questões 1 20 O Luís enviou cinco mensagens através do telemóvel. Leia as frases 1 a 5. A cada frase corresponde uma mensagem enviada pelo Luís.

Leia mais

CENTRO DE BEM ESTAR INFANTIL NOSSA SENHORA DE FÁTIMA

CENTRO DE BEM ESTAR INFANTIL NOSSA SENHORA DE FÁTIMA CENTRO DE BEM ESTAR INFANTIL NOSSA SENHORA DE FÁTIMA Projecto Pedagógico 2007/2008 Sala 9- Sala Aventura Estão habituadas à convivência com outras crianças e adultos não pertencentes à família. Aprenderam

Leia mais

500 anos: O Brasil- Um novo mundo na TV

500 anos: O Brasil- Um novo mundo na TV 500 anos: O Brasil- Um novo mundo na TV Episódio 3: Encontro no além-mar Resumo A série discute temas históricos, alternando a narrativa com encenações de bonecos animados que resgatam o contexto da época

Leia mais

FOTO-AVENTURA. Nikon D600. 85mm. f/16. 10. ISO 100. 10 zoom - FOTOGRAFIA PRÁTICA

FOTO-AVENTURA. Nikon D600. 85mm. f/16. 10. ISO 100. 10 zoom - FOTOGRAFIA PRÁTICA FOTO-AVENTURA Nikon D600. 85mm. f/16. 10. ISO 100 10 zoom - FOTOGRAFIA PRÁTICA Nova Zelândia CADA QUILÓMETRO É UMA POTENCIAL FOTOGRAFIA IR AO OUTRO LADO DO MUNDO APENAS PARA FOTOGRAFAR NÃO É PARA QUALQUER

Leia mais

é falar de músicas que existem para além, e apesar, da linguagem musical mais comercial e universal da música pop e rock de origem anglo-saxónica, é

é falar de músicas que existem para além, e apesar, da linguagem musical mais comercial e universal da música pop e rock de origem anglo-saxónica, é Í n d i c e Introdução... 5 Capítulo I: Europa... 11 Capítulo II: África... 47 Capítulo III: Américas... 77 Capítulo IV: Oceânia... 109 Capítulo V: Ásia... 113 Alguns sítios na Internet... 131 3 4 I n

Leia mais

ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU)

ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU) ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU) As dinâmicas aqui apresentadas podem e devem ser adaptadas de acordo com os objetivos

Leia mais

FORMULÁRIO VOLUNTÁRIOS

FORMULÁRIO VOLUNTÁRIOS A Fundação Realizar Um Desejo é uma fundação portuguesa integrada na rede da Make-A-Wish International que tem como principal objectivo o desenvolvimento de actividades no âmbito da solidariedade social.

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES. História

CADERNO DE ATIVIDADES. História COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES História Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação O que é História. Identificar a História como ciência. Reconhecer que

Leia mais

O legado de AGOSTINHO DA SILVA 15 anos após a sua morte i

O legado de AGOSTINHO DA SILVA 15 anos após a sua morte i O legado de AGOSTINHO DA SILVA 15 anos após a sua morte i LUÍS CARLOS SANTOS luis.santos@ese.ips.pt Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal 1- Agostinho da Silva, um adepto da Educação

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

Proposta de actividades pré e pós congresso EA Lusófono

Proposta de actividades pré e pós congresso EA Lusófono Proposta de actividades pré e pós congresso EA Lusófono A impactrip é uma promotora de viagens que combate as desigualdades sociais através do turismo solidário em Portugal. A nossa missão é promover experiências

Leia mais

Os Descobrimentos, a comunicação a nível global e a Conquista do Espaço

Os Descobrimentos, a comunicação a nível global e a Conquista do Espaço Os Descobrimentos, a comunicação a nível global e a Conquista do Espaço Este ponto é aqui. É a nossa casa. Somos nós, numa imagem tirada a partir de 6 mil milhões de quilómetros da Terra pela sonda Voyager

Leia mais

A iniciação à fé cristã das crianças de hoje - da teologia à pedagogia

A iniciação à fé cristã das crianças de hoje - da teologia à pedagogia CRISTO (Detalhe) Escultura Úmbria, séc. XII Artista desconhecido. REZAR A VIDA Manuela Silva A iniciação à fé cristã das crianças de hoje - da teologia à pedagogia 3 a 5 Outubro 2009. Fundação Betânia.

Leia mais

Ciências Humanas. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

Ciências Humanas. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo Ciências Humanas baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS HUMANAS Elementary School 2 K5 Conteúdos Gerais Conteúdos Específicos Habilidades

Leia mais

+10 anos GUIA DE LEITURA. Manuela Lapa. Alex Ponto Com Joe Silicone vai à escola. José Fanha Ilustrações de João Fanha

+10 anos GUIA DE LEITURA. Manuela Lapa. Alex Ponto Com Joe Silicone vai à escola. José Fanha Ilustrações de João Fanha GUIA DE LEITURA Manuela Lapa Alex Ponto Com Joe Silicone vai à escola José Fanha Ilustrações de João Fanha +10 anos 2 Apresentação da obra O que terá levado Joe Silicone, personagem virtual, a fugir do

Leia mais

Informação-Prova de Equivalência à Frequência COMPONENTE ESCRITA

Informação-Prova de Equivalência à Frequência COMPONENTE ESCRITA Agrupamento de Escolas do Viso Porto Prova de Equivalência à Frequência Espanhol (LE II) Prova 15 3º- Ciclo do Ensino Básico Informação-Prova de Equivalência à Frequência Tipo de Prova: Escrita e Oral

Leia mais

NA BATALHA DE ATOLEIROS

NA BATALHA DE ATOLEIROS NA BATALHA DE ATOLEIROS Passaram 627 anos, desde que os Portugueses e os Espanhóis, se defrontaram na batalha de Atoleiros. Mais uma vez se comemorará na Vila de Fronteira, a vitoria dos Portugueses, que

Leia mais

CENTENÁRIO DE JORGE AMADO «MINHAS MEMÓRIAS DE UMA LISBOA PROIBIDA»

CENTENÁRIO DE JORGE AMADO «MINHAS MEMÓRIAS DE UMA LISBOA PROIBIDA» CENTENÁRIO DE JORGE AMADO «MINHAS MEMÓRIAS DE UMA LISBOA PROIBIDA» 1. ESCRITORA MARIA DE LURDES BELCHIOR VEIO DO RIO DE JANEIRO A LISBOA PARA ME DEFENDER Foi na época de minha volta à França que também

Leia mais

De entre vários direitos que o diploma contém destacamos os seguintes:

De entre vários direitos que o diploma contém destacamos os seguintes: NATAL. UMA ÉPOCA FESTIVA ONDE AS FRONTEIRAS NÃO TÊM LUGAR... Uma vez que se aproxima mais um Natal, é importante não descurar e conhecer os seus direitos. Esta quadra, ainda que nos acompanhe por poucos

Leia mais

A lenda do café. Revista 24 horas, 28 de Julho de 2006 (excertos)

A lenda do café. Revista 24 horas, 28 de Julho de 2006 (excertos) A lenda do café Revista 24 horas, 28 de Julho de 2006 (excertos) Provavelmente já se questionou como é que o café foi descoberto. A história parece ser universal, já que tudo aponta para a Lenda de Kaldi,

Leia mais

diálogo ARTES Gonçalo Barreiros Experiência alienante SANDRA VIEIRA JÜRGENS sandravieirajurgens@gmail.com

diálogo ARTES Gonçalo Barreiros Experiência alienante SANDRA VIEIRA JÜRGENS sandravieirajurgens@gmail.com ARTES diálogo Gonçalo Barreiros Experiência alienante SANDRA VIEIRA JÜRGENS sandravieirajurgens@gmail.com Nas suas intervenções artísticas, no domínio da escultura e da instalação, Gonçalo Barreiros pode

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

andar de carro Poderia ser apenas mais um carro eléctrico.

andar de carro Poderia ser apenas mais um carro eléctrico. Motores Teste Chevrolet Volt Silêncio que se vai andar de carro Poderia ser apenas mais um carro eléctrico. Mas o Volt chegou com ambições mais elevadas: tornar os eléctricos numa verdadeira opção, alargando

Leia mais

Expedição ACP a Marrocos 2013 De 9 a 16 de Fevereiro (semana do carnaval)

Expedição ACP a Marrocos 2013 De 9 a 16 de Fevereiro (semana do carnaval) Expedição ACP a Marrocos 2013 De 9 a 16 de Fevereiro (semana do carnaval) O ACP vai promover uma expedição de jipe a Marrocos, aberta aos Sócios do clube. A viagem é exclusiva a viaturas 4x4 (jipe), as

Leia mais

Prova Final/Prova de Exame Nacional de Português Língua Não Materna (A2)

Prova Final/Prova de Exame Nacional de Português Língua Não Materna (A2) PROVA FINAL DO 2.º E do 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO E EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO PLNM (A2) Prova 63 93/2.ª Chamada/2012 PLNM (A2) Prova 739/2.ª Fase/2012 Decreto-Lei n.º 6/2001, de 18 de janeiro,

Leia mais

Livro de Nuno Afonso CENTRO CULTURAL MESTRE JOSÉ RODRIGUES. 8 de Agosto 15.00 horas 1 / 8

Livro de Nuno Afonso CENTRO CULTURAL MESTRE JOSÉ RODRIGUES. 8 de Agosto 15.00 horas 1 / 8 CENTRO CULTURAL MESTRE JOSÉ RODRIGUES 8 de Agosto 15.00 horas 1 / 8 Apresentação do livro de Nuno Baptista-Afonso Nuno Baptista-Afonso nasceu em Mirandela, em 1979, mas é um Alfandeguense, pois aqui foi

Leia mais

Guia Ilustrado: Região dos Lagos e Vulcões, Chile.

Guia Ilustrado: Região dos Lagos e Vulcões, Chile. Guia Ilustrado: Região dos Lagos e Vulcões, Chile. Fig. 1: Mapa do sul da América do Sul com detalhamento da Região dos Lagos no sul do Chile. Em amarelo as principais estradas e em azul a rota percorrida

Leia mais

Estudo de Satisfação de Turistas. Your Business Innovation Partner

Estudo de Satisfação de Turistas. Your Business Innovation Partner Estudo de Satisfação de Turistas Your Business Innovation Partner Índice Enquadramento 3 1.1 Objectivos 4 1.2 Metodologia 6 Síntese 9 Análise 16 3.1 Caracterização da Amostra 18 3.2 Caracterização das

Leia mais

* Tempo = 45minutos Grupo 300 Página 1 de 8

* Tempo = 45minutos Grupo 300 Página 1 de 8 Conteúdos Objectivos/Competências a desenvolver Tempo* Estratégias Recursos Avaliação Apresentação: Turma e professor Programa Critérios de avaliação Normas de funcionamento Conhecer os elementos que constituem

Leia mais

Como é a criança de 4 a 6 anos

Como é a criança de 4 a 6 anos de 4 a 6 anos Como é a criança Brinque: lendo histórias, cantando e desenhando. A criança se comunica usando frases completas para dizer o que deseja e sente, dar opiniões, escolher o que quer. A criança

Leia mais

Povos americanos: Maias, Incas e Astecas

Povos americanos: Maias, Incas e Astecas Povos americanos: Maias, Incas e Astecas Nicho Policrômico. Toca do Boqueirão da Pedra Fiurada. Serra da Capivara Piauí- Brasil Ruínas as cidade inca Machu Picchu - Peru Código de escrita dos maias, México.

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

I - Transportes de passageiros Artigo 2.º

I - Transportes de passageiros Artigo 2.º Decreto n.º 12/95 de 17 de Maio Acordo entre o Governo da República Portuguesa e o Governo do Reino de Marrocos sobre Transportes Internacionais Rodoviários de Passageiros e de Mercadorias Nos termos da

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA Questões Objetivas

LÍNGUA PORTUGUESA Questões Objetivas LÍNGUA PORTUGUESA Questões Objetivas As questões 1 a 7 referem-se ao texto 1. Texto 1 NÃO HÁ ESTRANHOS, APENAS AMIGOS. Susan Andrews Revista Época, 17 de setembro de 2007. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13

Leia mais

APOCALIP-SE. Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 2ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r

APOCALIP-SE. Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 2ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r APOCALIP-SE Marcelo Ferrari 1 f i c i n a 2ª edição - 1 de agosto de 2015 w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r APOCALIP-SE Ser humano não é ser uma pessoa, ser humano é ser um aluno. Aluno de que e de quem?

Leia mais

TV Ciência: Que modelos de ajuda para a eliminação da pobreza em Moçambique propõe?

TV Ciência: Que modelos de ajuda para a eliminação da pobreza em Moçambique propõe? TV Ciência: É considerado que as forças da globalização e marginalização são responsáveis por criarem dificuldades ao desenvolvimento. Pode concretizar esta ideia? Jessica Schafer: A globalização como

Leia mais

PROVA ESCRITA. As informações sobre a prova apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina.

PROVA ESCRITA. As informações sobre a prova apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina. INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ESPANHOL (LE II) Abril de 2015 Prova 15 2015 3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) Tipo de Prova: Escrita e Oral Duração: 90

Leia mais

Eu tenho a força! Será?

Eu tenho a força! Será? A UU L AL A Eu tenho a força! Será? Várias vezes vemos na televisão alguém gritando Eu tenho a força e, então, começa uma verdadeira pancadaria! Logo o super-herói sai do meio da confusão tirando pó do

Leia mais

SUMÁRIO. Resumo. Apresentação. Capítulo 1 - O Tempo das Analogias: Da representação da Experiência à Normatividade Científica

SUMÁRIO. Resumo. Apresentação. Capítulo 1 - O Tempo das Analogias: Da representação da Experiência à Normatividade Científica Madeira, Ana Isabel (2011). A Construção do Saber Comparado em Educação: uma análise sócio-histórica, Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian / Fundação para a Ciência e Tecnologia. Resumo Este trabalho centra-se

Leia mais

SOUSA GALITO, Maria (2010). Entrevista ao Embaixador Miguel Costa Mkaima. CI-CPRI, E T-CPLP, º8, pp. 1-6.

SOUSA GALITO, Maria (2010). Entrevista ao Embaixador Miguel Costa Mkaima. CI-CPRI, E T-CPLP, º8, pp. 1-6. SOUSA GALITO, Maria (2010). Entrevista ao Embaixador Miguel Costa Mkaima. CI-CPRI, E T-CPLP, º8, pp. 1-6. E T-CPLP: Entrevistas sobre a CPLP CI-CPRI Entrevistado: Embaixador Miguel Costa Mkaima Entrevistador:

Leia mais

G.A.S.J Grupo de Amigos de São Josemaria. Rota Mariana. Viagem a El PILAR, Saragoça, LOURDES, TORRECIUDAD, BARBASTRO y MONTSERRAT

G.A.S.J Grupo de Amigos de São Josemaria. Rota Mariana. Viagem a El PILAR, Saragoça, LOURDES, TORRECIUDAD, BARBASTRO y MONTSERRAT G.A.S.J Grupo de Amigos de São Josemaria Rota Mariana Viagem a El PILAR, Saragoça, LOURDES, TORRECIUDAD, BARBASTRO y MONTSERRAT 16 a 22 de Março de 2013 File 13/068 T 351 218 820 100 M +351 918 204 662

Leia mais

ETAPA 1. Planificar o trabalho

ETAPA 1. Planificar o trabalho ESCOLA SECUNDÁRIA DE SANTA MARIA DA FEIRA Este guião foi construído com base no Modelo PLUS: uma estratégia para a pesquisa e uso de informação e aplica-se ao 2º e 3º ciclos e Secundário. A designação

Leia mais

O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão

O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão Alexandre Panosso Netto Escola de Artes, Ciências e Humanidades Universidade de São Paulo Fábia Trentin Departamento

Leia mais

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) O ATO DE ESTUDAR 1 (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) Paulo Freire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo suas palavras:

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA DA ARTE LICENCIATURA E MESTRADO EM HISTÓRIA DA ARTE DOCENTE: PROFESSOR DOUTOR CARLOS MOURA VIAGEM A MADRID:

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (5 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (5 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (5 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Conhecer diferentes termos espaciais (em pé, deitado, em cima, em baixo, à frente, atrás, dentro, fora ) Descrever itinerários diários (exemplos:

Leia mais

Máquinas térmicas - o ciclo de Carnot

Máquinas térmicas - o ciclo de Carnot Máquinas térmicas - o ciclo de Carnot O topo de eficiência energética Todas as máquinas térmicas convencionais (a vapor, gasolina, diesel) funcionam à base do fornecimento de calor a um gás, que posteriormente

Leia mais

AS GRANDE NAVEGAÇÕES. Professora de História Maria José

AS GRANDE NAVEGAÇÕES. Professora de História Maria José AS GRANDE NAVEGAÇÕES Professora de História Maria José O desconhecido dá medo:os navegantes temiam ser devorados por monstros marinhos MAR TENEBROSO O COMÉRCIO COM O ORIENTE No século XV, os comerciantes

Leia mais

O Q U E É U M REL Ó G I O DE S O L? Relógio de Sol é um instrumento que determina as divisões. do dia através do movimento da sombra de um objecto, o

O Q U E É U M REL Ó G I O DE S O L? Relógio de Sol é um instrumento que determina as divisões. do dia através do movimento da sombra de um objecto, o O Q U E É U M REL Ó G I O DE S O L? Relógio de Sol é um instrumento que determina as divisões do dia através do movimento da sombra de um objecto, o gnómon, sobre o qual incidem os raios solares e que

Leia mais

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010 INTERVENÇÃO DO SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS Dr. Isaltino Afonso Morais Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010 LOCAL: Figueirinha, Oeiras REALIZADO

Leia mais

E Deus viu que tudo era bom

E Deus viu que tudo era bom E Deus viu que tudo era bom Nunca pensei que fosse assim O Livro do Gênesis é o livro mais fascinante da Bíblia e o mais complicado. Foi escrito milhares de anos depois dos fatos que ele narra. Foram vários

Leia mais

Plano Anual Curricular Estudo do Meio - 1º Ciclo -

Plano Anual Curricular Estudo do Meio - 1º Ciclo - Plano Anual Curricular Estudo do Meio - 1º Ciclo - Estudo do Meio 1º Ano 1º Período 2º Período 3º Período À descoberta de si mesmo - A sua identificação Conhecer a sua identificação Conhecer o seu nome

Leia mais

A CRIANÇA E O AMBIENTE RODOVIÁRIO

A CRIANÇA E O AMBIENTE RODOVIÁRIO A educação rodoviária deve começar o mais cedo possível. Ensine, com antecedência, as normas básicas de segurança rodoviária ao seu filho. Para ele, os pais constituem referências e modelos que procura

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca REUNIÃO DE TRABALHO COM FELIPE GONZALEZ,

Leia mais

Cuidados com a sua casa durante a viagem. Não comente sua viagem perto de pessoas estranhas. Uma opção é contratar um caseiro de confiança.

Cuidados com a sua casa durante a viagem. Não comente sua viagem perto de pessoas estranhas. Uma opção é contratar um caseiro de confiança. VIAGENS Cuidados com a sua casa durante a viagem Não comente sua viagem perto de pessoas estranhas. Uma opção é contratar um caseiro de confiança. Nas áreas externas, não deixe ferramentas e escadas, elas

Leia mais

LEITURA PARA O ESTUDO DA SEMANA: I Tessalonicenses 4:13-18; Atos 17:3; I Coríntios 15:20-23, 51-58; João 5:28 e 29; Apocalipse 20:4-6.

LEITURA PARA O ESTUDO DA SEMANA: I Tessalonicenses 4:13-18; Atos 17:3; I Coríntios 15:20-23, 51-58; João 5:28 e 29; Apocalipse 20:4-6. LIÇÃO 8 19 a 25 de agosto de 2012 Os Mortos em Cristo (I Tessalonicenses 4:13-18) SÁBADO À TARDE LEITURA PARA O ESTUDO DA SEMANA: I Tessalonicenses 4:13-18; Atos 17:3; I Coríntios 15:20-23, 51-58; João

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista?

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? Navegar era preciso, era Navegar era preciso navegar... Por quê? O que motivou o expansionismo marítimo no século

Leia mais

A MUDANÇA SOCIAL EM SOPHIA. UMA PERSPECTIVA DIDÁCTICA DA POESIA DATADA Elisa Gomes da Costa

A MUDANÇA SOCIAL EM SOPHIA. UMA PERSPECTIVA DIDÁCTICA DA POESIA DATADA Elisa Gomes da Costa A MUDANÇA SOCIAL EM SOPHIA. UMA PERSPECTIVA DIDÁCTICA DA POESIA DATADA Elisa Gomes da Costa (Serao publicado em Acta pela UFP. Porto) Venho hoje falar sobre Sophia de Mello Breyner e no seu empenhamento

Leia mais

Comunicação nas Organizações e Relações Públicas

Comunicação nas Organizações e Relações Públicas Comunicação nas Organizações e Relações Públicas José Viegas Soares 1 Escola Superior de Comunicação Social IP Lisboa As Relações Públicas Chama se esta mesa temática Comunicação nas Organizações e Relações

Leia mais

Boniteza! Chegou o contador de história!

Boniteza! Chegou o contador de história! Rio de Janeiro / RJ 2015 Boniteza! Chegou o contador de história! Edição Editora Coordenação para desenvolvimento de projeto; organização, concepção editorial, texto e revisão Valéria Pereira Ilustrações

Leia mais

Os aparelhos de GPS (Sistema de Posicionamento Global) se tornaram

Os aparelhos de GPS (Sistema de Posicionamento Global) se tornaram GPS Os aparelhos de GPS (Sistema de Posicionamento Global) se tornaram ferramentas importantes para nos localizarmos com mais facilidade. Agora imagine que você pudesse ter um GPS que, além de lhe fornecer

Leia mais

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml Figura 96 - Trecho do desenho da paisagem local, formado por desenhos individuais colados justapostos um no outro, constituindo uma só peça, um extenso rolo A localização da escola, no tocante a sua topografia,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural Licença para Criar: Imigrantes nas Artes em Portugal Magda Nico, Natália Gomes, Rita Rosado e Sara Duarte Maio de 2007, Estudos OI 23 Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural (ACIDI)

Leia mais

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de A U A UL LA Observar a paisagem Nesta aula, vamos verificar como a noção de paisagem está presente na Geografia. Veremos que a observação da paisagem é o ponto de partida para a compreensão do espaço geográfico,

Leia mais

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 5 Lendo e vivendo poemas. Recomendada para EF II ou EM. Tempo previsto: 4 aulas

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 5 Lendo e vivendo poemas. Recomendada para EF II ou EM. Tempo previsto: 4 aulas Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa Situação 5 Lendo e vivendo poemas Recomendada para EF II ou EM Tempo previsto: 4 aulas Elaboração: Equipe Técnica da CENP Apresentação Ler é um ato de recriação praticado

Leia mais

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos)

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos) I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. Hoje. domingo e o tempo. bom. Por isso nós. todos fora de casa.. a passear à beira-mar.. agradável passar um pouco de tempo

Leia mais

INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Aula 1.2 Conteúdo:

INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Aula 1.2 Conteúdo: Aula 1.2 Conteúdo: FILOSOFIA: Outras formas de pensar 1. Filosofia e Mitologia: O conhecimento tradicional indígena 2. Filosofia e Religião 3. Filosofia e senso comum 2 Habilidades: Perceber outros tipos

Leia mais