Fidelidade Mundial - Seguros. Relatório e Contas 2005

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fidelidade Mundial - Seguros. Relatório e Contas 2005"

Transcrição

1 Fidelidade Mundial - Seguros Relatório e Contas 2005

2 Relatório e Contas Fidelidade Mundial 2005 ìndice 2 Índice Orgãos Sociais Relatório do Conselho de Administração Demonstrações Financeiras em 31 de Dezembro de 2005 e 2004 Anexo às Demonstrações Financeiras Consolidadas e Individuais em 31 de Dezembro de 2005 Inventário Consolidado de Títulos e Participações Financeiras e outros Anexos Consolidados em 31 de Dezembro de 2005 Inventário Individual de Títulos e Participações Financeiras e outros Anexos Individuais em 31 de Dezembro de 2005 Relatório e Parecer do Fiscal Único e Certificação Legal de Contas

3 Relatório e Contas Fidelidade Mundial 2005 Orgãos Sociais 3 Orgãos Sociais Mesa da Assembleia Geral Presidente Vice-Presidente Secretário Conselho de Administração Presidente Vice-Presidente Vogais Fiscal Único Efectivo Suplente José Manuel Simões Correia José Lourenço Soares João José Lobato Moreira da Silva Vítor Manuel Lopes Fernandes Jorge Manuel Baptista Magalhães Correia Eugénio Manuel dos Santos Ramos João Eduardo de Noronha Gamito de Faria José António Rodrigues Nunes Coelho Armando António do Poço Pires António Maria Abreu Raposo de Magalhães Francisco Xavier da Conceição Cordeiro José Manuel Álvarez Quintero DELOITTE & ASSOCIADOS, SROC Representada por Maria Augusta Cardador Francisco Carlos Luís Oliveira de Melo Loureiro, ROC

4 Relatório e Contas Fidelidade Mundial 2005 Relatório do Conselho de Administração 4 1. Relatório do Conselho de Administração O Conselho de Administração da Companhia de Seguros Fidelidade-Mundial, S.A., em cumprimento dos preceitos legais e estatutários aplicáveis, apresenta o Relatório e Contas relativo ao exercício de 2005.

5 Relatório e Contas Fidelidade Mundial 2005 Relatório do Conselho de Administração 5 1. Enquadramento da Actividade 1.1. Aspectos Macroeconómicos Em 2005, a actividade económica mundial continuou, apesar de algumas condicionantes, a apresentar uma dinâmica significativa (crescimento esperado de 4,3%), devido essencialmente ao bom comportamento das economias asiáticas, com particular destaque para a China e Índia, que apresentaram crescimentos próximos de 9% e de 8%, respectivamente. Relativamente aos principais blocos económicos, os EUA apresentaram o crescimento mais vigoroso (cerca de 3,5%), enquanto a Zona Euro continuou a evidenciar um desempenho modesto, com um crescimento de 1,4%, suportado no consumo privado e no investimento. De salientar, ainda, a evolução da economia nipónica, que apresentou uma ligeira recuperação, traduzida no acréscimo de 2,5% no PIB e na perspectiva de saída da situação de deflação em que se tem encontrado nos últimos anos. No que respeita à evolução dos preços, a Zona Euro foi influenciada pelo aumento do custo dos bens energéticos, tendo a taxa de inflação atingido 2,2%, mais 0,2 pontos percentuais que o objectivo de inflação definido pelo BCE. Também os Mercados Accionistas, com excepção do Mercado Americano, evidenciaram uma evolução positiva, reagindo favoravelmente à perspectiva de uma melhoria dos resultados das empresas cotadas, decorrente do processo de reestruturação e redução de custos, e da recuperação da economia japonesa, o que permitiu superar o efeito negativo da manutenção de elevados preços das matérias primas, com destaque para o petróleo, e da tendência de aumento da taxa de juro. O Mercado Obrigacionista apresentou uma evolução mais modesta, consequência das indefinições quanto à tendência futura da taxa de juro de longo prazo e à subida verificada nas taxas de curto prazo. A actividade económica nacional, ao aumentar cerca de 0,3%, evidenciou um abrandamento face a 2004, mantendo, assim, a sua trajectória de divergência face à média da Zona Euro, apesar de, à semelhança do ano anterior, ter beneficiado do crescimento do consumo privado, parcialmente financiado por crédito bancário. O reduzido crescimento da economia e a continuação da deslocalização de empresas industriais, reflectiu-se no aumento do desemprego, cuja taxa média anual atingiu 7,6%, mais 0,9 pontos percentuais do que no final de O efeito conjunto da reduzida dinâmica da economia, da reversão dos efeitos do Euro 2004 e da contenção salarial, conduziu a uma redução da taxa de inflação para 2,1% (2,5% em 2004), que, contudo, se manteve ainda acima do objectivo de 2% para a Zona Euro, reflectindo o aumento da taxa normal do

6 Relatório e Contas Fidelidade Mundial 2005 Relatório do Conselho de Administração 6 IVA e dos preços dos bens energéticos. Assim, tendo em conta a evolução da Euribor, há a referir que as aplicações financeiras tradicionais evidenciaram, em média, uma remuneração real negativa. As previsões mais recentes do Banco de Portugal para 2006 apontam para uma aceleração do ritmo de crescimento da economia portuguesa, que deverá atingir 0,8%, decorrente do aumento das exportações e para uma aceleração da inflação, que deverá situar se em cerca de 2,5%. De salientar, contudo, que subsistem alguns dos riscos condicionantes do desempenho económico que já se verificavam anteriormente, ou seja, a subida da taxa de juro de curto prazo e os seus efeitos ao nível do consumo privado e a apreciação do euro Evolução do Sector Segurador em Portugal Apesar do contexto macroeconómico pouco favorável, com a maioria dos indicadores a evidenciarem uma evolução moderada da economia, o Sector Segurador nacional apresentou, em 2005, um comportamento positivo, traduzido no crescimento dos Prémios de Seguro, que, contudo, beneficiaram essencialmente da transferência de aplicações em Depósitos a Prazo para Produtos de Capitalização de Seguradoras. Em termos de Prémios de Seguro Directo, o Mercado terá contabilizado, de acordo com os elementos divulgados pelo Instituto de Seguros de Portugal, milhões de euros (um acréscimo de 28,1%), dos quais 137 milhões de euros (cerca de 1,0% do total) resultaram da actividade em mercados externos, domínio em que a Fidelidade-Mundial é responsável por mais de 70% do total da Produção captada. O incremento de 28,3% na actividade em Portugal, que permitiu atingir uma Produção de milhões de euros, deveu-se, essencialmente, ao acréscimo de 46,2% do Ramo Vida, que reforçou o seu peso na estrutura carteira de prémios para cerca de 68% do total. Quanto aos Ramos Não Vida verificou se uma evolução no Mercado Doméstico de 1,8% (inferior ao crescimento nominal do PIB), que reflectiu o abrandamento da actividade económica, cujo efeito foi contrabalançado pela crescente apetência por alguns Produtos, como sejam os Riscos Múltiplos e Doença. Relativamente à estrutura empresarial do Sector, há a referir, em 2005, a concretização do acordo de aquisição do negócio Segurador não bancário do Grupo BCP, por parte da Caixa Seguros, com posterior venda da Seguro Directo ao Grupo Axa, e a venda de 51% da Seguros & Pensões ao Grupo Fortis. Esta operação deu à Caixa Seguros a liderança do Mercado, com especial destaque para os Ramos Não Vida, onde ficou a deter cerca de um terço de quota de mercado do Sector Segurador.

7 Relatório e Contas Fidelidade Mundial 2005 Relatório do Conselho de Administração 7 Considerando o conjunto dos cinco e dos dez primeiros grupos seguradores, verifica-se um aumento do grau de concentração do Mercado em 5,4 pp. e 2,7 pp., respectivamente, tendo o primeiro conjunto obtido uma quota de 71,5% e o segundo uma quota de 87,2%. Contudo, o aumento de concentração no conjunto dos principais Grupos fica a dever-se exclusivamente ao comportamento dos Ramos Vida, pelo que se considerarmos apenas os Ramos Não Vida, a conclusão é contrária, tendo o conjunto dos cinco maiores Grupos Não Vida atingido uma Quota de Mercado de 68%, inferior em 2,2 pontos percentuais ao ano anterior. A estrutura de distribuição voltou a evidenciar, tal como em anos anteriores, um reforço do peso do Canal Bancário que, contudo, se encontra concentrado na Produção Vida, continuando os canais tradicionais de mediação e corretagem a manter uma grande relevância e uma presença dominante nos Ramos Não Vida, onde são responsáveis por cerca de 90% da Produção. No que respeita aos Resultados, as medidas de eficiência, de selecção de riscos e de contenção de custos implementadas pelas Seguradoras, associadas ao favorável comportamento dos Mercados Financeiros, permitem perspectivar em 2005 uma evolução positiva dos Resultados da generalidade das Empresas do Sector Segurador. 2. Actividade da Companhia 2.1. Aspectos Gerais O ano de 2005 marca o início de uma nova fase da Companhia, caracterizada por um novo processo de integração de estruturas de back-office decorrente da aquisição da Império Bonança por parte do Grupo CGD, no qual terão de ser tidos em conta a compatibilização entre as sinergias a obter e o posicionamento externo pretendido. No ano em análise foram também levadas a efeito diversas acções tendentes ao reforço e consolidação da marca Fidelidade Mundial, nomeadamente a conclusão do processo de mudança de imagem nas Agências e nos escritórios de Mediadores exclusivos e preferenciais, a colaboração em acções comerciais e de marketing com os canais de distribuição da CGD e CTT e o desenvolvimento de campanhas de promoção e dinamização comercial para os segmentos de particulares e empresas.

8 Relatório e Contas Fidelidade Mundial 2005 Relatório do Conselho de Administração 8 Também ao nível dos Produtos se verificaram progressos importantes, tendo, no Ramo Vida, sido lançados vários Produtos ICAE (Instrumentos de Captação de Aforro Estruturados) nos Canais Bancário e Postal e reformulada, para todos os canais de distribuição, a oferta de produtos tradicionais. Na vertente dos Ramos Não Vida prosseguiu o trabalho de uniformização e melhoria contínua dos produtos, através da introdução de coberturas e serviços inovadores e de medidas de fidelização de clientes. Em termos de Produção, a Companhia detém a liderança destacada do Mercado, apesar do forte crescimento evidenciado por alguns concorrentes ao nível do Ramo Vida, sendo líder nos Ramos Não Vida e detendo a terceira posição nos Ramos Vida. No que respeita aos Resultados, verificou-se uma evolução favorável, devido, sobretudo, à Actividade no Estrangeiro, tendo se obtido um Resultado consolidado de 101,3 milhões de euros, representando um acréscimo de 11,4% face a Os indicadores abaixo apresentados reforçam a evolução positiva verificada: A produtividade das vendas registou um acréscimo (23,1%), resultante quer do crescimento da produção (14,1%), quer da redução do quadro de pessoal; O rácio custos administrativos e comerciais sobre prémios conheceu um decréscimo de 2,8 pontos percentuais para 13,6%, reflectindo a política de contenção adoptada; O investimento líquido atingiu o montante de 914,3 milhões de euros, superior em 408 milhões de euros ao registado em 2004, devido ao maior montante de Prémios do Ramo Vida. Actividade em Portugal (Milhares de euros) Produtividade das Vendas (Prémios Seg. Dir./Nº. Trabalhadores 1) Rácio de Custos [(Custos por Natureza a Imputar + Comissões)/Prémios Seg.Dir.x100)] 13,6% 16,4% 17,2% Volume de Investimento Apenas os Trabalhadores afectos à Actividade de Seguros

9 Relatório e Contas Fidelidade Mundial 2005 Relatório do Conselho de Administração Análise Económica Seguro Directo A Fidelidade-Mundial registou, em 2005, um montante global de prémios de Seguro Directo, incluindo a Actividade no Estrangeiro, de milhões de euros, correspondente a um aumento de 12,6% face ao ano anterior. No que respeita à Actividade em Portugal, atingiu-se um montante de Prémios de milhões de euros, traduzindo-se em um acréscimo de 14,1% e em uma redução de 2,1 pontos percentuais na quota de mercado, situação que foi comum às Seguradoras nas quais os Ramos Não Vida têm uma maior relevância, uma vez que o forte crescimento evidenciado pelo Mercado teve origem na Actividade Vida. Prémios de Seguro Directo (Milhares de euros) Prémios de Seguro Directo * Acréscimos em relação ao ano anterior Índice de expansão 12,6 % 7,2 % 7,5 % Quota de mercado: no conjunto da actividade seguradora em Portugal 17,2 % 19,3 % 19,8 % * Total da Actividade (Portugal e Estrangeiro) Para o aumento da Carteira de Prémios da Companhia contribuiu maioritariamente a evolução da Actividade Vida, que conheceu uma variação de 26,9%, atingindo um montante de milhões de euros, o que reflectiu também uma maior apetência por produtos ligados a fundos de investimento (unit-linked). Por outro lado, a Actividade Não Vida evidenciou um decréscimo de 1,8%, apresentando, assim, um montante de prémios de 879 milhões de euros, justificado pelo clima de abrandamento económico, tendo os principais agregados apresentado um crescimento reduzido, ou mesmo um decréscimo, excepção feita aos Ramos Doença (+8,0%) e Multiriscos Habitação (+7,9%).

10 Relatório e Contas Fidelidade Mundial 2005 Relatório do Conselho de Administração 10 A Fidelidade-Mundial e o Mercado Taxas de Variação Anuais (Actividade em Portugal) Ramos Var. (%) Fidelidade Mundial Total da Actividade Vida 26,9 14,2 12,8 46,2 15,9 18,2 Não Vida -1,8 1,2 2,2 1,8 4,5 4,8 Acidentes e Doença 0,5-0,3 5,7 2,9 2,8 6,3 Incêndio e Out. Danos 0,5 1,7 1,6 0,3 8,0 1,8 Automóvel -3,6 1,1-0,1 1,6 4,1 4,0 Transportes -4,2-9,4 7,8-2,9-6,5 1,0 Resp. Civil Geral -5,4 24,4 5,3-0,7 25,1 8,0 Diversos -7,4 13,6 32,3 8,1 4,8 19,0 Total 14,1 8,1 7,5 28,3 11,0 12,1 O maior crescimento dos Ramos Vida conduziu a uma alteração na Estrutura da Carteira de Prémios da Companhia, incluindo a Actividade no Estrangeiro, tendo o conjunto dos Ramos Vida passado a representar 61,1% da Produção, face aos 54,2% do ano anterior. Este aumento acompanhou a evolução da Estrutura da Carteira do Sector, onde os Ramos Vida representam cerca de 67,9% dos Prémios, face a 59,4% em Prémios de Seguro Directo por Ramos Ramos (Milhares de euros) Valor Var(%) Valor Var(%) Valor Var(%) Vida , , ,2 Não Vida , , ,0 Acidentes e Doença , , ,1 Incêndio e Out. Danos , , ,3 Automóvel , , ,4 Transportes , , ,5 Resp. Civil Geral , , ,9 Diversos , , ,2 TOTAL , , ,5

11 Relatório e Contas Fidelidade Mundial 2005 Relatório do Conselho de Administração 11 No que respeita à estrutura da distribuição, o canal bancário e o canal postal reforçaram o seu peso, passando a representar cerca de 58% da produção total da Companhia, enquanto as Sucursais diminuíram a sua contribuição para 4,3%, devido, exclusivamente, à descontinuação da Carteira do Ramo Automóvel na Sucursal de Espanha. Prémios de Seguro Directo por Canal de Distribuição Tradicional Bancário e CTT Sucursais , ,4 104,6 2415, , ,7 118,3 2145, ,5 888,7 130,6 2001, Sinistralidade e Resseguro As indemnizações de Seguro Directo contabilizadas em Portugal atingiram o montante de milhões de euros, menos 10,5% que o registado em 2004, reflectindo uma redução dos montantes de indemnizações, quer nos Ramos Vida, quer nos Ramos Não Vida. Custos com Sinistros de Seguro Directo (Actividade em Portugal) Ramos (Milhares de euros) Valor Var(%) Valor Var(%) Valor Var(%) Vida , , ,1 Não Vida , , ,8 Acidentes e Doença , , ,6 Incêndio e Out. Danos , , ,7 Automóvel , , ,0 Transportes , , ,3 Resp. Civil Geral , , ,4 Diversos , , ,4 Total , , ,5 A taxa de sinistralidade de Seguro Directo, líquida de resseguro, da Actividade Não Vida em Portugal registou um acréscimo de 1,2 pontos percentuais, em consequência do comportamento negativo da generalidade

12 Relatório e Contas Fidelidade Mundial 2005 Relatório do Conselho de Administração 12 dos agrupamentos de Ramos, com excepção do agregado Acidentes e Doença, onde o Ramo Doença contribuiu decisivamente para a melhoria do indicador. Taxas de Sinistralidade de Seguro Directo Líquidas de Resseguro Cedido (Custos com Sinistros / Prémios Adquiridos - Actividade em Portugal) Ramos (%) Vida 50,5 76,9 81,3 Não Vida 65,8 64,6 70,2 Acidentes e Doença 72,1 72,9 71,3 Incêndio e Outros Danos 31,5 29,4 38,4 Automóvel 69,2 67,0 75,3 Transportes 43,5 38,5 44,5 Resp. Civil Geral 49,9 46,3 70,1 Diversos 30,6-71,4-21,2 TOTAL 55,9 71,8 76,5 O aumento dos custos com sinistros de Resseguro Aceite registado no corrente exercício resulta da prossecução da política de comutações de responsabilidades de Resseguro Aceite, em Run-Off, no Mercado de Londres. Relativamente ao Resseguro Cedido, verificou-se um desagravamento da taxa de sinistralidade, facto a que não é alheia a ausência de sinistros de grande dimensão durante o exercício e o crescimento sustentado das nossas retenções. Rácios (%) Prémios R. Cedido 7,1 7,4 7,6 Prémios SD + RA Comissões R. Cedido 12,8 15,2 14,3 Prémios R. Cedido Indemnizações RC 3,5 4,4 3,2 Indemnizações SD + RA Indemnizações RC 26,3 41,7 30,3 Prémios R. Cedido

13 Relatório e Contas Fidelidade Mundial 2005 Relatório do Conselho de Administração Comissões e Despesas de Aquisição de Seguro Directo As comissões e despesas de aquisição ascenderam a cerca de 95 milhões de euros, valor semelhante ao do ano anterior, mas que representou uma redução da taxa de comissionamento em 0,6 pontos percentuais, para 4,1% do total de Prémios de Seguro Directo. A redução da taxa de comissionamento ficou a dever-se, essencialmente, à alteração na Estrutura da Carteira de Prémios, nomeadamente ao maior peso da Actividade Vida, caracterizada por menores taxas de mediação. Comissões e Despesas de Aquisição de Seguro Directo (Actividade em Portugal) Ramos (Milhares de euros) Valor % Valor % Valor % Vida , , ,9 Não Vida , , ,0 Acidentes e Doença , , ,2 Incêndio e Outros Danos , , ,0 Automóvel , , ,5 Transportes 723 5, , ,6 Resp. Civil Geral , , ,1 Diversos 308 5, , ,9 Total , , ,8 % dos respectivos Prémios de Seguro Directo Custos por Natureza a Imputar O total de Custos por Natureza a Imputar atingiu 226,5 milhões de euros, inferior em 18,4 milhões de euros a 2004, reflectindo a redução das rubricas Custos com Pessoal e Fornecimentos e Serviços Externos, que, no ano anterior, tinham sido influenciadas por custos não recorrentes (nova imagem e reforço extraordinário do fundo de pensões). Assim, em consequência desta evolução e do aumento da carteira de prémios, o peso relativo destes custos no total da produção diminuiu, passando a representar 9,4% face aos 11,4% verificados em 2004.

14 Relatório e Contas Fidelidade Mundial 2005 Relatório do Conselho de Administração 14 Custos por Natureza a Imputar (Milhares de euros) Valor % Valor % Valor % Custos com Pessoal , , ,1 Fornec. e Serv, Externos , , ,7 Impostos e Taxas , , ,8 Amortizações , , ,1 Juros Suportados 938 0, , ,1 Comissões , , ,1 TOTAL , , ,9 % do total de Prémios de Seguro Directo Rácio Combinado Não Vida O Rácio Combinado Não Vida Líquido de Resseguro apresentou uma evolução favorável em 2005, atingindo um valor de 97,5%, menos 5 pontos percentuais que em Recursos Humanos O ano de 2005, marcado pelo processo de integração da Império-Bonança na Caixa Seguros, teve reflexos importantes em termos de práticas de gestão que funcionaram como um instrumento de adaptabilidade da empresa ao seu próprio contexto, criando vantagens competitivas e organizacionais. Em particular no que respeita à área de Recursos Humanos, é de realçar o início do projecto de harmonização dos instrumentos de gestão, como sejam o Modelo de Política Salarial e Benefícios e o Sistema de Gestão do Desempenho. De acordo com os objectivos estratégicos prosseguiu-se, em 2005, uma política de contínuo ajustamento quantitativo (-5,0%) e qualitativo do efectivo total da empresa, de forma a potenciar uma melhoria da produtividade e da qualidade do serviço prestado. A admissão de 21 novos colaboradores caracterizou-se por uma atenção especial ao perfil dos candidatos (com níveis de qualificação superiores à média global) e pela média etária, que se situou em 29 anos, salientando se que 43% das admissões se destinaram à Rede de Agências. Esta evolução qualitativa permitiu consolidar a tendência de alteração na composição do efectivo em termos de formação académica, verificando-se um crescimento da taxa de trabalhadores com

15 Relatório e Contas Fidelidade Mundial 2005 Relatório do Conselho de Administração 15 habilitações iguais ou superiores ao ensino secundário, evoluindo de 58% em 2004 para 60,4% no ano em análise. Face à mobilidade global verificada em 2005, registou-se uma taxa de rotação de efectivos de 11,7% (em 2004 este indicador foi de 7,8%), que é consistente com os objectivos de adequação e de realocação de recursos internos. Efectivo Permanente Trabalhadores Efectivos Trabalhadores com Contrato a Termo TOTAL Nota: Não inclui as sucursais em Espanha, França e Macau A idade média dos trabalhadores, apesar do reduzido número de admissões, manteve o mesmo nível do ano anterior (44,4 anos), tendo a antiguidade média atingido 19,2 anos. Estrutura Etária Ano 2005 Idades Homens Mulheres Total > = , ,0 15,0 20,0 25,0 No domínio da Formação, a actividade de 2005, a par do desenvolvimento de programas no âmbito da gestão e formação técnica e de produtos, incidiu particularmente na continuada adaptação da população interna e Mediadores aos novos sistemas informáticos e à formação comportamental em atendimento telefónico para o Call Center de Évora.

16 Relatório e Contas Fidelidade Mundial 2005 Relatório do Conselho de Administração 16 Participação em Acções de Formação Anos (Nº. de Participantes) Variação % Formação Formação Formação Formação Formação Formação 2004/ /2003 Interna Externa Interna Externa Interna Externa Participantes ,1-5,6 Horas ,8 6, Análise Financeira a) Cobranças Durante o ano de 2005 verificou-se um comportamento positivo da função cobrança, traduzida na redução em 0,6 pontos percentuais do rácio de prémios em cobrança face à produção e em 2 dias no prazo médio de cobrança. Este comportamento foi também registado ao nível da antiguidade dos saldos, o que conduziu a uma redução de 3,1 pontos percentuais no provisionamento dos mesmos, cujo rácio passou a representar 9,5% do total de Recibos por Cobrar. Evolução dos Recibos por Cobrar, da Prov. para Recibos por Cobrar e do Prazo Médio de Cobrança Rácios Recibos por Cobrar Prémios 4,1% 4,7% 5,2% Provisão para Recibos por Cobrar Recibos por Cobrar 9,5% 12,6% 17,9% Prazo Médio de Cobrança (dias) b) Investimentos O valor líquido do investimento realizado em 2005 ascendeu a 905 milhões de euros, superando o valor do ano anterior em 247 milhões de euros. Esta evolução teve origem no crescimento das Provisões Matemáticas, devido ao elevado montante de Produtos de Capitalização do Ramo Vida.

17 Relatório e Contas Fidelidade Mundial 2005 Relatório do Conselho de Administração 17 Investimentos Aplicações (Milhares de euros) Títulos de Rendimento Fixo Títulos de Rendimento Variável Empréstimos Depósitos em Instituições de Crédito Outros Depósitos Bancários Imóveis Equipamento TOTAL c) Rendimentos e Ganhos de Capital O aumento de Rendimentos decorrente do crescimento da Carteira de Investimentos foi, em grande parte, mitigado pelo baixo nível das taxas de juro, tendo o montante de rendimentos registado um acréscimo de apenas 7,8%, ascendendo a 291 milhões de euros e representando 12,0% da carteira de prémios de Seguro Directo (menos 0,6 pp. do que no ano anterior). Rendimentos (Milhares de euros) Rendimentos Var. (%) 7,8-0,7 1,8 % Do total de Prémios de Seguro Directo 12,0 12,6 13,6 Taxa de Rentabilidade Financeira (%) 4,8 4,9 5,2 Por outro lado, o bom comportamento dos Mercados Accionistas permitiu a realização de Ganhos de Capital na Alienação de Investimentos em montante semelhante ao ano anterior, com um impacto favorável nas Contas Técnicas, tendo a Taxa de Rentabilidade Financeira atingido 4,8%, valor semelhante ao do ano anterior.

18 Relatório e Contas Fidelidade Mundial 2005 Relatório do Conselho de Administração Garantias Financeiras a) Evolução das Provisões Técnicas As provisões técnicas de Seguro Directo e Resseguro Aceite apresentaram, no final de 2005, um montante de 7,6 mil milhões de euros, correspondente a uma variação positiva de aproximadamente 900 milhões de euros, o que reflecte, sobretudo, o aumento das Provisões ligadas à Actividade Vida. A redução do rácio de Provisões Técnicas sobre Prémios da Actividade Vida justifica-se pela menor evolução das Provisões Matemáticas face ao crescimento dos Prémios, devido ao substancial acréscimo da Produção e ao elevado montante de Produtos de Capitalização que atingiram a sua maturidade. Por outro lado, ao nível dos Ramos Não Vida verificou-se um aumento deste rácio em cerca de 7 pontos percentuais, o que reflecte a continuidade de uma politica prudencial no Provisionamento Técnico. Provisões Técnicas de Seguro Directo e Resseguro Aceite (Milhares de euros) Vida Não Vida TOTAL Rácio de Provisões Técnicas Sobre Prémios (%) Vida 419,6 454,5 479,8 Não Vida 145,3 138,4 130,6 TOTAL 312,8 309,5 307,0 Como se verifica no quadro seguinte, as Provisões relacionadas com o Ramo Vida foram, tal como nos últimos anos, as principais responsáveis pelo acréscimo registado.

19 Relatório e Contas Fidelidade Mundial 2005 Relatório do Conselho de Administração 19 Provisões Técnicas de Seguro Directo e Resseguro Aceite (Milhares de euros) Provisão para Prémios Não Adquiridos Provisão Matemática Vida Provisão para Sinistros De Vida De Acidentes de Trabalho De Outros Ramos Provisão para Participação nos Resultados Provisão para Desvios de Sinistralidade Provisão para Riscos em Curso Provisão Tec. Vida Risco Tomador de Seguro TOTAL b) Representação das Provisões Técnicas A Fidelidade-Mundial, ao terminar o exercício de 2005 com um montante de activos afectos à representação das provisões técnicas de 8,1 mil milhões de euros, atingiu um rácio de cobertura das provisões técnicas de seguro directo e resseguro aceite de 106,9%, superando as responsabilidades assumidas em cerca de 520 milhões de euros. Existem, ainda, outros activos não afectos, mas passíveis de representação das provisões técnicas, que aumentariam o rácio de cobertura para 113,1%. A Companhia tem, assim, inteiramente cobertas as suas responsabilidades para com segurados e terceiros e cumpre os limites estabelecidos em relação a aplicações financeiras, bem como os níveis de margem de solvência e do fundo de garantia, excedendo significativamente os valores mínimos legalmente fixados. Cobertura das Provisões Técnicas Activos de Representação das Prov. Técnicas (Milhares de euros) Títulos de Crédito Acções Outros Imóveis Empréstimos Depósitos e Caixa Outros Activos TOTAL PROVISÕES TÉCNICAS SD + RA RÁCIO DE COBERTURA 106,9% 105,7% 106,0%

20 Relatório e Contas Fidelidade Mundial 2005 Relatório do Conselho de Administração Actividade no Estrangeiro A carteira de Prémios de Seguro Directo inerente à actividade internacional registou, no exercício de 2005 e em termos globais, um decréscimo face ao ano anterior, em consequência do impacto provocado pela cessação, na Sucursal de Espanha, do negócio do Ramo Automóvel que vinha sendo desenvolvido através de um operador local. Dada esta circunstância, verifica-se que o principal contributo para a dimensão do negócio internacional em 2005 foi proveniente da Sucursal de França, em cuja carteira de Prémios se inclui também a produção realizada, em regime de LPS, no Luxemburgo, Bélgica, Holanda e Itália. Sublinha-se, ainda, que a redução do negócio do Ramo Vida na Sucursal de Macau reflecte uma quebra acentuada de novas subscrições em Timor-Leste, por virtude do abrandamento das operações de financiamento bancário a que está ligado este tipo de seguros. Prémios de Seguro Directo Actividade no Estrangeiro (Milhares de euros) Valor Var(%) Valor Var(%) Valor Var(%) SUCURSAL DE ESPANHA Vida , , ,4 Não Vida , , ,1 Total , , ,3 SUCURSAL DE FRANÇA Vida , , ,9 Não Vida , , ,5 Total , , ,2 SUCURSAL DE MACAU Vida 81-70, , ,2 Não Vida , , ,5 Total 747-5, , ,3 LPS a partir de PORTUGAL a) Vida Não Vida , Total , TOTAL DA ACTIVIDADE NO ESTRANGEIRO Vida , , ,5 Não Vida , , ,4 TOTAL , , ,7 a) LPS a partir de Portugal (Alemanha e Reino Unido)

Fidelidade Mundial - Companhia de Seguros, S.A.

Fidelidade Mundial - Companhia de Seguros, S.A. Fidelidade Mundial - Companhia de Seguros, S.A. Relatório e Contas 2006 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas Fidelidade Mundial 2006 Índice 2 Índice 3 4 27 40 104 144 167 Órgãos Sociais Relatório

Leia mais

Companhia de Seguros Fidelidade-Mundial, S.A.

Companhia de Seguros Fidelidade-Mundial, S.A. Companhia de Seguros Fidelidade-Mundial, S.A. Relatório e Contas 2007 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas Fidelidade Mundial 2007 Índice 2 Índice 3 4 28 29 31 34 35 37 40 41 107 174 Relatório

Leia mais

Império Bonança - Companhia de Seguros, S.A.

Império Bonança - Companhia de Seguros, S.A. Império Bonança - Companhia de Seguros, S.A. Relatório e Contas 2007 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas Império Bonança 2007 Índice 2 Índice 3 4 26 33 85 104 Órgãos Sociais Relatório do

Leia mais

Companhia de Seguros Fidelidade-Mundial, S.A.

Companhia de Seguros Fidelidade-Mundial, S.A. 1 Companhia de Seguros Fidelidade-Mundial, S.A. Relatório e Contas 2008 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas Fidelidade Mundial 2008 Índice 2 Índice 4 27 29 30 32 33 34 35 206 247 Relatório

Leia mais

CARES - Companhia de Seguros, S.A.

CARES - Companhia de Seguros, S.A. CARES - Companhia de Seguros, S.A. Relatório e Contas 2007 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas CARES 2007 Índice 2 Índice 3 4 8 14 49 58 Órgãos Sociais Relatório do Conselho de Administração

Leia mais

MultiCare - Seguros de Saúde, S.A.

MultiCare - Seguros de Saúde, S.A. MultiCare - Seguros de Saúde, S.A. Relatório e Contas 2007 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas MultiCare 2007 Índice 2 Índice 3 4 16 17 18 20 23 24 46 50 Órgãos Sociais Relatório do Conselho

Leia mais

Estatísticas de Seguros

Estatísticas de Seguros Estatísticas de Seguros 2009 Autoridade de Supervisão da Actividade Seguradora e de Fundos de Pensões Autorité de Contrôle des Assurances et des Fonds de Pensions du Portugal Portuguese Insurance and Pension

Leia mais

Império Bonança - Companhia de Seguros, S.A.

Império Bonança - Companhia de Seguros, S.A. Império Bonança - Companhia de Seguros, S.A. Relatório e Contas 2009 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas Império Bonança 2009 Índice 2 Índice 3 4 27 34 199 221 Órgãos Sociais Relatório do

Leia mais

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2006 ECONOMIA PORTUGUESA Após o fraco crescimento da economia observado em 2005 (0.4 por cento) estima-se que o Produto Interno

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS, S.A. RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

GROUPAMA SEGUROS, S.A. RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, S.A. RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2005 ECONOMIA PORTUGUESA A desaceleração da economia portuguesa em 2005 resultou de uma diminuição acentuada do contributo da

Leia mais

BOLETIM ANUAL DA ACTIVIDADE SEGURADORA

BOLETIM ANUAL DA ACTIVIDADE SEGURADORA BOLETIM ANUAL DA ACTIVIDADE SEGURADORA 2010 Banco de Cabo Verde 2 INDICE 1. Introdução... 3 2. Caracterização do Sector 3 3 Índice de penetração e indicador de densidade dos seguros. 4 4 Comparação internacional.

Leia mais

RELATÓRIO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Banco de Cabo Verde

RELATÓRIO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Banco de Cabo Verde RELATÓRIO DA ACTIVIDADE SEGURADORA 2012 Banco de Cabo Verde Índice 1. Introdução... 4 2. Os seguros e a sociedade... 6 3. O Resseguro Cedido... 8 4. Sinistralidade Global... 10 5. Quota de mercado e comparação

Leia mais

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA IES DECLARAÇÃO ANUAL IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA (EMPRESAS DO SECTOR SEGURADOR -- DECRETO-LEI n o 94-B/98 de 17 de Abril) 01 N o DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL (NIPC) 02 EXERCÍCIO 1 1 IRC ANEXO

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Relatório & C o n t a s de

Relatório & C o n t a s de Relatório & C o n t a s de 2010 Garantia Seguros Relatório & Contas de 2010 2 RELATÓRIO & CONTAS DE 2010 GARANTIA SEGUROS - RELATÓRIO & CONTAS DE 2010 3 Senhores Accionistas, No cumprimento dos preceitos

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A.

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A. Balanço Em 31 de Dezembro de 2006 ACTIVO Notas Caixa e disponibilidades no Banco Central 5 204 460 2 547 Disponibilidades sobre instituições de crédito 6 2 847 256 35 474 Créditos sobre clientes 7 75 154

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2007 ECONOMIA PORTUGUESA A economia portuguesa tem observado fracos crescimentos do Produto Interno Bruto, embora em 2007 tenha

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

ACP MOBILIDADE - Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2009

ACP MOBILIDADE - Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2009 ACP MOBILIDADE - Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2009 ACP MOBILIDADE Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2009 1. Enquadramento

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

Fidelidade - Companhia de Seguros S.A. Relatório e Contas 2012

Fidelidade - Companhia de Seguros S.A. Relatório e Contas 2012 Fidelidade - Companhia de Seguros S.A. Relatório e Contas 2012 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas Fidelidade 2012 Índice 2 Índice 4 Relatório do Conselho de Administração 29 Demonstrações

Leia mais

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CONTAS ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PARAQUEDISMO RUA DA UNIDADE, 9 7000-719

Leia mais

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas)

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas) COMUNICADO 9M 2015 (Contas não auditadas) 30 novembro 2015 1 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial e as

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

3.2 Companhias de seguros

3.2 Companhias de seguros Desenvolvimento de produtos e serviços Tendo em conta o elevado grau de concorrência dos serviços bancários, os bancos têm vindo a prestar uma vasta gama de produtos e serviços financeiros, por um lado

Leia mais

SOFINLOC, Instituição Financeira de Crédito, S. A. Sede: Rua General Firmino Miguel, N.5-14. - 1600 LISBOA NIPC 501 370 048 / C.R.C.

SOFINLOC, Instituição Financeira de Crédito, S. A. Sede: Rua General Firmino Miguel, N.5-14. - 1600 LISBOA NIPC 501 370 048 / C.R.C. SOFINLOC, Instituição Financeira de Crédito, S. A. Sede: Rua General Firmino Miguel, N.5-14. - 1600 LISBOA NIPC 501 370 048 / C.R.C. Lisboa nº 3 053 BALANÇO EM 31.12.2006 Valores em milhares de Euros Dez-06

Leia mais

Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados

Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados Introdução EXERCÍCIO DE 2009 A Empresa «ANTONIO MARQUES, CORRETOR DE SEGUROS EIRL» tem sede na Rua António José Baptista, n.º 16 2.º Dto., em Setúbal, foi

Leia mais

FIDELIDADE - COMPANHIA DE SEGUROS, S.A.

FIDELIDADE - COMPANHIA DE SEGUROS, S.A. 1 FIDELIDADE - COMPANHIA DE SEGUROS, S.A. RELATÓRIO E CONTAS 2013 Grupo Caixa Geral de Depósitos Índice 2 ÍNDICE Órgãos Sociais Relatório do Conselho de Administração Demonstrações Financeiras Inventário

Leia mais

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. Sociedade Aberta Rua Carlos Alberto da Mota Pinto, nº 17 6A, 1070-313 Lisboa Portugal Capital

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS A Penafiel Verde, E.M. é uma empresa municipal, com sede em Penafiel, constituída em Maio de 2006 e que tem como actividades principais a gestão e exploração

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS

PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS Índice 1. Introdução 2. Considerações sobre as opções tomadas 3. Disposições gerais 4. Quadro de contas 5. Lista e âmbito das contas 6. Tabelas 7. Contas individuais

Leia mais

COFINA, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta

COFINA, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta COFINA, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO ANO DE 2006 Após

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do exercício de 2014 (não

Leia mais

Notas às Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2003 e 2002

Notas às Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2003 e 2002 Credibom, Sociedade Financeira para Aquisições a Crédito, S.A. 1 Políticas contabilísticas 1.1 Bases de apresentação A Credibom, Sociedade Financeira para Aquisições a Crédito, S.A. foi constituída por

Leia mais

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D. João I, 28, Porto Mat. CRC do Porto: 40.043 NIPC: 501.525.882 Capital Social Registado: 3.257.400.827 Euros COMUNICADO Resultados Consolidados

Leia mais

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões Figura 5 Evolução de empréstimos, depósitos e taxas de juro do setor bancário 3% 2% 1% % -1% -2% -3% -4% -5% -6% -7% -8% Emprés mos concedidos pelo setor bancário (variação anual) dez-1 dez-11 dez-12 dez-13

Leia mais

Multicare - Seguros de Saúde, S.A.

Multicare - Seguros de Saúde, S.A. Multicare Seguros de Saúde, S.A. Relatório e Contas 2009 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas Multicare 2009 Índice 2 Índice 3 4 19 20 26 91 98 Órgãos Sociais Relatório do Conselho de Administração

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS DE VIDA, S.A.

GROUPAMA SEGUROS DE VIDA, S.A. GROUPAMA SEGUROS DE VIDA, S.A. INTRODUÇÃO A GROUPAMA SEGUROS DE VIDA, S.A. (ex GAN PORTUGAL VIDA Companhia de Seguros, S.A.) foi constituída em 1991 com um capital social inicial de 1.5. contos, sendo

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS

RESULTADOS CONSOLIDADOS 2012 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 8 de Fevereiro de 2013 A presente informação anual não foi sujeita a auditoria. Processo de Recapitalização A 31 de Dezembro de 2012 foi anunciada a aprovação por parte

Leia mais

Via Directa - Companhia de Seguros, S.A.

Via Directa - Companhia de Seguros, S.A. Via Directa - Companhia de Seguros, S.A. Relatório e Contas 2008 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas Via Directa 2008 Índice 2 Índice 3 4 12 18 66 Órgãos Sociais Relatório do Conselho de

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias

Leia mais

PLANO DE CONTAS EMPRESAS DE SEGUROS PARA AS. Aprovado pela Norma Regulamentar n.º 4/2007-R, de 27 de Abril

PLANO DE CONTAS EMPRESAS DE SEGUROS PARA AS. Aprovado pela Norma Regulamentar n.º 4/2007-R, de 27 de Abril PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS Aprovado pela Norma Regulamentar n.º 4/2007-R, de 27 de Abril Índice 1. Introdução 2. Considerações sobre as opções tomadas 3. Disposições gerais 4. Quadro de

Leia mais

Scal - Mediação de Seguros, S. A.

Scal - Mediação de Seguros, S. A. Scal - Mediação de Seguros, S. A. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1. Nota introdutória A Empresa Scal-Mediação de Seguros foi constituída

Leia mais

COMUNICADO 1S 2015. COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas)

COMUNICADO 1S 2015. COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas) COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas) 31 agosto 2015 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial, e as suas

Leia mais

Versão Pública. DECISÃO DE NÃO-OPOSIÇÃO Processo Ccent. Nº 48/ 2005 AXA/SEGURO DIRECTO GERE 1 I. INTRODUÇÃO

Versão Pública. DECISÃO DE NÃO-OPOSIÇÃO Processo Ccent. Nº 48/ 2005 AXA/SEGURO DIRECTO GERE 1 I. INTRODUÇÃO DECISÃO DE NÃO-OPOSIÇÃO Processo Ccent. Nº 48/ 2005 AXA/SEGURO DIRECTO GERE 1 I. INTRODUÇÃO 1. Em 8 de Agosto de 2005, foi notificada à Autoridade da Concorrência, nos termos dos artigos 9.º e 31.º da

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA SUMÁRIO No primeiro trimestre de, a produção de seguro directo, relativa à actividade em Portugal das empresas de seguros sob a supervisão do ISP, apresentou, em termos globais, uma quebra de 29,8% face

Leia mais

DE 1 DE JANEIRO DE 2014 A 31 DE DEZEMBRO DE

DE 1 DE JANEIRO DE 2014 A 31 DE DEZEMBRO DE CONTA DE GERÊNCIA DE 1 DE JANEIRO DE 2014 A 31 DE DEZEMBRO DE 2014 UNIVERSIDADE DOS AÇORES Relatório de contas Ponta Delgada, Abril de 2015 I INTRODUÇÃO O presente capítulo incide sobre a análise da execução

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

Via Directa - Companhia de Seguros, S.A.

Via Directa - Companhia de Seguros, S.A. Via Directa - Companhia de Seguros, S.A. Relatório e Contas 2009 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas Via Directa 2009 Índice 2 Índice 3 4 25 31 83 88 Órgãos Sociais Relatório do Conselho

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225 INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Empresa: COFINA, SGPS, S.A. Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225 Período de referência: Valores em Euros 1º Trimestre 3º Trimestre

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Código das contas POCMS Imobilizado ACTIVO Exercícios AB AP AL AL Bens de domínio público: 451 Terrenos e Recursos naturais 452 Edifícios 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

RELATÓRIO CONTAS 2004

RELATÓRIO CONTAS 2004 RELATÓRIO CONTAS 2004 RELATÓRIO CONTAS 2004 A Companhia de Seguros Tranquilidade-Vida foi criada em 1993, na sequência da decisão de autonomizar o ramo vida da Companhia de Seguros Tranquilidade, numa

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA 31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA A demonstração de fluxos de caixa é um mapa de fluxos que releva a entradas e as saídas de caixa, durante um exercício. A Demonstração de fluxos de caixa é estruturada

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 31 de Dezembro de 2006 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

EAPS - Empresa de Análise, Prevenção e Segurança, S.A.

EAPS - Empresa de Análise, Prevenção e Segurança, S.A. EAPS - Empresa de Análise, Prevenção e Segurança, S.A. Relatório e Contas 2008 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas EAPS 2008 Índice 2 Índice 4 5 6 7 10 11 11 12 13 14 16 17 18 22 38 41 Relatório

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 30 de Junho de 2005 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

Associação Boa Hora, IPSS NIPC: 503897531 Contas 2014

Associação Boa Hora, IPSS NIPC: 503897531 Contas 2014 Notas às Demonstrações Financeiras Individuais 31 De Dezembro de 2014 1. Identificação da Entidade ASSOCIAÇÃO BOA HORA, IPSS, é uma instituição particular de solidariedade social, com sede na Rua do Cemitério,

Leia mais

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Nota Introdutória A Manuel Rodrigues Gouveia, S.A. ( MRG ou Empresa ) tem sede em Seia, foi constituída em 1977 e tem como actividade principal a Construção Civil

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Designação da Entidade: CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2006 8.2.1 Não se aplica. 8.2.2 Os conteúdos das contas

Leia mais

Companhia de Seguros Fidelidade-Mundial, S.A.

Companhia de Seguros Fidelidade-Mundial, S.A. Companhia de Seguros Fidelidade-Mundial, S.A. Relatório e Contas 2010 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas Fidelidade Mundial 2010 Índice 2 Índice 4 36 37 43 234 273 293 Relatório do Conselho

Leia mais

4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões

4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões 4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões O número total de empresas de seguros a operar no mercado nacional manteve-se estável em 212, sem alterações significativas à sua estrutura. Neste

Leia mais

Via Directa - Companhia de Seguros, S.A.

Via Directa - Companhia de Seguros, S.A. Via Directa - Companhia de Seguros, S.A. Relatório e Contas 2007 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas Via Directa 2007 Índice 2 Índice 3 4 13 19 56 Órgãos Sociais Relatório do Conselho de

Leia mais

CARES - Companhia de Seguros, S.A.

CARES - Companhia de Seguros, S.A. CARES - Companhia de Seguros, S.A. Relatório e Contas 2008 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas CARES 2008 Índice 2 Índice 3 4 8 14 65 70 Órgãos Sociais Relatório do Conselho de Administração

Leia mais

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição:

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição: 8.2 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados As demonstrações financeiras relativas ao exercício de 2012, foram preparadas de acordo com os princípios contabilístico fundamentais previstos no POCAL

Leia mais

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado:

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado: PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 Imobilizado: ACTIVO AB AA AL AL Imobilizações incorpóreas: Despesas de Instalação... 770,64 770,64 Despesas de investigação e de desenvolvimento... Propriedade industrial

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A.

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. Nos termos e para os efeitos do disposto no artigo 2.º, n.º 1, da Lei n.º 28/2009, de 19

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001 Banif - Banco Internacional do Funchal, SA e Grupo Banif Consolidado INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001 Banif - Banco Internacional do Funchal, SA Sociedade

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2009 RECEITA Crescimento da Receita Total -18,8 19,8 Receitas Correntes / Receitas Totais 76,1 61 Crescimento das Receitas Correntes

Leia mais

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2010 2011 RECEITA Crescimento da Receita Total 19,8 3,7 Receitas Correntes / Receita Total 61 67,2 Crescimento das

Leia mais

CARES - Companhia de Seguros, S.A.

CARES - Companhia de Seguros, S.A. CARES - Companhia de Seguros, S.A. Relatório e Contas 2009 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas CARES 2009 Índice 2 Índice 3 4 12 18 85 90 Órgãos Sociais Relatório do Conselho de Administração

Leia mais

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 1. Identificação da entidade EXERCÍCIO DE 2011 INTRODUÇÃO PLC - Corretores de Seguros, S.A é uma sociedade anonima. A Empresa foi constituida em 1999, tem sede na Av. Infante Santo nº 48 2º Esq. em Lisboa,

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS VIDA, SA

GROUPAMA SEGUROS VIDA, SA GROUPAMA SEGUROS VIDA, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2006 ECONOMIA PORTUGUESA Após o fraco crescimento da economia observado em 2005 (0.4 por cento) estima-se que o Produto Interno

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas 1- INTRODUÇÃO A lei das Finanças Locais (Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiros) veio determinar a obrigatoriedade da consolidação de contas para os Municípios que detenham serviços municipalizados e/ou a totalidade

Leia mais

Acompanhamento e Avaliação dos Hospitais SA em 2003 / 2004

Acompanhamento e Avaliação dos Hospitais SA em 2003 / 2004 Acompanhamento e Avaliação dos Hospitais SA em 2003 / 2004 A Empresarialização dos Hospitais 28.06.2005 Índice 1. Introdução 2. Situação Económica e Financeira em 2003 e 2004 Rede SA 3. Produção Hospitalar

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO Período findo em 31 de Dezembro de 2014

RELATÓRIO DE GESTÃO Período findo em 31 de Dezembro de 2014 RELATÓRIO DE GESTÃO Período findo em 31 de Dezembro de 2014 INTRODUÇÃO A sociedade SEGURSENA-MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA (doravante designada por sociedade) Registada na Conservatória do Registo Comercial

Leia mais

Enquadramento Página 1

Enquadramento Página 1 No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições") neste processo

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo RELATÓRIO & CONTAS 2007 ÍNDICE ACTIVIDADE DO FUNDO 2 BALANÇO 4 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 5 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS MONETÁRIOS 6 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS. Informação não auditada.

Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS. Informação não auditada. Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 2015 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 7 de Agosto de 2015 Informação não auditada. RESULTADOS CONSOLIDADOS: Janeiro

Leia mais

Auditoria Tribunal de Contas

Auditoria Tribunal de Contas Auditoria Tribunal de Contas Situação económico Financeira do SNS 2006 www.acss.min-saude.pt Lisboa, 26 de Novembro de 2007 Auditoria Tribunal de contas nota prévia O Relatório do Tribunal de Contas (RTC)

Leia mais

Multicare - Seguros de Saúde, S.A.

Multicare - Seguros de Saúde, S.A. Multicare - Seguros de Saúde, S.A. Relatório e Contas 2008 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas Multicare 2008 Índice 2 Índice 3 4 17 18 19 21 22 23 87 94 Órgãos Sociais Relatório do Conselho

Leia mais

Release de Resultado 3T08

Release de Resultado 3T08 PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$75,0 MILHÕES OU R$0,33 POR AÇÃO NO E R$211,6 MILHÕES OU R$0,92 POR AÇÃO NO 9M08. São Paulo, 7 de Novembro de 2008 Porto Seguro S.A. (BOVESPA: PSSA3), anuncia os

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS CONSOLIDADO Exercício de 2012

RELATÓRIO E CONTAS CONSOLIDADO Exercício de 2012 RELATÓRIO E CONTAS CONSOLIDADO Exercício de 2012 Março de 2013 Lusitania, Companhia de Seguros, SA Página 2 ÍNDICE I. A DINÂMICA DO MERCADO... 5 A. ECONOMIA INTERNACIONAL... 5 B. ECONOMIA NACIONAL... 5

Leia mais

COMPANHIA PORTUGUESA DE RESSEGUROS, S.A.

COMPANHIA PORTUGUESA DE RESSEGUROS, S.A. COMPANHIA PORTUGUESA DE RESSEGUROS, S.A. RELATÓRIO E CONTAS 2013 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas Companhia Portuguesa de Resseguros 2013 Índice 2 Índice 3 4 15 20 92 98 113 Órgãos Sociais

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.063 NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Proveitos Operacionais de 60,8 milhões de euros (+ 8,1%) EBITDA de 5,6 milhões de euros (+ 11,1%) Margem EBITDA 9,2% (vs. 8,9%) Resultado

Leia mais

Via Directa - Companhia de Seguros, S.A.

Via Directa - Companhia de Seguros, S.A. Via Directa - Companhia de Seguros, S.A. Relatório e Contas 2011 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas Via Directa 2011 Índice 2 Índice 3 4 26 32 102 107 111 131 Órgãos Sociais Relatório do

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do terceiro trimestre

Leia mais

Relatório e Contas 2006 UNIDADES Y SOCIEDADES OPERATIVAS

Relatório e Contas 2006 UNIDADES Y SOCIEDADES OPERATIVAS Relatório e Contas 2006 UNIDADES Y SOCIEDADES OPERATIVAS www.mapfre.com www.mapfre.pt RELATÓRIO E CONTAS 2006 Índice RELATÓRIO E CONTAS 2006 MAPFRE SEGUROS GERAIS ÍNDICE Órgãos sociais 4 Relatório de

Leia mais