MultiCare - Seguros de Saúde, S.A.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MultiCare - Seguros de Saúde, S.A."

Transcrição

1 MultiCare - Seguros de Saúde, S.A. Relatório e Contas 2007 Grupo Caixa Geral de Depósitos

2 Relatório e Contas MultiCare 2007 Índice 2 Índice Órgãos Sociais Relatório do Conselho de Administração Resolução do Conselho de Ministros nº 155/2005 Demonstrações Financeiras Balanço Individual Conta de Ganhos e Perdas Individual Demonstrações de Origem e Aplicação de Fundos Individual Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Anexos Relatório e Parecer do Fiscal Único e Certificação Legal de Contas

3 Relatório e Contas MultiCare 2007 Órgãos Sociais 3 Órgãos Sociais Mesa da Assembleia Geral Presidente Secretário Conselho de Administração Presidente Vogais Fiscal Único Efectivo Suplente José Filipe de Sousa Meira Vitor Manuel Dinis Lopes CAIXA SEGUROS, SGPS, S.A., que nomeou para exercer o cargo em nome próprio, Armando António do Poço Pires COMPANHIA DE SEGUROS FIDELIDADE-MUNDIAL, S.A., que nomeou para exercer o cargo em nome próprio, José Manuel Coelho Martins IMPÉRIO BONANÇA - COMPANHIA DE SEGUROS, S.A., que nomeou para exercer o cargo em nome próprio, José Maria Bento Carlos Vaz de Macedo da Cunha Coutinho Francisco de Assis Andermatt Brás de Oliveira Rogéro Miguel Campos Henriques* DELOITTE & ASSOCIADOS, SROC, S.A. Representada por Maria Augusta Cardador Francisco, ROC Carlos Luís Oliveira de Melo Loureiro, ROC * Eleito em 21 de Abril de 2008

4 Relatório e Contas MultiCare 2007 Relatório do Conselho de Administração 4 1. Relatório do Conselho de Administração em 31 de Dezembro 2007

5 Relatório e Contas MultiCare 2007 Relatório do Conselho de Administração 5 No cumprimento das disposições legais e estatutárias, vem o Conselho de Administração da MultiCare - - Seguros de Saúde, S.A., apresentar o Relatório e Contas referente ao exercício de Enquadramento da Actividade 1.1. Aspectos Macroeconómicos A economia mundial continuou a apresentar, em 2007, uma dinâmica de crescimento apreciável, tendo o PIB evoluído 5,2% (ligeiramente abaixo de 2006), sobretudo em resultado do bom comportamento das economias emergentes e em desenvolvimento (+8,1%), com especial destaque para a Europa de Leste, Índia, China e Rússia, enquanto as economias avançadas evidenciaram um acréscimo de apenas 2,5%. No que respeita à evolução dos preços, a Zona Euro evidenciou um aumento de 2,1% (taxa média anual), reflectindo o comportamento dos preços na Educação, Alimentação, Transportes e Alojamento, tendo-se verificado menores acréscimos ao nível das Comunicações, Vestuário e Cultura. O maior crescimento dos preços face ao ano anterior, em especial no último quadrimestre do ano, e a quebra de confiança provocada pelos incumprimentos do crédito hipotecário nos EUA (com impacto nos meios financeiros internacionais), conduziram a um aumento das taxas de juro de referência e dos spreads de taxa de juro, bem como a maiores restrições na concessão de crédito, com efeitos no consumo e no investimento. A actividade económica nacional registou, em 2007, uma aceleração face ao ano anterior, com um crescimento real de 1,9%, ainda assim abaixo da evolução registada pela Zona Euro, constituindo o sexto ano consecutivo de divergência face à média da União Europeia. O principal contributo para o aumento da actividade económica proveio do comportamento da procura interna (1,3 pp.), reflectindo o crescimento do consumo privado e do investimento, enquanto a procura externa contribuiu com 0,6 pp., tendo as exportações evoluído a um ritmo mais elevado que as importações, situação que contribuiu para a redução do défice conjunto das Balanças Corrente e de Capital para 8,2% do PIB. O efeito de deslocalização de empresas industriais em anos anteriores, em conjunto com o reduzido dinamismo da economia, conduziu a um aumento da taxa de desemprego para o valor médio anual de 7,9%, mais 0,2 pp. que no final de A inflação, medida pelo IHPC, conheceu uma redução para 2,4%, reflectindo a desaceleração do aumento de preços dos bens energéticos, um menor aumento nos custos unitários do trabalho e uma

6 Relatório e Contas MultiCare 2007 Relatório do Conselho de Administração 6 evolução favorável do preço das importações, que beneficiou, quer da evolução da taxa de câmbio euro/dólar, quer da maior integração no comércio internacional de economias com reduzidos custos de produção Evolução do Mercado Segurador A Actividade Seguradora em Portugal registou uma progressão de Prémios de 4,8%, com origem, essencialmente, no ramo Vida (+6,9%), que beneficiou do forte crescimento evidenciado pelos Produtos de Capitalização, tendo conduzido a um aumento das Provisões Matemáticas do ramo Vida de 8,5%. De acordo com os elementos divulgados pelo Instituto de Seguros de Portugal, o Mercado Segurador contabilizou, na sua actividade em Portugal, milhões de euros de Prémios de Seguro Directo (8,8% do PIB), 68,1% dos quais provenientes de seguros do ramo Vida Evolução do Mercado de Seguros de Saúde No tocante ao ramo Doença, regista-se um crescimento de 8,3% na receita de Prémios do ano, a contrariar a tendência do Não Vida que viu diminuído o respectivo valor. Apesar de ter havido alterações nas posições relativas de alguns operadores, as duas Seguradoras dominantes no mercado reforçaram as respectivas posições em As Indemnizações aumentaram 12% em 2006, correspondentes a uma sinistralidade de 81,7%, muito próxima do ponto de inflexão do resultado de exploração do ramo, que vem sendo negativo desde há vários anos e que em 2006 se fixou em -0,3% dos prémios. O Seguro de Saúde abrangeu, em 2007, cerca de pessoas, isto é, 16% da população portuguesa. 2. Actividade da Sociedade O ano de 2007 teve como factos mais relevantes o início de actividade da MultiCare - Seguros de Saúde, S.A., bem como o reforço e consolidação da liderança do mercado do ramo Doença pelas seguradoras do Grupo CGD, com uma quota de 36,7%, face a 35,1% em 2006.

7 Relatório e Contas MultiCare 2007 Relatório do Conselho de Administração 7 7,7% 9,5% 21,6% 2,7% 2,3% Grupo CGD Grupo AXA Generali 6,2% 10,7% Grupo BES Grupo Allianz Victoria 2,6% Grupo BCP Groupama Restantes 36,7% Registaram-se, igualmente, melhorias na qualidade do serviço prestado, na eficiência e capacidade de resposta, bem como na produtividade dos recursos (relação entre o número de colaboradores e o número de pessoas seguras) que apresentou no final do ano um crescimento de 3,2% Evolução dos Prémios A produção do ramo Doença das seguradoras do Grupo CGD atingiu, em 2007, o valor de 161,1 milhões de Euros, o que corresponde a um crescimento de 12,3%. Seguradora Prémios Emitidos 2007 Peso 2006 Peso Var. 07/06 FM % % 16,0% IB % % 7,5% TOTAL % % 12,3% Este valor de prémios corresponde a um universo de pessoas seguras, que cresceu 6,3% relativamente a 2006, sendo 67% da FM e 33% da IB. Desta evolução decorre que o valor médio do prémio por pessoa segura cresceu 5,6% Evolução da Sinistralidade No final de 2007 a carteira de seguro directo do ramo Doença conjunta da Fidelidade Mundial (FM) e da Império Bonança (IB) apresentou uma taxa de sinistralidade de 88,8%, similar à atingida em 2006, que foi de 89,3%. A manutenção da taxa de sinistralidade deveu-se, essencialmente, a um significativo aumento da frequência da utilização do seguro, o que tornou a actualização dos prémios dos seguros de Grupo e Individuais insuficiente para repor a exploração do ramo nos níveis necessários.

8 Relatório e Contas MultiCare 2007 Relatório do Conselho de Administração Rede de Prestadores Na gestão da Rede de Prestadores MultiCare a maior rede de cuidados de saúde da Actividade Seguradora prosseguiu-se uma política de selectividade e de racionalização da cobertura territorial, bem como de negociação com os principais prestadores de preços fechados para serviços médicos tipificados. Também se verificou em 2007 a implementação do novo serviço de facturação Web Services junto dos prestadores de grande volume de facturação, o que permitiu maior eficiência e rapidez no controlo desta vertente da actividade da Companhia Recursos Humanos A MultiCare encerrou o exercício com 145 colaboradores, dos quais 141 possuem vínculo à Empresa, seja directamente, seja através de contratos de cedência de outras Empresas do Grupo Cedências 76 Colaboradores c/ Contrato A idade média dos colaboradores é de 37,3 anos, sendo 58% do sexo feminino. No tocante às habilitações académicas, 44% possuem grau de licenciatura e 35% o nível secundário completo Masculino Feminino

9 Relatório e Contas MultiCare 2007 Relatório do Conselho de Administração 9 3. Resultados Da análise às Demonstrações Financeiras de 2007 destacam-se os seguintes aspectos: 3.1. Resultado Técnico A MultiCare apresentou um resultado técnico global positivo de milhares de Euros (m ). No que respeita ao Resseguro Aceite, a MultiCare apresentou um Resultado Técnico positivo de milhares de Euros, sendo Dezembro o terceiro mês de aplicação plena do Tratado de Resseguro às Carteiras do ramo Doença da FM e da IB. O montante de prémios de Resseguro Aceite, tendo em consideração a entrada de carteira, ascendeu a 110,5 milhões de Euros, sendo 63,0 milhões de Euros provenientes da FM e 47,5 milhões de Euros da IB. As indemnizações, e considerando igualmente a correspondente entrada de carteira, ascenderam a 87,1 milhões de Euros, sendo 50,9 milhões de Euros provenientes da FM e 36,2 milhões de Euros da IB, conduziram a uma taxa de sinistralidade conjunta de Resseguro Aceite de 100,6%, relativa ao quarto trimestre. Tendo em consideração as taxas individuais de sinistralidade das seguradoras cedentes e aplicando o Tratado de Resseguro estabelecido, o valor da Participação nos Resultados ascende a 6,5 mihões de Euros, correspondente a um excesso de sinistralidade, sendo 4,0 milhões de Euros provenientes da FM e 2,5 milhões de Euros da IB. Para o Resultado Técnico de Resseguro Aceite contribuíram também os Rendimentos das provisões técnicas retidas pelas cedentes Provisão Para Prémios Não Adquiridos e Provisão Para Sinistros que ascenderam a 899,3 milhares de Euros. O Resultado Técnico da retrocessão foi negativo de 72,3 milhares de Euros e respeita ao Tratado de Resseguro estabelecido com a seguradora Cares. Resultado Técnico Resseguro Aceite FM IB Total Resseguro Aceite Prémios Variação da PPNA Prémios Adquiridos Comissões Sinistros Participação nos Resultados Juros s/ Retenções Resultado Técnico de RA Taxa de Sinistralidade de RA -100,2% -101,1% -100,6%

10 Relatório e Contas MultiCare 2007 Relatório do Conselho de Administração Custos por Natureza a Imputar Os Custos por Natureza a Imputar atingiram o montante de 4,0 milhões de Euros, distribuindo-se do seguinte modo: Rubricas Valor ( ) Peso Fornecimentos e Serviços Externos % Custos com Pessoal % Comissões e Juros % Amortizações % Impostos e Taxas 565 0% TOTAL % Os Fornecimentos e Serviços Externos atingiram o valor de 2,2 milhões de Euros, provenientes de contratos de fornecimentos ocorridos no quarto trimestre, nomeadamente, arrendamento de instalações, serviços de consultoria informática, outsourcing do Centro de Contacto e contratos de cedência de colaboradores da FM e da IB; Os Custos com Pessoal totalizaram 1,5 milhões de Euros, referente à integração na MultiCare de 76 colaboradores com vínculo à EPS, bem como de 65 colaboradores cedidos da FM, da IB e da FMSGII; Os Juros e as Comissões ascenderam a 218,3 milhares de Euros, referente aos encargos suportados com o Empréstimo Subordinado de 15,0 milhões de Euros, bem como referente a custos com Imposto de Selo e Taxa para o ISP; As Amortizações do exercício ascenderam a 46,4 milhares de Euros, decorrentes da compra de imobilizado corpóreo à EPS Gestão de Sistemas de Saúde, S.A Provisões Técnicas As Provisões Técnicas de Seguro Directo e de Resseguro Aceite apresentaram, em 2007, um montante de 69,0 milhões de Euros, sendo 22,9 milhões de Euros relativos à Provisão Para Prémios Não Adquiridos e 46,1 milhões de Euros à Provisão Para Sinistros. A MultiCare encerrou o exercício com um montante de activos passíveis de afectar à representação das Provisões Técnicas de 91,6 milhões de Euros, atingindo deste modo um rácio de cobertura das responsabilidades de Seguro Directo e de Resseguro Aceite de 132,8%.

11 Relatório e Contas MultiCare 2007 Relatório do Conselho de Administração 11 A Companhia tem, assim, inteiramente cobertas as suas responsabilidades para com segurados e terceiros e cumpre os limites estabelecidos em relação a aplicações financeiras, bem como os níveis de margem de solvência e do fundo de garantia, excedendo, significativamente, os valores mínimos legalmente fixados. Cobertura das Provisões Técnicas Valor ( ) Peso Activos de Representação das Provisões Técnicas Acções e Outros Títulos de Rendendimento Variável % Obrigações e Outros Títulos de Rendimento Fixo % Depósitos junto de Empresas Cedentes % Depósitos e Caixa % Outros Activos 0 Total de Activos % Empréstimo subordinado Total de Activos (Líquido) Provisões Técnicas Rácio de Cobertura 132,8% 3.4. Resultado Líquido O Resultado Técnico de Resseguro Aceite e a Actividade Financeira conduziram a um resultado líquido positivo de Resultados Valor ( ) Resultado Técnico Custos por Natureza a Imputar Resultado de Exploração Proveitos não Afectos Outros Encargos Outras Receitas 412 Resultados Antes de Impostos Imposto s/ Rendimento Resultado Líquido

12 Relatório e Contas MultiCare 2007 Relatório do Conselho de Administração Capital Próprio O capital próprio da MultiCare, no final de 2007, era de 26,2 milhões de Euros, declinado da seguinte forma: Situação Líquida Valor ( ) Capital Prémio de Emissão Reservas Resultado do Exercício TOTAL Perspectivas de Evolução Uma vez iniciada a actividade da MultiCare Seguros de Saúde, S.A., a estratégia da Companhia passa pela necessidade de realização de objectivos de qualidade de serviço, eficiência operacional, rentabilidade e inovação. Assim, respeitando o Plano de Desenvolvimento da MultiCare para o triénio , perspectiva-se, para 2008, o seguinte conjunto de acções: 4.1. Satisfação dos Clientes Durante o primeiro trimestre de 2008 terá lugar o lançamento de uma nova gama de produtos, alinhados com as necessidades do mercado e potenciadores de vantagem competitiva face à concorrência. Este objectivo, em conjunto com os programas de acção em curso tendentes à melhoria do modelo operacional e da qualidade do serviço, visa potenciar a fidelização dos Clientes e a consolidação da liderança do mercado Rentabilidade A melhoria sustentada dos níveis de rentabilidade, tendo em vista a realização do objectivo permanente de criação de valor para o Accionista, passa pelo controlo dos custos técnicos e administrativos, de forma a assegurar a competitividade a longo prazo, com especial enfoque na redução da taxa de sinistralidade.

13 Relatório e Contas MultiCare 2007 Relatório do Conselho de Administração 13 O controlo dos custos administrativos prosseguirá através da optimização das estruturas internas e dos recursos que lhes estão afectos, bem como da racionalização dos processos de trabalho que têm implicações directas nos níveis de custos e de eficiência operacional Inovação e Desenvolvimento O alinhamento do desempenho dos colaboradores com os objectivos da Empresa e do Grupo CGD é determinante para a execução da estratégia delineada, pelo que continuará a ser objectivo essencial a melhoria do Modelo de Gestão de Desempenho suportado num adequado plano de formação. No tocante às acções que visam a inovação e a adaptação da MultiCare a novos desafios, de par com o lançamento da nova gama de produtos Individuais e para PME, dar-se-á início à exploração de novos canais de comercialização e à procura de novas parcerias. 5. Proposta de Aplicação de Resultados O Resultado Líquido da MultiCare é positivo e de ,59 (Um milhão e seis mil, quinhentos e cinquenta e um euros e cinquenta e nove cêntimos). De acordo com os Estatutos da Sociedade, o Conselho de Administração vem propor à Assembleia Geral a seguinte aplicação: Reserva Legal (10%) ,16 Remanescente à disposição da Assembleia Geral ,43 TOTAL ,59

14 Relatório e Contas MultiCare 2007 Relatório do Conselho de Administração Considerações Finais Conforme disposto no artigo 21.º do D.L. n.º 411/91, de 17 de Outubro, informa-se que não existem dívidas em mora perante a Segurança Social. Ao concluir o presente Relatório, o Conselho de Administração expressa o seu agradecimento a todos aqueles que contribuíram para o promissor arranque da Empresa, salientando particularmente: O Fiscal Único, pelo interesse e empenho colocados no acompanhamento e controlo da actividade da Empresa; O Accionista único, pelo apoio prestado ao longo de todo o processo de constituição e início de actividade da Companhia; Os Colaboradores que, com empenho, contribuíram para os resultados alcançados; Os Clientes, pela preferência com que distinguiram a MultiCare e pelo estímulo à permanente melhoria das suas realizações. Lisboa, 14 de Fevereiro de 2008 O Conselho de Administração Presidente Caixa Seguros SGPS, S.A. Representada por: Armando António do Poço Pires Vogais: Império Bonança Companhia de Seguros, S.A. Representada por: José Maria Bento Companhia de Seguros Fidelidade-Mundial, S.A. Representada por: José Manuel Coelho Martins Carlos Vaz de Macedo da Cunha Coutinho Francisco de Assis Andermatt Brás de Oliveira

15 Relatório e Contas MultiCare 2007 Relatório do Conselho de Administração Anexo ao Relatório de Gestão POSIÇÃO ACCIONISTA Accionistas que detêm participação no termos do Art.º 448.º do Código das Sociedades Comerciais Igual ou Superior a 50,0% Caixa Seguros, S.G.P.S., S.A. (detém 100%)

16 Relatório e Contas MultiCare 2007 Anexo ao Relatório do Conselho de Administração 16 Anexo ao Relatório do Conselho de Administração Informação a que se refere a Resolução do Conselho de Ministros nº 155/2005, de 6 de Outubro: (Milhares de Euros) Conselho de Administração Presidente Vice-Presidente Vogais Número de membros Remunerações principais 145,7 0,0 8,3 Remunerações acessórias 0,0 0,0 0,0 Encargos com previdência 32,2 0,0 1,8 Encargos com plano complementar de reforma 0,0 0,0 0,0 177,9 0,0 10,1

17 Relatório e Contas MultiCare 2007 Demosntrações Financeiras Demonstrações Financeiras

18 Relatório e Contas MultiCare 2007 Demonstrações Financeiras 18 Balanço em 31 de Dezembro de 2007 Nº de Identificação Fiscal: EXERCÍCIO Exercício Activo Amortizações Activo anterior ACTIVO Notas Bruto e Líquido Activo Ajustamentos Líquido IMOBILIZAÇÕES INCORPÓREAS INVESTIMENTOS Terrenos e edifícios De serviço próprio De rendimento Imobilizações em curso e adiantamentos por conta Investimentos em empresas do grupo e associadas Partes de capital em empresas do grupo Obrigações e outros empréstimos a empresas do grupo Partes de capital em empresas associadas Obrigações e outros empréstimos a empresas associadas Outros investimentos financeiros Acções outros títulos de rendimento variável e unidades de participação em fundos de investimento Anexo Obrigações e outros títulos de rendimento fixo Anexo Empréstimos hipotecários Outros empréstimos Depósitos em instituições de crédito Outros Depósitos junto de empresas cedentes 23 e INVESTIMENTOS RELATIVOS A SEGUROS DE VIDA EM QUE O RISCO DE INVESTIMENTO É SUPORTADO PELO TOMADOR DE SEGURO PROVISÕES TÉCNICAS DE RESSEGURO CEDIDO Provisão para prémios não adquiridos Provisão matemática do ramo Vida Provisão para sinistros Provisão para participação nos resultados Outras provisões técnicas Provisões técnicas relativas a seguros de Vida em que o risco de investimento é suportado pelo tomador de seguro DEVEDORES Por operações de seguro directo Empresas do grupo Empresas participadas e participantes Outros devedores Por operações de resseguro Empresas do grupo Empresas participadas e participantes Outros devedores Por outras operações Empresas do grupo Empresas participadas e participantes Outros devedores Subscritores de capital OUTROS ELEMENTOS DO ACTIVO Imobilizações corpóreas e existências Depósitos bancários e caixa Outros ACRESCIMOS E DIFERIMENTOS Juros a receber Outros acréscimos e diferimentos TOTAL DO ACTIVO

19 Relatório e Contas MultiCare 2007 Demonstrações Financeiras 19 Balanço em 31 de Dezembro de 2007 Nº de Identificação Fiscal: PASSIVO Notas Exercício Exercício anterior CAPITAL PRÓPRIO Capital Prémios de emissão Reservas de reavaliação Reavaliação regulamentar 0 0 Reavaliação legal 0 0 Reservas Reserva legal 0 0 Reserva estatutária 0 0 Outras reservas Resultados transitados 0 0 Resultado do exercício PASSIVOS SUBORDINADOS FUNDO PARA DOTAÇÕES FUTURAS 0 0 PROVISÕES TÉCNICAS Provisão para prémios não adquiridos Provisão matemática do ramo Vida 0 0 Provisão para sinistros De Vida 0 0 De Acidentes de Trabalho 0 0 De outros ramos 33 e Provisão para participação nos resultados 0 0 Provisão para desvios de sinistralidade 0 0 Outras provisões técnicas 0 0 PROVISÕES TÉCNICAS RELATIVAS A SEGUROS DE VIDA EM QUE O RISCO DE INVESTIMENTO É SUPORTADO PELO TOMADOR DE SEGURO 0 0 OUTRAS PROVISÕES 0 0 Provisões para pensões 0 0 Provisões para impostos 0 0 Outras provisões 0 0 DEPÓSITOS RECEBIDOS DE RESSEGURADORES 0 0 CREDORES Por operações de seguro directo Empresas do grupo 0 0 Empresas participadas e participantes 0 0 Outros credores 0 0 Por operações de resseguro Empresas do grupo Empresas participadas e participantes 0 0 Outros credores 0 0 Empréstimos bancários De empresas do grupo 0 0 De empresas participadas e participantes 0 0 Outros credores 0 0 Estado e outros entes públicos Credores diversos Empresas do grupo Empresas participadas e participantes 0 0 Outros credores ACRÉSCIMOS E DIFERIMENTOS TOTAL DO PASSIVO Lisboa, 22 de Fevereiro 2008 O Director de Contabilidade e Informação Financeira Carlos F. Tomé Silva Westerman O Técnico Oficial de Contas Carlos F. Tomé Silva Westerman O Conselho de Administração Armando António Poço Pires Presidente José Maria Bento José Manuel Coelho Martins Carlos Vaz de Macedo da Cunha Coutinho Francisco de Assis Andermat Brás de Oliveira

20 Relatório e Contas MultiCare 2007 Demonstrações Financeiras 20 Contas de Ganhos e Perdas para o Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2007 Nº de Identificação Fiscal: CONTA DE GANHOS E PERDAS Notas EXERCÍCIO EXERCÍCIO ANTERIOR CONTA TÉCNICA DO SEGURO DE VIDA Prémios líquidos de resseguro Prémios brutos emitidos 0 0 Prémios de resseguro cedido Proveitos dos investimentos Rendimentos de partes de capital Relativos a empresas do grupo 0 0 Outros Rendimentos de outros investimentos Relativos a empresas do grupo 0 0 Outros Ganhos realizados em investimentos Mais-valias não realizadas de investimentos 0 0 Outros proveitos técnicos, líquidos de resseguro 0 0 Proveitos técnicos 0 0 Custos com sinistros, líquidos de resseguro Montantes pagos Montantes brutos 0 0 Parte dos resseguradores Provisão para sinistros (variação) Montante bruto 0 0 Parte dos resseguradores Outras provisões técnicas, líquidas de resseguro (variação) Provisão matemática do ramo Vida, líquida de resseguro Montante bruto 0 0 Parte dos resseguradores Outras provisões técnicas, líquidas de resseguro Participação nos resultados, líquida de resseguro 0 0 Custos de exploração líquidos Custos de aquisição 0 0 Custos de aquisição diferidos (variação) 0 0 Custos administrativos 0 0 Comissões e participação nos resultados de resseguro Custos com investimentos Custos de gestão dos investimentos 0 0 Perdas realizadas em investimentos Menos-valias não realizadas de investimentos 0 0 Outros custos técnicos, líquidos de resseguro 0 0 Dotação ou utilização do fundo para dotações futuras 0 0 Custos técnicos 0 0 RESULTADO DA CONTA TÉCNICA DO SEGURO DE VIDA 0 0

21 Relatório e Contas MultiCare 2007 Demonstrações Financeiras 21 Contas de Ganhos e Perdas para o Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2007 Nº de Identificação Fiscal: CONTA DE GANHOS E PERDAS Notas EXERCÍCIO EXERCÍCIO ANTERIOR CONTA TÉCNICA DO SEGURO NÃO VIDA Prémios adquiridos líquidos de resseguro Prémios brutos emitidos Prémios de resseguro cedido Provisão para prémios não adquiridos (variação) Provisão para prémios não adquiridos, parte dos resseguradores (variação) Proveitos dos investimentos Rendimentos de partes de capital 0 Relativos a empresas do grupo 0 0 Outros 0 0 Rendimentos de outros investimentos Relativos a empresas do grupo 0 0 Outros Ganhos realizados em investimentos Mais-valias não realizadas de investimentos Outros proveitos técnicos, líquidos de resseguro 0 0 Proveitos técnicos Custos com sinistros, líquidos de resseguro Montantes pagos Montantes brutos 34 e Parte dos resseguradores Provisão para sinistros (variação) Montante bruto 34 e Parte dos resseguradores Outras provisões técnicas, líquidas de resseguro (variação) 0 0 Participação nos resultados, líquida de resseguro 0 0 Custos de exploração líquidos Custos de aquisição Custos de aquisição diferidos (variação) Custos administrativos Comissões e participação nos resultados de resseguro Custos com investimentos Custos de gestão dos investimentos Perdas realizadas em investimentos Menos-valias não realizadas de investimentos Outros custos técnicos, líquidos de resseguro 0 0 Provisão para desvios de sinistralidade (variação) 0 0 Custos técnicos RESULTADO DA CONTA TÉCNICA DO SEGURO NÃO VIDA

22 Relatório e Contas MultiCare 2007 Demonstrações Financeiras 22 Contas de Ganhos e Perdas para o Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2007 Nº de Identificação Fiscal: CONTA DE GANHOS E PERDAS Notas EXERCÍCIO EXERCÍCIO ANTERIOR CONTA NÃO TÉCNICA Resultado da conta técnica do seguro Não Vida Resultado da conta técnica do seguro de Vida 0 0 Resultado da conta técnica Proveitos dos investimentos Rendimentos de partes de capital Relativos a empresas do grupo Outros Rendimentos de outros investimentos Relativos a empresas do grupo 0 0 Outros Ganhos realizados em investimentos Mais-valias não realizadas de investimentos 0 0 Outros proveitos Proveitos não técnicos Custos com investimentos Custos de gestão de investimentos Perdas realizadas em investimentos Menos-valias não realizadas de investimentos 0 0 Outros custos, incluindo ajustamentos Custos não técnicos Resultado da actividade corrente Proveitos e ganhos extraordinários 0 0 Custos e perdas extraordinários Resultado extraordinário Dotação ou utilização da Reserva de Reavaliação Regulamentar 0 0 Recuperação de mais e menos-valias realizadas de investimentos 0 0 Resultado antes de impostos Imposto sobre o rendimento do exercício RESULTADO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO Lisboa, 22 de Fevereiro 2008 O Director de Contabilidade e Informação Financeira Carlos F. Tomé Silva Westerman O Técnico Oficial de Contas Carlos F. Tomé Silva Westerman O Conselho de Administração Armando António Poço Pires Presidente José Maria Bento José Manuel Coelho Martins Carlos Vaz de Macedo da Cunha Coutinho Francisco de Assis Andermat Brás de Oliveira

23 Relatório e Contas MultiCare 2007 Demonstrações Financeiras 23 Demonstrações de Origem e Aplicação de Fundos para o Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2007 Nº de Identificação Fiscal: Notas 2007 ORIGEM DE FUNDOS Resultado líquido do exercício Custos/(Proveitos) que não representam movimentos de fundos Amortizações Dotação / (Reposição) de ajustamentos de recibos por cobrar Dotação / (Reposição) de ajustamentos de créditos de cobrança duvidosa Dotação / (Reposição) de outras provisões Dotação / (Utilização) da reserva de reavaliação regulamentar Actividade de Financiamento Aumento de capital Passivos subordinados Aumentos de passivos Fundo para dotações futuras Provisão para prémios não adquiridos Provisão para sinistros Provisão para participação nos resultados Provisão para desvios de sinistralidade Provisões técnicas relativas a seguros de Vida em que o risco de investimento é suportado pelo tomador do seguro Depósitos recebidos de resseguradores Credores Acréscimos e diferimentos Diminuições de activos Imobilizações incorpóreas Terrenos e edifícios Investimentos em empresas do grupo e associadas Outros investimentos financeiros Depósitos junto de empresas cedentes Investimentos relativos a seguros de Vida em que o risco de investimento é suportado pelo tomador do seguro Provisão para prémios não adquiridos Provisão matemática do ramo Vida Provisão para sinistros Outras provisões técnicas Provisões técnicas relativas a seguros de Vida em que o risco Devedores Existências Depósitos bancários e caixa Acréscimos e diferimentos 20, APLICAÇÃO DE FUNDOS Aplicação de resultados Distribuição de dividendos - Distribuição a trabalhadores e ao Conselho de Administração - - Aumentos de activos Imobilizações incorpóreas Terrenos e edifícios Investimentos em empresas do grupo e associadas Outros investimentos financeiros Depósitos junto de empresas cedentes 23, Investimentos relativos a seguros de Vida em que o risco de investimento é suportado pelo tomador do seguro Provisão para prémios não adquiridos Provisão matemática do ramo Vida Provisão para sinistros Provisão para participação nos resultados Outras provisões técnicas Provisões técnicas relativas a seguros de Vida em que o risco de investimento é suportado pelo tomador do seguro Devedores Imobilizações corpóreas Existências Depósitos bancários e caixa Acréscimos e diferimentos Diminuições de passivos Provisão para prémios não adquiridos Provisão matemática do ramo Vida Provisão para desvios de sinistralidade Outras provisões técnicas Provisões técnicas relativas a seguros de Vida em que o risco de investimento é suportado pelo tomador do seguro Outras provisões (utilização) Depósitos recebidos de resseguradores Lisboa, 22 de Fevereiro 2008

CARES - Companhia de Seguros, S.A.

CARES - Companhia de Seguros, S.A. CARES - Companhia de Seguros, S.A. Relatório e Contas 2007 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas CARES 2007 Índice 2 Índice 3 4 8 14 49 58 Órgãos Sociais Relatório do Conselho de Administração

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 30 de Junho de 2005 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 31 de Dezembro de 2006 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA IES DECLARAÇÃO ANUAL IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA (EMPRESAS DO SECTOR SEGURADOR -- DECRETO-LEI n o 94-B/98 de 17 de Abril) 01 N o DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL (NIPC) 02 EXERCÍCIO 1 1 IRC ANEXO

Leia mais

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Nota Introdutória A Manuel Rodrigues Gouveia, S.A. ( MRG ou Empresa ) tem sede em Seia, foi constituída em 1977 e tem como actividade principal a Construção Civil

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS A Penafiel Verde, E.M. é uma empresa municipal, com sede em Penafiel, constituída em Maio de 2006 e que tem como actividades principais a gestão e exploração

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Companhia de Seguros Fidelidade-Mundial, S.A.

Companhia de Seguros Fidelidade-Mundial, S.A. Companhia de Seguros Fidelidade-Mundial, S.A. Relatório e Contas 2007 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas Fidelidade Mundial 2007 Índice 2 Índice 3 4 28 29 31 34 35 37 40 41 107 174 Relatório

Leia mais

Império Bonança - Companhia de Seguros, S.A.

Império Bonança - Companhia de Seguros, S.A. Império Bonança - Companhia de Seguros, S.A. Relatório e Contas 2007 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas Império Bonança 2007 Índice 2 Índice 3 4 26 33 85 104 Órgãos Sociais Relatório do

Leia mais

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A.

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A. Balanço Em 31 de Dezembro de 2006 ACTIVO Notas Caixa e disponibilidades no Banco Central 5 204 460 2 547 Disponibilidades sobre instituições de crédito 6 2 847 256 35 474 Créditos sobre clientes 7 75 154

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 NOTA INTRODUTÓRIA A RUMO 2020, E.M. é uma empresa pública de âmbito municipal constituída em 16 de Outubro de 2006. Tem a sua

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2012 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS DE VIDA, S.A.

GROUPAMA SEGUROS DE VIDA, S.A. GROUPAMA SEGUROS DE VIDA, S.A. INTRODUÇÃO A GROUPAMA SEGUROS DE VIDA, S.A. (ex GAN PORTUGAL VIDA Companhia de Seguros, S.A.) foi constituída em 1991 com um capital social inicial de 1.5. contos, sendo

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS relativo às contas individuais do exercício de dois mil e quatro, do Conselho Geral da Ordem dos Advogados, pessoa colectiva de direito público nº 500 965

Leia mais

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 1. Indicação e justificação das disposições do POC que, em casos excepcionais, tenham sido derrogadas e dos respectivos efeitos nas demonstrações financeiras,

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias

Leia mais

Estatísticas de Seguros

Estatísticas de Seguros Estatísticas de Seguros 2009 Autoridade de Supervisão da Actividade Seguradora e de Fundos de Pensões Autorité de Contrôle des Assurances et des Fonds de Pensions du Portugal Portuguese Insurance and Pension

Leia mais

Fidelidade Mundial - Seguros. Relatório e Contas 2005

Fidelidade Mundial - Seguros. Relatório e Contas 2005 Fidelidade Mundial - Seguros Relatório e Contas 2005 Relatório e Contas Fidelidade Mundial 2005 ìndice 2 Índice 3 4 26 39 96 136 159 Orgãos Sociais Relatório do Conselho de Administração Demonstrações

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2011 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS

PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS Índice 1. Introdução 2. Considerações sobre as opções tomadas 3. Disposições gerais 4. Quadro de contas 5. Lista e âmbito das contas 6. Tabelas 7. Contas individuais

Leia mais

PLANO DE CONTAS EMPRESAS DE SEGUROS PARA AS. Aprovado pela Norma Regulamentar n.º 4/2007-R, de 27 de Abril

PLANO DE CONTAS EMPRESAS DE SEGUROS PARA AS. Aprovado pela Norma Regulamentar n.º 4/2007-R, de 27 de Abril PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS Aprovado pela Norma Regulamentar n.º 4/2007-R, de 27 de Abril Índice 1. Introdução 2. Considerações sobre as opções tomadas 3. Disposições gerais 4. Quadro de

Leia mais

Scal - Mediação de Seguros, S. A.

Scal - Mediação de Seguros, S. A. Scal - Mediação de Seguros, S. A. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1. Nota introdutória A Empresa Scal-Mediação de Seguros foi constituída

Leia mais

Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados

Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados Introdução EXERCÍCIO DE 2009 A Empresa «ANTONIO MARQUES, CORRETOR DE SEGUROS EIRL» tem sede na Rua António José Baptista, n.º 16 2.º Dto., em Setúbal, foi

Leia mais

Notas às Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2003 e 2002

Notas às Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2003 e 2002 Credibom, Sociedade Financeira para Aquisições a Crédito, S.A. 1 Políticas contabilísticas 1.1 Bases de apresentação A Credibom, Sociedade Financeira para Aquisições a Crédito, S.A. foi constituída por

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação;

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação; 14.5 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS I - Informações relativas às empresas incluídas na consolidação e a outras 1. Relativamente às empresas incluídas na consolidação a)

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2010 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 2.1 Referencial

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31 00 - Introdução a) Objecto social e identificação da Empresa HABECE Cooperativa de Habitação e Construção de Cedofeita, Crl., tem por objecto a construção ou a sua promoção e a aquisição de fogos para

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

CARES - Companhia de Seguros, S.A.

CARES - Companhia de Seguros, S.A. CARES - Companhia de Seguros, S.A. Relatório e Contas 2008 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas CARES 2008 Índice 2 Índice 3 4 8 14 65 70 Órgãos Sociais Relatório do Conselho de Administração

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

Fidelidade Mundial - Companhia de Seguros, S.A.

Fidelidade Mundial - Companhia de Seguros, S.A. Fidelidade Mundial - Companhia de Seguros, S.A. Relatório e Contas 2006 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas Fidelidade Mundial 2006 Índice 2 Índice 3 4 27 40 104 144 167 Órgãos Sociais Relatório

Leia mais

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CONTAS ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PARAQUEDISMO RUA DA UNIDADE, 9 7000-719

Leia mais

Existências. Provisões para cobrança duvidosa

Existências. Provisões para cobrança duvidosa 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA As demonstrações financeiras anexas foram preparadas com base nos livros e registos contabilísticos da ESHTE mantidos em conformidade com

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

Multicare - Seguros de Saúde, S.A.

Multicare - Seguros de Saúde, S.A. Multicare Seguros de Saúde, S.A. Relatório e Contas 2009 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas Multicare 2009 Índice 2 Índice 3 4 19 20 26 91 98 Órgãos Sociais Relatório do Conselho de Administração

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Designação da Entidade: CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2006 8.2.1 Não se aplica. 8.2.2 Os conteúdos das contas

Leia mais

Multicare - Seguros de Saúde, S.A.

Multicare - Seguros de Saúde, S.A. Multicare - Seguros de Saúde, S.A. Relatório e Contas 2008 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas Multicare 2008 Índice 2 Índice 3 4 17 18 19 21 22 23 87 94 Órgãos Sociais Relatório do Conselho

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS GAN PORTUGAL SEGUROS 2004

RELATÓRIO E CONTAS GAN PORTUGAL SEGUROS 2004 Relatório sobre a Fiscalização Exmos. Senhores, Introdução 1 O presente Relatório é emitido nos termos do nº 2 do artº 451º do Código das Sociedades Comerciais e da alínea a) do nº 1 do artº 52º do Decreto-Lei

Leia mais

7. A Soc. Z efectuou, pela 1ª vez, ajustamentos em dívidas a receber ( Provisões para créditos de cobrança duvidosa), conforme quadro abaixo:

7. A Soc. Z efectuou, pela 1ª vez, ajustamentos em dívidas a receber ( Provisões para créditos de cobrança duvidosa), conforme quadro abaixo: Considere os seguintes limites fixados para os funcionários públicos (P 30-A/2008): Subsídio de Refeição (4,11 ); Transporte em automóvel próprio ( 0,39 por quilómetro). O SP A está sujeito à seguinte

Leia mais

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

Via Directa - Companhia de Seguros, S.A.

Via Directa - Companhia de Seguros, S.A. Via Directa - Companhia de Seguros, S.A. Relatório e Contas 2008 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas Via Directa 2008 Índice 2 Índice 3 4 12 18 66 Órgãos Sociais Relatório do Conselho de

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

CARES - Companhia de Seguros, S.A.

CARES - Companhia de Seguros, S.A. CARES - Companhia de Seguros, S.A. Relatório e Contas 2009 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas CARES 2009 Índice 2 Índice 3 4 12 18 85 90 Órgãos Sociais Relatório do Conselho de Administração

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8.2 - NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excecionais, devidamente fundamentados e sem

Leia mais

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA 31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA A demonstração de fluxos de caixa é um mapa de fluxos que releva a entradas e as saídas de caixa, durante um exercício. A Demonstração de fluxos de caixa é estruturada

Leia mais

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição:

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição: 8.2 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados As demonstrações financeiras relativas ao exercício de 2012, foram preparadas de acordo com os princípios contabilístico fundamentais previstos no POCAL

Leia mais

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010 1. Nota Introdutória Elementos identificativos: Denominação Fortis Lease Instituição Financeira de Crédito, SA NIF 507 426 460 Sede Social Objecto Social A Fortis Lease Portugal Instituição Financeira

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

Via Directa - Companhia de Seguros, S.A.

Via Directa - Companhia de Seguros, S.A. Via Directa - Companhia de Seguros, S.A. Relatório e Contas 2007 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas Via Directa 2007 Índice 2 Índice 3 4 13 19 56 Órgãos Sociais Relatório do Conselho de

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS Introdução Os Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa são uma associação de direito privado, sem fins lucrativos, constituída por escritura pública

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I Aprova o Código de Contas para Microentidades O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados 1. Relativo às contas individuais do exercício de dois mil e sete, do Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados, pessoa colectiva de direito público

Leia mais

Anexo às Demonstrações Financeiras - ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Prefabricação em Betão ANEXO

Anexo às Demonstrações Financeiras - ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Prefabricação em Betão ANEXO ANEXO IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE Designação ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Morada Rua Dona Filipa de Vilhena, Nº 9-2.º Direito Código postal 1000-134 Localidade LISBOA DADOS DA ENTIDADE

Leia mais

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo www.pwc.com/pt Fiscalidade pessoal e empresarial Jorge Figueiredo 18 de Fevereiro de 2011 Agenda 1. IRS 1.1 Alterações das taxas 1.2 Outros rendimentos 1.3 Dedução específica Categoria A 1.4 Reporte de

Leia mais

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19.1. INFORMAÇÕES RELATIVAS ÀS ENTIDADES INCLUÍDAS NA CONSOLIDAÇÃO a) O perímetro de consolidação do Município de Pombal integra as seguintes entidades:

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo RELATÓRIO & CONTAS 2007 ÍNDICE ACTIVIDADE DO FUNDO 2 BALANÇO 4 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 5 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS MONETÁRIOS 6 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imomar

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imomar Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imomar RELATÓRIO & CONTAS 2007 ÍNDICE ACTIVIDADE DO FUNDO 2 BALANÇO 4 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 5 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS MONETÁRIOS 6 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS

IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS BOLETIM INFORMATIVO N.º 3/2010 IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS ASPECTOS CONTABILÍSTICOS E FISCAIS (Esta informação contém apenas informação geral, não se destina a prestar qualquer serviço de auditoria,

Leia mais

Interhotel Sociedade Internacional de Hotéis, S.A.

Interhotel Sociedade Internacional de Hotéis, S.A. Interhotel Sociedade Internacional de Hotéis, S.A. Sociedade Aberta Rua Misericórdia, 12 a 20, Piso 3, Esc. 7 1200-273 Lisboa Capital Social: 34.719.990,86 Euros Registada na Conservatória do Registo Comercial

Leia mais

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 1. Identificação da entidade EXERCÍCIO DE 2011 INTRODUÇÃO PLC - Corretores de Seguros, S.A é uma sociedade anonima. A Empresa foi constituida em 1999, tem sede na Av. Infante Santo nº 48 2º Esq. em Lisboa,

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.063 NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria do membro

Leia mais

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas 1- INTRODUÇÃO A lei das Finanças Locais (Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiros) veio determinar a obrigatoriedade da consolidação de contas para os Municípios que detenham serviços municipalizados e/ou a totalidade

Leia mais

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D. João I, 28, Porto Mat. CRC do Porto: 40.043 NIPC: 501.525.882 Capital Social Registado: 3.257.400.827 Euros COMUNICADO Resultados Consolidados

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ASSOCIAÇÃO POPULAR DE PAÇO DE ARCOS Rua Carlos Bonvalot, Nº 4 Paço de Arcos Contribuinte nº 501 238 840 NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE:

Leia mais

Enquadramento Página 1

Enquadramento Página 1 No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições") neste processo

Leia mais

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS NOTA INTRODUTÓRIA A Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiro (Lei das Finanças Locais), dispõe no seu Artigo 46.º o seguinte: «1 - Sem prejuízo dos documentos

Leia mais

BANCO BIC, S.A. 1. NOTA INTRODUTÓRIA

BANCO BIC, S.A. 1. NOTA INTRODUTÓRIA 1. NOTA INTRODUTÓRIA O Banco BIC, S.A. (adiante igualmente designado por Banco BIC ou Banco ) foi constituído por Escritura Pública de 22 de Abril de 2005, na sequência da comunicação do Banco Nacional

Leia mais

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 1 IRC 2 Eliminação da Dupla Tributação Económica dos Lucros Distribuídos Na sociedade detentora Eliminação da Dupla Tributação nos Lucros auferidos

Leia mais

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2006 ECONOMIA PORTUGUESA Após o fraco crescimento da economia observado em 2005 (0.4 por cento) estima-se que o Produto Interno

Leia mais

Multicare - Seguros de Saúde, S.A.

Multicare - Seguros de Saúde, S.A. Multicare - Seguros de Saúde, S.A. Relatório e Contas 2010 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas Multicare 2010 Índice 2 Índice 3 4 21 22 28 102 109 126 Órgãos Sociais Relatório do Conselho

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEFIR ANGOLA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEFIR ANGOLA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2012 1 - Actividade 1.1 Breve descrição das actividades da empresa ÍNDICE 2 - Bases de preparação das demonstrações financeiras e derrogações 2.1 Bases de apresentação

Leia mais

FUNDO DE PENSÕES ABERTO REFORMA EMPRESA RELATÓRIO DE AUDITORIA REFERENTE AO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

FUNDO DE PENSÕES ABERTO REFORMA EMPRESA RELATÓRIO DE AUDITORIA REFERENTE AO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 FUNDO DE PENSÕES ABERTO REFORMA EMPRESA RELATÓRIO DE AUDITORIA REFERENTE AO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 RUA GENERAL FIRMINO MIGUEL, 3, TORRE 2-1º A/B, 1600-100 LISBOA, PORTUGAL TEL.: + 351217210180

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do terceiro trimestre

Leia mais

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1 ATIVO 1 11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1113 BANCOS CONTA DEPÓSITOS 11131 BANCOS CONTA DEPÓSITOS - MOVIMENTO

Leia mais

ACP MOBILIDADE - Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2009

ACP MOBILIDADE - Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2009 ACP MOBILIDADE - Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2009 ACP MOBILIDADE Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2009 1. Enquadramento

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA Exame Época Normal 04 de Julho de 0 Duração: H 00M Deve identificar-se nesta folha de prova, indicando o nome completo, número de matrícula e turma em que se encontra inscrito(a). As opções de resposta

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Fundolis

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Fundolis Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Fundolis RELATÓRIO & CONTAS 2007 ÍNDICE ACTIVIDADE DO FUNDO 2 BALANÇO 4 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 5 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS MONETÁRIOS 6 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

O Orçamento de Estado 2011

O Orçamento de Estado 2011 O Orçamento de Estado 2011 Resumo dos aspectos essenciais da Lei do Orçamento de Estado de 2011, Lei n.º 55-A/2010. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Dupla tributação económica Eliminada

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. Exercício 2010

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. Exercício 2010 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Exercício 2010 NOTA INTRODUTÓRIA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO é uma instituição de utilidade pública, sem fins lucrativos, com sede em Lisboa na Rua Luís Derouet

Leia mais

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte:

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: 3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO CONSIDERAÇÕES GERAIS Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: Tomar como referência o código de contas constante do POC e proceder apenas às alterações

Leia mais

COMPANHIA PORTUGUESA DE RESSEGUROS, S.A.

COMPANHIA PORTUGUESA DE RESSEGUROS, S.A. COMPANHIA PORTUGUESA DE RESSEGUROS, S.A. RELATÓRIO E CONTAS 2013 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas Companhia Portuguesa de Resseguros 2013 Índice 2 Índice 3 4 15 20 92 98 113 Órgãos Sociais

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados

Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados 8.2 Notas ao balanço e à demonstração de Resultados 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excepcionais devidamente fundamentados

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/2009

Contabilidade Financeira II 2008/2009 Contabilidade Financeira II 2008/2009 Capital Próprio CAPITAL PRÓPRIO Conceitos Gerais Aplicação de resultados Valor nominal, contabilístico e de mercado Demonstração das Alterações do C.P. Aumentos de

Leia mais

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício.

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. Anexo à Instrução nº 4/96 IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. 80 - JUROS E PROVEITOS EQUIPARADOS Proveitos

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 31-12-2014. Promofundo - Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado. Promofundo F. E. I. I. F.

RELATÓRIO E CONTAS 31-12-2014. Promofundo - Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado. Promofundo F. E. I. I. F. RELATÓRIO E CONTAS Promofundo - Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado 31-12-2014 Promofundo F. E. I. I. F. 1. DESCRIÇÃO DO FUNDO O PROMOFUNDO Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras fevereiro de 2015 Este relatório contém 64 páginas Capital Social 22.375.000 o matricula na CRCL com o número único de matricula e identificação de pessoa coletiva 501 836 926

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2012 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais