Mecanismos de Financiamento ao Comércio Exterior: Uma análise das Empresas Exportadoras do Nordeste Brasileiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mecanismos de Financiamento ao Comércio Exterior: Uma análise das Empresas Exportadoras do Nordeste Brasileiro"

Transcrição

1 FACULDADE BOA VIAGEM Centro de Pesquisa e Pós-graduação em Administração - CPPA Mestrado em Administração Mecanismos de Financiamento ao Comércio Exterior: Uma análise das Empresas Exportadoras do Nordeste Brasileiro Francisco Carlos Cavalcanti Recife PE 2008

2 FRANCISCO CARLOS CAVALCANTI Mecanismos de Financiamento ao Comércio Exterior: Uma análise das Empresas Exportadoras do Nordeste Brasileiro Dissertação apresentada como requisito complementar para obtenção do grau de Mestre em Administração do Centro de Pesquisa e Pós-Graduação em Administração CPPA da Faculdade Boa Viagem. Orientador: Prof. Olímpio José de Arroxelas Galvão PhD Recife PE 2008

3 FRANCISCO CARLOS CAVALCANTI Mecanismos de Financiamento ao Comércio Exterior: Uma análise das Empresas Exportadoras do Nordeste Brasileiro Dissertação apresentada como requisito complementar para obtenção do grau de Mestre em Administração do Centro de Pesquisa e Pós-Graduação em Administração CPPA da Faculdade Boa Viagem. Aprovado em: / / BANCA EXAMINADORA Prof. Olímpio José de Arroxelas Galvão PhD Orientador Prof. José Raimundo Vergolino PhD Membro Interno Prof. Saumíneo da Silva Nascimento Dr. Membro Externo

4 AGRADECIMENTOS Em primeiro lugar, agradeço a Deus a oportunidade de existir e poder realizar grande sonho de vida. Faço um agradecimento a todos os meus familiares e, em especial, à minha esposa, Ana Paula, pela paciência e apoio durante todo o caminho percorrido, do início ao término do curso, assim como ao meu filho, Paulo Vitor, por entender as ausências momentâneas do pai. Agradeço, de forma especial, à Diretoria do Banco do Nordeste do Brasil (BNB), empresa onde trabalho, por ter-me facultado o privilégio de participar deste curso de mestrado, apoiando-me de forma incondicional. Também, sou grato a todos os colegas do BNB lotados nas Superintendências Estaduais dos Estados do Rio Grande do Norte, Pernambuco, Alagoas e Sergipe, pelo apoio no envio e coleta dos questionários da pesquisa de campo. Aos colegas da Superintendência Estadual do BNB, na Paraíba, meus sinceros agradecimentos, de modo especial aos colaboradores Artur, Cris Anderson, Izidro, Geraldo Fidelis, Edilúcio, Wagner e Emiliane, que sempre estiveram presentes na construção do presente trabalho. Expresso minha gratidão a todos os professores do Mestrado Augusto, Vergolino, Olímpio, Fernando, James e André Leão pelo excelente nível de ensinamento externado em suas aulas, ao corpo diretivo do Curso, nas pessoas dos professores Walter e Sônia Calado, pela condução do programa, e, também, à Secretaria, através da colega Albina, sempre disponível para colaborar no atendimento às nossas demandas. Externo meus sinceros agradecimentos a todos os colegas do Curso de Mestrado da Faculdade Boa Viagem (FBV), pela convivência fraterna em todo esse período e, de modo especial, aos amigos Paulo, Hélio, Demetrius, Roberta e Suellen que, durante essa trajetória,

5 construíram um relacionamento harmonioso, transformando-se de simples colegas em efetivos membros de uma família unida. Faço um agradecimento especial ao meu orientador, professor Olímpio Galvão que, através dos ensinamentos e, principalmente, das palavras de incentivo e apoio durante todo o transcorrer do curso, de forma mais direta, no período de construção e conclusão da dissertação, exerceu um papel determinante na consecução do meu objetivo. Por fim, deixo aqui meu agradecimento a todos aqueles que, de forma direta ou indireta, estiveram presentes nessa minha jornada, torcendo e vibrando com a minha conquista.

6 RESUMO Esta dissertação apresenta uma abordagem acerca do papel exercido pelos mecanismos de financiamento à exportação, analisados enquanto suporte às empresas exportadoras do Nordeste brasileiro. Neste contexto, procurou enfatizar o tema e, para tanto, partiu de um relato sobre o histórico do regime cambial brasileiro para chegar ao entendimento dos instrumentos de apoio financeiro à exportação disponíveis no mercado. Verificou também o nível de utilização das principais linhas existentes, bem como a apresentação de mecanismos garantidores e de seguro de crédito, criados com o objetivo de incentivar a demanda por créditos à exportação. Como produto deste trabalho, foi realizada pesquisa de campo que envolveu uma amostra representativa de empresas exportadoras do Nordeste brasileiro. Dessa amostra foram inferidas situações que identificam o nível de conhecimento dos mecanismos de crédito à exportação existentes e o grau de utilização desses mecanismos. O trabalho sinaliza, enfim, que os produtos existentes não estão adequados às necessidades apresentadas pelas empresas exportadoras do Nordeste brasileiro e que a simples oferta de mecanismos de financiamento à exportação, apesar de necessária, não é suficiente para o incremento do comércio exterior. Palavras-chave: Financiamento à exportação, empresas exportadoras nordestinas.

7 ABSTRACT This dissertation shows an approach about the role of the exportation s financing mechanisms, verified as a support to the Brazilian s northeast export companies. In this context, was highlighted the theme, and, although, it came from a historic account from Brazil s exchange regime to understand about the financial support instruments to the exportation available in the market. Was verified, the level of utilization of the main existent lines, also the presentation of mechanisms that assure, and, credit insurances. Those were created as an incentive for the search of exportation credits. As a part of this dissertation, a research in the area that involved a representative sample from some Brazilian s northeast export companies. From this sample were inferred situations that identify the knowledge s level about the credit s mechanisms related to the existent exportations and the level of utilization of these mechanisms. The research shows that the products that already exist are not adequate to the shown needs of the Brazilian s northeast export companies and that the simple fact that exportation s financing mechanisms even though is something necessary, isn t enough for the increment of the foreign trade. Key Words: Exportation s financing, northeast export companies.

8 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 EXPORTAÇÕES MUNDIAIS Evolução (Em US$ bilhões)...13 Gráfico 2 EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS Evolução (1999 a 2007)...14 Gráfico 3 PARTICIPAÇÃO DOS PAÍSES NAS EXPORTAÇÕES TOTAIS DO MUNDO...15 Gráfico 4 EXPORTAÇÕES NORDESTINAS Evolução (1999 a 2007)...16 Gráfico 5 EXPORTAÇÕES DO NORDESTE Por Estado (Em US$ milhões)...16 Gráfico 6 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA - Evolução (1999 a 2007)...23 Gráfico 7 EXPORTAÇÕES CONTRATADAS X CRÉDITOS À EXPORTAÇÃO...25 Gráfico 8 Evolução dos Valores contratados em Exportação...56 Gráfico 9 Evolução das exportações contratadas X Desembolsos do BNDES à exportação...57 Gráfico 10 EMPRESAS EXPORTADORAS PESQUISADAS (Em %) - Por porte...76 Gráfico 11 LINHAS DE FINANCIAMENTO Nível de utilização...78 Gráfico 12 LINHAS DE FINANCIAMENTO Utilização por porte de Empresas...78 Gráfico 13 LINHAS DE FINANCIAMENTO Perfil de utilização...79 Gráfico 14 LINHAS DE FINANCIAMENTO - Nível de importância para as Empresas...80 Gráfico 15 LINHAS DE FINANCIAMENTO Razão de não utilização de outro tipo...80 Gráfico 16 OPORTUNIDADES DE FINANCIAMENTO faixas de valores (Em %)...81 Gráfico 17 PONTOS CRÍTICOS Visão das empresas exportadoras...82 Gráfico 18 ACESSO ÀS INFORMAÇÕES SOBRE MECANISMOS DE FINANCIAMENTO...82

9 LISTA DE TABELAS Tabela 1 NÚMERO DE EMPRESAS EXPORTADORAS - Por Estado e Volume de Exportação...70 Tabela 2 DISTRIBUIÇÃO DAS EMPRESAS Por Unidade da Federação...75 Tabela 3 DISTRIBUIÇÃO DAS EMPRESAS Por Setor de Atividade...75 Tabela 4 PARTICIPAÇÃO DAS EMPRESAS AVALIADAS Por porte e Estado...76 Tabela 5 FREQUÊNCIA DE EXPORTAÇÃO Por nível...77 Tabela 6 PERFIL DAS EMPRESAS Presença de Especialista em Comércio Exterior...77 Tabela 7 MECANISMOS DE FINANCIAMENTO À EXPORTAÇÃO Nível de conhecimento e utilização (Em %)...83 Tabela 8 MECANISMOS DE FINANCIAMENTO Nível de Conhecimento (Por porte Em % - dentre as empresas que utilizam algum tipo de financiamento)...84 Tabela 9 MECANISMOS DE FINANCIAMENTO Nível de Conhecimento (Por freqüência nas exportações Em % - dentre as empresas que utilizam algum tipo de financiamento)...85 Tabela 10 MECANISMOS DE FINANCIAMENTO Nível de utilização (Por porte Em % - dentre as empresas que utilizam algum tipo de financiamento)...86 Tabela 11 MECANISMOS DE FINANCIAMENTO Nível de utilização (Por freqüência nas exportações Em % - dentre as empresas que utilizam algum tipo de financiamento)...87

10 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO PERGUNTA DE PESQUISA JUSTIFICATIVA / MOTIVAÇÃO OBJETIVOS DA PESQUISA Geral: Específicos: FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA REGIME CAMBIAL BRASILEIRO ENTENDENDO OS MECANISMOS DE FINANCIAMENTO À EXPORTAÇÃO MECANISMOS DE FINANCIAMENTO ÀS EXPORTAÇÕES DISPONÍVEIS NO MERCADO UTILIZAÇÃO DOS MECANISMOS DE FINANCIAMENTO À EXPORTAÇÃO GARANTIAS / SEGUROS DE CRÉDITO COMO LASTRO DOS MECANISMOS DE FINANCIAMENTO À EXPORTAÇÃO Cartas de Crédito (Pós-embarque) Fundo de Garantia para a promoção da competitividade (FGPC) - Préembarque e Pré-embarque Especial Convênio de Pagamentos e Créditos Recíprocos (CCR) (Pós-embarque) Seguro de Crédito (Pré e Pós-embarque) Fundo de Garantia à Exportação (FGE) METODOLOGIA DELINEAMENTO DA PESQUISA POPULAÇÃO E AMOSTRA COLETAS DE DADOS Instrumento Processo MÉTODOS DE ANÁLISE LIMITES E LIMITAÇÕES...73

11 3.5.1 Limites Limitações RESULTADO E ANÁLISE DOS DADOS OBJETIVOS ESPECÍFICOS X PESQUISA Pesquisar o nível de conhecimento sobre os mecanismos de financiamento existentes e que podem ser utilizados pelas empresas Identificar pontos fortes e fracos, na visão da classe empresarial pesquisada, sobre os instrumentos de financiamento à exportação Analisar as sugestões de melhoria e criação de novos instrumentos de suporte ao comércio exterior que se coadune com as condições e exigências impostas pelo mercado atual OBJETIVO GERAL X PESQUISA Investigar se os mecanismos de financiamento disponibilizados no mercado estão atendendo às necessidades das Empresas Exportadoras do Nordeste Brasileiro CONCLUSÕES E SUGESTÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICE QUESTIONÁRIO DA PESQUISA...101

12 12 1 INTRODUÇÃO 1.1 CONTEXTUALIZAÇÃO O processo de globalização tem-se apresentado como um grande instrumento de interação entre a população do mundo contemporâneo, tanto no aspecto cultural quanto no aspecto econômico-financeiro. A dinâmica preconizada a partir dos primeiros passos da globalização trouxe mudanças nos diversos segmentos da sociedade humana, sejam elas nos aspectos e dimensões culturais, organizacionais, políticas, comerciais e financeiras. No contexto sócio-econômico, Prado (2001) relata que a globalização pode ser entendida como o processo de integração de mercados domésticos na formação de um mercado mundial integrado. O argumento de Prado (2001) reside na divisão da globalização em três processos distintos que têm ocorrido ao longo dos últimos 20 anos. Esses processos são: a expansão extraordinária dos fluxos internacionais de bens, serviços e capitais; o acirramento da concorrência nos mercados internacionais; e a maior integração entre os sistemas econômicos nacionais. Em relação aos fluxos internacionais de bens, serviços e de capitais, pode-se afirmar que o mundo experimentou, principalmente a partir da década de 80, uma verdadeira revolução em termos de crescimento. O processo de globalização é considerado o grande responsável por tal incremento. O Gráfico 1 demonstra a evolução das exportações mundiais entre os anos de 1950 e 2007.

13 13 EVOLUÇÃO DAS EXPORTAÇÕES MUNDIAIS (Em US$ bilhões) Valores em US$ bilhões ANO Gráfico 1 EXPORTAÇÕES MUNDIAIS Evolução (Em US$ bilhões) Fonte: MDIC (2008) - Elaboração do autor Segundo os dados mais recentes do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), as exportações no mundo atingiram, em 2006, a cifra de US$ 11,920 trilhões, o que representa um incremento de 113,5% quando comparado aos US$ 5,583 trilhões observados em Em relação ao Brasil, os números sobre a exportação de seus produtos e serviços mostram que o país vem expandindo, significativamente, o seu volume de negócios com o exterior. De 1999 para 2007, as exportações brasileiras saltaram dos US$ 48,0 bilhões para US$ 160,6 bilhões, o que representa um crescimento de aproximadamente 235% em nove anos, enquanto o crescimento mundial, neste mesmo período, atingiu o patamar de 143% - US$ trilhões em 1999 e US$ trilhões em 2007 (previsão do FMI, out / 2007). O Gráfico 2 mostra a curva de crescimento das exportações brasileiras entre os anos de 1999 e 2007.

14 14 EVOLUÇÃO DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS (Em US$ bilhões) Valores em US$ bilhões 180,0 160,0 140,0 120,0 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 160,6 137,5 118,3 96,5 73,1 48,0 55,1 58,2 60, ANO Gráfico 2 EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS Evolução (1999 a 2007) Fonte: MDIC (2008) Elaboração do autor Em que pesem os números otimistas apresentados pelo Brasil, a sua corrente de comércio exterior, que representa o somatório de tudo realizado pelo país em exportações e importações, ainda se apresenta bastante inexpressiva, quando comparada ao total de negócios realizados no comércio internacional, sob a ótica mundial. Segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), a corrente de comércio exterior brasileira ainda situa-se no patamar de 1% sobre a mundial. O Brasil, em 2006, registrou uma cifra de US$ 234 bilhões, enquanto que o comércio mundial alcançou o montante de US$ 24,555 trilhões. É importante frisar que, mesmo observando a expansão de seus negócios no comércio internacional, o Brasil encontra-se distante de países como os Estados Unidos que, somente no mês de fevereiro de 2005, exportaram U$ 100,48 bilhões. Segundo dados publicados no relatório anual da Organização Mundial do Comércio (OMC), em 2006, o Brasil obteve um crescimento da ordem de 4% em suas exportações, comparado ao ano de 2005, percentual este inferior a elevação experimentada pelo comércio

15 15 mundial, que alcançou o patamar de 8%. Esta diferença representou a queda da 23ª para a 24ª posição no ranking dos países exportadores mundiais, no qual a Alemanha desponta em primeiro lugar, seguida por Estados Unidos e China (CHADE, 2007). O Gráfico 3 abaixo mostra a participação dos países nas exportações totais do mundo, com posição em PARTICIPAÇÃO DOS PAÍSES NAS EXPORTAÇÕES TOTAIS DO MUNDO (Em 2005) 9,30% 53,60% 8,70% 3,90% 3,60% 3,50% 7,30% 5,70% 4,40% Alemanha Estados Unidos China Japão França Holanda Reino Unido Itália Outros países Gráfico 3 PARTICIPAÇÃO DOS PAÍSES NAS EXPORTAÇÕES TOTAIS DO MUNDO Fonte: Relatório OMC (2006) Elaboração do autor Em consonância com os números de exportação apresentados pelo Brasil, a região Nordeste mostra, também, uma evolução. O montante de negócios firmados com o exterior alcançou, em 2007, a cifra de US$ 13,086 bilhões, o que representa um crescimento de aproximadamente 290% quando comparado aos US$ bilhões realizados em O gráfico 4 representa a curva de evolução das exportações da região Nordeste entre os anos de 1999 e 2007.

16 16 EVOLUÇÃO DAS EXPORTAÇÕES NORDESTINAS (Em US$ bilhões) Valores em US$ bilhões 14,0 12,0 10,0 8,0 6,0 4,0 2,0 3,4 4,0 4,2 4,7 6,1 8,0 10,6 11,6 13,1 0, ANO Gráfico 4 EXPORTAÇÕES NORDESTINAS Evolução (1999 a 2007) Fonte: MDIC (2008) Elaboração do autor Internamente, o Nordeste ainda apresenta disparidades econômicas intra-regionais, o que resulta em baixo relacionamento negocial, por parte de alguns de seus Estados, com o exterior. Como pode ser observado no Gráfico 5, o Estado da Bahia foi responsável, em 2007, por quase 57% do total das exportações da região. EXPORTAÇÕES DO NORDESTE - POR ESTADO (Em 2007) ALAGOAS BAHIA CEARÁ MARANHÃO PARAÍBA PERNAMBUCO PIAUI R.G.DO NORTE SERGIPE Gráfico 5 EXPORTAÇÕES DO NORDESTE Por Estado (Em US$ milhões) Fonte: MDIC (2008) Elaboração do autor

17 17 As exportações nordestinas representam cerca de 8% das exportações totais do Brasil, conforme números divulgados pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Segundo Fontenele e Melo (2007), as exportações nordestinas, relativas às brasileiras, começam a esboçar comportamento ascendente a partir de 2001, levando a que, no período recente (1997 a 2004), seja evidenciado um aumento de quase 12% nessa participação. Ainda, segundo Fontenele e Melo (2007), a pauta de exportações nordestinas em 2004, pela ótica das contas nacionais, caracteriza-se por forte concentração nos bens intermediários (62,15%), sobretudo insumos industriais, seguidos dos bens de consumo (25,63%), destacando-se os bens de consumo não duráveis. Segundo Galvão e Vergolino (2004), as relações de comércio do Brasil com o exterior, o país, e a região Nordeste ainda mais, registram, nos dias atuais, reduzido coeficiente de abertura de suas economias ao exterior. O grau de abertura da economia nacional e regional, todavia, era, até a primeira metade do século passado, muito mais elevado. A relativamente drástica introversão, ainda conforme Galvão e Vergolino (2004), que ocorreu na economia do país é revelada pelo fato de que a relação exportações / PIB chegou a alcançar um valor próximo dos 25%, por volta dos anos de 1930, em contraste com menos de 10% observado no início do novo milênio. Nesse contexto, verifica-se que o Brasil e, principalmente a região Nordeste, ainda precisa melhorar o seu desempenho enquanto proponente exportador. Vale salientar que, nas últimas quatro décadas, o governo brasileiro, na busca por elevação do percentual de participação no comércio internacional, estabeleceu um conjunto de ações e medidas voltadas para tal objetivo, dentre as quais destacamos: A implantação, a partir da década de 60, de regime especial aduaneiro, contemplando as seguintes modalidades (REGIMES ADUANEIROS ESPECIAIS, 2008): 1. Admissão Temporária

18 18 É o regime que permite a importação de bens que devam permanecer no país durante prazo fixado, com suspensão de tributos, retornando ao exterior, sem sofrer modificações que lhes confiram nova individualidade; 2. Depósito Aduaneiro de Distribuição - DAD Permite, mediante termo de responsabilidade, o entrepostamento de mercadorias estrangeiras importadas sem cobertura cambial e destinadas à exportação, à reexportação para terceiros países e a despacho para consumo; 3. Depósito Afiançado DAF O DAF permite a estocagem, com suspensão do pagamento de impostos, de materiais importados sem cobertura cambial, destinados à manutenção e ao reparo de embarcação ou de aeronave pertencentes à empresa autorizada a operar no transporte comercial internacional; 4. Depósito Alfandegado Certificado DAC O regime de DAC permite considerar exportada, para todos os efeitos fiscais, creditícios e cambiais, a mercadoria nacional depositada em recinto alfandegado, vendida à pessoa sediada no exterior, mediante contrato de entrega no território nacional e à ordem do adquirente; 5. Depósito Especial DE Permite a estocagem de partes, peças e materiais de reposição ou manutenção, com suspensão do pagamento de imposto, para veículos, máquinas, equipamentos,

19 19 aparelhos e instrumentos, estrangeiros, nacionalizados ou não, nos casos definidos pelo Ministro da Fazenda; 6. Depósito Franco Permite, em recinto alfandegado, a armazenagem de mercadoria estrangeira para atender ao fluxo comercial de países limítrofes com terceiros países. O regime de depósito franco será concedido somente quando autorizado em acordo ou convênio internacional firmado pelo Brasil; 7. Drawback O regime aduaneiro especial de drawback consiste na suspensão ou eliminação de tributos incidentes sobre insumos importados para utilização em produto exportado. O mecanismo funciona como um incentivo às exportações, pois reduz os custos de produção de produtos exportáveis; 8. Entreposto Aduaneiro O regime de entreposto aduaneiro é o que permite, na importação e na exportação, o depósito de mercadoria, em local determinado, com suspensão do pagamento de tributos e sob controle fiscal; 9. Entreposto em Plataformas O regime de entreposto aduaneiro aplicado à construção ou conversão das plataformas poderá ser aplicado aos materiais, partes, peças e componentes a serem utilizados na construção ou conversão dos bens, com suspensão dos impostos incidentes na importação e do IPI;

20 Exportação Temporária É o regime que permite a saída, do país, com suspensão de imposto de exportação, de mercadoria nacional ou nacionalizada, condicionada à reimportação em prazo determinado, no mesmo estado em que foi exportada; 11. Linha Azul O Linha Azul é um regime aduaneiro que, sem comprometer os controles, reduz o tempo das liberações das mercadorias de empresas que operem no comércio exterior mediante a racionalização da movimentação da carga, nas operações de importação, exportação e de trânsito aduaneiro; 12. Loja Franca Permite a estabelecimento instalado em zona primária de porto ou de aeroporto alfandegado vender mercadoria nacional ou estrangeira a passageiro em viagem internacional, contra pagamento em cheque de viagem ou em moeda estrangeira conversível; 13. Recof O RECOF é um Regime Especial criado pela Receita Federal que permite, dentre outras coisas, que os insumos da produção sejam importados com suspensão de II, IPI e PIS/Cofins. Permite ainda que os insumos adquiridos no mercado interno tenham suspensão de IPI;

21 Recom O regime aduaneiro especial de importação de insumos, destinados a industrialização por encomenda de produtos classificados nas posições 8701 a 8705, da Nomenclatura Comum do Mercosul (RECOM), é o que permite a importação de chassis, carroçarias, peças, partes, componentes; 15. Repetro O regime aduaneiro especial de exportação e de importação de bens destinados às atividades de pesquisa e de lavra das jazidas de petróleo e de gás natural (Repetro), previsto na Lei nº 9.478, de 6 de agosto de 1997; 16. Repex O regime aduaneiro especial de importação de petróleo bruto e seus derivados (Repex) é o que permite a importação desses produtos, com suspensão do pagamento de impostos, para posterior exportação, no mesmo estado em que foram importados; 17. Trânsito Aduaneiro O regime especial de trânsito aduaneiro é o que permite o transporte de mercadorias, sob controle aduaneiro, de um ponto a outro do território aduaneiro, com suspensão de tributos; A criação, ainda na década de 60, de uma linha de crédito para capital de giro (FUNDECE), como medida de suporte ao financiamento do comércio exterior; A implantação de uma linha de crédito pré-embarque à exportação (FINEX); e

22 22 Redução de impostos como o antigo Imposto sobre Circulação de Mercadorias - ICM, posteriormente substituído pelo Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços - ICMS e o Imposto sobre produtos industrializados - IPI. Surgimento da figura jurídica das Trading Companies, através do Decreto-Lei 1.248, de 29 de novembro de 1972, posteriormente modificado pelo Decreto-Lei , de 26 de fevereiro de 1973, e pela Portaria nr. 13 do Ministério da Fazenda, de 14 de junho de No Brasil, a legislação das trading companies foi criada pelo governo de forma objetiva nos moldes da legislação japonesa e americana. Porém diferentemente dos EUA e Japão, onde a presença de trading company é numerosa e atua intensamente no desenvolvimento econômico desses países, aqui ela demorou a deslanchar devido aos erros de conceituação e compreensão de seu papel e não conseguindo ter uma representatividade expressiva no cenário econômico (GRISI, 2003). As empresas comerciais exportadoras e trading companies são utilizadas como intermediárias na representação e comercialização de produtos entre Brasil e o exterior. Elas atuam como consultoras na área de comércio exterior, tanto em relação a aspectos legais de exportação, quanto nos estudos de mercado, viabilidade econômica e a inserção de produtos nos diversos mercados internacionais. Essas Empresas podem servir de canal de acesso das micro e pequenas empresas ao comércio internacional, principalmente em decorrência destas não possuírem estrutura logística, departamento capacitado ou até mesmo pela dificuldade ao acesso dos programas de incentivo à exportação do governo e de iniciativas privadas. Entre 1995 e 1998, principalmente em decorrência das medidas de política cambial implementadas, o Brasil experimentou um período de déficits sucessivos na balança comercial. Segundo Pinheiro (2002), com o objetivo de compensar o viés anti-exportador da

23 23 política cambial e, por conseguinte, amenizar os resultados negativos da balança comercial, o país realizou algumas tentativas mais ou menos bem-sucedidas, como a maior desoneração tributária e a ampliação do crédito às exportações. Já a partir de 1999, convivendo sob a égide de uma política de câmbio flutuante, o Brasil começou a apresentar melhores resultados na balança comercial, obtendo o primeiro superávit em O Gráfico 6 mostra a evolução do saldo da balança comercial brasileira de 1999 a EVOLUÇÃO DO SALDO DA BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA Valores em US$ bilhões ,8 46,1 40,0 33,7 24,8 13,1 2,7-1,3-0, ANO Gráfico 6 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA - Evolução (1999 a 2007) Fonte: MDIC (2008) - Elaboração do autor Na prática, tem-se observado que o Governo Federal está preocupado com o assunto e tem tomado medidas concretas no sentido de tornar o país uma potência exportadora. Um exemplo é a criação da Câmara de Comércio Exterior (CAMEX) que, juntamente com a Agência de Promoções de Exportações (APEX) e com o Departamento de Promoção Comercial do Itamaraty, vem tentando fomentar o comércio exterior brasileiro.

24 24 É importante ressaltar o trabalho realizado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), enquanto fonte financeira de recursos federais destinados ao financiamento do comércio exterior brasileiro, bem como da Associação Brasileira de Comércio Exterior (ABRACEX), dentre outros. Nesse contexto, pode-se afirmar que as relações comerciais com o exterior têm exercido papel preponderante para a expansão da produção e, por conseguinte, para o crescimento da economia do país. Através dessa interação com o mercado internacional tornou-se possível absorver novas culturas, captar novas tecnologias, aprimorar o processo de produção, aumentar a geração de empregos, enfim melhorar a dinâmica econômica empresarial. Convicto dessa importância, oportuno se faz refletir sobre que variável pode ser induzida e até mesmo melhorada com o objetivo de aumentar o nível de integração com o comércio internacional. Nesse sentido, destaca-se, dentre as diversas variáveis de suporte à atuação no segmento em pauta, o papel dos instrumentos de financiamento. Embora presente sob várias modalidades, sejam elas de origem pública ou privada, os mecanismos de financiamento de apoio à exportação ainda carecem de mais ampla utilização, seja através do uso dos diversos tipos disponíveis no mercado, que se concentram, principalmente, na demanda pelo Adiantamento sobre contratos de Câmbio (ACC) e Adiantamento sobre cambiais entregues (ACE), ou mesmo pelo montante financiado anualmente, ainda distante do valor total contratado a título de exportação. Fazendo uma correlação direta entre as exportações contratadas, de 2000 a 2007, e os créditos à exportação concedidos nesse mesmo período, é possível deduzir que existe uma forte correlação positiva (0,97) entre essas variáveis.

25 25 O Gráfico 7, a seguir, mostra o montante de exportação contratado anualmente, de 2000 a 2007, e sua relação com os valores alocados a título de créditos à exportação. EXPORTAÇÕES CONTRATADAS X CRÉDITOS À EXPORTAÇÃO ,1 Valores em US$ bilhões ,1 126,0 94,9 52,9 58,5 60,5 74,3 29,7 26,9 23,5 27,7 32,7 41,2 45,4 51, ANO EXPORTAÇÕES CONTRATADAS CRÉDITOS À EXPORTAÇÃO (ACC+ACE+PROEX+BNDES) Gráfico 7 EXPORTAÇÕES CONTRATADAS X CRÉDITOS À EXPORTAÇÃO Fonte: BACEN e BNDES (2008) Elaboração do autor Diante desse contexto, mostra-se oportuno analisar o que vem determinando a baixa demanda por recursos disponibilizados, bem como a ausência de demanda por outros instrumentos de apoio financeiro à exportação diferente do ACC / ACE, principalmente em relação às empresas exportadoras da região Nordeste do Brasil.

26 PERGUNTA DE PESQUISA Até que ponto os mecanismos de financiamento disponibilizados no mercado se apresentam adequados à necessidade das empresas exportadoras do Nordeste brasileiro?

27 JUSTIFICATIVA / MOTIVAÇÃO A justificativa / motivação para a realização do presente trabalho está amparada em função das diversas tentativas de apoio à expansão da corrente de comércio exterior realizadas pelo governo federal, principalmente quanto à criação e ajustes de instrumentos de apoio ao financiamento das empresas exportadoras, perseguindo, principalmente, o aumento na participação relativa do fluxo comercial do Brasil com o mundo. Observa-se no mercado, todavia, um verdadeiro desconhecimento e reclamação por parte da classe empresarial, notadamente daquelas empresas que ainda não experimentaram o processo de negociação de sua produção e comercialização com o exterior, alegando falta de informação e orientação precisa, bem como a existência de um elevado nível de burocracia no processo de apoio à internacionalização das empresas, principalmente quanto ao acesso aos instrumentos de financiamento.

Mercado de Câmbio. Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas.

Mercado de Câmbio. Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas. Definição: Mercado de Câmbio Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas. O mercado de Câmbio de TAXAS LIVRES opera com o dólar comercial. TAXAS FLUENTES opera com o dólar flutuante

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Financiamento e Garantia às Exportações Um guia rápido aos exportadores brasileiros

Financiamento e Garantia às Exportações Um guia rápido aos exportadores brasileiros 2015 Financiamento e Garantia às Exportações Um guia rápido aos exportadores brasileiros Sumário Introdução... 2 O Programa PROEX... 2 PROEX Financiamento... 3 Mais Alimentos Internacional... 4 PROEX Equalização...

Leia mais

Financiamentos à exportação de bens e serviços através de instituições financeiras credenciadas, nas modalidades:

Financiamentos à exportação de bens e serviços através de instituições financeiras credenciadas, nas modalidades: Linhas de Apoio à Exportação do BNDES Financiamentos à exportação de bens e serviços através de instituições financeiras credenciadas, nas modalidades: Pré-embarque: financia a produção de bens a serem

Leia mais

Financiamentos ao Comércio Exterior e Apoio aos Negócios Internacionais

Financiamentos ao Comércio Exterior e Apoio aos Negócios Internacionais Financiamentos ao Comércio Exterior e Apoio aos Negócios Internacionais Diretoria de Negócios Internacionais Setembro/2013 Banco do Brasil. Do Brasil para o mundo. Do mundo para o Brasil O Banco do Comércio

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais Classificação: Ostensivo Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização,

Leia mais

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização, no exterior, de bens

Leia mais

Mercado de Divisas e

Mercado de Divisas e Mercado de Divisas e Taxa de Câmbio Agentes do Mercado de Câmbio Taxa de Câmbio Nominal e Real Taxa de Câmbio Fixa e Flexível http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Agentes do Mercado Cambial Todos

Leia mais

9.4. Benefícios creditícios

9.4. Benefícios creditícios 9.4. Benefícios creditícios CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: FORTUNA, Eduardo. Mercado Financeiro Produtos e Serviços. Rio de Janeiro: Qualitymark, 1996. VAZQUEZ, José Lopes.

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira

Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira O agravamento da crise financeira internacional decorrente da falência do banco Lehman Brothers,

Leia mais

Reunião do Grupo Técnico do Siscoserv com setores de serviços

Reunião do Grupo Técnico do Siscoserv com setores de serviços Reunião do Grupo Técnico do Siscoserv com setores de serviços Cenário do comércio exterior de serviços: Déficits crescentes na conta de serviços do balanço de pagamentos Carência de informações detalhadas

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

REGULAMENTO DO MERCADO DE CÂMBIO E CAPITAIS INTERNACIONAIS TÍTULO : 1 - Mercado de Câmbio CAPÍTULO : 11 - Exportação SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais

REGULAMENTO DO MERCADO DE CÂMBIO E CAPITAIS INTERNACIONAIS TÍTULO : 1 - Mercado de Câmbio CAPÍTULO : 11 - Exportação SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais 1. Este capítulo dispõe sobre as operações no mercado de câmbio relativas às exportações brasileiras de mercadorias e de serviços. 2. O exportador de mercadorias ou de serviços

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.330. Art. 2º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

CIRCULAR Nº 3.330. Art. 2º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. CIRCULAR Nº 3.330 Altera o Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais (RMCCI). A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em sessão extraordinária realizada em 27 de outubro de 2006,com

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO 1 UNIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE CÂMBIO

QUADRO COMPARATIVO 1 UNIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE CÂMBIO 1 QUADRO COMPARATIVO 1 UNIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE CÂMBIO Resolução 3.265, de 4 de março de 2005. (reunião do Mercado de Câmbio de Taxas Livres e do Mercado de Câmbio de Taxas Flutuantes e instituição de

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011 AGENDA DE TRABALHO PARA O CURTO PRAZO Indústria brasileira de bens de capital mecânicos Janeiro/2011 UMA AGENDA DE TRABALHO (para o curto prazo) A. Financiamento A1. Taxa de juros competitiva face a nossos

Leia mais

REGULAMENTO DO MERCADO DE CÂMBIO E CAPITAIS INTERNACIONAIS TÍTULO : 1 - Mercado de Câmbio CAPÍTULO : 12 - Importação SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais

REGULAMENTO DO MERCADO DE CÂMBIO E CAPITAIS INTERNACIONAIS TÍTULO : 1 - Mercado de Câmbio CAPÍTULO : 12 - Importação SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais 1. Este capítulo dispõe sobre: a) o pagamento de importações brasileiras a prazo de até 360 dias; b) a multa de que trata a Lei n 10.755, de 03.11.2003, tratada na seção

Leia mais

Regimes Aduaneiros Especiais. Regimes Aduaneiros Especiais. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro

Regimes Aduaneiros Especiais. Regimes Aduaneiros Especiais. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro Regimes Aduaneiros Especiais Regimes Aduaneiros Especiais As características básicas dos regimes especiais são: Regra geral, os prazos na importação são de um ano, prorrogável, por período não superior,

Leia mais

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Fernando Ferrari-Filho Frederico G. Jayme Jr Gilberto Tadeu Lima José

Leia mais

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE II

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE II OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE II COMO FUNCIONAM AS OPERAÇÕES EM MOEDA NACIONAL COM JUROS PÓS FIXADOS EM CDI? COMO FUNCIONAM AS OPERAÇÕES EM MOEDA ESTRANGEIRA? O QUE SÃO OPERAÇÕES DE ACC

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa

Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa A instabilidade registrada nos mercados financeiros internacionais de maio a junho de 26, a exemplo da turbulência observada recentemente, impactou negativamente

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 QUIRINO, José Renato Dias 1 ; MEDEIROS 2, Rennan Kertlly de; RAMOS FILHO 3, Hélio S. RESUMO O estudo das relações econômicas

Leia mais

Introdução. Capitais Internacionais

Introdução. Capitais Internacionais Capitais Internacionais e Mercado de Câmbio no Brasil Atualizado em novembro de 2010 1 Introdução O tratamento aplicável aos fluxos de capitais e às operações de câmbio acompanhou as conjunturas econômicas

Leia mais

Introdução. Capitais Internacionais

Introdução. Capitais Internacionais Capitais Internacionais e Mercado de Câmbio no Brasil Atualizado em fevereiro de 2009 1 Introdução O tratamento aplicável aos fluxos de capitais e às operações de câmbio acompanhou as conjunturas econômicas

Leia mais

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO ÀS EXPORTAÇÕES: PROEX

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO ÀS EXPORTAÇÕES: PROEX PROGRAMA DE FINANCIAMENTO ÀS EXPORTAÇÕES: PROEX PROEX FINANCIAMENTO FINALIDADE: Proporcionar e apoiar o exportador brasileiro na comercialização com o exterior de bens e serviços em condições de financiamento

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira. Curso Profissional Técnicas de Secretariado. Ano Lectivo: 2009/10. Disciplina: Técnicas de Secretariado

Escola Secundária de Paços de Ferreira. Curso Profissional Técnicas de Secretariado. Ano Lectivo: 2009/10. Disciplina: Técnicas de Secretariado Ano Lectivo: 2009/10 Disciplina: Técnicas de Secretariado Professora: Adelina Silva Novembro de 2009 Trabalho realizado por: Sara Gonçalves n.º16 12ºS Financiamento á Exportação O produto baseia-se na

Leia mais

MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior

MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior O governo brasileiro possui definida uma política voltada para o comércio internacional, onde defende os interesses das empresas nacionais envolvidas,

Leia mais

Economia. Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos,

Economia. Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos, Economia Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos, Comércio Internacional Objetivos Apresentar o papel da taxa de câmbio na alteração da economia. Iniciar nas noções

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

Linha BNDES Exim Automático

Linha BNDES Exim Automático Linha BNDES Exim Automático Ajudando sua empresa a exportar mais através da rede de bancos credenciados do BNDES no exterior Como incrementar as exportações da minha empresa oferecendo mais prazo de pagamento

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo

Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. (ESAF/AFRF/1998) O transporte de mercadoria estrangeira contida

Leia mais

LEASING. Leasing operacional praticado pelo fabricante do bem, sendo realmente um aluguel. (Telefones, computadores, máquinas e copiadoras).

LEASING. Leasing operacional praticado pelo fabricante do bem, sendo realmente um aluguel. (Telefones, computadores, máquinas e copiadoras). LEASING Leasing operacional praticado pelo fabricante do bem, sendo realmente um aluguel. (Telefones, computadores, máquinas e copiadoras). Leasing financeiro mais comum, funciona como um financiamento.

Leia mais

A sistemática dos financiamentos sujeitos à TJ-462 será a mesma vigente para a TJLP, inclusive no que se refere à:

A sistemática dos financiamentos sujeitos à TJ-462 será a mesma vigente para a TJLP, inclusive no que se refere à: Capítulo II CONDIÇÕES GERAIS 1. SISTEMÁTICA DE CÁLCULO DOS JUROS. Os juros, aí considerados o Custo Financeiro, a Remuneração do BNDES e a Remuneração do Agente Financeiro, serão calculados sobre o saldo

Leia mais

a) agências de turismo e prestadores de serviços turísticos; b) embaixadas, legações estrangeiras e organismos internacionais;

a) agências de turismo e prestadores de serviços turísticos; b) embaixadas, legações estrangeiras e organismos internacionais; SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais 1. Podem ser titulares de contas em moeda estrangeira no País na forma da legislação e regulamentação em vigor, observadas as disposições deste título: a) agências de turismo

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

Recebíveis. Antecipação de Crédito Lojista ACL. BB Giro Cartões. BB Giro Recebíveis. Desconto de Cheques. Desconto de Títulos

Recebíveis. Antecipação de Crédito Lojista ACL. BB Giro Cartões. BB Giro Recebíveis. Desconto de Cheques. Desconto de Títulos Atualizada em 29/04/2015 Capital de Giro BB Capital de Giro Mix Pasep Recebíveis Antecipação de Crédito Lojista ACL Financiamento de Investimentos BB Crédito Empresa BB Giro Empresa Flex BB Giro Cartões

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho Taxa de Câmbio TAXA DE CÂMBIO No Brasil é usado a CONVENÇÃO DO INCERTO. O valor do dólar é fixo e o variável é a nossa moeda. Por exemplo : 1 US$ = R$ 3,00 Mercado de Divisa No mercado de câmbio as divisas

Leia mais

Uma proposição de política cambial para a economia brasileira +

Uma proposição de política cambial para a economia brasileira + Uma proposição de política cambial para a economia brasileira + Fernando Ferrari Filho * e Luiz Fernando de Paula ** A recente crise financeira internacional mostrou que a estratégia nacional para lidar

Leia mais

PROGRAMA BNDES-exim PÓS-EMBARQUE SUPPLIER CREDIT REGULAMENTO

PROGRAMA BNDES-exim PÓS-EMBARQUE SUPPLIER CREDIT REGULAMENTO PROGRAMA BNDES-exim PÓS-EMBARQUE Julho/2002 SUPPLIER CREDIT REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar a comercialização, no exterior, dos bens indicados na Relação de Produtos Financiáveis aprovada pelo BNDES e/ou

Leia mais

www.cursosolon.com.br SISTEMA FINANCEIRO Mercado Cambial

www.cursosolon.com.br SISTEMA FINANCEIRO Mercado Cambial SISTEMA FINANCEIRO Mercado Cambial MERCADO DE CÂMBIO CONCEITO É o mercado que reúne compradores e vendedores de moedas estrangeiras, sob supervisão do Banco Central. Os compradores e vendedores são normalmente

Leia mais

O BNDES mais perto de você. abril de 2009

O BNDES mais perto de você. abril de 2009 O BNDES mais perto de você abril de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União Federal; Principal fonte de crédito de longo prazo; Apoio ao mercado

Leia mais

Legislação e regulamentação cambial (principais alterações)

Legislação e regulamentação cambial (principais alterações) Legislação e regulamentação cambial (principais alterações) 1 Medidas cambiais adotadas nos últimos anos Representam importante passo no sentido de atualizar e adequar as regras de câmbio, em continuidade

Leia mais

Parte III Política Cambial

Parte III Política Cambial Parte III Política Cambial CAPÍTULO 5. A GESTÃO DO REGIME DE CÂMBIO FLUTUANTE NO BRASIL CAPÍTULO 6. A RELAÇÃO ENTRE A TAXA DE CÂMBIO E O DESENVOLVIMENTO Regimes e Política Cambial Apesar da adoção quase

Leia mais

NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014

NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014 NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014 Fevereiro de 2015 NOTA CEMEC 1 02/2015 SUMÁRIO São apresentadas estimativas

Leia mais

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito 3 ago 2006 Nº 7 O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito Por Ernani Teixeira Torres Filho Superintendente da SAE Nas crises, sistema bancário contrai o crédito. BNDES atua em sentido contrário e sua

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESONERAÇÃO E EQUALIZAÇÃO

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESONERAÇÃO E EQUALIZAÇÃO INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESONERAÇÃO E EQUALIZAÇÃO Medidas Fiscais da Política Industrial 2 Redução de Tributos Equalização de taxas de Juros Simplificação de Operações Redução do

Leia mais

Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio

Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio São Paulo, 28 de outubro de 2011 Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio Bom dia a todos. É com grande prazer que, pela segunda vez, participo de evento para

Leia mais

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68 Sumário CAPÍTULO l As CONTAS NACIONAIS * l Os agregados macroeconômicos e o fluxo circular da renda 2 Contas nacionais - modelo simplificado 4 Economia fechada e sem governo 4 Economia fechada e com governo

Leia mais

Diretoria de Comércio Exterior

Diretoria de Comércio Exterior Diretoria de Comércio Exterior Rede de atendimento no País 15.212 pontos Banco do Brasil rede de atendimento Rede de TAA 39.417 terminais Agências no exterior 42 dependências em 23 países 1.471 Bancos

Leia mais

CURSO DE COMÉRCIO EXTERIOR : LEGISLAÇÃO ADUANEIRA REGIMES ADUANEIROS

CURSO DE COMÉRCIO EXTERIOR : LEGISLAÇÃO ADUANEIRA REGIMES ADUANEIROS 1. CONCEITOS Regime é um conjunto de regras que estabelecem certa conduta obrigatória. É método, sistema ou forma de governo. Logo, chamamos de regime aduaneiro ao tratamento tributário e administrativo

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

Aula nº 10 - MERCADO DE CÂMBIO

Aula nº 10 - MERCADO DE CÂMBIO POLÍTICA CAMBIAL Chama-se política cambial o conjunto de ações do Governo que influem no comportamento do mercado de câmbio e da taxa de O Banco Central executa a política cambial definida pelo Conselho

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 3.5.3 - Mercado de Câmbio

Conhecimentos Bancários. Item 3.5.3 - Mercado de Câmbio Conhecimentos Bancários Item 3.5.3 - Mercado de Câmbio Conhecimentos Bancários Item 3.5.3 - Mercado de Câmbio Câmbio TROCA Conhecimentos Bancários Item 3.5.3 - Mercado de Câmbio Câmbio TROCA Moedas Estrangeiras

Leia mais

CIRCULAR Nº 3249. Art. 3º Divulgar as folhas anexas, necessárias à atualização da CNC. - Carta-Circular 2.201, de 20 de agosto de 1991;

CIRCULAR Nº 3249. Art. 3º Divulgar as folhas anexas, necessárias à atualização da CNC. - Carta-Circular 2.201, de 20 de agosto de 1991; CIRCULAR Nº 3249 Divulga o Regulamento sobre Frete Internacional, e dá outras providências. A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, com base nos artigos 9º e 11 da Lei 4.595, de 31 de dezembro

Leia mais

As informações relevantes para a decisão de importar ou exportar são preços domésticos, preços externos e taxa de câmbio.

As informações relevantes para a decisão de importar ou exportar são preços domésticos, preços externos e taxa de câmbio. Módulo 16 Introdução à Economia Internacional O comércio internacional se constitui no intercâmbio de bens, serviços e capitais entre os diversos países. Muitos teóricos em economia tentaram explicar as

Leia mais

CIRCULAR N 2.971. Documento normativo revogado pela Circular nº 3.280, de 9/3/2005. Art. 1º Regulamentar os seguintes normativos:

CIRCULAR N 2.971. Documento normativo revogado pela Circular nº 3.280, de 9/3/2005. Art. 1º Regulamentar os seguintes normativos: CIRCULAR N 2.971 Documento normativo revogado pela Circular nº 3.280, de 9/3/2005. Regulamenta as Resoluções nº 2.644, de 1999, nº 2.694 e nº 2.695, ambas de 2000, e divulga o Regulamento sobre Contas

Leia mais

1. Público-alvo. 2. Objetivos

1. Público-alvo. 2. Objetivos LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico,

Leia mais

Visando facilitar as consultas sobre os CFOP, elaboramos quadro prático contendo os códigos vigentes e respectivas datas de aplicação.

Visando facilitar as consultas sobre os CFOP, elaboramos quadro prático contendo os códigos vigentes e respectivas datas de aplicação. 1. Introdução Os Códigos Fiscais de Operações e Prestações (CFOP) visam aglutinar em grupos homogêneos nos documentos e livros fiscais, nas guias de informação e em todas as análises de dados, as operações

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3828. Dispõe sobre a aplicação dos recursos do Fundo da Marinha Mercante (FMM).

RESOLUÇÃO Nº 3828. Dispõe sobre a aplicação dos recursos do Fundo da Marinha Mercante (FMM). RESOLUÇÃO Nº 3828 Dispõe sobre a aplicação dos recursos do Fundo da Marinha Mercante (FMM). O Banco Central do Brasil, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna público que

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Ministério da Fazenda - Secretaria da Receita Federal. Ministério da Fazenda/ Secretaria da Receita Federal

Ministério da Fazenda - Secretaria da Receita Federal. Ministério da Fazenda/ Secretaria da Receita Federal REGIMES ADUANEIROS ESPECIAIS E ATÍPICOS REEGIMEE I DEESSCRIÇÃO I 1 Admissão Temporária Permite a permanência no País de bens procedentes do exterior, por prazo e para finalidade determinados, com suspensão

Leia mais

CFOP - Códigos fiscais de operações e prestações

CFOP - Códigos fiscais de operações e prestações CFOP - Códigos fiscais de operações e prestações CÓDIGOS DE OPERAÇÕES DE ENTRADAS 1.000 ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DO ESTADO Classificam-se, neste grupo, as operações ou prestações em que o estabelecimento

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.376. Altera o Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais (RMCCI).

CIRCULAR Nº 3.376. Altera o Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais (RMCCI). CIRCULAR Nº 3.376 Altera o Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais (RMCCI). A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em sessão realizada em 7 de fevereiro de 2008, com base

Leia mais

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro.

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 1 1 2 2 3 2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 2004-06: recuperação econômica, com direcionamento do aumento da arrecadação federal

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

Avaliação dos Resultados

Avaliação dos Resultados MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO E SERVIÇOS FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E PEQUENAS DE PEQUENO PORTE Questionário para Identificação dos Gargalos

Leia mais

SILBRAN Comércio Exterior. 13/1/2009 Silbran Comércio Exterior

SILBRAN Comércio Exterior. 13/1/2009 Silbran Comércio Exterior SILBRAN Comércio Exterior 1 Decisões em Negócios Globalizados Importadores Exportadores 2 SILBRAN Comércio Exterior Desafio Global Distância Documentos Diversidade Demanda Disponibilidade Velocidade Consistência

Leia mais

CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E DE PRESTAÇÕES - CFOP CORRELAÇÃO GERAL. GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO N = Novo 1 2 3 1 2 3

CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E DE PRESTAÇÕES - CFOP CORRELAÇÃO GERAL. GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO N = Novo 1 2 3 1 2 3 KARIN CRISTINA IKOMA Consultora/Impostos CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E DE PRESTAÇÕES - CFOP CORRELAÇÃO GERAL A) ENTRADAS: NOVOS ANTIGOS GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO N = Novo 1 2 3 1 2 3 1.100 2.100

Leia mais

TRABALHO DE ECONOMIA:

TRABALHO DE ECONOMIA: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA - FEIT INSTITUTO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE ITUIUTABA - ISEPI DIVINO EURÍPEDES GUIMARÃES DE OLIVEIRA TRABALHO DE ECONOMIA:

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

CFOP - CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES

CFOP - CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES CFOP - CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES A presente relação de códigos fiscais é baseada no Convênio SINIEF s/nº, de 15.12.1970, com suas respectivas alterações. A relação encontra-se devidamente

Leia mais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais Investimento internacional Fluxos de capitais e reservas internacionais Movimento internacional de fatores Determinantes da migração internacional: diferencial de salários; possibilidades e condições do

Leia mais

Seus serviços vão além das fronteiras?

Seus serviços vão além das fronteiras? Seus serviços vão além das fronteiras? Negócios Internacionais Oportunidades para o setor de serviços Globalização Transformações de ordem política, econômica e cultural mundial Mais intensidade nas últimas

Leia mais

O Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional 1 O Sistema Financeiro Nacional Foi constituído com base nas leis: 4595 de 31-12-64 Estrutura o Sistema Financeiro Nacional 4728 de 14-7- 65 Lei do Mercado de Capitais O Sistema

Leia mais

Financiamentos à exportação 2003-2015

Financiamentos à exportação 2003-2015 Financiamentos à exportação 2003-2015 BNDES participa de política de Estado Sistema brasileiro de apoio às exportações Conselho de Ministros Comitê Operacional Seguro de crédito à exportação Financiamento

Leia mais

Medidas de política econômica

Medidas de política econômica Medidas de política econômica Medidas relacionadas ao sistema financeiro e ao mercado de crédito Resolução nº 2.673, de 21.12.1999 - Estabeleceu novas características das Notas do Banco Central do Brasil

Leia mais

IGEPP GESTOR - 2013. Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes

IGEPP GESTOR - 2013. Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes IGEPP GESTOR - 2013 Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes MACROECONOMIA ABERTA POLÍTICA FISCAL POLÍTICA MONETÁRIA MERCADO DE BENS PRODUTO

Leia mais

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br ASSOCIAÇÃO DOS CONSULTORES LEGISLATIVOS E DE ORÇAMENTO E FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS Cadernos ASLEGIS ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br http://bd.camara.leg.br Glohalização das finanças:

Leia mais

Agenda para Aumento da Competitividade Internacional CNI - FIESP Ministro Guido Mantega

Agenda para Aumento da Competitividade Internacional CNI - FIESP Ministro Guido Mantega Agenda para Aumento da Competitividade Internacional CNI - FIESP Ministro Guido Mantega Brasília, 29 de setembro de 2014 1 A Crise mundial reduziu os mercados Baixo crescimento do comércio mundial, principalmente

Leia mais

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação Objetivo - Contribuir para o desenvolvimento da indústria nacional de software

Leia mais

decorrentes de prestações de serviços de comunicação. 1.206 2.206 3.206 Anulação de valor relativo à prestação de serviço de transporte

decorrentes de prestações de serviços de comunicação. 1.206 2.206 3.206 Anulação de valor relativo à prestação de serviço de transporte CFOP DE ENTRADA DE MERCADORIA/UTILIZAÇÃO DE SERVIÇO CFOP IMPORTAÇÃO DESCRIÇÃO DA OPERAÇÃO OU PRESTAÇÃO 1.100 2.100 3.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO, PRODUÇÃO RURAL, COMERCIALIZA- ÇÃO OU PRESTAÇÃO DE

Leia mais

Programas para consolidar e expandir a liderança. PDP setembro/09 PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA CELULOSE E PAPEL

Programas para consolidar e expandir a liderança. PDP setembro/09 PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA CELULOSE E PAPEL Programas para consolidar e expandir a liderança PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA CELULOSE E PAPEL 1 Estratégias: liderança mundial e conquista de mercados Objetivos: consolidar a liderança

Leia mais

CFOP - Códigos fiscais de operações e prestações

CFOP - Códigos fiscais de operações e prestações CFOP - Códigos fiscais de operações e prestações A presente relação de códigos fiscais é baseada noconvênio SINIEF s/nº, de 15.12.1970, com suas respectivas alterações. A relação encontra-se devidamente

Leia mais

Macroeconomia. Prof. Aquiles Rocha de Farias

Macroeconomia. Prof. Aquiles Rocha de Farias Macroeconomia Prof. Aquiles Rocha de Farias Modelo Mundell-Fleming (IS-LM-) No modelo Mundell-Fleming é introduzida ao modelo IS-LM uma nova curva, a curva, que corresponde aos valores de renda e taxa

Leia mais

a) constituição e retorno de capitais brasileiros no exterior e de capitais estrangeiros no País;

a) constituição e retorno de capitais brasileiros no exterior e de capitais estrangeiros no País; SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais 1. As pessoas físicas e as pessoas jurídicas podem comprar e vender moeda estrangeira ou realizar transferências internacionais em reais, de qualquer natureza, sem limitação

Leia mais

REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Destaque

REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Destaque REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Destaque Walter Douglas Stuber e Adriana Maria Gödel Stuber WALTER DOUGLAS STUBER é sócio fundador de Amaro, Stuber e Advogados Associados, e ADRIANA MARIA GÖDEL é advogada

Leia mais

TABELA DE CFOP E CST CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES - CFOP. TABELA I Das entradas de mercadorias, bens ou aquisições de serviços

TABELA DE CFOP E CST CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES - CFOP. TABELA I Das entradas de mercadorias, bens ou aquisições de serviços quarta-feira, 13 de maio de 2009 nmlkj Web nmlkji Site Pesquisa Home Institucional Produtos/Serviços Notícias Utilidades Classificados Contato Registre-se Entrar Utilidades» Tabela de CFOP CFOP E CST TABELA

Leia mais

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO REPETRO

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO REPETRO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO REPETRO Ulhôa Canto, Rezende e Guerra Advogados Seminário Jurídico-Fiscal da Quinta Rodada de Licitações C&V Exportação Ficta COMPRADOR US$ US$ Contrato de Arrendamento / Afretamento

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004 Autoriza o Poder Executivo a criar a Poupança Emigrante e o Fundo de Financiamento ao Emigrante Empreendedor (FEE), com vistas a incrementar a entrada de divisas no

Leia mais

Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010

Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010 Programa Automotivo Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010 Gestor: Paulo Sérgio Bedran Diretor do Departamento de Indústrias de Equipamentos de Transporte

Leia mais