MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS E SUA RELAÇÃO COM A RESISTÊNCIA DE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS E SUA RELAÇÃO COM A RESISTÊNCIA DE"

Transcrição

1 MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS E SUA RELAÇÃO COM A RESISTÊNCIA DE 1. Introdução PLANTAS DANINHAS A HERBICIDAS JOSÉ CLAUDIONIR CARVALHO 1 RAMIRO F. LOPEZ OVEJERO 2 PEDRO J. CHRISTOFFOLETI 3 O uso de herbicidas é a prática dominante no controle de plantas daninhas. A seleção de populações de plantas daninhas resistentes a herbicidas surgiram com maior intensidade a partir dos anos 80, com o desenvolvimento de produtos altamente eficientes e seletivos, porém sensíveis ao problema da resistência, como os inibidores da ALS e ACCase. O mecanismo de ação é a forma específica pela qual um herbicida interfere de modo significativo em determinado processo biológico (Kissmann, 2003). A seguir são discutidos os mecanismos de ação dos herbicidas que apresentam alto e médio risco de seleção de biótipos resistentes. GRUPO A - Herbicidas inibidores da síntese de lipídeos (inibidores da ACCase) Os ariloxifenoxipropionatos e ciclohexanodionas são dois grupos químicos de herbicidas utilizados para o controle de gramíneas perenes e anuais, em condições de pós-emergência. Esses herbicidas são geralmente recomendados para culturas pertencentes à classe das dicotiledôneas (Vidal & Fleck, 1997; Christoffoleti, 2001). Apresentam como mecanismo de ação a inibição ACCase (Acetil Coa carboxilase), que é uma das enzimas responsável pela síntese de ácidos graxos. A enzima atua na fase inicial da síntese de ácidos graxos, que são constituintes dos lipídios que ocorrem nas membranas de células e organelas. Esses lipídios regulam a permeabilidade seletiva (Kissmann, 2003). Os herbicidas deste grupo são inibidores reversíveis e não competitivos da enzima ACCase (Vidal & Merotto, 2001). Neste grupo os herbicidas podem desenvolver resistência cruzada, porém isso nem sempre acontece. Por exemplo, os produtos como sethoxydim e tepraloxidim não tem apresentado resistência cruzada. Assim o grupo deveria ser subdividido em A1 e A2 (Kissmann, 2003). No mundo, foram encontrados 32 biótipos resistentes a esse grupo de herbicidas (Weed Science, 2003). GRUPO B - Inibidores da acetolactato sintase (ALS) Segundo Christoffoleti (1997), os herbicidas inibidores da acetolactate synthase (ALS) ou acetohydroxyacid synthase (AHAS) pertencem a diversos grupos químicos, dentre eles as sulfoniluréias, imidazolinonas e triazolopirimidinas e pirimidiloxitiobenzoatos. Estes herbicidas apresentam como mecanismo de ação a inibição da síntese dos aminoácidos alifáticos de cadeia 1 Eng. Agr., Dr., Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento da Dow AgroSciences, Vice-Presidente Educacional da Associação Brasileira de Ação a Resistência de Plantas a Herbicidas (HRAC-BR). Professor Associado, Universidade de São Paulo, Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (USP/ESALQ), Departamento de Produção Vegetal, Área de Biologia e Manejo de Plantas Daninhas; Endereço: USP/ESALQ Dep. Produção Vegetal Caixa Postal 09 CEP Piracicaba SP; 2 Eng. Agr., M.Sc., Doutorando do Curso de Agronomia, Área de Concentração Fitotecnia, da Universidade de São Paulo, Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (USP/ESALQ), Departamento de Produção Vegetal.

2 lateral: valina, leucina e isoleucina (Trezzi & Vidal, 2001). A via biossintética desses três aminoácidos apresenta em comum o uso de uma enzima chamada ALS, que participa na fase inicial do processo metabólico, catalizando uma reação de condensação (Christoffoleti, 2001). Os herbicidas inibidores da ALS impedem que esta reação de condensação aconteça provocando, como conseqüência, o bloqueio na produção dos aminoácidos valina, leucina e isoleucina. Quando o herbicida encontra-se presente dentro da célula de uma planta susceptível, ocorre uma inibição não competitiva pelo herbicida com o substrato, de tal maneira que não ocorre a formação do acetolactato, indispensável, para que as demais reações prossigam resultando na formação dos aminoácidos. A paralização na síntese dos aminoácidos leva a uma interrupção na divisão celular e paralização do crescimento (Kissmann, 2003). Um biótipo de planta daninha é resistente aos herbicidas inibidores da ALS devido a uma alteração do gene responsável pela codificação desta enzima (Shaner, 1991). No mundo, foram encontrados 79 biótipos resistentes a esse grupo de herbicidas (Weed Science, 2003). GRUPO C - Herbicidas inibidores do fotossístema II Os herbicidas atualmente em uso e que apresentam mecanismo de ação de inibição da fotossíntese são pertencentes a três principais grupos químicos: triazinas, uréias substituídas e uracilas. O local de ação destes herbicidas é na membrana do cloroplasto, onde ocorre a fase luminosa da fotossíntese, mais especificamente no transporte de elétrons (Christoffoleti, 1997). Uma planta é susceptível aos herbicidas inibidores da fotossíntese se o herbicida se acoplar ao composto Q B componente do sistema fotossintético e, assim, impossibilitar a ocorrência do transporte do elétron até a plastoquinona. Dessa forma não existe a produção de ATP, pois o transporte de elétrons é interrompido, bem como a produção de NADPH 2. Já numa planta daninha resistente há um processo de mutação no composto Q B de tal maneira que o herbicida não consegue acoplar-se ao composto, impedindo o transporte de elétrons. Portanto, uma planta resistente aos herbicidas inibidores da fotossíntese consegue efetuar o transporte de elétrons na fase luminosa da fotossíntese mesmo na presença do herbicida (Christoffoleti, 1997). No mundo, foram encontrados 64 biótipos resistentes ao grupo C1, 20 ao grupo C2 e 1 ao grupo C3 (Weed Science, 2003). O mecanismo de ação das uréias substituídas é o mesmo do grupo das triazinas/triazinonas, porém o sítio de ação no composto Q B é diferenciado, portanto normalmente não existe resistência cruzada entre eles (Christoffoleti, 2001). GRUPO D - Inibidores do fotossistema I (formadores de radicais livres) Os herbicidas paraquat e diquat são herbicidas do tipo bipiridiluns, que apresentam como local de ação o fotossistema I, na fase luminosa da fotossíntese; portanto, na membrana do cloroplasto. Quando o elétron é transferido da ferrodoxina para o NADP ocorre a ação dos herbicidas biripidiluns. Sendo estes herbicidas cátions muito fortes desviam o elétron destinado ao NADP para o herbicida, reduzindo o mesmo (seriam utilizados para reduzir o NADP para NADPH 2 ). O herbicida no estado reduzido é instável, de tal maneira que volta ao seu estado normal reduzido, cedendo o elétron para uma molécula de O 2. A molécula de O 2 juntamente com o elétron cedido pelo paraquat reduzido é chamada de radical livre (superóxido). O superóxido rapidamente se condensa com uma molécula de

3 água, formando H 2 O 2 (água oxigenada), sendo a água oxigenada um potente destruidor de membrana, através da peroxidação dos lipídeos (Christoffoleti, 1997). GRUPO E - Inibidores da Protox (inibidores da formação do tetrapirol) A Protox está presente na rota de síntese da clorofila e de citocromos, também chamada de rota de síntese de porfirinas ou de tetrapirroles (Merotto & Vidal, 2001). O mecanismo de ação dos herbicidas inibidores da Protox está baseado na inibição da reação de transformação do protoporfirinogeno em protoporfirina. Esta reação é catalizada pela protoporfirinogeno oxidase (PROTOX). Com a inibição desta enzima, presente no cloroplasto, existe um acúmulo de protoporfirinogeno que se desloca do cloroplasto para o citoplasma e em contato com o oxigênio, na presença de luz, forma radicais livres e provoca a peroxidação de lipídeos das membranas. Até o momento foi detectado um biótipo de planta daninha resistente a estes herbicidas na agricultura, portanto, a probabilidade de seleção é restrita (Weed Science, 2003). GRUPO F - Herbicidas inibidores da biossíntese de caroteno Os herbicidas deste grupo provocam a inibição da síntese de carotenóides, com posterior geração de estresse oxidativo, que destrói as membranas das células, levando assim as plantas à morte (Kruse, 2001). O caroteno é um pigmento das plantas responsável, dentre outras funções, pela proteção da clorofila da foto-oxidação; portanto, as plantas suscetíveis têm como sintomatologia o albinismo ("branqueamento") dos tecidos fotossintéticos. Com relação a possibilidade de desenvolvimento de biótipos resistentes é necessário dividir os herbicidas com este mecanismo de ação em três grupos: a) inibidores dos diterpenos (clomazone, Grupo F3); b) inibidores da enzima hidroxifenil-piruvato-dioxigenase (isoxaflutole, Grupo F2) e c) inibidores da fitoeno desaturase (norflurazon, Grupo F1) (Christoffoleti et al., 2001). No mundo, foram encontrados dois biótipos resistentes a esse grupo de herbicidas (Weed Science, 2003). GRUPO G Inibidores da EPSPs (glifosate) O primeiro sintoma observado após tratamento com glifosate é a inibição de crescimento, seguido por clorose dos tecidos tratados. O mecanismo de ação é a inibição da biossíntese de aminoácidos aromáticos (fenilalanina, tirosina e triptofano), através da inibição da enzima EPSPs (5- enolpiruvinilshikimate-3-fosfato-sintase) na via do shikimato. Sobre a razão do aparecimento de plantas daninhas resistentes a glifosate pairam muitas dúvidas, mas o que se sabe é que a acumulação de shikimato não ocorre, assim EPSPs aparentemente não é inibida. A teoria aceita atualmente é que o glifosate nas plantas daninhas resistentes não se move para o sítio de ação no cloroplasto. O surgimento de plantas daninhas resistentes a glifosate é um evento muito difícil de ocorrer, sendo relatados apenas quatro biótipos até o momento (Weed Science, 2003). GRUPO K1 - Herbicidas inibidores da formação dos microtúbulos Trifluralina e pendimethalin são herbicidas utilizados nas culturas e que apresentam mecanismo de ação da inibição da divisão celular, impedindo a formação dos microtúbulos durante a formação do fuso de divisão celular. Os microtúbulos são compridos, cilíndricos e ocos e responsáveis

4 pela movimentação dos cromossomos durante a divisão celular (Vidal & Fleck, 2001). Durante o processo da mitose (prófase e metáfase) existe a formação do fuso de divisão cromossômica, para que na anáfase ocorra uma separação cromossômica do processo de divisão celular. Este fuso de divisão celular é formado de uma proteína chamada de tubulina (Christoffoleti, 2001). No mundo, foram encontrados 10 biótipos resistentes a esse grupo de herbicidas (Weed Science, 2003). 5. Classificação dos herbicidas (vide Tabela 1 no final do texto) Existem muitos critérios para agrupar herbicidas, sendo que, o mais utilizado é segundo o mecanismo de ação. As tabelas agrupam produtos com mecanismo de ação semelhantes. As mesmas são úteis para a seleção de herbicidas diferentes. Bibliografia citada CHRISTOFFOLETI, P.J. Resistência de plantas daninhas aos herbicidas. In: I SIMPÓSIO SOBRE HERBICIDAS E PLANTAS DANINHAS, Dourados MS, EMBRAPA, 1997, p CHRISTOFFOLETI, P.J.; CORTEZ, M.G.; MONQUEIRO, P.A.. Bases da Resistência de Plantas Daninhas aos Herbicidas. In: III Seminário Nacional sobre Manejo e Controle de Plantas Daninhas em Plantio Direto, 2001, Passo Fundo, RS. Resumo de Palestras. Editora Aldeia Norte, Passo Fundo, RS. p.39-53, KISSMANN, K.G. Resistência de plantas daninhas a herbicidas. Disponível: 01/05/2003. KRUSE, N.D. Inibidores da síntese de carotenóides. Herbicidologia/Vidal, R.A., Merotto Jr, A.(Editores) Porto Alegre: p MEROTTO Jr, A.; VIDAL, R.A. Herbicidas inibidores de PROTOX. Herbicidologia/Vidal, R.A., Merotto Jr, A.(Editores) Porto Alegre: p SHANER, D.L. Mechanisms of resistance to acetolactate synthase/acetohydroxyacid synthase inhibitors. In: CASELEY, J.C.; CUSSANS, G.W.; ATKIN, R.K. Herbicide resistance in weeds and crops. Oxford: Butterworth-Heinemann, p TREZZI, M.M.; VIDAL, R.A. Herbicidas inibidores da ALS. Herbicidologia/Vidal, R.A., Merotto Jr, A.(Editores) Porto Alegre: p VIDAL, R.A.; FLECK, N.G. Herbicidas: mecanismos de ação e resistência de plantas. Porto Alegre:Palotti, p. VIDAL, R.A.; FLECK, N.G. Inibidores de crescimento da parte aérea. Herbicidologia/Vidal, R.A., Merotto Jr, A.(Editores) Porto Alegre: p a. VIDAL, R.A.; FLECK, N.G. Inibidores de polimerização de tubulina. Herbicidologia/Vidal, R.A., Merotto Jr, A.(Editores) Porto Alegre: p VIDAL, R.A.; MEROTTO Jr, A. Herbicidas inibidores de ACCase. Herbicidologia/Vidal, R.A., Merotto Jr, A.(Editores) Porto Alegre: p WEED SCIENCE. International survey of herbicide resistant weeds. Disponível: 01/05/2003. Formatado: Português (Brasil)

5 Tabela 1. Mecanismo de ação dos principais grupos químicos de herbicidas comercializados no Brasil (adaptado de HRAC, 2001). Inibidores da ACCase (Acetil Coa carboxilase). Grupo A Ariloxifenoxipropiônicos: Quizalofop-p-ethyl, propaquizafop, fluozifop-p-butyl, haloxyfop-p-methyl, clodinafop propargyl, cyalofop-butyl, diclofop-methyl, fenoxaprop-p-ethyl. Ciclohexanodionas: butroxydim, alloxydim, clefoxydim, clethodim, tralkoxydim, tepraloxydin, sethoxydim, cicloxydim. Inibidores da ALS (acetohidroxiácidosintase). Grupo B Sulfoniluréias: chlorimuron-ethyl, etoxysulfuron, metsulfuron-methyl, flazasulfuron, pirasulfuronethyl, halosulfuron, nicosulfuron, oxasulfuron, foramsulfuron + iodosulfuron. Imidazolinonas: imazamox, imazethapyr, imazapic, imazaquin, imazapyr. Triazolopirimidina: flumetsulam, diclosulan, chloransulan-methyl. Pirimidiloxibenzoatos: pyrithiobac-sodium, bispyribac-sodium. Inibidores da fotossíntese (fotossistema II). Grupo C Grupo C1: Triazinas: atrazine, ametryne, simazine, cyanazine, prometryne. Triazinonas: metribuzin, hexazinone. Grupo C2: Uréias substituídas: diuron, linuron e tebuthiuron. Amidas: propanil. Grupo C3: Benzotiadiazoles: Bentazona Inibidores da fotossíntese (fotossistema I). Grupo D Bipiridiluns: Paraquat e Diquat Inibidores da Protox (PPO) (Protoporfirinogen oxidase). Grupo E Difenileteres: acifluorfen sodium, oxyfluorfen, diclofop-methyl, fomesafen, lactofen. Ftalimidas: fumiclorac-pentil, flumioxazin. Oxadiazoles: oxadiazon. Triazolinone: sulfentrazone, carfentrazone, azefendim. Inibidores da biossíntese de caroteno (PDS). Grupo F Grupo F1: Pyridazinone: norflurazon. Grupo F2: Isoxazol Isoxaflutole Tricetonas: mesotrione. Grupo F3: Isoxazolidinona: clomazone. Inibidores da EPSPs. Grupo G Derivados da glicina: Glyphosate e sulfosate. Inibidores da GS (Glutamina sintetase). Grupo H Ácidos fosfínicos: Glufosinate. Inibição da formação dos microtúbulos. Grupo K1 Dinitroanilinas: trifluralin, pendimenthalin, oryzalin. Piridazinas: dithiopyr, thiazopyr. Ácidos benzóicos: DCPA. Inibidores da divisão celular. Grupo K3 Cloroacetamidas: alachlor, metolachlor, acetochlor, butachlor e dimethanamid. Acetamidas: napropamide e diphenamid. Auxinas sintéticas. Grupo O Ácidos fenoxiacéticos: 2,4-D, MCPA. Ácidos benzóicos: Dicamba. Piridinas: quinclorac; Ftalimidas: fluroxipyr, triclopyr, picloran. Desconhecidos. Grupo Z Organoarsenicais: MSMA; Outros Observações: 1. Cada família química de herbicidas pode conter um ou até vários herbicidas diferentes. É importante que no momento da seleção do herbicida seja identificado a que família química o herbicida pertence, e portanto, o mecanismo de ação. 2. Alguns grupos/subgrupos não foram incluídos nesta tabela pois não existem produtos comercializados no Brasil, por exemplo K2 e L.

I Simpósio Nacional sobre Plantas Daninhas em Sistemas de Produção Tropical / IV Simpósio Internacional Amazônico sobre Plantas Daninhas

I Simpósio Nacional sobre Plantas Daninhas em Sistemas de Produção Tropical / IV Simpósio Internacional Amazônico sobre Plantas Daninhas I Simpósio Nacional sobre Plantas Daninhas em Sistemas de Produção Tropical / IV Simpósio Internacional Amazônico sobre Plantas Daninhas Manejo dos restos culturais do algodoeiro e controle de plantas

Leia mais

LEONARDO BIANCO DE CARVALHO HERBICIDAS

LEONARDO BIANCO DE CARVALHO HERBICIDAS LEONARDO BIANCO DE CARVALHO HERBICIDAS 2013 LEONARDO BIANCO DE CARVALHO HERBICIDAS 1ª Edição Lages SC Edição do Autor 2013 Carvalho, Leonardo Bianco de Herbicidas / Editado pelo autor, Lages, SC, 2013

Leia mais

MARCELO NICOLAI QUANDO E COMO UTILIZAR MANEJOS EM PPI, PRÉ E PÓS-EMEGENCIA NA CANA-DE-AÇÙCAR ENFOQUE EM MPB

MARCELO NICOLAI QUANDO E COMO UTILIZAR MANEJOS EM PPI, PRÉ E PÓS-EMEGENCIA NA CANA-DE-AÇÙCAR ENFOQUE EM MPB QUANDO E COMO UTILIZAR MANEJOS EM PPI, PRÉ E PÓS-EMEGENCIA NA CANA-DE-AÇÙCAR ENFOQUE EM MPB MARCELO NICOLAI AGROCON ASSESSORIA AGRONÔMICA LTDA Diretor Técnico ENG. AGRONOMO, MESTRE E DOUTOR ESALQ/USP PÓS-DOUTOR

Leia mais

Sistemas de Produção com Milho Tolerante a Glifosato RAMIRO OVEJERO

Sistemas de Produção com Milho Tolerante a Glifosato RAMIRO OVEJERO Sistemas de Produção com Milho Tolerante a Glifosato RAMIRO OVEJERO PERÍODO CRÍTICO DE PREVENÇÃO DA INTERFERÊNCIA NA CULTURA DO MILHO P.T.P.I. Manejo préplantio Mato-competição Pós-colheita S VE V1 V2

Leia mais

ISSN 1517-5111 Outubro, 2008. Herbicidas: mecanismos de ação e uso

ISSN 1517-5111 Outubro, 2008. Herbicidas: mecanismos de ação e uso ISSN 1517-5111 Outubro, 2008 CGPE 7898 Herbicidas: mecanismos de ação e uso 227 ISSN 1517-5111 Outubro, 2008 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Cerrados Ministério da Agricultura, Pecuária

Leia mais

CRITÉRIOS PARA AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE LIXIVIAÇÃO DOS HERBICIDAS COMERCIALIZADOS NO ESTADO DO PARANÁ 1

CRITÉRIOS PARA AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE LIXIVIAÇÃO DOS HERBICIDAS COMERCIALIZADOS NO ESTADO DO PARANÁ 1 Critérios para avaliação do potencial de lixiviação dos... 313 CRITÉRIOS PARA AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE LIXIVIAÇÃO DOS HERBICIDAS COMERCIALIZADOS NO ESTADO DO PARANÁ 1 Criteria for Evaluation of the Leaching

Leia mais

VISÃO DO FUTURO: NOVAS TECNOLOGIAS PARA O MANEJO DA RESISTÊNCIA. Eng. Agr., Dr., Mauro Antônio Rizzardi Universidade de Passo Fundo

VISÃO DO FUTURO: NOVAS TECNOLOGIAS PARA O MANEJO DA RESISTÊNCIA. Eng. Agr., Dr., Mauro Antônio Rizzardi Universidade de Passo Fundo VISÃO DO FUTURO: NOVAS TECNOLOGIAS PARA O MANEJO DA RESISTÊNCIA Eng. Agr., Dr., Mauro Antônio Rizzardi Universidade de Passo Fundo RESISTÊNCIA EVOLUÇÃO NO CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS Anos 70 - Semeadura

Leia mais

Controle de Plantas Daninhas. Manejo das Plantas Daninhas Aula 19 e 20: 21 e 27/05/2014

Controle de Plantas Daninhas. Manejo das Plantas Daninhas Aula 19 e 20: 21 e 27/05/2014 Controle de Plantas Daninhas Manejo das Plantas Daninhas Aula 19 e 20: 21 e 27/05/2014 h) Inibidores da EPSPS Plantas tratadas com esses herbicidas param de crescer logo após a sua aplicação. Há redução

Leia mais

MANEJO DE RESISTÊNCIA EM SISTEMAS DE CULTIVO SOJA/MILHO

MANEJO DE RESISTÊNCIA EM SISTEMAS DE CULTIVO SOJA/MILHO MANEJO DE RESISTÊNCIA EM SISTEMAS DE CULTIVO SOJA/MILHO Leandro Vargas 1, Dionísio Luiz Pisa Gazziero 2, Dirceu Agostinetto 3, Décio Karam 4 e Fernando Stornilo Adegas 2 1 Pesquisador da Embrapa Trigo;

Leia mais

Aspectos de Resistência de Plantas Daninhas a Herbicidas

Aspectos de Resistência de Plantas Daninhas a Herbicidas Aspectos de Resistência de Plantas Daninhas a Herbicidas Coordenador Pedro Jacob Christoffoleti Associação Brasileira de Ação à Resistência de Plantas aos Herbicidas (HRAC-BR) Aspectos de Resistência

Leia mais

Mecanismos de Ação de Herbicidas

Mecanismos de Ação de Herbicidas Capítulo 7 Mecanismos de Ação de Herbicidas Rubem Silvério de Oliveira Jr. 1. Introdução Para identicar herbicidas é útil agrupá-los de acordo com seu mecanismo de atuação nas plantas e sua estrutura química

Leia mais

HERBICIDAS EM GRAMADOS. Daniel Tapia 1 - INTRODUÇÃO. Abordar o assunto da utilização de herbicidas, para o controle de plantas

HERBICIDAS EM GRAMADOS. Daniel Tapia 1 - INTRODUÇÃO. Abordar o assunto da utilização de herbicidas, para o controle de plantas HERBICIDAS EM GRAMADOS Daniel Tapia Eng. Agr ; Assessor Agronômico Av. dos Ipês, 32 CEP 06352-050 - Carapicuíba SP. danieltapia1@uol.com.br 1 - INTRODUÇÃO Abordar o assunto da utilização de herbicidas,

Leia mais

Herbicidas: Conceitos e Mecanismos de Ação. Profa. Dra. Naiara Guerra

Herbicidas: Conceitos e Mecanismos de Ação. Profa. Dra. Naiara Guerra Herbicidas: Conceitos e Mecanismos de Ação Profa. Dra. Naiara Guerra Vargas et al., 1999 Características Gerais Glyphosate é o herbicida mais utilizado no mundo - 1970 Mecanismo de ação: inibe a atuação

Leia mais

Controle de Plantas Daninhas. Manejo das Plantas Daninhas Aula 13 e 14: 29 e 30/04/2014

Controle de Plantas Daninhas. Manejo das Plantas Daninhas Aula 13 e 14: 29 e 30/04/2014 Controle de Plantas Daninhas Manejo das Plantas Daninhas Aula 13 e 14: 29 e 30/04/2014 6.5.3 Mecanismo de Ação dos Herbicidas c) Inibidores da PROTOX (ou PPO) Inibem a ação da enzima protoporfirinogênio

Leia mais

Herbicidas: Conceitos e Mecanismos de Ação. Profa. Dra. Naiara Guerra

Herbicidas: Conceitos e Mecanismos de Ação. Profa. Dra. Naiara Guerra Herbicidas: Conceitos e Mecanismos de Ação Profa. Dra. Naiara Guerra Ementa Introdução ao uso de herbicidas Classificações - Quanto a seletividade - Quanto a época de aplicação - Quanto a translocação

Leia mais

TIPOS DE HERBICIDAS PARA USO EM FLORESTAS

TIPOS DE HERBICIDAS PARA USO EM FLORESTAS TIPOS DE HERBICIDAS PARA USO EM FLORESTAS RICARDO VICTORIA FILHO Departamento de Agricultura e Horticultura - ESALQ/USP Caixa Postal 09 13400 - Piracicaba- SP 1. INTRODUÇÃO As plantas daninhas competem

Leia mais

Professor Antônio Ruas

Professor Antônio Ruas Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: BIOLOGIA GERAL Aula 4 Professor Antônio Ruas 1. Temas: Macromoléculas celulares Produção

Leia mais

SELEÇÃO DE PLANTAS DANINHAS TOLERANTES E RESISTENTES AO GLYPHOSATE. Leandro Vargas¹, Dionisio Gazziero 2

SELEÇÃO DE PLANTAS DANINHAS TOLERANTES E RESISTENTES AO GLYPHOSATE. Leandro Vargas¹, Dionisio Gazziero 2 SELEÇÃO DE PLANTAS DANINHAS TOLERANTES E RESISTENTES AO GLYPHOSATE Leandro Vargas¹, Dionisio Gazziero 2 ¹Eng.-Agr o., D. S., Pesquisador da Embrapa Trigo. Caixa Postal 451. Passo Fundo, RS. vargas@cnpt.embrapa.br

Leia mais

1566_monsanto_boletim_tecnico_06_14.85x21cm.indd 1

1566_monsanto_boletim_tecnico_06_14.85x21cm.indd 1 1566_monsanto_boletim_tecnico_06_14.85x21cm.indd 1 13/12/12 15:06 SISTEMA ROUNDUP READY PLUS O controle de plantas daninhas é uma prática de elevada importância para a obtenção de altos rendimentos em

Leia mais

Professor Antônio Ruas

Professor Antônio Ruas Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: BIOLOGIA GERAL Aula 4 Professor Antônio Ruas 1. Temas: Macromoléculas celulares Produção

Leia mais

ALUNO(a): Observe o esquema a seguir, no qual I e II representam diferentes estruturas citoplasmáticas.

ALUNO(a): Observe o esquema a seguir, no qual I e II representam diferentes estruturas citoplasmáticas. GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: DISCIPLINA: SÉRIE: 3º ano ALUNO(a): Lista de Exercícios NOTA: No Anhanguera você é + Enem Questão 01) Observe o esquema a seguir, no qual I e II representam diferentes estruturas

Leia mais

Comportamento de herbicidas no solo. Profa. Dra. Naiara Guerra

Comportamento de herbicidas no solo. Profa. Dra. Naiara Guerra Comportamento de herbicidas no solo Profa. Dra. Naiara Guerra Lages SC 27 de maio de 2015 Temas à serem abordados Fatores que afetam o comportamento dos herbicidas Processos que podem ocorrer com o herbicida

Leia mais

Professor Antônio Ruas

Professor Antônio Ruas Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: BIOLOGIA APLICADA Aula 3 Professor Antônio Ruas 1. Assuntos: Introdução à história geológica

Leia mais

RESISTÊNCIA DE Eleusine indica AOS INIBIDORES DE ACCASE 1

RESISTÊNCIA DE Eleusine indica AOS INIBIDORES DE ACCASE 1 163 RESISTÊNCIA DE Eleusine indica AOS INIBIDORES DE ACCASE 1 Eleusine indica Resistance to Accase Inhibitors VIDAL, R.A. 2, PORTES, E.S. 3, LAMEGO, F.P. 3 e TREZZI, M.M. 4 RESUMO - Dentre as causas da

Leia mais

Curso superior em Agronomia GESA- Grupo de estudo em solos agrícolas Absorção de nutrientes e Fotossíntese Bambuí-MG 2009 Alunas: Erica Marques Júlia Maluf É o processo pelo qual a planta sintetiza compostos

Leia mais

Amaranthus palmeri: novo desafio para a agricultura do Brasil.

Amaranthus palmeri: novo desafio para a agricultura do Brasil. Amaranthus palmeri: novo desafio para a agricultura do Brasil. Eng. Agr. Msc. Edson R. de Andrade Junior PesquisadorIMAmt MONITORAMENTO DE PLANTAS DANINHAS RESISTENTES A HERBICIDAS NO ESTADO DE MATO GROSSO,

Leia mais

POSICIONAMENTO DO PORTFÓLIO PARA A CULTURA DA CANA.

POSICIONAMENTO DO PORTFÓLIO PARA A CULTURA DA CANA. POSICIONAMENTO DO PORTFÓLIO PARA A CULTURA DA CANA. Dessecante icida Inseticida DOSE: 5,0 6,0L/ha (dessecação) ALVOS: GRAMÍNEAS E FOLHAS LARGAS CARACTERÍSTICAS E BENEFÍCIOS: Dessecação/eliminação de soqueiras

Leia mais

Seletividade de Herbicidas à cultura do Algodão.

Seletividade de Herbicidas à cultura do Algodão. CONGRESSO BRASILEIRO DO ALGODÃO Uberlândia - 13 a 16 de agosto de 2007 Seletividade de Herbicidas à cultura do Algodão. Luiz Lonardoni Foloni Feagri - Unicamp Uberlândia MG - Agosto de 2007 - Algodão:

Leia mais

BUVA 15 A 20% DO CUSTO ANUAL DO CAFEZAL (MATIELLO, 1991) Bidens pilosa. Commelina spp

BUVA 15 A 20% DO CUSTO ANUAL DO CAFEZAL (MATIELLO, 1991) Bidens pilosa. Commelina spp Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do Café Fundamentos Técnicos CAFEEIRO SOFRE ALTA INTERFERÊNCIA DAS PLANTAS DANINHAS Blanco et al. (1982) perdas 55,9 a 77,2% (4 anos) Quando a matocompetição é crítica?

Leia mais

A descoberta da célula

A descoberta da célula A descoberta da célula O que são células? As células são a unidade fundamental da vida CITOLOGIA A área da Biologia que estuda a célula, no que diz respeito à sua estrutura e funcionamento. Kytos (célula)

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Resistência de populações da planta daninha Digitaria ciliaris (Retz.) Koel. a herbicidas inibidores da acetil coenzima A carboxilase

Leia mais

Controle de Plantas Daninhas. Manejo das Plantas Daninhas Aula 21 e 22: 03 e 04/06/2014

Controle de Plantas Daninhas. Manejo das Plantas Daninhas Aula 21 e 22: 03 e 04/06/2014 Controle de Plantas Daninhas Manejo das Plantas Daninhas Aula 21 e 22: 03 e 04/06/2014 6.5.4 Tipos de formulações de herbicidas As formulações se apresentam basicamente nas formas sólida e líquida. FORMULAÇÕES

Leia mais

Biologia Celular: Transformação e armazenamento de energia: Mitocôndrias e Cloroplastos

Biologia Celular: Transformação e armazenamento de energia: Mitocôndrias e Cloroplastos FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA Biologia Celular: Transformação e armazenamento de energia: Mitocôndrias e Cloroplastos Prof. MSc Ana Paula

Leia mais

Identificação e manejo de plantas daninhas resistentes a herbicidas

Identificação e manejo de plantas daninhas resistentes a herbicidas ISSN 1518-6512 Setembro, 2006 60 Identificação e manejo de plantas daninhas resistentes a herbicidas Leandro Vargas 1, Erivelton Scherer Roman 1 O crescimento da população de plantas daninhas resistentes

Leia mais

MILHO TRANSGENICO E MANEJO DE PLANTAS DANINHAS EM MILHO. Décio Karam 1, Dionísio Luís Pisa Gazziero 2, Leandro Vargas 3, Alexandre Ferreira da Silva 4

MILHO TRANSGENICO E MANEJO DE PLANTAS DANINHAS EM MILHO. Décio Karam 1, Dionísio Luís Pisa Gazziero 2, Leandro Vargas 3, Alexandre Ferreira da Silva 4 MILHO TRANSGENICO E MANEJO DE PLANTAS DANINHAS EM MILHO Décio Karam 1, Dionísio Luís Pisa Gazziero 2, Leandro Vargas 3, Alexandre Ferreira da Silva 4 1. INTRODUÇÃO O crescimento populacional nas ultimas

Leia mais

COMPORTAMENTO OU POSICIONAMENTO DE HERBICIDAS NA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR MARCELO NICOLAI

COMPORTAMENTO OU POSICIONAMENTO DE HERBICIDAS NA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR MARCELO NICOLAI III SIMPÓSIO: MANEJO DE PLANTAS DANINAS NA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR COMPORTAMENTO OU POSICIONAMENTO DE ERBICIDAS NA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR MARCELO NICOLAI AGROCON ASSESSORIA AGRONÔMICA LTDA Gerente

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO AOS POLOS TECNOLÓGICOS

PROGRAMA DE APOIO AOS POLOS TECNOLÓGICOS PROGRAMA DE APOIO AOS POLOS TECNOLÓGICOS UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL Polo tecnológico dos Campos de Cima da Serra Xº RELATÓRIO TÉCNICO Implementação de uma Vitrine Tecnológica para os Campos de Cima

Leia mais

HERBICIDAS. Prof. Dr. Leonardo Bianco de Carvalho. DEAGRO CAV/UDESC

HERBICIDAS. Prof. Dr. Leonardo Bianco de Carvalho. DEAGRO CAV/UDESC BMPDA54 Biologia e Manejo de Plantas Daninhas HERBICIDAS Prof. Dr. Leonardo Bianco de Carvalho DEAGRO CAV/UDESC leonardo.carvalho@udesc.br http://plantasdaninhas.cav.udesc.br Cronograma da aula Dinâmica

Leia mais

HERBICIDAS. Prof. Dr. Leonardo Bianco de Carvalho. DEAGRO CAV/UDESC

HERBICIDAS. Prof. Dr. Leonardo Bianco de Carvalho. DEAGRO CAV/UDESC BMPDA54 Biologia e Manejo de Plantas Daninhas HERBICIDAS Prof. Dr. Leonardo Bianco de Carvalho DEAGRO CAV/UDESC leonardo.carvalho@udesc.br http://plantasdaninhas.cav.udesc.br Dinâmica de Herbicidas Dinâmica

Leia mais

MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DE SOJA

MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DE SOJA MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DE SOJA Seleção das espécies de plantas daninhas em soja Uniformidade dos tratos culturais sistema de produção simplificado pressão de seleção dos herbicidas Plantas

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. Sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. Sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo Sgrillo.ita@ftc.br A conversão do fluxo de elétrons em trabalho biológico requer transdutores moleculares (circuito microscópico), análogos aos motores elétricos que

Leia mais

RESISTENCIA DE PLANTAS DANINHAS AO HERBICIDA GLYPHOSATE REVISÃO DE LITERATURA

RESISTENCIA DE PLANTAS DANINHAS AO HERBICIDA GLYPHOSATE REVISÃO DE LITERATURA REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN: 1677-0293 Número 27 Julho de 2015 Periódico Semestral RESISTENCIA DE PLANTAS DANINHAS AO HERBICIDA GLYPHOSATE REVISÃO DE LITERATURA Jéssica Aparecida da

Leia mais

Profª Eleonora Slide de aula. Fotossíntese: As Reações da Etapa Clara ou Fotoquímica

Profª Eleonora Slide de aula. Fotossíntese: As Reações da Etapa Clara ou Fotoquímica Fotossíntese: As Reações da Etapa Clara ou Fotoquímica Fotossíntese Profª Eleonora Slide de aula Captação da energia solar e formação de ATP e NADPH, que são utilizados como fontes de energia para sintetizar

Leia mais

Questões complementares

Questões complementares Questões complementares 1. Definir célula e os tipos celulares existentes. Caracterizar as diferenças existentes entre os tipos celulares. 2. Existe diferença na quantidade de organelas membranares entre

Leia mais

Modos de Ação de Herbicidas Prof. Leonardo Bianco de Carvalho

Modos de Ação de Herbicidas Prof. Leonardo Bianco de Carvalho Modos de Ação de Herbicidas Prof. Leonardo Bianco de Carvalho Biologia e Manejo de Plantas Daninhas leonardo.carvalho@udesc.br (49) 2101.9149 Local de Aplicação x Tipo de Herbicida PRE POS Efeito herbicida

Leia mais

ENZIMAS. Células podem sintetizar enzimas conforme a sua necessidade.

ENZIMAS. Células podem sintetizar enzimas conforme a sua necessidade. ENZIMAS As enzimas são proteínas, catalisadores (aumenta a velocidade de uma determinada reação química) biológicos (proteínas) de alta especificidade. Praticamente todas as reações que caracterizam o

Leia mais

Reacções Fotoquímicas da Fotossíntese

Reacções Fotoquímicas da Fotossíntese Reacções Fotoquímicas da Fotossíntese -A A energia luminosa como força motriz da fotossíntese -O Cloroplasto- - membranas tilacoidais e estroma -Conceito de Unidade Fotossintética e Centro de Reacção -Cooperação

Leia mais

METABOLISMO ENERGÉTICO RESPIRAÇÃO CELULAR FERMENTAÇÃO FOTOSSÍNTESE QUIMIOSSÍNTESE

METABOLISMO ENERGÉTICO RESPIRAÇÃO CELULAR FERMENTAÇÃO FOTOSSÍNTESE QUIMIOSSÍNTESE METABOLISMO ENERGÉTICO RESPIRAÇÃO CELULAR FERMENTAÇÃO FOTOSSÍNTESE QUIMIOSSÍNTESE RESPIRAÇÃO CELULAR Processo de produção de energia a partir da degradação completa de compostos orgânicos energéticos (ex.:

Leia mais

Eficácia de herbicidas no controle pós-emergente de Sisyrinchium micranthum Cav. e Agrostis sp. 1

Eficácia de herbicidas no controle pós-emergente de Sisyrinchium micranthum Cav. e Agrostis sp. 1 Revista Brasileira de Herbicidas, v.12, n.3, p.296-306, set./dez. 2013 (ISSN 2236-1065) DOI: http://dx.doi.org/10.7824/rbh.v12i3.216 www.rbherbicidas.com.br Eficácia de herbicidas no controle pós-emergente

Leia mais

CITOLOGIA CONHECENDO AS CÉLULAS

CITOLOGIA CONHECENDO AS CÉLULAS CITOLOGIA CONHECENDO AS CÉLULAS A história da Citologia Hans e Zaccharias Janssen- No ano de 1590 inventaram um pequeno aparelho de duas lentes que chamaram de microscópio. Robert Hooke (1635-1703)- Em

Leia mais

Painel - Controle de plantas daninhas no ambiente de novos Traits

Painel - Controle de plantas daninhas no ambiente de novos Traits Painel - Controle de plantas daninhas no ambiente de novos Traits Manejo de plantas daninhas nos ambientes de soja Cultivance/Enlist/Xtend/LL Mauro Antônio Rizzardi Eng. Agr., Dr., Professor da Universidade

Leia mais

Fisiologia Vegetal. Bibliografia: Lehninger Principles of Biochemistry Taiz Plant Physiology

Fisiologia Vegetal. Bibliografia: Lehninger Principles of Biochemistry Taiz Plant Physiology Fisiologia Vegetal Objetivos da aula: Fotossíntese: absorção de luz pigmentos fotossintéticos fotossistemas fluxo de elétrons acíclico fotofosforilação fluxo de elétrons cíclico Bibliografia: Lehninger

Leia mais

Seletividade de coroa-de-cristo (Euphorbia splendens) a diferentes classes de herbicidas para manejo de plantas daninhas em jardinagem

Seletividade de coroa-de-cristo (Euphorbia splendens) a diferentes classes de herbicidas para manejo de plantas daninhas em jardinagem 32 Artigo Científico Seletividade de coroa-de-cristo (Euphorbia splendens) a diferentes classes de herbicidas para manejo de plantas daninhas em jardinagem CLEBER D. DE G. MACIEL ; JULIANA P. POLETINE

Leia mais

Botânica Aplicada (BOT) Assunto: Célula Vegetal

Botânica Aplicada (BOT) Assunto: Célula Vegetal Botânica Aplicada (BOT) Assunto: Célula Vegetal Técnico em Agroecologia Módulo I Prof. Fábio Zanella As células são as menores unidades funcionais que formam os tecidos vegetais. Vários processos ocorrentes

Leia mais

Profa. Josielke Soares josisoares@ig.com.br

Profa. Josielke Soares josisoares@ig.com.br Profa. Josielke Soares josisoares@ig.com.br A célula é a menor unidade estrutural básica do ser vivo. A palavra célula foi usada pela primeira vez em 1667 pelo inglês Robert Hooke. Com um microscópio muito

Leia mais

Controle Químico de plantas voluntárias de soja Roundup Ready. Chemical Control voluntary Roundup Ready soybean plants

Controle Químico de plantas voluntárias de soja Roundup Ready. Chemical Control voluntary Roundup Ready soybean plants Revista Brasileira de Herbicidas, v.8, n.3, p.96-101, set./dez. 2009 (ISSN 1517-9443) www.rbherbicidas.com.br Controle Químico de plantas voluntárias de soja Roundup Ready Chemical Control voluntary Roundup

Leia mais

Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes

Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes Procariontes Eucariontes Localização Organização Forma Disperso no citoplasma

Leia mais

Overview sobre Plantas daninhas resistentes aos herbicidas no Brasil e as Ações HRAC-BR

Overview sobre Plantas daninhas resistentes aos herbicidas no Brasil e as Ações HRAC-BR Overview sobre Plantas daninhas resistentes aos herbicidas no Brasil e as Ações HRAC-BR Eng. Agr. Dr. Roberto Estêvão Bragion de Toledo Presidente HRAC-BR www.hrac-br.com.br roberto.e.toledo@bra.dupont.com

Leia mais

O que é PLANTA DANINHA

O que é PLANTA DANINHA MANEJO DE PLANTAS DANINHAS EM CANA-DE-AÇÚCAR Eng. Agr. Dr. Caio Vitagliano Santi Rossi Coordenador de Pesquisas Agronômicas O que é PLANTA DANINHA Planta que ocorre em local onde não é desejada, interferindo

Leia mais

O citoplasma das células

O citoplasma das células UNIDADE 2 ORIGEM DA VIDA E BIOLOGIA CELULAR CAPÍTULO 8 Aula 1/3 Eucariontes x Procariontes Estruturas citoplasmáticas: Citoesqueleto Centríolos, cílios e flagelos 1. CÉLULAS PROCARIÓTICAS E EUCARIÓTICAS

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS RICARDO FRANCONERE MERCADO DE HERBICIDAS NA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS RICARDO FRANCONERE MERCADO DE HERBICIDAS NA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS RICARDO FRANCONERE MERCADO DE HERBICIDAS NA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR SÃO PAULO Novembro 2010 2 Ricardo Franconere MERCADO DE HERBICIDAS NA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR Dissertação

Leia mais

ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS. Prof. Emerson

ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS. Prof. Emerson ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS Prof. Emerson Algumas considerações importantes: Apesar da diversidade, algumas células compartilham ao menos três características: São dotadas de membrana plasmática; Contêm

Leia mais

2. ENERGIA CELULAR parte II Fotossíntese

2. ENERGIA CELULAR parte II Fotossíntese 2. ENERGIA CELULAR parte II Fotossíntese Sumário: Introdução e perspectiva histórica Pigmentos fotossintéticos Reacções da fase luminosa Fixação do CO 2 Ciclo de Calvin Fotorrespiração Plantas C3, C4 e

Leia mais

Weber Geraldo Valério Sócio Diretor MANEJO INTELIGENTE: SINERGIA ENTRE AS FASES DO PROCESSO PRODUTIVO 14º HERBISHOW

Weber Geraldo Valério Sócio Diretor MANEJO INTELIGENTE: SINERGIA ENTRE AS FASES DO PROCESSO PRODUTIVO 14º HERBISHOW Weber Geraldo Valério Sócio Diretor MANEJO INTELIGENTE: SINERGIA ENTRE AS FASES DO PROCESSO PRODUTIVO 14º HERBISHOW Ribeirão Preto SP Maio 2015 O setor Bioenergético: Necessidade de respostas diante de

Leia mais

METABOLISMO ENERGÉTICO RESPIRAÇÃO CELULAR FERMENTAÇÃO FOTOSSÍNTESE QUIMIOSSÍNTESE

METABOLISMO ENERGÉTICO RESPIRAÇÃO CELULAR FERMENTAÇÃO FOTOSSÍNTESE QUIMIOSSÍNTESE METABOLISMO ENERGÉTICO RESPIRAÇÃO CELULAR FERMENTAÇÃO FOTOSSÍNTESE QUIMIOSSÍNTESE RESPIRAÇÃO CELULAR Processo de produção de energia a partir da degradação completa de compostos orgânicos energéticos (ex.:

Leia mais

23/03/2015. Moléculas orgânicas - Carboidratos

23/03/2015. Moléculas orgânicas - Carboidratos Moléculas orgânicas - Carboidratos São formados por C, H, O. São Conhecidos como: Hidratos de Carbono Glucídios Glicídios Açúcares Sacarídeos Funções: Energética (glicose); Glicogênio : reserva energética

Leia mais

Novos conceitos de manejo de plantas daninhas na cultura do feijoeiro

Novos conceitos de manejo de plantas daninhas na cultura do feijoeiro XXX Congresso Brasileiro da Ciência das Plantas Daninhas Novos conceitos de manejo de plantas daninhas na cultura do feijoeiro Luiz A. Kozlowski Professor - UEPG Feijão Brasil X Paraná 1 ª safra 2 ª safra

Leia mais

5/24/2011. Padrão de ocorrência de plantas daninhas resistentes a herbicidas no campo. Resistência de plantas daninhas a herbicidas

5/24/2011. Padrão de ocorrência de plantas daninhas resistentes a herbicidas no campo. Resistência de plantas daninhas a herbicidas Padrão de ocorrência de plantas daninhas resistentes a herbicidas no campo 1- Definições é a capacidade herdável de uma planta sobreviver e reproduzir após à exposição a um herbicida, que normalmente seria

Leia mais

MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA

MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA 1. INTRODUÇÃO ÁREA 12.000.000 ha (1995) 21.100.000 ha (2008) ÁREA DE PLANTIO - tradicionais RS, PR, SC, SP - cerrado MS, MG, GO, BA, TO - potenciais MA, PI

Leia mais

Profº André Montillo www.montillo.com.br

Profº André Montillo www.montillo.com.br Profº André Montillo www.montillo.com.br Definição: É a soma de todas as reações químicas envolvidas na manutenção do estado dinâmico das células, onde milhares de reações ocorrem ao mesmo tempo, determinando

Leia mais

MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA PRODUÇÃO DE TOMATE INDUSTRIAL

MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA PRODUÇÃO DE TOMATE INDUSTRIAL MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA PRODUÇÃO DE TOMATE INDUSTRIAL Dr. Sidnei Douglas Cavalieri Pesquisador em Manejo Integrado de Plantas Daninhas Embrapa Hortaliças Goiânia, 30 de novembro de 2012 DEFINIÇÃO

Leia mais

Diferentes doses e herbicidas em ralação ao desenvolvimento fenológico da mamoneira

Diferentes doses e herbicidas em ralação ao desenvolvimento fenológico da mamoneira Diferentes doses e herbicidas em ralação ao desenvolvimento fenológico da mamoneira 3 Francisco Aires Sizenando Filho, Edmilson Igor Bernardo Almeida, Helder Horácio de Lucena, 4 4 Ciro Igor Torres Sizenando

Leia mais

Recebido em: 30/09/2013 Aprovado em: 08/11/2013 Publicado em: 01/12/2013

Recebido em: 30/09/2013 Aprovado em: 08/11/2013 Publicado em: 01/12/2013 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS NO MILHO COM O HERBICIDA TEMBOTRIONE Durval Dourado Neto 1, Thomas Newton Martin 2, Vinícius dos Santos Cunha 3, Jessica Deolinda Leivas Stecca 4 e Nathália Vasconcelos Nunes

Leia mais

O CITOPLASMA E SUAS ORGANELAS

O CITOPLASMA E SUAS ORGANELAS O CITOPLASMA E SUAS ORGANELAS Citoplasma região entre a membrana plasmática e o núcleo (estão presentes o citosol e as organelas). Citosol material gelatinoso formado por íons e moléculas orgânicas e inorgânicas

Leia mais

METABOLISMO CELULAR. Professor Felipe Abs

METABOLISMO CELULAR. Professor Felipe Abs METABOLISMO CELULAR Professor Felipe Abs O que é ENERGIA??? Físicos energia é a capacidade de realizar trabalhos; Biólogos energia é a capacidade de provocar mudanças; É indispensável para os seres vivos;

Leia mais

Controle de Plantas Daninhas em Cana-de-açúcar

Controle de Plantas Daninhas em Cana-de-açúcar 22:20 Controle de Plantas Daninhas em Cana-de-açúcar Tópicos da Apresentação 1. Práticas de manejo em pré-plantio 2. Manejo em cana-planta 3. Uso de herbicidas em soqueiras 4. Palha da cana e manejo de

Leia mais

Fotossíntese. Captação de energia luminosa. MsC Elwi Machado Sierra

Fotossíntese. Captação de energia luminosa. MsC Elwi Machado Sierra Captação de energia luminosa MsC Elwi Machado Sierra s Etapa luminosa Resumo Etapa de assimilação Ciclo do Calvin Benson Bassham Fotorrespiração (C2) Mecanismos de assimilação de C CO2 CO2 CO2 Captação

Leia mais

CONTROLE DE PLANTAS VOLUNTÁRIAS DE SOJA ROUNDUP READY

CONTROLE DE PLANTAS VOLUNTÁRIAS DE SOJA ROUNDUP READY CONTROLE DE PLANTAS VOLUNTÁRIAS DE SOJA ROUNDUP READY Alberto Leão de Lemos Barroso 1 ; Sergio de Oliveira Procopio 2 ; Hugo de Almeida Dan 1 ; Adeney de Freitas Bueno 3 ; Carlos Roberto Sandaniel 1 ;

Leia mais

Células procarióticas

Células procarióticas Pró Madá 1º ano Células procarióticas Citosol - composto por 80% de água e milhares de tipos de proteínas, glicídios, lipídios, aminoácidos, bases nitrogenadas, vitaminas, íons. Moléculas de DNA e ribossomos

Leia mais

III JORNADAS INTERNACIONALES DE CULTIVO MINIMO Y SIEMBRA DIRECTA EN ARROZ DE RIEGO.

III JORNADAS INTERNACIONALES DE CULTIVO MINIMO Y SIEMBRA DIRECTA EN ARROZ DE RIEGO. Manejo de malezas y arroz rojo en el cultivo de arroz Prof. Aldo Merotto Jr UFRGS, Porto Alegre, RS. Brasil III JORNADAS INTERNACIONALES DE CULTIVO MINIMO Y SIEMBRA DIRECTA EN ARROZ DE RIEGO. Venezuela,

Leia mais

CONTROLE QUÍMICO DE PLANTAS DANINHAS NOS CERRADOS

CONTROLE QUÍMICO DE PLANTAS DANINHAS NOS CERRADOS Documentos, 3 Dourados-MS, 1999 ISSN 1516-845X XII REUNIÃO DE PESQUISADORES EM CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS NOS CERRADOS 23 e 24 de junho de 1999 Corumbá, MS CONTROLE QUÍMICO DE PLANTAS DANINHAS NOS CERRADOS

Leia mais

Manejo de plantas daninhas e produtividade da cana. Ricardo Victoria Filho e Pedro Jacob Christoffoleti * Controle

Manejo de plantas daninhas e produtividade da cana. Ricardo Victoria Filho e Pedro Jacob Christoffoleti * Controle PRODUÇÃO VEGETAL Controle SÍLVIO FERREIRA/UNICA Vista de canavial; Jaboticabal, SP; 2001 Manejo de plantas daninhas e produtividade da cana Ricardo Victoria Filho e Pedro Jacob Christoffoleti * A ocorrência

Leia mais

Onde surge uma célula, existia uma célula prévia, exatamente como os animais só surgem de animais e as plantas de plantas. Rudolf Virchow, 1958

Onde surge uma célula, existia uma célula prévia, exatamente como os animais só surgem de animais e as plantas de plantas. Rudolf Virchow, 1958 Onde surge uma célula, existia uma célula prévia, exatamente como os animais só surgem de animais e as plantas de plantas Rudolf Virchow, 1958 CICLO CELULAR A vida das células é formada por dois períodos:

Leia mais

SELETIVIDADE E ÉPOCAS DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS EM MANDIOCA EDUARDO DE SOUZA MOREIRA

SELETIVIDADE E ÉPOCAS DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS EM MANDIOCA EDUARDO DE SOUZA MOREIRA SELETIVIDADE E ÉPOCAS DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS EM MANDIOCA EDUARDO DE SOUZA MOREIRA 2014 EDUARDO DE SOUZA MOREIRA SELETIVIDADE E ÉPOCAS DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS EM MANDIOCA Dissertação apresentada

Leia mais

CICLO DE KREBS. Em condições aeróbias: mitocôndria. citosol. Glicólise. ciclo de Krebs. 2 piruvato. 2 Acetil CoA. Fosforilação oxidativa

CICLO DE KREBS. Em condições aeróbias: mitocôndria. citosol. Glicólise. ciclo de Krebs. 2 piruvato. 2 Acetil CoA. Fosforilação oxidativa CICLO DE KREBS Em condições aeróbias: citosol mitocôndria Glicólise Acetil CoA ciclo de Krebs Fosforilação oxidativa CICLO DE KREBS OU CICLO DOS ÁCIDOS TRICARBOXÍLICOS Ligação entre a glicólise e o ciclo

Leia mais

ISSN Outubro, Herbicidas: mecanismos de ação e uso

ISSN Outubro, Herbicidas: mecanismos de ação e uso ISSN 1517-5111 Outubro, 2008 CGPE 7898 Herbicidas: mecanismos de ação e uso 227 ISSN 1517-5111 Outubro, 2008 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Cerrados Ministério da Agricultura, Pecuária

Leia mais

Ciclo do Ácido Cítrico

Ciclo do Ácido Cítrico Ciclo do Ácido Cítrico e denominado Ciclo de Krebs ou ciclo do Ácido Ciclo do Ácido Cítrico O ciclo do ácido cítrico, também denominado Ciclo de Krebs ou ciclo do Ácido Tricarboxílico (TCA) realiza a oxidação

Leia mais

M.O. coloração verde JANUS oxidação do corante citocromos; M.E.T. ultra estrutura; Células eucariontes; Tamanho 0,2 a 1 µm de diâmetro;

M.O. coloração verde JANUS oxidação do corante citocromos; M.E.T. ultra estrutura; Células eucariontes; Tamanho 0,2 a 1 µm de diâmetro; Apoptose Produção de energia Mitocôndria Introdução As mitocôndrias (mitos, filamento e condria, partícula) são organelas citoplasmáticas de forma arredondada ou alongada, existentes em praticamente todos

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO CITOPLASMA E METABOLISMO

EXERCÍCIOS DE REVISÃO CITOPLASMA E METABOLISMO Componente Curricular: Biologia Professor: Leonardo Francisco Stahnke Aluno(a): Turma: Data: / /2015 EXERCÍCIOS DE REVISÃO CITOPLASMA E METABOLISMO 1. A respeito da equação ao lado, que representa uma

Leia mais

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS I MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO Profª Fernanda Basso Manejo e Conservação do Solo Sistema de manejo conjunto de operações que contribuem

Leia mais

Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe!

Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe! Aula: 31 Temática: Vitaminas parte I Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe! Introdução O termo vitamina refere-se a um fator dietético essencial requerido por um organismo em

Leia mais

DISCIPLINA: Biologia dos Vegetais Inferiores? O que são VEGETAIS INFERIORES???

DISCIPLINA: Biologia dos Vegetais Inferiores? O que são VEGETAIS INFERIORES??? DISCIPLINA: Biologia dos Vegetais Inferiores? O que são VEGETAIS INFERIORES??? Vegetais inferiores? Vegetais inferiores Classificação dos organismos em cinco Reinos: Reino no. de espécies Monera bactérias

Leia mais

PROFESSOR GUILHERME BIOLOGIA

PROFESSOR GUILHERME BIOLOGIA Laranjeiras do Sul: Av. 7 de Setembro, 1930. Fone: (42) 3635 5413 Quedas do Iguaçu: Pça. Pedro Alzide Giraldi, 925. Fone: (46) 3532 3265 www.genevestibulares.com.br / contato@genevestibulares.com.br PROFESSOR

Leia mais

Superlista Bioenergética

Superlista Bioenergética Superlista Bioenergética 1. (Uerj) O ciclo dos ácidos tricarboxílicos, ou ciclo de Krebs, é realizado na matriz mitocondrial. Nesse ciclo, a acetilcoenzima A, proveniente do catabolismo de carboidratos,

Leia mais

A biodiversidade em diferentes ambientes. http://www.prof2000.pt/users/ccaf/exercicios/ecossistemas/biomas.htm

A biodiversidade em diferentes ambientes. http://www.prof2000.pt/users/ccaf/exercicios/ecossistemas/biomas.htm A biodiversidade em diferentes ambientes http://www.prof2000.pt/users/ccaf/exercicios/ecossistemas/biomas.htm Unidade básica da vida a célula Quem foi Robert Hooke? Por volta de 1667, o cientista inglês

Leia mais

NÚCLEO e DIVISÃO CELULAR

NÚCLEO e DIVISÃO CELULAR NÚCLEO e DIVISÃO CELULAR CÉLULA EUCARIONTE Cláudia Minazaki NÚCLEO Único; Normalmente: central Formato: acompanha a forma da célula Tamanho: varia com o funcionamento da célula Ciclo de vida da célula

Leia mais

EDITAL 002/2012: SELEÇÃO DE CANDIDATOS AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOQUÍMICA MESTRADO

EDITAL 002/2012: SELEÇÃO DE CANDIDATOS AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOQUÍMICA MESTRADO Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular Programa de Pós-Graduação em Bioquímica Campus do Pici Bloco 907 Telefone +5585 3366 9783 FAX +5585 3366

Leia mais

Plantio de cana-de-açúcar

Plantio de cana-de-açúcar Plantio de cana-de-açúcar Época de plantio 1. Cana de ano e meio - Janeiro a maio; - Tempo de colheita (13 a 20 meses); - Variedades de ciclo precoce, médio e tardio; - Pode ser feito em solos de baixa,

Leia mais

M E T B O L I S M O CATABOLISMO ANABOLISMO

M E T B O L I S M O CATABOLISMO ANABOLISMO METABOLISMO É o conjunto das reações químicas que ocorrem num organismo vivo com o fim de promover a satisfação de necessidades estruturais e energéticas. ...metabolismo Do ponto de vista físico-químico,

Leia mais