ALTERAÇÕES PT Unida na diversidade PT 2011/0384(COD) Projeto de parecer Ivars Godmanis (PE v01-00)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ALTERAÇÕES 13-24. PT Unida na diversidade PT 2011/0384(COD) 19.7.2012. Projeto de parecer Ivars Godmanis (PE491.287v01-00)"

Transcrição

1 PARLAMENTO EUROPEU Comissão dos Orçamentos /0384(COD) ALTERAÇÕES Projeto de parecer Ivars Godmanis (PE v01-00) sobre a proposta de regulamento do Parlamento Europeu e do Conselho que altera o Regulamento (CE) n.º 294/2008, que estabelece o Instituto Europeu de Inovação e Tecnologia (COM(2011)0817 C7-0467/ /0384(COD)) AM\ doc PE v01-00 Unida na diversidade

2 AM_Com_LegReport PE v /9 AM\ doc

3 13 Göran Färm Projeto de resolução legislativa N.º 1-A (novo) Projeto de resolução legislativa 1-A. Lembra a sua resolução de 8 de junho de 2011 sobre "Investir no futuro: um novo Quadro Financeiro Plurianual (QFP) para uma Europa competitiva, sustentável e inclusiva"1; reitera que são necessários suficientes recursos adicionais no próximo QFP, para que a União possa cumprir as suas prioridades políticas existentes e as novas tarefas previstas pelo Tratado de Lisboa, bem como responder a acontecimentos imprevistos; salienta que, mesmo com um aumento do nível de recursos do próximo QFP em, pelo menos, 5% em relação ao nível de 2013, o contributo para a realização dos objetivos e compromissos acordados pela União e do princípio da solidariedade da UE será limitado; desafia o Conselho, caso não partilhe desta abordagem, a identificar claramente quais das suas prioridades políticas ou projetos podem ser agora totalmente abandonados, não obstante o seu comprovado valor acrescentado europeu; 1 Textos aprovados, P7_TA(2011) Considerando 1 AM\ doc 3/9 PE v01-00

4 (1) A estratégia Europa 2020 para um crescimento inteligente, sustentável e inclusivo atribui um papel de relevo ao Instituto Europeu de Inovação e Tecnologia (a seguir designado «EIT»), que contribui para algumas das suas iniciativas emblemáticas. (1) A estratégia Europa 2020 para um crescimento inteligente, sustentável e inclusivo atribui um papel de relevo ao Instituto Europeu de Inovação e Tecnologia (a seguir designado «EIT»), que visa contribuir para algumas das suas iniciativas emblemáticas, em particular, as iniciativas emblemáticas Uma União da Inovação e Juventude em Movimento. 15 Considerando 1-A (novo) (1-A) A dotação atribuída ao EIT para os próximos 7 anos deve ser significativamente aumentada. Ao mesmo tempo que aumenta o seu orçamento, o EIT também atrairá quantidades importantes de verbas do setor privado para as suas atividades, reforçando assim a capacidade de inovação da UE. 16 Considerando 6-A (novo) (6-A) O EIT deve procurar colaborar PE v /9 AM\ doc

5 mais estreitamente com pequenas e médias empresas (PME), a fim de assegurar a sua participação ativa nas atividades das CCI. Adicionalmente, as empresas públicas e as autoridades locais, bem como as organizações sem fins lucrativos, devem ser envolvidas nas CCI, conforme se revelar adequado. 17 Considerando 6-B (novo) (6-B) O EIT deve promover abordagens multidisciplinares à inovação, incluindo o desenvolvimento de soluções não tecnológicas, abordagens organizativas, novos modelos empresariais, inovação de sistemas e inovações no setor público, como um complemento necessário a atividades de inovação centradas na tecnologia. 18 Considerando 6-C (novo) (6-C) Sendo as empresas sociais muito inovadoras por natureza através dos bens ou serviços que oferecem, da sua AM\ doc 5/9 PE v01-00

6 organização ou dos métodos de produção a que recorrem, a promoção de atividades de empreendedorismo social deve fazer parte das atividades do EIT e das CCI. 19 Considerando 7 (7) O alcance da contribuição do EIT para as Comunidades de Conhecimento e Inovação (a seguir designadas «CCI») deve ser definido, devendo ser clarificadas as origens dos recursos financeiros das CCI. (7) O alcance da contribuição do EIT para as Comunidades de Conhecimento e Inovação (a seguir designadas «CCI») deve ser definido, devendo ser clarificadas as origens dos recursos financeiros das CCI. O EIT deve criar maiores sinergias e uma complementaridade tão grande quanto possível com os Fundos Estruturais. 20 Considerando 13-A (novo) (13-A) A excelência deve ser o principal motor do EIT na sua globalidade e, simultaneamente, promover o reforço da participação, a fim de estimular a excelência na Europa, incluindo o conceito de «escada da excelência» para incentivar o envolvimento de unidades fortes em excelência no estado embrionário. PE v /9 AM\ doc

7 21 Considerando 14 (14) O EIT deve adotar os critérios e processos para o financiamento, monitorização e avaliação das atividades das CCI antes de lançar o processo de seleção destas CCI. (14) O EIT deve adotar os critérios e processos para o financiamento, monitorização e avaliação das atividades das CCI antes de lançar o processo de seleção destas CCI, revestindo-se da maior importância a implementação de medidas de simplificação. 22 Artigo 1 ponto 1 alínea c) Regulamento (CE) n.º 294/2008 Artigo 2 n.º «Fórum das partes interessadas», uma reunião aberta aos representantes de autoridades nacionais e regionais, de interesses organizados e personalidades de empresas, do ensino superior e da investigação, organizações de clusters, assim como outras partes interessadas de todo o triângulo do conhecimento». 10. «Fórum das partes interessadas», uma plataforma aberta aos representantes de autoridades nacionais e regionais, de interesses organizados e personalidades de empresas, do ensino superior, da investigação, organizações de clusters, organizações da sociedade civil, assim como outras partes interessadas de todo o triângulo do conhecimento». AM\ doc 7/9 PE v01-00

8 23 Artigo 1 ponto 7 Regulamento (CE) n.º 294/2008 Artigo 7-A O EIT organiza, com base em indicadores essenciais de desempenho e em cooperação com a Comissão, o acompanhamento permanente e as avaliações externas periódicas das realizações, dos resultados e do impacto de cada CCI. O EIT organiza, com base em indicadores essenciais de desempenho e em cooperação com a Comissão, o acompanhamento permanente e as avaliações externas periódicas das realizações, dos resultados e do impacto de cada CCI. A fim de melhorar a qualidade dos resultados do EIT, as atividades desenvolvidas pelas CCI devem ter um impacto mensurável na criação de «start-ups» e «spin-offs» (novas empresas) inovativas e sustentáveis, sobretudo através de apoio dado às atividades relacionais e empresariais dos beneficiários de diplomas e formações do EIT. 24 Göran Färm Artigo 1 ponto 15 Regulamento (CE) n.º 294/2008 Artigo 19 O enquadramento financeiro proveniente de Horizonte 2020 para a aplicação do presente regulamento no período compreendido entre 1 de janeiro de 2014 e 31 de dezembro de 2020 é de 3 182,230 milhões de euros. As dotações anuais são autorizadas pela autoridade orçamental no limite do quadro financeiro. A contribuição Na aceção do ponto [17] do Acordo Interinstitucional de /... entre o Parlamento Europeu, o Conselho e a Comissão sobre a cooperação no domínio orçamental e a boa gestão financeira, o enquadramento financeiro proveniente de Horizonte 2020 para a aplicação do presente regulamento no período PE v /9 AM\ doc

9 financeira do EIT para as CCI deve ser fornecida ao abrigo do presente enquadramento financeiro. compreendido entre 1 de janeiro de 2014 e 31 de dezembro de 2020 é de 3 182,230 milhões de euros, no máximo. Este valor constitui a referência privilegiada para a autoridade orçamental no decurso do processo orçamental anual. As dotações anuais são autorizadas pela autoridade orçamental, sem prejuízo das disposições do Regulamento que estabelece o quadro financeiro plurianual (QFP) para e o Acordo Interinstitucional de XX/201Z entre o Parlamento Europeu, o Conselho e a Comissão sobre a cooperação no domínio orçamental e a boa gestão financeira. A contribuição financeira do EIT para as CCI deve ser fornecida ao abrigo do presente enquadramento financeiro. AM\ doc 9/9 PE v01-00

ALTERAÇÕES 10-19. PT Unida na diversidade PT 2012/0244(COD) 12.11.2012. Projeto de parecer Paulo Rangel (PE500.374v02-00)

ALTERAÇÕES 10-19. PT Unida na diversidade PT 2012/0244(COD) 12.11.2012. Projeto de parecer Paulo Rangel (PE500.374v02-00) PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão dos Assuntos Constitucionais 12.11.2012 2012/0244(COD) ALTERAÇÕES 10-19 Projeto de parecer Paulo Rangel (PE500.374v02-00) sobre a proposta de regulamento do Parlamento

Leia mais

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de 18.12.2014

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de 18.12.2014 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 18.12.2014 C(2014) 10219 final DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO de 18.12.2014 que aprova determinados elementos do programa operacional «Assistência Técnica» do apoio do Fundo

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia. 15.11.2007 PE396.799v01-00

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia. 15.11.2007 PE396.799v01-00 PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia 15.11.2007 PE396.799v01-00 ALTERAÇÕES 1-18 Projecto de relatório Claude Turmes Fundo Mundial para a Eficiência Energética

Leia mais

FORMULÁRIO DE PRÉ-PROJECTO

FORMULÁRIO DE PRÉ-PROJECTO FORMULÁRIO DE PRÉ-PROJECTO iniciativa CENTROS DE EXCELÊNCIA :: iniciativa :: gestão :: financiamento ÍNDICE NOTAS EXPLICATIVAS PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PRÉ-PROJECTO 3 I - INFORMAÇÃO GERAL 5 1.

Leia mais

Chamada para Multiplicadores Eurodesk Portugal

Chamada para Multiplicadores Eurodesk Portugal Braga, 01 de Julho de 2016 Chamada para Multiplicadores Eurodesk Portugal Eurodesk, o que é? A Agência Erasmus + Juventude em Ação cumpre, para além da sua missão cumprir as responsabilidades delegadas

Leia mais

REGULAMENTO DE LICENÇA DE DISPENSA DE SERVIÇO DOCENTE

REGULAMENTO DE LICENÇA DE DISPENSA DE SERVIÇO DOCENTE REGULAMENTO DE LICENÇA DE DISPENSA DE SERVIÇO DOCENTE (aprovado em reunião de CTC de 2014/10/15) Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto ISCAP/IPP CAPITULO I Disposições gerais Artigo

Leia mais

Proposta de REGULAMENTO DO CONSELHO. que altera o Regulamento (CE) n.º 974/98 no respeitante à introdução do euro na Letónia

Proposta de REGULAMENTO DO CONSELHO. que altera o Regulamento (CE) n.º 974/98 no respeitante à introdução do euro na Letónia COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 5.6.2013 COM(2013) 337 final 2013/0176 (NLE) Proposta de REGULAMENTO DO CONSELHO que altera o Regulamento (CE) n.º 974/98 no respeitante à introdução do euro na Letónia PT PT

Leia mais

A BICS E O EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO

A BICS E O EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO A BICS E O EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO A BICS COMO AGENTE NA PROMOÇÃO DO EMPREENDEDORISMO E DA INOVAÇÃO EMPRESARIAL, É UM ATOR FUNDAMENTAL NA DEFINIÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS NACIONAIS, REGIONAIS

Leia mais

*** PROJETO DE RECOMENDAÇÃO

*** PROJETO DE RECOMENDAÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão da Cultura e da Educação 25.3.2013 2012/0221(APP) *** PROJETO DE RECOMENDAÇÃO sobre o projeto de regulamento do Conselho que altera o Regulamento (CEE, Euratom) n.

Leia mais

Organização Internacional do Trabalho. Convenção OIT 187 Convenção sobre o quadro promocional para a segurança e saúde no trabalho, 2006

Organização Internacional do Trabalho. Convenção OIT 187 Convenção sobre o quadro promocional para a segurança e saúde no trabalho, 2006 Organização Internacional do Trabalho Convenção OIT 187 Convenção sobre o quadro promocional para a segurança e saúde no trabalho, 2006 A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho: Convocada

Leia mais

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO N.º 02/SAICT/2016

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO N.º 02/SAICT/2016 \ REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO N.º 02/SAICT/2016 SISTEMA DE APOIO À INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA (SAICT) PROJETOS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES PROCONVERGENCIA PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS EIXO PRIORITÁRIO XI

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES PROCONVERGENCIA PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS EIXO PRIORITÁRIO XI REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES PROCONVERGENCIA PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS EIXO PRIORITÁRIO XI ASSISTÊNCIA TÉCNICA FEDER Fundo Europeu de Desenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCURSO

REGULAMENTO DE CONCURSO Índice 1. Objetivos... 2 2. Entidades Beneficiárias... 2 3. Dotação Orçamental... 2 4. Financiamento... 2 5. Despesas elegíveis... 3 6. Condições de Acesso ao Concurso... 3 7. Metodologia de Seleção dos

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 27 de Julho de 2011 (27.07) (OR. en) 13263/11 CONSOM 133

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 27 de Julho de 2011 (27.07) (OR. en) 13263/11 CONSOM 133 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 27 de Julho de 2011 (27.07) (OR. en) 13263/11 CONSOM 133 NOTA DE ENVIO Origem: Comissão Europeia Data de recepção: 25 de Julho de 2011 Destinatário: Secretariado-Geral

Leia mais

Artigo 1º. (Objeto) Incentivar a participação conjunta e organizada de toda a comunidade escolar na construção de uma escola verde;

Artigo 1º. (Objeto) Incentivar a participação conjunta e organizada de toda a comunidade escolar na construção de uma escola verde; ANEXO VI REGULAMENTO DO CONCURSO ESCOLAS VERDES - 2013 DISPOSIÇÕES GERAIS O Concurso Escolas Verdes destina-se a reconhecer e distinguir a participação das Escolas em projetos de índole ambiental promovidos

Leia mais

Eixo VI _ Assistência Técnica. VI.1. Gestão Operacional e Monitorização Estratégica

Eixo VI _ Assistência Técnica. VI.1. Gestão Operacional e Monitorização Estratégica _ Assistência Técnica CONTROLO DO DOCUMENTO Versão Data Descrição N. de Página 1ª 2008.05.15 5 Pág. 1 de 5 Objectivo Assegurar as condições adequadas para a gestão, acompanhamento, avaliação, monitorização

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU ALTERAÇÕES 1-8. Comissão dos Assuntos Externos 2008/2153(INI) 12.11.2008. Projecto de parecer Bastiaan Belder (PE409.

PARLAMENTO EUROPEU ALTERAÇÕES 1-8. Comissão dos Assuntos Externos 2008/2153(INI) 12.11.2008. Projecto de parecer Bastiaan Belder (PE409. PARLAMENTO EUROPEU 2004 Comissão dos Assuntos Externos 2009 2008/2153(INI) 12.11.2008 ALTERAÇÕES 1-8 Bastiaan Belder (PE409.775v01-00) sobre a política agrícola comum e a segurança alimentar mundial (2008/2153(INI))

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES PARLAMENTO EUROPEU. Quadro Financeiro Plurianual para o período 2014-2020

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES PARLAMENTO EUROPEU. Quadro Financeiro Plurianual para o período 2014-2020 7.3.2014 Jornal Oficial da União Europeia C 68 E/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES PARLAMENTO EUROPEU Quadro Financeiro Plurianual para o período 2014-2020 P7_TA(2012)0360 Resolução

Leia mais

OTIC- IPS Oficina de Transferência de Tecnologia e Conhecimento

OTIC- IPS Oficina de Transferência de Tecnologia e Conhecimento INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL OTIC- IPS Oficina de Transferência de Tecnologia e Conhecimento 28 de Novembro de 2006 Agenda Como surgiu Missão Objectivos Estrutura organizativa Principais linhas de

Leia mais

Procedimento para a Certificação de Conformidade com a Directiva de Produtos da Construção 89/106/CEE

Procedimento para a Certificação de Conformidade com a Directiva de Produtos da Construção 89/106/CEE 1 Objectivo Este procedimento tem como objectivo descrever o procedimento seguido pela EIC como Organismo de Certificação Notificado para a avaliação da conformidade dos agregados de acordo com os requisitos

Leia mais

Implementar Sistemas de Garantia da Qualidade em Linha com o Quadro EQAVET. Um compromisso e um desafio a enfrentar

Implementar Sistemas de Garantia da Qualidade em Linha com o Quadro EQAVET. Um compromisso e um desafio a enfrentar Implementar Sistemas de Garantia da Qualidade em Linha com o Quadro EQAVET Um compromisso e um desafio a enfrentar Gonçalo Xufre Silva Presidente do Conselho Diretivo da Agência Nacional para a Qualificação

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 7 AGRICULTURA e RECURSOS NATURAIS Ação 7.5 USO EFICIENTE da ÁGUA Enquadramento Regulamentar Artigo 28º - Agroambiente e Clima do Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DELEGADO (UE) N.º /.. DA COMISSÃO. de 19.9.2014

REGULAMENTO DELEGADO (UE) N.º /.. DA COMISSÃO. de 19.9.2014 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 19.9.2014 C(2014) 6515 final REGULAMENTO DELEGADO (UE) N.º /.. DA COMISSÃO de 19.9.2014 que completa a Diretiva 2014/17/UE do Parlamento Europeu e do Conselho no que diz respeito

Leia mais

DIREITO DA UNIÃO EUROPEIA 2015/2016 TURMA A:

DIREITO DA UNIÃO EUROPEIA 2015/2016 TURMA A: DIREITO DA UNIÃO EUROPEIA 2015/2016 TURMA A: PROFESSOR DOUTOR EDUARDO PAZ FERREIRA PROFESSOR DOUTOR RENATO GONÇALVES PROFESSOR DOUTOR NUNO CUNHA RODRIGUES PROFESSOR DOUTOR MIGUEL SOUSA FERRO PROFESSOR

Leia mais

PRIMEIRA CONSULTA À PARCERIA PARA A PREPARAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL DE COOPERAÇÃO TRANSFRONTEIRIÇA ESPANHA PORTUGAL PARA O PERÍODO 2014-2020

PRIMEIRA CONSULTA À PARCERIA PARA A PREPARAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL DE COOPERAÇÃO TRANSFRONTEIRIÇA ESPANHA PORTUGAL PARA O PERÍODO 2014-2020 PRIMEIRA CONSULTA À PARCERIA PARA A PREPARAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL DE COOPERAÇÃO TRANSFRONTEIRIÇA ESPANHA PORTUGAL PARA O PERÍODO 2014-2020 1. INTRODUÇÃO Um dos princípios que se deve ter em conta

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA SELEÇÃO DE BOLSISTA N 16/2016. Bolsa de Desenvolvimento para Inovação Tecnológica

TERMO DE REFERÊNCIA PARA SELEÇÃO DE BOLSISTA N 16/2016. Bolsa de Desenvolvimento para Inovação Tecnológica TERMO DE REFERÊNCIA PARA SELEÇÃO DE BOLSISTA N 16/2016 Bolsa de Desenvolvimento para Inovação Tecnológica Área de Concentração em Desenvolvimento Estrutural de CTI Linha de Desenvolvimento de CTI Popularização

Leia mais

INSTRUMENTOS DE GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. Prof. Eline Alcoforado Maranhão de Sá

INSTRUMENTOS DE GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. Prof. Eline Alcoforado Maranhão de Sá INSTRUMENTOS DE GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Prof. Eline Alcoforado Maranhão de Sá 1 A Norma Operacional NOB/SUAS 2005, da Política Nacional de Assistência Social consagra os eixos estruturantes

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 54/2014 de 14 de Março de 2014

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 54/2014 de 14 de Março de 2014 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 54/2014 de 14 de Março de 2014 Considerando o Decreto Legislativo Regional n.º 2/2014/A, de 29 de janeiro, que aprovou o Orçamento da Região

Leia mais

BONCRED LEASING S/A. - Arrendamento Mercantil MANUAL DE POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL (PRSA)

BONCRED LEASING S/A. - Arrendamento Mercantil MANUAL DE POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL (PRSA) BONCRED LEASING S/A. - Arrendamento Mercantil MANUAL DE POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL (PRSA) BONCRED LEASING S/A. ARRENDAMENTO MERCANTIL Manual de Política de Responsabilidade Socioambiental

Leia mais

Certificação da Qualidade e da Inovação. Ana Oliveira Preto

Certificação da Qualidade e da Inovação. Ana Oliveira Preto Certificação da Qualidade e da Inovação Ana Oliveira Preto Tópicos Breve apresentação da APCER A norma ISO 9001 A norma NP 4457 Certificação Apresentação APCER A APCER posiciona-se como parceiro global

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM DE BOTICAS. Preâmbulo. O Orçamento Participativo Jovem vem introduzir mais um meio

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM DE BOTICAS. Preâmbulo. O Orçamento Participativo Jovem vem introduzir mais um meio NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM DE BOTICAS Preâmbulo O Orçamento Participativo Jovem vem introduzir mais um meio de atuação, para além dos existentes, junto da população juvenil

Leia mais

Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília

Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Modelo de Excelência em Gestão Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Conceitos Fundamentais Os Fundamentos da Excelência em Gestão expressam conceitos que

Leia mais

Programa CEF Telecom Breve Enquadramento

Programa CEF Telecom Breve Enquadramento Programa CEF Telecom Breve Enquadramento Charlotte Simões, Departamento para a Sociedade da Informação Fundação para a Ciência e a Tecnologia, IP 19.05.2016 CEF - CONNECTING EUROPE FACILITY (2014-2020)

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. INSTRUMENTO: ( x ) Chamada Pública ( x) Encomenda ( x ) Convite

TERMO DE REFERÊNCIA. INSTRUMENTO: ( x ) Chamada Pública ( x) Encomenda ( x ) Convite TERMO DE REFERÊNCIA AÇÃO: ( X ) Transversal ( ) Vertical - CT INSTRUMENTO: ( x ) Chamada Pública ( x) Encomenda ( x ) Convite Objeto EXPANSÃO E CONSOLIDAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE C,T&I Linha de Ação Infraestrutura

Leia mais

EDITAL. Iniciativa NEOTEC

EDITAL. Iniciativa NEOTEC EDITAL Iniciativa NEOTEC O XVI Governo Constitucional, numa linha de continuidade da acção política do XV Governo Constitucional, considera essencial uma aproximação da inovação ao sector produtivo, de

Leia mais

Objeto Alteração ao Regulamento que estabelece Normas Comuns sobre o Fundo Social Europeu [ ]

Objeto Alteração ao Regulamento que estabelece Normas Comuns sobre o Fundo Social Europeu [ ] Portaria No âmbito do regime jurídico dos Fundos Europeus Estruturais e de Investimento (FEEI) para o período de programação 2014-2020, a Portaria n.º 60-A/2015, de 2 de março, com as alterações que lhe

Leia mais

Eis por que me deterei nos seguintes aspectos 1. orçamento da PAC: perspectivação histórica

Eis por que me deterei nos seguintes aspectos 1. orçamento da PAC: perspectivação histórica Novo Ciclo de Fundos Estruturais para a Agricultura (2014-2020) 2020) M. Patrão Neves Deputada ao Parlamento Europeu www.patraoneves.eu Fundos Estruturais para a Agricultura A questão do Novo Ciclo de

Leia mais

NOVA DIRETIVA DE AUDITORIA REGULAMENTO DA AUDITORIA DE ENTIDADES DE INTERESSE PÚBLICO

NOVA DIRETIVA DE AUDITORIA REGULAMENTO DA AUDITORIA DE ENTIDADES DE INTERESSE PÚBLICO NOVA DIRETIVA DE AUDITORIA REGULAMENTO DA AUDITORIA DE ENTIDADES DE INTERESSE PÚBLICO PRINCIPAIS QUESTÕES Contexto No âmbito das reformas que o Comissário Europeu do Mercado Interno, Michel Barnier, empreendeu

Leia mais

Julho/2016 PROGRAMAS DE APOIO À COOPERAÇÃO TRANSFRONTEIRIÇA

Julho/2016 PROGRAMAS DE APOIO À COOPERAÇÃO TRANSFRONTEIRIÇA Julho/2016 PROGRAMAS DE APOIO À COOPERAÇÃO TRANSFRONTEIRIÇA CONTEÚDOS (1) Enquadramento O programa Interreg VA Espanha-Portugal Tipologia de projetos dirigidos às empresas Condições de financiamento CONTEÚDOS

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA SELEÇÃO DE EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

A IMPORTÂNCIA DA SELEÇÃO DE EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL A IMPORTÂNCIA DA SELEÇÃO DE EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL PROJETO ACT/APSEI/IPQ GUIAS DE APOIO À SELEÇÃO DE EPI 26 e 27 de Novembro Fonte: APSEI Diretiva do Conselho 89/391/CEE de 12.06 Aplicação

Leia mais

Escola Secundária Dr. João Carlos Celestino Gomes. Curso de Educação e Formação Nível 2 Tipo 2 (Despacho Conjunto nº 453/2004, de 27 de Julho)

Escola Secundária Dr. João Carlos Celestino Gomes. Curso de Educação e Formação Nível 2 Tipo 2 (Despacho Conjunto nº 453/2004, de 27 de Julho) Escola Secundária Dr. João Carlos Celestino Gomes Curso de Educação e Formação Nível 2 Tipo 2 (Despacho Conjunto nº 453/04, de 27 de Julho) Área de Formação: 523-ELETRÓNICA E AUTOMAÇÃO Saída profissional:

Leia mais

Cidadania, Governança e Participação

Cidadania, Governança e Participação A p resentação INDICADOR 4 Cidadania, Governança e Participação Este indicador pretende avaliar a interatividade entre a autarquia e a população, medindo o envolvimento dos munícipes nos processos de tomada

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA 14-20

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA 14-20 AVISO/CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL 2014-2020 (MADEIRA14-20) EIXO PRIORITÁRIO 7 Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI)

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 142/2011 de 11 de Novembro de 2011

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 142/2011 de 11 de Novembro de 2011 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 142/2011 de 11 de Novembro de 2011 A promoção da acessibilidade constitui um direito consagrado constitucionalmente, uma vez que é condição

Leia mais

AGENDA EVENTOS SUPLEMENTOS ALIMENTARES

AGENDA EVENTOS SUPLEMENTOS ALIMENTARES AGENDA EVENTOS SUPLEMENTOS ALIMENTARES NOVO PROCEDIMENTO DE NOTIFICAÇÃO DE SUPLEMENTOS ALIMENTARES: DL 118/2015 23 de março 2016 ALEGAÇÕES DE SAÚDE EM SUPLEMENTOS ALIMENTARES 20 abril RECONHECIMENTO MÚTUO

Leia mais

Dispõe sobre a criação do Sistema Municipal de Cultura SMCRio e dá outras providências. Capítulo I. Das Definições e Princípios

Dispõe sobre a criação do Sistema Municipal de Cultura SMCRio e dá outras providências. Capítulo I. Das Definições e Princípios MINUTA de Projeto de Lei Municipal n º.../ 2014. Dispõe sobre a criação do Sistema Municipal de Cultura SMCRio e dá outras providências. Capítulo I Das Definições e Princípios Art. 1.º Fica instituído

Leia mais

Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos

Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos Elaboração do PPA 2016-2019 DIMENSÃO ESTRATÉGICA O Planejamento não pode prescindir de reflexões sobre quais as estratégias para o desenvolvimento

Leia mais

GESTÃO DE EXCELÊNCIA 2 Gestão: um conjunto de tarefas que procuram garantir a afectação eficaz de todos os recursos disponibilizados pela organização,

GESTÃO DE EXCELÊNCIA 2 Gestão: um conjunto de tarefas que procuram garantir a afectação eficaz de todos os recursos disponibilizados pela organização, LIDERANÇA E PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DAS IPSS Cuidamos do Futuro do Envelhecimento em Portugal GESTÃO DE EXCELÊNCIA 2 Gestão: um conjunto de tarefas que procuram garantir a afectação eficaz de todos os

Leia mais

V CONFERÊNCIA DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA São Tomé, 26 e 27 de Julho de 2004

V CONFERÊNCIA DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA São Tomé, 26 e 27 de Julho de 2004 V CONFERÊNCIA DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA São Tomé, 26 e 27 de Julho de 2004 DECLARAÇÃO SOBRE A SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO COMO CONTRIBUTO PARA A BOA GOVERNAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO ESPAÇO SANTA CASA DA DIREÇÃO DE AÇÃO SOCIAL E SAUDE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. (Fins do Espaço Santa Casa) Artigo 2.

REGULAMENTO DO ESPAÇO SANTA CASA DA DIREÇÃO DE AÇÃO SOCIAL E SAUDE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. (Fins do Espaço Santa Casa) Artigo 2. REGULAMENTO DO ESPAÇO SANTA CASA DA DIREÇÃO DE AÇÃO SOCIAL E SAUDE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Fins do Espaço Santa Casa) Enquadrado pelos fins estatutários da Santa Casa da Misericórdia

Leia mais

Europa fala aos Jovens

Europa fala aos Jovens Europa fala aos Jovens Reforço da Mobilidade Europeia Como cidadão europeu, tens o direito de conhecer quais as soluções propostas pela União Europeia, para o teu futuro. Educação Formação Profissional

Leia mais

Formação COMPETÊNCIAS FORMAÇÃO PARA A PRODUTIVIDADE. Consultoria SERVIÇOS SOLUÇÕES À MEDIDA DE CADA CLIENTE PARA AUMENTO DE EFICIÊNCIA

Formação COMPETÊNCIAS FORMAÇÃO PARA A PRODUTIVIDADE. Consultoria SERVIÇOS SOLUÇÕES À MEDIDA DE CADA CLIENTE PARA AUMENTO DE EFICIÊNCIA OFERECEMOS SERVIÇOS DIFERENCIADOS, EM PARCERIA COM OS NOSSOS CLIENTES, DE FORMA A ULTRAPASSAR AS SUAS EXPECTATIVAS E A PRODUZIR RESULTADOS TRANSFORMATIVOS Ao unir o talento dos profissionais de todo o

Leia mais

Empreendedorismo e Empresas de Base Tecnológica

Empreendedorismo e Empresas de Base Tecnológica Empreendedorismo e FEUP 25 de Novembro 2005 NET Novas Empresas e Tecnologias, S.A. Desde 1987 Business and I nnovation Centre do P orto Á rea de intervenção: Região Norte de P ortugal 1 NET Novas Empresas

Leia mais

20.12.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 347/259

20.12.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 347/259 20.12.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 347/259 REGULAMENTO (UE) n. o 1299/2013 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 17 de dezembro de 2013 relativo às disposições específicas aplicáveis ao apoio

Leia mais

ANEXO I FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETOS EM CONSONÂNCIA AO EDITAL Nº 01/2015

ANEXO I FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETOS EM CONSONÂNCIA AO EDITAL Nº 01/2015 ANEXO I FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETOS EM CONSONÂNCIA AO EDITAL Nº 01/2015 NOME DO PROJETO: ORGANIZAÇÃO PROPONENTE: DATA : / / ÍNDICE DO PROJETO ASSUNTO PÁG. I - CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO - TÍTULO

Leia mais

Regulamento do Enxoval do Bebé do Município de Boticas

Regulamento do Enxoval do Bebé do Município de Boticas Regulamento do Enxoval do Bebé do Município de Boticas Considerando a importância crescente que o sector social deve assumir no âmbito das várias politicas autárquicas, nomeadamente no combate à desertificação

Leia mais

Centro Rio+ Centro Mundial para o Desenvolvimento Sustentável

Centro Rio+ Centro Mundial para o Desenvolvimento Sustentável Comunicado à Imprensa Fonte: Ministério das Relações Exteriores Centro Rio+ Centro Mundial para o Desenvolvimento Sustentável O Governo Federal, em coordenação com o Governo do Estado do Rio de Janeiro,

Leia mais

O enquadramento legal do apoio à eficiência energética na Administração Local: financiamento das operações e regime de contratação pública

O enquadramento legal do apoio à eficiência energética na Administração Local: financiamento das operações e regime de contratação pública O enquadramento legal do apoio à eficiência energética na Administração Local: financiamento das operações e regime de contratação pública Novembro 2015 João Amaral e Almeida Complexo quadro normativo:

Leia mais

Anexo 06 Recomendação nº 6: reafirmação do compromisso da ICANN de respeitar os direitos humanos internacionalmente reconhecidos

Anexo 06 Recomendação nº 6: reafirmação do compromisso da ICANN de respeitar os direitos humanos internacionalmente reconhecidos Anexo 06 Recomendação nº 6: reafirmação do compromisso da ICANN de respeitar os direitos humanos internacionalmente reconhecidos 1. Resumo O assunto de incluir um compromisso com os direitos humanos no

Leia mais

Relatório Anual de Transparência Ano de 2015

Relatório Anual de Transparência Ano de 2015 Relatório Anual de Transparência Ano de 2015 2 Índice 1. Introdução... 3 2. Estrutura jurídica e da Propriedade... 3 3. Estrutura de governação... 4 4. Sistema interno de controlo de qualidade... 4 5.

Leia mais

Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial

Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial COMPETIR + O Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial tem por objetivo promover o desenvolvimento sustentável da economia regional,

Leia mais

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO. de XXX

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO. de XXX COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30.11.2011 COM(2011) 811 final 2011/0402 (CNS) Proposta de DECISÃO DO CONSELHO de XXX que estabelece o Programa Específico de execução do Horizonte 2020 Programa-Quadro de Investigação

Leia mais

Lista de bases jurídicas previstas no Tratado de Lisboa que prescrevem o processo legislativo ordinário1

Lista de bases jurídicas previstas no Tratado de Lisboa que prescrevem o processo legislativo ordinário1 Lista de bases jurídicas previstas no Tratado de Lisboa que prescrevem o processo legislativo ordinário1 O presente anexo contém a lista de bases jurídicas que prescrevem a aplicação do processo legislativo

Leia mais

Imperativos de uma participação bem sucedida de Portugal na UEM

Imperativos de uma participação bem sucedida de Portugal na UEM Imperativos de uma participação bem sucedida de Portugal na UEM Carlos da Silva Costa Governador 27 março 2014 Apresentação do livro A Economia Portuguesa na União Europeia: 1986-2010" Imperativos de uma

Leia mais

Rede de Cuidados Continuados como estrutura nacional: evolução, atualidade e futuro COORDENAÇÃO NACIONAL

Rede de Cuidados Continuados como estrutura nacional: evolução, atualidade e futuro COORDENAÇÃO NACIONAL Rede de Cuidados Continuados como estrutura nacional: evolução, atualidade e futuro COORDENAÇÃO NACIONAL ESTRUTURA NACIONAL 02-05-2016 RNCCI 2 REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS Saúde Segurança

Leia mais

Plano de Promoção. e Proteção dos Direitos da Criança. do Concelho de Marvão

Plano de Promoção. e Proteção dos Direitos da Criança. do Concelho de Marvão Plano de Promoção e Proteção dos Direitos da Criança do Concelho de Marvão 1 Índice Introdução I. Fundamentação A - Estratégias 1 Estudo e análise da realidade concelhia. 2 Promoção dos Direitos da Criança...

Leia mais

REGULAMENTO Versão Consolidada do Regulamento de Programas de Doutoramento FCT

REGULAMENTO Versão Consolidada do Regulamento de Programas de Doutoramento FCT REGULAMENTO Versão Consolidada do Regulamento de Programas de Doutoramento FCT (Últimas alterações homologadas a 11 de outubro de 2013) CAPÍTULO I Disposições Gerais Regulamento de Programas de Doutoramento

Leia mais

Intervenção de Encerramento da Vice-Presidente da CCDR-N, Ana Teresa Lehmann

Intervenção de Encerramento da Vice-Presidente da CCDR-N, Ana Teresa Lehmann CONFERENCE REGIONAL POLICY AROUND THE WORLD 29 de Setembro de 2008, Porto, Alfândega Nova do Porto Intervenção de Encerramento da Vice-Presidente da CCDR-N, Ana Teresa Lehmann 1. Em tempos de incerteza

Leia mais

PRINCÍPIOS GERAIS PRINCÍPIOS GERAIS PRINCÍPIOS GERAIS NÍVEIS DA REFORMA PRINCÍPIOS GERAIS. Funções de suporte Apoio à Governação Gestão de Recursos

PRINCÍPIOS GERAIS PRINCÍPIOS GERAIS PRINCÍPIOS GERAIS NÍVEIS DA REFORMA PRINCÍPIOS GERAIS. Funções de suporte Apoio à Governação Gestão de Recursos PRINCÍPIOS GERAIS Funções de suporte Apoio à Governação Gestão de Recursos Funções Operacionais 30-03-2006 1 30-03-2006 2 PRINCÍPIOS GERAIS Apoio à Governação (em todos os Ministérios) Serviços de planeamento,

Leia mais

Regulamento para Atribuição de Subsídios às Associações e Colectividades da União das Freguesia da Chamusca e Pinheiro Grande

Regulamento para Atribuição de Subsídios às Associações e Colectividades da União das Freguesia da Chamusca e Pinheiro Grande 1 às Associações e Colectividades da União das Freguesia da Chamusca e Pinheiro Grande Considerando o quadro legal de atribuições e competências das autarquias locais identificado com a Lei n.º 75/2013,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO DE ENSINO OCTÁVIO BASTOS

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO DE ENSINO OCTÁVIO BASTOS CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO DE ENSINO OCTÁVIO BASTOS PROJETO DE PRÁTICAS BEM SUCEDIDAS EM SALA DE AULA EMPREENDEDORISMO E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DIRCEU FERNANDES BATISTA SÃO JOÃO DA BOA VISTA

Leia mais

INSTRUÇÃO N.º 27/2012 - (BO N.º 9, 17.09.2012)

INSTRUÇÃO N.º 27/2012 - (BO N.º 9, 17.09.2012) INSTRUÇÃO N.º 27/2012 - (BO N.º 9, 17.09.2012) Temas ESTATÍSTICAS Estatísticas das Operações com o Exterior ASSUNTO: Estatísticas de Operações e Posições com o Exterior No uso das competências atribuídas

Leia mais

O PAPEL DA CRIATIVIDADE E DO DESIGN THINKING NA INOVAÇÃO

O PAPEL DA CRIATIVIDADE E DO DESIGN THINKING NA INOVAÇÃO O PAPEL DA CRIATIVIDADE E DO DESIGN THINKING NA INOVAÇÃO Ricardo Almeida Moreira 19 de abril de 2016 MIETE - MESTRADO EM INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO TECNOLÓGICO MIETE - Mestrado em Inovação e Empreendedorismo

Leia mais

EDITAL N 32/2014 PROGRAD PET ECONOMIA

EDITAL N 32/2014 PROGRAD PET ECONOMIA EDITAL N 32/2014 PROGRAD PET ECONOMIA 1. APRESENT AÇÃO 1.1. A (PROGRAD) torna pública a seleção de bolsistas para o grupo PET-Economia/UFAC (Rio Branco), que ocorrerá conforme a Portaria MEC Nº 976, de

Leia mais

PLANO ANUAL AUDITORIA. Serviço de. Auditoria Interna. Aprovado na reunião n.º 54/2015 do Conselho de Administração, realizada a 30 de dezembro

PLANO ANUAL AUDITORIA. Serviço de. Auditoria Interna. Aprovado na reunião n.º 54/2015 do Conselho de Administração, realizada a 30 de dezembro PLANO ANUAL DE AUDITORIA Serviço de Auditoria Interna Aprovado na reunião n.º 54/2015 do Conselho de Administração, realizada a 30 de dezembro PLANO ANUAL DE AUDITORIA INTERNA Introdução O presente Plano

Leia mais

Joaquim Cunha Health Cluster Portugal

Joaquim Cunha Health Cluster Portugal Conferência As TIC e a Saúde no Portugal de 2009 25 de Novembro de 2009 Auditório do Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa Joaquim Cunha Health Cluster Portugal Patrocínio: Patrocinadores Globais Novembro

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA NAS FREGUESIAS DA REGIÃO CENTRO. A cooperação técnica e financeira entre a CCDRC e as Freguesias da Região Centro.

GESTÃO FINANCEIRA NAS FREGUESIAS DA REGIÃO CENTRO. A cooperação técnica e financeira entre a CCDRC e as Freguesias da Região Centro. GESTÃO FINANCEIRA A cooperação técnica e financeira entre a CCDRC e as Freguesias da Região Centro NAS FREGUESIAS DA REGIÃO CENTRO CCDRCentro 2011 Matriz da acção de formação O MODELO FINANCEIRO DAS FREGUESIAS

Leia mais

www.jeve.pt O que é?

www.jeve.pt O que é? O que é? A Plataforma para a Educação do Empreendedorismo em Portugal (PEEP) em parceria com a K-Evolution desenvolveram o JEVE Jovens para o Empreendedorismo Verde e Empregabilidade, um projeto experimental

Leia mais

VI - promoção do princípio da gestão democrática da educação pública; VII - promoção humanística, científica, cultural e tecnológica do País;

VI - promoção do princípio da gestão democrática da educação pública; VII - promoção humanística, científica, cultural e tecnológica do País; Diário Oficial Executivo - 25 de junho de 2015 Edição n.º 9.479 Lei nº 18.492 Data 24 de junho de 2015 A Assembleia Legislativa do Estado do Paraná decretou e eu sanciono a seguinte lei: Súmula: Aprovação

Leia mais

Conclusões do Conselho, de 20 de maio de 2014, sobre a garantia da qualidade como forma de apoiar o ensino e a formação (2014/C 183/07)

Conclusões do Conselho, de 20 de maio de 2014, sobre a garantia da qualidade como forma de apoiar o ensino e a formação (2014/C 183/07) C 183/30 PT Jornal Oficial da União Europeia 14.6.2014 Conclusões do Conselho, de 20 de maio de 2014, sobre a garantia da qualidade como forma de apoiar o ensino e a formação (2014/C 183/07) O CONSELHO

Leia mais

Em 2000, estabelecemos, coletivamente, as Metas do Milênio, dando o necessário destaque à erradicação da fome. Mas podem tornar-se letra morta por fal

Em 2000, estabelecemos, coletivamente, as Metas do Milênio, dando o necessário destaque à erradicação da fome. Mas podem tornar-se letra morta por fal PRÊMIO OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO Em 2000, estabelecemos, coletivamente, as Metas do Milênio, dando o necessário destaque à erradicação da fome. Mas podem tornar-se letra morta por falta de

Leia mais

Manual do Processo de Planejamento da UFSC. Departamento de Planejamento SEPLAN/UFSC

Manual do Processo de Planejamento da UFSC. Departamento de Planejamento SEPLAN/UFSC Manual do Processo de Planejamento da UFSC 2010 Departamento de Planejamento SEPLAN/UFSC Apresentação Este documento descreve o processo de planejamento que vem sendo implantado na Universidade Federal

Leia mais

EMPREGABILIDADE. Integ na Electomec.

EMPREGABILIDADE. Integ na Electomec. Desde a sua criação, a Universidade da Beira Interior tem vindo a desempenhar a sua missão como centro de criação, transmissão e difusão de cultura, de ciência e de tecnologia, com uma forte ênfase na

Leia mais

OFICINA 3 IGM Indicadores de Governança Municipal Projeto SEP: PLANEJAMENTO E FORMAS ORGANIZACIONAIS DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS / REGIONAIS

OFICINA 3 IGM Indicadores de Governança Municipal Projeto SEP: PLANEJAMENTO E FORMAS ORGANIZACIONAIS DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS / REGIONAIS Objetivo: OFICINA 3 IGM Projeto SEP: PLANEJAMENTO E FORMAS ORGANIZACIONAIS DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS / REGIONAIS Contribuir com a SEP, analisando o processo de planejamento nos municípios, por

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Secretaria Regional da Agricultura e Ambiente. Orientação

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Secretaria Regional da Agricultura e Ambiente. Orientação Orientação Publicitação dos Projetos Financiados Pelo Programa de da Região Autónoma dos Açores A consulta desta norma não dispensa a leitura da legislação aplicável 2016 ÍNDICE 1. Enquadramento... 3 2.

Leia mais

Participação nacional e guia para o estabelecimento de um Nó Nacional GBIF

Participação nacional e guia para o estabelecimento de um Nó Nacional GBIF Workshop: Importância da participação de Moçambique no Sistema Global de Informação Sobre Biodiversidade (GBIF) Participação nacional e guia para o estabelecimento de um Nó Nacional GBIF Rui Figueira Nó

Leia mais

MESA REDONDA Atuação em rede. Reflexões sobre o COEP:

MESA REDONDA Atuação em rede. Reflexões sobre o COEP: MESA REDONDA Atuação em rede Reflexões sobre o COEP: Identidade Êxitos O que faz o COEP funcionar? Questões estratégicas John Saxby, pesquisador Ottawa, Canadá 1 Projetos de pesquisa Estudo de caso para

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. Empenhamento reforçado na Igualdade entre Mulheres e Homens Uma Carta das Mulheres

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. Empenhamento reforçado na Igualdade entre Mulheres e Homens Uma Carta das Mulheres COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 5.3.2010 COM(2010)78 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO Empenhamento reforçado na Igualdade entre Mulheres e Homens Uma Carta das Mulheres Declaração da Comissão Europeia por ocasião

Leia mais

Plano de Actividades 2009

Plano de Actividades 2009 Plano de Actividades 2009 A Confecoop, enquanto estrutura representativa do sector cooperativo assume como objectivo essencial do seu plano de actividades, e dando sequência ao iniciado no ano transacto,

Leia mais

Reabilitação Urbana Integrada: Dinamização da Atividade Económica Projetos de intervenção no comércio tradicional

Reabilitação Urbana Integrada: Dinamização da Atividade Económica Projetos de intervenção no comércio tradicional Reabilitação Urbana Integrada: Dinamização da Atividade Económica Projetos de intervenção no comércio tradicional Amadora, 4 de Junho de 2012 Competências da DGAE À DGAE compete, em articulação com os

Leia mais

LICENCIATURA EM BIOLOGIA MARINHA

LICENCIATURA EM BIOLOGIA MARINHA LICENCIATURA EM BIOLOGIA MARINHA REGULAMENTO DO ESTÁGIO CIENTÍFICO Conteúdos e objectivos 1. O estágio da licenciatura em Biologia Marinha funciona como uma disciplina para todos os efeitos académicos

Leia mais

Encontros Regionais de Educação

Encontros Regionais de Educação Encontros Regionais de Educação Princípios e regulamentação da avaliação Ensino básico Abril de 2016 Decreto-Lei n.º 17/2016, de 4 de abril (terceira alteração ao Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho)

Leia mais

PLATAFORMA SUPRACONCELHIA PENÍNSULA DE SETÚBAL REUNIÃO 19/03/2012. Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Setúbal

PLATAFORMA SUPRACONCELHIA PENÍNSULA DE SETÚBAL REUNIÃO 19/03/2012. Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Setúbal PLATAFORMA SUPRACONCELHIA PENÍNSULA DE SETÚBAL REUNIÃO 19/03/2012 Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Setúbal Agenda da Reunião Informações Programa de Emergência Social - PES Ano Europeu

Leia mais

Seis Sigma em Serviços - 2. desafios e adequações necessárias

Seis Sigma em Serviços - 2. desafios e adequações necessárias Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias São Paulo, 23 de agosto de 2006 A importância do Seis Sigma e da Qualidade

Leia mais

Inovação no Setor da Vinha e do Vinho. 2.ª Edição 2012/2013

Inovação no Setor da Vinha e do Vinho. 2.ª Edição 2012/2013 Inovação no Setor da Vinha e do Vinho 2.ª Edição 2012/2013 Objetivos Reconhecer e premiar um projeto académico, que se destaque no âmbito da inovação no setor da vinha e do vinho. Um prémio que incentiva

Leia mais

DOCUMENTO DE BASE IMCHE/2/INF1

DOCUMENTO DE BASE IMCHE/2/INF1 DOCUMENTO DE BASE IMCHE/2/INF1 1 DOCUMENTO DE BASE 1. Datas: 23 26 de Novembro de 2010 2. Local: Luanda, Angola 3. Antecedentes Na sua primeira conferência, os ministros africanos da saúde e do ambiente

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora. Faculdade de Engenharia. Manual de Orientações Básicas

Universidade Federal de Juiz de Fora. Faculdade de Engenharia. Manual de Orientações Básicas Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Engenharia Manual de Orientações Básicas Tema do concurso A tarefa proposta é a construção e o teste de carga de uma ponte treliçada, utilizando papel-cartão

Leia mais

PROJECTO SISTEMA DE INCENTIVOS PROJETOS CONJUNTOS FORMAÇÃO AÇÃO FSE PROGRAMA OPERACIONAL COMPETOTIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO QUALIFICAÇÃO DAS PME

PROJECTO SISTEMA DE INCENTIVOS PROJETOS CONJUNTOS FORMAÇÃO AÇÃO FSE PROGRAMA OPERACIONAL COMPETOTIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO QUALIFICAÇÃO DAS PME PROJECTO SISTEMA DE INCENTIVOS PROJETOS CONJUNTOS FORMAÇÃO AÇÃO FSE PROGRAMA OPERACIONAL COMPETOTIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO QUALIFICAÇÃO DAS PME AVISO n.º 34/SI/2015 Acordo de Pré - Adesão 1 ACORDO

Leia mais

Faculdade de Farmácia

Faculdade de Farmácia Faculdade de Farmácia O artigo 74-A do Estatuto da Carreira Docente Universitária, alterado e republicado pelo Decreto-Lei nº 205/2009, de 31 de Agosto, e alterado pela Lei 8/2010, de 13 de Maio, determina

Leia mais

Propostas na área da Habitação

Propostas na área da Habitação Propostas na área da Habitação PROPOSTA DE ADITAMENTO PROPOSTA DE LEI N.º103/XII ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2013 O Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda apresenta a seguinte proposta de aditamento de um

Leia mais