Fundamentos de Redes de Cuidados Médicos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fundamentos de Redes de Cuidados Médicos"

Transcrição

1 REVISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO, VOL. 2, NO. 1, OUTUBRO Fundamentos de Redes de Cuidados Médicos Marcelo P. Sousa 1,2, Waslon T. A. Lopes 1,2, Francisco Madeiro 1,3 and Marcelo S. Alencar 1,2 1 Instituto de Estudos Avançados em Comunicações (Iecom), Campina Grande, PB, Brasil, 2 Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), Campina Grande, PB, Brasil. 3 Universidade de Pernambuco (UPE), Recife, Brasil. s: and Resumo As redes de cuidados médicos têm se popularizado devido à evolução de tecnologias de comunicação, sensoriamento remoto e processamento embarcado. Além disso, existe uma crescente demanda por mudanças nos métodos de acompanhamento médico, devido ao aumento da população idosa, de doenças crônicas e da preocupação das sociedades com a saúde. Neste artigo, os autores apresentam os princípios, tecnologias e aplicações de redes de cuidados médicos. I. INTRODUÇÃO Nas últimas décadas, as condições de saúde da população mundial têm melhorado devido ao progresso contínuo da ciência, tecnologia e medicina, assim como à expansão de infraestrutura para melhorar a nutrição das sociedades e o tratamento sanitário das cidades. Os procedimentos operacionais para cuidados médicos têm constantemente sido renovados, impulsionados pelos adventos tecnológicos. Essas mudanças ocorrem pela transição de um modelo com foco exclusivo no profissional de saúde para um modelo com foco no cidadão [1]. Uma das tecnologias que viabilizam essa transição é o monitoramento remoto de saúde e o controle por meio de redes de cuidados médicos. As redes de cuidados médicos são capazes de integrar informações de saúde de pacientes, além de otimizar os processos de relato de diagnóstico, prevenção de doenças, atuação medicamentosa e socorro. Por meio da comunicação em rede, as informações de saúde podem ser encaminhadas para centros especializados, de maneira a estabelecer prioridades para o relato de emergência e de modo a utilizar corretamente os recursos das tecnologias disponíveis. Com os avanços nas tecnologias de comunicações sem fio, redes de sensores e dispositivos médicos, o monitoramento remoto de saúde tem se tornado uma área importante de pesquisa e desenvolvimento. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a telemedicina é a oferta de serviços ligados aos cuidados com a saúde, nos casos em que a distância é um fator crítico. Tais serviços utilizam tecnologias de processamento e comunicação para a troca de informações de diagnóstico, prevenção e tratamento de doenças. Elas também são úteis para a contínua educação de provedores de cuidados com a saúde, assim como para fins de pesquisas e avaliações. Essas medidas são tomadas com o intuito de melhorar a saúde dos indivíduos e de suas comunidades [2]. O monitoramento do estado de saúde de pacientes é a aplicação mais estudada entre os sistemas pervasivos de cuidados médicos. Os sinais vitais mais utilizados são relacionados às medições por eletrocardiografia, oximetria de pulso, temperatura corpórea, taxa de batimentos cardíacos e pressão arterial. A maioria dos estudos tem focado na captura e envio dos dados a um local remoto para avaliação especializada [3]. Os dados sensoriados são coletados por um coordenador de rede de área corporal (BAN Body Area Network), por exemplo. Nas redes de cuidados médicos, os dados coletados pelos coordenadores de uma BAN sem fio devem ser encaminhados para o devido processamento em uma estação central remota [4]. Este artigo apresenta uma visão geral sobre as principais tecnologias utilizadas para a implementação de redes de cuidados médicos. A Seção II apresenta os princípios das redes de cuidados médicos, com foco para a motivação, cenários e detalhamento dos subsistemas que compõem uma rede de cuidados médicos típica. A Seção III discute as principais tecnologias de comunicação utilizadas em redes de cuidados médicos. Algumas aplicações dessas redes são apresentadas na Seção IV e as considerações finais são feitas na Seção V. II. PRINCÍPIOS DE REDES DE CUIDADOS MÉDICOS Em redes de cuidados médicos, dispositivos de sensoriamento podem ser embarcados em uma variedade de instrumentos, para o uso em hospitais, clínicas, residências e áreas de emergência. Os objetivos incluem a detecção, diagnóstico, tratamento e gerenciamento de pacientes. Os benefícios da medicina moderna não seriam percebidos, ou não seriam financeiramente viáveis, sem o uso de sensores, como termômetros, monitores de pressão arterial, de glicose, eletrocardiógrafos e diversos sensores de imagem. Dispositivos sensores médicos combinam transdutores para a detecção de sinais elétricos, térmicos, ópticos, químicos, genéticos e outros com origem fisiológica com algoritmos de processamento de sinais para estimar características que indiquem o estado de saúde de um indivíduo. Sensores que medem sinais além dos de saúde (diretamente) também têm sido utilizados na medicina. Por exemplo, tecnologias para monitoramento de localização e proximidade têm sido usadas para melhorar o cuidado de pacientes e a eficiência da observação em hospitais, para acompanhar a difusão de doenças e o monitoramento dos comportamentos relacionados à saúde da população e exposição a aspectos ambientais negativos, como a poluição. Os avanços nas redes de cuidados médicos têm sido especialmente importantes em três áreas [5]:

2 46 REVISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO, VOL. 2, NO. 1, OUTUBRO 2012 Sensoriamento os avanços nos sistemas microeletromecânicos, sistemas de aquisição, processamento de imagens e de fluidos têm proporcionado novas formas de sensoriamento biológico, químico e genético, além de análises externas ao confinamento de laboratórios. Devido às novas capacidades de diagnóstico não-honerosas, essas tecnologias de sensoriamento prometem revolucionar os cuidados médicos, tanto para solucionar crises de saúde pública por causa de doenças infecciosas e também habilitar a detecção prévia e tratamentos personalizados; Tamanho e Custo a maioria dos sensores médicos tem sido tradicionalmente caros e complexos para uso externo a ambientes de clínica. Entretanto, os recentes avanços em microeletrônica e computação têm possibilitado que várias formas de sensoriamento médico se tornem disponíveis aos indivíduos em suas residências, locais de trabalho e outros locais de convivência. Os primeiros dispositivos a serem disseminados foram os sensores médicos portáteis (e.g., monitores de pressão arterial e de glicose). Pela possibilidade de frequentes medições de dados fisiológicos críticos, sem a necessidade de visitas a um médico, esses instrumentos revolucionaram o gerenciamento de doenças, tais como hipertensão e diabetes. Além disso, os sensores médicos ambulatoriais puderam ser carregados ou acoplados às roupas das pessoas, devido às suas dimensões reduzidas. Esses sensores habilitam os indivíduos a medir continuamente parâmetros fisiológicos, enquanto continuam com suas atividade cotidianas em paralelo. Exemplos incluem o monitoramento de batimentos cardíacos e de atividades físicas. Esses dispositivos são apropriados para esportistas e podem detectar eventos cardíacos ou neurais que poderiam não ser manifestados durante uma visita breve a um médico. Alguns sensores também têm sido embarcados em dispositivos geriátricos e de assistência ortopédica. Há também a proliferação do uso de sensores médicos implantáveis para o monitoramento de saúde intra-corpo. Em alguns casos, a proposta é monitorar continuamente parâmetros de saúde que não estão disponíveis externamente, como a pressão intraocular em pacientes com glaucoma; Conectividade em decorrência dos avanços em tecnologia da informação, os sensores médicos têm se tornado largamente conectados com outros dispositivos. Os sensores médicos antigos eram dispostos isoladamente com interfaces de usuário para apresentar suas medidas. Subsequentemente, os sensores se tornaram capazes de ter interfaces para dispositivos externos via padrões cabeados, tais como RS 232, USB e Ethernet. Recentemente, os sensores médicos têm sido associados a conexões sem fio, seja para curto alcance (e.g., Bluetooth, ZigBee, rádios de campo próximo, smartphones, etc.), ou para longo alcance (e.g., Wi-Fi, ou conexões celulares para comunicar diretamente com serviços de computação em nuvem). Além de não necessitar de demasiada infraestrutura, essas conexões permitem que as medições dos sensores médicos sejam enviadas aos indivíduos assistentes, enquanto os pacientes mantêm suas atividades cotidianas, mesmo que externamente às suas residências. Existem diversos protótipos e produtos disponíveis para o comércio, que possuem propriedades em comum. A maioria das soluções existentes incluem um ou mais tipos de sensores carregados por pacientes, formando uma BAN, e um ou mais tipos de sensores instalados em uma área, que formam uma rede de área pessoal (PAN Personal Area Network). Essas duas redes são conectadas a uma rede backbone por meio de um nó gateway. Ao nível de aplicação, os profissionais de cuidados médicos ou outros assistentes podem monitorar as informações de sinais vitais dos pacientes, por meio de uma interface gráfica de usuário (GUI Graphical User Interface). As situações de emergência produzem sinais de alerta pela aplicação, de modo que esses sinais e outras informações sobre o estado de saúde podem ser acessados por dispositivos móveis, como laptops e smartphones. Esses subsistemas são detalhados a seguir: Rede de Área Corporal (BAN) é a rede de sensores e sinalizadores que os pacientes carregam ou vestem em seus corpos. Etiquetas de identificação por radiofrequência (RFID Radio-Frequency IDentification), sensores de eletrocardiografia (ECG) e acelerômetros carregados ou acoplados às roupas dos pacientes são e- xemplos de componentes da BAN para cuidados médicos; Rede de Área Pessoal (PAN) esse subsistema é composto de sensores de ambiente que cercam os grupos de pacientes. Sensores de ambiente, como leitores de RFID, câmeras de vídeo, sensores de áudio, pressão, temperatura, luminosidade e umidade ajudam a prover informação sobre o contexto dos indivíduos que estão sendo monitorados. A localização e rastreamento de pacientes podem ser funções desse subsistema; Gateway o subsistema gateway é responsável por conectar os subsistemas BANs e PANs ao subsistema de rede de larga abrangência (WAN Wide Area Network). O gateway pode ser um dispositivo móvel carregado pelo usuário, como um smartphone, um nó sensor especial, denominado nó sorvedouro (sink node), ou um computador servidor; Rede de Larga Abrangência (WAN) o gateway pode repassar informações para uma ou mais redes, a depender da aplicação. Exemplos dessas redes incluem redes de satélites, Internet, redes celulares e outras redes telefônicas. Em geral, essas redes possuem características independentes da aplicação de cuidados médicos; Usuário Final a aplicação é a parte de maior destaque do sistema, pois é onde os dados são interpretados e as ações requeridas são indicadas. Em geral, o usuário final possui um sistema de aplicação composto por uma parte de processamento e uma parte de interface gráfica de usuário. A parte de processamento executa algoritmos de processamento de sinais para, por exemplo, identificar

3 REVISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO, VOL. 2, NO. 1, OUTUBRO anomalias de sinais cardíacos, ou por meio de algoritmos de aprendizado de máquina, identificar situações inesperadas a partir de imagens ou vídeos. A interface gráfica de usuário é usada para o monitoramento em temporeal de informações de sinais vitais, em conjunto com mecanismos de alerta, em casos de emergência. III. TECNOLOGIAS E PROTOCOLOS Diversas tecnologias e protocolos têm contribuído para a disseminação de redes de cuidados médicos. As tecnologias de comunicação sem fio merecem destaque por causa das características de mobilidade a adaptabilidade que oferecem. A. Redes Infraestruturadas e Redes Ad Hoc As redes de cuidados médicos, principalmente no subsistema PAN (ou na hierarquização de PANs), podem ser projetadas para atuar de maneira infraestruturada ou de maneira ad hoc. Na arquitetura infraestruturada, normalmente uma distribuição heterogênea é utilizada, de modo que alguns nós da rede são dotados de maior capacidade de hardware e software do que outros. A alocação de recursos precisa ser planejada para atender os requisitos de qualidade de serviço (QoS Quality of Service) da rede. Alguns nós especiais podem ser responsabilizados por funções de maior complexidade, como agregação e processamento de dados, identificação de casos de emergência, sinalização, roteamento e atribuição de chaves de segurança. No projeto de uma rede de cuidados médicos infraestruturada, algumas questões devem ser respondidas: Como deve ser a distribuição de recursos entre os nós da rede? Quais grupos de monitoramento de saúde devem ficar alocados em relação a PANs específicas? Qual a melhor localização das BANs, considerando consumo de energia, taxa de perda de pacote e atraso de relato dos dados monitorados? Quantos nós e onde devem estar localizados para a conexão (relaying) entre PANs? Quantos gateways são previstos e onde devem estar localizados? Na arquitetura ad hoc, a rede de cuidados médicos não possui uma infraestrutura de comunicação previamente projetada, em várias instâncias. O que se observa são características como auto-organização, auto-gerenciamento e, geralmente, comunicação por múltiplos saltos. Malan et al. [6] apresentaram o CodeBlue, que consiste em um sistema para cuidados médicos de emergência, que integram sensores de sinais vitais de baixa potência, PDAs, e computadores de mesa. O CodeBlue melhora a habilidade para os primeiros atendimentos e facilita a alocação de recursos apropriados nos hospitais. Ko et al. [5] propuseram o esquema MEDiSN para atender objetivos semelhantes aos do CodeBlue (i.e., melhorar o processo de monitoramento de pacientes em hospitais e vítimas de desastre, assim como dos agentes de primeiros socorros), mas usaram uma arquitetura de rede diferente. Especificamente, diferente do sistema ad hoc usado no CodeBlue, o MEDiSN utiliza uma infraestrutura de rede sem fio de fácil implementação de pontos de repasse (relay points). Os pontos de repasse são implantados em posições fixas e se comunicam com um ou mais gateways para acesso à Internet. Os motes que coletam os sinais vitais, denotados mitags são associados com os pontos de repasse para enviar suas medições ao gateway. Em relação ao CodeBlue, o MEDiSN apresenta a vantagem de economia de energia nos mitags, pois eles não precisam repassar as informações uns dos outros. Entretanto, a disponibilidade e o custo de implantação dos pontos de repasse, o que caracteriza fortemente a operação infraestruturada, pode ser inviável em uma situação de emergência. Além disso, a falha de operação de um ponto de repasse pode significar o isolamento de comunicação de diversos mitags. B. Redes de Sensores sem Fio Nos últimos anos, o uso de redes de sensores sem fio para o monitoramento remoto de saúde tem sido bastante adotado, como uma alternativa aos sistemas de cuidados médicos centrados em hospitais, seja pela perspectiva econômica, ou do conforto do paciente. A indústria de semicondutores tem uma atuação importante para tornar real as mudanças nos sistemas de cuidados médicos. A aceitação pelo usuários dos sistemas de monitoramento remoto de cuidados médicos depende de seu nível de conforto, entre outros fatores. O nível de conforto se traduz diretamente para o fator forma, que ultimamente tem sido definido pelas dimensões físicas das baterias e o consumo de energia do sistema [7]. As tecnologias de sensoriamento sem fio auxiliam na solução de diversos aspectos negativos relativos a sensores com fio, que são comumente utilizados em hospitais e salas de emergência para monitorar pacientes [8]. Os diversos conjuntos de fios, cabos e conectores associados causam desconforto ao paciente, restringem sua mobilidade, aumentam sua ansiedade e dificultam o gerenciamento pelos profissionais de saúde. Por outro lado, o hardware envolvido com conexões sem fio é menos perceptível e possui conectividade de rede persistente com os sistemas de registro finais. Isso reduz o emaranhado de fios, diminui a ansiedade do paciente e reduz a quantidade de erros [5]. As redes de sensores sem fio (RSSFs) consistem de dispositivos de baixa disponibilidade de energia, que integram capacidades limitadas de computação, sensoriamento e comunicação sem fio. As RSSFs podem apresentar um impacto significativo em vários sistemas de cuidados médicos de emergência. Sensores podem ser usados para capturar sinais vitais de pacientes, repassar os dados para dispositivos eletrônicos portáteis utilizados por técnicos em emergência médica, médicos e enfermeiros. Em um evento de desastre em massa, as redes de sensores podem melhorar a habilidade para os primeiros socorros e o tratamento de pacientes [6]. As RSSFs podem ser utilizadas em vários contextos e os nós podem ser distribuídos de maneiras diferentes. As seções subsequentes apresentam diversas topologias relacionadas à abrangência geográfica e

4 48 REVISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO, VOL. 2, NO. 1, OUTUBRO 2012 tecnologias que podem ser utilizadas por RSSFs em aplicações de cuidados médicos. 1) NFC e RFID: Um dos maiores desafios da Tecnologia da Informação para redes de cuidados médicos é a habilidade de rastrear um grande número de pacientes e materiais. À medida que os telefones celulares são difundidos pelo mundo, o uso da comunicação por campo próximo (NFC Near Field Communication) com telefones celulares emerge como uma solução promissora para esse desafio. A NFC permite a simples troca de dados e conexões sem fio entre dois dispositivos próximos um ao outro, geralmente por curtas distâncias (na ordem de centímetros). Ela envolve um dispositivo iniciador e um dispositivo alvo, de modo que o iniciador gera uma onda de RF que pode alimentar uma etiqueta passiva. A tecnologia NFC é uma extensão da tecnologia RFID e apresenta características de troca de dados mais seguras. A tecnologia RFID permite a identificação automática de itens por meio de etiquetas (tags) que armazenam dados de interesse. Conforme o custo das etiquetas reduz, as aplicações de RFID popularizam. Tais sistemas são usados em pedágios automatizados, identificação de pacientes em hospitais, identificação animal, logística de transporte, manuseio e estocagem de produtos, etc [9]. Chen et al. propuseram um sistema para a segunda geração de RFID e demonstraram quantitativamente o valor de sua aplicação em sistemas de cuidados médicos [10]. Os autores discutem os benefícios que o 2G-RFID-Sys pode prover, como a melhoria escalabilidade do sistema, disponibilidade de informação, monitoramento automatizado e controle de acesso. Adam et al. projetaram e implementaram um sistema baseado em NFC para viabilizar a detecção de pneumonia em crianças no Paquistão, com telefones celulares [11]. O sistema permite que os pacientes sejam identificados por uma única etiqueta RFID associada à criança, quando esta visitar a clínica. Pelo uso de um telefone celular para enviar uma ID do paciente e o diagnóstico para um servidor central, o médico fica habilitado a relatar o estado de pneumonia em tempo real. Se a doença é diagnosticada, uma equipe móvel é alertada para recolher a criança doente com objetivos de avaliações e tratamentos futuros. 2) BAN: Uma das tecnologias de rede utilizadas para a implementação de redes de sensores sem fio são as redes de área corporal. O IEEE (Institute of Electrical and Electronic Engineers) lançou em 2007 o grupo de tarefa IEEE Task Group 6 (BAN), para desenvolver um padrão de comunicação otimizada para dispositivos de baixo consumo de energia e operar sobre o corpo humano. O objetivo é servir a uma variedade de aplicações que incluem eletrônica médica e de consumidor. Min Chen et al. apresentam um tutorial sobre BANs em [12], em que discutem os principais conceitos, tecnologias, arquiteturas e as características das camadas física e de enlace. Em [13], os autores descrevem uma arquitetura genérica de BAN sem fio e projetos com motes Telos [14] e módulos de condicionamento de sinais específicos para a aplicação. O protótipo consiste de diversos sensores de movimento que monitoram a atividade do usuário e um sensor de ECG para o monitoramento das atividades cardíacas. O artigo apresenta os detalhes das plataformas de hardware e software utilizados para o acompanhamento médico, discute os desafios em aberto e apresenta soluções para sincronização e processamento dos sinais, assim como propõe um protocolo de comunicação eficiente em consumo de energia. O MobiHealth é um projeto que integra vários dispositivos de sensoriamento, para monitorar e transmitir dados fisiológicos em conjunto com gravações de áudio e vídeo aos provedores de serviços de saúde [15]. Esse mecanismo provê assistência remota confiável e rápida, em caso de acidentes. O MobiHealth propõe a convergência de sistemas de rede diferentes, como BANs, PANs e WANs para habilitar redes de cuidados médicos personalizadas e móveis. 3) PAN: Em redes de cuidados médicos, as redes PAN podem ser utilizadas para conectar BANs, que relatam as informações monitoradas pelos sensores e entregam essas medições a redes externas, ou ser a interface direta com esses sensores. As principais tecnologias que são utilizadas para viabilizar o uso de PANs para redes de cuidados médicos são o Bluetooth e o ZigBee. 4) Bluetooth: As comunicações por Bluetooth utilizam ondas de rádio de curto alcance, por distâncias de aproximadamente dez metros. Uma PAN implementada por uma rede Bluetooth também é conhecida com piconet e é composta de no máximo oito dispositivos ativos sobre uma relação mestre-escravo. Em redes de cuidados médicos, o Bluetooth pode ser usado para capturar dados rapidamente e sem fios a partir de dispositivos de sensoriamento, como monitores de pressão sanguínea, termômetros, ECG, etc. Os autores de [16] apresentam um dispositivo sem fio portátil para monitoramento de ECG, em que o paciente precisa carregar consigo um telefone celular com conexão Bluetooth. Quando o monitor ECG detecta um ataque cardíaco, ele emite um sinal de alerta para o telefone celular, que solicita socorro e disponibiliza a localização do paciente. 5) ZigBee: O termo ZigBee designa um conjunto de especificações para a comunicação sem fio entre dispositivos eletrônicos, com ênfase na baixa potência de operação, na baixa taxa de transmissão de dados e no baixo custo de implantação. Protocolos ZigBee são destinados a aplicações embarcadas que exigem baixas taxas de dados e baixo consumo de energia. Apesar de o Bluetooth apresentar maiores taxas de transmissão de dados, o ZigBee apresenta maior eficiência em relação ao consumo de energia. Murali et al. propuseram o uso de redes de sensores sem fio para observar sinais fisiológicos humanos, com a tecnologia ZigBee [17]. Os autores desenvolveram um conjunto de sistemas para o monitoramento de saúde em residências, com o uso de sensores embarcados para monitorar a taxa cardíaca e a pressão arterial. Os sensores transmitem os sinais medidos via ZigBee para um monitor remoto sem fio, de modo a relatar os sinais fisiológicos observados. O monitor remoto sem fio

5 REVISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO, VOL. 2, NO. 1, OUTUBRO é composto de um módulo de comunicação ZigBee e um computador. Se os valores dos sinais medidos ultrapassam os limiares padrões de saúde, o computador envia uma mensagem de texto (por uma rede celular GSM) para uma central remota especializada. 6) UWB: A tecnologia UWB (Ultrawideband) é usada para referenciar comunicações de rádio com uma largura de banda maior do que 500 MHz ou mais que 25% da frequência central do sinal. É uma tecnologia de rede sem fio para redes PAN. Além de ter um espectro de atuação amplo, o UWB transmite por rajadas de sinais. A combinação do modo de transmissão em rajadas com o amplo espalhamento de banda permite que o UWB consuma menos energia e alcance taxas de transmissão mais altas que o padrão Wi-Fi. As redes de cuidados médicos podem ser beneficiadas pela baixa densidade espectral de potência que a transmissão por UWB oferece. A potência do sinal transmitido é baixa o suficiente para ser segura aos seres humanos, mas ainda provê alcance de comunicação e taxa de dados razoáveis. Entretanto, o uso de sinais UWB em BANs sem fio implica no fato de que a transmissão seja feita por uma faixa de frequência que provavelmente já esteja em uso por outros sistemas sem fio. Isso requer que possíveis fontes de interferência sejam identificadas antes do projeto do sistema de monitoramento de saúde. O projeto do receptor UWB deve considerar as outras transmissões nas proximidades do transceptor, de modo a maximizar a razão sinal-ruído (SNR Signal-to-Noise Ratio). Além disso, se ambientes de hospitais forem considerados, em que diversos equipamentos elétricos estão presentes, a interferência por ruído de disparo é uma fonte de interferência para o sinal UWB. Essa interferência afeta o desempenho do receptor em termos do aumento da taxa de erro de bit [18]. 7) Wi-Fi: A tecnologia Wi-Fi é utilizada por produtos certificados que pertencem à classe de dispositivos de rede local sem fios (WLAN) baseados no padrão IEEE As aplicações de monitoramento médico requerem o relato de eventos de emergência, assim como das informações fisiológicas medidas periodicamente. Sob condições críticas, os dados de emergência devem ter seu relato garantido, com um atraso aceitável para o tipo de sinal específico. Para atender a essa necessidade, mecanismos de priorização de relato dos dados de emergência precisam ser desenvolvidos. Benhaddou et al. [19] propuseram um esquema de controle de acesso ao meio para cuidados médicos, que considera um algoritmo de agendamento de serviços sobre o padrão IEEE , para prover a mais alta precedência para o tráfego de emergência médica. Os autores descrevem a arquitetura geral e propõem um esquema de controle de acesso ao meio para redes de sensores de cuidados médicos, que adapta a alocação do canal de acordo com a necessidade da rede. Entretanto, os protocolos de relato de emergência devem também atender às restrições de consumo de energia das redes de sensores [3]. C. Redes de Sensores sem Fio Cognitivas Diversos protocolos disponíveis para telemedicina são baseados no funcionamento de redes de sensores sem fio no espectro não-licenciado. Um problema observado pelas redes que operam nessa parte do espectro é a dificuldade de incrementar a qualidade de serviço. Atualmente, o espectro nãolicenciado tem sido disputado por várias redes. A coexistência de múltiplas redes na mesma faixa espectral impõe desafios, e.g., utilização espectral, segurança e colisões de transmissão, o que configura um problema para sistemas de monitoramento em redes de cuidados médicos, que devem prover tráfego com requisitos de QoS específicos [4]. O acesso espectral dinâmico é uma abordagem de comunicações de utilização espectral eficaz e promissora para redes de sensores sem fio de múltiplos saltos e com restrições de recursos, devido à sua característica de comunicação por ocorrência de eventos. Com o uso de rádios cognitivos o acesso espectral oportunista pode também auxiliar a implementação e manutenção de múltiplas redes de sensores sobrepostas e a eliminar colisões e atrasos excessivos [20]. O acréscimo das potencialidades do rádio cognitivo em redes de sensores sintetiza um novo paradigma, i.e., redes de sensores sem fio cognitivas (RSSFC) [21]. Em [4], os autores estudaram o desempenho do tráfego de aplicações de telemedicina em uma rede de sensores cognitiva. Eles apresentaram uma rede cognitiva infraestruturada para monitoramento médico, em que as estações base cognitivas identificam o espectro disponível e encaminham os dados para as estações de cuidados médicos associadas. Eles também propuseram estratégias para prover o tráfego de monitoramento periódico e de emergência em tempo real. Os resultados mostram que um desempenho satisfatório pode ser alcançado para o tráfego de telemedicina. Entretanto, os autores não consideram o impacto do sistema proposto em outros parâmetros de QoS, como a taxa de perda de pacote. Além disso, a operação baseada em infraestrutura pode ser inviável em redes de emergência, pois elas podem requerer capacidades de funcionamento ad hoc, como auto-organização, operação distribuída e auto-recuperação. Em [22], os autores apresentaram o protocolo LF-Ant Cognitivo, que é inspirado pelo comportamento de formigas e, por meio de uma capacidade cognitiva, elege os nós mais preparados para coordenar a operação de um grupo, em redes de cuidados médicos. O líder e o vice-líder de grupo colaboram para garantir a alocação dinâmica de recursos, de modo que os pacientes que apresentam os maiores graus de emergência devem ser privilegiados. A alocação dinâmica de recursos foi inspirada por experimentos com manipulação das pernas de formigas desérticas. Além disso, a diversidade em modulação cooperativa com sensoriamento espectral foi proposta para atuar de maneira adaptativa e ajudar no combate ao desvanecimento dos canais sem fio. Os resultados de simulação mostraram um decréscimo no tempo de atraso médio necessário para relatar os casos de emergência. Além disso, a taxa de perda de pacote foi também reduzida, princi-

6 50 REVISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO, VOL. 2, NO. 1, OUTUBRO 2012 palmente quando a diversidade em modulação cooperativa foi usada. IV. APLICAÇÕES Algumas aplicações observadas por meio do uso de redes de cuidados médicos são discutidas a seguir [5]: Monitoramento em áreas de desastre apesar de já existirem protocolos de triagem para serviços médicos de emergência, eles podem ter sua eficiência degradada à medida que o número de vítimas aumenta. A crescente portabilidade, escalabilidade e facilidade de implantação dos sistemas de sensoriamento sem fio podem ser usadas para automaticamente relatar os níveis de triagem das vítimas e continuamente rastrear o estado de saúde dos primeiros pacientes atendidos em um cenário de desastre, de maneira mais eficaz; Monitoramento de sinais vitais em hospitais o monitoramento sem fio é mais conveniente para os pacientes, além de aumentar a confiabilidade dos resultados de medição e relato. Além das medições e relato dos sinais vitais dos pacientes, as redes de cuidados médicos também são úteis para a identificação e localização eficaz de médicos e enfermeiros ao longo do hospital; Monitoramento residencial ou agregado às atividades cotidianas à medida que a população envelhece, as capacidades cognitiva, física e psicológica dos idosos variam, o que afeta a qualidade de vida. O monitoramento remoto pode auxiliar no correto diagnóstico e recuperação dos pacientes, principalmente se for realizado da maneira menos intrusiva possível. Medições sem fio na própria residência do paciente, ou em locais de trânsito comuns podem ser enviadas a centros de observação contínua, em que profissionais de saúde especializados devem ficar atentos a alterações e situações de alerta; Monitoramento da dosagem de medicamentos a quantidade correta de medicamento que um paciente deve utilizar em algum tratamento não deve ser desprezada. Entretanto, alterações de memória, desconhecimento ou falta de atenção podem resultar em um excesso ou falta da dosagem correta, o que pode levar a consequências graves de saúde. Por meio das redes de cuidados médicos é possível monitorar e atuar diretamente no controle da dosagem de medicamentos, posologia adequada e observação de reações; Localização de pacientes redes de cuidados médicos distribuídas por uma cidade podem rastrear pacientes em desordens psíquicas, ou com ocorrências de sonambulismo. A conexão entre redes diferentes pode habilitar a utilização de redes de menor porte como redes PAN, em uma comunicação por múltiplos saltos até uma central de monitoramento. Por outro lado, sensores de presença e localização por GPS podem ser acoplados ao corpo do paciente, o que permite um monitoramento em maior escala; V. CONSIDERAÇÕES FINAIS As últimas décadas têm apresentado uma demanda crescente por qualidade e quantidade de serviços de cuidados médicos, devido ao aumento da população idosa, de doenças crônicas e da preocupação das sociedades com a saúde. Os indivíduos têm dedicado uma maior atenção para a prevenção e detecção prévia de riscos. O futuro dos serviços de cuidados médicos terá como vertente a transição de serviços centralizados de saúde, providos em consultórios médicos, clínicas e hospitais, para serviços contínuos de monitoramento ubíquo e pervasivo. A demanda por serviços de saúde pró-ativos e mais completos têm crescido. O monitoramento por longo prazo de sinais biomédicos para possibilitar o diagnóstico prévio de doenças representa um aspecto importante entre as tendências dos serviços de saúde. Além disso, existe a necessidade de diminuir os custos causados pelas mudanças demográficas de sociedades com maiores expectativas de vida. Por meio de serviços de cuidados médicos utilizados nas próprias residências, em que o custo financeiro é menor do que em clínicas e hospitais, a necessidade por investimentos em instalação e manutenção parecem diminuir, ao mesmo em tempo que a qualidade de vida aumenta. AGRADECIMENTOS Os autores agradecem o apoio da UFCG, UPE e CNPq. REFERÊNCIAS [1] H. F. Rashvand, V. T. Salcedo, E. M. Sánchez and D. Iliescu. Ubiquitous Wireless Telemedicine. IET Communications, vol. 2, no. 2, pp , [2] S. G. E. Khouri. Telemedicina: Análise da sua Evolução no Brasil. Dissertação de mestrado, Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP, [3] H. Alemdar and C. Ersoy. Wireless Sensor Networks for Healthcare: A Survey. Computer Networks, vol. 54, pp , October [4] S. Feng, Z. Liang and D. Zhao. Providing Telemedicine Services in an Infrastructure-based Cognitive Radio Network. IEEE Wireless Communications, vol. 17, no. 1, pp , [5] J. Ko, C. Lu, M. B. Srivastava, J. Stankovic, A. Terzis and M. Welsh. Wireless Sensor Networks for Healthcare. Proceedings of the IEEE, vol. 98, no. 11, pp , nov [6] D. Malan, T. Fulford-Jones, M. Welsh and S. Moulton. CodeBlue: An Ad Hoc Sensor Network Infrastructure for Emergency Medical Care. In International Workshop on Wearable and Implantable Body Sensor Networks, [7] C. Bachmann, M. Ashouei, V. Pop, M. Vidojkovic, H. Groot and B. Gyselinckx. Low-Power Wireless Sensor Nodes for Ubiquitous Long-Term Biomedical Signal Monitoring. IEEE Communications Magazine, vol. 50, pp , [8] J. Ko, J. H. Lim, Y. Chen, R. Musvaloiu-E, A. Terzis, G. M. Masson, T. Gao, W. Destler, L. Selavo and R. P. Dutton. MEDiSN: Medical Emergency Detection in Sensor Networks. ACM Transactions on Embedded Computing Systems (TECS), vol. 10, no. 1, pp. 1 29, August [9] M. Cavalcante and M. P. Sousa. Avaliação de Desempenho de um Protocolo de Segurança para Sistemas RFID. In XXX Simpósio Brasileiro de Telecomunicações (SBrT 12), Centro de Convenções Ulysses Guimarães, Brasília, DF, [10] M. Chen, S. Gonzalez, V. Leung, Q. Zhang and M. Li. A 2G-RFID- Based E-Healthcare System. IEEE Wireless Communications, vol. 17, no. 1, pp , february [11] A. Marcus, G. Davidzon, D. Law, N. Verma, R. Fletcher, A. Khan and L. Sarmenta. Using NFC-Enabled Mobile Phones for Public Health in Developing Countries. In Proceedings of the 2009 First International Workshop on Near Field Communication, NFC 09, pp , Washington, DC, USA, IEEE Computer Society.

7 REVISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO, VOL. 2, NO. 1, OUTUBRO [12] M. Chen, S. Gonzalez, A. Vasilakos, H. Cao and V. C. Leung. Body Area Networks: A Survey. Mobile Networks and Applications, vol. 16, no. 2, pp , [13] A. Milenkovic, C. Otto and E. Jovanov. Wireless Sensor Networks for Personal Health Monitoring: Issues and an implementation. Computer Communications (Special issue: Wireless Sensor Networks: Performance, Reliability, Security, and Beyond), vol. 29, pp , [14] J. Polastre, R. Szewczyk and D. Culler. Telos: Enabling Ultra-Low Power Wireless Research. In Proceedings of the 4th International Symposium on Information Processing in Sensor Networks, IPSN 05, Piscataway, NJ, USA, IEEE Press. [15] D. Konstantas and R. Herzog. Continuous Monitoring of Vital Constants for Mobile Users: the MobiHealth Approach. In Annual International Conference of the IEEE Engineering in Medicine and Biology Society, volume 4, [16] N. Belgacem and F. Bereksi-Reguig. Bluetooth Portable Device for ECG and Patient Motion Monitoring. Nature and Technology, vol. 04, pp , [17] M. Krishna and P. Priya. Remote Wireless Health Care Monitoring System Using ZigBee. International Journal of Engineering Research and Technology (IJERT), vol. 1, pp. 1 4, [18] M. Hamalainen, A. Taparugssanagorn, R. Tesi and J. Iinatti. Wireless Medical Communications Using UWB. In IEEE International Conference on Ultra-Wideband (ICUWB 09), [19] D. Benhaddou, M. Balakrishnan and X. Yuan. Remote Healthcare Monitoring System Architecture using Sensor Networks. In IEEE Region 5 Conference, pp. 1 6, april [20] M. P. Sousa, R. F. Lopes, W. T. A. Lopes and M. S. Alencar. Redes Cognitivas: Um Novo Paradigma para as Comunicações Sem Fio. In Minicursos do XXVIII Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores e Sistemas Distribuídos, edited by C. A. Kamienski, L. P. Gaspary and M. P. Barcellos, chapter 4, pp Sociedade Brasileira de Computação, Porto Alegre, RS, [21] O. Akan, O. Karli and O. Ergul. Cognitive Radio Sensor Networks. IEEE Network, vol. 23, no. 4, pp , [22] M. Sousa, W. Lopes, F. Madeiro and M. Alencar. Cognitive LF-Ant: A Novel Protocol for Healthcare Wireless Sensor Networks. Sensors, vol. 12, no. 8, pp , 2012.

Visão geral das redes sem fio

Visão geral das redes sem fio Visão geral das redes sem fio 1 - Introdução O termo redes de dados sem fio pode ser utilizado para referenciar desde dispositivos de curto alcance como o Bluetooth à sistemas de altas taxas de transmissão

Leia mais

Introdução à Computação Móvel. Carlos Maurício Seródio Figueiredo

Introdução à Computação Móvel. Carlos Maurício Seródio Figueiredo Introdução à Computação Móvel Carlos Maurício Seródio Figueiredo Sumário Visão da Computação Móvel Oportunidades de Pesquisa Alguns Interesses de Pesquisas Futuras Visão da Computação Móvel O que é Computação

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Roteiro de Estudos Redes PAN II O Portal Teleco apresenta periodicamente Roteiros de Estudo sobre os principais temas das Telecomunicações. Os roteiros apresentam uma sugestão de tutoriais publicados para

Leia mais

LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS

LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS INTRODUÇÃO: Entende-se por Mobilidade a possibilidade de poder se comunicar em qualquer momento e de qualquer lugar. Ela é possível graças às redes wireless, que podem

Leia mais

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf.

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação Cap. 1 Introdução Prof. Eduardo Barrére eduardo.barrere@ice.ufjf.br Material Base: Marcelo Moreno Dep. Ciência da Computação 1 Computação Móvel Computação

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

Projetos I Resumo de TCC. Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5

Projetos I Resumo de TCC. Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5 Projetos I Resumo de TCC Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5 MAD RSSF: Uma Infra estrutura de Monitoração Integrando Redes de Sensores Ad Hoc e uma Configuração de Cluster Computacional (Denise

Leia mais

Introdução a computação móvel. Middlewares para Rede de Sensores sem Fio. Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto

Introdução a computação móvel. Middlewares para Rede de Sensores sem Fio. Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto Introdução a computação móvel Monografia: Middlewares para Rede de Sensores sem Fio Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto Adriano Branco Agenda Objetivo do trabalho O que é uma WSN Middlewares

Leia mais

PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO

PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO Wilker Luiz Machado Barros¹, Wyllian Fressatti¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil wilkermachado1@hotmail.com,

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Roteiro de Estudos Redes PAN IV O Portal Teleco apresenta periodicamente Roteiros de Estudo sobre os principais temas das Telecomunicações. Os roteiros apresentam uma sugestão de tutoriais publicados para

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Sistemas Operacionais Abertos. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais Abertos. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Abertos Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Caracterização de Sistemas Distribuídos Coulouris, Dollimore and Kindberg. Distributed Systems: Concepts and

Leia mais

Redes de Computadores sem Fio

Redes de Computadores sem Fio Redes de Computadores sem Fio Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa Introdução

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Padrão 802.11 Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Arquitetura Wireless Wi-Fi

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Alocação Dinâmica de Recursos Bio-inspirada Aplicada a Redes de Cuidados Médicos

Alocação Dinâmica de Recursos Bio-inspirada Aplicada a Redes de Cuidados Médicos Alocação Dinâmica de Recursos Bio-inspirada Aplicada a Redes de Cuidados Médicos Marcelo P. Sousa, Waslon T. A. Lopes, Francisco Madeiro e Marcelo S. Alencar Resumo Neste artigo, os autores apresentam

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos

Tipos de Sistemas Distribuídos (Sistemas de Informação Distribuída e Pervasivos) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

TEORIA GERAL DE SISTEMAS

TEORIA GERAL DE SISTEMAS TEORIA GERAL DE SISTEMAS A Internet global A World Wide Web Máquinas de busca Surgiram no início da década de 1990 como programas de software relativamente simples que usavam índices de palavras-chave.

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 5 Conclusões 133

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 5 Conclusões 133 Capítulo 5 Conclusões 133 CAPÍTULO 5 CONCLUSÕES Neste capítulo são abordadas as conclusões traçadas no desenvolvimento e validação do SMD, e indicação de estudos futuros. Ressalta-se o atendimento aos

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS

ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS Fabiana da Silva Podeleski Faculdade de Engenharia Elétrica CEATEC podeleski@yahoo.com.br Prof. Dr. Omar Carvalho Branquinho Grupo de Pesquisa

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

DESEMPENHO DE REDES. Fundamentos de desempenho e otimização de redes. Prof. Ulisses Cotta Cavalca

DESEMPENHO DE REDES. Fundamentos de desempenho e otimização de redes. Prof. Ulisses Cotta Cavalca <ulisses.cotta@gmail.com> DESEMPENHO DE REDES Fundamentos de desempenho e otimização de redes Prof. Ulisses Cotta Cavalca Belo Horizonte/MG 2015 Sumário 1. Introdução 2. Gerência de redes 3. Fundamentos

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

3 Trabalhos Relacionados

3 Trabalhos Relacionados 35 3 Trabalhos Relacionados Alguns trabalhos se relacionam com o aqui proposto sob duas visões, uma sobre a visão de implementação e arquitetura, com a utilização de informações de contexto em SMA, outra

Leia mais

WPAN ZigBee & Bluetooth SDIC Cap6. Redes Sem Fios

WPAN ZigBee & Bluetooth SDIC Cap6. Redes Sem Fios Redes Sem Fios As recomendações do IEEE (Institute of Electrical and Eletronics Engineers), particularmente as recomendações da série IEEE 802.11, são os exemplos mais conhecidos para os padrões de redes

Leia mais

Voz em ambiente Wireless

Voz em ambiente Wireless Voz em ambiente Wireless Mobilidade, acesso sem fio e convergência são temas do momento no atual mercado das redes de comunicação. É uma tendência irreversível, que vem se tornando realidade e incorporando-se

Leia mais

Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis

Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis Henrique Tinelli Engenheiro de Marketing Técnico NI Nesta apresentação, iremos explorar: Plataforma NI CompactDAQ Distribuída Sistemas de Medição

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Tanenbaum, Redes de Computadores, Cap. 1.2 AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15.3 Escravo é um

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTL 16 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS

Leia mais

Comunicação Sem Fio (Somente em Determinados Modelos)

Comunicação Sem Fio (Somente em Determinados Modelos) Comunicação Sem Fio (Somente em Determinados Modelos) Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos.

Leia mais

Gestão de Armazenamento

Gestão de Armazenamento Gestão de Armazenamento 1. Introdução As organizações estão se deparando com o desafio de gerenciar com eficiência uma quantidade extraordinária de dados comerciais gerados por aplicativos e transações

Leia mais

Wireless Mesh Networks

Wireless Mesh Networks Wireless Mesh Networks Redes Mesh se configuram e se organizam automaticamente, com seus nós estabelecendo uma conexão ad hoc e mantendo a conectividade em malha. Isanio Lopes Araujo Santos Paradoxo: pontos

Leia mais

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.br RESUMO A tele-medição de

Leia mais

Guia das Cidades Digitais

Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 4: Tecnologia Wi-Fi INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 Este módulo trata da tecnologia de acesso sem fio mais amplamente

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Composição Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Aterramento Fio de boa qualidade A fiação deve ser com aterramento neutro (fio Terra) trabalhando em tomadas tripolares Fio negativo,

Leia mais

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino <filipe.raulino@ifrn.edu.br> Introdução Redes de Computadores Filipe Raulino Introducão A comunicação sempre foi uma necessidade básica da humanidade. Como se comunicar a distância? 2 Evolução da Comunicação

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Introdução

Sistemas Distribuídos. Introdução Sistemas Distribuídos Introdução Definição Processos Um sistema distribuído é um conjunto de computadores independentes, interligados por uma rede de conexão, executando um software distribuído. Executados

Leia mais

Doenças cardiovasculares constituem um dos maiores problemas que afligem a

Doenças cardiovasculares constituem um dos maiores problemas que afligem a 18 1 INTRODUÇÃO Doenças cardiovasculares constituem um dos maiores problemas que afligem a população dos países industrializados. Essas doenças são responsáveis por mais de cinco milhões de pessoas hospitalizadas

Leia mais

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes Introdução ao Gerenciamento de Redes O que é Gerenciamento de Redes? O gerenciamento de rede inclui a disponibilização, a integração e a coordenação de elementos de hardware, software e humanos, para monitorar,

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

Comunicação sem fio (somente para determinados modelos)

Comunicação sem fio (somente para determinados modelos) Comunicação sem fio (somente para determinados modelos) Guia do Usuário Copyright 2006 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft e Windows são marcas registradas da Microsoft Corporation nos

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I Introdução a Redes de Computadores Prof. Esbel Tomás Valero Orellana Usos de Redes de Computadores Uma rede de computadores consiste de 2 ou mais computadores e/ou dispositivos

Leia mais

InSight* Soluções no Gerenciamento do Conhecimento. Descrição e Uso. Boletim Técnico de Produto

InSight* Soluções no Gerenciamento do Conhecimento. Descrição e Uso. Boletim Técnico de Produto Boletim Técnico de Produto InSight* Soluções no Gerenciamento do Conhecimento As aplicações de água e processo geram ou afetam diretamente grandes quantidades de dados operacionais, que podem ser de natureza

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais

1 INTRODUÇÃO Internet Engineering Task Force (IETF) Mobile IP

1 INTRODUÇÃO Internet Engineering Task Force (IETF) Mobile IP 1 INTRODUÇÃO Devido ao crescimento da Internet, tanto do ponto de vista do número de usuários como o de serviços oferecidos, e o rápido progresso da tecnologia de comunicação sem fio (wireless), tem se

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Gerência e Administração de Redes

Gerência e Administração de Redes Gerência e Administração de Redes IFSC UNIDADE DE SÃO JOSÉ CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE DE TELECOMUNICAÇÕES! Prof. Tomás Grimm Agenda! Apresentação da disciplina! Introdução! Tipos de Gerência! Ferramentas

Leia mais

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Gerência de Redes Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Plano de Aula Histórico Introdução Gerenciamento de Redes: O que é Gerenciamento de Redes? O que deve ser gerenciado Projeto de Gerenciamento

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK)

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) 1. VPN Segundo TANENBAUM (2003), VPNs (Virtual Private Networks) são redes sobrepostas às redes públicas, mas com

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES MEMÓRIAS DE AULA AULA 1 APRESENTAÇÃO DO CURSO, HISTÓRIA, EQUIPAMENTOS E TIPOS DE REDES Prof. José Wagner Bungart CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Definição de Redes de Computadores e Conceitos

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes de comunicação. de Dados. Network) Area. PAN (Personal( Redes de. de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes de comunicação. de Dados. Network) Area. PAN (Personal( Redes de. de dados Fundamentos de Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Faculdades SENAC Análise e Desenvolvimento de Sistemas 12 de agosto de 2010 Um sistema no qual componentes localizados em redes, se comunicam e coordenam suas ações somente por passagem de mensagens. Características:

Leia mais

7 Utilização do Mobile Social Gateway

7 Utilização do Mobile Social Gateway 7 Utilização do Mobile Social Gateway Existem três atores envolvidos na arquitetura do Mobile Social Gateway: desenvolvedor do framework MoSoGw: é o responsável pelo desenvolvimento de novas features,

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network)

Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network) Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network) 1. Objeto: 1.1. Contratação de uma Solução de rede de comunicação local (LAN) para interligar diferentes localidades físicas e os segmentos de

Leia mais

Telemetria para Medição de Consumo Especificações Técnicas

Telemetria para Medição de Consumo Especificações Técnicas Página: 2 / 5 Telemetria para Medição de Consumo Introdução Este documento apresenta as características técnicas da solução de telemetria do consumo de água, gás e energia (e outros medidores com saída

Leia mais

REDES SEM FIO. Prof. Msc. Hélio Esperidião

REDES SEM FIO. Prof. Msc. Hélio Esperidião REDES SEM FIO Prof. Msc. Hélio Esperidião WIRELESS O termo wireless, significa sem fio, possui alguns sinônimos tais como: Rede sem fio Comunicação sem fio Computação Móvel Wi-FI? WI-FI? Wi-Fié uma marca

Leia mais

Advanced Wireless Networks Overview & Configuration. Workshop by Nicola Sanchez

Advanced Wireless Networks Overview & Configuration. Workshop by Nicola Sanchez Advanced Wireless Networks Overview & Configuration Workshop by Nicola Sanchez Microwave Wireless Telecom - Brasil Distribuidor Mikrotik no Brasil Fornecedor de Soluções em Redes Wireless Consultoria e

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações

Estrutura de um Rede de Comunicações Fundamentos de Profa.. Cristina Moreira Nunes Estrutura de um Rede de Comunicações Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação

Leia mais

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1 Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio slide 1 Objetivos de estudo Quais os principais componentes das redes de telecomunicações e quais as principais tecnologias de rede? Quais os principais

Leia mais

Bancos de Dados Móveis

Bancos de Dados Móveis Agenda Bancos de Dados Móveis Acadêmicas: Anete Terezinha Trasel Denise Veronez Introdução Banco de Dados Móveis (BDM) Projetos de BDM SGBD Móveis Conclusão Referências Bibliográficas Introdução Avanços

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

extras SOLO Estação Radio Base TETRA

extras SOLO Estação Radio Base TETRA Geyschlaegergasse 14, A-1150 Vienna, Austria, Europe +43/786 12 86-0 extras SOLO Estação Radio Base TETRA Utilidade Pública Indústria Governo Aeroportos Portos Transporte Segurança Pública 3T Communications

Leia mais

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof.

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof. Aula 04 Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware:

Leia mais

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose)

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) 1. Quais são os tipos de redes de computadores e qual a motivação para estudá-las separadamente? Lan (Local Area Networks) MANs(Metropolitan Area Networks) WANs(Wide

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Eriko Carlo Maia Porto UNESA Universidade Estácio de Sá eriko_porto@uol.com.br Última revisão Julho/2003 REDES DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO Década de 50 introdução dos

Leia mais

Proposta de uma técnica de controle para o Monitoramento Remoto de Sinais vitais em sistemas embarcados

Proposta de uma técnica de controle para o Monitoramento Remoto de Sinais vitais em sistemas embarcados 317 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação Proposta de uma técnica de controle para o Monitoramento Remoto de Sinais vitais em sistemas embarcados Poliana Francibele de Oliveira Pereira, Alexandre

Leia mais

Computação em Nuvem: Riscos e Vulnerabilidades

Computação em Nuvem: Riscos e Vulnerabilidades Computação em Nuvem: Riscos e Vulnerabilidades Bruno Sanchez Lombardero Faculdade Impacta de Tecnologia São Paulo Brasil bruno.lombardero@gmail.com Resumo: Computação em nuvem é um assunto que vem surgindo

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 A arquitetura de redes tem como função

Leia mais

MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA

MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA Através dos elementos que fazem parte do projeto do sistema é que podemos determinar quais as partes do sistema que serão atribuídas às quais tipos

Leia mais

EAGLE Smart Wireless Solution. Implantar a manutenção condicional nunca foi tão simples. Brand of ACOEM

EAGLE Smart Wireless Solution. Implantar a manutenção condicional nunca foi tão simples. Brand of ACOEM EAGLE Smart Wireless Solution Implantar a manutenção condicional nunca foi tão simples Brand of ACOEM Com o EAGLE, a ONEPROD oferece a solução de monitoramento contínuo de manutenção condicional mais fácil

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

EDIFÍCIO INTELIGENTE CONCEITO E COMPONENTES

EDIFÍCIO INTELIGENTE CONCEITO E COMPONENTES 1 EDIFÍCIO INTELIGENTE CONCEITO E COMPONENTES Dr. Paulo Sérgio Marin, Engº. paulo_marin@paulomarinconsultoria.eng.br 1. Conceito de Edifíco Inteligente Um edifício inteligente pode ser definido como aquele

Leia mais

Conexão Sem Fio Guia do Usuário

Conexão Sem Fio Guia do Usuário Conexão Sem Fio Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos. Bluetooth é marca comercial dos respectivos

Leia mais

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES O sistema digital de radiocomunicação será constituído pelo Sítio Central, Centro de Despacho (COPOM) e Sítios de Repetição interligados

Leia mais

CONTROLE DE DISPOSITIVOS EM REDE SEM FIO INTELIGENTE NO PADRAO DE COMUNICAÇAO ZIGBEE (IEEE 802.15.4)

CONTROLE DE DISPOSITIVOS EM REDE SEM FIO INTELIGENTE NO PADRAO DE COMUNICAÇAO ZIGBEE (IEEE 802.15.4) 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CONTROLE DE DISPOSITIVOS EM REDE SEM FIO INTELIGENTE NO PADRAO DE COMUNICAÇAO ZIGBEE (IEEE 802.15.4) Saulo Menechine 1, Munif Gebara Junior 2 RESUMO: Com

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA 1 Banda Estreita A conexão de banda estreita ou conhecida como linha discada disponibiliza ao usuário acesso a internet a baixas velocidades,

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento)

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) Disciplina: Gerência de Redes Professor: Jéferson Mendonça de Limas 5º Semestre AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) 2014/1 Agenda de Hoje Evolução da Gerência

Leia mais

Aplicações e Serviços Baseados em Localização

Aplicações e Serviços Baseados em Localização Aplicações e Serviços Baseados em Localização Introdução à Computação Móvel Adolfo Correia Sumário Introdução Taxonomia de Aplicações Arquitetura Técnicas de Localização Conclusão Introdução Integram a

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

Dinâmicas de Acesso ao Espectro

Dinâmicas de Acesso ao Espectro Redes Cognitivas com Oportunidades Dinâmicas de Acesso ao Espectro Defesa de Tese Marcel William Rocha da Silva Orientador: José Ferreira de Rezende Roteiro Introdução e motivação Rádios cognitivos Oportunidades

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

Redes Cognitivas: Um Novo Paradigma para as Comunicações Sem Fio

Redes Cognitivas: Um Novo Paradigma para as Comunicações Sem Fio Redes Cognitivas: Um Novo Paradigma para as Comunicações Sem Fio Prof. Rafael Fernandes Lopes, D.Sc. Instituto Federal do Maranhão IFMA Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação (PPGCC) Universidade

Leia mais

TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS

TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA

Leia mais

Rede GlobalWhitepaper

Rede GlobalWhitepaper Rede GlobalWhitepaper Janeiro 2015 Page 1 of 8 1. Visão Geral...3 2. Conectividade Global, qualidade do serviço e confiabilidade...4 2.1 Qualidade Excepcional...4 2.2 Resiliência e Confiança...4 3. Terminais

Leia mais

Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk. Camada Física: Redes Sem Fio. Equipamentos de Rede. O que já conhecemos.

Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk. Camada Física: Redes Sem Fio. Equipamentos de Rede. O que já conhecemos. Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Redes Sem Fio Equipamentos de Rede O que já conhecemos. Cabos; Atenas; Tipos de transmissão; 1 O que vamos conhecer. Equipamentos

Leia mais