1. StarUML - UML/MDA Plataform

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. StarUML - UML/MDA Plataform"

Transcrição

1 Sumário 1. StarUML - UML/MDA Plataform Criando Perfis no StarUML Criando o perfil GeoProfile Aplicando o Perfil GeoProfile StarUML - UML/MDA Plataform Star UML (STAR UML, 2010) é uma ferramenta CASE de código aberto (opensource) e está sob a licença GPL (General Public License). Ela dá suporte à modelagem de sistemas utilizando os diagramas da UML2 e também à MDA, com definições de transformações para algumas plataformas específicas. É permitida também a importação/exportação de modelos utilizando o formato XMI. Área de trabalho do StarUML A especificação de perfis UML na ferramenta é feita de forma diferente das outras ferramentas analisadas. Não há uma forma visual de se implementar perfis. É 1

2 necessário escrever o código do perfil em um documento XML, salvar o arquivo com a extensão.prf e colocá-lo em um dos diretórios de instalação da ferramenta. A seguir será mostrado passo a passo o processo de criação e um exemplo de utilização do perfil GeoProfile para modelagem de banco de dados geográficos. Lembrando que este tutorial foi feito utilizando a versão 5.0 da ferramenta. 2. Criando Perfis no StarUML Neste tutorial vamos focar apenas nos elementos XML que serão úteis na criação do perfil Geoprofile. A estrutura básica de um documento XML para se criar um perfil para o StarUML é mostrado a seguir: <?xml version= 1.0 encoding=...?> <PROFILE version="..."> <HEADER>... </HEADER> <BODY>... </BODY> </PROFILE> Onde a seção <HEADER> define a descrição do perfil e <BODY> é o corpo do perfil em si, onde serão definidos os estereótipos, classes, atributos e tipos de dados do perfil. A seção <HEADER> pode conter os seguintes elementos: <HEADER> <NAME>...</NAME> <DISPLAYNAME>...</DISPLAYNAME> <DESCRIPTION>... <AUTOINCLUDE>...</AUTOINCLUDE> </HEADER> NAME: Contêm o nome do perfil. DISPLAYNAME: Esta é a legenda usada no diálogo do perfil e outras interfaces com o usuário. DESCRIPTION: Contém a descrição do perfil. AUTOINCLUDE: Especifica se inclui o perfil automaticamente quando cria novo projeto. A seção <BODY> pode conter os seguintes elementos: <BODY> <STEREOTYPELIST>... </STEREOTYPELIST> <TAGDEFINITIONSETLIST> 2

3 ... </TAGDEFINITIONSETLIST> </BODY> STEREOTYPELIST: Lista dos estereótipos do perfil. Para definição de estereótipos veja a seção de TAGDEFINITIONSETLIST: Define múltiplas definições de tag. Para definição de tag veja a seção <TAGDEFINITIONSET>. DATATYPELIST: Define múltiplos tipos de dados. Para definição de tipos de dados veja a seção <DATATYPE> A seção define as informações do estereótipo e a estrutura de herança, pode conter os seguintes elementos: <NAME>...</NAME> <DESCRIPTION>... <BASECLASS>...</BASECLASS>... <PARENT>...</PARENT> <RELATEDTAGDEFINITIONSET>...</RELATEDTAGDEFINITIONSET> <ICON>...</ICON> NAME: Nome do estereótipo. DESCRIPTION: Descrição do estereótipo. BASECLASSES: Pode conter nomes de múltiplos elementos UML que podem ser aplicados ao estereótipo. O nome dos elementos usados aqui <BASECLASS> são os nomes dos elementos UML (UMLClass, UMLAssociation, UMLClassifier, UMLAttribute, UMLPackage, UMLAbstractClass... ). Nota: Se o nome de uma classe abstrata como UMLClassifier é usado, todos os elementos herdados desta serão aplicados. Se o estereótipo de nível superior (elemento pai) é definido, esta seção não será definida; qualquer definição desta seção é ignorada e o valor BASECLASSES do estereótipo de nível superior é aplicado. PARENT: O estereótipo pode ter relacionamento do tipo herança. O elemento PARENT contêm o nome do elemento pai do estereótipo. RELATEDTAGDEFINITIONSET: Contém o nome do TagDefinitionSet relacionado com o estereótipo (nome do conjunto de atributos do estereótipo). 3

4 ICON: Um estereótipo pode também ser indicado por um ícone. Este elemento contêm o nome do arquivo do ícone para o estereótipo. O arquivo do ícone deve estar localizado no mesmo diretório que o documento do perfil. A seção <TAGDEFINITIONSET> define um conjunto de TaggedValues que poderão ser relacionados a um estereótipo, este possui a seguinte estrutura: <TAGDEFINITIONSET> <NAME>...</NAME> <BASECLASS>...</BASECLASS>... <TAGDEFINITIONLIST>... </TAGDEFINITIONLIST> </TAGDEFINITIONSET> NAME: Nome do conjunto de TagDefinition. Se a TagDefinition é interessada a um estereótipo específico, é aconselhado usar o nome do estereótipo. BASECLASSES: Contém os nomes dos elementos UML a serem aplicados no TagDefinitionSet. TAGDEFINITIONLIST: Contém múltiplas definições de tags incluídas no conjunto. Veja a seção <TAGDEFINITION>. A seção <TAGDEFINITION> define um TaggedValue de um conjunto de listas de tags. Possui a seguinte estrutura: <TAGDEFINITION lock=... > <NAME>...</NAME> <TAGTYPE>...</TAGTYPE> <DEFAULTDATAVALUE>...</DEFAULTDATAVALUE> <LITERALS> <LITERAL>...</LITERAL>... </LITERALS> </TAGDEFINITION> lock (Elemento de TAGDEFINITION): Define se o valor da tag pode ou não ser alterado pelo usuário. Pode ser True no caso de não poder sofrer alteração, ou False caso contrário. NAME: Nome da tag. Este tem que ser único dentro do conjunto de tags ao qual essa tag pertence (TagDefinitionSet). TAGTYPE: Define o tipo da tag. Este pode ser definido como sendo dos tipos: Integer, Boolean, Real, String, Enumeration, Reference ou Collection. DEFAULTDATAVALUE: Valor default da tag. 4

5 LITERALS: Define os literais <LITERAL> se o tipo da tag for Enumeration. Infelizmente, esta ferramenta não dá suporte à definição de constraints na linguagem OCL para os perfis. 3. Criando o perfil GeoProfile O perfil GeoProfile é mostrado na figura abaixo. Estereótipos do GeoProfile Com esta definição e os elementos XML definidos acima, podemos agora criar o perfil GeoProfile para ser utilizado na ferramenta StarUML. Lembrando que o arquivo com o código XML deve ser salvo com a extensão.prf O código XML do GeoProfile é mostrado abaixo. <?xml version="1.0" encoding="utf-8"?> <PROFILE version="1.0"> <HEADER> <NAME>GeoProfile</NAME> <DISPLAYNAME>GeoProfile</DISPLAYNAME> <DESCRIPTION>GeoDB conceptual modeling </HEADER> <BODY> <STEREOTYPELIST> <NAME>GeoObject</NAME> <DESCRIPTION>Object view. <BASECLASS>UMLAbstractClass</BASECLASS> 5

6 <NAME>Point</NAME> <DESCRIPTION>Indicate a Point. <PARENT>GeoObject</PARENT> <ICON>Point.bmp</ICON> <NAME>Line</NAME> <DESCRIPTION>Indicate a Line. <PARENT>GeoObject</PARENT> <ICON>Line.bmp</ICON> <NAME>Polygon</NAME> <DESCRIPTION>Indicate a Polygon. <PARENT>GeoObject</PARENT> <ICON>Polygon.bmp</ICON> <NAME>ComplexSpatialObj</NAME> <DESCRIPTION>Indicate a Complex Object. <PARENT>GeoObject</PARENT> <ICON>ComplexSpatialObj.bmp</ICON> <NAME>GeoField</NAME> <DESCRIPTION>Object view. <BASECLASS>UMLAbstractClass</BASECLASS> <NAME>TIN</NAME> <DESCRIPTION>Indicate a Triangular Irregular Network. <PARENT>GeoField</PARENT> <ICON>TIN.bmp</ICON> <NAME>Isolines</NAME> <DESCRIPTION>Indicate Isolines. 6

7 <PARENT>GeoField</PARENT> <ICON>Isolines.bmp</ICON> <NAME>GridOfCells</NAME> <DESCRIPTION>Indicate a Grid Of Cells. <PARENT>GeoField</PARENT> <ICON>GridOfCells.bmp</ICON> <NAME>GridOfPoints</NAME> <DESCRIPTION>Indicate a Grid Of Points. <PARENT>GeoField</PARENT> <ICON>GridOfPoints.bmp</ICON> <NAME>IrregularPoints</NAME> <DESCRIPTION>Indicate Irregular Points. <PARENT>GeoField</PARENT> <ICON>IrregularPoints.bmp</ICON> <NAME>AdjPolygons</NAME> <DESCRIPTION>Indicate Adjacent Polygons. <PARENT>GeoField</PARENT> <ICON>AdjPolygons.bmp</ICON> <NAME>NetworkObj</NAME> <DESCRIPTION>Object view. <BASECLASS>UMLAbstractClass</BASECLASS> <NAME>Node</NAME> <DESCRIPTION>Indicate a Node. <PARENT>NetworkObj</PARENT> <ICON>Node.bmp</ICON> 7

8 <NAME>Arc</NAME> <DESCRIPTION>Object view. <BASECLASS>UMLAbstractClass</BASECLASS> <PARENT>NetworkObj</PARENT> <NAME>UnidirectionalArc</NAME> <DESCRIPTION>Indicate an Unidirectional Arc. <PARENT>Arc</PARENT> <ICON>UnidirectionalArc.bmp</ICON> <NAME>BidirectionalArc</NAME> <DESCRIPTION>Indicate a Bidirectional Arc. <PARENT>Arc</PARENT> <ICON>BidirectionalArc.bmp</ICON> <NAME>Network</NAME> <DESCRIPTION>Indicate a network. <ICON>Network.bmp</ICON> <NAME>TemporalObj</NAME> <DESCRIPTION>Indicate a Temporal object. <RELATEDTAGDEFINITIONSET>TemporalObj </RELATEDTAGDEFINITIONSET> <ICON>Temporal.bmp</ICON> <NAME>Touch</NAME> <DESCRIPTION>Indicate a Touch relationship. <BASECLASS>UMLAssociation</BASECLASS> <ICON>Touch.bmp</ICON> <NAME>In</NAME> <DESCRIPTION>Indicate an In relationship. 8

9 <BASECLASS>UMLAssociation</BASECLASS> <ICON>In.bmp</ICON> <NAME>Cross</NAME> <DESCRIPTION>Indicate a Cross relationship. <BASECLASS>UMLAssociation</BASECLASS> <ICON>Cross.bmp</ICON> <NAME>Overlap</NAME> <DESCRIPTION>Indicate a Overlap relationship. <BASECLASS>UMLAssociation</BASECLASS> <ICON>Overlap.bmp</ICON> <NAME>Disjoint</NAME> <DESCRIPTION>Indicate a Disjoint relationship. <BASECLASS>UMLAssociation</BASECLASS> <ICON>Disjoint.bmp</ICON> <NAME>Temporal</NAME> <DESCRIPTION>Indicate a Temporal relationship. <BASECLASS>UMLAssociation</BASECLASS> <ICON>Temporal.bmp</ICON> </STEREOTYPELIST> <TAGDEFINITIONSETLIST> <TAGDEFINITIONSET> <NAME>TemporalObj</NAME> <BASECLASS>UMLAttribute</BASECLASS> <TAGDEFINITIONLIST> <TAGDEFINITION lock="false"> <NAME>temporalPrimitive</NAME> <TAGTYPE>Enumeration</TAGTYPE> <DEFAULTDATAVALUE>instant </DEFAULTDATAVALUE> <LITERALS> <LITERAL>instant</LITERAL> <LITERAL>interval</LITERAL> </LITERALS> </TAGDEFINITION> <TAGDEFINITION lock="false"> 9

10 <NAME>temporalType</NAME> <TAGTYPE>Enumeration</TAGTYPE> <DEFAULTDATAVALUE>valid_time </DEFAULTDATAVALUE> <LITERALS> <LITERAL>valid_time</LITERAL> <LITERAL>transaction_time </LITERAL> <LITERAL>bitemporal</LITERAL> </LITERALS> </TAGDEFINITION> </TAGDEFINITIONLIST> </TAGDEFINITIONSET> </TAGDEFINITIONSETLIST> </BODY> </PROFILE> Agora basta copiar o código XML acima para um editor de texto de sua preferência e salvá-lo com a extensão.prf para que este possa ser reconhecido pelo StarUML. Para o perfil ser reconhecido automaticamente, devemos colocá-lo em um subdiretório da ferramenta: <diretório de instalação>\modules. O StarUML procura e lê os perfis que estão na pasta modules no seu diretório de instalação e os registra automaticamente quando o programa é iniciado. Caso o arquivo do perfil seja inválido ou sua extensão não seja.prf, o programa irá ignorar o arquivo. É aconselhável criar-se uma nova pasta dentro do subdiretório modules contendo os arquivos do perfil, arquivo.prf e ícones. Note que na figura acima o caminho até o diretório desejado é: C:\Arquivos de Programas\StarUML\modules Que é o diretório padrão de instalação do sistema operacional utilizado. 10

11 Logo, para nosso perfil GeoProfile ser reconhecido pela ferramenta, basta criarmos uma nova pasta neste subdiretório, vamos chamá-la staruml-geoprofile. Agora, basta copiarmos os arquivos do perfil (.prf e ícones) para esta pasta do perfil. Agora basta iniciarmos o StarUML para que o perfil seja reconhecido automaticamente pela ferramenta. Note que, após iniciarmos o programa, na aba inferior Output, aparecerá a mensagem The Profile GeoProfile is loaded successfully informando que o perfil foi carregado corretamente. Se esta mensagem não aparecer é porque houve algum erro ao criar o perfil. 11

12 Perceba também que agora na opção de adição de perfis Model -> Profile -> Profile Manager, o GeoProfile estará disponível para ser adicionado à sua aplicação. 4. Aplicando o Perfil GeoProfile Com o perfil criado e disponível para uso na ferramenta, podemos utilizá-lo em nossa modelagem de classes geográficas. Para utilizar o perfil comece criando um novo modelo. Ao iniciar a ferramenta escolha a opção Empty Project. Caso a janela abaixo não apareça no inicio da aplicação você pode ir em: File -> New Project. 12

13 Para criarmos uma aplicação utilizando o GeoProfile precisamos primeiro adicioná-lo ao modelo, para isto, vá em Model -> Profiles e na janela que se segue adicione o perfil GeoProfile. Certifique-se também de que o perfil UML Standard Profile também esteja adicionado. Agora, na aba Model Explorer do lado superior direito selecione o objeto Untitled com um clique do botão direito do mouse e escolha a opção Add -> Design Model para criar um novo modelo de desenho em branco. 13

14 Para mudar o nome do modelo, selecione-o e utilize o campo Name da aba Properties. Agora vamos criar um novo diagrama de classes dentro deste modelo, para isto selecione o modelo criado anteriormente com o botão direito do mouse e escolha a opção Add Diagram -> Class Diagram. Dê um nome qualquer ao novo diagrama. 14

15 Agora é possível aplicarmos os estereótipos do GeoProfile nos elementos UML do diagrama criado anteriormente. Para testar o GeoProfile adicione um elemento Class, contido na aba Class do lado esquerdo, no diagrama. Tenha a classe selecionada, e na aba Properties vá em Stereotype. Uma janela com os estereótipos disponíveis para um elemento do tipo Class irá aparecer. Para esta aplicação apenas nos interessa os estereótipo do GeoProfile. 15

16 Note que, ao selecionarmos um estereótipo do GeoProfile, seu ícone será mostrado no campo Icon preview. Selecione um estereótipo qualquer e clique em OK para aplicá-lo a classe. Perceba que o nome do estereótipo será visualizado entre <<>> na parte superior da classe. 16

17 O StarUML só nos permite adicionar um estereótipo por elemento e nos permite visualizar os estereótipos na forma textual Textual, na forma de ícone Iconic ou ambos Decoration. Para alterar o tipo de visualização, selecione o objeto e na aba superior de opções selecione o tipo de visualização desejado na opção Stereotype Display. A visualização do estereótipo também pode ser alterada clicando com o botão direito do mouse sobre o objeto, na opção Format -> Stereotype Display. Como definido no perfil GeoProfile, estereótipos também podem ser aplicados a relacionamentos. Adicione mais uma classe ao modelo e um elemento Association entre elas. 17

18 Para aplicarmos um estereótipo a um elemento Association devemos proceder da mesma maneira descrita anteriormente para elementos do tipo Class. Perceba que agora os únicos estereótipos disponíveis são aqueles previamente definidos como sendo do tipo UMLAssociation no perfil. O StarUML só permite a visualização de estereótipos do tipo Association na forma textual, mesmo que tenham sido definidos ícones aos estereótipos. 18

19 Lembrando que o StarUML só permite a adição, e portanto visualização, de apenas um estereótipo por elemento, e também que esta ferramenta não dá suporte à definição de constraints na linguagem OCL para os perfis. Portanto, verificar a validade e consistência do modelo é de responsabilidade do projetista. Outro tipo de objeto geográfico que pode ser encontrado em nossas aplicações são os objetos temporais, definidos no GeoProfile como TemporalObj. Para este tipo de objeto foram definidos dois tagged values, temporaltype e temporalprimitive. Para definirmos seus valores, primeiro devemos adicionar uma classe no modelo com o estereótipo TemporalObj. O valor de cada tagged value para este tipo de objeto pode ser definido no campo Tagged Values com um clique do botão direito sobre a classe. 19

20 O valor de cada tagged value da classe poderá ser editado na janela Tagged Value Editor que aparece. Na definição do perfil mostrada anteriormente, foram escolhidos os valores instant como valor default para o campo temporalprimitive, e valid_time como valor default para o campo temporaltype. Por se tratar de uma ferramenta voltada para a criação de modelos utilizando a UML, outros elementos UML também podem ser adicionados ao modelo como pacotes, atributos, operações, tipos de dados, etc. As propriedades dos elementos adicionados no modelo podem ser alteradas na aba Properties, que contém todos os atributos do elemento selecionado na aba Model Explorer ou no próprio diagrama de desenho. 20

21 Com isto, já é possível criarmos um modelo UML para modelagem de banco de dados geográficos na ferramenta StarUML utilizando o GeoProfile. Um exemplo Escola utilizando este perfil é mostrado abaixo. Perceba que a as classes Cidade, Bairro e Escola possuem estereótipos do tipo <<point>> e <<polygon>>, isso mostra como a classe poderá ser representada em uma 21

22 aplicação geográfica. A classe Aluno, por sua vez, não possui estereótipo, por se tratar de uma classe sem representação geográfica, logo, será criada como um objeto Class comum sem aplicar nenhum estereótipo. Note que também foram aplicados estereótipos aos relacionamentos. O estereótipo <<in>> entre Bairro e Cidade mostra que topologicamente todo elemento Bairro está dentro de um elemento Cidade, o mesmo vale para o relacionamento entre Escola e Bairro. Não existe relacionamento topológico entre Aluno e Escola, logo, utilizamos apenas um relacionamento do tipo Association comum, sem aplicar nenhum estereótipo. O StarUML também permite a importação e exportação de modelos no formato XMI (XML Metadata Interchange). Na opção File -> Import/Export -> XMI o projetista pode exportar o modelo atual para o formato XMI ou importar um modelo já criado anteriormente. Mais informações sobre esta ferramenta podem ser encontradas no sítio: 22

1. Visual Paradigm for UML

1. Visual Paradigm for UML Sumário 1. Visual Paradigm for UML... 1 2. Criando o Perfil GeoProfile... 2 3. Adicionando Ícones aos Estereótipos... 10 4. Aplicando o perfil GeoProfile... 12 1. Visual Paradigm for UML Visual Paradigm

Leia mais

1. IBM Rational Software Modeler

1. IBM Rational Software Modeler Sumário 1. IBM Rational Software Modeler... 1 2. Criando o Perfil GeoProfile... 2 3. Adicionando Restrições OCL... 9 4. Adicionando Ícones aos Estereótipos... 13 5. Aplicando o Perfil GeoProfile... 14

Leia mais

1. Papyrus UML2 Modeler

1. Papyrus UML2 Modeler Sumário 1. Papyrus UML2 Modeler... 1 2. Criando o Perfil GeoProfile... 2 3. Adicionando Restrições OCL... 11 4. Adicionando Ícones aos Estereótipos... 15 5. Aplicando o Perfil GeoProfile... 17 1. Papyrus

Leia mais

Aprenda como instalar o plugin EclipseUML no Eclipse e como utilizá-lo para fazer engenharia reversa de seu código-fonte.

Aprenda como instalar o plugin EclipseUML no Eclipse e como utilizá-lo para fazer engenharia reversa de seu código-fonte. Omondo EclipseUML Ricardo Rodrigues Lecheta Aprenda como instalar o plugin EclipseUML no Eclipse e como utilizá-lo para fazer engenharia reversa de seu código-fonte. Introdução Neste tutorial será apresentado

Leia mais

Tutorial para atividades do Trabalho Prático da disciplina DCC 603 Engenharia de Software

Tutorial para atividades do Trabalho Prático da disciplina DCC 603 Engenharia de Software Tutorial para atividades do Trabalho Prático da disciplina DCC 603 Engenharia de Software Antes de iniciar o tutorial, baixar os seguintes arquivos da página do Prof. Wilson: Plataforma reutilizável: http://homepages.dcc.ufmg.br/~wilson/praxis/3.0/praxis.zip

Leia mais

Tutorial Vindula Gestão de layout Vindula

Tutorial Vindula Gestão de layout Vindula Tutorial Vindula Gestão de layout Vindula 2 Sumário Ativando o modo administrador...3 O Painel de controle...3 Editando as cores do seu portal de Intranet...3 Footer (Rodapé)...5 Menu...6 Header (Cabeçalho)...7

Leia mais

Manual da Ferramenta Metadata Editor

Manual da Ferramenta Metadata Editor 4 de março de 2010 Sumário 1 Introdução 3 2 Objetivos 3 3 Visão Geral 3 3.1 Instalação............................. 3 3.2 Legenda.............................. 4 3.3 Configuração Inicial........................

Leia mais

( JUDE Community 5.1 2006/2007 ) Por Denize Terra Pimenta Outubro/2007

( JUDE Community 5.1 2006/2007 ) Por Denize Terra Pimenta Outubro/2007 Tutorial JUDE ( JUDE Community 5.1 2006/2007 ) Por Denize Terra Pimenta Outubro/2007 Ferramenta CASE UML Índice Introdução... 2 Download e Instalação... 2 Apresentação da Ferramenta... 2 Salvando o Projeto...

Leia mais

TUTORIAL WEEBLY. 2-Crie um cadastro (lembrando que palavra passe é a senha). Após preencher o formulário, clique em Sign Up. It s Free!

TUTORIAL WEEBLY. 2-Crie um cadastro (lembrando que palavra passe é a senha). Após preencher o formulário, clique em Sign Up. It s Free! TUTORIAL WEEBLY 1- Entre no site do Weebly: www.weebly.com 2-Crie um cadastro (lembrando que palavra passe é a senha). Após preencher o formulário, clique em Sign Up. It s Free! 3- Irão aparecer algumas

Leia mais

Tutorial de Instalação e Utilização do PDF Creator

Tutorial de Instalação e Utilização do PDF Creator Tutorial de Instalação e Utilização do PDF Creator O PDF Creator é um programa que serve para criar arquivos PDF a partir de qualquer programa com a opção de Imprimir arquivos, ele simula o funcionamento

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO ÊXITO GESTÃO DE PROCESSOS. Dividir Arquivo com Winrar

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO ÊXITO GESTÃO DE PROCESSOS. Dividir Arquivo com Winrar 1 Acesse a pagina http://www.win-rar.com/index.php?id=970&dl=/rar/ wrar393br.exe&btn=1, clique no ícone Download Now. 2 Ao clicar faça Download do Software, ao concluir o download de um duplo clique no

Leia mais

PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE

PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE Agosto 2007 Sumário de Informações do Documento Tipo do Documento: Manual Título do Documento: MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO

Leia mais

Como renomear/mudar de local arquivos sem perder referencias na montagem. Renomear Arquivos

Como renomear/mudar de local arquivos sem perder referencias na montagem. Renomear Arquivos Como renomear/mudar de local arquivos sem perder referencias na montagem. Quando utilizamos o SolidWorks nem sempre o nome que inicialmente inserimos em um determinado componente será o mesmo ao término

Leia mais

COMO INSTALAR ZIM 8.50 WINDOWS

COMO INSTALAR ZIM 8.50 WINDOWS ZIM TECHNOLOGIES DO BRASIL COMO INSTALAR ZIM 8.50 WINDOWS Próx Antes de Iniciar O objetivo deste documento é apresentar os passos necessários para instalar a versão mais recente do Zim 8.50 para Windows.

Leia mais

Sumário. 1 Tutorial: Blogs no Clickideia

Sumário. 1 Tutorial: Blogs no Clickideia 1 Tutorial: Blogs no Clickideia Sumário Introdução... 2 Objetivos... 2 Instruções para utilização do Tutorial... 2 Acesso ao Portal e a Home Blog... 3 Página Inicial da área do Blog... 4 Apresentação da

Leia mais

Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop

Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop Apresentação da ferramenta Professor: Danilo Giacobo Página pessoal: www.danilogiacobo.eti.br E-mail: danilogiacobo@gmail.com 1 Introdução Visual

Leia mais

ArcMAP (parte 2) Rodar o ArcMap teclar: Iniciar > Todos os programas > ArcGIS > ArcMap. Sobre a janela selecionar o item An existing map:

ArcMAP (parte 2) Rodar o ArcMap teclar: Iniciar > Todos os programas > ArcGIS > ArcMap. Sobre a janela selecionar o item An existing map: ArcMAP (parte 2) Nesta parte do tutorial, você irá mapear cada tipo de uso da terra dentro do noise contour. Você adicionará dados ao seu mapa, desenhará feições baseadas em atributos, selecionará feições

Leia mais

Status Enterprise Guia do Usuário. Parte 12 Serviço de conector de Dados

Status Enterprise Guia do Usuário. Parte 12 Serviço de conector de Dados Guia do Usuário Parte 12 Serviço de conector de Dados Conteúdos 1 INTRODUÇÃO... 4 1.1 Descrição do Serviço conector de Dados ou Data com nector... 4 2 CRIAR UMA CONFIGURAÇÃO DE ENLACE DE DADOS... 5 2.1

Leia mais

Memória Flash. PdP. Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 11/12/2005 Última versão: 18/12/2006. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos

Memória Flash. PdP. Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 11/12/2005 Última versão: 18/12/2006. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos TUTORIAL Memória Flash Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 11/12/2005 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br contato@maxwellbohr.com.br

Leia mais

CAPÍTULO 35 Como utilizar os componentes ColdFusion

CAPÍTULO 35 Como utilizar os componentes ColdFusion CAPÍTULO 35 Como utilizar os componentes ColdFusion Os componentes ColdFusion (CFC) permitem ao usuário encapsular lógicas de aplicação e de negócios (business logic) em unidades auto-controladas reutilizáveis.

Leia mais

Programa EndNote. Download para teste no site: http://www.endnote.com/endemo.asp. (Atualmente o EndNote está na versão 5x)

Programa EndNote. Download para teste no site: http://www.endnote.com/endemo.asp. (Atualmente o EndNote está na versão 5x) Programa EndNote 1. Informações O EndNote é um gerenciador de referências bibliográficas desenvolvido pela Thomson Reuters. O software permite armazenar e organizar as referências encontradas nas buscas

Leia mais

Novas Funcionalidades do MyABCM v.4.0

Novas Funcionalidades do MyABCM v.4.0 Novas Funcionalidades do MyABCM v.4.0 Seguem abaixo as novas funcionalidades e melhorias do MyABCM e um resumo de como utilizar essas funcionalidades. 1. Nova funcionalidade para aplicação de fatores de

Leia mais

Igualmente ao procedimento do mapa de uso da terra, você começará criando um novo data frame para visualizar dados.

Igualmente ao procedimento do mapa de uso da terra, você começará criando um novo data frame para visualizar dados. ArcMAP (parte 3) Nesta parte do tutorial, você irá mapear a densidade populacional para o município. Um mapa de densidade populacional mostra onde as pessoas estão concentradas. Primeiramente, você adicionará

Leia mais

Página de Login. Manual para gestão de conteúdo no Portal da Ouvidoria do Senado Federal

Página de Login. Manual para gestão de conteúdo no Portal da Ouvidoria do Senado Federal Portal da Ouvidoria Manual Para Gestão de Conteúdo do Portal da Ouvidoria 2013 Página de Login a. Insira /login na url da ouvidoria http://www12hml:10002/senado/ouvidoria/login b. Preencha o seu nome de

Leia mais

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 1

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 1 AULA Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 1 Em qualquer profissão é importante que se conheça bem as ferramentas que serão usadas para executar o trabalho proposto. No desenvolvimento de software não é

Leia mais

Configuração dos Controles Remotos do KDE. Michael Zanetti Tradução: Marcus Gama

Configuração dos Controles Remotos do KDE. Michael Zanetti Tradução: Marcus Gama Configuração dos Controles Remotos do KDE Michael Zanetti Tradução: Marcus Gama 2 Conteúdo 1 Introdução 5 1.1 Requisitos.......................................... 5 2 Uso 6 2.1 Controles remotos e modos................................

Leia mais

Impressão de Relatórios com Data Report Professor Sérgio Furgeri. A figura seguinte ilustra a geração de um relatório a partir de uma tabela de...

Impressão de Relatórios com Data Report Professor Sérgio Furgeri. A figura seguinte ilustra a geração de um relatório a partir de uma tabela de... OBJETIVOS DA AULA: Demonstrar a utilização da ferramenta Data Report do Visual Basic para a geração de relatórios. Apresentar os procedimentos para a criação de um relatório simples a partir dos dados

Leia mais

O Primeiro Programa em Visual Studio.net

O Primeiro Programa em Visual Studio.net O Primeiro Programa em Visual Studio.net Já examinamos o primeiro programa escrito em C que servirá de ponto de partida para todos os demais exemplos e exercícios do curso. Agora, aprenderemos como utilizar

Leia mais

Tutorial 3 Dataframe layers Dataframe

Tutorial 3 Dataframe layers Dataframe Tutorial 3 Inserir malha geográfica Inserir uma linha conectando as duas localidades Copiar a imagem produzida Definir uma projeção cartográfica Mudar o nome do Dataframe Exportar os layers do Dataframe

Leia mais

4 - Layout de Mapas no QGIS 2.0

4 - Layout de Mapas no QGIS 2.0 UPE Campus III Petrolina 4 - Layout de Mapas no QGIS 2.0 GT-Paisagem Prof. Dr. Lucas Costa de Souza Cavalcanti 1 INTRODUÇÃO Este tutorial ensina como elaborar o layout de mapas no QGIS 2.0. O layout é

Leia mais

Usando o simulador MIPS

Usando o simulador MIPS Usando o simulador MIPS O objetivo desta aula prática será a utilização do simulador MipsIt para executar programas escritos em linguagem de máquina do MIPS. 1 Criando um projeto Cada programa a ser executado

Leia mais

Instalação do Componente TcomPort

Instalação do Componente TcomPort Instalação do Componente TcomPort O componente para porta serial TcomPort, pode ser baixado na página www.jclima.tk. Estando na página principal, selecione o link para a página downloads. Selecione então

Leia mais

Núcleo de Tecnologias Interativas de Aprendizagem.

Núcleo de Tecnologias Interativas de Aprendizagem. Núcleo de Tecnologias Interativas de Aprendizagem. TUTORIAL MOODLE Titulo: Primeiro Acesso a Plataforma MOODLE. Autor: NUTEIA Data de Criação: 03 / 02 / 2008. Atualizado em: 16 / 03 / 2012. 1ª Etapa 01

Leia mais

Curso Básico de Visual FoxPro 8.0

Curso Básico de Visual FoxPro 8.0 AULA Curso Básico de Visual FoxPro 8.0 Nosso curso de Visual FoxPro é voltado para pessoas iniciantes com a ferramenta. Por isso, requer que comecemos realmente do princípio. Sendo assim, vamos começar

Leia mais

Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo

Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo Prof. Gilbert Azevedo da Silva I. Objetivos Conhecer o Ambiente Integrado de Desenvolvimento (IDE) do Delphi 7, Desenvolver a primeira aplicação no Delphi 7, Aprender

Leia mais

Nome N Série: Ferramentas

Nome N Série: Ferramentas Nome N Série: Ferramentas Competências: Identificar e utilizar técnicas de modelagem de dados; Habilidades: Utilizar ferramentas de apoio ao desenvolvimento de software; Bases Tecnológicas: Metodologias

Leia mais

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet.

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet. 1. Descrição Geral Este manual descreve as operações disponíveis no módulo VTWEB Client, cuja finalidade é gerenciar cadastros de funcionários, realização de pedidos e controle financeiro dos pedidos.

Leia mais

Guia do Usuário. Versão 1.01.0.2. 2011. Desenvolvido por ofcdesk, llc. Todos os direitos reservados.

Guia do Usuário. Versão 1.01.0.2. 2011. Desenvolvido por ofcdesk, llc. Todos os direitos reservados. Guia do Usuário Versão 1.01.0.2 2011. Desenvolvido por ofcdesk, llc. Todos os direitos reservados. Índice Introdução... Propósito Abrangência Termos e definições Referências Visão geral... 3 3 content

Leia mais

INSTALANDO E CONFIGURANDO O MY SQL

INSTALANDO E CONFIGURANDO O MY SQL INSTALANDO E CONFIGURANDO O MY SQL Este tutorial tem como objetivo mostrar como instalar o banco de dados My SQL em ambiente Windows e é destinado aqueles que ainda não tiveram um contato com a ferramenta.

Leia mais

Tutorial EPF Básico. 1)Vá a File-> New->Method Library. Escolha uma pasta para criar a Method Library.

Tutorial EPF Básico. 1)Vá a File-> New->Method Library. Escolha uma pasta para criar a Method Library. Tutorial EPF Básico Pasteur Ottoni de Miranda Junior-DCC PUC MG Postado em www.pasteurjr.blogspot.com 1)Vá a File-> New->Method Library. Escolha uma pasta para criar a Method Library. 2)Vá a File-> New->Method

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO RDB2LOD

GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO RDB2LOD GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO RDB2LOD Em sua versão inicial, o aplicativo RDB2LOD foi desenvolvido para instalação e execução em ambiente de máquina virtual Java, e oferece suporte aos SGBDs

Leia mais

GUIA INTEGRA SERVICES E STATUS MONITOR

GUIA INTEGRA SERVICES E STATUS MONITOR GUIA INTEGRA SERVICES E STATUS MONITOR 1 - Integra Services Atenção: o Integra Services está disponível a partir da versão 2.0 do software Urano Integra. O Integra Services é um aplicativo que faz parte

Leia mais

Como gerar arquivos.plt

Como gerar arquivos.plt Como gerar arquivos.plt O formato PLT destina se a uso em plotters. É como se você tivesse um plotter conectado diretamente ao seu computador. No momento que manda imprimir, o AutoCAD (ou qualquer outro

Leia mais

Procedimentos para Reinstalação do Sisloc

Procedimentos para Reinstalação do Sisloc Procedimentos para Reinstalação do Sisloc Sumário: 1. Informações Gerais... 3 2. Criação de backups importantes... 3 3. Reinstalação do Sisloc... 4 Passo a passo... 4 4. Instalação da base de dados Sisloc...

Leia mais

Inserindo Dados no Banco de Dados Paradox.

Inserindo Dados no Banco de Dados Paradox. Inserindo Dados no Banco de Dados Paradox. - Construção do Banco de Dados: Para podermos inserir algo em um banco precisaremos de um Banco de Dados, para isto iremos montar um utilizando o Programa Database

Leia mais

AULA 17 KML Manager. Nessa aula serão apresentadas as funcionalidades do KML Manager.

AULA 17 KML Manager. Nessa aula serão apresentadas as funcionalidades do KML Manager. 17.1 AULA 17 KML Manager Nessa aula serão apresentadas as funcionalidades do KML Manager. KML (Keyhole Markup Language) é um formato de arquivo e uma gramática XML que serve para modelar e armazenar características

Leia mais

Mídia com RSS próprio é aconselhável fazer testes com o feed Feeds com texto de descrição grandes podem gerar um texto com fonte pequena na mídia.

Mídia com RSS próprio é aconselhável fazer testes com o feed Feeds com texto de descrição grandes podem gerar um texto com fonte pequena na mídia. Mídia com RSS próprio A solução ElementarDS oferece mídias jornalísticas prontas, como o ig ou o Terra. Mas pode ser que você queira dar outras notícias. Talvez as manchetes do jornal de sua cidade, ou

Leia mais

Como criar pastas personalizadas e novas peças no Toolbox

Como criar pastas personalizadas e novas peças no Toolbox Como criar pastas personalizadas e novas peças no Toolbox Neste tutorial apreenderemos como inserir uma nova pasta no toolbox, inserir novas peças na biblioteca do toolbox e criar propriedades personalizadas

Leia mais

Dicas para usar melhor o Word 2007

Dicas para usar melhor o Word 2007 Dicas para usar melhor o Word 2007 Quem está acostumado (ou não) a trabalhar com o Word, não costuma ter todo o tempo do mundo disponível para descobrir as funcionalidades de versões recentemente lançadas.

Leia mais

ALBUM DE FOTOGRAFIAS NO POWER POINT

ALBUM DE FOTOGRAFIAS NO POWER POINT ALBUM DE FOTOGRAFIAS NO POWER POINT O PowerPoint é uma poderosa ferramenta que faz parte do pacote Office da Microsoft. O principal uso desse programa é a criação de apresentação de slides, para mostrar

Leia mais

KalumaFin. Manual do Usuário

KalumaFin. Manual do Usuário KalumaFin Manual do Usuário Sumário 1. DICIONÁRIO... 4 1.1 ÍCONES... Erro! Indicador não definido. 1.2 DEFINIÇÕES... 5 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 7 3. ACESSAR O SISTEMA... 8 4. PRINCIPAL... 9 4.1 MENU

Leia mais

INTRODUÇÃO 12. DOCUMENTAÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO 12. DOCUMENTAÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO 12. DOCUMENTAÇÃO Na plataforma Java SE 7, há cerca de 4000 classes e interfaces disponíveis para utilizarmos em nossas aplicações Podemos visualizar a documentação dessas classes e interfaces

Leia mais

(Nota Fiscal Eletrônica no Power Systems AS/400) Projeto Nacional Versão 1.0

(Nota Fiscal Eletrônica no Power Systems AS/400) Projeto Nacional Versão 1.0 Manual do usuário (Nota Fiscal Eletrônica no Power Systems AS/400) Projeto Nacional Versão 1.0 29-03-2011 1 de 32 Í ndice 1. Descrição Geral do Sistema 1.1 Descrição 1.2 Desenho do Processo 2. Aplicação

Leia mais

Iniciando o ArcView 3.2

Iniciando o ArcView 3.2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS DEGEO LABORATÓRIO DE GEOPROCESSAMENTO DIDÁTICO Iniciando o ArcView 3.2 Selma Regina Aranha Ribeiro Ricardo Kwiatkowski Silva Carlos André

Leia mais

INSTALANDO SQL SERVER 2008

INSTALANDO SQL SERVER 2008 VERSÃO 2 INSTALANDO SQL SERVER 2008 Pré-requisitos para instalação do SQL SERVER 2008 Antes de iniciar o instalador do SQL SERVER 2008 é necessário instalar os seguintes componentes: Microsoft Windows

Leia mais

Instalação: permite baixar o pacote de instalação do agente de coleta do sistema.

Instalação: permite baixar o pacote de instalação do agente de coleta do sistema. O que é o projeto O PROINFODATA - programa de coleta de dados do projeto ProInfo/MEC de inclusão digital nas escolas públicas brasileiras tem como objetivo acompanhar o estado de funcionamento dos laboratórios

Leia mais

Manual do Usuário. Minha Biblioteca

Manual do Usuário. Minha Biblioteca Manual do Usuário Minha Biblioteca Sumário Acesso a Minha Biblioteca... 3 Tela Principal... 3 Para que serve o ícone Minha Biblioteca?... 3 O que você encontra no campo Pesquisar?... 4 Quando utilizar

Leia mais

Universidade Federal do Pará Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação Grupo de Trabalho SET. Tutorial PyQT4

Universidade Federal do Pará Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação Grupo de Trabalho SET. Tutorial PyQT4 Universidade Federal do Pará Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação Grupo de Trabalho SET Tutorial PyQT4 16 de Agosto de 2011 1 Sumário 1 Introdução 3 2 Criando a interface da aplicação 3 2.1

Leia mais

Tutorial. Edição de dbf usando Excel e Acess. versão 1.0-08/02/2012. Autores: Mauricio Schiavolin Silva, Vitor Pires Vencovsky

Tutorial. Edição de dbf usando Excel e Acess. versão 1.0-08/02/2012. Autores: Mauricio Schiavolin Silva, Vitor Pires Vencovsky Tutorial Edição de dbf usando Excel e Acess versão 1.0-08/02/2012 Autores: Mauricio Schiavolin Silva, Vitor Pires Vencovsky 1. INTRODUÇÃO Esse tutorial apresentará um procedimento para a edição de arquivos

Leia mais

Construindo e Codificando o Projeto Conversor de Números

Construindo e Codificando o Projeto Conversor de Números Criando um Add-In no Visual Basic 6 Por John P. Cunningham Definindo um diretório, renomeando o formulário e salvando o projeto Passo 1: Crie um subdiretório na diretório do Visual Basic chamado ConverterAddIn.

Leia mais

BACKUP ONLINE PASSOS PARA CONFIGURAÇÃO INICIAL DO PRODUTO

BACKUP ONLINE PASSOS PARA CONFIGURAÇÃO INICIAL DO PRODUTO BACKUP ONLINE PASSOS PARA CONFIGURAÇÃO INICIAL DO PRODUTO Criação de Conta de Usuário...03 Edição da Conta de Usuário...10 Download do Backup Online Embratel...10 Descrição dos Conjuntos de Cópia de Segurança...19

Leia mais

Veja abaixo um exemplo de como os dados são mostrados quando usamos o

Veja abaixo um exemplo de como os dados são mostrados quando usamos o Objeto DataGridView O controle DataGridView é um dos objetos utilizados para exibir dados de tabelas de um banco de dados. Ele está disponível na guia de objetos Data na janela de objetos do vb.net. Será

Leia mais

Display de Cristal Líquido

Display de Cristal Líquido TUTORIAL Display de Cristal Líquido Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 09/03/2006 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br contato@maxwellbohr.com.br

Leia mais

Conexão nativa com banco de dados no Delphi

Conexão nativa com banco de dados no Delphi Conexão nativa com banco de dados no Delphi I N S T A L A N D O O Z E O S L I B Esta apresentação é parte da aula desenvolvida e ministrada pelo professor Leonardo Cabral larback aos alunos do 3º módulo

Leia mais

Relatório do GPES. Descrição dos Programas e Plugins Utilizados. Programas Utilizados:

Relatório do GPES. Descrição dos Programas e Plugins Utilizados. Programas Utilizados: Relatório do GPES Relatório referente à instalação dos programas e plugins que estarão sendo utilizados durante o desenvolvimento dos exemplos e exercícios, sendo esses demonstrados nos próximos relatórios.

Leia mais

Nota de Aula: Utilização da IDE Code::Blocks

Nota de Aula: Utilização da IDE Code::Blocks INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO CAMPUS SÃO LUÍS MONTE CASTELO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE INFORMÁTICA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DISCIPLINA: LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO I PROFESSOR:

Leia mais

Configurando um Grupo Doméstico e Compartilhando arquivos no Windows 7

Configurando um Grupo Doméstico e Compartilhando arquivos no Windows 7 Configurando um Grupo Doméstico e Compartilhando arquivos no Windows 7 Para criar um grupo doméstico e compartilhar arquivos é necessário que tenhamos pelo menos dois computadores ligados entre si (em

Leia mais

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características:

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características: Cerne Tecnologia www.cerne-tec.com.br Conhecendo o NSBASIC para Palm Vitor Amadeu Vitor@cerne-tec.com.br 1. Introdução Iremos neste artigo abordar a programação em BASIC para o Palm OS. Para isso, precisaremos

Leia mais

Instalação e Operação dos Aplicativos Serie 5000/6000

Instalação e Operação dos Aplicativos Serie 5000/6000 Instalação e Operação dos Aplicativos Serie 5000/6000 Requisitos mínimos de Hardware: Pentium 3 de 500 mhz ou Celeron de 700 mhz ou superior 128 MB de RAM 100 MB livres no disco rígido Requisitos de Software:

Leia mais

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet.

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet. Conteúdo 1. Descrição geral 2 2. Resumo das funcionalidades 3 3. Efetuar cadastro no sistema 4 4. Acessar o sistema 6 5. Funcionalidades do menu 7 5.1 Dados cadastrais 7 5.2 Grupos de usuários 7 5.3 Funcionários

Leia mais

ANDROID APPLICATION PROJECT

ANDROID APPLICATION PROJECT Criando um programa Abrindo o programa Eclipse, clique na opção [FILE], depois em [NEW], selecione a opção [PROJECT], uma janela de opção do tipo de projeto irá se abrir, escolha [ANDROID] logo depois

Leia mais

Software Ativo. Operação

Software Ativo. Operação Software Ativo Operação Página deixada intencionalmente em branco PROTEO MANUAL OPERAÇÃO SUMÁRIO 1 - INSTALAÇÃO DO SOFTWARE ATIVO... 5 2 CRIANDO PROJETO UVS/ TMS PROTEO... 10 2.1 - Estrutura do Projeto...

Leia mais

Vamos criar uma nova Página chamada Serviços. Clique em Adicionar Nova.

Vamos criar uma nova Página chamada Serviços. Clique em Adicionar Nova. 3.5 Páginas: Ao clicar em Páginas, são exibidas todas as páginas criadas para o Blog. No nosso exemplo já existirá uma página com o Título Página de Exemplo, criada quando o WorPress foi instalado. Ao

Leia mais

Manual de Instalação: Agente do OCS Inventory NG

Manual de Instalação: Agente do OCS Inventory NG Manual de Instalação: Agente do OCS Inventory NG Abril 2013 Sumário 1. Agente... 1 2. Onde instalar... 1 3. Etapas da Instalação do Agente... 1 a. Etapa de Instalação do Agente... 1 b. Etapa de Inserção

Leia mais

INSTALAÇÃO DO SISTEMA CONTROLGÁS

INSTALAÇÃO DO SISTEMA CONTROLGÁS INSTALAÇÃO DO SISTEMA CONTROLGÁS 1) Clique duas vezes no arquivo ControlGasSetup.exe. Será exibida a tela de boas vindas do instalador: 2) Clique em avançar e aparecerá a tela a seguir: Manual de Instalação

Leia mais

TCI 7200-U USB-PPI Cable

TCI 7200-U USB-PPI Cable TCI 7200-U USB-PPI Cable Cabo de Programação USB S7-200 Manual de Instalação O cabo de programação TCI 7200-U USB-PPI Cable foi projetada para atender a necessidade de conectar a uma porta USB do computador

Leia mais

Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011

Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Edição 2 Pedreiros da Informação Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL

Leia mais

Usar Atalhos para a Rede. Logar na Rede

Usar Atalhos para a Rede. Logar na Rede GUIA DO USUÁRIO: NOVELL CLIENT PARA WINDOWS* 95* E WINDOWS NT* Usar Atalhos para a Rede USAR O ÍCONE DA NOVELL NA BANDEJA DE SISTEMA Você pode acessar vários recursos do software Novell Client clicando

Leia mais

Exercícios Práticos Assunto: Criação de slots e instâncias da ontologia com o Protegé.

Exercícios Práticos Assunto: Criação de slots e instâncias da ontologia com o Protegé. 1 Exercícios Práticos Assunto: Criação de slots e instâncias da ontologia com o Protegé. Exercício 1 Passo 1: abra o Protegé e crie um projeto com as seguintes características: Nome do projeto: ex_slot_01

Leia mais

Configurações de Templates no SolidWorks 2011

Configurações de Templates no SolidWorks 2011 Configurações de Templates no SolidWorks 2011 Esse tutorial tem como intuito a criação de propriedades personalizadas, a criação destas propriedades é uma forma de automatizar o preenchimentos de informações

Leia mais

Guia rápido de uso da interface beta do NFS-e Easy para operação com Sistemas WebISS

Guia rápido de uso da interface beta do NFS-e Easy para operação com Sistemas WebISS Guia rápido de uso da interface beta do NFS-e Easy para operação com Sistemas WebISS NFS-e Easy v.1.0.2 RC1 Produto: Guia rápido de utilização do NFS-e Easy v1.0.2 RC1 Release date: Set, 23 2010 1 Sumário

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA III APOSTILA VISUAL

INFORMÁTICA APLICADA III APOSTILA VISUAL INFORMÁTICA APLICADA III APOSTILA VISUAL LEVANTAMENTOS QUANTITATIVOS EM PLANTAS LIGANDO O EXCEL AO AUTOCAD Para que possamos estudar os custos em uma construção, além de estarmos municiados com um bom

Leia mais

Apostila de CmapTools 3.4

Apostila de CmapTools 3.4 Apostila de CmapTools 3.4 Índice Definição do software... 3 Criando um novo mapa... 3 Adicionando um conceito... 3 Alterando a formatação das caixas (Barra de Ferramentas Estilos Paleta Styles)... 7 Guia

Leia mais

Instalação e Configuração RPM Remote Print Manager para Windows 2000

Instalação e Configuração RPM Remote Print Manager para Windows 2000 Instalação e Configuração RPM Remote Print Manager para Windows 2000 Antes de iniciar a instalação do RPM Remote Print Manager parar Windows 2000, você necessita ter privilégios de "administrador" devido

Leia mais

Microsoft Visual Studio 2010 C# Volume II

Microsoft Visual Studio 2010 C# Volume II Microsoft Visual Studio 2010 C# Volume II Apostila desenvolvida pelos Professores Ricardo Santos de Jesus e Rovilson de Freitas, para as Disciplinas de Desenvolvimento de Software I e II, nas Etecs de

Leia mais

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel Programação de Computadores - I Profª Beatriz Profº Israel Ambiente de Desenvolvimento Orientação a Objetos É uma técnica de desenvolvimento de softwares que consiste em representar os elementos do mundo

Leia mais

TRBOnet Standard. Manual de Operação

TRBOnet Standard. Manual de Operação TRBOnet Standard Manual de Operação Versão 1.8 NEOCOM Ltd ÍNDICE 1. TELA DE RÁDIO 3 1.1 COMANDOS AVANÇADOS 4 1.2 BARRA DE FERRAMENTAS 5 2. TELA DE LOCALIZAÇÃO GPS 6 2.1 MAPLIB 6 2.2 GOOGLE EARTH 7 2.3

Leia mais

Permissão de Usuários

Permissão de Usuários Permissão de Usuários 1 Conteúdo 1. Propósito 3 2. Permissão de Usuários PrefGest 4 3. Permissão de Usuário para PrefCad 10 2 1. Propósito Este documento destina-se a explicar a ação para liberar permissões

Leia mais

COMO FAZER ROSCAS PARA DESENHO

COMO FAZER ROSCAS PARA DESENHO COMO FAZER ROSCAS PARA DESENHO Para criação de roscas existem 2 opções que o SolidWorks disponibiliza, você pode modelar a rosca ou apenas fazer uma indicação que mostra a existência da rosca mas não carrega

Leia mais

Tutoriais de apoio para a migração do e-mail @pmmc.com.br para @se-pmmc.com.br Atualização: 30/04/2014

Tutoriais de apoio para a migração do e-mail @pmmc.com.br para @se-pmmc.com.br Atualização: 30/04/2014 Tutoriais de apoio para a migração do e-mail @pmmc.com.br para @se-pmmc.com.br Atualização: 30/04/2014 Sumário Introdução... 3 1. Redirecionando e-mails novos... 4 2. Fazendo backup e encaminhando e-mails

Leia mais

Manual de Instruções TOPPER MAPS. MANU-7310-TMP Rev. A

Manual de Instruções TOPPER MAPS. MANU-7310-TMP Rev. A Manual de Instruções TOPPER MAPS MANU-7310-TMP Rev. A MANUAL DE INSTRUÇÕES TOPPER MAPS STARA S.A. - INDÚSTRIA DE IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS CNPJ: 91.495.499/0001-00 AV. STARA, 519 CEP 99470-000 - Não-Me-Toque/RS

Leia mais

TUTORIAL DE UTILIZAÇÃO DO PROTEUS

TUTORIAL DE UTILIZAÇÃO DO PROTEUS 1 Para iniciar a edição de um esquema elétrico para posterior simulação, busque no menu Iniciar do Windows, a opção Todos os Programas. Localize a pasta onde foi instalado o Proteus e selecione o programa

Leia mais

IMPORTANDO ARQUIVOS SHAPEFILE PARA O POSTGIS VIA PROMPT DO DOS

IMPORTANDO ARQUIVOS SHAPEFILE PARA O POSTGIS VIA PROMPT DO DOS IMPORTANDO ARQUIVOS SHAPEFILE PARA O POSTGIS VIA PROMPT DO DOS INTRODUÇÃO Neste tutorial iremos tratar de uma situação comum durante os trabalhos de geoprocessamento que envolvam banco de dados geográficos,

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

Criação de Applets com o JBuilder Professor Sérgio Furgeri

Criação de Applets com o JBuilder Professor Sérgio Furgeri OBJETIVOS DA AULA: Apresentar o processo de criação em uma interface gráfica para a Internet; Fornecer subsídios para que o aluno possa compreender onde aplicar Applets; Demonstrar a criação de uma Applet

Leia mais

Guia Rápido. Projects & Teamwork

Guia Rápido. Projects & Teamwork Guia Rápido Projects & Teamwork Conteúdo 1. Meu Perfil, tutoriais y ajuda contextual... 3 2. Criar projetos... 6 3. Criar usuários e atribuir usuários a projetos e tarefas... 7 4. Criar e controlar tarefas...10

Leia mais

Procedimento para Configurar a Importação/Exportação de Arquivos Texto

Procedimento para Configurar a Importação/Exportação de Arquivos Texto Procedimento para Configurar a Importação/Exportação de Arquivos Texto Produto : RM Gestão de Estoque, Compras e Faturamento 12.1.4 Processo : Importação/Exportação de Arquivos Texto Subprocesso : N/A

Leia mais

Como criar e editar Blogs. Manual Básico do. Mario Roberto Barro Jerino Queiroz Ferreira Profª Drª Salete Linhares Queiroz

Como criar e editar Blogs. Manual Básico do. Mario Roberto Barro Jerino Queiroz Ferreira Profª Drª Salete Linhares Queiroz Como criar e editar Blogs Manual Básico do Mario Roberto Barro Jerino Queiroz Ferreira Profª Drª Salete Linhares Queiroz São Carlos Setembro / 2008 Sumário Introdução...3 Criando um Blog no Edublogs...4

Leia mais