ESTUDO PARA RETIRADA DE ENSIMAGEM DE FIBRAS DE POLIÉSTER

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO PARA RETIRADA DE ENSIMAGEM DE FIBRAS DE POLIÉSTER"

Transcrição

1 Universidade Federal de Alfenas Instituto de Ciência e Tecnologia Campus Poços de Caldas-MG ESTUDO PARA RETIRADA DE ENSIMAGEM DE FIBRAS DE POLIÉSTER ALINE APARECIDA FERREIRA MARIANA SARAN FERREIRA DE CASTRO Poços de Caldas-MG 2014

2

3 Dedicamos às nossas famílias pelo grande apoio, pois se vencemos é porque alguém esteve conosco, trazendo coragem para atingir nossos objetivos, equilíbrio nas dificuldades, e compreensão dos nossos anseios. À Deus pela tranquilidade que nos foi concedida nas horas de angústia, pela força que nos foi enviada nos momentos de fraqueza, pela segurança que sentimos quando tudo parecia perdido. Hoje somos vencedoras.

4 AGRADECIMENTOS Agradecemos aos nossos pais e aos nossos irmãos, pela paciência, incentivo, carinho e compreensão. Aos nossos amigos, pela amizade, por nos escutar e por nos oferecer o ombro para chorar. A nossa orientadora, Gisele Sancinetti, por confiar em nós, por transmitir o seu conhecimento e nos motivar para a realização deste trabalho e ao nosso coorientador Gian Freschi por ter nos ajudado no momento em que mais precisávamos. A M&G por ter aberto as suas portas para que este trabalho pudesse ser realizado, principalmente ao Lucas Viana, Daniel Baroni, Marildo Plachi e aos técnicos do laboratório de qualidade que não mediram esforços para nos ajudar. Aos técnicos do laboratório da UNIFAL, especialmente a Aline e a Alessandra por estarem presentes em todas as horas em que pedíamos ajuda, e por sempre conseguirem aquilo que precisávamos. A minha mãe, por ser a luz no meu caminho e que infelizmente não está mais presente fisicamente na minha vida, mas sei que está muito feliz por essa minha conquista, pois foi um sonho que sonhamos juntas, beijos da sua filha Aline Apª Ferreira.

5 Vivemos neste mundo para nos esforçar a aprender sempre, para esclarecer uns aos outros, por meio de troca de ideias, e para nos aplicar todos os dias e cada vez mais às ciências e às artes. (W. A. Mozart)

6 RESUMO As fibras de poliéster possuem a maior porcentagem de consumo do setor têxtil, representando 62,8% da demanda total. Essa grande porcentagem é justificada pelo seu preço e por suas propriedades químicas e físicas. A matéria prima para o poliéster é PTA e o monoetilenoglicol, ambos oriundos da cadeia do petróleo, que depois de sinterizado produz polímeros. Uma massa fundida de polímeros passa por uma fieira para se formarem filamentos. Neste processo de produção, o atrito da fibra com os equipamentos pode causar alterações em suas propriedades. Visando diminuir este atrito, um óleo lubrificante, conhecido como ensimagem, é adicionado ao processo. Em alguns casos, este óleo fica em excesso nas fibras, alterando as propriedades finais desejadas pelo cliente. Observando a necessidade da empresa Mossi & Ghisolfi (M&G) em retirar este óleo em excesso nas fibras de poliéster, este trabalho buscou desenvolver um método para a lavagem das fibras e retirada de sua ensimagem para reaproveitamento da fibra. A proposta consistiu em um banho de lavagem ultrassônica das fibras com água e metanol como solvente extrator. As variáveis tempo e temperatura foram alteradas para avaliar qual forneceria o melhor resultado. Palavras chave: Fibras de Poliéster, Ensimagem, Banho Ultrassônico.

7 ABSTRACT Polyester fibers have the biggest consumption from textile sector, representing 62,7 % of total demand. This high percentage is justified by the price and by their chemical and physical properties. Polyester s feedstock is PTA and monoethileneglicol. A polymer melt passes through a spinneret to form filaments. In this production process, the friction between the fiber and the equipment can cause change in their properties. For reduce this friction, lubrificant oil, known as finish oil, is aplyed on the filaments and fiber. In some cases, this oil is in excess on the fiber, altering the final properties required by the customer. Noting the need of The Mossi & Ghisolfi (M&G) company has interested to remove this excess oil in the polyester fiber and reuse the fiber, this study intend to develop a method for cleaning fibers and removal their finish oil to reuse this fiber. The proposal consisted of washing the fiber by an ultrasonic bath with water and methanol as extracting solvent. Time and temperature were changed to know which would provide the best result. Key words: Polyester fibers, Finish oil, Ultrasonic bath.

8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 3.1 Histórico das fibras Características das fibras de poliéster Processo de Produção Ensimagem Extração por solvente Limpeza ultrassônica METODOLOGIA E RESULTADOS 4.1 Materiais e equipamentos Procedimento analítico Resultados e discussão VIABILIDADE ECONÔMICA CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS APÊNDICE

9 8 1 INTRODUÇÃO As primeiras fibras de poliéster surgiram em 1941 e eram feitas a partir de ácidos aromáticos sintéticos e glicóis. Classificadas em fibras químicas, foram desenvolvidas para copiar e melhorar as fibras naturais, suprindo a necessidade da população (NETO, 1996). Suas principais características são a alta elasticidade e estabilidade dimensional, sendo resistentes à ruptura e ao desgaste. Além disso, possuem aparência brilhante com aspecto vítreo (FIBRAS TÊXTEIS, 2013). A fabricação pode ser com ou sem aditivos, tais como algodão, náilon, viscose, lã e linho. A partir delas produzem-se os mais diversos produtos, como camisas, camisetas, pijamas, calças, ternos, lençóis, cortinas, dentre outros artigos, como os não-tecidos, exemplificados pelos enchimentos de agasalhos e edredons. A empresa com maior porcentagem de produção de fibras de poliéster no Brasil é a M&G (Grupo Mossi & Ghisolfi), que utiliza como matéria-prima básica o PTA (para-terephthalic acid), e a partir dele produz fibras de poliéster e resinas para embalagens PET. Durante o processo de fabricação ocorre a adição de um óleo lubrificante, conhecido como ensimagem, às fibras de poliéster, com o intuito de reduzir o atrito com os equipamentos. A adição se dá antes da frisagem, para que haja maior contato da fibra com o algodão. A porcentagem de óleo que permanece na fibra é controlada pelo fabricante, pois em excesso pode comprometer a qualidade da fibra para o cliente. Quando é detectado um excesso de ensimagem nas fibras, seus lotes são separados e vendidos a um preço inferior, ocorrendo uma perda para a empresa. Se este excesso fosse eliminado, as fibras poderiam ser reaproveitadas e vendidas. Para a eliminação da ensimagem nas fibras, um banho de limpeza ultrassônico será testado para verificar sua eficiência. Este banho faz uso da cavitação e da transferência de momento, e quando associado a outros métodos de limpeza, como a alcalina, ácida e por emulsões, a limpeza ultrassônica é capaz de remover os contaminantes complexos sem danificar a superfície que está sendo limpa (R. SANTOS, 2011).

10 9 2 OBJETIVOS Geral Avaliar um método para retirada de ensimagem das fibras de poliéster para serem reaproveitadas pela empresa Mossi & Ghisolfi (M&G). Específico Usar o banho de limpeza ultrassônico em diferentes tempos com os solventes metanol e água; Avaliar qual o melhor tempo e o melhor solvente para a limpeza das fibras de poliéster com ensimagem; Verificar a viabilidade econômica da retirada de ensimagem. 3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 3.1 Histórico das Fibras Na pré-história o homem confeccionava a sua própria roupa e os seus utensílios de maneira primitiva. Com o passar dos anos, houve a necessidade de aprimorar estas peças com tecidos de qualidade. No século XVIII, na Europa, utilizavam-se apenas lã, linho e seda, pois ainda não existia o algodão. Mas no fim deste mesmo século os ingleses fabricaram um tecido composto de fios de linho e algodão a que deram o nome de Juline, sendo muito bem aceito no mercado, mas ainda não satisfazia as necessidades locais, havendo a necessidade de importação de fios de outros países. No final do século XVIII, Thomas Higgs inventou a primeira fiandeira, a Spinning-Jenny, a qual posteriormente foi aperfeiçoada e Higgs conseguiu inventar a Fiandeira Contínua, a qual deu nome de Throstte ou Watter Frame. Em 1775, Samuel Compton, juntou as maquinas Spinning Jenny e Throstte e construiu a Mule-Jenny. Com o decorrer dos tempos surgiu a necessidade de se produzirem fibras artificiais, pois a produção das fibras naturais não acompanhava o ritmo de

11 10 consumo. Estas fibras apareceram nos fins do século XIX, sendo inventadas pelo Conde Hilaire de Chardonet, o qual apresentou amostras de seda artificial em Paris (FEITOR, 2006). Em 1833, Gay Lussac e Pelouse obtiveram um poliéster sintético, por aquecimento do ácido lático. Posteriormente, as propriedades de formação desta fibra foram conhecidas e Wallace H. Carothers obteve um poliéster alifático a partir de hidroxi-ácidos e também a partir do ácido dicarboxílico e do glicol. Por volta de 1941, os laboratórios Callico Printers Association, em Manchester, sugeriram que as fibras de poliésteres feitas a partir de ácidos aromáticos sintéticos e glicóis poderiam ser usadas para melhorar as propriedades das fibras. Após a Segunda Guerra Mundial surgiu um novo conceito de fibra, a sintética, derivada do petróleo, dentre as quais são o poliéster, náilon e polipropileno, proporcionando concorrência com as artificiais, produzidas a partir de celulose, substância encontrada na madeira ou no linter de algodão. Neste grupo pode-se destacar o raiom viscose e o raiom acetato. Em decorrência do seu continuo desenvolvimento tecnológico, a fibra sintética vem se tornando cada vez mais utilizada. Em 1950, a Dupont iniciou a produção experimental de poliéster, tendo este recebido o nome de fibra V e que ficou conhecido comercialmente como Dracon. Em 1955, as fibras sintéticas começaram a ser produzidas no território nacional pela Rhodia e a partir de 1960 tiveram um crescimento constante (NETO, 1996). 3.2 Características das Fibras de poliéster Poliéster é um polímero de policondensação que possui em suas cadeias grupos ésteres que podem ser distribuídos igualmente ou aleatoriamente, denominando-o homopoliéster ou copoliéster, respectivamente.

12 11 Pela definição da ISO 2076 fibras de poliéster são aquelas compostas de macromoléculas lineares com uma cadeia de no mínimo 85% em massa de um éster de um glicol e do ácido tereftálico (CARDOSO, 2009). O poliéster é um tipo de fibra química, que foram desenvolvidas para melhorar e copiar as fibras naturais. À medida que as suas aplicações foram se desenvolvendo, elas se tornaram uma necessidade, principalmente porque a população cresceu e passou a demandar vestuários produzidos com mais rapidez e a um custo mais baixo. A fibra química precisa ser combinada com o algodão para adquirir maior desempenho, resistência, durabilidade e maciez. Segundo Araújo (1986, p.1) as fibras têxteis são elementos filiformes caracterizados pela flexibilidade, finura e grande comprimento em relação à dimensão transversal máxima, sendo aptas para aplicações têxteis. O comprimento de uma fibra é no mínimo 100 vezes maior que seu diâmetro ou largura. Quando uma fibra possui grande comprimento é chamada de filamento, classificada como sendo uma fibra manufaturada, formada a partir de um processo de extrusão e pressurizada sobre placas com orifícios (CARVALHO, 2008). Ao se submeter uma fibra a uma tensão aplicada em sua manufatura ou em seu uso final, esta deve apresentar uma resistência à ruptura, e dependendo de sua utilidade, deve ter um alongamento de 5 a 50%. Para resistir às intempéries externas, a fibra precisa de uma estabilidade térmica e química (CARDOSO, 2009). As propriedades de uma fibra são influenciadas por sua composição química (celulósica, protéica e acrílica), estrutura externa e interna, e caracterizam o fio a ser fabricado e o seu método de fabricação. Muitas fibras químicas possuem propriedades, as quais são adquiridas durante o processo de produção, que em determinados campos a fazem superar as fibras naturais, por exemplo, a alta resistência à ruptura, o reduzido poder de absorção de umidade e a estabilidade dimensional durante o tratamento a úmido, (p. ex. durante a lavagem). São fáceis no trato, possuem alta solidez à luz e resistem a insetos nocivos, bem como à ação de bolor e bactérias de apodrecimento (FIBRAS TÊXTEIS, 2013). O poliéster oferece uma alta resistência aos ácidos orgânicos, porém em contato com o ácido nítrico e o ácido clorídrico em concentrações elevadas (20 a

13 12 40%), numa temperatura próxima a da ebulição, a fibra se decompõe. Em relação às bases, também há resistência, porém, se estas estiverem concentradas, a fibra é hidrolisada. Os solventes orgânicos não apresentam nenhuma ação sobre o poliéster, porém a quente ele é dissolvido em dimetilformamida, monoclorobenzeno, ortodiclorobenzeno, fenol a 90%, nitrobenzeno e a frio apenas no ácido sulfúrico a 90%. Por estes motivos, é muito importante o estudo preliminar da composição dos óleos de ensimagem e de outros aditivos que serão adicionados à fibra, para não ocorrer estes problemas citados (FEITOR, 2006). As fibras de poliéster podem ser fabricadas com ou sem aditivos, tais como algodão, náilon, viscose, lã e linho, em diferentes proporções. A partir delas produzem-se os mais diversos produtos, como camisas, camisetas, pijamas, calças, ternos, lençóis, cortinas, dentre outros artigos, como os não-tecidos, exemplificados pelos enchimentos de agasalhos e edredons. Os aditivos citados podem nomear a fibra como de alto desempenho por possuírem uma elevada resistência mecânica, química, ao fogo, à variação de temperatura muito elevada, dentre outras. O poliéster é capaz de aumentar a carga de ruptura sobre o algodão em 50 %, enquanto o kevlar tem capacidade de aumentar 300 % de carga de ruptura e 1000% a resistência ao alongamento (CARDOSO, 2009). 3.3 Processo de produção O petróleo é a matéria prima principal do processo de produção de fibras sintéticas e, a partir da sua sinterização química, produz polímeros. O petróleo passa pela destilação fracionada e gera nafta. Este por sua vez gera para-xileno e etileno e numa segunda geração são transformados respectivamente em ácido tereftálico (PTA), dimetil tereftalato (DMT) e monoetileno glicol (MEG) (NAVARRO, 2007). Os meros de poliéster são formados inicialmente, a partir da reação de esterificação entre o MEG com o PTA, representado pela Figura 1:

14 13 Figura 1: Meros de poliéster Fonte: (NAVARRO, 2007) Essa reação ocorre nos polimerizadores, equipamentos nos quais as moléculas de baixo peso molecular reagem entre si, formando moléculas de alto peso molecular. Nessa etapa há adição de alguns aditivos, que são responsáveis por controlar as reações químicas e conferir certas propriedades às fibras. São adicionados catalisadores com a função de diminuir a energia de ativação; branqueador óptico que reduz o amarelamento, tornando a fibra mais branca. Posteriormente, a massa fundida de polímero passa pela fieira (Figura 2), para se formarem os filamentos, que se solidificam, instantaneamente. Figura 2: Fieira Fonte: (J.SANTOS, 2012) O processo de fiação do polímero se dá em quatro etapas: 1. Escoamento do polímero através de um capilar; 2. Relaxamento das tensões internas da fibra; 3. Alongamento do material extrudado; 4. Solidificação dos fios.

15 14 As duas primeiras etapas dependem da temperatura, pressão e viscosidade do polímero, pois relacionam com as regularidades das dimensões macroscópicas das fibras. A terceira etapa determina a orientação molecular e a quarta compreende o resfriamento dos fios. Após tomar forma de fios, estes passam para estiragem, o qual é um processo onde os filamentos são submetidos a uma tensão constante, constituídos por rolos aquecidos com velocidades diferentes, os quais determinam a orientação dos cristais e das cadeias moleculares no sentido longitudinal do filamento. Nesta etapa os fios tem seu diâmetro diminuído e são alongados em até três vezes, aumentando assim a sua resistência mecânica (NAVARRO, 2007). A Figura 3 ilustra o processo de estiragem: Figura 3: Processo de estiragem Fonte: (J.SANTOS 2012) Depois de formarem os filamentos, as fibras passam pelo processo de frisagem (Figura 4) para que ela fique com ondulações, facilite a processabilidade e formação de fios na tecelagem.

16 15 Figura 4: Fibra sendo frisada Fonte: (J.SANTOS, 2012) Posteriormente ela segue para um secador para retirada do excesso de água proveniente do processo produtivo e para adquirir estabilidade dimensional e elongacional. Depois disso, é cortada de acordo com o tamanho exigido pelo cliente. No último estágio ela é embalada em fardos e destinada para o cliente. 3.4 Ensimagem Nas etapas de produção da fibra de poliéster tem-se grande atrito desta com os equipamentos e isso pode causar alterações nas características finais do produto. Para diminuir este atrito é adicionado no processo de produção um óleo lubrificante, conhecido por ensimagem, que garante a energia estática e melhora algumas características da fibra de poliéster. Existem diversos tipos de óleos no mercado, de diferentes fornecedores e com diferentes características. Um tipo de óleo adicionado no processo de fiação das fibras de poliéster é baseado em éster poliglicólico de ácido graxo com aditivos especiais, que tem a

17 16 função de neutralizar as cargas estáticas, diminuir o coeficiente de atrito e aumentar a coesão fibra a fibra (KIRSTEN, 2007). Outro óleo que pode ser adicionado é aquele com propriedades de lubrificar os fios sintéticos, evitando o aquecimento por atrito, evitando assim o rompimento do fio e a parada do processo para reparo (STEINKE, 2004). Além de melhorar as características das fibras, a ensimagem não deve atacar as fibras, deve permanecer na superfície, não pode ser volátil, tem que preservar o toque e outras propriedades das fibras. Para cada tipo de fibra existe um óleo específico que é aplicado. Segundo o Departamento de Assistência Técnica e Desenvolvimento da indústria Vicunha Têxtil S/A, alguns cuidados devem ser tomados em relação à fibra, após a aplicação de ensimagem, como não deixar o fio estocado por muito tempo, considerando o tempo de permanência no estoque e utilizar sequenciamento FIFO (first in, first out), pois o fio estocado por muito tempo pode apresentar a migração de óleo de ensimagem. O local de armazenagem deve ser coberto, com temperatura variando entre 25ºC ± 5ºC com uma umidade relativa de 65% ± 5%, para manter as propriedades do óleo de ensimagem aplicado ao fio (VICUNHA TÊXTIL S/A, 2013). O procedimento de controle de qualidade realizado na M&G baseia-se na extração da ensimagem com um solvente, por exemplo, um álcool. Certa quantidade de fibra pesada é colocada dentro de tubos de metal, os quais são colocados sobre uma chapa aquecedora com temperatura controlada, por um determinado tempo. O resíduo de ensimagem passa pelo tubo arrastado pelo solvente e cai sobre uma cápsula de alumínio que se encontra aquecida pela chapa logo abaixo do tubo e faz com que o solvete se evapore restando somente o resíduo. O procedimento completo encontra-se no ANEXO A. Para o cálculo da porcentagem de ensimagem, utiliza-se a Equação 1: (1) Em que: A= massa em gramas da amostra B= massa em gramas da capsula de alumínio C= massa em gramas da capsula de alumínio e do óleo de ensimagem

18 17 Cada fibra possui um intervalo padrão estabelecido pela especificação de qualidade da empresa M&G, o qual permite saber se a fibra está com excesso ou não de ensimagem. 3.5 Extração por solvente O primeiro solvente descoberto pelo homem foi a água, que era capaz de extrair algumas características dos vegetais, como cor, aroma, sabor, fazer remédios e venenos. Posteriormente, descobriu-se que o álcool também podia ser um solvente, conseguindo extrair outras essências. Para ser um bom solvente, as seguintes propriedades devem ser satisfeitas, como ser imiscível, volátil, não reagir quimicamente com o soluto e não ser inflamável. Os solventes mais usados são água, acetato de etila, acetona, benzeno, etanol, hexano, metanol, tolueno, dentre outros (DIAS, 2004). O solvente deve ser solúvel com o composto orgânico e insolúvel com a fase que o contêm, no caso a fibra. Após a lavagem das fibras com um solvente, duas fases são formadas, e o produto principal óleo se encontra em uma mistura homogênea com o solvente, podendo ser separado. Fibras de poliéster são resistentes à solventes orgânicos, justificando a escolha desta extração (CARDOSO, 2009). A fim de facilitar o processo de separação, realiza-se uma centrifugação, que pela ação da força centrífuga, quando em rotação, separa as fases. Esta operação é realizada em uma centrífuga, que realiza movimentos circulares uniformes com os recipientes que contêm a amostra.

19 Limpeza ultrassônica O processo de limpeza para resíduos sólidos está presente em diversos segmentos, desde os industriais até os hospitalares, seja para a limpeza durante a manufatura ou manutenção dos equipamentos. Diante desta necessidade, o método ultrassônico é o mais avançado, sendo capaz de remover impurezas orgânicas e inorgânicas, sem comprometer a matéria prima que está sendo limpa (NAVARRO, 2007). A limpeza ultrassônica faz uso da cavitação e da transferência de momento, fenômenos que são induzidos pela propagação de ondas acústicas com alta intensidade, operando com frequências acima do limite de audição humana ( 18 khz) em meios líquidos. Associada com outros métodos de limpeza, como a limpeza alcalina, ácida e por emulsões, a limpeza ultrassônica é capaz de remover os contaminantes complexos sem danificar a superfície que está sendo limpa. Atualmente é largamente utilizada na indústria metal-mecânica, automotiva, aeronáutica e óptica, para a remoção de resíduos metálicos e graxos de processos de usinagem, manutenção e manipulação (PEREIRA, 2010). A Figura 5 mostra um esquema típico de limpeza ultrassônica industrial, com três tanques em série. O primeiro tanque realiza a limpeza mais grosseira, operando em 25 KHz, o segundo (40KHz) remove as partículas microscópicas que resistiram à primeira limpeza. Já o terceiro enxágua, evitando a secagem de resquícios das soluções dos tanques anteriores. Neste sistema, as fontes de ultrassom são acopladas ao fundo dos tanques e excitadas por um gerador.

20 19 Figura 5: Esquema de limpeza ultrassônica industrial. Fonte: (PEREIRA, 2010) A realização do processo de limpeza deve romper as atrações que ligam o contaminante à fibra (interações intermoleculares), vencer as forças elétricas e de Van der Walls e garantir que o afastamento dos contaminantes seja permanente, evitando que a força elétrica se redeposite (PEREIRA, 2010). Entende-se por cavitação a formação de milhões de micro bolhas de vapor que se chocam no meio líquido gerando diferenciais de temperatura e de pressão, destruindo assim a sujeira. Nos sistemas ultrassônicos, a cavitação e a transferência de momento afastam as sujeiras e as mantém afastados dos substratos. As manifestações macroscópicas destes fenômenos no processo de limpeza são as seguintes: - Dispersão e aumento da dissolução de filmes sólidos e líquidos; - Erosão; - Fadiga e ruptura de contaminantes folheados; - Remoção de bolhas de ar de pequenas cavidades e reentrâncias. Em sistemas que operam até 400 KHz a cavitação é o efeito principal, já aqueles com frequências próximas de 1 MHz, é a transferência de momento. Na fase de dispersão e aumento da dissolução de filmes sólidos e líquidos a ação do banho ocorre somente na interface, via dissolução, e à medida que o banho reage com os contaminantes há formação de uma camada saturada. A Figura 6 ilustra a condição inicial e evoluída de um substrato submerso em um banho químico estático.

21 20 Figura 6: Condição inicial e evoluída de um substrato submerso em um banho químico estático. Fonte: (PEREIRA, 2010) Na presença de um campo ultrassônico de alta intensidade em meio líquido, ocorre a cavitação, que é o surgimento de bolhas de vapor que colapsam gerando grandes diferenciais pontuais de pressão e temperatura. Existem diversos tipos de contaminantes, dentre eles, os quimicamente inertes, os quais são os mais difíceis de serem removidos, por isso necessitam de uma vigorosa remoção mecânica realizada pela erosão gerada pela cavitação. Quando as ondas ultrassônicas se propagam, geram a expansão e contração de bolhas de ar que possivelmente estejam presas em orifícios e cavidades, que acabam impedindo a limpeza completa do objeto por dificultarem o acesso do banho químico. Este processo leva os contaminantes folheados à fadiga e facilita a remoção de bolhas presas por tensões superficiais. Durante a expansão, o volume da bolha aumenta como também, a força de empuxo no sentido de remover o contaminante, representado pela Figura 7 a seguir. Figura 7: Processo de remoção do contaminante folheado Fonte: (PEREIRA, 2010)

22 21 A água utilizada no banho ultrassônico deve ser deionizada pelo processo de osmose reversa, que reduz o risco de contaminação microbiana da água (ANVISA, 2013). 4 METODOLOGIA E RESULTADOS 4.1 Materiais e equipamentos Os materiais e os equipamentos necessários para a realização dos testes propostos neste método foram: Água deionizada por osmose reversa; Balança Analítica; Banho ultrassônico de 1 litro; Béquer; Centrífuga; Eppendorf de 15 ml; Estufa; Fibra de poliéster; Metanol; Pinça; Proveta de 10 ml; Suporte universal com garra; Vidro relógio. 4.2 Procedimento analítico A fibra Spunlace, DTEX 3,3, lote 50085B, foi denominada fibra A, e a fibra FiberFill DTEX 11, lote 50166I, foi denominada fibra B. O intervalo padrão estabelecido para estas fibras não serem consideradas com alta ensimagem é de

23 22 0,10 0,16% para a fibra A e 010 0,18% para a fibra B. Caso o lote da fibra não esteja dentro destes intervalos, ela será estocada e poderá ser vendida para um cliente como segunda linha, por um preço inferior. No dia 03/12/2013 havia 342 Kg da fibra com ensimagem alta e 273 Kg da fibra com ensimagem baixa em estoque. Para verificar a quantidade de ensimagem contida nas fibras e se estas estavam dentro dos padrões, adotou-se método de extração utilizado na M&G. Para a validação do método proposto neste trabalho, dois solventes foram utilizados na extração. O primeiro solvente testado foi o metanol. Para cada 1 grama de fibra, 3 ml de metanol foram usados. Com o auxílio de uma proveta de 10 ml, colocou-se o metanol no eppendorff de 15 ml e em seguida, com uma pinça, a fibra. O banho ultrassônico com capacidade para 1l e frequência de 55 khz foi preparado colocando-se água deionizada por osmose reversa até seu nível máximo. Como este banho já estava mapeado, a melhor posição para inserção do eppendorff já estava definida, sendo esta a de número quatro, com maior incidência de ondas ultrassônicas, recebendo assim mais energia. A Figura 8 mostra a fibra sendo lavada pelo banho ultrassônico e a localização desta posição. Figura 8: Banho ultrassônico com eppendorff na posição 4. O tempo de permanência das amostras no banho ultrassônico foi de 1 a 10 minutos, com variação de 1 minuto. A temperatura manteve-se em torno de 22 C.

24 23 Terminado o banho ultrassônico, as amostras no eppendorff foram centrifugadas durante 15 minutos em 2500 rpm. A Figura 9 mostra a centrífuga utilizada na separação do metanol da fibra: Figura 9: Centrífuga com os eppendorffs contendo as amostras. O vidro relógio que será utilizado como recipiente da fase líquida separada na centrifugação deve ser pesado em uma balança analítica e ter seu valor anotado. A Figura 10 representa a balança utilizada: Figura 10: Balança analítica com 5 casas decimais. Após a separação da fase líquida (metanol + óleo) com a fibra, todo o líquido foi disposto no vidro relógio e colocado durante 10 minutos em uma estufa a 100 C com o intuito de evaporar o metanol, que possui ponto de ebulição de 64,7 C. Quando a temperatura do vidro relógio se igualou à do ambiente, este foi novamente pesado para verificar a quantidade de óleo retirado da fibra.

25 24 Este procedimento foi realizado em triplicata. O segundo solvente testado foi a água. Neste procedimento, realizado na temperatura de 22 C, 10 gramas de cada fibra foram imersas no banho ultrassônico com 1 litro de água deionizada durante 30 minutos, como mostra a Figura 11: Figura 11: Banho ultrassônico com água como solvente. Após a lavagem no ultrassom a fibra deve ser lavada com água corrente três vezes, retirando o excesso de água, e colocada para secar em uma estufa na temperatura de 100ºC até que toda água presente na fibra evapore. Feita a triplicata para cada fibra, o método de quantificação da M&G foi realizado para verificar se o óleo foi retirado. 4.3 Resultados e discussão Utilizando-se o método de extração da M&G e pela Equação 1, calculou-se a porcentagem de óleo presente na fibra. A quantidade de óleo encontrada em cada fibra foi determinada pela subtração do peso da cápsula depois desta extração com o seu peso de antes. Os resultados estão apresentados nas Tabelas 1 e 2. Tabela 1: Método de extração por metanol da fibra A Peso (g) fibra A: E601 Peso Depois (g) Peso do óleo (g) Porcentagem (%) 10,134 7,228 0,024 0,236 10,038 7,339 0,019 0,186 10,235 7,3568 0,012 0,193 10,228 7,312 0,020 0,197 10,270 7,3671 0,02 0,194 10,101 7,3937 0,023 0,233

Separação de Misturas

Separação de Misturas 1. Introdução Separação de Misturas As misturas são comuns em nosso dia a dia. Como exemplo temos: as bebidas, os combustíveis, e a própria terra em que pisamos. Poucos materiais são encontrados puros.

Leia mais

Prova Experimental Física, Química, Biologia

Prova Experimental Física, Química, Biologia Prova Experimental Física, Química, Biologia Complete os espaços: Nomes dos estudantes: Número do Grupo: País: BRAZIL Assinaturas: A proposta deste experimento é extrair DNA de trigo germinado e, posteriormente,

Leia mais

Determinação quantitativa de amido em produtos cárneos por espectrometria

Determinação quantitativa de amido em produtos cárneos por espectrometria Página 1 de 7 1 Escopo Este método tem por objetivo quantificar amido em produtos cárneos por espectrometria molecular no. 2 Fundamentos Baseia-se na determinação espectrofotométrica a 620 nm do composto

Leia mais

PRODUTOS DA LINHA PROFISSIONAL

PRODUTOS DA LINHA PROFISSIONAL PRODUTOS DA LINHA PROFISSIONAL 1 Produtos da Linha Profissional Recomendações p/ se trabalhar com artigos Profissionais 3 Limpeza de Uniformes Profissionais 100% Algodão c/ Sujidade Leve 4 Limpeza de Uniformes

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO TELHAS DE POLICARBONATO

MANUAL DE INSTALAÇÃO TELHAS DE POLICARBONATO MANUAL DE INSTALAÇÃO TELHAS DE POLICARBONATO TELHAS DE POLICARBONATO As Telhas de Policarbonato proporcionam ótima transmissão de luz (praticamente idêntica ao vidro) favorecendo maior aproveitamento da

Leia mais

O Secretário de Vigilância Sanitária d Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais e considerando:

O Secretário de Vigilância Sanitária d Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais e considerando: título: Portaria nº 27, de 18 de março de 1996 ementa não oficial: Aprova o regulamento técnico sobre embalagens e equipamentos de vidro e cerâmica em contato com alimentos, conforme Anexo da presente

Leia mais

As forças atrativas entre duas moléculas são significativas até uma distância de separação d, que chamamos de alcance molecular.

As forças atrativas entre duas moléculas são significativas até uma distância de separação d, que chamamos de alcance molecular. Tensão Superficial Nos líquidos, as forças intermoleculares atrativas são responsáveis pelos fenômenos de capilaridade. Por exemplo, a subida de água em tubos capilares e a completa umidificação de uma

Leia mais

Quando tratamos das propriedades de um material transformado, segundo muitos pesquisadores, estas dependem de uma reciclagem bem sucedida. Para que isto ocorra, os flocos de PET deverão satisfazer determinados

Leia mais

Introdução à Química Inorgânica

Introdução à Química Inorgânica Introdução à Química Inorgânica Orientadora: Drª Karla Vieira Professor Monitor: Gabriel Silveira Química A Química é uma ciência que está diretamente ligada à nossa vida cotidiana. A produção do pão,

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES

MANUAL DE INSTALAÇÃO CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES MANUAL DE INSTALAÇÃO CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES As chapas de policarbonato alveolares, possuem em um dos lados, tratamento contra o ataque dos raios ultravioletas,

Leia mais

1. DETERMINAÇÃO DE UMIDADE PELO MÉTODO DO AQUECIMENTO DIRETO- TÉCNICA GRAVIMÉTRICA COM EMPREGO DO CALOR

1. DETERMINAÇÃO DE UMIDADE PELO MÉTODO DO AQUECIMENTO DIRETO- TÉCNICA GRAVIMÉTRICA COM EMPREGO DO CALOR UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC FACULDADE DE NUTRIÇÃO DISCIPLINA: BROMATOLOGIA 2º/ 4 O PROFA. IVETE ARAKAKI FUJII. DETERMINAÇÃO DE UMIDADE PELO MÉTODO DO AQUECIMENTO DIRETO- TÉCNICA GRAVIMÉTRICA COM EMPREGO

Leia mais

Propriedades da matéria e mudanças de estado físico

Propriedades da matéria e mudanças de estado físico INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO Campus Valença Propriedades da matéria e mudanças de estado físico Professor: José Tiago Pereira Barbosa 1 Propriedades da Matéria A matéria é

Leia mais

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste.

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Recobrimento metálico Um problema Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Essa proteção pode

Leia mais

TECNOLOGIA DE Sabões e detergentes. Conteúdos a serem abordados: --Tensão superficial -- Polaridade -- Forças intermoleculares

TECNOLOGIA DE Sabões e detergentes. Conteúdos a serem abordados: --Tensão superficial -- Polaridade -- Forças intermoleculares TECNOLOGIA DE Sabões e detergentes Conteúdos a serem abordados: --Tensão superficial -- Polaridade -- Forças intermoleculares Tensão superficial Força existente na superfície de líquidos em repouso. Fortes

Leia mais

ESTRUTURA DO MICROSCÓPIO ÓPTICO

ESTRUTURA DO MICROSCÓPIO ÓPTICO ESTRUTURA DO MICROSCÓPIO ÓPTICO Lembre-se que o microscópio utilizado em nosso laboratório possui uma entrada especial para uma câmera de vídeo. Parte Mecânica: Base ou Pé: Placa de apoio do microscópio

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

BT 0011 BOLETIM TÉCNICO RESINA PC 26_ENDURECEDOR G 226_ CARGA EF 35/P

BT 0011 BOLETIM TÉCNICO RESINA PC 26_ENDURECEDOR G 226_ CARGA EF 35/P BT 0011 BOLETIM TÉCNICO RESINA PC 26_ENDURECEDOR G 226_ CARGA EF 35/P Elaborador: Verificadores: Aprovador: Resina PC 26_Endurecedor G 226_Carga EF 35/P Resina

Leia mais

- CROMATOGRAFIA EM CAMADA FINA (CCF)

- CROMATOGRAFIA EM CAMADA FINA (CCF) - CROMATOGRAFIA EM CAMADA FINA (CCF) Técnica de identificação e separação de compostos orgânicos Aplicações: - Identificação de componentes de uma mistura - Acompanhamento da evolução de uma reação - Análise

Leia mais

BT 0014 BOLETIM TÉCNICO RESINA PC 6NF_ENDURECEDOR G 130 BLUE

BT 0014 BOLETIM TÉCNICO RESINA PC 6NF_ENDURECEDOR G 130 BLUE BT 0014 BOLETIM TÉCNICO RESINA PC 6NF_ENDURECEDOR G 130 BLUE Elaborador: Verificadores: Aprovador: Resina PC 6NF_Endurecedor G 130 Blue Resina para aplicação

Leia mais

LIMPEZA E PREPARAÇÃO DE VIDRARIAS PARA ANÁLISE DE COMPOSTOS ORGÂNICOS

LIMPEZA E PREPARAÇÃO DE VIDRARIAS PARA ANÁLISE DE COMPOSTOS ORGÂNICOS LIMPEZA E PREPARAÇÃO DE VIDRARIAS PARA ANÁLISE DE COMPOSTOS ORGÂNICOS Jéssica Alessandra da Silva Moura, Gilvan Takeshi Yogui Para fins de referência, este documento pode ser citado como: Moura, J.A.S.;

Leia mais

Informações Gerais. O que é Water Transfer Printing?

Informações Gerais. O que é Water Transfer Printing? Informações Gerais Provedora de soluções para o processo de Water Transfer Printing a PROJFIX está no mercado com o objetivo de trazer qualidade para o segmento no Brasil, comercializando produtos de alto

Leia mais

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 03 Síntese do Oxalato de Bário

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 03 Síntese do Oxalato de Bário UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier Prática 03 Síntese do Oxalato

Leia mais

Matéria: Química Assunto: Materiais Prof. Gilberto Ramos

Matéria: Química Assunto: Materiais Prof. Gilberto Ramos Matéria: Química Assunto: Materiais Prof. Gilberto Ramos Química Materiais, suas propriedades e usos Estados Físicos Estado vem do latim status (posição,situação, condição,modo de estar). O estado físico

Leia mais

MATERIAIS COMPÓSITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

MATERIAIS COMPÓSITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho MATERIAIS COMPÓSITOS Histórico Adobes reforçados com palha Egito 5000 anos. Concreto reforçado com barras de metal século XIX. Fibras de vidro 1970 Conceito São materiais formados por dois ou mais constituintes

Leia mais

Exercícios Sobre MudanÇas de estados físicos e diagramas

Exercícios Sobre MudanÇas de estados físicos e diagramas Exercícios Sobre MudanÇas de estados físicos e diagramas 01. (Uepg) Quanto às características das substâncias puras e das misturas, assinale o que for correto. 01) Misturas sólidas homogêneas não podem

Leia mais

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos SECAGEM DE GRÃOS Disciplina: Armazenamento de Grãos 1. Introdução - grãos colhidos com teores elevados de umidade, para diminuir perdas:. permanecem menos tempo na lavoura;. ficam menos sujeitos ao ataque

Leia mais

Lavagem e manutenção

Lavagem e manutenção Lavagem e manutenção Instruções: a. Recomenda-se, durante a lavagem, não friccionar fortemente e/ou escovar, a roupa sobre o tanque, essas práticas desgastam o tecido, afetando a uniformidade das cores.

Leia mais

Melhor desempenho. Maior produtividade. DuPont. Sontara FS PANOS DE LIMPEZA PROFISSIONAL

Melhor desempenho. Maior produtividade. DuPont. Sontara FS PANOS DE LIMPEZA PROFISSIONAL Melhor desempenho. Maior produtividade. DuPont Sontara FS PANOS DE LIMPEZA PROFISSIONAL Maior qualidade, segurança e eficiência nos processos de limpeza profissional. Quem olha para o futuro com vontade

Leia mais

Perguntas frequentes sobre banhos ultrassônicos

Perguntas frequentes sobre banhos ultrassônicos Perguntas frequentes sobre banhos ultrassônicos O que é e como funciona um banho ultrassônico? Um banho ultrassônico é composto basicamente por três partes: gerador, transdutor e tanque. O sinal elétrico

Leia mais

Limpeza é fundamental!

Limpeza é fundamental! Limpeza é fundamental! Limpeza é absolutamente fundamental quando o assunto é a produção de alimentos de forma higiênica. A prioridade é evitar a proliferação de germes e eliminar corpos estranhos. Além

Leia mais

SISTEMAS DE PISO EPOXI

SISTEMAS DE PISO EPOXI SISTEMAS DE PISO EPOXI PRODUTO DESCRIÇÃO VEC-601 TUBOFLOOR TEE-556 AUTONIVELANTE Selador epóxi de dois componentes de baixa viscosidade. Revestimento epóxi com adição de sílica para regularização de pisos.

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO

A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO GRUPO HUMMA Eng Fawler Morellato Av. Fagundes Filho, 191 - Cj. 103D Depto. Engenharia e Desenvolvimento

Leia mais

Gaxetas de Fibras Sintéticas e Outras

Gaxetas de Fibras Sintéticas e Outras Gaxetas de Fibras Sintéticas e Outras Quimgax 2030 Quimgax 2004 Quimgax 2017 Quimgax 2043 Quimgax 2044 Quimgax 2777 Quimgax 2019 Quimgax 2143 Quimgax 2153 Quimgax 2061 e 2062 As gaxetas de fibras sintéticas

Leia mais

ATIVIDADES RECUPERAÇÃO PARALELA

ATIVIDADES RECUPERAÇÃO PARALELA ATIVIDADES RECUPERAÇÃO PARALELA Nome: Nº Ano: 6º Data: 14/11/2012 Bimestre: 4 Professor: Vanildo Disciplina: Química Orientações para estudo: Esta atividade deverá ser entregue no dia da avaliação de recuperação,

Leia mais

POLÍMEROS TERMOPLÁSTICOS E TERMOFIXOS. Os polímeros podem ser classificados em termoplásticos e termofixos. TERMOPLÁSTICOS

POLÍMEROS TERMOPLÁSTICOS E TERMOFIXOS. Os polímeros podem ser classificados em termoplásticos e termofixos. TERMOPLÁSTICOS Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Bacharelado em Ciência e Tecnologia Teófilo Otoni - MG Prof a. Dr a. Flaviana Tavares Vieira Prof a. Dr a. Flaviana Tavares Vieira POLÍMEROS TERMOPLÁSTICOS

Leia mais

Propriedades Coligativas

Propriedades Coligativas 1. Introdução Propriedades Coligativas Algumas propriedades do solvente mudam quando um soluto é dissolvido nele para formar uma solução. O ponto de congelamento da água salgada, por exemplo, é menor que

Leia mais

Processo Fotolitográfico Direto com o AZ1350J

Processo Fotolitográfico Direto com o AZ1350J UNIVESIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS CENTRO DE COMPONENTES SEMICONDUTORES Campinas-SP- 13083-970 Caixa Postal 6061 Telefone (19) 3788-7282, Fax: (19)3788-7282 diniz@led.unicamp.br Processo Fotolitográfico

Leia mais

Analisar e aplicar os princípios da extração sólido-líquido e líquido-líquido na separação e purificação de produtos.

Analisar e aplicar os princípios da extração sólido-líquido e líquido-líquido na separação e purificação de produtos. 12.1 Objetivo Específico Analisar e aplicar os princípios da extração sólido-líquido e líquido-líquido na separação e purificação de produtos. 12.2 Introdução A extração é uma técnica para purificação

Leia mais

TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS

TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS Teor de Umidade dos Grãos TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS O teor de umidade dos grãos representa a quantidade de água por unidade de massa do grão úmido ou seco. Pode ser expresso pela relação entre a quantidade

Leia mais

MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER

MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER 1. INTRODUÇÃO Este Manual de Aplicação do GS-Super demonstra passo a passo o procedimento correto para aplicação do material bem como os cuidados necessários

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA E APARELHAGEM UTILIZADA EM LABORATÓRIO

NORMAS DE SEGURANÇA E APARELHAGEM UTILIZADA EM LABORATÓRIO NORMAS DE SEGURANÇA E APARELHAGEM UTILIZADA EM LABORATÓRIO Objetivo: Explicação das normas básicas de segurança no laboratório. Aula teórica com retroprojetor, transparências e demonstração de algumas

Leia mais

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade.

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade. Aula 10: Processos de Fundição em Moldes Metálicos por Gravidade (Coquilhas) 01: Introdução - Características do processo - Etapas envolvidas. - Fatores econômicos e tecnológicos - Ligas emprwegadas 02:

Leia mais

ANEXO IV. II- um armário para armazenagem de solventes, com construção resistente ao fogo.

ANEXO IV. II- um armário para armazenagem de solventes, com construção resistente ao fogo. ANEXO IV ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS. No laboratório, almoxarifado e em locais em que se tenha que armazenar ou manipular substâncias químicas, deve-se ter em conta sua composição, pois muitas delas

Leia mais

O poder. proteger. para. mundo. o seu. 3M Cuidado Institucional. Sorbents

O poder. proteger. para. mundo. o seu. 3M Cuidado Institucional. Sorbents 3M Cuidado Institucional Sorbents O poder para proteger o seu mundo A 3M é pioneira no conceito de microfibra e polipropileno, com mais de 25 anos de experiência na fabricação de respiradores descartáveis.

Leia mais

MUDANÇA DE ESTADO FÍSICO, PRESSÃO DE VAPOR... *

MUDANÇA DE ESTADO FÍSICO, PRESSÃO DE VAPOR... * MUDANÇA DE ESTADO FÍSICO, PRESSÃO DE VAPOR... * MUDANÇA DE ESTADO FÍSICO Antes de verificarmos como ocorrem as mudanças de estado físico de uma substância, vamos caracterizar cada um dos estados aqui estudados.

Leia mais

Preparo de Amostras. Linha de produtos. ::: Clear Solutions in Sample Preparation

Preparo de Amostras. Linha de produtos. ::: Clear Solutions in Sample Preparation Preparo de Amostras Linha de produtos ::: Clear Solutions in Sample Preparation Multiwave PRO Soberano nos métodos de preparo de amostras 4 O sistema de reação assistido por micro-ondas Multiwave PRO oferece

Leia mais

BT 0013 BOLETIM TÉCNICO RESINA FLOOR REPAIR PLUS_ ENDURECEDOR FLOOR REPAIR PLUS_ SÍLICA F-036

BT 0013 BOLETIM TÉCNICO RESINA FLOOR REPAIR PLUS_ ENDURECEDOR FLOOR REPAIR PLUS_ SÍLICA F-036 BT 0013 BOLETIM TÉCNICO RESINA FLOOR REPAIR PLUS_ ENDURECEDOR FLOOR REPAIR PLUS_ SÍLICA F-036 Elaborador: Verificadores: Aprovador: Resina Floor Repair Plus_Endurecedor

Leia mais

SEPARAÇÃO DE MISTURAS HETEROGÊNEAS. (Processos mecânicos de separação) Sistema sólido - sólido

SEPARAÇÃO DE MISTURAS HETEROGÊNEAS. (Processos mecânicos de separação) Sistema sólido - sólido SEPARAÇÃO DE MISTURAS HETEROGÊNEAS (Processos mecânicos de separação) Sistema sólido - sólido Separação magnética: Separa misturas do tipo sólido-sólido nas quais um dos componentes tem propriedades magnéticas

Leia mais

MF-613.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE METAIS EM PARTÍCULAS EM SUSPENSÃO NO AR POR ESPECTROMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA COM CHAMA.

MF-613.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE METAIS EM PARTÍCULAS EM SUSPENSÃO NO AR POR ESPECTROMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA COM CHAMA. MF-613.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE METAIS EM PARTÍCULAS EM SUSPENSÃO NO AR POR ESPECTROMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA COM CHAMA. Notas: Aprovado pela Deliberação CECA nº 3.967, de 16 de janeiro de 2001

Leia mais

IX Congresso Brasileiro de Análise Térmica e Calorimetria 09 a 12 de novembro de 2014 Serra Negra SP - Brasil

IX Congresso Brasileiro de Análise Térmica e Calorimetria 09 a 12 de novembro de 2014 Serra Negra SP - Brasil ESTUDO TERMOANALÍTICO DE COMPÓSITOS DE POLI(ETILENO-CO-ACETATO DE VINILA) COM BAGAÇO DE CANA-DE-AÇÚCAR Carla R. de Araujo, Igor B. de O. Lima, Cheila G. Mothé Departamento de Processos Orgânicos - Escola

Leia mais

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil MADEIRA COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil MADEIRA COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO MADEIRA COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO A madeira é um material excepcional como material de construção além de ter qualidades muito grandes como matéria prima para outros produtos industrializados, e que

Leia mais

Cortec VpCI - 377 / VpCI - 377 Winterized

Cortec VpCI - 377 / VpCI - 377 Winterized Cortec VpCI - 377 / VpCI - 377 Winterized Descrição do Produto VpCI - 377 é um concentrado à base de água, criado para ser um substituto completo de preventivos à base de óleo para proteção de componentes

Leia mais

Bacharelado em Farmácia. Disciplina:Operações Unitárias em Indústria 8 Período Prof.a: Msd. Érica Muniz Filtração

Bacharelado em Farmácia. Disciplina:Operações Unitárias em Indústria 8 Período Prof.a: Msd. Érica Muniz Filtração Bacharelado em Farmácia Disciplina:Operações Unitárias em Indústria 8 Período Prof.a: Msd. Érica Muniz Filtração FILTRAÇÃO Nas indústrias de alimentos e bebidas, a filtração aparece na produção de suco

Leia mais

Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes

Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes Ana Paula Alves da Silva 1, a, Aline Resmini Melo 1,b, Carolina Resmini Melo 1,c. 1 Engenharia

Leia mais

PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK.

PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK. PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK. Mario Henrique de Cerqueira Engenheiro de Desenvolvimento Ambiental - Tetra Pak 1. Introdução

Leia mais

Ar de Alta Qualidade, da Geração à Utilização

Ar de Alta Qualidade, da Geração à Utilização Ar de Alta Qualidade, da Geração à Utilização A qualidade do ar em um sistema de ar comprimido tem variações e todas elas estão contempladas no leque de opções de produtos que a hb ar comprimido oferece.

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Câmpus Regional de Goioerê Curso de Engenharia Têxtil Tratamento Têxteis 900 Professor: Washington Luiz F.

Universidade Estadual de Maringá Câmpus Regional de Goioerê Curso de Engenharia Têxtil Tratamento Têxteis 900 Professor: Washington Luiz F. Universidade Estadual de Maringá Câmpus Regional de Goioerê Curso de Engenharia Têxtil Tratamento Têxteis 900 Professor: Washington Luiz F. dos Santos Equipe: Joni Dutra Neves R.A.: 15.477 Luciana Crespim

Leia mais

PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA.

PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA. PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA. 1)Considere os seguintes dados obtidos sobre propriedades de amostras de alguns materiais. Com respeito a estes materiais,

Leia mais

QUALITY FIX DO BRASIL INDÚSTRIA, COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA. MANUAL DO USUÁRIO

QUALITY FIX DO BRASIL INDÚSTRIA, COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA. MANUAL DO USUÁRIO MANUAL DO USUÁRIO CINTAS QUALITY FIX Condições gerais de segurança... 4 As cores na movimentação... 5 Fator de Segurança... 5 A etiqueta azul de rastreabilidade... 6 Dicas de movimentação... 6 Certificado

Leia mais

ME-27 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DE PONTO DE FULGOR PELO APARELHO TAG FECHADO

ME-27 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DE PONTO DE FULGOR PELO APARELHO TAG FECHADO ME-27 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DE PONTO DE FULGOR PELO APARELHO TAG FECHADO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVO...3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...3 4. DEFINIÇÃO...4

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia do Porto

Instituto Superior de Engenharia do Porto Instituto Superior de Engenharia do Porto Laboratório de Engenharia Química Engenharia Química Determinação da relação entre a Viscosidade Dinâmica de um líquido e a Temperatura Nome: Vera Pereira Nº 990542

Leia mais

Determinação da condutividade térmica do Cobre

Determinação da condutividade térmica do Cobre Determinação da condutividade térmica do Cobre TEORIA Quando a distribuição de temperatura de um corpo não é uniforme (ou seja, diferentes pontos estão a temperaturas diferentes), dá-se expontaneamente

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS PARA BANCOS DE LEITE HUMANO:

NORMAS TÉCNICAS PARA BANCOS DE LEITE HUMANO: NORMAS TÉCNICAS PARA BANCOS DE LEITE HUMANO: MATERIAIS BLH-IFF/NT- 45.04 - Lavagem, Preparo e Esterilização de Materiais FEV 2004 BLH-IFF/NT- 45.04 Rede Nacional de Bancos de Leite Humano FIOCRUZ/IFF-BLH

Leia mais

Separar as peças susceptíveis de serem oxidadas (rebites,gutos, botões) e eliminar manchas de óxido com tira nódoas adequado antes de lavar.

Separar as peças susceptíveis de serem oxidadas (rebites,gutos, botões) e eliminar manchas de óxido com tira nódoas adequado antes de lavar. CUIDADOS GERAIS Leia atentamente as etiquetas da roupa. Respeite sempre as indicações dos fabricantes das máquinas de lavar. Dissolva bem os detergentes para que não causem nódoas e utilize detergentes

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: A água nunca está em estado puro, livre de

Leia mais

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO 14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO Há certos parâmetros que são desejados em todos os tipos de equipamentos de processo, como: FUNCIONALIDADE EFICÁCIA CONFIABILIDADE

Leia mais

MANUAL DE NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA. Material organizado pelo Prof. Cristiano Alfredo. Rupp.

MANUAL DE NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA. Material organizado pelo Prof. Cristiano Alfredo. Rupp. MANUAL DE NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA Material organizado pelo Prof. Cristiano Alfredo. Rupp. NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA Para um trabalho com segurança e com menores

Leia mais

TINTAS E DROGARIA. Produtos de Limpeza e Conservação ARTIGOS DIVERSOS DE DROGARIA CATÁLOGO ARMAZENS REIS WWW.ARMAZENSREIS.PT

TINTAS E DROGARIA. Produtos de Limpeza e Conservação ARTIGOS DIVERSOS DE DROGARIA CATÁLOGO ARMAZENS REIS WWW.ARMAZENSREIS.PT CATÁLOGO ARMAZENS REIS WWW.ARMAZENSREIS.PT ARTIGOS DIVERSOS DE DROGARIA Morada: E.N. 2 km 10 Mamodeiro, 3810728 Aveiro Telefone: (+1) 234 941 194 55 Email: geral@armazensreis.pt = 55 ÁLCOOL Classe de compostos

Leia mais

Referência na fabricação de lençóis de borracha com altíssima resistência ao desgaste CATÁLOGO

Referência na fabricação de lençóis de borracha com altíssima resistência ao desgaste CATÁLOGO Referência na fabricação de lençóis de borracha com altíssima resistência ao desgaste CATÁLOGO A Pang do Brasil é uma empresa com 36 anos de experiência na fabricação de peças para revestimento em borracha.

Leia mais

Sólidos, líquidos e gases

Sólidos, líquidos e gases Mudanças de fase Sólidos, líquidos e gases Estado sólido Neste estado, os átomos da substâncias se encontram muito próximos uns dos outros e ligados por forças eletromagnéticas relativamente grandes. Eles

Leia mais

Metodologia Científica e Tecnológica

Metodologia Científica e Tecnológica Metodologia Científica e Tecnológica Módulo 3 Variáveis e Constantes Prof. Carlos Fernando Jung carlosfernandojung@gmail.com http://lattes.cnpq.br/9620345505433832 Edição 2009 Material para Fins Didáticos

Leia mais

Fig.: Esquema de montagem do experimento.

Fig.: Esquema de montagem do experimento. Título do Experimento: Tratamento de água por Evaporação 5 Conceitos: Mudanças de fases Materiais: Pote de plástico de 500 ml ou 1L; Filme PVC; Pote pequeno de vidro; Atilho (Borracha de dinheiro); Água

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS 2014 LAVADORAS, CENTRÍFUGAS E SECADORAS. www.mueller.ind.br

CATÁLOGO DE PRODUTOS 2014 LAVADORAS, CENTRÍFUGAS E SECADORAS. www.mueller.ind.br CATÁLOGO DE PRODUTOS 2014 LAVADORAS, CENTRÍFUGAS E SECADORAS www.mueller.ind.br Unidade Lavadoras Há 65 anos, a Mueller tem o mesmo compromisso: criar soluções inteligentes para as famílias. Tanto que

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA METODOLOGIA DE AULA PRÁTICA DISCIPLINA: QUÍMICA ANALÍTICA TÍTULO DA AULA: MEDIDAS E ERROS

CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA METODOLOGIA DE AULA PRÁTICA DISCIPLINA: QUÍMICA ANALÍTICA TÍTULO DA AULA: MEDIDAS E ERROS Pág. 1 de 6 I - Objetivos Determinar o volume real de pipetas graduadas e volumétricas de 1,0; 2,0; 5,0; 10,0; 25,0mL, considerando a tolerância apresentada na Tabela 2. Utilizar a balança analítica e

Leia mais

Professora Orientadora - Instituto Federal Catarinense - Campus Rio do Sul, e-mail: karlafunf@ifcriodosul.edu.br

Professora Orientadora - Instituto Federal Catarinense - Campus Rio do Sul, e-mail: karlafunf@ifcriodosul.edu.br TELHADO VERDE E A INFLUÊNCIA NO CONFORTO TÉRMICO EM UMA EDIFICAÇÃO DE MADEIRA NO IFC CAMPUS RIO DO SUL Karla Fünfgelt 1 ; Alexandra Goede de Souza 2 ; Eduardo Augusto Tonet 3 ; Samuel Fachini 4. 1 Professora

Leia mais

FÍSICA EXPERIMENTAL C

FÍSICA EXPERIMENTAL C FÍSICA EXPERIMENTAL C EXPERIÊNCIA 1 CARGA ELÉTRICA 1. MATERIAIS Papel toalha. Folha de papel. Folha de papel alumínio. Barra de polipropileno (cor cinza). Barra de acrílico (transparente). Placa de policarbonato.

Leia mais

ME-26 MÉTODOS DE ENSAIO PONTO DE FULGOR VASO ABERTO CLEVELAND

ME-26 MÉTODOS DE ENSAIO PONTO DE FULGOR VASO ABERTO CLEVELAND ME-26 MÉTODOS DE ENSAIO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVO...3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. APARELHAGEM...4 6. EXECUÇÃO DO ENSAIO...9 7.

Leia mais

PROCESSOS METALÚRGICOS DE FABRICAÇÃO

PROCESSOS METALÚRGICOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS METALÚRGICOS DE FABRICAÇÃO Amanda Alves PEIXOTO 1 Chelinton Silva SANTOS 1 Daniel Moreira da COSTA 1 Rosângela Chaves dos Santos GUISELINI 1 Eduardo Tambasco MONACO 2 RESUMO Este trabalho visa

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 04 Isolamento térmico AQUECIMENTO DE TUBULAÇÕES Motivos Manter em condições de escoamento líquidos de alta viscosidade ou materiais que sejam sólidos

Leia mais

APLICAÇÃO DE ELASTRON EM CONCRETO 1,5

APLICAÇÃO DE ELASTRON EM CONCRETO 1,5 APLICAÇÃO DE ELASTRON EM CONCRETO 1,5 1.0 - DESCRIÇÃO Esta literatura tem por finalidade servir de guia de aplicação do Elastron sobre Estruturas de Concreto e a Preparação do Substrato. O Sistema consistirá

Leia mais

PROPRIEDADES DA MATÉRIA

PROPRIEDADES DA MATÉRIA Profª Msc.Anna Carolina A. Ribeiro PROPRIEDADES DA MATÉRIA RELEMBRANDO Matéria é tudo que tem massa e ocupa lugar no espaço. Não existe vida nem manutenção da vida sem matéria. Corpo- Trata-se de uma porção

Leia mais

Química Geral Experimental - Aula 10

Química Geral Experimental - Aula 10 Química Geral Experimental - Aula 10 Título da Prática: Reações Químicas (Parte l) Objetivos: Determinar a concentração exata (padronizar) de soluções aquosas diluídas de ácidos e bases fortes utilizando

Leia mais

1.OBJETIVO. Os principais objetivos da prática de soldagem com eletrodo revestido são:

1.OBJETIVO. Os principais objetivos da prática de soldagem com eletrodo revestido são: 1 Objetivo/Justificativa 2 Introdução 2.1 Soldagem por Arco Submerso 2.1.1 Princípio de Funcionamento 2.2 Soldagem por Arame Tubular 2.2.1 Princípio de Funcionamento 3 Descrição da Prática 3.1 Materiais

Leia mais

APÊNDICE A. Laboratory of Separation and Reaction Engineering

APÊNDICE A. Laboratory of Separation and Reaction Engineering APÊNDICE A Laboratory of Separation and Reaction Engineering LCM Laboratory of Catalysis and Materials Associate Laboratory LSRE/LCM, Faculdade de Engenharia, Universidade do Porto, Rua Dr. Roberto Frias,

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS

IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS PRÁTICA N o. 02 IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS OBJETIVOS: Esta prática tem como objetivo a identificação e confirmação de grupos funcionais de aldeídos e

Leia mais

Laboratórios de Pesquisa da Biologia

Laboratórios de Pesquisa da Biologia Laboratórios de Pesquisa da Biologia 1 - Laboratório de Biologia e Ecologia Animal (B 1.01) Conta com um espaço físico de 12m x 12m (144m²) phmetro ou medidor de ph: é um aparelho usado para medição de

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO FRESCO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes CONCRETO FRESCO Conhecer o comportamento

Leia mais

A limpeza de pisos de mármore normalmente é feita com solução de ácido clorídrico comercial (ácido muriático).

A limpeza de pisos de mármore normalmente é feita com solução de ácido clorídrico comercial (ácido muriático). 61 b A limpeza de pisos de mármore normalmente é feita com solução de ácido clorídrico comercial (ácido muriático). Essa solução ácida ataca o mármore, desprendendo gás carbônico, segundo a reação descrita

Leia mais

Obrigado por ter adquirido os nossos produtos.

Obrigado por ter adquirido os nossos produtos. Obrigado por ter adquirido os nossos produtos. A Lavore Móveis segue um rigoroso controle de qualidade com o objetivo de garantir a total satisfação dos nossos clientes. Para conservação do mobiliário

Leia mais

Trocadores de calor a placas. A otimização da troca térmica

Trocadores de calor a placas. A otimização da troca térmica Trocadores de calor a placas A otimização da troca térmica Um amplo conhecimento para otimizar seus processos As atividades da Alfa Laval têm um único objetivo: oferecer a você cliente tecnologias que

Leia mais

Preparação e padronização de uma solução 0,10 mol/l de ácido clorídrico

Preparação e padronização de uma solução 0,10 mol/l de ácido clorídrico Universidade Estadual de Goiás UnUCET - Anápolis Química Industrial Química Experimental II Preparação e padronização de uma solução 0,10 mol/l de ácido clorídrico Alunos: Bruno Ramos; Wendel Thiago; Thales

Leia mais

POLIMERO ADICIONADO À LAMA QUE DIMINUI O TEMPO DE PERFURAÇÃO

POLIMERO ADICIONADO À LAMA QUE DIMINUI O TEMPO DE PERFURAÇÃO POLIMERO ADICIONADO À LAMA QUE DIMINUI O TEMPO DE PERFURAÇÃO Guillermo Ruperto Martín-Cortés 1,2 ; Fabio José Esper 1,3 ; Jofer Miziara Nogueira 1 ; Francisco Rolando Valenzuela-Díaz 1. 1 PMT-EPUSP - Departamento

Leia mais

Departamento de Física - ICE/UFJF Laboratório de Física II

Departamento de Física - ICE/UFJF Laboratório de Física II CALORIMETRIA 1 Objetivos Gerais: Determinação da capacidade térmica C c de um calorímetro; Determinação do calor específico de um corpo de prova; *Anote a incerteza dos instrumentos de medida utilizados:

Leia mais

ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL

ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL CROMATOGRAFIA 2 1 6 Ed. Cap. 10 268-294 6 Ed. Cap. 6 Pg.209-219 6 Ed. Cap. 28 Pg.756-829 6 Ed. Cap. 21 Pg.483-501 3 Separação Química Princípios de uma separação. Uma mistura

Leia mais

Título do experimento: Identificando os plásticos. Conceitos: Química Orgânica: Polímeros A química dos Plásticos.

Título do experimento: Identificando os plásticos. Conceitos: Química Orgânica: Polímeros A química dos Plásticos. Título do experimento: Identificando os plásticos Conceitos: Química Orgânica: Polímeros A química dos Plásticos. Materiais: - Plásticos diversos; - Lamparina; - Pinça; - Tesoura; - Pedaço de fio de cobre;

Leia mais

Manual de Procedimentos Norma n.º 5 - Esterilização Procedimento n.º 1 Pré Lavagem dos Dispositivos Médicos Contaminados

Manual de Procedimentos Norma n.º 5 - Esterilização Procedimento n.º 1 Pré Lavagem dos Dispositivos Médicos Contaminados 2014 1.Enquadramento: A limpeza dos dispositivos médicos contaminados (DMC) é, de acordo com a Norma n.º 2 Descontaminação de Dispositivos Médicos e Equipamentos 1, o processo que inclui a lavagem, o enxaguamento

Leia mais

PLASTEEL CERÂMICO PINTÁVEL BRANCO

PLASTEEL CERÂMICO PINTÁVEL BRANCO PLASTEEL CERÂMICO PINTÁVEL BRANCO PLASTEEL CERÂMICO PINTÁVEL BRANCO é um revestimento cerâmico bicomponente, na cor branca, ideal para promover proteção pintável às superfícies contra corrosão, abrasão

Leia mais

Descritivo de produto. Fornecedor. www.velp.com

Descritivo de produto. Fornecedor. www.velp.com Descritivo de produto Fornecedor www.velp.com Chapa c/ Aquecimento e Agitação Modelo AREC Chapa de aquecimento com agitação, com placa de aquecimento em cerâmica, extremamente resistente à corrosão e fácil

Leia mais

Agroindústria Processamento Artesanal de Frutas - Geléias

Agroindústria Processamento Artesanal de Frutas - Geléias 1 de 7 10/16/aaaa 10:34 Agroindústria Agroindústria: Processamento Artesanal de Frutas - Geléias Processamento Nome artesanal de frutas: Geléias Produto Informação Tecnológica Data Agosto -2000 Preço -

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA. Preciso de informações sobre reciclagem de thinner, fabricante de máquinas para reciclagem e viabilidade.

RESPOSTA TÉCNICA. Preciso de informações sobre reciclagem de thinner, fabricante de máquinas para reciclagem e viabilidade. RESPOSTA TÉCNICA Título Reciclagem de Thinner Resumo Informações de como é feita a reciclagem de solventes orgânicos como o thinner, fornecedores de equipamentos para reciclagem dos mesmos e viabilidade

Leia mais