FÍSICA EXPERIMENTAL C

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FÍSICA EXPERIMENTAL C"

Transcrição

1 FÍSICA EXPERIMENTAL C EXPERIÊNCIA 1 CARGA ELÉTRICA 1. MATERIAIS Papel toalha. Folha de papel. Folha de papel alumínio. Barra de polipropileno (cor cinza). Barra de acrílico (transparente). Placa de policarbonato. Filme plástico (transparente). Lâmpada de néon. Clipe com barbante. Suporte metálico. Ponteiro metálico. Par de pêndulos metálicos ligados por um barbante. Placa de indução. 2. PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL Experiências de eletrização dependem fortemente das condições atmosféricas do dia. Certifique-se que o ambiente esteja com baixa umidade. Caso o ar condicionado do laboratório não esteja ligado, peça ao professor que o faça. Além disso, procure fazer este experimento com a lâmpada da luminária acesa, pois o calor proveniente dela ajuda a manter o ambiente seco Carga Elétrica e o Eletroscópio Efeito da eletrização em barras isolantes sobre uma lâmpada de néon Para a realização desta parte do experimento, siga os procedimentos abaixo. a) Segure a barra de polipropileno (de cor cinza) firmemente por uma de suas extremidades. b) Atrite a outra extremidade utilizando papel toalha, friccionando o papel contra a barra através de movimentos de vai-e-vem. c) Segure o tubo de néon por uma de suas partes metálicas e encoste a outra parte metálica na extremidade da barra que foi atritada com o papel toalha, conforme mostrado na Figura 1. d) Observe o que acontece internamente com a lâmpada de néon. Escreva o resultado de sua e) Repita os mesmos procedimentos descritos acima com a outra extremidade da lâmpada de néon. f) Repita os mesmos procedimentos descritos acima para diferentes condições de atrito. g) Execute os mesmos procedimentos descritos acima, usando agora a barra de acrílico

2 (transparente). Figura 1: Efeito da eletrização por atrito em uma lâmpada de néon Efeito da eletrização em placas e filmes isolantes sobre uma lâmpada néon Para a realização desta parte do experimento, siga os procedimentos abaixo. a) Coloque a placa de policarbonato sobre a mesa com o filme transparente sobre ela. b) Atrite firmemente o filme com o papel toalha. c) Eleve o conjunto placa de policarbonato + filme cerca de 30 cm da mesa. d) Separe o filme da placa de policarbonato, conforme mostra a Figura 2. Figura 2: Eletrização por atrito entre duas superfícies isolantes. e) Observe o que acontece à medida que o filme se separa da placa. Escreva o resultado de sua f) Após a total separação entre o filme transparente e a placa de policarbonato, toque a placa com uma das extremidades metálicas da lâmpada de néon, conforme mostrado na Figura 3. g) Observe o que acontece internamente na lâmpada de néon. Escreva o resultado de sua h) Repita os mesmos procedimentos descritos acima com a outra extremidade da lâmpada de néon. i) Repita os mesmos procedimentos descritos acima para diferentes condições de atrito. j) Repita todos as etapas descritas acima, mas desta vez atrite a placa e o filme separadamente.

3 Figura 3: Efeito da eletrização em um sistema placa de policarbonato + filme isolante sobre uma lâmpada de néon Efeito de placas e filmes isolantes atritados sobre um eletroscópio Para a realização desta parte do experimento, siga os procedimentos abaixo. a) Fixe o clipe na metade da barra de polipropileno. b) Atrite apenas uma metade da barra com o papel toalha. c) Suspenda a barra no suporte metálico como mostra a Figura 4. Cuide para que o lado atritado não toque em qualquer objeto ou pessoa. Por que devemos ter este cuidado? O que acabamos de construir é o que se chama de balança elétrica ou eletroscópio. Este tipo de equipamento permite demonstrar a existência de cargas elétricas em objetos. Isto é feito a partir do comportamento da parte atritada da barra de acordo com a aproximação de objetos que tenham sido carregados. Figura 4: Eletroscópio com barra de polipropileno. d) Coloque a placa de policarbonato sobre a mesa com o filme transparente sobre ela. e) Atrite firmemente o filme com o papel toalha. f) Eleve o conjunto placa de policarbonato + filme cerca de 30 cm da mesa. g) Separe o filme da placa de policarbonato, conforme mostra a Figura 2. h) Aproxime a placa de policarbonato da parte atritada da barra de polipropileno, como

4 mostra a Figura 5. Figura 5: Comportamento de uma placa atritada aproximando-se de um eletroscópio. i) Observe o que acontece com a barra de polipropileno. Escreva o resultado de sua Considere agora o efeito do filme transparente sobre o eletroscópio. Para a realização desta parte do experimento, siga os procedimentos abaixo. a) Aproxime agora o filme transparente da barra de polipropileno. b) Observe o que acontece com a barra de polipropileno. Escreva o resultado de sua c) Repita os mesmos procedimentos descritos acima para diferentes condições de atrito. d) Repita todos as etapas descritas acima, mas desta vez atrite a placa e o filme separadamente Efeito de barras isolantes atritados sobre um eletroscópio Considere agora o efeito de uma outra barra de polipropileno sobre o eletroscópio. Para a realização desta parte do experimento, siga os procedimentos abaixo. a) Atrite agora uma metade da outra barra de polipropileno com o papel toalha. b) Movimente a extremidade atritada desta barra para próximo do eletroscópio, como mostra a Figura 6. Figura 6: Comportamento de uma barra atritada aproximando-se de um eletroscópio. c) Observe o que acontece com o sistema. Escreva o resultado de sua observação em seu

5 caderno de laboratório. d) Atrite agora uma metade de uma barra de acrílico com o papel toalha. e) Movimente a extremidade atritada desta barra para próximo do eletroscópio, como mostra a Figura 6. f) Observe o que acontece com o sistema. Escreva o resultado de sua observação em seu caderno de laboratório Efeito de barras isolantes atritados sobre um eletroscópio de ponteiro Consideremos agora um outro modelo de eletroscópio. Neste eletroscópio um ponteiro metálico é suspenso no suporte metálico, como mostra a Figura 7. Uma das extremidades do ponteiro metálico é um pouco maior, e, portanto também um pouco mais pesada do que a outra. Esta extremidade mais pesada deve pender para baixo, com o ponteiro ocupando a posição vertical. Como este ponteiro é feito de uma folha metálica muito fina ele pode ser facilmente danificado se não for manuseado adequadamente. Assim, o seu manuseio deve ser feito com extremo cuidado. Figura 7: Eletroscópio com ponteiro metálico. Para a realização desta parte do experimento, siga os procedimentos abaixo. a) Atrite a barra de polipropileno firmemente com o papel toalha. b) Encoste a extremidade atritada no eletroscópio, como mostra a Figura 8. c) Observe o movimento do ponteiro. Escreva o resultado de sua observação em seu caderno de laboratório. d) Coloque a mão sobre o eletroscópio. e) Observe novamente o comportamento do ponteiro. Escreva o resultado de sua Considere agora o efeito de uma barra de acrílico atritada encostada no eletroscópio. Para a realização desta parte do experimento, siga os procedimentos abaixo. a) Atrite novamente a barra de polipropileno firmemente com o papel toalha. b) Com uma mão sobre o eletroscópio encoste a barra de polipropileno atritada no eletroscópio. c) Na seqüência, atrite a barra de acrílico e, do mesmo modo, encoste-a sobre o

6 eletroscópio. Figura 8: Comportamento de uma barra atritada encostada em um eletroscópio de ponteiro. d) Observe o que acontece com o ponteiro do eletroscópio. Escreva o resultado de sua e) Repita várias vezes este último procedimento para a barra de acrílico, sempre observando o que acontece com o ponteiro do eletroscópio. Escreva o resultado de sua observação em seu caderno de laboratório Efeito de placas e filmes isolantes atritados sobre um eletroscópio de ponteiro Consideremos agora o efeito do sistema placa de policarbonato + filme transparente sobre o eletroscópio de ponteiro. Antes de realizar esta parte do experimento, descarregue o eletroscópio, tocando-o com a mão. Para a realização desta parte do experimento, siga os procedimentos abaixo. a) Coloque o filme transparente sobre a placa de policarbonato e atrite-o fortemente com o papel toalha. b) Coloque a placa e o filme sobre o eletroscópio, sem separá-los, tal que o filme fique sempre sobre a placa, como mostra a Figura 9. Figura 9: Comportamento de um sistema placa de policarbonato + filme transparente atritados encostados em um eletroscópio de ponteiro.

7 c) Retire apenas o filme e observe o comportamento do ponteiro. Escreva o resultado de sua d) Repita este experimento, invertendo as posições do filme transparente e da placa de policarbonato. Escreva o resultado de sua 2.2. Comportamento Elétrico de Diferentes Materiais Efeito de barras isolantes atritados sobre diferentes materiais Para esta parte do experimento, siga os procedimentos abaixo. a) Rasgue alguns pedaços de papel não muito grandes, de forma que eles não fiquem muito pesados, e coloque-os sobre a bancada. b) Carregue a barra de polipropileno, atritando-a fortemente com o papel toalha. c) Mova a barra de polipropileno na direção dos pedaços de papel sobre a bancada, como mostra a Figura 10. Figura 10: Efeito de uma barra atritada sobre pedaços de papel. d) Observe o que acontece com os pedaços de papel. Escreva o resultado de sua e) Repita este procedimento para pedaços de papel de diferentes massas. f) Utilize a folha de papel alumínio para construir uma bolinha. Tenha o cuidado de, ao confeccionar tal bolinha, ela não fique muito achatada, isto é, construa-a tal que ela fique a mais esférica possível. g) Aproxime novamente a barra de polipropileno atritada desta bolinha feita com papel alumínio. h) Observe o que acontece com a bolinha de papel alumínio. Escreva o resultado de sua i) Repita este procedimento para bolinhas de papel alumínio de diferentes massas. j) Repita todo o procedimento anterior, agora com a barra de acrílico Efeito de placas e filmes isolantes atritados sobre diferentes materiais Para esta parte do experimento, siga os procedimentos abaixo. a) Carregue o filme transparente, atritando-a fortemente com o papel toalha. b) Segure o filme atritado acima dos pedaços de papéis utilizados no experimento anterior. c) Observe o que acontece com os pedaços de papel. Escreva o resultado de sua d) Repita e) este procedimento para pedaços de papel de diferentes massas. e) Segure o filme atritado acima da bolinha de papel alumínio utilizada no experimento anterior. f) Observe o que acontece com a bolinha de papel alumínio. Escreva o resultado de sua

8 11. g) Repita este procedimento para bolinhas de papel alumínio de diferentes massas Efeito de barras isolantes atritados sobre o par de pêndulos Para esta parte do experimento, siga os procedimentos abaixo. a) Pendure o par de pêndulos usando a fenda do eletroscópio, como mostrado na Figura Figura 11: Efeito de uma barra atritada sobre um sistema de pêndulos no eletroscópio. b) Carregue a barra de polipropileno, atritando-a fortemente com o papel toalha. c) Mova a barra de polipropileno na direção do pêndulo colocado na parte inferior do eletroscópio, como mostra a Figura 11. Leve a barra tão perto do eletroscópio que ela chegue a tocar a extremidade inferior do pêndulo pendurado. d) Observe o que acontece com os pêndulos. Escreva o resultado de sua observação em seu caderno de laboratório. e) Posicione os pêndulos metálicos como mostrado na Figura 12. Descarregue os pêndulos, tocando-os com uma das mãos. f) Mova a barra de polipropileno atritada na direção dos pêndulos pendurados, aproximando-se por baixo deles, como mostra a Figura 12. Figura 12: Efeito de uma barra atritada sobre um sistema de pêndulos simétricos.

9 g) Observe o que acontece com os pêndulos. Escreva o resultado de sua observação em seu caderno de laboratório. h) Repita todo o procedimento anterior, agora com a barra de acrílico Efeito da placa de indução sobre o eletroscópio Para esta parte do experimento, siga os procedimentos abaixo. a) Fixe o clipe no ponto médio da barra de polipropileno. b) Carregue uma das metades desta barra de polipropileno, atritando-as com papel toalha. c) Coloque a barra no eletroscópio, cuidando para que a mesma fique na posição horizontal, como mostra a Figura 13. Figura 13: Efeito de uma placa de indução sobre o eletroscópio. d) Fixe a placa de indução na outra barra de polipropileno, como mostra a Figura 13. e) Mova a placa de indução na direção da extremidade não carregada da barra suspensa. Tenha cuidado para que não ocorra o contato entre a placa de indução e a barra suspensa. f) Observe o que acontece com a barra suspensa. Escreva o resultado de sua observação em seu caderno de laboratório. g) Na seqüência, mova a placa de indução na direção da extremidade carregada da barra suspensa. h) Observe o que acontece com a barra suspensa. Escreva o resultado de sua observação em seu caderno de laboratório Efeito de barras isolantes atritadas sobre o eletroscópio de ponteiro Para esta parte do experimento, siga os procedimentos abaixo. a) Monte o eletroscópio de acordo com o mostrado na Figura 14. Garanta que o eletroscópio esteja descarregado, tocando-o com a mão. b) Atrite a barra de polipropileno firmemente com o papel toalha e mova a extremidade atritada na direção do ponteiro, na posição A da Figura 14. Tome cuidado para que não ocorra o contato entre a barra de polipropileno e o ponteiro. c) Observe o que acontece com o ponteiro. Escreva o resultado de sua observação em seu caderno de laboratório.

10 d) Mova agora a extremidade atritada na direção superior do eletroscópio, na posição C da Figura 14. Tome cuidado para que não ocorra o contato entre a barra de polipropileno e o ponteiro. Figura 14: Eletroscópio de ponteiro. e) Observe o que acontece com o ponteiro. Escreva o resultado de sua observação em seu caderno de laboratório. f) Repita todo o procedimento anterior, agora com a barra de acrílico Efeito da placa de policarbonato atritada sobre o eletroscópio de ponteiro Para esta parte do experimento, siga os procedimentos abaixo. a) Carregue a placa de policarbonato, atritando-o com o papel toalha. b) Mantenha-o na posição horizontal e aproxime-o do eletroscópio na sua parte superior (posição C da Figura 5), até que o ponteiro sofra uma deflexão de cerca de 20. c) A seguir, toque a parte inferior do eletroscópio com a mão (posição B da Figura 5). d) Na seqüência, afaste a mão da parte inferior do eletroscópio e a placa de policarbonato da parte superior do eletroscópio. e) Observe o que acontece com o ponteiro. Escreva o resultado de sua observação em seu caderno de laboratório. 3. TRATAMENTO DOS DADOS Esta experiência é totalmente qualitativa, isto é, não são feitas medidas experimentais, mas apenas observações fenomenológicas. Desta forma, o tratamento dos dados diz respeito à descrição dos fenômenos observados Carga Elétrica e o Eletroscópio Descrição dos fenômenos observados Nesta parte do experimento foi feita uma série de observações para identificar a existência de cargas elétricas. Observa-se, na verdade, o efeito de cargas elétricas sobre a matéria. Espera-se que estas observações sejam descritas na seção Resultados de seu relatório. Assim, no experimento com o tubo de néon, descreva com suas palavras tudo aquilo que foi observado. Descreva eventuais diferenças ao se mudar a polaridade do tubo, ao se mudar da barra de polipropileno para a barra de acrílico e ao se atritar menos ou mais estas barras. Descreva também as diferenças que ocorrem no tubo de néon ao se utilizar o sistema placa de policarbonato + filme transparente, nas condições pedidas no experimento.

11 O mesmo tipo de descrição deve ser feito ao se analisar o efeito da placa de policarbonato e do filme transparente sobre o primeiro eletroscópio construído. Esta análise deve ser repetida no experimento onde se utiliza barras atritadas e este eletroscópio. Por fim, todo este procedimento deve ser o mesmo para a descrição dos efeitos da placa de policarbonato, filme transparente e barras isolantes sobre o eletroscópio de ponteiro. Uma comparação entre estes três instrumentos (tubo de néon, eletroscópio de barra e eletroscópio de ponteiro) deve ser feita ao final desta descrição. É interessante indicar em qual destes instrumentos o efeito das cargas elétricas é mais evidente, com uma justificativa adequada Comportamento Elétrico de Diferentes Materiais Descrição dos fenômenos observados Nesta parte do experimento foi feita uma série de observações para identificar o efeito de cargas elétricas sobre diferentes materiais. Observa-se, novamente, o efeito de cargas elétricas sobre a matéria. Espera-se que estas observações sejam descritas na seção Resultados de seu relatório. Assim, no experimento com pedaços de papel e a bolinha de papel alumínio, descreva com suas palavras tudo aquilo que foi observado. Observe eventuais diferenças ao se pedaços de papel com diferentes massas e diferentes massas das bolinhas de papel alumínio. Descreva também as eventuais diferenças ao se mudar das barras atritadas para o sistema placa de policarbonato + filme transparente. Descreva também o efeito de se atritar menos ou mais estas barras e o sistema placa de policarbonato + filme transparente. O mesmo tipo de descrição deve ser feito ao se analisar o efeito das barras de polipropileno e acrílico sobre os pêndulos. Descreva em detalhes as eventuais diferenças observadas quando se utiliza cada uma das barras. Descreva também as eventuais diferenças observadas com os pêndulos colocados nas duas posições indicadas. Também, o mesmo tipo de descrição deve ser feito ao se analisar o efeito da placa de indução sobre o eletroscópio construído com a barra de polipropileno. Descreva as diferenças observadas ao aproximar a placa de indução em cada uma das extremidades da barra suspensa. Por fim, o mesmo tipo de descrição deve ser feito ao se analisar o efeito tanto das barras isolantes (polipropileno e acrílico) quanto do filme de policarbonato sobre o eletroscópio de ponteiro. Descreva as eventuais diferenças observadas quando se aproxima estes materiais (cada um a sua vez) dos pontos B e C do eletroscópio. Uma comparação entre estes os materiais envolvidos nesta parte do experimento deve ser feita ao final desta descrição. É interessante indicar como responde cada tipo de material à presença de cargas elétricas. 4. DISCUSSÃO Na seção Discussão dos Resultados procure fazer uma análise dos resultados obtidos. Discuta os resultados frente às expectativas oriundas do modelo teórico considerado Carga Elétrica e o Eletroscópio Discussão dos fenômenos observados No experimento com o tubo de néon, elabore uma justificativa que explique os fenômenos observados a partir do conceito de carga elétrica. Discuta, a partir dos fenômenos observados, como é possível concluir que existem na natureza dois tipos de carga elétrica. Discuta especificamente os efeitos sobre o tubo de néon do carregamento do sistema placa de policarbonato + filme transparente quando atritados em contato. Discuta as diferenças observadas nos experimentos no tipo de carga existente no sistema placa de policarbonato + filme transparente quando individualmente atritados comparado com o caso em que foram atritados em contato.

12 Justifique todas as afirmações feitas. Elabore o mesmo tipo de discussão em relação às observações feitas com os dois tipos de eletroscópio (com a barra de polipropileno e com o ponteiro). Também, compare os resultados obtidos para o sistema placa de policarbonato + filme transparente, usando o tubo de néon e os eletroscópios. Por fim, a partir das observações feitas no experimento, discuta o funcionamento do eletroscópio Carga Elétrica e o Eletroscópio Discussão dos fenômenos observados No experimento com os pedaços de papel e da bolinha de papel alumínio, compare o comportamento de cada material. Discuta o efeito da massa de cada um destes sistemas sobre o resultado do experimento. Explique razões para a diferença de comportamento entre estes dois tipos de material. Discuta as semelhanças e diferenças (se houverem) entre atritar as barras isolantes e o sistema placa de policarbonato + filme transparente sobre os pedaços de papel e da bolinha de papel alumínio. No experimento com o par de pêndulos, explique o comportamento deste sistema antes e após o contato. Discuta especificamente o que ocorre no instante do contato. Compare os resultados obtidos com os pêndulos na situação alinhada e na situação simétrica. No experimento com a placa de indução, explique as eventuais semelhanças ou diferenças (se houverem) quando ela foi aproximada da barra de polipropileno pelo lado atritado e pelo lado não atritado. No experimento com o eletroscópio de ponteiro, explique as eventuais semelhanças ou diferenças (se houverem) de se utilizar as barras isolantes atritadas e a placa de policarbonato atritada. Discuta particularmente o fato da deflexão do ponteiro crescer quando o mesmo é tocado com a mão. 5. CONCLUSÃO Na seção Conclusão, faça uma análise do seu trabalho no laboratório frente aos objetivos propostos no experimento. 6. QUESTIONÁRIO Nos anexos de seu relatório responda ao seguinte questionário: 1) Roupas tendem a se aglutinar depois que passam por uma secadora de roupas. Explique por que isto acontece. Discuta em qual situação você espera que a aglutinação após a secagem seja maior: roupas feitas com o mesmo material (por exemplo, o algodão) ou roupas feitas com materiais diferentes (por exemplo, uma mistura de algodão com poliéster). Justifique a sua resposta. 2) quando uma pessoa caminha sobre um tapete de náilon e a seguir toca em um objeto metálico grande (por exemplo, uma maçaneta de porta) pode ocorrer uma faísca e a pessoa sentirá um choque. Discuta a razão pela qual em um dia seco existe maior probabilidade disto ocorrer do que em um dia úmido. Discuta também por que quando a pessoa toca um objeto metálico pequeno (por exemplo, um clipe de prender papel) a probabilidade de ocorrer um choque é menor. 7. BIBLIOGRAFIA 7.1. HALLIDAY, D. e RESNICK, R. Fundamentos da Física Volume 3 4 a Edição; Capítulo 23 (Carga Elétrica); Livros Técnicos e Científicos Editora S.A NUSSENZVEIG, H.M. Curso de Física Básica Volume 3 1 a Edição; Capítulo 2 (A

13 Lei de Coulomb); Editora Edgard Blücher SEARS, F. S.; ZEMANSKI, M. W.; YOUNG, H. D.; FREEDMAN, R. A. Física III (Eletromagnetismo) 1 a Edição Capítulo 22 (Carga Elétrica e Campo Elétrico) Addison Wesley VÁRIOS Apostila de Física Experimental Setor de Cópias do CCT-UDESC.

OBJETIVOS MÉTODO EXPERIMENTAL

OBJETIVOS MÉTODO EXPERIMENTAL OBJETIVOS Mostrar que há dois tipos de carga elétrica. Estudar qualitativamente as forças que atuam entre corpos carregados. Mostrar que as forças entre corpos carregados podem ser entendidas em termos

Leia mais

Exercícios de Eletrização

Exercícios de Eletrização Exercícios de Eletrização 1-Um corpo inicialmente neutro recebe 10 milhões de elétrons. Este corpo adquire uma carga de: (e = 1,6. 10 19 C). a) 1,6. 10 12 C b) 1,6. 10 12 C c) 16. 10 10 C d) 16. 10 7 C

Leia mais

Tutorial de Física. Carga Elétrica e Lei de Coulomb.

Tutorial de Física. Carga Elétrica e Lei de Coulomb. Tutorial de Física Carga Elétrica e Lei de Coulomb. 1. Interações Elétricas. A. Pressione um pedaço de fita adesiva, de cerca de 15 a 20cm de comprimento, firmemente em uma superfície lisa sem tinta, por

Leia mais

Introdução à Eletricidade e Lei de Coulomb

Introdução à Eletricidade e Lei de Coulomb Introdução à Eletricidade e Lei de Coulomb Introdução à Eletricidade Eletricidade é uma palavra derivada do grego élektron, que significa âmbar. Resina vegetal fossilizada Ao ser atritado com um pedaço

Leia mais

Introdução à Eletrostática

Introdução à Eletrostática Nessa prática, vamos estudar os princípios básicos da eletrostática, como carga elétrica, formas de eletrizar um corpo, lei de Coulomb e poder das pontas, além de aplicações como o pára-raios e a gaiola

Leia mais

Olimpíada Brasileira de Física 2003-3 a Fase. Prova Experimental para alunos de 1 o ano. Experimento Vetores

Olimpíada Brasileira de Física 2003-3 a Fase. Prova Experimental para alunos de 1 o ano. Experimento Vetores realização apoio Olimpíada Brasileira de Física 2003-3 a Fase Prova Experimental para alunos de 1 o ano Experimento Vetores Leia atentamente as instruções abaixo antes de iniciar a prova 1 Esta prova destina-se

Leia mais

LENTES E ESPELHOS. O tipo e a posição da imagem de um objeto, formada por um espelho esférico de pequena abertura, é determinada pela equação

LENTES E ESPELHOS. O tipo e a posição da imagem de um objeto, formada por um espelho esférico de pequena abertura, é determinada pela equação LENTES E ESPELHOS INTRODUÇÃO A luz é uma onda eletromagnética e interage com a matéria por meio de seus campos elétrico e magnético. Nessa interação, podem ocorrer alterações na velocidade, na direção

Leia mais

Tópico 8. Aula Prática: Sistema Massa-Mola

Tópico 8. Aula Prática: Sistema Massa-Mola Tópico 8. Aula Prática: Sistema Massa-Mola. INTRODUÇÃO No experimento anterior foi verificado, teoricamente e experimentalmente, que o período de oscilação de um pêndulo simples é determinado pelo seu

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III 1. OBJETIVOS CARGA E DESCARGA DE UM CAPACITOR a) Levantar, em um circuito RC, curvas de tensão no resistor

Leia mais

EXPERIÊNCIAS NO TRILHO DE AR

EXPERIÊNCIAS NO TRILHO DE AR EXPERIÊNCIAS NO TRILHO DE AR 4 META Estudar o movimento de um corpo sob a ação de uma força conhecida e estudar e classificar os diferentes tipos de colisões unidimensionais. OBJETIVOS Ao final desta aula,

Leia mais

Roteiro para aula experimental

Roteiro para aula experimental 1. Introdução à eletrostática Resumo Roteiro para aula experimental Nesta aula prática vamos estudar os princípios básicos da eletrostática: carga elétrica, eletrização, o poder das pontas e a gaiola de

Leia mais

Assunto: Relações entre as Grandezas Ordem de Grandeza Hidrostática Termometria Processos de Eletrização

Assunto: Relações entre as Grandezas Ordem de Grandeza Hidrostática Termometria Processos de Eletrização Assunto: Relações entre as Grandezas Ordem de Grandeza Hidrostática Termometria Processos de Eletrização 1. (CEFET-CE/2006) Uma lata está completamente cheia de água. Fazendo-se um orifício, cujo diâmetro

Leia mais

EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARALELA 4º BIMESTRE

EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARALELA 4º BIMESTRE EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARALELA 4º BIMESTRE NOME Nº SÉRIE : 1º EM DATA : / / BIMESTRE 3º PROFESSOR: Renato DISCIPLINA: Física 1 VISTO COORDENAÇÃO ORIENTAÇÕES: 1. O trabalho deverá ser feito em papel

Leia mais

Atividades de Aprimoramento Física 2ª série do Ensino Médio (MODELO ENEM)

Atividades de Aprimoramento Física 2ª série do Ensino Médio (MODELO ENEM) Atividades de Aprimoramento Física 2ª série do Ensino Médio 01 - (G1 - ifce) Três esferas metálicas idênticas, A, B e C, se encontram isoladas e bem afastadas uma das outras. A esfera A possui carga Q

Leia mais

Colégio Estadual Dr. Xavier da Silva EF e EM. PIBID - FÍSICA Disciplina: Física 1º Ano EM Turma:A Atividade Experimental Conteúdo: Colisões

Colégio Estadual Dr. Xavier da Silva EF e EM. PIBID - FÍSICA Disciplina: Física 1º Ano EM Turma:A Atividade Experimental Conteúdo: Colisões Colégio Estadual Dr. Xavier da Silva EF e EM. PIBID - FÍSICA Disciplina: Física 1º Ano EM Turma:A Atividade Experimental Conteúdo: Colisões Aluno(a): Nº: Data: / /2014 INTRODUÇÃO: a) Se você pudesse escolher

Leia mais

Laboratório de Física Básica 2

Laboratório de Física Básica 2 Objetivo Geral: Determinar a aceleração da gravidade local a partir de medidas de periodo de oscilação de um pêndulo simples. Objetivos específicos: Teoria 1. Obter experimentalmente a equação geral para

Leia mais

ELETROSTÁTICA 214EE. Figura 1

ELETROSTÁTICA 214EE. Figura 1 1 T E O R I A 1. CARGA ELÉTRICA A carga elétrica é uma propriedade física inerente aos prótons e elétrons (os nêutrons não possuem esta propriedade) que confere a eles a capacidade de interação mútua.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III Distribuição de Potencial e Campo Elétrico Conceitos: Potencial e Campo Elétricos Equipotenciais e

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MATO GROSSO DO SUL UEMS CURSO DE FÍSICA LABORATÓRIO DE FÍSICA II. Gerador de Van De Graaff

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MATO GROSSO DO SUL UEMS CURSO DE FÍSICA LABORATÓRIO DE FÍSICA II. Gerador de Van De Graaff UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MATO GROSSO DO SUL UEMS CURSO DE FÍSICA LABORATÓRIO DE FÍSICA II Gerador de Van De Graaff Objetivos gerais: Ao término desta atividade o aluno deverá ser capaz de: - identificar

Leia mais

Bobina de Tesla. O Principio de funcionamento da bobina de tesla, é bem simples, sendo fácil de qualquer um montar. Abaixo vai um esquema básico:

Bobina de Tesla. O Principio de funcionamento da bobina de tesla, é bem simples, sendo fácil de qualquer um montar. Abaixo vai um esquema básico: Bobina de Tesla AVISO: cuidado com a alta tensão, a saída da bobina de tesla, pode não matar, mas causa queimaduras de até 3º grau, certifique-se sempre de que o raio esteja indo primeiro para um condutor

Leia mais

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor 1 a QUESTÃO: (,0 pontos) Avaliador Revisor Uma montagem experimental simples permite a medida da força entre objetos carregados com o auxílio de uma balança (A. Cortel, Physics Teacher 7, 447 (1999)).

Leia mais

Eletrização por Atrito e Indução Eletrostática

Eletrização por Atrito e Indução Eletrostática Eletrização por Atrito e Indução Eletrostática Referência Alunos da disciplina Produção de Material Didático (FEP 458) Licenciatura em Física - IFUSP -- Turma: Noturno/2005 Introdução Eletrização por atrito

Leia mais

ROTEIRO 20 PÊNDULO SIMPLES E PÊNDULO FÍSICO

ROTEIRO 20 PÊNDULO SIMPLES E PÊNDULO FÍSICO ROTEIRO 20 PÊNDULO SIMPLES E PÊNDULO FÍSICO INTRODUÇÃO Estamos cercados de oscilações, movimentos que se repetem. Neste roteiro vamos abordar oscilações mecânicas para uma classe de osciladores harmônicos

Leia mais

Manual de Laboratório Física Experimental I- Hatsumi Mukai e Paulo R.G. Fernandes

Manual de Laboratório Física Experimental I- Hatsumi Mukai e Paulo R.G. Fernandes Pêndulo Simples 6.1 Introdução: Capítulo 6 Um pêndulo simples se define como uma massa m suspensa por um fio inextensível, de comprimento com massa desprezível em relação ao valor de m. Se a massa se desloca

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROFESSOR

APRESENTAÇÃO DO PROFESSOR FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA, CAMPUS DE JI-PARANÁ, DEPARTAMENTO DE FÍSICA DE JI-PARANÁ DEFIJI SEMESTRE TURMA ESPECIAL ÓPTICA PROF. DR. ROBINSON APRESENTAÇÃO DO PROFESSOR Robinson Viana Figueroa

Leia mais

10/11/2014 PROF. ROBINSON PROF. ROBINSON FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA, CAMPUS DE JI-PARANÁ, DEPARTAMENTO DE FÍSICA DE JI-PARANÁ DEFIJI

10/11/2014 PROF. ROBINSON PROF. ROBINSON FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA, CAMPUS DE JI-PARANÁ, DEPARTAMENTO DE FÍSICA DE JI-PARANÁ DEFIJI FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA, CAMPUS DE JI-PARANÁ, DEPARTAMENTO DE FÍSICA DE JI-PARANÁ DEFIJI DISCIPLINA DE FÍSICA EXPERIMENTAL II SEMESTRE 2014/2 LABORATÓRIO 5: LEIS DA ÓPTICA GEOMÉTRICA

Leia mais

Hoje estou elétrico!

Hoje estou elétrico! A U A UL LA Hoje estou elétrico! Ernesto, observado por Roberto, tinha acabado de construir um vetor com um pedaço de papel, um fio de meia, um canudo e um pedacinho de folha de alumínio. Enquanto testava

Leia mais

Professora FLORENCE. Resposta: Resposta: Página 1

Professora FLORENCE. Resposta: Resposta: Página 1 1. (Uftm 2012) Em uma festa infantil, o mágico resolve fazer uma demonstração que desperta a curiosidade das crianças ali presentes. Enche uma bexiga com ar, fecha-a, e, a seguir, após esfregá-la vigorosamente

Leia mais

EXPERIÊNCIA 06: DETERMINAÇÃO DA MASSA MOLAR DE UM GÁS

EXPERIÊNCIA 06: DETERMINAÇÃO DA MASSA MOLAR DE UM GÁS 1 UFSC Departamento de Química QMC 5119 Introdução ao Laboratório de Química EXPERIÊNCIA 06: DETERMINAÇÃO DA MASSA MOLAR DE UM GÁS 1. Comportamento dos gases Ao se examinar o comportamento experimental

Leia mais

CONSTRUÇÃO CIVIL E A REDE ELÉTRICA

CONSTRUÇÃO CIVIL E A REDE ELÉTRICA CONSTRUÇÃO CIVIL E A REDE ELÉTRICA O QUE É A COCEL? A COCEL leva energia elétrica a toda Campo Largo. É esta energia que permite que as fábricas, o comércio e todo o setor produtivo funcionem. É graças

Leia mais

Medir a variação da resistência elétrica de um enrolamento de fio de Cu e um diodo com a temperatura;

Medir a variação da resistência elétrica de um enrolamento de fio de Cu e um diodo com a temperatura; 29 4.3 Experimento 3: Variação da Resistência com a Temperatura 4.3.1 Objetivos Medir a variação da resistência elétrica de um enrolamento de fio de Cu e um diodo com a temperatura; Realizar ajustes lineares

Leia mais

O ELÉTRON QUEM SOU EU

O ELÉTRON QUEM SOU EU QUEM SOU EU Meu nome é elétron! Sou uma partícula muito pequena. Ninguém pode me ver. Mas estou em toda parte. Faço parte do ar, da água, do solo e do fogo. Nunca estou parado. Sou muito rápido. Gosto

Leia mais

5ª Experiência : Dilatação Térmica

5ª Experiência : Dilatação Térmica 5ª Experiência : Dilatação Térmica Objetivo Determinar o coeficiente de dilatação linear para três materiais: cobre, latão e alumínio. Introdução As conseqüências habituais de variações na temperatura

Leia mais

Experimento. Técnicas de medição de volumes em Laboratório. Prof. Honda Experimento Técnicas de medição de volumes em Laboratório Página 1

Experimento. Técnicas de medição de volumes em Laboratório. Prof. Honda Experimento Técnicas de medição de volumes em Laboratório Página 1 Experimento Técnicas de medição de volumes em Laboratório Objetivo: Conhecer os materiais volumétricos e as técnicas de utilização desses materiais. I. Introdução teórica: Medir volumes de líquidos faz

Leia mais

RECUPERAÇÃO TURMAS: 2º ANO FÍSICA

RECUPERAÇÃO TURMAS: 2º ANO FÍSICA RECUPERAÇÃO TURMAS: 2º ANO Professor: XERXES DATA: 22 / 11 / 2015 RECUPERAÇÃO FINAL FORÇA ELÉTRICA (LEI DE COULOMB) FÍSICA Para todas as questões, considere a constante eletrostática no vácuo igual a 9.10

Leia mais

condutores em equilíbrio eletrostático. capacitância eletrostática

condutores em equilíbrio eletrostático. capacitância eletrostática PARTE I Unidade a 4 capítulo condutores em equilíbrio eletrostático capacitância seções: 41 Propriedades dos condutores em equilíbrio eletrostático 42 Capacitância de um condutor isolado 43 A Terra: potencial

Leia mais

UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Física Questão 01 Durante uma brincadeira, Rafael utiliza o dispositivo mostrado nesta figura para lançar uma bolinha horizontalmente. Nesse

Leia mais

Aula 13 Eletrostática Vestibulares de SP

Aula 13 Eletrostática Vestibulares de SP 1. (Pucsp 2010) Considere quatro esferas metálicas idênticas, separadas e apoiadas em suportes isolantes. Inicialmente as esferas apresentam as seguintes cargas: Q A = Q, Q B = Q/2, Q C = 0 (neutra) e

Leia mais

Qual o efeito da radiação solar na evaporação da água?

Qual o efeito da radiação solar na evaporação da água? 16 Qual o efeito da radiação solar na evaporação da água? E16-1 o que necessitas coador holofote com uma potência de 500 w filtros de café frasco com água salgada (do mar ou de qualquer compartimento da

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DEPILADOR ELÉTRICO AT-3184

MANUAL DE INSTRUÇÕES DEPILADOR ELÉTRICO AT-3184 MANUAL DE INSTRUÇÕES DEPILADOR ELÉTRICO AT-3184 POR FAVOR, LEIA ESTE MANUAL ATENTAMENTE ANTES DE UTILIZAR O PRODUTO Você acabou de adquirir um produto ETERNY, da mais alta qualidade. Agradecemos a sua

Leia mais

Manual de Instruções. Aquecedor de Ambiente Halógeno. Modelo: MA - 012 H. Versão 191212. www.martau.com.br SAC: 0800 51 7546. ATENÇÃO: Não Cobrir

Manual de Instruções. Aquecedor de Ambiente Halógeno. Modelo: MA - 012 H. Versão 191212. www.martau.com.br SAC: 0800 51 7546. ATENÇÃO: Não Cobrir ATENÇÃO: Não Cobrir www.martau.com.br SAC: 0800 5 7546 Versão 922 Aquecedor de Ambiente Halógeno Modelo: MA - 02 H Anotações Índice - Introdução...4 2 - Recomendações de segurança...5 2. - Símbolos e

Leia mais

Experimentos. Indústria Química. Dicas e Truques para Pesagem. Experiência com as leis da ciência natural "ao vivo" - fácil aprendizagem

Experimentos. Indústria Química. Dicas e Truques para Pesagem. Experiência com as leis da ciência natural ao vivo - fácil aprendizagem Indústria Química Experimentos Pesagem Catálogo de Ajuda Dicas e Truques para Pesagem Experiência com as leis da ciência natural "ao vivo" - fácil aprendizagem Caro Leitor Primeiramente, obrigado pelo

Leia mais

Comprovação dos índices de refração

Comprovação dos índices de refração Comprovação dos índices de refração 1 recipiente de vidro; 1 bastão de vidro, e Glicerina. 1. Encha até a metade o recipiente com glicerina, depois basta afundar o bastão de vidro na glicerina e pronto!

Leia mais

Como utilizar um multímetro digital

Como utilizar um multímetro digital 1 Como utilizar um multímetro digital Um multímetro digital oferece a facilidade de mostrar diretamente em seu visor, que chamamos de display de cristal líquido, ou simplesmente display, o valor numérico

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO 34 4.4 Experimento 4: Capacitância, capacitores e circuitos RC 4.4.1 Objetivos Fundamentar o conceito de capacitância e capacitor; Realizar leituras dos valores de capacitância de capacitores; Associar

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Modelo TS-242 ESCOVA GIRATÓRIA

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Modelo TS-242 ESCOVA GIRATÓRIA Modelo TS-242 ESCOVA GIRATÓRIA Para prevenir ferimentos ou danos, antes de usar o aparelho leia e siga atentamente a todas as instruções contidas neste manual. MANUAL DE INSTRUÇÕES PRECAUÇÕES As instruções

Leia mais

Professor Ventura Ensina Tecnologia

Professor Ventura Ensina Tecnologia Professor Ventura Ensina Tecnologia Experimento PV001 Maquete com Instalação Elétrica Ensino Fundamental Direitos Reservados = Newton C. Braga 1 Maquete com Instalação Elétrica Você gostaria de aprender

Leia mais

ZJ20U93 Montagem e Operacional

ZJ20U93 Montagem e Operacional www.zoje.com.br ZJ20U93 Montagem e Operacional ÍNDICE 1. Aplicação...2 2. Operação segura...2 3. Cuidados antes da operação...2 4. Lubrificação...2 5. Seleção da agulha e do fio...3 6. A Inserção da agulha...3

Leia mais

63 Química na cozinha: observando a chama

63 Química na cozinha: observando a chama A U A UL LA Atenção Mãos à obra Química na cozinha: observando a chama Vamos dar continuidade ao estudo que iniciamos na Aula 62, sobre reações químicas, aprofundando nossa compreensão sobre a reação de

Leia mais

PROJETO ENGENHOCAS- Plataforma Hidráulica

PROJETO ENGENHOCAS- Plataforma Hidráulica Engenharia Ambiental Laboratório de Física II PROJETO ENGENHOCAS- Plataforma Hidráulica Grupo Engenhetes : Amanda Pereira Beatriz Stadler Franchini Oliveira Maria Julia Battaglini Mariana Cássia Maio/2014

Leia mais

A variação de temperatura na escala Kelvin é igual à variação de temperatura na escala Celsius.

A variação de temperatura na escala Kelvin é igual à variação de temperatura na escala Celsius. Assunto: Relações entre as Grandezas Ordem de Grandeza Hidrostática Termometria Processos de Eletrização 1. (CEFET-CE/006) Uma lata está completamente cheia de água. Fazendo-se um orifício, cujo diâmetro

Leia mais

OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a dispersão da luz em um prisma.

OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a dispersão da luz em um prisma. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA CURSO DE FÍSICA LABORATÓRIO ÓPTICA REFLEXÃO E REFRAÇÃO OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a

Leia mais

Spirale 2 0800-55 03 93 1 ANO DE GARANTIA. Manual de Instruções SERVIÇO DE ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR. Escova Modeladora EM-02 L I G U E G R Á T I S

Spirale 2 0800-55 03 93 1 ANO DE GARANTIA. Manual de Instruções SERVIÇO DE ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR. Escova Modeladora EM-02 L I G U E G R Á T I S 1 ANO DE GARANTIA SERVIÇO DE ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR L I G U E G R Á T I S 0800-55 03 93 Segunda à sexta, das 8h às 20h. Sábado, das 8h às 17h. Manual de Instruções Escova Modeladora EM-02 Spirale 2

Leia mais

Exercícios de Física Eletrização

Exercícios de Física Eletrização Questão 01 - Geração Pontocom O pessoal que não conheceu o mundo antes do computador é imbatível na rapidez com que processam informações e novidades. Sabemos que o uso do computador está cada vez mais

Leia mais

Como escrever um bom RELATÓRIO

Como escrever um bom RELATÓRIO Como escrever um bom RELATÓRIO Mas o que é uma EXPERIÊNCIA? e um RELATÓRIO? Profa. Ewa W. Cybulska Profa. Márcia R. D. Rodrigues Experiência Relatório Pergunta à Natureza e a procura da Resposta Divulgação

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO PARA MOEDOR DE CARNE

MANUAL DE OPERAÇÃO PARA MOEDOR DE CARNE MANUAL DE OPERAÇÃO PARA MOEDOR DE CARNE 1-8 1 INTRODUÇÃO Neste manual de operação, você encontrará todas as informações necessárias sobre o equipamento para usá-lo corretamente. Ao adquirir um dos modelos

Leia mais

Transporte e Armazenamento Bem Sucedido de Chapa de Aço Galvanizada

Transporte e Armazenamento Bem Sucedido de Chapa de Aço Galvanizada GalvInfo Center - Um programa do International Zinc Association 6. Uso de Chapa de Aço com Revestimento Metálico GalvInfoNote Transporte e Armazenamento Bem Sucedido de Chapa de Aço Galvanizada 6.1 Introdução

Leia mais

Segurança do usuário. Segurança elétrica. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424

Segurança do usuário. Segurança elétrica. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424 Segurança do usuário Seu sistema e os suprimentos recomendados foram projetados e testados para atender a exigências de segurança rígidas. A atenção às seguintes informações garantirá uma operação contínua

Leia mais

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Curso: Licenciatura em Física Disciplina: Laboratório de Física Moderna Prof. Dr. Sandro Marcio Lima Prática: O experimento de Millikan 2007 1-Introdução ao

Leia mais

Segurança, Equipamentos e Investigação Científica

Segurança, Equipamentos e Investigação Científica Segurança, Equipamentos e Investigação Científica Folha do Professor Resumo: O professor fará uma demonstração do que não se deve fazer no laboratório e os alunos tentarão adivinhar os erros. Em seguida,

Leia mais

Volume 6 eletricidade

Volume 6 eletricidade Volume 6 eletricidade Vídeo 37.1 Vídeo 37.2 Vídeo 37.3 Capítulo 37 Cristais e Baixas Temperaturas Supercondutores a baixas temperaturas permitem a levitação de materiais magnéticos. Confira! Modelos de

Leia mais

AFIADOR ELÉTRICO 511 A Manual de Instruções

AFIADOR ELÉTRICO 511 A Manual de Instruções AFIADOR ELÉTRICO 511 A Manual de Instruções ESTE MANUAL CONTÉM INFORMAÇÕES IMPORTANTES SOBRE MONTAGEM, OPERAÇÃO, MANUTENÇÃO E SEGURANÇA REFERENTES AO AFIADOR ELÉTRICO DE BANCADA OREGON 511A. FAVOR LER

Leia mais

Física. Módulo 5. Volume 4. LABORATÓRIO DE FÍSICA III Marcelo O Donnell Krause

Física. Módulo 5. Volume 4. LABORATÓRIO DE FÍSICA III Marcelo O Donnell Krause Física. Módulo 5. Volume 4 LABORATÓRIO DE FÍSICA III Marcelo O Donnell Krause Ilhéus. 2012 Universidade Estadual de Santa Cruz Reitora Profª. Adélia Maria Carvalho de Melo Pinheiro Vice-reitor Prof. Evandro

Leia mais

Experimento 6. Capacitores

Experimento 6. Capacitores Experimento 6 Capacitores 6.1 Capacitores e constante de tempo 6.1.1 Objetivos a.obter a curva de carga e a curva de descarga de capacitores; as leis e as constantes envolvidas. b.determinar o valor da

Leia mais

EDITORIAL MODULO - WLADIMIR

EDITORIAL MODULO - WLADIMIR 1. Como funciona a Máquina de Xerox Quando se inicia a operação em uma máquina de Xerox, acende-se uma lâmpada, que varre todo o documento a ser copiado. A imagem é projetada por meio de espelhos e lentes

Leia mais

Laboratório de Física I - EAD- UESC 2011

Laboratório de Física I - EAD- UESC 2011 Laboratório de Física I - EAD- UESC 011 Equipe: 1. Nome:.... Nome:... 3. Nome:... Pólo:... Data:... Experiência três: CONSERVAÇÃO DA ENERGIA Relatório Programado: Guia para tomada e análise de dados Prazo:

Leia mais

Papel Reciclado Artesanal Branco com Cascas de Cebola

Papel Reciclado Artesanal Branco com Cascas de Cebola Papel Reciclado Artesanal Branco com Cascas de Cebola 1 Técnica utilizada: reciclagem de papel com cascas de cebola Materiais 2 Papel para reciclar (sulfite, formulário contínuo ou outros papéis que não

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES ASPIRADOR DE PÓ 800 W COM CABO TELESCÓPICO Equipamento somente para uso doméstico. Obrigado por escolher um produto com a marca Tramontina. Por favor, leia o Manual de Instruções por

Leia mais

Como montar boneco de arame para stopmotion

Como montar boneco de arame para stopmotion Como montar boneco de arame para stopmotion Neste manual, mostraremos como montar bonecos simples para o uso no stopmotion. Existem diversos tipos de técnicas na qual pode-se explorar. -Animação em areia

Leia mais

Medidas elétricas I O Amperímetro

Medidas elétricas I O Amperímetro Medidas elétricas I O Amperímetro Na disciplina Laboratório de Ciências vocês conheceram quatro fenômenos provocados pela passagem de corrente elétrica num condutor: a) transferência de energia térmica,

Leia mais

Engenharia Ambiental Física II FLUIDÔMETRO. Aline Oliveira. Amanda Alves Leone. Walkiria Proença Cheda Eid. Sorocaba

Engenharia Ambiental Física II FLUIDÔMETRO. Aline Oliveira. Amanda Alves Leone. Walkiria Proença Cheda Eid. Sorocaba Engenharia Ambiental Física II FLUIDÔMETRO Aline Oliveira Amanda Alves Leone Walkiria Proença Cheda Eid Sorocaba Junho/2014 OBJETIVOS O objetivo do Fluidômetro é estudar a velocidade com que a água sai

Leia mais

Inspiron 23 Manual do proprietário

Inspiron 23 Manual do proprietário Inspiron 23 Manual do proprietário Modelo do computador: Inspiron 23 Modelo 5348 Modelo normativo: W10C Tipo normativo: W10C001 Notas, avisos e advertências NOTA: Uma NOTA indica informações importantes

Leia mais

O maior ângulo entre os espelhos, para que se possam enxergar onze imagens inteiras desse objeto, será de: a) 20 b) 30 c) 45 d) 60 e) 120

O maior ângulo entre os espelhos, para que se possam enxergar onze imagens inteiras desse objeto, será de: a) 20 b) 30 c) 45 d) 60 e) 120 Colégio Jesus Adolescente Ensino Médio 1º Bimestre Disciplina Física Setor B Turma 1º ANO Professor Gnomo Lista de Exercício Bimestral Aulas 6 a 8 1) A figura a seguir representa um raio de luz incidindo

Leia mais

Introdução teórica aula 6: Capacitores

Introdução teórica aula 6: Capacitores Introdução teórica aula 6: Capacitores Capacitores O capacitor é um elemento capaz de armazenar energia. É formado por um par de superfícies condutoras separadas por um material dielétrico ou vazio. A

Leia mais

Q 4 10. e 1,6 10. A partícula (eletrizada positivamente) perdeu 2,5 10 4 elétrons. Resposta: B

Q 4 10. e 1,6 10. A partícula (eletrizada positivamente) perdeu 2,5 10 4 elétrons. Resposta: B 01 15 Q 4 10 n = n = n = 2,5 10 19 e 1,6 10 4 A partícula (eletrizada positivamente) perdeu 2,5 10 4 elétrons. Resposta: B 1 02 Sendo e o módulo da carga do elétron, temos: 2 1 u = e e d = e 3 3 A carga

Leia mais

capacitores antes de estudar o capítulo PARTE I

capacitores antes de estudar o capítulo PARTE I PARTE I Unidade B capítulo 12 capacitores seções: 121 Capacitor 122 Associação de capacitores 123 Energia potencial elétrica armazenada por um capacitor 124 Carga e descarga de um capacitor 125 Dielétricos

Leia mais

campeao - da seguranca. pode empinar o nariz que esse premio ^ e seu.

campeao - da seguranca. pode empinar o nariz que esse premio ^ e seu. campeao - da seguranca. pode empinar o nariz que esse premio ^ e seu. - - O poder de prevenir acidentes e seu. - Todo super-herói tem muita energia. Mas os verdadeiros heróis são aqueles que sabem usar

Leia mais

Os microrganismos e suas funções

Os microrganismos e suas funções ós na ala de Aula - Ciências 6º ao 9º ano - unidade 3 essa unidade, as atividades propostas visam colaborar para desenvolver novas perspectivas sobre a fermentação, processo realizado por fungos e bactérias.

Leia mais

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt defi departamento de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt Condensador de Placas Paralelas Instituto Superior de Engenharia do Porto- Departamento de Física Rua Dr. António Bernardino de Almeida,

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Professor: Renato Medeiros EXERCÍCIOS NOTA DE AULA IV Goiânia - 2014 EXERCÍCIOS 1. Uma partícula eletrizada positivamente é

Leia mais

ELETROSTÁTICA 3ª SÉRIE

ELETROSTÁTICA 3ª SÉRIE ELETROSTÁTICA 3ª SÉRIE 1. (Pucrj 013) Duas cargas pontuais q1 3,0 μc e q 6,0 μc são colocadas a uma distância de 1,0 m entre si. Calcule a distância, em metros, entre a carga q 1 e a posição, situada entre

Leia mais

INTRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS. MODELO FE 45 CAPACIDADE DE PERFURAÇÃO Ø 45 mm PROFUNDIDADE DE CORTE TIPO DE ENCAIXE CM 2 MEDIDAS DE SEGURANÇA

INTRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS. MODELO FE 45 CAPACIDADE DE PERFURAÇÃO Ø 45 mm PROFUNDIDADE DE CORTE TIPO DE ENCAIXE CM 2 MEDIDAS DE SEGURANÇA 1 INTRODUÇÃO As Furadeiras de Base Magnética Merax caracterizam-se por serem robustas, porém leves e de fácil transporte. Utilizam qualquer tipo de broca, preferencialmente as brocas anulares. Trabalham

Leia mais

Actividade Experimental 1.3 Determinação da Capacidade Térmica Mássica

Actividade Experimental 1.3 Determinação da Capacidade Térmica Mássica Actividade Experimental 1.3 Determinação da Capacidade Térmica Mássica 1.Que significa dizer que a capacidade térmica mássica do alumínio é 900 Jkg 1 K 1? 2.Se fornecermos a mesma quantidade de energia

Leia mais

FÍSICA. Questões de 01 a 04

FÍSICA. Questões de 01 a 04 GRUPO 1 TIPO A FÍS. 1 FÍSICA Questões de 01 a 04 01. Considere uma partícula presa a uma mola ideal de constante elástica k = 420 N / m e mergulhada em um reservatório térmico, isolado termicamente, com

Leia mais

Laboratório de Circuitos Elétricos

Laboratório de Circuitos Elétricos Laboratório de Circuitos Elétricos 3ª série Mesa Laboratório de Física Prof. Reinaldo / Monaliza Data / / Objetivos Observar o funcionamento dos circuitos elétricos em série e em paralelo, fazendo medidas

Leia mais

V = 0,30. 0,20. 0,50 (m 3 ) = 0,030m 3. b) A pressão exercida pelo bloco sobre a superfície da mesa é dada por: P 75. 10 p = = (N/m 2 ) A 0,20.

V = 0,30. 0,20. 0,50 (m 3 ) = 0,030m 3. b) A pressão exercida pelo bloco sobre a superfície da mesa é dada por: P 75. 10 p = = (N/m 2 ) A 0,20. 11 FÍSICA Um bloco de granito com formato de um paralelepípedo retângulo, com altura de 30 cm e base de 20 cm de largura por 50 cm de comprimento, encontra-se em repouso sobre uma superfície plana horizontal.

Leia mais

Interbits SuperPro Web Física XIII Paulo Bahiense, Naldo, Wilson e Ausgusto

Interbits SuperPro Web Física XIII Paulo Bahiense, Naldo, Wilson e Ausgusto 1. (Unesp 015) Em um experimento de eletrostática, um estudante dispunha de três esferas metálicas idênticas, A, B e C, eletrizadas, no ar, com cargas elétricas 5Q, 3Q e Q, respectivamente. Utilizando

Leia mais

Carga Elétrica e Eletrização dos Corpos

Carga Elétrica e Eletrização dos Corpos ELETROSTÁTICA Carga Elétrica e Eletrização dos Corpos Eletrostática Estuda os fenômenos relacionados às cargas elétricas em repouso. O átomo O núcleo é formado por: Prótons cargas elétricas positivas Nêutrons

Leia mais

Papel Reciclado Artesanal Branco

Papel Reciclado Artesanal Branco Papel Reciclado Artesanal Branco 1 Técnica utilizada: reciclagem de papel Materiais 2 Papel para reciclar (sulfite, formulário contínuo ou outros papéis que não contenham vernizes, plásticos ou laminados)

Leia mais

Laboratório didático de Física

Laboratório didático de Física Laboratório didático de Física Como redigir um relatório Como escrever um relatório? Esperamos nos próximos parágrafos passar algumas informações úteis para escrever um relatório. É possível que algumas

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DE FÁTIMA ALUNO(A): Nº PROF.: André Harada

COLÉGIO NOSSA SENHORA DE FÁTIMA ALUNO(A): Nº PROF.: André Harada COLÉGIO NOSSA SENHORA DE FÁTIMA ALUNO(A): Nº PROF.: André Harada DISCIPLINA: Física II SÉRIE: 2ª Ensino Médio TURMA: DATA: 1. (Uerj 2000) Duas partículas de cargas +4Q e -Q coulombs estão localizadas sobre

Leia mais

MaxHome. Mini Ferro de Viagem. MaxHome. Sm-110 Bivolt

MaxHome. Mini Ferro de Viagem. MaxHome. Sm-110 Bivolt Mini Ferro de Viagem Sm-110 Bivolt ÍNDICE NOTAS: Parabéns por ter adquirido o seu Mini Ferro de Viagem. Características do produto Dicas de Segurança Informações do aparelho Usando o aparelho Cuidados

Leia mais

Actividade 2 Intensidade da luz

Actividade 2 Intensidade da luz Actividade 2 Intensidade da luz Conceitos matemáticos Materiais Representação gráfica dos dados Comparação de previsões de dados Relações: o quadrado do inverso Origens de erro e respectivos efeitos Conceitos

Leia mais

LABORATÓRIO - FENÔMENOS DE TRANSPORTE

LABORATÓRIO - FENÔMENOS DE TRANSPORTE UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA LABORATÓRIO - FENÔMENOS DE TRANSPORTE PROFESSORA ANDREZA KALBUSCH PROFESSORA

Leia mais

Telêmetro Digital com Laser Extech DT300

Telêmetro Digital com Laser Extech DT300 Guia do Usuário Telêmetro Digital com Laser Extech DT300 Introdução Parabéns pela sua compra do Telêmetro Digital com Laser Extech Modelo DT300. Este medidor mede a Distância até 50 m (164 ft) e calcula

Leia mais

(www.inpe.br/webelat/homepage/menu/el.atm/perguntas.e.respostas.php. Acesso em: 30.10.2012.)

(www.inpe.br/webelat/homepage/menu/el.atm/perguntas.e.respostas.php. Acesso em: 30.10.2012.) 1. (G1 - ifsp 2013) Raios são descargas elétricas de grande intensidade que conectam as nuvens de tempestade na atmosfera e o solo. A intensidade típica de um raio é de 30 mil amperes, cerca de mil vezes

Leia mais

TRABALHO EM COMPONENTES SMD

TRABALHO EM COMPONENTES SMD TRABALHO EM COMPONENTES SMD Os componentes SMD ("superficial monting device") ou componentes de montagem em superfície têm dominado os equipamentos eletrônicos nos últimos anos. Isto devido ao seu tamanho

Leia mais

Laboratório de Física UVV

Laboratório de Física UVV Laboratório de Física U 1/5 Resistividade em Fios Metálicos Resistência lunos: Turma: Data: / /20 1: 2: 3: 4: 5: Objetivo Determinar a resistividade de fios metálicos por meio da medida da resistência

Leia mais

Respire fundo. E drible a Fibrose Cística.

Respire fundo. E drible a Fibrose Cística. MANUAL DO NEBULIZADOR Respire fundo. E drible a Fibrose Cística. Veja como utilizar e cuidar corretamente do seu Compressor e Nebulizador. Eu sou o compressor. Eu sou o Nebulizador, sou o grande goleador.

Leia mais

White Paper sobre Antiestática

White Paper sobre Antiestática Cargas Eletrostáticas Durante a Pesagem: Medidas para a Prevenção de Erros Geração de carga eletrostática As amostras carregadas eletrostaticamente podem causar dificuldades de manuseio e erros de medição

Leia mais