Fundos de Capital de Risco Organismos de Investimento Imobiliário

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fundos de Capital de Risco Organismos de Investimento Imobiliário"

Transcrição

1 Fundos de Capital de Risco Organismos de Investimento Imobiliário 17.Novembro

2 Fundos de Capital de Risco 2

3 Fundos de Capital de Risco Características Natureza jurídica Tipologia de Investimentos Regime Fiscal Responsabilidade Património São património autónomos Sem personalidade jurídica Dotados de personalidade judiciária Pertencem ao conjuntos dos titulares das respectivas unidades de participação Instrumentos de capital próprio (quotas, acções, outros valores mobiliários) Instrumentos de capital alheio (empréstimo, créditos) Isenção de IRC Tributação à saída Rendimentos das UP s sujeitos a retenção na fonte à taxa de 10%; ou isento (não residentes) Os FCR não respondem, em caso algum, pelas dívidas dos participantes, das entidades que assegurem as funções de gestão, depósito, comercialização, ou de outros FCR Os FCR são fundos fechados Capital subscrito mínimo: Capital aumenta através de novas entradas A subscrição está sujeita a um mínimo de ,00 por investidor Enquadramento Legal Lei n.º 18/2015 de 4 de Março, Regulamento da CMVM n.º 3/2015, de 3 de Novembro, Artigo 23º do Estatuto dos Benefícios Fiscais, Código dos Valores Mobiliários. 3

4 Entidades de Supervisão e Fiscalização CMVM Fiscaliza o cumprimento da legislação aplicável Elaboração de regulamentos Poder sancionatório (natureza contra-ordenacional) FUNDO DE CAPITAL DE RISCO Auditores Certificação Legal das Contas Banco de Portugal Supervisão das Instituições de Crédito e Sociedades Financeiras 4

5 Fundos de Capital de Risco Rápido Licenciamento e Início de Atividade O registo na CMVM é efetuado por mera comunicação prévia, desde que os subscritores das UP s sejam investidores qualificados ou quando o valor mínimo do capital subscrito seja = ou > a euros por cada participante. Grande Flexibilidade Operacional Investimentos em Instrumentos de capital próprios e instrumentos de capital alheio das sociedades em que participem (empréstimos, créditos) e outros valores mobiliários. Possibilidade de prestar garantias em benefício das sociedades em que participem. Período de subscrição ajustado ao plano de Investimentos (máx. de 25% do período de duração do FCR). A realização das entradas (espécie ou dinheiro) pode ser diferida pelo período de tempo estabelecido no regulamento de gestão. Possibilidade de criar categorias Up s diferenciadas e compartimentos autónomos. A Importância do Regulamento de Gestão Define as Políticas de Investimento e Distribuição de Rendimentos. Regula a Assembleia de participantes, o Comité de Investimento, e o vínculo na gestão do fundo (+/- ativa). Estipula regras para aumentos e reduções de capital do FCR (novos investimentos ou reforço dos activos). Define quais os encargos do FCR: a comissão de gestão, depósito, e outros (ex: auditor). Define o período de subscrição de Up s, realização do capital e regime aplicável em caso de subscrição incompleta. Termos e condições de liquidação. 5

6 Categorias de Unidade Participação As categorias podem ser definidas com base nos critérios: Comissões de gestão e depósito; Condições de subscrição e realização; Capitalização ou distribuição de rendimentos; Grau de preferência no reembolso, no pagamento de rendimentos e no pagamento do produto da liquidação. Os rendimentos e custos específicos de cada categoria são afetos ao património representado pelas Up s dessa categoria. O valor das Up s de cada categoria, quando diferente do de outras categorias, é calculado autonomamente pela divisão do valor líquido global de cada categoria pelo número de Up s em circulação dessa mesma categoria. Nota: As diferentes categorias de Up s não constituem compartimentos patrimoniais autónomos, devendo esta característica ser destacada nos respetivos documentos constitutivos. 6

7 Compartimentos Patrimoniais Autónomos O Regulamento de Gestão pode prever a divisão do FCR em compartimentos patrimoniais autónomos, em que: Cada compartimento é representado por uma ou mais categorias de UP s; O valor das Up s do compartimento determinase pela divisão do VLG do compartimento pelo número de Up s O FCR com vários compartimentos tem um único regulamento de gestão. A cada compartimento é aplicável o regime jurídico estabelecido para o FCR, incluindo o regime das Up s e os requisitos relativos ao capital. O regulamento de gestão define as condições aplicáveis à transferência de Up s entre compartimentos. São mantidas contas autónomas para cada um dos compartimentos 7

8 Entradas para realização de capital Cada subscritor de Up s é obrigado a contribuir para o FCR em dinheiro ou em espécie (objeto de relatório auditor independente registado na CMVM) A realização das entradas relativas às Up s pode ser diferida conforme previsto no regulamento de gestão As obrigações de realização de entradas transmitem-se com as respetivas Up s. MORA: O participante só entra em mora após ser notificado pela SG para o efeito. A não realização das entradas em dívida nos 90 dias seguintes ao início da mora implica a perda, a favor do FCR das Up s em relação às quais a mora se verifique 8

9 Entidades Intervenientes Adquire e aliena os ativos para o FCR Responsável pela gestão administrativa Determina o valor dos activos e passivos e o valor das UP s Emite e reembolsa as UP. Faz-se representar conforme o Regulamento de Gestão Gere, aliena ou onera os bens que integram o património do FCR Sociedade gestora Relação com as autoridades de supervisão e administração fiscal Assessoria na avaliação do negócio, etc. Realização de funções de Due Dilligence Acompanhamento Entidades Subcontratadas Comité de Investimentos Fundos de Capital de Risco Participante Banco depositário Titular do capital do FCR por via da detenção de UP Responsável pelos depósitos de valores do FCR e dos seus valores mobiliários Assegura o cumprimento da política de investimento Assegura o reembolso dos rendimentos aos participantes e cálculo do valor da UP 9

10 Operacionalização do FCR Particip ante... Particip ante O Fundo pode ser constituído por apenas um investidor participante, nada impedindo em que em momento posterior possa alargar a sua base participantes. Subscrição de Unidades de Participação Realização do Capital Os participantes injetam liquidez no fundo através da subscrição de unidades de participação. Fundo Capital de Risco O Fundo é remunerado pelas participadas pela utilização do capital nas suas várias formas, sendo estes proveitos não tributados. Aquisição de Participações Sociais Constituição de Sociedades de raiz Financiamento O Fundo pode investir em capital próprio e alheio das empresas em que participa, podendo deter participações minoritárias. Está também autorizado o investimento noutros títulos cotados até 50% do património total. Sociedade 1 Outras em Portugal ou estrangei ro Sociedade 2 A(s) participada(s) podem desenvolver qualquer atividade económica e estar sedeadas em qualquer País. 10

11 Operacionalização do FCR Participantes Fiscalidade IRS/IRC Subscrição Realização Na distribuição de Rendimentos Residentes 10% Não Residentes 0% Taxa Liberatória Os rendimentos das UP s, por distribuição ou resgate, são sujeitos a retenção na fonte a título definitivo de 10 %, exceto quando os titulares são entidades não residentes, entre outras. FCR Aquisição Constituição Financiamento Participadas Na atividade dentro do Fundo Na distribuição de Rendimentos Na atividade da participada Ausência de tributação Modelo de tributação à saída Distribuição de Resultados Devolução de Suprimentos/Re embolso Juros do Financiamento Tributação de acordo com o País de residência Taxas Variáveis 0% 0% 21 % em PT O regime fiscal dos FCR assenta no princípio da neutralidade - adotado o regime de tributação à saída - isenção de IRC, nos termos do artigo 23.º do Estatuto dos Benefícios Fiscais. Os rendimentos da atividade nas participadas seja por distribuição de resultados, pagamento de juros, devolução de suprimentos ou outros rendimentos de aplicações não estão sujeitos a tributação quando transferidos para o Fundo. A atividade da participada decorre de forma independente, aplicando-se o regime fiscal adequado a cada caso concreto, não estando dependente do quadro detentores do seu capital. 11

12 Tributação na Esfera dos Participantes Fundos de Capital de Risco Pessoas singulares e colectivas 1 Rendimentos Distribuídos Resgate de UP s (agora Mais-valias) Tributação à taxa de 10%, por retenção na fonte a título definitivo. Pode optar pelo englobamento, caso em que o imposto retido tem a natureza de imposto por conta do imposto devido a final. Mais-Valias decorrentes de transmissão onerosa de UPs Saldo positivo tributado à taxa de 10%, com opção por englobamento Residentes Pessoas colectivas Tributação por retenção na fonte à taxa de 10% revestindo a natureza de imposto por conta. Excepção: quando o titular beneficie de isenção quanto aos rendimentos de capitais Rendimento concorre para a formação do lucro tributável do ano Não residentes, sem estabelecimento estável 2 Pessoas singulares e colectivas Dispensa de retenção na fonte Saldo positivo tributado à taxa de 10%, excepto se verificado art º 27 do EBF 2,3 1 Sujeitos passivos que obtenham o rendimento fora do âmbito de uma actividade comercial, industrial ou agrícola 2 É aplicável o regime fiscal dos investidores residentes, quando os investidores sejam: Residentes em país, território ou região sujeito a um regime fiscal claramente mais favorável (Port. 292/2011); Pessoas colectivas detidas, directa ou indirectamente, em mais de 25% por residentes em território nacional. 3 Excepção quando se tratam de mais valias com a transmissão onerosa de partes sociais em sociedades residente em território português cujo activo seja constituído, em mais de 50%, por bens imóveis aí situados ou que, sendo sociedades gestoras ou detentoras de participações sociais, se encontrem em relação de domínio, a título de dominantes, com sociedades dominadas igualmente residentes em território português, cujo activo seja constituído em mais de 50% por imóveis aí situados. 12

13 Vantagens de Utilização de um FCR Simplificação do processo de compra/ venda/ transferência de unidades de participação entre atuais e futuros participantes face a outras soluções de veículos de investimento ; Existência de uma Sociedade Gestora com responsabilidades na gestão corrente e capacidade para assumir papel mais interventivo na gestão do Fundo, dependendo somente da vontade dos participantes e da sua tradução no regulamento de gestão; Sujeição a múltiplos órgãos de supervisão e fiscalização, tanto do Fundo como da respectiva Sociedade Gestora, sendo que parte deles são entidades reguladoras de natureza pública; Regime Fiscal próprio, mais vantajoso face às alternativas existentes no atual quadro legal português. 13

14 Organismos de Investimento Imobiliário 14

15 Introdução Noção Instrumentos de poupança coletiva, sob forma contratual, que resulta das aplicações de vários investidores, constituindo o conjunto dessas aplicações um património autónomo pertencente a uma pluralidade de pessoas singulares ou coletivas denominadas participantes. Patrimónios Autónomos Os FII constituem patrimónios autónomos pertencentes, num regime especial de comunhão regulado pela lei a um conjunto de pessoas singulares ou coletivas ou, eventualmente, outros investidores institucionais, designados por participantes. Personalidade Jurídica Os FII como entidades destituídas de personalidade jurídica, são representados pelas Sociedades Gestoras segundo as regras de representação previstas no Código Civil, competindo a estas, exercer os direitos e obrigações em nome e por conta dos Fundos que gerem. OIC Fechados de Subscrição Particular Património detido unicamente pelos subscritores iniciais cuja capacidade de entrada de novos investidores só se torna possível pela alienação de UP s em mercado secundário ou mediante a realização de aumento de capital devidamente autorizado pelos acuais participantes. 15

16 Intervenientes e Mecanismos de Controlo Possibilidade de subcontratação Entidade Subcontratada Conselhos especializados: Aplicações e selecção de activos no âmbito da política de investimentos; Execuções de operações. Participante Titular do capital do fundo por via da detenção de UP s. FII Banco Depositário Responsável pelos depósitos de valores do fundo; Função de vigilância (Política de investimentos e cálculo de valor das UP s; Assegura o reembolso aos participantes; Guardião de valores mobiliários Sociedade Gestora Selecção dos activos imobiliários; Celebração de contratos; Execução da política de distribuição de resultados; Cumprimentos dos deveres de informação; Controla e supervisiona desenvolvimento da promoção imobiliária; Responsável pela gestão administrativa; Relação com as autoridades de supervisão; Determina o valor das UP s; Administração Fiscal. CMVM -Fiscaliza o cumprimento da legislação aplicável. -Elaboração de Regulamentos. -Poder Sancionatório (natureza Contra- Ordenacional). Banco de Portugal -Supervisão das Instituições de Crédito e Sociedades Financeiras. Auditores -Certificação Legal das Contas. Peritos Avaliadores -Informação objectiva e rigorosa sobre os activos imobiliários. -Relatórios de Avaliação. -Registados junto da CMVM. 16

17 Principais Regras Valor do Capital Inicial Aos organismos de investimento alternativo de subscrição particular ou dirigidos exclusivamente a investidores qualificados não é aplicável; Ativos e Regras de composição < 5 participantes, não sendo exclusivamente qualificados : Os ativos imobiliários não podem representar menos de 2/3 do ativo total do organismo; Imóveis que correspondam a prédios urbanos ou frações autónomas; Participações em sociedades imobiliárias; UP noutros organismos de investimento imobiliário; Instrumentos financeiros derivados; Liquidez Endividamento Participantes qualificados ou <5 participantes- sem limites de endividamento; >=5 participantes 33% do activo total do Fundo. 17

18 Vantagens em Investir através de um OII Gestão profissional, por via dos poderes de representação atribuídos à Sociedade Gestora; O risco do investimento é limitado pela existência de regras prudenciais por imposição legal e regulamentar; O volume de ativos sob gestão, o poder de negociação e a capacidade de intervenção nos mercados, através de um veículo institucional que confere credibilidade à atividade; A obrigatoriedade de prestação periódica de informação por parte das entidades gestoras, depositárias, comercializadoras, garante um elevado nível de transparência; Estatuto fiscal mais favorável, aplicável ao FII e aos Participantes. 18

19 Principais vantagens dos FII Fiscalidade Segurança Melhor Eficiência Fiscal Enquadramento Legal proporciona elevada segurança para os participantes Gestão Avaliação Maior eficácia e custos reduzidos associados à gestão dos ativos imobiliários e de financiamento Credibilidade e atualidade no processo de avaliação e valorização dos ativos imobiliários 19

20 Que tipo de Serviço presta a Sociedade Gestora? Base de Dados Valorização da Carteira Organização dos Processos Contratuais Organização dos Processos Escriturais por conta do fundo Sindicância das Avaliações Regulamentares Actualização da Informação para a Apólice de Seguro Regulamentar Contabilidade Cálculo mensal do Valor da Unidade de Participação Cumprimento de todos os Requisitos junto da Comissão de Mercados de Valores Mobiliários (CMVM) Relação com a Administração Tributária e cumprimento de todas as Obrigações Fiscais por conta do fundo 20

21 Que tipo de Serviço presta a Sociedade Gestora? Formalização de todos os Pedidos de Isenção/Redução de Taxas de acordo com o Estatuto dos Benefícios Fiscais Organização e protecção de toda a documentação relativa aos imóveis integrados no fundo Cobrança de Rendas Elaboração dos Relatórios de Gestão Acompanhamento do Processo de Certificação de Contas pelo ROC e Auditor (anual) Guarda de Títulos (Depósito das UP junto do Banco Depositário) Valorização da UP no extracto de conta do Banco (Banco Depositário) Pagamento de rendimentos aos participantes 21

22 Tributação na Esfera dos Participantes Quadro Resumo Rendimentos Distribuídos Resgate de UPs (agora Mais-valias) Mais-Valias decorrentes de transmissão onerosa de UPs Pessoas singulares Tributados por retenção na fonte a título definitivo, à taxa de 28% (com opção pelo englobamento) Sujeito à taxa especial de 28% com possibilidade de englobamento Residentes Pessoas colectivas OIC Mobiliários e Imobiliários Sujeitos a retenção na fonte, com natureza de imposto por conta, à taxa de 25% (excepto quando os sujeitos passivos beneficiem de isenção de IRC que exclua os rendimentos de capital, sendo que, neste casos, a retenção na fonte assumirá carácter definitivo.) Englobamento em sede de IRC Não residentes 1 Pessoas singulares e colectivas OII Mobiliários OIC Imobiliários 2 Isentos de IRS/IRC Isentos de IRS/IRC (inclui liquidação de OIC) Tributados por retenção na fonte a título definitivo à taxa de 10%. Isentos de IRS/IRC (Art. 27º EBF/ADT) Tributados autonomamente à taxa de 10% 1 É aplicável o regime fiscal dos investidores residentes, quando os investidores sejam: Residentes em país, território ou região sujeito a um regime fiscal claramente mais favorável (Port. 292/2011); Pessoas colectivas detidas, directa ou indirectamente, em mais de 25% por residentes em território nacional. 2 Os rendimentos são considerados rendimentos de bens imóveis 22

23 Tributação na Esfera dos OIC IRC Tributação à taxa geral de IRC (21%, para o ano de 2015) Inexistência da obrigação de efectuar retenção na fonte em sede de IRC relativamente aos rendimentos obtidos pelos OIC. Reporte dos prejuízos fiscais por um período máximo de 12 anos Isenção para rendimentos de capitais, rendimentos prediais e mais-valias, sendo os restantes rendimentos tributados à taxa de 21% Limitação da dedução a 70% do lucro tributável Imposto de Selo Liquidado trimestralmente Introdução da Verba 29 da TGIS, para a tributação sobre o activo líquido global dos OICs, mediante a aplicação Taxa de 0,0125% para os OII Derrama Municipal / Estadual Isenção quanto ao pagamento da derrama (municipal e estadual) 23

24 Casos Práticos 24

25 Estruturação de Parcerias - Compartimentos Patrimoniais Autónomos A B A B Capital-80% Distribuição de rendimentos 80 % Compartimento I 80% 20% C * investidores financeiros Capital-20% Distribuição de rendimentos 20 % A B Capital- 25% Distribuição de rendimentos 75 % UP S Cat. A 25% Compartimento II UP S Cat. B FII/SICAFI 75% * investidores financeiros D Capital-75% Distribuição de rendimentos-25% Prioridade de distribuição de rendimentos 25

26 Venda de imóvel por via da constituição de FCR SOCIEDADE VEÍCULO Book value: 7M Compra e venda imóvel 10M 3º adquirente Modelo Clássico Impactos Fiscais: Mais valias prediais na esfera da sociedade. Concorre para a matéria coletável. Tributação na distribuição de dividendos em sede de IRS 28% 26

27 Constituição de FCR em espécie Investidores/ Participantes Entregam 100% das ações SOCIEDADE VEÍCULO FCR permutam as respectivas UP s aos Participantes FCR 27

28 Constituição de FCR em cash Investidores / Participantes subscrevem em cash UP s Ex: 10 M SOCIEDADE VEÍCULO FCR adquirem aos participantes, por 10 M 100% das ações da SPV FCR 28

29 Modelo após constituição de FCR e aquisição da SPV Ex acionistas tornam-se Participantes do FCR FCR SOCIEDADE VEÍCULO 29

30 Venda da Sociedade Veículo pelo FCR VENDA DA SOCIEDADE VEÍCULO FCR 3º adquirente A operação de compra e venda da SPV é realizada por 10 M Não apura IRC dentro do FCR Em caso de distribuição de rendimentos aos Participantes após a venda, o impacto fiscal da operação é de apenas 10% em sede de IRS 30

31 Transformação de Sociedade Veículo (SA) em SICAFI Auditores S.A. Conselho de Administração Enquadramento Legal - CSC TOC Adaptação dos Estatutos Elaboração dos documentos constitutivos/contratos: Regulamento de Gestão; Contrato de Depósito; Contrato com Perito Avaliador Imobiliário 31

32 Auditores Banco de Portugal Peritos Avaliadores Banco Depositário SICAFI Conselho de Administração Sociedade Gestora Contrato de heterogestão CMVM Enquadramento Fiscal - RGOIC Vantagens: Estatuto Fiscal dos OIC; Inexistência de obrigação fiscal No processo de transformação por não implicar transferência de ativos. 32

33 OIC sob forma societária heterogerido Geridas por Sociedades Gestoras de Fundos Imobiliários; A relação entre o OIC sob forma societária heterogerido e a entidade gestora designada [ para o exercício da respetiva gestão rege-se por contrato escrito. Contrato com a Entidade Gestora: i) deveres de reporte da entidade gestora ao organismo, ii) informações que este dever de reporte deve assegurar; iii) regras relativas à coordenação entre o organismo e a respectiva entidade gestora. 33

34 Conceito Consultoria de Gestão, S.A. Av. António Augusto de Aguiar, 19-4º Lisboa T.: F.: LYNX Av. Liberdade 245, 5º G Lisboa T.: F.: Nome : António Aranha agers.com RSA Av. Rua Bernardo Lima 3, , Lisboa T F Nome : João Ricardo Nóbrega 34

FUNDO DE POUPANÇA EM AÇÕES PPA VALORIS NOTAS À DEMONSTRAÇÃO DA POSIÇÃO FINANCEIRA E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012

FUNDO DE POUPANÇA EM AÇÕES PPA VALORIS NOTAS À DEMONSTRAÇÃO DA POSIÇÃO FINANCEIRA E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 FUNDO DE POUPANÇA EM AÇÕES PPA VALORIS NOTAS À DEMONSTRAÇÃO DA POSIÇÃO FINANCEIRA E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 (Valores expressos em euros) INTRODUÇÃO O Fundo de Poupança em

Leia mais

Fiscalidade 2012 Última Actualização 2012/10/31

Fiscalidade 2012 Última Actualização 2012/10/31 GUIA FISCAL 2012 INDICE I. Introdução II. Enquadramento fiscal dos produtos financeiros Contas 1. Contas à ordem 2. Conta ordenado 3. Conta não residente 4. Depósito a prazo 5. Contas Poupança-Habitação

Leia mais

3450-C0160-1 2013-05-20 PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO. De 2012-01-01 a 2012-12-31 2012 ÁREA DA SEDE, DIREÇÃO EFETIVA OU ESTAB.

3450-C0160-1 2013-05-20 PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO. De 2012-01-01 a 2012-12-31 2012 ÁREA DA SEDE, DIREÇÃO EFETIVA OU ESTAB. MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 0 DECLARAÇÃO DE RENDIMENTOS IRC MODELO Identificação da Declaração Data de Receção Comprovativo de Entrega da Declaração Modelo Via Internet Elementos para validação

Leia mais

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES PSI20 2012-2015 NOTES

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES PSI20 2012-2015 NOTES PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES PSI20 2012-2015 NOTES Advertências ao investidor: Impossibilidade de solicitação de reembolso antecipado por parte do Investidor Risco de crédito

Leia mais

As novas regras de tributação de rendimentos de capitais, mais-valias e de tributação do património

As novas regras de tributação de rendimentos de capitais, mais-valias e de tributação do património As novas regras de tributação de rendimentos de capitais, mais-valias e de tributação do património Foi hoje publicada a Lei n.º 55-A/2012, de 29 de Outubro, a qual vem agravar a tributação dos rendimentos

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO MAPFRE Investimento Dinâmico Não Normalizado ISIN: ES0138022001 Instrumento de Captação de Aforro Estruturado Contrato de Seguro ligado a Fundo de Investimento Fundo Autónomo (Fundo de Fundos): FondMapfre

Leia mais

CIRCULAR RELATIVA À AVALIAÇÃO E VALORIZAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO DESENVOLVIDOS POR ORGANISMOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO

CIRCULAR RELATIVA À AVALIAÇÃO E VALORIZAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO DESENVOLVIDOS POR ORGANISMOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO CIRCULAR RELATIVA À AVALIAÇÃO E VALORIZAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO DESENVOLVIDOS POR ORGANISMOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO I. Enquadramento 1. Nos termos do artigo 210.º/2 do Regime Geral dos Organismos

Leia mais

IRC opção pelo regime simplificado

IRC opção pelo regime simplificado IRC opção pelo regime simplificado Está em curso durante o presente mês de fevereiro o prazo concedido aos sujeitos passivos de IRC para procederem à opção pelo regime simplificado de determinação da matéria

Leia mais

4 de Setembro 2012 Direito Fiscal

4 de Setembro 2012 Direito Fiscal Orçamento Rectificativo Lei n.º 20/2012, DE 14 DE MAIO No âmbito da iniciativa para o reforço da estabilidade financeira foi publicada, no passado dia 14 de Maio a Lei n.º 20/2012 (Lei 20/2012) que entrou

Leia mais

RENDIMENTOS DE CAPITAIS

RENDIMENTOS DE CAPITAIS MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2016 R. P. 1 CATEGORIA E 2 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA DECLARAÇÃO DE - IRS MODELO 3 Anexo E DE CAPITAIS 3 IDENTIFICAÇÃO DO(S) SUJEITO(S)

Leia mais

ASPECTOSJURÍDICOS DO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO NO BRASIL

ASPECTOSJURÍDICOS DO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO NO BRASIL Investimento Estrangeiro no Brasil ASPECTOSJURÍDICOS DO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO NO BRASIL Lisboa Junho 2016 Investimento Estrangeiro no Brasil ASPECTOSJURÍDICOS DO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO NO BRASIL MAÍRA

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

FUNDIESTAMO SOCIEDADE GESTORA DE FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO, SA. FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO ESTAMO (CMVM nº 0823)

FUNDIESTAMO SOCIEDADE GESTORA DE FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO, SA. FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO ESTAMO (CMVM nº 0823) FUNDIESTAMO SOCIEDADE GESTORA DE FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO, SA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO ESTAMO (CMVM nº 0823) RELATÓRIO E CONTAS 2010 1 Caracterização do Fundo O Fundo de Investimento

Leia mais

LEI 8.849, DE 28 DE JANEIRO DE 1994

LEI 8.849, DE 28 DE JANEIRO DE 1994 LEI 8.849, DE 28 DE JANEIRO DE 1994 Altera a legislação do Imposto sobre a Renda e proventos de qualquer natureza, e dá outras providências. Faço saber que o presidente da República adotou a Medida Provisória

Leia mais

JESSICA NO ORDENAMENTO JURÍDICO PORTUGUÊS. José Brito Antunes Lisboa, 18 de Fevereiro de 2008

JESSICA NO ORDENAMENTO JURÍDICO PORTUGUÊS. José Brito Antunes Lisboa, 18 de Fevereiro de 2008 JESSICA NO ORDENAMENTO JURÍDICO PORTUGUÊS José Brito Antunes Lisboa, 18 de Fevereiro de 2008 ESTRUTURA FINANCEIRA CONCEPTUAL IDEIAS CHAVE FLEXIBILIDADE na estruturação jurídica Fundos de Participação e

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO ALTERNATIVO ABERTO DO MERCADO MONETÁRIO DE CURTO PRAZO - BPI MONETÁRIO CURTO PRAZO

FUNDO DE INVESTIMENTO ALTERNATIVO ABERTO DO MERCADO MONETÁRIO DE CURTO PRAZO - BPI MONETÁRIO CURTO PRAZO FUNDO DE INVESTIMENTO ALTERNATIVO ABERTO DO MERCADO MONETÁRIO DE CURTO PRAZO - BPI MONETÁRIO CURTO PRAZO RELATÓRIO E CONTAS REFERENTE AO PERÍODO FINDO EM 30 DE JUNHO DE 2015 ÍNDICE CONTEÚDO PÁGINA I -

Leia mais

ANEXO 9 (Informação prevista nos artigos 65.º, 66.º e 82.º)

ANEXO 9 (Informação prevista nos artigos 65.º, 66.º e 82.º) 9.1 - IFI de OICVM ANEXO 9 (Informação prevista nos artigos 65.º, 66.º e 82.º) Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI) de Organismo de Investimento Coletivo em Valores Mobiliários harmonizado

Leia mais

Regime fiscal das fundações. Guilherme W. d Oliveira Martins FDL

Regime fiscal das fundações. Guilherme W. d Oliveira Martins FDL Regime fiscal das fundações Guilherme W. d Oliveira Martins FDL DUP e benefícios fiscais O regime fiscal das Fundações/IPSS depende da atribuição da declaração de utilidade pública a essas pessoas coletivas.

Leia mais

Não dispensa a consulta do Diário da República Imojuris. Todos os direitos reservados.

Não dispensa a consulta do Diário da República Imojuris. Todos os direitos reservados. REGIME ESPECIAL APLICÁVEL AOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO PARA ARRENDAMENTO HABITACIONAL E ÀS SOCIEDADES DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO PARA ARRENDAMENTO HABITACIONAL Aprovado pelos artigos 102.º a

Leia mais

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar N.º 21/2002-R. Data: 28/11/2002. Assunto:

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar N.º 21/2002-R. Data: 28/11/2002. Assunto: Emitente: CONSELHO DIRECTIVO Norma Regulamentar N.º 21/2002-R Data: 28/11/2002 Assunto: POLÍTICA DE INVESTIMENTO DOS FUNDOS DE PENSÕES - REGRAS DE COMPOSIÇÃO DO PATRIMÓNIO E MECANISMOS DE DEFINIÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO

Leia mais

CAIXAGEST SELECÇÃO CAPITAL GARANTIDO

CAIXAGEST SELECÇÃO CAPITAL GARANTIDO CAIXAGEST SELECÇÃO 2008 - CAPITAL GARANTIDO Fundo de Investimento Mobiliário Fechado RELATÓRIO & CONTAS Liquidação ÍNDICE 1. RELATÓRIO DE GESTÃO 2 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 4 EM ANEXO: RELATÓRIO DO

Leia mais

PRINCIPAIS BENEFÍCIOS FISCAIS DE INCENTIVO À REABILITAÇÃO URBANA 2014

PRINCIPAIS BENEFÍCIOS FISCAIS DE INCENTIVO À REABILITAÇÃO URBANA 2014 PRINCIPAIS BENEFÍCIOS FISCAIS DE INCENTIVO À REABILITAÇÃO URBANA 2014 LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA E ENQUADRAMENTO A leitura da presente informação não dispensa a consulta da legislação em vigor Estatuto dos

Leia mais

O IRC no Orçamento do Estado para 2012. Audit Tax Advisory Consulting

O IRC no Orçamento do Estado para 2012. Audit Tax Advisory Consulting Audit Tax Advisory Consulting Opção por período de tributação distinto do ano civil Período mínimo de vigência da opção: 5 anos Período mínimo poderá ser < 5 anos, se o s.p. passar a integrar grupo obrigado

Leia mais

C&C logo. exced your expectations! exceed your expectations!

C&C logo. exced your expectations! exceed your expectations! C&C logo exced your expectations! Reforma do IRC Orçamento do Estado 2014 Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego Slide 2 Foram recentemente aprovadas a Lei n.º 83-C/2014

Leia mais

INFORMAÇÃO FISCAL. IVA - Imposto sobre o valor acrescentado. Despesas em que o IVA é dedutível. Despesas em que o IVA não é dedutível

INFORMAÇÃO FISCAL. IVA - Imposto sobre o valor acrescentado. Despesas em que o IVA é dedutível. Despesas em que o IVA não é dedutível INFORMAÇÃO FISCAL IVA - Imposto sobre o valor acrescentado Características gerais do imposto: É um imposto geral sobre o consumo, já que incide sobre as transmissões de bens, prestações de serviços e importações.

Leia mais

PROSPETO INFORMATIVO EUR BAC DUAL PORTUGAL 2013-2016 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

PROSPETO INFORMATIVO EUR BAC DUAL PORTUGAL 2013-2016 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO PROSPETO INFORMATIVO EUR BAC DUAL PORTUGAL 201-2016 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Designação Depósito Dual EUR BAC DUAL PORTUGAL 201-2016 Classificação Caracterização do produto Produto Financeiro Complexo

Leia mais

GUIA FISCAL ASSOCIATIVO 2012 GAMA Gabinete de Apoio ao Movimento Associativo Câmara Municipal de Vila Franca de Xira

GUIA FISCAL ASSOCIATIVO 2012 GAMA Gabinete de Apoio ao Movimento Associativo Câmara Municipal de Vila Franca de Xira Este Guia Fiscal tem como objectivo possibilitar aos dirigentes associativos e a outros agentes ligados à problemática fiscal das colectividades de cultura, recreio e desporto, o conhecimento do enquadramento

Leia mais

Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado Ulysses

Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado Ulysses Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado Ulysses Relatório de Liquidação, 22 de dezembro de 2016 Esta liquidação do fundo, que adveio da deliberação da assembleia de participantes, datada de

Leia mais

II Curso de Formação para os Tribunais Administrativos e Fiscais

II Curso de Formação para os Tribunais Administrativos e Fiscais Programa da Componente Profissional Área de Direito Tributário Substantivo e Processual 1.º Ciclo de formação teórico-prática II Curso de Formação para os Tribunais Administrativos e Fiscais Introdução

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE DO BANCO ESPIRITO SANTO NO ÂMBITO DAS ACTIVIDADES DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE DO BANCO ESPIRITO SANTO NO ÂMBITO DAS ACTIVIDADES DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA POLÍTICA DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE DO BANCO ESPIRITO SANTO NO ÂMBITO DAS ACTIVIDADES DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA 1. Introdução O Banco Espírito Santo, S.A. (o Banco) desenvolve diversas

Leia mais

F U N D O D E I N V E S T I M E N TO I M O B I L I Á R I O F E C H A D O T U R Í S T I C O

F U N D O D E I N V E S T I M E N TO I M O B I L I Á R I O F E C H A D O T U R Í S T I C O Pessoa Colectiva Nº. 503 511 668 Matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa sob o nº 5861 / 95 10 24 Constituída por escritura de 28.09.95, no 3º Cartório Notarial de Lisboa, publicada

Leia mais

e Legislação Complementar

e Legislação Complementar CÓDIGO DO IRC 2012 e Legislação Complementar CÓDIGO DO IRC APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 442-B/88, DE 30 DE NOVEMBRO (INCLUI ALTERAÇÕES DA PROPOSTA DO ORÇAMENTO RETIFICATIVO) LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR PAGAMENTOS

Leia mais

Preçário ABANCA CORPORACIÓN BANCARIA, S.A. - SUCURSAL EM PORTUGAL

Preçário ABANCA CORPORACIÓN BANCARIA, S.A. - SUCURSAL EM PORTUGAL Preçário ABANCA CORPORACIÓN BANCARIA, S.A. - SUCURSAL EM PORTUGAL Sucursal de Instituição de Crédito com sede no estrangeiro (autorizada noutro estado membro da Comunidade Europeia) Consulte o FOLHETO

Leia mais

COMUNICADO AOS PARTICIPANTES DO FUNDO DE GESTÃO PASSIVA - FUNDO DE INVESTIMENTO ALTERNATIVO EM VALORES MOBILIÁRIOS FECHADO

COMUNICADO AOS PARTICIPANTES DO FUNDO DE GESTÃO PASSIVA - FUNDO DE INVESTIMENTO ALTERNATIVO EM VALORES MOBILIÁRIOS FECHADO Profile Sociedade Gestora de Fundos de Investimento Mobiliário, S.A. Sede Social Avenida José Malhoa, n.º 22, 2º, 1099 012 Lisboa Portugal T. (351) 213 816 200 F. (351) 213 816 201 Capital Social 2 000

Leia mais

Doing Business with Brazil : Investimentos em Portugal: Aspectos tributários

Doing Business with Brazil : Investimentos em Portugal: Aspectos tributários Doing Business with Brazil : Investimentos em Portugal: Aspectos tributários Sumário 1. Condições favoráveis ao aumento do investimento externo em Portugal 2. Principais Incentivos Fiscais ao Investimento

Leia mais

FUNDOS MISTOS ASPECTOS FUNDAMENTAIS RUA TOMÁS RIBEIRO, 111 TEL FAX

FUNDOS MISTOS ASPECTOS FUNDAMENTAIS RUA TOMÁS RIBEIRO, 111 TEL FAX FUNDOS MISTOS ASPECTOS FUNDAMENTAIS 1 F U N D O S M I S T O S ASPECTOS FUNDAMENTAIS RE GIM E JURÍDICO O enquadramento jurídico dos Fundos de Investimento Imobiliário (FII) portugueses é dado pelo Decreto-Lei

Leia mais

Senhores Subscritores,

Senhores Subscritores, LOGISTICA E DISTRIBUIÇÃO FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO RELATÓRIO E CONTAS 2003 Senhores Subscritores, É com todo o gosto que apresentamos as contas do LOGISTICA E DISTRIBUIÇÃO FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais

FREGUESIA DE QUIAIOS NIPC 510 833 535

FREGUESIA DE QUIAIOS NIPC 510 833 535 PROGRAMA DE HASTA PÚBLICA Para atribuição do direito de ocupação efetiva de natureza precária da loja n.º 4 no Mercado de Quiaios Artigo 1.º Identificação A loja objeto de hasta pública localiza-se no

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 07 de Abril de 2009) Solução MultiFundos Zurich, constituído em 29 de Dezembro de 2003

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 07 de Abril de 2009) Solução MultiFundos Zurich, constituído em 29 de Dezembro de 2003 Zurich Companhia de Seguros Vida, S.A. PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 07 de Abril de 2009) Solução MultiFundos Zurich, constituído em 29 de Dezembro de 2003 Empresa de Seguros Entidades Comercializadoras

Leia mais

DIREITO FISCAL 4.º ANO EXAME DE 17 DE JANEIRO DE 2012. Regente: Prof. Doutora Ana Paula Dourado

DIREITO FISCAL 4.º ANO EXAME DE 17 DE JANEIRO DE 2012. Regente: Prof. Doutora Ana Paula Dourado DIREITO FISCAL 4.º ANO EXAME DE 17 DE JANEIRO DE 2012 Regente: Prof. Doutora Ana Paula Dourado Colaboradores: Prof.ª Doutora Paula Rosado Pereira, Mestres Gustavo Courinha e João Pateira Ferreira I. Considere

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE MAPA DE OBRIGAÇÕES FISCAIS E PARAFISCAIS DE JULHO 2016 Dia 11: IVA: Envio da declaração mensal referente ao mês de maio 2016 e anexos. IRS/IRC/SEGURANÇA SOCIAL: Declaração de rendimentos pagos e de retenções,

Leia mais

Circular Gabinete Jurídico-Fiscal

Circular Gabinete Jurídico-Fiscal Circular Gabinete Jurídico-Fiscal N/REFª: 08/2014 DATA: 17/01/2014 ASSUNTO: Calendário Fiscal Fevereiro 2014 Exmos. Senhores, Junto se envia o Calendário Fiscal relativo ao mês de Fevereiro de 2014. Com

Leia mais

A REFORMA TRIBUTÁRIA EM ANGOLA

A REFORMA TRIBUTÁRIA EM ANGOLA www.fbladvogados.com A REFORMA TRIBUTÁRIA EM ANGOLA As Principais Linhas de Orientação ÍNDICE 1. O PERT: Missão e Objectivos 2. O Sistema Fiscal Angolano 2.1. A Tributação dos Rendimentos 2.2. A Tributação

Leia mais

FUNDO DE CAPITAL DE RISCO PARA INVESTIDORES QUALIFICADOS GRUPO C.G.D. - CAIXA CAPITAL

FUNDO DE CAPITAL DE RISCO PARA INVESTIDORES QUALIFICADOS GRUPO C.G.D. - CAIXA CAPITAL FUNDO DE CAPITAL DE RISCO PARA INVESTIDORES QUALIFICADOS GRUPO C.G.D. - CAIXA CAPITAL 1 2 REGULAMENTO DE GESTÃO DO FUNDO DE CAPITAL DE RISCO PARA INVESTIDORES QUALIFICADOS GRUPO C.G.D. - CAIXA CAPITAL

Leia mais

CÓDIGO DO IRS. Artigo 16.º Residência Redacção anterior Orçamento Rectificativo dos n. os 1 ou 2, não tenham sido residentes em

CÓDIGO DO IRS. Artigo 16.º Residência Redacção anterior Orçamento Rectificativo dos n. os 1 ou 2, não tenham sido residentes em CÓDIGO DO IRS Artigo 16.º Residência 6 - Considera-se que não têm residência habitual em território português os sujeitos passivos que, tornando-se fiscalmente residentes, nomeadamente ao abrigo do disposto

Leia mais

FUNDO DE VALORES E INVESTIMENTOS PREDIAIS - VIP PROSPECTO. Actualizado em 02 de Abril de 2009

FUNDO DE VALORES E INVESTIMENTOS PREDIAIS - VIP PROSPECTO. Actualizado em 02 de Abril de 2009 FUNDO DE VALORES E INVESTIMENTOS PREDIAIS - VIP PROSPECTO Actualizado em 02 de Abril de 2009 1. Tipo e Duração O Fundo de Valores e Investimentos Prediais - VIP, adiante abreviadamente designado por FUNDO

Leia mais

BANIF - BANCO DE INVESTIMENTO, S.A. VALORES MOBILIÁRIOS. Entrada em vigor: 29-Jul-2011. Clientes Particulares e Empresas

BANIF - BANCO DE INVESTIMENTO, S.A. VALORES MOBILIÁRIOS. Entrada em vigor: 29-Jul-2011. Clientes Particulares e Empresas BANIF BANCO DE INVESTIMENTO, S.A. Entrada em vigor: 29Jul2011 VALORES MOBILIÁRIOS Clientes Particulares e Empresas 21 FUNDOS DE INVESTIMENTO 21.1. Fundos Banif 21.2. Fundos de Terceiros Internacionais

Leia mais

Safra Títulos Públicos DI - Fundo de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2004

Safra Títulos Públicos DI - Fundo de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2004 Safra Títulos Públicos DI - Fundo de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2004 e de 2003 e parecer de auditores independentes Demonstração da composição e diversificação

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO Entre, residente em com o número de contribuinte, adiante designado(a) abreviadamente por Produtor; e EDP Serviço Universal, S.A., com sede

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 97/14 Operações de Reporte e de Empréstimo de Valores Efectuadas por Conta de Fundos de Investimento Mobiliário

Regulamento da CMVM n.º 97/14 Operações de Reporte e de Empréstimo de Valores Efectuadas por Conta de Fundos de Investimento Mobiliário Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República Regulamento da CMVM n.º 97/14 Operações de Reporte e de Empréstimo de Valores Efectuadas por Conta de Fundos de Investimento Mobiliário

Leia mais

FISCALIDADE DE EMPRESA II

FISCALIDADE DE EMPRESA II FISCALIDADE DE EMPRESA II Módulo 4 Ano 2006 Carlos Manuel Freitas Lázaro 1 Categoria E - Rendimentos de aplicação de capitais Rendimentos sujeitos (artº 5, CIRS) Essencialmente: Juros e Lucros entre outros:

Leia mais

PROSPECTO INFORMATIVO Depósito Indexado - Produto Financeiro Complexo

PROSPECTO INFORMATIVO Depósito Indexado - Produto Financeiro Complexo Designação Classificação Caracterização do Produto Garantia de Capital Caixa Eurovalor maio 2016_PFC Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Depósito indexado não mobilizável antecipadamente, pelo

Leia mais

IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS)

IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) ALTERAÇÕES AO IRS, IRC, IMPOSTO DO SELO E LGT A Lei 55-A/2012, de 29 de Outubro introduziu alterações relevantes no Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS), Imposto sobre o Rendimento das

Leia mais

05-01-2012 - Calendário Fiscal 2012 quando declarar e quando pagar impostos em 2012

05-01-2012 - Calendário Fiscal 2012 quando declarar e quando pagar impostos em 2012 05-01-2012 - Calendário Fiscal 2012 quando declarar e quando pagar impostos em 2012 Disponibilizamos o habitual Calendário Fiscal de 2012 produzido pelo Ministério das Finanças (Autoridade Tributária e

Leia mais

Pensar Angola. Aspectos fiscais do investimento português em Angola. PwC. Jaime Esteves. Fevereiro Banco BIC Portugal

Pensar Angola. Aspectos fiscais do investimento português em Angola. PwC. Jaime Esteves. Fevereiro Banco BIC Portugal Aspectos fiscais do investimento português em Angola Jaime Esteves Banco BIC Portugal PwC Agenda 1 Tributação de Rendimentos em Angola 2 Investir em Angola a partir de Portugal 3 Tributação em Portugal

Leia mais

RESULTADO LÍQUIDO DO PERÍODO. Pagamentos com base em ações (art. o 18.º, n.º 11) Gastos não documentados (art. o 23.º, n.

RESULTADO LÍQUIDO DO PERÍODO. Pagamentos com base em ações (art. o 18.º, n.º 11) Gastos não documentados (art. o 23.º, n. Diário da República.ª série N.º 5 8 de dezembro de 0 4060-() PARTE C MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Gabinete do Ministro Despacho n.º 6568-A/0 Em face do proposto na Informação n.º 06/0 de 9 de novembro da Direção

Leia mais

DECRETO N.º 89/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

DECRETO N.º 89/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: DECRETO N.º 89/XII Altera o Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares, o Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas, o Código do Imposto do Selo e a Lei Geral Tributária

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 18/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 18/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 18/XII Exposição de Motivos Nos últimos anos, os serviços e órgãos da administração directa e indirecta do Estado, bem como as Regiões Autónomas e as autarquias locais, têm, no âmbito

Leia mais

Tabela S - Sectores Institucionais

Tabela S - Sectores Institucionais Anexo à Instrução nº 43/97 Tabela S - Sectores Institucionais A concretização da tabela de sectores institucionais (e, nomeadamente, a lista de instituições financeiras monetárias e as suas desagregações)

Leia mais

O Orçamento do Estado Fevereiro de 2016

O Orçamento do Estado Fevereiro de 2016 O Orçamento do Estado 2016 11 Fevereiro de 2016 Índice I. Imposto do Selo II. Imposto Municipal sobre Imóveis III. Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis 2 Orçamento de Estado 2016

Leia mais

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC)

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) FLASH NEWS FISCAL N.º 2 (IRC) PROPOSTA ORÇAMENTO DE ESTADO 2012 Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) Taxas de IRC É eliminada a taxa de 12,5% aplicável aos primeiros 12.500,00 de matéria

Leia mais

Entidades Colocadoras: AF-Investimentos, Fundos Imobiliários, S.A., Banco Comercial Português, S.A.,

Entidades Colocadoras: AF-Investimentos, Fundos Imobiliários, S.A., Banco Comercial Português, S.A., PROSPECTO (actualizado a 30 de Outubro de 2003) FUNDO ABERTO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO AF PORTFÓLIO IMOBILIÁRIO O Fundo e as entidades relacionadas Tipo e duração do Fundo: Fundo de Investimento Imobiliário

Leia mais

OBRIGAÇÕES DE CAIXA FNB Remuneração Garantida 2006 Instrumento de Captação de Aforro Estruturado Prospecto Informativo da Emissão

OBRIGAÇÕES DE CAIXA FNB Remuneração Garantida 2006 Instrumento de Captação de Aforro Estruturado Prospecto Informativo da Emissão 1 / 5 OBRIGAÇÕES DE CAIXA FNB Remuneração Garantida 2006 Instrumento de Captação de Aforro Estruturado Prospecto Informativo da Emissão As obrigações de caixa FNB Remuneração Garantida 2006 são um Instrumento

Leia mais

REGULAMENTO DAS SOCIEDADES PROFISSIONAIS DE CONTABILISTAS CERTIFICADOS E SOCIEDADES DE CONTABILIDADE

REGULAMENTO DAS SOCIEDADES PROFISSIONAIS DE CONTABILISTAS CERTIFICADOS E SOCIEDADES DE CONTABILIDADE REGULAMENTO DAS SOCIEDADES PROFISSIONAIS DE CONTABILISTAS CERTIFICADOS E SOCIEDADES DE CONTABILIDADE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito O presente regulamento estabelece as regras de constituição

Leia mais

Conselho Superior de Estatística

Conselho Superior de Estatística Conselho Superior de Estatística Secção Permanente de Estatísticas Económicas Paula Casimiro 22 de maio de 2015 Estatísticas de Fundos de Investimento Estrutura da apresentação 1. Introdução 2. Compilação

Leia mais

O Orçamento de Estado para 2012 e os advogados

O Orçamento de Estado para 2012 e os advogados O Orçamento de Estado para 2012 e os advogados Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) As alterações que a Lei n.º 64-B/2011, de 30 de Dezembro, introduz ao Código do IRS são muito significativas

Leia mais

Manual de preenchimento do Modelo 22 - IRC de 2012. Índice:

Manual de preenchimento do Modelo 22 - IRC de 2012. Índice: Manual de preenchimento do Modelo 22 - IRC de 2012 Índice: Indicações Gerais Quadro 01 Período de Tributação Quadro 02 Área da sede, Direção efectiva ou Estab. Estável Quadro 03 Identificação e Caracterização

Leia mais

Tribunal de Contas ANEXO II. Legislação sobre Benefícios Fiscais

Tribunal de Contas ANEXO II. Legislação sobre Benefícios Fiscais Tribunal de Contas ANEXO II Legislação sobre Benefícios Fiscais Tribunal de Contas LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS COM IMPLICAÇÕES NA RECEITA ESTADUAL A) No âmbito dos impostos directos a. 1) Imposto

Leia mais

Safra Multicarteira Agressivo - Fundo de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 30 de junho de

Safra Multicarteira Agressivo - Fundo de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 30 de junho de Safra Multicarteira Agressivo - Fundo de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2004 e de 2003 e parecer de auditores independentes Parecer

Leia mais

BPI αlpha O FEI que investe em Produtos Estruturados.

BPI αlpha O FEI que investe em Produtos Estruturados. O FEI que investe em Produtos Estruturados. UMA NOVA FORMA DE INVESTIR O BPI Alpha é o primeiro Fundo Especial de Investimento (FEI) do BPI e tem como objectivo principal dar aos clientes o acesso a uma

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024)

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão ES LOGISTICA Fundo de Investimento Imobiliário Aberto Fundo de Investimento Imobiliário Aberto ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão Dezembro de 2008 ESAF Fundos de Investimento

Leia mais

Artigo 71.º. Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares. (Redação dada pela Lei n.º 55-A/2012, de 29 de outubro)

Artigo 71.º. Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares. (Redação dada pela Lei n.º 55-A/2012, de 29 de outubro) Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares Artigo 71.º 1 - Estão sujeitos a retenção na fonte a título definitivo, à taxa liberatória de 26,5 %, os seguintes rendimentos obtidos em território

Leia mais

O Papel das Entidades Conexas aos Organismos de Investimento Colectivo. Mediateca de Luanda

O Papel das Entidades Conexas aos Organismos de Investimento Colectivo. Mediateca de Luanda O Papel das Entidades Conexas aos Organismos de Investimento Colectivo Mediateca de Luanda 4 de Agosto de 2016 Sumário I. Papel das Entidades Conexas Sociedade gestora; Depositário; Comercializadora; Auditor;

Leia mais

BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS S.A.

BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS S.A. ENTIDADE COLOCADORA BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS S.A. I - Identificação da Entidade Colocadora O Banco Comercial Português SA, sociedade aberta, com capital social de Eur 4.094.235.361,88 e sede na Praça

Leia mais

PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO

PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO 9-5-2017 PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO Vasta Rede de Acórdos de Dupla Tributação 8 Regime dos residentes não habituais 1 Regime dos vistos dourados (golden

Leia mais

Bankinter, S.A., Sucursal em Portugal Preçário de Títulos, Fundos e Seguros de Investimento

Bankinter, S.A., Sucursal em Portugal Preçário de Títulos, Fundos e Seguros de Investimento Bankinter, S.A., Sucursal em Portugal Preçário de Títulos, Fundos e Seguros de Investimento Data de Entrada em Vigor: 06/maio/2016 Avisos: "Na contratação de serviços de investimento em valores mobiliários,

Leia mais

na Europa e em África

na Europa e em África LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM SHANGAI Portugal: plataforma de investimento na Europa e África Rogério M. Fernandes Ferreira (rff@rffadvogados.pt rff@rffadvogados.pt)

Leia mais

BPI MONETÁRIO CURTO PRAZO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO ABERTO

BPI MONETÁRIO CURTO PRAZO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO ABERTO BPI MONETÁRIO CURTO PRAZO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO ABERTO Demonstrações Financeiras em 31 de Dezembro de 2010 acompanhadas do Relatório de Auditoria BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 Activo Mais-

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 01.REV2/POFC/2013

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 01.REV2/POFC/2013 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 01.REV2/POFC/2013 NORMA DE PAGAMENTOS SAESCTN, SAMA E SIAC De acordo com o previsto nos Contratos/Termos de Aceitação de Financiamento, estabelece-se a norma de pagamentos aplicável

Leia mais

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 12 meses (360 dias), não mobilizável antecipadamente.

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 12 meses (360 dias), não mobilizável antecipadamente. Designação Classificação Valorização Industrial Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 12 meses (360 dias), não mobilizável antecipadamente.

Leia mais

Nota informativa. Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo. Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro

Nota informativa. Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo. Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro Nota informativa Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo Decreto-Lei n.º 7/2015,

Leia mais

1. A CMVM O QUE É A CMVM?

1. A CMVM O QUE É A CMVM? 1.. A CMVM 1. A CMVM O QUE É A CMVM? A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários - também conhecida pelas iniciais CMVM - foi criada em Abril de 1991 com a missão de supervisionar e regular os mercados

Leia mais

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA Nº 24 EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 1. OBJECTIVO 1 2. DEFINIÇÕES 2 3. TIPOS DE EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 2

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA Nº 24 EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 1. OBJECTIVO 1 2. DEFINIÇÕES 2 3. TIPOS DE EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 2 DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA Nº 24 EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS INDICE 1. OBJECTIVO 1 2. DEFINIÇÕES 2 3. TIPOS DE EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 2 3.1. Operações conjuntamente controladas 3 3.2. Activos conjuntamente

Leia mais

PAGAMENTO DE IMPOSTOS - 2011

PAGAMENTO DE IMPOSTOS - 2011 PAGAMENTO DE IMPOSTOS - 2011 JANEIRO / 2011 tesourarias de finanças ou dos CTT ou ainda (para importâncias não superiores a 99 999,99), através do multibanco, correspondente ao imposto apurado na declaração

Leia mais

IRS IRC IMI IMT EBF

IRS IRC IMI IMT EBF ADENDA AO IRS IRC IMI IMT EBF - 2010 O Decreto-Lei n.º 72-A/2010, de 30 de Junho, normas de execução do Orçamento do Estado para 2010, e as Leis n. os 12-A/2010, de 30 de Junho, e 15/2010, de 26 de Julho,

Leia mais

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES TECNOLOGIA 2012-2015 NOTES

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES TECNOLOGIA 2012-2015 NOTES PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES TECNOLOGIA 2012-2015 NOTES Advertências ao investidor: Remuneração não garantida Impossibilidade de solicitação de reembolso antecipado por parte

Leia mais

OLIVEIRA, REIS & ASSOCIADOS, SROC, LDA.

OLIVEIRA, REIS & ASSOCIADOS, SROC, LDA. Calendário Fiscal de fevereiro de 2013 S T Q Q S S D 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 DIA 11 IVA declaração periódica e pagamento do imposto (regime normal mensal)

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 8/2015, Série I, de 13/01, Páginas 380-386.

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 8/2015, Série I, de 13/01, Páginas 380-386. Classificação: 060.01.01 Segurança: P ú b l i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de janeiro Estado: vigente. Resumo:

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO Actualizado a 12 de Novembro de 2008

PROSPECTO SIMPLIFICADO Actualizado a 12 de Novembro de 2008 A LEITURA DESTE PROSPECTO NÃO DISPENSA A CONSULTA DO PROSPECTO COMPLETO DO FUNDO E DEVE SER ACOMPANHADA PELA DEFINIÇÃO DOS TERMOS CONSTANTES DO GLOSSÁRIO (identificados com *). TIPO DE FUNDO / DURAÇÃO

Leia mais

BANIF IMOPREDIAL FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO ABERTO

BANIF IMOPREDIAL FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO ABERTO PROSPECTO INFORMATIVO BANIF IMOPREDIAL FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO ABERTO 1. O FUNDO O Fundo adopta a denominação Banif ImoPredial Fundo de Investimento Imobiliário Aberto e é constituído como fundo

Leia mais

Administradores não executivos Regime de responsabilidade

Administradores não executivos Regime de responsabilidade Administradores não executivos Regime de responsabilidade Pedro Rebelo de Sousa 17 de Novembro de 2011 1. Corporate Governance Corporate governance is the system by which companies are directed and controlled.

Leia mais

Tabela em anexo a que refere o artigo 1.º do Código do Imposto do Selo

Tabela em anexo a que refere o artigo 1.º do Código do Imposto do Selo Tabela em anexo a que refere o artigo 1.º do Código do Imposto do Selo Tabela do Imposto do Selo (Rectificado por Circular n.º 03/DLT/DNI/2012, de 5 de Julho) 1 Aquisição onerosa ou gratuita do direito

Leia mais

Ato Isolado - Tudo o que precisa de saber!

Ato Isolado - Tudo o que precisa de saber! Ato Isolado - Tudo o que precisa de saber! Conceito de Ato Isolado Enquadramento Fiscal (IRS e IVA) Obrigações Fiscais e Legais Emissão Fatura-Recibo (Portal das Finanças) Pedro Moura Webinar - Ato Isolado

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BENEFÍCIOS AOS MEMBROS DA ORDEM DOS ENFERMEIROS,

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BENEFÍCIOS AOS MEMBROS DA ORDEM DOS ENFERMEIROS, Preâmbulo Foi aprovado em Assembleia Geral da Ordem dos Enfermeiros de 25 de Maio de 2002, sob proposta do Conselho Diretivo, o Regulamento de Acesso a Benefícios aos Membros, em cumprimento do desígnio

Leia mais

Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2015

Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2015 Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2015 O NOVO BANCO vem prestar alguns esclarecimentos que considera úteis para o preenchimento da declaração Modelo 3 de IRS, tomando por base a informação

Leia mais

Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI

Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI Renda Fixa Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI O produto O Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRI) é um título que gera um direito de crédito ao

Leia mais

MÓDULO: IRC Imposto sobre rendimento

MÓDULO: IRC Imposto sobre rendimento ASSOCIAÇÃO NACIONAL DAS EMPRESÁRIAS MÓDULO: IRC Imposto sobre rendimento 29 PERGUNTAS SOBRE IRC 16-09-2009 CURSO: EFA NS Técnicas Administrativas 2 EXERCÍCIO Nº 1 Indique para cada uma das afirmações,

Leia mais

FUNDIESTAMO SOCIEDADE GESTORA DE FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO, SA. FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO ESTAMO (CMVM nº 0823)

FUNDIESTAMO SOCIEDADE GESTORA DE FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO, SA. FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO ESTAMO (CMVM nº 0823) FUNDIESTAMO SOCIEDADE GESTORA DE FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO, SA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO ESTAMO (CMVM nº 0823) RELATÓRIO E CONTAS 2011 1 Caracterização do Fundo O Fundo de Investimento

Leia mais

AVISO DE FUSÃO DE FUNDOS

AVISO DE FUSÃO DE FUNDOS GNB Sociedade Gestora de Fundos de Investimento Mobiliário, SA. Sede: Av. Alvares Cabral n.º 41, Lisboa CRCL / Pessoa Colectiva n.º 501882618 Capital Social: 3.000.000 EUR AVISO DE FUSÃO DE S Nos termos

Leia mais

Programa Incentivo 2014. Normas de execução financeira. 1. Âmbito do financiamento

Programa Incentivo 2014. Normas de execução financeira. 1. Âmbito do financiamento Programa Incentivo 2014 Normas de execução financeira 1. Âmbito do financiamento As verbas atribuídas destinam-se a financiar o funcionamento da instituição de investigação científica e desenvolvimento

Leia mais