F U N D O D E I N V E S T I M E N TO I M O B I L I Á R I O F E C H A D O T U R Í S T I C O

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "F U N D O D E I N V E S T I M E N TO I M O B I L I Á R I O F E C H A D O T U R Í S T I C O"

Transcrição

1 Pessoa Colectiva Nº Matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa sob o nº 5861 / Constituída por escritura de , no 3º Cartório Notarial de Lisboa, publicada no Diário da República nº 120, de Alterada por escritura de , no 3º Cartório Notarial de Lisboa, publicada no Diário da República nº. 120, de e por escritura de , no 3º Cartório Notarial de Lisboa, publicada no Diário da República nº. 33, de Sede: Rua Ivone Silva, lote 6, 3º Dto Lisboa F U N D O D E I N V E S T I M E N TO I M O B I L I Á R I O F E C H A D O T U R Í S T I C O PROSPECTO INFORMATIVO F - TURISMO Sociedade Gestora de Fundos de Investimento Imobiliário, S.A.

2 Este Prospecto Informativo encontra-se elaborado nos termos do disposto no artigo 36º do Decreto-Lei nº 294/95, de 17 de Novembro. I Informações relativas ao FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO TURÍSTICO 1. Denominação O Fundo tem como denominação Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Turístico. 2. Data de Constituição O Fundo foi autorizado por Portaria do Ministério das Finanças (Gabinete do Secretário de Estado Adjunto e do Tesouro) nº 229/95 (2ª série), de 27 de Julho, iniciando a sua actividade em 21 de Novembro de Locais onde podem ser obtidos o Regulamento de Gestão, os Relatórios Periódicos e o Prospecto Informativo O Regulamento de Gestão, os Relatórios Periódicos e o Prospecto Informativo podem ser obtidos na sede da F. Turismo - Sociedade Gestora de Fundos de Investimento Imobiliário, S.A., em Lisboa, na Rua Ivone Silva, lote 6, 3º Dto., e da Caixa Geral de Depósitos, S.A., em Lisboa, na Av. João XXI, Regime Fiscal Aplicável Os bens imóveis do Fundo encontram-se isentos de Sisa (de acordo com o artigo 1º do Decreto-Lei nº 1/87, de 3 de Janeiro) e de Contribuição Autárquica (de acordo com o artigo 56º do Estatuto dos Benefícios Fiscais). Os rendimento prediais líquidos de encargos de conservação e manutenção, efectivamente suportados e devidamente comprovados são tributados autonomamente à taxa de 20%, encontrando-se sujeitos a retenção na fonte, à taxa de 15%. Os rendimentos de aplicação de capitais são tributados, autonomamente, por retenção na fonte, à taxa de 20%, se obtidos em território português e à taxa de 25% se obtidos fora do território português. As mais-valias prediais estão sujeitas a uma taxa de 25% sobre metade da diferença entre as mais-valias e menos-valias realizadas. FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO TURÍSTICO 1

3 Os rendimentos distribuídos aos participantes são tributados da seguinte maneira: a) Se os titulares das U.P. são pessoas singulares e auferem esses rendimentos fora do âmbito da actividade comercial, industrial ou agrícola, são isentos de IRS, sendo todavia tributados na pessoa jurídica do Fundo. Os titulares das U.P s, residentes em território português, podem englobá-los para efeitos de IRS. b) Se os titulares das U.P. são sujeitos passivos de IRC ou de IRS e detêm as unidades de participação no âmbito de uma actividade comercial, industrial ou agrícola e são residentes em território Português, os rendimentos distribuídos não estão sujeitos a retenção na fonte e são considerados pelos seus titulares proveitos ou ganhos. c) Se os titulares das U.P. não são residentes em território Português e não têm estabelecimento estável em Portugal, estão isentos de IRS ou de IRC. d) Os sujeitos passivos de IRC residentes em território português que, em consequência de isenção, não estejam obrigados à entrega da declaração de rendimentos, o imposto retido ou devido correspondente aos rendimentos das unidades de participação que tenham subscrito, deve ser restituído pela entidade gestora do fundo e pago conjuntamente com os rendimentos respeitantes a essas unidades. 5. Encerramento das contas e distribuição de rendimentos As contas do Fundo são encerradas anualmente, com referência a 31 de Dezembro, submetidas a certificação legal e publicadas dentro dos quatro meses seguintes, acompanhadas de um relatório e do parecer da entidade fiscalizadora. Reportado a 30 de Junho, é elaborado, de acordo com o disposto no nº 5 do artigo 37º do Decreto-Lei nº 294/95, de 17 de Novembro, um relatório tendo por objectivo a actividade do semestre decorrido, sendo publicado até dois meses após o fim do período a que respeite. Os rendimentos líquidos gerados pela actividade do Fundo, poderão ser distribuídos, nos termos, datas e quantitativos a estabelecer anualmente pela sociedade gestora. 6. Auditoria e Certificação Legal das Contas A auditoria às contas é efectuada pela PricewaterhouseCoopers Auditores e Consultores, Lda.. A Certificação Legal das contas do Fundo é efectuada pela Belarmino Martins, Eugénio Ferreira & Associados, SROC. 7. Admissão à Negociação das UP s A totalidade das unidades de participação do Fundo encontram-se, desde 28 de Setembro de 1998, admitidas à negociação no mercado sem cotações, por período de tempo indeterminado, na BVLP. FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO TURÍSTICO 2

4 8. Determinação dos Resultados As Demonstrações Financeiras são preparadas de acordo com o Plano de Contas dos Fundos de Investimento Imobiliário definido pelo Regulamento nº 96/16 da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários. 9. Política de Investimento A política de investimento do Fundo é vocacionada para o desenvolvimento de projectos e para a aquisição de imóveis afectos à actividade turística, tais como: de animação turística com carácter inovador; hoteleiros e de animação turística que envolvam a recuperação de património arquitectónico histórico e cultural; hoteleiros que necessitem de modernização e redimensionamento; turísticos que envolvam a recuperação de imóveis não concluidos, cujas obras se encontrem paradas há mais de cinco anos e que constituam factor de degradação ambiental; saneamento financeiro de empreendimentos economicamente viáveis. 10. Regras de Valometria O valor dos bens que constituem o património do Fundo corresponde ao seu custo de aquisição, incluindo custos notariais, de registo e outros. Os ajustamentos em imóveis, são calculadas a partir da periodização da diferença entre o valor da opção de compra que o inquilino detém sobre o imóvel e o valor de aquisição, desde que o valor que daí resulte seja inferior ao mais elevado das avaliações periciais. Na determinação dos ajustamentos foram tidos em consideração os efeitos dos impostos diferidos. 11. Determinação do Valor da Unidade de Participação O valor da unidade de participação é calculado diariamente de acordo com as normas legalmente estabelecidas e publicado mensalmente no boletim da BVLP. FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO TURÍSTICO 3

5 II Informações relativas à Sociedade Gestora F.TURISMO Sociedade Gestora de Fundos de Investimento Imobiliário, S.A. 1. Denominação, Forma Jurídica e Sede Social A F.Turismo-Sociedade Gestora de Fundos de Investimento Imobiliário, SA, tem a sua sede em Lisboa, na Rua Ivone Silva, lote 6, 3º Dto.. 2. Constituição A sociedade constituiu-se por escritura pública lavrada no 3º Cartório Notarial de Lisboa no dia 28 de Setembro de Outros Fundos Geridos pela F. Turismo A F. Turismo é, também, responsável pela gestão do Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Turístico II. 4. Orgãos Sociais Conselho de Administração Pereira Dr. Emanuel Jorge Marques dos Santos Dra. Maria José Martins Catarino Instituto de Financiamento e Apoio ao Turismo, representado pelo Dr. Orlando Pinto Madeira Carrasco Caixa Geral de Depósitos, SA, representada pelo Senhor Dr. José Valério Costa Banco Espirito Santo, SA, representado pelo Senhor Dr. Rui Vitor Ferronha Cláudio Comissão Executiva Dr. Orlando Pinto Madeira Carrasco Dr. José Valério Costa Pereira Dr. Rui Vitor Ferronha Cláudio FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO TURÍSTICO 4

6 Conselho Fiscal Dr. Serafim Ribeiro Amorim Dr. Licínio Cruz Dias Calado Vogal ROC efectivo: Bernardes, Sismeiro & Associados, SROC, representada pelo Dr. Jorge Manuel Santos Costa, ROC Vogal ROC suplente: Dr. José Poças Esteves Mesa da Assembleia Geral Vice Secretário: Dr. Rui Manuel Duarte Sousa da Silveira Dr. Nuno Moreira de Almeida Queiroz de Barros Caixa Geral de Depósitos, S.A., representada pelo Dr. Pedro Manuel Rodrigues de Araújo Martinez 5. Accionistas Os accionistas detentores de participações qualificadas na F. Turismo são os que se seguem: Instituto de Financiamento e Apoio ao Turismo (53,2%) Caixa Geral de Depósitos (33,47%) Banco Espírito Santo (13,33%) 6. Capital O capital da Sociedade Gestora é de euros integralmente subscrito e realizado. FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO TURÍSTICO 5

BANIF IMOPREDIAL FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO ABERTO

BANIF IMOPREDIAL FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO ABERTO PROSPECTO INFORMATIVO BANIF IMOPREDIAL FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO ABERTO 1. O FUNDO O Fundo adopta a denominação Banif ImoPredial Fundo de Investimento Imobiliário Aberto e é constituído como fundo

Leia mais

SPORTING CLUBE DE PORTUGAL FUTEBOL, SAD

SPORTING CLUBE DE PORTUGAL FUTEBOL, SAD SPORTING CLUBE DE PORTUGAL FUTEBOL, SAD Sociedade Aberta Capital Social: 39 000 000 euros Capital Próprio: (75.593.000) euros aprovado em Assembleia Geral de 28 de Setembro de 2012 Sede Social: Estádio

Leia mais

Entidades Colocadoras: AF-Investimentos, Fundos Imobiliários, S.A., Banco Comercial Português, S.A.,

Entidades Colocadoras: AF-Investimentos, Fundos Imobiliários, S.A., Banco Comercial Português, S.A., PROSPECTO (actualizado a 30 de Outubro de 2003) FUNDO ABERTO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO AF PORTFÓLIO IMOBILIÁRIO O Fundo e as entidades relacionadas Tipo e duração do Fundo: Fundo de Investimento Imobiliário

Leia mais

FUNDIESTAMO SOCIEDADE GESTORA DE FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO, SA. FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO ESTAMO (CMVM nº 0823)

FUNDIESTAMO SOCIEDADE GESTORA DE FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO, SA. FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO ESTAMO (CMVM nº 0823) FUNDIESTAMO SOCIEDADE GESTORA DE FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO, SA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO ESTAMO (CMVM nº 0823) RELATÓRIO E CONTAS 2010 1 Caracterização do Fundo O Fundo de Investimento

Leia mais

CAIXAGEST SELECÇÃO CAPITAL GARANTIDO

CAIXAGEST SELECÇÃO CAPITAL GARANTIDO CAIXAGEST SELECÇÃO 2008 - CAPITAL GARANTIDO Fundo de Investimento Mobiliário Fechado RELATÓRIO & CONTAS Liquidação ÍNDICE 1. RELATÓRIO DE GESTÃO 2 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 4 EM ANEXO: RELATÓRIO DO

Leia mais

FUNDO DE VALORES E INVESTIMENTOS PREDIAIS - VIP PROSPECTO. Actualizado em 02 de Abril de 2009

FUNDO DE VALORES E INVESTIMENTOS PREDIAIS - VIP PROSPECTO. Actualizado em 02 de Abril de 2009 FUNDO DE VALORES E INVESTIMENTOS PREDIAIS - VIP PROSPECTO Actualizado em 02 de Abril de 2009 1. Tipo e Duração O Fundo de Valores e Investimentos Prediais - VIP, adiante abreviadamente designado por FUNDO

Leia mais

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA (ENTIDADES RESIDENTES QUE NÃO EXERCEM, A TÍTULO PRINCIPAL, ACTIVIDADE COMERCIAL, INDUSTRIAL OU AGRÍCOLA)

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA (ENTIDADES RESIDENTES QUE NÃO EXERCEM, A TÍTULO PRINCIPAL, ACTIVIDADE COMERCIAL, INDUSTRIAL OU AGRÍCOLA) IES DECLARAÇÃO ANUAL (ENTIDADES RESIDENTES QUE NÃO EXERCEM A TÍTULO PRINCIPAL ACTIVIDADE COMERCIAL INDUSTRIAL OU AGRÍCOLA) 01 No DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL (NIPC) 02 EXERCÍCIO 1 IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL

Leia mais

Pensar Angola. Aspectos fiscais do investimento português em Angola. PwC. Jaime Esteves. Fevereiro Banco BIC Portugal

Pensar Angola. Aspectos fiscais do investimento português em Angola. PwC. Jaime Esteves. Fevereiro Banco BIC Portugal Aspectos fiscais do investimento português em Angola Jaime Esteves Banco BIC Portugal PwC Agenda 1 Tributação de Rendimentos em Angola 2 Investir em Angola a partir de Portugal 3 Tributação em Portugal

Leia mais

FUNDIESTAMO SOCIEDADE GESTORA DE FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO, SA. FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO ESTAMO (CMVM nº 0823)

FUNDIESTAMO SOCIEDADE GESTORA DE FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO, SA. FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO ESTAMO (CMVM nº 0823) FUNDIESTAMO SOCIEDADE GESTORA DE FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO, SA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO ESTAMO (CMVM nº 0823) RELATÓRIO E CONTAS 2011 1 Caracterização do Fundo O Fundo de Investimento

Leia mais

ASSEMBLEIA DE PARTICIPANTES DO FUNDO DE GESTÃO PASSIVA FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO FECHADO ( Fundo ) 28 de Maio de 2010

ASSEMBLEIA DE PARTICIPANTES DO FUNDO DE GESTÃO PASSIVA FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO FECHADO ( Fundo ) 28 de Maio de 2010 ASSEMBLEIA DE PARTICIPANTES DO FUNDO DE GESTÃO PASSIVA FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO FECHADO ( Fundo ) 28 de Maio de 2010 PROPOSTAS RELATIVAS AO PONTO TRÊS DA ORDEM DE TRABALHOS (Sem prejuízo da obtenção

Leia mais

Não dispensa a consulta do Diário da República Imojuris. Todos os direitos reservados.

Não dispensa a consulta do Diário da República Imojuris. Todos os direitos reservados. REGIME ESPECIAL APLICÁVEL AOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO PARA ARRENDAMENTO HABITACIONAL E ÀS SOCIEDADES DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO PARA ARRENDAMENTO HABITACIONAL Aprovado pelos artigos 102.º a

Leia mais

BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A.

BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A. BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A. BALANÇO INDIVIDUAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2001 E 2000 2001 ACTIVO Notas Activo Amortizações Activo 2000 Bruto e Provisões líquido 1. Caixa e disponibilidades

Leia mais

Circular Gabinete Jurídico-Fiscal

Circular Gabinete Jurídico-Fiscal Circular Gabinete Jurídico-Fiscal N/REFª: 81/2013 DATA: 24/09/2013 ASSUNTO: Calendário Fiscal Outubro 2013 Exmos. Senhores, Junto se envia o Calendário Fiscal relativo ao mês de Outubro de 2013. Com os

Leia mais

DECRETO N.º 89/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

DECRETO N.º 89/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: DECRETO N.º 89/XII Altera o Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares, o Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas, o Código do Imposto do Selo e a Lei Geral Tributária

Leia mais

PARTE F REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Diário da República, 2.ª série N.º 24 4 de fevereiro de Secretaria Regional do Plano e Finanças

PARTE F REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Diário da República, 2.ª série N.º 24 4 de fevereiro de Secretaria Regional do Plano e Finanças 3484 Diário da República, 2.ª série N.º 24 4 de fevereiro de 2014 PARTE F REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Secretaria Regional do Plano e Finanças Gabinete do Secretário Regional Despacho n.º 1/2014/M Em execução

Leia mais

03_BES_Corporate Governance_13ABRIL 05/04/14 8:21 Page 320 Sugerimos bem estar

03_BES_Corporate Governance_13ABRIL 05/04/14 8:21 Page 320 Sugerimos bem estar Sugerimos bem estar RELATÓRIO CONTAS 2004 04 Informações Gerais 01 Acções do BES Em 31 de Dezembro de 2004 o capital social do Banco Espírito Santo encontrava-se representado por 300 000 000 acções com

Leia mais

PRINCIPAIS BENEFÍCIOS FISCAIS DE INCENTIVO À REABILITAÇÃO URBANA 2014

PRINCIPAIS BENEFÍCIOS FISCAIS DE INCENTIVO À REABILITAÇÃO URBANA 2014 PRINCIPAIS BENEFÍCIOS FISCAIS DE INCENTIVO À REABILITAÇÃO URBANA 2014 LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA E ENQUADRAMENTO A leitura da presente informação não dispensa a consulta da legislação em vigor Estatuto dos

Leia mais

Artigo 71.º. Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares. (Redação dada pela Lei n.º 55-A/2012, de 29 de outubro)

Artigo 71.º. Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares. (Redação dada pela Lei n.º 55-A/2012, de 29 de outubro) Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares Artigo 71.º 1 - Estão sujeitos a retenção na fonte a título definitivo, à taxa liberatória de 26,5 %, os seguintes rendimentos obtidos em território

Leia mais

ANEXO C DECLARAÇÃO MODELO 22 REGIÕES AUTONOMAS

ANEXO C DECLARAÇÃO MODELO 22 REGIÕES AUTONOMAS 261 O Anexo C é de entrega obrigatória: ANEXO C DECLARAÇÃO MODELO 22 REGIÕES AUTONOMAS a) Por qualquer pessoa colectiva ou equiparada, com sede ou direcção efectiva em território português, que possua

Leia mais

MARÇO 2004 SUMÁRIO. I. Legislação nacional II. Instruções administrativas I. LEGISLAÇÃO NACIONAL. Ministério das Finanças

MARÇO 2004 SUMÁRIO. I. Legislação nacional II. Instruções administrativas I. LEGISLAÇÃO NACIONAL. Ministério das Finanças MARÇO 2004 SUMÁRIO I. Legislação nacional II. Instruções administrativas I. LEGISLAÇÃO NACIONAL Despacho nº4260/2004, de 3 de Março IRS - Tabelas de retenção Continente Aprova as tabelas de retenção na

Leia mais

Circular Gabinete Jurídico-Fiscal

Circular Gabinete Jurídico-Fiscal Circular Gabinete Jurídico-Fiscal N/REFª: 08/2014 DATA: 17/01/2014 ASSUNTO: Calendário Fiscal Fevereiro 2014 Exmos. Senhores, Junto se envia o Calendário Fiscal relativo ao mês de Fevereiro de 2014. Com

Leia mais

IRS IRC IMI IMT EBF

IRS IRC IMI IMT EBF ADENDA AO IRS IRC IMI IMT EBF - 2010 O Decreto-Lei n.º 72-A/2010, de 30 de Junho, normas de execução do Orçamento do Estado para 2010, e as Leis n. os 12-A/2010, de 30 de Junho, e 15/2010, de 26 de Julho,

Leia mais

MÓDULO: IRC Imposto sobre rendimento

MÓDULO: IRC Imposto sobre rendimento ASSOCIAÇÃO NACIONAL DAS EMPRESÁRIAS MÓDULO: IRC Imposto sobre rendimento 29 PERGUNTAS SOBRE IRC 16-09-2009 CURSO: EFA NS Técnicas Administrativas 2 EXERCÍCIO Nº 1 Indique para cada uma das afirmações,

Leia mais

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL O regime do Golden Visa Enquadramento legal João Ricardo Nóbrega (Managing Partner RSA) ENQUADRAMENTO LEGAL GOLDEN VISA Lei nº 23/2007, de 4 de Julho Despacho

Leia mais

CAIXAGEST RENDIMENTO NACIONAL

CAIXAGEST RENDIMENTO NACIONAL PROSPECTO SIMPLIFICADO CAIXAGEST RENDIMENTO NACIONAL Fundo Especial de Investimento Aberto Referência: PTYMEALE0011_20110107 Última actualização: 7 de Janeiro de 2011 Constituído em Portugal em 30 de Julho

Leia mais

CAIXAGEST RENDIMENTO ORIENTE

CAIXAGEST RENDIMENTO ORIENTE PROSPECTO SIMPLIFICADO CAIXAGEST RENDIMENTO ORIENTE Fundo Especial de Investimento Aberto Referência: PTYMEDLE0018_20110107 Última actualização: 7 de Janeiro de 2011 Constituído em Portugal em 3 de Dezembro

Leia mais

OLISSIPO - FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO RELATÓRIO DE GESTÃO DESCRIÇÃO DA ACTIVIDADE E DOS PRINCIPAIS ACONTECIMENTOS

OLISSIPO - FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO RELATÓRIO DE GESTÃO DESCRIÇÃO DA ACTIVIDADE E DOS PRINCIPAIS ACONTECIMENTOS OLISSIPO - FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO RELATÓRIO DE GESTÃO RELATIVO AO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 INTRODUÇÃO o presente relatório é elaborado visando dar cumprimento

Leia mais

FISCALIDADE DE EMPRESA II

FISCALIDADE DE EMPRESA II FISCALIDADE DE EMPRESA II Questionário Ano 2006 Carlos Manuel Freitas Lázaro 1 1. É tributado como rendimento da categoria B: A) A indemnização paga pela companhia de seguros a empresário em nome individual,

Leia mais

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS E DE SEGURANÇA SOCIAL JULHO 2016

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS E DE SEGURANÇA SOCIAL JULHO 2016 CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS E DE SEGURANÇA SOCIAL JULHO 2016 Até 10/07/2016 Envio da Declaração periódica acompanhada dos anexos que se mostrem devidos, pelos contribuintes do regime normal mensal,

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO Actualizado a 12 de Novembro de 2008

PROSPECTO SIMPLIFICADO Actualizado a 12 de Novembro de 2008 A LEITURA DESTE PROSPECTO NÃO DISPENSA A CONSULTA DO PROSPECTO COMPLETO DO FUNDO E DEVE SER ACOMPANHADA PELA DEFINIÇÃO DOS TERMOS CONSTANTES DO GLOSSÁRIO (identificados com *). TIPO DE FUNDO / DURAÇÃO

Leia mais

PARCAIXA, SGPS, SA RELATÓRIO CONTAS

PARCAIXA, SGPS, SA RELATÓRIO CONTAS PARCAIXA, SGPS, SA RELATÓRIO E CONTAS 2013 Matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa sob o NIPC nº 508 659 558 Sede Social: Av. João XXI, n.º 63-1000-300 Lisboa. Capital Social integralmente

Leia mais

CAIXAGEST SELECÇÃO ESPECIAL

CAIXAGEST SELECÇÃO ESPECIAL PROSPECTO SIMPLIFICADO CAIXAGEST SELECÇÃO ESPECIAL Fundo Especial de Investimento Aberto Referência: PTYMEGLE005_2000505 Última actualização: 7 de Maio de 200 Constituído em Portugal em 9 de Junho de 2008

Leia mais

Tribunal de Contas ANEXO II. Legislação sobre Benefícios Fiscais

Tribunal de Contas ANEXO II. Legislação sobre Benefícios Fiscais Tribunal de Contas ANEXO II Legislação sobre Benefícios Fiscais Tribunal de Contas LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS COM IMPLICAÇÕES NA RECEITA ESTADUAL A) No âmbito dos impostos directos a. 1) Imposto

Leia mais

REGULAMENTO DE GESTÃO FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO IMORENDA. (14 de Julho de 2010)

REGULAMENTO DE GESTÃO FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO IMORENDA. (14 de Julho de 2010) REGULAMENTO DE GESTÃO FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO IMORENDA (14 de Julho de 2010) A autorização do fundo significa que a CMVM considera a sua constituição conforme com a legislação aplicável,

Leia mais

NORMAS PARA OPERACIONALIZAÇÃO DAS ISENÇÕES E / OU REDUÇÕES DE TAXAS E BENEFICIOS FISCAIS

NORMAS PARA OPERACIONALIZAÇÃO DAS ISENÇÕES E / OU REDUÇÕES DE TAXAS E BENEFICIOS FISCAIS ANEXO III NORMAS PARA OPERACIONALIZAÇÃO DAS ISENÇÕES E / OU REDUÇÕES DE TAXAS E BENEFICIOS FISCAIS No âmbito da estratégia de reabilitação urbana serão concedidos os seguintes apoios: 1. TAXAS MUNICIPAIS

Leia mais

Senhores Subscritores,

Senhores Subscritores, LOGISTICA E DISTRIBUIÇÃO FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO RELATÓRIO E CONTAS 2003 Senhores Subscritores, É com todo o gosto que apresentamos as contas do LOGISTICA E DISTRIBUIÇÃO FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais

Informações Preparatórias da Assembleia Geral

Informações Preparatórias da Assembleia Geral Informações Preparatórias da Assembleia Geral Artigo 289º, alíneas a) e b) do Código das Sociedades Comerciais e Artigo 21º-C do Código dos Valores Mobiliários Composição dos Corpos Sociais Artº 289, nº

Leia mais

titulares dos órgãos sociais da Sociedade elaborada pela comissão de acionistas.

titulares dos órgãos sociais da Sociedade elaborada pela comissão de acionistas. Informação respeitante à Assembleia Geral da Sporting Clube de Portugal Futebol, SAD, realizada no dia 28 de Setembro de 2012, para efeitos do cumprimento do disposto no art. 23º-D do Código dos Valores

Leia mais

Anexo 2 ao Relatório do Conselho de Administração

Anexo 2 ao Relatório do Conselho de Administração Anexo 2 ao Relatório do Conselho de Administração Em conformidade com o regulamento nº 07/2001 Governo das Sociedades Cotadas, apresenta-se de seguida relatório sobre as práticas de governo societário.

Leia mais

Caixa Geral de Depósitos, SA

Caixa Geral de Depósitos, SA 164 Relatório e Contas 2011 CGD 1.13. Demonstrações Financeiras Individuais e Consolidadas Balanços Individuais (*) 31.12.2011 Pro forma 31.12.2010 Pro forma 01.01.2010 ATIVO Notas (a) Ativo bruto Provisões,

Leia mais

Fundos de Capital de Risco Organismos de Investimento Imobiliário

Fundos de Capital de Risco Organismos de Investimento Imobiliário Fundos de Capital de Risco Organismos de Investimento Imobiliário 17.Novembro.2015 1 Fundos de Capital de Risco 2 Fundos de Capital de Risco Características Natureza jurídica Tipologia de Investimentos

Leia mais

PROGRAMA DE EMISSÕES DE PAPEL COMERCIAL SUBSCRIÇÃO PARTICULAR (Ao abrigo do Decreto-Lei n 69/2004, de 25 de Março) NOTA INFORMATIVA

PROGRAMA DE EMISSÕES DE PAPEL COMERCIAL SUBSCRIÇÃO PARTICULAR (Ao abrigo do Decreto-Lei n 69/2004, de 25 de Março) NOTA INFORMATIVA CORTICEIRA AMORIM, S.G.P.S., S.A. Rua de Meladas, n.º 380, freguesia de Mozelos, concelho de Santa Maria da Feira Capital Social EUR 133.000.000,00 Pessoa Colectiva e Matrícula n.º 500 077 797 Conservatória

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE MAPA DE OBRIGAÇÕES FISCAIS E PARAFISCAIS DE JULHO 2016 Dia 11: IVA: Envio da declaração mensal referente ao mês de maio 2016 e anexos. IRS/IRC/SEGURANÇA SOCIAL: Declaração de rendimentos pagos e de retenções,

Leia mais

Litho Formas Portuguesa, S.A.

Litho Formas Portuguesa, S.A. Relatório sobre o governo das sociedades Cotadas A Litho Formas, S. A. respeita e cumpre com as recomendações da CMVM sobre o governo das sociedades cotadas, sempre que aplicável e de acordo com a sua

Leia mais

REGULAMENTO DE GESTÃO FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO IMORENDA. (10 de Janeiro de 2008)

REGULAMENTO DE GESTÃO FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO IMORENDA. (10 de Janeiro de 2008) REGULAMENTO DE GESTÃO FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO IMORENDA (10 de Janeiro de 2008) A autorização do fundo significa que a CMVM considera a sua constituição conforme com a legislação aplicável,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE MAPA DAS TAREFAS E OBRIGAÇÕES PROFISSIONAIS DE JULHO 2014 Dia 10: IVA: Envio da declaração mensal referente ao mês de maio 2014 e anexos. IRS/IRC/SEGURANÇA SOCIAL: Declaração de rendimentos pagos e de

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Julho de IRC, IRS, IS e Impostos Especiais sobre o Consumo Alterações 2 Revisores e Auditores 6

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Julho de IRC, IRS, IS e Impostos Especiais sobre o Consumo Alterações 2 Revisores e Auditores 6 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Julho de 2010 1 IRC, IRS, IS e Impostos Especiais sobre o Consumo Alterações 2 Revisores e Auditores 6 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL JULHO DE 2010 Ministério das Finanças e da Administração

Leia mais

PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO

PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO 9-5-2017 PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO Vasta Rede de Acórdos de Dupla Tributação 8 Regime dos residentes não habituais 1 Regime dos vistos dourados (golden

Leia mais

Residentes Não Habituais

Residentes Não Habituais Residentes Não Habituais O Novo Regime de Tributação dos Residentes Não Habituais O novo Código Fiscal do Investimento foi aprovado pelo Decreto-Lei n.º 249/2009, de 23 de Setembro. Este diploma altera

Leia mais

Reabilitação Urbana Benefícios Fiscais. janeiro 2016

Reabilitação Urbana Benefícios Fiscais. janeiro 2016 Reabilitação Urbana Benefícios Fiscais janeiro 2016 1 Introdução Na última década, tem vindo a verificar-se uma degradação progressiva das zonas mais antigas das principais cidades portuguesas, impulsionada,

Leia mais

REFUNDOS SOCIEDADE GESTORA DE FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO, S. A. Regulamento de gestão do MAXIRENT Fundo de Investimento Imobiliário Fechado

REFUNDOS SOCIEDADE GESTORA DE FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO, S. A. Regulamento de gestão do MAXIRENT Fundo de Investimento Imobiliário Fechado REFUNDOS SOCIEDADE GESTORA DE FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO, S. A. Sede: Av. Dr. Mário Moutinho, nº 33 R/c - C 1400-136 LISBOA Capital Social: 375 000 Euros Matrícula nº 4046 da Conservatória do Registo

Leia mais

PRINCIPAIS MEDIDAS FISCAIS DA PROPOSTA DE ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2013 (Parte 1 - IRS)

PRINCIPAIS MEDIDAS FISCAIS DA PROPOSTA DE ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2013 (Parte 1 - IRS) Outubro/2012 PRINCIPAIS MEDIDAS FISCAIS DA PROPOSTA DE ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2013 (Parte 1 - IRS) Como tem sido veiculado na imprensa, a Proposta de Orçamento de Estado para 2013 que hoje começa a ser

Leia mais

Junto se envia o Calendário Fiscal relativo ao mês de Maio de 2011.

Junto se envia o Calendário Fiscal relativo ao mês de Maio de 2011. CIRCULAR Gabinete Jurídico-Fiscal N/ REFª: 39/2011 DATA: 13/04/11 ASSUNTO: Calendário Fiscal Maio 2011 Exmos. Senhores, Junto se envia o Calendário Fiscal relativo ao mês de Maio de 2011. Com os melhores

Leia mais

Informações Preparatórias da Assembleia Geral

Informações Preparatórias da Assembleia Geral Informações Preparatórias da Assembleia Geral Artigo 289º, alíneas a) e b) do Código das Sociedades Comerciais e Artigo 21º-C do Código dos Valores Mobiliários Composição dos Corpos Sociais Artº 289, nº

Leia mais

FIDELITY FUNDS II SICAV - Condições Particulares do Distribuidor

FIDELITY FUNDS II SICAV - Condições Particulares do Distribuidor CONDIÇÕES PARTICULARES DO DISTRIBUIDOR referente à comercialização em Portugal, pelo Deutsche Bank AG - Sucursal em Portugal de acções da FIDELITY FUNDS II SICAV (a) Data de autorização do Organismo de

Leia mais

Certidão Permanente Código de acesso:

Certidão Permanente Código de acesso: Certidão Permanente Código de acesso: 7767-6003-5142 A entrega deste código a qualquer entidade pública ou privada dispensa a apresentação de uma certidão em papel.(artº 75º, nº5 do Código do Registo Comercial)

Leia mais

Certidão Permanente Código de acesso:

Certidão Permanente Código de acesso: Acesso à Certidão Permanente Certidão Permanente de Registos Voltar Sair Certidão Permanente Código de acesso: 6346-4256-8352 A entrega deste código a qualquer entidade pública ou privada dispensa a apresentação

Leia mais

Decreto Legislativo Regional n.º14/2010/m, de 5 de Agosto-Série I, n.º151

Decreto Legislativo Regional n.º14/2010/m, de 5 de Agosto-Série I, n.º151 Alteração ao Decreto Legislativo Regional n.º 34/2009/M, de 31 de Dezembro A Assembleia Legislativa da Região Autónoma da Madeira, aprovou, por intermédio do Decreto Legislativo Regional n.º 34/2009/M,

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL DA SAG GEST SOLUÇÕES AUTOMÓVEL GLOBAIS, SGPS, SA Sociedade Aberta. 29 de Maio de 2015

ASSEMBLEIA GERAL DA SAG GEST SOLUÇÕES AUTOMÓVEL GLOBAIS, SGPS, SA Sociedade Aberta. 29 de Maio de 2015 PROPOSTA RELATIVA AO PONTO 1 DA ORDEM DE TRABALHOS O Conselho de Administração propõe aos Senhores Accionistas: Deliberar sobre o relatório de gestão e as demonstrações financeiras separadas do exercício

Leia mais

CÓDIGO DO IRS. Artigo 16.º Residência Redacção anterior Orçamento Rectificativo dos n. os 1 ou 2, não tenham sido residentes em

CÓDIGO DO IRS. Artigo 16.º Residência Redacção anterior Orçamento Rectificativo dos n. os 1 ou 2, não tenham sido residentes em CÓDIGO DO IRS Artigo 16.º Residência 6 - Considera-se que não têm residência habitual em território português os sujeitos passivos que, tornando-se fiscalmente residentes, nomeadamente ao abrigo do disposto

Leia mais

Licenciado em Engenharia Civil pelo Instituto Superior Técnico (IST) em 1957.

Licenciado em Engenharia Civil pelo Instituto Superior Técnico (IST) em 1957. Em complemento da proposta por si apresentada no âmbito do ponto 11.º da Ordem de Trabalhos da Assembleia Geral Anual de "CIMPOR - Cimentos de Portugal, SGPS, S.A.", a realizar no próximo dia 11 de Maio

Leia mais

DB PLATINUM - Condições Particulares do Distribuidor

DB PLATINUM - Condições Particulares do Distribuidor CONDIÇÕES PARTICULARES DO DISTRIBUIDOR referente à comercialização em Portugal, pelo Deutsche Bank AG - Sucursal em Portugal de acções da DB PLATINUM (a) Identificação e sede da entidade comercializadora

Leia mais

Artigo 16.º 1 [...] Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares

Artigo 16.º 1 [...] Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares Artigo 16.º 1 4 -... 6 Consideram-se residentes não habituais em território português os sujeitos passivos que, tornando-se fiscalmente residentes

Leia mais

Códigos Tributários ª Edição. Errata

Códigos Tributários ª Edição. Errata Códigos Tributários 2013 6ª Edição Errata 1 CÓDIGOS TRIBUTÁRIOS UNIVERSITÁRIO Errata ORGANIZAÇÃO BDJUR BASE DE DADOS JURÍDICA EDITOR EDIÇÕES ALMEDINA, S.A. Rua Fernandes Tomás nºs 76, 78, 80 3000-167 Coimbra

Leia mais

Santana Lopes, Castro, Vieira, Teles, Silva Lopes, Calado, Cardoso & Associados R. L. Rua Castilho, n.º 67-2º andar * Lisboa Tel:

Santana Lopes, Castro, Vieira, Teles, Silva Lopes, Calado, Cardoso & Associados R. L. Rua Castilho, n.º 67-2º andar * Lisboa Tel: A Global Lawyers, Santana Lopes, Castro, Vieira, Teles, Silva Lopes, Calado, Cardoso & Associados Sociedade de Advogados, R. L. resulta da fusão de vontades de vários profissionais com vasto curriculum

Leia mais

PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO. 30 de Setembro de Quintela e Penalva - Sessão de Formação

PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO. 30 de Setembro de Quintela e Penalva - Sessão de Formação PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO Quintela e Penalva - Sessão de Formação 30 de Setembro de 2015 Sumário Pessoas singulares Pessoas colectivas 1 Regime dos residentes não habituais 2 Regime dos

Leia mais

4 QUADRO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS/INCENTIVOS ASSOCIADOS À REABILITAÇÃO URBANA

4 QUADRO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS/INCENTIVOS ASSOCIADOS À REABILITAÇÃO URBANA 4 QUADRO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS/INCENTIVOS ASSOCIADOS À REABILITAÇÃO URBANA Na delimitação de área de reabilitação urbana, nos termos da alínea c) do n.º2 do artigo 13º e da alínea a) do artigo 14º do

Leia mais

Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado Ulysses

Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado Ulysses Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado Ulysses Relatório de Liquidação, 22 de dezembro de 2016 Esta liquidação do fundo, que adveio da deliberação da assembleia de participantes, datada de

Leia mais

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 12 meses (360 dias), não mobilizável antecipadamente.

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 12 meses (360 dias), não mobilizável antecipadamente. Designação Classificação Valorização Industrial Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 12 meses (360 dias), não mobilizável antecipadamente.

Leia mais

SOLUÇÃO ARRENDAMENTO - FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO PARÁ ARRENDAMENTO HABITACIONAL RELATÓRIO DE AUDITORIA. Introdução

SOLUÇÃO ARRENDAMENTO - FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO PARÁ ARRENDAMENTO HABITACIONAL RELATÓRIO DE AUDITORIA. Introdução I Te[: +351 217 990 420 Av. da República, 50-100 Fax: +351 217990439 1069-211 Lisboa www. bdo. pt SOLUÇÃO ARRENDAMENTO - FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO PARÁ ARRENDAMENTO HABITACIONAL RELATÓRIO

Leia mais

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS E DE SEGURANÇA SOCIAL JULHO 2017

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS E DE SEGURANÇA SOCIAL JULHO 2017 CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS E DE SEGURANÇA SOCIAL JULHO 2017 Até 10/07/2017 Envio da Declaração periódica acompanhada dos anexos que se mostrem devidos, pelos contribuintes do regime normal mensal,

Leia mais

Condições Particulares do Distribuidor Banco de Investimento Global, S.A. DB PLATINUM IV - MARÇO

Condições Particulares do Distribuidor Banco de Investimento Global, S.A. DB PLATINUM IV - MARÇO Condições Particulares do Distribuidor Banco de Investimento Global, S.A. DB PLATINUM IV - MARÇO 2014 - Identificação do Distribuidor O Banco de Investimento Global (de ora em diante o Distribuidor ),

Leia mais

na Europa e em África

na Europa e em África LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM SHANGAI Portugal: plataforma de investimento na Europa e África Rogério M. Fernandes Ferreira (rff@rffadvogados.pt rff@rffadvogados.pt)

Leia mais

IMORESERVE Relatório de gestão. Neste ano de 2013, a intervenção do fundo teve. por objectivo principal a condução do processo de

IMORESERVE Relatório de gestão. Neste ano de 2013, a intervenção do fundo teve. por objectivo principal a condução do processo de IMORESERVE 2013 Relatório de gestão Neste ano de 2013, a intervenção do fundo teve por objectivo principal a condução do processo de aprovação do Projecto da Quinta do Ulmeiro, e montagem de negócio que

Leia mais

FamiGeste 2 SGPS, SA. Relatório e Contas FamiGeste 2 - SGPS, S.A. Rua das Flores, 12 2.º Lisboa Tel: Fax:

FamiGeste 2 SGPS, SA. Relatório e Contas FamiGeste 2 - SGPS, S.A. Rua das Flores, 12 2.º Lisboa Tel: Fax: FamiGeste 2 SGPS, SA Relatório e Contas 2007 FamiGeste 2 - SGPS, S.A. Rua das Flores, 12 2.º 1200-195 Lisboa Tel: 21 3243680 Fax: 21 3431600 1 ÍNDICE Página Índice 2 Relatório do Conselho de Administração

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DE DIVIDENDOS - SAIBA SE TERÁ OU NÃO DE PAGAR IMPOSTOS

TRIBUTAÇÃO DE DIVIDENDOS - SAIBA SE TERÁ OU NÃO DE PAGAR IMPOSTOS TRIBUTAÇÃO DE DIVIDENDOS - SAIBA SE TERÁ OU NÃO DE PAGAR IMPOSTOS Introdução A Lucros e Ganhos SA tem tido uma ótima performance nos últimos anos. Com sede em Portugal, esta empresa criada em 2009 tem

Leia mais

Transferência de Residência CONTEXTO

Transferência de Residência CONTEXTO Transferência de Residência CONTEXTO 2 1 CONTEXTO 3 CONTEXTO GERAL Mercado português possui dimensão reduzida Grave crise económica e incapacidade para atracção de investimento estrangeiro Administração

Leia mais

FUNDOS MISTOS ASPECTOS FUNDAMENTAIS RUA TOMÁS RIBEIRO, 111 TEL FAX

FUNDOS MISTOS ASPECTOS FUNDAMENTAIS RUA TOMÁS RIBEIRO, 111 TEL FAX FUNDOS MISTOS ASPECTOS FUNDAMENTAIS 1 F U N D O S M I S T O S ASPECTOS FUNDAMENTAIS RE GIM E JURÍDICO O enquadramento jurídico dos Fundos de Investimento Imobiliário (FII) portugueses é dado pelo Decreto-Lei

Leia mais

Doing Business with Brazil : Investimentos em Portugal: Aspectos tributários

Doing Business with Brazil : Investimentos em Portugal: Aspectos tributários Doing Business with Brazil : Investimentos em Portugal: Aspectos tributários Sumário 1. Condições favoráveis ao aumento do investimento externo em Portugal 2. Principais Incentivos Fiscais ao Investimento

Leia mais

Regulamento de Gestão do Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Correia & Viegas Em liquidação

Regulamento de Gestão do Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Correia & Viegas Em liquidação Regulamento de Gestão do Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Correia & Viegas Em liquidação 28 de Janeiro de 2010 A autorização do Fundo significa que a CMVM considera a sua constituição conforme

Leia mais

OLIVEIRA, REIS & ASSOCIADOS, SROC, LDA.

OLIVEIRA, REIS & ASSOCIADOS, SROC, LDA. Calendário Fiscal de fevereiro de 2013 S T Q Q S S D 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 DIA 11 IVA declaração periódica e pagamento do imposto (regime normal mensal)

Leia mais

SPORTING CLUBE DE PORTUGAL FUTEBOL, S.A.D.

SPORTING CLUBE DE PORTUGAL FUTEBOL, S.A.D. SPORTING CLUBE DE PORTUGAL FUTEBOL, S.A.D. Sociedade Aberta Capital Social: 67.000.000 Capital Próprio aprovado em Assembleia Geral de 30 de Setembro de 2015: 7.043.000 Sede Social: Estádio José de Alvalade

Leia mais

IRC. Tributação de não residentes

IRC. Tributação de não residentes IRC Tributação de não residentes Abílio Sousa Setembro 2014 IRC tributação de não residentes Programa 1ª parte: Regras de localização e de tributação dos rendimentos Artigo 4.º do Código do IRC 2ª parte:

Leia mais

MÓDULO: IRC IMPOSTO SOBRE RENDIMENTOS

MÓDULO: IRC IMPOSTO SOBRE RENDIMENTOS ASSOCIAÇÃO NACIONAL DAS EMPRESÁRIAS MÓDULO: IRC IMPOSTO SOBRE RENDIMENTOS Caso Prático nº 4 Determinação da Matéria Colectável Curso EFA NS Técnicas Administrativas Formadora: Dra. Susana Rodrigues Formanda:

Leia mais

NOVO BANCO, S.A. Av. da Liberdade, n.º 195 Lisboa. Capital social: ,00 euros COMUNICADO

NOVO BANCO, S.A. Av. da Liberdade, n.º 195 Lisboa. Capital social: ,00 euros COMUNICADO NOVO BANCO, S.A. Av. da Liberdade, n.º 195 Lisboa Capital social: 4 900 000 000,00 euros COMUNICADO Considerando que o Conselho Diretivo da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) deliberou ontem,

Leia mais

Perspectivar os negócios de amanhã

Perspectivar os negócios de amanhã www.pwc.com/pt/tax/ma Perspectivar os negócios de amanhã O impacto das últimas medidas fiscais na actividade de M&A Management 2 PwC Clarificação dos conceitos de gratificação e de carácter regular para

Leia mais

O N O V O R E G I M E D O A L O J A M E N T O L O C A L

O N O V O R E G I M E D O A L O J A M E N T O L O C A L i Nº 39 / 14 O N O V O R E G I M E D O A L O J A M E N T O L O C A L I. Aspectos relevantes do novo regime jurídico Entra hoje em vigor o novo regime da exploração dos estabelecimentos de alojamento local,

Leia mais

A Tributação do Sector Imobiliário em Angola

A Tributação do Sector Imobiliário em Angola A Tributação do Sector Imobiliário em Angola CIMLOP - Encontro de Primavera 13-15 de Abril de 2015 São Paulo/Brasil 1. Imposto Predial Urbano - IPU Incidência: Rendimentos de prédios urbanos situados no

Leia mais

CORTICEIRA AMORIM, S.G.P.S., S.A., S.G.P.S., S.A.

CORTICEIRA AMORIM, S.G.P.S., S.A., S.G.P.S., S.A. CORTICEIRA AMORIM, S.G.P.S., S.A., S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua de Meladas, 380 - Mozelos- Santa Maria da Feira Capital social: 133.000.000,00 Pessoa Colectiva e Matrícula n.º 500 077 797

Leia mais

79/V/98. (Objecto. IUP- Imposto Único sobre o Património

79/V/98. (Objecto. IUP- Imposto Único sobre o Património 1º (Objecto A presente lei cria o Imposto Único sobre o Património (IUP) que se gere pelos princípios e normas previstos nesta lei e pelo respectivo regulamento. 2º IUP- Imposto Único sobre o Património

Leia mais

PAGAMENTO DE IMPOSTOS - 2011

PAGAMENTO DE IMPOSTOS - 2011 PAGAMENTO DE IMPOSTOS - 2011 JANEIRO / 2011 tesourarias de finanças ou dos CTT ou ainda (para importâncias não superiores a 99 999,99), através do multibanco, correspondente ao imposto apurado na declaração

Leia mais

Depósito Indexado ( Depósito ), denominado em Euros ( ), pelo prazo de 12 meses (360 dias), não mobilizável antecipadamente.

Depósito Indexado ( Depósito ), denominado em Euros ( ), pelo prazo de 12 meses (360 dias), não mobilizável antecipadamente. Designação Classificação Valorização USD Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Depósito Indexado ( Depósito ), denominado em Euros ( ), pelo prazo de 12 meses (360 dias), não mobilizável antecipadamente.

Leia mais

PROPOSTAS DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA EDP RENOVÁVEIS S.A. PARA A ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS 14 DE ABRIL, 2016

PROPOSTAS DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA EDP RENOVÁVEIS S.A. PARA A ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS 14 DE ABRIL, 2016 PROPOSTAS DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA EDP RENOVÁVEIS S.A. PARA A ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS 14 DE ABRIL, 2016 Este documento substitui o divulgado no dia 11 de março de 2016, no entanto, não modifica

Leia mais

O Regime Fiscal dos Residentes Não Habituais Questões actuais. Ricardo da Palma Borges

O Regime Fiscal dos Residentes Não Habituais Questões actuais. Ricardo da Palma Borges O Regime Fiscal dos Residentes Não Habituais Questões actuais Ricardo da Palma Borges 8 de Junho de 2011 1 O regime e os objectivos subjacentes a aplicação do método de isenção como método de eliminação

Leia mais

O REGIME SIMPLIFICADO DO IRC

O REGIME SIMPLIFICADO DO IRC Departamento: Fiscalidade, Direito Comum e do Trabalho BOLETIM INFORMATIVO 07 de Fevereiro de 2014 O REGIME SIMPLIFICADO DO IRC Contributos para o exercício de uma correcta opção NOTA: - Opção até 28/02/2014

Leia mais

FISCALIDADE DE EMPRESA IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES

FISCALIDADE DE EMPRESA IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES 1 FISCALIDADE DE EMPRESA IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES Módulo 6 Ano 2005 Carlos Manuel Freitas Lázaro Fundos de Pensões 2 Têm por objectivo o financiamento de Planos de Pensões DL 475/1999,

Leia mais

Prospecto Informativo Invest Triplo A (Ser. 12/1)

Prospecto Informativo Invest Triplo A (Ser. 12/1) Prospecto Informativo Invest Triplo A (Ser. 12/1) Agosto de 2012 Designação: Invest Triplo A (Ser. 12/1) Classificação: Caracterização do Depósito: Garantia de Capital: Garantia de Remuneração: Factores

Leia mais

ANÚNCIO SECÇÃO I ENTIDADE ADJUDICANTE

ANÚNCIO SECÇÃO I ENTIDADE ADJUDICANTE ANÚNCIO SECÇÃO I ENTIDADE ADJUDICANTE I.1) DESIGNAÇÃO E ENDEREÇO OFICIAIS DA ENTIDADE ADJUDICANTE: Organismo: PORTO VIVO, SRU Sociedade de Reabilitação Urbana da Baixa Portuense, S.A. À atenção de: Conselho

Leia mais

Sexta-feira, 18 de março de MADLEX, LDA. Constituição de sociedade Sociedade por quotas

Sexta-feira, 18 de março de MADLEX, LDA. Constituição de sociedade Sociedade por quotas REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 18 de março de 2016 Série Suplemento Sumário CONSERVATÓRIA DO REGISTO COMERCIAL E CARTÓRIO NOTARIAL PRIVATIVOS DA ZONA FRANCA DA MADEIRA CANTARELL

Leia mais

Lei n.º 42/2016, de 28/12 Lei do Orçamento do Estado para 2017 / LOE2017. Alterações para Código Impostos sobre Património

Lei n.º 42/2016, de 28/12 Lei do Orçamento do Estado para 2017 / LOE2017. Alterações para Código Impostos sobre Património Lei n.º 42/2016, de 28/12 Lei do Orçamento do Estado para 2017 / LOE2017 Alterações para Código Impostos sobre Património Alteração ao Código do Imposto do Selo Inserir a págs. 541 Artigo 2.º 1 a 3 4 (Revogado

Leia mais