PREFEITURA MUNICIPAL DE CAPETINGA PLANO DE CARGOS,CARREIRAS E REMUNERAÇÃO TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO ANEXO IV ART.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PREFEITURA MUNICIPAL DE CAPETINGA PLANO DE CARGOS,CARREIRAS E REMUNERAÇÃO TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO ANEXO IV ART."

Transcrição

1 1 Carreira de Professor de Educação Básica 1.1 Exercer a docência na educação básica, em unidade escolar, responsabilizando-se pela regência de turmas, pela orientação de aprendizagem na educação de jovens e adultos, pela substituição eventual de docente, pelo ensino do uso da biblioteca, pela docência em laboratório de ensino, em sala de recursos didáticos e em oficinas pedagógicas, por atividades artísticas e pela recuperação de aluno com deficiência de aprendizagem. 1.2 Participar do processo que envolve planejamento, elaboração, execução, controle e avaliação do projeto político-pedagógico e do plano de desenvolvimento pedagógico e institucional da escola. 1.3 Participar da elaboração do calendário escolar, dos programas e planos de trabalho. 1.4 Atuar na elaboração e na implementação de projetos educativos ou, como docente, em projeto de formação continuada de educadores, na forma do regulamento. 1.5 Participar da elaboração e implementação de projetos e atividades de articulação e integração da escola com as famílias dos educandos e com a comunidade escolar. 1.6 Participar de reuniões promovidas pela escola, pela Prefeitura, referentes a assuntos educacionais; cursos, atividades e programas de capacitação profissional, quando convocado ou convidado. 1.7 Acompanhar e avaliar sistematicamente seus alunos durante o processo de ensino-aprendizagem. 1.8 Realizar avaliações periódicas dos cursos ministrados e das atividades realizadas.

2 1 Carreira de Professor de Educação Básica 1.9 Promover e participar de atividades complementares ao processo da sua formação profissional Exercer outras atribuições integrantes do plano de desenvolvimento pedagógico e institucional da escola, previstas nos regulamentos desta lei e no regimento escolar Controlar e avaliar o rendimento escolar dos alunos Desenvolver atividades de recuperação dos alunos cuja avaliação demonstrar essa necessidade Estabelecer, com os demais profissionais do ensino, das áreas afins e com os responsáveis pelos alunos, entendimentos que favoreçam a ação educacional e integração entre a escola e a comunidade Cumprir plano de trabalho segundo a Proposta Pedagógica e Plano de Desenvolvimento de sua unidade escolar Elaborar programas e planos de aula relacionando e confeccionando material didático a ser utilizado, em articulação com a equipe de Orientação Pedagógica Ministrar aulas repassando aos alunos os conteúdos definidos nos planos de aula Orientar os alunos na formulação e implementação de projetos de pesquisa quanto ao seu formato e a seleção, leitura e utilização de textos literários e didáticos indispensáveis ao seu desenvolvimento Elaborar e aplicar testes, provas e outros instrumentos usuais de avaliação para verificação do aproveitamento dos alunos e da eficácia dos métodos adotados.

3 1 Carreira de Professor de Educação Básica 1.19 Estabelecer estratégias de recuperação paralela para alunos de menor rendimento Participar ativamente de reuniões com pais e com outros profissionais de ensino Participar ativamente de reuniões e programas de aperfeiçoamento e outros eventos, quando solicitado ou convocado Participar integralmente dos períodos dedicados ao planejamento e a avaliação do processo ensino-aprendizagem e ao seu desenvolvimento profissional Participar efetivamente das atividades que objetivem a qualificação e o constante aperfeiçoamento dos profissionais de ensino Participar de projetos de conscientização das famílias para a necessidade de matrícula e freqüência escolar das crianças do município Participar do censo, da chamada e da efetivação das matrículas escolares para a rede municipal de ensino Realizar pesquisas na área de educação Executar outras tarefas de mesma natureza ou nível de complexidade, associadas à sua especialidade e ambiente organizacional ou previstas no Regimento Escolar.

4 2 Carreira de Professor de Educação Física. 2.1 Desenvolver, junto aos alunos da Educação Básica, as práticas de educação física, recreação e desportos, bem como ensinar-lhes as técnicas das modalidades desenvolvidas. 2.2 Responsabilizar-se pelos alunos durante todo o horário de aula estabelecido pela sua unidade de ensino. 2.3 Instruir os participantes de atividades esportivas sobre os princípios e regras inerentes a cada modalidade esportiva praticada. 2.4 Acompanhar e supervisionar as práticas desportivas. 2.5 Participar da organização de campeonatos e torneios na escola e no município, quando solicitado, elaborando regulamentos e tabelas, bem como determinando os melhores locais para a realização dos eventos, a fim de incentivar a prática de esportes na comunidade. 2.6 Elaborar informes técnicos e relatório, realizando pesquisas, entrevistas, fazendo observações e sugerindo medidas para implantação, desenvolvimento ou aperfeiçoamento de atividades em sua área de atuação. 2.7 Participar das atividades administrativas, de controle e de apoio ao regente da turma referentes à sua área de atuação. 2.8 Participar das atividades de treinamento e aperfeiçoamento do pessoal técnico e auxiliar, realizando-as em serviço ou em aulas e palestras, a fim de contribuir para o desenvolvimento qualitativo dos recursos humanos e corpo discente da escola Participar de grupos de trabalho e/ou reuniões da escola, realizando estudos ou fazendo exposições sobre situações e/ou problemas identificados, opinando, oferecendo sugestões, revisando e discutindo trabalhos técnicocientíficos, para fins trabalho. de formulação de diretrizes, planos e programas de

5 2 Carreira de Professor de Educação Física Realizar outras atribuições compatíveis com sua especialização profissional quando solicitado Participar ativamente das reuniões administrativas e pedagógicas Atender prontamente as solicitações da secretaria da escola e da SEMEC quanto a freqüência, declarações, atestados Ministrar aulas, repassando aos alunos os conteúdos definidos nos planos de aula Participar ativamente de reuniões com pais e com outros profissionais de ensino e da SEMEC Participar efetivamente das atividades que objetivem a qualificação e os constante aperfeiçoamento organizados pela SEMEC Realizar pesquisas na área de sua atuação Participar da elaboração e implementação de projetos e atividades de articulação e integração da escola com as famílias dos educandos e com a comunidade escolar e comunidade em geral Acompanhar e avaliar sistematicamente seus alunos durante o processo de ensino- aprendizagem e atividades esportivas Exercer outras atividades integrantes do Plano de Desenvolvimento da Escola e Proposta Pedagógica e Projetos da SEMEC Executar outras tarefas de mesma natureza ou nível de complexidade, associadas à sua especialidade e ambiente organizacional ou previstas no Regimento Escolar e Regimento Interno.

6 3 Carreira de Supervisor Pedagógico. 3.1 Orientar o corpo docente no desenvolvimento de suas atividades profissionais, através de assessoria técnico-pedagógica. 3.2 Colaborar na elaboração de grades curriculares, adaptação de programas e organização de calendário escolar Elaborar, avaliar e selecionar material didático a ser utilizado nas unidades escolares Avaliar o trabalho pedagógico das unidades educacionais, afim de propor soluções que visem tornar o ensino mais eficiente. 3.5 Orientar e supervisionar a aplicação de métodos técnicas e procedimentos didáticos, bem como a execução de planos e programas estabelecidos Elaborar programas de habilitação e aperfeiçoamento de recursos humanos na área de ensino e, uma vez aprovados, orientar, coordenar e controlar sua implantação Participar de reuniões com pais, professores e demais profissionais do ensino. 3.8 Colaborar na busca e seleção de materiais didáticos indispensáveis a realização dos planos de ensino, juntamente com a direção das escolas. 3.9 Promover conferências, debates e sessões sobre temas pedagógicos, visando o aperfeiçoamento e reformulação das técnicas aplicadas Avaliar o processo ensino-aprendizagem, examinando relatórios ou participando de conselhos de classe para aferir a eficácia dos métodos de ensino empregados e providenciar as reformulações adequadas Orientar e aconselhar os educandos, individualmente ou em grupo, tendo em vista o desenvolvimento integral e harmônico de sua personalidade.

7 3 Carreira de Supervisor Pedagógico Participar do processo de composição, caracterização e acompanhamento das classes, buscando o desenvolvimento do currículo adequado as necessidades e as possibilidades do educando Participar do processo de avaliação e recuperação dos alunos Elaborar, orientar a aplicação ou aplicar testes e questionários Promover a integração escola família - comunidade, organizando reuniões com pais, professores e demais profissionais do ensino Proceder a avaliação e ao diagnóstico da criança, valendo-se de jogos, exercícios pedagógicos, conversas informais e outros recursos específicos a fim de descobrir potencialidades e detectar áreas defasadas do aluno para definir e desenvolver o atendimento adequado Participar das atividades administrativas de controle e de apoio referente a sua área de atuação Participar efetivamente das atividades que objetivem a qualificação e o constante aperfeiçoamento dos profissionais de ensino Participar das atividades de treinamento e aperfeiçoamento do pessoal técnico e auxiliar, ministrando aulas e palestras, a fim de contribuir para o desenvolvimento qualitativo dos recursos humanos em sua área de atuação Exercer em sua unidade escolar a supervisão do processo didático como elemento articulado no planejamento, no acompanhamento, no controle e na avaliação das atividades pedagógicas, conforme o Plano de Desenvolvimento da Educação Proposta Pedagógica Atuar como elemento articulador das relações interpessoais internas e externas da escola que envolvam os profissionais, os alunos, seus pais e a comunidade.

8 3 Carreira de Supervisor Pedagógico Planejar, executar e coordenar cursos, atividades e programas internos de capacitação profissional e treinamento em serviço Participar das atividades do Conselho Municipal de Educação Exercer atividades de apoio à docência Auxiliar a direção no planejamento e implementação do Plano de Desenvolvimento da Escola, tendo em vista as diretrizes definidas na Proposta Pedagógica da Unidade Exercer as demais atribuições inerentes à função, decorrentes da legislação vigente, as ordens do superior hierárquico em geral e no que concerne à especificidade da função e as previstas no Regimento Escolar.

9 4 Carreira de Secretário Escolar. 4.1 Exercer atividades no processo de organização e atualização da escrituração escolar, elaboração de relatórios, boletins, horário de aulas, transposição de graus e médias e controle de freqüência dos alunos. 4.2 Realizar trabalhos de datilografia e digitação. 4.3 Exercer atividades relacionadas à administração de pessoal, material, e patrimônio, comunicações, protocolo e arquivo, das unidades escolares. 4.4 Redigir ofícios, exposições de motivos, relatórios, atas e outros expedientes, especificamente os relativos ao calendário escolar Preparar certidões, atestados, informações e outros documentos pertencentes à sua área de atuação. 4.6 Participar dos treinamentos e das programações destinadas ao seu desenvolvimento profissional. 4.7 Conhecer e cumprir os dispositivos do Regimento Escolar e as normas legais atinentes ao pessoal e ao ensino. 4.8 Redigir a correspondência da escola e controlar sua expedição e recebimento. 4.9 Exercer outras atividades compatíveis com a natureza do cargo, previstas na regulamentação aplicável e de acordo com a política pública educacional do SEMEC Dar suporte às atividades que objetivem a qualificação e o constante aperfeiçoamento dos profissionais do ensino Arquivar processos, leis, publicações, atos normativos e documentos diversos de interesse da unidade administrativa, segundo normas preestabelecidas Executar outras tarefas de mesma natureza ou nível de complexidade, associadas à sua especialidade e ambiente organizacional ou previstas no Regimento Escolar.

10 PLANO PREFEITURA MUNICIPAL DE CAPETINGA 5 Carreira de Nutricionista da Educação. 5.1 Pesquisar, elaborar, executar e controlar programas de alimentação básica para os estudantes da rede escolar municipal e nas creches Identificar e analisar hábitos alimentares e deficiências nutritivas dos estudantes da rede escolar Orientar a aquisição, a estocagem, a preparação e a distribuição de gêneros alimentícios para a Prefeitura. 5.4 Planejar, coordenar e supervisionar serviços ou programas de nutrição e alimentação da coletividade no âmbito da saúde pública, desenvolvendo campanhas educativas e outras atividades correlatas, a fim de contribuir para a criação de hábitos e regimes alimentares adequados entre a população e conseqüente melhoria da saúde coletiva Examinar o estado de nutrição do indivíduo ou do grupo, avaliando os diversos fatores relacionados com problemas de alimentação, como classe social, meio de vida e outros, para aconselhar e instruir a população Proceder ao planejamento e elaboração de cardápios e dietas especiais, baseando-se na observação de aceitação dos alimentos pelos comensais e no estudo dos meios e técnicas de introdução gradativa de produtos naturais mais nutritivos e econômicos, para oferecer refeições balanceadas. 5.7 Realizar outras atividades inerentes à sua formação universitário profissional de acordo com as normas legais. 5.8 Participar de reuniões com pais ou grupo de pais e com outros profissionais do ensino Participar efetivamente das atividades que objetivem a qualificação e o constante aperfeiçoamento dos profissionais do ensino Executar tarefas de mesma natureza ou nível de complexidade, associadas à sua especialidade e ambiente organizacional ou previstas no Regimento Escolar.

11 6 Carreira de Agente Educacional. 6.1 Coordenação da movimentação de alunos no estabelecimento de ensino, na entrada e saída, durante as aulas e intervalos, no recreio e na merenda; Atender ao público interno e externo constituído de alunos, pais de alunos, professores e pessoal administrativo, prestando-lhes as informações e orientações solicitadas Auxiliar a Direção da escola na coordenação de turno; 6.4- Encaminhar e acompanhar os alunos, quando da realização de atividades extra classe e extracurriculares; 6.5- Subsidiar as atividades curriculares e extracurriculares, viabilizando o uso de material didático-pedagógico; 6.6- Receber correspondência, interna e externa; 6.7-Acompanhar alunos quando solicitado pela Direção; 6.8- Orientar o acesso da comunidade escolar e visitantes nas dependências da escola; 6.9- Auxiliar o professor na sala de aula, quando solicitado; Encaminhar à direção da escola situações que coloquem em risco a segurança dos alunos; Desenvolver junto ao educando o processo educacional quanto aos hábitos de higiene, de boas maneiras, de educação informal, de saúde e orientar no sentido de despertar o senso de responsabilidade; Coordenar a manutenção e conservação dos aparelhos e equipamentos existentes na escola; Participar das programações destinadas ao seu desenvolvimento profissional Conhecer e cumprir os dispositivos do Regimento Escolar e as normas legais atinentes ao ensino público municipal Executar outras tarefas de mesma natureza ou nível de complexidade, associadas ao ambiente organizacional e escolar.

12 7 Carreira de Assistente Técnico Educacional. 7.1-Participar do processo que envolve o planejamento, a elaboração, execução e a avaliação do plano de desenvolvimento pedagógico e institucional das escolas 7.2-Organizar e manter atualizados cadastros, arquivos, fichários, livros e ouros instrumentos de escrituração, relativos aos registros funcionais dos servidores da SEMEC; 7.3-Redigir ofícios, exposições de motivos, atas,atos e outros expedientes; 7.4-Realizar trabalhos de digitação; 7.5-Realizar trabalhos de protocolização, preparo, seleção, classificação, registro e arquivamento de documentos e formulários; 7.6-Atender, orientar e encaminhar a clientela específica da Educação; 7.7-Elaborar o calendário escolar; 7.8-Preparar certidões, atestados, informações e outros documentos pertencentes à sua área de atuação; 7.9-Responsabilizar-se pelo fluxo correto e regular de informações entre as escolas e a SEMEC; 7.10-Executar outras tarefas correlatas.

13 8 Carreira de Administrador Educacional. 8.1-Participar do processo que envolve o planejamento, a elaboração, execução e a avaliação do plano de desenvolvimento pedagógico e institucional das escolas; 8.2-Acompanhar a elaboração da proposta pedagógica das escolas; 8.3-Administrar o pessoal e os recursos financeiros destinados às escolas visando atingir os objetivos pedagógicos; 8.4-Elaborar e assegurar o cumprimento do calendário escolar visando cumprir os dias letivos; 8.5-Participar na elaboração do PIP, criando meios de recuperação dos alunos; 8.6-Acompanhar a frequência dos alunos e seu rendimento elaborando comparativo estatísticos; 8.7-Coordenar no âmbito da rede municipal as atividades de planejamentos e desenvolvimento profissional, promover meios de capacitação continuada para os professores; 8.8-Elaboras estudos,levantamentos qualitativos e quantitativos indispensáveis ao desenvolvimento da rede municipal de ensino; 8.9-Participar da elaboração, acompanhamento e avaliação dos planos, programas e projetos voltados para o desenvolvimento da rede municipal de ensino, em relação a aspectos pedagógicos, financeiros, de pessoal e materiais; 8.10-Acompanhar o funcionamentos das escolas, zelando pelo cumprimento da legislação e normas educacionais pelo nível de qualidade de ensino, avaliando e redirecionando a execução das propostas educacionais; 8.11-Acompanhar a elaboração dos regimentos escolares e acompanhar sua aprovação e cumprimento; 8.12-Proporcionar assistência técnica na elaboração de instrumentos de avaliação do processo educacional; 8.13-Acompanhar as avaliações diagnósticas da rede municipal e as do governo, criando meios pedagógicos para o alcance das metas estipuladas; 8.14-Acompanhar a elaboração e avaliar projetos educacionais adequados à realidade; 8.15-Avaliar a escolha dos livros didáticos; 8.16-Elaborar, executar e acompanhar projetos de capacitação de pessoal e treinamentos operacionais nos vários âmbitos de atuação educacional;

14 8.17-Participar de programas de formação continuada para repasse aos profissionais do magistério; 8.18-Coletar, apurar e consolidar dados para elaboração de informações estatísticas; 8.19-Realizar pesquisas e estudos que subsidiem a proposta de políticas, diretrizes e normas educacionais; 8.20-Organizar e produzir dados educacionais; 8.21-Elaborar proposta de reforma, ampliação ou construção da rede física de atendimento e acompanhar sua execução; 8.22-Orientação, assistência e controle do processo administrativo das escolas e, na forma do regulamento, do seu processo pedagógico Executar outras tarefas correlatas.

15 9 Carreira de Psicólogo Educacional. São atribuições do Psicólogo Educacional, mediante técnicas e procedimentos próprios da profissão, auxiliar os professores no trabalho direto com o aluno e acompanhamento dos mesmos. A ação do psicólogo educacional tem em especial a visão do desenvolvimento estrutural do ser humano, compreendendo a influência de variáveis internas e externas que determinam a maturação neuropsicológica, podendo orientar o processo educativo,além das seguintes: 9.1- diagnosticar e acompanhar clinicamente profissionais e alunos com problemas nesta área especifica; 9.2- promover soluções imediatas aos problemas comportamentais dos educandos,cabendo lhe o esforço e a habilidade na negociação para conquista do espaço e criação de clima de mútua confiança a fim de evitar resistência às soluções propostas pelo mesmo; 9.3- assegurar a recuperação dos alunos com menor rendimento, em colaboração com todos os segmentos da Comunidade Escolar, objetivando a definição de prioridades e a melhoria da qualidade de ensino; 9.4- emitir parecer solicitado pela Direção da Escola ou da SEMEC; 9.5- acompanhar os alunos com dificuldades de apoio e/ou de relacionamento, assim como as suas famílias e aos especialistas externos, a fim de colaborar com seu desenvolvimento acadêmico, psíquico, emocional e social; 9.6- atender aos alunos, através de visitas em sala de aula, observações, miniencontros,encontros de jovens, debates, palestras,filmes educativos e outros; 9.7- favorecer as relações interpessoais na comunidade escolar; 9.8- contribuir para a otimização do processo ensino-aprendizagem, subsidiando os professores na compreensão dos processos de adaptação, socialização e inclusão Executar outras tarefas correlatas.

16 7. Carreira de Auxiliar de Biblioteca Escolar 7.1.atender os usuários em suas demandas de pesquisa e estudos, orientandoos no uso dos catálogos e na localização de materiais bibliográficos; 7.2. conferir e registrar novos itens do acervo da biblioteca,preparando-os para o processamento técnico; 7.3.ordenar e arquivar fichas de leitores,livros e materiais audiovisuais da biblioteca; 7.4. preparar e ordenar pastas de recortes,folhetos e outros materiais destinados `a complementação do acervo bibliográfico; 7.5. proceder `a inscrição de leitores para facilitar, sob empréstimo, a retirada de obras; 7.6. efetuar empréstimos de materiais bibliográficos, de acordo com as normas estabelecidas pela Biblioteca; 7.7. Controlar os pedidos de reservas e os empréstimos de livros, anotando as situações em fichas próprias; 7.8.Controlar as devoluções de livros e outros materiais emprestados e providenciar a recuperação com prazo de entrega vencidos ; 7.9. manter o acervo em bom estado de conservação e uso; executar outras tarefas correlatas.

ANEXO IV QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, POR CARGO ATRIBUIÇÕES

ANEXO IV QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, POR CARGO ATRIBUIÇÕES ANEXO IV QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, POR CARGO CARGO Auxiliar de Serviços Gerais I Merendeira I Fiscal de Obras e Edificações I ATRIBUIÇÕES Manter limpos os móveis, arrumar e manter limpos os locais de trabalho;

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GUAÍRA SP PROCESSO SELETIVO EDITAL 001/2017

PREFEITURA MUNICIPAL DE GUAÍRA SP PROCESSO SELETIVO EDITAL 001/2017 PRIMEIRA RETIFICAÇÃO A Prefeitura Municipal de Guaíra, Estado de São Paulo, torna público que realizará por meio do INSTITUTO EXCELÊNCIA LTDA - ME, na forma prevista no artigo 37, inciso IX, da Constituição

Leia mais

Função em Confiança ANALISTA TÉCNICO

Função em Confiança ANALISTA TÉCNICO Função em Confiança ANALISTA TÉCNICO Nível Anterior 15 Nível Atual 19 Requisitos: Diploma de Graduação reconhecido pelo MEC e inscrição no Conselho da Profissão, Descrição da Função: Prestar orientações

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Curitiba COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO -

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Curitiba COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO - Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Curitiba COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO - CAPÍTULO I Da Natureza, das Finalidades e dos Objetivos Art.

Leia mais

ANEXO I CARGO: PROFESSOR ATRIBUIÇÕES:

ANEXO I CARGO: PROFESSOR ATRIBUIÇÕES: ANEXO I CARGO: PROFESSOR ATRIBUIÇÕES: a) Descrição Sintética: Orientar a aprendizagem do aluno; participar no processo de planejamento das atividades da escola; organizar as operações inerentes ao processo

Leia mais

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Esportes e Lazer. Leis nº 6.529/05 e nº 6.551/06, Decretos nº /06, nº /06 e nº 16.

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Esportes e Lazer. Leis nº 6.529/05 e nº 6.551/06, Decretos nº /06, nº /06 e nº 16. - REGIMENTO INTERNO Secretaria de Esportes e Lazer Leis nº 6.529/05 e nº 6.551/06, Decretos nº 12.660/06, nº 12.979/06 e nº 16.385/15 I - Secretaria Executiva: - auxiliar e assessorar o Secretário Municipal

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas Departamento de Gestão de Pessoas

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas Departamento de Gestão de Pessoas Quantidade Setor Local de Trabalho Horário de Trabalho 1 Programa de Pós-graduação em Biotecnologia - CCS Secretaria do Programa de Pósgraduação em Biotecnologia 8:00-12:00h 13:00-17:00h NÍVEL DE CLASSIFICAÇÃO:

Leia mais

Prefeitura Municipal da Estância Turística de Batatais Estado de São Paulo

Prefeitura Municipal da Estância Turística de Batatais Estado de São Paulo PROCESSO SELETIVO - EDITAL Nº 01/2016 ANEXO II PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES DAS FUNÇÕES RETIFICAÇÃO Nomenclatura Professor de Educação Básica I - Ensino Fundamental e Educação Infantil Fundamental (Arte) PRINCIPAIS

Leia mais

b) Vencimento: R$380,00 ANEXO II DOS CARGOS/VAGAS

b) Vencimento: R$380,00 ANEXO II DOS CARGOS/VAGAS ANEXO II DOS CARGOS/VAGAS CARGO VAGAS VAGAS PORTADORES DEFICIENTE Servente Escolar 22 2 Zelador 02 Motorista 07 Oficial de Obras e Serviços 01 Porteiro 01 Auxiliar Administrativo 02 Auxiliar de Biblioteca

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 050/2014. Anexo 2 Atribuições dos Cargos

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 050/2014. Anexo 2 Atribuições dos Cargos SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 050/2014 Anexo 2 Atribuições dos Cargos AGENTE DE APOIO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL Acompanhar, auxiliar e orientar os alunos nas Atividades de Vida

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BELÉM SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO - SEMEC CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2011

PREFEITURA MUNICIPAL DE BELÉM SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO - SEMEC CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2011 CONCURSOPÚBLICON.º01/2011DASECRETARIAMUNICIPALDEEDUCAÇÃO SEMEC 1 / 15 PREFEITURA MUNICIPAL DE BELÉM, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2011. ANEXO 03 INFORMAÇÕES DOS CARGOS Cargo 01 PROFESSOR LICENCIADO PLENO PEDAGOGIA

Leia mais

QUADRO III ATRIBUIÇÕES DAS FUNÇÕES

QUADRO III ATRIBUIÇÕES DAS FUNÇÕES QUADRO III ATRIBUIÇÕES DAS FUNÇÕES ESTAGIÁRIO - ANALISTA DE RECURSOS HUMANOS Executar tarefas ligadas à área de Recursos Humanos de empresa. Participar do levantamento e análise de necessidade, executar

Leia mais

Planejar, coordenar e orientar as atividades relacionadas às áreas: Financeira

Planejar, coordenar e orientar as atividades relacionadas às áreas: Financeira Diretoria Administrativo-Financeira Planejar, coordenar e orientar as atividades relacionadas às áreas: Administrativa Gestão de pessoas Financeira Planejar, coordenar e orientar as atividades relacionadas

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO ESPECIALIDADE: BIBLIOTECÀRIO Requisitos: Graduação em Biblioteconomia e Registro no Conselho de Classe 1. Planejar, programar, coordenar, controlar e dirigir sistemas biblioteconômicos e ou de informação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BELÉM SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO - SEMEC CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2011 EDITAL N.º 01/2011, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011.

PREFEITURA MUNICIPAL DE BELÉM SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO - SEMEC CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2011 EDITAL N.º 01/2011, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011. DA 1 / 14 PREFEITURA MUNICIPAL DE BELÉM EDITAL N.º 01/2011, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011. Cargo 01 PROFESSOR LICENCIADO PLENO PEDAGOGIA MAGISTÉRIO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL.

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL Nº 01/201 7 CRESCER CONSULTORIAS

PROCESSO SELETIVO EDITAL Nº 01/201 7 CRESCER CONSULTORIAS ANEXO VI DAS ATRIBUIÇÕES GERAIS DOS CARGOS PERFIL DE COMPETÊNCIAS E DESEMPENHO CARGO ANALISTA / FUNÇÃO ANALISTA DE COOPERATIVISMO E MONITORAMENTO Missão do Cargo: Desenvolver atividades técnicas e prestar

Leia mais

LEI N 2908 DE 21 DE DEZEMBRO DE 2001.

LEI N 2908 DE 21 DE DEZEMBRO DE 2001. LEI N 2908 DE 21 DE DEZEMBRO DE 2001. CRIA CARGOS DE PROVIMENTO EFETIVO NO PLANO DE CARREIRA DA SECRETARIA DE SAÚDE, LEI N 1811 DE 18 DE OUTUBRO DE 1994, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. GLAUCO SCHERER, PREFEITO

Leia mais

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Comunicação. Leis Nº 6.529/05 e Nº 6.551/06, Decretos Nº /06 e Nº

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Comunicação. Leis Nº 6.529/05 e Nº 6.551/06, Decretos Nº /06 e Nº - REGIMENTO INTERNO Secretaria de Comunicação Leis Nº 6.529/05 e Nº 6.551/06, Decretos Nº 12.659/06 e Nº 15.052 I - Secretaria Executiva: - assessorar o Secretário Municipal no exercício de suas atribuições;

Leia mais

DECRETO Nº 1.594/2008

DECRETO Nº 1.594/2008 Súmula: Dispõe sobre as descrições e atribuições dos cargos da Carreira do Magistério Público Municipal constante no Anexo III, da Lei Municipal nº 2.156/2008, de 26 de março de 2008, que trata do Estatuto

Leia mais

Página 2 DIÁRIO OFICIAL MUNICÍPIO DE PALOTINAA - PR QUARTA-FEIRA, 20 DE ABRIL DE 2016 ANO: IV EDIÇÃO Nº: Pág(s) ATOS DO PODER EXECUTIVO DECRETO

Página 2 DIÁRIO OFICIAL MUNICÍPIO DE PALOTINAA - PR QUARTA-FEIRA, 20 DE ABRIL DE 2016 ANO: IV EDIÇÃO Nº: Pág(s) ATOS DO PODER EXECUTIVO DECRETO Página 1 DIÁRIO OFICIAL MUNICÍPIO DE PALOTINAA - PR QUARTA-FEIRA, 20 DE ABRIL DE 2016 ANO: IV EDIÇÃO Nº: 993-4 Pág(s) ATOS DO PODER EXECUTIVO SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 DECRETO Nº 8.567/2016... 2 DECRETO Nº

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 46/2011, de 03 de novembro de 2011.

RESOLUÇÃO Nº 46/2011, de 03 de novembro de 2011. RESOLUÇÃO Nº 46/2011, de 03 de novembro de 2011. O Presidente do Conselho Superior do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

TABELA DE CARGOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO VENCIMENTO BASE CARGA HORÁRIA SINTESE DAS ATIVIDADES TOTAL DE VAGAS REQUISITO

TABELA DE CARGOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO VENCIMENTO BASE CARGA HORÁRIA SINTESE DAS ATIVIDADES TOTAL DE VAGAS REQUISITO TABELA DE CARGOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO CARGO Assistente Operacional Assistente Administrativo PRÉ- REQUISITO completo completo TOTAL DE VAGAS VENCIMENTO BASE CARGA HORÁRIA 01 R$ 1.813,45 40 horas 02 R$

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 139/2009/CONEPE Aprova alteração nas Normas Específicas do Estágio

Leia mais

PREFEITURA DE SANTANA DE CATAGUASES

PREFEITURA DE SANTANA DE CATAGUASES ANEXO III = ATRIBUIÇÕES = CARGO: AGENTE DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Exercer as atividades de saúde no atendimento direto à população em atividades de suporte à gerência do sistema de saúde. 1 CARGO: ASSISTENTE

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL AO DISCENTE FACULDADE CNEC ILHA DO GOVERNADOR

REGULAMENTO NÚCLEO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL AO DISCENTE FACULDADE CNEC ILHA DO GOVERNADOR REGULAMENTO NÚCLEO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL AO DISCENTE FACULDADE CNEC ILHA DO GOVERNADOR Núcleo de Atendimento Educacional ao Discente NAED Regulamento CAPÍTULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS DO NAED Art.

Leia mais

CURSO DE FONOAUDIOLOGIA

CURSO DE FONOAUDIOLOGIA CURSO DE FONOAUDIOLOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO Capítulo I Princípios gerais: Art. 1º De acordo com o Projeto Pedagógico do curso de Fonoaudiologia da Faculdade Redentor, os estágios supervisionados fazem

Leia mais

DRH - Diretoria de Recursos Humanos

DRH - Diretoria de Recursos Humanos Processo de Seleção Para Formação de Cadastro Reserva Para Provimento de Cargos Efetivos e Temporários (com prazo superior a 90 dias) Que Vagarem ou Forem Criados de Professor de Educação Infantil, Ensino

Leia mais

Faculdade Processus REGULAMENTO DO PROJETO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE PROCESSUS

Faculdade Processus REGULAMENTO DO PROJETO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE PROCESSUS REGULAMENTO DO PROJETO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE PROCESSUS Dispõe sobre a oferta de atividades de Monitoria no curso de graduação da Faculdade Processus e dá outras providências.

Leia mais

DAS COORDENAÇÃO DE EIXO_TECNOLÓGICO

DAS COORDENAÇÃO DE EIXO_TECNOLÓGICO DAS COORDENAÇÃO DE EIXO_TECNOLÓGICO TÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES Art. 1 - À coordenação de eixo-tecnológico compete: I - Convocar e presidir as reuniões do Colegiado de Curso; II - Submeter à Coordenação

Leia mais

Anexo I da Lei Nº 1.960/2010

Anexo I da Lei Nº 1.960/2010 Anexo I da Lei Nº 1.960/2010 CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Participar do processo de planejamento e elaboração da proposta pedagógica da escola; orientar a aprendizagem dos alunos; organizar as

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSOS DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UTFPR-DV

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSOS DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UTFPR-DV Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSOS DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UTFPR-DV APROVADO EM REUNIÃO ORDINÁRIA DO COLEGIADO

Leia mais

Lei Complementar Nº 58 de 13 de setembro de 2004 de Natal

Lei Complementar Nº 58 de 13 de setembro de 2004 de Natal Lei Complementar Nº 58 de 13 de setembro de 2004 de Natal O PREFEITO MUNICIPAL DO NATAL, Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei Complementar: TÍTULO I DO PLANO DE CARREIRA

Leia mais

ANEXO I CRONOGRAMA PREVISTO DO CONCURSO Item Descrição Datas

ANEXO I CRONOGRAMA PREVISTO DO CONCURSO Item Descrição Datas 1º Retificação do Edital de A Prefeitura Municipal de Mar de Espanha através do seu Prefeito Sr. Wellington Marcos Rodrigues, e a Pactum - Assessoria e Consultoria Ltda. - EPP, tornam público a 1ª Retificação

Leia mais

FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE AIMORÉS SUMÁRIO

FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE AIMORÉS SUMÁRIO REGULAMENTO DO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AIMORÉS/MG SUMÁRIO REGULAMENTO DO PROJETO EMPRESARIAL... 1 Objetivos... 4 Objetivos Específicos... 4 Duração do Projeto Empresarial... 5 Disciplina

Leia mais

EDITAL Nº 004/2017 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA

EDITAL Nº 004/2017 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA EDITAL Nº 004/2017 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA PROFESSOR DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO - AEE O, Estado do Rio Grande do Sul, TORNA PÚBLICO, para conhecimento dos interessados, que no

Leia mais

ANEXO I CARGO, FUNÇÃO, REQUISITOS, VAGAS, ATRIBUIÇÕES INERENTES AO CARGO, REGIME DE TRABALHO (RT), REMUNERAÇÃO (RE)

ANEXO I CARGO, FUNÇÃO, REQUISITOS, VAGAS, ATRIBUIÇÕES INERENTES AO CARGO, REGIME DE TRABALHO (RT), REMUNERAÇÃO (RE) PREFEITURA MUNICIPAL DE APARECIDA DE GOIÂNIA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE APARECIDA DE GOIÂNIA CONCURSO PÚBLICO PARA SELEÇÃO DO QUADRO DE PESSOAL DA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE APARECIDA

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA BOLSA DE COMPLEMENTAÇÃO EDUCACIONAL CAPÍTULO I NATUREZA E FINALIDADE

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA BOLSA DE COMPLEMENTAÇÃO EDUCACIONAL CAPÍTULO I NATUREZA E FINALIDADE CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA BOLSA DE COMPLEMENTAÇÃO EDUCACIONAL CAPÍTULO I NATUREZA E FINALIDADE Art.1º- O presente Regulamento destina-se a fixar diretrizes

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO

CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO CAPÍTULO I - DA DEFINIÇÃO DO ESTÁGIO Artigo 01 - O Estágio Supervisionado constitui disciplina obrigatória do Currículo dos Cursos de Licenciatura.

Leia mais

ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS ESPECIFICAÇÃO DO CARGO DE PROFESSOR

ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS ESPECIFICAÇÃO DO CARGO DE PROFESSOR Cargo: Professor Classe: A,B,C,D, ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS ESPECIFICAÇÃO DO CARGO DE PROFESSOR Orientar a aprendizagem dos alunos; Participar das atividades da escola: Organizar as operações inerentes

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES E NÃO CURRICULARES DOS CURSOS DIURNO E NOTURNO DE ODONTOLOGIA. CAPÍTULO I Da caracterização

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES E NÃO CURRICULARES DOS CURSOS DIURNO E NOTURNO DE ODONTOLOGIA. CAPÍTULO I Da caracterização REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES E NÃO CURRICULARES DOS CURSOS DIURNO E NOTURNO DE ODONTOLOGIA. CAPÍTULO I Da caracterização Art. 1º Estágio curricular obrigatório é aquele definido como tal no projeto

Leia mais

EDITAL Nº 26/2015 ANEXO V DESCRIÇÃO SUMÁRIA PLANO DE CARREIRA DOS CARGOS TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO

EDITAL Nº 26/2015 ANEXO V DESCRIÇÃO SUMÁRIA PLANO DE CARREIRA DOS CARGOS TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO EDITAL Nº 26/2015 ANEXO V DESCRIÇÃO SUMÁRIA DESCRIÇÃO DE CARGOS NÍVEL DE CLASSIFICAÇÃO: C DENOMINAÇÃO DO CARGO: AUXILIAR EM ADMINISTRAÇÃO ESCOLARIDADE: Fundamental Completo DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO:

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE PEDAGOGIA

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE PEDAGOGIA 2016.1 MANTENEDORA Faculdade de Ciências e Tecnologia do Maranhão LTDA MANTIDA Faculdade de Ciências e Tecnologia do Maranhão Facema DIRETORIA Maria

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO E ESTÁGIO NÃO-OBRIGATÓRIO

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO E ESTÁGIO NÃO-OBRIGATÓRIO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO E ESTÁGIO NÃO-OBRIGATÓRIO PALMAS/2011 SUMÁRIO CAPÍTULO I - DA NATUREZA...03 CAPÍTULO II - DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO...03 Seção I - Da

Leia mais

ELEIÇÕES 2012 DIRETRIZES DO PROGRAMA DE GOVERNO DO CANDIDATO JOSÉ SIMÃO DE SOUSA PARA A PREFEITURA DE MANAÍRA/PB ZÉ SIMÃO 45 - PREFEITO

ELEIÇÕES 2012 DIRETRIZES DO PROGRAMA DE GOVERNO DO CANDIDATO JOSÉ SIMÃO DE SOUSA PARA A PREFEITURA DE MANAÍRA/PB ZÉ SIMÃO 45 - PREFEITO ELEIÇÕES 2012 DIRETRIZES DO PROGRAMA DE GOVERNO DO CANDIDATO JOSÉ SIMÃO DE SOUSA PARA A PREFEITURA DE MANAÍRA/PB ZÉ SIMÃO 45 - PREFEITO OBJETIVOS DO GOVERNO: Consolidar e aprofundar os projetos e ações

Leia mais

PROJETO BÁSICO DE CURSOS DE ATUALIZAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO, COM FORMAÇÃO CONTINUADA

PROJETO BÁSICO DE CURSOS DE ATUALIZAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO, COM FORMAÇÃO CONTINUADA 1 PROJETO BÁSICO DE CURSOS DE ATUALIZAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO, COM FORMAÇÃO CONTINUADA 1. JUSTIFICATIVA DA PROPOSIÇÃO: 1.1.1. O Programa de Formação Continuada, para a Coordenação e Implementação das Diretrizes

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA outubro/2010

Leia mais

DECRET0 Nº 2.207, DE 22 DE ABRIL DE 2008

DECRET0 Nº 2.207, DE 22 DE ABRIL DE 2008 DECRET0 Nº 2.207, DE 22 DE ABRIL DE 2008 Dispõe sobre a Estrutura Regimental da Secretaria Municipal de Esporte e Lazer. Publicado no Jornal Correio Paranaense Em, 24.04.2008 O Prefeito Municipal de São

Leia mais

SEÇÃO IV DA PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS

SEÇÃO IV DA PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS SEÇÃO IV DA PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS Art. 146 As competências da Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis estão descritas no caput do art. 23 do Regimento da Reitoria. Art. 147 À Divisão de Apoio

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 12/2005, DE 26/09/2005.

RESOLUÇÃO Nº 12/2005, DE 26/09/2005. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE UBERABA-MG CONSELHO DIRETOR RESOLUÇÃO Nº 12/2005, DE 26/09/2005. Aprova o Regulamento de Estágio dos Cursos do Centro Federal de

Leia mais

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 05/2012

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 05/2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário Viçosa, MG 36570-000 Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail: soc@ufv.br RESOLUÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CAPÍTULO I Das Considerações Preliminares Art.1º O presente Regulamento disciplina a oferta, o funcionamento e o registro acadêmico

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FAIMI/UNIESP

REGULAMENTO INTERNO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FAIMI/UNIESP REGULAMENTO INTERNO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FAIMI/UNIESP Mirassol/SP 2014 REGULAMENTO INTERNO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FAIMI/UNIESP CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

ANEXO V REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DO CURSO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA À DISTÂNCIA CAPÍTULO I DA REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ANEXO V REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DO CURSO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA À DISTÂNCIA CAPÍTULO I DA REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS ANEXO V REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DO CURSO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA À DISTÂNCIA CAPÍTULO I DA REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO

Leia mais

Crianças e adolescentes inscritos no Programa Segundo Tempo.

Crianças e adolescentes inscritos no Programa Segundo Tempo. Manual de Procedimentos APRESENTAÇÃO Oportunizar aos beneficiados do Programa Segundo Tempo eventos e programações diferenciadas ao longo do ano é uma das ações estratégicas desta Secretaria Nacional.

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO ESPECIALIDADE: Manutenção de Hardware Requisitos: Ensino Médio completo com cursos de manutenção em microcompuadores. 1. Dar suporte técnico nos equipamentos de informática, recuperar, conservar e dar

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL-FACIMED Autorizado Portaria Nº 306, de 20 de maio de Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado

FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL-FACIMED Autorizado Portaria Nº 306, de 20 de maio de Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL-FACIMED Autorizado Portaria Nº 306, de 20 de maio de 2014 CURSO DE BACHARELADO EM ARQUITETURA E URBANISMO Cacoal - RO 2016 2 REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR

Leia mais

ANEXO II PROJETO DE MELHORIA DO ENSINO MÉDIO NOTURNO REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

ANEXO II PROJETO DE MELHORIA DO ENSINO MÉDIO NOTURNO REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Esplanada dos Ministérios, Bloco L 70047-902 Brasília DF ANEXO II PROJETO DE MELHORIA DO ENSINO MÉDIO NOTURNO REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art.

Leia mais

PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Justificativa. Considerando a necessidade da organização, coordenação e implementação de uma melhor qualidade no processo ensino e aprendizagem se faz necessário o trabalho

Leia mais

GRUPO SOLIDARIEDADE DA ASSOCIAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS APOSENTADOS DO PARANÁ

GRUPO SOLIDARIEDADE DA ASSOCIAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS APOSENTADOS DO PARANÁ GRUPO SOLIDARIEDADE DA ASSOCIAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS APOSENTADOS DO PARANÁ DA DEFINIÇÃO MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS Art. 1 - O GRUPO SOLIDARIEDADE DA ASSOCIAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS APOSENTADOS DO PARANÁ

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA OS PROJETOS INTERDISCIPLINARES DO CURSO TÉCNICO EM PRODUÇÃO DE MODA DO IFRS CAMPUS ERECHIM

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA OS PROJETOS INTERDISCIPLINARES DO CURSO TÉCNICO EM PRODUÇÃO DE MODA DO IFRS CAMPUS ERECHIM MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA OS PROJETOS INTERDISCIPLINARES DO CURSO TÉCNICO EM PRODUÇÃO DE MODA DO IFRS CAMPUS ERECHIM Aprovado pelo Conselho de Campus, conforme Resolução Nº 22, de 13 de junho de 2017.

Leia mais

Portaria Conjunta SAD/SECMULHER nº 096, de 26 de agosto de 2009. EDITAL ANEXO I QUADRO DE VAGAS

Portaria Conjunta SAD/SECMULHER nº 096, de 26 de agosto de 2009. EDITAL ANEXO I QUADRO DE VAGAS Portaria Conjunta SAD/SECMULHER nº 096, de 26 de agosto de 2009. EDITAL ANEXO I QUADRO DE VAGAS 1. Quantitativo de vagas por função e lotação, remuneração mensal e jornada de trabalho semanal a) CARGOS

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADE ARTHUR THOMAS CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art. 1º. Este Regulamento estabelece as políticas básicas das

Leia mais

UniBrasil Centro Universitário

UniBrasil Centro Universitário 1 UniBrasil Centro Universitário REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA CURITIBA MARÇO DE 2014 2 SUMÁRIO CAPÍTULO 1 Do estágio e sua finalidade...3 CAPÍTULO 2 Das condições...3

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA PORTARIA Nº 754, DE 3 DE OUTUBRO DE 2006

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA PORTARIA Nº 754, DE 3 DE OUTUBRO DE 2006 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA PORTARIA Nº 754, DE 3 DE OUTUBRO DE 2006 O MINISTRO DE ESTADO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da

Leia mais

PORTARIA N 71 DE 12 DE JANEIRO DE 2012

PORTARIA N 71 DE 12 DE JANEIRO DE 2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COLÉGIO PEDRO II PORTARIA N 71 DE 12 DE JANEIRO DE 2012 Redefine as atribuições dos Chefes de Departamentos Pedagógicos e dos Coordenadores Pedagógicos/ Responsáveis por Coordenação

Leia mais

TOTAL GERAL 1.000 ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO (OPTATIVA)

TOTAL GERAL 1.000 ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO (OPTATIVA) ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO EM RECURSOS HUMANOS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA DC 4021 19/12/2013 Rev. 01 1. Dados Legais Autorizado pelo Parecer 469 de 24/11/2009. DECRETO No 2.929, de 21 de dezembro de

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE PSICOLOGIA ESTÁGIO PROFISSIONAL EM PSICOLOGIA (CURRÍCULO 3) I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE PSICOLOGIA ESTÁGIO PROFISSIONAL EM PSICOLOGIA (CURRÍCULO 3) I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE PSICOLOGIA ESTÁGIO PROFISSIONAL EM PSICOLOGIA (CURRÍCULO 3) I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Psicologia é uma atividade obrigatória, em consonância

Leia mais

PROJETO DO CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO EM INFORMÁTICA

PROJETO DO CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO EM INFORMÁTICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO. CAMPUS CERES DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL PROJETO DO

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS CARGO 001 AGENTE DE APOIO ESCOLAR

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS CARGO 001 AGENTE DE APOIO ESCOLAR ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS CARGO 001 AGENTE DE APOIO ESCOLAR 1. Constituir a Equipe Administrativa das Escolas Municipais de Educação Básica; 2. Proporcionar suporte necessário ao processo educativo;

Leia mais

Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais Alves Fortes MANUAL COORDENADOR

Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais Alves Fortes MANUAL COORDENADOR MANUAL DO COORDENADOR COLABORADORES Prof.ª Rogéria Aparecida de Souza Oliveira Prof. Allan Lima Ferreira Prof. Roque Hudson da Silveira Resolução Direção/FACE nº 12, de 01 de Janeiro de 2010. Regula o

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS UNICRUZ - UNIVERSIDADE DE CRUZ ALTA CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - LICENCIATURA REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS UNICRUZ - UNIVERSIDADE DE CRUZ ALTA CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - LICENCIATURA REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS UNICRUZ - UNIVERSIDADE DE CRUZ ALTA CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - LICENCIATURA REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES Art. 1º - O presente regulamento estabelece as normas para a efetivação

Leia mais

MUNICÍPIO DE TOLEDO Estado do Paraná

MUNICÍPIO DE TOLEDO Estado do Paraná LEI Nº 1.963, de 13 de agosto de 2007 Altera a legislação que dispõe sobre o Plano de Cargos e Vencimentos para os servidores públicos municipais de Toledo. O POVO DO MUNICÍPIO DE TOLEDO, por seus representantes

Leia mais

PROCESSO DE SELEÇÃO Nº 01/2016

PROCESSO DE SELEÇÃO Nº 01/2016 PROCESSO DE SELEÇÃO Nº 01/2016 MATERNIDADE NASCER CIDADÃO O Diretor Executivo da FUNDAHC, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, comunica a realização de processo seletivo para os cargos abaixo

Leia mais

LEI Nº 711, de 13 de dezembro de 2002. Institui o Plano de Carreira e Empregos do Magistério Público de Alumínio.

LEI Nº 711, de 13 de dezembro de 2002. Institui o Plano de Carreira e Empregos do Magistério Público de Alumínio. LEI Nº 711, de 13 de dezembro de 2002 Institui o Plano de Carreira e Empregos do Magistério Público de Alumínio. O Prefeito Municipal de Alumínio, Estado de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EXTERNO

PROCESSO SELETIVO EXTERNO ANEXO I EDITAL N /26, DE 19 DE MAIO DE 26 UNIDADE TERESINA CÓDIGO CARGO (PROFISSIONAL) A- Assessor Técnico III Coordenador/Supervisor Pedagógico Saúde A-02 Assessor Técnico III Planejamento PRÉ-REQUISITOS

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ4012 EDITAL Nº 005/2010 1. Perfil: TR 007/2010-CGS - CIÊNCIAS SOCIAIS APLICÁVEIS 3. Qualificação educacional: Graduação na área de CIÊNCIAS SOCIAIS

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE FISIOTERAPIA CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE FISIOTERAPIA CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE FISIOTERAPIA CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES Art.1º O presente Regulamento disciplina a oferta, o funcionamento e o registro acadêmico das

Leia mais

SUPERVISÃO EDUCACIONAL

SUPERVISÃO EDUCACIONAL SUPERVISÃO EDUCACIONAL OBJETIVO: Subsidiar o trabalho nas Diretorias Regionais da Educação e as Unidades Escolares, de modo a observar, analisar, orientar, intervir e encaminhar as demandas nas seguintes

Leia mais

REGIMENTO DE ESTÁGIOS CURRICULARES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS-LIBRAS

REGIMENTO DE ESTÁGIOS CURRICULARES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS-LIBRAS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE LIBRAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS LIBRAS REGIMENTO DE ESTÁGIOS CURRICULARES

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.825, DE 29 DE JUNHO DE 2006. Estabelece as diretrizes para elaboração do Plano de Desenvolvimento dos Integrantes do Plano

Leia mais

CAPÍTULO II DA ESTRUTURA DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

CAPÍTULO II DA ESTRUTURA DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES, que dispõe sobre a estruturação e operacionalização do Núcleo de Prática Jurídica - NUPRAJUR

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 246 aprovado pela portaria Cetec nº 181 de 26/09/2013 Etec PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão de

Leia mais

2. Capacidade de discernimento RESOLUÇÃO Nº 5804/2008 SEAP CARGO: AGENTE DE EXECUÇÃO - AE. CARGA HORÁRIA: 40 horas FUNÇÃO: TÉCNICO ADMINISTRATIVO

2. Capacidade de discernimento RESOLUÇÃO Nº 5804/2008 SEAP CARGO: AGENTE DE EXECUÇÃO - AE. CARGA HORÁRIA: 40 horas FUNÇÃO: TÉCNICO ADMINISTRATIVO RESOLUÇÃO Nº 5804/2008 SEAP CARGO: AGENTE DE EXECUÇÃO - AE FUNÇÃO: TÉCNICO ADMINISTRATIVO CÓDIGO DA FUNÇÃO: AETA CBO: 4110-10 Ensino médio completo, fixado na forma do Anexo II da Lei Estadual N 13.666,

Leia mais

PLANO DE COORDENAÇÃO DE ÁREA 2014

PLANO DE COORDENAÇÃO DE ÁREA 2014 PLANO DE COORDENAÇÃO DE ÁREA 2014 Área/Habilitação: Enfermagem/ Agente Comunitário de Saúde/ Ensino Técnico Nº de HAE: 12 ETEC: Prof. Mário Antônio Verza Código: 164 Município: Palmital/SP Nome do Coordenador(a):

Leia mais

ANEXO II DESCRIÇÃO DETALHADA DOS CARGOS DO MAGISTÉRIO

ANEXO II DESCRIÇÃO DETALHADA DOS CARGOS DO MAGISTÉRIO ANEXO II DESCRIÇÃO DETALHADA DOS CARGOS DO MAGISTÉRIO ATRIBUIÇÕES COMUNS A TODOS OS CARGOS DO MAGISTÉRIO Zelar pelo cumprimento da legislação vigente, nos níveis: municipal, estadual e federal; Zelar pela

Leia mais

E.E. SENADOR LUIZ NOGUEIRA MARTINS

E.E. SENADOR LUIZ NOGUEIRA MARTINS PLANO DE AÇÃO 2016 / 2017 Município: SOROCABA SP CIE: 016412 Núcleo: SOROCABA - INTERIOR Equipe Gestora: Direção: Andréa S. A. C. F. Queiroz Vice-Diretor: Delaine E. de A. Banietti Professor Mediador:

Leia mais

ANEXO I DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATIVIDADES NÍVEL INTERMEDIÁRIO D DENOMINAÇÃO DO CARGO: ASSISTENTE EM ADMINISTRAÇÃO

ANEXO I DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATIVIDADES NÍVEL INTERMEDIÁRIO D DENOMINAÇÃO DO CARGO: ASSISTENTE EM ADMINISTRAÇÃO ANEXO I DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATIVIDADES NÍVEL INTERMEDIÁRIO D DENOMINAÇÃO DO CARGO: ASSISTENTE EM ADMINISTRAÇÃO Dar suporte administrativo e técnico nas áreas de recursos humanos, administração, finanças

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº. 02/2014 CUn

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº. 02/2014 CUn ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº. 02/2014 CUn PLANO DE CAPACITAÇÃO DE SERVIDORES DESTA UNIVERSIDADE 1. APRESENTAÇÃO O Plano de Cargos e Carreiras do Pessoal Técnico-Administrativo em Educação (PCCTAE) foi implantado

Leia mais

Faculdade Adventista da Bahia. Regulamento de Monitoria Acadêmica Fisioterapia

Faculdade Adventista da Bahia. Regulamento de Monitoria Acadêmica Fisioterapia Faculdade Adventista da Bahia Regulamento de Monitoria Acadêmica Fisioterapia Cachoeira BA Abril de 2011 Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento disciplina o Programa de Monitoria

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DO COORDENADOR PEDAGÓGICO

PLANO DE AÇÃO DO COORDENADOR PEDAGÓGICO SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO-SEDUC SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO ESPORTE CULTURA TURISMO E LAZER-SEMECETEL ESCOLA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA DEPUTADO RENÊ BARBOUR- MUNICIPIO DE NOVA OLIMPIA-MT

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS. Regimento da Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis

Universidade Federal de São Paulo PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS. Regimento da Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis Regimento da Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis Capítulo I Das Disposições Preliminares Art. 1 O presente Regimento Interno dispõe sobre a Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis PRAE, suas coordenadorias,

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ORGANOGRAMA

ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ORGANOGRAMA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ORGANOGRAMA ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DAS ATIVIDADES ESTÁGIOSUPERVISIONADO INTEGRADO AO TRABALHO DE CURSO Colegiado: -Validar o

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE BIBLIOTECA E INFORMAÇÃO BIOMÉDICA. DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO SBiB/ICB/USP

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE BIBLIOTECA E INFORMAÇÃO BIOMÉDICA. DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO SBiB/ICB/USP REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE BIBLIOTECA E INFORMAÇÃO BIOMÉDICA Regimento SBiB/ICB/USP DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO SBiB/ICB/USP CAPÍTULO 1 DAS ATRIBUIÇÕES Art. 1º

Leia mais

(a) Metropolitana Garanhuns TOTAIS QUANTITATIVO DE VAGAS FUNÇÃO. Metropolitana Garanhuns TOTAIS

(a) Metropolitana Garanhuns TOTAIS QUANTITATIVO DE VAGAS FUNÇÃO. Metropolitana Garanhuns TOTAIS ANEXO I QUADRO DE VAGAS, REQUISITOS, REMUNERAÇÃO MENSAL, JORNADA DE TRABALHO E ATRIBUIÇÕES. I VAGAS POR LOTAÇÃO, COM RESERVA PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA. 1.1 Nível Superior Advogado Região 02 01 03 (a)

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE IMBITUBA SC PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL PMI/CERSP/PSS N o 08/2016 Anexo I

PREFEITURA MUNICIPAL DE IMBITUBA SC PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL PMI/CERSP/PSS N o 08/2016 Anexo I NÍVEL SUPERIOR COMPLETO 301 BACHAREL EM EDUCAÇÃO FÍSICA Diploma de bacharel em Educação Física e registro no EF ou 40h 302 NUTRICIONISTA Diploma de graduação em Nutrição e registro no N. 40h 1.870,92 303

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS, LICENCIATURA.

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS, LICENCIATURA. REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS, LICENCIATURA. Dispõe sobre a prática das Atividades de Estágio Supervisionado do Curso de Ciências Biológicas, Licenciatura da Faculdade

Leia mais

Regulamenta a Lei Complementar Nº 067, de 24 de maio de 2005.

Regulamenta a Lei Complementar Nº 067, de 24 de maio de 2005. Regulamenta a Lei Complementar Nº 067, de 24 de maio de 2005. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE NATAL NO RIO GRANDE DO NORTE, no uso da atribuição que lhe confere o Artigo, da Constituição Municipal e, tendo

Leia mais

FACULDADE DE TEOLOGIA - FAT

FACULDADE DE TEOLOGIA - FAT VOTO CONSU 2012-16 DE 26/04/2012 CENTRO UNIVERSITÁRIO ADVENTISTA DE SÃO PAULO - UNASP FACULDADE DE TEOLOGIA - FAT REGIMENTO 2012 2 SUMÁRIO TÍTULO I DA FACULDADE, SEUS FINS E OBJETIVOS... 3 TÍTULO II DA

Leia mais