SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA"

Transcrição

1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA INSTRUÇÃO NORMATIVA nº 01 de 23 de Maio de 2011 Institui normas acerca das atribuições dos participantes do Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica PARFOR, no âmbito da Universidade Federal do Pará. O Coordenador Geral do PARFOR na UFPA, no uso das atribuições que lhe conferem a Resolução CD/FNDE No 13 de 20 de Maio de 2010, a Portaria No 0658/2010 e considerando a necessidade de promover a integração das atividades dos diferentes segmentos envolvidos no PARFOR-UFPA, aprova a seguinte INSTRUÇÃO NORMATIVA: O PARFOR na UFPA é um Plano Especial, vinculado a Pró-Reitoria de Ensino de Graduação, gerido e organizado por meio de: uma Coordenação Geral, uma Coordenação Adjunta, uma Coordenação Pedagógica, Coordenações de Cursos, Professores- Pesquisadores, Direções de Institutos, Coordenações de Campi, Coordenações Locais, Direções de Faculdade Coordenações de Pólos PARFOR/UFPA,pessoal de apoio administrativo e bolsistas- estágio. ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS DOS INTEGRANTES DO PARFOR NA UFPA 1 Do Coordenador Geral do PARFOR no âmbito da UFPA: I Cumprir as atribuições que lhe competem conforme o previsto no Anexo I, item 2.1, letras a até v, da Resolução CD/FNDE Nº 13 DE 20 DE MAIO DE 2010; II Representar a UFPA no Fórum Estadual do PARFOR, no Comitê Interinstitucional e em todos os eventos referentes ao Plano; III Indicar à Comissão Estadual de Formação, o nome que representará a UFPA na referida comissão. IV Indicar ao Reitor as Coordenações de Curso, ouvidas as Faculdades e Institutos pertinentes; V - Participar, propor e divulgar, no âmbito da UFPA, as deliberações oriundas do CONSEPE e do Comitê do Plano Nacional de Formação Docente, no Estado do Pará. VI - Promover e coordenar reuniões de articulação com os coordenadores dos cursos de licenciatura a serem ofertados, a fim de estabelecer metas de trabalho e respectivas ações. VII- Estabelecer, em conjunto com os diretores de faculdades e coordenadores de Campus e coordenadores de cursos do PARFOR, as características dos projetos pedagógicos dos cursos a serem ofertados, bem como o detalhamento da capacidade operacional da UFPA referente às atividades de pesquisa e extensão como estratégias de formação e a prática como fonte de conteúdos.

2 VII Realizar diagnósticos das condições materiais e humanas dos locais de oferta situados nos Pólos da Secretaria de Estado de Educação - SEDUC para garantir o bom funcionamento dos cursos; IX - Coordenar a oferta de cursos preparatórios para docentes que atuarão nos cursos de graduação na modalidade presencial e à distância; X - Promover, anualmente, a realização de eventos de avaliação e troca de experiências pedagógicas. XI - Acompanhar a realização das atividades administrativas e financeiras previstas; XII Apresentar relatórios de acompanhamento e avaliação dos cursos, dos professorespesquisadores, bolsistas e coordenadores de cursos a. Relatório Parcial de Atividades. b. Relatório Final, contendo propostas e recomendações às especificidades detectadas. 2 Do Coordenador Adjunto I - Apoiar o Coordenador Geral nas atividades descritas no Art.5º Incisos I a XII; II - Substituir o Coordenador Geral em suas eventuais ausências; III- Articular no interior da UFPA, assim como, junto a outras instâncias que se fizerem necessárias, o processo de organização pedagógica referente aos cursos ofertados pela instituição; IV- Integrar e articular a Coordenação Pedagógica do PARFOR. 3 Da Coordenação Pedagógica I A Coordenação Pedagógica do Parfor/UFPA é integrada pelo Coordenador Adjunto e por Professores-Pesquisadores, docentes do quadro da instituição convocados pela Coordenação Geral para composição da equipe. II A Coordenação Pedagógica tem como atribuições: a)assessorar o Coordenador Geral do PARFOR nas atividades referentes ao planejamento, execução e avaliação das atividades pedagógicas, acadêmicas e formativas desenvolvidas pelo Plano. b) Assessorar o Coordenador Geral no processo de articulação das atividades formativas do Plano junto às outras instâncias acadêmico-administrativas da UFPA; c) Participar quando necessário, acompanhando ou substituindo a Coordenação Geral do PARFOR em reuniões, seminários ou quaisquer outros tipos de eventos relacionados ao Plano; d) Coordenar as atividades acadêmicas de ensino, pesquisa e extensão oferecidas pelos cursos do PARFOR-UFPA; e) Planejar e articular as reuniões periódicas com os Coordenadores de Curso para o bom andamento das atividades acadêmicas do Plano; f) Assessorar os Coordenadores de Curso no processo de elaboração das propostas pedagógicas dos cursos; g) Participar e articular quando necessário, junto aos coordenadores de curso, das atividades de planejamento acadêmico dos cursos oferecidos pelo PARFOR-UFPA; h) Articular junto a PROEG a resolução de questões relativas às atividades acadêmicas dos cursos; i) Propor, planejar e/ou executar, em conjunto, com os Coordenadores de Curso, atividades de formação para os professores pesquisadores envolvidos no PARFOR-UFPA;

3 j) Propor e coordenar a constituição de grupos de trabalho para desenvolvimento de ações didático-pedagógicas voltadas para a formação dos professores da educação básica vinculados ao PARFOR; k) Acompanhar o fluxo discente no processo de formação dos cursos no PARFOR UFPA; l) Articular e propor ações junto às instâncias competentes para garantia da permanência dos discentes nos cursos; m) Avaliar de forma contínua as atividades do PARFOR UFPA: reunindo, sistematizando e analisando informações relativas às questões acadêmicas dos cursos, instituindo processos de avaliação das atividades acadêmicas desenvolvidas pelos cursos, tendo em vista a participação discente, docente, de técnico-administrativa e gestores do PARFOR UFPA; elaborando,sistematizando e publicizando relatórios próprios à instituição e/ou solicitados pelas instituições parceiras no desenvolvimento do PARFOR/UFPA 4 Dos Coordenadores dos Cursos de Licenciatura do PARFOR/UFPA I Cumprir as atribuições que lhe competem conforme o previsto no Anexo I, item 2.3, letras a até m, da Resolução CD/FNDE Nº 13 DE 20 DE MAIO DE 2010; II - Elaborar, avaliar e atualizar os projetos pedagógicos dos cursos sob sua responsabilidade; III - Planejar, definir, supervisionar e avaliar a execução das atividades de ensino, pesquisa e extensão; IV- Planejar a oferta das atividades curriculares, bem como, a distribuição da carga horária dos docentes; V - Estabelecer os programas das atividades acadêmicas curriculares do curso vinculado; VI - Desenvolver atividades de orientação aos docentes, discentes e à elaboração de projeto pedagógico; VII - Proceder à análise e acompanhamento dos planos acadêmicos propondo as medidas que se fizerem necessárias; VIII - Supervisionar e avaliar o material didático das atividades curriculares ofertadas na modalidade a distância e presencial; IX - Propor em conjunto com o grupo de professores atuantes no curso, materiais didáticos adequados ao projeto pedagógico do curso; X - Solicitar e/ou propor à Coordenação Geral atividades de formação para docentes que atuarão nos cursos de graduação na modalidade presencial e a distância; XI - Integrar e participar das Reuniões de Coordenadores de Curso encaminhadas pela Coordenação Geral do PARFOR/UFPA, assim como, de outras onde sua presença se fizer necessária, para o bom andamento do Plano; XII - Propor à Coordenação Geral do PARFOR critérios específicos para a avaliação do desempenho dos docentes e da execução do PPC; XIII - Propor a admissão e a dispensa de professores; XIV - Manifestar-se sobre questões docentes, discentes, curricular e de integralização; XV - Assegurar a realização do curso em observância às normas pertinentes; XVI - Decidir questões referentes à matrícula, opção, dispensa e inclusão de atividades acadêmicas curriculares, aproveitamento de estudos e obtenção de títulos, bem como das representações e recursos contra matéria didática, obedecidas a legislação e normas pertinentes; XVII - Coordenar e executar os procedimentos de avaliação do curso;

4 XVIII - Supervisionar a seleção e permanência de professores em consonância com as unidades e sub-unidades acadêmicas e/ou outras instituições a que se vinculem; XIX - Encaminhar os relatórios que se fizerem necessários à Coordenação Geral; XX - Elaborar o relatório anual das atividades da Coordenação Acadêmica; XXI- Organizar e manter atualizado um cadastro de discentes e docentes do curso sob sua responsabilidade. 5 - Das Coordenações Locais do PARFOR/UFPA nos campi I - A Coordenação Local do PARFOR,nos campi, será constituída exclusivamente por docente, professor-pesquisador, participante de Projeto Pedagógico de Curso do PARFOR. II A Coordenação Local do PARFOR/UFPA, tem como atribuições: a) Acompanhar e fiscalizar o funcionamento dos Cursos do PARFOR/UFPA, no que se refere ao bom andamento de sua da infra-estrutura, nos momentos que antecedem as aulas e durante as etapas das atividades curriculares do Plano; b) Acompanhar a execução das atividades curriculares das diversas turmas do PARFOR sob a responsabilidade do campus. c) Colaborar com os diretores de faculdades no processo de avaliação do PARFOR; d) Identificar e providenciar a resolução de questões relacionadas à infra-estrutura necessária ao funcionamento das aulas, em consonância com a Coordenação do Campus e Diretores de Faculdades; e) Auxiliar os coordenadores de cursos na organização dos cronogramas de ofertas das atividades dos Cursos do Plano; f) Responsabilizar-se junto às empresas licitadas pelo recebimento dos materiais de reprodução encaminhados pelas coordenações dos diferentes cursos; g) Reunir os registro de freqüência discente e docente e encaminhá-los às Coordenações de Curso. III Para desenvolver suas atividades, as Coordenações Locais do PARFOR, terão carga horária anual de 120 a 160 horas, percebendo o equivalente a 8 bolsas anuais. 6. Da Coordenação de Pólos PARFOR UFPA I-A Coordenação de Pólo PARFOR/UFPA será designada para desenvolver atividades de apoio administrativo em municípios que não possuem campus instalado da UFPA e onde são ofertados cursos PARFOR; II- A Coordenação de Pólos PARFOR-UFPA será constituída por docente com formação em nível superior vinculado à rede pública de ensino local. III A Coordenação de Pólo PARFOR/UFPA, tem como atribuições: a) Acompanhar e fiscalizar o funcionamento dos Cursos do PARFOR/UFPA, no que se refere ao bom andamento de suas condições de infra-estrutura, nos momentos que antecedem as aulas e durante as etapas das atividades curriculares do Plano; b) Acompanhar a execução das atividades curriculares da(s) turmas(s) do(s) curso (s ) ofertados no pólo; c) Colaborar com os coordenadores dos cursos no processo de avaliação do PARFOR; d) Identificar e providenciar a resolução de questões relacionadas à infra-estrutura necessária ao funcionamento das aulas, em consonância com a Coordenação do (s) Curso(s) e Coordenação geral do PARFOR; e) Auxiliar os coordenadores de cursos na organização dos cronogramas de ofertas das atividades dos Cursos do Plano;

5 f) Responsabilizar-se junto às empresas licitadas pelo recebimento dos materiais de reprodução encaminhados pelas coordenações dos diferentes cursos; g) Reunir os registro de freqüência discente e docente e encaminhá-los às Coordenações de Curso. h) Encaminhar as demandas de docentes e discentes à Coordenação do(s) Curso(s) IV Os Coordenadores de Pólos PARFOR desenvolverão suas atividades nos períodos intensivos previstos pelos projetos pedagógicos dos cursos e terão remuneração equivalente a serviço de apoio administrativo. 7- Das Direções de Faculdades que Possuem Cursos Integrantes do Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica PARFOR, no âmbito da UFPA. I Os Diretores de Faculdades que possuem cursos integrantes do Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica PARFOR, no âmbito da UFPA, poderão compor o quadro de professores-pesquisadores do Plano; II As Direções de Faculdades, que possuem cursos integrantes do Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica PARFOR e optarem por integrar-se às ações desenvolvidas pelo PARFOR, no âmbito da UFPA terão como atribuições: a) expedir documentos da secretaria acadêmica em âmbito local; b) efetivar os procedimentos necessários à participação dos alunos PARFOR no sistema de avaliação em seus respectivos locais; c) levantar necessidades materiais, físicas e de pessoal para o bom andamento das atividades do PARFOR e encaminhá-las aos Coordenadores de Curso; d) participar junto com o Coordenador do Curso da organização da recepção e orientação acadêmica dos alunos integrantes do PARFOR. e) apoiar a realização de atividades curriculares e complementares previstas no projeto pedagógico do curso; f) manifestar-se junto às Coordenações de Cursos do PARFOR, sobre a possibilidade ou não de participação de docentes vinculados a sub-unidade acadêmica sob sua responsabilidade, nos cursos oferecidos pelo PARFOR-UFPA. III As Direções de Faculdades, que possuem cursos integrantes do Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica PARFOR e optarem por integrar-se às ações desenvolvidas pelo PARFOR, terão carga horária anual de 60 a 80 horas percebendo o equivalente a 4 bolsas anuais. 8 - Das Direções de Institutos e Coordenações dos Campi I Os Diretores de Institutos e as Coordenações de Campi, que possuem cursos integrantes do Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica PARFOR, no âmbito da UFPA, poderão como os demais docentes da instituição, compor o quadro de professorespesquisadores do Plano; II As Direções de Institutos e Coordenações de Campi que possuem cursos integrantes do Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica PARFOR e optarem por integrar-se às ações desenvolvidas pelo PARFOR, no âmbito da UFPA terão como atribuições: a) Acompanhar as ações desenvolvidas no PARFOR de modo a garantir o bom andamento do Plano nos institutos e campi e institutos b) Manifestar-se sobre a capacidade de oferta semestral dos cursos em consonância com suas sub-unidades acadêmicas

6 c) Manifestar-se em relação à participação de docentes vinculados à unidade acadêmica sob sua responsabilidade nos cursos oferecidos pelo PARFOR-UFPA, em consonância com suas sub-unidades acadêmicas d)analisar as novas ofertas de turmas do PARFOR em conjunto com a Coordenação Geral do PARFOR na UFPA e a Coordenação Geral do PARFOR na SEDUC; 9 - Dos Professores Pesquisadores I São Professores-pesquisadores aqueles docentes, pertencentes à instituição ou não que preencherem os requisitos descritos no item IV do artigo 7º da Resolução No 13 de 20/05/2010 II - Cabe aos Professores-pesquisadores formadores a) Cumprir as atribuições que lhe competem conforme o previsto no Anexo I, item 2.4, letras a até l, da Resolução CD/FNDE Nº 13 DE 20 DE MAIO DE 2010; b) avaliar as atividades didático-pedagógicas, ao término de cada período letivo e realizar o respectivo planejamento a cada início de período letivo, para ministrar as atividades acadêmicas previstas no projeto pedagógico do curso; c) elaborar o programa e plano de ensino, de forma coletiva, pelo grupo de docentes designados ao magistério das atividades curriculares a serem ofertadas a cada período letivo, em consonância com as normas definidas na resolução que estabelece o currículo correspondente; d) propor procedimentos de avaliação das atividades curriculares a serem referendados em reunião de planejamento, em consonância com o projeto pedagógico de curso e o planejamento do período letivo e) apresentar e discutir com os discentes, no primeiro dia de aula, o programa da atividade curricular e o respectivo plano de ensino; f) apresentar à sua turma, no início do período letivo, os critérios de avaliação da aprendizagem conforme o plano de ensino; g) discutir os resultados de cada avaliação parcial com a turma, garantindo que esse procedimento se dê antes da próxima verificação da aprendizagem; h) fazer o registro eletrônico do conceito final, de acordo com as orientações do órgão central de registro acadêmico, no prazo máximo de 10 (dez) dias a contar do encerramento do período letivo. i) compor comissão de revisão de conceito conforme artigos nº116 e 117 do Regulamento do Ensino de Graduação da UFPA; j) acompanhar as atividades de estágio supervisionado; k) orientar o Trabalho de Conclusão de Curso TCC; 9-Do pessoal de apoio administrativo: I-O pessoal de apoio administrativo do PARFOR-UFPA deverá acompanhar e apoiar o desenvolvimento dos cursos vinculados aos campi do interior do Estado que funcionam em escolas das redes ou auxiliar administrativamente as atividades desenvolvidas nas Coordenações de Cursos que funcionam no campus Belém. II- Cada campus deverá contar com um servidor de apoio administrativo para atuar junto à(s) escola(s) onde funcionem cursos vinculados a essa Unidade Acadêmica III- Cada Coordenação de Curso deverá contar com o máximo de 2 servidores para prestar apoio administrativo às atividades do Curso ofertado pelo PARFOR-UFPA IV- O pessoal de apoio administrativo terá como atribuições:

7 a -Exercer atividades de apoio administrativo necessárias à execução das atividades dos cursos do PARFOR vinculados aos campi e que funcionam em escolas das redes públicas; V- Exercer atividades de apoio administrativo junto às coordenações de Cursos PARFOR VI Para desenvolver suas atividades o pessoal de apoio administrativo que atuará nas escolas das redes onde funcionem cursos PARFOR-UFPA cumprirá carga horária de 08 horas diárias, nos períodos de janeiro /fevereiro e julho/agosto previstos pelo calendário acadêmico dos cursos. VII-Para desenvolver suas atividades o pessoal de apoio administrativo que atuará junto às coordenações de Cursos PARFOR cumprirá carga horária de 40 horas semanais. 10-Dos bolsistas-estágio I-Os bolsistas estágio do PARFOR serão discentes da UFPA com freqüência regular em curso de Graduação e com disponibilidade de tempo para o cumprimento das atividades relativas à bolsa. II-Os bolsistas deverão cumprir jornada semanal de 20 horas semanais pelo período de 12 meses prorrogáveis por igual período; III- As Coordenações de Cursos sediadas no campus Belém terão o número máximo de 02 bolsistas-estágio. IV- Os campi localizados no interior do estado contarão com um bolsista-estágio para auxiliar a Coordenação local no atendimento a todos os cursos ofertados pelo PARFOR naquela Unidade Acadêmica. V- São atribuições dos bolsistas: a-auxiliar os Coordenadores locais ou Coordenadores de Cursos PARFOR no desenvolvimento das atividades acadêmicas relacionadas à coordenação dos cursos ofertados. Belém, 23 de maio de Márcio Lima do Nascimento Coordenador Geral do PARFOR/UFPA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E EMPREENDEDORISMO EM SAÚDE NITE SAÚDE CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E EMPREENDEDORISMO EM SAÚDE NITE SAÚDE CAPÍTULO I DAS FINALIDADES REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E EMPREENDEDORISMO EM SAÚDE NITE SAÚDE CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º. O Núcleo de Inovação Tecnológica e Empreendedorismo em Saúde da Universidade Federal

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DAS ATRIBUIÇÕES DO COLEGIADO

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DAS ATRIBUIÇÕES DO COLEGIADO REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO DO IF BAIANO CAMPUS SENHOR DO BONFIM (Aprovado pela reunião de Colegiado do curso de Licenciatura em Ciências da Computação em

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 18, DE 16 DE JUNHO DE 2010

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 18, DE 16 DE JUNHO DE 2010 Um marco na Legislação do FNDE Acesso Livre Sair (../action/autenticacaoaction.php? acao=sairsistema) 28/05/2015 11:27:57 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO CD/FNDE Nº 18 DE 16 DE JUNHO DE 2010.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO CD/FNDE Nº 18 DE 16 DE JUNHO DE 2010. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO CD/FNDE Nº 18 DE 16 DE JUNHO DE 2010. Altera a Resolução CD/FNDE nº 36, de 13 de julho de 2009, que

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 084/2015 CONSU/IFAC.

RESOLUÇÃO Nº 084/2015 CONSU/IFAC. RESOLUÇÃO Nº 084/2015 CONSU/IFAC. Dispõe sobre o Regulamento das Atribuições da Coordenação Técnico Pedagógica COTEP do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre IFAC. O PRESIDENTE SUBSTITUTO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 18, DE 16 DE JUNHO DE 2010

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 18, DE 16 DE JUNHO DE 2010 26/02/2016 08:59:26 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 18, DE 16 DE JUNHO DE 2010 Altera a Resolução CD/FNDE nº 36, de 13 de julho de 2009, que estabelece

Leia mais

NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO

NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLOGIAS DCHT CAMPUS XIX CAMAÇARI NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO Camaçari BA CAPÍTULO I Da Finalidade Art. 1º

Leia mais

DAS COORDENAÇÃO DE EIXO_TECNOLÓGICO

DAS COORDENAÇÃO DE EIXO_TECNOLÓGICO DAS COORDENAÇÃO DE EIXO_TECNOLÓGICO TÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES Art. 1 - À coordenação de eixo-tecnológico compete: I - Convocar e presidir as reuniões do Colegiado de Curso; II - Submeter à Coordenação

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DE CURSO DE GRADUAÇÃO DO IFNMG

REGULAMENTO DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DE CURSO DE GRADUAÇÃO DO IFNMG Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Norte de Minas Gerais REGULAMENTO DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DE CURSO DE GRADUAÇÃO DO IFNMG (APROVADO

Leia mais

PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA UFPB/UFRN

PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA UFPB/UFRN RESOLUÇÃO Nº 04 - PPGFON, 16 de fevereiro de 2017 Dispõe sobre as atribuições do coordenador, vice-coordenador e secretário do Programa Associado de Pós-Graduação em Fonoaudiologia RESOLVE: O COLEGIADO

Leia mais

Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais Alves Fortes MANUAL COORDENADOR

Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais Alves Fortes MANUAL COORDENADOR MANUAL DO COORDENADOR COLABORADORES Prof.ª Rogéria Aparecida de Souza Oliveira Prof. Allan Lima Ferreira Prof. Roque Hudson da Silveira Resolução Direção/FACE nº 12, de 01 de Janeiro de 2010. Regula o

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL IFRS CONSELHO SUPERIOR

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL IFRS CONSELHO SUPERIOR SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL IFRS CONSELHO SUPERIOR Resolução nº 094, de 25 de agosto de 2010. A Presidente do Conselho Superior do Instituto

Leia mais

MINISTERIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 128, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011.

MINISTERIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 128, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011. Dispõe sobre a instituição e definição das atribuições do Comitê de Extensão Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba. O Presidente do DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E

Leia mais

I FORUM BRASILEIRO DOS COORDENADORES DE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA VETERINÁRIA/CNRMS/MEC ESTRUTURA E FUNÇÕES DA COREMU

I FORUM BRASILEIRO DOS COORDENADORES DE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA VETERINÁRIA/CNRMS/MEC ESTRUTURA E FUNÇÕES DA COREMU I FORUM BRASILEIRO DOS COORDENADORES DE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA ESTRUTURA E FUNÇÕES DA COREMU Profa. Gilcinéa de Cássia Santana Coordenadora da COREMU/UFMG COREMU RESOLUÇÃO Nº 2, DE 4 DE MAIO

Leia mais

RESOLUÇÃO N 43/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE no uso de suas atribuições legais e;

RESOLUÇÃO N 43/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE no uso de suas atribuições legais e; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 43/2009/CONEPE Aprova Normas de Estágio Curricular Obrigatório do

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO INSTITUTO FEDERAL DO NORTE DE MINAS GERAIS - IFNMG CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

REGIMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO INSTITUTO FEDERAL DO NORTE DE MINAS GERAIS - IFNMG CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA REGIMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO - IFNMG CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT) é o órgão responsável por gerir a política de propriedade

Leia mais

CONSIDERANDO a Lei 9394/1996 que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional; CONSIDERANDO as normas internas do IFB:

CONSIDERANDO a Lei 9394/1996 que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional; CONSIDERANDO as normas internas do IFB: RESOLUÇÃO Nº 023/2017/CS IFB Estabelece os parâmetros para o Calendário Acadêmico dos campi do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília. O Conselho Superior do INSTITUTO FEDERAL

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 177/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 177/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 177/2009/CONEPE Aprova Normas Específicas do Estágio Curricular

Leia mais

Regimento do Colegiado do Curso de Bacharelado em Zootecnia

Regimento do Colegiado do Curso de Bacharelado em Zootecnia Regimento do Colegiado do Curso de Bacharelado em Zootecnia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS REGIMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ZOOTECNIA CAPÍTULO I Das Atribuições

Leia mais

FACULDADE SÃO PAULO MANTIDA PELA SOCIEDADE SÃO PAULO DE ENSINO SUPERIOR SSPES REGULAMENTO DO NDE

FACULDADE SÃO PAULO MANTIDA PELA SOCIEDADE SÃO PAULO DE ENSINO SUPERIOR SSPES REGULAMENTO DO NDE FACULDADE SÃO PAULO MANTIDA PELA SOCIEDADE SÃO PAULO DE ENSINO SUPERIOR SSPES REGULAMENTO DO NDE 1 REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) Artigo 1º - O Núcleo Docente Estruturante é órgão de

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FACULDADE DE INHUMAS

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FACULDADE DE INHUMAS FACULDADE DE INHUMAS REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FACULDADE DE INHUMAS INHUMAS, JANEIRO DE 2015. SUMÁRIO CAPÍTULO I - DA NATUREZA E DAS FINALIDADES... 3 CAPÍTULO II - DA

Leia mais

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 1190

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 1190 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 1190 Cria o Programa de Monitoria da UFG, fixa os objetivos e estabelece as estruturas de funcionamento da Monitoria na UFG, e

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015/PROEN

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015/PROEN INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015/PROEN Normatiza a criação, funcionamento e atribuições do Colegiado de Eixo Tecnológico para os Cursos Técnicos do Instituto Federal Farroupilha conforme previsto no Art.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 142-CONSELHO SUPERIOR, de 26 de setembro de 2013.

RESOLUÇÃO Nº 142-CONSELHO SUPERIOR, de 26 de setembro de 2013. RESOLUÇÃO Nº 142-CONSELHO SUPERIOR, de 26 de setembro de 2013. ALTERA A RESOLUÇÃO Nº 040- CONSELHO SUPERIOR QUE ESTABELECE OS PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO E ADEQUAÇÃO CURRICULAR DOS PLANOS DOS CURSOS

Leia mais

FACULDADE PRESBITERIANA MACKENZIE RIO MANTIDA PELO INSTITUTO PRESBITERIANO MACKENZIE

FACULDADE PRESBITERIANA MACKENZIE RIO MANTIDA PELO INSTITUTO PRESBITERIANO MACKENZIE Regulamento Núcleo Docente Estruturante REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE DE CURSO DE GRAUDAÇÃO CAPÍTULO I DO OBJETIVO E DA FINALIDADE Art. 1º. O Núcleo Docente Estruturante NDE, de Curso de Graduação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N , DE 22 DE MARÇO DE 2012

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N , DE 22 DE MARÇO DE 2012 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.262, DE 22 DE MARÇO DE 2012 Institui o Regulamento para a realização dos Estágios Supervisionados,

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE EVANGÉLICA DE GOIANÉSIA

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE EVANGÉLICA DE GOIANÉSIA REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE EVANGÉLICA DE GOIANÉSIA TÍTULO I DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO DA COMISSÃO Art. 1º - O presente Regulamento Interno

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 151/2010/CONEPE

RESOLUÇÃO Nº 151/2010/CONEPE SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 151/2010/CONEPE Aprova Normas de Estágio Curricular Obrigatório

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 139/2009/CONEPE Aprova alteração nas Normas Específicas do Estágio

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) DA UNIVERSIDADE

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI. Conselho Universitário - CONSU

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI. Conselho Universitário - CONSU MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI Conselho Universitário - CONSU RESOLUÇÃO N.º XXX CONSU, DE XXX DE XXX DE 2014. RESOLVE: Estabelece o Regimento Interno e

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 171/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais e,

RESOLUÇÃO Nº 171/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais e, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 171/2009/CONEPE Aprova alteração nas Normas de Estágio do Curso

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 086/2005-CEPE/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 086/2005-CEPE/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 086/2005-CEPE/UNICENTRO Cria o Núcleo de Educação a Distância da Universidade Estadual do Centro-Oeste, UNICENTRO e aprova o seu Regulamento. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE,

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 7-CEPE-CAD/UNICENTRO, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. O 2º, DO ART. 5º, DESTA PORTARIA, ESTÁ ALTERADO PELA RESOLUÇÃO Nº 1/2014-CEPE-CAD/UNICENTRO. Aprova o Regulamento do Centro de Línguas do Campus

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA FACULDADE ESTÁCIO DO AMAPÁ ESTÁCIO AMAPÁ

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA FACULDADE ESTÁCIO DO AMAPÁ ESTÁCIO AMAPÁ REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA FACULDADE ESTÁCIO DO AMAPÁ ESTÁCIO AMAPÁ MACAPÁ-AP MARÇO DE 2015 0 CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º A COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO da Faculdade Estácio

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009.

RESOLUÇÃO Nº CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI CONSU RESOLUÇÃO Nº. 16 - CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009. Aprova o Regimento interno da Diretoria de Relações Internacionais

Leia mais

ANEXO 3 - Regulamento de TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC

ANEXO 3 - Regulamento de TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC ANEXO 3 - Regulamento de TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Capítulo I Dos Objetivos Art. 1º - O presente Regulamento tem por objetivo estabelecer

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FAIMI/UNIESP

REGULAMENTO INTERNO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FAIMI/UNIESP REGULAMENTO INTERNO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FAIMI/UNIESP Mirassol/SP 2014 REGULAMENTO INTERNO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FAIMI/UNIESP CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

MINUTA EM CONSTRUÇÃO

MINUTA EM CONSTRUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR UNIVERSITÁRIO MINUTA EM CONSTRUÇÃO RESOLUÇÃO POLÍTICA DE AÇÕES AFIRMATIVAS E PROMOÇÃO DA IGUALDADE ÉTNICO-RACIAL Institui a Política de Ações Afirmativas

Leia mais

Seminário de Formação para Coordenadores de Curso de Graduação - UNIPAMPA 1º e 2 de fevereiro de 2011 BAGÉ

Seminário de Formação para Coordenadores de Curso de Graduação - UNIPAMPA 1º e 2 de fevereiro de 2011 BAGÉ Seminário de Formação para Coordenadores de Curso de Graduação - UNIPAMPA 1º e 2 de fevereiro de 2011 BAGÉ Profa. Dra. Cecilia Luiza Broilo clbroilo@gmail.com Dinâmica de Trabalho Primeiro momento: apresentação

Leia mais

ANEXO V REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DO CURSO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA À DISTÂNCIA CAPÍTULO I DA REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ANEXO V REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DO CURSO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA À DISTÂNCIA CAPÍTULO I DA REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS ANEXO V REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DO CURSO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA À DISTÂNCIA CAPÍTULO I DA REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO MINUTA RESOLUÇÃO/UEPB/CONSEPE/XX/2013 Regulamenta e define a carga horária e a ementa do componente curricular Estágio Supervisionado,

Leia mais

Regimento do Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional

Regimento do Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional Regimento do Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional Capítulo I Natureza e Objetivos Artigo 1 - O Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional (PROFMAT) tem como objetivo proporcionar

Leia mais

Instrução Normativa PROEX/IFRS nº 10, de 07 de dezembro de 2015.

Instrução Normativa PROEX/IFRS nº 10, de 07 de dezembro de 2015. Instrução Normativa PROEX/IFRS nº 10, de 07 de dezembro de 2015. Regulamenta a atuação do Centro Tecnológico de Acessibilidade (CTA) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande

Leia mais

ANEXO ÚNICO DA RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 98/2004 CAPÍTULO I DA FINALIDADE

ANEXO ÚNICO DA RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 98/2004 CAPÍTULO I DA FINALIDADE 1/10 ANEXO ÚNICO DA RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 98/2004 CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1º - O Estágio Supervisionado sistematiza a realização do Estágio Obrigatório dos Cursos de Licenciatura da UESB. CAPÍTULO

Leia mais

NÚCLEO INTEGRADO DE PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS - REGULAMENTO INTERNO TÍTULO I DA FINALIDADE DO NÚCLEO DE PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS

NÚCLEO INTEGRADO DE PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS - REGULAMENTO INTERNO TÍTULO I DA FINALIDADE DO NÚCLEO DE PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS NÚCLEO INTEGRADO DE PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS - REGULAMENTO INTERNO A AESGA no uso de suas atribuições regimentais vem regulamentar o funcionamento do Núcleo Integrado de Práticas Administrativas. TÍTULO

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO- ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS CURSO DE PEDAGOGIA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO REGULAMENTO Anápolis, 2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO TRABALHO INTEGRADO INTERDISCIPLINAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO

REGULAMENTO GERAL DO TRABALHO INTEGRADO INTERDISCIPLINAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO 1 REGULAMENTO GERAL DO TRABALHO INTEGRADO INTERDISCIPLINAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO (TIID) Capítulo I Dos Princípios Gerais Artigo 1º- O presente regulamento rege as atividades do Trabalho Integrado

Leia mais

Universidade Federal do Oeste do Pará PROGRAMA DE MONITORIA ACADÊMICA

Universidade Federal do Oeste do Pará PROGRAMA DE MONITORIA ACADÊMICA Universidade Federal do Oeste do Pará PROGRAMA DE MONITORIA ACADÊMICA 1. Quais são os requisitos para obtenção de bolsa monitoria? a) o discente deve estar regularmente matriculado no período letivo em

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N , DE 17 DE MARÇO DE 2011

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N , DE 17 DE MARÇO DE 2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.105, DE 17 DE MARÇO DE 2011 Aprova o Regimento do Programa de Pós- Graduação em Matemática

Leia mais

UNIVERSIDADE ALTO VALE DO RIO DO PEIXE UNIARP CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

UNIVERSIDADE ALTO VALE DO RIO DO PEIXE UNIARP CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO UNIVERSIDADE ALTO VALE DO RIO DO PEIXE UNIARP CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO MATRIZ CURRICULAR 2013 Fabieli Spessatto Coordenadora do Curso Caçador, 2016

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E FINALIDADES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E FINALIDADES REGULAMENTO DE ESTÁGIO Aprovado pelo CAS Resolução nº 155/2017 REGULAMENTO DE ESTÁGIO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E FINALIDADES Art. 1 Este Regulamento tem por finalidade normatizar o sistema

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 184/2009/CONEPE

RESOLUÇÃO Nº 184/2009/CONEPE SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 184/2009/CONEPE Altera as Normas Específicas do Estágio Supervisionado

Leia mais

REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO -PEDAGÓGICA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FACULDADE DR. FRANCISCO MAEDA-FAFRAM/FE

REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO -PEDAGÓGICA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FACULDADE DR. FRANCISCO MAEDA-FAFRAM/FE REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO -PEDAGÓGICA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FACULDADE DR. FRANCISCO MAEDA-FAFRAM/FE CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1º. Os cursos de Pós Graduação

Leia mais

RESOLUÇÃO N 008/2013

RESOLUÇÃO N 008/2013 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA (UNILA) CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 008/2013 Regulamenta as Atividades Acadêmicas Complementares nos cursos de graduação

Leia mais

ANEXO I CARGO: PROFESSOR ATRIBUIÇÕES:

ANEXO I CARGO: PROFESSOR ATRIBUIÇÕES: ANEXO I CARGO: PROFESSOR ATRIBUIÇÕES: a) Descrição Sintética: Orientar a aprendizagem do aluno; participar no processo de planejamento das atividades da escola; organizar as operações inerentes ao processo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO CEPE Nº 120, DE 14 DE MAIO DE 2014. Dispõe sobre o estágio supervisionado dos cursos de licenciatura

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Curitiba COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO -

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Curitiba COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO - Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Curitiba COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO - CAPÍTULO I Da Natureza, das Finalidades e dos Objetivos Art.

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL-FACIMED Autorizado Portaria Nº 306, de 20 de maio de Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado

FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL-FACIMED Autorizado Portaria Nº 306, de 20 de maio de Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL-FACIMED Autorizado Portaria Nº 306, de 20 de maio de 2014 CURSO DE BACHARELADO EM ARQUITETURA E URBANISMO Cacoal - RO 2016 2 REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS RESOLUÇÃO N o 14/2013, DE 02 DE JULHO DE 2013 Reedita, com alterações, a Resolução n o 03/2006, de 29 de junho de 2006, que aprovou o Regimento do Centro de Microscopia da UFMG. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

b) possuir carga horária disponível para a realização das atividades do Programa; c) ser professor da disciplina no período vigente das monitorias.

b) possuir carga horária disponível para a realização das atividades do Programa; c) ser professor da disciplina no período vigente das monitorias. EDITAL Nº 03/2016 - CONSEPE A Direção da Faculdade Herrero torna públicos os procedimentos e normas para inscrição e seleção de Monitores 2016/2. Este Edital está em conformidade com a RESOLUÇÃO Nº 11/2010

Leia mais

INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS COMGRAD ENGENHARIA CARTOGRÁFICA

INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS COMGRAD ENGENHARIA CARTOGRÁFICA INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS COMGRAD ENGENHARIA CARTOGRÁFICA RESOLUÇÃO 01/2009 A COMGRAD/CAR, no uso de suas atribuições, regulamenta as Atividades Complementares para o Curso de Engenharia Cartográfica, de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 034/ CEPE DE 23 de Agosto de 2006.

RESOLUÇÃO Nº 034/ CEPE DE 23 de Agosto de 2006. RESOLUÇÃO Nº 034/2006 - CEPE DE 23 de Agosto de 2006. APROVA A ALTERAÇÃO DA RESOLUÇÃO CEPE N.º 003- A/2003 NORMAS DE ESTÁGIO. O Reitor da Universidade Castelo Branco, usando de suas atribuições legais

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO - IFPE

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO - IFPE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIIA FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO R E G I M E N T O INTERNO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIIA FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO R E G I M E N T O INTERNO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIIA FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO R E G I M E N T O INTERNO DA FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO Belém/Pa. S U M Á R I O CAPÍTULO I - A FACULDADE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM JUIZ DE FORA, JULHO DE 2014 REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

Leia mais

Regimento Interno do Campus Bento Gonçalves do IFRS

Regimento Interno do Campus Bento Gonçalves do IFRS Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Bento Gonçalves Regimento Interno do Campus Bento

Leia mais

NORMATIVA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE HISTÓRIA LICENCIATURA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO

NORMATIVA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE HISTÓRIA LICENCIATURA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO NORMATIVA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE HISTÓRIA LICENCIATURA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Os estágios curriculares no curso de História-Licenciatura

Leia mais

ANEXO I PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARFOR

ANEXO I PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARFOR ANEXO I PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARFOR Orientações gerais às Instituições Formadoras de Educação Superior para o desenvolvimento dos CURSOS ESPECIAIS PRESENCIAIS I

Leia mais

REGIMENTO DE ESTÁGIOS CURRICULARES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS-LIBRAS

REGIMENTO DE ESTÁGIOS CURRICULARES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS-LIBRAS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE LIBRAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS LIBRAS REGIMENTO DE ESTÁGIOS CURRICULARES

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO A Coordenadora da FACULDADE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MONTES CLAROS - FACIT, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Regimento Geral e Legislação

Leia mais

REGIMENTO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I FINALIDADE E COMPETÊNCIA

REGIMENTO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I FINALIDADE E COMPETÊNCIA REGIMENTO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I FINALIDADE E COMPETÊNCIA Art. 1º - A Secretaria de Relações Institucionais SERIN, criada pela Lei nº 10.549, de 28 de dezembro de 2006, tem

Leia mais

Professor Jaime Arturo Ramírez Presidente do Conselho Universitário

Professor Jaime Arturo Ramírez Presidente do Conselho Universitário RESOLUÇÃO N o 02/2015, DE 31 DE MARÇO DE 2015 Estabelece o Regimento do Centro Esportivo Universitário, reeditando, com alterações, a Resolução n o 13/1993, de 02 de setembro de 1993. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

REGULAMENTO DO COMPONENTE: ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO

REGULAMENTO DO COMPONENTE: ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO REGULAMENTO DO COMPONENTE: ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º O componente Estágio Curricular Supervisionado em Biotecnologia éparte integrante do currículo pleno do

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC DO CURSO DE DESIGN

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC DO CURSO DE DESIGN UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC ÁREA DAS CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA CURSO DE DESIGN MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC DO CURSO DE DESIGN São Miguel do Oeste,

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Capítulo I DA NATUREZA Art. 1º. O Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Computação do Câmpus Jandaia do Sul da UFPR prevê a realização

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO CONSELHO SUPERIOR

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO CONSELHO SUPERIOR SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 45/2015 Institui o Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros e Indígenas

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FAMETRO

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FAMETRO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FAMETRO CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES Art. 1º - As Atividades Complementares se constituem em parte integrante o currículo dos cursos

Leia mais

R E G I M E N T O FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA INSTITUTO DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

R E G I M E N T O FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA INSTITUTO DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ R E G I M E N T O DA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA DO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ 2 SUMÁRIO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, FINALIDADES E ATUAÇÃO. CAPÍTULO II DO CONSELHO

Leia mais

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE RONDONÓPOLIS - CUR INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS - ICHS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO PACTO NACIONAL

Leia mais

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 12/2016

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 12/2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário Viçosa, MG 36570-000 Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail: soc@ufv.br RESOLUÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO I - Conceituação e Objetivos

CAPÍTULO I - Conceituação e Objetivos REGULAMENTO GERAL TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC Ensino Técnico do Centro Paula Souza CAPÍTULO I - Conceituação e Objetivos Art. 1º O Trabalho de Conclusão de Curso - TCC constitui-se numa atividade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 185 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº. 185 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011. RESOLUÇÃO Nº. 185 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS, no uso de suas atribuições legais e considerando o Parecer nº.

Leia mais

RESOLUÇÃO/SED n , de 8 de dezembro de 2011.

RESOLUÇÃO/SED n , de 8 de dezembro de 2011. RESOLUÇÃO/SED n. 2.491, de 8 de dezembro de 2011. Dispõe sobre o Projeto de Implementação das Salas de Tecnologias Educacionais - STEs e a utilização das diversas tecnologias midiáticas nas unidades escola

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE CESUMAR DE PONTA GROSSA. CAPÍTULO I DA NATUREZA, OBJETIVOS E FINALIDADES. Art. 1º O

Leia mais

CONHECENDO A UFRRJ: um olhar mais próximo da estrutura física, organizacional, funcional e cultural da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

CONHECENDO A UFRRJ: um olhar mais próximo da estrutura física, organizacional, funcional e cultural da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. CONHECENDO A UFRRJ: um olhar mais próximo da estrutura física, organizacional, funcional e cultural da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pósgraduação (PROPPG) Pró-Reitor:

Leia mais

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA - PNAIC

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA - PNAIC PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA - PNAIC CHAMADA PARA COMPOSIÇÃO DA EQUIPE DE SUPERVISORES E PROFESSORES FORMADORES PARA O PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA - PNAIC A Coordenação

Leia mais

REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DOS CURSOS SUPERIORES DO IFRS CAMPUS CANOAS CAPÍTULO I DO CONCEITO

REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DOS CURSOS SUPERIORES DO IFRS CAMPUS CANOAS CAPÍTULO I DO CONCEITO REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DOS CURSOS SUPERIORES DO IFRS Regulamenta o funcionamento dos Colegiados dos Cursos Superiores do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, Campus

Leia mais

CÂMARA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DA EPPEN UNIFESP/CAMPUS OSASCO

CÂMARA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DA EPPEN UNIFESP/CAMPUS OSASCO CÂMARA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DA EPPEN UNIFESP/CAMPUS OSASCO REGIMENTO INTERNO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º A Câmara de Pós-Graduação e Pesquisa (CmPOS) da Escola Paulista de Política, Economia

Leia mais

TRABALHO DE GRADUAÇÃO INTERDISCIPLINAR REGULAMENTO

TRABALHO DE GRADUAÇÃO INTERDISCIPLINAR REGULAMENTO COORDENAÇÃO DE TGI TRABALHO DE GRADUAÇÃO INTERDISCIPLINAR REGULAMENTO SÃO PAULO JUNHO DE 2007 CAPÍTULO 1 DA CONCEITUAÇÃO Art. 1º - O Trabalho de Graduação Interdisciplinar (TGI), atividade obrigatória

Leia mais

CONSIDERANDO o parecer do Relator, Consº RUY BELÉM DE ARAUJO, ao analisar o processo nº /09-47;

CONSIDERANDO o parecer do Relator, Consº RUY BELÉM DE ARAUJO, ao analisar o processo nº /09-47; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 133/2010/CONEPE Aprova Normas Específicas do Estágio Curricular

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA - INTA PRO-DIRETORIA DE PESQUISA E POS-GRADUAÇAO STRICTO SENSU - PROPESP

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA - INTA PRO-DIRETORIA DE PESQUISA E POS-GRADUAÇAO STRICTO SENSU - PROPESP INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA - INTA PRO-DIRETORIA DE PESQUISA E POS-GRADUAÇAO STRICTO SENSU - PROPESP REGULAMENTO DE PESQUISA SOBRAL-CEARÁ 2015 I- POLÍTICA DE PESQUISA Art.1º O Instituto Superior

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NEAD IFRS CÂMPUS CAXIAS DO SUL

REGIMENTO INTERNO DO NEAD IFRS CÂMPUS CAXIAS DO SUL REGIMENTO INTERNO DO NEAD IFRS CÂMPUS CAXIAS DO SUL Aprovado pela Resolução do Conselho de Câmpus nº 14, de 15 de junho de 2015. Caxias do Sul/RS, junho de 2015. REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Licenciatura em Ciências Exatas Revisão 3 REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO

Licenciatura em Ciências Exatas Revisão 3 REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO O Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Ciências Exatas do Setor Palotina da UFPR prevê a realização de estágios nas modalidades de estágio obrigatório e

Leia mais

PORTARIA N 71 DE 12 DE JANEIRO DE 2012

PORTARIA N 71 DE 12 DE JANEIRO DE 2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COLÉGIO PEDRO II PORTARIA N 71 DE 12 DE JANEIRO DE 2012 Redefine as atribuições dos Chefes de Departamentos Pedagógicos e dos Coordenadores Pedagógicos/ Responsáveis por Coordenação

Leia mais

Mantenedora: Associação Educacional e Tecnológica de Santa Catarina REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA QUALIDADE.

Mantenedora: Associação Educacional e Tecnológica de Santa Catarina REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA QUALIDADE. REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA QUALIDADE. 1 SUMARIO REGULAMENTO DA FORMA DE COMPOSIÇÃO DO COLEGIADO DA FTA 3 CAPÍTULO I... 3 DA NATUREZA E COMPOSIÇÃO... 3 CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente instrumento dispõe sobre as normas e procedimentos a serem observados

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO- BRASILEIRA (UNILAB)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO- BRASILEIRA (UNILAB) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO- BRASILEIRA (UNILAB) RESOLUÇÃO N 03, DE 22 DE MARÇO DE 2013. Aprova o Regimento Interno do Polo de Apoio Presencial de

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC REGULAMENTO

CURSO DE PEDAGOGIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC REGULAMENTO CURSO DE PEDAGOGIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC REGULAMENTO DAS CONDIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este Regulamento apresenta a definição, os objetivos, a caracterização e a explicitação das condições

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 41/2013/Consup Florianópolis, 25 de outubro de 2013.

RESOLUÇÃO Nº 41/2013/Consup Florianópolis, 25 de outubro de 2013. RESOLUÇÃO Nº 41/2013/Consup Florianópolis, 25 de outubro de 2013. A PRESIDENTE DO DO IFSC no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo Decreto de 15/12/2011, publicado no DOU de 16/12/2011 e atendendo

Leia mais