EMENTAS, CONTEÚDOS E REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EMENTAS, CONTEÚDOS E REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS"

Transcrição

1 S, CONTEÚDOS E REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1 TERMO Administração em Fisioterapia Administração, organização, planejamento e gerenciamento de clínicas da área da saúde. Acessibilidade em edificações. Estratégias de motivação. Trabalho em equipe. Credenciamento junto ao Conselho de Fisioterapia 1. Definição de administração 2. Princípios administrativos. 3. Organização e planejamento de clínica. 4. Credenciamento de clínicas 5. Documentação para abertura de clínicas 6. Utilização correta do espaço físico de uma clínica de fisioterapia 7. Técnicas de motivação 8. Trabalho em equipe 9. Acessibilidade em edificações. 10. Visitas a clínicas de fisioterapia. 11. Sistema de gerenciamento. 1. CAMPOS, J.Q. O hospital no contexto empresarial. São Paulo: Manole, BLAU, Peter M., SCOTT, W. Richard.Organizacoes formais: uma abordagem comparativa. Sao Paulo : Atlas, p. 3. HERRMANN JUNIOR, Frederico.Elementos de administracao.6.ed. Sao Paulo : Atlas, p COMPLR: 1. KWASNICKA, E.L. Introdução à administração. 3 ed. São Paulo: Atlas, SNELL, Scott A., BATEMAN, Thomas S..Administracao: construindo vantagem competitiva.1.ed. Sao Paulo : Atlas, p. 3. JUCIUS, Michael J..Introducao a administracao.2.ed. Sao Paulo : Atlas, p. Anatomia : A disciplina de Anatomia I inclui o estudo de: Introdução ao estudo da anatomia; Sistema esquelético; Articulações; Sistema muscular; Sistema respiratório; Sistema digestório; Sistema circulatório; Sistema urinário; Sistema reprodutor masculino e Sistema reprodutor feminino. : 01 - INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA. Posição anatômica Conceitos de normal, variação, anomalia e monstruosidade Eixos e planos do corpo humano Termos de posição e direção

2 Princípios de construção corpórea Conceito de Anatomia Divisões da Anatomia Métodos utilizados no estudo da Anatomia Divisão do Corpo Humano Nomenclatura Anatômica 02 - SISTEMA ESQUELÉTICO. Conceito de esqueleto Funções do esqueleto Classificação dos ossos Divisão do esqueleto Número de ossos do corpo humano Arquitetura óssea Esqueleto Principais ossos do corpo humano ARTICULAÇÕES. Conceito de articulações Classificação das articulações Movimentos articulares Articulações fibrosas Articulações cartilagíneas Articulações sinoviais 04 SISTEMA MUSCULAR. Tipos de músculos Classificação dos músculos Inervação e nutrição Ações musculares Músculos estriados esqueléticos Principais músculos axiais do corpo humano Principais músculos dos membros 05 - SISTEMA CIRCULATÓRIO. Coração e vasos da base Esqueleto cardíaco Artérias, veias e capilares Sistema linfático Pericárdio Principais artérias do corpo humano Principais veias do corpo humano 06 - SISTEMA RESPIRATÓRIO. Divisão: porção condutora e respiratória Nariz e cavidade nasal Faringe Laringe Traquéia Pulmões Pleura Mecânica respiratória 07 - SISTEMA DIGESTÓRIO.

3 Divisão Boca e cavidade bucal Glândulas anexas Tubo digestório 08 - SISTEMA URINÁRIO. Anatomia macroscópica do rim Ureteres Bexiga Uretra masculina e feminina 09 - SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO. Testículos Epidídimo Ducto deferente Ducto ejaculatório Glândulas acessórias Pênis 10- SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Ovários Tubas uterinas Útero Vagina Órgãos genitais externos Básica: DANGELO, J.G., FATTINI, C.A. Anatomia Humana Sistêmica e Segmentar. 3 0 ed. Rio de Janeiro: Atheneu, p. SOBOTTA, J. Atlas de Anatomia Humana ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p. NETTER, F.H. Atlas de Anatomia Humana. 4 0 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, p. Complementar: ZORZETTO, N.L. Curso de Anatomia Humana. 8 0 ed. São Paulo: Edipro, p. MOORE, K. L., DALLEY, A. F. Anatomia orientada para a clínica. 5.ed., Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan, ROHEN, J. N., YOKOCHI, C., LÜTJEN-DRECOLL, E. Anatomia humana. Atlas fotográfico de anatomia sistêmica e regional. 6.ed., São Paulo: Manole, SPENCE, A. P. Anatomia humana básica. 2.ed., São Paulo: Manole, Biofísica A disciplina irá abordar os conceitos da física aplicados aos sistemas corporais e à eletroterapia como recurso terapêutico. Conceitos básicos da biofísica, potenciais de ação, eletricidade, ondas sonoras, termologia, biomecânica das alavancas. - Grandezas fundamentais e derivadas - Membranas e potenciais de ação - Corrente elétrica, pulsos, voltagem, freqüência - Biofísica ultrassônica - Fontes de calor, reações fisiológicas ao calor

4 - Tipos de alavancas BÁSICA: Garcia, E. A. C. Biofísica. São Paulo; Sarvier Heneine, I. F. Biofísica Básica. São Paulo; Atheneu Starkey, C. Recursos Terapêuticos em Fisioterapia. Manole, COMPLR Okuno, E ; Caldas, I. L. ; Chow, C. Física para Ciências Biológicas e Biomédicas. Harbra Guyton, A. Tratado de Fisiologia Médica. RJ: G. Koogan Delisa, J. A.; Gans, B. M. Tratado de Medicina de Reabilitação, princípios e prática. Manole, Biologia Vírus, células procariontes, bases macromoleculares da organização celular, organelas celulares transdutoras de energia, membrana plasmática, comunicações celulares por meio de sinais químicos, motilidade celular, células vegetal, estrutura nuclear e ciclo celular. 1. AULAS TEÓRICAS 1. Apresentação e introdução à biologia. 2. Bases macromoleculares da organização celular 3. Células procariontes e eucariontes 4. Célula animal x célula vegetal 5. Membrana Plasmática e digestão intracelular 6. Transporte através de membranas 7. Organelas celulares transdutoras de energia 8. Estrutura nuclear e ciclo celular. Noções de citogenética 9. Os vírus e suas relações com as células 2. AULAS PRÁTICAS 1. Apresentação do laboratório de microscopia óptica comum 2. Estrutura do microscópio óptico (M.O.C.) -Métodos de estudo. Propriedades e limite de resolução. 3. Observação de lâmina permanente no M.O.C. - técnicas e treinamento. 4. Identificação de algumas organelas celulares no M.O.C. em células animais e em células vegetais. Bibliografia Básica: 1. ALBERTS, B.; BRAY, D.; LEWIA, J.; RAFF, M.; ROBERTS, K. & WATSON, J.D. Biologia molecular da célula. Arte Médica. Porto Alegre, JUNQUEIRA, L.C., CARNEIRO, J. Biologia celular e molecular. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p.

5 3. DE ROBERTIS, E. D. P. & DE ROBERTIS Jr. Bases da Biologia Celular e Molecular. Guanabara Koogan. Rio de Janeiro, 2a ed Bibliografia complementar: 1. COOPER,J. M.; HAUSMAN, R.E. A célula: uma abordagem molecular.artmed. Porto Alegre, ALBERTS, B.; BRAY, D.; LEWIA, J.; RAFF, M.; ROBERTS, K. & WATSON, J.D. Biologia molecular da célula. Arte Médica. Porto Alegre, ALBERTS, B. Fundamentos da biologia celular: uma introdução à biologia molecular da célula. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, p. FISIOTERAPIA GERAL I A disciplina visa orientar o aluno, através da terapia de aparelhos mecânicos, para a indicação correta dos equipamentos, que podem agrupar-se em: facilitadores de movimentos, resistência ao movimento, propriocepção e tração do esqueleto axial. Introdução à Mecanoterapia; Andadeiras; Barras Paralelas; Guia abdutora; Tábua de Inversão e Eversão; Escada Deitada para Marcha; Prancha de Madeira; Tábua Basculante; Barra de Ling; Mesa Ortostática; Rampa com Degraus; Escada Progressiva; Pesos e Polias; Halteres; Roda de Ombro; Escada Dígita; Rolo de Punho; Flexor de Dedos; Prono Supinador; Tábua de Quadríceps; Bicicleta Estacionária; Teste de Resistência Máxima; Mesa de Bonet; Exercitador de Tornozelo; Aparelhos para Propriocepção: - Cama elástica; - Skate; - Balancin; - Pranchas de Freeman.

6 Muletas e Bengalas; Cadeira de Rodas; Tração Cervical; Tração Lombar. BÁSICA: - DELISA, J. A. Tratado de Medicina de Reabilitação: princípio e prática. 3.ed. Sao Paulo: Manole, KOTTKE, F. J.; STILLWELL, G. K.; LEHMANN, J. F. Krusen: Tratado de Medicina Física e Reabilitação. 4ª ed. São Paulo, Manole, TARANTO, G.; DUESTERHAUS, M. A.; MINOR, S.. Procedimentos e Cuidados com o Paciente. 4.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, COMPLR: - GARDINER, D. Manual de Terapia por Exercícios. 4ª ed. São Paulo; Santos Livraria, KISNER, C.; COLBY, L. A. Exercícios Terapêuticos: Fundamentos e Técnicas. 3ª ed. São Paulo: Manole, THOMSON, A.; SKINNER, A.; PERCY, J. Fisioterapia de Tidy. 12ª ed. São Paulo: Santos Livraria, FUNDAMENTOS E HISTÓRIA DA FISIOTERAPIA A disciplina visa transmitir ao aluno o grande campo de atuação que a Fisioterapia oferece, proporcionando formação básica de natureza teórica. Ajuda o aluno a compreender as características básicas do curso para a formação do profissional, procurando discutir globalmente os aspectos da profissão nos sistemas de saúde, sócioeconômico e educacional, bem como a atuação social da Fisioterapia e sua participação na solução de problemas da comunidade e enfatizar o papel a desempenhar pelo futuro profissional da Fisioterapia. Discute ainda, com bases históricas o surgimento da Fisioterapia no Brasil e no Mundo, o ensino da mesma no Brasil, a legislação, postura profissional e mercado de trabalho. Aspectos Gerais da Fisioterapia; História da Fisioterapia; Definições de Fisioterapia; Definições de Reabilitação; Objetivos da Fisioterapia; Legislação da Fisioterapia no Brasil; Autonomia e Plenitude Profissional: Um Direito do Fisioterapeuta; Áreas com as quais a Fisioterapia se relaciona; Campo de atuação e Mercado de Trabalho; O Processo de Reabilitação; Avaliação Fisioterapêutica. BÁSICA: HAYES, K. W.. Manual de Agentes Físicos: recursos terapêuticos. 5.ed. Porto Alegre: Artmed, 2002.

7 KISNER,C.; COLBY, L. A. Exercícios Terapêuticos: fundamentos e técnicas. 2ª Ed. São Paulo: Manole, REBELATTO, J. R.; BOTOMÉ, S. P. Fisioterapia no Brasil Perspectivas de Evolução como Campo Profissional e como Área de Conhecimento. 2ª ed. São Paulo, Manole, COMPLR: CULLEN, K. E.; O SULLIVAN, S. B.; SCHMITZ, T. J. Fisioterapia, Tratamento, Procedimentos e Avaliação. São Paulo: Manole, TARANTO, G.; DUESTERHAUS, M. A.; MINOR, S.. Procedimentos e Cuidados com o Paciente. 4.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, STARKEY, C.. Recursos Terapêuticos em Fisioterapia. 2.ed. Barueri: Manole, Psicologia A disciplina visa fornecer ao aluno temas específicos da Psicologia com aplicabilidade na Fisioterapia, como elementos funcionais dentro dos processos terapêuticos e de reabilitação do ser humano, através dos estudos teóricos e da aplicação na prática da fisioterapia. 1. Conceitos de Psicologia 2. O Aprendizado e seu processo 3. Psicologia do Desenvolvimento Jean Piaget 4. A Personalidade em Desenvolvimento Eric Erickson 5. Motivação: O porquê do Comportamento. 6. Emoções na Saúde e na doença 7. O deficiente e sua Imagem efeitos psicológicos 8. O Estresse e seu tratamento 9. O significado da Doença 10. Relacionamento: o Profissional da Saúde e o doente. 11. A Terceira Idade: físico, cognitivo e psicossocial 12. Enfrentando a Morte e a Perda. 13. Visita Técnica à Casa da Criança Tupã, SP Observação: Outras indicações bibliográficas poderão ser sugeridas no decorrer do semestre. Bibliografia Básica: BOCK, A. M. et Al. Psicologia Uma Introdução ao estudo de Psicologia. São Paulo: Saraiva, DOWNIE, P.A. Neurologia para à Fisioterapeutas. São Paulo: Panamericana. 4ª ed., PAIVA, M.R. Feliz Ano Velho. São Paulo: Mandarim, 2001.

8 Bibliografia Complementar: MANTOAN, M. T.E. A integração de Pessoas com deficiência: contribuições para uma reflexão sobre o tema. São Paulo: Memnon SENAC., PECCI, J.C. Minha Profissão é Andar. São Paulo: Summus, TELES, M. L. S. O que é Psicologia? 10 ed. São Paulo: Brasiliense, Sociologia O desenvolvimento científico e a correspondência com a vida social. O pensamento dos precursores da sociologia. Relações dos indivíduos e a sociedade. As principais instituições da sociedade e o processo de institucionalização. Desigualdades Sociais no Brasil e no mundo. 1. O que é Ciência 1.1 Características do pensamento científico; 1.2 O método científico; 1.3 Tipos de conhecimento 2. Alguns conceitos fundamentais 2.1 Status Social 2.2 Estratificação Social 2.3 Cultura 2.4 Ideologia 3. Precursores da Sociologia 3.1 Pensamento positivista de Auguste Comte e Emile Durkheim 3.2 Pensamento de Max Weber e Karl Marx 4. Individuo e Sociedade 4.1 Estrutura Social 4.2 Globalização 5. Instituições Sociais 5.1 Principais instituições da sociedade: família, educação, religião, política. 5.2 Processo de institucionalização. 6. Desigualdades Sociais no Brasil e no mundo. 6.1 Os impactos da Globalização no sistema capitalista. 6.2 Desigualdade Mundial: Colonialismo e Mercantilismo 7. Sociologia e a prática social comunitária Básica: ADORNO, Theodor W. Introdução à sociologia. São Paulo: Unesp, CHARON, Joel M. Sociologia. 5. ed. São Paulo: Saraiva, LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Sociologia geral. 7.ed. São Paulo: Atlas, 2009.

9 Complementar: OLIVEIRA, Pérsio Santos de. Introdução à sociologia. 24. ed. São Paulo: Ática, BAUMAN, Zygmunt.Aprendendo a pensar com a sociologia.1.ed. Rio de Janeiro : Jorge Zahar, p. MARTINS, Jose De Souza, FORACCHI, Marialice Mencarini.Sociologia e sociedade: leituras de introducao a sociologia.1.ed. Rio de Janeiro : s.ed., p. 2 termo Anatomia II : A disciplina de Anatomia I inclui o estudo de: Sistemas em gerais para que o aluno tenha uma noção da constituição e localização dos diversos órgãos e partes do corpo, construindo assim um senso crítico da formação do corpo humano, que será base para outras disciplinas basicas e clínicas. : 1- Sistema nervoso central. 2- Sistema nervoso periférico. 3- Principais formações cranianas. 4- Músculos da cabeça e pescoço. 5- Acidentes ósseos da coluna vertebral. 6- Músculos do dorso. 7- Acidentes ósseos dos óssos torácicos. 8- Músculos do tórax. 9- Músculos do abdome.parede ântero-lateral. Parede posterior. 10- Acidentes ósseos dos ossos do membro superior. 11- Nervos espinhais. Plexo nervosos. Plexo cervical. Plexo braquial Músculos do membro superior. Músculos do ombro, braço, antebraço e mão. 13 Acidentes ósseos dos ossos do membro inferior. 14 Plexo lombossacral. 15 Músculos do membro inferior. Músculos da região glútea, coxa, perna e pé. Básica: DANGELO, J.G., FATTINI, C.A. Anatomia Humana Sistêmica e Segmentar. 3 0 ed. Rio de Janeiro: Atheneu, p. NETTER, F.H. Atlas de anatomia humana. 4.ed., Rio de Janeiro: Elsevier, SOBOTTA, J. Atlas de Anatomia Humana ed. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan, p. Complementar: MOORE, K. L., DALLEY, A. F. Anatomia orientada para a clínica. 5.ed., Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan, ROHEN, J. N., YOKOCHI, C., LÜTJEN-DRECOLL, E. Anatomia humana. Atlas fotográfico de anatomia sistêmica e regional. 6.ed., São Paulo: Manole, 2007.

10 SPENCER, A. P. Anatomia humana básica. 2.ed., São Paulo: Manole, TORTORA, G. J. Corpo humano. Fundamentos de anatomia e fisiologia. 4.ed., Porto Alegre: Artmed, BASES E MÉTODOS DE AVALIAÇÃO I A Disciplina propicia conhecer os conceitos que facilitarão o entendimento do conteúdo de uma avaliação em fisioterapia dados pessoais, apresentação do paciente, queixa principal, história, exame físico, grau de disfunção e o objetivo do tratamento, abordando o conhecimento do corpo humano, os possíveis achados físicos dos pacientes que procuram o serviço de fisioterapia e, as técnicas e métodos empregados para colher e interpretar determinado grau de disfunção. Introdução: Ato Terapêutico - Relação Terapeuta-Paciente-Família. A Avaliação Fisioterapêutica - Dados pessoais: Nome, Endereço, Idade, Sexo, Estado Civil, Cor/Raça, Dominância, Procedência, Nacionalidade, Naturalidade, Profissão. Diagnóstico Clínico (D.C.) / Hipótese Diagnóstica (H.D.) Queixa Principal (Q.P.) / Expectativa do Paciente História da Moléstia Atual (H.M.A.); História da Moléstia Pregressa (H.M.P.) História Familiar (H.F.); História Social (H.S.); História Profissional (H.P.) Dados Vitais - Pressão Arterial (P.A.); Temperatura (Tº) - Freqüência Cardíaca (F.C.); Freqüência Respiratória (F.C.) Exames Complementares Exame Físico Pulsos Periféricos Goniometria Tônus e Trofismo Perimetria Reflexos Tendinosos Exame Motor Exame do Equilíbrio Exame da Sensibilidade Exame da Coordenação Avaliação Postural Exame da Marcha Ausculta Pulmonar Ausculta Cardíaca BÁSICA: - CULLEN, K. E.; O SULLIVAN, S. B.; SCHMITZ, T. J. Fisioterapia, Tratamento, Procedimentos e Avaliação. São Paulo: Manole, GALHARDO, I. Propedêutica Neurológica Essencial. São Paulo: Pancast Editorial, RAMOS JR., J. Semiotécnica da Observação Clínica. 7ª ed., São Paulo: Sarvier, COMPLR:

11 - HOPPENFELD, S. Propedêutica Ortopédica: Coluna e Extremidades. 2ªed., Rio de Janeiro: Atheneu, CARVALHO, A. A..Semiologia em Reabilitação. São Paulo: Atheneu, SWARTZ, M. H..Semiologia: anammese e exame fisico. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, Bioestatística Conceitos estatísticos. Técnicas de amostragem. Estatística descritiva. Representações gráficas. Estatística Analítica. Testes de hipóteses. Pressupostos para utilização de testes estatísticos paramétricos e não paramétricos para dados contínuos. Pressupostos para utilização de testes estatísticos para dados nominais e ordinais. Descrição de procedimentos estatísticos. 1. Introdução a Bioestatística. 2. Variáveis e escalas de medida. 3. População e amostra. 4. Tabulação de dados e utilização de programas. 5. Estatística Descritiva distribuição de freqüências, medidas de posição ou tendência central e medidas de dispersão. 6. Representação gráfica 7. Distribuição normal dos dados. Testes de normalidade 8. Estatística Analítica Conceito e formulação de hipóteses, valor de P e tipo de erros 9. Estatística Analítica bases para aplicação de técnicas de análise. 10. Estatística Analítica pressupostos e testes para análise de dados numéricos (quantitativo ou contínuo) 11. Estatística Analítica pressupostos para análise de dados numéricos (quantitativo ou contínuo) 12. Estatística Analítica pressupostos para análise de dados categóricos (qualitativo: nominal e ordinal) Bibliografia Básica DORIA FILHO, U. Introdução á bioestatística: para simples mortais. 11º ed. reimpressão. Editora Elsevier: Rio de Janeiro, VIEIRA, S. Introdução à bioestatística. 4 0 ed. Editora Elsevier: Rio de Janeiro, TRIOLA, M.F. Introdução à estatística. Rio de Janeiro: LTC, Bibliografia Complementar MORETTIN, L. G. Estatística básica: Probabilidade. 6.ed. São Paulo: Makron, MORETTIN, L.G. Estatística básica: Inferência. São Paulo: Makron, BUSSAB, W.O; MORETTI,P.A. Estatística básica. 5 0 ed. Editora Saraiva: São Paulo, BIOQUÍMICA Estrutura e função das biomoléculas: carboidratos, lipídeos e proteínas; - Metabolismo energético em diferentes condições (Reações de óxido-redução, Fosforilação, Metabolismo de carboidratos, lipídeos e proteínas, Ciclo de Krebs,

12 Gliconeogênese e correlações metabólicas); - Bioquímica da Contração muscular: aspectos morfológicos da musculatura, fontes de energia nos diferentes tipos de exercício e no repouso e doenças associadas a defeitos metabólicos nestas fibras (por exemplo distrofias e miastenia). ph e Sistema Tampão Química de aminoácidos Proteínas / Reação de coloração e precipitação de proteínas Enzimas Química de carboidratos Introdução ao Metabolismo (Oxidações Biológicas e Fosforilação Oxidativa) Química e Metabolismo de lipídeos Ciclo de Krebs Via Glicolítica e Via das Pentoses-Fosfato Metabolismo de aminoácidos e ciclo da uréia Metabolismo do Glicogênio e Gliconeogênese Inter-relações metabólicas Bioquímica da contração muscular Básica Lehninger, A. L. Princípios de Bioquímica. Segunda edição..ed. Sarvier, Marzzocco, A. & Torres, B. B. Bioquímica Básica..Segunda edição. Ed. Guanabara Koogan, PRATT, C. W; VOET, D. Fundamentos de bioquimica.1.ed. Porto Alegre : Artmed, Complementar CHAMPE, P C.Bioquimica ilustrada.3.ed. Porto Alegre : Artmed, Stryer, L. Bioquímica. Quarta edição. Ed. Guanabara Koogan, Devlin, T. Manual de Bioquímica com correlações clínicas. São Paulo. Ed. Edgard Blucher Ltda, CINESIOTERAPIA I A disciplina destina-se ao estudo de conceitos que facilitam o entendimento da ação do movimento sobre o desenvolvimento do corpo humano e estuda também as leis do desenvolvimento osteo-articular. Além destes, estuda os Exercícios Terapêuticos (tipos, execução e manobras), técnicas de relaxamento e estimulação locais e globais, propriocepção e alterações posturais. Com isto, o aluno deverá estar apto a elaborar protocolos de intervenção utilizando-se de séries, métodos e técnicas de tratamento. Introdução ao estudo da Cinesioterapia: - Definição; - Objetivos. Ação do movimento sobre o desenvolvimento do corpo humano: - Leis do desenvolvimento ósteo-articular; - Lei de ossificação e crescimento; - Lei de alternância de Godin; - Lei de Delpech. Posições fundamentais para a execução de exercícios terapêuticos:

13 - Básicas: em pé, ajoelhado, sentado, deitado, em suspensão; - Intermediárias: de gato, semi-ajoelhado. Planos anatômicos de movimentação. Exercícios Terapêuticos: - tipos, execução, manobras, indicações, contra-indicações. Auto-alongamento / alongamento ativo. Exercícios de Kegel e Ginástica Hipopressiva. Exercícios de Peet. Técnicas de relaxamento: - Métodos globais; - Técnicas localizadas (para relaxamento e estimulação). Terapia em Grupos: - Idosos, mastectomizadas, gestantes, coluna, lesados medulares. Propriocepção (joelho e tornozelo). Cifoses, lordoses e escolioses: - Tratamento clássico; - Série de Willians; - Marchas Quadrupédicas de Klapp. BÁSICA: - ALTER, M. J. Alongamento para os Esportes. 2ª ed. São Paulo, Manole, HALL, C. M.; BRODY, L. T. Exercício Terapêutico: na busca da função. 2.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, KISNER, C.; COLBY, L. A. Exercícios Terapêuticos: Fundamentos e Técnicas. 2ª ed. São Paulo, Manole, COMPLR: - ANDERSON, B. Alongue-se. São Paulo, Summus Editorial, GARDINER, M. D. Manual de Terapia por Exercícios. 4ª ed. São Paulo, Santos Livraria, GENOT, C. et.al., Cinesioterapia: Principios, avaliações passivas e ativas do aparelho locomotor. Sao Paulo: Panamericana, LAPIERRE, A. A Reeducação Física. São Paulo, Manole, HISTOLOGIA Métodos de Estudo. Tecido Epitelial de Revestimento. Tecido Epitelial Glandular. Tecido Conjuntivo. Tecido Adiposo. Tecido Cartilaginoso. Tecido Ósseo. Tecido Nervoso. Tecido Muscular. 1. Métodos de Estudo 1.1 Preparação de Tecidos 1.2 Tipos de Microscopia 2. Tecido Epitelial de Revestimento 5.1 Simples 5.2 Estratificado 5.3 Tipos Especiais 3. Tecido Epitelial Glandular 6.1 Endócrino 6.2 Exócrino

14 4. Tecido Conjuntivo 7.1 Fibras e Substância Fundamental Amorfa 7.2 Células 5. Tecido Cartilaginoso 9.1 Cartilagem Hialina 9.2 Cartilagem Elástica 9.3 Fibrocartilagem 6. Tecido Ósseo 10.1 Células 10.2 Classificação 10.3 Ossificação 7. Tecido Nervoso 11.1 Células 11.2 Sistema Nervoso Central 11.3 Sistema Nervoso Periférico 8. Tecido Muscular 12.1 Morfologia e Histofisiologia 12.2 Músculo Estriado Esquelético 12.3 Músculo Estriado Cardíaco 12.4 Músculo Liso BÁSICA GARTNER, L. P.; HIATT, J. L.Tratado de Histologia. 3ªed. Rio de Janeiro: Elsevier p. JUNQUEIRA, L. C.; CARNEIRO J. Histologia Básica. 11ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p. ROSS, H. M.; REITH, E.J.; ROWRELL, J. L. Histologia Texto e Atlas. 2ª ed. Rio de Janeiro: Editorial Médica Panamericana, p. COMPLR DI FIORE, M. S. H. Atlas de Histologia. 7ª ed. Rio Janeiro: Guanabara Koogan, p GARTNER, L.P.; HIATT, J.L. Atlas Colorido de Histologia. 4ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p. SOBOTTA, J. Atlas de Histologia. 7ª ed. Rio Janeiro: Guanabara Koogan, p. METODOLOGIA CIENTÍFICA A disciplina analisa os diferentes níveis de conhecimento, os principais métodos e técnicas científicas com ênfase na elaboração de um pré-projeto de pesquisa e orientação para as normas técnicas de citação e referências bibliográficas. Métodos e técnicas de trabalhos científicos: fichamentos, resenhas e resumos. Elementos de um artigo científico; Elementos de um pré-projeto de pesquisa; Bibliografia Básica: AZEVEDO, Carlos Alberto Moreira; AZEVEDO, Ana Gonçalves de. Metodologia

15 científica: contributos práticos para elaboração de trabalhos acadêmicos. 9. ed. Lisboa: Universidade Católica Editora, FREIXO, Manuel João Vaz. Metodologia científica: fundamentos, métodos e técnicas. Lisboa: Instituto Piaget, GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projeto de pesquisa. 3. ed. São Paulo: Atlas, LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica. 7. ed. rev. ampl. São Paulo: Atlas, Bibliografia Complementar: GONSALVES, Elisa Pereira. Conversas sobre iniciação à pesquisa científica. 4. ed. Campinas: Alínea, KÖCHE, José Carlos. Fundamentos de metodologia científica: teoria da ciência e iniciação à pesquisa. 28. ed. Petrópolis: Vozes, LUDWIG, Antonio Carlos Will. Fundamentos e prática de Metodologia Científica. Petrópolis: Vozes, Saúde Pública Estudo da ocorrência, distribuição e dos determinantes de agravos à saúde da população, de forma a reconhecê-los e desenvolve-los. Estudo da oferta de serviços de saúde e o modo como são organizados usando como modelos o Programa de Saúde da Família. Despertar o aluno para a importância da equipe multiprofissional dentro da saúde pública. 1. Epidemiologia. 2. Saúde Mental 3. Saúde Física 4. Saúde Emocional. 5. Organização do Sistema Único de Saúde. 6. Organização do Programa de Saúde da Família. 7. Equipe multidisciplinar 8. Contribuição da Fisioterapia no contexto dos postos de saúde. 9. Promoção de Saúde por meio da prevenção. 10. Orientações domiciliares aos familiares. 11. Doenças mais estudadas em Saúde Pública. 12. Doenças Transmissíveis Sexualmente. 13. Doenças Crônico Degenerativas e Metabólicas. 14. Saúde da criança, adolescente, da mulher, do homem e do idoso. Básica 1. BAKER, D. J.P. Introdução à epidemiologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, BEAGLHOLE, R. Epidemiologia básica. São Paulo: Livraria e Editora Santos, RATELLE, Sylvie (coord.).testes preparatorios: medicina preventiva e saude publica perguntas e respostas comentadas.8.ed. Sao Paulo : Manole, p. COMPLR: 1. LIANZA, S. Medicina de reabilitação. 3ed.Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2001, 463p. 2. SOUNIS, E. Epidemiologia geral e especial. São Paulo: Atheneu, SOERENSEN, Bruno, MARULLI, Kathia Brienza B..Manual de saude publica.1.ed. Marilia : UNIMAR, p.

16 3 Termo BASES E MÉTODOS DE AVALIAÇÃO II A Disciplina propicia conhecer os conceitos que facilitarão o entendimento do conteúdo de uma avaliação em fisioterapia. Aborda a avaliação fisioterapêutica nas especialidades clínicas, avaliando o estado do paciente e o seu grau de disfunção. Enfoca os métodos de investigação e exploração do corpo humano, estabelecendo as bases para a aplicação e desenvolvimento das técnicas de terapia, testes, manobras e funções das capacidades de determinadas estruturas do organismo. Introdução à Avaliação Fisioterapêutica Exame Físico; Exame da Articulação Têmporo Mandibular (A.T.M.); Exame da Coluna Cervical, Torácica e Lombar; Exame do Quadril e da Pelve; Exame do Ombro; Exame do Cotovelo; Exame da Mão e do Punho; Exame do Joelho; Exame do Tornozelo e Pé. BÁSICA: - BIENFAIT, M. Os Desequilíbrios Estáticos: fisiologia, patologia e tratamento fisioterápico. 2 ª ed. São Paulo: Summus Editorial, CULLEN, K. E.; O SULLIVAN, S. B.; SCHMITZ, T. J. Fisioterapia, Tratamento, Procedimentos e Avaliação. São Paulo: Manole, HOPPENFELD, S. Propedêutica Ortopédica: coluna e extremidades. Rio de Janeiro: Atheneu, COMPLR: - CARVALHO, A. A.. Semiologia em Reabilitação. São Paulo: Atheneu, LIPPERT, L. Cinesiologia Clínica para Fisioterapeutas. 2ª ed. Rio de Janeiro: Revinter, RAMOS JR., J. Semiotécnica da Observação Clínica. 7ª ed. São Paulo: Sarvier, Cinesiologia I Estudar em teoria, a ciência do movimento do corpo, desde a estrutura e funções do músculo esquelético, o mecanismo de contração muscular, a mecânica do equilíbrio e o centro de gravidade, a mecânica do tórax e músculos respiratórios e a biomecânica do movimento. Na prática, as provas de função muscular, ação de cada músculo e seus acessórios e a origem e inserção dos mesmos. Tendo como a importância a formação profissional adequada para uma futura atuação fisioterapêutica. TEÓRICA:

17 Estrutura e função do músculo esquelético. Mecanismo de contração muscular. Tipos de contração muscular. Classificação dos músculos. Cadeia cinética fechada e aberta. Potencial de ação. Sentidos somáticos. Fuso muscular. Órgãos Tendinosos de Golgi. Tônus muscular. Definição de fraqueza, fadiga, contratura e encurtamento. Biomecânica e Introdução das leis de movimento e força. Sistemas de alavancas. Centro de gravidade e Equilíbrio. Músculos da face e suas funções. Mecânica do tórax e músculos da respiração. PRÁTICA: Músculos do pescoço e cintura escapular, ombro, punho e mãos (MMSS). Músculos do tronco e quadril. Joelho, tornozelo e pés (MMII). Provas de Função Muscular Ação. Origem e inserção. Musculatura acessória. Básica: DANIELS, L. WORTHINGHAM, C. Provas de Função Muscular: técnicas de exame manuais. 5ªedição, Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, KONIN, J.N. Cinesiologia prática para fisioterapeutas. 1ªedição. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, RASCH, P.J; BURKE, R. kinesiologia y anatomia aplicada: la ciencia del movimento humano, 4ªedição. Barcelona: El Ateneo, Complementar: GAYTON. Tratado de Fisiologia Médica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, LEHMKUHL, L.D. SMITH, L.K. Cinesiologia Clínica de Brunnstrom. 4ªedição. São Paulo: Manole, LIPPERT, L.S. Cinesiologia clínica para fisioterapeutas. 3ªedição. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, HALL, S.J. Biomecânica Básica. 4ª edição. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, Revistas: CINESIOTERAPIA II A Disciplina destina-se ao estudo da Reeducação Funcional Geral e Específica, além do estudo de Métodos Posturais Corretivos. Será abordada a aplicação dos exercícios terapêuticos agrupados em diferentes técnicas ou métodos de tratamento, tais como tratamento neuro-evolutivo, técnicas de propriocepção, reeducação postural global, técnicas de cadeias musculares, kabat, bobath, exercícios pendulares, entre outros. - Definição de condições clínicas resultantes de lesões ou traumatismos.

18 - Estágios de inflamação e reparo em articulações e tecidos conectivos. - Reeducação Funcional Geral: alinhamento corporal e postural. - Reeducação Funcional Específica de vários segmentos: coluna, ombro, cotovelo, punho, quadril e joelhos. - Métodos e técnicas de correção: Série de Willians, Série de Nicholas, Exercícios de Frenkell, Exercícios de Peet, Exercícios Pendulares de Coodman. - Noções de Método Kabat, RPG (Reeducação Postural Global), Isostretching, Cadeias Musculares, Manobras Miofasciais. BÁSICA BIENFAIT, M. Os Desequilíbrios Estáticos. São Paulo: Summus, HALL, C.M. Exercício Terapêutico na busca da função. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, KISNER,C.; COLBY, L. A. Exercícios Terapêuticos: fundamentos e técnicas. 2ª Ed. São Paulo: Manole, COMPLR LIPPERT, L. S.. Cinesiologia Clínica para Fisioterapeutas. 3.ed. Rio de Janeiro: Guanabara koogan, MARQUES, A. P. Cadeias Musculares: um programa para ensinar avaliação fisioterapêutica global. São Paulo: Manole, VOSS, M. Facilitação Neuromuscular Proprioceptiva. São Paulo: Panamericana, ÈTICA E DEONTOLOGIA A disciplina aborda textos de enfoque na ética Pessoal, Social, Política e Profissional, pois estas abordagens motivam melhor as discussões em sala. As aulas direcionarão lógicas de raciocínio para as questões polêmicas sobre bioética, comportamentos sociais, e humanização. O Código de Ética da Fisioterapia será apresentado em grupos, onde os alunos terão livre escolha de dramatização na abordagem. - Introdução à ética geral - Tipos de abordagem ética para o meio, influências culturais - Ética social, política, conjugal, familiar e profissional - Direitos do Paciente e Bioética - Código de ética da Fisioterapia BÁSICA: Bernard, J. Da Biologia à Ética: Bioética. São Paulo: Taricano Viana, M. G. Ética Geral e Profissional. Porto: Livraria Figueirinhas Badeia, M. Ética e Profissionais da Saúde. Santos, COMPLR: Vasquez, A. S. Ética. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira Conselho Federal de Medicina. Iniciação à Bioética. Brasilia: C.F.M Oliveira, M. A. Ética e Práxis Histórica. Ed. Cortez, Fisiologia I

19 A disciplina se propõe a estudar os sistemas: músculo esquelético, transporte de membranas, sistema circulatório (sangue e linfa), e sistema cardiovascular, focando seus respectivos funcionamentos normais e relacionando os mesmos com algumas disfunções, para que o futuro profissional possa fazer as correlações necessárias em suas atividades práticas. 1- Composição e função muscular 2- Composição e função das membranas celulares 3- Composição e função do sangue e linfa 4- Estrutura e função cardíacas 5- Grande e pequena circulações 6- Pressões sanguíneas e sistema de regulação BÁSICA: - Guyton, A. C. & Hall, J. E. Tratado de Fisiologia Médica. Ed. Elsevier Aires, M. M. Fisiologia. RJ: G. Koogan Hansen, J. T.; Koeppen, B. M. Atlas de Fisiologia Humana de Netter. Artmed, COMPLR - Douglas, A. C. Tratado de Fisiologia Aplicada à Saúde. RJ: G. Koogan Levy, M. N. ; Koeppen, B. M. ; Stanton, B. A. Fundamentos de Fisiologia. Ed. Elsevier Rhoades, R. A. ; Tanner, G. A. Fisiologia Médica. RJ: G. Koogan FISIOTERAPIA GERAL II Fundamentos da temperatura corporal. Estudo dos métodos e técnicas de eletro-termofototerapia, abrangendo seus conceitos, efeitos fisiológicos, indicações e contra-indicações e aplicabilidade. Fundamentos da hidroterapia, princípios físicos da hidroterapia, indicações, contra-indicações, efeitos fisiológicos, precauções e aplicabilidade de diferentes métodos de técnicas e de hidroterapia. Noções dos métodos hidroterápicos de Bad Ragaz, Halliwick e Watsu. 1. TEMPERATURA CORPORAL. 2. TERMOTERAPIA: Considerações gerais; Efeitos Fisiológicos do calor; Aplicações de calor; Transporte de calor; Técnicas de termoterapia; Forno de Bier; Parafina. 3. FOTOTERAPIA E ACTINOTERAPIA: Considerações gerais; Radiações óticas e efeitos fisiológicos; Fototerapia: radiação infravermelha; Actinoterapia: radiação ultravioleta; 4. HIDROTERAPIA:

20 Considerações gerais; Efeitos fisiológicos da água quente e fria; Recursos, métodos e técnicas terapêuticas; Crioterapia; Imersões parciais ou totais, quentes ou frias; Banho de contraste; Massagem com gelo; Spray crioterápicos; Turbilhões; Piscina. BÁSICA: AGNE, Jones E. Eletrotermoterapia: teoria e prática. 1.ed. Santa Maria : Orium, DELISA, J. A. Tratado de Medicina de Reabilitação: princípio e prática. 3.ed. Sao Paulo: Manole, HAYES, Karen W..Manual de agentes físicos: recursos terapêuticos. 5.ed. Porto Alegre : Artmed, COMPLR: - RODL, A. L.M.; ACCACCIO, L.; SA, T. C. Fisioterapia Aquática.1.ed. Barueri : Manole, KISNER, C.; COLBY, L. A. Exercícios Terapêuticos: Fundamentos e Técnicas. 3ª ed. São Paulo: Manole, KOTTKE, F. J.; STILLWELL, G. K.; LEHMANN, J. F. Krusen: Tratado de Medicina Física e Reabilitação. 4ª ed. São Paulo, Manole, Patologia Processos patológicos básicos: Alterações estruturais. Patogenia. Significado clínico. Bloco I: 1. PATOLOGIA CELULAR Injúria celular Lesões reversíveis Morte celular 2. DISTÚRBIOS DE CRESCIMENTO E DIFERENCIAÇÃO CELULAR Regulação normal Adaptações Bloco II: 3. DESORDENS HEMODINÂMICAS Edema

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO Curso: Biomedicina (17) Ano: 2013 Semestre: 2 Período: 2 Disciplina: Anatomia Humana (Human Anatomy) Carga Horária Total: 90 Teórica: 60 Atividade Prática: 30 Prática Pedagógica: 0 Aulas Compl. Tutorial:

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISICIPLINAS DO CURSO DE FISIOTERAPIA (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISICIPLINAS DO CURSO DE FISIOTERAPIA (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISICIPLINAS DO CURSO DE FISIOTERAPIA (Currículo iniciado em 2010) ADMINISTRAÇÃO EM FISIOTERAPIA C/H 68 (2435) Introdução, princípios, bases legais e elementos da administração. Atuação da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO Curso: Nutrição (04) Ano: 2013 Semestre: 1 Período: 1 Disciplina: Anatomia Humana (Human Anatomy) Carga Horária Total: 90 Teórica: 60 Atividade Prática: 30 Prática Pedagógica: 0 Aulas Compl. Tutorial:

Leia mais

Curso de Graduação em MEDICINA Plano Curricular Pleno 2014/1

Curso de Graduação em MEDICINA Plano Curricular Pleno 2014/1 Curso de Graduação em MEDICINA Plano Curricular Pleno 2014/1 MED-100 - Unidades de Ensino da área de conhecimento das bases moleculares e celulares dos processos normais e alterados, da estrutura e função

Leia mais

Programas Seleção Conteúdo Vagas com bolsas Vagas sem bolsa Data da seleção

Programas Seleção Conteúdo Vagas com bolsas Vagas sem bolsa Data da seleção Programas Seleção Conteúdo Vagas com bolsas Vagas sem bolsa Data da seleção Processo de Trabalho em saúde: Integralidade e Cuidado do 6º ou 7º Biossegurança no trabalho, aspectos legais, suas classificações

Leia mais

Aulas Teóricas: 4 Aulas Práticas: 4 Número de Créditos: 6 Carga Horária: 144

Aulas Teóricas: 4 Aulas Práticas: 4 Número de Créditos: 6 Carga Horária: 144 BM2301 Bases Biológicas I (Morfologia) Aulas Teóricas: 4 Aulas Práticas: 4 Número de Créditos: 6 Carga Horária: 144 Introdução ao Estudo da Anatomia. Membro Superior : ossos-articulações, músculos, inervação

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Farmácia Professora: Liamara Basso Dala Costa

PLANO DE ENSINO. 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Farmácia Professora: Liamara Basso Dala Costa PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Farmácia Professora: Liamara Basso Dala Costa Email: liamara@uniarp.edu.br Período/ Fase: 1ª Fase Semestre:

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Ementas das Disciplinas CURSO DE GRADUAÇÃO DE FISIOTERAPIA ATIVIDADES COMPLEMENTARES As atividades complementares correspondem a 204 horas realizadas nos diferentes espaços proporcionados

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Licenciatura em Educação Física Disciplina: Fisiologia Humana Professor: Ricardo Marques Nogueira Filho e-mail: ricardonogfilho@ig.com.br Código: Carga Horária:

Leia mais

ODONTOLOGIA ANATOMIA HUMANA GERAL 1º Período / Carga Horária: 90 horas

ODONTOLOGIA ANATOMIA HUMANA GERAL 1º Período / Carga Horária: 90 horas ODONTOLOGIA ANATOMIA HUMANA GERAL 1º Período / Carga Horária: 90 horas 1. PRÉ-REQUISITO: Não há Pré-Requisitos 2. EMENTA: Conceito de Anatomia com as diversas formas de seu estudo. Conceito de normal,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO EMENTAS DISCIPLINAS MATRIZ 3 1º AO 3º PERÍODO 1 º Período C.H. Teórica: 90 C.H. Prática: 90 C.H. Total: 180 Créditos: 10

Leia mais

PLANO DE CURSO. MÓDULO: Organização Morfo-Funcional II CARGA HORÁRIA: 420 horas/aula TOTAL DE CRÉDITOS: 21 2º PERÍODO - SEMESTRE: 2015.

PLANO DE CURSO. MÓDULO: Organização Morfo-Funcional II CARGA HORÁRIA: 420 horas/aula TOTAL DE CRÉDITOS: 21 2º PERÍODO - SEMESTRE: 2015. 1 FACULDADE DE MEDICINA NOVA ESPERANÇA Reconhecida pelo MEC: Portaria nº 1.084, de 28 de dezembro 2007, publicada no DOU de 31 de dezembro de 2007, página 36, seção 1. PLANO DE CURSO MÓDULO: Organização

Leia mais

Sistema Nervoso. Aula Programada Biologia. Tema: Sistema Nervoso

Sistema Nervoso. Aula Programada Biologia. Tema: Sistema Nervoso Aula Programada Biologia Tema: Sistema Nervoso 1) Introdução O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas,

Leia mais

FACULDADE SANTA TEREZINHA CEST COORDENAÇÃO DO CURSO DE FISIOTERAPIA

FACULDADE SANTA TEREZINHA CEST COORDENAÇÃO DO CURSO DE FISIOTERAPIA PLANO DE ENSINO DADOS DA DISCIPLINA CÓDIGO NOME CH TOTAL PERÍODO HORÁRIO 0395 Recursos Terapeuticos Manuais PROFESSOR (ES) Profa. Esp. Maria da Consolação Rios da Silva 60 h T-40 h/p-20 h 4º MATUTINO EMENTA:

Leia mais

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 64823 MICROBIOLOGIA GERAL 17/34 ODONTOLOGIA MICROBIOLOGIA

Leia mais

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 CURSO: Fisioterapia DEPARTAMENTO: Fisioterapia DISCIPLINA: Fisioterapia Uroginecológica e Obstetrica SÉRIE: 4º. Ano PROFESSOR RESPONSÁVEL:

Leia mais

Componente Curricular: Fisioterapia nas Disfunções Posturais PLANO DE CURSO

Componente Curricular: Fisioterapia nas Disfunções Posturais PLANO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Fisioterapia nas Disfunções Posturais Código: Fisio 218 Pré-requisito: --------

Leia mais

ANEXO 1 : PROGRAMAS E BIBLIOGRAFIA SUGERIDA ANATOMIA HUMANA

ANEXO 1 : PROGRAMAS E BIBLIOGRAFIA SUGERIDA ANATOMIA HUMANA ANEXO 1 : PROGRAMAS E BIBLIOGRAFIA SUGERIDA ANATOMIA HUMANA 01. Terminologia Anatomica Médica (Posição Anatômica, Planos anatômicos, Termos de Relação Comparação, Termos de Lateralidade, Termos de movimento).

Leia mais

Faculdade da Alta Paulista PLANO DE ENSINO - ENFERMAGEM

Faculdade da Alta Paulista PLANO DE ENSINO - ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO - ENFERMAGEM DISCIPLINA SÉMESTRE PERÍODO LETIVO CARGA HORÁRIA ANATOMIA HUMANA 1ª 2014 160 hs I EMENTA Anatomia Sistêmica e Descritiva. Estudo morfofuncional dos principais sistemas orgânicos.

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Biologia Geral, Citologia e Genética Estudo da célula, seus componentes e relação com as funções

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS - 9.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS - 9.º ANO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 9.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO No domínio Viver melhor na Terra, o aluno deve ser capaz de: Compreender a importância da saúde individual e comunitária na qualidade

Leia mais

CURSO DE PILATES APLICADO ÀS LESÕES OSTEOMUSCULARES

CURSO DE PILATES APLICADO ÀS LESÕES OSTEOMUSCULARES CURSO DE PILATES APLICADO ÀS LESÕES OSTEOMUSCULARES INTRODUÇÃO Um número cada vez maior de pessoas apresenta, em seu cotidiano, atividades repetitivas e restritivas, que conduzem a uma perda do sinergismo

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS 9.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS 9.º ANO DE CIÊNCIAS NATURAIS 9.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No domínio Viver melhor na Terra, o aluno deve ser capaz de: Compreender a importância da saúde individual e comunitária na qualidade de

Leia mais

P R O G R A M A PRIMEIRA FASE

P R O G R A M A PRIMEIRA FASE UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO ESPORTE - CEFID DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - DEF CURSO: LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA CURRÍCULO: 2008/2 P R O G

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado (Currículo iniciado 2012)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado (Currículo iniciado 2012) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado (Currículo iniciado 2012) ANÁLISE BIOMECÂNICA DO MOVIMENTO (1504) C/H 68 Análise anátomo-funcional do movimento humano com ênfase no

Leia mais

H - ÁREA PROFISSIONAL FISIOTERAPIA MÚSCULO ESQUELÉTICA

H - ÁREA PROFISSIONAL FISIOTERAPIA MÚSCULO ESQUELÉTICA H - ÁREA PROFISSIONAL FISIOTERAPIA MÚSCULO ESQUELÉTICA FISIOTERAPIA EM GERIATRIA E GERONTOLOGIA Titulação: Aprimoramento e Especialização Supervisor: José Eduardo Pompeu Características: (duração 12 meses)

Leia mais

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi Fisiologia Animal Sistema Nervoso Sistema Nervoso Exclusivo dos animais, vale-se de mensagens elétricas que caminham pelos nervos mais rapidamente que os hormônios pelo sangue. Mantido vivo pela eletricidade,

Leia mais

CURSO DE FISIOTERAPIA 2007 DISCIPLINAS E EMENTAS

CURSO DE FISIOTERAPIA 2007 DISCIPLINAS E EMENTAS CURSO DE FISIOTERAPIA 2007 DISCIPLINAS E EMENTAS 1º PERÍODO ANATOMIA HUMANA I Investiga e descreve estruturas anatômicas dos seres humanos, tanto órgãos quanto sistemas, fundamentais ao curso de fisioterapia.

Leia mais

PLANO DE CURSO 4 PERÍODO ANO: 2013.2

PLANO DE CURSO 4 PERÍODO ANO: 2013.2 PLANO DE CURSO 4 PERÍODO ANO: 2013.2 CURSO: MEDICINA DISCIPLINA: SEMIOLOGIA CARGA HORÁRIA: 432 horas PROFESSOR TITULAR: Edino Jurado PROFESSORES:Cláudio Teixeira, Edilberto Paravidine, Evaldo Otal, Ézil

Leia mais

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h)

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementário: Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementa: Organização Celular. Funcionamento. Homeostasia. Diferenciação celular. Fisiologia

Leia mais

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi Fisiologia Animal Sistema Nervoso Sistema Nervoso Exclusivo dos animais, vale-se de mensagens elétricas que caminham pelos nervos mais rapidamente que os hormônios pelo sangue. Mantido vivo pela eletricidade,

Leia mais

9/30/2014. Por que engenheiros biomédicos precisam estudar anatomia e fisiologia? Introdução. Fisiologia. Anatomia

9/30/2014. Por que engenheiros biomédicos precisam estudar anatomia e fisiologia? Introdução. Fisiologia. Anatomia Por que engenheiros biomédicos precisam estudar anatomia e fisiologia? Introdução à Anatomia e Fisiologia EN2319-Bases Biológicas para Engenharia I Reginaldo K Fukuchi Universidade Federal do ABC Por que

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA INTRODUÇÃO Antonio Quaresma de Melo Neto NOVAFAPI Marcos Maciel Soares e Silva NOVAFAPI Marcelo

Leia mais

PLANO DE CURSO. EMENTA: Disciplina específica que visa embasar a avaliação fisioterápica nos aspectos teóricos e práticos.

PLANO DE CURSO. EMENTA: Disciplina específica que visa embasar a avaliação fisioterápica nos aspectos teóricos e práticos. PLANO DE CURSO CURSO: Curso de Fisioterapia DEPARTAMENTO: RECURSOS TERAPÊUTICOS E FÍSICO FUNCIONAIS DISCIPLINA: SEMIOLOGIA CRÉDITOS: 4 (4 0) PROFESSOR: LEANDRO DE MORAES KOHL EMENTA: Disciplina específica

Leia mais

A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA

A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA DEFICIENTE DIFICULDADES METODOLÓGICAS SEXO FRÁGIL (????) PARTICIPAÇÃO REDUZIDA EQUIPARAÇÃO DE RENDIMENTO CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SEXO FEMININO

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMATICO PARA PROVA DE TRANSFERÊNCIA MEDICINA UNITAU

CONTEÚDO PROGRAMATICO PARA PROVA DE TRANSFERÊNCIA MEDICINA UNITAU CONTEÚDO PROGRAMATICO PARA PROVA DE TRANSFERÊNCIA MEDICINA UNITAU PARA O 2º PERÍODO: - Bases Morfológicas Médicas I: 1-Terminologia e mecanismos do desenvolvimento. 2-Gametogênese. 3-Fertilização. 4-Desenvolvimento

Leia mais

- As Alterações dos Desvios do Eixo da Coluna Vertebral (ADEC);

- As Alterações dos Desvios do Eixo da Coluna Vertebral (ADEC); PROGRAMA DO CURSO * ESPONDILOTERAPIA Trata-se de um protocolo para avaliação, interpretação e orientação aplicado a coluna vertebral e/ou seus comprometimentos, desenvolvida e registrada pela ESCOLA SOS

Leia mais

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 PLANO DE CURSO

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 PLANO DE CURSO CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 Componente Curricular: Patologia Geral Código: FAR 314 Pré-requisito: - Período Letivo: 2015.1 Professor:

Leia mais

Anatomia Humana I N/H 72 4. Biofísica N/H 72 4. Biologia Celular e Molecular N/H 72 2. Fundamentos de Fisioterapia N/H 36 2

Anatomia Humana I N/H 72 4. Biofísica N/H 72 4. Biologia Celular e Molecular N/H 72 2. Fundamentos de Fisioterapia N/H 36 2 Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia Portaria MEC n º 1.77, de 13 de junho de 00 CURSO DE FISIOTERAPIA Estrutura Curricular 1º PERÍODO Anatomia Humana I N/H 7 Biofísica N/H 7 Biologia Celular

Leia mais

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE FAC CG

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE FAC CG UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE FAC CG CURSO: Fisioterapia TURMA: Terceiro Período A HORARIO: Segundas-feiras às 21hs (1) e Terças-feiras às 20hs10mim (2) COMPONENTE

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR FUNÇÃO: Educação para Saúde SUBFUNÇÃO OU COMPONENTE CURRICULAR: ANATOMIA

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ANATOMIA DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA GERAL DEPARTAMENTO DE HISTOLOGIA

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ANATOMIA DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA GERAL DEPARTAMENTO DE HISTOLOGIA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ANATOMIA DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA GERAL DEPARTAMENTO DE HISTOLOGIA PROGRAMA DO MÓDULO 6MOD059 CONCEPÇÃO E FORMAÇÃO DO CORPO HUMANO ODONTOLOGIA 1º ano LONDRINA

Leia mais

Lombociatalgia. www.fisiokinesiterapia.biz

Lombociatalgia. www.fisiokinesiterapia.biz Lombociatalgia www.fisiokinesiterapia.biz Conceitos Lombalgia; Lombociatalgia; Ciatalgia/Ci /Ciática; Característica região lombar Fonte: NETTER, Frank H.. Atlas de Anatomia Humana Vértebra lombar Fonte:

Leia mais

SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição novembro/2006-1 - SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO SUMÁRIO

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada A coluna cervical consiste em diversas

Leia mais

FISIOTERAPEUTAS! Cura. Diagnóstico Funcional. Bem Estar. Tratamento. Reabilitação. Prevenção O SEU MUNICÍPIO TEM MUITO A GANHAR COM A CONTRATAÇÃO DE

FISIOTERAPEUTAS! Cura. Diagnóstico Funcional. Bem Estar. Tratamento. Reabilitação. Prevenção O SEU MUNICÍPIO TEM MUITO A GANHAR COM A CONTRATAÇÃO DE O SEU MUNICÍPIO TEM MUITO A GANHAR COM A CONTRATAÇÃO DE FISIOTERAPEUTAS! Tudo o que o gestor deve saber sobre fisioterapia e como implantá-la em seu município. Cura Diagnóstico Funcional Bem Estar Qualidade

Leia mais

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Fisioterapia Preventiva Código: Fisio 212 Pré-Requisito: ------- Período Letivo:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA RESUMO SILVA 1, Thays Gonçalves ALMEIDA 2, Rogério Moreira de Centro de Ciências da

Leia mais

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do curso

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do curso ANEXO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do Metabolismo (anabolismo x catabolismo) Metabolismo de Carboidratos Metabolismo de Lipídeos Motilidade no trato gastrointestinal Introdução ao Metabolismo

Leia mais

QUADRO DE EQUIVALÊNCIA, SUBSTITUTAS E CONTIDAS FACULDADE DE ENFERMAGEM CCV 1º PERÍODO CURRÍCULO 2009

QUADRO DE EQUIVALÊNCIA, SUBSTITUTAS E CONTIDAS FACULDADE DE ENFERMAGEM CCV 1º PERÍODO CURRÍCULO 2009 QUADRO D QUIVALÊNIA, SUBSTITUTAS ONTIDAS FAULDAD D NFRMAGM V 1º PRÍODO URRÍULO 2009 DISIPLINA A DISIPLINA B ódigo Disciplina /H urso Disciplina H ódigo urso 01264 Anatomia 51T 17P nfermagem Anatomia 51T

Leia mais

1º Período. Subtemas Competências essenciais específicas Conceitos Estratégias Blocos. -Saúde -Esperança média de vida; -Prevenção da saúde;

1º Período. Subtemas Competências essenciais específicas Conceitos Estratégias Blocos. -Saúde -Esperança média de vida; -Prevenção da saúde; Saúde individual e comunitária 1º Período Indicadores do estado de saúde de uma população Medidas de ação para a promoção da saúde Compreender o conceito de saúde; Conhecer os indicadores do estado de

Leia mais

Pato Branco, 10 de setembro de 2015.

Pato Branco, 10 de setembro de 2015. Pato Branco, 10 de setembro de 2015. Para facilitar a escolhas dos Worshops por parte dos interessados em participar do IX Simpósio Sul Brasileiro de Fisioterapia, e assim personalizarem as suas programações,

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING O Curso de Formação em Iso Stretching é ministrado pelo fundador da técnica, o osteopata e fisioterapeuta francês Bernard Redondo. O método Iso Stretching foi desenvolvido

Leia mais

CURSO: MEDICINA. INFORMAÇÕES BÁSICAS Unidade curricular Bases Biológicas da Prática Médica I. Carga Horária Prática 55

CURSO: MEDICINA. INFORMAÇÕES BÁSICAS Unidade curricular Bases Biológicas da Prática Médica I. Carga Horária Prática 55 Turno: INTEGRAL Currículo 2009 CURSO: MEDICINA INFORMAÇÕES BÁSICAS Unidade curricular Bases Biológicas da Prática Médica I Departamento CCO Período 1 Teórica 125 Carga Horária Prática 55 Total 180 Código

Leia mais

A INTERVENÇÃO DA FISIOTERAPIA NA QUALIDADE DE VIDA DE MULHERES NO CLIMATÉRIO RESUMO

A INTERVENÇÃO DA FISIOTERAPIA NA QUALIDADE DE VIDA DE MULHERES NO CLIMATÉRIO RESUMO A INTERVENÇÃO DA FISIOTERAPIA NA QUALIDADE DE VIDA DE MULHERES NO CLIMATÉRIO Bruna de Moraes Perseguim - bruna_kimi@yahoo.com.br Fernanda Aline de Alencar - fernandinha24_aline@hotmail.com Ana Cláudia

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS INSTRUÇÕES ESPECÍFICAS QUE REGULAMENTAM O CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR ASSISTENTE

SUPERINTENDÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS INSTRUÇÕES ESPECÍFICAS QUE REGULAMENTAM O CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR ASSISTENTE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI SUPERINTENDÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS INSTRUÇÕES ESPECÍFICAS QUE REGULAMENTAM O CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR ASSISTENTE

Leia mais

FICHA DE DISCIPLINA UNIDADE ACADÊMICA: ICBIM CH TOTAL TEÓRICA: 45 OBJETIVOS

FICHA DE DISCIPLINA UNIDADE ACADÊMICA: ICBIM CH TOTAL TEÓRICA: 45 OBJETIVOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA FICHA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: Biofísica CÓDIGO: UNIDADE ACADÊMICA: ICBIM PERÍODO: 1º OBRIGATÓRIA:

Leia mais

Sistema Nervoso Organização Geral

Sistema Nervoso Organização Geral Sistema Nervoso Organização Geral O encéfalo é o centro da razão e da inteligência: cognição, percepção, atenção, memória e emoção, Também é responsável pelo controle da postura e movimentos, Permite o

Leia mais

10101004 PROCEDIMENTOS GERAIS - CONSULTAS - CONSULTA 10102000 PROCEDIMENTOS GERAIS - CONSULTAS - VISITAS 10103007 PROCEDIMENTOS GERAIS - CONSULTAS -

10101004 PROCEDIMENTOS GERAIS - CONSULTAS - CONSULTA 10102000 PROCEDIMENTOS GERAIS - CONSULTAS - VISITAS 10103007 PROCEDIMENTOS GERAIS - CONSULTAS - Código SUGRUPO 10101004 PROCEDIMENTOS GERAIS - CONSULTAS - CONSULTA 10102000 PROCEDIMENTOS GERAIS - CONSULTAS - VISITAS 10103007 PROCEDIMENTOS GERAIS - CONSULTAS - RECÉM-NASCIDO 10104003 PROCEDIMENTOS

Leia mais

Organização do sistema nervoso

Organização do sistema nervoso Sistema nervoso Organização do sistema nervoso Sistema Nervoso Central (SNC) O encéfalo: O encéfalo dos mamíferos é dividido em: telencéfalo (cérebro), diencéfalo (tálamo, epitálamo e hipotálamo), mesencéfalo

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC RELATÓRIO DOS EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA FEDERAÇÃO PAULISTA DE FUTEBOL PELA FACULDADE DE MEDICINA DO ABC FMABC O Núcleo de Saúde no Esporte da Faculdade de Medicina do ABC FMABC, utilizando as suas

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 2ª Série Anatomia II Educação Física A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto de atividades

Leia mais

Projeto Medicina. Dr. Onésimo Duarte Ribeiro Júnior Professor Assistente da Disciplina de Anestesiologia da Faculdade de Medicina do ABC

Projeto Medicina. Dr. Onésimo Duarte Ribeiro Júnior Professor Assistente da Disciplina de Anestesiologia da Faculdade de Medicina do ABC Projeto Medicina Dr. Onésimo Duarte Ribeiro Júnior Professor Assistente da Disciplina de Anestesiologia da Faculdade de Medicina do ABC Neurociência DIVISÃO DO SISTEMA NERVOSO Sistema Nervoso Central Sistema

Leia mais

DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Carga Horária: Especificação DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Nº de Horas Carga Horária da Grade Curricular 3.060 204 Carga Horária de s 900 60 Carga Horária de Disciplinas Eletivas Obrigatórias 90 06 CARGA

Leia mais

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO Claudia de Lima Witzel SISTEMA MUSCULAR O tecido muscular é de origem mesodérmica (camada média, das três camadas germinativas primárias do embrião, da qual derivam

Leia mais

ANÁLISE BIOMECÂNICA DOS MOVIMENTOS NO STOOL

ANÁLISE BIOMECÂNICA DOS MOVIMENTOS NO STOOL 1 ANÁLISE BIOMECÂNICA DOS MOVIMENTOS NO STOOL Aurélio Alfieri Neto Juliana Navarro Lins de Souza A bioenergética procura entender o caráter do indivíduo pelo corpo e seus processos energéticos, sendo estes,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO 1) História da Terapia Ocupacional (30 hs) EMENTA: Marcos históricos que antecederam o surgimento formal da profissão de

Leia mais

8º ANO PLANO DE ÁREA DE ESTUDO (PLAEST)

8º ANO PLANO DE ÁREA DE ESTUDO (PLAEST) SISTEMA COLÉGIO MILITAR DO BRASIL COLÉGIO MILITAR DE CURITIBA ENSINO FUNDAMENTAL ELABORADO EM 2007 Fl-1 CIÊNCIAS FÍSICAS E BIOLÓGICAS 8º ANO CARGA HORÁRIA: 90 HORAS N SESSÕES: 120 HORAS/AULA PLANO DE ÁREA

Leia mais

A postura saudável para o digitador

A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador 2 Muitas vezes nos perguntamos: Qual é a postura mais adequada para se trabalhar durante horas em frente a um computador? Após anos

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Fisioterapia 2010-1 O USO DA OXIGENIOTERAPIA DOMICILIAR NO PACIENTE DPOC Autora: ROSA, Ana Carolina

Leia mais

TECNOLOGIA E BIOMECÂNICA PARA O TRATAMENTO DA DOR MUSCULOESQUELÉTICA TECNOLOGIA E BIOMECÂNICA PARA O TRATAMENTO DA DOR MUSCULOESQUELÉTICA

TECNOLOGIA E BIOMECÂNICA PARA O TRATAMENTO DA DOR MUSCULOESQUELÉTICA TECNOLOGIA E BIOMECÂNICA PARA O TRATAMENTO DA DOR MUSCULOESQUELÉTICA TECNOLOGIA E BIOMECÂNICA PARA O TRATAMENTO DA DOR MUSCULOESQUELÉTICA TECNOLOGIA E BIOMECÂNICA PARA O TRATAMENTO DA DOR MUSCULOESQUELÉTICA As dores musculoesqueléticas atingem 40% da população e representam

Leia mais

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 65 Centro Universitário da Grande Dourados X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 66 ANÁLISE POSTURAL EM ADOLESCENTES DO SEXO FEMININO NA FASE

Leia mais

Plano De Ensino. Disciplina:CITO, HISTO E EMBRIOL Hora/Aula: 60 Frequência: 4ª e 5ª Feira Professor Responsável: Jorge F. de Azevedo Curso: FARMÁCIA

Plano De Ensino. Disciplina:CITO, HISTO E EMBRIOL Hora/Aula: 60 Frequência: 4ª e 5ª Feira Professor Responsável: Jorge F. de Azevedo Curso: FARMÁCIA Disciplina:CITO, HISTO E EMBRIOL Hora/Aula: 60 Frequência: 4ª e 5ª Feira Ano/Semestre: 2014.1 Professor Responsável: Jorge F. de Azevedo Curso: FARMÁCIA EMENTA:Introdução ao estudo da citologia. Métodos

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DA PARAÍBA VAGAS DE MONITORIA - EDITAL N. 18 / 2012. CURSO DE MEDICINA - Semestre 2012.2.

FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DA PARAÍBA VAGAS DE MONITORIA - EDITAL N. 18 / 2012. CURSO DE MEDICINA - Semestre 2012.2. Área do Conhecimento Professor Número de vagas Caracterização Prova Dia Hora Local ANATOMIA Alisson 2 Bolsista 07/08/2012 4 Voluntário 08/08/12 8/8/2012 LAB ANATOMIA HISTOLOGIA Nadábia 2 Bolsista Renato

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 346 779 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 346 779 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO (Aprovados em Conselho Pedagógico, 21 outubro de 2014) CIÊNCIAS NATURAIS 9º ano de escolaridade Saúde Individual e comunitária Indicadores do estado de saúde de uma população

Leia mais

NOÇÕES DE NEUROANATOMIA

NOÇÕES DE NEUROANATOMIA Divisões do Sistema Nervoso Sistema Nervoso Sistema Nervoso Central Encéfalo Medula Espinhal Sistema Nervoso Periférico Nervos Espinhais Nervos Cranianos Gânglios Periféricos 1 Os órgãos do SNC são protegidos

Leia mais

PROGRAMA DE ANATOMIA 10ª Classe. Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário

PROGRAMA DE ANATOMIA 10ª Classe. Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário PROGRAMA DE ANATOMIA 10ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Ficha Técnica Título Programa de Anatomia - 10ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL PLANO ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL PLANO ENSINO PLANO ENSINO 01. IDENTIFICAÇÃO Módulo/atividade: Desenvolvimento Humano I Aspectos Biológicos. (Módulo 4) Código módulo/atividade: FISI004 Turma: Fisio2010/ 2º semestre Sub-turma: 10; 11; 12; 13 Professores

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a:

SISTEMA NERVOSO. Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a: SISTEMA NERVOSO Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a: perceber as variações do meio (interno e externo), a difundir as modificações que essas variações produzem executar as respostas

Leia mais

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano.

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano. Introdução O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e constituem necessidades básicas do ser humano. Movimentação do paciente Para que o paciente se sinta confortável

Leia mais

Plano de Ensino. Ementa

Plano de Ensino. Ementa UNIVERSIDADE DO - UDESC Curso: BAC - Bacharelado em Educação Física Departamento: DEF - Educação Física Disciplina: Anatomia Código: 1ANAT Carga horária: 72 Período letivo: 2013/2 Professor: Silvia Rosane

Leia mais

HISTÓRICO MÉTODO THERASUIT HISTÓRICO O MÉTODO THERASUIT PRINCIPAIS OBJETIVOS. Profa. Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon

HISTÓRICO MÉTODO THERASUIT HISTÓRICO O MÉTODO THERASUIT PRINCIPAIS OBJETIVOS. Profa. Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon HISTÓRICO MÉTODO THERASUIT Profa. Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon Veste criada em Michigan/USA, por pesquisadores russos. Função: contrapor os efeitos negativos vividos pelos astronautas (atrofia muscular,

Leia mais

Planificação anual de Saúde- 10ºano

Planificação anual de Saúde- 10ºano CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Turmas: 10ºI Professora: Ana Margarida Vargues Planificação anual de Saúde- 10ºano 1 - Estrutura e Finalidades da disciplina A disciplina de Saúde do Curso

Leia mais

ANATOMIA HUMANA II. Roteiro SISTEMA NERVOSO. Enfermagem. Sistema Nervoso. Prof. Me. Fabio Milioni 17/09/2015

ANATOMIA HUMANA II. Roteiro SISTEMA NERVOSO. Enfermagem. Sistema Nervoso. Prof. Me. Fabio Milioni 17/09/2015 ANATOMIA HUMANA II Enfermagem Sistema Nervoso Prof. Me. Fabio Milioni Roteiro SISTEMA NERVOSO Conceito Função Divisão Sistema Nervoso Central Tecido Nervoso Cerebelo Diencéfalo Telencéfalo Meninges Líquor

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO Controle do funcionamento do ser humano através de impulsos elétricos Prof. César Lima 1 Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e

Leia mais

E BEM-ESTAR TAMBÉM. exercícios para fazer com SEM ESTRESSE MELHOR IDADE DE VERDADE GESTANTE FELIZ

E BEM-ESTAR TAMBÉM. exercícios para fazer com SEM ESTRESSE MELHOR IDADE DE VERDADE GESTANTE FELIZ O GRANDE guia de PILATES E BEM-ESTAR 40 exercícios para fazer com bola, no solo e nos aparelhos MELHOR IDADE DE VERDADE Conheça o segredo para ganhar mais vitalidade e ainda evitar quedas GESTANTE FELIZ

Leia mais

Sintomas da LER- DORT

Sintomas da LER- DORT LER-DORT A LER e DORT são as siglas para Lesões por Esforços Repetitivos e Distúrbios Osteo-musculares Relacionados ao Trabalho. Os termos LER/DORT são usados para determinar as afecções que podem lesar

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA. 1. Identificação: 2. Ementa: 3. Objetivo Geral:

PLANO DE DISCIPLINA. 1. Identificação: 2. Ementa: 3. Objetivo Geral: PLANO DE DISCIPLINA 1. Identificação: Departamento: Ciências Básicas (FCB) Disciplina: Fisiologia Humana Cód.: FCB00006 Período Ministrado / Semestre / Ano / Turma: 2 0 / 1ºS/2010/F1 Responsável: Prof.

Leia mais

LOMBALGIAS: MECANISMO ANÁTOMO-FUNCIONAL E TRATAMENTO

LOMBALGIAS: MECANISMO ANÁTOMO-FUNCIONAL E TRATAMENTO LOMBALGIAS: MECANISMO ANÁTOMO-FUNCIONAL E TRATAMENTO Alessandra Vascelai #, Ft, Titulacão: Especialista em Fisioterapia em Traumatologia do Adulto Reeducação Postural Global (RPG) Acupuntura. Resumo: Lombalgia

Leia mais

ASPECTOS SÓCIO POLÍTICO DA SAÚDE Noções básicas de políticas sociais, com ênfase nas do setor saúde.

ASPECTOS SÓCIO POLÍTICO DA SAÚDE Noções básicas de políticas sociais, com ênfase nas do setor saúde. 1º PERÍODO ANATOMIA HUMANA Unidade I - Anatomia sistemática-generalidades - Nomenclatura anatômica. Sistema ósseo. Articular. Muscular. Sistema nervoso. Sistema circulatório. Sistema digestivo. Sistema

Leia mais

EDITAL Nº 01/2015 DE SELEÇÃO PARA MONITORIA VOLUNTÁRIA DO CURSO DE MEDICINA

EDITAL Nº 01/2015 DE SELEÇÃO PARA MONITORIA VOLUNTÁRIA DO CURSO DE MEDICINA EDITAL Nº /25 DE SELEÇÃO PARA MONITORIA VOLUNTÁRIA DO CURSO DE MEDICINA A FAMINAS/BH, por meio da Diretoria Acadêmica, torna público à comunidade acadêmica abertura do processo seletivo para Monitorias

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES ESTÁGIO OBRIGATÓRIO I E II DO CURSO DE FISIOTERAPIA

PLANO DE ATIVIDADES ESTÁGIO OBRIGATÓRIO I E II DO CURSO DE FISIOTERAPIA 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 714. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 PLANO DE ATIVIDADES ESTÁGIO OBRIGATÓRIO

Leia mais

TC DE CIÊNCIAS 8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II

TC DE CIÊNCIAS 8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II Professor(es): Samuel Bitu ALUNO(A): Nº TURMA: TURNO: DATA: / / COLÉGIO: 01. Vinte pessoas normais beberam, cada uma, 2 litros de água num intervalo de 2 horas. A seguir temos os gráficos que registram

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS COLABORADORES ATRAVÉS DA BIOMECÂNICA OCUPACIONAL

AVALIAÇÃO DOS COLABORADORES ATRAVÉS DA BIOMECÂNICA OCUPACIONAL AVALIAÇÃO DOS COLABORADORES ATRAVÉS DA BIOMECÂNICA OCUPACIONAL Daniela da Maia José Marques de Carvalho Júnior Antonio Vinicius Soares 2010 INTRODUÇÃO É um laboratório especializado em análise biomecânica

Leia mais

ALTERAÇÕES RESPIRATÓRIAS RELACIONADAS À POSTURA

ALTERAÇÕES RESPIRATÓRIAS RELACIONADAS À POSTURA ALTERAÇÕES RESPIRATÓRIAS RELACIONADAS À POSTURA Karina de Sousa Assad * Layana de Souza Guimarães ** RESUMO A proposta desse artigo é demonstrar que algumas alterações posturais podem levar a distúrbios

Leia mais

FUNÇÃO RENAL ACADÊMICO JOSÉ DE OLIVEIRA RODRIGUES

FUNÇÃO RENAL ACADÊMICO JOSÉ DE OLIVEIRA RODRIGUES ACADÊMICO JOSÉ DE OLIVEIRA RODRIGUES A função renal é formada por um conjunto de órgãos que filtram o sangue, produzem e excretam a urina. É constituída por um par de rins, um par de ureteres, pela bexiga

Leia mais

DISCIPLINA DE EMERGÊNCIAS EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA 6º ANO

DISCIPLINA DE EMERGÊNCIAS EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA 6º ANO DISCIPLINA DE EMERGÊNCIAS EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA 6º ANO - 2012 - Período: 04/06/2012 a 24/06/2012 Coordenador: Prof. Dr. Carga Horária: 3 semanas 120 horas Grupo: 2C OBJETIVOS Os alunos do último

Leia mais

VOCÊ CONHECE SUA PISADA?

VOCÊ CONHECE SUA PISADA? ANO 2 www.instituodetratamentodador.com.br VOCÊ CONHECE SUA PISADA? Direção: Dr José Goés Instituto da Dor Criação e Diagramação: Rubenio Lima 85 8540.9836 Impressão: NewGraf Tiragem: 40.000 ANO 2 Edição

Leia mais