A CURVA METODOLÓGICA NA SESSÃO DE BIODANZA E SEUS EFEITOS SOBRE O SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO CARMEM HELENA GESSINGER

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A CURVA METODOLÓGICA NA SESSÃO DE BIODANZA E SEUS EFEITOS SOBRE O SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO CARMEM HELENA GESSINGER"

Transcrição

1 INTERNATIONAL BIOCENTRIC FOUNDATION ESCOLA DE FORMAÇÃO DE FACILITADORES ROLANDO TORO DE PELOTAS A CURVA METODOLÓGICA NA SESSÃO DE BIODANZA E SEUS EFEITOS SOBRE O SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO CARMEM HELENA GESSINGER Porto Alegre 2005

2 CARMEM HELENA GESSINGER Monografia apresentada à Escola de Formação de Facilitadores Rolando Toro de Pelotas como requisito parcial para obtenção de grau de Facilitador Titular em Biodanza. Orientador: Carlos Garcia Porto Alegre agosto 2005

3 AGRADECIMENTOS Com certeza este trabalho não seria realizado sem a colaboração de muitas pessoas que fizeram parte da minha caminhada, motivo pelo qual, registro meus agradecimentos: Ao Carlos Garcia, por ter aceitado ser meu orientador; A Myrthes Gonzáles, pelo estímulo, apoio e amizade; Aos colegas Rute, Maira e André, que de uma maneira ou outra, me auxiliaram a desenvolver o trabalho e me ajudaram a concretizá-lo; A todos os colegas e amigos da Escola de Pelotas, da Frater; Em especial, a Nilza, que me acompanha desde o início da minha caminhada como facilitadora.

4 SUMÁRIO INTRODUÇÃO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO (SNA) Organização anatômica Organização básica do Sistema Nervoso Autônomo Organização do Sistema Simpático Organização do Sistema Parassimpático Fisiologia do Sistema Nervoso Autônomo Tipos de controle Estratégias de controle Ações do Sistema Nervoso Autônomo A BIODANZA COMO SISTEMA INTEGRADOR Definição de Biodanza A vivência como método Características das vivências, segundo Rolando Toro Linhas de vivência A relação entre música movimento e vivência A ação da Biodanza sobre o Sistema Nervoso Autônomo SESSÃO DE BIODANZA ENFOCANDO A CURVA METODOLÓGICA E SEUS EFEITOS SOBRE O SNA Estrutura de uma sessão de Biodanza Estruturação da parte vivencial Gráficos e exemplos de aulas de Biodanza: uma correta e outra incorreta com os efeitos fisiológicos provocados CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS GLOSSÁRIO...43

5 INTRODUÇÃO O tema deste trabalho surgiu de uma necessidade minha de poder tomar posse e sedimentar conhecimentos que me foram passados durante os anos de formação em Biodanza que, para mim, são de fundamental importância a fim de que possamos desenvolver um trabalho nessa área, com responsabilidade, seriedade e consciência de que nós temos em nossas mãos um instrumento maravilhoso e poderoso de transformação, tanto para os alunos quanto para os facilitadores. A curva metodológica da aula é um fator fundamental para que o processo possa se realizar completamente e com eficiência.trazendo para as pessoas, dessa maneira, todos os benefícios que a Biodanza oferece, na sua totalidade. Nesta pesquisa, o enfoque se dá através do efeito da curva sobre o Sistema Nervoso Autônomo, ou seja, como a parte vivencial influencia organicamente (fisiologicamente) a pessoa que está fazendo aula. Para que o tema fosse melhor compreendido, foi necessário aprofundar os conhecimentos sobre a anatomia e fisiologia (funcional) do Sistema Nervoso Autônomo, por isso, iniciamos o trabalho falando sobre esse assunto. Após há um apanhado geral, enfocando a Biodanza como um sistema integrador, discorrendo sobre vários tópicos para que possamos entender, aos poucos, onde se encaixa a parte da ação da Biodanza sobre o Sistema Nervoso Autônomo. Para concluir este trabalho, há um capítulo sobre a estrutura da sessão (aula), bem como apresento gráficos e exemplos de aulas e seus efeitos fisiológicos. Este trabalho está baseado e estruturado na Teoria da Biodanza através de pesquisa de materiais e textos disponíveis nessa área.

6 1 SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO (SNA) 1.1 Organização anatômica O Sistema Nervoso Autônomo é um conjunto de neurônios situados na medula e no tronco encefálico, cujos axônios se comunicam com praticamente todos os órgãos e tecidos do corpo humano. Sua tarefa é manter a homeostase, mesmo que suas ações não sejam totalmente autônomas; havendo coordenação das regiões superiores do Sistema Nervoso Central (no diencéfalo, particularmente o hipotálamo). Esse Sistema apresenta duas divisões clássicas: a simpática e a parassimpática. Os termos simpático e parassimpático derivam do grego e significam harmonia, solidariedade e têm a função de manter o equilíbrio interno; ou seja, a homeostase do corpo Organização básica do Sistema Nervoso Autônomo Inclui uma população de neurônios centrais situados no tronco encefálico e na medula, cujos axônios emergem do Sistema Nervoso Central e constituem os nervos que terminam em uma segunda população de neurônios, os periféricos; situados em gânglios ou distribuídos em plexos nas paredes das vísceras. Considerando os gânglios como pontos de referência, chamamos os neurônios centrais (e seus axônios) de pré-ganglionares e os periféricos de pósganglionares. Há uma diferença estrutural entre as duas divisões do Sistema Nervoso Autônomo: no Sistema Simpático os axônios pré-ganglionares são curtos e terminam próximos à coluna

7 6 vertebral e os pós-ganglionares são longos, se incorporam aos nervos periféricos e se estendem por todo o organismo até os órgãos-alvo. Já no Sistema Parassimpático, as fibras pré-ganglionares são longas, terminando em gânglios ou plexos situados muito próximos, ou mesmo na parede das vísceras, enquanto os pós-ganglionares são curtos. As sinapses ganglionares permitem a ocorrência de divergência periférica no Sistema Nervoso Autônomo, possibilitando que o axônio de um único neurônio pré-ganglionário estabeleça sinapses com inúmeros neurônios pós-ganglionares. Como cada um desses neurônios se ramifica extensamente no território-alvo, a divergência se amplia, resultando em uma ação difusa. FIGURA 1: O sistema nervoso autônomo (B e C) difere do sistema motor somático (A) pela existência de uma sinapse periférica entre a fibra eferente de origem central e a que inerva as células efetoras. Essa sinapse periférica se localiza em gânglios e plexos situados fora das vísceras ou em plexos situados no interior da parede visceral, B representa a organização básica da divisão simpática, e C a divisão parassimpática. FONTE: Lent (2001).

8 7 Outra característica do Sistema Nervoso Autônomo é a presença de sinapses modificadas entre neurônios pós-ganglionares e a estrutura alvo, seja fibra muscular lisa ou uma célula glandular. Os numerosos ramos das fibras simpáticas e parassimpáticas no território-alvo apresentam varicosidades em seqüência, como as contas de um colar, que ficam próximas, mas geralmente não são contíguas à célula-alvo, apresentando inúmeras vesículas parecidas com as vesículas sinápticas. Estas vesículas contêm neurotransmissores que são liberados ao meio extracelular pelos potenciais de ação e geralmente se difundem por grandes distâncias, até chegarem aos receptores de várias células da região e não só da mais próxima. FIGURA 2: Os axônios autonômicos pós-ganglionares não formam sinapses típicas com as células efetoras, como é o caso do sistema motor somático. Próximo a elas os axônios se ramificam bastante, e cada ramo terminal forma varicosidades com muitas vesículas que contêm neurotransmissores e neuromoduladores. Essas substâncias são liberadas no meio extracelular sob comando neural, mas têm que se difundir a uma certa distância para encontrar os receptores moleculares específicos na membrana das células efetoras. FONTE: Lent (2001).

9 Esta estrutura sináptica modificada contribui ainda mais para que a ação funcional do Sistema Nervoso Autônomo seja difusa e extensa Organização do Sistema Simpático A grande maioria das somas (corpo) dos neurônios pré-ganglionares está na coluna intemédio-lateral da medula bilateral entre os segmentos T1 e L2. Esses são neurônios pequenos que emitem axônios mielínicos finos. Alguns desses axônios emergem pelas raízes centrais, mas logo formam um desvio, chamado de ramo comunicante branco (devido à mielina) e entram em um dos gânglios para-vertebrais, situados em ambos os lados da coluna, dentro dos quais formam sinapses com as células pós-ganglionares. Outros axônios pré-ganglionarios seguem o mesmo caminho pelo ramo comunicante branco, mas atravessam os gânglios para-vertebrais sem interrupção e vão estabelecer sinapses em um segundo grupo de gânglios pré-vertebrais. Os gânglios para-vertebrais são interconectados por troncos nervosos por onde passam os ramos ascendentes e descendentes das fibras pré-ganglionares e, assim, formam duas cadeias, uma em cada lado da coluna vertebral. Os gânglios prévertebrais são interconectados de maneira aparentemente desordenada, sem formar cadeias e, por isso, muitas vezes, não chamados de plexos. Quase todos os gânglios pré-vertebrais são estruturas ímpares e não bilaterais. Os axônios pós-ganglionais são amielínicos e muito finos, emergindo dos gânglios pelos ramos comunicantes cinzentos (devido à falta de mielina) e se reúnem com os nervos periféricos mistos e em alguns casos formam nervos exclusivamente autonômicos (como os nervos cardíacos).

10 9 FIGURA 3: As fibras pré-ganglionares simpáticas emergem da medula pela raiz ventral, misturadas às fibras motoras somáticas. Logo em seguida deixam os nervos espinhais pelos ramos comunicantes brancos e fazem sinapses com os neurônios pós-ganglionares. Os axônios pós-ganglionares da cadeia paravertebral retornam aos nervos espinais pelos ramos comunicantes cinzentos, e depois se incorporam aos nervos periféricos, enquanto os dos gânglios pré-vertebrais formam nervos periféricos diretamente. Alguns axônios pré-ganglionares inervam diretamente a medula adrenal, que nesses sentido é um "gânglio simpático" modificado. FONTE: Lent (2001). A segmentação da cadeia ganglionar acompanha aproximadamente a segmentação vertebral (um gânglio para cada segmento), no que se refere ao controle das estruturas da pele, do tronco e dos membros: vasos glandulares e pêlos. Para as vísceras abdominais e pélvicas, entram os gânglios pré-vertebrais que, não acompanham a segmentação vertebral.

11 FIGURA 4: Quase todos os órgãos do corpo são funcionalmente influenciados pelas fibras pós-ganglionares simpáticas (em vermelho). Estas se originam de neurônios situados na cadeia de gânglios paravertebrais (onde há também muitos interneurônios, não representados), e com gânglios pré-vertebrais. Os gânglios que parecem "vazios" na verdade alojam os neurônios pós-ganglionares que inervam os vasos sangüíneos de todo o corpo, bem como as glândulas sudoríparas e folículos pilosos da superfície cutânea. Os neurônios pré-ganglionares simpáticos (em azul) situam-se em segmentos torácicos e lombares da medula espinhal. FONTE: Lent (2001). 10

12 Organização do Sistema Parassimpático Os neurônios pré-ganglionares estão localizados em dois setores bem separados: um conjunto de núcleos, no tronco encefálico, e outro na coluna intermédio-lateral da medula sacra (S2 a S4). Já os gânglios parassimpáticos cranianos são estruturas arrendondadas bem delimitadas que se posicionam perto dos alvos correspondentes, como (sem a expressão por exemplo ) o gânglio ciliar, que se localiza atrás do globo ocular, bem próximo do nervo óptico e o submandibular e o óptico, que ficam próximos das glândulas salivares. Por seu turno, os neurônios pós-ganglionares do corpo, inervados pelo nervo vago e seus ramos, localizam-se em gânglios ou plexos situados próximo ou dentro da parede das vísceras torácicas e abdominais. Por fim, os neurônios pós-ganglionares propriamente ditos, por sua vez, inervam a musculatura lisa do trato gastrintestinal e são responsáveis pelos movimentos peristálticos que propelem o bolo alimentar, mas sua atuação é modulada e organizada pelos demais neurônios que formam o plexo.

13 FIGURA 5: Da mesma forma que no caso da divisão simpática, quase todos os órgãos do corpo são funcionalmente influenciados pelas fibras pós-ganglionares parassimpáticas (em vermelho). Estas se originam de neurônios situados em gânglios ou plexos situados próximo aos efetores. Os neurônios pré-ganglionares parassimpáticos (em azul) situam-se no tronco encefálico e em segmentos sacros da medula espinhal. Por isso a divisão parassimpática é conhecida também como craniossacra. FONTE: Lent (2001). 12

14 Fisiologia do Sistema Nervoso Autônomo Tipos de controle O Sistema Nervoso Autônomo controla o organismo e mantém constante o meio interno (equilíbrio homeostático) de duas maneiras: um modo reflexo e um modo comando. O modo reflexo envolve o recebimento de informações provenientes de cada órgão ou sistema orgânico e a programação e execução de uma resposta apropriada. Isso pode ser sentido quando, ao se levantar da cama subitamente os mecanorreceptores situados na parede da aorta e das carótidas acusam uma tendência de queda da tensão arterial e imediatamente acionam a divisão simpática que promove um pequeno aumento da freqüência cardíaca e um vaso constrição periférica que re-equilibram a pressão. Os reflexos empregados nesse tipo de controle podem ser locais (na própria víscera) ou centrais (envolvendo neurônios e circuitos do Sistema Nervoso Central). Já o modo comando, envolve a ativação do Sistema Nervoso Autônomo por regiões corticais ou subcorticais do Sistema Nervoso Central. Pode-se observar esse modo de controle através da lembrança de uma emoção; já que isso pode provocar taquicardia, sudorese, salivação e muitas outras reações orgânicas, sem que haja, necessariamente, qualquer ativação sensorial ou aferente. Muitas vezes, o Sistema Nervoso Autônomo usa, simultaneamente, o modo reflexo e o comando e, em outras vezes, só um deles entra em ação, como nos exemplos há pouco mencionados Estratégias de controle O Sistema Nervoso Autônomo emprega diferentes estratégias para comandar os efetores de maneira capaz de regular com precisão a função dos órgãos. A grande maioria dos órgãos e tecidos é inervada, tanto pela divisão simpática como pela divisão parassimpática. Essa

15 14 interação pode ocorrer de três maneiras: antagonista; isto é, na qual a atividade parassimpática provoca efeito contrário à atividade simpática. Sendo assim, quando a atividade de um cresce a do outro decresce. Um exemplo dessa integração acontece com o coração que é inervado por fibras pós-ganglionares simpáticas e parassimpáticas. A estimulação simpática provoca taquicardia (aumento da freqüência cardíaca), enquanto a estimulação parassimpática, tem efeito contrário, ou seja, bradicardia (diminuição da freqüência cardíaca). Pode ocorrer por sinergia, em que ambos os sistemas provocam o mesmo efeito. Como nas glândulas salivares, que têm fibras simpáticas e parassimpáticas, mas ambas provocam a secreção salivar. Outro tipo de ocorrência é a exclusiva, na qual a inervação autônoma é de um único tipo. Como exemplo típico, temos os vasos sangüíneos que, com algumas exceções, a musculatura lisa vascular é inervada exclusivamente pela divisão simpática, que mantém, em condições normais, um estado relativamente constante de contração muscular chamado de tônus simpático ou vascular. As variações de diâmetro necessárias à regulação da pressão arterial e do fluxo sangüíneo são obtidas variando para mais ou menos o tônus simpático. Isto quer dizer que quando as fibras simpáticas pós-ganglionares aumentam sua freqüência de disparo, ocorre vasoconstrição, e, quando diminui sua freqüência, ocorre vasodilatação.

16 FIGURA 6: A maioria dos órgãos recebe inervação autônoma dupla: simpática e parassimpática. Nesse caso, há interação entre ambas as divisões para o controle funcional, seja de natureza antagonista ou sinergista. Em alguns órgãos a inervação e o modelo de controle são exclusivos, como as glândulas sudoríparas e os vasos sangüíneos. As funções apresentadas ao lado de cada órgão as que resultam da ativação das fibras correspondentes. FONTE: Lent (2001). 15

17 Ações do Sistema Nervoso Autônomo As ações do Sistema Nervoso Autônomo estão descritas na tabela a seguir, na qual estão relacionados o órgão ou tecido em comparação à atividade simpática e à parassimpática e descriminado qual é o mecanismo utilizado para o funcionamento do órgão ou tecido em questão. Quadro 1 Ações do Simpático e do Parassimpático Órgão ou tecido Ativação Simpática Ativação Parassimpática Mecanismo Bexiga Brônquios Coração Cristalino Enchimento (relaxamento da musculatura lisa e contração do esfíncter interno) Broncodilatação (relaxamento da musculatura lisa) Taquicardia e aumento da força contrátil Acomodação para longe (relaxamento do músculo ciliar) Fechamento (contração da musculatura lisa) Esvaziamento (contração da musculatura lisa e relaxamento do esfincter interno) Bronconstrição (contração da musculatura lisa) Bradicardia e diminuição da força contrátil Acomodação para perto (contração do músculo ciliar) Abertura (relaxamento da musculatura lisa) Antagonista Antagonista Antagonista Antagonista Esfíncteres antagonista digestivos Fígado Aumento de liberação de glicose Armazenamento de glicogênio Antagonista Glândulas Diminuição da secreção Aumento da secreção Antagonista digestivas Glândulas Lacrimejamento (vasodilatação e Diminuição do lacrimejamento Antagonista lacriminais secreção) (vasoconstrição) Glândulas Salivação viscosa Salivação fluida Sinergia salivares Glândulas Sudorese* - Sinergias ou sudoríparas exclusivo Íris Midríase (contração das fibras) Miose (contração das fibras circulares) Antagonista órgãos linfóides Imunossupressão (redação da Imunoativação (aumento da produção Antagonista (timo, baço e produção de linfócitos) de linfócitos) nodos) Pâncreas endócrino Pênis e clitóris Tecido adiposo Trato gastrointestinal Vasos sangüíneos em geral Vasos sangüíneos pélvicos e de algumas glândulas Redução da secreção de insulina Aumento da secreção de insulina Antagonista Supressão da ereção e do intumescimento após o orgasmo Ereção e intrumescimento (vasodilatação) Antagonista Lipólise e liberação de ácidos - Exclusivo graxos Diminuição do peristalismo Ativação do peristalismo Antagonista Vasoconstrição - Exclusivo Vasoconstrição Vasodilatação Antagonista *As glândulas sudoríparas possuem apenas inervação simpática, mas alguns terminais são colinérgicos, outros são adrenérgicos, e ambos provocam secreção glandular.

18 2 A BIODANZA COMO SISTEMA INTEGRADOR 2.1 Definição de Biodanza Para conceituar a Biodanza em um contexto acadêmico e científico deve-se primeiramente vivenciá-la, senti-la na pele, nos órgãos, pelo sangue correndo nas veias, dançá-la através das emoções. Só depois transformar seu conceito em palavras, pois como diz Rolando Toro em seu livro Biodanza: A base conceitual da Biodanza provém de uma meditação sobre a vida, do desejo de renascermos de nossos gestos despedaçados, de nossa vazia e estéril estrutura de repressão; provém, com certeza, da nostalgia do amor. Portanto, a Biodanza não é uma ciência nem um sistema terapêutico só de idéias, teorias e palavras, mas sim de algo que vai além de tudo isso, ultrapassando essas barreiras e se instalando em nosso mais íntimo ser, em nossa essência. Na verdade, há uma definição acadêmica de Biodanza que permite traduzir em palavras o seu significado, mesmo que essa definição seja uma janela que se abre apenas para poder abarcar todo o seu significado: A Biodanza é um sistema de integração humana, de renovação orgânica, de reeducação afetiva e de reaprendizagem das funções originárias da vida.. Ela tem como base metodológica as vivências integradoras induzidas pela música, pelo canto, pelo movimento e pelas situações de encontro em grupo. Para compreender melhor aborda-se alguns dos termos usados nessa definição. A integração humana como processo dentro da Biodanza abarca três níveis: - Integração consigo mesmo, resgatando a unidade psicofísica do indivíduo;

19 18 - Integração com o semelhante, resgatando o vínculo original com a espécie, como totalidade biológica; - Integração ao universo, resgatando o vínculo primordial do homem à natureza e se reconhecendo como parte da totalidade maior, o cosmos. A renovação orgânica na Biodanza ocorre por efeito da homeostase, do equilíbrio interno e da redução dos fatores de estresse, sendo estimulada mediante exercícios que induzem estados de transe e de regressão integradores. Um objetivo essencial na Biodanza é o estímulo da afetividade no ser humano, tão perturbada nos dias de hoje, em que o vínculo com o outro e as relações de afeto não são estimuladas, gerando seres sem amor, áridos e estéreis, levando a humanidade à solidão, à tristeza, à violência e à morte. O reaprendizado das funções originárias da vida consiste na sensibilização dos instintos básicos, que constituem uma expressão da programação biológica. Os instintos representam a natureza em nós e sensibilizar-se a eles significa restabelecer a ligação entre homem e cultura. Para ilustrar é oportuna a frase de Rolando Toro: A auto-regulação dos instintos tem uma base orgânica constituída por uma infraestrutura neuroendócrina de notável precisão: por esta razão, a liberação dos instintos não representa perigo; ao contrário, resgatar no próprio estilo de vida, uma coerência a esses impulsos inatos é um modo natural de responder harmoniosamente às necessidades orgânicas e assim, manter a saúde (TORO, 2002, p. 36). 2.2 A vivência como método A vivência é, segundo Toro (2002), uma experiência vivida intensamente por um indivíduo em um lapso de tempo, aqui e agora (gênesis atual), abarcando funções emocionais, cenestésicas e orgânicas. A metodologia de Biodanza é baseada em vivências integradoras, induzidas através da música e traduzidas na forma de movimento, carregado de emoção. Quando se trata de aqui e agora, fala-se em estar presente, sentindo e vivendo o momento, estando em compromisso com o que se está fazendo.

20 19 Quando se está preso ao passado ou ao futuro e não conectado ao tempo presente, não se está em vivência. Existem as dimensões de tempo: passado, futuro e aqui-e-agora, que é uma bagagem na qual trazemos nossos passado e presente em conexão. Na Biodanza, as vivências têm um efeito harmonizador e estão associadas a situações em que se reforça o lado positivo das mesmas. Podemos descrever a vivência através do seguinte gráfico da linha de tempo, no qual saímos através dela do nosso cotidiano, entramos no tempo vivencial (que não tem tempo, por isso podemos senti-lo como se tivesse 15 min, 1 min, ou 1 hora, dependendo de quem experiencia) e, ao sairmos dele, levamos um aprendizado que envolve todo o nosso organismo, nos níveis emocional, visceral e, mais tarde, racional (no nível da consciência). Portanto, a vivência vai da emoção à consciência e não vice-versa. Quando voltamos ao nosso cotidiano, já não é a mesma coisa de quando saímos dele. As vivências que tivemos ficam impregnadas em nós e, com o tempo, as traremos à consciência, onde serão registradas. Não tempo Tempo vivencial Aprendizagem Cotidiano (racional) Vivência Cotidiano (racional) Linha do tempo A transformação do aprendizado pode ou não ser conscientizada. Muitas vezes, podemos mudar nossas atitudes sem ter passado pelo racional (sem a palavra ou ) pela análise ou pela interpretação psicológica, e sim só por ter vivido e sentido a vivência. A importância de se priorizar as vivências em Biodanza se dá pelo fato de que as mudanças ou iniciativas existenciais partem dessas vivências, e só depois delas se informa à consciência do

21 que houve, porquê, ao se analisar, de imediato, pode-se reforçar ou ativar os mecanismos de defesa e permitir, com isso, a instalação de conflitos Características das vivências, segundo Rolando Toro As características aqui apresentadas foram compiladas do livro A Biodanza, de Rolando Toro, bem como da apostila A Vivência, do curso de Formação Docente em Biodanza. Primeiramente, tem-se a experiência original, que se constitui na experiência original de nós mesmos, de nossa identidade, anterior a qualquer elaboração simbólica ou racional. Depois há a anterioridade à consciência, sendo uma manifestação do ser que precede a consciência. Esse tipo de conscientização pode ser imediato ou vir em um segundo momento. A última a ser informada é a consciência. No processo de integração da identidade e de expressão das potencialidades genéticas, a vivência tem, por isso, prioridade sobre a consciência. Outra característica é a espontaneidade: a vivência não está sob o controle da consciência, por isso, pode ser evocada, mas não dirigida pela vontade, possuindo qualidade do original. Já a subjetividade, se manifesta a partir da identidade, pois as vivências que cada pessoa experimenta são únicas, íntimas, incomparáveis e, muitas vezes, incomunicáveis sem palavras para se expressar o que se está, de fato, sentindo. Além disso, tem-se a intensidade variável, que é a intensidade das vivências, que varia conforme a sensibilidade de cada pessoa, do tipo específico de vivência experimentada e da qualidade do estímulo que essa vivência produz. À medida que diminui a atividade consciente de controle e de vigilância, aumenta a intensidade da vivência. A temporalidade, por seu turno, é passageira. Ela se manifesta no momento presente, no aqui-agora, e constitui uma experiência de Gênese atual, no sentido dado por Alfred Awersperg, para referir-se à contínua criação da vida, que se verifica nos organismos vivos. Já a emocionalidade, está presente nesse processo porque freqüentemente a vivência dá origem a emoções. Além disso, a dimensão cenestésica

22 21 (sensação interna) é importante, uma vez que as vivências vêm sempre acompanhadas de sensações cenestésicas e agregam sensações de prazer, alegria, bem-estar, erotismo e comprometem todo o organismo. Já a influência sobre o inconsciente vital ocorre porque a vivência é a via de acesso ao inconsciente vital, sendo o maior fator de regulação do mesmo. E a dimensão ontológica é a vivência que constitui a conexão íntima e absoluta, ligada ao ser e à percepção de estar vivo. Ela tem um valor ontológico (o indivíduo como identidade) e compromete a validade de ser. Por fim, temos a expressão da identidade, na qual as vivências comprometem a identidade como um todo, significando que as vivências têm influência nos estados orgânicos, emocionais e existenciais do indivíduo Linhas de vivência As linhas de vivência são cinco e significam as modalidades de expressão do potencial genético e as principais aspirações humanas. Segundo Rolando Toro: todos os aspectos da vida humana considerados tradicionalmente como integrantes da esfera psíquica têm origem biológica. Eles são gerados no coração dos processos celulares e chegam por diferenciação à qualidade de impulsos, de pulsões e de instintos e se transformam no interior do homem em vivências, emoções e sentimentos. Essas cinco linhas são: A - Vitalidade É o potencial do equilíbrio orgânico, da homeostase, da saúde, do ímpeto vital e da alegria de viver. O desenvolvimento da linha da vitalidade gera-se estimulando, mediante as danças, o sistema neurovegetativo (simpático e parassimpático), a homeostase (equilíbrio interno que se conserva apesar das trocas externas), o instinto de conservação (luta e fuga), a energia para a ação e a resistência imunológica (TORO. In: Definição do Modelo Teórico de Biodanza).

23 22 No aspecto biológico, o nível de vitalidade pode ser medido através dos níveis de saúde (equilíbrio fisiológico) e doença (desequilíbrio fisiológico). No aspecto psicológico, o nível de vitalidade pode ser expresso através da motivação para a ação, da força dos instintos (de conservação, fome, sede etc) e da alegria de viver. Na Biodanza, a avaliação da saúde é feita através de alguns indicadores de vitalidade, tais como resistência ao esforço; vitalidade do movimento; estabilidade neurovegetativa (atividade-repouso); potência dos instintos e estado nutricional. Ter vitalidade não significa simplesmente ter a força e a potência dos movimentos e dos gestos. Quer dizer também possuir a harmonia e a agilidade dos mesmos, a luz e o brilho do olhar, o riso fácil e espontâneo, o som genuíno da voz e a força dos instintos. B - Sexualidade A sexualidade há séculos tem sido reprimida, das mais diversas formas, principalmente através das religiões, inibindo o fluxo natural da energia sexual, que é instintiva no ser humano e está relacionada com a reprodução da espécie (fecundação). Isto traz como conseqüência uma distorção das formas de sexualidade, de onde vão surgir as patologias (sadomasoquismo, sexofobia, fetichismo etc.), bem como os mecanismos de defesa do EU (idealizações, racionalização, formação reativa etc.) fazendo com que haja uma desintegração da sexualidade, bem como um afastamento do verdadeiro sentido da mesma. A sexualidade está associada ao prazer e o prazer ao desejo. O desejo, por sua vez, é o primeiro passo que move a sexualidade. Para podermos viver plenamente a nossa sexualidade, inicialmente temos que despertar a nossa fonte do desejo e depois expressá-lo; para que possamos realizá-lo e desfrutá-lo. Muitas vezes, conseguimos chegar até o momento de despertar o prazer e então nos sentimos culpados, devido a toda essa repressão cultural e social que sofremos.

24 23 Para que possamos desfrutar e sentir prazer sem culpa, é necessário elaborá-la. A biodanza trabalha todas essas questões, desde o despertar da fonte do desejo até a elaboração da culpa e do prazer, para que se possa viver a sexualidade de modo pleno. A sexualidade não se refere somente ao sexo em si, mas se estende a todos os grandes e pequenos prazeres da vida, desde sentir as gotas de chuva caindo no rosto e no corpo todo; o sabor e o prazer da comida; o toque das carícias e os beijos molhados, o calor do sol na pele e a brisa nos cabelos, tornando-se consciente dos prazeres cotidianos. C - Criatividade Se o ato de viver é uma sutil manifestação do prodigioso movimento de um universo biologicamente organizado e em criação permanente, a criatividade humana pode ser considerada uma extensão dessas forças biocósmicas que se exprimem através de cada indivíduo. Nós somos ao mesmo tempo a mensagem, a criatura e o criador. [...]. Compreende as dificuldades intelectuais que esta idéia comporta para aqueles que costumam abordar o fenômeno criativo como uma manifestação do espírito. Chegou a hora de assumir que a nossa grandeza não está no espírito, mas sim na existência. E digo de uma maneira ainda mais radical, nossa grandeza é nossa existência (TORO. In: Criatividade, p. 1). A criatividade, do ponto de vista da Biodanza, consiste em se deixar que a expressão dos impulsos naturais de criação aflore, em um sentido mais amplo, não só da criação artística, mas sim da criação como uma extensão do processo de vida. Isto envolve o cotidiano: escolher como se quer viver, desde os menores atos - como fazer uma comida diferente, sair da rotina do dia-a-dia, criando momentos especiais dentro dela. A criatividade é estimulada através de vivências de expressão primal, de integração das forças ying-yang, de comunicação afetiva e elaboração criativa, nas quais se estimulam os impulsos inatos de inovação e expressão. D - Afetividade A afetividade está relacionada com o sentimento de amor pela espécie (outro ser humano), pelo instinto de solidariedade, pela empatia, por se colocar no lugar do outro (altruísmo), pelo sentimento de pertencer à espécie (sentir-se parte) e pelo reconhecimento da

Sistema Nervoso Autônomo

Sistema Nervoso Autônomo FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Sistema Nervoso Autônomo Prof. Gerardo Cristino Aula disponível em: www.gerardocristino.com.br Objetivos de Aprendizagem

Leia mais

Sistema Nervoso. Aula Programada Biologia. Tema: Sistema Nervoso

Sistema Nervoso. Aula Programada Biologia. Tema: Sistema Nervoso Aula Programada Biologia Tema: Sistema Nervoso 1) Introdução O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas,

Leia mais

Regulação nervosa e hormonal Sistema nervoso Sistema hormonal Natureza das mensagens nervosas e hormonais Desequilíbrios e doenças

Regulação nervosa e hormonal Sistema nervoso Sistema hormonal Natureza das mensagens nervosas e hormonais Desequilíbrios e doenças Funcionamento e coordenação nervosa Regulação nervosa e hormonal Sistema nervoso Sistema hormonal Natureza das mensagens nervosas e hormonais Desequilíbrios e doenças No Sistema Nervoso as mensagens são

Leia mais

Aula III Classificação do Sistema Nervoso segundo Critérios Funcionais. (Transcrição da aula vídeo)

Aula III Classificação do Sistema Nervoso segundo Critérios Funcionais. (Transcrição da aula vídeo) Aula III Classificação do Sistema Nervoso segundo Critérios Funcionais (Transcrição da aula vídeo) Hoje vamos estudar uma nova forma de classificação do Sistema Nervoso. Seguiremos os princípios que nortearam

Leia mais

PSICOLOGIA. Sistema Nervoso. Prof. Helder Mauad/UFES 13/9/2011. Élio Waichert Júnior

PSICOLOGIA. Sistema Nervoso. Prof. Helder Mauad/UFES 13/9/2011. Élio Waichert Júnior Sistema Nervoso Autônomo PSICOLOGIA Élio Waichert Júnior Sistema Nervoso Central: Encéfalo (cérebro, bulbo, ponte, cerebelo) Medula Sistema Nervoso Sistema Nervoso Periférico: Nervos Periféricos 12 craniais

Leia mais

Fisiologia do Sistema Nervoso. 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4.

Fisiologia do Sistema Nervoso. 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4. Fisiologia do Sistema Nervoso 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4. Ritmos Biológicos Diferenças entre SNMotor e SNAutônomo: a) função: controla funções involuntárias

Leia mais

SISTEMA NERVOSO 2 Profº Moisés Araújo

SISTEMA NERVOSO 2 Profº Moisés Araújo SISTEMA NERVOSO 2 Profº Moisés Araújo www.bioloja.com EMBRIOGÊNESE DO SN DIVISÃO DO SN O SISTEMA NERVOSO O SNC recebe, analisa e integra informações. É o local onde ocorre a tomada de decisões e o envio

Leia mais

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO Introdução O organismo vivo é um sistema semi-aberto, capaz de autopoiese (auto = própria; poiesis = criação) e de auto-organização, e que recicla matéria e energia continuamente.

Leia mais

Professora: Patrícia Ceolin

Professora: Patrícia Ceolin Professora: Patrícia Ceolin DIVISÃO FUNCIONAL DO SN: Sistema nervoso visceral: PORQUE AS INERVAÇÕES DAS ESTRUTURAS VISCERAIS É IMPORTANTE??? Para que aconteça uma integração da atividade das vísceras na

Leia mais

Sistema Nervoso. Divisão Anatômica e Funcional 10/08/2010. Sistema Nervoso. Divisão. Funções gerais. Sistema nervoso central (SNC)

Sistema Nervoso. Divisão Anatômica e Funcional 10/08/2010. Sistema Nervoso. Divisão. Funções gerais. Sistema nervoso central (SNC) Sistema Nervoso Divisão Anatômica e Funcional Sistema Nervoso Divisão Sistema nervoso central (SNC) Sistema nervoso periférico (SNP) Partes Encéfalo Medula espinhal Nervos Gânglios Funções gerais Processamento

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a:

SISTEMA NERVOSO. Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a: SISTEMA NERVOSO Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a: perceber as variações do meio (interno e externo), a difundir as modificações que essas variações produzem executar as respostas

Leia mais

Sistema Nervoso Autônomo

Sistema Nervoso Autônomo Sistema Nervoso Autônomo Profa Geanne Matos de Andrade Depto de Fisiologia e Farmacologia- FAMED- UFC Sir Henry Hallett Dale and Otto Loewi, 1936 Nobel Prize for Physiology or Medicine for their discoveries

Leia mais

Sistema Nervoso. Função: ajustar o organismo animal ao ambiente.

Sistema Nervoso. Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e identificar as condições ambientais externas e as condições internas do organismo 1 LOCALIZAÇÃO: SISTEMA NERVOSO - CORPOS CELULARES:

Leia mais

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi Fisiologia Animal Sistema Nervoso Sistema Nervoso Exclusivo dos animais, vale-se de mensagens elétricas que caminham pelos nervos mais rapidamente que os hormônios pelo sangue. Mantido vivo pela eletricidade,

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Sistema Nervoso

SISTEMA NERVOSO. Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Sistema Nervoso Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Sistema Nervoso SISTEMA NERVOSO Nos organismos menos complexos as funções de comunicação entre as várias

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO Controle do funcionamento do ser humano através de impulsos elétricos Prof. César Lima 1 Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Condução do impulso nervoso 11/06/2012. Tipos celulares:

SISTEMA NERVOSO. Condução do impulso nervoso 11/06/2012. Tipos celulares: SISTEMA NERVOSO Percepção e interpretação de estímulos internos e externos; Tipos celulares: - Neurônios condução de impulsos nervosos - Células da Glia manutenção dos neurônios Elaboração de respostas

Leia mais

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi Fisiologia Animal Sistema Nervoso Sistema Nervoso Exclusivo dos animais, vale-se de mensagens elétricas que caminham pelos nervos mais rapidamente que os hormônios pelo sangue. Mantido vivo pela eletricidade,

Leia mais

ANATOMIA HUMANA II. Roteiro SISTEMA NERVOSO. Enfermagem. Sistema Nervoso. Prof. Me. Fabio Milioni 17/09/2015

ANATOMIA HUMANA II. Roteiro SISTEMA NERVOSO. Enfermagem. Sistema Nervoso. Prof. Me. Fabio Milioni 17/09/2015 ANATOMIA HUMANA II Enfermagem Sistema Nervoso Prof. Me. Fabio Milioni Roteiro SISTEMA NERVOSO Conceito Função Divisão Sistema Nervoso Central Tecido Nervoso Cerebelo Diencéfalo Telencéfalo Meninges Líquor

Leia mais

SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição novembro/2006-1 - SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO SUMÁRIO

Leia mais

SISTEMA NERVOSO FUNÇÕES

SISTEMA NERVOSO FUNÇÕES SISTEMA NERVOSO FUNÇÕES Deteta informação sensorial Processa e responde à informação sensorial (integração) Mantém a homeostasia Centro das atividades mentais Controla os movimentos do corpo através dos

Leia mais

O Princípio Biocêntrico

O Princípio Biocêntrico O Princípio Biocêntrico Por Edson Garcia Soares Facilitador e Didata em Biodanza pela International Biocentric Foundation Fonte: http://www.alumiar.com/saude/48-medica/898-oprincipiobiocentrico A base

Leia mais

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO SISTEMA NERVOSO SNP SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO SNC SISTEMA NERVOSO CENTRAL SENSORIAL neurônios aferentes MOTOR neurônios eferentes NEURÔNIOS MOTORES SOMÁTICOS NEURÔNIOS AUTÔNOMOS

Leia mais

SISTEMA NERVOSO A FUNÇÃO GERAL

SISTEMA NERVOSO A FUNÇÃO GERAL SISTEMA NERVOSO O Sistema Nervoso se divide em a) Sistema Nervoso Central e b) Sistema Nervoso Periférico. No sistema nervoso central existem dois tipos de células: a) os neurônios e b) as células da glia

Leia mais

Projeto Medicina. Dr. Onésimo Duarte Ribeiro Júnior Professor Assistente da Disciplina de Anestesiologia da Faculdade de Medicina do ABC

Projeto Medicina. Dr. Onésimo Duarte Ribeiro Júnior Professor Assistente da Disciplina de Anestesiologia da Faculdade de Medicina do ABC Projeto Medicina Dr. Onésimo Duarte Ribeiro Júnior Professor Assistente da Disciplina de Anestesiologia da Faculdade de Medicina do ABC Neurociência DIVISÃO DO SISTEMA NERVOSO Sistema Nervoso Central Sistema

Leia mais

Introdução ao Sistema Nervoso - O Encéfalo

Introdução ao Sistema Nervoso - O Encéfalo Introdução ao Sistema Nervoso - O Encéfalo Profa Juliana Normando Pinheiro Morfofuncional V juliana.pinheiro@kroton.com.br O sistema nervoso é um sistema complexo de comunicação e controle no corpo animal.

Leia mais

Divisão anatômica 15/09/2014. Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Função. Sistema Nervoso Estrutura. Cérebro Cerebelo Tronco encefálico ENCÉFALO

Divisão anatômica 15/09/2014. Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Função. Sistema Nervoso Estrutura. Cérebro Cerebelo Tronco encefálico ENCÉFALO Função o sistema nervoso é responsável pelo controle do ambiente interno e seu relacionamento com o ambiente externo (função sensorial), pela programação dos reflexos na medula espinhal, pela assimilação

Leia mais

Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico (SNP) Cérebro. Cerebelo. Encéfalo. Mesencéfalo Ponte Bulbo Medula

Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico (SNP) Cérebro. Cerebelo. Encéfalo. Mesencéfalo Ponte Bulbo Medula Introdução O corpo humano é coordenado por dois sistemas: o nervoso e o endócrino. O sistema nervoso é o que coordena, por meio da ação dos neurônios, as respostas fisiológicas, como a ação dos músculos

Leia mais

Sistema nervoso Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico

Sistema nervoso Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico SISTEMA NERVOSO Sistema nervoso Funções: Coordena o funcionamento dos outros sistemas. Controla os movimentos (voluntários e involuntários). É responsável pela recepção de estímulos externos e pela resposta

Leia mais

BIODANZA UMA PROPOSTA INOVADORA

BIODANZA UMA PROPOSTA INOVADORA BIODANZA UMA PROPOSTA INOVADORA Danielle Tavares 2 Dançar, expandir, expressar-se e conectar-se profundamente à alegria e à celebração de viver Biodanza é um sistema terapêutico que acredita que pessoas

Leia mais

Organização do sistema nervoso

Organização do sistema nervoso Sistema nervoso Organização do sistema nervoso Sistema Nervoso Central (SNC) O encéfalo: O encéfalo dos mamíferos é dividido em: telencéfalo (cérebro), diencéfalo (tálamo, epitálamo e hipotálamo), mesencéfalo

Leia mais

Sistema Nervoso Organização Geral

Sistema Nervoso Organização Geral Sistema Nervoso Organização Geral O encéfalo é o centro da razão e da inteligência: cognição, percepção, atenção, memória e emoção, Também é responsável pelo controle da postura e movimentos, Permite o

Leia mais

Sistema Nervoso. Corpo celular constituída pela membrana, organelas e núcleo celular.

Sistema Nervoso. Corpo celular constituída pela membrana, organelas e núcleo celular. Neurônio Sistema Nervoso Corpo celular constituída pela membrana, organelas e núcleo celular. Dendritos prolongamentos ramificados que captam os estímulos nervosos. Axônio prolongamento único e responsável

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Professora: Daniela Carrogi Vianna

SISTEMA NERVOSO. Professora: Daniela Carrogi Vianna SISTEMA NERVOSO Professora: Daniela Carrogi Vianna SISTEMA NERVOSO O sistema Nervoso é um todo. Sua divisão em partes tem um significado exclusivamente didático, pois as várias partes estão intimamente

Leia mais

Fisiologia do Sistema Nervoso. 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4.

Fisiologia do Sistema Nervoso. 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4. Fisiologia do Sistema Nervoso 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4. Ritmos Biológicos Sistema Nervoso Motor a) Organização Hierárquica do Movimento Movimentos

Leia mais

8ª série / 9º ano U. E. 14. Sistema nervoso

8ª série / 9º ano U. E. 14. Sistema nervoso 8ª série / 9º ano U. E. 14 Sistema nervoso O cérebro, a medula e os nervos são os principais órgãos que formam o sistema nervoso. As informações que chegam ao cérebro são respondidas com estímulos que

Leia mais

Sistema Nervoso Autonômico (SNA)

Sistema Nervoso Autonômico (SNA) Laboratório de Neurofisiologia, DFF, CCB, UFPE 1 Sistema Nervoso Autonômico (SNA) Reginaldo P. Silva 1. Introdução. O SNA é critico para a sobrevivência do indivíduo e da espécie porque regula a homeostasia

Leia mais

Fisiologia do Sistema Nervoso

Fisiologia do Sistema Nervoso FORMAÇÃO DO TUBO NEURAL Fisiologia do Sistema Nervoso Curso: Biologia Profa. EMBRIOGÊNESE DO SN DIVISÃO DO SN 1 SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO Diversidade celular SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO NERVOS SOMÁTICO

Leia mais

Elementos Estruturais e Funcionais do Sistema Nervoso

Elementos Estruturais e Funcionais do Sistema Nervoso CÉREBRO Cérebro O ser humano define-se por uma multiplicidade de caraterísticas que o distinguem dos outros animais. O seu organismo é constituído por um conjunto de orgãos e sistemas que se relacionam

Leia mais

BIO E EXTENSIVO AULA 30

BIO E EXTENSIVO AULA 30 BIO E EXTENSIVO AULA 30 30.01 - Uma célula nervosa (neurônio) é constituída basicamente por: corpo celular, onde se encontram as organelas e o núcleo; dendritos, que são ramificações que recebem o estímulo

Leia mais

NOÇÕES DE NEUROANATOMIA

NOÇÕES DE NEUROANATOMIA Divisões do Sistema Nervoso Sistema Nervoso Sistema Nervoso Central Encéfalo Medula Espinhal Sistema Nervoso Periférico Nervos Espinhais Nervos Cranianos Gânglios Periféricos 1 Os órgãos do SNC são protegidos

Leia mais

Sistema neuro-hormonal. EPL Hélder Giroto Paiva

Sistema neuro-hormonal. EPL Hélder Giroto Paiva Sistema neuro-hormonal EPL Hélder Giroto Paiva O que é o sistema neuro-hormonal? + Sistema nervoso Sistema hormonal O que é o sistema neuro-hormonal? Qualquer alteração no exterior ou no interior do corpo

Leia mais

A Dança na Terceira Idade

A Dança na Terceira Idade A Dança na Terceira Idade Bárbara Costa Carolina Miguel Leonardo Delarete Pimenta Na terceira idade, geralmente, o ser humano sofre algumas alterações de um declínio geral no aspecto biopsicossocial. Como

Leia mais

Prof. Laila Bekai 7ª série - Ciências

Prof. Laila Bekai 7ª série - Ciências Prof. Laila Bekai 7ª série - Ciências SISTEMA NERVOSO Sistema nervoso central (SNC) Sistema nervoso periférico (SNP) Encéfalo Medula espinhal SNP autônomo SNP somático Parassimpático Simpático Nervos motores

Leia mais

INTRODUÇÃO AO SISTEMA NERVOSO DOS ANIMAIS. Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de Fisiologia e Farmacologia

INTRODUÇÃO AO SISTEMA NERVOSO DOS ANIMAIS. Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de Fisiologia e Farmacologia INTRODUÇÃO AO SISTEMA NERVOSO DOS ANIMAIS Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de Fisiologia e Farmacologia 1 O sistema nervoso é o mais complexo e diferenciado do organismo, sendo o primeiro a se

Leia mais

Matéria: biologia Assunto: fisiologia humana Sistema NERVOSO Prof. Enrico blota

Matéria: biologia Assunto: fisiologia humana Sistema NERVOSO Prof. Enrico blota Matéria: biologia Assunto: fisiologia humana Sistema NERVOSO Prof. Enrico blota Biologia FISIOLOGIA HUMANA SISTEMA NERVOSO Tem por função receber, associar, armazenar ou emitir informações garantindo assim

Leia mais

Mapeamento do córtex motor

Mapeamento do córtex motor Motricidade Mapeamento do córtex motor 1. Principal região controladora para início dos movimentos voluntários: Área motora primária- Giro pré-central 2.Área somatossensorial primária (giro pós central)

Leia mais

Sistema Límbico. Prof. Gerardo Cristino. Aula disponível em: www.gerardocristino.com.br

Sistema Límbico. Prof. Gerardo Cristino. Aula disponível em: www.gerardocristino.com.br FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Sistema Límbico Prof. Gerardo Cristino Aula disponível em: www.gerardocristino.com.br Sistema Nervoso Central Áreas da emoção

Leia mais

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO 156 SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO No primeiro capítulo definimos que a homeostasia corresponde à permanente tendência do organismo em manter o meio interno em condições de equilíbrio dinâmico através do controle

Leia mais

MATÉRIA 8º 2º Dez/13 NOTA

MATÉRIA 8º 2º Dez/13 NOTA Valores eternos. TD Recuperação MATÉRIA Ciências ANO/TURMA SEMESTRE DATA 8º 2º Dez/13 ALUNO(A) PROFESSOR(A) Juliana TOTAL DE ESCORES ESCORES OBTIDOS NOTA VISTO DOS PAIS/RESPONSÁVEIS 1. A pele é um órgão

Leia mais

Fisiologia do Sistema Nervoso

Fisiologia do Sistema Nervoso Fisiologia do Sistema Nervoso 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4. Ritmos Biológicos Visão Geral do Sistema Nervoso Central O Sistema Nervoso Central - SNC

Leia mais

Sistema Muscular. Elementos de Anatomia e Fisiologia Humana

Sistema Muscular. Elementos de Anatomia e Fisiologia Humana Os ossos e as articulações fornecem a estrutura e o suporte do corpo humano mas, por si só, não conseguem mover o corpo. O movimento depende do sistema muscular e, é conseguido pela contracção e relaxamento

Leia mais

Estrutura e Função dos Nervos Periféricos

Estrutura e Função dos Nervos Periféricos FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Estrutura e Função dos Nervos Periféricos Prof. Gerardo Cristino Aula disponível em: www.gerardocristino.com.br Objetivos

Leia mais

A DANÇA DO VENTRE COMO INSTRUMENTO NA PSICOTERAPIA CORPORAL PARA MULHERES Elizabeth Moro

A DANÇA DO VENTRE COMO INSTRUMENTO NA PSICOTERAPIA CORPORAL PARA MULHERES Elizabeth Moro 1 A DANÇA DO VENTRE COMO INSTRUMENTO NA PSICOTERAPIA CORPORAL PARA MULHERES Elizabeth Moro A busca por esse trabalho teve inicio, quando de alguma forma, eu procurava encontrar explicações psicológicas,

Leia mais

O sistema nervoso esta dividido em duas partes:

O sistema nervoso esta dividido em duas partes: 1 FISIOLOGIA HUMANA I Neuromuscular Prof. MsC. Fernando Policarpo 2 Conteúdo: Estrutura do Sistema Nervoso Central (SNC) e Periférico (SNP). Elementos do Tecido Nervoso. Mecanismos de Controle Muscular.

Leia mais

29/03/2012. Sistema Nervoso

29/03/2012. Sistema Nervoso Tema: Sistema Nervoso Marcos Vinícius 1)Introdução O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas, bem como

Leia mais

Curso: Integração Metabólica

Curso: Integração Metabólica Curso: Integração Metabólica Aula 9: Sistema Nervoso Autônomo Prof. Carlos Castilho de Barros Sistema Nervoso Sistema Nervoso Central Sistema Nervoso Periférico Sensorial Motor Somático Autônomo Glândulas,

Leia mais

A Atividade Elétrica do Coração http://www.geocities.ws/equipecv/fisiologia/ativeletrica.html

A Atividade Elétrica do Coração http://www.geocities.ws/equipecv/fisiologia/ativeletrica.html A Atividade Elétrica do Coração http://www.geocities.ws/equipecv/fisiologia/ativeletrica.html 1. A contração das células musculares cardíacas é acionada por um potencial de ação elétrico Conforme o músculo

Leia mais

Sistema nervoso I- Introdução à Neuroanatomia

Sistema nervoso I- Introdução à Neuroanatomia ANATOMIA 2012.1 Sistema nervoso I- Introdução à Neuroanatomia Prof. Musse Jereissati, M.D. Aviso: O material disponível no site NÃO substitui o livro e o Atlas. Recomendamos a leitura da bibliografia indicada!

Leia mais

Níveis de. Organização do. Corpo Humano

Níveis de. Organização do. Corpo Humano Níveis de Organização do Corpo Humano No corpo humano existem vários grupos de células semelhantes entre si. Cada grupo constitui um TECIDO Semelhança de forma: todas destinam-se a uma função específica.

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Tecido Nervoso Compreende basicamente dois tipos celulares Neurônios unidade estrutural e funcional

Leia mais

EDUCAÇÃO BIOCÊNTRICA: A PEDAGOGIA DO AFETO

EDUCAÇÃO BIOCÊNTRICA: A PEDAGOGIA DO AFETO EDUCAÇÃO BIOCÊNTRICA: A PEDAGOGIA DO AFETO Nanci Ferreira 1 Sonia Reis 2 Maria Lizabete de Souza Povoa 3 Uma sociedade educada sob o ponto de vista do amor a si mesmo, ao outro e ao cosmos será, com certeza,

Leia mais

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica;

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica; - CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR 1) FUNÇÕES DO SISTEMA CARDIOVASCULAR - Propulsão do sangue por todo o organismo; - Transporte de substâncias como o oxigênio (O 2 ), dióxido de carbono ou gás carbônico

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS - 9.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS - 9.º ANO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 9.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO No domínio Viver melhor na Terra, o aluno deve ser capaz de: Compreender a importância da saúde individual e comunitária na qualidade

Leia mais

Categorias de Músculos

Categorias de Músculos URI Curso de Psicologia Prof. Claudio Alfredo Konrat Aparelho Locomotor: ossos, junturas e músculos Os músculos constituem os elementos ativos do movimento Os ossos constituem os elementos passivos do

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS 9.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS 9.º ANO DE CIÊNCIAS NATURAIS 9.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No domínio Viver melhor na Terra, o aluno deve ser capaz de: Compreender a importância da saúde individual e comunitária na qualidade de

Leia mais

CONTEXTUALIZAÇÃO. Surge na Alemanha por entre 1910-1920 KURT KOFFKA (1886 1941) WOLFGANG KÖHLER (1887 1967) MAX WERTHEIMER (1880 1943)

CONTEXTUALIZAÇÃO. Surge na Alemanha por entre 1910-1920 KURT KOFFKA (1886 1941) WOLFGANG KÖHLER (1887 1967) MAX WERTHEIMER (1880 1943) GESTALT CONTEXTUALIZAÇÃO Surge na Alemanha por entre 1910-1920 MAX WERTHEIMER (1880 1943) KURT KOFFKA (1886 1941) WOLFGANG KÖHLER (1887 1967) Eu faço as minhas coisas Você faz as suas. Não estou neste

Leia mais

DATA: 18/ 12 / 2015 VALOR: 20 pontos NOTA: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO SÉRIE: 8º Ano TURMA: NOME COMPLETO:

DATA: 18/ 12 / 2015 VALOR: 20 pontos NOTA: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO SÉRIE: 8º Ano TURMA: NOME COMPLETO: DISCIPLINA: CIÊNCIAS PROFESSORES: Ludmila / Márcia DATA: 18/ 12 / 2015 VALOR: 20 pontos NOTA: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO SÉRIE: 8º Ano TURMA: NOME COMPLETO: Nº: Orientações gerais: Este trabalho

Leia mais

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 1

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 1 5. O sistema nervoso Introdução O SN é dividido estruturalmente em componentes periféricos e centrais, denominados, respectivamente, Sistema Nervoso Periférico (SNP) e Sistema Nervoso Central (SNC). O

Leia mais

Sistema neuro-hormonal

Sistema neuro-hormonal Unidade 4 Sistema neuro-hormonal O que é o sistema neuro-hormonal? + Sistema nervoso Sistema hormonal O que é o sistema neuro-hormonal? Qualquer alteração no exterior ou no interior do corpo! corresponde

Leia mais

01/03/2013. O Homúnculo de Penfield. Sistema Nervoso. Desenvolvimento embriológico do SN. Neurulação (início da 4ª semana) = formação do tubo neural

01/03/2013. O Homúnculo de Penfield. Sistema Nervoso. Desenvolvimento embriológico do SN. Neurulação (início da 4ª semana) = formação do tubo neural O Homúnculo de Penfield Sistema Nervoso Desenvolvimento embriológico do SN Neurulação (início da 4ª semana) = formação do tubo neural 1 Fechamento dos neuróporos 2 Importância do fechamento do tubo neural

Leia mais

Resumo de fisiologia. Sistema Nervoso. Nome: Curso: Data: / /

Resumo de fisiologia. Sistema Nervoso. Nome: Curso: Data: / / Resumo de fisiologia Sistema Nervoso Nome: Curso: Data: / / 1 - Organização dos tecidos biológicos CÉLULA TECIDO ORGÃO SISTEMA - SER 2 - Estrutura Do Sistema Nervoso Características a. Apresenta-se com

Leia mais

Tecido Nervoso. 1) Introdução

Tecido Nervoso. 1) Introdução 1) Introdução O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas, bem como as condições reinantes dentro do

Leia mais

NEUROFISIOLOGIA ORGANIZAÇÃO GERAL:

NEUROFISIOLOGIA ORGANIZAÇÃO GERAL: NEUROFISIOLOGIA O Sistema Nervoso (SN) e o Sistema Endócrino (hormonal) desempenham a maioria das funções de controle do organismo - O SN controla atividades RÁPIDAS: contração muscular, eventos viscerais

Leia mais

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA CURSO DE ENFERMAGEM DISCIPLINA: PRATICAS NATURAIS E VIVENCIS EM SAÚDE II Prof.ª DANIELLA KOCH DE CARVALHO

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA CURSO DE ENFERMAGEM DISCIPLINA: PRATICAS NATURAIS E VIVENCIS EM SAÚDE II Prof.ª DANIELLA KOCH DE CARVALHO UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA CURSO DE ENFERMAGEM DISCIPLINA: PRATICAS NATURAIS E VIVENCIS EM SAÚDE II Prof.ª DANIELLA KOCH DE CARVALHO Segundo Barros (2004), Dhyana é a palavra em sânscrito que

Leia mais

SISTEMA NERVOSO PARTE 1

SISTEMA NERVOSO PARTE 1 SISTEMA NERVOSO PARTE 1 1 TECIDO NERVOSO 1. O sistema nervoso é dividido em: SISTEMA NERVOSO CENTRAL e SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO 2. A unidade básica = célula nervosa NEURÔNIO 3. Operam pela geração de

Leia mais

SOBRE MÃOS: DA MÃOZADA À TERAPIA

SOBRE MÃOS: DA MÃOZADA À TERAPIA 1 SOBRE MÃOS: DA MÃOZADA À TERAPIA Paulo Borges RESUMO A apresentação deste artigo refere-se à parte teórica do pôster homônimo e destina-se a ilustrar uma reflexão a respeito das mãos presentes no trabalho

Leia mais

A SACRALIDADE DA VIDA

A SACRALIDADE DA VIDA A SACRALIDADE DA VIDA Maria Luiza Appy (Marlise) No mundo em que vivemos a noção da sacralidade da vida se perdeu. O ser humano - não em sua totalidade, mas em sua grande maioria - desconectou-se de sua

Leia mais

Sistema Endócrino: controle hormonal

Sistema Endócrino: controle hormonal Sistema Endócrino: controle hormonal Todos os processos fisiológicos estudados até agora, como digestão, respiração, circulação e excreção, estão na dependência do sistema que fabrica os hormônios. O sistema

Leia mais

ExpressARTE. Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais. Manual da Formanda drmadorr1manda. Dança Movimento Amalgama

ExpressARTE. Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais. Manual da Formanda drmadorr1manda. Dança Movimento Amalgama ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais Manual da Formanda drmadorr1manda Dança Movimento Amalgama Autor: Amalgama Companhia de Dança (Ana Alexandra Battaglia) Título: Dança Movimento

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING O Curso de Formação em Iso Stretching é ministrado pelo fundador da técnica, o osteopata e fisioterapeuta francês Bernard Redondo. O método Iso Stretching foi desenvolvido

Leia mais

14 Dicas para Acabar com a Ansiedade e Depressão Despertar do Amor http://www.despertardoamor.com.br

14 Dicas para Acabar com a Ansiedade e Depressão Despertar do Amor http://www.despertardoamor.com.br 14 Dicas para Acabar com a Ansiedade e Depressão Despertar do Amor Este e-book é um dos BÔNUS que fazem parte do Processo Despertar do Amor. Para saber mais sobre este trabalho, acesse: INTRODUÇÃO O grande

Leia mais

ONDE ESTÁ O SEU TESÃO? OU SOBRE A FALTA DE DESEJO NOS TEMPOS ATUAIS

ONDE ESTÁ O SEU TESÃO? OU SOBRE A FALTA DE DESEJO NOS TEMPOS ATUAIS ONDE ESTÁ O SEU TESÃO? OU SOBRE A FALTA DE DESEJO NOS TEMPOS ATUAIS Alessandra da Silva Eisenreich RESUMO Trabalho, família, casa, celular conectado 24h por dia, com tantas demandas onde sobra um espaço

Leia mais

EXERCÍCIO PARA DESENVOLVER O CONTROLE DA EJACULAÇÃO. { Baseado no e-book CORPO E MENTE NO CONTROLE TOTAL DA EJACULAÇÃO. Uma iniciativa do blog:

EXERCÍCIO PARA DESENVOLVER O CONTROLE DA EJACULAÇÃO. { Baseado no e-book CORPO E MENTE NO CONTROLE TOTAL DA EJACULAÇÃO. Uma iniciativa do blog: EXERCÍCIO 1 PARA DESENVOLVER O CONTROLE DA EJACULAÇÃO { Baseado no e-book CORPO E MENTE NO CONTROLE TOTAL DA EJACULAÇÃO Uma iniciativa do blog: ESCLARECIMENTOS NECESSÁRIOS 2 Você já deve ter ouvido falar

Leia mais

24 motivos. academia. para entrar na

24 motivos. academia. para entrar na para entrar na academia Mais um ano se inicia e com ele chegam novas perspectivas e objetivos. Uma das principais promessas feitas é deixar o sedentarismo de lado e entrar na academia! Nesta época é comum

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM CAROLINE SILVA DE OLIVEIRA Discente do Curso de Licenciatura Plena do Curso de Educação Física das Faculdades Integradas

Leia mais

Sistema Nervoso. Carin Cristina Uhlmann Carlevaro Nº15 Turma 27

Sistema Nervoso. Carin Cristina Uhlmann Carlevaro Nº15 Turma 27 Sistema Nervoso Carin Cristina Uhlmann Carlevaro Nº15 Turma 27 O sistema nervoso existe para coordenar, dirigir e regular as funções de nosso organismo de maneira harmoniosa, mantendo-o íntegro e homeostase.

Leia mais

2. OBJETIVO E CONCEPÇÃO DA PROVA

2. OBJETIVO E CONCEPÇÃO DA PROVA Aptidão Dança 1. INTRODUÇÃO O Curso de Graduação em Dança da Unicamp tem como objetivo formar o intérprete e criador em Dança, profissional capaz de contribuir como agente transformador da realidade, responsável

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA DIGESTÓRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA DIGESTÓRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA DIGESTÓRIO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição janeiro/2007 SISTEMA DIGESTÓRIO SUMÁRIO Sobre a Bio Aulas... 03 Sistema Digestório... 04 Boca... 05 Características

Leia mais

Centro Estadual de Educação Profissional Dr. Brasílio Machado. Sistema Nervoso

Centro Estadual de Educação Profissional Dr. Brasílio Machado. Sistema Nervoso Curso: carolinanico@hotmail.com Centro Estadual de Educação Profissional Dr. Brasílio Machado X Função: Sistema Nervoso Coordenar e integrar as diversas funções do organismo, contribuindo para seu equilíbrio

Leia mais

CORPO MOVIMENTO; SISTEMA NERVOSO; SISTEMA CARDIORESPIRATÓRIO; SISTEMA MUSCULOESQUELÉTICO. SISTEMA ENDÓCRINO

CORPO MOVIMENTO; SISTEMA NERVOSO; SISTEMA CARDIORESPIRATÓRIO; SISTEMA MUSCULOESQUELÉTICO. SISTEMA ENDÓCRINO CORPO X MACONHA CORPO MOVIMENTO; SISTEMA NERVOSO; SISTEMA CARDIORESPIRATÓRIO; SISTEMA MUSCULOESQUELÉTICO. SISTEMA ENDÓCRINO CORPO - MOVIMENTO CORPO - MOVIMENTO Movimentos estão presentes em todas as atividades

Leia mais

02/04/2013. Glândula Pineal. Fernanda

02/04/2013. Glândula Pineal. Fernanda Fernanda 1 O PAPEL DA MENTE A mente permanece na base de todos os fenômenos mediúnicos. F.C.Xavier/André Luiz: Nos Domínios da Mediunidade, cap.1, p. 15-16) É o espelho da vida em toda a parte. Emmanuel

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS FIRVAL CURSO DE ACUPUNTURA CORPO ENERGÉTICO. Elaborado por Profa. Romana de Souza Franco. 1

CENTRO DE ESTUDOS FIRVAL CURSO DE ACUPUNTURA CORPO ENERGÉTICO. Elaborado por Profa. Romana de Souza Franco. 1 CENTRO DE ESTUDOS FIRVAL CORPO ENERGÉTICO 1 CENTRO DE ESTUDOS FIRVAL INTRODUÇÃO: O corpo energético humano, às vezes chamado de corpo etéreo permeia e cerca o corpo físico sólido. É a soma dos campos de

Leia mais

Tecidos Nervoso e Muscular

Tecidos Nervoso e Muscular Material de apoio para Monitoria Questão 1 (Feio-Lemos, 2014) No esquema abaixo está representada a anatomia geral de um neurônio. Acerca da mesma, responda o que se pede. a b c d e f Meio intracelular

Leia mais

Os Sete Poderes de Transformação da Biodanza

Os Sete Poderes de Transformação da Biodanza Os Sete Poderes de Transformação da Biodanza Falar de Biodanza não é tão poderoso quanto vivenciar a Biodanza. Pensar sobre uma teoria e compreendê la é uma coisa, unir se a ela através da prática e do

Leia mais

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS HISTOLOGIA = estudo dos tecidos TECIDOS Grupos de células especializadas, semelhantes ou diferentes entre si, e que desempenham funções específicas. Num

Leia mais

CONVERSANDO SOBRE A ESPIRITUALIDADE DO CORPO

CONVERSANDO SOBRE A ESPIRITUALIDADE DO CORPO 1 Resumo CONVERSANDO SOBRE A ESPIRITUALIDADE DO CORPO Cristian G. Valeski de Alencar A base da espiritualidade é a harmonia entre o ego e o corpo. É um estado de graça que dificilmente é encontrado no

Leia mais

FISIOLOGIA GASTROINTESTINAL. FISIOLOGIA HUMANA -Morfofisiologia aplicada à Odontologia - Profª Monica Zeni Refosco

FISIOLOGIA GASTROINTESTINAL. FISIOLOGIA HUMANA -Morfofisiologia aplicada à Odontologia - Profª Monica Zeni Refosco FISIOLOGIA GASTROINTESTINAL FISIOLOGIA HUMANA -Morfofisiologia aplicada à Odontologia - Profª Monica Zeni Refosco OBJETIVOS DA AULA Conhecer os componentes do TGI; Descrever as funções desse sistema; Distinguir

Leia mais