> Conselho Geral > Parecer CG n.º 23/PP/2008-G, de 7 de Novembro de 2008

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "> Conselho Geral > Parecer CG n.º 23/PP/2008-G, de 7 de Novembro de 2008"

Transcrição

1 > Conselho Geral > Parecer CG n.º 23/PP/2008-G, de 7 de Novembro de 2008 CONSULTA Foi solicitado a este Conselho, pela Ilustre Advogada Sr.ª Dr.ª, PARECER sobre as seguintes QUESTÕES: 1 É possível uma sociedade por quotas de consultoria farmacêutica ter no seu objecto social a prestação de serviços na área do Direito Farmacêutico? O n.º 7, in fine do art. 1º da Lei 49/2004 de 24 de Agosto sustenta uma resposta afirmativa a esta questão? 2 Os pareceres técnico-jurídicos na área referida no n.º 1 poderão ser dados à empresa por advogado ou jurista com vínculo à empresa que por seu turno dará aos seus clientes, por aplicação do n.º 8, art. 1º do referido diploma? 3 Qual o sentido e interpretação dada aos n.ºs 7 e 8 do art. 1º da lei supra referida PARECER 1.º Conformação legal dos actos próprios de advogados Os arts. 1º da Lei 49/2004, de 24 de Agosto e 61º a 65º do Estatuto da Ordem dos Advogados, prescrevem, expressamente, que apenas os licenciados em Direito, com inscrição em vigor naquela, podem praticar actos próprios de advogados.

2 Tal condição é, pois, essencial para assegurar aquela prática, pois só quem está apto e qualificado para tal poderá contribuir para a efectiva realização da justiça. Tais exclusividade e objectivo estão, de resto, previstos constitucionalmente (cfr. art. 208º da CRP) Foi, assim, por razões de segurança e de confiança dos cidadãos no funcionamento da justiça, que determinados actos foram cometidos em exclusivo aos advogados (ou advogados estagiários), quer em prática isolada, quer inseridos em escritório, composto exclusivamente por advogados, quer às sociedades de advogados, pois são estes os únicos profissionais com capacidade técnica, conhecimentos teóricos e ética profissional necessários para a prestação do serviço de aconselhamento jurídico e de representação dos cidadãos. É isto o que, inequivocamente, prescreve o art. 61º do EOA e a aludida Lei 49/2004 e quem praticar tais actos, sem preencher os requisitos ou satisfazer a necessária condição, incorre no cometimento do crime de procuradoria ilícita, p. e p. pelo art. 7º da aludida Lei e pelo art. 358º do Código Penal. Preceitua, ainda, o n.º 1, in fine, do art. 6º da Lei 49/2004, a proibição expressa de funcionamento de escritório ou gabinete, constituídos sob qualquer forma jurídica, que não seja exclusivamente, e sublinhe-se exclusivamente, composto por advogados, que prestem serviços a terceiros que compreendam a prática de actos próprios de advogados. Tal proibição-regra não será, porém, aplicável, nos termos dos n. os 3 e 4 do mesmo artigo, às seguintes entidades: 1) Sindicatos e associações patronais, desde que os actos praticados o sejam para defesa exclusiva dos interesses comuns em causa (e não, note-se, para a defesa de interesses particulares dos seus associados ou

3 de terceiros) e que os mesmos sejam individualmente exercidos por advogado, advogado-estagiário ou solicitador (n.º 3). 2) Entidades sem fins lucrativos que requeiram o estatuto de utilidade pública, desde que observem os requisitos ínsitos nas als. a), b) e c) do n.º 4. Mais quais são, então, esses actos (próprios de advogado)? O art. 61º do E.O.A. remete-nos para a Lei 49/2004 onde, no n.º 5 do art. 1.º e nos arts. 2º e 3º, são elencados o mandato forense e a consulta jurídica, como actos exclusivamente da competência de advogados. Quanto à consulta jurídica, cuja especificação de conteúdo assumirá maior relevância atendendo à situação em análise, objecto deste parecer, refere o aludido art. 3º que se considera consulta jurídica a actividade de aconselhamento jurídico que consiste na interpretação e aplicação de normas jurídicas mediante solicitação de terceiro. É, pois, exigível que a actividade referida seja exercida no interesse de terceiros e no âmbito de uma actividade profissional, ainda que não assuma carácter contínuo ou reiterado, por Advogados com inscrição em vigor na OA. Só assim não será, quando estivermos perante uma das situações previstas nos n. os 7 ou 8 do art. 1º, do mesmo Diploma: 1 Quando competências próprias atribuídas às demais profissões ou actividades cujo acesso ou exercício é regulado por lei, permitirem a sua prática.

4 2 Quando tais actos forem praticados por representantes legais, empregados, funcionários ou agentes de pessoas singulares colectivas, públicas ou privadas, mas nessa qualidade, caso em que não se consideram praticados no interesse de terceiros. Convirá salientar que, não obstante tais normas serem, mais adiante, objecto de uma maior e mais aprofundada reflexão, quanto a este primeiro ponto, a competência, por não advogados, para a prática de tais actos terá de decorrer de LEI que expressamente a preveja. Quanto ao segundo ponto, é determinante que esteja em causa a defesa exclusiva dos interesses do representado, empregador ou superior hierárquico ou de interesses comuns de uma concreta colectividade (numa perspectiva interna, portanto). Tal significa que não estando em questão representação ou aconselhamento interno de uma colectividade, com vista à realização do seu objecto social, mas sim aconselhamento de clientes, logo, terceiros, tal situação não se encontrará abrangida pela previsão do n.º 8 do art. 1.º. 2.º Análise das questões concretas colocadas Após a análise do regime jurídico conformador dos actos próprios de advogado, afigura-se ser possível já uma tomada de posição, ainda que perfunctória, relativamente às questões colocadas pela consulente. Pese embora não tenham sido fornecidos quaisquer elementos concretos sobre a aludida sociedade de consultoria farmacêutica, v.g. o seu pacto social, procederseá à análise individualizada de cada uma das questões. Quanto à primeira, parece que a resposta não poderá deixar de ser negativa, Aplicam-se, aqui, as já referidas normas dos arts. 61º e segs. do E.O.A. e o

5 preceituado na Lei 49/2009, que prevê e disciplina os actos próprios de advogado, nomeadamente nos seus arts. 1.º, 2.º, 3.º, 6.º e 7.º; Assim, e não se mostrando necessárias quaisquer outras considerações sobre o regime dos actos próprios de advogado, se a sociedade em análise é uma sociedade de consultoria farmacêutica, não composta exclusivamente por advogados, não poderá a mesma ter como seu objecto social a prestação de serviços na área de direito farmacêutico, por violação da proibição constante do n.º 1 art. 6º da Lei 49/2004. Os n. os 3 e 4 do mesmo preceito não encontram aqui qualquer aplicabilidade por não estarmos perante um sindicato ou entidade patronal na defesa exclusiva dos interesses comuns dos seus associados (n.º 3) ou de entidade sem fins lucrativos. De igual modo, também os n. os 7 e 8 do art. 1º do mesmo Diploma, não são aplicáveis ao caso concreto, ora em análise. Com efeito, a prática de serviços na área de direito farmacêutico sempre implicaria o aconselhamento jurídico nessa mesma área, assim se concluindo que tais actos (consulta jurídica) sempre seriam exercidos no interesse de terceiros e no âmbito de uma actividade profissional e, portanto, considerados actos próprios de advogado, pelo que lhes estaria vedada a prática dos mesmos. O que nos conduz à segunda questão. O n.º 8, cujo teor aqui se dá por integralmente reproduzido, por seu turno, estabelece que tais actos só não serão considerados como actos próprios de advogado se não forem prestados no interesse de terceiros. Ora, sendo a sociedade em questão uma sociedade que presta, além do mais, consultoria farmacêutica aos seus clientes, fica afastada a aplicação daquele n.º

6 8 do art. 1º, pois a aludida prestação de serviços na área do Direito Farmacêutico não será prestada pelos membros de tal sociedade (ou por terceiros, ainda que efectivamente advogados, contratados para o efeito), enquanto representantes legais, empregados, funcionários ou agentes de pessoas singulares ou colectivas, públicas ou privadas, mas praticados, inelutavelmente, no interesse de terceiros e assumindo a natureza de actos próprios de advogado. Do exposto resulta, portanto, que ainda que os referidos pareceres técnicojurídicos na área de Direito Farmacêutico sejam dados à empresa por advogado ou jurista com vínculo à empresa que, por seu turno, os facultará aos seus clientes, sempre estaria arredada a previsão e permissão dada pelo n.º 8 do art. 1º do aludido Diploma, precisamente por tais actos ou serviços serem praticados no interesse de terceiros, clientes, e não no exclusivo interesse dos membros da própria empresa e não visando, por isso, a defesa exclusiva de interesses comuns desta. Pelo que é nosso entendimento que, tais pareceres técnico-jurídicos, não poderão ser dados à empresa para que esta os disponibilize, em momento posterior, aos seus clientes. Finalmente, quanto ao terceiro e último ponto do pedido de parecer, no qual se questiona qual o sentido e interpretação dos já referidos n. os 7 e 8 do art. 1º da Lei 49/2004, serão repristinadas algumas das considerações já tecidas a propósito da segunda questão. O n.º 7 prevê que os actos referidos nos números anteriores do aludido art. 1º serão considerados como próprios de advogado, excepto quando o exercício dos mesmos seja permitido, por lei especial, a outras profissões ou actividades de acordo com as competências próprias atribuídas a estas. Tal previsão, ínsita na parte final do referido n.º 7, objecto de diversas formulações durante os trabalhos preparatórios da aludida Lei, prescreve apenas que os actos

7 que, nos termos do art. 1º, forem exercidos no interesse de terceiros e no âmbito de actividade profissional, não são interditos às demais profissões ou actividades cujo acesso ou exercício é regulado por lei, desde que compreendidos nas competências que lhes forem atribuídas. (V.g. art. 6º do Estatuto da Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas) O que significa que só através de previsão legal explícita a competência para a prática de actos, considerados próprios de advogado e solicitadores e conforme elencados no art. 1º da Lei 49/2004, pode ser atribuída a outros profissionais que não aqueles, desde que respeitado o núcleo de actividades reservada em exclusivo aos Advogados e salvaguardadas as exigências de dignidade, isenção, competência de quem presta tais serviços e de confiança por parte dos consulentes (Cfr. Ac. do STJ 19 de Janeiro de 1984, proc. n.º ) É que o Advogado, repete-se, é o único profissional que, pelos seus saber, conhecimentos técnicos e vinculação a uma rigorosa conduta deontológica, se encontra em condições para pugnar pelos direitos e legítimos interesses dos cidadãos, tendo merecido, por isso, a sua profissão, a consagração e protecção na Lei Fundamental. Pois que, qualquer previsão legal que ofenda a esfera nuclear dos actos próprios de advogado, estará, inevitavelmente, ferida de ilegalidade ou mesmo de inconstitucionalidade. Importará, por fim, aquilatar sobre qual o sentido e alcance do n.º 8, ainda do mesmo artigo. Nos termos do n.º 8 do art. 1º, não serão considerados praticados no interesse de terceiros e, por isso, passíveis de serem praticados por profissionais que não sejam advogados, os actos praticados pelos representantes legais, empregados,

8 funcionários ou agentes de pessoas singulares ou colectivas, públicas ou privadas, nessa qualidade. Ora, é evidente que os actos praticados pelas pessoas elencadas neste número não o serão no interesse de terceiros. Isto parece óbvio e é compreensível a intenção do legislador. Por outro lado, é manifesto que os actos próprios de advogado visam sempre a defesa de interesses dos seus clientes, por isso terceiros, e o aconselhamento de consulentes que se dirigem aos seus escritórios, inexistindo entre os mesmos qualquer vinculação ou relação de dependência. Nessa medida, bem se compreende que, embora muitas vezes se trate de actos cuja prática estaria, em regra, adstrita à competência dos profissionais liberais da advocacia, mas uma vez que não atingem a esfera de terceiros, e são praticados numa perspectiva de defesa de interesses comuns ou de representados, os mesmos não estejam vedados a outros profissionais. Mas, claro, apenas quando e na medida em que ajam nessa qualidade. 3.º Conclusões 1 São actos próprios de advogado, entre outros, o exercício do mandato forense e a consulta jurídica, conforme o disposto no art. 1º da Lei 49/2004, de 24 de Agosto, onde os mesmos são elencados. 2 Tais actos só podem ser prestados a terceiros, por profissionais de advocacia, em prática isolada ou integrados em escritório composto,

9 exclusivamente, por advogados, não sendo admitida, a sua prática, por sociedades multidisciplinares. 3 Tal proibição-regra apenas é ser afastada quando se estiver perante as entidades previstas nos n. os 3 e 4 do art. 6º da L 49/2004 e desde que observadas as condições insertas nessas disposições legais. 4 Os n. os 7 e 8 da citada Lei prevêem, de igual modo, excepções à regra de exclusividade da prática de actos próprios de advogado 5 In casu, não poderá, em suma, uma sociedade por quotas de consultoria farmacêutica ter no seu objecto social a prestação de serviços na área de direito farmacêutico, se a mesma não for exclusivamente composta por licenciados em direito com inscrição em vigor na Ordem dos Advogados Portugueses, por tais serviços consubstanciarem, inequivocamente, a prática de actos próprios de advogado. 6 Não é admissível a prática de actos próprios de advogado por juristas, ou mesmo por advogados integrados ou com qualquer vínculo laboral a sociedade multidisciplinar; 7 Não são aplicáveis à sociedade em análise os n.º7 ou 8 do art. 1º da Lei 49/2004, que excepcionam aquela proibição e o mesmo se dirá relativamente aos n. os 3 e 4 do art. 6º do mesmo Diploma. 8 Ainda que sejam solicitados, por aquela sociedade, pareceres a advogados (excluindo-se sempre, de qualquer modo, a competência de meros juristas para tal elaboração) com ou sem vínculo à mesma, não poderá esta facultá-los aos seus clientes, logo, a terceiros, sob pena de praticar actos próprios de advogado.

10 9 Só mediante previsão legal específica pode a competência para a prática daqueles actos ser atribuída a outros profissionais, que não advogados, por razões de segurança e confiança jurídicas. 10 Nos termos do n.º 8 do art. 1º, não serão considerados como praticados no interesse de terceiros, mas antes na defesa de interesses comuns e/ou internos, os actos de natureza jurídica que forem levados a cabo pelas pessoas aí elencadas, desde que numa das qualidades aí previstas 11 Em suma, é o advogado o único profissional que reúne todas as condições necessárias para a defesa dos direitos e dos legítimos interesses dos cidadãos, que o procuram. Viseu, 18 de Agosto de 2008 O RELATOR, A. Pires de Almeida

Aprovado por Deliberação n.º /2010 ANTEPROJECTO DE LEI SOBRE OS ACTOS PRÓPRIOS DOS ADVOGADOS E SOLICITADORES ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.

Aprovado por Deliberação n.º /2010 ANTEPROJECTO DE LEI SOBRE OS ACTOS PRÓPRIOS DOS ADVOGADOS E SOLICITADORES ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n. Aprovado por Deliberação n.º /2010 ANTEPROJECTO DE LEI SOBRE OS ACTOS PRÓPRIOS DOS ADVOGADOS E SOLICITADORES ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º /2010, de de Na sequência da aprovação e entrada em vigor da Lei

Leia mais

Notificada a recorrente da participação apresentada, veio pronunciar-se por escrito nos termos que constam de fls. 11, dizendo o seguinte:

Notificada a recorrente da participação apresentada, veio pronunciar-se por escrito nos termos que constam de fls. 11, dizendo o seguinte: > Conselho Superior > Acórdão CS n.º R-09/2007, de 25 de Maio de 2007 Vem o presente recurso interposto de um acórdão do Conselho Distrital de, que em sessão plenária de 21 de Setembro de 2006, aprovou

Leia mais

---------------------------------------------------------------------------------------------- O ESTADO DE DIREITO DEMOCRÁTICO E OS ADVOGADOS

---------------------------------------------------------------------------------------------- O ESTADO DE DIREITO DEMOCRÁTICO E OS ADVOGADOS ORDEM DOS ADVOGADOS DELEGAÇÃO DE BARCELOS DIA DO ADVOGADO 19 DE MAIO DE 2010 ---------------------------------------------------------------------------------------------- O ESTADO DE DIREITO DEMOCRÁTICO

Leia mais

Nesta medida, pretende, pois, a Sra Advogada consulente saber se lhe é possível prestar tais serviços.

Nesta medida, pretende, pois, a Sra Advogada consulente saber se lhe é possível prestar tais serviços. > Conselho Distrital de Lisboa > Parecer CDL n.º 27/2009, de 28 de Maio de 2009 Consulta Mediante ofício datado que deu entrada nos serviços deste CDL em 8 de Abril de 2009, com o nº, veio a Sra Dra...,

Leia mais

Pretende o Sr. Advogado saber, uma vez que não se trata de uma loja jurídica, se poderão publicitar a mesma sem por em causa a nossa profissão.

Pretende o Sr. Advogado saber, uma vez que não se trata de uma loja jurídica, se poderão publicitar a mesma sem por em causa a nossa profissão. > Conselho Distrital de Lisboa > Parecer CDL n.º 40/2007, de 23 de Novembro de 2007 CONSULTA Mediante ofício datado que deu entrada nos serviços deste CDL em..., com o nº..., veio o Sr Dr..., Advogado

Leia mais

3. Desde logo, não queremos deixar de referir que nada impede um Advogado de ser Economista, nem um Economista de ser Advogado.

3. Desde logo, não queremos deixar de referir que nada impede um Advogado de ser Economista, nem um Economista de ser Advogado. > Conselho Distrital de Lisboa > Parecer CDL n.º 88/2004, de 3 de Março de 2005 1. Vem o Consulente, o Sr. Dr. A, por requerimento que deu entrada neste Conselho no dia 18 de Outubro de 2004, solicitar

Leia mais

Parecer nº35/pp/2009-c Requerente: Associação Comercial e Serviços de Assunto: Serviços jurídicos aos associados

Parecer nº35/pp/2009-c Requerente: Associação Comercial e Serviços de Assunto: Serviços jurídicos aos associados Parecer nº35/pp/2009-c Requerente: Associação Comercial e Serviços de Assunto: Serviços jurídicos aos associados I Relatório 1. A Associação Comercial e Serviços de, com sede em, por email de 25.10.2009,

Leia mais

PARECER Nº. 67/PP/2008-P CONCLUSÕES:

PARECER Nº. 67/PP/2008-P CONCLUSÕES: PARECER Nº. 67/PP/2008-P CONCLUSÕES: 1. O Decretos-lei n.º 28/2000, de 13 de Março, n.º 237/2001, de 30 de Agosto e n.º 76-A/2006, de 29 de Março atribuíram, nomeadamente, aos advogados e aos solicitadores,

Leia mais

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados CONSULTA N.º 11/2009 Interpretação do art. 189º do EOA O Senhor Advogado, Dr.... vem solicitar que o emita parecer sobre a factualidade que passamos a enunciar: a. O Senhor Advogado consulente foi notificado,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 18/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 18/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 18/XII Exposição de Motivos Nos últimos anos, os serviços e órgãos da administração directa e indirecta do Estado, bem como as Regiões Autónomas e as autarquias locais, têm, no âmbito

Leia mais

PARECER NR. 33/PP/2009-P CONCLUSÃO:

PARECER NR. 33/PP/2009-P CONCLUSÃO: PARECER NR. 33/PP/2009-P CONCLUSÃO: A Para o advogado, a matéria de conflito de interesses é uma questão de consciência, competindo-lhe ajuizar se a relação de confiança que estabeleceu com um seu antigo

Leia mais

COMPETêNCIA DOS ADVOGADOS ESTAGIÁRIOS PARA RECONhECIMENTOS DE ASSINATURAS, AUTENTICAÇÃO E TRADUÇÃO DE DOCUMENTOS E CONFERêNCIA DE CóPIAS

COMPETêNCIA DOS ADVOGADOS ESTAGIÁRIOS PARA RECONhECIMENTOS DE ASSINATURAS, AUTENTICAÇÃO E TRADUÇÃO DE DOCUMENTOS E CONFERêNCIA DE CóPIAS COMPETêNCIA DOS ADVOGADOS ESTAGIÁRIOS PARA RECONhECIMENTOS DE ASSINATURAS, AUTENTICAÇÃO E TRADUÇÃO DE DOCUMENTOS E CONFERêNCIA DE CóPIAS Processo n.º 27/PP/2014-G e 30/PP/2014-G Relator: Dr. A. Pires de

Leia mais

Parecer Jurídico Recibos Verdes e Progressão na Carreira no Ensino Particular e Cooperativo

Parecer Jurídico Recibos Verdes e Progressão na Carreira no Ensino Particular e Cooperativo Sindicato Nacional dos Professores Licenciados pelos Politécnicos e Universidades Parecer Jurídico Recibos Verdes e Progressão na Carreira no Ensino Particular e Cooperativo Na sequência de um parecer

Leia mais

PARECER Nº 47/PP/2013-P CONCLUSÕES 1. O

PARECER Nº 47/PP/2013-P CONCLUSÕES 1. O 1 PARECER Nº 47/PP/2013-P CONCLUSÕES 1. O nº1 do artº 74º do E.O.A. dispõe que No exercício da sua profissão, o advogado tem o direito de solicitar em qualquer tribunal ou repartição pública o exame de

Leia mais

DA ADvoCACiA CoM o exercício De outra ACtiviDADe PúBliCA

DA ADvoCACiA CoM o exercício De outra ACtiviDADe PúBliCA incompatibilidade Do exercício DA ADvoCACiA CoM o exercício De outra ACtiviDADe PúBliCA Proc. n.º 4/PP/2012-G relator: Dr. Marcelino Pires Parecer o requerente vem pedir parecer sobre a eventual incompatibilidade

Leia mais

PARECER Nº 41/PP/2014

PARECER Nº 41/PP/2014 PARECER Nº 41/PP/2014 SUMÁRIO: Impedimento para o exercício de mandato por parte de Advogada, que é arguida em processo de inquérito, para exercer a defesa de seu marido que também é arguido no âmbito

Leia mais

I O regime de incompatibilidades com o exercício da advocacia encontra-se prescrito nos artigos 81º e 82º do EOA.

I O regime de incompatibilidades com o exercício da advocacia encontra-se prescrito nos artigos 81º e 82º do EOA. PARECER Nº 32/PP/2016-P SUMÁRIO: Existência ou não de incompatibilidade entre o exercício da Advocacia e as funções de sócio gerente de sociedade comercial cujo objecto é Promoção Imobiliária, Compra e

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado do Pará

Tribunal de Contas do Estado do Pará RESOLUÇÃO Nº 17.181 (Processo nº 2006/51558-6) Assunto: Consulta formulada pelo Exmº Sr. FRANCISCO BARBOSA DE OLIVEIRA, Procurador Geral de Justiça do Ministério Público do Estado do Pará. EMENTA: I- Permite-se

Leia mais

TRIBUNAL ARBITRAL DE CONSUMO

TRIBUNAL ARBITRAL DE CONSUMO Proc. n.º 2825/2015 Requerente: Fernando Requerida: S.A. 1. Relatório 1.1. O Requerente, alegando que a Requerida lhe solicita o pagamento da factura n.º 10072130333, de 07.07.2015, respeitante a acertos

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA O Tribunal de Relação de Lisboa, remeteu a este Conselho uma cópia do ofício n.º 48486, de 20-04-04, da ADSE, referente à deliberação da Junta Médica, a que tinha sido submetido o DR. (...). É do seguinte

Leia mais

OBSERVATÓRIO DOS DIREITOS HUMANOS

OBSERVATÓRIO DOS DIREITOS HUMANOS OBSERVATÓRIO DOS DIREITOS HUMANOS Relatório Dezembro 2013 Contactos do Recluso com o Exterior - O Direito de Visita Observatório dos Direitos Humanos http://www.observatoriodireitoshumanos.net/ dh.observatorio@gmail.com

Leia mais

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados CONSULTA N.º 16/2008 Conformidade do projecto... com as regras deontológica OBJECTO DA CONSULTA E DESCRIÇÃO DO PROJECTO O Colega Dr.... fez circular por colegas um e-mail com a referência Notificação,

Leia mais

PERÍODO COMPREENDIDO ENTRE 1 DE JANEIRO DE 2009 E 31 DE DEZEMBRO DE

PERÍODO COMPREENDIDO ENTRE 1 DE JANEIRO DE 2009 E 31 DE DEZEMBRO DE NOTA INFORMATIVA SOBRE AS CONCLUSÕES DO COMITÉ EUROPEU DOS DIREITOS SOCIAIS RELATIVAS À APLICAÇÃO DA CARTA SOCIAL EUROPEIA REVISTA JANEIRO 2015 (PORTUGAL 2009-2012) I. INTRODUÇÃO A Carta Social Europeia

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS CONCORRÊNCIA DAA Nº 4/2007 ANEXO III

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS CONCORRÊNCIA DAA Nº 4/2007 ANEXO III 1 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS CONCORRÊNCIA Nº 4/2007 ANEXO III CRITÉRIOS DE ELABORAÇÃO E JULGAMENTO DA PROPOSTA TÉCNICA - CONTENCIOSO JUDICIAL CÍVEL 2

Leia mais

A CONTRATAÇÃO IN HOUSE NOVAS DIRECTIVAS EUROPEIAS DE CONTRATAÇÃO PÚBLICA NO CCP E NAS. Pedro Fernández Sánchez

A CONTRATAÇÃO IN HOUSE NOVAS DIRECTIVAS EUROPEIAS DE CONTRATAÇÃO PÚBLICA NO CCP E NAS. Pedro Fernández Sánchez A CONTRATAÇÃO IN HOUSE NO CCP E NAS NOVAS DIRECTIVAS EUROPEIAS DE CONTRATAÇÃO PÚBLICA Pedro Fernández Sánchez Enquadramento prévio sobre a aplicabilidade das Directivas Europeias Directiva consiste em

Leia mais

PARECER Nº 25/PP/2014-P CONCLUSÕES

PARECER Nº 25/PP/2014-P CONCLUSÕES PARECER Nº 25/PP/2014-P CONCLUSÕES 1 Um Advogado que seja membro do Conselho Fiscal duma sociedade anónima encontra-se em situação de incompatibilidade com o exercício da Advocacia, uma vez que, mercê

Leia mais

10. Nem pode modificar princípios ou definições, 2

10. Nem pode modificar princípios ou definições, 2 SINDICATO DOS ENFERMEIROS DA R.A.M. RUA SANTA MARIA N.º 90- TELEF. 291 22 49 42 291 22 51 15 9060-291 FUNCHAL www.seram.pt seram.sede@hotmail.com EXMª. SR.ª PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DO SESARAM

Leia mais

Assim: Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 198.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte:

Assim: Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 198.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Decreto-Lei n.º 237/2007 de 19 de Junho Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 2002/15/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 11 de Março, relativa à organização do tempo de trabalho

Leia mais

«pretende abrir um gabinete jurídico na comarca de A Nessa sequência pretende colocar um letreiro no vidro do gabinete com os seguintes dizeres:

«pretende abrir um gabinete jurídico na comarca de A Nessa sequência pretende colocar um letreiro no vidro do gabinete com os seguintes dizeres: 1 Parecer nº 43/PP/2013-P Relator: Sr. Dr. Carlos Vasconcelos I - Por comunicação escrita, datada de 26 de Agosto de 2013, dirigida ao Conselho Distrital do Porto da Ordem dos Advogados, a Senhora Doutora

Leia mais

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados CONSULTA N.º 8/2009 Conflito de Interesses QUESTÃO O Senhor Dr. A vem solicitar que o emita parecer sobre uma situação de eventual conflito de interesses. O enquadramento factual, tal como exposto pelo

Leia mais

RECOMENDAÇÃO Nº 35/2013 MPF/RR

RECOMENDAÇÃO Nº 35/2013 MPF/RR MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE RORAIMA RECOMENDAÇÃO Nº 35/2013 MPF/RR REFERÊNCIAS: inquéritos civis n. 08125.000123/98-51; 1.32.000.000243/2010-69; 1.32.000.000702/2013-57

Leia mais

INSCRIÇÃO NO EOA. CAPÍTULO IV Inscrição como advogado. Artigo 192.º Requisitos de inscrição

INSCRIÇÃO NO EOA. CAPÍTULO IV Inscrição como advogado. Artigo 192.º Requisitos de inscrição INSCRIÇÃO NO EOA CAPÍTULO IV Inscrição como advogado Artigo 192.º Requisitos de inscrição 1 - A inscrição como advogado depende do cumprimento das obrigações de estágio com classificação positiva, nos

Leia mais

I. Por comunicação escrita dirigida ao Bastonário da Ordem dos Advogados, datada de ( ), a Sra. Dra. ( ), Advogada, veio expor o que segue:

I. Por comunicação escrita dirigida ao Bastonário da Ordem dos Advogados, datada de ( ), a Sra. Dra. ( ), Advogada, veio expor o que segue: Processo de Parecer n.º 35/PP/2017-G Requerente: ( ) Relator: Dr. Pedro Costa Azevedo I. Por comunicação escrita dirigida ao Bastonário da Ordem dos Advogados, datada de ( ), a Sra. Dra. ( ), Advogada,

Leia mais

PARECER nº 35/PP/2016-P SUMÁRIO: Incompatibilidade entre o exercício da Advocacia e as funções de Angariador Imobiliário.

PARECER nº 35/PP/2016-P SUMÁRIO: Incompatibilidade entre o exercício da Advocacia e as funções de Angariador Imobiliário. PARECER nº 35/PP/2016-P SUMÁRIO: Incompatibilidade entre o exercício da Advocacia e as funções de Angariador Imobiliário. I A Sra. Dra. ( ), Advogada, portadora da cédula profissional nº ( ), com escritório

Leia mais

A LEI DE BASES DA ECONOMIA SOCIAL (LBES) PALAVRAS-CHAVE: Lei de Bases Economia Social Princípios estruturantes - CRP Princípios orientadores - LBES

A LEI DE BASES DA ECONOMIA SOCIAL (LBES) PALAVRAS-CHAVE: Lei de Bases Economia Social Princípios estruturantes - CRP Princípios orientadores - LBES A LEI DE BASES DA ECONOMIA SOCIAL (LBES) PALAVRAS-CHAVE: Lei de Bases Economia Social Princípios estruturantes - CRP Princípios orientadores - LBES 1. O QUE É UMA LEI DE BASES? Uma lei de bases é uma lei

Leia mais

efectivamente acompanhado de advogado que assegure a tutela do seu tirocínio, seja o seu patrono ou o seu patrono formador.

efectivamente acompanhado de advogado que assegure a tutela do seu tirocínio, seja o seu patrono ou o seu patrono formador. Parecer nº 48/PP/2012-P Conclusões: a) Considerando o disposto nos arts. 189.º/1-a) do EOA e 1.º da Lei n.º 49/2004, de 24 de Agosto (Lei dos actos próprios dos advogados e dos solicitadores), cabe na

Leia mais

Instruções para os trabalhadores a recibo verde da. Câmara Municipal de Lisboa

Instruções para os trabalhadores a recibo verde da. Câmara Municipal de Lisboa Instruções para os trabalhadores a recibo verde da Câmara Municipal de Lisboa Os trabalhadores a recibo verde que configuram verdadeiros contratos de trabalho deverão proceder da seguinte forma: 1- Elaborar

Leia mais

Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social. Deliberação 5/CONT-I/2011

Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social. Deliberação 5/CONT-I/2011 Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social Deliberação 5/CONT-I/2011 Queixa de Elsa Cristina Lourenço, em representação dos pais do menor Henrique Rodrigues, contra a revista Coisas

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA Nº 2702/2014 - PGGB

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA Nº 2702/2014 - PGGB MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA Nº 2702/2014 - PGGB RECLAMAÇÃO nº 18.501/SP RECLTE.(S) : UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS PROC.(A/S)(ES): ROSA MARIA RAIMUNDO RECLDO.(A/S) :

Leia mais

PROJECTO LEI N.º 320/X. Combate à corrupção e defesa da verdade desportiva

PROJECTO LEI N.º 320/X. Combate à corrupção e defesa da verdade desportiva PROJECTO LEI N.º 320/X Combate à corrupção e defesa da verdade desportiva O fenómeno desportivo granjeia hoje na sociedade portuguesa um indiscutível lugar de destaque e concita sobre si o interesse e

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 191/X. Exposição de Motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 191/X. Exposição de Motivos PROPOSTA DE LEI N.º 191/X Exposição de Motivos O exercício ilícito da actividade de segurança privada põe em causa bens jurídicos pessoais da maior dignidade, como a vida, a integridade física e a liberdade,

Leia mais

ÂMBITO DE APLICAÇÃO DO CÓDIGO DOS CONTRATOS PÚBLICOS Artigo 1.º até artigo 6.º da PARTE I

ÂMBITO DE APLICAÇÃO DO CÓDIGO DOS CONTRATOS PÚBLICOS Artigo 1.º até artigo 6.º da PARTE I ÂMBITO DE APLICAÇÃO DO CÓDIGO DOS CONTRATOS PÚBLICOS Artigo 1.º até artigo 6.º da PARTE I INTRODUÇÃO 1. O Código dos Contratos Públicos, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 18/2008, de 29 de Janeiro e republicado

Leia mais

ESTATUTO DO PROVEDOR DO CLIENTE

ESTATUTO DO PROVEDOR DO CLIENTE ESTATUTO DO PROVEDOR DO CLIENTE Princípios Gerais Artigo 1º Funções O Provedor do Cliente é um órgão independente da APAVT, que tem por função principal a defesa e promoção dos direitos e interesses legítimos

Leia mais

SINDICATO DOS MÉDICOS DA ZONA SUL

SINDICATO DOS MÉDICOS DA ZONA SUL 1 INFORMAÇÃO N.º 06/2012 Trabalho Extraordinário Médico. Regime Remuneratório 1. O regime remuneratório do trabalho extraordinário médico, por referência à área hospitalar, consta, desde há muito, do Decreto-Lei

Leia mais

Apresentação. Almeida, Serrano, Martins e Dalmaso Advogados

Apresentação. Almeida, Serrano, Martins e Dalmaso Advogados Apresentação Almeida, Serrano, Martins e Dalmaso Advogados Excelência no atendimento, com profissionais altamente qualificados e pautados na ética, criatividade e trabalho em equipe, nos fazem um escritório

Leia mais

DL /83 25/02 402/85 11/10, DL 89/85 1/4, DL

DL /83 25/02 402/85 11/10, DL 89/85 1/4, DL PARECER Nº 19/PP/2014-P CONCLUSÕES 1 - Não existe incompatibilidade para o exercício da advocacia por parte de Advogado que seja secretário da Direcção duma Instituição Particular de Solidariedade Social.

Leia mais

CÓDIGO DEONTOLÓGICO. Entrada em Vigor: xx-08-2012 Página: 1/7

CÓDIGO DEONTOLÓGICO. Entrada em Vigor: xx-08-2012 Página: 1/7 CÓDIGO DEONTOLÓGICO Entrada em Vigor: xx-08-2012 Página: 1/7 ÍNDICE I- ÂMBITO E VIGÊNCIA... 3 II- RESUMO... 3 III- PRINCÍPIOS E REGRAS... 3 3.1. Organização e Funcionamento Internos... 3 3.2. Prestação

Leia mais

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO O ABSENTISMO LABORAL. AEP Associação Empresarial de Portugal

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO O ABSENTISMO LABORAL. AEP Associação Empresarial de Portugal O ABSENTISMO LABORAL Matosinhos, 21 de Julho 2009 Princípios Gerais em Matéria de Segurança e Saúde no Trabalho: Art.º 281.º n.ºs 1 e 2 do CT O trabalhador tem direito a prestar trabalho em condições de

Leia mais

NEWSLETTER I LABORAL. NEWSLETTER LABORAL I Agosto, 2014. I Legislação em Destaque 2. II Legislação 4. III Jurisprudência 5

NEWSLETTER I LABORAL. NEWSLETTER LABORAL I Agosto, 2014. I Legislação em Destaque 2. II Legislação 4. III Jurisprudência 5 NEWSLETTER I LABORAL NEWSLETTER LABORAL I Agosto, 2014 I Legislação em Destaque 2 II Legislação 4 III Jurisprudência 5 NEWSLETTER LABORAL I LEGISLAÇÃO EM DESTAQUE Portaria n.º 149-A/2014. D.R. n.º 141,

Leia mais

Código: CHCB. PI.JUR.01 Edição: 1 Revisão: 1 Páginas:1 de 5. 1. Objectivo

Código: CHCB. PI.JUR.01 Edição: 1 Revisão: 1 Páginas:1 de 5. 1. Objectivo Código: CHCB. PI.JUR.01 Edição: 1 Revisão: 1 Páginas:1 de 5 1. Objectivo São objectivos predominantes do Gabinete Jurídico, informar e colaborar em termos Jurídico Legais, na tomada de decisão do, contribuindo

Leia mais

Requerimentos reconhecimento de firma autenticação identificação fé pública.

Requerimentos reconhecimento de firma autenticação identificação fé pública. Requerimentos reconhecimento de firma autenticação identificação fé pública. EMENTA NÃO OFICIAL. a) para as averbações previstas no art. 167, II, 4 e 5, da Lei n. 6015/73, não se exigirá o reconhecimento

Leia mais

Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo

Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo REDE SOCIAL Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo Regulamento Interno [9/04/2014] REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE FIGUEIRA DE CASTELO RODRIGO

Leia mais

PARECER JURÍDICO N.º 4 / CCDR-LVT / Validade Válido JURISTA MARTA ALMEIDA TEIXEIRA GESTÃO RECURSOS HUMANOS. A autarquia refere o seguinte:

PARECER JURÍDICO N.º 4 / CCDR-LVT / Validade Válido JURISTA MARTA ALMEIDA TEIXEIRA GESTÃO RECURSOS HUMANOS. A autarquia refere o seguinte: Validade Válido JURISTA MARTA ALMEIDA TEIXEIRA ASSUNTO GESTÃO RECURSOS HUMANOS A autarquia refere o seguinte: QUESTÃO Dispõe o artigo 28.º n.º 2 da Lei 66-B/2012, de 31 de Dezembro (Orçamento de Estado

Leia mais

REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO E CONCESSÃO TRANSPORTES ESCOLARES NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO E CONCESSÃO TRANSPORTES ESCOLARES NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO E CONCESSÃO TRANSPORTES ESCOLARES NOTA JUSTIFICATIVA Considerando - Que a Educação é um direito de todos, cabendo ao Estado promover a sua democratização, bem como as condições

Leia mais

3. A inscrição dos interessados no serviço de consulta jurídica far-se-à junto dos serviço administrativo da Associação de Comandos.

3. A inscrição dos interessados no serviço de consulta jurídica far-se-à junto dos serviço administrativo da Associação de Comandos. FUNCIONAMENTO 3. 1. O Gabinete presta consulta jurídica aos membros da Associação e seus familiares que, necessitando de aconselhamento e apoio jurídico, não possuam meios económicos suficientes para custear

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Previsões sobre a lei 11.464/2007 - da resolução indireta do senado federal sobre a inconstitucionalidade da vedação à progressão de regime para os crimes hediondos Ivan Luís Marques

Leia mais

CONSULTA N.º 13/2007

CONSULTA N.º 13/2007 CONSULTA N.º 13/2007 Relator: SANDRA BARROSO E RUI SOUTO Requerente: Discussão: sessão plenária de 17 de Maio de 2007 Aprovação: sessão plenária de 17 de Maio de 2007 Assunto: Honorários no âmbito de uma

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 14, DE 2014 (Senador Alfredo Nascimento - PR/AM)

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 14, DE 2014 (Senador Alfredo Nascimento - PR/AM) PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 14, DE 2014 (Senador Alfredo Nascimento - PR/AM) Altera o art. 5º da Lei nº 8.906, de 4 de julho de 1994, que dispõe sobre o Estatuto da Advocacia e a Ordem dos Advogados do

Leia mais

TRIBUNAL DE ÉTICA E DISCIPLINA Turma de Ética Profissional

TRIBUNAL DE ÉTICA E DISCIPLINA Turma de Ética Profissional EMENTAS APROVADAS PELA TURMA DE ÉTICA PROFISSIONAL DO TRIBUNAL DE ÉTICA E DISCIPLINA DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO DE SÃO PAULO 548ª SESSÃO DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 PUBLICIDADE IMODERAÇÃO. Advogado

Leia mais

Que, por isso, a nota de honorários da Exma. Colega, apresentada a ( ), foi enviada ao colega Dr. ( ), mandatário do filho ( ).

Que, por isso, a nota de honorários da Exma. Colega, apresentada a ( ), foi enviada ao colega Dr. ( ), mandatário do filho ( ). 1 - Dispensa de Segredo Profissional nº 196/SP/2010-P I. PEDIDO Por comunicação electrónica de 22.09.2010, dirigida ao Senhor Presidente do Conselho Distrital do Porto da Ordem dos Advogados, a Senhora

Leia mais

PROTOCOLO DE ESTÁGIO DE VERÃO

PROTOCOLO DE ESTÁGIO DE VERÃO PROTOCOLO DE ESTÁGIO DE VERÃO Entre: *** com sede na..., pessoa colectiva nº..., matriculada na Conservatória do Registo Comercial de... sob o nº..., com o capital social de Euros..., de ora em diante

Leia mais

MANUEL E JOÃO SOCIEDADE DE SOLICITADORES, RL,

MANUEL E JOÃO SOCIEDADE DE SOLICITADORES, RL, FAQ SOCIEDADES 1. A partir de quando se aplicam às sociedades as normas do Estatuto da Ordem dos Solicitadores e dos Agentes de Execução? R.: As normas do EOSAE que não sejam necessárias à realização do

Leia mais

Insolvência e oportunidade para as pessoas colectivas

Insolvência e oportunidade para as pessoas colectivas PROCEDIMENTO EXTRAJUDICIAL DE CONCILIAÇÃO Insolvência e oportunidade para as pessoas colectivas Decreto-lei nº201/2004, de 18 de Agosto ORIGEM O Procedimento Extrajudicial de Conciliação foi inicialmente

Leia mais

PROJETO DE CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS

PROJETO DE CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS PROJETO DE CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS Concurso limitado por prévia qualificação para a seleção da empresa a designar para a prestação do serviço universal de disponibilização de uma lista telefónica

Leia mais

Estatutos para associações, clubes e colectividades

Estatutos para associações, clubes e colectividades Estatutos para associações, clubes e colectividades Artigo 1.º Designação e Objectivos O/A (nome da colectividade ou associação), adiante designada por (sigla) é uma associação de fins (concretização dos

Leia mais

Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social. Deliberação 22/AUT-R/2011

Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social. Deliberação 22/AUT-R/2011 Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social Deliberação 22/AUT-R/2011 Alteração do controlo da empresa V.D.R.F Electrónica Áudio e Equipamentos de Telecomunicações, Lda. Lisboa

Leia mais

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados CONSULTA N.º 54/2008 Exame de processo judicial artigo 74º do EOA & 1 Dos factos O Senhor Advogado..., titular da cédula profissional n.º, com domicílio profissional sito na..., veio solicitar a pronúncia

Leia mais

O Advogado-Geral do Estado, Dr. José Bonifácio Borges de Andrada, proferiu no Parecer abaixo o seguinte Despacho: De acordo.

O Advogado-Geral do Estado, Dr. José Bonifácio Borges de Andrada, proferiu no Parecer abaixo o seguinte Despacho: De acordo. O Advogado-Geral do Estado, Dr. José Bonifácio Borges de Andrada, proferiu no Parecer abaixo o seguinte Despacho: De acordo. Em 16/9/2009 Procedência: Instituto Estadual de Florestas - IEF Interessado:

Leia mais

REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO

REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO Proposta apresentada pelo Conselho Directivo Lisboa, 5 de Maio de 2010 Aprovado em Assembleia Geral de 29 de Maio de 2010

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948)

Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948) Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948) PREÂMBULO Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui

Leia mais

, S.A., do despedimento de uma trabalhadora lactante em processo de

, S.A., do despedimento de uma trabalhadora lactante em processo de RESPOSTA À RECLAMAÇÃO DO PARECER N.º 7/CITE/2013 Assunto: Resposta à reclamação do parecer n.º 7/CITE/2013, solicitado, nos termos do n.º 1 e da alínea c) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho,

Leia mais

Regulamento Interno Sociedade Portuguesa de Psicoterapias Breves

Regulamento Interno Sociedade Portuguesa de Psicoterapias Breves Regulamento Interno Sociedade Portuguesa de Psicoterapias Breves PREÂMBULO O presente Regulamento Interno da Sociedade Portuguesa de Psicoterapias Breves, adiante designada por SPPB ou Associação, visa

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA (ServPsi)

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA (ServPsi) REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA (ServPsi) Março de 2011 CAPÍTULO I: DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Artigo 1º - Definição O Serviço de Psicologia, adiante designado por Serviço, é uma estrutura de caráter permanente

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: Art. 12º; D. L. 21/2007. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: Art. 12º; D. L. 21/2007. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA Art. 12º; D. L. 21/2007. Renuncia à Isenção Operações Imobiliárias - Leasing imobiliário. Processo: nº 655, por despacho do Director Geral dos Impostos,

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2014 Reconhece a essencialidade do serviço de acesso à internet em banda larga e altera a Lei nº 9.472, de 16 de julho de 1997, para prever sua prestação em regime público.

Leia mais

Ato Isolado - Tudo o que precisa de saber!

Ato Isolado - Tudo o que precisa de saber! Ato Isolado - Tudo o que precisa de saber! Conceito de Ato Isolado Enquadramento Fiscal (IRS e IVA) Obrigações Fiscais e Legais Emissão Fatura-Recibo (Portal das Finanças) Pedro Moura Webinar - Ato Isolado

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Junho de 2015

CÓDIGO DE CONDUTA Junho de 2015 CÓDIGO DE CONDUTA Junho de 2015 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO...4 I. Âmbito de Aplicação e Princípios Gerais...5 Artigo 1.º Âmbito Pessoal...5 Artigo 2.º Princípios Gerais...5 Artigo 3.º Legalidade...5 Artigo 4.º

Leia mais

CoNSELHo SuPERIoR. Ratificação de pena de expulsão Processo n.º 3/2013-CS/RP

CoNSELHo SuPERIoR. Ratificação de pena de expulsão Processo n.º 3/2013-CS/RP CoNSELHo SuPERIoR Ratificação de pena de expulsão Processo n.º 3/2013-CS/RP Relator: Carlos Pinto de Abreu Participante: Instituto de Gestão Financeira e de Infra estruturas da Justiça, I.P. Arguido: Dr..

Leia mais

S.R. DA ECONOMIA Portaria n.º 20/2008 de 21 de Fevereiro de 2008

S.R. DA ECONOMIA Portaria n.º 20/2008 de 21 de Fevereiro de 2008 S.R. DA ECONOMIA Portaria n.º 20/2008 de 21 de Fevereiro de 2008 Considerando que o Regulamento do Sistema Tarifário dos Portos da Região Autónoma dos Açores, aprovado pelo Decreto Legislativo Regional

Leia mais

Comentário ao Parecer do Prof. Vital Moreira sobre o Regulamento nº330/a/2008, de 24 de Junho, da Ordem dos Advogados, publicado no site da OA.

Comentário ao Parecer do Prof. Vital Moreira sobre o Regulamento nº330/a/2008, de 24 de Junho, da Ordem dos Advogados, publicado no site da OA. Comentário ao Parecer do Prof. Vital Moreira sobre o Regulamento nº330/a/2008, de 24 de Junho, da Ordem dos Advogados, publicado no site da OA. 1. A pedido do Senhor Bastonário Marinho e Pinto, o Prof.

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA CERTIEL

CÓDIGO DE CONDUTA DA CERTIEL MENSAGEM DO PRESIDENTE São nossos objectivos garantir que as nossas formas de estar e de comunicar sejam, em cada momento, sinónimo da transparência e da idoneidade com que actuamos na concretização das

Leia mais

Regulamento do Centro de Investigação em Estudos da Criança CIEC

Regulamento do Centro de Investigação em Estudos da Criança CIEC Regulamento do Centro de Investigação em Estudos da Criança CIEC CAPÍTULO I ÂMBITO E OBJETIVOS Artigo 1.º Âmbito O Centro de Investigação em Estudos da Criança (CIEC), adiante designado por Centro, é uma

Leia mais

Decreto-Lei n.º 134/2005, de 16 de Agosto Estabelece o regime da venda de medicamentos não sujeitos a receita médica fora das farmácias

Decreto-Lei n.º 134/2005, de 16 de Agosto Estabelece o regime da venda de medicamentos não sujeitos a receita médica fora das farmácias Estabelece o regime da venda de medicamentos não sujeitos a receita médica fora das farmácias O Governo considera que alguns medicamentos para uso humano, concretamente os que não necessitam de receita

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 18º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 18º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 18º. Operações Imobiliárias enquadramento em IVA. Processo: nº 1587, despacho do SDG dos Impostos, substituto legal do Director - Geral, em 2011-03-23.

Leia mais

DO RIO DE JANEIRO 2ª CÂMARA CRIMINAL

DO RIO DE JANEIRO 2ª CÂMARA CRIMINAL TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO DE JANEIRO 2ª CÂMARA CRIMINAL AGRAVO Nº 0040224-87.2014.8.19.0000 AGRAVANTE: MINISTÉRIO PÚBLICO AGRAVADO: MAURO MONTELLO VIANA OUTRO NOME: MAURO MONTELLO VIANNA RELATORA: DES.

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA n, de 08 de fevereiro de 2007

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA n, de 08 de fevereiro de 2007 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA n, de 08 de fevereiro de 2007 Regulamenta as disposições da Lei n 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente - ECA), da Lei

Leia mais

SEMINÁRIO SOBRE PROPOSTAS DE MEDIDAS DE APERFEIÇOAMENTO DA PROTECÇÃO SOCIAL OBRIGATÓRIA

SEMINÁRIO SOBRE PROPOSTAS DE MEDIDAS DE APERFEIÇOAMENTO DA PROTECÇÃO SOCIAL OBRIGATÓRIA SEMINÁRIO SOBRE PROPOSTAS DE MEDIDAS DE APERFEIÇOAMENTO DA PROTECÇÃO SOCIAL OBRIGATÓRIA Projecto de Decreto Presidencial que Estabelece o Regime Jurídico de Vinculação e de Contribuição da Protecção Social

Leia mais

Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público. Projeto de Lei nº 2.163, de 2.003. Autor: Deputado Vicentinho. Relator: Deputado Assis Melo

Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público. Projeto de Lei nº 2.163, de 2.003. Autor: Deputado Vicentinho. Relator: Deputado Assis Melo Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público Projeto de Lei nº 2.163, de 2.003 Dispõe sobre proibição de atividade concomitante de motorista e cobrador de passagens em transportes coletivos

Leia mais

GLOBALEDA - Telecomunicações e Sistemas de Informação, S.A. ESTATUTOS

GLOBALEDA - Telecomunicações e Sistemas de Informação, S.A. ESTATUTOS GLOBALEDA - Telecomunicações e Sistemas de Informação, S.A. ESTATUTOS (De acordo com as alterações aprovadas pela Assembleia Geral nas reuniões de 13 de março de 2007, de 12 de agosto de 2008, de 14 de

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 220/IX COMBATE À PEDOFILIA (ALTERA OS ARTIGOS 120.º, 172.º A 177.º E 179.º DO CÓDIGO PENAL) Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 220/IX COMBATE À PEDOFILIA (ALTERA OS ARTIGOS 120.º, 172.º A 177.º E 179.º DO CÓDIGO PENAL) Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 220/IX COMBATE À PEDOFILIA (ALTERA OS ARTIGOS 120.º, 172.º A 177.º E 179.º DO CÓDIGO PENAL) Exposição de motivos A reflexão sobre o quadro legislativo vigente em matéria de crimes sexuais,

Leia mais

*** PROJECTO DE RECOMENDAÇÃO

*** PROJECTO DE RECOMENDAÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão dos Transportes e do Turismo 17.12.2010 2009/0018(NLE) *** PROJECTO DE RECOMENDAÇÃO sobre a proposta de decisão do Conselho relativa à celebração do Acordo de transporte

Leia mais

A N U N C I O REGULAMENTO DE TAXAS E EMOLUMENTOS DA CÂMARA DOS TÉCNICOS OFICIAIS DE CONTAS. Introdução

A N U N C I O REGULAMENTO DE TAXAS E EMOLUMENTOS DA CÂMARA DOS TÉCNICOS OFICIAIS DE CONTAS. Introdução A N U N C I O António Domingues de Azevedo, Presidente da Direcção da Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas, vem pelo presente, nos termos e para os efeitos previstos no Estatuto da Câmara dos Técnicos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE MANGUALDE

ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE MANGUALDE ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE MANGUALDE REGULAMENTO DE DISTINÇÕES HONORÍFICAS REGULAMENTO DE DISTINÇÕES HONORÍFICAS As condecorações estabelecidas na alínea d) do artigo 22º dos Estatutos

Leia mais

Estatutos do INSTITUTO NACIONAL DE PSICOLOGIA E NEUROCIÊNCIAS. ARTIGO PRIMEIRO Denominação, insígnias e generalidades

Estatutos do INSTITUTO NACIONAL DE PSICOLOGIA E NEUROCIÊNCIAS. ARTIGO PRIMEIRO Denominação, insígnias e generalidades Estatutos do INSTITUTO NACIONAL DE PSICOLOGIA E NEUROCIÊNCIAS ARTIGO PRIMEIRO Denominação, insígnias e generalidades O Instituto é uma associação de direito privado sem fins lucrativos que adopta a denominação

Leia mais

FREGUESIA DE QUIAIOS NIPC 510 833 535

FREGUESIA DE QUIAIOS NIPC 510 833 535 PROGRAMA DE HASTA PÚBLICA Para atribuição do direito de ocupação efetiva de natureza precária da loja n.º 4 no Mercado de Quiaios Artigo 1.º Identificação A loja objeto de hasta pública localiza-se no

Leia mais

Regulamento de Estágios

Regulamento de Estágios Regulamento de Estágios 01.10.05 Conteúdo Enquadramento... 3 1 Caracterização... 3 2 Candidatura... 3 2.1 Estágios organizados pelos estudantes... 3 2.1.1 Trabalhadores estudantes... 3 3 Colocação... 4

Leia mais

INFORMAÇÃO. liberdade sindical (cfr. Art. 55º nº 2 al. d) da Constituição da República Portuguesa), concretizado no artigo

INFORMAÇÃO. liberdade sindical (cfr. Art. 55º nº 2 al. d) da Constituição da República Portuguesa), concretizado no artigo INFORMAÇÃO O Direito de reunião dos trabalhadores é uma concretização da garantia constitucionalmente imposta da liberdade sindical (cfr. Art. 55º nº 2 al. d) da Constituição da República Portuguesa),

Leia mais

1º Termo Aditivo ao Edital de Licitação de Tomada de Preço nº 01/2015 do CRFa 3ª

1º Termo Aditivo ao Edital de Licitação de Tomada de Preço nº 01/2015 do CRFa 3ª 1º Termo Aditivo ao Edital de Licitação de Tomada de Preço nº 01/2015 do CRFa 3ª Fica aditado o Edital de Licitação na modalidade de Tomada de Preço n. 01/2015, do CRFa 3ª, para constar que: 1. O item

Leia mais

Pedido de Licenciamento Atualizado em: 06-04-2016

Pedido de Licenciamento Atualizado em: 06-04-2016 SEGURANÇA SOCIAL Pedido de Licenciamento Atualizado em: 06-04-2016 Esta informação destina-se a Estabelecimentos e Apoio Social que queiram exercer atividade. O que é Os estabelecimentos de apoio social

Leia mais

PROPOSTA DE PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS O MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

PROPOSTA DE PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS O MINISTÉRIO DA JUSTIÇA PROPOSTA DE PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS E O MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Considerando que, A Constituição da República Portuguesa, inspirada no artigo

Leia mais