EVOLUÇÃO DOS CONSUMOS DE ENERGIA NOS SISTEMAS DE AVAC. Paulo Sousa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EVOLUÇÃO DOS CONSUMOS DE ENERGIA NOS SISTEMAS DE AVAC. Paulo Sousa"

Transcrição

1 EVOLUÇÃO DOS CONSUMOS DE ENERGIA NOS SISTEMAS DE AVAC Paulo Sousa 1

2 2 ENQUADRAMENTO

3 OS CHILLERS SÃO CONSIDERADOS UM DOS GRANDES CONSUMIDORES DE ENRGIA DAS INSTALAÇÕES DE AVAC DOS EDIFÍCIOS HOSPITALARES. POR ESTE FACTO, IREMOS ABORDAR O TEMA, APRESENTANDO A EVOLUÇÃO QUE ESTES EQUIPAMENTOS TÊM VINDO A SOFRER MAIS RECENTEMENTE QUE NOS LEVAM A ESEER SUPERIORES A 5, MESMO NOS EQUIPAMENTOS AR / ÁGUA. 3

4 DAIKIN APRESENTAÇÃO RESUMO HISTÓRICO 4

5 DAIKIN É UM FABRICANTE DE EQUIPAMENTOS DE AVAC DE ORIGEM JAPONESA Akira Yamada funda a Osaka Kinzoku Kogyosho Ltd Surge o primeiro compressor rotativo e primeira bomba de calor do tipo compacto 1967 Primeiro escritório de representação europeia, em Malta 1973 Daikin Europe, Ostend, Bélgica 5

6 DAIKIN É UM FABRICANTE DE EQUIPAMENTOS DE AVAC DE ORIGEM JAPONESA Aquisição do grupo OYL. Desenvolvimento de chillers de grande capacidade 2007 Primeira bomba de calor de parafuso inverter a R134A do mercado 2008 Primeiro chiller só frio inverter a R134a do mercado 2011 Primeiro compressor inverter de 1,8 MW 6

7 Unidades de produção no Mundo

8 Daikin em Portugal A Daikin Airconditioning Portugal, SA é fundada em 2004 Delegação Norte Sede

9 PRODUTOS DAIKIN SISTEMAS HIDRÓNICOS 9

10 SISTEMAS HIDRÓNICOS PRODUTOS Aplicações residenciais Aplicações Hospitalares, Industriais, Agrícolas, Grandes Edifícios de Serviços Compressor Rotativo ou Scroll 5-7 kw Compressores Múltiplos Scroll kw Compressor de Parafuso kw Compressor Centrífugo kw

11 Chillers de condensação a ar Daikin Flagship AC Inverter Screw chiller (EWAD-TZ) kW cooling capacity In-house designed screw compressor with integral AC inverter Full load efficiency up to 3.57 (EER EN14511) Seasonal efficiency up to 5.8 (ESEER EN14511) DC-inverter fans optional Medium AC Inv Screw

12 Chillers de condensação a ar Daikin Large AC Inverter Screw chiller (EWAD-CZ) 635 1,800kW cooling capacity Optimized for part load operation AC Inverter compressor and DC brushless fans Full load efficiency up 3.1 (EER EN14511) Seasonal efficiency up to 5.4 (ESEER EN14511) Large AC Inv Screw

13 Bombas de calor de condensação a ar Daikin AC Inverter Screw heat pump (EWYD-BZ) kW cooling capacity kW heating capacity Intelligent boost management Down to -12 C air temperature Full load efficiency up 2.8 EER, 3.0 COP (EN14511) Seasonal efficiency up to 4.2 (ESEER EN14511)

14 R-134a Chillers de condensação a água Daikin Centrífugo com Inverter (DWSC-DWDC) 500 9,000kW capacidade de arrefecimento Desgin do compressor esclusivo Daikin Opção inverter disponível Controlo Standard com Touch Screen Eficiência Sazonal até 9.5 IPLV Performance certificada pela AHRI (single comressor units up to kw) (dual compressor units up to kw)

15 R-134a Chillers de condensação a água Daikin Chiller de levitação magnética (DWME) Até 2,000kW com um compressor Tecnocologia própria de levitação magnética Motor do compressor DC Inverter Eficiência à carga máxima até 6.5 COP Eficiência sazonal até 11 IPLV Performance certificada pela AHRI

16 Chillers de condensação a água Daikin Unidades com capacidades até 21,000 kw com a série DWCT 16

17 SISTEMAS HIDRÓNICOS PRODUTOS Ventiloconovectores Unidade Chão / Tecto Unidade Condutas Cassete 4 vias Murais FWV FWL FWM FWD FWB-(J) FWC FWF FWT 0.94kW 22 kw Unidades de Tratamento de Ar 1100m³/h a m³/h

18 SISTEMAS HIDRÓNICOS UTAS Higiénicas Perfis internos arredondados Materiais Não Corrossivos Ventiladores EC Higiénicos Tabuleiros condensados removíveis Nova gama standard e Certificada: EN VDI 6022 D-AHU Higiénicas: gama disponível com Software de selecção próprio. 18

19 DAIKIN EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS 19

20 EM 1992, OS CHILLERS COM MELHOR PERFORMANCE, NÃO ULTRAPASSAVAM UM EER DE 2,5 NAS CONDIÇÕES NOMINAIS EUROVENT E FUNCIONAVAM QUASE NA SUA TOTALIDADE COM GÁS R22. O que temos vindo a fazer nos últimos anos? 20

21 A filosofia DAIKIN é baseada nesta «melhoria contínua» diária, em todos os procedimentos e em todos os equipamentos que fabricamos. A necessidade de evolução dos equipamentos é natural, fruto do desenvolvimento técnico dos fabricantes, por acção da concorrência. 21

22 A Daikin sempre dedicou especial atenção às questões ambientais e sempre assumiu um compromisso no desenvolvimento dos seus produtos como amigos do ambiente Actualmente as preocupações ambientais estão no topo das questões discutidas na UE, que está a trabalhar em regulamentos que irão introduzir novos e obrigatórios requisitos para produtos AVAC. F Gas Ecodesign 22

23 23 NOVOS REGULAMENTOS

24 NOVOS REGULAMENTOS UE- Plano de redução de carbono até 2050 A UE tenciona reduzir as emissões de gás doméstico green house gas emissions (GHG) de forma a prevenir o aquecimento global, sendo o seu objectivo reduzir 80% das emissões (em Mton de CO2) em Equipamentos AVAC originam emissões de GHG: Emissões DIRECTAS, devido à possibilidade de fugas do refrigerante para a atmosfera. Emissões INDIRECTAS, relacionadas com a potência consumida pelos equipamentos e a eficiência energética.

25 NOVOS REGULAMENTOS F-GAS (Emissões Directas) Regulamentos F-gas ambicionam diminuir as emissões de F-gases (= fluorinated gases) para a atmosfera. F-gases são maioritariamente refrigerantes HFC usados actualmente no sector AVAC, como o R-134a, R-410A, R- 404A. ECODESIGN (Emissões Indirectas) A Directiva Ecodesign estabelece requistios minimos de eficiência para sistemas AVAC. 25

26 26 REGULAMENTO F-GAS

27 REGULAMENTO F-GAS Ações de recuperação dos fluídos Testes de verificação de fugas regulares Extinção gradual da utilização dos HFCs Limites GWP (transição para novos fluídos frigorigéneos com baixos GWP) Reforçar as medidas de prevenção de emissões através da formação e treino dos profissionais O regulamento F-Gas está agora em revisão para alcançar os objectivos de 2050 da UE para o Mapa de uma Economia de Baixas Emissões de Carbono e para os objectivos Globais de Emissões

28 REGULAMENTO F-GAS Os Gases Frigorigéneos com maior impacto no aquecimento global são aqueles cujo o GWP é maior. O Global Warming Potential (GWP) mede o efeito do aquecimento global do fluido por comparação com o CO2. 28 Para atingir o objectivo do F-gas espera-se uma migração gradual do mercado nos próximos anos para refrigerantes com baixo GWP. Vamos ver questões que este assunto pode gerar...

29 NOVOS REGULAMENTOS F-GAS Questão 1 Devo preocupar-me com a compra de equipamentos que utilizem R-134a ou R-410A? NÃO O processo de descontinuação de produtos será gradual. Não há uma proibição do R-134a e do R-410A. Até 2030 será possível comprar e usar esses gases. 29

30 NOVOS REGULAMENTOS F-GAS Questão 2 Se comprar uma unidade que funcione com R-134a ou R-410A posso futuramente reconverter o circuito para o uso de outro gás? SIM Se for tecnicamente viável (análise caso a caso) Vantagens da tecnologia inverter Exemplo: Chiller Parafuso Daikin GWP CAPACIDADE EER Ref actual: R-134a % 100% Ref nova: R-1234ze 6 75% 99,5% Chiller Daikin de velocidade variável: a tecnologia inverter permite compensar a perda de capacidade com o aumento da velocidade do compressor! 30

31 NOVOS REGULAMENTOS F-GAS Questão 3 Qual o cenário futuro com o aparecimento dos novos gases? ACTUAIS (DOMINANTES) NOVOS CANDIDATOS SCROLL R-410A GWP = 2088 R-32 GWP = 675 HFO blends GWP < 10 PARAFUSO R-134a GWP = 1430 HFO1234yf HFO 1234ze GWP < 10 CENTRÍFUGO R-134a GWP = 1430 HFO 1233zd HFO1234yf/ze GWP < 10 31

32 32 DIRECTIVA ECODESIGN

33 NOVOS REGULAMENTOS - ECODESIGN A Directiva Eco-Design estabelece regras ao nível da criação de exigências ecológicas dos produtos ERP s comercializados nos estados membros da UE. A Directiva estabelece requisitos de eficiência sazonal miníma que serão obrigatórios para a colocação dos produtos no mercado. 33 A Directiva já se encontra em vigor no sector residencial (split, bombas de água, ventiladores..) e será brevemente aplicada aos chillers-

34 NOVOS REGULAMENTOS - ECODESIGN Diretiva Eco-design (Diretiva 2009/125/EC) Impacto do Ecodesign nas gamas de Sistemas Hidrónicos: Chillers: Fluídos frigorigêneos Eficiência à carga total e sazonal Unidade de Tratamento de Ar e Ventiloconvectores: Eficiência do motor dos ventiladores

35 NOVOS REGULAMENTOS - ECODESIGN Requisitos de informação Requisitos de eficiência Impacto nos chillers, AHUs, FCUs ENER Lot. 11 Ventiladores e motores eléctricos ENTR Lot. 10 Ventilação (AHUs, ) Requisitos de informação Etiquetagem energética Requisitos de recuperação de calor Requisitos da Potência Sonora Limite do SFP (Factor Potência Ventiladores) Calendário de implementação com múltiplas etapas JÁ DECIDIDO E ADOTADO EM DEFINIÇÃO

36 NOVOS REGULAMENTOS - ECODESIGN ENER Lot. 1 Sistemas de Aquecimento (Caldeiras & Bombas de Calor) Requisitos de informação Etiquetagem energética Eficiência Mínima Requerida (MEPS) SCOP: Introdução do novo indicador para eficiência a cargas parciais no modo de aquecimento EM 2015 Calendário de implementação com múltiplas etapas e requisitos mínimos de cada uma

37 NOVOS REGULAMENTOS - ECODESIGN ENTR Lot. 1 Refrigeração Industrial (incl. Chillers para processo) Requisitos de informação Eficiência Mínima Requerida (MEPS) EM DEFINIÇÃO SEPR Introdução do novo indicador para eficiência a cargas parciais no caso de aplicações de processo Calendário de implementação com múltiplas etapas e requisitos mínimos de cada uma

38 NOVOS REGULAMENTOS - ECODESIGN ENTR Lot. 6 Ar Condicionado (Chillers, Split,VRF, Rooftops) Requisitos de informação Eficiência Mínima Requerida (MEPS) EM DEFINIÇÃO SEER: Introdução do novo indicador para eficiência a cargas parciais vs o atual ESEER Definição de um bónus para aplicações com novos fluídos frigorigéneos do novo regulamento F-Gas) Calendário de implementação com múltiplas etapas e requisitos mínimos de cada uma

39 NOVOS REGULAMENTOS - ECODESIGN 26 de SETEMBRO 2015: Entrada em vigor do Lot.1: Regulamentos Ecodesign para Bombas de Calor Hidrónicas (ar-água, água-água) Informação de Produto: Dados Ecodesign com acesso gratuito na net 1 2 Rotulagem energética 3 Requisitos minímos de eficiência SCOP 39

40 NOVOS REGULAMENTOS - ECODESIGN O que é o SCOP? kw Tbivalent Capacidade Bomba de Calor Back up Necessidade Aquecimento Temperatura Exterior (ºC) O SCOP é calculado como sendo a média de COPs em múltiplos pontos e tem em consideração também o apoio (back-up). 40

41 NOVOS REGULAMENTOS - ECODESIGN Requisitos Minimos SCOP Timeline: 2 tiers (2015 e 2017) para aumentar gradualmente as eficiências mínimas requeridas. TIER 2 (2017) SCOP Requisitos Ecodesign TIER 1 (2015) 41

42 NOVOS REGULAMENTOS - ECODESIGN Acções da Daikin Calculou-se o SCOP para os modelos actuais de bomba de calor e em paralelo fizeram-se alguns testes piloto de forma a comparar medições e cálculos. As Bombas de Calor Daikin existentes cumprem os requisitos da Ecodesign TIER 1. Todos os novos desenvolvimentos terão em conta os requisitos de SCOP para a Ecodesign TIER 2. 42

43 Migration from GROSS to NET performances Basically the main impact of EN14511 will be to take into consideration: OUTDOOR PUMP (water cooled chillers) EN14511 INDOOR PUMP (air & water cooled chillers) air & water cooled chillers -> the efficiency of the indoor pump, that is the chilled water pump on the evaporator side. This pump can be mounted on the standard unit (integral pump) or offered separately as an option (not integral, this is the case of Daikin chillers) water cooled chillers (only) -> the efficiency of the indoor pump, (see above definition) and also of the outdoor pump, that is the condenser water pump. The pump can be included in the standard unit (integral pump) or offered separately (not integral)

44 CONCLUSÃO Temos um total compromisso com as preocupações ambientais Coerência com os novos regulamentos Isto provoca uma necessidade de inovação e de melhoria contínua dos equipamentos 44

45 O DESAFIO TECNOLOGIA ACTUAL 45

46 Investigação e Desenvolvimento O novo desafio A revisão da Diretiva Ecodesign e o Regulamento F-Gas requerem grande investimento dos fabricantes nos departamentos de Investigação e Desenvolvimento. A Daikin antecipou-se e desde 2009 que no seu Centro Desenvolvimento Sistemas Hidrónicos situado nos USA se tem dedicado a desenvolver e a testar novas tecnologias e representa um dos maiores investimentos na pesquisa e desenvolvimento de sistemas AVAC em todo o mundo.

47 No caminho do aumento de eficiência Quais são os grandes comsumidores de energia dum chiller? CHILLER 1 Compressor 2 Ventiladores (chillers condensados a ar) 3 Bombas no circuito hidráulico

48 No caminho do aumento de eficiência TECNOLOGIA INVERTER É a escolha da Daikin com vista à otimização da eficiência Energética nos Sistemas Hidrónicos PORQUÊ? Todos os edifícios têm cargas térmicas com variações durante o seu funcionamento e a utilização de equipamentos com tecnologia inverter permite acompanhar as variações de carga, procurando minimizar os excessos de consumo de energia.

49 No caminho do aumento de eficiência Vantagens da tecnologia Inverter Optimização de Eficiência _ melhoria do ESEER Caudal de gás/ar/água movimentado pelos compressores /ventiladores/bombas têm modulação pelo controlo de velocidade variável baseado nas necessidades reais, resultando numa eficiência máxima. Baixa corrente de arranque Corrente de arranque gradual sem picos. Diminução do ruído A variação de velocidade assegura um nível de ruído inferior especialmente em funcionamento de carga parcial. Extensão do tempo de vida útil dos motores Redução do stress mecânico e térmico.

50 No caminho do aumento de eficiência Vantagens da tecnologia Inverter Diminuição da potência absorvida A velocidade de rotação do compressor diminui em função das cargas parciais. Garantia de um factor de potência reduzido Não há necessidade de correcção externa, pois o factor de potência manter-se-á empre acima de 0,95 Diminuição do Custo do Ciclo de Vida Apesar do maior investimento inicial, a redução dos consumos e a maior durabilidade do equipamento, grantem uma diminuição do life cost cicle. Diminuição das dimensões A eficiência do compressor permite usar permutadores mais pequenos.

51 O coração de um chiller é seguramente o seu compressor. EVOLUÇÃO DA TECNOLOGIA DAIKIN AO LONGO DOS ANOS ALTERNATIVOS (PISTONS) ROTARY SCROLL CENTRÍFUGO ROTARY PARAFUSO PARAFUSO + A/C VFD PARAFUSO + VVR e R/C VFD 60s 60s 70s 90s s

52 Componentes Principais TECNOLOGIA DAIKIN MONO PARAFUSO Ligação Motor eléctrico Rotores Motor Eléctrico Gate rotor Separador de Óleo Parafuso principal 52

53 TECNOLOGIA DAIKIN MONO PARAFUSO Tradicional loading/unloading ESEER até 3,9* IPLV até 4,3** (ton) 0 (kw) 0 Capacidade Arrefecimento*** % 50% 100% * A/C chiller application (EN14511:2011) ** A/C chiller application +2 C SST & +50 C SDC

54 TECNOLOGIA DAIKIN MONO PARAFUSO Capacidade melhorada para eficiência a cargas parciais ESEER até 4,4* IPLV até 5,1** (ton) 0 (kw) 0 Capacidade Arrefecimento*** % 50% 100% * A/C chiller application (EN14511:2011) ** A/C chiller application +2 C SST & +50 C SDC

55 TECNOLOGIA DAIKIN MONO PARAFUSO (ton) 0 (kw) 0 Capacidade Arrefecimento *** Última tecnologia Melhores níveis eficiência Controlo de velocidade variável ESEER até 5,7* IPLV até 7,2** Com rácio de volume variável 55 * A/C chiller application (EN14511:2011) ** A/C chiller application +2 C SST & +50 C SDC

56 FREE COOLING chiller água / água _ DIRETO Interligação dos circuitos de água arrefecida e de condensação durante o processo de free cooling. A grande vantagem desta técnica é poder beneficiar da temperatura de bolbo húmido do ar que é mantida num valor mínimo, maximizando a capacidade do free cooling. Sistema de tratamento de água eficaz para minimizar o risco de corrosão. ON OFF

57 FREE COOLING chiller água / água _ INDIRETO Colocação de permutador intermédio entre a água arrefecida e a água do circuito de condensação. Esta permuta intermédia vai fazer diminuir a eficiência do sistema. Instalação cara. ON OFF

58 FREE COOLING chiller ar / água _ DRY COOLER EXTERNO 12 0 C Retorno 12 0 C 12 0 C Dry-cooler _ Ta<7 o C Carga 7 0 C 7 0 C Quando a temperatura do ar exterior for menor do que a temperatura de set point da água do chiller, o circuito de retorno faz-se através do dry cooler. 7 0 C Ida

59 Caract.: FREE COOLING chiller ar / água _ DRY COOLER INCORPORADO free-cooling através de uma bateira de água adicional instalada lado a lado com o condensador a ar do chiller circulação do ar ambiente através de: 1) bateria de free cooling 2) condensador do chiller Saída de água Condensador a ar Bateria Free cooling Válvula de Expansão Compressor Evaporator Válvula três vias Água de retorno arrefecida com o ar ambiente ambiente antes de entrar no evaporador O controlo do chiller vai determinar a posição da válvula de três vias. Entrada de água

60 Dependendo da temperatura do ar podemos destinguir três modos diferentes: Verão FREE COOLING chiller ar / água _ DRY COOLER INCORPORADO Meia estação Inverno 30ºC 10ºC 0ºC AIR AIR AIR T ambiente muito alta para free cooling Válvula (3-vias) fica fechada Sem circulação de água na bateria de FC Água de retorno vai directa ao evaporador Ventiladores & compressores estão ligados _ 100% de capacidade T ambiente insuficiente para free cooling Válvula (3-vias) fica aberta Água de retorno é pré arrefecida Através da bateria free cooling e evaporador Ventiladores & compressores estão ligados assegurando menos de100% de capacidade T ambiente permite 100% free cooling Válvula (3-vias) fica aberta Água de retorno é arrefecida Set-point alcançado por free cooling Ventiladores ligados e compressores desligados

61 FREE COOLING chiller ar / água _ DRY COOLER INCORPORADO Válvula de três vias Tubagem de água em PEAD Ligações hidráulcas Entrada de água Saída de água Evaporador shell and tube

62 FREE COOLING ROI : chiller ar / água _ DRY COOLER INCORPORADO Data center Chiller Ar-Água seleccionado a 1300 kw de cap. de arrefecimento. Condições: Temp. água: 16/10 C (30% glicol) Temperatura ambiente máxima: 35 C Sem requisitos de nível de ruído. Diferentes alternativas avaliadas: (EWAD-C) std (EWAD-CF) free cooling (EWAD-CF) free cooling Optimizado Condições locais/instalação: 100% da carga por 24h/7 dias. Funcionamento contínuo (8760 horas de funcionamento por ano). Local: Hamburgo. Base de cálculo: 0,1123 /kwh

63 FREE COOLING ROI _ Hamburgo Month Average daily temperature Traditional chiller EWAD-C Pay back 0,63 anos Free cooling Standard EWAD-CF Pay back 0,74 anos Free cooling Optimized EWAD-CF January -1 C kwh kwh kwh February 1 C kwh kwh kwh March 6 C kwh kwh kwh April 12 C kwh kwh kwh May 20 C kwh kwh kwh June 23 C kwh kwh kwh July 23 C kwh kwh kwh August 22 C kwh kwh kwh September 17 C kwh kwh kwh October 11 C kwh kwh kwh November 5 C kwh kwh kwh December 1 C kwh kwh kwh Energy consumption kwh kwh kwh Running cost saving ,5% - 33,5%

64 FREE COOLING ROI _ Europa Local Standard free cooling Vs Chiller sem free cooling Free Cooling Optimizado Vs Chiller sem free cooling Pay back (anos) CO2 emissions Pay back CO2 emissions Hamburgo 0,63-29,5 % 0,74-33,5 % Atenas 2,75-7,4 % 3,34-8,1 % Milão 0,77-18,2 % 0,88-20,9 % Paris 1,03-28,9 % 1,21-32,7 % Londres 1,02-21,2 % 1,14-24,9 % Porto 1,15-17,5 % 1,29-20,7 % Madrid 1,23-14,8 % 1,38-17,5 % 2

65 65 CHILLER IVERTER

66 EWAD-TZ uma história de sucesso DAIKIN EWAD-TZ foi finalista nos RAC Cooling Industry Awards 2014 mencionado nas seguintes categorias: Ar Condicionado / Bomba de Calor Inovação do ano. 66

67 CARACTERÍSTICAS GERAIS Compressor Fluído frigorigéneo Compressor mono-parafuso INVERTER (inverter integrado no corpo do compressor) R-134a Capacidade De 200 kw até 700 kw (água evaporador 12/7 C --- Ar condensador 35 C) Circuitos 1 circuito (1 compressor) de 170 kw até 365 kw 2 circuitos (2 compressores) de 365 kw até 713 kw Versões Silver Efficiency EER 2,8 ESEER: up to 4,8 Gold Efficiency EER 3,1 ESEER: up to 5,1 Platinum Efficiency EER 3,4 ESEER: up to 5,8 EN14511 Configurações do nível do ruído ST Ruído Standard 83.0 db(a) Pressão 1 m XN Extra Low Noise 73.0 db(a) Pressão 1 m Evaporador Expansão Ventiladores Expansão directa: de Placas (modelo 1 circuito); Shell & Tube (dois circuitos) Válvula expansão electrónica (EEXV) standard ON-OFF standard na versão SE Inverter AC Inverter standard na versão XE; motor DC como opcional

68 Inovações a destacar EWAD-TZ Compressor Novo compressor mono-parafuso DAIKIN com inverter integrado Racio Volumétrico Variável. Evaporador Circuito simples: Evaporador Compacto de placas soldadas. Duplo circuito: Evapordor Shell & Tube. NOVO Chiller Inverter Parafuso EWAD-TZ Condensador Condensador em tubo de cobre com interior que permite aumentar a turbulência. Integra circuito de Sub-Arrefecimento. Pressão de condensação dinâmica. Ventiladores ON-OFF axiais. Inverter AC: standard nos modelos de alta eficiência. Inverter DC: opcional na versão de alta eficiência. Válvula de expansão Válvula de expansão electrónica de série

69 Compressor Descarga EWAD-TZ Controlo de VVR INVERTER Econ. & Portas injecção de líquido Condensadores Placa de arrefecimento em Alumínio Entrada de líquido (arrefecimento VFD) Aspiração

70 Compressor B A EWAD-TZ Rácio Volumétrico Variável (VVR) Uma peça móvel é posicionada em dois pontos de acordo com a indicação do controlador, resultando na variação da geometria de descarga do parafuso. O efeito desta operação é a optimização do rácio volumétrico de acordo com as condições de funcionamento em dois patamares (2.0 e 3.0). Aspiração Descarga Nota da regulação de capacidade EWAD-TZ O mecanismo de VVR não acuta sobre a regulação de capacidade que é de facto controlada através da variação de rotações do compressor através do inverter. A B Posição A: Rácio Volumétrico 3.0 Posição B: Rácio Volumétrico 2.0 Funcionamento a plena carga Funcionamento a cargas parciais

71 Nova tecnologia no compressor VVR 2.0 valv B aberta VVR 3.0 valv A fechada 2.0 > = Passagem de óleo Pressão de óleo Discharge gas Pressão force de on descarga slide Slide movement VVR movimentos to loadpos da valvula

72 Nova tecnologia no compressor 3.0 VVR 2.0 valv B fechada VVR 3.0 valv A aberta < = Passagem de óleo Pressão de óleo Discharge gas Pressão force de on descarga slide Slide movement VVR movimentos to loadpos da valvula

73 Rácio Volumétrico Variável (VVR) Pressão condensação Pressão de evaporação Rácio de pressão baixo A Rácio de pressão mais elevado B A Posição A: Rácio Volumétrico 2.0 Rácio de pressão baixo B Posição B: Rácio Volumétrico 3.0 Rácio de pressão elevado

74 Eficiência do Compressor EWAD-TZ Compressor Rácio Volumétrico Variável (VVR) VR 2.0 VR 3.0 A eficiência do compressor é optimizada com o controlo do Rácio Volumétrico Variável em função das condições de funcionamento através de: Controlo da posição da válvula de descarga; Software de controlo avançado Rácio de pressão é como ter: 2 compressores em 1

75 Consumo Eficiência elevada a cargas parciais Controlo dinâmico da pressão de condensação O controlador pode modular o funcionamento dos compressores e dos ventiladores, de modo a obter o menor consumo global. Consumo Total Consumo dos Compressores Ponto de funcionamento para obter o EER mais elevado Consumo dos Ventiladores

76 76 APLICAÇÃO HOSPITALAR LONDRES 1,1 MW A 6,3 MW

77 Aplicação num Hospital Dados Descrição Valor Unidade Área bruta de implantação 27,000 m 2 Área coberta 27,000 m 2 Altura do edifício 20 m Área não envidraçada 20,000 m 2 Área envidraçada 10,000 m 2 Número de pisos 4 Iluminação 7 W/m 2 Ocupação 120 W/person Caudal de ar novo 12 l/(s person) Ocupação 9,000 people Londres

78 Aplicação num Hospital Cálculo da Carga Térmica ocupação diária Ocupação Horária Segunda a Sexta During week days, occupation pick loads are during visits times (8 AM - 12 AM and 2 PM 6 PM). Occupancy during peak loads: 100% Ocupação Horária Sábado e Domingo During weekends, occupation pick loads are during visits time (10 AM - 13 AM and 3 PM 6 PM). Occupancy during peak loads: 75% Vs maximum

79 Aplicação num Hospital Cálculo da Carga Térmica Carga de Arrefecimento Máx.: 6,300 kw Carga de Arrefecimento Mín.: kw Perfil de carga: Funcinamento contínuo Carga de base elevada: 1,100 kw

80 Introdução Hoje em dia o mercado disponibiliza várias soluções que correspondem a diferentes eficiências. Otimizar a selecção do chiller Isto, em combinação com os actuais sistemas de gestão de energia, resultam num vasto número de soluções.

81 Introdução Selecção das unidades a carga parcial? Como instalar as unidades: em paraledo ou em série? Todas as unidades a funcionar em simultâneo ou sequencialmente? Unidades de capacidade igual ou diferente? Que sistema de distribuição de água adotar? Sistema de condensação a ar ou a água?

82 Aplicação num Hospital Instalação e sequenciamento

83 Os dados do ESEER (Eurovent) para identificar o melhor chiller para uma determinada aplicação não é suficiente. Exige-se o cálculo das cargas parciais com o máximo detalhe de acordo com o perfil de utilização do edifício e das temperaturas do local. Ferramentas avançadas de selecção são necessárias para calcular a eficiência em qualquer ponto de funcionamento, a determinada temperatura ambiente e carga, para cada chiller.

84 Considerações Gerais Software de chillers DAIKIN - CSS

85 Instalação e sequenciamento Instalação Série Sequenc. Degraus Paralelo Simultâneo Meses kwh_elect. Euro kg CO 2 January ' February ' March ' April ' May ' June ' July ' August ' September ' October ' November ' December ' '274' '115 1'637'091 kwh_elect. Euro kg CO ' ' ' ' ' ' ' ' ' ' ' ' '929' '919 1'464'591 Instalação em Paralelo com funcionamento em simultâneo é a melhor solução 10 % de poupança nos custos de funcionamento Vs Série/Degraus 4 meses de retorno de investimento!

86 86 EXEMPLO EM PORTUGAL IPO PORTO

87 IPO - Porto

88 88 NOTA FINAL

89 89 Integrem-se os sistemas de produção de água refrigerada com a Gestão Técnica Centralizada de forma a permitir rentabilizar ao máximo a sua performance com recuperação de energia associada. Um boa instalação mal conduzida não reflete a eficiência que os equipamentos poderão conseguir.

90 Uma vez que estamos a falar de melhorar a eficiência energética, porque não a utilização da equipamentos de expansão directa? Cumpra-se a EN378-1 e agora que é possível controlar a temperatura de insuflação do ar, porque não? Estamos preparados para ajudar na comparação entre sistemas a água e sistema de expansão direta 90

91 91 OBRIGADO

Todas as unidades são testadas na fábrica antes de serem vendidas! (Possibilidade de assistir aos testes)

Todas as unidades são testadas na fábrica antes de serem vendidas! (Possibilidade de assistir aos testes) 1 Todas as unidades são testadas na fábrica antes de serem vendidas! (Possibilidade de assistir aos testes) ISO 9001 Quality Management System ISO 14001 Environmental Management System 2 Sazonalidade das

Leia mais

Características Unidades Exteriores (Condições Eurovent)

Características Unidades Exteriores (Condições Eurovent) LG SINGLE A (1 ) UNIDADE EXTERIOR As unidades exteriores referenciadas UUxxWH marca LG, são unidades bomba de calor (Modo Reversível) de expansão directa a operar com o fluído frigorigénio R410A. A unidade

Leia mais

Solução de Aquecimento de Águas de Elevada Eficiência

Solução de Aquecimento de Águas de Elevada Eficiência Solução de Aquecimento de Águas de Elevada Eficiência Gama 04 Gama de 2013 O que é Therma V? 06 O que é Therma V? Vantagens Therma V 08 Elevada Eficiência Energética 10 Programação Semanal 12 Instalação

Leia mais

a excelência do clima sistemas VRF

a excelência do clima sistemas VRF a excelência do clima VRF UNIDADES INTERIORES 5 MODELOS / 37 VERSÕES UNIDADES EXTERIORES 3 MODELOS / 36 VERSÕES Mural Cassette 4 vias Mini - VRF VRF VRF Plus Parede / Tecto Módulos Básicos Módulos Básicos

Leia mais

BOMBAS DE CALOR AR ÁGUA. Conforto durante todo o ano, com produção de águas quentes sanitárias

BOMBAS DE CALOR AR ÁGUA. Conforto durante todo o ano, com produção de águas quentes sanitárias BOMBAS DE CALOR AR ÁGUA Conforto durante todo o ano, com produção de águas quentes sanitárias CARRIER.GRUPO UNITED TECHNOLOGIES Carrier Corporation é uma subsidiária da United Technologies Corporation

Leia mais

Bombas de Calor. O calor é o nosso elemento

Bombas de Calor. O calor é o nosso elemento Bombas de Calor 2º Seminário PPGS Carlos Barbosa TT/SPO-TRTR 1 Bombas de Calor Geotérmicas Índice Definições Funcionamento Performance Instalação Fontes de Problemas 2 Definições Definição de bomba de

Leia mais

EWAD~C. série para aplicações. de grandes dimensões COMFORTO. Todo o ano. Aquecimento. Ar condicionado. Sistemas Hidrónicos.

EWAD~C. série para aplicações. de grandes dimensões COMFORTO. Todo o ano. Aquecimento. Ar condicionado. Sistemas Hidrónicos. EWAD~C série para aplicações COMFORTO Todo o ano de grandes dimensões Aquecimento Ar condicionado Sistemas Hidrónicos Refrigeração EWAD~C- Concebida para exceder os requisitos da indústria HVAC relativamente

Leia mais

Customers. The core of our innovation. Alimentação & Transporte Secagem Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração. Granulação

Customers. The core of our innovation. Alimentação & Transporte Secagem Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração. Granulação PT Customers. The core of our innovation Alimentação & Transporte Secagem Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração Granulação Tecnologias Piovan para Refrigeração: Chillers com compressores scroll

Leia mais

ETAMAX. Unidade de tratamento de ar autónoma de elevada eficiência. versões. principais características. Feio & Comp

ETAMAX. Unidade de tratamento de ar autónoma de elevada eficiência. versões. principais características. Feio & Comp ETAMAX Unidade de tratamento de ar autónoma de elevada eficiência Caudais: 4.000-25.000 m 3 /h alta eficiência ETAMAX, são unidades de tratamento de ar novo de elevada eficiência do tipo compacto com circuito

Leia mais

Cli l m i ati t z i ação Soluções Eficientes

Cli l m i ati t z i ação Soluções Eficientes Climatização Soluções Eficientes Indíce 1 Energias Renováveis Aerotermia, Energia Solar 2 Eficiência Energética Tecnologias, Regulamento 3 Bombas de Calor Soluções 4 Ar condicionado Gamas, Sistemas 1 Energias

Leia mais

Industrial, mas personalizado

Industrial, mas personalizado Industrial, mas personalizado CATÁLOGO DE SISTEMAS HIDRÓNICOS Índice Acerca da Daikin 04 Portfolio de produtos - condensação a ar 06 Portfolio de produtos - condensação a água 08 Tecnologia de inverter

Leia mais

Estudo Comparativo Implementação de IMOP

Estudo Comparativo Implementação de IMOP SIMULAÇÃO ENERGETICA ANUAL Estudo Comparativo Implementação de IMOP Elaborado por Pedro Mimoso Março, 2012 Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Agos Set Out Nov Dez SIMULAÇÃO ENERGETICA Para a elaboração desta

Leia mais

A escolha. atural BOMBA DE CALOR DAIKIN ALTHERMA

A escolha. atural BOMBA DE CALOR DAIKIN ALTHERMA A escolha atural BOMBA DE CALOR DAIKIN ALTHERMA 2 A escolha natural 3 em1: aquecimento, arrefecimento e água quente sanitária O sistema Daikin Altherma é a solução integrada de conforto, promovendo aquecimento,

Leia mais

Sistemas de climatização da água da piscina Controlo da temperatura da água da sua piscina

Sistemas de climatização da água da piscina Controlo da temperatura da água da sua piscina Sistemas de climatização da água da piscina Controlo da temperatura da água da sua piscina Bombas de calor ar-água O sistema mais eficiente e rentável A Astralpool coloca à sua disposição uma vasta gama

Leia mais

A SOLUÇÃO DE AQUECIMENTO E ARREFECIMENTO CENTRAL

A SOLUÇÃO DE AQUECIMENTO E ARREFECIMENTO CENTRAL A SOLUÇÃO DE AQUECIMENTO E ARREFECIMENTO CENTRAL TECNOLOGIA BOMBA DE CALOR NO SEU MELHOR O sistema Daikin Altherma para arrefecimento e aquecimento central é baseado na tecnologia bomba de calor e representa

Leia mais

Água Quente. Supraeco W Supraeco W OS. Bombas de calor Ar - Água para produção de A.Q.S. julho 2014. Conforto para a vida

Água Quente. Supraeco W Supraeco W OS. Bombas de calor Ar - Água para produção de A.Q.S. julho 2014. Conforto para a vida Supraeco W Supraeco W OS Bombas de calor Ar - Água para produção de A.Q.S. Água Quente julho 0 Conforto para a vida Bombas de calor SUPRAECO energia água quente ar-água confortopoupança eficiênciacop calor

Leia mais

Compressor Parafuso. Principais tipos: Parafuso simples. Parafuso duplo (mais empregado)

Compressor Parafuso. Principais tipos: Parafuso simples. Parafuso duplo (mais empregado) Principais tipos: Parafuso simples Parafuso duplo (mais empregado) Vantagens em relação aos alternativos: Menor tamanho Número inferior de partes móveis Desvantagens em relação aos alternativos: Menor

Leia mais

CARRIER PORTUGAL José Luis Moura Director Comercial www.carrier.pt 917648480 jose-luis.moura@carrier.utc.com

CARRIER PORTUGAL José Luis Moura Director Comercial www.carrier.pt 917648480 jose-luis.moura@carrier.utc.com CARRIER PORTUGAL José Luis Moura Director Comercial www.carrier.pt 917648480 jose-luis.moura@carrier.utc.com 1 EVERGREEN 23XRV CHILLER 15-10- 2009 Jornadas da Ordem dos Engenheiros The Right Chiller for

Leia mais

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica Roberto Lamberts Oficina 09 junho de 2010 1 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES Publicação: junho de 2009. EDIFÍCIOS ETIQUETADOS CETRAGUA

Leia mais

CPAS Climatizador Self Contained de Precisão

CPAS Climatizador Self Contained de Precisão CPAS Climatizador Self Contained de Precisão O Climatizador Self Contained de Precisão é uma unidade evaporadora que incorpora compressor, evaporador, ventilador e instrumentação de proteção e controle.

Leia mais

Tecnologias de Micro-Geração e Sistemas Periféricos PARTE II Tecnologias de Aproveitamento de Calor -

Tecnologias de Micro-Geração e Sistemas Periféricos PARTE II Tecnologias de Aproveitamento de Calor - Tecnologias de Micro-Geração e Sistemas Periféricos PARTE II Tecnologias de Aproveitamento de Calor - 53 7 - Chillers de Absorção 54 7.1 Descrição da tecnologia Um chiller de água é uma máquina que tem

Leia mais

Ar Condicionado Junkers

Ar Condicionado Junkers Ar Condicionado Junkers Ar Cond. junho 2013 NOVA GAMA Conforto para a vida Características dos aparelhos de ar condicionado Junkers Classificação Energética até A++ Os aparelhos de ar condicionado Junkers

Leia mais

Unidades, Grandezas e Propriedades

Unidades, Grandezas e Propriedades 1 Refrigeração I Bases e Fundamentos Unidades, Grandezas e Propriedades Capítulo I Figura I.4 Equivalência entre as Escalas de Temperaturas Onde a cor é fundamental 2 Figura I.9 Diagrama Temperatura Entalpia

Leia mais

Circulação do Ar remove o calor Interno... Ciclo Frigorífico

Circulação do Ar remove o calor Interno... Ciclo Frigorífico Circulação do Ar remove o calor Interno... Ciclo Frigorífico Tipos de Expansão : Ciclo Frigorífico * Expansão Direta: O Refrigerante Troca Calor Diretamente com o Ar a ser condicionado. Expansão Direta

Leia mais

Esquema de Certificação Técnicos de Instalação e Manutenção de Sistemas de Climatização

Esquema de Certificação Técnicos de Instalação e Manutenção de Sistemas de Climatização Esquema de Certificação Técnicos de Instalação e Manutenção de Sistemas de Climatização 1. Introdução 1.1. O presente documento, descreve os requisitos particulares referentes à certificação de técnicos

Leia mais

Homologado pelos fabricantes de equipamentos

Homologado pelos fabricantes de equipamentos Homologado pelos fabricantes de equipamentos Confiabilidade e durabilidade são indispensáveis. A suspensão de uma sessão de radioterapia ou a perda de hélio em uma ressonância magnética precisam ser evitadas

Leia mais

Projecto de instalações mecânicas Novo Edifício do call center da PT em Santo Tirso

Projecto de instalações mecânicas Novo Edifício do call center da PT em Santo Tirso por Isabel Sarmento e Marco Quaresma (Afaconsult) grafismo AVAC João Fitas Projecto de instalações mecânicas Novo Edifício do call center da PT em Santo Tirso O novo Edifício do CallCenter da PT localizar-se-á

Leia mais

BOMBAS DE CALOR AR/ÁGUA CLIMAECO

BOMBAS DE CALOR AR/ÁGUA CLIMAECO BOMBAS DE CALOR AR/ÁGUA CLIMAECO SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE Índice Bombas de Calor Ar/Água. Uma tecnologia de futuro Sistema de climatização integrado e eficiente 03 Serviços de Apoio ao Cliente 04 Princípio

Leia mais

Chiller Industrial Quando confiabilidade faz a diferença

Chiller Industrial Quando confiabilidade faz a diferença Chiller Industrial Quando confiabilidade faz a diferença Produzidos com os melhores componentes disponíveis no mundo e projetados com foco em economia de energia e facilidade de operação e manutenção,

Leia mais

DAIKIN ALTHERMA FLEX TYPE

DAIKIN ALTHERMA FLEX TYPE DAIKIN ALTHERMA FLEX TYPE Aplicações residenciais e comerciais Máximo conforto Aquecimento, água quente sanitária e arrefecimento Baixos níveis de emissão de CO 2 Sistema modular www.altherma.daikin.pt

Leia mais

B r e v e H i s t ó r i a

B r e v e H i s t ó r i a B r e v e H i s t ó r i a Fundação 97 Fundação do Grupo LG 95 Fundação da LG Electronics Inc. 96 Fundação da Digital Appliance Company Crescimento 96 Fabricados os primeiros sistemas de ar condicionado

Leia mais

Arrefecimento solar em edifícios

Arrefecimento solar em edifícios Arrefecimento solar em edifícios Introdução A constante procura de conforto térmico associada à concepção dos edifícios mais recentes conduziram a um substancial aumento da utilização de aparelhos de ar

Leia mais

AR CONDICIONADO. Soluções integrais para arrefecimento e aquecimento

AR CONDICIONADO. Soluções integrais para arrefecimento e aquecimento AR CONDICIONADO AR CONDICIONADO. Soluções integrais para arrefecimento e aquecimento Índice A temperatura perfeita, com frio ou calor 03 Benefícios 04 Serviços de Apoio ao Cliente 04 Princípio de Funcionamento

Leia mais

MLE - Soluções de Climatização Lda

MLE - Soluções de Climatização Lda Inspiração, Inovação, Evolução GAMA APRESENTAÇÃO DA GAMA GAMA A gama da Kaysun, procurando sempre o bem-estar do utilizador, segue na vanguarda da inovação, apresentando uma gama completamente renovada

Leia mais

YORK Modelo YVWA Velocidade Variável, Unidade com compressores parafusos resfriados a água 200 a 300 Tons

YORK Modelo YVWA Velocidade Variável, Unidade com compressores parafusos resfriados a água 200 a 300 Tons Unidade com Infinitas Configurações para ajudar na sua melhor escolha YORK Modelo YVWA Velocidade Variável, Unidade com compressores parafusos resfriados a água 200 a 300 Tons YVWA YORK Unidades Compressores

Leia mais

BOMBAS DE CALOR PARA A.Q.S. AQUASMART AQUASMART SPLIT SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE

BOMBAS DE CALOR PARA A.Q.S. AQUASMART AQUASMART SPLIT SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE BOMBAS DE CALOR PARA A.Q.S. AQUASMART AQUASMART SPLIT SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE Índice Bombas de Calor para A.Q.S. Um novo grau de eficiência Sistemas eficientes de aquecimento de águas 03 Serviços de Apoio

Leia mais

Software para a gestão dos chillers SEQUENCIADOR RHOSS

Software para a gestão dos chillers SEQUENCIADOR RHOSS 104 Software para a gestão dos chillers SEQUENCIADOR RHOSS Gestão de vários chillers em paralelo hidráulico Gestão do modo Verão/Inverno nas bombas de calor Gestão set-point do sistema Gestão dos parâmetros

Leia mais

ESQUENTADORES SENSOR GREEN

ESQUENTADORES SENSOR GREEN ESQUENTADORES SENSOR GREEN SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE Índice A eficiência na produção de água quente em grandes quantidades 03 Aplicações e Utilizações 05 Benefícios para o Instalador 06 Líder em Tecnologia

Leia mais

Pack Tempérys. Tempérys. Ventilação de conforto com regulação integrada > ventilação. caixas com bateria de aquecimento integrada e auto-regulada

Pack Tempérys. Tempérys. Ventilação de conforto com regulação integrada > ventilação. caixas com bateria de aquecimento integrada e auto-regulada ventilação Tempérys caixa de insuflação com revestimento duplo e bateria de aquecimento eléctrico Pack Tempérys caixa de insuflação + caixa de extracção com revestimento duplo, sistema de comando e de

Leia mais

Equipamentos primários. L. Roriz

Equipamentos primários. L. Roriz Equipamentos primários L. Roriz Unidades de Arrefecimento Unidades de Arrefecimento de Ar Unidades Produtoras de Água Refrigerada Sistemas de compressão de vapor Sistemas de expansão directa Sistemas utilizando

Leia mais

Aplicação de Chillers a 4 tubos em Hotéis

Aplicação de Chillers a 4 tubos em Hotéis Aplicação de Chillers a 4 tubos em Hotéis Lisboa, 27 de Outubro de 2011 - Funcionamento de chillers 4 tubos AERMEC-NRP - Especificações hidráulicas - Avaliação energética de soluções em hotéis Chillers

Leia mais

Linha Multi Split Inverter R-410A SET FREE HIGH EFFICIENCY HI-COP ECO FLEX FRONT FLOW MINI ÁGUA. www.hitachiapb.com.br

Linha Multi Split Inverter R-410A SET FREE HIGH EFFICIENCY HI-COP ECO FLEX FRONT FLOW MINI ÁGUA. www.hitachiapb.com.br Linha Multi Split Inverter SET FREE HIGH EFFICIENCY HI-COP ECO FLEX FRONT FLOW MINI ÁGUA www.hitachiapb.com.br 2 VRF Set Free Linha Multi Split Inverter Linha completa VRF multi split inverter com fluido

Leia mais

Edifícios. Variação de Velocidade com o PumpDrive. Eficiência em Acção.

Edifícios. Variação de Velocidade com o PumpDrive. Eficiência em Acção. Edifícios Variação de Velocidade com o PumpDrive. Eficiência em Acção. 2 Vantagens Bombas controladas - planeamento controlado. Com o PumpDrive da KSB. Nos anos mais recentes as exigências profissionais

Leia mais

Série CAD HE MINI NOVIDADE CAD HE MINI. Recuperadores de calor

Série CAD HE MINI NOVIDADE CAD HE MINI. Recuperadores de calor RECUPERADORES DE CALOR DE CONTRA-FLUXO DE ALTO RENDIMENTO Série NOVIDADE com permutador de contra-fluxo de alto rendimento (até 92%), montados em caixa de aço galvanizado plastificado de cor branca, de

Leia mais

- Enquadramento Legal Abordagem genérica das questões associadas à QAI; Enquadramento Legal.

- Enquadramento Legal Abordagem genérica das questões associadas à QAI; Enquadramento Legal. Cursos de atualização profissional para revalidação da credenciação técnica (nº 6, art. 22º DL79/2006 de 4 Abril) Referenciais mínimos aprovados pela Comissão Tripartida Revalidação da Credenciação a TIM

Leia mais

EXAME TEÓRICO. EXAME TIPO e resolução. 1:30:00 início do exame. 0:00:00 fim do exame. Junho 2015 FORMAÇÃO AVANÇADA. marcador de questões a rever

EXAME TEÓRICO. EXAME TIPO e resolução. 1:30:00 início do exame. 0:00:00 fim do exame. Junho 2015 FORMAÇÃO AVANÇADA. marcador de questões a rever EXAME TIPO e resolução 1:30:00 início do exame 0:00:00 fim do exame marcador de questões a rever marcador de questões a rever, assinalado a verde, número de questões já respondidas Pág 1/21 1:28:10 1 /

Leia mais

Energia. Sistemas de AVAC. Gestão Técnica Centralizada

Energia. Sistemas de AVAC. Gestão Técnica Centralizada Energia Sistemas de AVAC Gestão Técnica Centralizada Edifícios e Energia - indicadores 85% do impacte ambiental dos edifícios ocorre no período em que são ocupados (em regime de operação); Só 15% do seu

Leia mais

Série R RTAC 500-1500 kw Valor incomparável entre os chillers arrefecidos a ar com eficiência de classe A

Série R RTAC 500-1500 kw Valor incomparável entre os chillers arrefecidos a ar com eficiência de classe A Série R RTAC 500-1500 kw Valor incomparável entre os chillers arrefecidos a ar com eficiência de classe A Chillers de condensação por ar RTAC da Volte-se para a gama Trane de chillers arrefecidos a ar

Leia mais

Guia de declaração para equipamentos de AVAC&R. (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010)

Guia de declaração para equipamentos de AVAC&R. (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010) (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010) ÍNDICE 1 Objectivo... 3 2 Porquê esta legislação?... 3 3 Quem está abrangido?... 3 4 Quais os equipamentos abrangidos?... 3 5 Dúvidas frequentes... 5 5.1 Equipamentos

Leia mais

Principais equipamentos utilizados nos sectores dos edifícios e da industria (a ter em consideração na análise energética) L. F.

Principais equipamentos utilizados nos sectores dos edifícios e da industria (a ter em consideração na análise energética) L. F. Principais equipamentos utilizados nos sectores dos edifícios e da industria (a ter em consideração na análise energética) L. F. Roriz 1. Tipo de instalações A análise energética pode ter que cobrir os

Leia mais

Eficiência Energética nos Ventiladores. Classificação Energética de Unidades de Tratamento de Ar

Eficiência Energética nos Ventiladores. Classificação Energética de Unidades de Tratamento de Ar Eficiência Energética nos Ventiladores Classificação Energética de Unidades de Tratamento de Ar 29 Novembro 2012 ecodesign requisitos - Enquadramento DIRETIVA 92/42/EEC DIRETIVA 96/57/EC DIRETIVA 2000/55/EC

Leia mais

Tecnologia dos Esquentadores Termostáticos. Outras soluções para aquecimento de água

Tecnologia dos Esquentadores Termostáticos. Outras soluções para aquecimento de água Tecnologia dos Esquentadores Termostáticos. Outras soluções para aquecimento de água 2 ÍNDICE Grupo Bosch no Mundo Bosch Termotecnologia Tendências Produtos Vulcano 3 2. Bosch Termotecnologia 2.5. Centros

Leia mais

Idrobloc. Unidades em Stock na Fábrica. Potência de 3.5 kw; Possibilidade de trabalho com t de 2,5 ºC; Reduzidas dimensões: 990 x 450 x 450 mm; 80 kg

Idrobloc. Unidades em Stock na Fábrica. Potência de 3.5 kw; Possibilidade de trabalho com t de 2,5 ºC; Reduzidas dimensões: 990 x 450 x 450 mm; 80 kg Potência de 3.5 kw; Idrobloc Possibilidade de trabalho com t de 2,5 ºC; Reduzidas dimensões: 990 x 450 x 450 mm; 80 kg Descarga horizontal; Compressor Rotativo, apoiado em suportes anti-vibráticos Microprocessador

Leia mais

VRV IV. de novo. estabelece o padrão BOMBA DE CALOR E RECUPERAÇÃO DE CALOR

VRV IV. de novo. estabelece o padrão BOMBA DE CALOR E RECUPERAÇÃO DE CALOR VRV IV estabelece o padrão de novo BOMBA DE CALOR E RECUPERAÇÃO DE CALOR Que novo padrão é este? VRV IV = VRV + padrões revolucionários 3 Temperatura de refrigerante variável Aquecimento contínuo Configurador

Leia mais

Soluções. Resfriamento dedicado Uma ou Dupla Zona 0 a 90º C. Controle dedicado Precisão ± 0,1 C

Soluções. Resfriamento dedicado Uma ou Dupla Zona 0 a 90º C. Controle dedicado Precisão ± 0,1 C Micro Turbo Alto desempenho de resfriamento para o seu processo Este equipamento nos permite reduzir tempo de ciclo, melhorando nossa eficiência e nos possibilitando novas oportunidades que melhoram o

Leia mais

Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo

Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo Porquê usar o sol como fonte de energia? O recurso solar é uma fonte energética inesgotável, abundante em todo o planeta e principalmente no

Leia mais

Impacto do custo do GN no preço médio do Kwh e aumento de competitividade da co-geração qualificada.

Impacto do custo do GN no preço médio do Kwh e aumento de competitividade da co-geração qualificada. Impacto do custo do GN no preço médio do Kwh e aumento de competitividade da co-geração qualificada. Eng./Arq. Marco Tulio Starling de Vasconcellos Clima Rio 23 de Maio de 2006 Tópicos da Apresentação

Leia mais

Net-Zero energy performance em edifícios de serviços

Net-Zero energy performance em edifícios de serviços Net-Zero energy performance em edifícios de serviços Carlos Lisboa carlos.lisboa@blcnavitas.pt LNEG FCT UNL Lisboa, 25 e 26 de Junho de 2012 25 de Junho de 2012 Net-Zero energy performance em edifícios

Leia mais

AR CONDICIONADO. 7 ramificações Ø6.35 ARBL107 Ø12.7. 10 ramificações Ø6.35 Ø9.52 ARBL1010 Ø12.7. 10 ramificações Ø6.35 ARBL2010 P.V.P.

AR CONDICIONADO. 7 ramificações Ø6.35 ARBL107 Ø12.7. 10 ramificações Ø6.35 Ø9.52 ARBL1010 Ø12.7. 10 ramificações Ø6.35 ARBL2010 P.V.P. LG quadriptico Multi V IMP 06/08/10 16:21 Page 1 AR CONDICIONADO 4. Selecção dos Colectores para o Multi V PLUS/SPACE Selecção dos colectores de acordo com os diâmetros de tubagem. Modelos Tubos de Gás

Leia mais

URURU SARARA. Solução de conforto. total

URURU SARARA. Solução de conforto. total URURU SARARA Solução de conforto total O novo e único ruru Sarara 5 técnicas de tratamento do ar num só sistema Reduzido impacto ambiental Conforto perfeito Um elevado aquecimento nas divisões durante

Leia mais

A CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA EM PORTUGAL - ANÁLISE DA SUA APLICAÇÃO A UM EDIFÍCIO DE SERVIÇOS

A CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA EM PORTUGAL - ANÁLISE DA SUA APLICAÇÃO A UM EDIFÍCIO DE SERVIÇOS A CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA EM PORTUGAL - ANÁLISE DA SUA APLICAÇÃO A UM EDIFÍCIO DE SERVIÇOS Panorama Energético Segundo o Portal Europeu de Energia em 2009: Ou seja, o sector dos edifícios foi responsável

Leia mais

Compressores Scroll Danfoss Os compressores Scroll Danfoss adequam-se perfeitamente a aplicações como: Chillers

Compressores Scroll Danfoss Os compressores Scroll Danfoss adequam-se perfeitamente a aplicações como: Chillers Compressores Scroll anfoss Os compressores Scroll anfoss adequam-se perfeitamente a aplicações como: Chillers Unidades de tratamento de ar Unidades compactas de ar condicionado Bombas de calor r condicionado

Leia mais

Condensação. Ciclo de refrigeração

Condensação. Ciclo de refrigeração Condensação Ciclo de refrigeração Condensação Três fases: Fase 1 Dessuperaquecimento Redução da temperatura até a temp. de condensação Fase 2 Condensação Mudança de fase Fase 3 - Subresfriamento Redução

Leia mais

SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS

SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS Gás Climatização

Leia mais

Uso de Fluidos Ref rigerantes A lternativos em S istemas de Ar Condicionado Automotivo

Uso de Fluidos Ref rigerantes A lternativos em S istemas de Ar Condicionado Automotivo Universidade Federal de Uberlandia - UFU Faculdade de Engenharia Mecânica - FEMEC Laboratório de Energia e Sistemas Térmicos LEST Uso de Fluidos Ref rigerantes A lternativos em S istemas de Ar Condicionado

Leia mais

Eficiência. Energética. e a energia eléctrica

Eficiência. Energética. e a energia eléctrica Eficiência Energética e a energia eléctrica > Eficiência energética A é um desafio que devemos colocar a todos nós. Está ao nosso alcance, o podermos contribuir de forma decisiva para um mundo melhor e

Leia mais

Dicas para poupar energia Empresas

Dicas para poupar energia Empresas Dicas para poupar energia Empresas Eficiência energética: Poupar energia, utilizá-la de forma eficiente e inteligente, para conseguir mais, com menos. Importância da eficiência energética: Redução da factura

Leia mais

Ficha de identificação da entidade participante

Ficha de identificação da entidade participante Ficha de identificação da entidade participante Instituição Designação Instituto Superior Técnico Professor responsável João Toste Azevedo Contacto 218417993 Email toste@ist.utl.pt Técnico responsável

Leia mais

All Seasons CLIMATE COMFORT. Heating. Air Conditioning. Applied Systems. Refrigeration

All Seasons CLIMATE COMFORT. Heating. Air Conditioning. Applied Systems. Refrigeration All Seasons CLIMATE COMFORT Heating Air Conditioning Applied Systems Refrigeration Fornecedor de Soluções APPLIED SYSTEMS EXPANSÃO DIRECTA AQUECIMENTO REFRIGERAÇÃO 2 Introdução Apresentação do VRV IV Controlo

Leia mais

Série VAI 6. Design e eficiência. Porque o futuro é. www.sonur.pt vaillant@sonur.pt Tel. 217 261 711 / 217 261 547.

Série VAI 6. Design e eficiência. Porque o futuro é. www.sonur.pt vaillant@sonur.pt Tel. 217 261 711 / 217 261 547. r Condicionado FT//00x/0413 NJC Série VI 6 Design e eficiência www.sonur.pt vaillant@sonur.pt Tel. 217 261 711 / 217 261 547 Equipamentos murais mono e multi SONUR - Sociedade de Importações e Exportações,

Leia mais

Equipamento de manutenção de pressão e separação da Grundfos

Equipamento de manutenção de pressão e separação da Grundfos Equipamento de manutenção de pressão e separação da Grundfos Grundfos: Mais do que um Fornecedor de bombas Ao optimizar a eficiência dos seus sistemas de aquecimento e de refrigeração, a Grundfos disponibiliza

Leia mais

FlowGrid para Ventiladores Axiais e Centrífugos

FlowGrid para Ventiladores Axiais e Centrífugos FlowGrid para Ventiladores Axiais e Centrífugos Menos ruído - mais qualidade de vida A Escolha do Engenheiros Inovando para as pessoas. O FlowGrid foi desenvolvido para proteção eficiente contra o ruído

Leia mais

Diversos tipos e construções de Unidades de Tratamento de Ar, UTA ou UTAN, com serpentina de expansão directa, para associar a

Diversos tipos e construções de Unidades de Tratamento de Ar, UTA ou UTAN, com serpentina de expansão directa, para associar a 1 Diversos tipos e construções de Unidades de Tratamento de Ar, UTA ou UTAN, com serpentina de expansão directa, para associar a sistemas de VRF (outros) 2 UTA / UTAN de baixo perfil ou modulares com ou

Leia mais

Atlas Copco Secadores de Ar de Adsorção. MD 50-2500 88-2500 l/s / 185-5297 cfm

Atlas Copco Secadores de Ar de Adsorção. MD 50-2500 88-2500 l/s / 185-5297 cfm Atlas Copco Secadores de Ar de Adsorção MD 5-25 88-25 l/s / 185-5297 cfm Capacidade total, responsabilidade total Com um papel fundamental no seu trabalho, a Atlas Copco fornece ar comprimido de qualidade

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios RELATÓRIO DE ESTÁGIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios Fernando Jorge Albino Varela de Oliveira Abrantes Dezembro 2014 ÍNDICE Objectivos

Leia mais

Dimensionamento de Solar T. para aquecimento de Piscinas

Dimensionamento de Solar T. para aquecimento de Piscinas Dimensionamento de Solar T. para aquecimento de Piscinas Pedro Miranda Soares Dimensionamento de Sistemas Solares Térmicos para aquecimento de Piscinas No dimensionamento de colectores solares para aquecimento

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS. Pág.1/12

CADERNO DE ENCARGOS. Pág.1/12 Manutenção do Sistema de climatização dos edifícios escolares da responsabilidade do Município, manutenção do Sistema de AVAC do Arquivo Municipal Alfredo Pimenta e manutenção do sistema de AVAC da Divisão

Leia mais

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial \ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial Workshop Eficiência Energética e Sustentabilidade Ambiental nas empresas CTCV 25 de Fevereiro de 2014 \ BOAS PRÁTICAS

Leia mais

Tendências do Uso de Fluidos Ref rigerantes A lternativos em S istemas de Ar Condicionado A utomotivo

Tendências do Uso de Fluidos Ref rigerantes A lternativos em S istemas de Ar Condicionado A utomotivo Universidade Federal de Uberlandia - UFU Faculdade de Engenharia Mecânica - FEMEC Laboratório de Energia e Sistemas Térmicos LEST Tendências do Uso de Fluidos Ref rigerantes A lternativos em S istemas

Leia mais

TU/TC: superiores pelo seu funcionamento e concepção

TU/TC: superiores pelo seu funcionamento e concepção TU/TC: superiores pelo seu funcionamento e concepção O funcionamento de uma válvula de expansão termostática é determinado por três pressões fundamentais: a pressão do bolbo, a pressão de evaporação e

Leia mais

Comparando a eficiência dos sistemas centralizados com a dos sistemas VRV por Luis Roriz e Pedro Alves da Silva

Comparando a eficiência dos sistemas centralizados com a dos sistemas VRV por Luis Roriz e Pedro Alves da Silva Comparando a eficiência dos sistemas centralizados com a dos sistemas VRV por Luis Roriz e Pedro Alves da Silva Resumo: No presente artigo é feita a comparação dos consumos devidos à climatização dum edifício

Leia mais

INOVAÇÃO LG, O BEM-ESTAR INSTALA-SE EM SUA CASA

INOVAÇÃO LG, O BEM-ESTAR INSTALA-SE EM SUA CASA Re Re INOVAÇÃO LG, O BEM-ESTAR INSTALA-SE EM SUA CASA THERMA V, UMA SOLUÇÃO QUE VAI DE ENCONTRO ÀS EXPECTATIVAS DO PÚBLICO Grande parte dos portugueses possuem habitação própria. Em 2006, 85% do consumo

Leia mais

Aplicação da Amônia na Refrigeração Industrial: Inovações Tecnológicas

Aplicação da Amônia na Refrigeração Industrial: Inovações Tecnológicas Aplicação da Amônia na Refrigeração Industrial: Inovações Tecnológicas IV SEMANA TECNOLÓGICA DE REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO Senai Oscar Rodrigues Alves / SP 20 de Setembro/2012 Engº Alessandro da Silva

Leia mais

A inovação não é um luxo, mas sim uma necessidade que poderá ajudar a enfrentar as dificuldades da crise

A inovação não é um luxo, mas sim uma necessidade que poderá ajudar a enfrentar as dificuldades da crise A inovação não é um luxo, mas sim uma necessidade que poderá ajudar a enfrentar as dificuldades da crise A Empresa - No mercado nacional desde 1993 - Localização: Com fábrica em Vale de Cambra (50 km a

Leia mais

RECUPERADORES DE CALOR DE FLUXO CRUZADO Série CADB/T-N F7+F7

RECUPERADORES DE CALOR DE FLUXO CRUZADO Série CADB/T-N F7+F7 Recuperadores de calor, com permutador de fluxos cruzados, certificado por EUROVENT, montados em caixas de aço galvanizado plastificado de cor branca, duplo painel com isolamento interior termoacústico

Leia mais

Sistema de Fluxo de Água Variável Oferecendo resfriamento de conforto superior. 60 Hz

Sistema de Fluxo de Água Variável Oferecendo resfriamento de conforto superior. 60 Hz Sistema de Fluxo de Variável Oferecendo resfriamento de conforto superior 60 Hz Solução de Conforto Inovadora A Trane, líder global no fornecimento de sistemas, soluções e serviços HVAC, oferece soluções

Leia mais

A DIRECTIVA Erp E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA

A DIRECTIVA Erp E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA A DIRECTIVA Erp E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA 1 O CONTEXTO ETIQUETAGEM ENERGÉTICA e DIRECTIVA ErP, PORQUÊ? Travar a mudança climática, garantir o abastecimento de energia e aumentar a competitividade industrial

Leia mais

CALDEIRAS DE CONDENSAÇÃO A GÁS

CALDEIRAS DE CONDENSAÇÃO A GÁS CALDEIRAS DE CONDENSAÇÃO A GÁS EFICIÊNCIA, FIABILIDADE E TRANQUILIDADE Como funciona uma caldeira de condensação? Os gases de exaustão da caldeira passam através de um condensador, para recuperar o calor

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA DO ESTADO DE SÃO PAULO

SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA DO ESTADO DE SÃO PAULO FL.: 1/8 SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA DO ESTADO DE SÃO PAULO SISTEMA DO AR CONDICIONADO CENTRO DE CULTURA, MEMÓRIA E ESTUDOS DA DIVERSIDADE SEXUAL DO ESTADO DE SÃO PAULO. LOJAS 515 e 518 - METRÔ REPÚBLICA

Leia mais

Palmela, 31 Outubro 2012. Schneider Electric - Eficiência Energética HAG 01/2010 1

Palmela, 31 Outubro 2012. Schneider Electric - Eficiência Energética HAG 01/2010 1 Palmela, 31 Outubro 2012 Schneider Electric - Eficiência Energética HAG 01/2010 1 O Consumo de Energia está a aumentar Schneider Electric - Eficiência Energética HAG 01/2010 2 mais rápido do que novas

Leia mais

Ar comprimido: energia na forma de pressão

Ar comprimido: energia na forma de pressão Ar comprimido: energia na forma de pressão Transformação de energia eléctrica em pressão; resulta da compressão do ar ambiente, cuja composição é uma mistura de oxigénio ( 23,2 %(m/m)), nitrogénio ( 75,5

Leia mais

AR CONDICIONADO WWW.ZANTIA.COM

AR CONDICIONADO WWW.ZANTIA.COM WWW.ZANTIA.COM INDÍCE 02 06 10 13 VENTILO 17 VENTILAÇÃO 20 UNIDADES DE 22 DE Possíveis alterações ao catálogo sem aviso prévio. Aos preços indicados, acresce IVA à taxa legal em vigor. A gama de Ar Condicionado

Leia mais

Bomba como bomba de água potável altamente eficiente. Calio-Therm S. Folheto do modelo

Bomba como bomba de água potável altamente eficiente. Calio-Therm S. Folheto do modelo Bomba como bomba de água potável altamente eficiente Calio-Therm S Folheto do modelo Ficha técnica Folheto do modelo Calio-Therm S Todos os direitos reservados. Os conteúdos aqui disponibilizados não podem

Leia mais

GEOTERMIA. a energia sustentável

GEOTERMIA. a energia sustentável GEOTERMIA a energia sustentável FUROS GEOTÉRMICOS A Terra oferece-nos o calor para o aquecimento e arrefecimento central e AQS num só sistema. Venha conhecer! PORQUÊ PAGAR POR ALGO QUE A NATUREZA LHE DÁ?

Leia mais

Compressores. Na refrigeração industrial e no condicionamento de ar são utilizados praticamente todos os tipos e compressores:

Compressores. Na refrigeração industrial e no condicionamento de ar são utilizados praticamente todos os tipos e compressores: Compressores Na refrigeração industrial e no condicionamento de ar são utilizados praticamente todos os tipos e compressores: Alternativos Rotativos de parafusos Rotativos Scroll Rotativos de palhetas

Leia mais

MDV4+ R. Máximo conforto em sistema VRF com refrigeração e aquecimento simultâneos para grandes aplicações. VRF com recuperação de calor.

MDV4+ R. Máximo conforto em sistema VRF com refrigeração e aquecimento simultâneos para grandes aplicações. VRF com recuperação de calor. MDV4+ R VRF com recuperação de calor Máximo conforto em sistema VRF com refrigeração e aquecimento simultâneos para grandes aplicações. Um produto VENTILADOR DC A velocidade do motor se ajusta rapidamente

Leia mais

Gás refrigerante amigável a camada de ozônio HFC134a Chiller Centrífugo Hitachi NOVO. Série GXG-S Série GSG-S

Gás refrigerante amigável a camada de ozônio HFC134a Chiller Centrífugo Hitachi NOVO. Série GXG-S Série GSG-S Gás refrigerante amigável a camada de ozônio HFC134a Chiller Centrífugo Hitachi NOVO Série GXG-S Série GSG-S Chiller Centrífugo Novas Séries GXG-S e GSG-S A nova série de Chiller Centrífugo de Alta Eficiência

Leia mais

A efectiva contribuição da climatização para a poluição ambiental. Efeitos dos diferentes fluidos e actuais tendências na sua utilização

A efectiva contribuição da climatização para a poluição ambiental. Efeitos dos diferentes fluidos e actuais tendências na sua utilização A efectiva contribuição da climatização para a poluição ambiental por L. Roriz Efeitos dos diferentes fluidos e actuais tendências na sua utilização Discutir a efectiva contribuição da climatização para

Leia mais

Sistemas TVR II. Soluções Inteligentes e Flexíveis com Sistema de Fluxo de Refrigerante Variável

Sistemas TVR II. Soluções Inteligentes e Flexíveis com Sistema de Fluxo de Refrigerante Variável Sistemas TVR II Soluções Inteligentes e Flexíveis com Sistema de Fluxo de Refrigerante Variável NOVA FOTO Apresentando os Novos Sistemas TVR II 3 TVR II Advantage 4 Aquecimento e Resfriamento Simultâneos

Leia mais

A DIRECTIVA ErP E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA

A DIRECTIVA ErP E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA A DIRECTIVA ErP E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA 3 / 1. CONTEXTO 6 / 2. DIRECTIVA ECODESIGN (ErP) 7 / 3. ETIQUETAGEM ENERGÉTICA 12 / 4. O MUNDO MUDA A ARISTON FICA A SEU LADO 1 O CONTEXTO ETIQUETAGEM ENERGÉTICA

Leia mais