Preços de Referência para a Mudança de Combustível Exercícios 2012

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Preços de Referência para a Mudança de Combustível Exercícios 2012"

Transcrição

1 1. PRELIMINAR A mudança de combustível de usinas termelétricas que já celebraram o Contrato de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado CCEAR será autorizada pelo Ministério de Minas e Energia, se atendidas às condições estabelecidas na Portaria MME nº 649, de 13 de dezembro de 2011, suplementadas com as publicadas nas Portarias MME Nº 7, de 5 de janeiro de 2012 e MME Nº 20, de 25 de janeiro de Na Portaria MME nº 7/2012, se estabelece a metodologia para o novo cálculo da Garantia Física dos empreendimentos candidatos à mudança de combustível, e na Portaria MME nº 20/2012, dentre outras condicionantes, se fixou os limites dos Custos Variáveis Unitários - CVU e a base do Preço de Referência do Combustível que deve ser utilizada no respectivo cálculo. 2. OBJETIVO Este Informe Técnico tem por objetivo informar os Preços de Referência em atendimento ao disposto no do art. 1º, 1º, inciso II, da Portaria MME 20/2012, que serão utilizados no cálculo do CVU de referência para combustíveis enquadrados no art. 3º, 2º, da Portaria MME nº 42/ INTRODUÇÃO O CVU é constituído de duas parcelas: uma apropriando o custo do combustível e outra os demais custos variáveis, ou seja: CVU = C comb + C O & M (1) Onde: CVU = Custo Variável Unitário em R$/MWh; EPE-DEE-IT-XXX/2012 rev0 Página 1 de 5

2 C comb = custo do combustível destinada à geração flexível de energia em R$/MWh, e C O&M = demais custos variáveis, em R$/MWh, a ser informada pelo agente. 4. CÁLCULO DO CVU PARA FINS DA DETERMINAÇÃO DA GF O Custo Variável Unitário CVU determinado pela EPE por meio da expressão (1) que servirá de base para o cálculo da GF, conforme o art. 5º da Portaria MME nº 46/2007, utilizará para as parcelas C O&M e o C comb, o seguinte: C O&M = Parcela dos demais custos variáveis incorridos na geração flexível, expressa em R$/MWh, a ser informada pelo agente, correspondente ao mês anterior ao do requerimento da autorização da mudança de combustível. C comb = i. e 0. P, onde: Ref i = Fator de Conversão, informado pelo agente, que constará no aditivo ao CCEAR permanecendo invariável por toda a vigência do contrato, usado para transformar o preço do combustível em R$/MWh. Este fator deve ser declarado com quatro casas decimais. e 0 = Média anual da Taxa de Câmbio, de venda do dólar dos Estados Unidos da América, expressa em R$/US$, divulgada pelo Banco Central do Brasil BACEN. Este fator será utilizado com quatro casas decimais conforme tabela 1 adiante. P Ref = Expectativa de preço futuro dos combustíveis referenciados no 2º do art. 3º da Portaria MME nº 42, de 1º de março de para o período de dez anos contados, no qual se inclui o ano de realização do leilão -, estimado com base em projeções de combustíveis equivalentes, no cenário de referência publicado pela Energy Information Administration EIA no Annual Energy Outlook AEO, edição de 2012, conforme EPE-DEE-IT-XXX/2012 rev0 Página 2 de 5

3 metodologia descrita em Nota Técnica da EPE DEE/DPG - RE- 001/2009 r2, Projeção dos Preços dos Combustíveis para Determinação do CVU das Termelétricas para Cálculo da Garantia Física e dos Custos Variáveis da Geração Termelétrica (COP e CEC), disponibilizada no sítio - Este valor será utilizado com duas casas decimais conforme tabela 1 adiante. Na tabela 1 a seguir são fornecidos os valores, válidos para o exercício de 2012, da taxa de câmbio e 0 e o preço de referência P Ref para o gás natural, óleo diesel, óleo combustível B1, óleo combustível A1, carvão mineral importado e coque verde de petróleo, que serão utilizados pela EPE na definição do CVU para fins de cálculo da GF. Considerando ainda o disposto na nova redação do inciso I do 2º do art. 3º da Portaria MME nº. 42, de 1º de março de 2007, para o gás natural, são apresentados na tabela 1 dois preços de referência: o da coluna GN (2) para indexação ao NYMEX e o da coluna Brent (3) para indexação ao Brent. Caberá ao agente escolher uma das opções de indexação e informá-la no Sistema de Acompanhamento de Empreendimentos Geradores de Energia AEGE. e 0 (1) Taxa de Média Câmbio (R$/US$) GN (2) ref. HH (US$/MMBTU) Preços de Referência para Mudança de Combustível - Exercício de 2012 GN (3) ref. BRENT O.DIESEL (4) (US$/gal) O.COMB. A1 (5) O.COMB. B1 (6) CARVÃO (7) (US$/ton.métrica) COQUE PETRÓLEO (8) (US$/ton.métrica) 1,6746 4,63 123,55 2,90 137,34 143,15 103,94 73,78 Tabela 1 Preços Referência para mudança de Combustível Notas: (1) Valor médio da taxa de câmbio diário de Cotação da venda do dólar dos Estados Unidos (Fonte: Sibacem PTAX800) (2) Preço de Referência estimado com base na cotação média de 2008 a 2010 referente ao GN (Fonte: Platts; código IGBBL00) e na projeção para os anos de 2011 a 2020 do preço spot do GN Henry Hub, segundo a EIA. Este valor também será utilizado para gás natural regaseificado. (3) Preço de Referência estimado com base na cotação média de 2008 a 2010 referente ao Petróleo BRENT (Fonte: Platts; código PCAAS00) e na projeção para os anos de 2011 a 2020 do preço do petróleo cru leve importado, segundo a EIA. Este valor também será utilizado para gás natural regaseificado. (4) Preço de Referência estimado com base na cotação média diária de 2008 a 2010, referente ao "Nº.2 US Gulf Waterborne" (Fonte: Platts; código POAEE00) e na projeção para os anos de 2011 a 2020 do preço do óleo combustível destilado, segundo a EIA. EPE-DEE-IT-XXX/2012 rev0 Página 3 de 5

4 (5) Preço de Referência estimado com base na cotação média diária de 2008 a 2010, referente ao "Nº.6 3% US Gulf Waterborne" (Fonte: Platts; código PUAFZ00) e na projeção para os anos de 2011 a 2020 do preço do óleo combustível residual, segundo a EIA (6) Preço de Referência estimado com base na cotação média diária de 2008 a 2010, referente ao "Nº.6 1% US Gulf Waterborne" (Fonte: Platts; código PUAAI00) e na projeção para os anos de 2011 a 2020 do preço do óleo combustível residual, segundo a EIA (7) Preço de Referência estimado com base na cotação semanal de 2008 a 2010, referente ao "Coal Price CIF ARA 6000k<1S NAR 90" (Fonte: Platts; código CSABG00) e na projeção para os anos de 2011 a 2020 do preço do carvão para geração elétrica, segundo a EIA (8) Preço de Referência estimado com base na cotação semanal de 2008 a 2010, referente ao US Gulf Pet Coke 5/6 S < 50HGI (código CPAGF00) e na projeção para os anos de 2011 a 2020 do preço do carvão para geração elétrica, segundo a EIA Salienta-se que o valor do CVU será calculado com arredondamento na segunda casa decimal em conformidade com a norma brasileira ABNT-NBR 5891:1977 Regras de Arredondamento na Numeração Decimal. Ressalta-se que considerando o disposto no art. 1º da Portaria MME nº 25, de 25 de janeiro de 2012, o Ministério de Minas e Energia, dentre outros requisitos, somente autorizará a mudança de combustível se: I. o CVU de referência calculado com base no combustível requerido for inferior ao CVU de referência do combustível vigente; II. III. empreendimentos que solicitarem a autorização a partir de gás natural, operando em ciclo simples (aberto), tiverem o CVU de Referência igual ou inferior a R$ 150,00/MWh, e empreendimentos que solicitarem a autorização a partir de gás natural, operando em ciclo combinado, tiverem o CVU de Referência igual ou inferior a R$ 115,00/MWh. Destaca-se que não serão autorizados empreendimentos que estejam sujeitos despacho antecipado nos termos da Resolução Normativa ANEEL nº 282, de 1º de outubro de EPE-DEE-IT-XXX/2012 rev0 Página 4 de 5

5 4 CÁLCULO DO CVU PARA FINS DE DESPACHO PELO ONS O CVU que vinculará o despacho, pelo ONS, do empreendimento, acima da sua inflexibilidade operativa e a sua correspondente remuneração, será determinado em conformidade ao disposto no art. 3º da Portaria MME 42/2007. Para fins de despacho os preços dos combustíveis serão obtidos na plataforma Platts considerando-se os códigos dos produtos especificado na tabela 2. Gás Natural FONTE Gás Natural (indexação ao Brent) Óleo Diesel Óleo Combustível A1 Óleo Combustível B1 Carvão Importado Coque de Petróleo CÓDIGO DE PRODUTO NA PLATAFORMA PLATTS NYMEX NG-1 (disponível no Boletim Gas Daily; não possui código no Platts) Petróleo Brent; Platts código PCAAS00 Nº.2 US Gulf Water Bone; Platts código POAEE00 Nº.6 3% US Gulf Water Bone; Platts código PUAFZ00 Nº.6 1% US Gulf Water Bone; Platts código PUAAI00 Coal Price CIF ARA 6000k<1S NAR 90; Platts código CSABG00 US Gulf Pet Coke 5/6 S < 50HGI; Platts código CPAGF00 Tabela 2 Especificação das fontes e código na plataforma PLATTS EPE-DEE-IT-XXX/2012 rev0 Página 5 de 5

Em ambos os casos, o Custo Variável Unitário CVU é constituído de duas parcelas: custo do combustível; e demais custos variáveis, ou seja:

Em ambos os casos, o Custo Variável Unitário CVU é constituído de duas parcelas: custo do combustível; e demais custos variáveis, ou seja: 1. OBJETIVO A Portaria MME Nº 113, de 1º de fevereiro de 2011, deflagrou a promoção dos leilões de compra de energia elétrica proveniente de novos empreendimentos de geração (A-3/2011) bem como a contratação

Leia mais

INFORME TÉCNICO Data: 15/05/2009

INFORME TÉCNICO Data: 15/05/2009 1. OBJETIVO Este informe técnico visa fornecer subsídios para a operacionalização do art. 5º da Portaria MME nº. 46, de 9 de março de 2007, com a redação dada na Portaria nº 175, de 16 de abril de 2009,

Leia mais

Leilões A-3 e A-5 de 2015 Preços Médios de Referência dos Combustíveis Vinculados ao CVU de Usinas Termelétricas

Leilões A-3 e A-5 de 2015 Preços Médios de Referência dos Combustíveis Vinculados ao CVU de Usinas Termelétricas 1. OBJETIVO Este Informe Técnico visa fornecer subsídios para a operacionalização do art. 5º da Portaria MME nº 46, de 9 de março de 2007, no que tange à determinação do Custo Variável Unitário CVU. Este

Leia mais

Leilão A-5 de 2014 Preços Médios de Referência dos Combustíveis Vinculados ao CVU de Usinas Termelétricas

Leilão A-5 de 2014 Preços Médios de Referência dos Combustíveis Vinculados ao CVU de Usinas Termelétricas 1. OBJETIVO Este Informe Técnico visa fornecer subsídios para a operacionalização do art. 5º da Portaria MME nº 46, de 9 de março de 2007, com a redação dada na Portaria MME nº 175, de 16 de abril de 2009,

Leia mais

No. 3º Leilão de Energia de Reserva de 2015 Preços Médios de Referência do Combustível e Cálculo do Custo de Geração de Energia

No. 3º Leilão de Energia de Reserva de 2015 Preços Médios de Referência do Combustível e Cálculo do Custo de Geração de Energia 1. OBJETIVO Considerando o disposto nos arts. 5º e 7º da Portaria MME nº 119, de 7 de abril de 2015, que estabeleceu as diretrizes para o, este Informe Técnico apresenta a metodologia a ser utilizada na

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA N o 42, DE 1 o DE MARÇO DE 2007. O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único,

Leia mais

ESTUDOS PARA LICITAÇÃO DA EXPANSÃO DA GERAÇÃO

ESTUDOS PARA LICITAÇÃO DA EXPANSÃO DA GERAÇÃO ESTUDOS PARA LICITAÇÃO DA EXPANSÃO DA GERAÇÃO Projeção dos Preços dos Combustíveis para Determinação do CVU das Termelétricas para Cálculo da Garantia Física e dos Custos Variáveis da Geração Termelétrica

Leia mais

b. As premissas estabelecidas pela Portaria MME nº 510/2005, nº112/2006, nº 42/2007 e nº 46/2007;

b. As premissas estabelecidas pela Portaria MME nº 510/2005, nº112/2006, nº 42/2007 e nº 46/2007; São Paulo, 17 de dezembro de 2008. CT-03037/08 Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Dr. Frederico Rodrigues Superintendente de Estudos de Mercado SGAN Quadra 603 / Módulos I e J 70830-030 Brasília

Leia mais

Reajuste da Receita de Venda de CCEAR por Disponibilidade - RRV. Versão 1.0.1

Reajuste da Receita de Venda de CCEAR por Disponibilidade - RRV. Versão 1.0.1 Reajuste da Receita de Venda de CCEAR por Disponibilidade - RRV ÍNDICE REAJUSTE DA RECEITA DE VENDA DE CCEAR POR DISPONIBILIDADE - RRV 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 7 1.2. Conceitos Básicos 8

Leia mais

Brasília, 13 de julho de 2006

Brasília, 13 de julho de 2006 Plano Nacional de Energia 2030 Petróleo e Derivados Brasília, 13 de julho de 2006 Plano Nacional de Energia 2030 Petróleo e Derivados Roteiro Observações Iniciais Petróleo e Derivados no Mundo Aspectos

Leia mais

PORTARIA Nº564, DE 17 DE OUTUBRO DE 2014

PORTARIA Nº564, DE 17 DE OUTUBRO DE 2014 PORTARIA Nº564, DE 17 DE OUTUBRO DE 2014 O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único, incisos II e IV, da Constituição, tendo em vista o disposto

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA REGULAÇÃO REFERENTE À OPERAÇÃO DE USINAS TERMELÉTRICAS. Autores:

A EVOLUÇÃO DA REGULAÇÃO REFERENTE À OPERAÇÃO DE USINAS TERMELÉTRICAS. Autores: USINAS TERMELÉTRICAS Autores: Hermínio Fonseca Almeida ONS Joel Mendes Pereira ONS José Renato Dantas ONS Marcelo Prais ONS Ney Fukui da Silveira ONS Paulo César P. da Cunha ONS Túlio Mascarenhas Horta

Leia mais

Módulo 3 Contratação de Energia e Potência

Módulo 3 Contratação de Energia e Potência Submódulo 1.1 Adesão à CCEE Módulo 3 Contratação de Energia e Potência Submódulo 3.5 Receita de Venda de CCEAR Revisão 1.0 Vigência 16/10/2012 1 Submódulo 3.5 Receita de venda de CCEAR ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Estrutura e Viabilidade do Leilão de Reserva

Estrutura e Viabilidade do Leilão de Reserva Fórum CanalEnergia: Viabilidade de Investimentos em Fontes Alternativas Estrutura e Viabilidade do Leilão de Reserva Rodrigo Oliveira RJ, 25 de março de 2008 Características do Modelo Atual de Contratação

Leia mais

Eletrobrás CONTA DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO CDE MOVIMENTAÇÕES 2006 CARVÃO MINERAL NACIONAL DIRETORIA DE ENGENHARIA - DE

Eletrobrás CONTA DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO CDE MOVIMENTAÇÕES 2006 CARVÃO MINERAL NACIONAL DIRETORIA DE ENGENHARIA - DE Centrais Elétricas Brasileiras S/A DIRETORIA DE ENGENHARIA - DE CONTA DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO CDE MOVIMENTAÇÕES 2006 CARVÃO MINERAL NACIONAL JANEIRO/2006 CONTA DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO TÍTULO

Leia mais

REVISÃO ORDINÁRIA DAS GARANTIAS FÍSICAS DAS GERADORAS DE ENERGIA ELÉTRICA. Vítor F. Alves de Brito outubro/2014

REVISÃO ORDINÁRIA DAS GARANTIAS FÍSICAS DAS GERADORAS DE ENERGIA ELÉTRICA. Vítor F. Alves de Brito outubro/2014 REVISÃO ORDINÁRIA DAS GARANTIAS FÍSICAS DAS GERADORAS DE ENERGIA ELÉTRICA Vítor F. Alves de Brito outubro/2014 1 IMPACTOS DA GARANTIA FÍSICA NO AMBIENTE DE CONTRATAÇÃO Art. 20, 3º, do Decreto nº 2.655,

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA N o 293, DE 4 DE AGOSTO DE 2017. O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único,

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA N o 125, DE 14 DE JUNHO DE 2007. O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo

Leia mais

Panorama dos leilões do 2º semestre de 2013

Panorama dos leilões do 2º semestre de 2013 Panorama dos leilões do 2º semestre de 2013 Datas, aspectos gerais e sistemáticas 03/06/2013 Gerência de Leilões e Mercado Regulado Agenda Data dos leilões no 2º semestre de 2013 11º Leilão de Energia

Leia mais

Matriz elétrica brasileira Eólica

Matriz elétrica brasileira Eólica 1 Matriz elétrica brasileira Eólica UEE VOLTA DO RIO Lívio Teixeira de Andrade Filho Coordenação-Geral de Fontes Alternativas Departamento de Desenvolvimento Energético 2 PRINCÍPIOS E OBJETIVOS DA POLÍTICA

Leia mais

O Papel do Carvão Mineral Nacional na Matriz Energética: Contribuição e Desafios

O Papel do Carvão Mineral Nacional na Matriz Energética: Contribuição e Desafios Fórum Matriz Hidrotérmica e a Segurança do Sistema Elétrico Nacional O Papel do Carvão Mineral Nacional na Matriz Energética: Contribuição e Desafios Fernando Luiz Zancan Presidente da ABCM Rio de Janeiro,

Leia mais

A Competitividade do Carvão Mineral Nacional na Produção de Energia Elétrica

A Competitividade do Carvão Mineral Nacional na Produção de Energia Elétrica A Competitividade do Carvão Mineral Nacional na Produção de Energia Elétrica Associação Brasileira do Carvão Mineral Rio de Janeiro 18 de maio de 2009 Agenda Motivação Balanço Energético SIN Matriz Energética

Leia mais

Análise PLD 2ª semana operativa de dezembro

Análise PLD 2ª semana operativa de dezembro www.ccee.org.br Nº 219 2ª semana de dezembro/15 8 1 8 O InfoPLD é uma publicação semanal que traz uma análise dos fatores que influenciam na formação do Preço de Liquidação das Diferenças - PLD, calculado

Leia mais

PMO de Outubro Semana Operativa de 21/10/2017 a 27/10/2017

PMO de Outubro Semana Operativa de 21/10/2017 a 27/10/2017 1. APRESENTAÇÃO No início da semana de 14 a 20/10/2017 ocorreu chuva fraca nas bacias dos rios Jacuí, Uruguai e Iguaçu. No final da semana ocorreu chuva fraca a moderada na bacia do rio Jacuí e precipitação

Leia mais

JANEIRO RV0 1º Semana

JANEIRO RV0 1º Semana JANEIRO 2015 RV0 1º Semana JANEIRO RV0 Sumário INTRODUÇÃO... 3 INFORMAÇÕES ESTRUTURAIS PARA CONSTRUÇÃO DA FUNÇÃO DE CUSTO FUTURO... 4 1 - Armazenamento inicial dos reservatórios equivalentes... 4 2 - Tendência

Leia mais

Submódulo Confirmação da capacidade de geração de unidades geradoras

Submódulo Confirmação da capacidade de geração de unidades geradoras Submódulo 10.13 Confirmação da capacidade de geração de unidades geradoras Rev. Nº. Motivo da revisão Data de aprovação pelo ONS Data e instrumento de aprovação pela ANEEL 0.1 0.2 0.3 Atendimento à Resolução

Leia mais

Análise PLD 5ª semana operativa de janeiro

Análise PLD 5ª semana operativa de janeiro 125,16 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 97,36 135,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,7 287,2 24,8 145,9 227,4 212,32 22,87 116,8 5,59 46,2 35,76 3,25 3,25 395,73 387,24 369,39 688,88 www.ccee.org.br Nº 226 5ª

Leia mais

Geração Distribuída a Gás Natural em Santa Catarina. GT Geração Distribuída

Geração Distribuída a Gás Natural em Santa Catarina. GT Geração Distribuída Geração Distribuída a Gás Natural em Santa Catarina GT Geração Distribuída Florianópolis, 22 de maio de 2017 Sumário 1. Infraestrutura de Distribuição de Gás Natural; 2. Tarifas Aplicadas para Geração

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO N 22, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2001

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO N 22, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2001 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO N 22, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2001 Atualiza procedimentos, fórmulas e limites de repasse dos preços de compra de energia elétrica para as tarifas de fornecimento

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS (BIOMASSA E GÁS NATURAL), EÓLICAS, HIDRÁULICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS (BIOMASSA E GÁS NATURAL), EÓLICAS, HIDRÁULICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER OU DOCUMENTO EQUIVALENTE SOBRE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AOS LEILÕES DE ENERGIA

Leia mais

6 Avaliação da Penetração da Microturbina no Mercado da LIGHT

6 Avaliação da Penetração da Microturbina no Mercado da LIGHT 6 Avaliação da Penetração da Microturbina no Mercado da LIGHT O presente capítulo tem como objetivo determinar o mercado potencial de energia elétrica deslocado da concessionária pública de distribuição

Leia mais

AGOSTO ANEEL, através da Resolução Normativa 461/11 de 11/Nov/2011.

AGOSTO ANEEL, através da Resolução Normativa 461/11 de 11/Nov/2011. AGOSTO 2017 Este boletim contém a geração mensal verificada, por estado, em MWmédio. Foram consideradas as usinas nas modalidades de operação tipo I, tipo II-A e os conjuntos de usinas individualizadas

Leia mais

PLANO ANUAL DE COMBUSTÍVEIS SISTEMA INTERLIGADO NORTE/NORDESTE

PLANO ANUAL DE COMBUSTÍVEIS SISTEMA INTERLIGADO NORTE/NORDESTE Centrais Elétricas Brasileiras S/A DIRETORIA DE ENGENHARIA - DE PLANO ANUAL DE COMBUSTÍVEIS SISTEMA INTERLIGADO NORTE/NORDESTE 2005 DEZEMBRO/2004 PLANO ANUAL DE COMBUSTÍVEIS 2005 TÍTULO CONTA DE CONSUMO

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS

CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER OU DOCUMENTO EQUIVALENTE DE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AO LEILÃO DE ENERGIA DE RESERVA

Leia mais

LEILÕES DE ENERGIA NOVA A-5 e A-3/2007 DÚVIDAS FREQÜENTES

LEILÕES DE ENERGIA NOVA A-5 e A-3/2007 DÚVIDAS FREQÜENTES LEILÕES DE ENERGIA NOVA A-5 e A-3/2007 DÚVIDAS FREQÜENTES GERAÇÃO: 1) Uma usina à biomassa de bagaço de cana que já tenha vendido nos leilões de energia nova anteriores e que pretenda modificar seu projeto

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS, EÓLICAS, HIDRELÉTRICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS, EÓLICAS, HIDRELÉTRICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER, OU DOCUMENTO EQUIVALENTE, SOBRE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AOS LEILÕES DE ENERGIA

Leia mais

21º Leilão de Energia Nova

21º Leilão de Energia Nova 1 21º Leilão de Energia Nova Realização: 30/04/2015 Categoria: A-5 Análise Pré-leilão Análise Pós-leilão O documento em PDF encontra-se em anexo (Esta análise foi distribuída às 17:30 do dia 29/04/2015)

Leia mais

Transmissão de Energia Elétrica a Longa Distância

Transmissão de Energia Elétrica a Longa Distância Ministério de Minas e Energia Transmissão de Energia Elétrica a Longa Distância O Plano Decenal de Energia 2007-2016 José Carlos de Miranda Farias Diretor de Estudos de Energia Elétrica - EPE 18 de setembro

Leia mais

Caderno Algébrico. Reajuste da Receita de Venda de CCEAR. Versão ersãoerro! Fonte de referência não encontrada.

Caderno Algébrico. Reajuste da Receita de Venda de CCEAR. Versão ersãoerro! Fonte de referência não encontrada. Caderno Algébrico Reajuste da Receita de Venda de CCEAR Versão 2013.3.1 ersãoerro! Fonte de referência não encontrada. ÍNDICE 1. O Esquema Geral 3 2. Etapas da atualização da Receita de Venda dos empreendimentos

Leia mais

Análise PLD 4ª semana operativa de abril

Análise PLD 4ª semana operativa de abril 1,16 37,61 13, 19,3 8,9 67,31 97,36 13,43 38,73 7,8 9,4 166,69 63,6 94,1 3,66 3,4 37,73 49,4 7,93 61,3 83,43 11,8 149,,1 166, 1,19 11,44 18,43 16,4 87, 39,73 46,1 36,68 3,66 331,1 689, www.ccee.org.br

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS, SOLAR FOTOVOLTAICAS E TERMELÉTRICAS A BIOMASSA.

CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS, SOLAR FOTOVOLTAICAS E TERMELÉTRICAS A BIOMASSA. INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER OU DOCUMENTO EQUIVALENTE DE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AO LEILÃO DE ENERGIA DE RESERVA

Leia mais

FÓRUM ABRAGEF A Importância da Geração Flexível no Setor Elétrico Brasileiro GERAÇÃO DE RESERVA. Guilherme Velho 14 / Março / 2007

FÓRUM ABRAGEF A Importância da Geração Flexível no Setor Elétrico Brasileiro GERAÇÃO DE RESERVA. Guilherme Velho 14 / Março / 2007 FÓRUM ABRAGEF A Importância da Geração Flexível no Setor Elétrico Brasileiro GERAÇÃO DE RESERVA Guilherme Velho 14 / Março / 2007 Riscos do Setor Elétrico Risco de Déficit (tradicional); Importação de

Leia mais

Análise PLD 2ª semana operativa de novembro

Análise PLD 2ª semana operativa de novembro www.ccee.org.br Nº 215 2ª semana de novembro/15 8 1 8 O InfoPLD é uma publicação semanal que traz uma análise dos fatores que influenciam na formação do Preço de Liquidação das Diferenças - PLD, calculado

Leia mais

23º Leilão de Energia Nova

23º Leilão de Energia Nova 1 23º Leilão de Energia Nova Realização: 29/04/2016 Categoria: A-5 Análise Pré-leilão Análise Pós-leilão O documento em PDF encontra-se em anexo (Esta análise foi distribuída às 19:30 do dia 28/04/2016)

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA DEC/DECM. Metodologia de cálculo de faturas dos empreendimentos do PROINFA. Janeiro / 2007 DEC/DECM

INFORMAÇÃO TÉCNICA DEC/DECM. Metodologia de cálculo de faturas dos empreendimentos do PROINFA. Janeiro / 2007 DEC/DECM INFORMAÇÃO TÉCNICA Metodologia de cálculo de faturas dos empreendimentos do PROINFA Janeiro / 2007 1 Índice Índice...2 1. OBJETIVO...3 2. INTRODUÇÃO...3 3. METODOLOGIA...3 3.1. REAJUSTE E REVISÃO DOS PREÇOS

Leia mais

CEC de usinas eólicas

CEC de usinas eólicas CEC de usinas eólicas Avaliação crítica da formulação e proposta de nova metodologia considerando os aspectos contratuais da fonte Gabriel Malta Castro 1 Amaro Olímpio Pereira Júnior 2 Resumo: O valor

Leia mais

PMO de Setembro Semana Operativa de 09/09/2017 a 15/09/2017

PMO de Setembro Semana Operativa de 09/09/2017 a 15/09/2017 1. APRESENTAÇÃO Na semana de 02 a 08/09/2017 ocorreu chuva fraca na bacia do rio Jacuí. Para a semana de 09 a 15/09/2017 há previsão de chuva fraca nas bacias dos rios Jacuí, Uruguai, Iguaçu e Paranapanema.

Leia mais

Plano Nacional de Energia 2030

Plano Nacional de Energia 2030 Plano Nacional de Energia 2030 Gás Natural Brasília, 13 de julho de 2006 Plano Nacional de Energia 2030 Gás Natural Roteiro Observações Iniciais Gás Natural no Mundo Gás Natural no Brasil Expansão da Geração

Leia mais

Termoeletricidade com combustíveis fósseis

Termoeletricidade com combustíveis fósseis Comissão de Serviços de Infraestrutura Audiência pública: Investimento e gestão: desatando o nó logístico do País 1º ciclo: Energia e desenvolvimento do Brasil Painel 01: Eletricidade convencional Termoeletricidade

Leia mais

Perspectivas do Mercado de Energia

Perspectivas do Mercado de Energia Perspectivas do Mercado de Energia Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados Março de 2014 1 Conjuntura do Sistema 2 Recordes de demanda mensal de energia elétrica... Fev/14 68.500 61.106

Leia mais

Análise PLD 4ª semana operativa de maio

Análise PLD 4ª semana operativa de maio 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 38,73 125,16 97,36 7,28 29,42 35,66 3,42 37,73 49,42 135,43 86,45 8,39 74,51 73,31 166,69 263,6 287,2 395,73 689,25 www.ccee.org.br Nº 243 4ª semana de o/216 8 1 8 O InfoPLD

Leia mais

Interface Gás Natural Energia Elétrica: o Papel do Gás Natural. Guilherme de Biasi Cordeiro Superintendência de Comercialização e Movimentação (ANP)

Interface Gás Natural Energia Elétrica: o Papel do Gás Natural. Guilherme de Biasi Cordeiro Superintendência de Comercialização e Movimentação (ANP) Interface Gás Natural Energia Elétrica: o Papel do Gás Natural Guilherme de Biasi Cordeiro Superintendência de Comercialização e Movimentação (ANP) Contexto Energético Escassez no Brasil, abundância no

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS FOTOVOLTAICAS.

CENTRAIS GERADORAS FOTOVOLTAICAS. INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER OU DOCUMENTO EQUIVALENTE DE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AO 1º LEILÃO DE ENERGIA DE

Leia mais

Submódulo 5.1. Consolidação da previsão de carga: visão geral

Submódulo 5.1. Consolidação da previsão de carga: visão geral Submódulo 5.1 Consolidação da previsão de carga: visão geral Rev. Nº. 1.1 2016.12 Motivo da revisão Atendimento à Resolução Normativa ANEEL nº 376/09, de 25 de agosto de 2009. Versão decorrente da Audiência

Leia mais

Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis - ANP

Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis - ANP Formação Atual do Preço do Gás Natural no Brasil Superintendência de Comercialização e Movimentação de Petróleo, seus Derivados e Gás Natural SCM Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis

Leia mais

PMO de Setembro Semana Operativa de 16/09/2017 a 22/09/2017

PMO de Setembro Semana Operativa de 16/09/2017 a 22/09/2017 1. APRESENTAÇÃO Na semana de 09 a 15/09/2017 a atuação de duas frentes frias na região Sul, uma no início da semana e a outra no final, ocasionou apenas chuva fraca isolada nas bacias dos rios Jacuí e

Leia mais

PMO de Setembro Semana Operativa de 02/09/2017 a 08/09/2017

PMO de Setembro Semana Operativa de 02/09/2017 a 08/09/2017 1. APRESENTAÇÃO Na semana de 26/08 a 01/09/2017 ocorreu precipitação de fraca intensidade na bacia do rio Jacuí e chuvisco em pontos isolados da bacia do rio Uruguai. Para a semana de 02 a 08/09/2017 prevê-se,

Leia mais

As perspectivas futuras da indústria química

As perspectivas futuras da indústria química As perspectivas futuras da indústria química Fernando Figueiredo Presidente Executivo da ABIQUIM 21 de agosto de 2012 Agenda Dimensões da Indústria Química Brasileira Os produtos químicos de uso industrial

Leia mais

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Economia e do Emprego. Terça-feira, 16 de outubro de 2012 Número 200

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Economia e do Emprego. Terça-feira, 16 de outubro de 2012 Número 200 I SÉRIE Terça-feira, 16 de outubro de 2012 Número 200 ÍNDICE SUPLEMENTO Ministério da Economia e do Emprego Portaria n.º 325-A/2012: Primeira alteração à Portaria n.º 140/2012, de 14 de maio, que estabelece

Leia mais

BIOELETRICIDADE: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS. Zilmar José de Souza

BIOELETRICIDADE: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS. Zilmar José de Souza BIOELETRICIDADE: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS Zilmar José de Souza Câmara Consultiva do Açúcar e Etanol na BM&F-Bovespa São Paulo - 9 de setembro de 2014 Bioeletricidade: capacidade instalada (em MW)

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Dezembro Semana Operativa de 17/12/2016 a 23/12/2016 1. APRESENTAÇÃO 2. NOTÍCIAS Na semana de 10 a 16/12/2016 ocorreu chuva fraca nas bacias dos

Leia mais

Workshop: Smart Grids e Redes em Desenvolvimento Intermédio: Problemas Técnicos e Questões Regulatórias Vitor L. de Matos, D. Eng.

Workshop: Smart Grids e Redes em Desenvolvimento Intermédio: Problemas Técnicos e Questões Regulatórias Vitor L. de Matos, D. Eng. Workshop: Smart Grids e Redes em Desenvolvimento Intermédio: Problemas Técnicos e Questões Regulatórias Vitor L. de Matos, D. Eng. VII Conferência Anual da RELOP Praia, Cabo Verde 04 e 05/09/2014 Workshop:

Leia mais

EMPREENDIMENTOS TERMELÉTRICOS INSTRUÇÕES PARA O CADASTRAMENTO E HABILITAÇÃO TÉCNICA COM VISTAS À PARTICIPAÇÃO NOS LEILÕES DE ENERGIA

EMPREENDIMENTOS TERMELÉTRICOS INSTRUÇÕES PARA O CADASTRAMENTO E HABILITAÇÃO TÉCNICA COM VISTAS À PARTICIPAÇÃO NOS LEILÕES DE ENERGIA EMPREENDIMENTOS TERMELÉTRICOS INSTRUÇÕES PARA O CADASTRAMENTO E HABILITAÇÃO TÉCNICA COM VISTAS À PARTICIPAÇÃO NOS LEILÕES DE ENERGIA Governo Federal Ministério de Minas e Energia Ministro Silas Rondeau

Leia mais

ENERGIA ASSEGURADA. GTAE - Grupo de Trabalho de Acompanhamento do Planejamento Eletroenergético

ENERGIA ASSEGURADA. GTAE - Grupo de Trabalho de Acompanhamento do Planejamento Eletroenergético ENERGIA ASSEGURADA GTAE - Grupo de Trabalho de Acompanhamento do Planejamento Eletroenergético PARA QUE SERVE Garantia Física Lastro Placa Energia passível de comercialização Principal fonte de rendimento

Leia mais

Resolução CNPE nº 03/2013

Resolução CNPE nº 03/2013 Resolução CNPE nº 03/2013 Agenda 1) Resolução CNPE nº 03 2) Cálculo do PLD F exemplo ilustrativo (simplificado) 3) Cálculo do PLD 1 e PLD F - primeira semana operativa de abril de 2013 A Resolução CNPE

Leia mais

Compras de Carvão Mineral Nacional e Combustíveis Secundários para Orçamento da Conta de Desenvolvimento Energético CDE 2017

Compras de Carvão Mineral Nacional e Combustíveis Secundários para Orçamento da Conta de Desenvolvimento Energético CDE 2017 Compras de Carvão Mineral Nacional e Combustíveis Secundários para Orçamento da Conta de Desenvolvimento Energético CDE 2017 Versão 1.0 11/11/2016 Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras DG GC GCO

Leia mais

O Papel do Carvão Mineral Nacional : Contribuição e Desafios

O Papel do Carvão Mineral Nacional : Contribuição e Desafios Seminário Mercado de Energia: Oportunidades e Desafios O Papel do Carvão Mineral Nacional : Contribuição e Desafios Fernando Luiz Zancan Presidente da ABCM Porto Alegre, 03 de setembro de 2009 AGENDA Cenário

Leia mais

DECRETO Nº 2.655, DE 02 DE JULHO DE 1998

DECRETO Nº 2.655, DE 02 DE JULHO DE 1998 DECRETO Nº 2.655, DE 02 DE JULHO DE 1998 Regulamenta o Mercado Atacadista de Energia Elétrica, define as regras de organização do Operador Nacional do Sistema Elétrico, de que trata a Lei n o 9.648, de

Leia mais

COMUNICADO AO MERCADO

COMUNICADO AO MERCADO A Companhia informa aos Senhores Acionistas e ao mercado em geral que o Conselho de Administração da Companhia Hidro Elétrica do São Francisco Chesf deliberou, nesta data, submeter à Assembleia Geral Extraordinária

Leia mais

TERMO DE CESSÃO AO CONTRATO DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE REGULADO CCEAR Nº / - Produto / POR (QUANTIDADE ou DISPONIBILIDADE).

TERMO DE CESSÃO AO CONTRATO DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE REGULADO CCEAR Nº / - Produto / POR (QUANTIDADE ou DISPONIBILIDADE). TERMO DE CESSÃO AO CONTRATO DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE REGULADO Nº / - Produto / POR (QUANTIDADE ou DISPONIBILIDADE). Pelo presente instrumento contratual e na melhor forma de direito,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 9, DE 28 DE ABRIL DE 2016 (DOU 29/04/2016)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 9, DE 28 DE ABRIL DE 2016 (DOU 29/04/2016) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 9, DE 28 DE ABRIL DE 2016 (DOU 29/04/2016) Dá nova redação à Instrução Normativa n 39, de 19 de dezembro de 2014, do Ministério das Cidades, que Regulamenta o Programa Minha Casa,

Leia mais

18º Leilão de Energia Nova

18º Leilão de Energia Nova 1 18º Leilão de Energia Nova Realização: 13/12/2013 Categoria: A-5 Análise Pré-leilão Análise Pós-leilão O documento em PDF encontra-se em anexo (Esta análise foi distribuída às 17:30 do dia 12/12/2013)

Leia mais

MARÇO Tabela 01 - Geração média mensal por estado variação % relativo ao mês anterior.

MARÇO Tabela 01 - Geração média mensal por estado variação % relativo ao mês anterior. MARÇO 2016 Este boletim contém a geração mensal verificada, por estado, em MWmédio. Foram consideradas as usinas nas modalidades de operação tipo I, tipo II-A e os conjuntos de usinas individualizadas

Leia mais

Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL. Em 4 de outubro de 2013.

Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL. Em 4 de outubro de 2013. Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL Em 4 de outubro de 2013. Processo: 48500.004241/2013-46 Assunto: Instauração de Audiência Pública para colher subsídios para aprovação das minutas dos Contratos de Comercialização

Leia mais

STCP.COM.BR CONSULTORIA ENGENHARIA GERENCIAMENTO

STCP.COM.BR CONSULTORIA ENGENHARIA GERENCIAMENTO 1 2 A Sustentabilidade Energética nas Empresas: Desafios e Oportunidades Joésio Pierin Siqueira joesio@stcp.com.br 21 de Setembro de 2017 Curitiba, PR 3 CONTEÚDO 1. CONCEITOS Sustentabilidade Governança

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA N o 258, DE 28 DE JULHO DE 2008. O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único,

Leia mais

Tiago de Barros Correia Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL. O SERVIÇO DE DISTRIBUIÇÃO DE ELETRICIDADE: Desafios de curto e médio prazo

Tiago de Barros Correia Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL. O SERVIÇO DE DISTRIBUIÇÃO DE ELETRICIDADE: Desafios de curto e médio prazo Tiago de Barros Correia Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL O SERVIÇO DE DISTRIBUIÇÃO DE ELETRICIDADE: Desafios de curto e médio prazo Roteiro Apresentação institucional As competências da ANEEL

Leia mais

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças)

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 5 04 5 PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) Fonte: PLD: CCEE / PLD médio: PONDERAÇÃO COMERC. PLD médio é a média ponderada dos valores já divulgados do PLD, pelas horas das semanas publicadas. 2. PLD

Leia mais

Submódulo Gestão de indicadores para avaliação de desempenho de equipamentos e linhas de transmissão na perspectiva da manutenção

Submódulo Gestão de indicadores para avaliação de desempenho de equipamentos e linhas de transmissão na perspectiva da manutenção Submódulo 16.3 Gestão de indicadores para avaliação de desempenho de equipamentos e linhas de transmissão na perspectiva da manutenção Rev. Nº. 0.0 0.1 1.0 Motivo da revisão Este documento foi motivado

Leia mais

6 Expansão Energética: custos a longo prazo

6 Expansão Energética: custos a longo prazo 6 Expansão Energética: custos a longo prazo 6.1 Idéia Central Para garantir o suprimento, é necessário trazer investimentos, e o investidor precisa de garantias para a recuperação de seu capital. O Novo

Leia mais

PMO de Outubro Semana Operativa de 07/10/2017 a 13/10/2017

PMO de Outubro Semana Operativa de 07/10/2017 a 13/10/2017 1. APRESENTAÇÃO Na semana operativa de 30/09 a 06/10/2017 ocorreu precipitação nas bacias dos rios Jacuí, Uruguai, Iguaçu, Paranapanema, Tietê, Grande, Paranaíba, na calha principal do Paraná, no alto

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA N o 391, DE 13 DE OUTUBRO DE 2009. O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único,

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Dezembro Semana Operativa de 03/12/2016 a 09/12/2016 1. APRESENTAÇÃO Na semana de 26/11 a 02/12/2016 ocorreu precipitação nas bacias hidrográficas

Leia mais

Mercado de Gás Natural: Evolução e Desafios

Mercado de Gás Natural: Evolução e Desafios Mercado de Gás Natural: Evolução e Desafios APIMEC Agosto 2011 Gás Natural : Conceitos Campos Gás Natural Gás Associado É aquele que, no reservatório, está dissolvido no óleo ou sob forma de capa de gás.

Leia mais

Análise PLD 2ª semana operativa de fevereiro

Análise PLD 2ª semana operativa de fevereiro 125,16 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 97,36 135,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,6 94,28 35,66 3,42 37,73 49,42 75,93 61,32 83,43 115,58 149,2 2,21 166,5 122,19 121,44 1,64 111,91 287,2 395,73 689,25 www.ccee.org.br

Leia mais

Seminário Energia Soluções para o Futuro Geração Hidrelétrica. Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE

Seminário Energia Soluções para o Futuro Geração Hidrelétrica. Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Seminário Energia Soluções para o Futuro Geração Hidrelétrica Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Belo Horizonte, 24 de abril de 2014 Associadas da ABRAGE Usinas das associadas da ABRAGE Hidrelétricas

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 682, de 4 de outubro de 2006

Instrução Normativa SRF nº 682, de 4 de outubro de 2006 Instrução Normativa SRF nº 682, de 4 de outubro de 2006 DOU de 5.10.2006 Dispõe sobre a auditoria de sistemas informatizados de controle aduaneiro, estabelecidos para os recintos alfandegados e para os

Leia mais

Submódulo 9.2. Acompanhamento, análise e tratamento dos dados hidroenergéticos do Sistema Interligado Nacional

Submódulo 9.2. Acompanhamento, análise e tratamento dos dados hidroenergéticos do Sistema Interligado Nacional Submódulo 9.2 Acompanhamento, análise e tratamento dos dados hidroenergéticos do Sistema Interligado Nacional Rev. Nº. 0.0 0.1 1.0 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador

Leia mais

Análise PLD 4ª semana operativa de dezembro

Análise PLD 4ª semana operativa de dezembro 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 38,73 125,16 97,36 7,28 29,42 135,43 166,69 145,9 263,7 24,8 227,4 212,32 22,87 149,49 134,33 11,1 14,15 395,73 387,24 369,39 688,88 www.ccee.org.br Nº 221 4ª semana de embro/15

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Dezembro Semana Operativa de 17/12/2016 a 23/12/2016 1. APRESENTAÇÃO 2. NOTÍCIAS Na semana de 10 a 16/12/2016 ocorreu chuva fraca nas bacias dos

Leia mais

Processos Seletivos 2016 Graduação Presencial e a Distância Edital de Vestibular de 02 de setembro de 2015

Processos Seletivos 2016 Graduação Presencial e a Distância Edital de Vestibular de 02 de setembro de 2015 Processos Seletivos 2016 Graduação Presencial e a Distância Edital de Vestibular de 02 de setembro de 2015 Aditamento nº 08 Define as normas específicas do Processo Seletivo Time ENEM UnP 2016.1 da graduação,

Leia mais

SISTEMA DE COLETA DE DADOS OPERACIONAIS DAS USINAS TÉRMICAS REEMBOLSADAS PELA CONTA DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO SCD-CDE ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

SISTEMA DE COLETA DE DADOS OPERACIONAIS DAS USINAS TÉRMICAS REEMBOLSADAS PELA CONTA DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO SCD-CDE ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA DE COLETA DE DADOS OPERACIONAIS DAS USINAS TÉRMICAS REEMBOLSADAS PELA CONTA DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO SCD-CDE ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 500 DA ANEEL, DE 17.07.2012 Outubro

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação 1. APRESENTAÇÃO 2. NOTÍCIAS No início da semana de ocorreu chuva fraca isolada nas bacias dos rios Grande e São Francisco. No final da semana ocorreu chuva

Leia mais

Referência: Licença de Operação (Transporte de Resíduos) Atividade objeto do licenciamento: Código DN 74/04 Descrição

Referência: Licença de Operação (Transporte de Resíduos) Atividade objeto do licenciamento: Código DN 74/04 Descrição PARECER ÚNICO nº 176 /2008 PROTOCOLO Nº 556469/2008 Indexado ao(s) Processo(s) Licenciamento Ambiental Nº LO DEFERIMENTO Outorga Nº: (Não Aplicável) xxx xxx APEF Nº: (Não Aplicável) xxx xxx Reserva legal

Leia mais

Repactuação do Risco Hidrológico MP nº 688/2015

Repactuação do Risco Hidrológico MP nº 688/2015 Repactuação do Risco Hidrológico MP nº 688/2015 Lei nº 10.848/2004 (Redação Original) Art. 2 o... 1 o Na contratação regulada, os riscos hidrológicos serão assumidos conforme as seguintes modalidades contratuais:

Leia mais

Plano Nacional de Energia 2030

Plano Nacional de Energia 2030 Plano Nacional de Energia 2030 Carvão Mineral Brasília, 14 de junho de 2006 Plano Nacional de Energia 2030 Carvão Mineral Observações Iniciais Carvão Mineral no Mundo Tecnologias para uso do carvão na

Leia mais

Lei do Gás. Hirdan Katarina de Medeiros Costa Advogada Pesquisadora Visitante PRH04/ANP/MCTI/IEE/USP

Lei do Gás. Hirdan Katarina de Medeiros Costa Advogada Pesquisadora Visitante PRH04/ANP/MCTI/IEE/USP Lei do Gás Hirdan Katarina de Medeiros Costa Advogada Pesquisadora Visitante PRH04/ANP/MCTI/IEE/USP n Histórico normativo n Lei do Gás n Quadro Comparativo Lei do Petróleo e Lei do Gás n Evolução Oferta

Leia mais

PORTARIA MME Nº 043, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2000

PORTARIA MME Nº 043, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2000 PORTARIA MME Nº 043, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2000 DEFINE AS USINAS TERMELÉTRICAS INTEGRANTES DO PROGRAMA PRIORITÁRIO, DE ACORDO COM OS CRITÉRIOS DE ENQUADRAMENTO ESTABELECIDOS PELO CAET. (COM REDAÇÃO DADA

Leia mais

Análise PLD 3ª semana operativa de março

Análise PLD 3ª semana operativa de março 12,16 37,61 13,2 19,3 28,9 67,31 97,36 13,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,6 287,2 94,1 3,66 3,42 37,73 49,42 7,93 61,32 83,43 11,8 149,2 2,21 166, 122,19 121,44 128,43 184,49 18,6 238, 39,73 689,2 www.ccee.org.br

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro

Universidade Federal do Rio de Janeiro Universidade Federal do Rio de Janeiro Penetração de Veículos Elétricos e Híbridos Plug-in no Sistema Energético Brasileiro Roberto Schaeffer e Bruno Borba Soares Oficina de Trabalho sobre Veículos Elétricos

Leia mais