CEC de usinas eólicas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CEC de usinas eólicas"

Transcrição

1 CEC de usinas eólicas Avaliação crítica da formulação e proposta de nova metodologia considerando os aspectos contratuais da fonte Gabriel Malta Castro 1 Amaro Olímpio Pereira Júnior 2 Resumo: O valor do CEC (custo econômico de curto prazo) das usinas vendedoras é calculado durante o processo de habilitação para os leilões de energia nova (LEN). Assim, as usinas que tendem a gerar mais energia durante os meses em que os preços da energia estão maiores têm vantagem competitiva nos leilões. No caso de usinas eólicas, há algumas falhas no cálculo do parâmetro CEC. Este artigo buscar explicar essas falhas a partir da análise da adequação da forma de seu cálculo nos Leilões de Energia Nova (LEN), para a partir daí propor uma nova forma de cálculo do CEC para as usinas eólicas, considerando os aspectos físicos e contratuais da fonte. 1 - Gabriel Malta Castro MSc Amaro Olímpio Pereira Júnior DSc - PPE/COPPE/UFRJ -

2 1. Introdução A contratação de energia nos Leilões de Energia Nova (LEN) é feita de forma a permitir que diversas fontes diferentes concorram entre si. Para classificar os diferentes tipos de empreendimentos é utilizado o Índice Custo-Benefício (ICB). O ICB é composto por três parcelas: receita fixa (RF), custo de operação (COP) e custo econômico de curto prazo (CEC). A RF remunera os investimentos dos empreendedores e mais o custo de geração inflexível da usina. O COP cobre os custos esperados de operação da usina acima da inflexibilidade, tais como os custos variáveis de operação e manutenção (O&M) e os gastos com combustíveis. Já o CEC representa as receitas ou despesas devidas a geração esperada acima ou abaixo, respectivamente, da garantia física da usina. As parcelas COP e CEC são estimadas pela EPE a partir dos parâmetros de cada usina, informados empreendedores, e pela projeção dos preços dos combustíveis. No caso específico das usinas eólicas, entretanto, o cálculo do CEC não leva em conta algumas características dos contratos de compra e venda de energia proveniente dessas usinas e distorce o ICB. Como consequência, a concorrência entre as usinas e a busca pela modicidade tarifária podem estar sendo prejudicadas. Assim sendo, este artigo buscar explicar as falhas no cálculo do parâmetro CEC no caso de usinas eólicas, a partir da análise da adequação do uso do parâmetro CEC nos Leilões de Energia Nova (LEN), para a partir daí propor uma nova forma de cálculo do CEC para as usinas eólicas, considerando os aspectos físicos e contratuais da fonte.

3 2. Contextualização Os Leilões de Energia Nova (LEN) são realizados regularmente no Ambiente de Contratação Regulado (ACR) e o seu objetivo é contratar energia para atendimento à demanda prevista pelas distribuidoras. A quantidade de energia contratada é limitada pela Garantia Física (GF) de cada usina. Entretanto, a geração efetiva da usina num determinado mês pode ser maior ou menor do que o valor contratado. Segundo a legislação vigente, há duas formas de tratar essa diferença entre a energia produzida pela usina e a contratada pela distribuidora. Caso o contrato seja do tipo por quantidade, o risco é assumido pelo gerador que deverá pagar por qualquer geração abaixo do contratado, ao longo de um período de contabilização. Existem alguns mecanismos para mitigar esse risco, como o Mecanismo de Realocação de Energia (MRE). O contrato por quantidade é o contrato usado para usinas hidrelétricas, que compartilham os riscos hidrológicos entre elas a partir do MRE. A outra forma de contrato é por disponibilidade. Neste caso, a geração acima ou abaixo do contratado se torna um recurso do comprador, que liquida essa energia excedente (ou insuficiente) ao Preço de Liquidação de Diferenças (PLD). Dessa forma, do ponto de vista da distribuidora, compradora da energia, são mais vantajosos os empreendimentos que gerem excedentes nos meses em que o valor esperado do PLD é maior (energia está mais cara). Antes da realização de um LEN, a EPE realiza simulações e calcula o valor esperado dessas liquidações de energia no mercado de curto prazo, para cada usina habilitada. O resultado desse cálculo é chamado de Valor esperado do custo econômico de curto prazo ou CEC [1]. Assim, os empreendimentos com valores de CEC mais elevados têm uma desvantagem na competição do leilão e devem, dessa forma, aceitar remunerações menores para competir com as usinas que têm os valores calculados do CEC menores. Portanto, o CEC corresponde ao custo (ou benefício) esperado que a distribuidora que compra energia incorre ao liquidar a energia que recebe em menor (ou maior) quantidade do que contratou. Segundo Nota Técnica que define o Índice Custo-Benefício (ICB) [1], o CEC é estimado a partir dos valores esperados de Preço de Liquidação de Diferenças (PLD), conforme equação (1) abaixo. A estimativa de PLD é obtida a partir da simulação do

4 Sistema Interligado Nacional (SIN) no modelo Newave, sendo igual aos valores da variável Custo Marginal de Operação (CMO) limitados aos valores máximos e mínimos estabelecidos pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) no ano da realização do leilão. Onde: CEC= 12 N (GF G m, c ) PLD m, c m= 1 c= 1 N 12 CEC: Valor esperado do custo econômico de curto prazo, dado em R$/ano; m: Mês (1=janeiro, 2=fevereiro,..., 12=dezembro); c: Cenário de PLD; N: Número total de cenários (Nas simulações, usa-se o valor de x 5 anos = cenários); GF: Garantia física da usina; Gm,c: Geração da usina no mês m, cenário c; PLDm,c: PLD no subsistema da usina no mês m, cenário c. Observa-se que a classificação dos empreendimentos obtida pelo ICB refere-se aos melhores empreendimentos do ponto de vista das distribuidoras (ACR) e não do ponto de vista do sistema elétrico como um todo, ou seja, o ACR mais o ACL (Ambiente de Contratação Livre). O CEC é, na verdade, uma avaliação do benefício proporcionado pela energia proveniente da usina às distribuidoras e não um custo inerente à fonte. Uma forma de avaliar o benefício a todo o sistema elétrico é pela consideração de toda a energia gerada em determinado período de tempo e valorá-la pelo CMO, em vez do PLD, conforme demonstrado genericamente na equação (2). Essa é parte da forma proposta em [2], através do conceito de LACE (Levelized Avoided Cost of Electricity), porém o LACE também considera o benefício proporcionado pelo atendimento aos requisitos de potência. (1) BEN = G m, c CMO m,c (2) Onde: BEN: Benefício da energia gerada pela usina; CMOm,c: PLD no subsistema da usina no mês m, cenário c. Para o cálculo do CEC, o valor do PLD durante período contratual não é conhecido, dessa forma, são simulados cenários possíveis de preço, que derivam das séries hidrológicas simuladas no modelo Newave. Como cada cenário simula

5 cinco anos com a mesma configuração, as séries equivalem a cenários anuais de preço ( valores mensais). No caso de usinas termelétricas com CVU declarado, a geração (Gm,c) é dada em função do PLD, portanto, os cenários de preço são, ao mesmo tempo, cenários de geração dessas usinas. No caso de usinas termelétricas com CVU zero (como usinas à biomassa), a geração a cada mês é declarada pelo proprietário da usina. Para usinas solares, sejam elas fotovoltaicas ou heliotérmicas, o CEC não é calculado [1]. No caso das eólicas, o CEC também é calculado a partir da declaração 1 de geração do agente vendedor para cada mês do ano. Porém, essa declaração mensal não é um requisito que a usina deve cumprir mensalmente. Em outras palavras, a sazonalidade decorrente da geração aferida da usina pode ser diferente da declarada, sem que nenhuma penalidade seja aplicada à usina. Esse fato pode incentivar declarações de disponibilidade mensal não aderentes às características de vento da região, unicamente com o objetivo de ter seu parâmetro CEC calculado de forma mais vantajosa para a participação no leilão. Há duas possibilidades para corrigir esse problema. A primeira opção é não considerar a parcela CEC para os empreendimentos eólicos. A vantagem desta opção é simplificar o processo do leilão, além de igualar ao tratamento que é dado para as usinas fotovoltaicas e para as próprias eólicas quando vendem nos Leilões de Energia de Reserva (LER). A segunda opção é a elaboração de um mecanismo contratual que contabilize a geração a cada mês e garanta o cumprimento dos valores mensais declarados na certificação. Como a intenção desse mecanismo é evitar declarações de sazonalidade exageradas e sabendo as características estocásticas do recurso eólico, o referido mecanismo não necessitaria incorrer em penalidades muito severas em caso de descumprimento, pois isso poderia resultar em aumento do risco percebido pelo empreendedor. Havendo ou não o mecanismo referido no parágrafo anterior e mantendo-se o cálculo de CEC para as eólicas, é preciso atentar para o fato de que a metodologia de cálculo de CEC, usada para as outras fontes, não se adéqua à fonte eólica. Isso se deve 1 O agente declara a geração mensal considerando 50 % de probabilidade de esse valor ser excedido (P50). É feita, então, uma conversão para um valor com 90 % de probabilidade de ser excedido (chamado de P90 mensal) e esse valor é o Gm,c. [1]

6 ao fato de o contrato (CCEAR) de compra e venda de energia eólica [3] possuir algumas peculiaridades, tais como: bandas de geração e contabilização quadrienal. Essas peculiaridades fazem com que a equação (1) não seja adequada para estimar os custos de curto prazo que serão incorridos pela distribuidora compradora. De acordo com o CCEAR das usinas eólicas, a contabilização da energia gerada é feita ao longo de um período de quatro anos. Para isso, durante esse período, o gerador pode acumular um saldo de energia que é limitado a: 30% do valor contratado no primeiro ano, 20% no segundo ano, 10% no terceiro ano e 0% no quarto ano. Se esse limite for atingido, a energia gerada a partir de então não faz parte do contrato entre o gerador e a distribuidora. Como a garantia física é definida como o valor com 90 % de probabilidade de ser superado, a geração tende a ser maior do que a GF. Assim, em muitos momentos (principalmente nos últimos meses do ano), a eventual geração que esteja acima da quantidade contratada não é liquidada pela distribuidora e sim pelo proprietário da usina. Nessas ocasiões, a distribuidora terá que comprar energia no curto prazo em vez de vender. A Figura 1 a seguir ilustra uma situação hipotética ao longo de 14 Exposições no mercado de curto prazo eólica P MWmed jan/14 mar/14 mai/14 jul/14 set/14 nov/14 jan/15 mar/15 mai/15 jul/15 set/15 nov/15 jan/16 mar/16 mai/16 jul/16 set/16 nov/16 jan/17 mar/17 mai/17 jul/17 set/17 nov/17 Geração que atende contrato da distribuidora Distribuidora compra no curto prazo Distribuidora vende no curto prazo GF Geração Figura 1: Detalhamento mês a mês da contabilização da distribuidora no mercado de curto prazo ao longo de um quadriênio um quadriênio. Pode-se observar, que nos primeiros meses do quadriênio mostrado, toda geração acima ou abaixo do contrato é liquidada pela distribuidora no mercado de curto prazo, da mesma forma que ocorreria com as outras fontes. Porém, a partir do segundo ano, nos últimos meses do ano o limite de acúmulo de saldo já foi atingido. Nessa situação, toda energia extra gerada não atende ao contrato e é liquidada pelo proprietário

7 da usina no mercado de curto prazo. Assim, a distribuidora não recebe a energia produzida pela usina e fica exposta negativamente ao PLD. Para adequar o cálculo do CEC às condições contratuais da fonte eólica, propõese a metodologia descrita no capítulo a seguir. 3. Metodologia Como a geração das usinas eólicas não tem relação com o PLD no período, pelo fato de depender da disponibilidade de vento, e considerando que o saldo quadrienal em cada mês depende da geração ocorrida nos meses anteriores, é preciso criar cenários de geração de energia para cada usina eólica, no horizonte de quatro anos. Para este estudo, os cenários foram criados a partir dos valores mensais declarados (Produção certificada por mês), da geração anual esperada (Produção certificada anual) e da incerteza declarada. A partir desses dados e das perdas declaradas, são estimados os valores esperados (P50) de geração líquida para cada mês do ano. Assumindo-se que a geração mensal de energia no parque segue uma distribuição gaussiana, foram gerados valores de energia produzida para cada mês. Uma melhoria em vez de obter os valores a partir de distribuições gaussianas independentes seria gerar séries temporais (autorregressivas) de forma a melhor representar possíveis realizações da produção de energia do parque gerador ao longo de um quadriênio. Com base nas séries geradas, verifica-se mês a mês, durante todo o quadriênio, quanta energia deve ser liquidada no curto prazo pela distribuidora, considerando o saldo existente e os limites de acumulação previstos no CCEAR, conforme explicado no item anterior. Essa energia é valorada pelos PLD dos cenários de preço, a cada mês, do caso simulado para cálculo de garantia física, conforme equação (3). Onde: CEC= 12 L N EX m, v PLD m,c m= 1 v= 1 c= 1 N L 12 CEC: Valor esperado do custo econômico de curto prazo, dado em R$/ano; m: Mês (1=janeiro, 2=fevereiro,..., 12=dezembro); c: Cenário de PLD; (3)

8 v: Cenário de geração eólica; N: Número total de cenários de PLD; EXm,v: Exposição da distribuidora no cenário v e mês m; L: Número total de cenários de geração eólica; PLDm,c: PLD no subsistema da usina no mês m, cenário c. A exposição da distribuidora é definida a cada mês, de acordo com a geração dos meses anteriores do quadriênio e os limites de acumulação definidos no CCEAR [3], conforme exemplificado na Figura Resultados A partir da metodologia descrita, calculou-se qual seria o CEC das usinas eólicas que participaram do LEN A-3/2014 localizadas no subsistema Nordeste. Esses valores foram comparados com o CEC obtido pela metodologia tradicional, usando os valores de PLD do caso base do LEN A-5/2014. Foram usados 200 cenários de geração por usina, sendo 196 usinas no total. A Tabela 1 apresenta um resumo dos resultados. Como as usinas têm diferentes valores de GF associados, os resultados foram parametrizados e correspondem aos CEC (em R$/ano) divididos pela garantia física de cada usina (em MWh/ano). CEC tradicional (R$/MWh) CEC proposto (R$/MWh) Diferença (R$/MWh) Média das 196 usinas -5,37-3,74 1,63 Maior valor entre as 196 usinas 0,12 2,14 6,07 Menor valor entre as 196 usinas -13,14-12,75-0,62 Tabela 1: Resumo dos resultados Observa-se que com a metodologia proposta o valor do CEC passa a ser, em média, 1,6 R$/MWh maior do que calculado pela metodologia atual. Isso mostra que o ICB das eólicas está estimando um benefício ligeiramente maior para as usinas eólicas do que é esperado que elas proporcionem às distribuidoras. A Figura 2 compara o valor obtido pela metodologia atual e o obtido pela metodologia proposta para cada uma das 196 usinas. A linha verde serve de referência e possui inclinação de 45, o que mostra que em quase todos os casos o CEC calculado

9 pela metodologia proposta fica maior do que o valor obtido pela metodologia tradicional. Além disso, é possível observar que em alguns casos o valor do CEC se torna positivo, o que, pela metodologia tradicional e dentro da amostra analisada aqui, só havia acontecido em um dos 196 casos e mesmo assim em um valor muito baixo (0,12 R$/MWh). Comparação entre CEC tradicional e CEC proposto 4,00 2,00 CEC tradicional (R$/MWh) 0,00-14,00-12,00-10,00-8,00-6,00-4,00-2,00 0,00 2,00-2,00-4,00-6,00 CEC novo (R$/MWh) -8,00-10,00-12,00-14,00 Figura 2: Resultados dos 196 parques avaliados Outro aspecto a considerar, é que a competitividade entre as usinas eólicas se altera ao se considerar a nova forma de cálculo, pois alguns pontos estão mais próximos da linha verde e outros estão mais afastados. É possível observar que usinas que possuíam um valor de CEC muito baixo, tendem a manter seu valor, enquanto as que possuíam um valor maior tendem a aumentar ainda mais.

10 5. Conclusão Conforme mostrado, o cálculo da parcela correspondente ao CEC das usinas eólicas não está adequado à forma de contabilização prevista nos CCEAR da fonte. Desta forma, sugere-se que não seja usado esse parâmetro para essa fonte ou que a metodologia de cálculo do CEC seja aprimorada, ao mesmo tempo que se crie um mecanismo que comprometa a declaração do agente com as características do vento no local. Verificou-se que a metodologia proposta representa um avanço em relação à metodologia atual, pois reproduz as condições do contrato de energia eólica. Assim, recomenda-se a discussão sobre os aspectos do CEC nos leilões de energia nova para a fonte eólica. Referências bibliográficas [1] EPE, Índice Custo Benefício (ICB) de Empreendimentos de Geração - Leilões de Compra de Energia Elétrica Proveniente de Novos Empreendimentos de Geração - Metodologia de Cálculo, EPE, Rio de Janeiro, Nota Técnica EPE-DEE-RE-102/2008-r5, fev [2] U.S. EIA, Levelized Cost of Electricity and Levelized Avoided Cost of Electricity Methodology Supplement. U.S. Energy Information Administration, jul [3] Aneel, CONTRATO DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA NO AMBIENTE REGULADO CCEAR POR DISPONIBILIDADE Produto 2019/2038 (eólica)

Leilões de Energia Nova 45

Leilões de Energia Nova 45 Leilões de Energia Nova 45 /HLO}HVGH(QHUJLD1RYD A contratação de energia, discutida no capítulo anterior, deve ser realizada por meio de licitação na modalidade de leilões. O Leilão de Energia Nova (LEN)

Leia mais

A Competitividade do Carvão Mineral Nacional na Produção de Energia Elétrica

A Competitividade do Carvão Mineral Nacional na Produção de Energia Elétrica A Competitividade do Carvão Mineral Nacional na Produção de Energia Elétrica Associação Brasileira do Carvão Mineral Rio de Janeiro 18 de maio de 2009 Agenda Motivação Balanço Energético SIN Matriz Energética

Leia mais

Panorama dos leilões do 2º semestre de 2013

Panorama dos leilões do 2º semestre de 2013 Panorama dos leilões do 2º semestre de 2013 Datas, aspectos gerais e sistemáticas 03/06/2013 Gerência de Leilões e Mercado Regulado Agenda Data dos leilões no 2º semestre de 2013 11º Leilão de Energia

Leia mais

Estrutura e Viabilidade do Leilão de Reserva

Estrutura e Viabilidade do Leilão de Reserva Fórum CanalEnergia: Viabilidade de Investimentos em Fontes Alternativas Estrutura e Viabilidade do Leilão de Reserva Rodrigo Oliveira RJ, 25 de março de 2008 Características do Modelo Atual de Contratação

Leia mais

Otimização de Portfólio de Novos Empreendimentos de Energia Através de Leilões Combinatórios

Otimização de Portfólio de Novos Empreendimentos de Energia Através de Leilões Combinatórios Otimização de Portfólio de Novos Empreendimentos de Energia Através de Leilões Combinatórios Debora Yamazaki Lacorte Orientador: Paulo de Barros Correia Planejamento de Sistemas Energéticos Universidade

Leia mais

Balanço Energético. Versão 1.0

Balanço Energético. Versão 1.0 ÍNDICE BALANÇO ENERGÉTICO 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento do Cálculo do 10 2.1. Cálculo do 10 2 Controle de Alterações Revisão Motivo da Revisão Instrumento

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA N o 293, DE 4 DE AGOSTO DE 2017. O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único,

Leia mais

Superando as Barreiras Regulatórias para Comercialização de Eletricidade pelas Usinas do Setor Sucroenergético. Maio de 2017

Superando as Barreiras Regulatórias para Comercialização de Eletricidade pelas Usinas do Setor Sucroenergético. Maio de 2017 Superando as Barreiras Regulatórias para Comercialização de Eletricidade pelas Usinas do Setor Sucroenergético Maio de 2017 Instabilidade do preço-teto nos leilões O preço teto para a fonte biomassa tem

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPL 17 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS MODELO DE CONTRATO

Leia mais

O MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA

O MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA O MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA O MODELO SETORIAL PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS AMBIENTES DE CONTRATAÇÃO: LIVRE (ACL) OU REGULADA (ACR) DESVERTICALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DO SETOR: GERADORES, TRANSMISSORES,

Leia mais

Administrando Contratos e Formando Preços em um Mercado Competitivo 5º Encontro Nacional dos Agentes do Setor Elétrico ENASE 2008

Administrando Contratos e Formando Preços em um Mercado Competitivo 5º Encontro Nacional dos Agentes do Setor Elétrico ENASE 2008 Administrando Contratos e Formando Preços em um Mercado Competitivo 5º Encontro Nacional dos Agentes do Setor Elétrico ENASE 2008 Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração da

Leia mais

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. O Mecanismo de Realocação de Energia (MRE) encerrou janeiro/2015 com um fator de ajuste de 80,6%.

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. O Mecanismo de Realocação de Energia (MRE) encerrou janeiro/2015 com um fator de ajuste de 80,6%. O InfoMercado mensal apresenta os dados da prévia de medição de fevereiro/15 e os principais resultados da contabilização das operações do mercado de energia elétrica em janeiro/15. Este boletim traz um

Leia mais

Mercado Livre para energia Eólica Novas experiências, aprendizado e crescimento. Excelência para otimizar seus resultados.

Mercado Livre para energia Eólica Novas experiências, aprendizado e crescimento. Excelência para otimizar seus resultados. Mercado Livre para energia Eólica Novas experiências, aprendizado e crescimento Excelência para otimizar seus resultados. 2 Venda de Energia Mercado Regulado Mercado Livre Contratação de longo prazo a

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA N o 293, DE 4 DE AGOSTO DE 2017. O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único,

Leia mais

Nº 54 Fevereiro/

Nº 54 Fevereiro/ www.ccee.org.br Nº 54 Fevereiro/212 8 1 8 O Info Mercado é uma publicação mensal que traz os principais resultados das operações contabilizadas no âmbito da CCEE. Esta edição refere-se aos dados da contabilização

Leia mais

2 Sistema Elétrico Brasileiro

2 Sistema Elétrico Brasileiro 2 Sistema Elétrico Brasileiro O setor elétrico brasileiro passou por diversas mudanças nos últimos anos. Tais mudanças foram necessárias para viabilizar a expansão da capacidade de geração e acompanhar

Leia mais

O Papel da CCEE Para um Mercado Competitivo e com Liquidez

O Papel da CCEE Para um Mercado Competitivo e com Liquidez O Papel da CCEE Para um Mercado Competitivo e com Liquidez 29 de Setembro de 2009 6º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico ENASE 2009 Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração

Leia mais

Nº 008 Agosto/ Nº de usinas

Nº 008 Agosto/ Nº de usinas Nº de usinas www.cceorg.br Nº 008 Agosto/2014 0 10 00 08 Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia

Leia mais

RESULTADOS DA CONTABILIZAÇÃO - FEV/15

RESULTADOS DA CONTABILIZAÇÃO - FEV/15 O InfoMercado mensal apresenta os dados da prévia de medição de março/15 e os principais resultados da contabilização das operações do mercado de energia elétrica em fevereiro/15. Este boletim traz um

Leia mais

Encontro Nacional sobre o Futuro das PCHs. Cenário e tarifas do mercado livre e regulado

Encontro Nacional sobre o Futuro das PCHs. Cenário e tarifas do mercado livre e regulado Encontro Nacional sobre o Futuro das PCHs Cenário e tarifas do mercado livre e regulado 22 de agosto de 2013 Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Agenda Comercialização

Leia mais

3 Mercado Brasileiro de Energia Elétrica

3 Mercado Brasileiro de Energia Elétrica 24 3 Mercado Brasileiro de Energia Elétrica Algumas características e mecanismos do mercado de energia elétrica brasileiro precisam ser compreendidos para realizar a análise proposta neste estudo. Especialmente,

Leia mais

Repactuação do Risco Hidrológico MP nº 688/2015

Repactuação do Risco Hidrológico MP nº 688/2015 Repactuação do Risco Hidrológico MP nº 688/2015 Lei nº 10.848/2004 (Redação Original) Art. 2 o... 1 o Na contratação regulada, os riscos hidrológicos serão assumidos conforme as seguintes modalidades contratuais:

Leia mais

Com a força dos ventos a gente vai mais longe Seminário Internacional Portugal-Brasil: Diversidades e Estratégias do Setor Elétrico

Com a força dos ventos a gente vai mais longe Seminário Internacional Portugal-Brasil: Diversidades e Estratégias do Setor Elétrico Com a força dos ventos a gente vai mais longe Seminário Internacional Portugal-Brasil: Diversidades e Estratégias do Setor Elétrico 16 e 17 de Fevereiro de 2012 Élbia Melo Presidente Executiva QUEM SOMOS

Leia mais

OPORTUNIDADES NO SEB PARA ADMINISTRADORES EM AMBIENTE COMPETITIVO E DE CRISE

OPORTUNIDADES NO SEB PARA ADMINISTRADORES EM AMBIENTE COMPETITIVO E DE CRISE 1 OPORTUNIDADES NO SEB PARA ADMINISTRADORES EM AMBIENTE COMPETITIVO E DE CRISE Prof. Reinaldo Castro Souza, Ph.D. UCS, RS Outubro de 2016 AGENDA Características da Crise O SEB (Setor Elétrico Brasileiro)

Leia mais

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. a. Prévia de Medição 1 fevereiro/2017. b. Contabilização Janeiro/17

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. a. Prévia de Medição 1 fevereiro/2017. b. Contabilização Janeiro/17 O InfoMercado mensal apresenta os dados prévios da medição de fevereiro de 2017 e os principais resultados da contabilização das operações do mercado de energia elétrica em janeiro de 2017. O histórico

Leia mais

Leilão A-6 de 2017 Preços de Referência dos Combustíveis para as Usinas Termelétricas

Leilão A-6 de 2017 Preços de Referência dos Combustíveis para as Usinas Termelétricas 1. OBJETIVO Este Informe Técnico visa a fornecer os preços de referência dos combustíveis para as usinas termelétricas, de modo a operacionalizar: O art. 5º da Portaria MME nº 46, de 9 de março de 2007,

Leia mais

2 Novo Modelo do Setor Elétrico Brasileiro

2 Novo Modelo do Setor Elétrico Brasileiro 2 Novo Modelo do Setor Elétrico Brasileiro Segundo a lei federal no. 10.848, esse novo modelo tem três objetivos principais: garantir a segurança no suprimento da energia elétrica, atingir a modicidade

Leia mais

Módulo 7 Energia de Reserva. Submódulo 7.1 Apurações da energia de reserva

Módulo 7 Energia de Reserva. Submódulo 7.1 Apurações da energia de reserva Módulo 7 Energia de Reserva Submódulo 7.1 Apurações da energia ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA DE DOCUMENTOS 5. FLUXO DE ATIVIDADES 6. DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES 7. ANEXOS Revisão Motivo

Leia mais

Nº 003 Março/ Nº de usinas

Nº 003 Março/ Nº de usinas Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e geração das usinas, tendo como referência a contabilização

Leia mais

ESTUDOS PARA A EXPANSÃO DA GERAÇÃO

ESTUDOS PARA A EXPANSÃO DA GERAÇÃO ESTUDOS PARA A EXPANSÃO DA GERAÇÃO Metodologia de Contabilização da Produção Eólica Ministério de Minas e Energia ESTUDOS PARA A EXPANSÃO DA GERAÇÃO GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MME/SPE

Leia mais

Mercado de Livre Contratação de Energia de PCHs Novas Regras de Comercialização e Liquidação V Conferência de PCHs Mercado e Meio Ambiente

Mercado de Livre Contratação de Energia de PCHs Novas Regras de Comercialização e Liquidação V Conferência de PCHs Mercado e Meio Ambiente Mercado de Livre Contratação de Energia de PCHs Novas Regras de Comercialização e Liquidação V Conferência de PCHs Mercado e Meio Ambiente Leonardo Calabró Conselho de Administração 05 de agosto de 2009

Leia mais

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. a. Prévia de Medição setembro/2015. b. Contabilização agosto/15

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. a. Prévia de Medição setembro/2015. b. Contabilização agosto/15 O InfoMercado mensal apresenta os dados prévios da medição de setembro/15 e os principais resultados da contabilização das operações do mercado de energia elétrica em agosto/15. O boletim traz ainda um

Leia mais

INSTRUMENTOS E PARÂMETROS DOS LEILÕES DE A-3 E A-5 DE Instrumentos e Parâmetros da Licitação

INSTRUMENTOS E PARÂMETROS DOS LEILÕES DE A-3 E A-5 DE Instrumentos e Parâmetros da Licitação INSTRUMENTOS E PARÂMETROS DOS LEILÕES DE A-3 E A-5 DE 2007 Instrumentos e Parâmetros da Licitação GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MME/SPE ESTUDOS PARA A LICITAÇÃO DA EXPANSÃO DA GERAÇÃO Ministério

Leia mais

3 RISCOS DE CONTRATAÇÃO DE PCHS E USINAS BIOMASSA

3 RISCOS DE CONTRATAÇÃO DE PCHS E USINAS BIOMASSA RISCOS DE CONTRATAÇÃO DE PCHS E USINAS BIOMASSA 35 3 RISCOS DE CONTRATAÇÃO DE PCHS E USINAS BIOMASSA Neste capítulo serão detalhados os riscos que as PCHs e Usinas a Biomassa de Cana de Açúcar estão sujeitas

Leia mais

Sistemáticas dos Leilões

Sistemáticas dos Leilões VIII Conferência Anual da RELOP Sistemáticas dos Leilões José Jurhosa Junior Diretor São Tomé 2 de setembro de 2015 Contexto atual Geração Aumento de 44% da capacidade instalada nos últimos 10 anos. Uma

Leia mais

Leilões A-1 e A-2 de 2018 Preços de Referência dos Combustíveis para as Usinas Termelétricas

Leilões A-1 e A-2 de 2018 Preços de Referência dos Combustíveis para as Usinas Termelétricas 1. OBJETIVO Este Informe Técnico visa a fornecer os preços de referência dos combustíveis para as usinas termelétricas, de modo a operacionalizar: O art. 5º da Portaria MME nº 46, de 9 de março de 2007,

Leia mais

Perspectivas do Setor de Energia Elétrica

Perspectivas do Setor de Energia Elétrica Perspectivas do Setor de Energia Elétrica Palestra Apimec RJ 19/set/2011 Leonardo Lima Gomes Agenda 1. Visão Geral do Setor 2. Mercado de Energia Elétrica 3. Perspectivas Desenvolvimento Mercado 4. Perspectivas

Leia mais

Análise PLD 1ª semana operativa de janeiro

Análise PLD 1ª semana operativa de janeiro s www.ccee.org.br Nº 17 1ª semana de janeiro/215 8 1 8 O InfoPLD é uma publicação semanal que traz uma análise dos fatores que influenciam na formação do Preço de Liquidação das Diferenças - PLD, calculado

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO ESPECIAL

GRUPO DE TRABALHO ESPECIAL GRUPO DE TRABALHO ESPECIAL Impacto nos geradores do MRE causado pelas novas curvas de aversão a risco. Coordenadores - Edimilson Nogueira Luiz Roberto M. Ferreira Brasília, 29 de Novembro de 2007 ANÁLISE

Leia mais

Boletim das Usinas Eólicas

Boletim das Usinas Eólicas www.ccee.org.br Nº Abril/ O Boletim das Usinas Eólicas é uma publicação mensal que apresenta os resultados consolidados de geração, garantia física e capacidade instalada das usinas eólicas cadastradas

Leia mais

SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA E OPORTUNIDADES

SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA E OPORTUNIDADES SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA E OPORTUNIDADES RICARDO LIMA CONSULTOR Nov/2018 MATRIZ ELÉTRICA BRASILEIRA Fonte: EPE O que é mercado livre? Adaptado de uma apresentação

Leia mais

Seminário - O Estado Atual do Setor Elétrico Brasileiro - Crise ou Consequência? Dimensões da Crise - O custo da energia e a explosão das tarifas

Seminário - O Estado Atual do Setor Elétrico Brasileiro - Crise ou Consequência? Dimensões da Crise - O custo da energia e a explosão das tarifas Seminário - O Estado Atual do Setor Elétrico Brasileiro - Crise ou Consequência? Dimensões da Crise - O custo da energia e a explosão das tarifas São Paulo, 02 de abril de 2015 Carlos Augusto Ramos Kirchner

Leia mais

3º Seminário Energia +Limpa O Mercado de Energia Elétrica Brasileiro

3º Seminário Energia +Limpa O Mercado de Energia Elétrica Brasileiro 3º Seminário Energia +Limpa O Mercado de Energia Elétrica Brasileiro Alexandre Zucarato 24 de abril de 2012 Funcionamento do Sistema Físico 2 Sistema Elétrico Brasileiro 3 Sistema Elétrico Brasileiro Rede

Leia mais

O Mercado Livre: situação atual, aperfeiçoamentos esperados e a proposta de comercialização de excedentes

O Mercado Livre: situação atual, aperfeiçoamentos esperados e a proposta de comercialização de excedentes O Mercado Livre: situação atual, aperfeiçoamentos esperados e a proposta de comercialização de excedentes Fórum Novas Oportunidades para os Consumidores Livres Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do

Leia mais

Regras de Comercialização de Energia

Regras de Comercialização de Energia Regras de Comercialização de Energia Ricardo Grodzicki Agenda Medição Contratos Balanço Energético Encargos Custo devido ao descolamento entre PLD e CMO Liquidação Financeira do MCP Penalidade de Energia

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL MARÇO Preço de Liquidação das Diferenças. Intercâmbio de Energia entre Submercados. Nordeste. Norte SE/CO. Sul

INFORMATIVO MENSAL MARÇO Preço de Liquidação das Diferenças. Intercâmbio de Energia entre Submercados. Nordeste. Norte SE/CO. Sul JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN FEV MAR R$/MWh R$/MWh R$/MWh Preço de Liquidação das Diferenças 400,00 PLD Médio MAR/2019 800 PLD Médio

Leia mais

Boletim das Usinas Eólicas

Boletim das Usinas Eólicas www.ccee.org.br Nº 2 Março/2 O Boletim das Usinas Eólicas é uma publicação mensal que apresenta os resultados consolidados de geração, garantia física e capacidade instalada das usinas eólicas cadastradas

Leia mais

1. SUMÁRIO EXECUTIVO R$ 388,48/MWh R$ 121/MWh 369,23/MWh R$ 123 milhões R$ 536 milhões R$ 2,532 bilhões

1. SUMÁRIO EXECUTIVO R$ 388,48/MWh R$ 121/MWh 369,23/MWh R$ 123 milhões R$ 536 milhões R$ 2,532 bilhões O InfoMercado mensal apresenta os dados prévios da medição de junho/15 e os principais resultados da contabilização das operações do mercado de energia elétrica em maio/15. O boletim traz ainda um relatório

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO ENERGIA ELÉTRICA

RELATÓRIO TÉCNICO ENERGIA ELÉTRICA RELATÓRIO TÉCNICO ENERGIA ELÉTRICA Dezembro 2018 Sumário Executivo O presente relatório elaborado pela equipe da ABRACE - Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Energia e de Consumidores

Leia mais

Novas Políticas e Impactos para o Mercado ENASE º Encontro Nacional dos Agentes do Setor Elétrico

Novas Políticas e Impactos para o Mercado ENASE º Encontro Nacional dos Agentes do Setor Elétrico Novas Políticas e Impactos para o Mercado ENASE 2010 7º Encontro Nacional dos Agentes do Setor Elétrico Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração da CCEE 29 de Setembro de 2010

Leia mais

Figura 1 Participação das Fontes por Garantia Física Contratada

Figura 1 Participação das Fontes por Garantia Física Contratada 1 Leilão de Energia Nova A-4 Realização: 04/04/2018 Categoria: A-4 Análise Pré-leilão Análise Pós-leilão (Esta análise foi distribuída às 19:00 do dia 04/04/2018) No dia 04 de abril de 2018 foi realizado

Leia mais

Perspectivas do mercado livre, comercialização de energia, risco e estratégia de precificação. Luiz Fernando Leone Vianna

Perspectivas do mercado livre, comercialização de energia, risco e estratégia de precificação. Luiz Fernando Leone Vianna Perspectivas do mercado livre, comercialização de energia, risco e estratégia de precificação Luiz Fernando Leone Vianna 02.06.2014 A Apine A Apine 64 associados Geradores privados e concessionárias de

Leia mais

ÍNDICE. 1 Definições Gerais Objetivo Fluxo das Regras de Comercialização... 4

ÍNDICE. 1 Definições Gerais Objetivo Fluxo das Regras de Comercialização... 4 a REGRAS DE COMERCIALIZAÇÃO CONTABILIZAÇÃO MÓDULO 1 PREÇO DE LIQUIDAÇÃO DAS DIFERENÇAS DETERMINAÇÃO DO PREÇO DE LIQUIDAÇÃO DAS DIFERENÇAS (PL) Versão 2010 Resolução Normativa ANEEL n 385/2009 1 CONTABILIZAÇÃO

Leia mais

Análise PLD 3ª semana operativa de janeiro

Análise PLD 3ª semana operativa de janeiro 125,16 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 97,36 135,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,7 287,2 24,8 145,9 227,4 212,32 22,87 116,8 5,59 46,2 35,76 395,73 387,24 369,39 688,88 www.ccee.org.br Nº 224 3ª semana de

Leia mais

Hélvio Neves Guerra. Seminário Agro em Questão Energias Renováveis: tornando a agropecuária mais sustentável e econômica

Hélvio Neves Guerra. Seminário Agro em Questão Energias Renováveis: tornando a agropecuária mais sustentável e econômica Seminário Agro em Questão Energias Renováveis: tornando a agropecuária mais sustentável e econômica Hélvio Neves Guerra Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético

Leia mais

Contratos por disponibilidade

Contratos por disponibilidade Contratos por disponibilidade Belo Horizonte, 28 de Maio 2012. Marcus Vinícius de Castro Lobato Primeiros leilões de energia no novo modelo: Não havia novas hidrelétricas para serem licitadas Criada a

Leia mais

Setor Elétrico Brasileiro

Setor Elétrico Brasileiro Setor Elétrico Brasileiro Desafios do SEB Oportunidades para PCHs e CGHs Judicialização do Setor Principal motivo: Generation Scaling Factor (GSF) = Volume de Energia efetivamente Gerado pelo MRE / Garantia

Leia mais

Workshop: Smart Grids e Redes em Desenvolvimento Intermédio: Problemas Técnicos e Questões Regulatórias Vitor L. de Matos, D. Eng.

Workshop: Smart Grids e Redes em Desenvolvimento Intermédio: Problemas Técnicos e Questões Regulatórias Vitor L. de Matos, D. Eng. Workshop: Smart Grids e Redes em Desenvolvimento Intermédio: Problemas Técnicos e Questões Regulatórias Vitor L. de Matos, D. Eng. VII Conferência Anual da RELOP Praia, Cabo Verde 04 e 05/09/2014 Workshop:

Leia mais

3. O Setor Elétrico Brasileiro (SEB)

3. O Setor Elétrico Brasileiro (SEB) 3. O Setor Elétrico Brasileiro (SEB) Até 1995, o Setor Elétrico Brasileiro era formado por empresas verticalizadas, predominantemente estatais, detentoras das atividades de geração, transmissão e distribuição

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL FEVEREIRO Preço de Liquidação das Diferenças. Intercâmbio de Energia entre Submercados. Nordeste. Norte SE/CO.

INFORMATIVO MENSAL FEVEREIRO Preço de Liquidação das Diferenças. Intercâmbio de Energia entre Submercados. Nordeste. Norte SE/CO. JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN FEV R$/MWh R$/MWh R$/MWh Preço de Liquidação das Diferenças 600,00 PLD Médio FEV/2019 800 PLD Médio Anual

Leia mais

A Inserção da Energia Eólica no Brasil Mesa Redonda: Energia Eólica

A Inserção da Energia Eólica no Brasil Mesa Redonda: Energia Eólica A Inserção da Energia Eólica no Brasil Mesa Redonda: Energia Eólica Élbia Melo 10/02/2010 Agenda Visão Geral da CCEE e do Mercado de Energia Comercialização de Energia de Eólica PROINFA ACL ACR Energia

Leia mais

PLANO DE DESINVESTIMENTO

PLANO DE DESINVESTIMENTO PLANO DE DESINVESTIMENTO Empresa Participação % Valor R$ MM TOTAL 797 Realizado Status 9,86% 717 Concluída a venda 25% 80 Concluída a transferência, para a Taesa Em andamento 100% 367 1 Incorporação pela

Leia mais

VI Conferência de PCHs Mercado & Meio-Ambiente Comercialização de Energia Elétrica Proveniente de PCHs no Brasil

VI Conferência de PCHs Mercado & Meio-Ambiente Comercialização de Energia Elétrica Proveniente de PCHs no Brasil VI Conferência de PCHs Mercado & Meio-Ambiente Comercialização de Energia Elétrica Proveniente de PCHs no Brasil Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração Câmara de Comercialização

Leia mais

CCEE Situação Atual e Evoluções. Workshop Andrade&Canellas de agosto de Paulo Born Conselheiro de Administração - CCEE

CCEE Situação Atual e Evoluções. Workshop Andrade&Canellas de agosto de Paulo Born Conselheiro de Administração - CCEE CCEE Situação Atual e Evoluções Workshop Andrade&Canellas 2012 17 de agosto de 2012 Paulo Born Conselheiro de Administração - CCEE Responsabilidades da CCEE - Evolução 27) RRV usinas em atraso 28) Gestão

Leia mais

ER - TRATAMENTO DA ENERGIA DE RESERVA NA CCEE

ER - TRATAMENTO DA ENERGIA DE RESERVA NA CCEE - TRATAMENTO DA ENERGIA DE RESERVA NA CCEE www.ccee.org.br Nº 27 Fevereiro/2012 0800 10 00 08 O objetivo desse relatório é apresentar os valores associados ao encargo, fundo de garantia e saldo da CONER

Leia mais

Leilão de Energia Nova A-6

Leilão de Energia Nova A-6 1 Leilão de Energia Nova A-6 Realização: 31/08/2018 Categoria: A-6 Análise Pré-leilão Análise Pós-leilão (Esta análise foi distribuída às 16:00 do dia 30/08/2018) Será realizado no dia 31 de agosto de

Leia mais

Leilão de Energia Nova A-4

Leilão de Energia Nova A-4 1 Leilão de Energia Nova A-4 Realização: 28/06/2019 Categoria: A-4 Análise Pré-leilão Análise Pós-leilão (Esta análise foi distribuída às 16:00 do dia 19/06/2019) Será realizado no dia 28 de junho de 2019

Leia mais

MP 688/2015 e AP 032/2015

MP 688/2015 e AP 032/2015 MP 688/2015 e AP 032/2015 Reunião ABRAGE 26/08/2015 Resumo a partir da MP 688/2015, documentos submetidos à AP 032/2015 (abertura 2ª fase) e reuniões presenciais com MME e ANEEL Sujeito a alterações e

Leia mais

Leilão de Energia Nova A-4

Leilão de Energia Nova A-4 1 Leilão de Energia Nova A-4 Realização: 04/04/2018 Categoria: A-4 Análise Pré-leilão Análise Pós-leilão (Esta análise foi distribuída às 18:00 do dia 03/04/2018) Será realizado no dia 04 de abril de 2018

Leia mais

Comercialização de Energia ACL e ACR

Comercialização de Energia ACL e ACR Comercialização de Energia ACL e ACR Capítulo 5 Mecanismo de Realocação de Energia (MRE) e Mecanismo de Contabilização de Sobras e Déficits (MCSD) Prof. Alvaro Augusto W. de Almeida Universidade Tecnológica

Leia mais

Mercados de Confiabilidade: Implicações para o Caso Brasileiro. Roberto Brandão Vanessa Reich de Oliveira Paola Dorado Pedro Vardiero

Mercados de Confiabilidade: Implicações para o Caso Brasileiro. Roberto Brandão Vanessa Reich de Oliveira Paola Dorado Pedro Vardiero Mercados de Confiabilidade: Implicações para o Caso Brasileiro Autor(es): Nivalde de Castro Roberto Brandão Vanessa Reich de Oliveira Paola Dorado Pedro Vardiero Sumário 1. Contextualização 2. Limitações

Leia mais

Módulo 3 Contratação de Energia e Potência

Módulo 3 Contratação de Energia e Potência Submódulo 1.1 Adesão à CCEE Módulo 3 Contratação de Energia e Potência Submódulo 3.5 Receita de Venda de CCEAR Revisão 1.0 Vigência 16/10/2012 1 Submódulo 3.5 Receita de venda de CCEAR ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Repensando o Mercado Livre e as Regras do PLD

Repensando o Mercado Livre e as Regras do PLD Repensando o Mercado Livre e as Regras do PLD 06 de Outubro de 2009 10º Encontro Internacional de Energia Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração Agenda Panorama do Ambiente

Leia mais

Perspectivas de Oferta e Preço da Energia para o Mercado Livre

Perspectivas de Oferta e Preço da Energia para o Mercado Livre Perspectivas de Oferta e Preço da Energia para o Mercado Livre Workshop Mercado Livre de Energia FIESP, 23 de agosto de 2017 José Said de Brito Presidente Conceito A expansão do mercado livre é gerada

Leia mais

Análise PLD 2ª semana operativa de setembro

Análise PLD 2ª semana operativa de setembro s 125,16 395,73 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 97,36 135,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,7 688,88 387,24 369,39 24,8 145,9 274,98 245,97 www.ccee.org.br Nº 26 2ª semana de setembro/215 8 1 8 O InfoPLD é uma

Leia mais

SISTEMAS DE ENERGIA (SIE)

SISTEMAS DE ENERGIA (SIE) SISTEMAS DE ENERGIA (SIE) Prof.: Bruno Gonçalves Martins bruno.martins@ifsc.edu.br Aula 3 Racionamento de energia RECAPITULANDO... Racionamento de energia; Crise de racionamento de 2001; Bandeira Tarifárias;

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA N o 258, DE 28 DE JULHO DE 2008. O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único,

Leia mais

A Importância das Fontes Alternativas e Renováveis na Evolução da Matriz Elétrica Brasileira

A Importância das Fontes Alternativas e Renováveis na Evolução da Matriz Elétrica Brasileira A Importância das Fontes Alternativas e Renováveis na Evolução da Matriz Elétrica Brasileira V Seminário de Geração e Desenvolvimento Sustentável Fundación MAPFRE Prof. Nivalde José de Castro Prof. Sidnei

Leia mais

Análise PLD 5ª semana operativa de janeiro

Análise PLD 5ª semana operativa de janeiro 125,16 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 97,36 135,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,7 287,2 24,8 145,9 227,4 212,32 22,87 116,8 5,59 46,2 35,76 3,25 3,25 395,73 387,24 369,39 688,88 www.ccee.org.br Nº 226 5ª

Leia mais

Caderno Algébrico Ressarcimento

Caderno Algébrico Ressarcimento Caderno Algébrico Ressarcimento Versão 1.0.1 ÍNDICE RESSARCIMENTO 3 1. O Esquema Geral 3 2. Etapas do Ressarcimento 5 2.1. Determinação da Geração Disponível para Atendimento dos Contratos por Disponibilidade

Leia mais

ESTUDOS PARA A EXPANSÃO DA GERAÇÃO

ESTUDOS PARA A EXPANSÃO DA GERAÇÃO ESTUDOS PARA A EXPANSÃO DA GERAÇÃO LEILÕES DE ENERGIA DE RESERVA Metodologia de Contabilização da Produção de Energia de Pequenas Centrais Hidrelétricas e Centrais Geradoras Hidrelétricas Ministério de

Leia mais

Análise PLD 4ª semana operativa de outubro

Análise PLD 4ª semana operativa de outubro 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 38,73 125,16 97,36 7,28 29,42 35,66 3,42 37,73 49,42 135,43 75,93 61,32 83,43 166,69 115,58 147,5 263,6 287,2 213,29 214,32 193,41 165,81 395,73 689,25 www.ccee.org.br Nº 265

Leia mais

Comercialização de Energia ACL e ACR

Comercialização de Energia ACL e ACR Comercialização de Energia ACL e ACR Capítulo 3 Mercado, Tarifas e Preços Prof. Alvaro Augusto W. de Almeida Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Eletrotécnica alvaroaugusto@utfpr.edu.br

Leia mais

Nº 84 Agosto/

Nº 84 Agosto/ www.ccee.org.br Nº 84 Agosto/214 8 1 8 O InfoMercado é uma publicação mensal que traz os principais resultados das operações contabilizadas no âmbito da CCEE. Esta edição refere-se aos dados da contabilização

Leia mais

Boletim de conjuntura do setor elétrico brasileiro

Boletim de conjuntura do setor elétrico brasileiro 15 de Agosto de 2016 Boletim de conjuntura do setor elétrico brasileiro A energia elétrica é insumo essencial à indústria, podendo representar até 40% dos custos de produção em setores eletrointensivos.

Leia mais

Perspectivas do Setor Elétrico 2018 a 2022 A ótica do Mercado

Perspectivas do Setor Elétrico 2018 a 2022 A ótica do Mercado Perspectivas do Setor Elétrico 2018 a 2022 A ótica do Mercado Reunião Plenária da ABRAGE Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração 20/09/18 Grandes números CCEE e mercado de energia elétrica

Leia mais

Análise PLD 2ª semana operativa de dezembro

Análise PLD 2ª semana operativa de dezembro www.ccee.org.br Nº 219 2ª semana de dezembro/15 8 1 8 O InfoPLD é uma publicação semanal que traz uma análise dos fatores que influenciam na formação do Preço de Liquidação das Diferenças - PLD, calculado

Leia mais

Novos negócios e Pesquisa em Produção de Energia Eólica

Novos negócios e Pesquisa em Produção de Energia Eólica ISSN Number 20 October 2011 Novos negócios e Pesquisa em Produção de Energia Eólica Alexandre Street Delberis Lima Bruno Fânzeres dos Santos Internal Research Reports Number 20 October 2011 Novos negócios

Leia mais

Comercialização de Energia ACL e ACR

Comercialização de Energia ACL e ACR Comercialização de Energia ACL e ACR Capítulo 3 Mercado, Tarifas e Preços Prof. Alvaro Augusto W. de Almeida Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Eletrotécnica alvaroaugusto@utfpr.edu.br

Leia mais

Gestão da Comercialização na CEMIG. Bernardo Afonso Salomão de Alvarenga Diretor Comercial

Gestão da Comercialização na CEMIG. Bernardo Afonso Salomão de Alvarenga Diretor Comercial Gestão da Comercialização na CEMIG Bernardo Afonso Salomão de Alvarenga Diretor Comercial Situação atual da CEMIG no mercado de energia elétrica Recursos Próprios: Cemig GT Sá Carvalho Rosal Horizontes

Leia mais

Análise PLD 4ª semana operativa de novembro

Análise PLD 4ª semana operativa de novembro 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 38,73 125,16 97,36 7,28 29,42 35,66 3,42 37,73 49,42 135,43 75,93 61,32 83,43 166,69 115,58 147,5 263,6 287,2,21 233,1 238,84 231,48 24,92 395,73 689,25 www.ccee.org.br Nº

Leia mais

5 Simulação do PLD médio anual

5 Simulação do PLD médio anual 5 Simulação do PLD médio anual Como a energia elétrica tem a característica de não ser armazenável, o balanço produção-consumo deve ser feito instantaneamente, de forma que pode haver diferenças entre

Leia mais

Boletim Mensal de Dados do Setor Eólico - Público

Boletim Mensal de Dados do Setor Eólico - Público Boletim Mensal de Dados do Setor Eólico - Público Nº 01/2014 O presente boletim tem o objetivo de divulgar os principais dados do Setor Eólico no Brasil com periodicidade mensal. O conteúdo publicado refere-se

Leia mais

Tiago de Barros Correia Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL. O SERVIÇO DE DISTRIBUIÇÃO DE ELETRICIDADE: Desafios de curto e médio prazo

Tiago de Barros Correia Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL. O SERVIÇO DE DISTRIBUIÇÃO DE ELETRICIDADE: Desafios de curto e médio prazo Tiago de Barros Correia Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL O SERVIÇO DE DISTRIBUIÇÃO DE ELETRICIDADE: Desafios de curto e médio prazo Roteiro Apresentação institucional As competências da ANEEL

Leia mais

Leilão de Energia Nova A-4

Leilão de Energia Nova A-4 1 Leilão de Energia Nova A-4 Realização: 18/12/2017 Categoria: A-4 Análise Pré-leilão Análise Pós-leilão O documento em PDF encontra-se em anexo (Esta análise foi distribuída às 16:00 do dia 15/12/2017)

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL USINAS TERMELÉTRICAS

Leia mais

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro. 15 de agosto de 2012

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro. 15 de agosto de 2012 XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro 15 de agosto de 2012 Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

Leia mais

Perspectivas do Setor Elétrico 2017 a 2021 A ótica do mercado

Perspectivas do Setor Elétrico 2017 a 2021 A ótica do mercado Perspectivas do Setor Elétrico 2017 a 2021 A ótica do mercado ENASE 2017-14º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração 17/05/2017 Agenda CCEE Mercado

Leia mais

2 O setor elétrico brasileiro

2 O setor elétrico brasileiro 2 O setor elétrico brasileiro O setor elétrico divide-se basicamente quatro segmentos: geração, transmissão, distribuição e comercialização. A geração de energia é composta por centrais hidrelétricas ou

Leia mais