Transmissão de Energia Elétrica a Longa Distância

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Transmissão de Energia Elétrica a Longa Distância"

Transcrição

1 Ministério de Minas e Energia Transmissão de Energia Elétrica a Longa Distância O Plano Decenal de Energia José Carlos de Miranda Farias Diretor de Estudos de Energia Elétrica - EPE 18 de setembro de

2 Sistema Elétrico Brasileiro Capacidade Instalada = 98,530 MW Hidrelétrica = 73,559 MW 74.7 % Termelétrica = 22,964 MW 23.4 % Nuclear = 2,007 MW 1.9% Nº.de unidades cons. = 57,45 milhões Energia Produzida = 418,2 TWh/ano (55% da America do Sul) Demanda Máxima = 61,780 MW (Inglaterra ou Itália) Geração 85% Estatal 15 % Privado Transmissão 43 empresas (80% privadas) Distribuição 64 empresas (80% privadas) Cuiabá Tocantins Campo Grande Paraná/Tietê Itaipu Argentina Jacui Iguaçu Goiânia Brasília Paranaíba Uruguai Grande Paranapanema Belém Curitiba Porto Alegre Parnaíba Paraíba do Sul Florianópolis São Luís Teresina São Francisco Belo Horizonte São Paulo Área: 8.5 milhões de km² Fortaleza Vitória Rio de Janeiro Natal João Pessoa Recife Maceió Aracajú Salvador fonte: EPE

3 Grécia Russia Espanha Consumo Per Capita ano kwh / hab kwh/hab México Uruguai Brasil Argentina Chile Croácia Portugal Data fonte: AIE

4 Sistema Elétrico Brasileiro 2006 Participação por Fonte de rodução Renováveis: 80,1% Total: 460 TWh Gás Natural Gas 4.0% Carvão 1.6% Óleo e Diesel 2.5% Biomassa e outros Renováveis (*) 4.2% Nuclear 3.0% Importaçã0 8.8% (*) mainly generation from bagasse-based cogeneration Hydraulic Hidráulica 75.9% Fonte Balanço Energético Nacional 4

5 Aproveitamento do Potencial Hidrelétrico no Mundo Congo Indonésia 1 4 Peru 6 Rússia 11 China Colômbia Índia BRASIL Canadá Itália Suécia Estados Unidos Noruega Japão Alemanha França % do potencial tecnicamente aproveitável Observações: 1. Baseado em dados do World Energy Council, considerando usinas em operação e em construção, ao final de Para o Brasil, dados do Atlas de Energia Elétrica do Brasil, da ANEEL, referentes a janeiro de Os países selecionados detém 2/3 do potencial hidráulico desenvolvido do mundo. 4. O potencial tecnicamente aproveitável corresponde a cerca de 35% do potencial teórico média mundial) 5

6 Potencial Hidrelétrico Brasileiro 112 GW 43% Potencial Total 261 GW (*) Operação/Construção 30% Inventariado/Estimado 70%, 26 GW 10% Observações: (1) 50% de Itaipu incluído no Sul (2) Potencial em PCH: 15 GW (5,7%) (*) Inclui usinas de ponta 35 GW 14% 45 GW 17% 43 GW 16% Fontes Potencial total: Eletrobrás, 2002 Potencial aproveitado: EPE,

7 Distribuição Geográfica do Potencial a Aproveitar Norte % Nordeste 3 4 % C. Oeste 2 3 % Sul 21 % Sudeste 8 % Obs.: custo entre US$/kW 7

8 Brasil - Cenários Econômicos Taxa média de crescimento do PIB (% ao ano) FAIXA Cenário I 4,0 % 4,5 % 4,2 % Cenário II 4,8 % 5,0 % 4,9 % 8

9 Plano Decenal Brasil Projeção de Consumo de Energia Elétrica Período Inferior Inferior Trajetória Superior Superior Consumo (TWh) * ,3 388, ,0 514, ,6 673,1 Variação (% ao ano) ,0 5, ,1 5, ,1 5,7 * Inclui autoprodução clássica. 9

10 Oferta de Energia Plano Decenal TRAJETÓRIA INFERIOR Dez 2006 Dez ,1% 13,7% Hidroelétrica 2,3% 15,4% Outras 3,0% Renováveis Nuclear 7,0% Fósseis 81,2% 75,3% Outras renováveis: PCH, biomassa e centrais eólicas Fósseis: gás natural, carvão mineral e derivados de petróleo Nota: Sistemas Isolados de Acre-Rondônia e Manaus-Macapá desde jan/2007 (apenas para fins de comparação) 10

11 Oferta de Energia Plano Decenal TRAJETÓRIA SUPERIOR Trajetória superior - adicional de MW de termelétricas indicativas no SE, S e NE Dez 2006 Dez ,7% 18,5% 2,1% 3,0% Hidroelétrica Outras Renováveis Nuclear Fósseis 2,2% 6,8% 81,2% 72,5% Outras renováveis: PCH, biomassa e centrais eólicas Fósseis: gás natural, carvão mineral e derivados de petróleo Nota: Sistemas Isolados de Acre-Rondônia e Manaus-Macapá desde jan/2007 (apenas para fins de comparação) 11

12 Oferta de Energia Plano Decenal Investimentos em geração - trajetória inferior - R$ 134 bilhões Usinas Hidrelétricas e PCHs - R$ 107 bilhões Usinas Termelétricas - R$ 27 bilhões Investimentos em Termelétricas adicionais na trajetória superior - R$ 6 bilhões 12

13 Riscos de Déficit Plano Decenal TRAJETÓRIA INFERIOR 13

14 Riscos de Déficit Plano Decenal TRAJETÓRIA SUPERIOR 14

15 GARANTIA FÍSICA Oferta 2008 Mês Usina Empreendedor Subsistema Tipo Garantia Física (MWmed) jan CASTRO ALVES CERAN SUL UHE 64 abr VALE DO AÇU Termoaçu S.A. NE GN 200 jun COLORADO Açúcar e Álcool ORMendonça Ltda SE/CO Biomassa 16 jun QUIRINÓPOLIS USJ Açúcar e Álcool S.A. SE/CO Biomassa 21 jul BOA VISTA USINA BOA VISTA SE/CO Biomassa 11 jul SÃO JOÃO BIOGÁS São João Energia Ambiental S.A. SE/CO Biogás 20 ago 14 DE JULHO CERAN SUL UHE 50 ago RONDON II ELETROGÓES S.A. RO UHE 40 ago SANTA ISABEL Usina Santa Isabel Ltda. SE/CO Biomassa 11 out BAIA FORMOSA VALE VERDE NE Biomassa 11 nov COSTA PINTO COSAN S.A. Indústria e Comércio SE/CO Biomassa 22 nov RAFARD COSAN S.A. Indústria e Comércio SE/CO Biomassa 15 Biomassa (*) 40 PROINFA Eólica (*) 380 PCH (*) 480 TOTAL 1380 * Valores estimados de GF UHE Biomassa GN PROINFA TOTAL Nº Usinas MW médio

16 GARANTIA FÍSICA Oferta 2009 Mês Usina Empreendedor Subsistema Tipo Garantia Física (MWmed) jan GOIÂNIA II Petrobras Distribuidora S.A. SE/CO Óleo 65 jan SÃO JOSÉ Açucareira Zillo Lorenzetti Ltda. SE/CO Biomassa 28 jan CISFRAMA Cisframa-Com. e Ind. de Madeiras São Francisco Ltda SUL Cavaco Mad 2 jan PETROLINA Companhia Energética de Petrolina NE Óleo 85 jan CAMAÇARI M I Petrobras Distribuidora S/A NE Óleo 101 jan CAMAÇARI P I Petrobras Distribuidora S/A NE Óleo 94 jan POTIGUAR TEP Termoelétrica Potiguar S/A NE Óleo 28 jan POTIGUAR III TEP Termoelétrica Potiguar S/A NE Óleo 30 jan PAU FERRO I Termomanaus Ltda. NE Óleo 56 jan TERMOMANAUS Termomanaus Ltda. NE Óleo 70 mar CORUMBÁ III Energética Corumbá III S.A. SE/CO UHE 51 mai RETIRO BAIXO Orteng (Equipamentos e Sistemas) SE/CO UHE 39 mai SÃO JOSÉ Ijuí Energia S.A. SUL UHE 30 jun FERRARI FERRARI AGRO SE/CO Biomassa 8 jul DO ATLANTICO THYSSENKRUPP CSA SE/CO Gás de processo 200 jul CUBATÃO Baixada Santista Energia Ltda. SE/CO GN 206 set BARRA DO BRAÚNA Cat-Leo SE/CO UHE 22 set MONJOLINHO Monel Monjolinho Energética Ltda. SUL UHE 43 out BAGUARI Consórcio UHE Baguari SE/CO UHE 80 out BARRA DOS COQUEIROSAlcan Alumínio do Brasil SE/CO UHE 58 out CAÇU Alcan Alumínio do Brasil SE/CO UHE 43 out PASSO SÃO JOÃO Eletrosul S.A. SUL UHE 39 nov SÃO SALVADOR Cia Energética São Salvador SE/CO UHE 148 TOTAL 1526 UHE Biomassa GN Óleo TOTAL Nº Usinas MW médio

17 GARANTIA FÍSICA Oferta 2010 Mês Usina Empreendedor Subsistema Tipo Garantia Física (MWmed) jan BATALHA Furnas Centrais Elétricas SE/CO UHE 49 jan FOZ DO RIO CLARO Rio Claro Energia S.A. SE/CO UHE 41 jan SIMPLÍCIO Furnas Centrais Elétricas SE/CO UHE 191 jan CANDIOTA III CGTEE SUL Carvão 304 jan SALTO Rio Verde Energia S.A. SE/CO UHE 64 jan SLT RIO VERDINHO Rio Verde Energia S.A. SE/CO UHE 58 jan Campina Grande Borborema NE Óleo Comb 124 jan Global I Global NE Óleo Comb 105 jan Global II Global NE Óleo Comb 109 jan Nova Olinda Sobral N Óleo Comb 121 jan Tocantinopolis Sobral N Óleo Comb 121 jan Itapebi Southbahia NE Óleo Comb 104 jan Monte Pascoal Southbahia NE Óleo Comb 105 jan Termocabo Termocabo NE Óleo Comb 38 jan Termonordeste Termomanaus NE Óleo Comb 124 jan Termoparaiba Termomanaus NE Óleo Comb 124 jan Maracanau I Thermes NE Óleo Comb 123 jan Viana WBR SE Óleo Comb 122 mar BAÚ I Cat-Leo SE/CO UHE 49 abr OLHO D'ÁGUA (J. Malucelli Construtora de Obras) SE/CO UHE 26 jun SALTO PILÃO Consórcio Salto Pilão SUL UHE 107 set FOZ DO CHAPECÓ Consórcio Energético Foz do Chapecó SUL UHE 432 out SÃO DOMINGOS Master São Domingos S.A. SE/CO UHE 26 nov SERRA DO FACÃO Consórcio Serra Facão SE/CO UHE 182 1º Leilão de Fontes Alternativas Biomassa 213 PCH 70 TOTAL UHE Biomassa PCH Óleo C B1 Carvão TOTAL 3130 Nº Usinas MW médio Leilão de A Leilão de Fontes Alternativas

18 Resultados do Leilão A-3 de /jul/2007 Características das Usinas a Óleo Combustível Características Valores Rendimento Médio 42,5% Disponibilidade Média Anual 95,7% Investimento Médio (R$/kW) 1.610,00 Emissão Média de CO 2 (t/mwh) 0,616 CVU limitado a 50% PLDmax contribuiu para se ter motores com elevado rendimento. Grande parte desses empreendimentos poderão consumir Gás Natural. Em 2002, no mundo cerca de 8% da energia elétrica era produzida por meio de óleo combustível prevendo-se 6%. para 2010 (fonte: IEA World Energy Outlook 2004 ) As UTE s emergenciais tinham um rendimento médio de 33,4%. Quando comparadas com as do leilão, observa-se uma diminuição na ordem de 21% tanto nas emissões como no consumo de combustível. O seu ICB seria de 256 R$/MWh. Ou seja, no leilão observa-se uma redução de 52% no ICB. O Brasil é exportador de óleo combustível Combustível Tecnologia Emissões de CO2 (t/mwh) Gas natural C. Combinado 0,394 Óleo Combustível (Leilão A ) C. Diesel 0,616 Óleo Combustível (Emergênciais) C. Diesel 0,747 Carvão Mineral Rankine 0,909 Coque Rankine 1,049 18

19 Leilões 2007 Empreendimentos Habilitados disponíveis para Leilões Futuros Fonte de Alimentação Quantidade de Empreendimentos Potência Instalada (MW) Garantia Física (MW med ) Hidro - UHE Hidro - PCH Biomassa Gás Natural Gás Natural/Óleo Diesel Eólica Coque Verde de Petróleo Carvão Mineral Óleo Combustível TOTAIS

20 OFERTA PARA O LEN A-5 DE 2007 Leilão A-5 de 2007, para entrega de energia elétrica em janeiro de 2012 Usinas Habilitadas para o LEN A-5 de 2007* Fonte N de Usinas Garantia Física (MWmed) Lotes Disponíveis (MWmed) UHE ,2 833 PCH 11 85,2 79 EOL 3 157,5 156 BIO ,1 284 UTE - GN , UTE - Carvão , UTE - Coque 2 631,4 630 UTE - OC 9 687,9 684 TOTAL , * Excluídas as as usinas vencedoras dos dos leilões leilões de Fontes de Fontes Alternativas e A-3 e de A de

21 OFERTA PARA O LEN A-5 DE 2007 LEN A-5 de 2007, para entrega de energia elétrica em janeiro de 2012 Lotes Disponívies Por Subsistema (MWmed) Fonte SE S NE N UHE PCH EOL BIO UTE - GN UTE - Carvão UTE - Coque UTE - OC TOTAL

22 Futuros Leilão de Energia Nova Novas Hidrelétricas Quadro Resumo Leilão de Energia Nova Alternativa Otimista Quantidade de Projetos Potência Instalada Total - MW Quantidade de Projetos Alternativa Pessimista Potência Instalada Total MW * (*) Para se ter novos aproveitamentos para leiloar em 2011, há que iniciar novos estudos de viabilidade já em

23 Hidrelétrica de Santo Antônio AHE SANTO ANTÔNIO RI O MADEIR A PORTO VELHO Colônia Penal N.A. máximo normal: 70,00 m Potência Instalada: 3.150,4 MW Tipo de Turbina: Bulbo Número de Unidades: 44 Potência Unitária: 71,6 MW Queda de Referência: 13,9 m 23

24 Estudos de Inventário - EPE Rio Branco MW Rio Trombetas MW Rio Jari MW Rio Aripuanã MW Rio Sucunduri 650 MW Rio Juruena MW Rio Araguaia MW 24

25 Estudos de Viabilidade Objeto Rio Teles Pires - AHE TELES PIRES Rio Teles Pires - AHE SINOP Rio Teles Pires - AHE SÃO MANOEL Previsão de Conclusão dos Estudos Dezembro/2008 Dezembro/2008 Dezembro/2008 Potência Prevista (MW) Rio Apiacás - AHE FOZ DO APIACÁS Rio Teles Pires - AHE COLIDER Dezembro/2008 Maio/ Rio Teles Pires - AHE MAGESSI Maio/ TOTAL

26 Integração das Usinas do Madeira, Belo Monte e Teles Pires Ampliação das Interligações, incluindo Tucuruí-Macapá-Manaus B.Monte Itacaiunas S.Antônio Jauru Teles Pires 500 km Cuiabá Araraquara Atibaia N.Iguaçu 26

27 Estudos da Transmissão do Rio Madeira 3CA765 - SP 3CA765cr - SP 3 circuitos 765 kv- 8x795 MCM chegando em São Paulo (com e sem reator limitador) CA 765kV 4CA765- SP 4CA765cr- SP 4 circuitos 765 kv- 4x1510 MCM chegando em São Paulo (com e sem reator limitador) 3CA765 - MG 3 circuitos 765 kv- 8x795 MCM chegando em Minas Gerais 500kV 5CA500 - SP 5 circuitos 500 kv - 4x1113 MCM chegando em São Paulo Alternativas para escoamento 6300 MW para o SE CC 3CC600 - SP 2CC600 - SP 4CA500 - SP 4CA500cr - SP 4 circuitos 500 kv - 6x954 MCM chegando em São Paulo (com e sem reator limitador) 3 bipolos 2100 MW kv - 3 x 1192 MCM chegando em São Paulo 2 bipolos 3150 MW kv 4 x 1590 MCM chegando em São Paulo 70% CC e 30% CA 2CA2CC - SP 2CC2CA - SP 2CA2CC - MG 2 circ 500kV 6 x 477 MCM e 2 bipolos 2100 MW kv - 3 x 1192 MCM chegando em São Paulo 2 bipolos 2100 MW kv 3 x 1192 MCM e 2 circ 500kV - 6 x 477 MCM chegando em São Paulo 2 circ 500kV 6 x 477 MCM chegando em Minas Gerais e 2 bipolos 2100 MW kv - 3 x 1192 MCM chegando em SP CA / CC 2CC2CA - MG 2 bipolos 2100 MW kv - 3 x 1192 MCM chegando em SP e 2 circ 500kV 6 x 477 MCM chegando em Minas Gerais 50% CC e 50% CA 3CA1CC - SP 2CA1CC - SP 1 bipolo 3150 MW kv - 4 x 1590 MCM e 3 circ 500 kv - 6 x 477 MCM chegando em São Paulo 1 bipolo 3150 MW kv - 4 x 1590 MCM e 2 circ 500kV - 6 x 954 MCM chegando em São Paulo 27

28 Novos Investimentos em Transmissão Linhas de Transmissão Total R$ 23,25 bilhões Subestações e Transformadores Total R$10,06 bilhões 345kV 1,8% 500kV 52,6% 440kV 0,5% 230kV 15,8% 750kV 0,0% 600kV 29,4% 500kV 19,2% 345kV 2,0% 440kV 1,3% 230kV 22,6% 600kV 54,9% 750kV 0,0% 28

29 6 Evolução da Tarifa de Uso do Sistema de Transmissão - TUST TUST média de GERAÇÃO TUST mensal (R$/kW.mês) 5,5 5 4,5 4 3,5 3 2,5 2 1,5 1 0,5 0 Sul Sudeste/Centro-Oeste Nordeste Norte ,5 5 TUST média de CARGA TUST mensal (R$/kW.mês) 4,5 4 3,5 3 2,5 2 1,5 1 0,5 0 Sul Sudeste/Centro-Oeste Nordeste Norte

30 DESAFIO Ofertar energia a preços módicos, suficiente para o desenvolvimento da nação e em harmonia com os princípios do desenvolvimento sustentável 30

31 Empresa de Pesquisa Energética - EPE Av. Rio Branco, 1-11º floor Centro Rio de Janeiro RJ CEP Tel.: +55 (21) ZÜtàÉ ÑxÄt tâw Çv t 31

Planejamento Eletroenergético do Sistema Interligado Nacional e seus Desafios

Planejamento Eletroenergético do Sistema Interligado Nacional e seus Desafios Ministério de Minas e Energia Colóquio 2010 2020: Uma Década Promissora para o Brasil? Planejamento Eletroenergético do Sistema Interligado Nacional e seus Desafios José Carlos de Miranda Farias Diretor

Leia mais

A Energia na Cidade do Futuro

A Energia na Cidade do Futuro Ministério de Minas e Energia A Energia na Cidade do Futuro 2º Workshop Perspectivas da Matriz Elétrica Brasileira I Participação das Fontes Renováveis e Alternativas Campinas, 07 de junho de 2013 José

Leia mais

Seminário Energia Soluções para o Futuro Geração Hidrelétrica. Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE

Seminário Energia Soluções para o Futuro Geração Hidrelétrica. Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Seminário Energia Soluções para o Futuro Geração Hidrelétrica Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Belo Horizonte, 24 de abril de 2014 Associadas da ABRAGE Usinas das associadas da ABRAGE Hidrelétricas

Leia mais

OPORTUNIDADES E DESAFIOS DO SETOR ELÉTRICO

OPORTUNIDADES E DESAFIOS DO SETOR ELÉTRICO OPORTUNIDADES E DESAFIOS DO SETOR ELÉTRICO 01 de Abril de 2011 Mesa Redonda sobre Energia no Brasil: Energia e o Novo Governo Rio de Janeiro Empresa de Pesquisa Energética Uma Empresa do Ministério de

Leia mais

Painel 3 MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA: DESAFIOS E ALTERNATIVAS. Nivalde de Castro Coordenador do GESEL Instituto de Economia da UFRJ

Painel 3 MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA: DESAFIOS E ALTERNATIVAS. Nivalde de Castro Coordenador do GESEL Instituto de Economia da UFRJ Painel 3 MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA: DESAFIOS E ALTERNATIVAS Nivalde de Castro Coordenador do GESEL Instituto de Economia da UFRJ Rio de Janerio 23 de junho de 2015 Sumário Energia Elétrica e seus desafios

Leia mais

JOSÉ CARLOS DE MIRANDA FARIAS Empresa de Pesquisa Energética EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA PLANEJAMENTO E LEILÕES

JOSÉ CARLOS DE MIRANDA FARIAS Empresa de Pesquisa Energética EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA PLANEJAMENTO E LEILÕES JOSÉ CARLOS DE MIRANDA FARIAS Empresa de Pesquisa Energética EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA PLANEJAMENTO E LEILÕES POR QUE PLANEJAR? Há necessidade de prever as possibilidades do amanhã para esboçar, com

Leia mais

II Seminário da Matriz Energética O Modelo Energético Brasileiro Plano de Expansão e a Diversificação da Matriz

II Seminário da Matriz Energética O Modelo Energético Brasileiro Plano de Expansão e a Diversificação da Matriz Ministério de Minas e Energia II Seminário da Matriz Energética O Modelo Energético Brasileiro Plano de Expansão e a Diversificação da Matriz José Carlos de Miranda Farias Diretor de Estudos de Energia

Leia mais

O papel da bioeletricidade no plano de decenal de energia elétrica 2006/2015 e nos leilões de energia nova

O papel da bioeletricidade no plano de decenal de energia elétrica 2006/2015 e nos leilões de energia nova O papel da bioeletricidade no plano de decenal de energia elétrica 2006/2015 e nos leilões de energia nova José Carlos de Miranda Farias Diretor de Estudos de Energia Elétrica - EPE Eduardo Henrique Ferreira

Leia mais

CIESP. 10º Encontro Internacional de Energia. Hotel Unique. São Paulo, 05 de outubro de Tema 2: Planejamento e Política Energética

CIESP. 10º Encontro Internacional de Energia. Hotel Unique. São Paulo, 05 de outubro de Tema 2: Planejamento e Política Energética CIESP 10º Encontro Internacional de Energia Hotel Unique São Paulo, 05 de outubro de 2009 Tema 2: Planejamento e Política Energética Painel 1: Avanços Regulatórios no Setor de Energia Jerson Kelman Temas

Leia mais

UM PANORAMA ATUAL DA MATRIZ ENERGÉTICA DO BRASIL

UM PANORAMA ATUAL DA MATRIZ ENERGÉTICA DO BRASIL UM PANORAMA ATUAL DA MATRIZ ENERGÉTICA DO BRASIL 25 de Outubro de 2011 Centro de Eventos e Convenções Brasil 21 Brasília Empresa de Pesquisa Energética Uma Empresa do Ministério de Minas e Energia Mauricio

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA EXPANSÃO DA GERAÇÃO HIDRELÉTRICA NA REGIÃO AMAZÔNICA e INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA NA AMÉRICA DO SUL Reunião Plenária da ABRAGE Brasília, 25 de março de 2010 AGENDA Energia no Brasil

Leia mais

Apimec RJ. Energias Renováveis. Gustavo Estrella Diretor de Relações com Investidores

Apimec RJ. Energias Renováveis. Gustavo Estrella Diretor de Relações com Investidores Apimec RJ Energias Renováveis Gustavo Estrella Diretor de Relações com Investidores Agenda Oferta de energia Brasil x Mundo Perspectiva de Expansão da oferta de energia no Brasil Fontes Curto prazo Hidráulica

Leia mais

Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômicos e Energéticos Empresa de Pesquisa Energética - EPE

Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômicos e Energéticos Empresa de Pesquisa Energética - EPE Simpósio Internacional: Reativação da Construção de Usinas Nucleares na América Latina Apresentação: Participação da Energia Nuclear na Matriz Energética Brasileira Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos

Leia mais

Painel 6 Expansão das Energias Renováveis. Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor

Painel 6 Expansão das Energias Renováveis. Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor Painel 6 Expansão das Energias Renováveis Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor Belo Horizonte, MG 04 Junho 2014 Expansão das Energias Renováveis no Brasil AGENDA 1 Panorama

Leia mais

11º FIIEE Minas Gerais. Inventário do Potencial Hidrelétrico Do País

11º FIIEE Minas Gerais. Inventário do Potencial Hidrelétrico Do País 11º FIIEE Minas Gerais Inventário do Potencial Hidrelétrico Do País Modelo do Setor Elétrico do Brasil Leis 10847 e 10848 de 2004 Princípios Promover a Modicidade Tarifária Garantir a Segurança do Suprimento

Leia mais

ABINEE TEC SUL. Seminário e Mostra de Produtos Eletroeletrônicos. Valter Luiz Cardeal de Souza Eletrobrás Diretor de Engenharia.

ABINEE TEC SUL. Seminário e Mostra de Produtos Eletroeletrônicos. Valter Luiz Cardeal de Souza Eletrobrás Diretor de Engenharia. ABINEE TEC SUL Seminário e Mostra de Produtos Eletroeletrônicos Valter Luiz Cardeal de Souza Eletrobrás Diretor de Engenharia Porto Alegre, 18 e 19 de agosto de 2004 MATRIZ ENERGÉTICA Consumo de Energia

Leia mais

www.ccee.org.br Nº 009 Setembro/2014 0800 10 00 08

www.ccee.org.br Nº 009 Setembro/2014 0800 10 00 08 www.cceorg.br Nº 009 Setembro/2014 0800 10 00 08 Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e

Leia mais

Mário Menel Presidente

Mário Menel Presidente Mário Menel Presidente EXPOIBRAM Exposição Internacional de Mineração 29 de setembro de 2011 TÓPICOS A ABIAPE; Cenário Energético Atual; Autoprodução como fator de Competitividade; Autoprodução e Mineração;

Leia mais

Infraestrutura do Setor Elétrico: O Planejamento da Expansão do Sistema Brasileiro

Infraestrutura do Setor Elétrico: O Planejamento da Expansão do Sistema Brasileiro Infraestrutura do Setor Elétrico: O Planejamento da Expansão do Sistema Brasileiro Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia Elétrica Empresa de Pesquisa Energética - EPE Infraestrutura do Setor

Leia mais

Setor Elétrico Brasileiro: Crescimento e Desafios

Setor Elétrico Brasileiro: Crescimento e Desafios XXIII SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRNSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Setor Elétrico Brasileiro: Crescimento e Desafios Políticas do Ministério de para o Setor Elétrico Brasileiro Altino Ventura

Leia mais

Empreendimentos do Rio Madeira

Empreendimentos do Rio Madeira Empreendimentos do Rio Madeira Sistema de Transmissão Associado (Leilão ANEEL n 007/2008) Abordagem Conceitual AGENDA Introdução Aspectos Gerais Considerações sobre os Empreendimentos de Geração Considerações

Leia mais

FÓRUM DE DEBATES DO JORNAL GGN AS HIDROELÉTRICAS DA AMAZÔNIA E O MEIO AMBIENTA

FÓRUM DE DEBATES DO JORNAL GGN AS HIDROELÉTRICAS DA AMAZÔNIA E O MEIO AMBIENTA FÓRUM DE DEBATES DO JORNAL GGN AS HIDROELÉTRICAS DA AMAZÔNIA E O MEIO AMBIENTA Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético / MME Realização: Patrocínio: Secretaria de Planejamento

Leia mais

Planejamento nacional e Integração elétrica regional. Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia Elétrica

Planejamento nacional e Integração elétrica regional. Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia Elétrica Planejamento nacional e Integração elétrica regional Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia Elétrica Foz do Iguaçu, Brasil 27 de novembro de 2015 Planejamento nacional e Integração elétrica regional

Leia mais

Da teoria à prática: a operação real da fonte solar fotovoltaica na matriz elétrica brasileira

Da teoria à prática: a operação real da fonte solar fotovoltaica na matriz elétrica brasileira Da teoria à prática: a operação real da fonte solar fotovoltaica na matriz elétrica brasileira Dr. Sinval Zaidan Gama Diretor de Operação - ONS Rio de Janeiro, 12 de junho 2018 A Matriz de Energia Elétrica

Leia mais

O Setor Elétrico do Brasil

O Setor Elétrico do Brasil V SISEE Seminário Internacional do Setor de Energia Elétrica Integração com Energia Renovável O Setor Elétrico do Brasil Desafios para o Século XXI José Antonio Coimbra Secretário-Executivo Rio de Janeiro,

Leia mais

POLÍTICA ENERGÉTICA. Mauricio T. Tolmasquim Presidente

POLÍTICA ENERGÉTICA. Mauricio T. Tolmasquim Presidente POLÍTICA ENERGÉTICA 21 de Setembro de 2015 12 th International Conference Brazil Energy and Power BEP 12 Câmara de Comércio Americana do Rio de Janeiro -AmCham Rio Painel Energia e Política Industrial

Leia mais

Oferta e Demanda de Energia Elétrica: Cenários. Juliana Chade

Oferta e Demanda de Energia Elétrica: Cenários. Juliana Chade Oferta e Demanda de Energia Elétrica: Cenários Juliana Chade Agenda Cenário atual Preços Afluências Reservatórios Consumo de energia elétrica Meteorologia/Clima Expansão da Oferta Projeções de PLD 2 Agenda

Leia mais

Avaliação do Atendimento Energético 2007 / 2011

Avaliação do Atendimento Energético 2007 / 2011 Avaliação do Atendimento Energético 2007 / 2011 Reunião ABRAGE Brasília 30 de agosto de 2007 Hermes J. Chipp Diretor Geral 2 Estrutura da Apresentação 1. Objetivo 2. Sistemática de Avaliação 3. Atendimento

Leia mais

Plano Nacional de Energia 2030

Plano Nacional de Energia 2030 CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA ENERGÉTICA - CNPE Plano Nacional de Energia 2030 Mauricio Tolmasquim Presidente Empresa de Pesquisa Energética EPE Brasília, 2007 Metodologia geral Módulo Macroeconômico Cenários

Leia mais

XXIII SNPTEE. Sessão Técnica de Abertura SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO: CRESCIMENTO - DESAFIOS

XXIII SNPTEE. Sessão Técnica de Abertura SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO: CRESCIMENTO - DESAFIOS XXIII SNPTEE Sessão Técnica de Abertura SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO: CRESCIMENTO - DESAFIOS Cenários/Desafios a curto e médio prazos para a operação do SIN Hermes J. Chipp Diretor Geral Foz do Iguaçu, 19/10/2015

Leia mais

Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas

Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômicos e Energéticos Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ 30 de agosto de

Leia mais

Matriz Energética Os Desafios e as Oportunidades. Jerson Kelman. Belo Horizonte, 20 de maio de 2010

Matriz Energética Os Desafios e as Oportunidades. Jerson Kelman. Belo Horizonte, 20 de maio de 2010 Matriz Energética Os Desafios e as Oportunidades Jerson Kelman Belo Horizonte, 20 de maio de 2010 O Setor Elétrico é causador ou vítima das mudanças climáticas? A concentração de GEE na atmosfera aumentou

Leia mais

PMO de Dezembro Semana Operativa de 25/11/2017 a 01/12/2017

PMO de Dezembro Semana Operativa de 25/11/2017 a 01/12/2017 1. APRESENTAÇÃO Nas três primeiras semanas de novembro ocorreram totais significativos de precipitação na bacia do rio Iguaçu e no trecho incremental à UHE Itaipu. Em seguida, a configuração de um episódio

Leia mais

FÓRUM DA MATRIZ ENERGÉTICA Tendências Dificuldades Investimentos Política para Energias Alternativas: Biomassa, Solar, Eólica, Nuclear, Gás, PCH

FÓRUM DA MATRIZ ENERGÉTICA Tendências Dificuldades Investimentos Política para Energias Alternativas: Biomassa, Solar, Eólica, Nuclear, Gás, PCH FÓRUM DA MATRIZ ENERGÉTICA Tendências Dificuldades Investimentos Política para Energias Alternativas: Biomassa, Solar, Eólica, Nuclear, Gás, PCH Amilcar Guerreiro Empresa de Pesquisa Energética, Diretor

Leia mais

Plano Decenal de Expansão de Energia

Plano Decenal de Expansão de Energia Plano Decenal de Expansão de Energia Rio de Janeiro, 03 de agosto de 2018 Superintendência de Planejamento da Geração PLANO DECENAL DE EXPANSÃO DE ENERGIA -PDE 2026 Prover mercado e sociedade brasileira

Leia mais

Matriz elétrica brasileira Eólica

Matriz elétrica brasileira Eólica 1 Matriz elétrica brasileira Eólica UEE VOLTA DO RIO Lívio Teixeira de Andrade Filho Coordenação-Geral de Fontes Alternativas Departamento de Desenvolvimento Energético 2 PRINCÍPIOS E OBJETIVOS DA POLÍTICA

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 1 4T14 GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Maiores geradores mundiais de energia elétrica (TWh) 2013 Total 23.127,0 (100%) China 5.361,6 (23,2%) EUA 4.260,4 (18,4%) Índia 1.102,9 (4,8%) Japão Rússia 1.088,1 1.060,7

Leia mais

Ministério de Minas e Energia POTENCIAL DA BIOMASSA E DOS BIO-COMBUSTÍVEIS NO BRASIL: EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO

Ministério de Minas e Energia POTENCIAL DA BIOMASSA E DOS BIO-COMBUSTÍVEIS NO BRASIL: EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético POTENCIAL DA BIOMASSA E DOS BIO-COMBUSTÍVEIS NO BRASIL: EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO Reunión Ministerial Iberoamericana

Leia mais

Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas

Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômicos e Energéticos Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ 30 de agosto de

Leia mais

ABINEE TEC Matriz Energética. Plano Decenal: Tendências, Dificuldades e Investimentos Políticas para Fontes de Energia

ABINEE TEC Matriz Energética. Plano Decenal: Tendências, Dificuldades e Investimentos Políticas para Fontes de Energia Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético ABINEE TEC 2007 Matriz Energética Plano Decenal: Tendências, Dificuldades e Investimentos Políticas para Fontes de

Leia mais

A Situação das Energias Renováveis no Brasil. Newton J. L. Duarte COGEN. 17 de Maio de 2019

A Situação das Energias Renováveis no Brasil. Newton J. L. Duarte COGEN. 17 de Maio de 2019 A Situação das Energias Renováveis no Brasil Newton J. L. Duarte COGEN 17 de Maio de 2019 1 Matriz Elétrica Brasileira 105 (64%) 15 (9%) 2019 2027 2,8 (1%) 13,6 (13,6) 20 (9%)) 23 (11%) 9 (6%) 8,6 (4%)

Leia mais

Panorama Geral do Setor Elétrico

Panorama Geral do Setor Elétrico 11º CONSTRUBUSINESS Congresso Brasileiro da Construção 2015 Panorama Geral do Setor Elétrico Ministro Eduardo Braga São Paulo, 09 de março de 2015 2 Condições Hidrológicas Desfavoráveis 29.909 21.438 22.413

Leia mais

Avaliação das Condições do Atendimento Eletroenergético do SIN em 2014 e Visão para Hermes Chipp Diretor Geral

Avaliação das Condições do Atendimento Eletroenergético do SIN em 2014 e Visão para Hermes Chipp Diretor Geral Avaliação das Condições do Atendimento Eletroenergético do SIN em 2014 e Visão para 2015 Hermes Chipp Diretor Geral FGV Rio de Janeiro, 02/06/2014 1 Visão de Curto Prazo Avaliação das Condições Meteorológicas

Leia mais

EXPANSÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026

EXPANSÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA EXPANSÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026 Forum COGEN / Canal Energuia Geração Distribuida e Cogeração Ubiratan Francisco Castellano Secretario de Planejamento

Leia mais

SEMINÁRIO PORTUGAL BRASIL BRASIL PORTUGAL BRASIL PORTUGAL PORTUGAL BRASIL SEMINÁRIO

SEMINÁRIO PORTUGAL BRASIL BRASIL PORTUGAL BRASIL PORTUGAL PORTUGAL BRASIL SEMINÁRIO SEMINÁRIO PORTUGAL BRASIL BRASIL PORTUGAL BRASIL PORTUGAL PORTUGAL BRASIL SEMINÁRIO TEMA PLANEJAMENTO Guimarães, Portugal Fevereiro de 2012 PLANEJAMENTO DA EXPANSÃO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO Foco na

Leia mais

Agenda Setorial Luiz Eduardo Barata Ferreira Diretor-geral

Agenda Setorial Luiz Eduardo Barata Ferreira Diretor-geral Agenda Setorial 2019 Luiz Eduardo Barata Ferreira Diretor-geral Rio de Janeiro, 1 de abril de 2019 Matriz elétrica Matriz elétrica em transformação Horizonte 2018-2023 Tipo 31/12/2018* 31/12/2023 Crescimento

Leia mais

Paulo Cesar Vaz Esmeraldo EPE - STE

Paulo Cesar Vaz Esmeraldo EPE - STE Paulo Cesar Vaz Esmeraldo EPE - STE paulo.esmeraldo@epe.gov.br Projeção do Mercado Plano de Geração Estudos de Transmissão Grupos de Estudos de Transmissão Regionais (GETs) Estudos Internos (EPE) Estudos

Leia mais

SINDICATO DOS ENGENHEIROS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL (SENGE / RS) FEDERAÇÃO NACIONAL DOS ENGENHEIROS - FNE

SINDICATO DOS ENGENHEIROS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL (SENGE / RS) FEDERAÇÃO NACIONAL DOS ENGENHEIROS - FNE SINDICATO DOS ENGENHEIROS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL (SENGE / RS) FEDERAÇÃO NACIONAL DOS ENGENHEIROS - FNE SEMINÁRIO CRISE ENERGÉTICA E DESENVOLVIMENTO Políticas do Ministério de para o Setor Energético

Leia mais

A BIOELETRICIDADE SUCROENERGÉTICA

A BIOELETRICIDADE SUCROENERGÉTICA A BIOELETRICIDADE SUCROENERGÉTICA Zilmar Souza Mesa Redonda: Energia Poços de Caldas - MG 21 de maio de 2015 BIOELETRICIDADE: CAPACIDADE INSTALADA EM 2015 3 o 7% 18% 62% Fonte de Combustíveis Utilizados

Leia mais

PLANEJAMENTO DA EXPANSÃO DE REDES ELÉTRICAS COM ALTO GRAU DE PENETRAÇÃO DE ENERGIA EÓLICA

PLANEJAMENTO DA EXPANSÃO DE REDES ELÉTRICAS COM ALTO GRAU DE PENETRAÇÃO DE ENERGIA EÓLICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPL - 21 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO VII GRUPO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL PLANEJAMENTO DA EXPANSÃO

Leia mais

PMO de Fevereiro Semana Operativa de 27/01/2018 a 02/02/2018

PMO de Fevereiro Semana Operativa de 27/01/2018 a 02/02/2018 PMO de Fevereiro Semana Operativa de 27/01/18 a 02/02/18 1. APRESENTAÇÃO Na semana de a 26/01/18 as bacias dos rios Jacuí, Uruguai e Iguaçu e o trecho incremental à UHE Itaipu apresentaram chuva fraca

Leia mais

Planejamento da Matriz Elétrica Brasileira e a Importância das Questões Ambientais

Planejamento da Matriz Elétrica Brasileira e a Importância das Questões Ambientais III Seminário "Estratégias para Conservação de Peixes em Minas Gerais 5 anos do Programa Peixe Vivo Planejamento da Matriz Elétrica Brasileira e a Importância das Questões Ambientais Prof. Nivalde J. de

Leia mais

Fontes renováveis e smart grid

Fontes renováveis e smart grid Fontes renováveis e smart grid 2º Seminário sobre a Inserção de novas fontes renováveis no Planejamento Energético Nacional Mario Daher Gerente Executivo - ONS COPPE-UFRJ Rio de Janeiro, 30/04/2014 1 As

Leia mais

Perspectivas do Setor de Energia Elétrica

Perspectivas do Setor de Energia Elétrica Perspectivas do Setor de Energia Elétrica Palestra Apimec RJ 19/set/2011 Leonardo Lima Gomes Agenda 1. Visão Geral do Setor 2. Mercado de Energia Elétrica 3. Perspectivas Desenvolvimento Mercado 4. Perspectivas

Leia mais

PMO de Novembro Semana Operativa de 28/10/2017 a 03/11/2017

PMO de Novembro Semana Operativa de 28/10/2017 a 03/11/2017 1. APRESENTAÇÃO Na primeira quinzena de outubro ocorreu chuva fraca a moderada nas bacias dos subsistemas Sul e Sudeste/Centro-Oeste. Na quarta semana do mês ocorreram totais elevados de precipitação nas

Leia mais

V JORNADAS INTERNACIONALES DE ENERGÍA EÓLICA. Energia Eólica. Brasil x Uruguai

V JORNADAS INTERNACIONALES DE ENERGÍA EÓLICA. Energia Eólica. Brasil x Uruguai V JORNADAS INTERNACIONALES DE ENERGÍA EÓLICA Energia Eólica Brasil x Uruguai Elbia Melo Maio / 2014 Fonte Eólica no Mundo Ranking Mundial 1 China 91,42 2 EUA 61,09 3 Alemanha 34,25 4 Espanha 22,96 5 Índia

Leia mais

Os Investimentos Brasileiros no Setor de Energia

Os Investimentos Brasileiros no Setor de Energia Os Investimentos Brasileiros no Setor de Energia Mauricio Tolmasquim Presidente da Empresa de Pesquisa Energética Geração de Energia Elétrica Contratação por meio de Leilões Modalidades Leilões de Energia

Leia mais

Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil

Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil Fontes Renováveis na Matriz Energética Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor Rio de Janeiro, RJ 29 Abril 2014 Seminário Inserção

Leia mais

A Previsão de Geração Solar Fotovoltaica

A Previsão de Geração Solar Fotovoltaica A Previsão de Geração Solar Fotovoltaica Contextualização Primeiro Workshop de Geração Solar Fotovoltaica ONS Rio de janeiro 11 de junho de 2018 Mario Daher 1 A Nossa Matriz de Energia Elétrica Hoje Potencial

Leia mais

Sinval Zaidan Gama Superintendente de Operações no Exterior

Sinval Zaidan Gama Superintendente de Operações no Exterior Eletrobrás Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Integração Energética na América Latina Sinval Zaidan Gama Superintendente de Operações no Exterior Fevereiro de 2010 O Sistema Eletrobrás O Sistema Eletrobrás

Leia mais

Brasília, 13 de julho de 2006

Brasília, 13 de julho de 2006 Plano Nacional de Energia 2030 Petróleo e Derivados Brasília, 13 de julho de 2006 Plano Nacional de Energia 2030 Petróleo e Derivados Roteiro Observações Iniciais Petróleo e Derivados no Mundo Aspectos

Leia mais

PMO de Outubro Semana Operativa de 29/09/2018 a 05/10/2018

PMO de Outubro Semana Operativa de 29/09/2018 a 05/10/2018 PMO de Outubro Semana Operativa de 29/09/18 a 05/10/18 1. APRESENTAÇÃO Na primeira quinzena do mês de setembro ocorreu precipitação nas bacias dos rios Jacuí e Uruguai, no trecho incremental a UHE Itaipu

Leia mais

Regulação e Desenvolvimento

Regulação e Desenvolvimento AMCHAM Regulação e Desenvolvimento Jerson Kelman Diretor-Geral São Paulo 8 de outubro / 2007 SPG MATRIZ DE ENERGIA ELÉTRICA Mundo: 2003 Hidráulica 16,3% Outras Renováveis 1,1% Carvão 39,9% Brasil: 2005

Leia mais

VI SIMPÓSIO BRASILEIRO sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétricas

VI SIMPÓSIO BRASILEIRO sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétricas VI SIMPÓSIO BRASILEIRO sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétricas Mesa Redonda: O Papel das PCH e Fontes Alternativas de Energia na Matriz Energética Brasileira Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos

Leia mais

14º Encontro Internacional de Energia. Operação do SIN frente à Mudança na Matriz Elétrica. Hermes Chipp Diretor Geral

14º Encontro Internacional de Energia. Operação do SIN frente à Mudança na Matriz Elétrica. Hermes Chipp Diretor Geral 14º Encontro Internacional de Energia Operação do SIN frente à Mudança na Matriz Elétrica Hermes Chipp Diretor Geral São Paulo, 6 de Agosto de 2013 1 Sumário 1. Atendimento 2012 2. Atendimento 2013 e Análise

Leia mais

2 Sistema Elétrico Brasileiro

2 Sistema Elétrico Brasileiro 2 Sistema Elétrico Brasileiro O setor elétrico brasileiro passou por diversas mudanças nos últimos anos. Tais mudanças foram necessárias para viabilizar a expansão da capacidade de geração e acompanhar

Leia mais

PMO de Agosto Semana Operativa 18/08/2018 a 24/08/2018

PMO de Agosto Semana Operativa 18/08/2018 a 24/08/2018 PMO de Agosto Semana Operativa 18/08/18 a 24/08/18 1. APRESENTAÇÃO Na semana de 11/08 a 17/08/18 ocorreu chuvisco em pontos isolados das bacias dos rios São Francisco, Paranaíba e Tocantins. Na semana

Leia mais

Integração e Segurança Energética na América Latina. Novas tecnologias e seu impacto sobre a integração elétrica

Integração e Segurança Energética na América Latina. Novas tecnologias e seu impacto sobre a integração elétrica SEMINÁRIO INTERNACIONAL Integração e Segurança Energética na América Latina PAINEL 6 Novas tecnologias e seu impacto sobre a integração elétrica Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia Elétrica

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Hidrelétricas sem Reservatórios Seremos cobrados pelas gerações futuras?

Ministério de Minas e Energia Hidrelétricas sem Reservatórios Seremos cobrados pelas gerações futuras? Ministério de Minas e Energia Hidrelétricas sem Reservatórios Seremos cobrados pelas gerações futuras? José Carlos de Miranda Farias Diretor de Estudos de Energia Elétrica - EPE Brasília, 05 de agosto

Leia mais

Perspectivas Energéticas, Econômicas e Ambientais

Perspectivas Energéticas, Econômicas e Ambientais 4º CONGRESSO INTERNACIONAL DE BIOENERGIA CONGRESSO BRASILEIRO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E ENERGIAS RENOVÁVEIS Geração Distribuída de Energia Elétrica Perspectivas Energéticas, Econômicas e Ambientais NELSON

Leia mais

Impactos dos Recursos Energéticos Distribuídos. Francisco José Arteiro de Oliveira Diretoria de Planejamento e Programação da Operação

Impactos dos Recursos Energéticos Distribuídos. Francisco José Arteiro de Oliveira Diretoria de Planejamento e Programação da Operação Impactos dos Recursos Energéticos Distribuídos Francisco José Arteiro de Oliveira Diretoria de Planejamento e Programação da Operação 1 Rio de Janeiro, 20 de maio de 2016 Condições Hidroenergéticas SE/CO

Leia mais

PLANEJAMENTO ENERGÉTICO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO ENERGÉTICO BRASILEIRO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO BRASILEIRO 04 de Julho de 2013 Sede da Fundação Getulio Vargas Rio de Janeiro Empresa de Pesquisa Energética Uma Empresa do Ministério de Minas e Energia Mauricio T. Tolmasquim

Leia mais

1º Encontro de Fornecedores da Eletrosul. Novembro/2010 Diretoria de Gestão Administrativa e Financeira - DG

1º Encontro de Fornecedores da Eletrosul. Novembro/2010 Diretoria de Gestão Administrativa e Financeira - DG 1º Encontro de Fornecedores da Eletrosul Novembro/2010 Diretoria de Gestão Administrativa e Financeira - DG Eletronorte Ceron Eletroacre Amazonas Energia Distribuição Roraima Chesf Cepisa Ceal Sistema

Leia mais

Visão Geral do Setor

Visão Geral do Setor 1T13 Visão Geral do Setor 10 maiores geradores de energia elétrica (TWh) Total China EUA Japão Rússia Índia Alemanha Canadá França Coréia Sul Brasil 1.104,0 1.051,6 1.006,2 614,5 607,6 564,3 520,1 501,3

Leia mais

PERSPECTIVAS DO SETOR ELÉTRICO 2018 A 2022

PERSPECTIVAS DO SETOR ELÉTRICO 2018 A 2022 PERSPECTIVAS DO SETOR ELÉTRICO 2018 A 2022 Palestra Especial: ENASE 2018 Rio de Janeiro/RJ 23 mai. 2018 Reive Barros Presidente AGENDA Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE) Cenário Macroeconômico

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL MAI.2014

INFORMATIVO MENSAL MAI.2014 JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ INFORMATIVO MENSAL.214 Preço de Liquidação das Diferenças 9, PLD Médio /214 8 PLD Médio Anual - Seco x Úmido 8, 7, 6, 5, 4, PLD TETO 822,83 7 6 5

Leia mais

Plano Nacional de Energia 2030

Plano Nacional de Energia 2030 Plano Nacional de Energia 2030 Gás Natural Brasília, 13 de julho de 2006 Plano Nacional de Energia 2030 Gás Natural Roteiro Observações Iniciais Gás Natural no Mundo Gás Natural no Brasil Expansão da Geração

Leia mais

Capítulo 12. Precipitações nas capitais

Capítulo 12. Precipitações nas capitais Capítulo 12 Precipitações nas capitais 12-1 Capítulo 12- Precipitações nas capitais 12.1 Introdução Vamos mostrar as precipitações médias mensais das capitais no Brasil no período de 1961 a 1990 fornecidas

Leia mais

Setor Elétrico Brasileiro Presente e Futuro

Setor Elétrico Brasileiro Presente e Futuro MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Setor Elétrico Brasileiro Presente e Futuro Eng. Civil Cristiano Augusto Trein, Ph.D. Ministério de Minas e Energia cristiano.trein@mme.gov.br Julho 2016 Setor Elétrico Brasileiro

Leia mais

III Seminário sobre a Matriz e Segurança Energética FGV / IBRE / CERI

III Seminário sobre a Matriz e Segurança Energética FGV / IBRE / CERI III Seminário sobre a Matriz e Segurança Energética FGV / IBRE / CERI Painel I O cenário político: Posição do Governo e Planejamento Energético Desafios e Cenários da Operação do SIN Hermes Chipp Diretor

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro Semana Operativa de 07/01 a 13/01/2017 1. APRESENTAÇÃO No início da semana de 31/12/2016 a 06/01/2017 ocorreu chuva fraca nas bacias dos

Leia mais

Brasil: Matriz Energética do Futuro

Brasil: Matriz Energética do Futuro Brasil: Matriz Energética do Futuro Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia Elétrica Empresa de Pesquisa Energética - EPE Brasília, DF 22 de novembro de 2016 Brasil: Matriz Energética do Futuro

Leia mais

As Perspectivas do Setor Elétrico Brasileiro

As Perspectivas do Setor Elétrico Brasileiro XXVII ENCOSEL Novembro de 2011 As Perspectivas do Setor Elétrico Brasileiro Nivalde J. de Castro Professor da UFRJ e coordenador do GESEL Perspectivas Mundiais Sumário Perspectivas do SEB: Potencial elétrico:

Leia mais

Programas de Investimentos nas Áreas de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica das Empresas do Grupo ELETROBRÁS

Programas de Investimentos nas Áreas de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica das Empresas do Grupo ELETROBRÁS ABINEE TEC SUL - 2006 Programas de Investimentos nas Áreas de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica das Empresas do Grupo ELETROBRÁS Porto Alegre, Mar / 2006 2 Empresas de Geração e Transmissão

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Em 2014, de acordo com a International Renewable Energy Agency (IRENA), a fonte biomassa apresentou 80.227

Leia mais

4º CURSO SOBRE O SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO PARA A MAGISTRATURA

4º CURSO SOBRE O SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO PARA A MAGISTRATURA 4º CURSO SOBRE O SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO PARA A MAGISTRATURA PERSPECTIVAS DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO A ENERGIA ELÉTRICA NO MUNDO E NO BRASIL AS OPÇÕES DE EXPANSÃO DO SISTEMA ELÉTRICO NACIONAL Altino

Leia mais

A Importância das Fontes Alternativas e Renováveis na Evolução da Matriz Elétrica Brasileira

A Importância das Fontes Alternativas e Renováveis na Evolução da Matriz Elétrica Brasileira A Importância das Fontes Alternativas e Renováveis na Evolução da Matriz Elétrica Brasileira V Seminário de Geração e Desenvolvimento Sustentável Fundación MAPFRE Prof. Nivalde José de Castro Prof. Sidnei

Leia mais

X EDIÇÃO DA CONFERÊNCIA PCH Mercado & Meio Ambiente

X EDIÇÃO DA CONFERÊNCIA PCH Mercado & Meio Ambiente MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA X EDIÇÃO DA CONFERÊNCIA PCH Mercado & Meio Ambiente Moacir Carlos Bertol Secretario de Planejamento e Desenvolvimento Energético Adjunto São Paulo - Setembro de 2016 2 Estrutura

Leia mais

Garantia do Atendimento do SIN Visões de Curto ( ) e Médio Prazos ( )

Garantia do Atendimento do SIN Visões de Curto ( ) e Médio Prazos ( ) Garantia do Atendimento do SIN Visões de Curto (2015-2016) e Médio Prazos (2017-2019) Hermes Chipp Diretor Geral FGV 1 Rio de Janeiro, 17/08/2015 Condições Hidroenergéticas de 2010 a 2015 2010 2011 2012

Leia mais

PMO de Novembro Semana Operativa de 18/11/2017 a 24/11/2017

PMO de Novembro Semana Operativa de 18/11/2017 a 24/11/2017 1. APRESENTAÇÃO Para o início da semana de 18 a 24/11/2017 há previsão de precipitação nas bacias hidrográficas dos subsistemas Sul e Sudeste/Centro-Oeste e no alto São Francisco. A bacia do rio Tocantins

Leia mais

Perspectivas do Mercado de Energia

Perspectivas do Mercado de Energia Perspectivas do Mercado de Energia Por Dentro da Tractebel Florianópolis, 1º de agosto de 2013 Manoel Zaroni Torres - CEO Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados 1 Expansão da Matriz

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL São Paulo, 03 de junho de 2008 Sistema Elétrico Brasileiro e o Sistema ELETROBRÁS Linhas de Transmissão SIN Capacidade

Leia mais

Expansão do Sistema Elétrico Brasileiro

Expansão do Sistema Elétrico Brasileiro Expansão do Sistema Elétrico Brasileiro Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais Empresa de Pesquisa Energética - EPE São Paulo, SP 13 de Março de 2015 Expansão do Sistema

Leia mais

Oportunidades na perspectiva da Expansão de ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026

Oportunidades na perspectiva da Expansão de ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Oportunidades na perspectiva da Expansão de ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026 Low Carbon Business Action Brazil Ubiratan Francisco Castellano Secretaria de Planejamento e

Leia mais

IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SISTEMAS ELÉTRICOS SBSE 2012

IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SISTEMAS ELÉTRICOS SBSE 2012 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SISTEMAS ELÉTRICOS SBSE 2012 PLANEJAMENTO DE LONGO PRAZO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO Políticas do MME e a Matriz Energética Nacional Altino Ventura

Leia mais

A Energia na Cidade do Futuro 3º Workshop Perspectivas da Matriz Elétrica de Fontes Térmicas no Mundo e Brasil

A Energia na Cidade do Futuro 3º Workshop Perspectivas da Matriz Elétrica de Fontes Térmicas no Mundo e Brasil A Energia na Cidade do Futuro 3º Workshop Perspectivas da Matriz Elétrica de Fontes Térmicas no Mundo e Brasil Perspectivas e importância da geração termelétrica na matriz brasileira Hermes Chipp Diretor

Leia mais

Plano de Investimentos e Cronograma de Obras das Empresas Controladas do Grupo Eletrobrás Grupo Eletrobrás

Plano de Investimentos e Cronograma de Obras das Empresas Controladas do Grupo Eletrobrás Grupo Eletrobrás Plano de Investimentos e Cronograma de Obras das Empresas Controladas do Grupo Eletrobrás 1 Grupo Eletrobrás FURNAS CHESF ELETRONORTE ELETROSUL ELETRONUCLEAR CGTEE LIGHTPAR ITAIPU 2 A competência e qualidade

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL DEZ.2013

INFORMATIVO MENSAL DEZ.2013 JAN JAN JAN Preço de Liquidação das Diferenças 35, PLD Médio /213 6 PLD Médio Anual - Seco x Úmido 3, 25, 2, 15, 1, 5 4 3 2 5,, MÉDIA SEMANA 1 3/ a 6/ NORTE SEMANA 2 7/ a 13/ SEMANA 3 14/ a 2/ SEMANA 4

Leia mais

Gestão da Comercialização na CEMIG. Bernardo Afonso Salomão de Alvarenga Diretor Comercial

Gestão da Comercialização na CEMIG. Bernardo Afonso Salomão de Alvarenga Diretor Comercial Gestão da Comercialização na CEMIG Bernardo Afonso Salomão de Alvarenga Diretor Comercial Situação atual da CEMIG no mercado de energia elétrica Recursos Próprios: Cemig GT Sá Carvalho Rosal Horizontes

Leia mais

POLÍTICA ENERGÉTICA PLANO NACIONAL DE EXPANSÃO DE ENERGIA

POLÍTICA ENERGÉTICA PLANO NACIONAL DE EXPANSÃO DE ENERGIA MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA POLÍTICA ENERGÉTICA PLANO NACIONAL DE EXPANSÃO DE ENERGIA Seminário do Setor Elétrico Painel 3: Novos Rumos do Setor Elétrico: Expansão da Geração, Desafios e Oportunidades

Leia mais