6 Avaliação da Penetração da Microturbina no Mercado da LIGHT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "6 Avaliação da Penetração da Microturbina no Mercado da LIGHT"

Transcrição

1 6 Avaliação da Penetração da Microturbina no Mercado da LIGHT O presente capítulo tem como objetivo determinar o mercado potencial de energia elétrica deslocado da concessionária pública de distribuição de energia elétrica LIGHT no Estado do Rio de Janeiro devido à utilização pelos seus consumidores da microturbina na autoprodução de energia elétrica. O impacto imediato destes resultados é o planejamento da concessionária em relação à perda de receita e em relação à sua capacidade contratada de energia para o fornecimento de energia elétrica aos clientes, além de dados para negociação junto aos potenciais clientes de tarifas diferenciadas às vigentes na busca de evitar a redução de sua carga. Adicionalmente será comparado o impacto da adoção da microturbina com o impacto da adoção de gerador a gás natural e do gerador a diesel. 6.1 Introdução Um banco de dados existentes de clientes da concessionária, com 7980 clientes, referente ao mês de janeiro de 2003, dos subgrupos tarifários A2, A3a, A4 e AS, foi usado para identificar a demanda contratada de cada um. Consta deste banco para cada cliente o consumo de energia nos horários de ponta e fora de ponta, para as tarifas horo-sazonal Azul (T.H.S. Azul) e horo-sazonal Verde (T.H.S. Verde), e, durante o dia inteiro, para a tarifa Convencional. Mais ainda, o banco de dados classifica os clientes segundo as classes de consumo (a) Comercial, (b) Residencial, (c) Industrial, (d) Poder Público, (e) Serviço Público, (f) Revenda, (g) Consumo Próprio, e, (h) Rural. Foram utilizadas para calcular o custo médio da energia consumida por horário do dia, as tarifas vigentes em 2007, publicadas pela resolução homologatória ANEEL nº 391 [50], para demanda e consumo, conforme tabelas 51, 52 e 53.

2 183 Tabela 51 - convencional da concessionária CONVENCIONAL A3a A4 AS Demanda (R$/kW) 29,23 29,23 29,23 Consumo (R$/MWh) 180,50 181,10 188,76 Tabela 52 - horo-sazonal azul da concessionária THS AZUL A3a A4 AS Demanda em ponta (R$/kW) 35,80 40,16 44,41 19,48 Demanda fora de ponta (R$/kW) 9,97 11,39 17,00 3,19 Consumo em ponta seca (R$/MWh) 254,16 254,84 265,15 245,74 Consumo em ponta úmida (R$/MWh) 230,54 231,15 240,57 222,81 Consumo fora de ponta seca (R$/MWh) 156,83 157,15 163,39 155,27 Consumo fora de ponta úmida (R$/MWh) 142,90 143,19 148,80 141,77 A2 Tabela 53 - horo-sazonal verde da concessionária. THS VERDE A3a A4 Demanda (R$/kW) 9,97 11,39 17,00 Consumo em ponta seca (R$/MWh) 880,06 950, ,16 Consumo em ponta úmida (R$/MWh) 856,44 926,53 975,48 Consumo fora de ponta seca (R$/MWh) 156,83 157,15 163,39 Consumo fora de ponta úmida (R$/MWh) 142,90 143,19 148,80 AS A demanda de ultrapassagem não foi considerada neste estudo, devido à inexistência do valor de ultrapassagem no referido banco de dados. Assim, a demanda contratada foi utilizada como demanda faturável (registrada), e, portanto, usada para o cálculo do custo médio da energia. Os custos de investimentos nas microturbinas são os efetivamente realizados no projeto de aquisição e instalação da microturbina na PUC-Rio. Os consumos adotados são os obtidos nos testes realizados com carga máxima. Assim, o custo da energia elétrica gerada pode ser calculado.

3 Definições e fundamentos teóricos Estrutura tarifária é o conjunto de tarifas aplicáveis às componentes de consumo de energia elétrica e/ou demanda de potência ativas de acordo com a modalidade de fornecimento [45]. A tarifa Convencional pode ser aplicada para fornecimento de tensão inferior a 69kV e demanda menor que 300kW. Esta estrutura é caracterizada pela aplicação de tarifas de consumo de energia elétrica (kwh) e de demanda de potência (W) independentemente das horas de utilização do dia e dos períodos do ano. Esta tarifa é atrativa para clientes que tenham dificuldade em controlar seu consumo e/ou demanda no horário de ponta. As tarifas horo-sazonais são caracterizadas pela aplicação de tarifas diferenciadas de consumo de energia elétrica e de demanda de potência de acordo com as horas de utilização do dia e dos períodos do ano. Elas podem ser de dois tipos a tarifa Verde e a tarifa Azul. A tarifa Verde é composta com quatro valores diferenciados de acordo com o horário do dia (na ponta e fora de ponta) e a época do ano (período seco e período úmido), além de um valor fixo (função da tensão de fornecimento) para qualquer nível de demanda de potência contratada. O valor da tarifa de consumo na ponta é significativamente maior que o valor fora da ponta, o que faz com que este modelo seja atrativo quando é controlado o consumo no horário de ponta. Esta tarifa é opcional para fornecimento de tensão inferior a 69kV. A tarifa azul é uma tarifa composta que se baseia no nível de consumo de energia e no nível da demanda de potência. Assim, em relação ao consumo, ela apresenta tarifas diferenciadas de acordo com o horário do dia (na ponta e fora de ponta) e a época do ano (período seco e período úmido); e em relação a demanda, apresenta tarifas baseadas apenas no horário do dia (ponta e fora de ponta). Resumindo, a tarifa Azul exige a definição de uma demanda de contrato no horário de ponta. A tarifa Azul é compulsória para fornecimento de energia em tensão de fornecimento igual ou maior que 69kV. Opcionalmente pode ser aplicada para fornecimento de tensão inferior a 69kV. O horário de ponta é o período definido pela concessionária e composto de 3 (três) horas diárias consecutivas, exceção feita aos sábados, domingos e feriados

4 185 nacionais, considerando as características do seu sistema elétrico [45]. No caso especifico da LIGHT, corresponde ao período entre às 17:30 e 20:30hs, e é o período do dia de maior utilização de energia elétrica no sistema da LIGHT. O período úmido é o período de 5 (cinco) meses consecutivos, compreendendo os fornecimentos abrangidos pelas leituras de dezembro de um ano a abril do ano seguinte [45]. O período seco é composto de 7 (sete) meses consecutivos, compreendendo os fornecimentos abrangidos pelas leituras de maio a novembro [45]. A Demanda é a média das potências elétricas ativas ou reativas, solicitadas ao sistema elétrico pela parcela da carga instalada em operação na unidade consumidora, durante um intervalo de tempo especificado [45]. A Demanda contratada é a demanda de potência ativa a ser obrigatoriamente disponibilizada pela concessionária, no ponto de entrega, conforme valor e período de vigência fixados no período de fornecimento e que deverá ser integralmente paga, seja ou não utilizada durante o período de faturamento, expressa em quilowatts (kw) [45]. A Demanda de ultrapassagem é a parcela da demanda medida que excede o valor da demanda contratada, expressa em quilowatts (kw) [45]. Conforme já mencionado, a demanda de ultrapassagem não foi considerada neste estudo. A Demanda faturável é o valor da demanda de potência ativa, identificada de acordo com os critérios estabelecidos e considerada para fins de faturamento, com aplicação da respectiva tarifa, expressa em quilowatts (kw) [45]. O Grupo tarifário A é composto de unidades consumidoras com fornecimento em tensão igual ou superior a 2,3kV, ou ainda, atendidas em tensão inferior a 2,3kV a partir de sistema subterrâneo de distribuição, caracterizado pela estrutura tarifária binômia e subdividido nos seguintes subgrupos [45]: Subgrupo A1 - tensão de fornecimento igual ou superior a 230 kv; Subgrupo A2 - tensão de fornecimento de 88 kv a 138 kv; Subgrupo A3 tensão de fornecimento de 69 kv; Subgrupo A3a tensão de fornecimento de 30 kv a 44 kv; Subgrupo A4 tensão de fornecimento de 2,3 a 25 kv; Subgrupo AS tensão de fornecimento inferior a 2,3 kv, atendidas a partir de sistema subterrâneo de distribuição e faturadas neste grupo em caráter opcional.

5 Clientes potenciais para autoprodução de energia O banco de dados disponível pela concessionária e usado neste estudo, contem informações sobre o consumo de energia dos clientes da LIGHT para o mês de janeiro de As Tabelas 54, 55 e 56 apresentam sua composição por tatifa, sugrupo tarifário e classe de consumo. Tabela 54 - Número de clientes por grupo tarifário e tarifa. Grupo Tarifário A2 A3a A4 AS Total Convencional Azul Verde Total Tabela 55 - Número de clientes por grupo tarifário e classe. Classe Grupo Tarifário A2 A3a A4 AS Total Comercial Residencial Industrial Poder Público Serviço Público Revenda Cons. Prop Rural Total Tabela 56 - Número de clientes por tarifa e classe. Classe Convenc. Azul Verde Total Comercial Residencial Industrial Poder Público Serviço público Revenda Cons. Prop Rural Total

6 6.4 Custo atual do fornecimento de energia elétrica pela concessionária 187 O custo atual do fornecimento da energia elétrica pela concessionária pode ser calculado, somando-se o custo da demanda (D), em kw, com o do consumo (C), em kwh/mês, cujos valores estão indicados no banco de dados, para cada tarifa, subgrupo tarifário e horário. As tarifas utilizadas referem-se ao ano de 2007, sendo atualizadas anualmente pela ANEEL, respectivamente para demanda (TD), em R$ / kw, e para consumo (TC), em R$ / kwh. Assim, o custo mensal do fornecimento de energia elétrica (Pe) pode ser calculado como: Pe = D. TD + C. TC (67) Devido à inexistência de informações no banco de dados sobre o valor da demanda faturada, o que inclui a demanda de ultrapassagem, considerou-se, para efeito do custo da energia fornecida, o valor da demanda contratada. O custo da energia elétrica fornecida pela concessionária (Ee), em R$ / kwh, para cada horário, pode ser calculada como: Ee = Pe / C (68) 6.5 Custo do investimento na microturbina e no geradores para autoprodução de energia elétrica O investimento na microturbina para autoprodução de energia elétrica adotado foi de, 1, US$/kW. O investimento no gerador a gás natural adotado foi de 1, US$/kW. O investimento no gerador a diesel adotado foi de US$/kW. A taxa de câmbio considerada foi de US$ 1,00 = R$ 2,10.

7 6.6 Custo de operação e manutenção da microturbina e dos geradores 188 O valor para o custo específico de operação e manutenção adotado (CE), para microturbina e para o gerador a gás natural, foi de R$ 0,045 / kwh (US$ 0,015 / kwh), e para o gerador diesel foi de R$ 0,06 / kwh (US$ 0,02 / kwh). Assim, com o consumo (C), conhecido, o custo de operação e manutenção (M) pode ser calculado, em R$ / mês, como: M = CE. C (69) 6.7 Custo do combustível para operação da microturbina e dos geradores Para o cálculo do custo de combustível para operação da microturbina, foi utilizado um valor médio para o consumo específico de combustivel (CEC) os valores de 0,440 Nm³ / kwh (informado pelo fabricante) e de 0,636 Nm³ / kwh, que corresponde aos valores medidos (vazão média de 14,82 Nm³/h e potência média de 23,3 kw, conforme Tabela 23). Para o cálculo do custo de combustível para operação do gerador, foi utilizado um valor médio para o consumo específico de combustível (CEC) de 0,259 l / kwh para o gerador a diesel, e 0,300 Nm3 / kwh para o gerador a gás. A tarifa média de mercado utilizada (TF) para o diesel foi de R$ 1,70 / l. Para o gás natural fornecido pela CEG, utilizou-se uma tarifa em cascata, conforme Tabela 57, que depende da faixa de consumo. Tabela 57 - de GN por faixa de consumo em Faixa de consumo Custos (R$/ m³) (Nm³) , , , , , , , , ,5526

8 Tempo de retorno do investimento e Payback A análise da viabilidade econômico-financeira de projetos de autoprodução é efetuada mais freqüentemente pelo método do valor presente líquido (VPL). Quando o investimento é realizado somente com capital próprio, o VPL é calculado descontando-se os fluxos de caixa esperados. Para isso, deve-se comparar os riscos e a taxa de retorno obtida em alternativa ao investimento na autoprodução. Essa taxa é denominada taxa de desconto, taxa mínima de atratividade, custo de oportunidade de capital próprio ou custo de capital próprio. Resumindo, é o retorno mínimo que o investidor espera ou exige obter com o investimento na autoprodução [51]. A taxa interna de retorno (TIR), torna o valor presente líquido (VPL), nulo. Em outras palavras podemos dizer que a taxa interna de retorno, faz com que o valor presente dos desembolsos se iguale ao valor presente dos recebimentos. Assim, se tomarmos uma taxa de referência por um período de tempo, a TIR aparece como referência a ser utilizada para definir ou não a aceitação de um investimento. O período de Payback é o intervalo de tempo necessário para que as entradas líquidas de caixa de um investimento, descontadas a valor presente, se igualem ao investimento inicial. Para um horizonte de n = 15 anos, a taxa interna de retorno do investimento (TIR), em % a.a., pode ser calculada, resolvendo-se a seguinte equação não linear: R = n ( 1+ TIR /100) 1 ( TIR /100)(. 1+ TIR /100) n (70) A Tabela 58 apresenta a relação entre o tempo de retorno do investimento (payback) e a taxa interna de retorno (TIR), para um horizonte de 15 anos, de acordo com a Eq. (70).

9 190 Tabela 58 - Relação entre Payback e TIR. Payback TIR anos % a.a ,0 2 49,9 3 32,9 4 24,0 5 18,4 5,847 15,0 6 14,5 7 11,5 8 9,1 9 7,2 10 5,6 6.9 Número de clientes com Payback igual ou inferior a 5,8 anos Nas tabelas 59 e 61 é apresentado o tempo de retorno em anos na autoprodução de energia elétrica, que seja igual ou inferior a um valor de referência, especificado na primeira coluna das mesmas. Os cálculos foram feitos considerando, respectivamente, consumos específicos de 0,636 e 0,404 N m³/kwh. Tabela 59 - Número de clientes por tarifa e horário com Payback em anos para a microturbina, considerando um consumo específico de 0,636 N m³/kwh. Microturbina com consumo específico de 0,636 Nm³/kWh Payback Fora de Ponta Ponta Convenc. anos Verde Azul Verde Azul ,

10 191 Tabela 60 - Número de clientes, com TIR maior ou igual a 15%, por grupo tarifário e tarifa, considerando a microturbina com o consumo específico de 0,636 N m³/kwh. Microturbina com consuno de 0,636 N m³/kwh Grupo tarifário A2 A3a A4 As Total Convencional Ponta Verde Ponta Azul Total Tabela 61 - Número de clientes por tarifa e horário com Payback em anos, considerando a microturbina com o consumo específico de 0,440 N m³/kwh. Microturbina com consumo específico de 0,440 Nm³/kWh Payback Fora de Ponta Ponta Convenc. anos Verde Azul Verde Azul , Tabela 62 - Número de clientes, com TIR maior ou igual a 15%, por grupo tarifário e tarifa, considerando a microturbina com o consumo específico de 0,440 N m³/kwh. Microturbina com consuno de 0,440 N m³/kwh Grupo tarifário A2 A3a A4 As Total Convencional Ponta Verde Ponta Azul Total

11 192 Tabela 63 - Número de clientes por tarifa e horário com Payback em anos, para o gerador diesel. Gerador diesel Payback Fora de Ponta Ponta Convenc. anos Verde Azul Verde Azul , Tabela 64 - Número de clientes, com TIR maior ou igual a 15%, por grupo tarifário e tarifa para o gerador diesel. Gerador diesel Grupo tarifário A2 A3a A4 As Total Convencional Ponta Verde Ponta Azul Total Tabela 65 - Número de clientes por tarifa e horário com Payback em anos, para o gerador a gás natural. Gerador GN Payback Fora de Ponta Ponta Convenc. anos Verde Azul Verde Azul ,

12 193 Tabela 66 - Número de clientes, com TIR maior ou igual a 15%, por grupo tarifário e tarifa para o gerador a gás natural. Gerador GN Grupo tarifário A2 A3a A4 As Total Convencional Ponta Verde Ponta Azul Total Estimativa do mercado deslocado da Light Conhecendo-se o investimento nas mictroturbinas e seu custo operacional, a taxa interna de retorno do investimento (TIR) e o payback, em relação ao presente custo de fornecimento de energia elétrica pela concessionária, foram calculados [28, 45, 50, 51]. Foram assim selecionados os clientes das tarifas convencional, azul e verde da ponta, cuja TIR 15 % a.a., para um horizonte de 15 anos, o que é equivalente a um payback de 5,847 anos. Cabe ressaltar que a própria ANEEL nas Resoluções Normativas 246 e 256 [52, 53] estabelece respectivamente o custo de capital próprio nominal de 16,50 e 16,02. Assim para os cálculos da estimativa de mercado deslocado consideramos que clientes com Payback igual ou inferior a 5,847 anos (TIR 15 % a.a.), potencialmente, poderiam migrar para a autoprodução de energia elétrica com uso da microturbina. Os demais clientes, cuja à TIR é inferior a 15 % a.a., foram desconsiderados da análise por se acreditar não apresentarem atratividade suficiente para justificar o investimento na autoprodução. Computando-se a demanda e o consumo destes clientes, o mercado deslocado da LIGHT pela microturbina pode ser visto nas tabelas 63 e 64 abaixo. Tabela 67 - Mercado deslocado da LIGHT por tarifa considerando a microturbina com o consumo específico de 0,636 N m³/kwh. Microturbina com consuno de 0,636 N m³/kwh Demanda (MW) Consumo (MWh/mês) Convencional 11, ,0 Ponta Verde 363, ,0 Ponta Azul 9,0 503,0 Total 384, ,0

13 194 Tabela 68 - Mercado deslocado da LIGHT por tarifa considerando a microturbina com o consumo específico de 0,440 N m³/kwh. Microturbina com consuno de 0,440 N m³/kwh Demanda (MW) Consumo (MWh/mês) Convencional 60, ,0 Ponta Verde 384, ,0 Ponta Azul 27, ,0 Total 472, ,0 Tabela 69 - Mercado deslocado da LIGHT por tarifa para o gerador diesel. Gerador diesel Demanda (MW) Consumo (MWh/mês) Convencional 138, ,0 Ponta Verde 653, ,9 Ponta Azul 319, ,4 Total 1.111, ,3 Tabela 70 - Mercado deslocado da LIGHT por tarifa para o gerador GN. Gerador GN Demanda (MW) Consumo (MWh/mês) Convencional 279, ,9 Ponta Verde 616, ,6 Ponta Azul 93, ,1 Total 989, , Conclusões A microturbina é uma tecnologia em desenvolvimento que possibilita o suprimento de cargas pontuais. Cabe ressaltar que quando em operação, o cliente não deve se desligar da concessionária, uma vez que durante paradas oriundas de falhas no sistema de autoprodução, ou de manutenção programada, outra fonte deverá suprir a energia requerida. A avaliação do mercado potencial deslocado da concessionária LIGHT pela autoprodução, com utilização de microturbina, considerando um universo de 7980 clientes, é de:

14 ,5 MW para a demanda e ,0 MWh/mês para o consumo considerando o consumo específico de 0,636 N m³/kwh e de; 472,6 MW para a demanda e ,0 MWh/mês para o consumo considerando o consumo específico de 0,440 N m³/kwh. Considerando-se a utilização do gerador diesel para a autoprodução a avaliação do mercado potencial deslocado da concessionária LIGHT é de: 1.111,2 MW para a demanda e ,3 MWh/mês para o consumo. Considerando-se a utilização do gerador a gás natural para a autoprodução a avaliação do mercado potencial deslocado da concessionária LIGHT é de: 989,2 MW para a demanda e ,6 MWh/mês para o consumo. Analisando os dados, podemos concluir que o elevado custo da microturbina é uma barreira para sua introdução efetiva no mercado, contribui também para o fato a dificuldade para a importação do equipamento, peças e sobressalentes, além da pouca mão de obra qualificada disponível. Entretanto, a cogeração pode colaborar substancialmente para melhorar o custo benefício.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 67, DE 29 DE MARÇO DE 2000

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 67, DE 29 DE MARÇO DE 2000 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 67, DE 29 DE MARÇO DE 2000 Homologa as Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica para a Empresa Força e Luz de Urussanga Ltda. O DIRETOR-GERAL

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 734, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2008.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 734, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2008. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 734, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2008. Nota Técnica Relatório Voto Homologa o resultado provisório da segunda revisão tarifária periódica

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 832, DE 16 DE JUNHO DE 2009.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 832, DE 16 DE JUNHO DE 2009. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 832, DE 16 DE JUNHO DE 2009. Homologa o resultado definitivo da segunda revisão tarifária periódica, com a fixação das tarifas de

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N o 218, DE 18 DE ABRIL DE 2002 Homologa as tarifas de fornecimento de energia elétrica, fixa os valores da Taxa de Fiscalização dos Serviços de Energia

Leia mais

Metodologia para Negociação de Novos Contratos de Energia Elétrica e seus Impactos Operacionais

Metodologia para Negociação de Novos Contratos de Energia Elétrica e seus Impactos Operacionais Metodologia para Negociação de Novos Contratos de Energia Elétrica e seus Impactos Operacionais 11ª Semana de Tecnologia Metroviária 20 a 23 de setembro de 2005 São Paulo - Brasil CONRADO GRAVA DE SOUZA

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 689, DE 5 DE AGOSTO DE 2008.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 689, DE 5 DE AGOSTO DE 2008. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 689, DE 5 DE AGOSTO DE 2008. Homologa o resultado provisório da segunda revisão tarifária periódica e fixa as Tarifas de Uso dos

Leia mais

Desenvolvimento de projetos de geração na indústria

Desenvolvimento de projetos de geração na indústria Desenvolvimento de projetos de geração na indústria Fabio Dias Agenda Processos industriais e a geração de energia Autoprodução para a indústria Alternativas e viabilidade de projetos de geração distribuída

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 217, DE 26 DE AGOSTO DE 2004.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 217, DE 26 DE AGOSTO DE 2004. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 217, DE 26 DE AGOSTO DE 2004. Homologa as tarifas de fornecimento de energia elétrica, aplicáveis aos consumidores finais, estabelece

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 636, DE 17 DE ABRIL DE 2008.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 636, DE 17 DE ABRIL DE 2008. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 636, DE 17 DE ABRIL DE 2008. (*) Vide alterações e inclusões no final do texto Homologa o resultado provisório da segunda revisão

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.025, DE 29 DE JUNHO DE 2010.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.025, DE 29 DE JUNHO DE 2010. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.025, DE 29 DE JUNHO DE 2010. Nota Técnica nº 212/2010-SRE/ANEEL Relatório Voto Homologa as tarifas de fornecimento de energia elétrica

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 642, DE 22 DE ABRIL DE 2008.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 642, DE 22 DE ABRIL DE 2008. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 642, DE 22 DE ABRIL DE 2008. Homologa as tarifas de fornecimento de energia elétrica e as Tarifas de Uso dos Sistemas de Distribuição,

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE CIÊNCIA, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS DE SÃO PAULO Faculdade de Tecnologia PLANO DE PESQUISA

INSTITUTO FEDERAL DE CIÊNCIA, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS DE SÃO PAULO Faculdade de Tecnologia PLANO DE PESQUISA INSTITUTO FEDERAL DE CIÊNCIA, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS DE SÃO PAULO Faculdade de Tecnologia PLANO DE PESQUISA ALUNOS: Jeniffer Silva de Vito Angelo Ribeiro Biagioni Lucia Helena Pereira

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 639, DE 17 DE ABRIL DE 2008.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 639, DE 17 DE ABRIL DE 2008. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 639, DE 17 DE ABRIL DE 2008. Homologa o resultado provisório da segunda revisão tarifária periódica e fixa as Tarifas de Uso dos

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 254, DE 2 DE JULHO DE 2001

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 254, DE 2 DE JULHO DE 2001 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 254, DE 2 DE JULHO DE 2001 Homologa o reajuste das tarifas de fornecimento de energia elétrica da Eletropaulo Metropolitana Eletricidade de São

Leia mais

Sumário Executivo Ótica do Consumidor. Brasília, 16 de Dezembro de 2010

Sumário Executivo Ótica do Consumidor. Brasília, 16 de Dezembro de 2010 S U P E R I N T E N D Ê N C I A D E R E G U L A Ç Ã O E C O N Ô M I C A S U P E R I N T E N D Ê N C I A D E R E G U L A Ç Ã O D O S S E R V I Ç O S D E D I S T R I B U I Ç Ã O Sumário Executivo Ótica do

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 528, DE 6 DE AGOSTO DE 2007.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 528, DE 6 DE AGOSTO DE 2007. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 528, DE 6 DE AGOSTO DE 2007. Homologa o resultado provisório da quarta revisão tarifária periódica e fixa as Tarifas de Uso dos Sistemas

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.178, DE 5 DE JULHO DE 2011.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.178, DE 5 DE JULHO DE 2011. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.178, DE 5 DE JULHO DE 2011. Nota Técnica nº 176/2011-SRE/ANEEL Relatório e Voto Homologa as tarifas de fornecimento de energia

Leia mais

Tarifação de energia elétrica

Tarifação de energia elétrica Versão R1.. Tarifação de energia elétrica Importante: Esta publicação é mantida revisada e atualizada no site P U B L I C A Ç Ã O : Hwww.vertengenharia.com.br R I C A R D O P. T A M I E T T I C O P Y R

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº DE 2 DE AGOSTO DE 2011.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº DE 2 DE AGOSTO DE 2011. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.183 DE 2 DE AGOSTO DE 2011. Nota Técnica nº. 207/2011-SRE/ANEEL Relatório e Voto Homologa as tarifas de suprimento e de fornecimento

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 196, DE 22 DE AGOSTO DE 2005

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 196, DE 22 DE AGOSTO DE 2005 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 196, DE 22 DE AGOSTO DE 2005 Homologa o resultado definitivo da primeira revisão tarifária periódica e as tarifas de Uso dos Sistemas

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.048, DE 19 DE AGOSTO DE 2010.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.048, DE 19 DE AGOSTO DE 2010. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.048, DE 19 DE AGOSTO DE 2010. Nota Técnica nº 254/2010-SRE/ANEEL Relatório Voto Homologação das tarifas de fornecimento de energia

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA N 311, DE 6 DE ABRIL DE 2006

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA N 311, DE 6 DE ABRIL DE 2006 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA N 311, DE 6 DE ABRIL DE 2006 Homologa as tarifas de fornecimento de energia elétrica, estabelece a receita anual das instalações de

Leia mais

Capítulo 03 Levantamentos de carga instalada das instalações elétricas, divisão de circuitos de iluminação, força e divisão de cargas:

Capítulo 03 Levantamentos de carga instalada das instalações elétricas, divisão de circuitos de iluminação, força e divisão de cargas: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Capítulo 03 Levantamentos de carga instalada das instalações elétricas, divisão de circuitos de iluminação, força e divisão de cargas:

Leia mais

2. Fundamentos Teóricos

2. Fundamentos Teóricos 2. Fundamentos Teóricos Neste capítulo descrevem-se os fundamentos teóricos que foram parte da pesquisa do presente trabalho e ajudam em grande parte ao desenvolvimento da metodologia que se propõe no

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 638, DE 17 DE ABRIL DE 2008.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 638, DE 17 DE ABRIL DE 2008. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 638, DE 17 DE ABRIL DE 2008. (*) Vide alterações e inclusões no final do texto Homologa as tarifas de fornecimento de energia elétrica

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Filipe QUINTAES (1); Emerson LOPES (2); Luiz MEDEIROS (3); Ítalo FREITAS (4) (1) IFRN Campus Mossoró, Endereço: Rua Raimundo Firmino de Oliveira, 400, Conjunto

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.041, DE 10 DE AGOSTO DE 2010

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.041, DE 10 DE AGOSTO DE 2010 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.041, DE 10 DE AGOSTO DE 2010 Homologa as tarifas de fornecimento de energia elétrica e as Tarifas de Uso dos Sistemas de Distribuição

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 856, DE 4 DE AGOSTO DE 2009.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 856, DE 4 DE AGOSTO DE 2009. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 856, DE 4 DE AGOSTO DE 2009. Homologação das tarifas de fornecimento de energia elétrica e das Tarifas de Uso dos Sistemas de Distribuição,

Leia mais

TUSD TE TUSD TE R$/kW R$/MWh R$/MWh R$/kW R$/MWh R$/MWh AZUL P 27,35 199,80 60,49 29,79 216,38 65,65 FP 9,00 129,12 35,32 9,80 139,42 38,32 AZUL APE

TUSD TE TUSD TE R$/kW R$/MWh R$/MWh R$/kW R$/MWh R$/MWh AZUL P 27,35 199,80 60,49 29,79 216,38 65,65 FP 9,00 129,12 35,32 9,80 139,42 38,32 AZUL APE TABELA 1 TARIFAS DE APLICAÇÃO E BASE ECONÔMICA PARA O GRUPO A. - CERIPA TARIFAS DE APLICAÇÃO BASE ECONÔMICA SUBGRUPO MODALIDADE POSTO TUSD TE TUSD TE R$/kW R$/MWh R$/MWh R$/kW R$/MWh R$/MWh AZUL P 27,35

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.855, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2015.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.855, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2015. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.855, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2015. Voto Homologa o resultado do Reajuste Tarifário Anual de 2014 e fixa as Tarifas de Energia TE e as

Leia mais

Relatório Sobre o Uso da Energia no Campus de Ilha Solteira Maiores Consumidores

Relatório Sobre o Uso da Energia no Campus de Ilha Solteira Maiores Consumidores Relatório Sobre o Uso da Energia no Campus de Ilha Solteira Maiores Consumidores I. Justificativa Trata se de um relatório com o detalhamento da composição tarifária e o uso da energia pelas seis ores

Leia mais

Energia e Demanda Ativa e Reativa

Energia e Demanda Ativa e Reativa Energia e Ativa e Reativa de potência medida TUSD TUST CUSD Rede trifásica Corrente Calibração contratada de ultrapassagem Carga instalada Consumo de energia Energia demandada Energia fornecida Potência

Leia mais

6 Expansão Energética: custos a longo prazo

6 Expansão Energética: custos a longo prazo 6 Expansão Energética: custos a longo prazo 6.1 Idéia Central Para garantir o suprimento, é necessário trazer investimentos, e o investidor precisa de garantias para a recuperação de seu capital. O Novo

Leia mais

INDICADORES DE DEMANDA E CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA

INDICADORES DE DEMANDA E CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA i INDICADORES DE DEMANDA E CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA São CristóvãoSE AGOSTO de 214 ii Ministério da Educação Universidade Federal de Sergipe Reitor Prof. Dr. Ângelo Roberto Antoniolli ViceReitor Prof.

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO, ORÇAMENTO E FINANÇAS RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA MEDIDOR 817187-4 UNIDADE: PRÉDIO ANEXO PERÍODO:

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.683, DE 4 DE FEVEREIRO DE 2014.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.683, DE 4 DE FEVEREIRO DE 2014. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.683, DE 4 DE FEVEREIRO DE 2014. Homologa as Tarifas de Energia TE e as Tarifas de Uso dos Sistemas de Distribuição TUSD referentes

Leia mais

Análise do enquadramento tarifário de uma unidade consumidora nas opções do grupo A do Mercado Cativo e do Mercado Livre de energia elétrica

Análise do enquadramento tarifário de uma unidade consumidora nas opções do grupo A do Mercado Cativo e do Mercado Livre de energia elétrica XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Análise do enquadramento tarifário de uma unidade consumidora nas opções do grupo

Leia mais

Suporte Técnico Web Energy

Suporte Técnico Web Energy Suporte Técnico Web Energy Conceitos Básicos Schneider Electric Suporte Técnico Brasil Título: Suporte Técnico Web Energy Guia Geral para EcoXperts Data: 15/02/2016 Versão: 1.0 1 Histórico de revisões

Leia mais

Gerenciamento de Energia. Soluções Schneider Electric voltadas à Eficiência Energética

Gerenciamento de Energia. Soluções Schneider Electric voltadas à Eficiência Energética Gerenciamento de Energia Soluções Schneider Electric voltadas à Eficiência Energética Sistemas de tarifario Brasileiro: Conceitos Dois modelos de tarifação: Convencional e Horo-Sazonal. Clientes do Grupo

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO, ORÇAMENTO E FINANÇAS RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA MEDIDOR 1003984-8 UNIDADE: FÓRUM TERESINA

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO, ORÇAMENTO E FINANÇAS RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA MEDIDOR 1128541-9 UNIDADE: FÓRUM DE PICOS

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 661, DE 17 DE JUNHO DE 2008.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 661, DE 17 DE JUNHO DE 2008. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 661, DE 17 DE JUNHO DE 2008. Homologa as tarifas básicas de energia comprada, de fornecimento de energia elétrica aos consumidores

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO, ORÇAMENTO E FINANÇAS RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA MEDIDOR 95116-1 UNIDADE: PRÉDIO SEDE PERÍODO:

Leia mais

ANÁLISE TARIFÁRIA E AVALIAÇÃO DO FATOR DE CARGA PARA AUXILIO A DECISÃO:ESTUDO DE CASO EM INDÚSTRIA SIDERÚRGICA

ANÁLISE TARIFÁRIA E AVALIAÇÃO DO FATOR DE CARGA PARA AUXILIO A DECISÃO:ESTUDO DE CASO EM INDÚSTRIA SIDERÚRGICA ANÁLISE TARIFÁRIA E AVALIAÇÃO DO FATOR DE CARGA PARA AUXILIO A DECISÃO:ESTUDO DE CASO EM INDÚSTRIA SIDERÚRGICA Orlando Moreira Guedes Junior engorlandojunior@yahoo.com.br UFF Resumo:Este trabalho apresenta

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.931, DE 11 DE AGOSTO DE 2015

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.931, DE 11 DE AGOSTO DE 2015 AGÊNCIA CIOL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.931, DE 11 DE AGOSTO DE 2015 Homologa o resultado do Reajuste Tarifário Anual de 2015, as Tarifas de Energia TE e as Tarifas de Uso do

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 21, DE 21 DE JANEIRO DE 2000.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 21, DE 21 DE JANEIRO DE 2000. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 21, DE 21 DE JANEIRO DE 2000. Estabelece os requisitos necessários à qualificação de centrais cogeradoras de energia e dá outras providências.

Leia mais

Administração de Custos

Administração de Custos Administração de Custos Receitas Representa o faturamento da empresa Tipos de Custos Custos Diretos: Referem-se aos fatores diretamente utilizados na fabricação dos produtos e variam normalmente de forma

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Substituição do Sistema de Refrigeração na Prefeitura da Cidade do Recife

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Substituição do Sistema de Refrigeração na Prefeitura da Cidade do Recife XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Substituição do Sistema de Refrigeração na Prefeitura da Cidade do Recife Dorival

Leia mais

9.1 TARIFAÇÃO DA ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL:

9.1 TARIFAÇÃO DA ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL: 103 9 RETROFIT EM AR CONDICIONADO Retrofit é uma modificação de um equipamento ou instalação existente, visando a melhoria de seu desempenho, de sua operação ou de ambos. Surgiu em meados da década de

Leia mais

ANEXO I - TARIFAS DE APLICAÇÃO - ELETROPAULO QUADRO A - MODALIDADE TARIFÁRIA CONVENCIONAL TE SUBGRUPO/CLASSE/SUBCLASSE

ANEXO I - TARIFAS DE APLICAÇÃO - ELETROPAULO QUADRO A - MODALIDADE TARIFÁRIA CONVENCIONAL TE SUBGRUPO/CLASSE/SUBCLASSE ANEXO I - TARIFAS DE APLICAÇÃO - ELETROPAULO QUADRO A - MODALIDADE TARIFÁRIA CONVENCIONAL /CLASSE/SUBCLASSE VERDE AMARELA VERMELHA B1 - RESIDENCIAL 103,58 134,43 134,43 149,43 164,43 B1 - RESIDENCIAL BAIXA

Leia mais

WORKSHOP: Inversores Híbridos com Sistemas de Armazenamento de Energia Aplicações dos Inversores Híbridos com Sistema de Armazenamento de Energia

WORKSHOP: Inversores Híbridos com Sistemas de Armazenamento de Energia Aplicações dos Inversores Híbridos com Sistema de Armazenamento de Energia WORKSHOP: Inversores Híbridos com Sistemas de Armazenamento de Energia 1 Aplicações dos Inversores Híbridos com Sistema de Armazenamento de Energia Ildo Bet Ricardo Souza Figueredo Agenda 2 INTRODUÇÃO;

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO, ORÇAMENTO E FINANÇAS RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA MEDIDOR 1003984-8 UNIDADE: FÓRUM TERESINA

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 414/2010 CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 414/2010 CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 414/2010 CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO Atualizada até a REN 499/2012 Resolução Normativa nº 414 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL A ANEEL consolidou os direitos e deveres

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO, ORÇAMENTO E FINANÇAS RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA MEDIDOR 1128541-9 UNIDADE: FÓRUM DE PICOS

Leia mais

ANEXO I - TARIFAS DE APLICAÇÃO CAIUÁ-D TARIFAS APLICADAS À BAIXA TENSÃO

ANEXO I - TARIFAS DE APLICAÇÃO CAIUÁ-D TARIFAS APLICADAS À BAIXA TENSÃO ANEXO I - TARIFAS DE APLICAÇÃO CAIUÁ-D TARIFAS APLICADAS À BAIXA NSÃO /CLASSE/SUBCLASSE QUADRO A - MODALIDADE TARIFÁRIA CONVENCIONAL VERDE VERMELHA B1 - RESIDENCIAL 126,68 141,18 141,18 156,18 171,18 B1

Leia mais

O IMPACTO DA TARIFA DE ENERGIA ELÉTRICA NO METROFERROVIÁRIO

O IMPACTO DA TARIFA DE ENERGIA ELÉTRICA NO METROFERROVIÁRIO O IMPACTO DA TARIFA DE ENERGIA ELÉTRICA NO SISTEMA METROFERROVIÁRIO 9ª Semana de Tecnologia Metroviária 2 a 5 de setembro de 2003 São Paulo - Brasil CONRADO GRAVA DE SOUZA SETOR DE TRANSPORTE METROFERROVIÁRIO

Leia mais

GERAÇÃO DISTRIBUIDA MODELO E LEGISLAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL Nº 482/2012. Secretaria de Energia Elétrica SEE

GERAÇÃO DISTRIBUIDA MODELO E LEGISLAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL Nº 482/2012. Secretaria de Energia Elétrica SEE GERAÇÃO DISTRIBUIDA MODELO E LEGISLAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL Nº 482/2012 Secretaria de Energia Elétrica SEE MODELO ATUAL DO SETOR ELÉTRICO PILARES SEGURANÇA ENERGÉTICA UNIVERSALIZAÇÃO

Leia mais

Profa. Eliane Fadigas Prof. Alberto Bianchi

Profa. Eliane Fadigas Prof. Alberto Bianchi PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade Profa. Eliane Fadigas Prof. Alberto Bianchi Aula 5 Conservação de Energia: Aspectos técnicos e econômicos slide 1 / 19 ATÉ ONDE SE SABE A ENERGIA PODE

Leia mais

Capítulo: 3 Fundamentos do Processo Tarifário do Setor Elétrico Brasileiro

Capítulo: 3 Fundamentos do Processo Tarifário do Setor Elétrico Brasileiro Universidade Federal de Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica Capítulo: 3 Fundamentos do Processo Tarifário do Setor Elétrico Brasileiro Dr. Eng. Clodomiro Unsihuay Vila Curitiba-Brasil,

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO, ORÇAMENTO E FINANÇAS RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA MEDIDOR 1128541-9 UNIDADE: FÓRUM DE PICOS

Leia mais

Detalhamento do Plano

Detalhamento do Plano PLANO ALTERNATIVO LOCAL PLANO Nº 011 A. Empresa: OI (TELEMAR NORTE LESTE S.A.), autorizatária do Serviço Telefônico Fixo Comutado na Modalidade Local, na Região III e no Setor 3 da Região 1 do Plano Geral

Leia mais

Valor Econômico da Tecnologia Específica da Fonte - VETEF Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia Elétrica - PROINFA (1 a Etapa)

Valor Econômico da Tecnologia Específica da Fonte - VETEF Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia Elétrica - PROINFA (1 a Etapa) Valor Econômico da Tecnologia Específica da Fonte - VETEF Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia Elétrica - PROINFA (1 a Etapa) 1. NOTA DE ABERTURA Com o objetivo de implementar uma nova

Leia mais

Contratos e Faturamento da Demanda de Potência

Contratos e Faturamento da Demanda de Potência Contratos e Faturamento da Demanda de Potência (REN 414/2010) JORGE AUGUSTO LIMA VALENTE Especialista em Regulação Superintendência de Regulação da Comercialização da Eletricidade Sertãozinho SP 22 de

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica

Fornecimento de Energia Elétrica Fornecimento de Energia Elétrica 1 Objetivos Análise da constituição de sistemas de potência Normas para fornecimento de energia elétrica Características gerais do fornecimento de energia elétrica Esquemas

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO N 152, DE 3 DE ABRIL DE 2003 Altera a metodologia de cálculo das tarifas de uso dos sistemas de distribuição de energia elétrica, atendendo o disposto

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MERCADO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DO BRASIL

AVALIAÇÃO DO MERCADO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DO BRASIL AVALIAÇÃO DO MERCADO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DO BRASIL PESQUISA DE POSSE DE EQUIPAMENTOS E HÁBITOS DE USO - ANO BASE 2005 - CLASSE COMERCIAL ALTA TENSÃO RELATÓRIO SETORIAL: HOTÉIS / MOTÉIS SUMÁRIO 1.

Leia mais

Exercício Etapa 4 PEA 2200 / PEA Etapa 4 - Sistema fotovoltaico

Exercício Etapa 4 PEA 2200 / PEA Etapa 4 - Sistema fotovoltaico Exercício Etapa 4 PEA 2200 / PEA 3100 Etapa 4 - Sistema fotovoltaico Objetivo Essa etapa do Seminário tem a função de realizar uma avaliação técnicaeconômica da implantação de um sistema fotovoltaico nas

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.728, DE 6 DE MAIO DE 2014

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.728, DE 6 DE MAIO DE 2014 AGÊNCIA CIOL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.728, DE 6 DE MAIO DE 2014 Homologa as Tarifas de Energia TEs e as Tarifas de Uso dos Sistemas de Distribuição TUSDs referentes à Caiuá

Leia mais

Marcos Bragatto Superintendente de Regulação da Comercialização da Eletricidade. São Paulo SP 26 de maio de 2011

Marcos Bragatto Superintendente de Regulação da Comercialização da Eletricidade. São Paulo SP 26 de maio de 2011 Marcos Bragatto Superintendente de Regulação da Comercialização da Eletricidade São Paulo SP 26 de maio de 2011 Missão da ANEEL Proporcionar condições favoráveis para que o mercado de energia elétrica

Leia mais

PLANO ALTERNATIVO LOCAL PLANO Nº 159

PLANO ALTERNATIVO LOCAL PLANO Nº 159 PLANO ALTERNATIVO LOCAL PLANO Nº 159 A. Empresa: Telemar Norte Leste S/A B. Nome do Plano: Plano Alternativo de Serviço Nº 159 C. Identificação para a Anatel: Plano Alternativo de Serviço Nº 159 D. Modalidade

Leia mais

Leonardo Barboza Bezerra

Leonardo Barboza Bezerra Como a telemetria pode ajudar na antecipação de decisões, no combate a perdas comerciais e na garantia de receitas. Leonardo Barboza Bezerra Apoio CELPE Consumidores Grupo A Distribuídos Dentre 2 em milhões

Leia mais

MERCADO FOTOVOLTAICO. Análise de Viabilidade. Onde estão as melhores oportunidades do setor fotovoltaico?

MERCADO FOTOVOLTAICO. Análise de Viabilidade. Onde estão as melhores oportunidades do setor fotovoltaico? MERCADO FOTOVOLTAICO Análise de Viabilidade. Onde estão as melhores oportunidades do setor fotovoltaico? Palestrantes Márcio Takata - Engenheiro Eletricista pela Escola Politécnica da USP, MBA INSPER,

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.270, DE 3 DE ABRIL DE 2012

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.270, DE 3 DE ABRIL DE 2012 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.270, DE 3 DE ABRIL DE 2012 Nota Técnica nº 71/2012-SRE/ANEEL Homologa as tarifas de fornecimento de energia elétrica e as Tarifas

Leia mais

ESTUDO DE CASO DA CURVA DE CARGA DE CONSUMIDOR COMERCIAL

ESTUDO DE CASO DA CURVA DE CARGA DE CONSUMIDOR COMERCIAL 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CARLOS HENRIQUE VELHO VIVIAN ESTUDO DE CASO DA CURVA DE CARGA DE CONSUMIDOR COMERCIAL Porto Alegre 2015

Leia mais

Cap. 14 Medição de Demanda

Cap. 14 Medição de Demanda Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap. 14 Medição de Demanda Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá

Universidade Federal de Itajubá Universidade Federal de Itajubá Engenharia Econômica II Análise de Sensibilidade 21/08/2012 Prof. José Arnaldo B. Montevechi 1 Fluxo de Caixa ( + ) 0 1 2 3 n Parcela compostas por: ( - ) Investimento Receitas,

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.589, DE 20 DE AGOSTO DE 2013.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.589, DE 20 DE AGOSTO DE 2013. AGÊNCIA CIOL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.589, DE 20 DE AGOSTO DE 2013. Homologa as Tarifas de Energia TEs e as Tarifas de Uso dos Sistemas de Distribuição TUSDs referentes à

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.580, DE 6 DE AGOSTO DE 2013

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.580, DE 6 DE AGOSTO DE 2013 AGÊNCIA CIOL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.580, DE 6 DE AGOSTO DE 2013 Homologa o resultado da terceira Revisão Tarifária Periódica RTP da Cooperativa Aliança Cooperaliança, fixa

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 2.104, DE 28 DE JUNHO DE 2016.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 2.104, DE 28 DE JUNHO DE 2016. AGÊNCIA CIOL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 2.104, DE 28 DE JUNHO DE 2016. Homologa o resultado da quarta Revisão Tarifária Periódica RTP da Companhia Campolarguense de Energia -

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS PATO BRANCO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO DE TECNOLOGIA EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS PATO BRANCO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO DE TECNOLOGIA EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL 1 UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS PATO BRANCO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO DE TECNOLOGIA EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL CARLOS EDUARDO BOGO WILLIAN SILIPRANDI HAUBERT AUMENTO

Leia mais

ANEXO II AVALIAÇÃO ECONÔMICO FINANCEIRA DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE BRAGANÇA PAULISTA

ANEXO II AVALIAÇÃO ECONÔMICO FINANCEIRA DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE BRAGANÇA PAULISTA ANEXO II AVALIAÇÃO ECONÔMICO FINANCEIRA DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE BRAGANÇA PAULISTA 1 Sumário 1 - INTRODUÇÃO... 3 2 - PROJEÇÃO DAS RECEITAS, DESPESAS E INVESTIMENTOS...

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA NA ETA GUARAÚ REDUÇÃO DE CUSTOS PARA A EMPRESA ECONOMIA DE ENERGIA ELÉTRICA PARA O PAÍS

GERENCIAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA NA ETA GUARAÚ REDUÇÃO DE CUSTOS PARA A EMPRESA ECONOMIA DE ENERGIA ELÉTRICA PARA O PAÍS GERENCIAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA NA ETA GUARAÚ REDUÇÃO DE CUSTOS PARA A EMPRESA ECONOMIA DE ENERGIA ELÉTRICA PARA O PAÍS Alexandre Saron Engenheiro Químico da Cia de Saneamento Básico do Estado de São

Leia mais

PROGRAMA. 14h30_ Apresentação Rexel Energy Solutions. 14h45_ Balanço de potências nas Instalações com Autoconsumo Fotovoltaico

PROGRAMA. 14h30_ Apresentação Rexel Energy Solutions. 14h45_ Balanço de potências nas Instalações com Autoconsumo Fotovoltaico ROGRAMA 14h30_ Apresentação Rexel Energy Solutions 14h45_ Balanço de potências nas Instalações com Autoconsumo Fotovoltaico 15h20_ Acesso aos rogramas Operacionais Financiados _Apresentação da Status Valor

Leia mais

Tarifas e Taxas. Os preços das Normas Técnicas são estipulados pela Celesc Distribuição. Obs.: Tarifas sem incidência de impostos.

Tarifas e Taxas. Os preços das Normas Técnicas são estipulados pela Celesc Distribuição. Obs.: Tarifas sem incidência de impostos. Tarifas e Taxas As tarifas de energia elétrica e os preços dos serviços expostos nesta tabela são estabelecidos pela Resolução Homologatória 1.183, de 02 de agosto de 2011, da Agência Nacional de Energia

Leia mais

A seguir são apresentadas as informações básicas referentes às características técnicas e de operação das UHEs integrantes do Lote C.

A seguir são apresentadas as informações básicas referentes às características técnicas e de operação das UHEs integrantes do Lote C. ANEXO II CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS E INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA A EXPLORAÇÃO DAS USINAS HIDRELÉTRICAS INTEGRANTES DO LOTE C O Lote C é composto pelas Usinas Hidrelétricas Garcia, Bracinho, Cedros, Salto e

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO PÚBLICODE ENERGIA ELÉTRICA PARA UNIDADESCONSUMIDORAS ATENDIDAS EM BAIXA TENSÃO

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO PÚBLICODE ENERGIA ELÉTRICA PARA UNIDADESCONSUMIDORAS ATENDIDAS EM BAIXA TENSÃO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO PÚBLICODE ENERGIA ELÉTRICA PARA UNIDADESCONSUMIDORAS ATENDIDAS EM BAIXA TENSÃO A CEB Distribuição S.A., CNPJ n o 07.522.669/0001-92, com sede no Sia Trecho 1 Lote 03 área

Leia mais

GERÊNCIA DE NORMAS E PADRÕES ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT-003/2015 (NT , NT , NT

GERÊNCIA DE NORMAS E PADRÕES ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT-003/2015 (NT , NT , NT 1 OBJETIVO A presente Orientação Técnica altera e complementa as normas de fornecimento contemplando as mudanças ocorridas em conformidade com as alterações da REN 414/2010 da ANEEL, implementadas através

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 08, DE 17 DE AGOSTO DE 2015

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 08, DE 17 DE AGOSTO DE 2015 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 08, DE 17 DE AGOSTO DE 2015 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Excelentíssimo Senhor Presidente, Excelentíssimos Senhores Vereadores, A energia elétrica no Brasil é gerada predominantemente

Leia mais

GESTÃO ENERGÉTICA EM INDÚSTRIAS MADEIREIRAS José Ângelo Cagnon [1] Ivaldo de Domenico Valarelli [2] Ricardo Martini Rodrigues [3}

GESTÃO ENERGÉTICA EM INDÚSTRIAS MADEIREIRAS José Ângelo Cagnon [1] Ivaldo de Domenico Valarelli [2] Ricardo Martini Rodrigues [3} GESTÃO ENERGÉTICA EM INDÚSTRIAS MADEIREIRAS José Ângelo Cagnon [1] Ivaldo de Domenico Valarelli [2] Ricardo Martini Rodrigues [3} Departamento de Engenharia Elétrica Faculdade de Engenharia de Bauru Universidade

Leia mais

5 Construção do Plano de Negócio para a Rede Multimídia proposta

5 Construção do Plano de Negócio para a Rede Multimídia proposta 5 Construção do Plano de Negócio para a Rede Multimídia proposta 5.1. Introdução Ao longo do presente capítulo serão consideradas quatro alternativas de infra-estrutura, associando a última milha ao anel

Leia mais

Pesquisa Relacionada aos consumidores do grupo B3

Pesquisa Relacionada aos consumidores do grupo B3 Pesquisa Relacionada aos consumidores do grupo B3 Elaborado por: Devienne & Devienne Soluções Energéticas Ltda. Roberto Devienne Filho http://www.devienne.biz roberto@devienne.biz Para: Deutsche Gesellschaft

Leia mais

São Paulo, 15 de outubro de 2015 A EDP Energias do Brasil S.A. (BM&FBOVESPA: ENBR3) divulga as informações referentes ao

São Paulo, 15 de outubro de 2015 A EDP Energias do Brasil S.A. (BM&FBOVESPA: ENBR3) divulga as informações referentes ao São Paulo, 15 de outubro de 2015 A EDP Energias do Brasil S.A. (BM&FBOVESPA: ENBR3) divulga as informações referentes ao mercado de energia elétrica do terceiro trimestre de 2015 (3T15) e no acumulado

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.779, DE 19 DE AGOSTO DE 2014

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.779, DE 19 DE AGOSTO DE 2014 AGÊNCIA CIOL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.779, DE 19 DE AGOSTO DE 2014 Homologa o resultado do Reajuste Tarifário Anual de 2014 e fixa as Tarifas de Energia TEs e as Tarifas de

Leia mais

Avaliação de Investimentos

Avaliação de Investimentos Avaliação de Investimentos Fonte: Prof. Chiesa 1 Economia Empresa : Prof. Volney Conceito de Investimento Aplicação de Capital ou Investimento é o fato de se empregar recursos visando obter benefícios

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 2.119, DE 16 DE AGOSTO DE 2016

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 2.119, DE 16 DE AGOSTO DE 2016 AGÊNCIA CIOL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 2.119, DE 16 DE AGOSTO DE 2016 Texto Original Homologa o resultado da Quarta Revisão Tarifária Periódica RTP da Empresa Luz e Força Santa

Leia mais

COMGÁS ATUALIZAÇÃO TARIFÁRIA 16 DE DEZEMBRO DE 2013

COMGÁS ATUALIZAÇÃO TARIFÁRIA 16 DE DEZEMBRO DE 2013 N O T A T É C N I C A GÁS GEF 004/2013 INTRODUÇÃO COMGÁS ATUALIZAÇÃO TARIFÁRIA 16 DE DEZEMBRO DE 2013 Em maio/2013, a taxa de câmbio foi atualizada para R$ 2,03/US$. A partir da publicação da Deliberação

Leia mais

PLANOS ALTERNATIVOS PA nº. 106 Pacote de Minutos Locais Mensais IV

PLANOS ALTERNATIVOS PA nº. 106 Pacote de Minutos Locais Mensais IV PLANOS ALTERNATIVOS PA nº. 106 Pacote de Minutos Locais Mensais IV A. Empresa Telecomunicações de São Paulo S.A. TELESP B. Nome do Plano Nome Técnico: Planos de Minutos Locais Mensais IV Nome comercial:

Leia mais

FATOR DE POTÊNCIA. Prof. Dr. José Angelo Cagnon Outubro - 2007

FATOR DE POTÊNCIA. Prof. Dr. José Angelo Cagnon Outubro - 2007 FATOR DE POTÊNCIA P Q Q Prof. Dr. José Angelo Cagnon Outubro - 2007 FATOR DE POTÊNCIA A legislação brasileira permite às concessionárias calcular as faturas em função do: (a) consumo (kwh), (b) demanda

Leia mais

Análise de viabilidade técnico econômica da geração solar fotovoltaica aplicada no setor de consumo Residencial, no Brasil

Análise de viabilidade técnico econômica da geração solar fotovoltaica aplicada no setor de consumo Residencial, no Brasil Análise de viabilidade técnico econômica da geração solar fotovoltaica aplicada no setor de consumo Residencial, no Brasil Autores Prof. Dr. Geraldo Lucio Tiago Filho Luzia Silva Riêra Salomon Roberto

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.760, DE 3 DE JULHO DE 2014.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.760, DE 3 DE JULHO DE 2014. AGÊNCIA CIOL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.760, DE 3 DE JULHO DE 2014. Homologa as Tarifas de Energia TEs e as Tarifas de Uso dos Sistemas de Distribuição TUSDs referentes à Companhia

Leia mais