- Mas eu, gosto. Feliz aniversário! Luis já estava com uma nova namorada, e Cecília já estava pensando em ir embora, quando encontrou Nilo.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "- Mas eu, gosto. Feliz aniversário! Luis já estava com uma nova namorada, e Cecília já estava pensando em ir embora, quando encontrou Nilo."

Transcrição

1 NILO Esta história que vou lhes contar é sobre paixões. A paixão acontece, não se sabe quando nem porquê, e não podemos escolher os protagonistas da história. Seria tão bom se mandássemos no coração! Mas ele tem suas próprias razões, e como acredito que todo o amor vem de Deus, que é o próprio Amor, apóio a frase toda a maneira de amar vale a pena. Cecília conheceu Luis na casa do vizinho de sua melhor amiga. Luis era um gato! Muito alto, aos 17 anos media 1,93m, num corpo muito bem distribuído. Cabelos na altura do pescoço, castanhos claros bem lisos, olhos verdes, pequenos e rasgados, e o melhor: seus pais eram ricos! Mas na verdade, o que Cecília soube de cara era só sua aparência física, muito interessante, diga-se de passagem, mas como ele era petulante! Talvez por isso ela quis desafiá-lo, e pediu que ele a levasse para casa em sua moto. Mas sua majestade Luis não estava com vontade, e ela foi como sempre ia: a pé. Mas num dia, quando voltava para sua casa, Cecília descobriu que a moto que ficava na área de sua vizinha era de Luis. Ele conhecia sua vizinha, e havia combinado deixar sua moto estacionada na frente da casa dela, pois morava longe e a casa dela ficava bem próxima à escola onde ele estudava. Cecília pensou: Bem feito, se fôssemos amigos a moto poderia ficar aqui na garagem, afinal meu pai só a usa quando volta à noite... Enfim, por tanto se encontrarem acabaram fazendo amizade, a moto ficou em sua garagem, e amizade se tornou namoro. Ele a levava para sua casa nos finais de semana para namorarem, e sempre que chegavam, Nilo estava por lá. Ele era filho dos caseiros, mas por mais que tentasse conversar, Luis não lhe dava chance, sempre muito ocupado com sua própria vida. Mas uma tarde, enquanto passeava pela propriedade sozinha, Cecília enfim conversou com Nilo. Ele era um rapaz comum, moreno, pequeno, magro, com cabelos e olhos escuros, não chamava atenção de ninguém, ainda mais porque tinha um pequeno defeito em seu olho direito. Mas era um rapaz simpático, atencioso, simples. Nilo disse que de todas as garotas que já haviam estado ali, Cecília era a melhor garupeira, ela tinha um jeito muito legal de andar com ele na moto. Luis não gostou quando os viu conversando, e expressou bem isso, ameaçando despedir a ele e seus pais se ele se metesse com sua namorada. Por isso, passaram só a acenar um para o outro quando se viam, de passagem. Mas o namoro entre eles acabou, de uma maneira muito ruim para Cecília. Estava muito próximo o aniversário de Luis, e por isso ela decidiu vingar-se dele. Como os pais dele trabalhavam com flores, rosas principalmente, foi à sua festa levandolhe uma rosa de presente, e dizendo: - Já que você nunca me deu uma rosa, eu te dou. - Mas eu nem gosto de rosas...

2 - Mas eu, gosto. Feliz aniversário! Luis já estava com uma nova namorada, e Cecília já estava pensando em ir embora, quando encontrou Nilo. Então puderam conversar despreocupadamente, pois ela não era mais a namorada. Ele disse que ficou muito chateado com o fim do namoro deles, pois gostava muito de vê-la, e que ela era muito legal, legal até demais para ele. E qual não foi a surpresa de Nilo quando Cecília lhe deu um beijo! Ela quis apenas agradecê-lo pelo seu carinho, e verdade seja dita, desaforar Luis, mas Nilo a abraçou com tanta vontade, com tanto ímpeto, que Cecília achou que valia a pena dar uns amassos naquele garoto. E para completar seu desaforo, levou Nilo para o quarto de Luis, onde antes eles sempre namoravam. Quando Luis os viu, até tentou fazer uma cena, mas sua nova namorada impediu-o, levando-o de volta para a sala, onde todos estavam, e Cecília então disse a Nilo: - Melhor irmos embora, não quero complicar você, me desculpe. - Que se dane! Se ele me mandar mesmo embora, melhor, ele é mesmo insuportável... Mas de qualquer maneira, valeu a pena! - Você me leva até o ponto de ônibus? - É claro, se você quiser, e não se importar de ser vista comigo... - E por que não haveria de querer? - Então vamos, disse Nilo com um lindo sorriso. No caminho foram conversando de mãos dadas, e enquanto esperavam pelo ônibus, trocaram mais alguns beijos, e enfim Nilo falou: - Parece um sonho; eu nunca pensei que você um dia fosse olhar pra mim... e eu gosto tanto de você! - Mas você nem me conhece! Só me via ia e voltando com o Luis. - Mas isso não me impediu de olhar você, pensar em você, sonhar com você. E agora meu sonho está aqui! E a beijou novamente. Mas Cecília falou: - É uma pena eu não ter conhecido você antes dele, afinal, ainda gosto dele. E você deve saber. - Eu sei, e nem poderia ser diferente. Mas valeu! Ou pensa que eu também não fiquei feliz por sacanear com ele? Ele não te merecia, bem feito pra aquele metido! - É mesmo. Olha, o ônibus vem vindo. - A gente vai se ver de novo? - Não sei, agora é complicado. Vai ser difícil eu voltar aqui, você entende, né? Quem sabe, depois que o tempo passar... - Não esquece de mim não, tá? Eu não vou esquecer você. E Cecília foi embora, com um gosto amargo na boca. Será que havia feito mal de alguma forma a Nilo? A alegria com que ele lhe acenava partiu seu coração já tão dolorido... É verdade, a vingança é uma faca de dois gumes... O tempo passou. Cecília nunca mais voltou àquela casa, nem encontrou mais o Nilo. Sequer lembrava dele, pois ele fazia parte de uma lembrança meio ruim, que ela quis esquecer. Ela se casou, teve filhos, seu casamento acabou, e então, num

3 carnaval, Cecília estava na avenida, vendo o carnaval da cidade, quando um grupo chamou sua atenção. Eram cinco ou seis meninas rodeando, brincando e rindo muito com um rapaz, que estava de costas para ela. Quando ele ficou de lado, ela pensou que fosse Nilo, e se aproximou um pouco do grupo, para ver melhor. Ele então se virou de frente para ela e acenou. Não era possível! Era mesmo o Nilo! E como estava lindo! Encorpado, vestia apenas uma jardineira branca, de jeans, que ressaltava ainda mais sua cor e beleza. Cecília ficou feliz por vê-lo tão bem, tão feliz com suas amigas, mas ele deixou-as e veio conversar com ela. Cumprimentoua com um beijo, e conversou com ela segurando seu braço, carinhosamente. Perguntou por seu marido pelo nome, e soube que estavam separados. - Mas como você soube que eu casei com ele? - Ah, eu tenho muitos amigos que conhecem vocês. Inclusive conheço ele, que é muito boa gente. - Então por que você nunca foi nos visitar? - Sei lá, achei melhor não ir. Sei que vocês eram muito visitados, e às vezes até pensava em ir, fazer um som com vocês, mas não sabia se você ainda se lembrava de mim. - E como ia esquecer? Você foi muito importante para mim naquele dia. Eu ainda gostava do Luis, e fui lá pensando que talvez pudéssemos voltar, nem sabia que ele já estava com outra. Se não fosse pelo seu carinho, eu teria ficado muito mal. Muito obrigada! - Não tem de que. Falando nisso, ele se casou com aquela namorada, sabia? - É mesmo? Que bom, ela parecia ser perfeita para ele! - E é mesmo, parece que se dão muito bem. Mas o que você vai fazer agora? - Sinceramente, nada. A noite está tão linda, mas acho que vou ter que voltar pra casa... - Se você quiser, estou indo tocar com uns amigos, quer ir? - Claro, adoraria! - Só não sei se ainda tem ônibus, já passa de uma da manhã, me distraí com o papo... E pegando Cecília pela mão, foram até o grupo onde antes ele estava, e ela não entendeu quando ele se despediu delas, carinhosamente, e foram apenas os dois para o ponto de ônibus. - Eu pensei que elas também fossem... - Não, elas têm outros planos. Olha o ônibus, vamos nesse mesmo. Vamos ter que andar um pedaço, tudo bem? - Claro, sem problema. Quando subiram, ele perguntou se o outro ônibus já tinha passado, e o cobrador confirmou. - É, nós vamos ter que andar um bocado, mesmo. E esse é o último ônibus. Só se der sorte de alcançar o que já passou, às vezes dá... - Tudo bem, não esquenta.

4 Eles desceram no meio do nada. Estava escuro, mas havia lua cheia, o que aos poucos foi clareando o caminho quando seus olhos se acostumaram. - Olha, vamos pegar um atalho pra andar menos, tá? Não se preocupe, nem fique com medo. É mais seguro por aqui do que pela estrada. E entraram mato adentro, mas em nenhum momento ele soltou sua mão. Ela caminhava atrás dele, de cabeça baixa, tentando não tropeçar muito. De repente, ele parou e olhou para o céu, dizendo: - Olha que noite linda! Veja como as estrelas estão brilhando! Ela olhou, espantada com tanta sensibilidade da parte dele. Os dois sozinhos, no meio do mato, olhando as estrelas e a lua cheia. - Tinha que ser assim. É um presente de Deus. Não acredito que estou aqui com você, desejei tanto isso, desde aquele dia! E se inclinando docemente, ele a beijou. Havia tanta ternura naquele beijo, tão diferente daquele ímpeto há tanto tempo, que Cecília se emocionou. - Desde aquele dia? - Sim, desde aquele dia. Eu te disse que nunca ia te esquecer. - Mas já faz onze anos! - E agora, aqui estamos, não é? Foram seguindo o caminho, agora abraçados. Ela nem perguntou nada quando chegaram a uma casa aparentemente vazia, e foi somente então que ele a soltou, para abrir a porta. - De quem é essa casa? - De um amigo meu, que toca comigo numa banda. Ele foi viajar e pediu que eu tomasse conta. Eu moro aqui perto, você quer ir lá em casa? - Não, imagine! Só perguntei por perguntar. - Infelizmente não posso te oferecer nada, não sabia que traria alguém para cá. Aquilo acabou de tranqüilizar Cecília. Afinal, era carnaval. Era muito comum que se descolasse um cantinho para se levar garotas. - Água é tudo o que eu quero. Tem água na torneira? ela perguntou sorrindo, e ele gentilmente a serviu. Foram então para o quarto, onde ele colocou uma música, e mostrou a ela as propagandas da banda onde tocava, comentando a respeito de seu trabalho, de suas viagens. Então ele parou de falar, e olhou-a intensamente dentro dos olhos, com um fogo, uma paixão, que ela não pensava ser possível. Onze anos... Não foi preciso dizer nada. Sua ternura foi se transformando no antigo ímpeto, mas sem deixar de ser terno e atencioso um só instante. Cecília se sentia uma rainha, cortejada, cuidada, adorada. Fizeram amor por todo o resto da madrugada com doçura e paixão, dois garotos que cresceram e se encontraram, depois de tanta vida. Assistiram juntos o amanhecer, tomaram seus banhos juntos, conversavam e riam, felizes e completos. - Estou morto de fome, quer que eu vá buscar alguma coisa na padaria pra gente comer? O que você quer? - Não, obrigada, não quero nada. Tenho que ir para minha casa.

5 - Está na hora de irmos, não é? Que pena, acabou tão rápido! - Mas agora eu já sei o caminho. Quer que eu volte? - E você voltaria? - Mas é claro! Ou você acha que vamos esperar mais onze anos? - Então venha, vou te mostrar onde é minha casa, assim você sempre poderá me achar. Se eu não estiver, minha mãe sabe onde estou, e você pode me esperar. Apesar de não querer entrar na casa dele, ela foi apresentada orgulhosamente por ele como uma antiga amiga à sua família, pai, mãe, irmãos, que a olhavam curiosos. Nilo ainda insistiu que ela tomasse pelo menos o café da manhã, o que a deixou rubra de vergonha, mas ele apenas sorria feliz. Levou-a até o ponto de ônibus, perguntando se ela queria que ele a acompanhasse até sua casa, mas como Cecília recusasse, ele orientou-a sobre todos os ônibus e horários para quando ela voltasse. Cecília foi embora nas nuvens, novamente olhando-o acenar feliz, após tanto tempo, um garoto feio que se transformou num lindo homem, mas com o mesmo sorriso feliz de menino. Sua vontade era voltar na mesma noite, mas o carnaval já havia acabado, e quarta-feira de cinzas não é uma boa pedida. Deixou a semana passar, sonhando acordada com cada detalhe daquela linda noite. Mas na sextafeira da próxima semana, ela se preparou e foi ao seu encontro. Queria esperar até sábado, mas não se continha mais. No caminho, ficou pensando se teria coragem de bater à porta da casa da mãe dele, mas não havia outra opção. E se ele tivesse ido viajar a trabalho? Quando desceu do ônibus, para sua surpresa, ele vinha vindo em sua direção. Era uma tarde quente de verão, e o sol batia naquele homem tão lindo, tão seu. Ela ficou parada, esperando por ele, e quando ele a viu abriu aquele sorriso de menino, cumprimentou-a com seu jeito carinhoso, mas não demonstrou verdadeira alegria. Cecília sentiu que havia alguma coisa errada, mas esperou que ele dissesse o que era. Nilo disse que estava indo à padaria para comprar pão para o lanche da tarde, e foram juntos. Mas quando chegaram à casa da mãe dele, não a convidou a entrar, pedindo que esperasse por ele. Quando Nilo voltou, sua mãe vinha atrás dele, e surpreendida por ver Cecília, cumprimentou-a friamente, e disse: - Já sabe, né, Nilo? - Pode deixar, mãe, só vou até o ponto, conversar um pouco com ela e já volto. E se afastou rapidamente levando Cecília pela mão. - Estou atrapalhando, Nilo? Você precisa fazer alguma coisa? - Não, tudo bem, vem, vamos conversar. Voltaram para a casa onde haviam realizado um sonho, mas agora Cecília se sentia uma intrusa, e não sabia o motivo. - O que está acontecendo, Nilo? - Vem, me abraça. E com um suspiro a enlaçou, beijou cada ponto de seu rosto, e levou-a novamente até o quarto, mas dessa vez não falaram sobre trabalho. Mas Cecília sentia que havia algo muito errado, e quando acabaram de fazer amor ela perguntou:

6 - Vai, Nilo, se abre. Não dá mais. Estou até me sentindo mal. Ele então abaixou a cabeça, parecia que realmente havia algo muito errado, e disse sem olhá-la: - Eu fiquei noivo, no último fim de semana. - Ah, obrigada pela informação. - Espera, deixa eu contar. Eu estava namorando uma menina há quase um ano, mas não a amo. Depois que nos encontramos, fui no outro dia mesmo terminar com ela para nós dois podermos ficar juntos em paz. Mas no sábado ela foi à minha casa, disse que estava grávida, e minha mãe me obrigou a ficar noivo dela. Eu acho que é mentira dela, que ela nem está grávida, só falou isso pra não acabarmos o namoro. De qualquer jeito, como as nossas famílias insistiram, ficamos noivos, mas quando a barriga não crescer, desmancho o noivado. Cecília não sabia o que pensar. Queria ir atrás dessa chata e dar-lhe uns tapas, isso é coisa que se faça? Mas, seria verdade? - Mas ela só falou que está grávida? - Não, levou um exame. Disse que já sabia, mas como eu tinha querido terminar o namoro, foi fazer o exame para me provar. - É, então não tem jeito. - Ela pode estar mentindo, sei lá, ter pego a urina de alguma colega grávida... - Você acha que ela seria capaz disso? - Sei lá... estou tão confuso... - Se você acha que ela é esse tipo de pessoa, melhor ficar bem longe dela. - Não, ela é uma pessoa legal. Mas tinha que acontecer isso justo agora? - Tudo bem, tudo bem, não fica assim. Valeu pelo sonho realizado, pelos momentos lindos que vivemos. Podemos ser amigos. Ela agora precisa muito de você, e quando seu filho nascer, você vai sentir a maravilha de ser pai, e vai ver que vale a pena. Se assim é, é porque tem que ser assim. E sem dizer mais nada, tristes se vestiram, e se despediram no mesmo ponto de ônibus onde há tão pouco tempo se despediam alegres, achando que continuariam uma linda história de amor. Desta vez ele se virou de costas e saiu caminhando de cabeça baixa pela rua, deixando de acenar como das outras duas vezes. Cecília então chorou. Os meses se passaram, e ela não teve mais notícias, o que confirmou o fim do sonho. Então, um dia, um carro parou em sua porta, e Cecília surpresa viu Nilo descer do carro com uma criança. Estava de volta aquele seu jeito vigoroso, alegre. Ela os recebeu com um só abraço, enlaçando a ambos, e os convidou a entrar. - Vim trazer o meu menino pra você conhecer. - Ele é lindo, Nilo, parece muito com você. Quantos meses ele tem? - Sei lá, acho que seis... - Que pai mais relaxado... quando ele nasceu? - Ah, verdade. Ele está com oito, vai fazer nove meses. - Eu te apresentaria os meus, mas eles estão passeando com a avó. Estou sozinha, agora, mas acho que logo eles chegam. E como vai a vida? Ainda tocando?

7 - Não, agora estou trabalhando com carteira assinada, sabe como é a responsabilidade, não é? Afinal, você também é mãe. - E é muito bom, não é? Eu não disse que quando ele nascesse tudo mudaria? O rosto de Nilo então se transformou. - Mas não mudou. Não há um só dia em que eu não penso em você. Escuta, posso colocar o nenê na cama? Ele não gosta muito de colo. - Claro, vem aqui, ponha ele na minha cama, que é maior. A gente coloca uns travesseiros, umas almofadas, pra ele não cair. Assim que Nilo colocou o bebê na cama, abraçou-a sofregamente. - Ah, que saudade! Não agüento mais ficar sem você! Cecília sentiu seu corpo se desmanchar com aquele abraço, e as mãos de Nilo a procuravam com tanta sede... Mas então o nenê começou a chorar, como se soubesse que algo estava errado. Foi então que ela entendeu que realmente eles estavam errados. - Pare, Nilo. Não dá. Olha só, você agora tem uma família... acabou. - Você não disse que seríamos amigos? - Amigos, sim. Mas pelo jeito não dá. Nos queremos muito pra isso funcionar. Pegue seu filho, Nilo. Vá pra sua casa, pra sua esposa, fique com sua família. Cuide deles, eles precisam de você. E Nilo foi embora. Cecília sabia que não se é feliz a custa da infelicidade dos outros, e ela não queria ser culpada por desmanchar uma família. Encontram-se novamente dois anos depois por acaso numa padaria, ele lindo como sempre, aparentando estar muito bem financeiramente, mas ela apenas lhe apresentou seu namorado, e despediram-se novamente, com a frase com que ele sempre se despedia: - Até de repente!

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos Lição 3: Alegria LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos RESUMO BÍBLICO Gálatas 5:23; Gálatas 6:1; 2 Timóteo 2:25; Tito 3; 1 Pedro 3:16 Como seres humanos estamos sempre à mercê de situações sobre

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

História Para as Crianças. A menina que caçoou

História Para as Crianças. A menina que caçoou História Para as Crianças A menina que caçoou Bom dia crianças, feliz sábado! Uma vez, do outro lado do mundo, em um lugar chamado Austrália vivia uma menina. Ela não era tão alta como algumas meninas

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

O mar de Copacabana estava estranhamente calmo, ao contrário

O mar de Copacabana estava estranhamente calmo, ao contrário epílogo O mar de Copacabana estava estranhamente calmo, ao contrário do rebuliço que batia em seu peito. Quase um ano havia se passado. O verão começava novamente hoje, ao pôr do sol, mas Line sabia que,

Leia mais

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno.

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno. Meu lugar,minha história. Cena 01- Exterior- Na rua /Dia Eduardo desce do ônibus com sua mala. Vai em direção a Rose que está parada. Olá, meu nome é Rose sou a guia o ajudara no seu projeto de história.

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

Geração Graças Peça: Os Cofrinhos

Geração Graças Peça: Os Cofrinhos Geração Graças Peça: Os Cofrinhos Autora: Tell Aragão Personagens: Voz - não aparece mendigo/pessoa Nervosa/Ladrão faz os três personagens Menina 1 Menina 2 Voz: Era uma vez, duas irmãs que ganharam dois

Leia mais

MALDITO. de Kelly Furlanetto Soares. Peça escritadurante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR.Teatro Guaíra, no ano de 2012.

MALDITO. de Kelly Furlanetto Soares. Peça escritadurante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR.Teatro Guaíra, no ano de 2012. MALDITO de Kelly Furlanetto Soares Peça escritadurante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR.Teatro Guaíra, no ano de 2012. 1 Em uma praça ao lado de uma universidade está sentado um pai a

Leia mais

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER Atividades Lição 5 NOME: N º : CLASSE: ESCOLA É LUGAR DE APRENDER 1. CANTE A MÚSICA, IDENTIFICANDO AS PALAVRAS. A PALAVRA PIRULITO APARECE DUAS VEZES. ONDE ESTÃO? PINTE-AS.. PIRULITO QUE BATE BATE PIRULITO

Leia mais

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe?

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Trecho do romance Caleidoscópio Capítulo cinco. 05 de novembro de 2012. - Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Caçulinha olha para mim e precisa fazer muita força para isso,

Leia mais

Tenho um espelho mágico no porão e vou usá-lo.

Tenho um espelho mágico no porão e vou usá-lo. Capítulo um Meu espelho mágico deve estar quebrado Tenho um espelho mágico no porão e vou usá-lo. Jonah está com as mãos paradas em frente ao espelho. Está pronta? Ah, sim! Com certeza estou pronta. Faz

Leia mais

ALEGRIA ALEGRIA:... TATY:...

ALEGRIA ALEGRIA:... TATY:... ALEGRIA PERSONAGENS: Duas amigas entre idades adolescentes. ALEGRIA:... TATY:... Peça infanto-juvenil, em um só ato com quatro personagens sendo as mesmas atrizes, mostrando a vida de duas meninas, no

Leia mais

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem.

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem. Pais e filhos 1º cena: música ambiente (início da música pais e filhos legião urbana - duas pessoas entram com um mural e começam a confeccionar com frases para o aniversário do pai de uma delas (Fátima),

Leia mais

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura.

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Palavras do autor Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Durante três anos, tornei-me um leitor voraz de histórias juvenis da literatura nacional, mergulhei

Leia mais

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães Estórias de Iracema Maria Helena Magalhães Ilustrações de Veridiana Magalhães 2 Era domingo e o céu estava mais azul que o azul mais azul que se pode imaginar. O sol de maio deixava o dia ainda mais bonito

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1

JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1 1 JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1 ENTREGADOR DE CARGAS 32 ANOS DE TRABALHO Transportadora Fácil Idade: 53 anos, nascido em Quixadá, Ceará Esposa: Raimunda Cruz de Castro Filhos: Marcílio, Liana e Luciana Durante

Leia mais

HISTÓRIA DE LINS. - Nossa que cara é essa? Parece que ficou acordada a noite toda? Confessa, ficou no face a noite inteira?

HISTÓRIA DE LINS. - Nossa que cara é essa? Parece que ficou acordada a noite toda? Confessa, ficou no face a noite inteira? HISTÓRIA DE LINS EE PROF.PE. EDUARDO R. de CARVALHO Alunos: Maria Luana Lino da Silva Rafaela Alves de Almeida Estefanny Mayra S. Pereira Agnes K. Bernardes História 1 Unidas Venceremos É a história de

Leia mais

Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada.

Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada. Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada. Cláudia Barral (A sala é bastante comum, apenas um detalhe a difere de outras salas de apartamentos que se costuma ver ordinariamente: a presença de uma câmera de vídeo

Leia mais

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Carnaval 2014 A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Nesta noite vamos fazer uma viagem! Vamos voltar a um tempo que nos fez e ainda nos faz feliz, porque afinal como

Leia mais

Gostava de redacções, como gostava! Dos seis filhos da família Santos apenas ele e a Nazaré (que andava no 9. ano) gostavam de escrever; de resto

Gostava de redacções, como gostava! Dos seis filhos da família Santos apenas ele e a Nazaré (que andava no 9. ano) gostavam de escrever; de resto 1 Gostava de redacções, como gostava! Dos seis filhos da família Santos apenas ele e a Nazaré (que andava no 9. ano) gostavam de escrever; de resto eram também os únicos que passavam horas a ler, nos tempos

Leia mais

Lista de Diálogo - Cine Camelô

Lista de Diálogo - Cine Camelô Lista de Diálogo - Cine Camelô Oi amor... tudo bem? Você falou que vinha. É, eu tô aqui esperando. Ah tá, mas você vai vir? Então tá bom vou esperar aqui. Tá bom? Que surpresa boa. Oh mano. Aguá! Bolha!

Leia mais

Eu, Você, Todos Pela Educação

Eu, Você, Todos Pela Educação Eu, Você, Todos Pela Educação Um domingo de outono típico em casa: eu, meu marido, nosso filho e meus pais nos visitando para almoçar. Já no final da manhã estava na sala lendo um livro para tentar relaxar

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração da Escola Municipal Jornalista Jaime Câmara e alusiva à visita às unidades habitacionais do PAC - Pró-Moradia no Jardim do Cerrado e Jardim Mundo

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

A.C. Ilustrações jordana germano

A.C. Ilustrações jordana germano A.C. Ilustrações jordana germano 2013, O autor 2013, Instituto Elo Projeto gráfico, capa, ilustração e diagramação: Jordana Germano C736 Quero-porque-quero!! Autor: Alexandre Compart. Belo Horizonte: Instituto

Leia mais

O dia em que parei de mandar minha filha andar logo

O dia em que parei de mandar minha filha andar logo O dia em que parei de mandar minha filha andar logo Rachel Macy Stafford Quando se está vivendo uma vida distraída, dispersa, cada minuto precisa ser contabilizado. Você sente que precisa estar cumprindo

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração do Centro de Especialidades Odontológicas de Campo Limpo

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração do Centro de Especialidades Odontológicas de Campo Limpo , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração do Centro de Especialidades Odontológicas de Campo Limpo São Paulo-SP, 20 de outubro de 2004 Meus queridos companheiros e minhas queridas companheiras

Leia mais

Nada de telefone celular antes do sexto ano

Nada de telefone celular antes do sexto ano L e i n º1 Nada de telefone celular antes do sexto ano Nossos vizinhos da frente estão passando uma semana em um cruzeiro, então me pediram para buscar o jornal e a correspondência todos os dias, enquanto

Leia mais

O menino e o pássaro. Rosângela Trajano. Era uma vez um menino que criava um pássaro. Todos os dias ele colocava

O menino e o pássaro. Rosângela Trajano. Era uma vez um menino que criava um pássaro. Todos os dias ele colocava O menino e o pássaro Era uma vez um menino que criava um pássaro. Todos os dias ele colocava comida, água e limpava a gaiola do pássaro. O menino esperava o pássaro cantar enquanto contava histórias para

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

LAUDO TÉCNICO. Respostas entre asteriscos indicam que o assunto perturba o depoente.

LAUDO TÉCNICO. Respostas entre asteriscos indicam que o assunto perturba o depoente. Porto Alegre, 21 de julho de 2010. LAUDO TÉCNICO No dia de hoje através de um áudio extraído da entrevista de Fernanda Gomes de Castro para o programa Mais Você de 21/07/2010, foi realizada uma analise

Leia mais

O céu. Aquela semana tinha sido uma trabalheira! www.interaulaclube.com.br

O céu. Aquela semana tinha sido uma trabalheira! www.interaulaclube.com.br A U A UL LA O céu Atenção Aquela semana tinha sido uma trabalheira! Na gráfica em que Júlio ganhava a vida como encadernador, as coisas iam bem e nunca faltava serviço. Ele gostava do trabalho, mas ficava

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro Histórias do Velho Testamento 3 a 6 anos Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro O Velho Testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas e verdadeiras.

Leia mais

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead)

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) A Última Carta Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) E la foi a melhor coisa que já me aconteceu, não quero sentir falta disso. Desse momento. Dela. Ela é a única que

Leia mais

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME CENA 1. HOSPITAL. QUARTO DE. INTERIOR. NOITE Fernanda está dormindo. Seus pulsos estão enfaixados. Uma enfermeira entra,

Leia mais

Sinopse I. Idosos Institucionalizados

Sinopse I. Idosos Institucionalizados II 1 Indicadores Entrevistados Sinopse I. Idosos Institucionalizados Privação Até agora temos vivido, a partir de agora não sei Inclui médico, enfermeiro, e tudo o que for preciso de higiene somos nós

Leia mais

Categorias Subcategorias Unidades de registo. Situação. Sai da escola e ia para casa da minha mãe (F1) Experiência de assalto

Categorias Subcategorias Unidades de registo. Situação. Sai da escola e ia para casa da minha mãe (F1) Experiência de assalto Categorias Subcategorias Unidades de registo Experiência de assalto Situação Sai da escola e ia para casa da minha mãe (F1) Estava a ir para a escola (F2) Estava a sair da escola e quando cheguei à porta

Leia mais

Historinhas para ler durante a audiência dos pais. Pio Giovani Dresch

Historinhas para ler durante a audiência dos pais. Pio Giovani Dresch Historinhas para ler durante a audiência dos pais Pio Giovani Dresch Historinhas para ler durante a audiência dos pais Pio Giovani Dresch Ilustrações: Santiago Arte: www.espartadesign.com.br Contatos

Leia mais

Qual o Sentido do Natal?

Qual o Sentido do Natal? Qual o Sentido do Natal? Por Sulamita Ricardo Personagens: José- Maria- Rei1- Rei2- Rei3- Pastor 1- Pastor 2- Pastor 3-1ª Cena Uma música de natal toca Os personagens entram. Primeiro entram José e Maria

Leia mais

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível).

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível). , Luiz Inácio Lula da Silva, durante a inauguração da República Terapêutica e do Consultório de Rua para Dependentes Químicos e outras ações relacionadas ao Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack São

Leia mais

POR QUE O MEU É DIFERENTE DO DELE?

POR QUE O MEU É DIFERENTE DO DELE? POR QUE O MEU É DIFERENTE DO DELE? Rafael chegou em casa um tanto cabisbaixo... Na verdade, estava muito pensativo. No dia anterior tinha ido dormir na casa de Pedro, seu grande amigo, e ficou com a cabeça

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus Ensino - Ensino 11 - Anos 11 Anos Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus História Bíblica: Mateus 3:13 a 17; Marcos 1:9 a 11; Lucas 3:21 a 22 João Batista estava no rio Jordão batizando as pessoas que queriam

Leia mais

Mostra Cultural 2015

Mostra Cultural 2015 Mostra Cultural 2015 Colégio Marista João Paulo II Eu e as redes sociais #embuscadealgumascurtidas Uma reflexão sobre a legitimação do eu através das redes sociais. Iago Faria e Julio César V. Autores:

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Vamos falar de amor? Amornizando!

Vamos falar de amor? Amornizando! Vamos falar de amor? Amornizando! Personagens 1) Neide Tymus (Regente); 2) Sérgio Tymus (Marido Neide); 3) Nelida (Filha da Neide); 4) Primeiro Coralista; 5) Segundo Coralista; 6) Terceiro Coralista; 7)

Leia mais

NA LOJA DE CHAPÉUS. Karl Valentin. Personagens. Vendedora. Valentin ATO ÚNICO

NA LOJA DE CHAPÉUS. Karl Valentin. Personagens. Vendedora. Valentin ATO ÚNICO NA LOJA DE CHAPÉUS De Karl Valentin Personagens Vendedora Valentin ATO ÚNICO Bom dia, senhor. O que deseja? Um chapéu. Que tipo de chapéu? Um chapéu pra botar na cabeça. Certamente, meu senhor, um chapéu

Leia mais

MÚSICAS. Hino da Praznik Sempre Quando vens p ras colónias Sei de alguém Menino de Bronze Tenho Vontade VuVu & ZéZé

MÚSICAS. Hino da Praznik Sempre Quando vens p ras colónias Sei de alguém Menino de Bronze Tenho Vontade VuVu & ZéZé MÚSICAS Hino da Praznik Sempre Quando vens p ras colónias Sei de alguém Menino de Bronze Tenho Vontade VuVu & ZéZé Hino da Praznik Do Fá Gosto de aqui estar Sol Do E contigo brincar E ao fim vou arranjar

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

RECADO AOS PROFESSORES

RECADO AOS PROFESSORES RECADO AOS PROFESSORES Caro professor, As aulas deste caderno não têm ano definido. Cabe a você decidir qual ano pode assimilar cada aula. Elas são fáceis, simples e às vezes os assuntos podem ser banais

Leia mais

DOCE BALANÇO. Novela de Antonio Figueira. Escrita por. Antonio Figueira. Personagens deste capítulo: DIANA PADRE MARCOS D. SANTINHA BEATA 1 BEATA 2

DOCE BALANÇO. Novela de Antonio Figueira. Escrita por. Antonio Figueira. Personagens deste capítulo: DIANA PADRE MARCOS D. SANTINHA BEATA 1 BEATA 2 DOCE BALANÇO Novela de Antonio Figueira Escrita por Antonio Figueira Personagens deste capítulo: DIANA PADRE MARCOS D. SANTINHA BEATA 1 BEATA 2 DOCE BALANÇO CAPÍTULO 10 PÁGINA 1 DOCE BALANÇO CAPÍTULO 10

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

www.rockstarsocial.com.br

www.rockstarsocial.com.br 1 1 Todos os Direitos Reservados 2013 Todas As Fotos Usadas Aqui São Apenas Para Descrição. A Cópia Ou Distribuição Do Contéudo Deste Livro É Totalmente Proibida Sem Autorização Prévia Do Autor. AUTOR

Leia mais

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br Eu queria testar a metodologia criativa com alunos que eu não conhecesse. Teria de

Leia mais

TESTE DE ELENCO COM UMA CENA. Por VINICIUS MOURA

TESTE DE ELENCO COM UMA CENA. Por VINICIUS MOURA TESTE DE ELENCO COM UMA CENA Por VINICIUS MOURA * Embora seja uma cena que contenha dois atores os candidatos serão avaliados individualmente. Os critérios de avaliação se darão a partir da performace

Leia mais

Relato de parto: Nascimento do Thomas

Relato de parto: Nascimento do Thomas Relato de parto: Nascimento do Thomas Dia 15 de dezembro de 2008, eu já estava com 40 semanas de gestação, e ansiosa para ter meu bebê nos braços, acordei as 7h com uma cólica fraca, dormi e não senti

Leia mais

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores?

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Noemi: É a velha história, uma andorinha não faz verão,

Leia mais

Afonso levantou-se de um salto, correu para a casa de banho, abriu a tampa da sanita e vomitou mais uma vez. Posso ajudar? perguntou a Maria,

Afonso levantou-se de um salto, correu para a casa de banho, abriu a tampa da sanita e vomitou mais uma vez. Posso ajudar? perguntou a Maria, O Afonso levantou-se de um salto, correu para a casa de banho, abriu a tampa da sanita e vomitou mais uma vez. Posso ajudar? perguntou a Maria, preocupada, pois nunca tinha visto o primo assim tão mal

Leia mais

5 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades Extraclasse Complementares de Língua Portuguesa Nome: SER FILHO É PADECER NO PURGATÓRIO

5 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades Extraclasse Complementares de Língua Portuguesa Nome: SER FILHO É PADECER NO PURGATÓRIO 5 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades Extraclasse Complementares de Língua Portuguesa Nome: Leia este texto com atenção: SER FILHO É PADECER NO PURGATÓRIO 1 Psssiu, psssiu. Eu? virou-se Juvenal

Leia mais

ATÉ QUE A MORTE NOS SEPARE? um roteiro. Fábio da Silva. 15/03/2010 até 08/04/2010

ATÉ QUE A MORTE NOS SEPARE? um roteiro. Fábio da Silva. 15/03/2010 até 08/04/2010 ATÉ QUE A MORTE NOS SEPARE? um roteiro de Fábio da Silva 15/03/2010 até 08/04/2010 Copyright 2010 by Fábio da Silva Todos os direitos reservados silver_mota@yahoo.com.br 2. ATÉ QUE A MORTE NOS SEPARE?

Leia mais

Coleção Amigos da Floresta. Festa na Floresta. Patrícia Engel Secco. Ilustrações Maria Eugênia

Coleção Amigos da Floresta. Festa na Floresta. Patrícia Engel Secco. Ilustrações Maria Eugênia Coleção Amigos da Floresta Festa na Floresta Patrícia Engel Secco Ilustrações Maria Eugênia Coleção Amigos da Floresta Festa na Projeto Folclore, Alegria e Tradição Coleção Amigos da Floresta Floresta

Leia mais

Ato Único (peça em um ato)

Ato Único (peça em um ato) A to Ú nico Gil V icente Tavares 1 Ato Único (peça em um ato) de Gil Vicente Tavares Salvador, 18 de agosto de 1997 A to Ú nico Gil V icente Tavares 2 Personagens: Mulher A Mulher B Minha loucura, outros

Leia mais

MOVIMENTO FAMILIAR CRISTÃO Equipe Dia/mês/ano Reunião nº Ano: Tema: QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO Acolhida Oração Inicial

MOVIMENTO FAMILIAR CRISTÃO Equipe Dia/mês/ano Reunião nº Ano: Tema: QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO Acolhida Oração Inicial MOVIMENTO FAMILIAR CRISTÃO Equipe Dia/mês/ano Reunião nº Ano: Local: Tema: QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO Acolhida Oração Inicial Esta é uma história de mudança que ocorre em um labirinto em que quatro personagens

Leia mais

claudia houdelier - maternidade maternidade

claudia houdelier - maternidade maternidade claudia houdelier - maternidade maternidade dedicatória para alexandre, meu único filho. de fora para dentro Tudo começa no ventre materno com certeza, a nossa história começa aqui. Uma história de uma

Leia mais

Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira CÃO ESTELAR. EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados

Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira CÃO ESTELAR. EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira O CÃO ESTELAR EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados Texto e Pesquisa de Imagens Arthur de Carvalho Jaldim e Rubens de Almeida Oliveira O CÃO ESTELAR

Leia mais

Quem tem medo da Fada Azul?

Quem tem medo da Fada Azul? Quem tem medo da Fada Azul? Lino de Albergaria Quem tem medo da Fada Azul? Ilustrações de Andréa Vilela 1ª Edição POD Petrópolis KBR 2015 Edição de Texto Noga Sklar Ilustrações Andréa Vilela Capa KBR

Leia mais

Memórias do papai MEMÓRIAS DO PAPAI

Memórias do papai MEMÓRIAS DO PAPAI MEMÓRIAS DO PAPAI 1 2 PREFÁCIO 1 - O PESADELO 2 - A MAMADEIRA 3 - O SHORTS 4 - O IMPROVISO 5 - SOLITÁRIO 6 - A TURMA A 7 - PRIMEIRAS IMPRESSÕES 8 - A TABUADA 9 - O MAU JOGADOR 10 - ARREMESSO DE DANONE

Leia mais

Anexo II - Guião (Versão 1)

Anexo II - Guião (Versão 1) Anexo II - Guião (Versão 1) ( ) nº do item na matriz Treino História do Coelho (i) [Imagem 1] Era uma vez um coelhinho que estava a passear no bosque com o pai coelho. Entretanto, o coelhinho começou a

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

Era uma vez um príncipe que morava num castelo bem bonito e adorava

Era uma vez um príncipe que morava num castelo bem bonito e adorava O Príncipe das Histórias Era uma vez um príncipe que morava num castelo bem bonito e adorava histórias. Ele gostava de histórias de todos os tipos. Ele lia todos os livros, as revistas, os jornais, os

Leia mais

Carcará composição: João do Vale/José Cândido

Carcará composição: João do Vale/José Cândido 104 A FLOR E O CARCARÁ Carcará Lá no sertão É um bicho que avoa que nem avião É um pássaro malvado Tem o bico volteado que nem gavião... trecho da canção Carcará composição: João do Vale/José Cândido Ana?

Leia mais

14 segredos que você jamais deve contar a ele

14 segredos que você jamais deve contar a ele Link da matéria : http://www.dicasdemulher.com.br/segredos-que-voce-jamais-deve-contar-aele/ DICAS DE MULHER DICAS DE COMPORTAMENTO 14 segredos que você jamais deve contar a ele Algumas lembranças e comentários

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

Aquecimento inespecífico: Os participantes devem andar pela sala não deixando nenhum espaço vazio, andando cada um no seu ritmo.

Aquecimento inespecífico: Os participantes devem andar pela sala não deixando nenhum espaço vazio, andando cada um no seu ritmo. DINÂMICA DO ESPELHO Embrulha o espelho com papel de presente, mas dentro o espelho deve ser embrulhado com outro papel e colado a seguinte frase: Há pessoas que querem ser bonitas pra chamar a atenção,

Leia mais

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série.

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. EE Bento Pereira da Rocha HISTÓRIA DE SÃO PAULO Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. História 1 CENA1 Mônica chega

Leia mais

O Menino do futuro. Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história

O Menino do futuro. Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história O Menino do futuro Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno

Leia mais

DIAS 94. de Claudio Simões (1990 / 94)

DIAS 94. de Claudio Simões (1990 / 94) DIAS 94 de Claudio Simões (1990 / 94) 2 PERSONAGENS São cinco personagens identificadas apenas por números. Não têm gênero definido, podendo ser feitas por atores ou atrizes. As frases em que falam de

Leia mais

INDICE Introdução 03 Você é muito bonzinho 04 Vamos ser apenas amigos dicas para zona de amizade Pg: 05 Evite pedir permissão

INDICE Introdução 03 Você é muito bonzinho 04 Vamos ser apenas amigos dicas para zona de amizade Pg: 05 Evite pedir permissão 1 INDICE Introdução... Pg: 03 Você é muito bonzinho... Pg: 04 Vamos ser apenas amigos dicas para zona de amizade... Pg: 05 Evite pedir permissão... Pg: 07 Não tenha medo de ser você mesmo... Pg: 08 Não

Leia mais

Vivendo e aprendendo em família

Vivendo e aprendendo em família Vivendo e aprendendo em família VERSÍCULO BÍBLICO Que todas estas palavras que hoje lhe ordeno estejam em seu coração. Ensine-as com persistência a seus filhos. Converse sobre elas quando estiver sentado

Leia mais

MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta

MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta Copyright Betina Toledo e Thuany Motta Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 MERGULHO FADE IN: CENA 1 PRAIA DIA Fotografia de

Leia mais

repórter da "Liga dos Últimos" e do "Glamour" e fez um programa sobre bandas de garagem. Depois abriu o Porto Canal, que

repórter da Liga dos Últimos e do Glamour e fez um programa sobre bandas de garagem. Depois abriu o Porto Canal, que "Sou muito persistente, muito lutadora, e vou sempre atrás daquilo que quero, porque sei que conseguirei lá chegar devagarinho, com um passo de cada vez. E continuo a lutar pelos meus obietivos,, Para

Leia mais

Os Cadernos de Alegrete

Os Cadernos de Alegrete Os Cadernos de Alegrete Nesta tarde cinza, pensativo, vou folheando um volume encadernado das edições dos Cadernos de Extremo Sul, saudosa coleção de publicações literárias fundada em Alegrete, em 1953,

Leia mais

este ano está igualzinho ao ano passado! viu? eu não falei pra você? o quê? foi você que jogou esta bola de neve em mim?

este ano está igualzinho ao ano passado! viu? eu não falei pra você? o quê? foi você que jogou esta bola de neve em mim? viu? eu não falei pra você? o quê? este ano está igualzinho ao ano passado! foi você que jogou esta bola de neve em mim? puxa, acho que não... essa não está parecendo uma das minhas... eu costumo comprimir

Leia mais

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO HISTÓRIA BÍBLICA: Mateus 18:23-34 Nesta lição, as crianças vão ouvir a Parábola do Servo Que Não Perdoou. Certo rei reuniu todas as pessoas que lhe deviam dinheiro.

Leia mais

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal O Tomás, que não acreditava no Pai Natal Era uma vez um menino que não acreditava no Pai Natal e fazia troça de todos os outros meninos da escola, e dos irmãos e dos primos, e de qualquer pessoa que dissesse

Leia mais

Escola EB1 de Brunheiras

Escola EB1 de Brunheiras Escola EB1 de Brunheiras O dia dos namorados Era uma vez uma princesa chamada Francesca que estava apaixonada pelo príncipe Marco. Um dia o príncipe foi salvar a Francesca que estava presa na torre do

Leia mais

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano O Menino do Futuro Dhiogo José Caetano 1 Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno inventor que

Leia mais

PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com

PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com Tema:Humor Você vai ler a seguir um fragmento da peça teatral Lua nua, de Leilah Assunção, que foi encenada em várias cidades do país entre 1986 e 1989, sempre com grande sucesso de público e de crítica.

Leia mais

Levantando o Mastro CD 02. Bom Jesus da Cana Verde. Divino Espírito Santo Dobrado. Areia areia

Levantando o Mastro CD 02. Bom Jesus da Cana Verde. Divino Espírito Santo Dobrado. Areia areia CD 02 Bom Jesus da Cana Verde [ai bom Jesus da Cana Verde é nosso pai, é nosso Deus (bis)] ai graças a Deus para sempre que tornamos a voltar ai com o mesmo Pombo Divino da glória celestial ai Meu Divino

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na visita ao Assentamento Lulão

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na visita ao Assentamento Lulão , Luiz Inácio Lula da Silva, na visita ao Assentamento Lulão Santa Cruz de Cabrália-BA, 28 de setembro de 2005 Meu caro governador Paulo Souto, governador do estado da Bahia, Meu querido companheiro Miguel

Leia mais

Em um campo inabitado, cheio de flores, em

Em um campo inabitado, cheio de flores, em Para onde foi o meu dinheiro? A fábula das abelhas. Em um campo inabitado, cheio de flores, em uma terra distante, havia uma colméia diferente das demais. Tudo nessa colméia era muito bem organizado, limpo

Leia mais