A indústria fonográfica em transição: uma breve revisão da atual estrutura de mercado e o reflexo na mídia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A indústria fonográfica em transição: uma breve revisão da atual estrutura de mercado e o reflexo na mídia"

Transcrição

1 FELIPE PINHEIRO DUARTE A indústria fonográfica em transição: uma breve revisão da atual estrutura de mercado e o reflexo na mídia Viçosa MG Curso de Comunicação Social/Jornalismo da UFV 2013

2 FELIPE PINHEIRO DUARTE A INDÚSTRIA FONOGRÁFICA EM TRANSIÇÃO: UMA BREVE REVISÃO DA ATUAL ESTRUTURA DE MERCADO E O REFLEXO NA MÍDIA Monografia apresentada ao Curso de Comunicação Social/ Jornalismo da Universidade Federal de Viçosa, como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Jornalismo. Orientadora: Mariana Bretas Viçosa - MG Curso de Comunicação Social/Jornalismo da UFV 2013

3 Universidade Federal de Viçosa Departamento de Comunicação Social Curso de Comunicação Social/Jornalismo Monografia intitulada A indústria fonográfica em transição: uma breve revisão da atual estrutura de mercado e o reflexo na mídia, de autoria do estudante Felipe Pinheiro Duarte, aprovada pela banca examinadora constituída pelos seguintes professores: Profa. Ms. Mariana Bretas Orientador Curso de Comunicação Social/ Jornalismo da UFV Profa. Dra. Mariana Procópio Curso de Comunicação Social/ Jornalismo da UFV Dr. Maurício Caleiro Jornalista e cineasta Curso de Comunicação Social/ Jornalismo da UFV Viçosa, 11 de abril de 2013

4 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente aos meus pais, pela oportunidade oferecida e por todo amor que me fizeram sentir, não só nessa, mas em todas as jornadas da minha vida. Agradeço à minha avó Idalina, segunda mãe e emanadora de preces e energias positivas e aos meus falecidos avós que me demonstraram o caráter digno do humano honesto e altruísta. Agradeço à minha irmã e todos os amigos que me forneceram o contato com a beleza da amizade e do amor pelo próximo e pela vida. À Letícia, namorada e companheira, pessoa fundamental em muitos momentos de alegria e superação, que inspira pela arte e pela quantidade de amor. Aos botecos; às serras e vilarejos de minas e suas maravilhosas fontes de reconhecimento intrínseco e verdadeiro da vida; às cachoeiras, matas e cânions, que me renovam as forças a cada experiência; à música, pelo contato superior; a todos que, de alguma forma, contribuíram comigo e contribuem com o mundo para a formação de um ser humano que apregoe a paz e o amor.

5 Para Leonardo Moraes, Não estou cantando só Cantamos todos nós Mas cada um nasceu com a sua voz, pra dizer, pra falar de forma diferente, O que todo mundo sente Raul Seixas 4

6 RESUMO Esta monografia tem por objetivo fazer uma revisão bibliográfica dos estudos sobre a reconfiguração da indústria fonográfica que vêm sendo realizados no Brasil na atualidade e, ao fim, expor alguns dados quantitativos da exposição da música na mídia. A nova estrutura de funcionamento do mercado fonográfico, a Web 2.0 e as novas perspectivas de investimento. A profissionalização dos independentes e a nova postura diante de um mercado mais dinâmico e flexível. A mídia e a repercussão de uma nova organização da produção musical, uma breve análise do jornal Estado de Minas a respeito da divulgação de conteúdo musical. PALAVRAS-CHAVE Indústria fonográfica; produção independente; mídia; Web 2.0. ABSTRACT This monograph aims to do a literature review of studies on the reconfiguration of the music industry that have been conducted in Brazil at present, and, in the end, expose some quantitative data on the exposure of the music media. The new operating structure of the music industry, Web 2.0 and new investment prospects. The professionalization of independent and new position with a market more dynamic and flexible. The media and the impact of a new musical production organization, a brief analysis of the Estado de Minas newspaper regarding the dissemination of musical content. KEYWORDS Music industry; independent production; media; Web

7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...7 CAPÍTULO 2 INSURGÊNCIA DO MERCADO INDEPENDENTE Estrutura centralizada das majors e investidas independentes Terceirização de funções e a profissionalização dos independentes...11 CAPÍTULO 3 NOVA FORMATAÇÃO DO MERCADO DA MÚSICA A pirataria como enfraquecedora da grande indústria e as novas perspectivas de crescimento A Web 2.0 e suas implicações na distribuição/divulgação de conteúdo musical por majors e independentes A estruturação em rede do mercado das grandes gravadoras O mercado dos games como forte tendência de investimento Os festivais indie e a nova perspectiva de mercado das apresentações ao vivo CAPÍTULO 4 - A MÍDIA E A PROPAGAÇÃO DE CONTEÚDO INDEPENDENTE, O REFLEXO DE UMA NOVA SITUAÇÃO DE MERCADO CONCLUSÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS

8 INTRODUÇÃO O mercado da música é, sem dúvida alguma, um dos elementos fundamentais da indústria cultural (ADORNO; HORCKHEIMER, 1947). O seu desenvolvimento, ou sua transformação, ao longo das últimas décadas está envolto a uma série de complexos fatores que contribuíram por traçar o rumo ao qual hoje se encontra. O desenvolvimento tecnológico possibilitou novos equipamentos e ferramentas com o passar dos anos, alterando a forma de produção e criando novas logísticas que vieram à tona pela consequente ampliação comercial do negócio. Ademais, os meios de comunicação, que também potencializaram o seu alcance, tornaram-se parte fundamental no crescimento do seguimento musical. Há poucas décadas, a indústria da música baseou seus ganhos na venda de fonogramas físicos, tais quais foram sendo substituídos ao passo do desenvolvimento tecnológico, de forma a se adequarem às situações e demandas do mercado de cada época. Destacam-se nos momentos mais prósperos de venda desses fonogramas os formatos Long Play em vinil, os cassetes e os Compact Disc s. Durante o período áureo de vendas desses produtos musicais, que pode se entender entre os anos 60 e 80 e um bom momento no final dos 90, o mercado fora praticamente dominado por alguns grupos empresariais transnacionais, conhecidos por gravadoras, que se modificaram com o passar dos anos, apesar de terem mantido as mesmas bases de funcionamento na maioria dos casos. Hoje, vê-se um mercado estruturado de uma forma muito diferente do que fora em outros tempos. A então facilidade de acesso a equipamentos essenciais à produção musical, o formato digital do fonograma e a pirataria e os novas ferramentas oferecidas pela internet forçaram os grandes industriais a buscarem novos campos de investimentos e outras formas de se manterem no mercado, não sendo mais essenciais para os aritstas que pretendem produzir e divulgar música. Tal indústria sempre foi acompanhada por algumas investidas independentes, artistas e produtores que optaram por uma produção paralela às grandes empresas. No entanto, durante a maior parte na história do desenvolvimento desse mercado, formas alternativas de produção eram muito complicadas de serem realizadas, devido à 7

9 dificuldade de acesso aos equipamentos de gravação, mixagem, masterização, etc., muito caros até então, praticamente restritos, pois, a grupos de grande poderio financeiro. Outras dificuldades como distribuição e divulgação também emperraram e limitaram as empreitadas independentes que esbarraram também na fraca relação com os veículos de comunicação, se comparada com as grandes gravadoras, que mantinham estreito vínculo social e comercial com esses meios. A produção independente só veio a se tornar mais plausível com o barateamento dos aparatos eletrônicos e a integração digital possibilitada através de computadores, softwares e outras tecnologias que vieram a ser desenvolvidas, como, marcantemente, a internet, que criou um novo mundo de opções para divulgação e distribuição/difusão de produtos. Além de também se inserirem de outras formas no mercado, alterando a sua concepção estratégica e de atuação e visando novos potenciais consumidores. Nesta monografia, buscarei fazer uma breve revisão sobre esse momento de reestruturação na indústria, utilizando referências atuais e majoritariamente nacionais para possibilitar uma leitura mais recente e local dessa transformação. Apoiei-me, na maioria do texto, nos estudos que vêm sendo brilhantemente desenvolvidos por pesquisadores do estado do Rio de Janeiro. Decidi por dar uma pequena contribuição à releitura histórica de um campo ainda pouquíssimo explorado na Universidade Federal de Viçosa. No último capítulo, apresento uma investigação própria sobre os possíveis reflexos desse meio em transição na mídia impressa, especificamente o jornal Estado de Minas e semelhanças e diferenças com um estudo realizado sobre a divulgação de música nas rádios, por Marcelo Kischinhevsky. Dessa forma, pretendo apresentar uma pequena contribuição ao segmento dessa linha de pesquisa, por não ter encontrado estudos semelhantes da mídia impressa. 8

10 2 INSURGÊNCIA DO MERCADO INDEPENDENTE A produção de música independente no Brasil passou por diversos momentos no desenrolar dos séculos XX e XXI, que se podem identificar por momentos de experimentações, apropriação de alguns nichos de mercados, desenvolvimentos e retrocessos nos modelos de produção, absorção de tecnologias, profissionalização, organização etc. Atualmente, conseguiu encontrar formas estruturais e de organização que lhe permite desempenhar um papel fundamental dentro da nova organização de mercado da música, sabendo apropriar-se criativamente de novas tecnologias e oportunidades que ocorreram por surgir na contemporaneidade. Ao nos inteirarmos, mesmo que brevemente, sobre os percursos dos que desde o início se aventuraram nessa forma de produção musical e como se deu todo o seu processo de transição, podemos ter uma maior clareza para a compreensão do seu significado e o papel que hoje desempenha em uma estrutura de mercado muito mais complexa que fora outrora. No entanto, assim justifico a minha opção por essa breve passagem histórica, contribuindo como mais uma voz para contar essa história interessante e de grande importância dentro dessa nova linha de pesquisa sobre a indústria fonográfica que vem desenvolvendo trabalhos incríveis no nosso país. 2.1 Estrutura centralizada das majors e investidas independentes Por volta dos anos de 1950 e 1960, a indústria musical começou a tomar força devido ao aumento do número de vendas dos fonogramas, que se popularizaram massivamente no formato Long Play, ou vinil. Nesse dado momento, as mídias tradicionais já possuíam um bom nível de desenvolvimento, contribuindo para a distribuição/disseminação dos artistas em uma escala jamais vista anteriormente, pois contavam com emissoras de rádio e televisão bem estabelecidas em alguns países. Isso contribuiu para que fossem criados grandes astros da música em escala global, que representavam uma enorme vendagem de discos em muitas partes do globo. À época, as gravadoras possuíam estrutura própria para a realização de todas as etapas do processo de produção musical. Os músicos contratados gravavam, mixavam e 9

11 masterizavam todo o material nos estúdios das gravadoras. Depois, eram essas próprias empresas que cuidavam dos processos de prensagem do disco - transformação no formato de venda, no caso o LP e distribuição das cópias para as revendedoras, além de estabelecerem uma relação próxima com os veículos midiáticos, notadamente o rádio e a TV, que funcionaram como peças fundamentais para a exposição de diversos artistas e, consequentemente, para a alta rentabilidade das gravadoras. A grande indústria, então, possuía essa estrutura que centralizava todo o processo produtivo nas próprias empresas. Nesse dado momento histórico, praticamente toda a produção musical para vendagem tinham de ser elaboradas por essas gravadoras, pois elas que tinham os equipamentos necessários para gravar, mixar, etc., que eram extremamente caros, o que tornava impensável, para muitos, a ideia de se produzir algum material autônomo ou independente. No entanto, houveram várias produções já registradas, embora não haja consenso entre os pesquisadores sobre quem ou o quê tenha sido o inaugurador da produção independente. Há casos relatados de produções próprias já na primeira metade do século XX, porém muitos pesquisadores preferem, no caso do Brasil, optar por considerar o álbum Feito em Casa (1977), de Antonio Adolfo como um marco fundamental, pois - pela primeira vez desenvolveu-se uma discussão em torno do tema (VICENTE, 2006, p. 3). O artista definiu suas motivações expondo uma realidade ainda existente, que sempre persistiu por todo o caminho de transformação da cena independente, que é a própria vontade dos artistas de se sentirem livres de possíveis amarras ocasionadas pela relação contratual com as gravadoras: Em 77, num ato de coragem e pioneirismo, lançava o disco Feito em casa em seu próprio selo Artezanal. Era o pontapé inicial de uma tendência libertária, a do disco independente, que motivaria o aparecimento de artistas divergentes das leis do mercado tradicional. 1 1 Extraído da biografia encontrada no site oficial de Antonio Adolfo. último acesso: 20/03/

12 Buscando ou não uma alternativa ideológica para a produção musical, pode se concluir que em tal período as dificuldades eram muitas para os empreiteiros independentes. 2.2 Terceirização de funções e a profissionalização dos independentes Uma notação importante referente à indústria fonográfica brasileira é a de que, a certa altura, havia um grande mercado consumidor de discos no país, que chegou a se tornar o quinto maior do mundo em 1979, com milhões de unidades vendidas no ano (DIAS, 2000 apud DE MARCHI, 2006). Tal situação foi possibilitada por alguns fatores, como o bom momento econômico do país nos anos anteriores que elevaram a renda dos consumidores e medidas interventivas do Estado, como: - criação da Lei de Benefício Fiscal da Música Brasileira, em 1967, e a reformulação do sistema de distribuição dos direitos autorais, com a criação do Escritório de Arrecadação dos Direitos Autorais (ECAD), que passou a incentivar a produção de artistas nacionais e organizar a arrecadação dos direitos sobre as obras (DE MARCHI, 2006, p. 170). Atentas à situação positiva desse mercado, as gravadoras internacionais começaram a investir no país com o intuito de abocanhar uma parcela dos consumidores, instalando filiais já existia a presença de empresas estrangeiras do ramo no fim da década de 20. Surgiram então novas competidoras no mercado brasileiro, as quais, com o passar dos anos, as empresas nativas não conseguiram se manter no mercado e acabaram sendo vendidas ou encerrando as atividades por conta da forte concorrência. Apenas uma empresa de capital nacional figurava entre as seis líderes do mercado brasileiro já nos anos de (DIAS 2000; 75 ; DE MARCHI, 2006) Durante os difíceis anos de 1980 e 1990 que viveu a indústria fonográfica no Brasil, com momentos turbulentos na economia e transações políticas intensas, as grandes empresas começaram a alterar seu modo operacional buscando alternativas dentro de uma situação difícil. Assim, deram início a uma flexibilização do processo 11

13 produtivo, que acabou por gerar mudanças importantes em toda organização do mercado, como bem demonstra De Marchi a situação nessa passagem: Para reverter o quadro de déficit, seguindo as orientações das matrizes, as empresas transnacionais passaram a adotar um modelo de gerenciamento da produção industrial conhecido como acumulação flexível (Harvey 1989: 140), no qual as empresas substituem a estrutura verticalmente centralizada de gerência pela em rede ou horizontal (Castells, 2003). No caso da empresa fonográfica, isso significou arrendar boa parte da etapa de produção, adotar políticas austeras de gerência de catálogos, além de apostar em novas tecnologias que pudessem otimizar os lucros. Assim, a maior parte das grandes gravadoras sublocou serviços como gravação, prensagem gráficos e distribuição; passou a ter relações empregatícias mais flexíveis com seus artistas e equipes de produção; adotou a tecnologia digitas, particularmente representada na adoção do suporte reprodutor compact disc (CD) como seu principal produto (Dias 2000). (DE MARCHI, 2006, p. 171) Ao passo que os problemas políticos e econômicos brasileiros foram sendo solucionados no início da década de 1990, as mudanças de comportamento da grande indústria surtiram efeito bastante positivo, fazendo com que o Brasil recuperasse um antigo posto de 5º maior mercado fonográfico do mundo no ano de (DE MARCHI, 2006). Os anos difíceis vividos pelas gravadoras nos 80-90, período também muito turbulento e cheio de incertezas no meio independente, que resultou no processo de reformulação em suas maneiras de atuar no mercado acabou se refletindo em fatores negativos para muitos artistas, o que contribuiu para que muitos deles se voltassem para o lado da produção independente. a indústria aumenta sua seletividade, racionaliza sua atuação, reduz seus elencos e, nesse processo, tende a marginalizar artistas menos imbuídos de sua lógica ou não classificáveis dentro dos segmentos de mercado que passa a privilegiar. Nesses termos, uma cena independente surge tanto como espaço de resistência cultural e política à nova organização da indústria, quanto como via de acesso ao mercado para um variado grupo de artistas (VICENTE, 2006, p. 4) A nova organização de funcionamento da grande indústria também contribui para uma maior interação com as gravadoras independentes. Com alguns serviços negociados em diversos tipos de contratações por ambos os lados, acabou contribuindo 12

14 para o fortalecimento das independentes, que acabaram por agregar diversos artistas que ficaram de fora dos planos dessa nova logística e que representavam força de nome. Alguns também passaram a fazer o contrário, utilizar selos independentes como forma de se projetarem e chamarem a atenção das majors, utilizando como uma plataforma de transição. Com o desenvolvimento tecnológico já alcançado nos anos de 1990 e o barateamento dos equipamentos, ocorreu uma consequente proliferação na oferta de diversos serviços anteriormente realizados apenas pelas grandes gravadoras. Isso possibilitou que se pudesse fundar um selo, ou uma gravadora independente, com o mínimo de estrutura e ainda ter uma variedade de opções de serviços. Daí começaram a surgir diversas gravadoras indies pelo Brasil, que acabaram lançando nomes como Racionais MC s (Zimbabwe), Raimundos (Banguela) e Sepultura (Cogumelo), entre outros (VICENTE, 2006, p. 9), bandas fortes na música brasileira nos anos 90. De toda forma, começou-se a ter uma visão diferente sobre as possibilidades de mercado de uma gravadora independente: Diferentemente do que ocorrera na década anterior, a oposição ideológica entre majors e indies, ou mesmo entre arte e mercado, pouco se fez presente em discursos e debates. Agora, parecia mais interessante aos empresários afirmar a profissionalização e viabilidade de seus investimentos. Para muitos deles, o conceito de selo independente no Brasil ainda estava, como declarou Pena Schmidt, da Tinitus, muito associada à imagem do disco artesanal, praticado aqui nos anos 70 e concluía: ser independente é apenas ser dono do próprio negócio. (VICENTE, 2006, p. 9) Com uma mudança de mentalidade advinda da nova era da indústria fonográfica, onde as possibilidades ampliadas de se prosperar unida à nova relação de mercado dos atores da indústria da música, os independentes começaram uma nova forma de produção, profissionalizando sua atuação em busca de um mercado insurgente que promete bastante retorno no geral, financeiro para os empresários e músicos e artístico para todos. 13

15 3 NOVA FORMATAÇÃO DO MERCADO DA MÚSICA No atual cenário da produção fonográfica pode-se observar uma tendência de centralização dos investimentos das majors em artistas de grande apelo popular, que trazem um altíssimo retorno de público, e, certamente, financeiro. As grandes preferem apostar em um quadro de contratados enxuto, mas que possibilitam uma lucratividade astronômica exemplo de artistas como Justin Bieber, Lady Gaga, Ke$ha, Luan Santana, Ivete Sangalo, entre outros, em vez de contar com um grande número de artistas, (DE MARCHI, 2011) dentre os quais iniciantes, promessas, músicos já há muito tempo consagrados e não mais em seu auge e outras propostas inovadoras de gênero ou de cunho experimental. Apesar da crescente presença e força de atuação dos selos independentes, as grandes multinacionais ainda possuem o domínio dos grandes veículos de comunicação tradicionais, mais marcantemente no rádio. Tais empresas são articuladas de maneira a colocarem de lado, leia-se de fora da programação, grupos de artistas e gêneros específicos que tenham menos apelo popular e sejam pouco rentáveis. (HERSCHMANN; KISCHINHEVSKY, 2011) Tal atitude reflete uma nova realidade dessas grandes empresas, que deixaram de lado o sentido literal de gravadoras para fazerem parte de uma nova configuração de mercado, bastante flexível e de muita interatividade entre diversos novos atores no processo de produção fonográfica. (DE MARCHI, 2011) Dessa forma, as majors funcionam de uma maneira mais administrativa do que operacional, funções que já vêm, como destacado anteriormente nesta monografia, sendo designadas a empresas terceiras, levando-se em conta os critérios de gravação em estúdios, prensagem e distribuição dos fonogramas -, como também será abordado mais à frente neste capítulo ao se tratar do mercado organizado em rede. Diante dessa nova maneira de se manterem vivas no mercado, as grandes gravadoras nada mais que buscaram a sua importância dentro dessa reestruturação de mercado, pois apesar de não serem mais um pré-requisito para a produção artística, - devido todo o desenvolvimento da logística independente, além de outras mudanças naturais ocasionadas pelo desenvolvimento tecnológico-, ainda são fortes grupos que 14

16 possuem know-how do mercado e que também estão sempre em busca de se adequarem às novas realidades. No próximo capítulo desta monografia irei aprofundar um pouco mais a respeito da divulgação de música, não somente o produto em si, mas o que envolve esse meio artístico, hoje em dia em alguns veículos tradicionais de comunicação, mais especificamente o rádio e a mídia impressa, que terá como exemplo o diário Estado de Minas, oriundo da capital Belo Horizonte. 3.1 A pirataria como enfraquecedora da grande indústria e as novas perspectivas de crescimento Incluí este subcapítulo que disserta brevemente sobre a pirataria, principalmente em meios digitais, por acreditar ser fundamental apresentar esse episódio no contemporâneo e suas origens e propagação para uma leitura mais extensiva dos atuais desafios vividos pela grande indústria musical e também relacionar algumas vertentes à nova situação proporcionada aos artistas autônomos e independentes. A internet se tornou um veículo o qual nos possibilita perceber muito claramente a diversificação das atividades das gravadoras. Elas se viram obrigadas a alterar sua forma de atuação pelas enormes perdas financeiras registradas nos últimos anos, fator que elas creditam, principalmente, ao enorme volume de pirataria existente, potencializado brutalmente com a internet e com a facilidade de reprodução e distribuição de fonogramas, tanto físicos, como o CD, quanto digitais. A pirataria não é novidade, nos anos de 1970 ela já existia no mercado das fitas cassetes. Para se ter uma ideia, a quantidade de produtos piratas percebeu-se espantosamente elevada em 1997, quando estimava-se que circulavam cerca de 60 milhões de cassetes falsificados, ao passo que menos de um milhão de exemplares eram vendidos legalmente.(vicente, 2006). No entanto, a internet é que se configura como a maior plataforma de pirataria musical já existente, devido alguns fatores que contribuíram para que a situação chegasse a esse ponto. Primeiramente, a criação de um formato digital compacto e com qualidade de áudio satisfatória para a grande maioria do público, que é o arquivo mp3. Sua história remonta do início a meados da década de 1990, podendo variar de 15

17 acordo com a interpretação do marco fundamental de sua criação 2. Por conta do seu tamanho muito reduzido em relação a outros formatos de áudio, como o wav, por exemplo, o mp3 se tornou muito adequado à web, sendo de fácil upagem para sites e, posteriormente, transferência entre usuários. Com a disseminação do formato, diversos programas de compartilhamento de arquivos entre usuários surgiram durante os anos seguintes, sendo o Napster um dos precursores da prática chamada peer-to-peer, ou P2P. A partir daí, conseguia-se, e ainda se consegue, distribuir todos os seus arquivos mp3 pessoais a todos os usuários conectados àquele software. Os arquivos de todos os usuários disponíveis para quem estivesse conectado, resumindo. Dessa forma, criou-se uma gigantesca ferramenta mundial de distribuição/transação não autorizada de música digital, que prevalece até hoje nas mais variadas formas que continuam sendo criadas desde então. Consta no último relatório divulgado pela Federação Internacional da Indústria Fonográfica 3, IFPI, que a pirataria amplamente difundida é o maior fator de travamento do desenvolvimento dos negócios envolvendo os fonogramas digitais. Diversas medidas vêm sendo tomadas atualmente para tentar coibir a atuação dessas ferramentas consideradas ilícitas pela organização, tanto que acreditam terem evoluído com sucesso no ano de 2011 através de processos jurídicos e parcerias tanto com os próprios meios de propagação ilegais quanto a diversos órgãos da rede, como os Provedores de Serviços de Internet (ISP`s). Um destaque importante no setor de distribuição não licenciada é o site que hospeda arquivos torrent The Pirate Bay. Atualmente, medidas tomadas pela IFPI, em parceria com os servidores de internet europeus, vêm, com sucesso, conseguindo bloquear o acesso dos usuários a esse site. Como a própria federação descreve no Relatório de Música Digital 2012: A vasta escala do problema é amplamente reconhecida, tal como é a recente evolução de novas formas e canais. Globalmente, estima-se que 28 por cento um em cada quatro usuários de internet acessam, mensalmente, serviços não autorizados (IFPI/Nielsen). Cerca de 2 Baseado nos artigos encontrados nos links: acessado em 12/03/ Digital Music Report 2012, disponível em: acessado em 13/03/

18 metade desses utlilizam as redes peer-to-peer (P2P). A outra parcela utiliza outros canais não autorizados, não-p2p, que são um problema de crescimento acelerado. Isso inclui blogues, sites de armazenamento de arquivos, fóruns, websites, sites de streaming, aplicativos de smartphones e de ripagem de stream. Em alguns países, a taxa de utilização de sites ilegais é muito maior que a taxa média global por exemplo, 42% e 44%, respectivamente, nos grandes mercados da Espanha e do Brasil (Nielsen/IFPI). 4 Nas duas últimas décadas a indústria da música se deparou com um dos maiores desafios que já teve de enfrentar, a disseminação da internet pelo mundo unida à digitalização da música em formatos compactos e de fácil transferência, notadamente o arquivo MP3, causou, e ainda está causando, uma série de transformações tanto na relação entre os produtores e os consumidores de música, quanto à organização da própria indústria em sua interação com outros novos atores desse mercado - empresas, organizações, sites e etc. Destaca-se também a integração de novos aparelhos eletrônicos, como os gravadores de CD pessoais, e os já não tão novos aparelhos reprodutores de áudio, como os ipod`s, telefones celulares e ainda os Pen Drives, entre outros, com o formato digital do fonograma. Para o ano de 2012, o combate à pirataria foi tido como prioridade para a IFPI, como descreve a própria chefe-executiva da instituição, Frances Moore, ao final do seu texto intitulado Otimismo justificado. Complacência não aceita : 5 O negócio da música é um contribuinte dinâmico à economia digital. Ainda que possa ser muito mais que isso, provendo a sustentação do crescimento e de postos de trabalho. Isso não pode ser feito apenas através de inovação e licenciações. Nós precisamos de um contexto legal justo, cooperação efetiva de intermediários e um 4 Tradução própria do inglês, texto Piracy: improved cooperation from online intermediaries, incluído no Digital Music Report 2012, p.16. Trecho original: The vast scale of the problem is widely recognized, as is the recent evolution of new forms and channels. Globally, it is estimated that 28 per cent one in four of internet users access unauthorized services on a monthly basis (IFPI/Nielson). Around half of these are using peer-to-peer (P2P) networks. The other half are using other non-p2p unauthorized channels which are a fest-growing problem. These include blogs, cyberlockers, forums, websites, streaming sites, smartphone-based applications and stream ripping applications. In some countries, the rate of usage of illegal sites is far higher than the global average for example 42 per cent and 44 per cent respectively in the major markets of Spain and Brazil (Nielsen/IFPI). 5 Tradução própria do inglês, texto Optimism justified. Complacency not accepted, incluído no Digital music Report 2012, p.4. Trecho original: The music business is a dynamic contributor to the digital economy. Yet it can be much more than that, delivering sustainable growth and jobs. This cannot be done through innovation and licensing alone. We need a fair legal environment, effective cooperation from intermediaries and a resolute commitment from governments to use legislation to curb all forms of piracy. These are the priorities we will be pushing for in

19 firme comprometimento dos governos em se utilizarem da legislação para coibir todas as formas de pirataria. Essas são as nossas prioridades no adentrar de No entanto, depois de anos em forte queda, a indústria vem mostrando sinais de recuperação. De acordo com os últimos dados disponíveis, no ano de 2011 a indústria cresceu 8,4% no total de faturamento em relação ao ano anterior, atingindo a marca de R$373,2 milhões. Esse montante refere-se tanto às vendas em formato físico, - CD s. DVD s e Blue Ray -, que sozinhas cresceram 7,6%, passando a representar R$312,3 milhões; quanto em relação às diversas formas do comércio digital, que em 2011 passou a representar 16% do mercado brasileiro num faturamento total de R$60,9 milhões. Esse último vem numa crescente significativa há alguns anos, tendo mais que dobrado as receitas desde o ano de 2007, como mostra a tabela: Mesmo com o sensível crescimento do mercado digital, que vem tomando uma significante parcela na receita total da grande indústria no Brasil, as empresas inseridas nesses dados, tidas pela própria ABPD como as maiores companhias fonográficas operantes no país, ainda estão muito aquém do faturamento total obtido no ano de 2002, por exemplo, que correspondeu com o valor total de vendas em R$726 milhões 6, que representou naquela época quase o dobro do retratado em 2011 e que colocou o Brasil como o quinto maior mercado fonográfico do mundo naquele momento, posição que já não é mais ocupada. 6 Disponível em: acessado em 14/03/

20 Nota-se, portanto, que a indústria retraiu praticamente pela metade em cerca de nove anos. No entanto, os últimos resultados estão servindo de amparo a grandes expectativas de crescimento para os próximos anos, como escreveu Paulo Rosa, presidente da ABPD, no relatório analisado: Há vários desafios ainda, principalmente no desenvolvimento do mercado digital, questões ligadas aos novos hábitos de consumo na internet, pirataria, etc., mas quero acreditar que o setor fonográfico, que experimentou desde o final da década de 90, um encolhimento como nenhum outro segmento da economia da cultura vivenciou, começa a dar claros sinais de recuperação, baseada em um portfólio de receitas cada vez mais variado, venham elas do mercado físico ou do digital. Mesmo com a expectativa positiva da grande indústria nas vendas digitais para os próximos anos, ainda há uma grande incerteza à aparição de uma forma/modelo/produto que possibilitem investimentos mais seguros, que possam carregar as vendas. 3.2 A Web 2.0 e suas implicações na distribuição/divulgação de conteúdo musical por majors e independentes A evolução da própria internet contribui cada dia mais para essa diversificação de possibilidades/interação, em suma essa complexidade que vem assumindo o atual mercado fonográfico. É importante ressaltar que nem todas as novidades trazidas pela internet e sua evolução foram maléficas para o mercado fonográfico como um todo, apesar da pirataria significar um enorme desafio, outras oportunidades de negócios já estão disponíveis, e, acredito, muitas ainda por serem criadas. Pode-se destacar a web 2.0, por exemplo, como possibilitadora de muitas novas formas de difusão, distribuição - do próprio fonograma ou de informações a respeito de artistas -, e de interação entre usuários e vêm formando novas ferramentas que permitam ao ouvinte romper as hierarquias e entrar no mundo da prescrição musical. (GALLEGO, Juan Ignacio, 2011). Refletindo um pouco que seja sobre sua dinamicidade em relação às possibilidades criadas aos artistas, vê-se que os músicos hoje podem fazer todo o processo de elaboração do seu produto musical, realidade que veio à tona não só pela 19

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Auta Rodrigues Moreira Irene Guerra Salles Lilian Braga Carmo Luana Roberta Salazar Resumo: Atualmente, com a presença marcante das tecnologias, torna-se

Leia mais

Mercado Fonográfico Brasileiro 2009

Mercado Fonográfico Brasileiro 2009 Apresentação O relatório anual da ABPD - Associação Brasileira dos Produtores de Discos, intitulado Mercado Brasileiro de Música 2009 mais uma vez objetiva o desenvolvimento do setor e o melhor conhecimento

Leia mais

08 a 11 de outubro de 2014

08 a 11 de outubro de 2014 EMPREENDER NA MÚSICA COMO TRANSFORMAR UMA BANDA NUMA MICRO EMPRESA 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Sumário Ecossistema da música A música no Brasil Gestão da carreira musical O ecossistema

Leia mais

GESTÃO DE CARREIRAS AUTOPRODUÇÃO MUSICAL MUSICAL

GESTÃO DE CARREIRAS AUTOPRODUÇÃO MUSICAL MUSICAL GESTÃO DE CARREIRAS OBJETIVOS E JUSTIFICATIVA Este curso tem como objetivo debater sobre as novas formas de produção cultural dentro da música brasileira, mas fundamentalmente capacitar artistas e produtores

Leia mais

Aprenda a Trabalhar com Telemensagens

Aprenda a Trabalhar com Telemensagens Aprenda a Trabalhar com Telemensagens 1 Incluindo dicas de Cestas, Flores, Presentes e Internet Do Iniciante ao Profissional www.as2.com.br 1 Aprenda a Trabalhar com Telemensagens FASCÍCULO 1 Adquira o

Leia mais

mercado brasileiro de música

mercado brasileiro de música mercado brasileiro de música SUMÁRIO 03 Mercado Fonográfico Brasileiro 08 vendas de cds 05 Mercado 09 vendas de dvds 06 mercado físico 10 top 20 cd e dvd APRESENTAÇÃO O relatório anual da ABPD Associação

Leia mais

Produção de textos online. O modelo de consumo de uma nova era

Produção de textos online. O modelo de consumo de uma nova era Produção de textos online O modelo de consumo de uma nova era Introdução Novas tecnologias, ou mesmo o aprimoramento daquelas já existentes, tem transformado o modo como são consumidos os conteúdos disponibilizados

Leia mais

Cultura Livre, Uso Justo e o Direito Autoral

Cultura Livre, Uso Justo e o Direito Autoral Cultura Livre, Uso Justo e o Direito Autoral RESUMO A cultura livre é um movimento que propõe o livre acesso e uso de obras intelectuais e culturais. É um conceito mais genérico que o software livre, pois

Leia mais

C.P.F. DOS ENVOLVIDOS: 105111179-06 085997089-29 093745209-23 KRIO. A integração entre a tecnologia e a comunicação para Jovens Aprendizes

C.P.F. DOS ENVOLVIDOS: 105111179-06 085997089-29 093745209-23 KRIO. A integração entre a tecnologia e a comunicação para Jovens Aprendizes C.P.F. DOS ENVOLVIDOS: 105111179-06 085997089-29 093745209-23 KRIO A integração entre a tecnologia e a comunicação para Jovens Aprendizes FLORIANÓPOLIS 2014 2 RESUMO: O projeto apresentado é resultado

Leia mais

APDIF DO BRASIL Associação Protetora dos Direitos Intelectuais Fonográficos PIRATARIA MUSICAL. Aspectos Técnicos e Informações Complementares

APDIF DO BRASIL Associação Protetora dos Direitos Intelectuais Fonográficos PIRATARIA MUSICAL. Aspectos Técnicos e Informações Complementares PIRATARIA MUSICAL Aspectos Técnicos e Informações Complementares I Curso Regional de Capacitação para Agentes Públicos no Combate à Pirataria. Salvador/BA. Palestrante: Jorge Eduardo Grahl Diretor Jurídico

Leia mais

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice 2 Índice Introdução... 3 Passo 1 Entender o que é Venda Online e E-commerce... 4 Passo 2 Entender o Mercado de Comércio Eletrônico... 5 Passo 3 Canais de Venda... 6 Passo 4 Como identificar uma Boa Plataforma

Leia mais

Diversidade Cultural e Conteúdo

Diversidade Cultural e Conteúdo Diversidade Cultural e Conteúdo I Fórum da Internet no Brasil Comitê Gestor da Internet Expo Center Norte Outubro/2011 Oona Castro Instituto Overmundo Overmundo Missão: difundir a cultura brasileira em

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EXERCÍCIOS DO LIVRO SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ALUNO ADRIANO RAMPINELLI FERNANDES

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EXERCÍCIOS DO LIVRO SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ALUNO ADRIANO RAMPINELLI FERNANDES FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EXERCÍCIOS DO LIVRO SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ALUNO ADRIANO RAMPINELLI FERNANDES Capítulo 1 - Página 28 - Questões de revisão 1.2 O que é exatamente um sistema

Leia mais

Nas ondas do rádio produção de programa na Web

Nas ondas do rádio produção de programa na Web Nas ondas do rádio produção de programa na Web O rádio chegou ao Brasil na festa de centenário da Independência, em 7 de setembro de 1922. Hoje é um meio de comunicação amplamente difundido em nosso país,

Leia mais

AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA SILVA, FERNANDO TEIXEIRA CARVALHO, RENAN GUSTAVO MOLINA

AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA SILVA, FERNANDO TEIXEIRA CARVALHO, RENAN GUSTAVO MOLINA TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO E-COMMERCE NAS PEQUENAS EMPRESAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA

Leia mais

Guia de Produção da Música Independente Bahia

Guia de Produção da Música Independente Bahia Guia de Produção da Música Independente Bahia Memória do trabalho de conclusão do curso de Comunicação Social, com Habilitação em Produção em Comunicação e Cultura. Faculdade de Comunicação da Universidade

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

apresentação de serviços

apresentação de serviços apresentação de serviços Nos últimos 50 anos a humanidade gerou mais informações do que em toda sua história anterior. No mercado corporativo, o bom gerenciamento de informações é sinônimo de resultados.

Leia mais

Rádio Digital. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Senado Federal

Rádio Digital. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Senado Federal Rádio Digital Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal Roberto Pinto Martins Secretário rio de Telecomunicações Ministério das Comunicações Sumário 1. Cenário

Leia mais

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO Gustavo Cançado de Azevedo O autor relaciona educação e tecnologia, tomando como ponto de partida a maneira com que os avanços

Leia mais

Rumos da cultura da música: negócios, estéticas, linguagens e audibilidades

Rumos da cultura da música: negócios, estéticas, linguagens e audibilidades Rumos da cultura da música: negócios, estéticas, linguagens e audibilidades Rumos da cultura da música: negócios, estéticas, linguagens e audibilidades Organização Simone Pereira de Sá Adriana Amaral

Leia mais

Sheet1. Criação de uma rede formada por tvs e rádios comunitárias, para acesso aos conteúdos

Sheet1. Criação de uma rede formada por tvs e rádios comunitárias, para acesso aos conteúdos Criação de um canal de atendimento específico ao público dedicado ao suporte de tecnologias livres. Formação de comitês indicados por representantes da sociedade civil para fomentar para a ocupação dos

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Publicidade e Propaganda 2011-2 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO CAMPANHA DE POSICIONAMENTO

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

MERCADO FONOGRÁFICO MUNDIAL E BRASILEIRO EM 2014

MERCADO FONOGRÁFICO MUNDIAL E BRASILEIRO EM 2014 MERCADO FONOGRÁFICO MUNDIAL E BRASILEIRO EM 2014 Rio de Janeiro, 14 de Abril de 2015 Segundo relatório da Federação Internacional da Indústria Fonográfica IFPI, divulgado hoje, as receitas do mercado global

Leia mais

#Fluxo. da Mobilidade de Informação na. Indústria da Construção Civil: Pesquisa e resultados recentes

#Fluxo. da Mobilidade de Informação na. Indústria da Construção Civil: Pesquisa e resultados recentes #Fluxo da Mobilidade de Informação na Indústria da Construção Civil: Pesquisa e resultados recentes introdução Muitas foram as áreas da indústria que se beneficiaram dos avanços tecnológicos voltados ao

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

Peças para diferentes sites

Peças para diferentes sites Encontre aqui um apanhado de indicadores, estudos, análises e pesquisas de variadas fontes, todas vitais para avaliação e mensuração do desempenho e dos negócios no mundo digital. Confira Aunica The Tagnology

Leia mais

I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos

I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos LABORATÓRIO DE CONVERGÊNCIA DE MÍDIAS PROJETO DE CRIAÇÃO DE UM NOVO AMBIENTE DE APRENDIZADO COM BASE EM REDES DIGITAIS. 1 Palavras-chave: Convergência,

Leia mais

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce...

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce... Sumário Bleez Agência Digital... 3 Quem sou eu... 4 Introdução... 5 Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7 Quem está comprando no ecommerce... 10 Por que os brasileiros estão comprando mais... 12 O

Leia mais

Arte e tecnologia: o papel da internet nas dinâmicas artísticas atuais. Júlia Borges do Nascimento Universidade Federal de Goiás - UFG

Arte e tecnologia: o papel da internet nas dinâmicas artísticas atuais. Júlia Borges do Nascimento Universidade Federal de Goiás - UFG Arte e tecnologia: o papel da internet nas dinâmicas artísticas atuais Júlia Borges do Nascimento Universidade Federal de Goiás - UFG Resumo: Este trabalho tem o objetivo de compreender como as transformações

Leia mais

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Sistemas web e comércio eletrônico Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Tópicos abordados Arquitetura do e-commerce Aspectos importantes do e-commerce Modelos de negócios Identificação do modelo

Leia mais

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação O Ensino e as Novas Tecnologias I. Prof. Hugo Souza

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação O Ensino e as Novas Tecnologias I. Prof. Hugo Souza Novas Tecnologias Aplicadas à Educação O Ensino e as Novas Tecnologias I Prof. Hugo Souza Continuando nossas aulas, após verificarmos toda a integração histórica da informática para a educação, veremos

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

Seja um Profissional em Energia Solar

Seja um Profissional em Energia Solar Seja um Profissional em Energia Solar Nós, da Blue Sol, acreditamos no empoderamento de todos os consumidores de energia elétrica no Brasil através da possibilidade de geração própria da energia consumida.

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Por Raquel Recuero (*) Nos últimos anos, assistimos a um crescimento espantoso das chamadas tecnologias de comunicação. Essas tecnologias tornaram-se mais rápidas,

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Aprecie as apresentações a seguir. Boa leitura!

APRESENTAÇÃO. Aprecie as apresentações a seguir. Boa leitura! APRESENTAÇÃO A Informatiza Soluções Empresariais está no mercado desde 2006 com atuação e especialização na criação de sites e lojas virtuais. A empresa conta com um sistema completo de administração de

Leia mais

A Comunicação Mercadológica como Fator de Vantagem Competitiva Empresarial 1

A Comunicação Mercadológica como Fator de Vantagem Competitiva Empresarial 1 A Comunicação Mercadológica como Fator de Vantagem Competitiva Empresarial 1 Tiago Miranda RIBEIRO 2 Kenney Alves LIBERATO 3 Thays Regina Rodrigues PINHO 4 PALAVRAS-CHAVE: comunicação; marketing; estratégia.

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

Síntese dos debates ocorridos nos fóruns anteriores relacionados ao tema. Inovação e Empreendedorismo. Data: 02/04/2014 Versão 1.0

Síntese dos debates ocorridos nos fóruns anteriores relacionados ao tema. Inovação e Empreendedorismo. Data: 02/04/2014 Versão 1.0 Síntese dos debates ocorridos nos fóruns anteriores relacionados ao tema Inovação e Empreendedorismo Data: 02/04/2014 Versão 1.0 1. INTRODUÇÃO Os relatórios considerados para esta síntese foram: I Fórum

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ANTÔNIO TAVARES PEREIRA ROMILSON BARSANULFO DA SILVA

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ANTÔNIO TAVARES PEREIRA ROMILSON BARSANULFO DA SILVA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ANTÔNIO TAVARES PEREIRA ROMILSON BARSANULFO DA SILVA A IMPORTÂNCIA DAS REDES SOCIAIS PARA A COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL

Leia mais

III Congresso Internacional de Direito Autoral Obras Musicais e Internet

III Congresso Internacional de Direito Autoral Obras Musicais e Internet III Congresso Internacional de Direito Autoral Obras Musicais e Internet Questões Atuais de Direito Autoral Cópia Privada Compartilhamento de Arquivos - Peer-to-Peer Panorama Atual Digital Music Report

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

Consultoria Empresarial

Consultoria Empresarial Consultoria Empresarial Referência : OLIVEIRA, Djalma CROCCO, Luciano; GUTIMANNN, Erick Prof- Daciane de O.Silva SURGIMENTO- Desde os tempos imemoriais COMO ISSO ACONTECIA? Os rabinos aconselhavam os fieis,

Leia mais

Web site Espia Amazonas 1

Web site Espia Amazonas 1 1 Web site Espia Amazonas 1 Lidiane CUNHA 2 Adália CORDEIRO 3 Breno CABRAL 4 Iara RODRIGUES 5 Marcela MORAES 7 Gabrielle NASCIMENTO 8 Faculdade Boas Novas, Manaus, AM RESUMO O web site Espia Amazonas foi

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 9 Telecomunicações e Rede Interconectando a Empresa Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob

Leia mais

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Questão em foco: Colaboração de produto 2.0 Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Tech-Clarity, Inc. 2009 Sumário Sumário... 2 Introdução à questão... 3 O futuro da

Leia mais

Conceitos Fundamentais

Conceitos Fundamentais 19 Capítulo 1 Conceitos Fundamentais Para compreendermos este livro, há que se entender alguns conceitos-chave que vão permear a sua leitura. O blog hoje é o melhor mecanismo para construir relacionamentos

Leia mais

criar colaborar comunicar Tecnologia para Crescer

criar colaborar comunicar Tecnologia para Crescer Tecnologia para Crescer Com o crescimento da banda larga e smartphones/ tablets, conteúdos têm sido criados e consumidos em uma taxa alarmante. Atualmente, a definição de conteúdo mudou e não se trata

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Web 2.0: a nova internet é uma plataforma

Web 2.0: a nova internet é uma plataforma Página 1 de 5 Mídia interativa - Comportamento - Criação - Web 2.0 Web 2.0: a nova internet é uma plataforma 07/12/2005 0:00 Por: Gilberto Alves Jr. Os empreendimentos na internet que deram certo pensam

Leia mais

A Parceria UNIVIR / UNIGLOBO- Um Case Focado no Capital Intelectual da Maior Rede de TV da América Latina

A Parceria UNIVIR / UNIGLOBO- Um Case Focado no Capital Intelectual da Maior Rede de TV da América Latina A Parceria UNIVIR / UNIGLOBO- Um Case Focado no Capital Intelectual da Maior Rede de TV da América Latina Blois, Marlene Montezi e-mail: mmblois@univir.br Niskier, Celso e-mail: cniskier@unicarioca.edu.br

Leia mais

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes?

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes? Escola Superior de Gestão e Tecnologia Comércio eletrônico Mercados digitais, mercadorias digitais Prof. Marcelo Mar3ns da Silva Objetivos de estudo Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as

Leia mais

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 A GSMA representa os interesses da indústria mundial de comunicações móveis. Presente em mais de 220 países, a GSMA

Leia mais

7 dicas rápidas de marketing digital para você sair na frente! MARKETING DIGITAL

7 dicas rápidas de marketing digital para você sair na frente! MARKETING DIGITAL DICAS PARA DIVULGAR SUA EMPRESA E AUMENTAR AS VENDAS NO FIM DE ANO 7 dicas rápidas de marketing digital para você sair na frente! MARKETING DIGITAL Sumário Apresentação Capítulo 1 - Crie conteúdo de alta

Leia mais

www.sbempb.com.br/epbem APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA

www.sbempb.com.br/epbem APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA Ronaldo Vieira Cabral Abdias de Brito Aguiar Júnior José Sidney Nunes de Araújo Resumo: A parte das

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA MBA EM TV DIGITAL, RADIODIFUSÃO E NOVAS E NOVAS MÍDIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA MBA EM TV DIGITAL, RADIODIFUSÃO E NOVAS E NOVAS MÍDIAS UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA MBA EM TV DIGITAL, RADIODIFUSÃO E NOVAS E NOVAS MÍDIAS Trabalho final da disciplina Computadores, Redes, IP e Internet Professor: Walter Freire Aluno:

Leia mais

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico PERFIL DO CLIENTE Indústria: Mídia Companhia: Valor Econômico Funcionários:

Leia mais

Sistema de Gestão de Aulas

Sistema de Gestão de Aulas Sistema de Gestão de Aulas criando cultura para o Ensino a Distância e melhorando o processo ensino-aprendizagem pela internet RICARDO CREPALDE* RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar a experiência

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Usando o SI como vantagem competitiva Vimos

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar os princípios que se destacam como características da Web 2.0. INTRODUÇÃO

Leia mais

NOVAQUEST. A vida é cheia de cobranças, deixe as suas conosco.

NOVAQUEST. A vida é cheia de cobranças, deixe as suas conosco. A vida é cheia de cobranças, deixe as suas conosco. NOVAQUEST Apresentação da Empresa A NovaQuest é uma empresa especializada em serviços de recuperação de crédito e atendimento ao cliente. Temos o intuito

Leia mais

Publicidade. Monitoramento: Percepções sobre Publicidade. Relatório de Monitoramento de Marcas e Conversações

Publicidade. Monitoramento: Percepções sobre Publicidade. Relatório de Monitoramento de Marcas e Conversações Crédito da imagem: ronnestam.com Anúncio Upex Publicidade Relatório de Monitoramento de Marcas e Conversações Introdução Foram realizadas buscas na mídia social Twitter, através de ferramenta de monitoramento

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO MEIO DE DISSEMINAÇÃO DA MÚSICA

AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO MEIO DE DISSEMINAÇÃO DA MÚSICA Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Instituto de Artes (IA) Campinas, 2013 AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO MEIO DE DISSEMINAÇÃO DA MÚSICA CS200 Captação e Edição de Áudio Profº. Dr.: José Eduardo Ribeiro

Leia mais

A TERCEIRA GERAÇÃO DA EAD E SUA INFLUÊNCIA NA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO

A TERCEIRA GERAÇÃO DA EAD E SUA INFLUÊNCIA NA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 624 A TERCEIRA GERAÇÃO DA EAD E SUA INFLUÊNCIA NA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO Fabiane Carniel 1,

Leia mais

Projeto. BRASIL 2 Um jornada para entender os negócios sociais no Brasil

Projeto. BRASIL 2 Um jornada para entender os negócios sociais no Brasil 2 Um jornada para entender os negócios sociais no Brasil 27 A BANCA ``Produtora Cultural Social Introdução A BANCA O Modelo de Negócios Lições Aprendidas O Ecossistema Planos Futuros Análise SWOT Introdução

Leia mais

monitoramento unificado

monitoramento unificado DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA monitoramento unificado uma perspectiva de negócios agility made possible sumário resumo executivo 3 Introdução 3 Seção 1: ambientes de computação emergentes atuais 4 Seção 2: desafios

Leia mais

O futuro do YouTube - VEJA.com

O futuro do YouTube - VEJA.com Entrevista O futuro do YouTube 29/08/2009 10:49 Por Leo Branco Nesta semana, Chad Hurley, de 32 anos, um dos criadores do YouTube, esteve no Brasil e falou a VEJA sobre o futuro do maior site de vídeos

Leia mais

Guia Canais de Distribuição PLANETFONE 2016

Guia Canais de Distribuição PLANETFONE 2016 Guia Canais de Distribuição PLANETFONE 2016 Av. Nossa Senhora do Carmo, 1.191, 3º andar, Sion, Belo Horizonte/MG - www.planetfone.com.br 1 SUMÁRIO 1. A PLANETFONE... 03 2. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 04

Leia mais

Mercado. Brasileiro de Música

Mercado. Brasileiro de Música Mercado Brasileiro de Música Sumário 03 Mercado fonográfico brasileiro em 04 Mercado digital 05 Mercado físico 05 top 20 Cds e dvds - Apresentação Está edição do Relatório Anual da ABPD se apresenta somente

Leia mais

Comércio Eletrônico em Números

Comércio Eletrônico em Números Comércio Eletrônico em Números Evolução do E-commerce no Brasil 23 milhões é um grande número. 78 milhões 23 milhões Enorme potencial de crescimento no Brasil Mas fica pequeno se comprarmos com o número

Leia mais

AMCO APRENDIZAGEM MÓVEL NO CANTEIRO DE OBRAS

AMCO APRENDIZAGEM MÓVEL NO CANTEIRO DE OBRAS AMCO APRENDIZAGEM MÓVEL NO CANTEIRO DE OBRAS LIMA, Luciana 1 DIAS, Daniele 2 IRELAND, Timothy 3 Centro de Educação /Departamento de Metodologia da Educação/ PROBEX RESUMO Este trabalho tem a finalidade

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE ESPAÇO PARA EXECUÇÃO DE VÍDEOS E SPOTS PUBLICITÁRIOS EM JUKEBOX DIGITAL GUIA DE REFERÊNCIA PARA OPERADORES ASSOCIADOS

CONTRATAÇÃO DE ESPAÇO PARA EXECUÇÃO DE VÍDEOS E SPOTS PUBLICITÁRIOS EM JUKEBOX DIGITAL GUIA DE REFERÊNCIA PARA OPERADORES ASSOCIADOS 1 CONTRATAÇÃO DE ESPAÇO PARA EXECUÇÃO DE VÍDEOS E SPOTS PUBLICITÁRIOS EM JUKEBOX DIGITAL GUIA DE REFERÊNCIA PARA OPERADORES ASSOCIADOS 1. INTRODUÇÃO OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO 2. CONCEITO PARA A PRESTAÇÃO

Leia mais

Projeto Escola Legal Direitos Autorais e Propriedade Intelectual x Pirataria. 1 de setembro de 2012

Projeto Escola Legal Direitos Autorais e Propriedade Intelectual x Pirataria. 1 de setembro de 2012 Projeto Escola Legal Direitos Autorais e Propriedade Intelectual x Pirataria 1 de setembro de 2012 Quem somos? Fundada em 1988, a Business Software Alliance (BSA) é a principal organização mundial dedicada

Leia mais

Tentar entender como usar melhor os diferentes canais.

Tentar entender como usar melhor os diferentes canais. The New Conversation: Taking Social Media from Talk to Action A Nova Conversação: Levando a Mídia Social da Conversa para a Ação By: Harvard Business Review A sabedoria convencional do marketing por muito

Leia mais

Sumário Apoios Dados Gerais Expositores Visitantes Congresso Fenabrave Campanha de Marketing Mídia Espontânea Fotos do evento

Sumário Apoios Dados Gerais Expositores Visitantes Congresso Fenabrave Campanha de Marketing Mídia Espontânea Fotos do evento Sumário Apoios Dados Gerais Expositores Visitantes Congresso Fenabrave Campanha de Marketing Mídia Espontânea Fotos do evento Sumário XXI EDIÇÃO DO CONGRESSO FENABRAVE TERMINA COM PREVISÃO OTIMISTA PARA

Leia mais

Impulsionadores de mudanças: uma visão geral do conteúdo da próxima geração. Um documento técnico da Oracle Atualizado em outubro de 2006

Impulsionadores de mudanças: uma visão geral do conteúdo da próxima geração. Um documento técnico da Oracle Atualizado em outubro de 2006 Impulsionadores de mudanças: uma visão geral do conteúdo da próxima geração Um documento técnico da Oracle Atualizado em outubro de 2006 Impulsionadores de mudanças: uma visão geral do conteúdo da nova

Leia mais

ÍNDICE GERAL. Introdução. Capítulo I Como abrir um selo fonográfico

ÍNDICE GERAL. Introdução. Capítulo I Como abrir um selo fonográfico ÍNDICE GERAL Introdução Capítulo I Como abrir um selo fonográfico 1. Abrindo sua empresa O Contador O Contrato Social - Empresa Prestadora de Serviços ou de Comércio 2. Marca O INPI Tipos de Marca 3. Sociedade

Leia mais

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing 26 3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing O surgimento das mídias sociais está intimamente ligado ao fenômeno da geração de conteúdo pelo usuário e ao crescimento das redes sociais virtuais

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Inovação e o Telejornalismo Digital

Inovação e o Telejornalismo Digital Inovação e o Telejornalismo Digital Prof. Antonio Brasil Cátedra UFSC - RBS 2011 Telejornalismo Digital Novas práticas, desafios e oportunidades O que é Telejornalismo Digital Inovação tecnológica Interatividade

Leia mais

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos.

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Elizabeth Sarates Carvalho Trindade 1 Resumo: A utilização e articulação das tecnologias e mídias pela educação no processo de aprendizagem

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG Moema Gomes Moraes 1 RESUMO: Este trabalho faz uma reflexão sobre os aspectos relacionados ao uso de Blogs no ensino de Matemática. Para isto, ele inicia fazendo uma reflexão

Leia mais

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com. INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br 1. Introdução A rede mundial tem permitido novas práticas

Leia mais

CONVITE COMERCIAL Rio de Janeiro, 2014

CONVITE COMERCIAL Rio de Janeiro, 2014 CONVITE COMERCIAL Rio de Janeiro, 2014 O Rio ao Vivo é a primeira plataforma de transmissão online, em tempo real,com imagens de alta qualidade dos locais mais movimentados do Rio de Janeiro para o mundo.

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Comércio Eletrônico Um breve histórico Comércio compra, venda, troca de produtos e serviços; Incrementado pelos Fenícios, Árabes, Assírios e Babilônios uso

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

Sumário. O download desta publicação pode ser feito de forma gratuita no site da ABPD, porém qualquer citação das informações

Sumário. O download desta publicação pode ser feito de forma gratuita no site da ABPD, porém qualquer citação das informações Mercado Brasileiro de Música 2007 Sumário Mercado Fonográfico Brasileiro 03 Pirataria de Música no Brasil 10 Institucional ABPD 13 Ficha Técnica 14 Apresentação O relatório anual da ABPD - Associação Brasileira

Leia mais

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA Profa. Lérida Malagueta Estratégia competitiva Já conhecemos os conceitos sobre a teoria da decisão estratégica e de como competem e cooperam: Os decisores As empresas

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

MAIS HUMANAS! Quanto eu devo pagar - Para utilizar nossa estrutura, o instrutor além de não pagar, ainda recebe 60% pelos cursos vendidos

MAIS HUMANAS! Quanto eu devo pagar - Para utilizar nossa estrutura, o instrutor além de não pagar, ainda recebe 60% pelos cursos vendidos Cursos humanizados - A Educar e Transformar se dedica ao sonho de gerar cursos para lideranças profissionais de recursos humanos, com mentalidade de humanização na administração, cursos para líderes, motivação,

Leia mais

Introdução redes sociais mulheres Digg

Introdução redes sociais mulheres Digg O século XIX ficou conhecido como o século europeu; o XX, como o americano. O século XXI será lembrado como o Século das Mulheres. (Tsvi Bisk, Center for Strategic Futurist Thinking, 2008) A Sophia Mind,

Leia mais

A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC)

A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC) A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC) José Wellithon Batista Zacarias (1); Programa de Pós Graduação, Faculdade Leão Sampaio - wellithonb@gmail.com RESUMO No mundo informatizado

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE MUSICA EM 2013

MERCADO BRASILEIRO DE MUSICA EM 2013 MERCADO BRASILEIRO DE MUSICA EM 2013 Segundo relatório da Federação Internacional da Indústria Fonográfica IFPI divulgado ontem, as receitas com comercialização e licenciamento na área digital (Internet

Leia mais

3 Apresentação do caso

3 Apresentação do caso 3 Apresentação do caso Neste capítulo será contextualizado o mercado de telefonia móvel no Brasil, com a descrição dos principais concorrentes e a participação de mercado de cada um deles, a apresentação

Leia mais