CHAMADA PÚBLICA SEAPROF Nº.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CHAMADA PÚBLICA SEAPROF Nº."

Transcrição

1 SELEÇÃO DE ENTIDADE(S) PRESTADORA(S) DE SERVIÇO(S) DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO AGROFLORESTAL ATER E AÇÕES DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO E DE FOMENTO À PRODUÇÃO SUSTENTÁVEL, NO ÂMBITO DO FUNDO AMAZÔNIA/BNDES CHAMADA PÚBLICA SEAPROF Nº. 01/2012 RIO BRANCO ACRE 2012

2 1 1. Apresentação Em cumprimento às diretrizes do Governo Estadual e em atendimento ao disposto na Lei nº de 11 de agosto de 2010, que institui no art. 1º a Política Estadual de Assistência Técnica e Extensão Agroforestal Rural para a Produção Familiar - PEATER, cuja formulação e supervisão são de competência da Secretaria de Estado de Extensão Agroforestal e Produção Familiar - SEAPROF. E, ainda, no seu art. 1º 1º estabelece que na destinação dos recursos financeiros da PEATER será priorizado o apoio às entidades e aos órgãos públicos e oficiais de Assistência Técnica e Extensão Agroforestal Rural - ATER, o Governo do Estado do Acre, através da SECRETARIA DE ESTADO DE EXTENSÃO AGROFLORESTAL E PRODUÇÃO FAMILIAR, comunica às Instituições executoras de serviços de ATER a abertura de Chamada Pública para Contratação de Serviços de Assistência Técnica e Extensão Agroflorestal Rural para as famílias de produtores rurais, abrangidas pelos programas que fazem parte do eixo economia sustentável, áreas de abrangências desenvolvimento econômico e meio ambiente, inseridas do PPA , aplicando-se o disposto no art. 24, inciso XXX, da Lei nº 8.666, de 1993, e art. 13 da Lei nº de 2010, às contratações realizadas no âmbito do PROATER, criado por esta Lei. Dentro das condições explicitadas na apresente Chamada Pública que poderá ser retirada, no período de 10/05/2012 à 11/06/2012, das 08h00min às 12h00min e das 14h00min às 17h00min, na Sede da SEAPROF, sediada à Avenidas Nações Unidas, Bairro Estação Experimental Rio Branco - AC. Fone/Fax: (68) no site do Governo do Estado com abertura dia 12/06/12 às 10:00 horas, na sede da SEAPROF. 2. Objeto Constitui o objeto desta Chamada Pública a seleção de entidades executoras de serviços de assistência técnica e extensão agroflorestal (ATER) para as famílias de produtores rurais abrangida pelos programas que fazem parte do eixo economia sustentável, áreas de resultados desenvolvimento econômico e meio ambiente, inseridas no PPA Esta contratação será realizada por LOTES, denominados Regionais.

3 2 3. Entidades Executoras Poderão participar desta Chamada Pública instituições públicas e/ou privadas, com e/ou sem fins lucrativos, previamente credenciadas, na forma da Lei nº de 11 de agosto de 2010, regulamentada pelo Decreto Estadual nº de 14 de setembro de Público Beneficiário Os serviços serão prestados no Estado do Acre para atendimento ao seguinte público: 4.1 Produtores Familiares -- assentados, emancipados, aqüiculturas, pescadores artesanais, silvicultores e extrativistas --, comprovados pela Declaração de Aptidão ao Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar DAP localizadas na região de influência da rodovia BR 364, nos municípios de Bujari, Sena Madureira, Manoel Urbano, Feijó e Tarauacá, correspondente a uma fração das áreas prioritárias nº 2 e 3 ZEE/AC (Zoneamento Ecológico Econômico do estado do Acre). Estes produtores devem estar organizados em grupos comunitários de terra firme e ribeirinhos, com as seguintes características: Grupos Comunitários Formais São grupos formais como associações, caixasagrícolas ou entidades representativas com reconhecimento oficial através de CNPJ. Grupos Comunitários Informais - Os grupos também podem ser informais, desde que apresentem características específicas de comunidades, dentre as quais: interesses comuns, abrangência geográfica, aspectos socioeconômicos, étnicos, culturais e ambientais, além de outros critérios básicos para as devidas relações de pertinência. A quantidade prevista de grupos comunitários (formais e informais) encontra-se previamente definida pela SEAPROF. Entretanto, estas referências poderão sofrer alterações (sem ampliações no número total de comunidades previstas em cada lote) em função da dinâmica de intervenções da assistência técnica e extensão rural. Estes grupos poderão ser subdivisões das comunidades relacionadas nos quadros 5.1 a 5.5 (a seguir), denominadas comunidades adjacentes, devendo, entretanto, fazer parte da mesma regional, bacia hidrográfica, município, assentamento, gleba ou vias de acesso. Esta definição se dará durante a fase de diagnóstico e discussões com representantes dos sindicatos de associações e trabalhadores rurais dos municípios relacionados.

4 3 5. Área Geográfica da Prestação dos Serviços As áreas prioritárias nº 2 e 3, previstas no Contrato de Concessão Financeira BNDES/Fundo Amazônia é formada no Zoneamento Ecológico e Econômico do Estado do Acre, tanto por zonas de atendimento prioritário (ZAPs) das quais fazem parte as Comunidades-Pólos, como por Zonas Especiais de Desenvolvimento (ZEDs) ou zonas de consolidação do desenvolvimento margens da BR-364, projetos de assentamento consolidados e pólos agroflorestais, conforme distribuição no quadro que segue: 5.1. LOTE 1: Baixo Acre MUNICÍPIO UNIDADE FUNDIÁRIA GRUPOS COMUNITÁRIOS Nº de FAMÍLIAS Bujari Sena Madureira Linha Nova Barroso 1 10 Santa Luzia 1 20 Abib Cury 1 25 Matogrosso e Gavião 1 40 Favo de Mel TOTAL LOTE 2: Vale do Tarauacá 1 MUNICÍPIO UNIDADE FUNDIÁRIA GRUPOS COMUNITÁRIOS Nº de FAMÍLIAS Tarauacá (1) PA Novo Destino Taboca 1 40 Perseverança 1 50 TOTAL LOTE 3: Vale do Tarauacá (2) MUNICÍPIO UNIDADE FUNDIÁRIA GRUPOS COMUNITÁRIOS Nº de FAMÍLIAS Tarauacá (2) Morongaba Tocantins TOTAL

5 LOTE 4: Vale do Envira MUNICÍPIO UNIDADE FUNDIÁRIA GRUPOS COMUNITÁRIOS Nº de FAMÍLIAS Feijó Berlim Recreio 2 97 PA Envira II 2 62 Gleba Liége 2 48 Gleba Afluente + Famílias Ajacentes COP Foz do Jurupari + Famílias Adjacentes TOTAL LOTE 5: Vale do Purus MUNICÍPIO UNIDADE FUNDIÁRIA GRUPOS COMUNITÁRIOS Nº de FAMÍLIAS Manoel Urbano Gleba Arez + Família adjacentes 1 63 Gleba Afluente + Famílias Adjacentes 1 64 PA Liberdade + Famílias adjacentes PAs Castelo e Nazaré 1 81 PAR Alelulia 1 27 COP Itauba 1 40 TOTAL OBS: A empresa poderá concorrer a todos os lotes ao mesmo tempo ou a qualquer um individualmente.

6 5 6. DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES PARA A PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ATER 6.1 Métodos de ATER Com a finalidade de organizar os conceitos básicos nesta seção do presente Edital, conforme os métodos de intervenção de ATER convenciona-se o seguinte: I. Reunião com Grupos Comunitários Eventos com a participação das famílias beneficiárias da assistência técnica e extensão agroflorestal, destinados para apresentação da equipe e das ações gerais do projeto, resultados dos diagnósticos e respectivos planejamentos, monitoramento e avaliações relativas ao andamento das atividades pactuadas. II. III. Visitas Técnicas Contatos realizados pelos técnicos (individuais) diretamente nas unidades produtivas, com a finalidade de facilitar a validação tecnologias em práticas sustentáveis de produção. Cursos, Intercâmbios e Dias de Campo Métodos coletivos com vistas a disseminar tecnologias já validadas voltadas para a produção sustentável, processamento e comercialização de produtos familiares. Durante estes eventos devem ser abordadas as respectivas interfaces com questões relacionadas às necessidades de organização social e ambiental nas quais estão inseridas as unidades produtivas familiares. Estes eventos podem acontecer nas próprias unidades fundiárias previstas neste Edital, previamente definidas como unidades de referência, como em outras localidades fora daquelas unidades fundiárias, desde que reflitam as características produtivas baseadas na geração de renda de forma sustentável. IV. Distribuição de Material Informativo Com destaques aos folders, cartilhas e demais publicações elaboradas pela própria empresa contratada, pela SEAPROF, EMBRAPA ou qualquer outra instituição, cujo conteúdo esteja voltado para o cumprimento do Objeto deste Edital. V. Programas de Rádio Orientações coletivas e massivas através de meios de comunicação oficiais e privados, com vistas a esclarecer possíveis encaminhamentos, tecnologias de produção, armazenamento, processamento e seus respectivos canais de comercialização, oportunidades de mercado e outras necessidades de divulgação definidas pela ATER.

7 6 6.2 Implementação das Atividades de ATER Ações do Primeiro Ano As atividades de ATER deverão ser iniciadas a partir do levantamento prévio de informações gerais da região de abrangência das comunidades e das famílias beneficiárias, nivelamento de políticas ou estratégias de desenvolvimento do governo e pactuação de estratégias de intervenções por parte da empresa contratada. A fase efetiva de atendimento às famílias será orientada com base nas informações obtidas na fase preliminar, com a previsão de reuniões com as comunidades, intercâmbios em unidades de referência, realização de visitas técnicas para viabilização de tecnologias, organização comunitária, ações de fomento (crédito e fundos não reembolsáveis), certificação e outras políticas de governo Fase Preliminar A fase preliminar deverá ser realizada a partir de duas atividades: Levantamento de Informações Primárias e Secundárias Destinada a organização de preparativos para as fases posteriores do acompanhamento efetivo e direto às famílias. A empresa deverá realizar coleta de informações primárias e secundárias prévias, sistematização e apresentação dos dados (obtidos junto às publicações do Zoneamento Ecológico e Econômico, de órgãos da administração estadual e federal como o ITERACRE, INCRA, SEAPROF e outras fontes) relativos a: - Aspectos socioeconômicos (demografia, relações com os governos federal, estadual e municipal); - Solos; - Relevo; - Acesso; - Características ambientais (vegetação, hidrografia); - Caracterização da situação fundiária; - Demais informações da região e das comunidades beneficiárias importantes para tomadas de decisão no desenvolvimento das comunidades. Estas informações serão debatidas com a coordenação de ATER da SEAPROF e com responsáveis por gerências de cadeias produtivas, segurança alimentar, crédito, certificação, associativismo/cooperativismo e comercialização de produtos. Com o objetivo de estabelecer um consenso entre SEAPROF e empresa de ATER - quanto as limitações e oportunidades, e

8 7 posteriormente organizar e definir estratégias para as futuras intervenções e acompanhamentos às comunidades/famílias beneficiarias. Produtos: (1) Relatório preliminar analítico (base de partida) a partir dos dados secundários das comunidades. O formato do documento deverá ser padronizado e fornecido pela SEAPROF. (2) Plano de trabalho do primeiro ano de atividades. A base será o TDR desta chamada pública, levando em consideração fatores omissos no mesmo e relevantes para efetivação das ações de ATER. Período de Execução: Será de 30 (trinta) dias a contar do recebimento da ordem de serviços Oficina de Nivelamento: Métodos de ATER e Programas que fazem parte do Eixo Economia Sustentável, áreas de resultados desenvolvimento econômico e meio ambiente constantes do Plano de Governo Desenvolver e Servir Dirigentes e profissionais de campo deverão participar de um treinamento denominado Imersão em ATER, durante o qual serão apresentados e debatidos os principais instrumentos para inserção socioprodutiva das famílias a serem beneficiadas pela assistência técnica e extensão agroflorestal rural contratada. Este encontro obrigatório terá duração de 40 (quarenta) horas, com foco nas seguintes temáticas: - Abordagem sobre os programas que constam do Plano de Governo Desenvolver e Servir Abordagem sobre o Contrato de Concessão financeira BNDES/Fundo Amazônia; - Interfaces entre os programas de governo; - Conceitos, estratégias (inclusive de zoneamento ecológico e econômico) e atividades necessárias para produção sustentável; - Fundamentos de ATER relacionados à área social (mobilização, gênero, associativismo, análise de grupos de interesse, cooperativismo, participação, gerenciamento de conflitos e outros temas relacionados); - Crédito rural sustentável como oportunidade para continuação das ações fomentadas pelo governo; - Metodologia de atendimento às famílias e monitoramento das ações de ATER. Produtos: Cópias dos certificados emitidos pela SEAPROF aos participantes da oficina.

9 8 Período de Execução: Primeiro mês (segunda quinzena), a contar do recebimento da ordem de serviços. OBS (1): Os custos relativos aos facilitadores, espaço e recursos audiovisuais deste encontro serão de responsabilidade da SEAPROF. As eventuais despesas com deslocamento, hospedagem e alimentação dos técnicos participantes da empresa contratada serão de responsabilidade da mesma. (2) A qualidade dos técnicos participantes na oficina (anexo X) servirá de referência para manutenção ou anulação do contrato estabelecido Fase Efetiva de Operacionalização das Atividades de ATER Condução das atividades diretamente com os grupos comunitários e junto às famílias de produtores familiares rurais definidos nos itens 5.1; 5.2; 5.3; 5.4; e 5.5. De acordo com os métodos de ATER definidos no ítem 6.1, esta fase será realizada a partir da seguinte sequência de intervenções: Contatos iniciais com os grupos comunitários. Reunião Inicial com Representantes dos Grupos Comunitários - A empresa deverá se responsabilizar pela organização e realização de uma reunião para sua apresentação como prestadora de ATER aos representantes dos grupos comunitários de cada lote (com a participação mínima de dois representantes dos produtores de cada lote), evento durante o qual serão discutidos os seguintes assuntos básicos: Tema 1 Apresentação oficial da empresa como prestadora de ATER, número de famílias e comunidades beneficiadas. Tema 2 - Finalidades, objetivos, metas, estratégias, metodologia (condução das atividades de campo, monitoramento e avaliação), prazos e compromissos mútuos das atividades a serem desenvolvidas pelas equipes técnicas; Tema 3 - Apresentação e discussão do Plano de Governo - eixo economia sustentável, áreas de resultados desenvolvimento econômico e meio ambiente - dentre os quais, desenvolvimento de cadeias produtivas e segurança alimentar e itens de financiamento do Contrato de Concessão Financeira BNDES/Fundo Amazônia, crédito rural, programa da certificação e Programa de Aquisição de Alimentos PAA, como ações de suporte ao fomento, sustentabilidade ambiental e geração de renda provenientes das atividades produtivas de cultivo, extração e criação por parte das famílias beneficiárias.

10 9 Deverão fazer parte deste evento as seguintes instituições: - Representantes da SEAPROF; - No mínimo dois representantes da diretoria do sindicato dos trabalhadores do município; - No mínimo dois representantes da diretoria de cada associação dos beneficiários da ATER; - Gerentes da empresa contratada e todos os profissionais que vão prestar a ATER às famílias definidas neste Edital. Produtos: Relatório da reunião (modelo fornecido pela SEAPROF); lista de presença (padrão SEAPROF); Informações registradas no sistema de monitoramento de ATER da SEAPROF. OBS 2: Esta atividade será realizada em conjunto com a SEAPROF, através de sua Diretoria Técnica e das unidades de ATER locais, que por sua vez assumirá a função de identificar e contatar as lideranças do sindicato e as respectivas associações dos produtores familiares. A SEAPROF se responsabilizará pelos eventuais custos de participação dos técnicos de seus quadros. Os custos da mobilização (deslocamento, alimentação e hospedagem) dos produtores rurais participantes desta reunião caberão à empresa de ATER contratada. A reunião deverá ter duração mínima de 8 (oito) horas. Período de Execução: Segundo mês (primeira quinzena), a contar do recebimento da ordem de serviços. Reuniões Iniciais nas Comunidades Encontros com a participação das famílias de produtores rurais. Será realizada uma reunião inicial em cada grupo comunitário (reuniões fundamentais comunitárias) com os mesmos temas apresentados no evento descrito acima, porém, com maior destaque para o Tema 2, voltado para metodologia, estratégias, cronogramas e atividades. A reunião servirá para organização de um planejamento inicial geral em relação às intervenções de ATER. Neste caso, por meio de metodologias participativas, a equipe deverá conduzir processos interativos para confrontar as informações secundárias (previamente levantadas) e as percepções da comunidade em relação às mesmas. Os participantes desta reunião devem ser: - Representantes da SEAPROF;

11 10 - No mínimo um representante da diretoria do sindicato dos trabalhadores do município; - No mínimo 75% das famílias dos produtores e produtoras rurais a serem beneficiados em cada associação/comunidade; - Técnicos responsáveis pela ATER nas respectivas comunidades Da mesma forma observada anteriormente, o custeio da mobilização dos produtores será de responsabilidade da empresa contratada. Período de Execução: Segundo mês (segunda quinzena) e terceiro mês (primeira quinzena), a contar do recebimento da ordem de serviços. Produtos: Relatórios das reuniões comunitárias inseridos no sistema de monitoramento de ATER da Seaprof (modelo fornecido pela SEAPROF) contendo: lista de presença (padrão SEAPROF); Assuntos de pauta debatidos e encaminhados; Mapa de Georreferenciamento (um ponto de coordenadas geográficas) do local de concentração da comunidade (localidade principal de reuniões)/município Realização de Visitas Técnicas Realização de no mínimo 03 (três) intervenções anuais e diretas em cada uma das unidades produtivas familiares, conforme detalhamento a seguir: Realização da Primeira Jornada Anual de visitas técnicas Durante a mesma semana de apresentação das equipes nos ciclos de reuniões fundamentais comunitárias, a empresa contratada deverá realizar as primeiras visitas técnicas, com planejamentos de intervenções elaborados de tal modo que a distribuição dos técnicos permita o contato com 100% das famílias de cada comunidade. Os objetivos deste primeiro ciclo de visitas serão: - Cadastrar famílias e aplicar no mínimo 75% dos questionários socioeconômicos e ambientais individuais (formulário fornecido pela SEAPROF). Nos casos em que esta atividade já tenha sido realizada poderá haver necessidade de complementação de informações ou da própria elaboração dos planos de unidades produtivas, sendo estas as intervenções necessárias em cada lote pela empresa contratada.

12 11 - Cadastrar e georreferenciar as unidades de referência, conforme critérios e formulários definidos pela SEAPROF, cuja finalidade será os futuros intercâmbios e dias de campo entre as demais famílias de produtores rurais. - Auxiliar no processo de adesão das famílias ao Programa de Certificação (caso haja constatação de que ainda não estejam participando). A meta é que 100% das famílias de cada grupo comunitário façam adesão ao programa (cujas distribuições de visitas deste e dos anos seguintes, para fins de monitoramento e medições para pagamentos, estão descritas nos seus respectivos períodos de execução). - Prestar ATER (com emissão de laudos de ATER assinados pelas famílias) atestando a facilitação das primeiras informações relativas à implantação de roçados sustentáveis e tecnologias alternativas ao uso do fogo, orientações às famílias quanto à oportunidade de adesão ao Programa de Certificação de Unidades Produtivas e Programa de Aquisição de Alimentos. Da mesma forma, nos casos em que as equipes de campo se depararem com situações em que as fases preliminares estejam concluídas (adesão, georreferenciamento, cadastro, diagnóstico e elaboração de planos) junto às famílias de suas áreas de atuação, o tempo, recursos e os procedimentos de execução da ATER durante a jornada de visita deverão estar voltadas para as demais ações de desenvolvimento das famílias previstas em planos de desenvolvimento comunitários e das unidades produtivas, dentre outros. OBS 3: Cada visita técnica deverá ter duração mínima de 04 (quatro) horas em cada unidade produtiva. Esta observação deverá ser considerada para todas as visitas técnicas das jornadas do primeiro, segundo e terceiro anos. Produtos: Cópias dos Laudos de ATER (Formulário Padrão e Lista) das famílias (nome, RG, CPF e localização georreferenciada na base de dados do sistema de monitoramento de ATER da SEAPROF); Cópias dos Termos de adesão devidamente preenchidas e assinadas pelas famílias; 1º Relatório quadrimestral, cujas atividades realizadas serão avaliadas pela equipe de monitoramento da Seaprof. (Formulário Padrão);

13 12 OBS 4: As visitas técnicas previstas neste Edital serão consideradas como efetivamente realizadas apenas quando os laudos de ATER estiverem inseridos na base de dados do sistema de monitoramento de ATER da SEAPROF. Período de execução: Terceiro mês (segunda quinzena) visita a 20% das famílias, quarto mês visita a 40% das famílias e quinto mês visita a 40% das famílias de cada lote, a contar do recebimento da ordem de serviços Reunião de Planejamento dos Grupos Comunitários. - A partir dos diagnósticos, a empresa contratada deverá organizar as informações obtidas e, utilizando instrumentos de assistência técnica e extensão rural (cartazes, flanelógrafos, tarjetas e outros recursos) e realizar uma reunião de planejamento da qual participarão no mínimo 3 (três) representantes das comunidades de cada lote no item 5. Os encontros servirão para facilitar as informações relacionadas às seguintes temáticas: - Pontos fortes (oportunidades) e fracos (limitações) da comunidade; - Oportunidades de políticas públicas para favorecer o desenvolvimento da comunidade, com destaque para os componentes de fomento do BNDES/Fundo Amazônia; - Discussão de possíveis cenários para o futuro da comunidade; - Definição de prioridades e estratégias de ações; - Pactuação de compromissos entre a ATER e as famílias beneficiárias; OBS 5: Esta reunião terá duração mínima de 8 (oito) horas. Esta mesma observação deverá ser considerada durante as reuniões de avaliação e planejamento anual dos anos dois e três. Produtos: Relatórios da reunião (modelo fornecido pela SEAPROF); lista de presença (padrão SEAPROF); Período de Execução: Quinto mês a contar do recebimento da ordem de serviços Realização da Segunda Jornada Anual de Visitas Técnicas - Realização de visitas técnicas para complementação dos cadastros e aplicação dos 25% questionários restantes (no caso de haver sido completado durante a primeira jornada); - Complementação das adesões (caso não tenha sido 100% realizada na primeira jornada) ao programa de certificação, georreferenciamento e diagnósticos das unidades produtivas;

14 13 - Emissão de laudos de ATER (com assinaturas das famílias) atestando a facilitação de informações relativas à implantação de roçados sustentáveis e tecnologias alternativas ao uso do fogo, orientações às famílias quanto à oportunidade de adesão ao Programa de Certificação de Unidades Produtivas; - Elaboração de planos de desenvolvimento (50% das famílias) das unidades produtivas (de acordo com formulário fornecido pela SEAPROF); - Análise dos dados para apresentação (devolução de informações) às comunidades. Produtos: Laudos de ATER com inserção das informações no sistema de monitoramento de ATER da SEAPROF. - Cadastro (Formulário Padrão) das famílias (nome, RG, CPF e localização georreferenciada na base de dados do sistema de monitoramento da SEAPROF); Cópias dos Termos de adesão devidamente preenchidos e assinados pelas famílias (se se fizer necessário); Planos de desenvolvimento (50% das famílias) das unidades produtivas. Repetindo, nos casos em que as equipes de campo se depararem com situações em que as fases preliminares estejam concluídas (adesão, georreferenciamento, cadastro, diagnóstico e elaboração de planos) junto às famílias de suas áreas de atuação, o tempo, recursos e os procedimentos de execução da ATER durante a jornada de visita deverão estar voltadas para as demais ações de desenvolvimento das famílias previstas em planos de desenvolvimento comunitários e das unidades produtivas, dentre outros; Período de Execução: Sexto mês,visita a 30% das famílias, sétimo mês, visita a 35% das famílias e oitavo mês, visita a 35% das famílias de cada lote, a contar do recebimento da ordem de serviços Realização de Intercâmbios/cursos/Dias de campo Este método de ATER é uma das intervenções de maior eficácia no atendimento aos produtores familiares. O objetivo é apresentar experiências práticas conduzidas pelas próprias famílias e acompanhadas pelos técnicos de campo, como medida para disseminar tecnologias sustentáveis de produção. Deste modo, é fundamental que a empresa contratada realize no mínimo 4 (quatro) eventos/lote/ano, tendo como temas básicos: - Condução de roçados sustentáveis; - Implantação de sistemas agroecológicos, agroflorestais ou agrossilvopastoris;

15 14 - Desenvolvimento e consolidação de cadeias produtivas agroflorestais e/ou agroextrativistas, de acordo com as prioridades de arranjos produtivos definidos e incentivados pelo governo do estado do Acre; - Processamento, beneficiamento e comercialização (compras governamentais e/ou mercado privado) de produtos; - Certificação de unidades produtivas. OBS 6: Os eventos serão distribuídos da seguinte forma: 2 Intercâmbios e/ou 2 dias de campo; 2 cursos. Devem contar com a participação mínima de 2 representantes de cada grupo comunitário. Os eventos previstos neste Edital devem ter duração mínima de 6 (seis) horas. Produtos: (1) Relatórios dos intercâmbios (formulário padrão) e Laudos de ATER registrados no sistema de monitoramento de ATER da SEAPROF. (2) Segundo relatório quadrimestral, cujas atividades realizadas serão avaliadas pela equipe de monitoramento da Seaprof. OBS 7: Os intercâmbios previstos neste Edital serão consideradas como efetivamente realizadas apenas quando os relatórios estiverem inseridos na base de dados do sistema de monitoramento de ATER da SEAPROF. Período: Nono mês, a contar do recebimento da ordem de serviços Realização da Terceira Jornada Anual de Visitas Técnicas - Elaboração de planos de desenvolvimento (outros 50% das famílias) das unidades produtivas (de acordo com formulário fornecido pela SEAPROF); - Assistência técnica e extensão rural às atividades de curto e médio prazo definidas na reunião de planejamento, com emissão de laudos de ATER. É importante que as atividades produtivas a serem organizadas como prioridades de orientação entre técnicos e produtores familiares, sejam baseadas em sistemas sustentáveis de produção, como os roçados sustentáveis, estratégias de segurança alimentar e geração de renda a partir da consolidação de cadeias produtivas. Há de se destacar a necessidade para o enfoque nas relações de gênero no ato das abordagens às famílias.

16 15 OBS 8: Para que haja tempo suficiente, as visitas para elaboração de planos, com georreferenciamento dos diversos sistemas produtivos, além da facilitação de tecnologias e estratégias de desenvolvimento das unidades produtivas, torna-se necessária a previsão de pelo menos 4 horas/dia/família para um atendimento adequado. - Assistência técnica e extensão rural às atividades definidas na reunião de planejamento comunitário e nos planos de desenvolvimento das unidades produtivas, com emissão de laudos de ATER. - As intervenções de ATER deverão estar baseadas na implantação das atividades produtivas (preparo da terra, plantios, tratos culturais, tratos fitossanitários e zootécnicos, beneficiamento e comercialização de acordo com as características individuais das unidades produtivas) definidas como prioridades de orientação entre técnicos e produtores familiares sejam baseadas em sistemas sustentáveis de produção, como os roçados sustentáveis, estratégias de segurança alimentar e geração de renda a partir da consolidação de cadeias produtivas; - Orientação e interação com as famílias para complementação de documentos oficiais para inclusão das mesmas em programas de desenvolvimento dos governos federal, estadual e municipal; - Outras ações de ATER importantes ao processo produtivo, orientações sociais (inclusive com atenção a possíveis conflitos, sua identificação e estratégias para manejo colaborativo em busca das soluções pertinentes). As equipes de campo devem, nesta jornada de visitas, cumprirem tarefas de orientações econômicas e ambientais, com o propósito de promover o desenvolvimento sustentável das unidades produtivas, tendo como base os processos definidos no âmbito do programa da certificação. Produtos: Planos de Desenvolvimento das Unidades Produtivas (padrão SEAPROF); Laudos de ATER (padrão SEAPROF); Formulários de diagnósticos preenchidos e devidamente cadastrados no sistema de monitoramento de ATER da SEAPROF. Período de Execução: Décimo mês, visita a 30% das famílias, décimo primeiro mês, visita a 35% e décimo segundo mês, visita a 35% das famílias de cada lote, a contar do recebimento da ordem de serviços Reuniões Temáticas Anuais com os Grupos Comunitários

17 16 Além das reuniões iniciais, previstas no item acima, a empresa contratada deverá promover, no mínimo 1 (uma) reunião temática junto a cada comunidade cadastrada na base de dados da SEAPROF (processo de organização comunitária), conforme item 6.2.1, durante as quais serão abordados os seguintes temas: - Estratégias de fortalecimento da governança do projeto de desenvolvimento rural; - Organização e monitoramento comunitário da produção (produção em escala para comercialização e mercado); - Associativismo e cooperativismo; - Avaliação de possíveis entraves no cumprimento das atividades de ATER, sobretudo no âmbito da identificação, avaliação, priorização de encaminhamentos coletivos baseados nos programas governamentais de produção, crédito, transporte, comercialização e certificação; - Interação da comunidade com outros setores do governo (federal, estadual e municipal), com destaques para as discussões com representantes das áreas sociais (saúde, educação, programas de transferências de renda governamentais), fundiários e de infraestrutura, além de outras necessidades pertinentes ao processo de inclusão socioprodutiva. - Outros assuntos relacionados aos planos (individuais e coletivos) pactuados durante a implementação das ações previstas no Contrato de Concessão Financeira BNDES/ Fundo Amazônia, pelo Governo do Estado e as famílias beneficiárias. OBS 9: As reuniões temáticas previstas neste Edital deverão ter duração mínima de 6 (seis) horas. Produtos: (1) Laudos de ATER, relatório das 50 reuniões (formulário padrão) ou de todas as reuniões previstas e realizadas na totalidade de comunidades de cada lote. (2) Ao final do primeiro ano deverá ser apresentado ainda o terceiro relatório quadrimestral, cujas atividades realizadas serão avaliadas pela equipe de monitoramento da Seaprof. OBS 10: Do mesmo modo que as visitas técnicas, as reuniões previstas neste Edital serão consideradas como efetivamente realizadas apenas quando os laudos de ATER estiverem inseridos na base de dados do sistema de monitoramento de ATER da SEAPROF. Período de Execução das Reuniões Temáticas: Do quarto ao décimo primeiro mês, a contar do recebimento da ordem de serviços. 6.3 Implementação das Atividades de ATER Ações do Segundo Ano

18 17 O segundo ano dos serviços de assistência técnica e extensão rural serão voltados ao cumprimento das ações previstas nos planos das unidades produtivas construídos no primeiro ano, com destaque ao processo de organização da produção sustentável, processamento, transporte e comercialização. A empresa de ATER deverá estabelecer um processo sólido de organização comunitária para que as famílias possam avançar de forma efetiva na execução das atividades de fomento previstas PPA que serão financiados com recursos BNDES/Fundo Amazônia, assim como por outras fontes de recursos e suas interfaces com demais ações de políticas públicas voltadas para a produção sustentável. Os cronogramas físicos (semanas e meses) de realização das atividades de ATER deverão ser apresentados em plano de trabalho específico, cujos produtos servirão de elementos indispensáveis aos respectivos pagamentos pelos cumprimentos parciais do objeto Fase Efetiva de Operacionalização das Atividades de ATER Reuniões Iniciais nas Comunidades (Segundo Ano). - A empresa contratada deverá organizar as informações obtidas e, utilizando instrumentos de assistência técnica e extensão rural (cartazes, flanelógrafos, tarjetas e outros recursos) e realizar uma reunião de planejamento com 3 (três) representantes com a comunidade, resumindo minimante as informações com as seguintes temáticas: - Avaliação das ações realizadas no primeiro ano e os cenários para o futuro da comunidade; - Componentes do PPA que serão fomentadas com recursos BNDES/Fundo Amazônia e suas interfaces com as oportunidades de políticas públicas para favorecer o desenvolvimento da comunidade; - Prioridades e estratégias de ações para o segundo ano; - Pactuação de compromissos entre a ATER e as famílias beneficiárias; OBS 11: Para considerar a participação efetiva, cada grupo comunitário deverá estar presente com pelo menos 75% da quantidade total de famílias. Produtos: Relatórios dos 5 (cinco) eventos (modelo fornecido pela SEAPROF) ou das reuniões previstas e realizadas na totalidade de comunidades de cada lote; lista de presença (padrão SEAPROF); Plano de trabalho do segundo ano aprovado pela SEAPROF. Período: Primeiro mês do segundo ano, a contar do recebimento da ordem de serviços.

19 Realização de Visitas Técnicas Realização de no mínimo 03 (três) intervenções anuais e diretas a cada unidade produtiva familiar, conforme detalhamento a seguir: Primeira Jornada Anual de visitas técnicas - Prestação de ATER na facilitação de informações relativas à produção sustentável, acompanhamento à execução dos planos elaborados e apresentados ao Programa de Certificação de Unidades Produtivas e suas interações com os demais programas de desenvolvimento da produção familiar; - Cadastro e georreferenciamento de novas unidades de referência, conforme critérios e formulários definidos pela SEAPROF, cuja finalidade serão os futuros intercâmbios e dias de campo entre as demais famílias de produtores rurais. OBS 12: Cada visita técnica deverá ter duração mínima de 1 (um) dia em cada unidade produtiva. Produtos: (1) Cópias de laudos de ATER digitalizados e inseridos no sistema de monitoramento de ATER da SEAPROF; Lista (Formulário Padrão) das famílias atendidas (nome, RG, CPF e localização georreferenciada na base de dados do sistema de monitoramento da SEAPROF); (2) Primeiro relatório quadrimestral, cujas atividades realizadas serão avaliadas pela equipe de monitoramento de ATER da Seaprof. Período de execução: 30% das visitas de cada lote no segundo mês, 35% no terceiro mês e 35% no quarto mês (segundo ano), a contar do recebimento da ordem de serviços Realização de Intercâmbios/cursos/Dias de campo A empresa contratada deverá realizar dois ciclos de atendimento coletivo durante o ano. Os métodos de ATER poderão ser intercâmbios, cursos ou dias de campo, com a previsão de, no mínimo 4 (quatro) eventos/lote/ano, tendo como temas básicos: - Condução de roçados sustentáveis; - Implantação de sistemas agroecológicos, agroflorestais ou agrossilvopastoris; - Desenvolvimento e consolidação de cadeias produtivas agroflorestais e/ou agroextrativistas, de acordo com as prioridades de arranjos produtivos definidos e incentivados pelo governo do estado do Acre;

20 19 - Processamento, beneficiamento e comercialização (compras governamentais e/ou mercado privado) de produtos; - Certificação de unidades produtivas. OBS 13: Os eventos serão distribuídos da seguinte forma: 2 Intercâmbios e/ou dias de campo; 2 cursos. Devem contar com a participação mínima de 2 representantes de cada grupo comunitário. Produtos: Relatórios dos eventos (formulário padrão), Cópias de Laudos de ATER e Listagem das famílias atendidas (nome, RG, CPF e localização georreferenciada) na base de dados do sistema de monitoramento da SEAPROF. Período: 1º ciclo quinto mês; 2º ciclo oitavo mês Realização da Segunda Jornada Anual de Visitas Técnicas - Realização de visitas técnicas para aplicação de questionários de avaliação parcial dos resultados de ATER. Os questionários serão aplicados na forma de amostragem aleatória simples junto a, no mínimo 15% das famílias de cada grupo comunitário. - Emissão de laudos de ATER (com assinaturas das famílias) atestando a facilitação de informações relativas à implantação de tecnologias voltadas para a produção sustentável, processamento, comercialização e demais orientações às famílias quanto à realização das atividades previstas nos planos apresentados ao Programa de Certificação de Unidades Produtivas; - Inserção das informações no sistema de monitoramento de ATER da SEAPROF. Produtos: Cópias de laudos de ATER e listagem das famílias atendidas, georreferenciadas digitalizados e inseridos no sistema de monitoramento de ATER da SEAPROF; (2) Segundo relatório quadrimestral, cujas atividades realizadas serão avaliadas pela equipe de monitoramento da Seaprof. Período: 35% das vistas no sexto mês, 30% sétimo mês e 30% no oitavo mês do segundo ano a contar do recebimento da ordem de serviços Realização da Terceira Jornada Anual de Visitas Técnicas - Visitas às famílias com a finalidade de implantação de tecnologias voltadas para a produção sustentável (conforme ações de fomento do BNDES/Fundo Amazônia), processamento, comercialização e demais orientações às famílias quanto à realização das atividades previstas nos planos apresentados ao Programa de Certificação de Unidades Produtivas;

21 20 - Distribuição de cartilhas, folders e demais materiais informativos. - Monitoramento, avaliação e emissão de pareceres ao cumprimento dos planos da Certificação de Unidades Produtivas; - Visitas às famílias com a finalidade de implantação de tecnologias voltadas para a produção sustentável (conforme ações de fomento do PPA que serão financiados com recursos BNDES/ Fundo Amazônia), processamento, comercialização e demais orientações às famílias quanto à realização das atividades previstas nos planos apresentados ao Programa de Certificação de Unidades Produtivas; - Monitoramento, avaliação e emissão de pareceres ao cumprimento dos planos da Certificação de Unidades Produtivas; - Orientação e interação com as famílias para complementação de documentos oficiais para inclusão das mesmas em programas de desenvolvimento dos governos federal, estadual e municipal; - Outras ações de ATER importantes ao processo produtivo, orientações sociais (inclusive com atenção a possíveis conflitos, sua identificação e estratégias para manejo colaborativo em busca das soluções pertinentes). As equipes de campo devem, nesta jornada de visitas, cumprir tarefas de orientações econômicas e ambientais, com o propósito de promover o desenvolvimento sustentável das unidades produtivas, tendo como base os processos definidos no âmbito do programa da certificação. - Inserção das informações no sistema de monitoramento de ATER da SEAPROF. Produtos: Cópias de laudos de ATER, listagem das famílias atendidas e pareceres relativos ao cumprimento dos planos da certificação digitalizados e inseridos no sistema de monitoramento de ATER da SEAPROF; Cópias digitais das publicações distribuídas. Período: 40% das visitas no décimo mês, 40% no décimo primeiro mês e 20% no décimo segundo mês do segundo ano Outras Reuniões Temáticas Anuais com os Grupos Comunitários Além das reuniões iniciais, previstas acima, a empresa contratada deverá promover, no mínimo 1 (uma) reunião temática junto a cada comunidade cadastrada na base de dados da SEAPROF (processo de organização comunitária), durante as quais serão abordados os seguintes temas: - Estratégias de fortalecimento da governança do projeto de desenvolvimento rural;

22 21 - Organização e monitoramento comunitário da produção (produção em escala para comercialização e mercado); - Avaliação de possíveis entraves no cumprimento das atividades de ATER, sobretudo no âmbito da identificação, avaliação, priorização de encaminhamentos coletivos baseados nos programas governamentais de produção, crédito, transporte, comercialização e certificação; - Interação da comunidade com outros setores do governo (federal, estadual e municipal), com destaques para as discussões com representantes das áreas sociais (saúde, educação, programas de transferências de renda governamentais), fundiários e de infraestrutura, além de outras necessidades pertinentes ao processo de inclusão socioprodutiva. - Outros assuntos relacionados aos planos (individuais e coletivos) pactuados durante a implementação e das ações previstas no Contrato de Concessão Financeira BNDES/ Fundo Amazônia,pelo Governo do Estado e as famílias beneficiárias. Produtos: (1) Cópias dos laudos de ATER, relatórios das 50 reuniões temáticas (formulário padrão) ou de todas as reuniões previstas e realizadas na totalidade de comunidades de cada lote. (2) Ao final do primeiro ano deverá ser apresentado ainda o terceiro relatório quadrimestral, cujas atividades realizadas serão avaliadas pela equipe de monitoramento da Seaprof. Período: Do quarto ao décimo primeiro mês do segundo ano, de acordo com o plano de trabalho. 6.4 Implementação das Atividades de ATER Ações do Terceiro Ano O terceiro ano dos serviços de assistência técnica e extensão rural serão voltados ao cumprimento das ações previstas nos planos das unidades produtivas construídos no primeiro ano, com destaque ao processo de organização da produção sustentável, processamento, transporte e comercialização. Da mesma forma que nos anos anteriores, a empresa de ATER deverá estabelecer um processo sólido de organização comunitária para que as famílias possam avançar concluir a execução das atividades de fomento previstas no PPA que serão financiados com recursos BNDES/Fundo Amazônia e suas interfaces com demais ações de políticas públicas voltadas para a produção sustentável.

23 22 Os cronogramas físicos (semanas e meses) de realização das atividades de ATER deverão ser apresentados em plano de trabalho específico, cujos produtos servirão de elementos indispensáveis aos respectivos pagamentos pelos cumprimentos parciais do objeto Fase Efetiva de Operacionalização das Atividades de ATER Reunião de Planejamento de Atividades do Terceiro Ano com Grupos Comunitários. - A empresa contratada deverá organizar as informações obtidas e, utilizando instrumentos de assistência técnica e extensão rural (cartazes, flanelógrafos, tarjetas e outros recursos) e realizar uma reunião de planejamento com a comunidade, resumindo minimante as informações com as seguintes temáticas: - Avaliação das ações realizadas no segundo ano e os cenários para o futuro da comunidade, tendo em vista que este será o último ano das ações de fomento; - Componentes do PPA que serão financiados com recursos BNDES/ Fundo Amazônia e suas interfaces com as oportunidades de políticas públicas, sobretudo o crédito rural e o programa Boa Compra para favorecer o desenvolvimento da comunidade; - Prioridades e estratégias de ações para o terceiro ano; OBS 14: Para considerar a participação efetiva, cada grupo comunitário deverá estar presente com pelo menos 75% da quantidade total de famílias. Produtos: Relatório do evento (modelo fornecido pela SEAPROF); lista de presença (padrão SEAPROF); Plano de trabalho do terceiro ano aprovado pela SEAPROF. Período: Primeiro mês (terceiro ano) a contar do recebimento da ordem de serviços Realização de Visitas Técnicas Realização de no mínimo 03 (três) intervenções anuais e diretas às unidades produtivas familiares, conforme detalhamento a seguir: Primeira Jornada Anual de visitas técnicas Com objetivos de prestar ATER (emissão de laudos de ATER com assinaturas das famílias) atestando a facilitação de informações relativas à produção sustentável, acompanhamento à execução dos planos elaborados e apresentados ao Programa de Certificação de Unidades Produtivas e suas interações com os demais programas de

24 23 desenvolvimento da produção familiar; Cadastrar e georreferenciar novas unidades de referência, conforme critérios e formulários definidos pela SEAPROF, cuja finalidade serão os futuros intercâmbios e dias de campo entre as demais famílias de produtores rurais. OBS: Cada visita técnica deverá ter duração mínima de 1 (um) dia em cada unidade produtiva. Produtos: Cópias de laudos de ATER digitalizados e inseridos no sistema de monitoramento de ATER da SEAPROF; Lista (Formulário Padrão) das famílias atendidas (nome, RG, CPF e localização georreferenciada na base de dados do sistema de monitoramento da SEAPROF);. (2) Primeiro relatório quadrimestral, cujas atividades realizadas serão avaliadas pela equipe de monitoramento da Seaprof. Período: 40% das visitas às famílias de cada lote, no segundo mês, 30% no terceiro mês e 30% no quarto mês (terceiro ano) Realização de Intercâmbios/cursos/Dias de campo A empresa contratada deverá realizar dois ciclos de atendimento coletivo durante o ano. Os métodos de ATER poderão ser intercâmbios, cursos ou dias de campo, com a previsão de, no mínimo 4 (quatro) eventos/lote, tendo como temas básicos: - Condução de roçados sustentáveis; - Implantação de sistemas agroecológicos, agroflorestais ou agrossilvopastoris; - Desenvolvimento e consolidação de cadeias produtivas agroflorestais e/ou agroextrativistas, de acordo com as prioridades de arranjos produtivos definidos e incentivados pelo governo do estado do Acre; - Processamento, beneficiamento e comercialização (compras governamentais e/ou mercado privado) de produtos; - Certificação de unidades produtivas. OBS 15: Os eventos serão distribuídos da seguinte forma: 2 Intercâmbios e/ou dias de campo; 2 cursos. Devem contar com a participação mínima de 2 representantes de cada grupo comunitário. Produtos: Relatórios dos eventos (formulário padrão), Cópias de Laudos de ATER e Listagem das famílias atendidas (nome, RG, CPF e localização georreferenciada) na base de dados do sistema de monitoramento da SEAPROF. Período: 1º ciclo quinto mês 2º ciclo - sétimo mês.

25 Realização da Segunda Jornada Anual de Visitas Técnicas Realização de visitas técnicas para aplicação de questionários de avaliação parcial dos resultados de ATER. Os questionários serão aplicados na forma de amostragem aleatória simples junto a, no mínimo 20% das famílias de cada grupo comunitário; - Prestação de ATER (com assinaturas das famílias) atestando a facilitação de informações relativas à implantação de tecnologias voltadas para a produção sustentável, processamento, comercialização e demais orientações às famílias quanto à realização das atividades previstas nos planos apresentados ao Programa de Certificação de Unidades Produtivas; Produtos: Cópias de laudos de ATER e listagem das famílias atendidas digitalizadas e inseridas no sistema de monitoramento de ATER da SEAPROF; Período: 35% das visitas no sexto mês, 40% das visitas no sétimo mês e 25% das visitas no oitavo mês do terceiro ano Realização da Terceira Jornada Anual de Visitas Técnicas As visitas às famílias terão a finalidade de implantação de tecnologias voltadas para a produção sustentável (conforme ações do PPA que serão financiados com recursos BNDES/ Fundo Amazônia), processamento, comercialização e demais orientações às famílias quanto à realização das atividades previstas nos planos apresentados ao Programa de Certificação de Unidades Produtivas; Devem a serem realizadas outras ações de ATER importantes ao processo produtivo, orientações sociais (inclusive com atenção a possíveis conflitos, sua identificação e estratégias para manejo colaborativo em busca das soluções pertinentes). As equipes de campo devem, nesta jornada de visitas, cumprir tarefas de orientações econômicas e ambientais, com o propósito de promover o desenvolvimento sustentável das unidades produtivas, tendo como base os processos definidos no âmbito do programa da certificação. Além destas ações poderá haver a distribuição de cartilhas, folders e demais materiais informativos pertinentes às atividades relacionadas à produção, meio ambiente, organização social, geração de renda, informativos de políticas públicas como crédito, Programa Boa Compra e outros procedimentos importantes aos aspectos transversais de desenvolvimento rural.

26 25 - Monitorar, avaliar e emitir pareceres ao cumprimento dos planos da Certificação de Unidades Produtivas; Produtos: Cópias de laudos de ATER com Inserção das informações no sistema de monitoramento de ATER da SEAPROF. - Listagem das famílias atendidas e pareceres relativos ao cumprimento dos planos da certificação digitalizados e inseridos no sistema de monitoramento de ATER da SEAPROF. - Cópias digitais das publicações distribuídas. Período: 50% das visitas às famílias de cada lote no décimo mês e 50% no décimo primeiro meses do terceiro ano Outras Reuniões Temáticas Anuais com os Grupos Comunitários - Além das reuniões relacionadas acima (início do terceiro ano), a empresa contratada deverá promover, no mínimo 1 (uma) reunião temática com as comunidade cadastradas na base de dados da SEAPROF (processo de organização comunitária, durante as quais serão abordados os seguintes temas: - Avaliação final dos serviços de ATER prestados nos três últimos anos. Os pagamentos referentes aos últimos dois meses dependerão do resultado desta avaliação e dos levantamentos da efetividade da prestação de serviços realizados pela equipe de monitoramento da SEAPROF; - Planejamento de cada um dos grupos comunitários para os anos seguintes. Produtos: Cópias dos laudos de ATER, relatórios das 50 reuniões (ou de todas as reuniões previstas e realizadas na totalidade de comunidades de cada lote); relatório final. Período: Quinto, oitavo, décimo primeiro e décimo segundo meses (terceiro ano). 7. Temas a serem Abordados no Desenvolvimento Rural: Simultaneamente à aplicação dos diagnósticos (a fim de otimizar tempo e recursos) e posteriormente a esta fase (durante as visitas técnicas em cada Unidade Produtiva), as equipes de campo deverão atuar de modo interativo com as famílias para implementar as seguintes ações de desenvolvimento rural: Manejo Sustentável dos Recursos Naturais Produção de Alimentos para Segurança a Alimentar e Nutricional Organização da Produção para a Comercialização Certificação de Unidades Produtivas As visitas técnicas deverão ser planejadas pelos agentes do serviço à UPF e tem por objetivo conhecer a realidade socioeconômica e ambiental, informar, assessorar, orientar

27 26 tecnicamente o desenvolvimento dos sistemas produtivos, dos processos de comercialização - incluindo a logística de entrega de produtos e do gerenciamento da UPF. Deve-se problematizar sobre situações concretas considerando as esferas social, produtiva, econômica, ambiental e da infraestrutura, e construir soluções, de forma conjunta (agentes de Ater e os/as integrantes da unidade familiar). Devem-se considerar as especificidades sociais, de gênero, raça, etnia e geração. As visitas podem, também, orientar o acesso à programas específicos desenvolvidos pelo Governo do Estado: Armazenamento, Programa Boa Compra, Subsídio da Borracha, Programa da Certificação e demais ações de fomento; e Governo Federal: PRONAF e Programa de Aquisição de Alimentos. 8. Descrição dos temas que serão tratados nas visitas de acordo com as temáticas: TEMA Manejo Sustentável dos Recursos Naturais Produção de Alimentos para Segurança a Alimentar e Nutricional Organização da Produção para a Comercialização DESCRIÇÃO Desenvolver atividades de utilização e conservação dos recursos naturais, levando-se em conta biomas, ecossistemas e paisagens; abordar temas como sistemas sustentáveis de utilização de recursos naturais, manejo de produtos florestais não-madeireiros e sistemas agroflorestais e agrosilvopastoris; acompanhar a implantação dos planos de manejo, entre outras. Identificar hábitos alimentares e necessidades nutricionais da família; adequar a produção para atendimento das necessidades nutricionais identificadas, valorizando os hábitos tradicionais; promover hábitos alimentares saudáveis; introduzir espécies animais e vegetais, quando necessário; promover implantação de sistemas de cultivos e criações adequados aos recursos naturais disponíveis, e que, preferencialmente, não utilize insumos externos; disponibilizar técnicas de armazenagem e conservação de alimentos; estimular a criação de estoques de alimentos nas UPFs para o suprimento ao longo do ano, entre outras. Desenvolver ações voltadas aos programas e políticas públicas federais, estaduais e municipais de apoio à comercialização, como o Programa Nacional de Alimentação Escolar, o programa Fome Zero, Programa de Aquisição de Alimentos e Produtos da Agricultura Familiar PAA, Programa Estadual Boa Compra, entre outros; promover a organização da produção para o atendimento as demandas existentes; organizar a escala de produção individual e grupal; apoiar a organização de grupos de produção. Nas atividades coletivas, recomenda-se a participação de representantes dos órgãos públicos e das organizações de agricultores familiares para tratar de questões referentes ao tema.

28 27 TEMA Certificação de Unidades Produtivas DESCRIÇÃO Envolver as famílias beneficiadas com as ações previstas nos temas 1, 2 e 3 descritos acima no Programa Estadual de Certificação, componente da Política Estadual do Ativo Ambiental Florestal, proporcionando-lhes condições para acessar as oportunidades de políticas públicas como reconhecimento à prestação de serviços ambientais e no uso de práticas sustentáveis de produção, como roçados sustentáveis, sistemas agroflorestais e desenvolvimento de ações voltadas para a segurança alimentar e consolidação de cadeias produtivas agroflorestais. As fases do programa a serem desenvolvidas serão: adesão, básica, intermediária e plena.

29 9. Critérios de Avaliação Perfil da Empresa A empresa deverá apresentar atestado de capacidade técnica emitidos por órgãos públicos e/ou privados, a fim de comprovar os serviços executados na área de assistência técnica e extensão agroflorestal rural Curriculum Institucional comprovando os serviços executados na área de assistência técnica e extensão rural realizada pela empresa Equipe Básica de ATER Para executar as atividades de ATER as equipes deverão apresentar a seguinte formação: Lote 1 (Bujari/Sena Madureira) 2 (Tarauacá 1) 3 (Tarauacá 2) 4 Feijó 5 Manoel Urbano (1) (2)(3) EQUIPE TÉCNICA TOTAL Nível Superior QDE Nível Médio QDE Eng. Agrônomo ou Eng. Florestal Eng. Agrônomo ou Eng. Florestal Eng. Agrônomo ou Eng. Florestal Eng. Agrônomo ou Eng. Florestal Eng. Agrônomo ou Eng. Florestal Curso técnico agroflorestal, florestal e/ou agrícola Curso técnico agroflorestal, florestal e/ou agrícola Curso técnico agroflorestal, florestal e/ou agrícola Curso técnico agroflorestal, florestal e/ou agrícola Curso técnico agroflorestal, florestal e/ou agrícola TOTAL DE TÉCNICOS OBS 1: A SEAPROF deverá realizar uma capacitação denominada Imersão em ATER, conforme detalhado no ítem , na qual os técnicos da instituição contratada terão acesso a fundamentos relacionados à assistência técnica e extensão rural da área social. OBS 2: Esta deverá ser a equipe fixa mínima apresentada pela empresa. Durante a execução dos serviços de ATER poderá haver a necessidade adicional de contratação de profissionais. Neste caso, qualquer nova contratação deverá ser comunicada à Diretoria de ATER da Seaprof, com apresentação dos documentos básicos do (as) técnico (os) contratado (as). OBS 3: As cópias dos currículuns da equipe de ATER fixa apresentados como anexos à proposta da empresa devem estar devidamente autenticados. Esta mesma observação deve ser considerada nas contratações eventuais.

30 Publicações de materiais informativos relativos à produção sustentável, processamento, beneficiamento, comercialização de produtos florestais e agroflorestal; Projeto Resumido Proposta de assistência técnica e extensão agroflorestal rural resumida (máximo de 30 páginas), composta de: Título, Resumo, Justificativa, Estratégia de Ação, Atividades, Metodologia, Cronograma e Orçamento Infraestrutura Mínima Necessária para Atuação na Empresa Infraestrutura mínima exigida Número de escritório técnico na sede do Núcleo Operacional contando, no mínimo, com sala de reuniões, sala de espera, sala para escritório e banheiro Referência/ quantidade Número de notebooks 1 Número de data show 1 Número de telefone e fax 1 Número de computadores 2 Número de impressoras 1 Número de GPS 1 Número de máquinas fotográficas digitais 2 Número de flip chart 1 Número de banners confeccionados em vinil, colorido, medindo 190 cm x 140 cm (02 banners para cada 300 famílias, com um mínimo de 3 02 por núcleo operacional) Número de resmas de papel branco A4 (20 páginas por família) 20 Número de cartuchos tinta colorida para impressora (1 cartucho/100 famílias/ano) 5 Número de cartuchos tinta preta para impressora (1 cartucho/100 famílias/ano) 5 Número de caixa de som amplificada (1 para cada 400 famílias) 1 Número de microfones (2 para cada caixa de som) 2 Número de funcionário auxiliar de limpeza (servente) 1 Número de fotocópias para os formulários: perfil de entrada, visitas técnicas individuais, DAP, registro de visita, entre outros (30 páginas por famílias) Veículos com tração adequada às necessidades da região: motocicletas, quadriciclos ou carros com tração 4x Local de Prestação dos Serviços e Prazo de Execução: Os serviços ora licitados serão executados nas comunidades da regional do Purus, Tarauacá/Envira e Baixo Acre, conforme item 5 desta Chamada Pública e serão

31 inspecionados periodicamente por servidor designado pela autoridade competente, designado pela Contratante, mediante termo circunstanciado, assinado pelas partes; O prazo de execução do objeto desta Chamada Pública será de 36 meses, contados a partir do recebimento da Ordem de Serviço. 11. Do pagamento, Custos e Unidades Orçamentárias O valor total previsto para esta contratação é de R$ ,00 (Seis milhões oitocentos e sessenta e quatro mil reais), rateados nos anos de 2012, 2013 e 2014 e de acordo com os seguintes lotes e quantidades de famílias. Obs: A distribuição dos recursos obedecerá à composição dos custos do anexo III Os repasses anuais e seus valores relativos em cada lote serão os seguintes: As despesas destes serviços estarão a cargo da Secretaria de Estado de Extensão Agroflorestal e Produção Familiar e decorrerão das unidades orçamentárias Programa de Trabalho Fortalecimento do Programa Estadual de ATER, Elemento de Despesa Outros Serviços de Terceiro Pessoa Jurídica. Fonte de Recursos: 200 (CONVÊNIO BNDES) e 100 (CONTRAPARTIDA). - A forma de pagamento será mensal, até o 10 dia útil do mês subseqüente à prestação dos serviços, mediante apresentação dos produtos definidos no ítem 6.

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEIN. 2.302, DE 11 DE AGOSTO DE 2010 Institui a Política Estadual de Assistência Técnica e Extensão Agroflorestal Rural para a Produção Familiar - PEATER. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO

Leia mais

Orientações Gerais. Acordo de Cooperação Técnica

Orientações Gerais. Acordo de Cooperação Técnica Orientações Gerais Acordo de Cooperação Técnica Está disponível neste Portal SIASS uma nova minuta que visa orientar os órgãos e os GT's de Implantação das Unidades do SIASS quanto à elaboração do documento

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário -MDA- Secretaria da Agricultura Familiar -SAF- Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural -DATER-

Ministério do Desenvolvimento Agrário -MDA- Secretaria da Agricultura Familiar -SAF- Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural -DATER- Ministério do Desenvolvimento Agrário -MDA- Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural Secretaria da Agricultura Familiar -SAF- -DATER- Lei 12.188 Assistência Técnica e Extensão Rural para a

Leia mais

Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1

Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1 Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1 Conceito de Tecnologia Social aplicada a Municípios Sustentáveis: "Compreende técnicas, metodologias e experiências

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL Nº 030 /2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA URBANA O Projeto

Leia mais

Proposta para que o PAA possa apoiar a regularização ambiental

Proposta para que o PAA possa apoiar a regularização ambiental Proposta para que o PAA possa apoiar a regularização ambiental Considerando a Diretriz 2 do Plano Nacional de Segurança Alimentar: Promoção do abastecimento e estruturação de sistemas descentralizados,

Leia mais

MINUTA CHAMADA PÚBLICA N 003/2008 Fortalecimento da Ciência: Raça e Etnia

MINUTA CHAMADA PÚBLICA N 003/2008 Fortalecimento da Ciência: Raça e Etnia MINUTA CHAMADA PÚBLICA N 003/2008 Fortalecimento da Ciência: Raça e Etnia TERMOS DA CHAMADA PÚBLICA N 003/2008 A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás FAPEG, em consonância com o Pacto Goiano

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Edital de Chamada Pública nº 08/2016 PROGRAMA DE VOLUNTARIADO São Mateus/ ES 2016 EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA IFES CIDADANIA Nº 8/ 2016 PROGRAMA DE VOLUNTARIADO O Instituto Federal

Leia mais

1. DA AUTORIZAÇÃO 2. DO OBJETO

1. DA AUTORIZAÇÃO 2. DO OBJETO MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES SECRETARIA DE INCLUSÃO DIGITAL AVISO DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 02, DE 4 DE OUTUBRO DE 2012 PROGRAMA COMPUTADORES PARA INCLUSÃO A União, por intermédio da Secretaria de Inclusão

Leia mais

EDITAL 008/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: TRANSFERÊNCIA TECNOLOGIA

EDITAL 008/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: TRANSFERÊNCIA TECNOLOGIA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL 008/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: TRANSFERÊNCIA TECNOLOGIA O Projeto BRA/06/032

Leia mais

RESPONSABILIDADES NO PBA 2012 PREFEITURAS E SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

RESPONSABILIDADES NO PBA 2012 PREFEITURAS E SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESPONSABILIDADES NO PBA 2012 PREFEITURAS E SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Quando da adesão municipal ao programa suas atribuições são: Indicar e/ou selecionar o coordenador de turmas junto à Seduc;

Leia mais

Instruções Específicas para Desenvolvimento de Trabalho Social em Intervenções de Urbanização de Assentamentos Precários

Instruções Específicas para Desenvolvimento de Trabalho Social em Intervenções de Urbanização de Assentamentos Precários MININSTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação Instruções Específicas para Desenvolvimento de Trabalho Social em Intervenções de Urbanização de Assentamentos Precários Programa: Urbanização Regularização

Leia mais

PREFEITURA DE PORTO VELHO

PREFEITURA DE PORTO VELHO LEI Nº. 1628, DE 27 DE OUTUBRO DE 2005. Institui a Política Municipal de fomento à Economia Popular e Solidária na Cidade de Porto Velho e estabelece outras disposições. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PORTO

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações PROCESSO 026-2013 ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações

Leia mais

Centro de Estudos da Cultura e do Meio Ambiente da Amazônia RIOTERRA

Centro de Estudos da Cultura e do Meio Ambiente da Amazônia RIOTERRA 1 Centro de Estudos da Cultura e do Meio Ambiente da Amazônia RIOTERRA Rua Pe. Chiquinho, nº 1651, B. São João Bosco - CEP 76.803-786 Porto Velho/RO CNPJ: 03.721.311/0001-38 www.rioterra.org.br rioterra@rioterra.org.br

Leia mais

Edital. Ações para o desenvolvimento integral na Primeira Infância

Edital. Ações para o desenvolvimento integral na Primeira Infância Edital Ações para o desenvolvimento integral na Primeira Infância 1. OBJETIVO 1.1. Este edital tem o objetivo de apoiar financeiramente projetos de extensão universitária voltados a ações para o desenvolvimento

Leia mais

LICENCIATURA EM MATEMÁTICA CADERNO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ENSINO MÉDIO

LICENCIATURA EM MATEMÁTICA CADERNO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ENSINO MÉDIO LICENCIATURA EM MATEMÁTICA CADERNO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ENSINO MÉDIO RIBEIRÃO PRETO 2013 ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Aluno: RA: Ano/semestre: Período letivo: 2 SUMÁRIO ORIENTAÇÕES

Leia mais

Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais

Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais 1 PROGRAMA CAS: CERTIFICAÇÃO AEROAGRÍCOLA SUSTENTÁVEL 1. Introdução CAS Nível I REGULAMENTO A FEPAF (Fundação de Estudos e Pesquisas ), com apoio da ANDEF (Associação Nacional de Defesa Vegetal), do SINDAG

Leia mais

EDITAL FAPEPI N 008/2012 ACORDO CAPES/FAPEPI BOLSAS DE DOUTORADO E AUXÍLIO PARA DOCENTES DE INSTIUIÇÕES PÚBLICAS DE ENSINO SUPERIOR

EDITAL FAPEPI N 008/2012 ACORDO CAPES/FAPEPI BOLSAS DE DOUTORADO E AUXÍLIO PARA DOCENTES DE INSTIUIÇÕES PÚBLICAS DE ENSINO SUPERIOR EDITAL FAPEPI N 008/2012 ACORDO CAPES/FAPEPI BOLSAS DE DOUTORADO E AUXÍLIO PARA DOCENTES DE INSTIUIÇÕES PÚBLICAS DE ENSINO SUPERIOR A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Piauí - FAPEPI, em conformidade

Leia mais

Governo do Estado do Ceará Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior - SECITECE

Governo do Estado do Ceará Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior - SECITECE Governo do Estado do Ceará Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior - SECITECE TERMO DE REFERÊNCIA Suporte Técnico Especializado em Inovação Sênior- Pessoa Física, visando apoiar a COTEC/SECITECE

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO PORTARIA Nº. 582/10/GS/SEDUC-MT. Dispõe sobre critérios e procedimentos a serem adotados para o processo de atribuição de classe e/ou aulas e o regime

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÀRIO INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA - CEP: 70

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÀRIO INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA - CEP: 70 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÀRIO INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA Edifício Palácio do Desenvolvimento - CEP: 70.057-900 Brasília-DF - (61) 3411-7655 PROJETO BÁSICO SELEÇÃO DE ENTIDADE

Leia mais

INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO

INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO FEVEREIRO DE 2011 Telefones: (66) 3422 2461 / 6710 1 1. Apresentação da Incubadora de Empresas I-deia A Incubadora I-deia

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO FACULDADE EDUCACIONAL DE MEDIANEIRA MISSÃO: FORMAR PROFISSIONAIS CAPACITADOS, SOCIALMENTE RESPONSÁVEIS E APTOS A PROMOVEREM AS TRANSFORMAÇÕES FUTURAS. ESTÁGIO SUPERVISIONADO LETRAS COM HABILITAÇÃO EM LÍNGUA

Leia mais

DELIBERAÇÃO CES Nº 130 /2015 De, 10 de junho de 2015.

DELIBERAÇÃO CES Nº 130 /2015 De, 10 de junho de 2015. Secretaria Estadual De Saúde Conselho Estadual De Saúde - RJ DELIBERAÇÃO CES Nº 130 /2015 De, 10 de junho de 2015. APROVA O REGIMENTO IN- TERNO DA 7ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO. O

Leia mais

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário FNO-ITINERANTE 2012. São Gabriel da Cachoeira (AM). 24/04/2012

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário FNO-ITINERANTE 2012. São Gabriel da Cachoeira (AM). 24/04/2012 BANCO DA AMAZÔNIA Seminário FNO-ITINERANTE 2012 São Gabriel da Cachoeira (AM). 24/04/2012 Município de São Gabriel da Cachoeira - AM Principais Destaques. Considerado um ponto estratégico pelo país e,

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS GEO 01 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS GEO 01 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS GEO 01 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para apoiar as ações do Programa Nacional de Crédito Fundiário

Leia mais

NORMAS DE ATIVIDADES DE EXTENSÃO

NORMAS DE ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS ANEXO À DELIBERAÇÃO Nº 125, DE 06 DE JULHO DE 2006. NORMAS DE ATIVIDADES DE EXTENSÃO

Leia mais

Contrato de ATER. Contratos Individuais com recursos para Investimentos Básicos CPR-SIB, CAF e NPT

Contrato de ATER. Contratos Individuais com recursos para Investimentos Básicos CPR-SIB, CAF e NPT CONTRATO QUE ENTRE SI CELEBRAM E, COM A INTERVENIENCIA DA UNIDADE TÉCNICA ESTADUAL - UTE DO PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO FUNDIÁRIO DO ESTADO, VOLTADA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ATER ÀS FAMÍLIAS FINANCIADAS

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL 009/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: DESENV. TECNOLÓGICO O Projeto BRA/06/032 comunica

Leia mais

INSTRUÇÃO/CEAF Nº 001/2013

INSTRUÇÃO/CEAF Nº 001/2013 INSTRUÇÃO/CEAF Nº 001/2013 Estabelece regras a serem observadas na elaboração de Planos de Trabalho para realização de convênios de cooperação técnica que venham ser firmados entre o Ministério Público

Leia mais

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA PLANO MUNICIPAL DE CULTURA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ Comissão de Elaboração do Plano Municipal de Cultura: Anderson Beluzzo, Celso Peixoto, Dagma Castro, Elias Alcides Luciano, Guilhermina Stuker, João Alexandre

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho ATENDIMENTO IT. 14 16 1 / 23 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para o atendimento realizado pelo Crea GO ao profissional, empresa e público em geral. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Lei n 5.194 24 de dezembro

Leia mais

LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007

LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007 LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007 Publicada no DOE(Pa) de 20.11.07. Dispõe sobre a Política Estadual para o Desenvolvimento e Expansão da Apicultura e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOAS Gabinete do Prefeito

PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOAS Gabinete do Prefeito Of. GP/CM/501/09 Canoas, 3 de novembro de 2009. Senhor Presidente, Vimos respeitosamente encaminhar a essa egrégia Casa Legislativa a minuta, de Convênio que O Município de Canoas, o Conselho Comunitário

Leia mais

Relação de documentos necessários para requerer o CEBAS?

Relação de documentos necessários para requerer o CEBAS? Relação de documentos necessários para requerer o CEBAS? DOCUMENTO DESCRIÇÃO DO DOCUMENTO SOLICTADO Requerimento assinado pelo O modelo do requerimento pode ser obtido no anexo I desta relação representante

Leia mais

MINISTÉRIO DO ESPORTE

MINISTÉRIO DO ESPORTE MATRIZ DE RESPONSABILIDADES QUE ENTRE SI CELEBRAM OS ENTES FEDERATIVOS ABAIXO NOMINADOS COM O OBJETIVO DE VIABILIZAR A EXECUÇÃO DAS AÇÕES GOVERNAMENTAIS NECESSÁRIAS À REALIZAÇÃO DA COPA DAS CONFEDERAÇÕES

Leia mais

PROGRAMA DE FOMENTO AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO, TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO ESTADO DO PIAUÍ CHAMADA PÚBLICA FAPEPI N.º 001/2015

PROGRAMA DE FOMENTO AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO, TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO ESTADO DO PIAUÍ CHAMADA PÚBLICA FAPEPI N.º 001/2015 PROGRAMA DE FOMENTO AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO, TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO ESTADO DO PIAUÍ CHAMADA PÚBLICA FAPEPI N.º 001/2015 Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Piauí FAPEPI torna público o lançamento

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações e normas

Leia mais

Compra e Venda da Produção da Agricultura Familiar para a Alimentação Escolar

Compra e Venda da Produção da Agricultura Familiar para a Alimentação Escolar Compra e Venda da Produção da Agricultura Familiar para a Alimentação Escolar Hilda Lorena Freitas Agente PNAE/REBRAE Cecane/UNB A partir da Lei n. 11.947/2009 Art. 14. Do total dos recursos financeiros

Leia mais

Regulamenta a Lei nº 9.841, de 5 de outubro de 1999, que institui o Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, e dá outras providências.

Regulamenta a Lei nº 9.841, de 5 de outubro de 1999, que institui o Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, e dá outras providências. DECRETO N o 3.474, DE 19 DE MAIO DE 2000. Regulamenta a Lei nº 9.841, de 5 de outubro de 1999, que institui o Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

Universidade Aberta do Brasil Edital Nº. 02 de 31 de julho de 2009 DED/CAPES Edital Pró-Equipamentos

Universidade Aberta do Brasil Edital Nº. 02 de 31 de julho de 2009 DED/CAPES Edital Pró-Equipamentos Universidade Aberta do Brasil Edital Nº. 02 de 31 de julho de 2009 DED/CAPES Edital Pró-Equipamentos A Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CAPES, sediada no Setor Bancário

Leia mais

DOCUMENTO NORTEADOR PARA O ESTÁGIO SUPERVISIONADO

DOCUMENTO NORTEADOR PARA O ESTÁGIO SUPERVISIONADO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO PROJETO ALUNO EMPREENDEDOR DOCUMENTO NORTEADOR PARA O ESTÁGIO SUPERVISIONADO São Paulo 2015 PROJETO ALUNO EMPREENDEDOR DOCUMENTO NORTEADOR

Leia mais

DECRETO ESTADUAL Nº 49.723, DE 24 DE JUNHO DE 2005

DECRETO ESTADUAL Nº 49.723, DE 24 DE JUNHO DE 2005 DECRETO ESTADUAL Nº 49.723, DE 24 DE JUNHO DE 2005 Institui o Programa de Recuperação de Zonas Ciliares do Estado de São Paulo e dá providências correlatas GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São

Leia mais

ANTEPROJETO DE DECRETO (OU LEI) (A ser Publicado no Diário Oficial do Município/Estado)

ANTEPROJETO DE DECRETO (OU LEI) (A ser Publicado no Diário Oficial do Município/Estado) ANTEPROJETO DE DECRETO (OU LEI) (A ser Publicado no Diário Oficial do Município/Estado) Considerando: 1) A importância dos mananciais e nascentes do Município para o equilíbrio e a qualidade ambiental,

Leia mais

LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006.

LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006. LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006. Institui a Política Estadual de fomento à Economia Popular Solidária no Estado do Rio Grande do Norte e estabelece outras disposições. O PRESIDENTE DA ASSEMBLÉIA

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL DE RECRUTAMENTO Nº 001/2016 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 012/2016

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL DE RECRUTAMENTO Nº 001/2016 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 012/2016 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL DE RECRUTAMENTO Nº 001/2016 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 012/2016 I. DO OBJETO DA CONTRATAÇÃO Contratação de TÉCNICO DE CAMPO para o Projeto Produção Sustentável em Áreas

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO ESCOLAR INTEGRADORA LATO SENSU MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO ESCOLAR INTEGRADORA LATO SENSU MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO ESCOLAR INTEGRADORA LATO SENSU MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO por PROFª Ms. Maria Rosa Silva Lourinha Rio de Janeiro, MARÇO / 2013. 1 ÍNDICE Apresentação 1.

Leia mais

DESCRITIVO DE SELEÇÃO PARA O CARGO DE SUPERVISOR DE DIVULGAÇÃO/ATENDIMENTO FUNÇÃO DE EDITOR WEB PARA VAGAS NAS UNIDADES DO SESC NO ESTADO DE SÃO PAULO

DESCRITIVO DE SELEÇÃO PARA O CARGO DE SUPERVISOR DE DIVULGAÇÃO/ATENDIMENTO FUNÇÃO DE EDITOR WEB PARA VAGAS NAS UNIDADES DO SESC NO ESTADO DE SÃO PAULO DESCRITIVO DE SELEÇÃO PARA O CARGO DE SUPERVISOR DE DIVULGAÇÃO/ATENDIMENTO FUNÇÃO DE EDITOR WEB PARA VAGAS NAS UNIDADES DO SESC NO ESTADO DE SÃO PAULO O presente documento é uma divulgação oficial de todos

Leia mais

http://www.conselhoescolar.virtual.ufc.br/index.php/noticia/9-destaque/109-edital-2015-2

http://www.conselhoescolar.virtual.ufc.br/index.php/noticia/9-destaque/109-edital-2015-2 Link para acessar o ambiente e fazer a pré-inscrição: http://www.conselhoescolar.virtual.ufc.br/index.php/noticia/9-destaque/109-edital-2015-2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA

Leia mais

EDITAL FAPEMIG 16/2011

EDITAL FAPEMIG 16/2011 EDITAL FAPEMIG 16/2011 PROGRAMA ESTRUTURADOR REDE DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA MESTRES E DOUTORES A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais FAPEMIG, atendendo à orientação

Leia mais

Edital para Contratação de Consultoria Externa para Avaliação Final de Projeto. (Pessoa Física ou Pessoa Jurídica)

Edital para Contratação de Consultoria Externa para Avaliação Final de Projeto. (Pessoa Física ou Pessoa Jurídica) Edital para Contratação de Consultoria Externa para Avaliação Final de Projeto (Pessoa Física ou Pessoa Jurídica) Localização: Em domicílio (com visitas de campo previstas) Prazo para envio de candidatura:

Leia mais

MINUTA - ANEXO V INSTRUMENTO PARTICULAR DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA E CONSULTORIA PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVO

MINUTA - ANEXO V INSTRUMENTO PARTICULAR DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA E CONSULTORIA PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVO MINUTA - ANEXO V INSTRUMENTO PARTICULAR DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA E CONSULTORIA PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVO Pelo presente Instrumento Particular de Prestação de Serviços,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ REITORIA DE GRADUAÇÃO COLÉGIO UNIVERSITÁRIO GERALDO REIS EDITAL Nº 002/ 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ REITORIA DE GRADUAÇÃO COLÉGIO UNIVERSITÁRIO GERALDO REIS EDITAL Nº 002/ 2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ REITORIA DE GRADUAÇÃO COLÉGIO UNIVERSITÁRIO GERALDO REIS EDITAL Nº 002/ 2015 SORTEIO PARA ADMISSÃO DE ALUNOS AO COLÉGIO UNIVERSITÁRIO GERALDO

Leia mais

É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios

É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios MÃOS À OBRA!!! Prefeito e Prefeita, seguem sugestões de Programas e Ações a serem inseridos

Leia mais

PARA SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS, COMPREENDENDO O ESTUDO DE PREVALÊNCIA DE INCAPACIDADES NO MUNICÍPIO DE RESENDE - RJ.

PARA SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS, COMPREENDENDO O ESTUDO DE PREVALÊNCIA DE INCAPACIDADES NO MUNICÍPIO DE RESENDE - RJ. EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2015 PARA SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS, COMPREENDENDO O ESTUDO DE PREVALÊNCIA DE INCAPACIDADES NO MUNICÍPIO DE RESENDE - RJ. A AFR ASSOCIAÇÃO

Leia mais

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, e CAPÍTULO I DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, e CAPÍTULO I DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 4139, DE 11 DE SETEMBRO DE 2013. Regulamenta o Fundo Municipal de Esporte e Lazer e o Incentivo ao Esporte e Lazer e dá outras providências. O PREFEITO DE GOIÂNIA, no

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 08/2013

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 08/2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 08/2013 Regulamenta os critérios de concessão, no âmbito da UFBA, da gratificação por encargos de cursos e concursos e dá outras providencias.

Leia mais

COTAÇÃO DE PREÇOS 30/2013 MDA - Unicafes

COTAÇÃO DE PREÇOS 30/2013 MDA - Unicafes COTAÇÃO DE PREÇOS 30/2013 MDA - Unicafes Seleção de pessoa jurídica para fornecimento de material didático para atender as demandas de ações do contrato de repasse n 0335.768-69/2010 Rede Nacional de Mulheres

Leia mais

Esta versão não substitui a publicada no DOU INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02, DE 30 DE SETEMBRO DE 2005

Esta versão não substitui a publicada no DOU INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02, DE 30 DE SETEMBRO DE 2005 Esta versão não substitui a publicada no DOU INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02, DE 30 DE SETEMBRO DE 2005 Dispõe sobre os critérios e procedimentos relativos ao enquadramento de projetos de produção de biodiesel

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA/COTAÇÃO PRÉVIA nº. 01/2014 CONTRATAÇÃO DE PESSOA JURÍDICA: PRESTAÇÃO SERVIÇOS DE RECURSOS HUMANOS

TERMO DE REFERÊNCIA/COTAÇÃO PRÉVIA nº. 01/2014 CONTRATAÇÃO DE PESSOA JURÍDICA: PRESTAÇÃO SERVIÇOS DE RECURSOS HUMANOS TERMO DE REFERÊNCIA/COTAÇÃO PRÉVIA nº. 01/2014 CONTRATAÇÃO DE PESSOA JURÍDICA: PRESTAÇÃO SERVIÇOS DE RECURSOS HUMANOS A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA A AÇÃO POR DIREITOS DAS PESSOAS COM AUTISMO (ABRAÇA),

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - Nº 21729/2013

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - Nº 21729/2013 SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - Nº 21729/2013 Prezados Senhores, Brasília, 10 de maio de 2013. O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD solicita a apresentação de Proposta para o fornecimento

Leia mais

Conjunto EDITAL N.º 025/2014 PROEPI/IFPR - RETIFICADO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO INOVADOR (PIBIN)

Conjunto EDITAL N.º 025/2014 PROEPI/IFPR - RETIFICADO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO INOVADOR (PIBIN) EDITAL N.º 025/2014 PROEPI/IFPR - RETIFICADO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO INOVADOR (PIBIN) A Pró-Reitoria de Extensão, Pesquisa e Inovação do Instituto Federal do Paraná

Leia mais

b. Ampliar a participação de mulheres e jovens no debate das políticas do cooperativismo e do associativismo rural.

b. Ampliar a participação de mulheres e jovens no debate das políticas do cooperativismo e do associativismo rural. EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO N o 002/2013 OBJETO: Chamamento público com fins de seleção de projetos para Fortalecimento das Estratégias do Cooperativismo de Produção Agropecuário e do Associativismo Rural,

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO NÚCLEO DE ESTUDOS AGRÁRIOS E DESENVOLVIMENTO RURAL PCT FAO UTF/BRA/083/BRA

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO NÚCLEO DE ESTUDOS AGRÁRIOS E DESENVOLVIMENTO RURAL PCT FAO UTF/BRA/083/BRA TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS NÃO CONTINUADOS TR Nº MODALIDADE PROCESSO SELETIVO CONS NEAD 024/2013 Consultoria por produto FUNDAMENTO LEGAL Decreto nº 5.151/2004; Portaria MRE Nº 717/2006 e Portaria MDA

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE CENTRO FORMADOR DE RECURSOS HUMANOS CEFOR/SES-PB. CURSO TÉCNICO SAÚDE BUCAL

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE CENTRO FORMADOR DE RECURSOS HUMANOS CEFOR/SES-PB. CURSO TÉCNICO SAÚDE BUCAL ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE EDITAL Nº. 06/2012/SES/CEFOR-PB A Secretaria do Estado da Saúde, através do CEFOR-PB, torna público para conhecimento dos interessados a realização de PROCESSO

Leia mais

Programa de Fluxo Contínuo para Apoio a Projetos Especiais

Programa de Fluxo Contínuo para Apoio a Projetos Especiais Chamada Pública nº 03/2012 Programa de Fluxo Contínuo para Apoio a Projetos Especiais A FUNDAÇÃO ARAUCÁRIA de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Paraná, em conformidade com suas finalidades,

Leia mais

REGULAMENTO DO CREDENCIAMENTO PARA COMPOR O CADASTRO DE CONSULTORES DO MOVIMENTO CATARINENSE PARA EXCELÊNCIA

REGULAMENTO DO CREDENCIAMENTO PARA COMPOR O CADASTRO DE CONSULTORES DO MOVIMENTO CATARINENSE PARA EXCELÊNCIA REGULAMENTO DO CREDENCIAMENTO PARA COMPOR O CADASTRO DE CONSULTORES DO MOVIMENTO CATARINENSE PARA EXCELÊNCIA O processo de credenciamento acontecerá de acordo com as etapas abaixo, a serem aplicadas a

Leia mais

Lucia Maria Sá Barreto de Freitas

Lucia Maria Sá Barreto de Freitas RESOLUÇÃO DO CONSEPE Nº 12/2010 Aprova o Regulamento das Atividades de Estágio do Curso de Engenharia de Produção da FSSS e dá outras Providências. A PRESIDENTE DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-

Leia mais

Segurança Alimentar e Nutricional na Amazônia

Segurança Alimentar e Nutricional na Amazônia Segurança Alimentar e Nutricional na Amazônia Contribuições ao debate na XI Plenária do Consea Agosto de 2013 Aprimoramento da estratégia de identificação e caracterização das famílias pertencentes a povos

Leia mais

DECRETO Nº 55.461, DE 29 DE AGOSTO DE 2014

DECRETO Nº 55.461, DE 29 DE AGOSTO DE 2014 Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 55.461, DE 29 DE AGOSTO DE 2014 Institui a Política Municipal de Estímulo à Inovação e ao Desenvolvimento de Startups na Cidade

Leia mais

Rayley Guida de Souza Campos Luzza Superintendente

Rayley Guida de Souza Campos Luzza Superintendente EDITAL DE CREDENCIAMENTO N 002/2015 PREÂMBULO O Serviço Nacional de Aprendizagem Rural - Administração Regional do Tocantins - SENAR- AR/TO, inscrito no CNPJ/MF sob o n 04.253.770/0001-05, com sede na

Leia mais

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE PUBLICADA NO DOE DE 19-09-2013 SEÇÃO I PÁG 76-77 RESOLUÇÃO SMA Nº 89, DE 18 DE SETEMBRO DE 2013 Institui as diretrizes para a execução do Projeto de Pagamento por Serviços Ambientais para as Reservas Particulares

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 175, de 09 de dezembro de 2009.

RESOLUÇÃO Nº 175, de 09 de dezembro de 2009. RESOLUÇÃO Nº 175, de 09 de dezembro de 2009. ALTERAR E ESTABELECER NOVAS PROVIDÊNCIAS À RESOLUÇÃO Nº 119/2007 DO CMDCA. O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Florianópolis, no

Leia mais

EDITAL Nº. 003/2014 SELEÇÃO PARA O CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO EM AGROECOLOGIA O PRESIDENTE DO SERVIÇO DE TECNOLOGIA ALTERNATIVA SERTA

EDITAL Nº. 003/2014 SELEÇÃO PARA O CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO EM AGROECOLOGIA O PRESIDENTE DO SERVIÇO DE TECNOLOGIA ALTERNATIVA SERTA EDITAL Nº. 003/2014 SELEÇÃO PARA O CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO EM AGROECOLOGIA O PRESIDENTE DO SERVIÇO DE TECNOLOGIA ALTERNATIVA SERTA Resolve: I. Divulgar a abertura das inscrições e estabelecer normas

Leia mais

Termo de Referência INTRODUÇÃO E CONTEXTO

Termo de Referência INTRODUÇÃO E CONTEXTO Termo de Referência CONSULTORIA PARA AVALIAÇÃO DOS FINANCIAMENTOS DO BANCO DA AMAZÔNIA BASA, PARA FORTALECIMENTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA AMAZÔNIA BRASILEIRA, COM DESTAQUE PARA

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATANTE CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NA AGRICULTURA CONTAG, entidade sindical de grau superior, reconhecida pelo Decreto Presidencial nº. 53.517, de janeiro

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO- OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNISC

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO- OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNISC UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO- OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNISC CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º O presente Regulamento

Leia mais

Rede de Mobilizadores Curso Elaboração de Projetos Sociais

Rede de Mobilizadores Curso Elaboração de Projetos Sociais Rede de Mobilizadores Curso Elaboração de Projetos Sociais Atividade Final: Elaboração de pré-projeto Aluna: Maria Adélia Alves Sousa 1. Identificação do Projeto Título do projeto: Fomento para Horta Comunitária

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DO PARANÁ SENAR-AR/PR PROGRAMA APRENDIZAGEM DE ADOLESCENTES E JOVENS

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DO PARANÁ SENAR-AR/PR PROGRAMA APRENDIZAGEM DE ADOLESCENTES E JOVENS SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DO PARANÁ SENAR-AR/PR PROGRAMA APRENDIZAGEM DE ADOLESCENTES E JOVENS Rua Mal. Deodoro, 450 17º - Centro Curitiba - PR CEP 80.010-910 - Fone

Leia mais

EDITAL N 04/2015 SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS DE NÍVEL SUPERIOR E MÉDIO

EDITAL N 04/2015 SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS DE NÍVEL SUPERIOR E MÉDIO EDITAL N 04/2015 SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS DE NÍVEL SUPERIOR E MÉDIO A Fundação de Empreendimentos Científicos e Tecnológicos - FINATEC, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, por meio

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 18 DE 21 DE MAIO DE 2013.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 18 DE 21 DE MAIO DE 2013. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 18 DE 21 DE MAIO DE 2013. Dispõe sobre a destinação de recursos financeiros, nos moldes operacionais

Leia mais

EDITAL 002/2015 UNICAFES/SENAES-MTE

EDITAL 002/2015 UNICAFES/SENAES-MTE EDITAL 002/2015 UNICAFES/SENAES-MTE A UNIÃO NACIONAL DE COOPERATIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR E ECONOMIA SOLIDÁRIA (Unicafes), inscrita no CNPJ sob o n. 07.738.836/0001-37 torna público a abertura de inscrições

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento da Faculdade Católica do Tocantins (Facto), mantida

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA REVISÃO DO PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS

TERMO DE REFERENCIA REVISÃO DO PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS TERMO DE REFERENCIA REVISÃO DO PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS 1) OBJETO Escolha de instituição pública ou privada, sem fins lucrativos, para desenvolvimento de estudo do Planejamento da Força de Trabalho e

Leia mais

MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO

MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO CONVÊNIO ENTRE O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO E A SECÇÃO ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL DO CIOFF, PARA A REALIZAÇÃO DO XI FESTIVAL INTERNACIONAL DE FOLCLORE DE PASSO FUNDO O36/2014 PGM O MUNICÍPIO DE PASSO

Leia mais

TÍTULO 30 COMPRA COM DOAÇÃO SIMULTÂNEA CDS

TÍTULO 30 COMPRA COM DOAÇÃO SIMULTÂNEA CDS (*) 1) FINALIDADE: Aquisição de alimentos de organizações fornecedoras constituídas por público descrito no parágrafo 2º, item 4, Art. 3º da Lei Nº 11.326/2006, com vistas à doação para organizações constituídas

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA RELACIONADA NO ÂMBITO DOS TEMAS

Leia mais

PROTOCOLO DE COMPROMISSO

PROTOCOLO DE COMPROMISSO PROTOCOLO DE COMPROMISSO PROTOCOLO DE COMPROMISSO QUE A FACULDADE CASA DO ESTUDANTE - FACE, MANTIDA PELA SOCIEDADE DE ENSINO SUPERIOR DE ARACRUZ LTDA E REPRESENTADA PELO DIRETOR ANTÔNIO EUGÊNIO CUNHA APRESENTA

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA ELABORAÇÃO DE PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DOS MUNICÍPIOS DE BRASIL NOVO, MEDICILÂNDIA, URUARÁ E PLACAS PROJETO042/2014

Leia mais

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e Adolescente de Viana - COMDICAVI Lei Municipal Nº. 1214/94

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e Adolescente de Viana - COMDICAVI Lei Municipal Nº. 1214/94 EDITAL Nº. 01/2014 - COMDICAVI Dispõe sobre o chancelamento de projetos das entidades não governamentais e órgãos governamentais de atendimento à criança e ao adolescente, para financiamento com recursos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRO-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA INCUBADORA TECNOLÓGICA E DO AGRONEGÓCIO DE MOSSORÓ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRO-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA INCUBADORA TECNOLÓGICA E DO AGRONEGÓCIO DE MOSSORÓ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRO-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA INCUBADORA TECNOLÓGICA E DO AGRONEGÓCIO DE MOSSORÓ CHAMADA Nº. 01/2016 IAGRAM A Incubadora Tecnológica

Leia mais

Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO. 1- Como aderir à proposta AMQ?

Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO. 1- Como aderir à proposta AMQ? Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO 1- Como aderir à proposta AMQ? A adesão é realizada através do preenchimento e envio do Formulário de Cadastramento Municipal no site do projeto. O gestor municipal da saúde

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA Setor de Ciências Sociais Aplicadas Departamento de Serviço Social

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA Setor de Ciências Sociais Aplicadas Departamento de Serviço Social PROCESSO SELETIVO PARA TUTORES A DISTÂNCIA: UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA Setor de Ciências Sociais Aplicadas Departamento de Serviço Social EDITAL 001/2013 A Universidade Estadual de Ponta Grossa,

Leia mais

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ Setembro/2010 APRESENTAÇÃO Este documento denominado Metodologia é o primeiro produto apresentado

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL 016/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: ALTO IMPACTO O Projeto BRA/06/032 comunica que

Leia mais

22o. Prêmio Expressão de Ecologia

22o. Prêmio Expressão de Ecologia 22o. Prêmio Expressão de Ecologia 2014-2015 Página da Prefeitura Lançando o Selo Verde Apresentação para Empreendedore e Interessados do Selo Verde Página da Prefeitura Lançando o Selo Verde Selo Verde

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL DECRETO Nº 309, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2005. Aprova o Regimento Interno e o Organograma da Secretaria Municipal do Trabalho e Cooperativismo e dá outras providências. O PREFEITO DE PALMAS no uso das atribuições

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regulamento do Estágio Supervisionado do Curso Superior de Tecnologia em Comércio Exterior, na forma do ANEXO.

Art. 1º Aprovar o Regulamento do Estágio Supervisionado do Curso Superior de Tecnologia em Comércio Exterior, na forma do ANEXO. RESOLUÇÃO Nº 77/2010, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2010 Aprova o Regulamento do Estágio Supervisionado do Curso Superior de Tecnologia em Comércio Exterior, na forma do Anexo. O Reitor da Fundação Universidade

Leia mais

Processo de Seleção de Novos Empreendimentos para a Broto Incubadora de Biotecnologia

Processo de Seleção de Novos Empreendimentos para a Broto Incubadora de Biotecnologia Processo de Seleção de Novos Empreendimentos para a Broto Incubadora de Biotecnologia EDITAL 01/2016 O Reitor da Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS, no uso de suas atribuições, torna pública

Leia mais