CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL JORNALISMO JOSÉ ANTINO DA SILVA FILHO DESENVOLVIMENTO DE SITE JORNALÍSTICO SOBRE A RESERVA EXTRATIVISTA DO BATOQUE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL JORNALISMO JOSÉ ANTINO DA SILVA FILHO DESENVOLVIMENTO DE SITE JORNALÍSTICO SOBRE A RESERVA EXTRATIVISTA DO BATOQUE"

Transcrição

1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL JORNALISMO JOSÉ ANTINO DA SILVA FILHO DESENVOLVIMENTO DE SITE JORNALÍSTICO SOBRE A RESERVA EXTRATIVISTA DO BATOQUE FORTALEZA 2011

2 JOSÉ ANTINO DA SILVA FILHO DESENVOLVIMENTO DE SITE JORNALÍSTICO SOBRE A RESERVA EXTRATIVISTA DO BATOQUE Projeto apresentado à coordenação do curso de Comunicação Social Jornalismo, como exigência final para conclusão do curso. Orientador: Prof. Ms. Dilson Alexandre Mendonça Bruno FORTALEZA 2011

3 Folha de aprovação

4 RESUMO Este trabalho é um relatório teórico e técnico sobre o desenvolvimento do site jornalístico sobre a Reserva Extrativista do Batoque (www.praiadobatoque.com.br). O presente estudo tem o intuito apresentar todas as etapas percorridas pelo pesquisador na elaboração de um conteúdo multimídia a respeito da história e cotidiano de uma comunidade marcada pela luta contra grandes grupos empresariais e o turismo de massa no litoral cearense. Entendendo que o desenvolvimento de um produto jornalístico web forjado na academia deve levar em consideração aspectos teóricos e práticos, referenciais teóricos são colocados em confronto com as experiências práticas vividas ao logo da criação do produto. Este relatório dialoga sobre os processos de elaboração e execução da pauta, das entrevistas, do layout, dos textos e dos mapas do site. Assim, o produto é o resultado do embate direto entre o pensar e o fazer jornalístico. Palavras-chave: Site. Jornalismo. Reserva Extrativista do Batoque. Multimídia. Turismo.

5 SUMÁRIO INTRODUÇÃO REFERÊNCIAL TEÓRICO METODOLOGIA DE PESQUISA O SITE Pauta Entrevistas Layout Texto Mapas CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 27

6 5 INTRODUÇÃO Apoiar o potencial turístico de uma área litorânea somente em seus atrativos naturais é uma prática comum. Palavras como praia, sol e mar servem de incentivos para o turismo de massa, o qual é [...] promovido pela mídia, tecnificado e colocado nas prateleiras do mercado da informática, mobilizando grandes fluxos de visitantes, para núcleos receptores especiais. (CORIOLANO, 2003, p. 42). Esse tipo de apelo tem grande força entre as classes mais abastardas, que possuem tempo e renda para financiar os gastos com deslocamentos e hospedagem. O turismo é uma forma de lazer praticada pela elite. É uma modalidade de entretenimento que exige viagem, deslocamento de pessoas, consumo do tempo livre e o uso de um equipamento por mínimo que seja como transporte e hotéis. (CORIOLANO, 2003, p. 115). No nordeste brasileiro, mais especificamente no Ceará, a exploração do turismo de massa vem gerando danos para pequenas comunidades que habitam os pontos turísticos. Com a transformação de comunidades pesqueiras em importantes polos turísticos do Ceará, os moradores perdem espaço para a implantação de um turismo que os exclui dos ganhos e benefícios trazidos pelos visitantes. Além de não ganhar, a população ainda perde as suas raízes culturais e, até mesmo, a posse da terra para a implantação de empreendimentos focados no turismo de massa. Estes megaprojetos dirigem a atual estruturação territorial ocupando grandes porções do solo dessas vilas. Instrumentos jurídicos estão nas mãos de proprietários estrangeiros, tendo estes, grandes facilidades jurídicas para adquirir imóveis que se destinam a construções de hotéis, condomínios privados, restaurantes, discotecas, bares, centros comerciais, centros de convenções, flats sendo que muitos deles situam-se em zonas proibidas do litoral. (CORIOLANO, 2008, p. 12) Mesmo diante do processo de exclusão, algumas comunidades do litoral cearense buscam se inserir na atividade turística por meio da prestação de pequenos serviços aos viajantes como, por exemplo, o aluguel de quartos nos domicílios, restaurantes e pousadas comunitárias, venda de artesanato e como guias de passeios locais. O turismo comunitário afasta-se do turismo de massa ao tentar dar prioridade à conservação da cultura e do meio ambiente local. Ele é [...] a alternativa encontrada pelas comunidades que buscam desenvolver o turismo, criando oportunidades de trabalho, complementando a renda dos moradores. As ações são tentativas de constituir uma política

7 6 comunitária e social, cujo objetivo é a permanência e sobrevivência no espaço litorâneo. (MENDES; CORIOLANO, 2006, p. 1). Para apoiar comunidades que desejam diminuir os impactos negativos do turismo de massa no Ceará, foi criada a Rede Tucum rede cearense de turismo comunitário. Trata-se de um projeto tem como objetivo desenvolver o turismo local, garantindo às populações tradicionais a permanência em seu território. Isso possibilita a continuidade das atividades econômicas tradicionais, em particular a pesca e a agricultura. Atualmente, a Rede Tucum auxilia doze localidades cearenses na promoção da sustentabilidade turística, que tem três fatores como base: O objetivo da sustentabilidade ecológica é assegurar que o desenvolvimento seja compatível com a manutenção do processo ecológico. A sustentabilidade sociocultural deve assegurar que o desenvolvimento seja compatível com a cultura e valores da comunidade e por fim a sustentabilidade econômica busque um desenvolvimento economicamente eficiente com recursos geridos de maneira que possam manter gerações futuras. (ROSE, 2002, p. 45) Entre as comunidades que integram a Rede Tucum, está a da praia do Batoque, que foi a primeira Reserva Extrativista (Resex) do Ceará. O local, localizado a 52 km de Fortaleza, tornou-se Unidade de Conservação em 5 de junho de 2003, após décadas de lutas contra ataques de grileiros (nome dado para quem falsifica documentos e de forma ilegal tornar-se dono por direito de terras devolutas ou de terceiros), que tentaram tomar posse da terra, pertencente aos pescadores e agricultores da região. Os primeiros ataques proferidos por Antônio Sales foram a proibição da venda de coco, plantação de vazante, proibição de cerca e finalmente, o controle rígido de construção de casas para os filhos dos nativos. A comunidade, por muito tempo, foi vigiada por capangas armados e muito violentos que ameaçavam de morte qualquer pessoa ou instituição que viesse tentar conscientizar os nativos das injustiças implantadas ali. Diante disso, outros especuladores apareceram se dizendo donos das terras, inclusive o Sr. Miguel Gazineu que apresentou até escritura. Mais tarde apareceu o milionário Ivens Dias Branco, se intitulando, também, dono das terras. (ORGANIZAÇÃO COMUNITÁRIALUTA PELA TERRA-CIDADANIA E MEIO AMBIENTE, 2003, s/pág. 1 ) Hoje, cerca de 320 famílias vivem na Reserva Extrativista (Resex) do Batoque, que, segundo o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis 1 Por se tratar de um documento disponível na internet não consta página. Sempre que isso ocorrer, colocaremos a expressão s/pág. daqui em diante.

8 7 (IBAMA), abrange uma área de 617 hectares e tem na pesca a sua principal fonte de renda. Desde 2007, a Resex é gerenciada pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) que administra, fiscaliza e auxilia na implementação de projetos para o desenvolvimento local junto aos moradores. A história da comunidade do Batoque pela posse da terra é passada oralmente para as novas gerações de pescadores e está registrada em estudos realizados pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). Antes da criação da reserva, foi publicado um site sobre a praia. No entanto, ele foi desativado e o conteúdo só pode ser acessado por meio de buscas com ferramentas especiais. Por isso, é importante o desenvolvimento de um projeto que registre a história do local de uma maneira mais ampla e acessível. O objetivo deste trabalho é desenvolver e publicar um conteúdo multimídia para web sobre a história, costumes e cotidiano da comunidade que habita a Reserva Extrativista do Batoque. O repórter atuou analisando a rotina dos moradores; entrevistando as lideranças e estudiosos; registrando com imagens, texto, áudio e vídeo; editando o material; e publicando o resultado em um site da internet. O site terá como foco os internautas interessados em visitar a praia do Batoque. A luta da comunidade da praia do Batoque pela posse da terra e pela conservação de suas raízes culturais é um exemplo de mobilização em torno de um bem comum. No entanto, a falta de reportagens ou registros sobre essa história pode fazer com que o esforço de décadas seja esquecido pelas próximas gerações. Por suas características multimídias, a web demonstra ser a melhor plataforma para a publicação de um conteúdo que deve registrar em texto, imagens e áudio a história e o cotidiano dos moradores daquela região, levando em consideração aspectos humanos, econômicos e sociais. A Reserva Extrativista do Batoque não possui nenhum site ou qualquer outra forma de comunicação via internet. Como a comunidade desenvolve um trabalho de turismo sustentável, ter uma visibilidade na rede mundial de computadores pode ajudar na divulgação do estilo de vida local e atrair ainda mais visitantes interessados em conhecer a reserva dentro da proposta de turismo comunitário. Com os espaços para interação com os usuários que devem ser desenvolvidos no site, o conteúdo gerado poderá ser comentado, compartilhado e estendido nas caixas para comentários. Dessa forma, além de acessar as informações, os leitores poderão contribuir com

9 8 a divulgação e aumento do que será postado, criando um centro online difusor de conteúdo sobre a praia do Batoque. No capítulo a seguir, apresentamos uma pesquisa bibliográfica que serviu de base para o desenvolvimento das ações do pesquisador.

10 9 1 REFERÊNCIAL TEÓRICO De acordo com Lévy (1999), novas tecnologias inseridas no cotidiano social implicam em mudanças significativas no meio. As transformações não partem da tecnologia em si, pois elas não agem sobre o homem de maneira autônoma. As alterações da práxis social partem dos valores que o próprio homem agrega à tecnologia. [...] a técnica é um ângulo de análise dos sistemas sócio-técnicos globais, um ponto de vista que enfatiza a parte material e artificial dos fenômenos humanos, e não uma entidade real, que existiria independentemente do resto, que teria efeitos distintos e agiria por vontade própria. (LÉVY, 1999, p. 22). A técnica descrita por Lévy (1999) não veio de outros planetas ou surgiu sozinha do frio mundo das máquinas. Ela não foi dada ao homem pronta e com um fim em si mesmo. De acordo com o autor as [...] técnicas são imaginadas, fabricadas e reinterpretadas durante seu uso pelos homens. (p. 21). E é o uso das ferramentas que compõe a humanidade enquanto tal. Ao lançarmos nosso olhar sobre a história da comunicação encontraremos diversos pontos de convergência entre o fazer jornalístico e o desenvolvimento tecnológico. A invenção revolucionária da prensa e dos tipos móveis por Gutenberg puderam dar vazão ao rio de informações que inundavam a Europa nos séculos XVI e XVII. A procura de livros, nas cortes do Renascimento e nas universidades, atingiu proporções tais que os copistas não tinham condições para atender todas as solicitações. (MELO, 2003, p. 41). Com a prensa, a materialização de pensamentos em letras e páginas tornou-se mais rápido e possibilitou a publicação de material com temas mais efêmeros. De acordo com Steingberg (1963, p ), estava nascendo nesse momento a [...] moderna publicidade impressa, que se baseia na produção massiva de material idêntico e na livre combinação de tipos, em uma quase infinita variedade de composição. No século XIX, o desenvolvimento industrial agrega aperfeiçoamentos para a já ultrapassada invenção de Gutenberg. Os parques gráficos ajudam na massificação dos jornais ao permitir a produção em larga escala. Ao mesmo tempo, o desenvolvimento de outra ferramenta influenciará diretamente em como os jornais serão escritos: o telégrafo. Para Furtado (2005, p. 73), [...] os jornais rapidamente perceberam a preciosidade dessa nova fonte. No momento em que se realiza a

11 10 ligação entre cidades, países e continentes amplia-se consideravelmente o campo dos conhecimentos dos fatos, das notícias e dos acontecimentos. Para tomar posse das novas possibilidades advindas do telégrafo, os jornais tiveram que se adaptar às limitações técnicas da ferramenta. Os cabos telegráficos espalhados pelo mundo não eram completamente confiáveis, por isso as informações mais relevantes eram escritas logo no primeiro parágrafo do texto. Assim nasceu o lead. Atualmente, vivemos outra mudança, talvez a mais profunda delas. A internet nos brinda com um mundo de novas possibilidades de publicação e apuração de informações. No mundo, além das prensas, o texto é uma das maneiras de informar e não mais a única. Sendo assim, é necessário ter em mãos as novas ferramentas oferecidas pela web. A internet é um produto tecnológico da nossa sociedade que implicou em significativas mudanças culturais. A evolução da rede foi além dos nichos tecnológicos e dos muros acadêmicos. A internet provocou modificações profundas em áreas como produção, educação, política e comunicação. O seu toque é tão profundo que Castells (2003, p. 15) compara sua importância com a da própria eletricidade: Se a tecnologia da informação é o equivalente histórico do que foi a eletricidade na era industrial, em nossa era poderíamos comparar a Internet com a rede elétrica e o motor elétrico, dado sua capacidade para distribuir o poder da informação por todos os âmbitos da atividade humana. O desenvolvimento da rede mundial de computadores não se deu do dia para a noite. A internet, como a conhecemos, é o resultado da evolução de comunidades que deram início à cultura de troca de informação em rede. Segundo Castells (2003), essa nova forma de comunicação se espalhou pelo mundo contemporâneo e está influenciando diretamente na nossa cultura. Todos os domínios da vida social estão sendo modificados pelos usos disseminados da internet. (p. 225). Um desses domínios é o jornalismo impresso. O primeiro passo do jornalismo dentro do novo mundo digital foi o da transposição integral do conteúdo veiculado no papel para a internet. Cabrera González (2000) chama esse modelo de Fac-simile. Os jornais foram digitalizados e publicados na rede com o mesmo formato que iam para as ruas. Em um segundo momento, os sites dos jornais impressos passaram a transpor as matérias do papel para um layout diferente e mais adaptado ao online. No entanto, ainda não eram gerados conteúdos próprios.

12 11 Somente na terceira fase de adaptação, os jornais incorporaram um modelo digital mais concreto. Aqui, o design é completamente pensado de acordo com as necessidades do leitor da internet. Com o uso de links, o conteúdo passa a ser hipertextualizado, o que possibilita a expansão da informação. Também foi expandida a experiência do usuário com o conteúdo a partir do momento em que foram abertos canais para que ele pudesse comentar e contribuir com a informação. Cabrera González (2000) ainda destaca um quarto modelo do jornal na internet, o multimídia. Nesta fase, os sites utilizam ao máximo todos os recursos que o meio online possibilita. Além da interatividade com o público, os jornais se preocupam em complementar as informações com vídeos, áudios e animações. Esses diversos modelos ainda coexistem na internet. É possível encontrar em alguns veículos a digitalização do conteúdo impresso na integra e conteúdos multimídia. Pois, apesar da evolução de sua versão online, os sites de notícia ainda necessitam de suas edições impressas. La aceptación de la situación actual como etapa transitoria de la prensa en línea, da razón de la necesaria dependencia de ésta de los medios tradicionales, en concreto, de la prensa escrita. Resulta innegable la necesidad de coexistencia del medio on line con la prensa convencional por varios motivos, entre los que podemos señalar: la necesidad de una infraestructura organizativa que todavía no existe de modo independiente en la edición digital, la falta de contenidos informativos suficientemente elaborados, y la urgente demanda de profesionales cualificados. (CABRERA GONZÁLEZ, 2000, s/pág.). Essa dependência fica ainda mais evidente quando observamos os sites de notícia ligados aos grupos regionais de comunicação. Nesses casos, o portal foi implementado como mais um veículo de comunicação da empresa, mas não recebe os mesmos investimentos que as outras empresas do grupo. As bases para o desenvolvimento de notícias online ainda está crescendo nas raízes dos antigos veículos. Conteúdos jornalísticos na web, que tenham nascido diretamente para a internet, ainda podem ser considerados raridades. Isso nos faz pensar o que realmente é o jornalismo digital. En una definición sintética el periodismo digital es todo el producto discursivo que construye la realidad por medio de la singularidad de los eventos, que tiene como soporte de circulación las redes telemáticas o cualquier otro tipo de tecnología por donde se transmita señales numéricas

13 12 y que incorpore la interacción con los usuarios a lo largo del proceso productivo. (GONÇALVES, 2000, p. 19). Os sinais numéricos (señales numéricas) mencionados por Gonçalves (2000) são as bases das informações trocadas via internet. Por causa do código binário, todo e qualquer dado pode ser convertido em infinitas sequências de 0 e 1, transmitidos por meio de cabos ou sinais eletrônicos e processadas por um computador. Assim, texto, imagem, áudio e vídeo podem ser experimentados em uma mesma plataforma, o que caracteriza a multimidialidade do jornalismo na web. Ser capaz de disponibilizar em uma mesma plataforma diversas mídias não é privilégio somente do jornalismo feito para web. A televisão também é capaz de veicular gráfico, imagens, áudio e texto em sua narrativa. A internet não deve ser encarada com uma plataforma que sintetiza aquilo que o impresso, rádio e televisão já fazem. Ela não é a simples junção do que já é realizado nos outros veículos. A web não pode ser entendida da mesma maneira que as mídias de massa. Lemos e Cunha (2003, p. 15) exemplificam a diferença crucial entre a internet e os outros meios de comunicação: [...] quando falo que estou lendo um livro, assistindo TV ou ouvindo rádio, todos sabem o que estou fazendo. Mas quando digo que estou na internet, posso estar fazendo todas essas coisas ao mesmo tempo, além de enviar , escrever em blogs ou conversar em um chat. Aqui não há vínculo entre o instrumento e a prática. A internet é um ambiente, uma incubadora de instrumentos de comunicação e não uma mídia de massa, no sentido corrente do termo. Portanto, um dos diferenciais da internet está no nível de interação que o usuário tem com o conteúdo. Mesmo sendo capaz de transmitir diversos tipos de dados, a narrativa feita na televisão é rígida. Na web, os hiperlinks permitem que o usuário escolha por onde vai começar e como vai terminar o consumo de um conteúdo. A flexibilidade dos meios online permite organizar as informações de acordo com as diversas estruturas hipertextuais. Cada informação, de acordo com as suas peculiaridades e os elementos multimédia disponíveis, exige uma estrutura própria. (SALAVERRIA, 2005, p. 108). Com a interação na web, o usuário deixa de ser um simples receptor da informação e, junto com o jornalista, passa a ser autor do conteúdo. Por suas características de sistema hipertextual, como vimos anteriormente, a internet permite que esta audiência trace seu

14 13 próprio caminho para o acesso aos conteúdos, determinando quando e quais informações quer receber. A sua postura deixa de ser a do receptor passivo. (MONTEIRO, 2001, p. 32). A participação do usuário vai muito além da reconfiguração no modo de ler vai muito além do texto hiperlincado. Hoje, o leitor não só consome a informação da maneira que deseja, ele também é capaz de disseminar conteúdos. Acima de tudo ele é também co-autor, já sendo conhecido nos meios internacionais como prosumer, que é formado pelas palavras produtor + consumidor (producer e consumer em inglês). Esse novo consumidor presente na internet, chamado de usuário, tem vez e tem voz. (MARQUES, 2009, p. 4). Diante de um usuário ativo que faz a sua própria narrativa da notícia por meio de uma navegação multimídia, torna-se necessária uma mudança no perfil do profissional de jornalismo. O repórter deve ser capaz de desenvolver conteúdo o conteúdo multimídia. Segundo Magaly Prado (2011), redigir bem ainda é fundamental, mas não é mais o suficiente para um profissional que queira ser bem-sucedido no século XXI. Não basta mais só saber redigir, o mercado carece e prefere que o jornalista saiba, de forma extremamente profissional (porque amadores são pantópicos), gerar páginas na internet, fazer locução, mexer em câmeras e, em muitos casos, editar também; tudo isso com uma visão aguçada, claro. (p. 3). É com esse perfil de repórter que deve ser produzido um produto jornalístico multimídia capaz de interagir e permitir que o próprio usuário construa a sua narrativa, sem as amarrações dos veículos mais tradicionais de comunicação. A proposta ainda é desenvolver conteúdo que apesar de estar ancorado em um meio conhecido pela instantaneidade seja capaz de fazer o leitor aprofundar-se na navegação. Achar que o mais importante é oferecer as últimas notícias o mais rápido possível é um grande equívoco do meio. Os leitores raramente percebem quem foi o primeiro a dar a notícia e, na verdade, nem se importam com isso. Uma notícia superficial, incompleta ou descontextualizada causa péssima impressão. É sempre melhor colocá-la no ar com qualidade [...]. (FERRARI, 2003, p. 49).

15 14 2 METODOLOGIA DE PESQUISA Com o intuito de produzir um conteúdo jornalístico multimídia a respeito da história e do cotidiano da comunidade de pescadores e agricultores que vivem na Reserva Extrativista do Batoque foi preciso primeiramente realizar um levantamento de todo o material publicado a respeito do local. A pesquisa em arquivos públicos, bibliotecas e acervos de jornais impressos foi a base para o desenvolvimento da pauta que norteou as ações do projeto. Após a fase de pesquisa, a pauta foi construída levando em consideração a busca de fontes que confirmaram ou esclareceram os fatos levantados em pesquisa. Entrevistas com líderes comunitários, pescadores, acadêmicos e gestores públicos foram realizadas e gravadas em áudio e vídeo, sendo utilizadas para o desenvolvimento do site. Com a produção e edição do conteúdo, iniciamos a fase de desenvolvimento do site e de postagem do material na web. Nessa etapa, criamos e implementamos o layout onde estão publicadas as matérias, fotos, áudios e vídeos de modo que houvesse um diálogo coerente e coeso dos temas por meio de hiperlinks. O quadro abaixo mostra o cronograma de como o projeto foi realizado. Quadro 1 Cronograma de realização do projeto ABRIL MAIO JUNHO Pesquisa X Produção conteúdo X X Edição conteúdo X Desenvolvimento site X Publicação do site X Fonte: Elaboração do autor.

16 15 3 O SITE 3.1 Pauta A construção da pauta foi o primeiro passo dado para nortear o desenvolvimento do conteúdo do site sobre a Reserva Extrativista do Batoque (www.praiadobatoque.com.br). A pauta é uma ferramenta relativamente recente do jornalismo. Kotscho (2001), por exemplo, afirma que ela não existia na década de 60. Segundo ele, o chefe de reportagem designava os repórteres de acordo com as demandas que despencavam sobre sua mesa. O autor afirma que a pauta nasceu com o objetivo de organizar. O crescimento dos jornais e das redações tornou necessária a instituição da pauta, principal elo de ligação entre a produção e a edição das matérias. Em outras palavras, era preciso organizar a bagunça para saber quem estava fazendo o quê. (KOTSCHO, 2001, p. 11). Diferente do cenário descrito por Kotscho (2001), não existia nenhuma grande equipe para ser comandada na produção do site. Sendo assim, o objetivo da pauta foi levantar o histórico do local, os objetivos do trabalho e os recursos utilizados. Ela foi desenvolvida em parceria com o orientador do projeto e teve como base o conceito descrito no Manual da Redação utilizado pelo jornal Folha de S. Paulo (2001). Segundo a publicação, a pauta é gerada por meio de investigação e não é feita somente em uma iniciativa técnica. Também não nasce apenas da imaginação, mas do trabalho exaustivo com as fontes de informação, da leitura diária de vária publicações impressas e eletrônicas, [ ] da observação da vida da cidade, da reflexão sobre os acontecimentos em processo no mundo, da capacidade de manter o olhar atento e curioso, da suspeição permanente em relação a tudo que seja consensual ou habitual e da percepção do que seja útil ou válido para a informação e o entendimento do leito. (FOLHA DE SÃO PAULO, 2001, p. 21). A primeira etapa da construção da pauta foi a mesma utilizada atualmente em quase todas as redações: uma busca na internet por praia do Batoque. A atitude, que parece simples, foi importante para levantarmos o que já havia sido publicado sobre o local. Diante de artigos acadêmicos, matérias de jornais, posts em blogs e discussões em fóruns, foram feitas as perguntas que iriam compor a pauta. Após a pesquisa na web, fizemos o levantamento dos nomes das fontes que seriam entrevistadas: líderes comunitários, representantes de instituições federais, professores

17 16 universitários e moradores da praia do Batoque foram contatados via telefone e préentrevistados. Dessa forma, complementamos as informações colhidas na pesquisa. A pauta também mostra quais são os itens mais relevantes do tema, ao deixar claro quem é o público-alvo do site: internautas interessados em conhecer mais sobre o Batoque. Além disso, ela lista o material multimídia que deve ser colhido, já visualizando as mídias que iriam compor o site. A pauta continha os seguintes pontos: a) Histórico dos acontecimentos em questão A Reserva Extrativista (Resex) do Batoque abrange uma área de 617 hectares e tem por objetivo assegurar a conservação e dos recursos naturais renováveis da área, protegendo a cultura e os meios de vida da população local. A praia tornou-se unidade de conservação em 5 de junho de 2003, após décadas de lutas contra ataques de grileiros, que tentaram tomar posse da área pertencente aos pescadores e agricultores da região. A iniciativa da criação da reserva foi tomada pela própria comunidade e teve apoio do o IBAMA/CE, por meio do seu Núcleo de Educação Ambiental. Hoje, a Resex é gerencia da pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). Além da pesca e da agricultura, os habitantes do Batoque também gerenciam pequenos empreendimentos ligados ao turismo como, por exemplo, pousadas, restaurantes com a culinária local e passeios. Essas atividades econômicas levam em consideração o menor impacto no meio ambiente e o crescimento sustentável da comunidade. b) Roteiro de perguntas essenciais que o texto deve responder Quem foram os primeiros habitantes do Batoque? Quando foram iniciadas as atividades dos grileiros na região? Como a comunidade agiu diante dos ataques? Como foi criada a Reserva Extrativista? O que caracteriza uma Reserva Extrativista? Quais são as atividades econômicas praticadas pela comunidade do Batoque? O que é turismo comunitário?

18 17 Como essa forma de turismo é praticada no Batoque? Quais as atrações turísticas existentes no local? Como elas podem ser aproveitadas? Existe algum manual para o visitante? Onde o turista pode se hospedar, comer e se divertir no Batoque? Quantas pousadas e restaurantes existem no local? c) Itens mais relevantes do assunto na perspectiva da linha editorial adotada O público-alvo do site é composto por turistas que pretendam conhecer o Batoque e ao mesmo tempo, ter um contato mais profundo com os habitantes do local. Por isso, além da história da comunidade é importante destacar quais atividades podem ser praticadas no Batoque. Itens como Como chegar, Onde ficar e o O que fazer devem conter informações precisas para que o futuro visitante não se sinta desestimulado. Deve ficar claro em todo o material como funciona o turismo comunitário e a diferença entre essa modalidade e o de massa, que é o mais praticado no litoral do Ceará. d) Fontes que devem ser procuradas para o levantamento das informações Presidente da Associação de Moradores do Batoque Dona Elma; Chefe do Instituto Chico Mendes, responsável pela Reserva Marcel Machado; Professora Luzia Neide Coriolano; Professor Fábio Perdigão; Dono da Pousada do Gil Gilmar; Responsável pela pousada comunitária Raimundo; No local, pescadores, agricultores e comerciantes devem ser ouvidos. e) Previsão de box com personagem envolvido no tema da reportagem etc. curiosas Busca de um personagem que esteja ligado à história do local ou com características

19 18 f) Material iconográfico (fotos, gráficos, tabelas e outros) Fotos das atividades; Vídeos das entrevistas; Vídeos para inserções; Mapa dos estabelecimentos do local; Rota de como chegar ao Batoque; Gráfico com linha do tempo da história do Batoque. 3.2 Entrevistas Lage (2008) classifica a entrevista, do ponto de vista do objetivo, em quatro categorias: ritual é mais centrada na divulgação do entrevistado do que no que ele realmente tem a dizer; temática aborda um assunto no qual o entrevistado, supostamente, domina; testemunhal quando o entrevistado relata algo que participou ou assistiu; e em profundidade aquela em que os objetos principais são as histórias e opiniões do próprio entrevistado. Usando a classificação de Lage (2008), podemos caracterizar as entrevistas realizadas neste trabalho como temáticas, pois as fontes dialogaram sempre a respeito do mesmo assunto (a reserva extrativista do Batoque). No entanto, o tema foi abordado com cada um dos entrevistados de acordo com a sua relação com o objeto. As entrevistas não foram realizadas como o simples propósito de confirmar os fatos levantados em pesquisa. Mais do que registrar afirmações já esperadas, elas deveriam ser um encontro entre o repórter e o entrevistado. O contato buscado foi o mais pessoal possível, como descreve Medina (1995, p. 6): [...] quando, em um desses raros momentos, ambos entrevistado e entrevistador saem alterados do encontro, a técnica foi ultrapassada pela intimidade entre o EU e o TU. Levando em consideração que a plataforma final do conteúdo é capaz de suportar diversas mídias, todas as entrevistas foram realizadas de modo que pudessem ser aproveitadas em texto, vídeo ou áudio. O problema é que a prática levanta uma questão comum em redações: usar ou não gravadores em entrevistas?

20 19 Oyama (2008, p. 18) explica que [...] o gravador muitas vezes ajuda a inibir o entrevistado. Se isso acontece com um pequeno gravador, a situação fica ainda mais complexa quando acrescentamos uma câmera com um tripé para registrar tudo. O mesmo problema é enfrentado por repórteres de TV. Por isso, foi utilizada uma dica dada para profissionais dessa área: Quem não está acostumado a falar para a televisão costuma ficar intimidado com o microfone e a câmera. O bate-papo com o repórter serve também para descontrair o entrevistado, deixá-lo mais à vontade. (BACELLAR; BISTANE, 2005, p. 17). Mesmo com o uso dessa técnica, ficou claro que manter a interação do diálogo e, ao mesmo tempo, gerenciar diversos equipamentos eletrônicos é uma tarefa que exige muito do repórter. Outra dificuldade estava na condução do processo. Em entrevistas voltadas para o impresso, é realmente possível dialogar com o entrevistado e estimulá-lo por meio de intervenções. Para meios eletrônicos, a técnica é oposta. Oyama (2008, p. 56) dá a seguinte dica para os repórteres: Não ficar repetindo hãhã, mmm ou ahh, enquanto o entrevistado fala. Esses sons [ ] podem funcionar como um estímulo para o entrevistado em conversas destinadas a publicação de jornais e revistas. No rádio (e na TV) servem apenas para sujar a transmissão e irritar o ouvinte. Se a entrevista deveria ser utilizada nos três formatos, o que fazer diante do dilema? A solução foi sujar o mínimo possível a gravação, fazendo interrupções pontuais e buscando estimular o entrevistado por meio de expressões faciais. Tudo isso sem perder de vista o bom funcionamento dos equipamentos e, claro, o que os sujeitos estavam falando. Segundo Ferrari (2003, p. 48), os vídeos para web [...] são mais facilmente assistidos se o fundo for plano e as imagens estiverem o mais próximas possível. Por isso, foi priorizado o uso do primeiro plano, que [...] mostra do peito para cima. Frequentemente usado no meio de uma narrativa feita por repórter ou por apresentado. (CURADO, 2002, p. 108). O uso do primeiro plano também ajudou na captação de áudio, já que não foram utilizados microfones de lapela. Todas as entrevistas foram decupadas para facilitar eventuais consultas. As falas das fontes foram utilizadas no corpo do texto e nos vídeos postados. Para a edição, foi utilizado o software imove. O programa não é profissional, mas permitiu o corte das imagens captadas, inserção de legendas e transições. Ou seja, o necessário para a edição básica de um vídeo para web.

Marketing de Conteúdo para iniciantes CONTENT STRATEGY

Marketing de Conteúdo para iniciantes CONTENT STRATEGY Marketing de Conteúdo para iniciantes CONTENT STRATEGY A Rock Content ajuda você a montar uma estratégia matadora de marketing de conteúdo para sua empresa. Nós possuimos uma rede de escritores altamente

Leia mais

Características do jornalismo on-line

Características do jornalismo on-line Fragmentos do artigo de José Antonio Meira da Rocha professor de Jornalismo Gráfico no CESNORS/Universidade Federal de Santa Maria. Instantaneidade O grau de instantaneidade a capacidade de transmitir

Leia mais

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário SOUZA, Kauana Mendes 1 ; XAVIER, Cintia 2 Universidade Estadual de Ponta Grossa, Paraná, PR RESUMO O projeto Portal

Leia mais

Apresentação do Website Diário Manezinho: Notícias sobre a Ilha e a região 1

Apresentação do Website Diário Manezinho: Notícias sobre a Ilha e a região 1 Apresentação do Website Diário Manezinho: Notícias sobre a Ilha e a região 1 Ana Carolina Fernandes MAXIMIANO 2 Bruno da SILVA 3 Rita de Cássia Romeiro PAULINO 4 Universidade Federal de Santa Catarina,

Leia mais

ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS

ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS Ana Beatriz Mesquita (CPTEC/INPE) ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS Metodologia do trabalho realizado referente a gravação e expansão dos vídeos

Leia mais

WEBJORNALISMO. Aula 03: Contextualizando o webjornalismo. Conceitos e Nomenclaturas

WEBJORNALISMO. Aula 03: Contextualizando o webjornalismo. Conceitos e Nomenclaturas WEBJORNALISMO Aula 03: Contextualizando o webjornalismo Prof. Breno Brito Conceitos e Nomenclaturas Jornalismo digital Jornalismo eletrônico Ciberjornalismo Jornalismo on-line Webjornalismo 2 Prof. Breno

Leia mais

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos.

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos. Questão nº 1 I. Seleção de dados relevantes para o assunto em pauta, comparação, hierarquização. Devem aparecer nos textos: a) a Internet grátis desafia os provedores estabelecidos. Ressaltar as posições

Leia mais

Montando um Site. Wordpress

Montando um Site. Wordpress Montando um Site Wordpress O Sistema Wordpress O Wordpress é uma plataforma de vanguarda para publicação pessoal, com foco na estética, nos Padrões Web e na usabilidade. Ao mesmo tempo um software livre

Leia mais

PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA COMUNITÁRIA : ANÁLISE E PROPOSTA DE FORMATO JORNALÍSTICO NO PORTAL COMUNITÁRIO

PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA COMUNITÁRIA : ANÁLISE E PROPOSTA DE FORMATO JORNALÍSTICO NO PORTAL COMUNITÁRIO 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL A Agência de Certificação Ocupacional (ACERT) é parte integrante da Fundação Luís Eduardo Magalhães (FLEM) Centro de Modernização e Desenvolvimento da Administração

Leia mais

Atividades. Caro professor, cara professora,

Atividades. Caro professor, cara professora, Atividades Caro professor, cara professora, Apresentamos mais uma nova proposta de atividade sobre alguns dos temas abordados pelo programa Escravo, nem pensar!, da ONG Repórter Brasil*. Ela inaugura a

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PELOTAS CENTRO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO CURSO DE JORNALISMO TUTORIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PELOTAS CENTRO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO CURSO DE JORNALISMO TUTORIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PELOTAS CENTRO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO CURSO DE JORNALISMO TUTORIAL http://pt.wordpress.com http://.wordpress.org Autor: Calvin da Silva Cousin Orientação: Profª Drª Sílvia Porto

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB Gestão do Conhecimento hoje tem se materializado muitas vezes na memória organizacional da empresa. O conteúdo

Leia mais

DESAFIO ETAPA 1 Passo 1

DESAFIO ETAPA 1 Passo 1 DESAFIO Um dos maiores avanços percebidos pela área de qualidade de software foi comprovar que a qualidade de um produto final (software) é uma consequência do processo pelo qual esse software foi desenvolvido.

Leia mais

ANÁLISE DAS MUDANÇAS NA PÁGINA DO SITE PORTAL COMUNITÁRIO

ANÁLISE DAS MUDANÇAS NA PÁGINA DO SITE PORTAL COMUNITÁRIO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ANÁLISE DAS

Leia mais

Como criar. um artigo. em 1h ou menos. Por Natanael Oliveira

Como criar. um artigo. em 1h ou menos. Por Natanael Oliveira Como criar um artigo em 1h ou menos Por Natanael Oliveira 1 Como escrever um artigo em 1h ou menos Primeira parte do Texto: Gancho Inicie o texto com perguntas ou promessas, algo que prenda atenção do

Leia mais

15. OLHA QUEM ESTÁ NA WEB!

15. OLHA QUEM ESTÁ NA WEB! 7 a e 8 a SÉRIES / ENSINO MÉDIO 15. OLHA QUEM ESTÁ NA WEB! Sua home page para publicar na Internet SOFTWARES NECESSÁRIOS: MICROSOFT WORD 2000 MICROSOFT PUBLISHER 2000 SOFTWARE OPCIONAL: INTERNET EXPLORER

Leia mais

Facebook Analytics: Como mensurar e otimizar a presença da sua empresa no Facebook

Facebook Analytics: Como mensurar e otimizar a presença da sua empresa no Facebook Marketing Digital de resultado para Médias e Pequenas Empresas Facebook Analytics: Como mensurar e otimizar a presença da sua empresa no Facebook Ferramentas e experimentos para conseguir melhores resultados

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 27

PROVA ESPECÍFICA Cargo 27 29 PROVA ESPECÍFICA Cargo 27 QUESTÃO 41 A importância e o interesse de uma notícia são avaliados pelos órgãos informativos de acordo com os seguintes critérios, EXCETO: a) Capacidade de despertar o interesse

Leia mais

{AM} agência midiamania MANUAL DA REDAÇÃO

{AM} agência midiamania MANUAL DA REDAÇÃO agência midiamania MANUAL DA REDAÇÃO EDIÇÃO 2. ABRIL/2015 WEBWRITTING escrevendo em camadas Para entender o comportamento da informação em ambientes virtuais, a melhor imagem é a da cebola. Imagine a primeira

Leia mais

Ferramentas de informações e comunicações e as interações possíveis Tecnologias populares para uma Educação à Distância mais Popular.

Ferramentas de informações e comunicações e as interações possíveis Tecnologias populares para uma Educação à Distância mais Popular. Trabalha de Conclusão do Curso Educação a Distância : Um Novo Olhar Para a Educação - Formação de Professores/Tutores em EaD pelo Portal Somática Educar Ferramentas de informações e comunicações e as interações

Leia mais

AVANÇOS E DIFICULDADES: UMA AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES REALIZADAS DURANTE O PRIMEIRO ANO DE TRABALHO DO PORTAL COMUNITÁRIO

AVANÇOS E DIFICULDADES: UMA AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES REALIZADAS DURANTE O PRIMEIRO ANO DE TRABALHO DO PORTAL COMUNITÁRIO AVANÇOS E DIFICULDADES: UMA AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES REALIZADAS DURANTE O PRIMEIRO ANO DE TRABALHO DO PORTAL COMUNITÁRIO Área: COMUNICAÇÃO SOCIAL Categoria: EXTENSÃO Michele Goulart Massuchin Universidade

Leia mais

MANUAL DO BLOG. Blog IBS

MANUAL DO BLOG. Blog IBS MANUAL DO BLOG Blog IBS Seja bem vindo! O Blog é um website dinâmico, um espaço virtual que usa a internet para compartilhar informações. Por meio do blog você pode publicar textos, opiniões, notícias,

Leia mais

Inovação e o Telejornalismo Digital

Inovação e o Telejornalismo Digital Inovação e o Telejornalismo Digital Prof. Antonio Brasil Cátedra UFSC - RBS 2011 Telejornalismo Digital Novas práticas, desafios e oportunidades O que é Telejornalismo Digital Inovação tecnológica Interatividade

Leia mais

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Aparecido Marden Reis 2 Marli Barboza da Silva 3 Universidade do Estado de Mato Grosso, Unemat - MT RESUMO O projeto experimental

Leia mais

WEBJORNALISMO. Aula 04: Características do Webjornalismo. Características do webjornalismo

WEBJORNALISMO. Aula 04: Características do Webjornalismo. Características do webjornalismo WEBJORNALISMO Aula 04: Características do Webjornalismo Prof. Breno Brito Características do webjornalismo O webjornalismo apresenta algumas características específicas em relação a aspectos que quase

Leia mais

RESUMO. PALAVRAS CHAVE: jornalismo audiovisual, mobilidade, cobertura de eventos. 1. INTRODUÇÃO

RESUMO. PALAVRAS CHAVE: jornalismo audiovisual, mobilidade, cobertura de eventos. 1. INTRODUÇÃO Mobilidade e Cobertura de Eventos: O Lançamento da Nona Bienal do Mercosul Produzido Por Um Tablet 1. Rafael SILVA 2 Natalia Silveira RECH 3 Paula PUHL 4 RESUMO O objetivo deste artigo é destacar o jornalismo

Leia mais

A DIVULGAÇÃO DO CURSO DE JORNALISMO ATRAVÉS DO SITE E DAS REDES SOCIAIS

A DIVULGAÇÃO DO CURSO DE JORNALISMO ATRAVÉS DO SITE E DAS REDES SOCIAIS 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

SISTEMA PARA PORTAL DE NOTÍCIAS: Jornais, Revistas, Televisão etc

SISTEMA PARA PORTAL DE NOTÍCIAS: Jornais, Revistas, Televisão etc SISTEMA PARA PORTAL DE NOTÍCIAS: Jornais, Revistas, Televisão etc Técnica SEO: Search engine Optimization "INDEXADOR" Web Software para Grandes Portais (Gera todo o conteúdo SEO - Otimizado nas buscas)

Leia mais

Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo. Copyright 2015. Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda.

Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo. Copyright 2015. Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda. Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo Copyright 2015 Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda. Todos os direitos reservados. Pode ser compartilhado com conteúdo,

Leia mais

Jornalismo Interativo

Jornalismo Interativo Jornalismo Interativo Antes da invenção da WWW, a rede era utilizada para divulgação de informações direcionados a públicos muito específicos e funcionavam através da distribuição de e-mails e boletins.

Leia mais

COMUNICAUFMA Um experimento em jornalismo digital baseado em sistemas de gerenciamento de conteúdo e cloud computing. 1

COMUNICAUFMA Um experimento em jornalismo digital baseado em sistemas de gerenciamento de conteúdo e cloud computing. 1 I Jornada de Pesquisa e Extensão Projeto Experimental COMUNICAUFMA Um experimento em jornalismo digital baseado em sistemas de gerenciamento de conteúdo e cloud computing. 1 Leonardo Ferreira COSTA 2 Pablo

Leia mais

Cadernos de Reportagem: Incentivo ao Senso Crítico no Jornalismo 1

Cadernos de Reportagem: Incentivo ao Senso Crítico no Jornalismo 1 Cadernos de Reportagem: Incentivo ao Senso Crítico no Jornalismo 1 Vinícius DAMAZIO 2 Luciana PACHECO 3 Gabriel SAMPAIO 4 Sylvia MORETZSOHN 5 Ildo NASCIMENTO 6 Universidade Federal Fluminense, Niterói,

Leia mais

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados DIFERENCIAIS Acredito que o desenvolvimento de soluções para Internet não é um trabalho qualquer, deve-se ter certa experiência e conhecimento na área para projetar sistemas que diferenciem você de seu

Leia mais

FOTOJORNALISMO COMO BASE DE DADOS E MEMÓRIA: ROTINAS DE ARQUIVAMENTO E UTILIZAÇÃO DE FOTOS NO PROJETO 'LENTE QUENTE'

FOTOJORNALISMO COMO BASE DE DADOS E MEMÓRIA: ROTINAS DE ARQUIVAMENTO E UTILIZAÇÃO DE FOTOS NO PROJETO 'LENTE QUENTE' 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA FOTOJORNALISMO COMO BASE DE DADOS E MEMÓRIA: ROTINAS DE

Leia mais

TVVILAEMBRATEL.WEBS.COM 1 Uma experiência com sistemas de CMS

TVVILAEMBRATEL.WEBS.COM 1 Uma experiência com sistemas de CMS TVVILAEMBRATEL.WEBS.COM 1 Uma experiência com sistemas de CMS Anissa CAVALCANTE 2 Jessica WERNZ 3 Márcio CARNEIRO 4, São Luís, MA PALAVRAS-CHAVE: CMS, webjornalismo, TV Vila Embratel, comunicação 1 CONSIDERAÇÕES

Leia mais

SEO PARA INICIANTES Como otimizar um blog Guia passo a passo para fazer o seu blog otimizado e indexado corretamente!

SEO PARA INICIANTES Como otimizar um blog Guia passo a passo para fazer o seu blog otimizado e indexado corretamente! 1 SEO PARA INICIANTES Como otimizar um blog Guia passo a passo para fazer o seu blog otimizado e indexado corretamente! Fórmula Hotmart - www.formulahotmart.com 2 Este ebook pertence: Claudio J. Bueno

Leia mais

Manual da Ferramenta BLOG Programa de Formação Continuada 2012

Manual da Ferramenta BLOG Programa de Formação Continuada 2012 Manual da Ferramenta BLOG Programa de Formação Continuada 2012 1º Semestre/2012 Joice Lopes Leite e Ana Paula Daikubara 0 Índice Utilização da ferramenta BLOG...02 Criando um BLOG...04 Como administrar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 65, DE 11 DE MAIO DE 2012 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 257ª Reunião Extraordinária, realizada em 11 de maio de 2012, e considerando

Leia mais

OFICINA BLOG DAS ESCOLAS

OFICINA BLOG DAS ESCOLAS OFICINA BLOG DAS ESCOLAS Créditos: Márcio Corrente Gonçalves Mônica Norris Ribeiro Março 2010 1 ACESSANDO O BLOG Blog das Escolas MANUAL DO ADMINISTRADOR Para acessar o blog da sua escola, acesse o endereço

Leia mais

Manual do Ambiente Virtual Moodle

Manual do Ambiente Virtual Moodle Manual do Ambiente Virtual Moodle versão 0.3 Prof. Cristiano Costa Argemon Vieira Prof. Hercules da Costa Sandim Outubro de 2010 Capítulo 1 Primeiros Passos 1.1 Acessando o Ambiente Acesse o Ambiente Virtual

Leia mais

Vamos, juntos. Equipe de Atendimento.

Vamos, juntos. Equipe de Atendimento. Vamos, juntos Somos agência de publicidade e consultoria em marketing digital com a missão de atender as necessidades de comunicação da sua empresa, com serviços que abrangem desde campanhas integradas

Leia mais

Comunicação social Jornalismo, Relações Públicas, Assessoria e Comunicação de Marketing.

Comunicação social Jornalismo, Relações Públicas, Assessoria e Comunicação de Marketing. Comunicação social Comunicação social A Comunicação Social é um campo de conhecimento académico que estuda a comunicação humana e as questões que envolvem a interação entre os sujeitos em sociedade. Os

Leia mais

Web site Espia Amazonas 1

Web site Espia Amazonas 1 1 Web site Espia Amazonas 1 Lidiane CUNHA 2 Adália CORDEIRO 3 Breno CABRAL 4 Iara RODRIGUES 5 Marcela MORAES 7 Gabrielle NASCIMENTO 8 Faculdade Boas Novas, Manaus, AM RESUMO O web site Espia Amazonas foi

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Curso de Jornalismo CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Área 1 Jornalismo Especializado (1 vaga) Graduação Exigida: Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo Titulação mínima exigida:

Leia mais

MJ Secretaria Nacional de Segurança Pública Orientações para o Conteudista. Estruturação dos Materiais Básicos para os Cursos da SENASP

MJ Secretaria Nacional de Segurança Pública Orientações para o Conteudista. Estruturação dos Materiais Básicos para os Cursos da SENASP MJ Secretaria Nacional de Segurança Pública Orientações para o Conteudista Estruturação dos Materiais Básicos para os Cursos da SENASP Contacto: erisson.pitta@mj.gov.br Telefono: 5561 2025 8991 Prezado(a)

Leia mais

Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹

Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹ Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹ Serena Veloso GOMES² Thamara Rocha Ribeiro FAGURY³ Kalyne Menezes SOUZA4 Silvana Coleta Santos PEREIRA5 Universidade Federal

Leia mais

Prefácio. Boa leitura e bons negócios!

Prefácio. Boa leitura e bons negócios! Prefácio Muito se fala atualmente sobre a importância das mídias sociais para os negócios. O número crescente de usuários das mídias sociais, que já ultrapassa um bilhão no mundo, atrai empresas de todos

Leia mais

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões MÍDIA KIT INTERNET Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões Segundo pesquisa da Nielsen IBOPE, até o 1º trimestre/2014 número 18% maior que o mesmo período de 2013. É a demonstração

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PELOTAS CENTRO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO CURSO DE JORNALISMO TUTORIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PELOTAS CENTRO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO CURSO DE JORNALISMO TUTORIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PELOTAS CENTRO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO CURSO DE JORNALISMO TUTORIAL www.blogger.com Autor: Calvin da Silva Cousin Orientação: Profª Drª Sílvia Porto Meirelles Leite SUMÁRIO 1. O

Leia mais

1) A prática e o aprofundamento das habilidades comunicativas específicas que serão avaliadas nos exames.

1) A prática e o aprofundamento das habilidades comunicativas específicas que serão avaliadas nos exames. C U R S O S ESPECIAIS I n s t i t u t o C e r v a n t e s d e B r a s i l i a CURSOS ESPECIAIS O Instituto Cervantes de Brasília dispõe de uma ampla oferta de cursos especiais para se adaptar as necessidades

Leia mais

Papiro: jornal-laboratório da Faculdade 7 de Setembro 1. Sammia SANTOS 2 Alessandra MARQUES 3 Faculdade 7 de Setembro, Fortaleza, CE

Papiro: jornal-laboratório da Faculdade 7 de Setembro 1. Sammia SANTOS 2 Alessandra MARQUES 3 Faculdade 7 de Setembro, Fortaleza, CE Papiro: jornal-laboratório da Faculdade 7 de Setembro 1 Sammia SANTOS 2 Alessandra MARQUES 3 Faculdade 7 de Setembro, Fortaleza, CE RESUMO O presente trabalho apresenta a experiência de produção laboratorial

Leia mais

O TEXTO DA MÍDIA DIGITAL

O TEXTO DA MÍDIA DIGITAL PACOTE DE NOTÍCIAS no dreamweaver O TEXTO DA MÍDIA DIGITAL União das principais características das mídias "anteriores : - Agilidade (rádio) - rapidez na atualização de conteúdo e na formatação do layout

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000023 - COMUNICACAO SOCIAL - JORNALISMO Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000023 - COMUNICACAO SOCIAL - JORNALISMO Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 000023 - COMUNICACAO SOCIAL - JORNALISMO Nivel: Superior Area Profissional: 0006 - COMUNICACAO Area de Atuacao: 0110 - EDITORACAO/COMUNICACAO

Leia mais

Elaboração de pauta para telejornal

Elaboração de pauta para telejornal Elaboração de pauta para telejornal Pauta é a orientação transmitida aos repórteres pelo pauteiro, profissional responsável por pensar de que forma a matéria será abordada no telejornal. No telejornalismo,

Leia mais

Thaísa Fortuni. 15 dicas de Mídias Sociais para Moda. Copyright 2015 - Todos os direitos reservados

Thaísa Fortuni. 15 dicas de Mídias Sociais para Moda. Copyright 2015 - Todos os direitos reservados Thaísa Fortuni Thaísa Fortuni 15 dicas de Mídias Sociais para Moda Copyright 2015 - Todos os direitos reservados Sobre Thaísa Fortuni Publicitária por formação, escritora e empreendora digital. Trabalha

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Disciplina: Internet na Publicidade/Noite Profª: Silvana Sandini

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Disciplina: Internet na Publicidade/Noite Profª: Silvana Sandini PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Disciplina: Internet na Publicidade/Noite Profª: Silvana Sandini ALEXANDRA HOHENBERGER PLANEJAMENTO SITE INSTITUCIONAL

Leia mais

ANÁLISE DA CONVERGÊNCIA NA RÁDIO SÃO FRANCISCO FM

ANÁLISE DA CONVERGÊNCIA NA RÁDIO SÃO FRANCISCO FM ANÁLISE DA CONVERGÊNCIA NA RÁDIO SÃO FRANCISCO FM INTRODUÇÃO/DESENVOLVIMENTO Bruna Vieira de Oliveira Ricardo Rigaud Salmito 1 Esta pesquisa pretende analisar se a criação do site da rádio São Francisco

Leia mais

MONITORAMENTO E GOOGLE PLUS. Leonardo Alvez Letícia Chibior Patrick Miguel Ruth Derevecki Samara Bark / / 4MA

MONITORAMENTO E GOOGLE PLUS. Leonardo Alvez Letícia Chibior Patrick Miguel Ruth Derevecki Samara Bark / / 4MA MONITORAMENTO E GOOGLE PLUS Leonardo Alvez Letícia Chibior Patrick Miguel Ruth Derevecki Samara Bark / / 4MA MONITORAMENTO As empresas sabem que o planejamento digital, gestão de conteúdo, anúncios, campanhas

Leia mais

Apresentação de projetos na Bahiatursa

Apresentação de projetos na Bahiatursa Apresentação de projetos na Bahiatursa - Orientações - janeiro/2012 Apresentação A Bahiatursa, empresa oficial de turismo do Estado da Bahia, é vinculada à Secretaria de Turismo do Estado e tem como finalidade

Leia mais

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Morgana Hamester História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Contexto atual Modelização digital contemporaneidade;

Leia mais

Facebook Analytics: Como mensurar e otimizar a presença da sua empresa no Facebook

Facebook Analytics: Como mensurar e otimizar a presença da sua empresa no Facebook Marketing Digital de resultado para Médias e Pequenas Empresas Facebook Analytics: Como mensurar e otimizar a presença da sua empresa no Facebook Ferramentas e experimentos para conseguir melhores resultados

Leia mais

APOLO NEWS: um novo meio de aproveitar tudo o que a internet oferece 1

APOLO NEWS: um novo meio de aproveitar tudo o que a internet oferece 1 APOLO NEWS: um novo meio de aproveitar tudo o que a internet oferece 1 Igor Samuel de Oliveira PRADO 2 Juscelino Ribeiro de OLIVEIRA Júnior 3 Shaianna da Costa ARAÚJO 4 Orlando Maurício de Carvalho BERTI

Leia mais

Do jornalismo online ao webjornalismo: formação para a mudança

Do jornalismo online ao webjornalismo: formação para a mudança Do jornalismo online ao webjornalismo: formação para a mudança João Manuel Messias Canavilhas Universidade da Beira Interior Índice 1 Formação actual dos jornalistas 2 2 Formar webjornalistas 3 3 Conclusão

Leia mais

CURSOS A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO

CURSOS A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO CURSOS A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO TUTORIAL PARA TUTORES PLATAFORMA MOODLE OURO PRETO 2014 1 SUMÁRIO 1. PRIMEIRO ACESSO À PLATAFORMA... 03 2. PLATAFORMA DO CURSO... 07 2.1 Barra de Navegação...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE COMUNICAÇÃO, TURISMO E ARTES Coordenação de Jornalismo

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE COMUNICAÇÃO, TURISMO E ARTES Coordenação de Jornalismo UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE COMUNICAÇÃO, TURISMO E ARTES Coordenação de Jornalismo REGIMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM JORNALISMO Capítulo I Da concepção de estágio O Estágio visa oportunizar

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

Este documento provê informação atualizada, e simples de entender, para o empreendedor que precisa iniciar ou avaliar suas operações online.

Este documento provê informação atualizada, e simples de entender, para o empreendedor que precisa iniciar ou avaliar suas operações online. Os segredos dos negócios online A Internet comercial está no Brasil há menos de 14 anos. É muito pouco tempo. Nesses poucos anos ela já mudou nossas vidas de muitas maneiras. Do programa de televisão que

Leia mais

I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos

I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos LABORATÓRIO DE CONVERGÊNCIA DE MÍDIAS PROJETO DE CRIAÇÃO DE UM NOVO AMBIENTE DE APRENDIZADO COM BASE EM REDES DIGITAIS. 1 Palavras-chave: Convergência,

Leia mais

Venda com Tráfego Gratuito

Venda com Tráfego Gratuito Venda com Tráfego Gratuito Depois de vários anos no marketing digital, acabei por aprender como fazer divulgação online de forma gratuita. Estou falando de algo totalmente novo, diferente de tudo o que

Leia mais

Curso de Imposto de Renda da Pessoa Jurídica e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido. Manual do Aluno

Curso de Imposto de Renda da Pessoa Jurídica e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido. Manual do Aluno Curso de Imposto de Renda da Pessoa Jurídica e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido Manual do Aluno Março 2009 Mensagem de boas-vindas! Caro cursista! Seja bem-vindo ao curso de Formação de Tutores.

Leia mais

Acesse nosso blog: www.abmeseduca.com

Acesse nosso blog: www.abmeseduca.com Realização: Apoio: Acorda Pessoal!!! Pela primeira vez na história: a próxima geração terá menos oportunidades do que seus pais; a crise ecológica dificultará a sobrevivência das gerações futuras; O aquecimento

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 Este tutorial não tem como finalidade esgotar todas as funcionalidades do Ambiente, ele aborda de forma prática

Leia mais

Manual WordPress. Conteúdo Índice. Capítulo 1 Introdução. Capítulo 2 Conceitos básicos do Painel. Capítulo 3 Gerenciamento de Posts ( Artigos)

Manual WordPress. Conteúdo Índice. Capítulo 1 Introdução. Capítulo 2 Conceitos básicos do Painel. Capítulo 3 Gerenciamento de Posts ( Artigos) Manual WordPress Conteúdo Índice Capítulo 1 Introdução Sobre o WordPress Características principais Capítulo 2 Conceitos básicos do Painel Logando no Painel de Controle Alterando Usuário e Senha Painel

Leia mais

Classes Funcionais 21

Classes Funcionais 21 Classes Funcionais 21 3 Classes Funcionais Em todo trabalho de classificação funcional é necessário determinar quais serão as classes funcionais utilizadas. Esta divisão não se propõe a ser extensiva,

Leia mais

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing 26 3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing O surgimento das mídias sociais está intimamente ligado ao fenômeno da geração de conteúdo pelo usuário e ao crescimento das redes sociais virtuais

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS E PROJETOS EXPERIMENTAIS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS E PROJETOS EXPERIMENTAIS CURSO DE JORNALISMO MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS E PROJETOS EXPERIMENTAIS 1 1 ÁREAS TEMÁTICAS Respeitada a disponibilidade de carga horária dos professores orientadores e a escolha dos alunos,

Leia mais

RESUMO. Portal Comunicare 1

RESUMO. Portal Comunicare 1 Portal Comunicare 1 Rodrigo Yoshio SIGUIMURA 2 Bruna CARVALHO 3 Vitor Augusto Maoski da CRUZ 4 Julius Vinicius Marques NUNES 5 Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), Curitiba, PR RESUMO Este

Leia mais

TV VE - uma experiência em webjornalismo participativo na produção de conteúdo audiovisual sob a ótica da comunidade da Vila Embratel 1

TV VE - uma experiência em webjornalismo participativo na produção de conteúdo audiovisual sob a ótica da comunidade da Vila Embratel 1 I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos TV VE - uma experiência em webjornalismo participativo na produção de conteúdo audiovisual sob a ótica da comunidade da Vila Embratel 1 Márcio Carneiro

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: website; jornalismo online; comunicação organizacional.

PALAVRAS-CHAVE: website; jornalismo online; comunicação organizacional. Contribuições para a comunicação organizacional de um curso de Jornalismo: Website do Curso de Comunicação Social - Jornalismo da UFSJ 1 Priscila NATANY 2 Alessandra de FALCO 3 Universidade Federal de

Leia mais

PROGRAMA RADIOZINE 1 Sâmila Braga CHAVES 2 Faculdade 7 de Setembro FA7, Fortaleza, CE

PROGRAMA RADIOZINE 1 Sâmila Braga CHAVES 2 Faculdade 7 de Setembro FA7, Fortaleza, CE PROGRAMA RADIOZINE 1 Sâmila Braga CHAVES 2 Faculdade 7 de Setembro FA7, Fortaleza, CE Resumo O programa Radiozine é um projeto desenvolvido para a disciplina de Projeto Experimental em Jornalismo Eletrônico,

Leia mais

Manual WebAdmin News

Manual WebAdmin News Manual WebAdmin News 20/12/2008 Login: Com a integração das páginas de notícias ao site atual da empresa, você consegue publicar notícias e artigos com a cara da sua empresa, sem precisar conhecer os detalhes

Leia mais

JORNALISMO NA INTERNET

JORNALISMO NA INTERNET UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE COMUNICAÇÃO DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO JORNALISMO NA INTERNET Coord. Prof. Dr. Marcos Palacios Equipe: Susana Barbosa Carla Schwingel Salvador, 2002 1. Definição

Leia mais

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática 1 Sumário Introdução...04 O segredo Revelado...04 Outra maneira de estudar Inglês...05 Parte 1...06 Parte 2...07 Parte 3...08 Por que NÃO estudar Gramática...09 Aprender Gramática Aprender Inglês...09

Leia mais

Proposta Revista MARES DE MINAS

Proposta Revista MARES DE MINAS SATIS 2011 Proposta Revista MARES DE MINAS 21/03/2011 A SATIS Índice 1 A Satis 1 A Proposta 1 Serviços 2 Mapa do Site 2 SEO 3 Sistema de gerenciamento de conteudo 4 Cronograma e Prazos 5 Investimento 6

Leia mais

PESM PROJETO EU SOU DE MINAS PROPOSTA DE PARCERIA

PESM PROJETO EU SOU DE MINAS PROPOSTA DE PARCERIA PESM PROJETO EU SOU DE MINAS PROPOSTA DE PARCERIA Prestação de Serviço de Configuração de Portal de Cidade VISÃO GERAL PESM Projeto Eu Sou de Minas tem a satisfação de enviar esta proposta de serviços

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO Código Unidade 042 Cód. Curso Curso 42501 COMUNICAÇÃO SOCIAL Habilitação Etapa Sem/Ano JORNALISMO 6ª 1º / 2009 Cód. Disc. Disciplina Créditos CH Sem Teoria Prática 121.3604.2 TELEJORNALISMO I 04 X X Docentes

Leia mais

Britannica Escola Online. Manual de Treinamento

Britannica Escola Online. Manual de Treinamento Britannica Escola Online Manual de Treinamento 1 ÍNDICE Conhecendo a Britannica Escola Online...3 Como Acessar a Britannica Escola Online...3 Página Inicial da Britannica Escola Online...4 Área de Pesquisa...4

Leia mais

Marcos Lemos BLOGAR. O processo de criação de Blogs

Marcos Lemos BLOGAR. O processo de criação de Blogs Marcos Lemos BLOGAR O processo de criação de Blogs Marcos Lemos, 2010 Autor e revisor Projeto da capa Rodolfo Gunner 1ª Edição em versão digital Dados bibliográficos: LEMOS, Marcos. Blogar: O processo

Leia mais

Produzir para Rádio. Descrição das atividades do Processo Produzir para Rádio

Produzir para Rádio. Descrição das atividades do Processo Produzir para Rádio Produzir para Rádio Descrição das atividades do Processo Produzir para Rádio 2 de 12 CJF Conselho de Conteúdo 1. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL... 3 2. DESCRITIVO DO PROCESSO... 5 2.1 ENTRADAS/INSUMOS... 5 2.2 SAÍDAS

Leia mais

Realização e Organização. www.vamaislonge.com.br

Realização e Organização. www.vamaislonge.com.br Realização e Organização www.vamaislonge.com.br Quem somos... Leonardo Alvarenga, tenho 23 anos, sou criador do Não Tenho Ideia e do #VáMaisLonge. Sou formado em Educação Física mas larguei tudo logo após

Leia mais

MANUAL DE COMUNICAÇÃO DA EEFEUSP

MANUAL DE COMUNICAÇÃO DA EEFEUSP MANUAL DE COMUNICAÇÃO DA EEFEUSP 1. Introdução A Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo (EEFEUSP) é uma instituição pública de ensino superior, integrante da Universidade de São

Leia mais

Em 2012, a Abril Mídia lançou a 1ª edição do HOTEL PRO, uma publicação focada nas necessidades da indústria hoteleira.

Em 2012, a Abril Mídia lançou a 1ª edição do HOTEL PRO, uma publicação focada nas necessidades da indústria hoteleira. Em 2012, a Abril Mídia lançou a 1ª edição do HOTEL PRO, uma publicação focada nas necessidades da indústria hoteleira. Um grande sucesso editorial, ela vai agora para a segunda edição (com lançamento em

Leia mais

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP Resumo O 2ª Opinião - Espaço cultural é um jornal-laboratório que vem sendo

Leia mais

Como Gerar Tráfego Massivo Para o Seu Blog

Como Gerar Tráfego Massivo Para o Seu Blog Como Gerar Tráfego Massivo Para o Seu Blog Trazido Até Si Por http://rendasextraonline.com Como Gerar Tráfego Massivo Para o Seu Blog Termos e Condições Aviso Legal O escritor esforçou-se para ser o tão

Leia mais

Cronograma Encontro I aula 2: Webjornalismo

Cronograma Encontro I aula 2: Webjornalismo Cronograma Encontro I aula 1: Agência de No6cias Imprensa Jovem ü Encontro I aula 2: Webjornalismo Encontro II Fotojornalismo Encontro III - Radiojornalismo I Encontro IV - Radiojornalismo II Encontro

Leia mais

MARKETING DIGITAL E E-BUSINESS AULA III ESTRATÉGIAS DO MARKETING DIGITAL PROF. M. SC. JOSUÉ VITOR MBA EM MARKETING ESTRATÉGICO

MARKETING DIGITAL E E-BUSINESS AULA III ESTRATÉGIAS DO MARKETING DIGITAL PROF. M. SC. JOSUÉ VITOR MBA EM MARKETING ESTRATÉGICO MBA EM MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING DIGITAL E E-BUSINESS AULA III ESTRATÉGIAS DO MARKETING DIGITAL PROF. M. SC. JOSUÉ VITOR josuevitor16@gmail.com @josuevitor Marketing Digital Como usar a internet

Leia mais

PROJETO ARARIBÁ. Um projeto que trabalha a compreensão leitora, apresenta uma organização clara dos conteúdos e um programa de atividades específico.

PROJETO ARARIBÁ. Um projeto que trabalha a compreensão leitora, apresenta uma organização clara dos conteúdos e um programa de atividades específico. PROJETO ARARIBÁ Um projeto que trabalha a compreensão leitora, apresenta uma organização clara dos conteúdos e um programa de atividades específico. ARARIBÁ HISTÓRIA O livro tem oito unidades, divididas

Leia mais