A POSSIBILIDADE DE RESPONSABILIZAÇÃO PENAL EXCLUSIVA DA PESSOA JURÍDICA EM CRIMES AMBIENTAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A POSSIBILIDADE DE RESPONSABILIZAÇÃO PENAL EXCLUSIVA DA PESSOA JURÍDICA EM CRIMES AMBIENTAIS"

Transcrição

1 A POSSIBILIDADE DE RESPONSABILIZAÇÃO PENAL EXCLUSIVA DA PESSOA JURÍDICA EM CRIMES AMBIENTAIS Gizele Luzia de Mello de Freitas 1 Adriana Maria Gomes de Souza Spengler 2 SUMÁRIO Introdução; 1. Teoria do crime sob a égide da doutrina penal clássica como principal fator impeditivo da responsabilização penal da pessoa jurídica; 2. Teoria da ficção e Teoria da realidade; 3 Responsabilidade penal da pessoa jurídica no Direito Comparado; 3.1. Portugal; 3.2. Inglaterra; 3.3. França; 3.4. Espanha; 4. Da responsabilização penal da pessoa jurídica em crimes ambientais no sistema jurídico brasileiro; 4.1. Dos principais argumentos desfavoráveis à responsabilização criminal do ente moral; 4.2. Dos principais argumentos favoráveis à responsabilização criminal do ente moral; 4.3. O entendimento do Superior Tribunal de Justiça e Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina; Considerações Finais; Referências das fontes citadas. RESUMO O objeto do presente artigo científico é verificar a possibilidade de responsabilização criminal da pessoa jurídica em crimes ambientais, mais especificamente de forma exclusiva. No ordenamento jurídico brasileiro, a possibilidade de imputação penal do ente empresarial encontra respaldo legal na Constituição Federal vigente do Brasil, notadamente no art. 173, 5º, o qual admite tal hipótese nos casos de crime contra a ordem econômica, financeira e contra economia popular e também no art. 225, 3º, este relativo aos crimes contra o meio ambiente, enfoque do artigo em apreço. Neste sentido, surgiu a Lei 9.605/98, que prevê em seu art. 3º, caput e 3º a responsabilidade criminal do ente moral para os delitos ambientais, além de outras legislações em vigor. Não bastasse isso, há entendimento adverso do que o texto legal impõe. Alguns doutrinadores e inclusive Tribunais seguidores da corrente clássica da Teoria do crime, a qual constrói o delito sobre a conduta humana, entendem ser inadmissível a responsabilidade penal da pessoa jurídica, ao menos, de forma direta. Assim, este artigo demonstra a problemática acerca da responsabilização do ente social no sistema jurídico brasileiro, trazendo os argumentos pertinentes ao assunto, bem como comparando com o sistema jurídico de outros Países. Por fim, utilizou-se o método indutivo para sua elaboração. Palavras-chave: Responsabilidade criminal exclusiva. Pessoa jurídica. Possibilidade. 1 Acadêmica do 10º período do curso de Direito da UNIVALI. 2 Mestre. Professora do curso de Direito da UNIVALI. 921

2 INTRODUÇÃO A presente pesquisa tem por objetivo analisar a possibilidade de responsabilidade criminal da pessoa jurídica, notadamente no âmbito dos crimes ambientais, em especial de forma direta, sem a presença da pessoa física como corresponsável pela infração penal. Para tanto, inicialmente, será abordado à teoria do crime adotada pelo Direito Penal clássico, a qual não aceita a responsabilização exclusiva dos entes morais, sob a principal justificativa de que estas não podem ser autoras de delito, uma vez que não são capazes de realizar ações ou omissões próprias. Seguidamente, pretender-se-á esclarecer a teoria da ficção e a teoria da realidade. Em síntese, aquela não admite a efetiva existência da pessoa jurídica e sua consequente imputação penal, ao passo que, esta compreende o ente jurídico dotado de personalidade, com direitos e deveres, também perante a esfera penal. Adiante, será demonstrado como funciona a responsabilização criminal da pessoa jurídica no Direito Comparado aos seguintes países: Portugal, Inglaterra, França, Venezuela. Assim, verificar-se-á a importância do presente artigo na esfera acadêmica utilizando o posicionamento doutrinário no direito penal e ambiental brasileiro, agregando-se o entendimento jurisprudencial acerca do tema, bem como a legislação vigente acerca da possibilidade ou não, da responsabilização penal da pessoa jurídica, em especial a exclusiva. Quanto à metodologia empregada no artigo científico, este se realizou pela base lógica Indutiva, e foram utilizadas as Técnicas do Referente, da Categoria, do Conceito Operacional e da Pesquisa Bibliográfica. 1 TEORIA DO CRIME SOB A ÉGIDE DA DOUTRINA PENAL CLÁSSICA COMO PRINCIPAL FATOR IMPEDITIVO DA RESPONSABILIZAÇÃO PENAL EXCLUSIVA DA PESSOA JURÍDICA Ao iniciar seu capítulo acerca do esboço estrutural da teoria do delito, Eugenio Raúl Zaffaroni e José Henrique Pierangeli dispõem que os delitos não podem ser nada diferentes de condutas humanas. Para eles, quando uma conduta se ajusta a algum dos tipos penais, seja previsto no Código Penal ou em leis 922

3 esparsas, diz-se que se trata de uma conduta típica ou, o mesmo, que apresentar a característica de tipicidade. Neste sentido, descrevem as duas principais características do delito como: uma genérica (conduta) e outra específica (tipicidade), alegando que a conduta típica é uma espécie do gênero conduta 3. Embora descrevam em sua obra a teoria do crime unitário, a qual, em síntese, define o delito apenas como uma infração punível, Eugenio Raúl Zaffaroni e José Henrique Pierangeli sustentam que a teoria estratificada é a que mais se apresenta viável a definição de delito. Conforme esta, os elementos utilizados para conceituação de crime são os seguintes: conduta, entendida como ação ou omissão voluntária; tipicidade: proibição de conduta dolosa e culposa (fato típico); antijuridicidade, que é a contradição da conduta com a ordem jurídica estabelecida e a culpabilidade, vista como a reprovabilidade da conduta praticada pelo agente. Tais elementos surgiram mais precisamente com a concepção da teoria finalista da ação, estrutura da teoria do delito adotada pelo Brasil. Cesar Roberto Bitencourt explica que a partir dos anos trinta, em fases diferentes, os doutrinadores procuraram conduzir a ação humana ao conceito central da teoria do delito, considerado sob o prisma ontológico. Com isso, Welzel elaborou o conceito finalista, conhecido como teoria final da ação. A contribuição mais marcante desta foi a retirada dos elementos subjetivos que integravam a culpabilidade dolo e culpa - os quais foram deslocados para o injusto penal. Dessa forma, também para o finalismo, crime continua sendo representado pela ação típica, ilícita e culpável 4. Luiz Regis Prado sustenta que se tem amplamente dominado no Direito Penal brasileiro, a tese da irresponsabilidade penal da pessoa jurídica, eis que se fundamenta nos postulados da culpabilidade e da personalidade das penas. Isso quer dizer que os delitos praticados no âmbito da pessoa jurídica só podem ser imputados criminalmente às pessoas físicas 5. Fato é que, em idêntico raciocínio ao demonstrado acima, grande parte dos penalistas entendem que o primeiro elemento do crime, qual seja a ação ou omissão 3 ZAFFARONI, R. Eugênio; PIERANGELI, Henrique José. Manual de Direito Penal brasileiro, v. 1: Parte Geral. 9ª Ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011, p BITENCOURT, Cezar Roberto. Tratado de Direito Penal: Parte Geral Ed. São Paulo: Saraiva, 2012, p PRADO, Luiz Regis. Curso de Direito Penal Brasileiro: Parte Geral, v Ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007, p

4 típica (fato típico), somente pode ser efetivado por meio da conduta humana. Importante questão relaciona-se com a culpabilidade, outro elemento, o qual está intimamente atrelado à conduta humana considerada reprovável. Daí surge a problemática da responsabilização penal da pessoa jurídica, em especial isoladamente. 2 TEORIA DA FICÇÃO E TEORIA DA REALIDADE Historicamente, o Direito Romano negou a capacidade delitiva das pessoas jurídicas, entendendo que somente um cidadão livre podia ser titular de direitos e deveres. De outro lado, o Direito Germânico, o qual entendeu o indivíduo como titular de direitos e obrigações enquanto membro de uma comunidade aceitou como consequência que as pessoas jurídicas respondessem pelos fatos puníveis realizados por um dos que a ela pertenciam 6. A concepção jurídica romanista foi um dos fundamentos da teoria da ficção, criada por Savigny, a qual afirma que as pessoas jurídicas têm existência fictícia, irreal ou de pura abstração, sendo incapazes de delinquir, pois carecem de vontade e ação. A sua existência se funda sobre as decisões de certo número de representantes que, em virtude de uma ficção, são consideradas como suas; é uma representação semelhante, que exclui a vontade, podendo ter efeito civil, mas nunca em relação à ordem penal 7. Segundo a teoria da ficção, somente o ser humano seria capaz de titularizar relações jurídicas, visto ser o único dotado de vontade real e capacidade de ação ou omissão. A personificação de grupos humanos ou patrimoniais não passaria de uma criação legal, sem qualquer aplicação prática 8. Por seu turno, a teoria da realidade, da personalidade real ou orgânica, cujo principal precursor foi Otto Gierke, fundamenta-se em pressupostos totalmente diversos. A pessoa moral, não é um ser artificial, criado pelo Estado, mas sim um ente real (vivo e ativo), independente dos indivíduos que a compõem. Igualmente a pessoa física, atuando como um indivíduo, ainda que diante de procedimentos diferentes e, por conseguinte, podendo atuar mal, delinquir e ser punida. A pessoa 6 PRADO, Luiz Regis. Curso de Direito Penal Brasileiro: Parte Geral, v.1, p PRADO, Luiz Regis. Curso de Direito Penal Brasileiro: Parte Geral, v.1, p ALVES, Rodrigo Ribeiro de Magalhães. Responsabilidade Penal da Pessoa Jurídica por crimes ambientais. Monografia. Faculdade de Direito. Universidade de Brasília, Brasília, 2009, p

5 coletiva tem uma personalidade real, dotada de vontade própria, com capacidade de agir e de praticar ilícitos penais. O ente corporativo existe, é uma realidade social, um sujeito de direitos e deveres e, em consequência, é capaz de dupla responsabilidade: civil e penal 9. Nesse sentido, tem-se uma comparação entre o organismo humano e a estrutura organizacional da pessoa jurídica no tocante à independência do todo em relação às partes que o compõe. Segundo esta teoria, a pessoa jurídica é um ente dotado de interesses próprios, realizando atividades no meio social para consecução dos seus objetivos 10. Nas palavras de Fernando da Costa Tourinho Filho, os que aceitam a tese de que as pessoas jurídicas são tão reais quanto os homens, raciocinam da seguinte maneira: se a pessoa jurídica tem uma personalidade autônoma e se tem direito e obrigações distintos dos direitos e obrigações dos associados, porque não poderia cometer um crime e incorrer em obrigações penais próprias? Se pode negar suas dívidas, por que não pode cometer um estelionato e por esse crime ser castigada? 11 Por oportuno, transcreve-se a lógica relativa à personalidade dos entes morais defendida por Bevilaqua e utilizada por Alves: O direito é alguma coisa de vivo, que consiste em transformações constantes e que necessita de renovações ininterruptas, pois que a natureza se evolve, mudam as necessidades e, com estas, o direito. Daí resulta que o sujeito de direito deve ser formado de modo que possa acompanhar as mutações do movimento, de modo que possa entrar nesse movimento de uma maneira correspondentemente racional, isto é, conforme as determinações do direito. Por isso, a ordem jurídica exige que sujeitos de direito sejam, ao menos em sua generalidade, capazes de agir racionalmente. Na primeira linha, aparece o homem, que é um ser dotado de razão, e, depois, os seres aos quais se podem fornecer a razão humana pela anexação de órgãos. Assim, naturalmente, se constituem dois gêneros de pessoas: as corpóreas ou físicas e as morais ou jurídicas. Umas e outras são igualmente reais; a distinção está em que umas são dotadas naturalmente, de razão, ao passo que, às outras, a racionalidade é parcialmente adquirida, mediante um arranjo especial do homem [...] 12 Importa ressaltar que tanto uma quanto outra teoria foi alvo de críticas. No caso da teoria da ficção a crítica mais relevante se refere à própria existência do 9 PRADO, Luiz Regis. Curso de Direito Penal Brasileiro: Parte Geral, v.1, p ALVES, Rodrigo Ribeiro de Magalhães. Responsabilidade Penal da Pessoa Jurídica por crimes ambientais. Monografia. Faculdade de Direito. Universidade de Brasília, Brasília, 2009, p FILHO TOURINHO, Fernando da Costa. Processo Penal 2. 33ª Ed. São Paulo: Editora Saraiva, 2011, p ALVES, Rodrigo Ribeiro de Magalhães. Responsabilidade Penal da Pessoa Jurídica por crimes ambientais. Monografia. Faculdade de Direito. Universidade de Brasília, Brasília, 2009, p. 23. Retirado de: BEVILAQUA, Clóvis. Teoria Geral do Direito Civil. 4a ed. Rio de Janeiro: Editora Rio, 1972, p

6 Estado. Isso porque ao considerar que toda pessoa jurídica é uma criação sem respaldo na realidade, esta teoria acaba por negar também a existência do Estado, tendo por consequência o entendimento de que a lei, como expressão máxima de sua soberania, também é fruto de mera ficção 13. Por tal razão entre outras é que, na atualidade prepondera o entendimento de que as pessoas jurídicas não são apenas mera ficção e sim possuem realidade própria, entretanto, totalmente diversa das pessoas físicas ou naturais RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA NO DIREITO COMPARADO No XIII Congresso da Associação Internacional de Direito Penal, realizado no Cairo-Egito em 1984, foi confirmado que a responsabilidade penal das sociedades e de outros agrupamentos jurídicos é reconhecida em um número crescente de países como uma forma apropriada de controlar os delitos econômicos e aqueles provenientes de negócios. Neste diapasão, observa-se a adesão de vários países no que se refere à responsabilização criminal da pessoa jurídica Portugal Portugal adotou a responsabilidade dos entes morais de forma mais discreta, por meio do Decreto-lei 28, de , sob a justificativa de que, sem dúvidas, as maiores ofensas ao meio ambiente provem não da pessoa individual, mas da pessoa coletiva. Paulo Affonso Leme Machado, ao explicar acerca da concepção jurídica de Portugal, destaca as seguintes palavras de Figueiredo Dias: Na ação como na culpabilidade visualiza-se um ser livre como centro éticosocial da imputação jurídico-penal, e isto é próprio do ser humano. Mas não se deve esquecer que a organização humano-social é, assim como o próprio indivíduo humano, obra de liberdade ou realização do ser livre e, por isso, parece aceitável que em certos setores especiais e bem delimitados, ao indivíduo humano seja possível substituir-se como centro ético-social da imputação jurídico-penal, a sua obra ou realização coletiva e, 13 ALVES, Rodrigo Ribeiro de Magalhães. Responsabilidade Penal da Pessoa Jurídica por crimes ambientais. Monografia. Faculdade de Direito. Universidade de Brasília, Brasília, 2009, p SÁNCHEZ, Jesús María e outros. Responsabilidade Penal da Pessoa Jurídica: Em defesa do princípio da imputação penal subjetiva. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2001, p MACHADO, Paulo Affonso Leme. Direito Ambiental Brasileiro. 12ª Ed. São Paulo: Malheiros, 2004, p

7 3.2 Inglaterra portanto, a pessoa jurídica, associação, grupo ou corporação na qual exprime-se o ser livre 16. O sistema Inglês, e os demais países pertencentes à família do common Law, de estrutura totalmente diversa do sistema romano-germânico, vigora o princípio da societas delinquere potest, o que quer dizer que a responsabilidade penal da pessoa jurídica é reconhecida, fruto de uma construção jurisprudencial do início do século XIX, também nas infrações não ambientais. A partir de 1940, os ingleses ampliaram a responsabilização alcançando crimes de qualquer natureza. A pessoa jurídica pôde ser responsabilizada por toda infração penal que sua condição lhe permitisse realizar, sendo possível a responsabilização de forma objetiva e subjetiva 17. A responsabilidade subjetiva, nos casos em que se faz necessário a presença de culpa para a configuração do crime e, por conseguinte, tem-se como indispensável uma ação ou omissão do ser humano, os ingleses utilizam como fundamento penal a teoria da identificação, originária da jurisprudência cível que alcançou a esfera penal. Por esta teoria, o juiz ou tribunal deve procurar identificar a pessoa que não seja um empregado ou agente, cuja sociedade seja responsável pelo fato em decorrência de uma relação hierárquica, mas qualquer um que a torne responsável porque o ato incriminado é o próprio ato da sociedade. Assim, a pessoa natural não fala, nem atua para a sociedade, ela atua enquanto sociedade e a vontade que dirige suas ações é a vontade da própria sociedade. A pessoa física torna-se a personificação do ente coletivo, sua vontade é a vontade dele, numa verdadeira e total identificação França Em 1992, a França aderiu à responsabilidade penal das pessoas jurídicas, sem excluir a responsabilidade da pessoa física de quem partiu a decisão, de forma bastante ampla. No Código Penal Francês, diz o art , alínea 3, que a 16 MACHADO, Paulo Affonso Leme. Direito Ambiental Brasileiro, p SÁNCHEZ, Jesús María. Responsabilidade Penal da Pessoa Jurídica: Em defesa do princípio da imputação penal subjetiva, p SÁNCHEZ, Jesús María. Responsabilidade Penal da Pessoa Jurídica: Em defesa do princípio da imputação penal subjetiva, p. 117/

8 responsabilidade das pessoas jurídicas não exclui a das pessoas físicas, autoras ou cúmplices dos mesmos fatos. A exposição de motivos acentuou que tal disposição tem por objetivo que a responsabilidade criminal dos entes morais não constitua uma cortina para mascarar as responsabilidades pessoais. No entanto, a tendência é que a responsabilidade penal da pessoa jurídica seja somente da pessoa jurídica nos casos de infrações de negligência e de imprudência, principalmente quando o ato resultar de um defeito de concepção da empresa, em que o ato seja imputável a decisões múltiplas ou tomadas a diversos níveis, ou seja, consequência de decisão coletiva, ou seja, tomada por diversas pessoas em um nível determinado 19. Todas as pessoas jurídicas são objeto do novo Código Penal francês, inclusive sindicatos e associações, tendo como exceção apenas o Estado e as coletividades territoriais. Em respeito ao princípio da especialidade, o legislador francês decidiu infração por infração se a pessoa jurídica poderia ser responsabilizada. Assim, no âmbito ambiental foi reconhecida tal responsabilização em determinados crimes, quais sejam: abandono de veículos em via pública, poluição atmosférica, eliminação de dejetos sobre a água, entre outros. Na França, o fundamento da responsabilidade dos grupos é a realidade da existência, sob todos os aspectos, da pessoa moral, modo de expressão de um autêntico querer coletivo, capaz de interdição, de ação, portanto de culpa. Desta forma, o legislador criou uma penologia apropriada aos entes sociais. Enquanto as penas aplicadas aos indivíduos visam, ao menos, em parte, à ressocialização, as penas previstas para as pessoas jurídicas visam somente à prevenção e à dissuasão 20. Além disso, para justificar a responsabilização criminal da pessoa jurídica a França utilizou o conceito de responsabilidade por ricochete (via reflexa), o qual assim dispõe: Trata-se de responsabilidade penal por ricochete, de empréstimo, subsequente ou por procuração, que é explicada através do mecanismo denominado "emprunt de criminalite", feito à pessoa física pela jurídica, e que tem como suporte obrigatório a intervenção humana. Noutro dizer: a responsabilidade penal da pessoa moral está condicionada à prática de um fato punível suscetível de ser reprovado a uma pessoa física. Desse caráter subsequente ou de empréstimo resulta importante consequência: a infração penal imputada a uma pessoa jurídica será quase sempre igualmente imputável a uma pessoa física MACHADO, Paulo Affonso Leme. Direito Ambiental Brasileiro, p MACHADO, Paulo Affonso Leme. Direito Ambiental Brasileiro, p CARNEIRO, Herbert José Almeida. Aspectos processuais da responsabilidade penal da pessoa jurídica. Monografia. Faculdade de Direito. Universidade de Milton Campos, Nova Lima, Minas Gerais, 2008, p

9 3.4 Espanha A Espanha inovou ao adotar uma espécie sui generis da imputação de responsabilidade penal dos entes morais, satisfazendo-se com a simples realização de um injusto típico como fundamento da pena. Com efeito, admite-se a possibilidade de responsabilização exclusiva da pessoa jurídica, imputando-lhe um fato criminoso, com a pena correspondente, sem que seja necessário indagar sobre a concreta posição individual daquele que teria infringido a norma penal DA RESPONSABILIZAÇÃO PENAL DA PESSOA JURÍDICA EM CRIMES AMBIENTAIS NO SISTEMA JURÍDICO BRASILEIRO Na legislação pátria a possibilidade de responsabilização penal da pessoa jurídica surgiu com a Constituição Federal de Vislumbrou-se esta possibilidade no art. 173, 5º, ao impor que a Lei, sem prejuízo da responsabilidade individual do dirigente, estabelecerá a responsabilização da pessoa jurídica, sujeitando-a as punições compatíveis a sua natureza, quando praticado ato contra a ordem econômica e financeira e contra a economia popular 23. No que diz respeito ao meio ambiente, tal responsabilização está expressamente prevista no art. 225, 3º, de nossa Carta Magna, o qual assim dispõe: As condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente sujeitarão os infratores, pessoas físicas ou jurídicas, a sanções penais e administrativas, independentemente da obrigação de reparar os danos causados. Além destas previsões constitucionais, surgiu a Lei n /98, a qual estatuiu no seu art. 3º, caput, que as pessoas jurídicas serão responsabilizadas, administrativa, civil e penalmente, nos casos em que a conduta delitiva seja cometida por decisão de seu representante legal ou contratual, ou de seu órgão colegiado, no interesse ou benefício da entidade empresarial. No parágrafo único 22 BITENCOURT, Cezar Roberto. Tratado de Direito Penal: Parte Geral Ed. São Paulo: Saraiva, 2012, p BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF. Senado,

10 estabeleceu que a responsabilidade das pessoas jurídicas, não exclui a das pessoas físicas, autoras, coautoras ou partícipes do mesmo fato 24. Por outro lado, a Lei n /2011, que dispõe sobre as infrações quanto à ordem econômica, prevê em seu art. 31 que seu texto legal terá aplicação às pessoas físicas ou jurídicas de direito público ou privado, bem como quaisquer associações de entidades ou pessoas, constituídas de fato ou de direito, ainda que sem personalidade jurídica e temporariamente e mesmo que exerçam atividade sob regime de monopólio. E, em seu art. 32 dispõe que as diversas formas de infração a ordem econômica ensejam a responsabilidade da empresa e a responsabilidade individual de seus dirigentes ou administradores, solidariamente 25. Em que pese existir tais previsões legais, reconhecendo a responsabilização da pessoa jurídica, o tema apresenta certa resistência, principalmente com relação a responsabilidade exclusiva. Isso porque, sempre que se analisa a responsabilidade penal da pessoa jurídica, vêm à tona várias questões relacionadas à Teoria do Delito clássica, a qual foi construída sob o enfoque do ser humano, questões estas que serão demonstradas a seguir em contraposição com o entendimento favorável a tal responsabilização. 4.1 Dos principais argumentos desfavoráveis à responsabilização criminal do ente moral O primeiro argumento é o relativo à culpabilidade, em que os que são contra, ponderam que a pessoa jurídica pensa por meio das pessoas que a compõem. Como ela não tem vontade própria, ânimo de delinquir, não há que se falar em juízo de reprovação desta vontade, de modo que qualquer condenação seria baseada na responsabilidade objetiva 26, a qual cumpre observar, não é admitida pelo sistema penal brasileiro BRASIL. Lei 9.605, de 12 de fevereiro de Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, 12 fev BRASIL. Lei , de 30 de novembro de Estrutura o Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência; dispõe sobre a prevenção e repressão às infrações contra a ordem econômica; [...]; e dá outras providências. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, 30 nov FREITAS, Vladimir Passos. FREITAS, Gilberto Passos. Crimes Contra a Natureza. 8 Ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2006, p PRADO, Luiz Regis. Curso de Direito Penal Brasileiro: Parte Geral, v.1, p

11 A culpabilidade penal, somente poderia ser inserida como juízo de censura, pela realização de um injusto típico perpetrado pela conduta humana livre (culpabilidade da vontade), na reprovabilidade pessoal, formada pela imputabilidade (capacidade de culpa), consciência potencial da ilicitude e exigibilidade de conduta diversa. Isso porque, a culpabilidade entendida como a reprovabilidade da conduta ilícita somente pode recair àquele que tem capacidade genérica de entender e querer, podendo, nas circunstâncias em que o fato ocorreu conhecer a ilicitude e ser-lhe exigível comportamento que se ajuste ao direito, o que não poderia ser estendido às sociedades 28. De outro norte, tem-se a ausência de capacidade de ação ou omissão da pessoa jurídica, a qual se refere à falta de consciência e vontade (em sentido psicológico) desta e, com isso, a falta de capacidade de autodeterminação, diferentemente da pessoa física, de modo que seria necessário o empréstimo de tais faculdades pertencentes somente aos homens. Consequentemente, faltaria às pessoas jurídicas a ação ou omissão típica consistente no exercício voluntário de uma atividade finalista 29. Por seu turno, Fernando da Costa Tourinho Filho argumenta que nossa legislação pátria não admite o reconhecimento da capacidade penal das pessoas jurídicas. Em suas palavras, se o crime pressupõe uma conduta, cabe afirmar, que a pessoa jurídica não pode delinquir, pois falta-lhe a capacidade de conduta. Se ela não pode praticar uma ação ou omissão, como poderia atribuir conduta a esse ente fictício 30. Assim, a conduta revelada por meio da ação ou omissão, como primeiro elemento estrutural do crime, é produto apenas do homem, repudiando a hipótese desta ser atribuída ao ente moral, vez que a conduta delituosa exige a manifestação da vontade conscientemente dirigida a um fim e somente o ser humano poderia atuar voluntariamente 31. Para Luiz Regis Prado, tal responsabilização constituiria violação aos seguintes princípios: igualdade, pois com a identificação do ente moral como 28 PRADO, Luiz Regis. Curso de Direito Penal Brasileiro: Parte Geral, v.1, p. 165 e PRADO, Luiz Regis. Curso de Direito Penal Brasileiro: Parte Geral, v.1, p FILHO TOURINHO, Fernando da Costa. Processo Penal 2, p PRADO, Luiz Regis. Curso de Direito Penal Brasileiro: Parte Geral, v.1, p

12 responsável, os possíveis coautores e partícipes poderiam ser beneficiados. Também restaria prejudicada à humanização das penas, por considerar que o referencial exclusivo de tal princípio é a condição humana, inerente somente às pessoas naturais. Outra violação refere-se ao princípio da personalidade da pena, o qual impede a aplicação de sanção penal contra quem não seja o autor ou partícipe. Por tais argumentos, o grande problema apontado como consequência da pena à pessoa jurídica que não tiver condições materiais ou morais para sobreviver, seria o alcance de tal evento a todas as pessoas físicas e jurídicas que vivem sob sua dependência 32. De outro lado, a admissão da responsabilidade da pessoa jurídica implicaria em esvaziar o princípio da causalidade, inserto no art. 13 do Código Penal. Se a responsabilidade é imputável a quem lhe deu causa e considera-se a causa como ação ou omissão sem a qual o resultado não teria ocorrido, não seria sábio imputar uma conduta ao ente moral, vez que incapaz de realizar conduta própria 33. Tais argumentos expostos seriam, em tese, os principais impeditivos à aplicação de eventual sanção penal direcionada somente aos entes morais. Portanto, verifica-se que há grande resistência de muitos penalistas em aceitar a responsabilização penal da pessoa jurídica. 4.2 Dos principais argumentos favoráveis à responsabilização criminal do ente moral Nos dizeres de Ney de Barros Bello Filho e José Rubens Morato Leite não há violação ao princípio da pessoalidade da pena (previsto no art. 5º, inciso XLV da Constituição Federal de 1988), pois quando o dirigente de uma sociedade pratica um fato típico e a responsabilidade é sustentada pela empresa, em verdade, o ato foi perpetrado por esta. Ao contrário, haveria ruptura do princípio constitucional se o ato do ente moral fosse suportado pela pessoa física, pois atuou investida na condição da própria pessoa jurídica. Por sua vez, o princípio da responsabilidade pessoal não resta agredido quando se admite tal hipótese. É que apenas quem pratica o ato deve ser por ele responsabilizado. E se o ato é da pessoa jurídica, por ela deve ser sustentado. Igualmente, o princípio da individualização da pena não resta ofendido, pois este diz respeito à sanção imposta às peculiaridades do condenado. Caso o 32 PRADO, Luiz Regis. Curso de Direito Penal Brasileiro: Parte Geral, v.1, p. 151/ FILHO TOURINHO, Fernando da Costa. Processo Penal 2, p

13 condenado seja uma pessoa jurídica, terá de serem atendidas suas peculiaridades para tornar efetiva a pena imposta 34. Ainda, sustentam que não há desrespeito ao princípio da culpabilidade. Isso porque, o conceito de tal princípio não é humanístico e sim construído historicamente. Assim, a culpabilidade presente na atitude da pessoa jurídica surge da certeza de que culpa não é algo que se pode comprovar cientificamente e sim um conceito de natureza filosófica, que pode ser revisto de acordo com o fenômeno que se quer estudar 35. Assim, Ney de Barros Bello Filho e José Rubens Morato Leite entendem que à ideia de vontade não está limitada apenas ao ser humano, ou seja, a vontade poderia ser buscada no plano sociológico, como predisposição da pessoa física ou jurídica de praticar um fim. Neste sentido, a formação de vontade dentro da empresa caracteriza a vontade empresarial que sustenta a culpabilidade do ente moral frente aos seus atos praticados, eis que o conceito de vontade não seria adstrito às pessoas físicas. Segundo este entendimento, a pessoa coletiva é plenamente capaz de vontade, pois nasce e vive do encontro das vontades individuais dos seus membros. A vontade que a anima é coletiva, caracterizando-se em cada etapa de sua vida, pela reunião, deliberação, votação da Assembleia, de modo que essa vontade coletiva é capaz de cometer crimes tanto quanto a vontade individual. A culpabilidade deve ser vista como culpabilidade social, partindo-se do pressuposto que resta presente tal elemento, quando a pessoa jurídica deixa de cumprir a sua função esperada pelo ordenamento jurídico, a qual é exigível de todas as demais sociedades em igualdade de condições. Além disso, se a pessoa jurídica é passível de culpa na seara cível e administrativa, deve também ser na esfera criminal, vez que o ato é o mesmo e, por isso, a culpa necessariamente é a mesma 36. Paulo Affonso Leme Machado defende que o acolhimento da responsabilidade penal da pessoa jurídica na Lei n /98, mostra que houve atualização na percepção do papel das empresas no mundo contemporâneo. Isso porque, nas últimas décadas, a poluição, o desmatamento intensivo, a caça e a 34 LEITE, José Rubens Morato. BELLO FILHO, Ney de Barros. Direito Ambiental Contemporâneo. São Paulo: Manole, 2004, p LEITE, José Rubens Morato. BELLO FILHO, Ney de Barros. Direito Ambiental Contemporâneo, p LEITE, José Rubens Morato. BELLO FILHO, Ney de Barros. Direito Ambiental Contemporâneo, p. 158/

Responsabilidade Criminal Ambiental. Paulo Freitas Ribeiro

Responsabilidade Criminal Ambiental. Paulo Freitas Ribeiro Responsabilidade Criminal Ambiental Paulo Freitas Ribeiro Constituição Federal Artigo 225 - Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade

Leia mais

A PROBLEMÁTICA CONTEMPORÂNEA DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA

A PROBLEMÁTICA CONTEMPORÂNEA DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA A PROBLEMÁTICA CONTEMPORÂNEA DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA CLÁUDIO RIBEIRO LOPES Mestre em Direito (Tutela de Direitos Supraindividuais) pela UEM Professor Assistente da UFMS (DCS/CPTL)

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br (Artigos) considerações sobre a responsabilidade "penal" da pessoa jurídica Dóris Rachel da Silva Julião * Introdução É induvidoso que em se tratando da criminalidade econômica e

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br A responsabilidade administrativa no Direito Ambiental por Carolina Yassim Saddi * Uma data que merece reflexão foi comemorada no dia 5 de junho do corrente ano: Dia Mundial do Meio

Leia mais

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais Para Reflexão Ao indivíduo é dado agir, em sentido amplo, da forma como melhor lhe indicar o próprio discernimento, em juízo de vontade que extrapola

Leia mais

DEZ ANOS DA LEI DOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE: QUESTÕES CONTROVERTIDAS E A JURISPRUDÊNCIA

DEZ ANOS DA LEI DOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE: QUESTÕES CONTROVERTIDAS E A JURISPRUDÊNCIA DEZ ANOS DA LEI DOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE: QUESTÕES CONTROVERTIDAS E A JURISPRUDÊNCIA Eladio Lecey Diretor-Presidente, Escola Nacional da Magistratura - AMB Diretor, Escola Brasileira de Direito

Leia mais

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados São Paulo, 17 de maio de 2012 I. Apresentação II. Legislação Federal Básica III. Responsabilidade Ambiental

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE CRISES Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos

ADMINISTRAÇÃO DE CRISES Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos C W M C O M U N I C A Ç Ã O WALTEMIR DE MELO ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ASPECTOS CRÍTICOS

Leia mais

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades Administrador Administrador é a pessoa a quem se comete a direção ou gerência de qualquer negócio ou serviço, seja de caráter público ou privado,

Leia mais

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil 7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil Tópicos Especiais em Direito Civil Introdução A Responsabilidade Civil surge em face de um descumprimento obrigacional pela desobediência de uma regra estabelecida

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O Estatuto do idoso em Benefício do Réu. Roberto Dantes Schuman de Paula * DA NOVATIO LEGIS IN PEJUS Em outubro de 2003 a ordem jurídica foi inovada com o advento da lei 10741/03,

Leia mais

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL.

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL. ASPECTOS DA TUTELA PENAL DO AMBIENTE 1. Introdução Como conseqüência da consciência ambiental, o legislador brasileiro não só previu a proteção administrativa do meio ambiente e a denominada tutela civil

Leia mais

DEZ ANOS DA LEI 9605/98: BALANÇO E PROPOSTAS CONCRETAS DE APERFEIÇOAMENTO LEGISLATIVO

DEZ ANOS DA LEI 9605/98: BALANÇO E PROPOSTAS CONCRETAS DE APERFEIÇOAMENTO LEGISLATIVO 13 Congresso Brasileiro de Direito Ambiental Mesa Redonda IX DEZ ANOS DA LEI 9605/98: BALANÇO E PROPOSTAS CONCRETAS DE APERFEIÇOAMENTO LEGISLATIVO Presidente: Damásio de Jesus Relator Geral: Eladio Lecey

Leia mais

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES REQUERENTE(S) : PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA REQUERIDO(A/S) : UNIÃO ADVOGADO(A/S) : ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO REQUERIDO(A/S) :

Leia mais

O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE

O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS RELATIVAS ÀS FUNÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO Art. 129. São funções institucionais do Ministério Público: I- promover,

Leia mais

O alcance do princípio da culpabilidade e a exclusão da responsabilidade penal

O alcance do princípio da culpabilidade e a exclusão da responsabilidade penal O alcance do princípio da culpabilidade e a exclusão da responsabilidade penal Pedro Melo Pouchain Ribeiro Procurador da Fazenda Nacional. Especialista em Direito Tributário. Pósgraduando em Ciências Penais

Leia mais

AULA 08. CONTEÚDO DA AULA: Teorias da Conduta (cont). Teoria social da ação (cont.). Teoria pessoal da ação. Resultado. Relação de Causalidade Início.

AULA 08. CONTEÚDO DA AULA: Teorias da Conduta (cont). Teoria social da ação (cont.). Teoria pessoal da ação. Resultado. Relação de Causalidade Início. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Penal / Aula 08 Professora: Ana Paula Vieira de Carvalho Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 08 CONTEÚDO DA AULA: Teorias da (cont). Teoria social

Leia mais

A RESPONSABILIDADE OBJETIVA NO NOVO CÓDIGO CIVIL

A RESPONSABILIDADE OBJETIVA NO NOVO CÓDIGO CIVIL A RESPONSABILIDADE OBJETIVA NO NOVO CÓDIGO CIVIL SÍLVIO DE SALVO VENOSA 1 Para a caracterização do dever de indenizar devem estar presentes os requisitos clássicos: ação ou omissão voluntária, relação

Leia mais

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS ALESSANDRO CABRAL E SILVA COELHO - alessandrocoelho@jcbranco.adv.br JOSÉ CARLOS BRANCO JUNIOR - jcbrancoj@jcbranco.adv.br Palavras-chave: crime único Resumo O presente

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL PEÇA PROFISSIONAL Petição inicial: Queixa-crime. Endereçamento: Vara Criminal da Comarca de São Paulo SP. Vara criminal comum, visto que as penas máximas abstratas, somadas, ultrapassam dois anos. Como

Leia mais

A RESPONSABILIDADE CIVIL PELO DANO AMBIENTAL NO DIREITO BRASILEIRO E A QUESTÃO DA REPARAÇÃO MATERIAL E MORAL

A RESPONSABILIDADE CIVIL PELO DANO AMBIENTAL NO DIREITO BRASILEIRO E A QUESTÃO DA REPARAÇÃO MATERIAL E MORAL A RESPONSABILIDADE CIVIL PELO DANO AMBIENTAL NO DIREITO BRASILEIRO E A QUESTÃO DA REPARAÇÃO MATERIAL E MORAL I CONGRESSO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL Mariza Giacomin Lozer Patrício Advogada (FESV).

Leia mais

PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1. CONDUTA. 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt

PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1. CONDUTA. 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1.1 TEORIAS DA CONDUTA 1. CONDUTA 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt Imperava no Brasil até a

Leia mais

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado Conceito Responsabilidade Civil do Estado é a obrigação que ele tem de reparar os danos causados a terceiros em face de comportamento imputável aos seus agentes. chama-se também de responsabilidade extracontratual

Leia mais

Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho. M. J. Sealy

Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho. M. J. Sealy Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho O Conceito de Acidente de Trabalho (de acordo com a Lei 8.213/91 Art. 19) Acidente do trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga 1 PLANO DE ENSINO Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015 Unidade Carga Horária Sub-unidade Introdução ao estudo do Direito Penal 04 hs/a - Introdução. Conceito

Leia mais

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL A UNIÃO DOS ADVOGADOS PÚBLICOS FEDERAIS DO BRASIL UNAFE, pessoa jurídica de direito privado, sem fins econômicos, associação civil

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 695.205 - PB (2004/0145940-1) RELATOR RECORRENTE ADVOGADOS RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO CARLOS ALBERTO MENEZES DIREITO : BANCO DO BRASIL S/A : MAGDA MONTENEGRO PAULO LOPES DA SILVA

Leia mais

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 1 PROCESSO PENAL PROCESSO PENAL PONTO 1: Princípios dos Juizados Especiais Criminais PONTO 2: Objetivos PONTO 3: Competência PONTO 4: Fase Policial PONTO 5: Fase Judicial PONTO 6: Recursos PONTO 7: Atos

Leia mais

RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURIDICA PELA PRÁTICA DE CRIME AMBIENTAL

RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURIDICA PELA PRÁTICA DE CRIME AMBIENTAL 1 RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURIDICA PELA PRÁTICA DE CRIME AMBIENTAL WILCINETE DIAS SOARES 1 Resumo: O desígnio deste trabalho é discorrer acerca da responsabilização penal da pessoa jurídica pela

Leia mais

www.estudodeadministrativo.com.br

www.estudodeadministrativo.com.br DIREITO ADMINISTRATIVO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO I - CONCEITO - A responsabilidade civil se traduz na obrigação de reparar danos patrimoniais, sendo que com base em tal premissa podemos afirmar

Leia mais

NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO

NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO O que muda na responsabilização dos indivíduos? Código Penal e a Lei 12.850/2013. MARCELO LEONARDO Advogado Criminalista 1 Regras Gerais do Código Penal sobre responsabilidade penal:

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo ACÓRDÃO Registro: 2012.0000122121 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 9074862-42.2007.8.26.0000, da Comarca de São José do Rio Preto, em que são apelantes PREFEITURA MUNICIPAL DE

Leia mais

NOTA TÉCNICA JURÍDICA

NOTA TÉCNICA JURÍDICA 1 NOTA TÉCNICA JURÍDICA Obrigatoriedade de dispensa motivada. Decisão STF RE 589998 Repercussão geral. Aplicação para as sociedades de economia mista e empresas Públicas. Caso do BANCO DO BRASIL e CAIXA

Leia mais

ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO. Liberdade de profissão

ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO. Liberdade de profissão ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO Liberdade de profissão Preparado por Carolina Cutrupi Ferreira (Escola de Formação, 2007) MATERIAL DE LEITURA PRÉVIA: 1) Opinião Consultiva n. 5/85 da Corte Interamericana

Leia mais

CULPABILIDADE RESUMO

CULPABILIDADE RESUMO CULPABILIDADE Maira Jacqueline de Souza 1 RESUMO Para uma melhor compreensão de sanção penal é necessário a análise levando em consideração o modo sócio-econômico e a forma de Estado em que se presencie

Leia mais

A (IN)COMPATIBILIDADE DA TENTATIVA NO DOLO EVENTUAL RESUMO

A (IN)COMPATIBILIDADE DA TENTATIVA NO DOLO EVENTUAL RESUMO 331 A (IN)COMPATIBILIDADE DA TENTATIVA NO DOLO EVENTUAL Cícero Oliveira Leczinieski 1 Ricardo Cesar Cidade 2 Alberto Wunderlich 3 RESUMO Este artigo visa traçar breves comentários acerca da compatibilidade

Leia mais

Embriaguez e Responsabilidade Penal

Embriaguez e Responsabilidade Penal Embriaguez e Responsabilidade Penal O estudo dos limites da responsabilidade penal é sempre muito importante, já que o jus puniendi do Estado afetará um dos principais direitos de qualquer pessoa, que

Leia mais

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Omissão de Notificação da Doença DIREITO PENAL - Omissão de Notificação de Doença CP. Art. 269. Deixar o médico de denunciar à autoridade pública doença cuja

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO CURSO

PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIREITO PENAL - PDF Duração: 09 semanas 01 aula por semana. Início: 04 de agosto Término: 06 de outubro Professor: JULIO MARQUETI PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIA 04/08 - Aula 01 Aplicação da Lei Penal no tempo.

Leia mais

DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA

DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA A responsabilidade civil tem como objetivo a reparação do dano causado ao paciente que

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2015

PROJETO DE LEI Nº DE 2015 PROJETO DE LEI Nº DE 2015 Incluir Sinais de Tvs a Cabo ao 3º do art. 155, do Decreto Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Inclua-se sinais de Tvs à cabo ao 3º,

Leia mais

Súmulas em matéria penal e processual penal.

Súmulas em matéria penal e processual penal. Vinculantes (penal e processual penal): Súmula Vinculante 5 A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a Constituição. Súmula Vinculante 9 O disposto no artigo

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br As Medidas de Segurança (Inconstitucionais?) e o dever de amparar do Estado Eduardo Baqueiro Rios* Antes mais nada são necessárias breves considerações acerca de pena e das medidas

Leia mais

FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES Fato típico é o primeiro substrato do crime (Giuseppe Bettiol italiano) conceito analítico (fato típico dentro da estrutura do crime). Qual o conceito material

Leia mais

Ministério da Justiça CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA - CADE Gabinete do Conselheiro Luiz Carlos Delorme Prado

Ministério da Justiça CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA - CADE Gabinete do Conselheiro Luiz Carlos Delorme Prado Ministério da Justiça CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA - CADE Gabinete do Conselheiro Luiz Carlos Delorme Prado Processo Administrativo n.º 08012.000429/2003-21 Representante: SMS - Assistência

Leia mais

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Legitimidade ativa (Pessoas relacionadas no art. 103 da

Leia mais

DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS)

DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS) DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS) Toda lesão de direito deve ser reparada. A lesão pode decorrer de ato ou omissão de uma pessoa física ou jurídica. Quando o autor da lesão

Leia mais

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Os direitos fundamentais previstos na Constituição brasileira de 1988 são igualmente garantidos aos brasileiros e aos

Leia mais

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de constitucionalidade Luís Fernando de Souza Pastana 1 RESUMO: há diversas modalidades de controle de constitucionalidade previstas no direito brasileiro.

Leia mais

ANÁLISE DA EXPRESSÃO FLORESTA INSERIDA NO ARTIGO 38 DA LEI Nº 9.065/98

ANÁLISE DA EXPRESSÃO FLORESTA INSERIDA NO ARTIGO 38 DA LEI Nº 9.065/98 ANÁLISE DA EXPRESSÃO FLORESTA INSERIDA NO ARTIGO 38 DA LEI Nº 9.065/98 Hassan Souki Advogado Associado do Escritório Homero Costa Advogados. A Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, tipifica, em seu

Leia mais

DIREITO CIVIL NO EMPREENDIMENTO TURÍSTICO

DIREITO CIVIL NO EMPREENDIMENTO TURÍSTICO DIREITO CIVIL NO EMPREENDIMENTO TURÍSTICO GOMES, Alessandro. alefot@bol.com.br Resumo: O trabalho aqui apresentado, como uma exigência para a conclusão do módulo Direito Civil no Empreendimento Turístico,

Leia mais

TRIBUNAL CRIMINAL DA COMARCA DE LISBOA 1º JUÍZO-2ª SECÇÃO

TRIBUNAL CRIMINAL DA COMARCA DE LISBOA 1º JUÍZO-2ª SECÇÃO 1 - RELATÓRIO Nos presentes autos de processo comum, com intervenção do Tribunal Singular, o Ministério Público deduziu acusação contra Maria Silva, nascida a 11 de Setembro de 1969, natural de Coimbra,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 184.727 - DF (2012/0112646-2) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN : MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS EMENTA PROCESSUAL CIVIL. COMPETÊNCIA. PERIÓDICO

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE SEGUROS DE SAÚDE, E SEUS PREPOSTOS FEVEREIRO/2008

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE SEGUROS DE SAÚDE, E SEUS PREPOSTOS FEVEREIRO/2008

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O objeto social e os limite da atuação do administrador da sociedade empresarial. A teoria do ato ultra vires Amanda Alves Moreira* 1. INTRODUÇÃO As sociedades comerciais, na situação

Leia mais

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25 Espelho Penal Peça O examinando deve redigir uma apelação, com fundamento no artigo 593, I, do Código de Processo Penal. A petição de interposição deve ser endereçada ao juiz de direito da 1ª vara criminal

Leia mais

REPRESENTAÇÃO PENAL DA PESSOA JURÍDICA E PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS

REPRESENTAÇÃO PENAL DA PESSOA JURÍDICA E PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 REPRESENTAÇÃO PENAL DA PESSOA JURÍDICA E PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS Aline Barandas 1 RESUMO: A atual Constituição Federal brasileira prega valores sociais,

Leia mais

RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS.

RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS. RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS. 1. RELAÇÃO COM O DIREITO ADMINISTRATIVO: Classificado no Direito Público Interno, de quem é um de seus ramos, o Direito Administrativo,

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 3.836, DE 2008 Obriga os fornecedores de produtos e de serviços a darem o troco das frações da unidade do Sistema Monetário Nacional

Leia mais

MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2

MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2 MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2 16ª P R O P O S T A L E G I S L A T I V A ANTEPROJETO DE LEI Altera a Lei 9.096/95 para prevê a responsabilização dos partidos

Leia mais

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM?

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? A Justiça Militar Estadual por força de expressa vedação contida no art. 125, 4º, da CF/88, não tem competência

Leia mais

A Responsabilidade Penal da Pessoa Jurídica nos Crimes Ambientais

A Responsabilidade Penal da Pessoa Jurídica nos Crimes Ambientais A Responsabilidade Penal da Pessoa Jurídica nos Crimes Ambientais Vânia Maria Bemfica Guimarães Pinto Coelho * Igor Oliveira Borges RESUMO: Este texto trata a respeito da Lei 9.605 de 1998, lei esta que

Leia mais

O ÔNUS DA PROVA NO PROCESSO PENAL

O ÔNUS DA PROVA NO PROCESSO PENAL O ÔNUS DA PROVA NO PROCESSO PENAL Gustavo de Oliveira Santos Estudante do 7º período do curso de Direito do CCJS-UFCG. Currículo lattes: http://lattes.cnpq.br/4207706822648428 Desde que o Estado apossou-se

Leia mais

Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais

Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais O Supremo Tribunal Federal possui o poder de decidir sobre a constitucionalidade das normas jurídicas que foram aprovadas antes da entrada

Leia mais

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO José Afonso da Silva 1. A controvérsia 1. A condenação, pelo Supremo Tribunal Federal, na Ação Penal 470, de alguns deputados federais tem suscitado dúvidas relativamente

Leia mais

DANO AMBIENTAL: SEM LEI NÃO HÁ DANO? Fúlvia Leticia Perego Silva 1, Munir Jorge Felício 2

DANO AMBIENTAL: SEM LEI NÃO HÁ DANO? Fúlvia Leticia Perego Silva 1, Munir Jorge Felício 2 86 DANO AMBIENTAL: SEM LEI NÃO HÁ DANO? Fúlvia Leticia Perego Silva 1, Munir Jorge Felício 2 1 Integrante do Núcleo de Estudos Ambientais e Geoprocessamento NEAGEO do Mestrado em Meio Ambiente e Desenvolvimento

Leia mais

A Responsabilidade civil objetiva no Código Civil Brasileiro: Teoria do risco criado, prevista no parágrafo único do artigo 927

A Responsabilidade civil objetiva no Código Civil Brasileiro: Teoria do risco criado, prevista no parágrafo único do artigo 927 A Responsabilidade civil objetiva no Código Civil Brasileiro: Teoria do risco criado, prevista no parágrafo único do artigo 927 Marcela Furtado Calixto 1 Resumo: O presente artigo visa discutir a teoria

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE BARRA DO GARÇAS GABINETE DA SEGUNDA VARA CRIMINAL S E N T E N Ç A

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE BARRA DO GARÇAS GABINETE DA SEGUNDA VARA CRIMINAL S E N T E N Ç A Código: 170741 Autor: Ministério Público Estadual Réu: Eldo Barbosa S E N T E N Ç A 1. Relatório O Ministério Público estadual ofereceu denúncia, fls. 05/08, contra Eldo Barbosa, por supostamente ter infringido

Leia mais

ACIDENTE DO TRABALHO. Fernanda Pereira Costa, adv. Ailza Santos Silva, est. Sumário:

ACIDENTE DO TRABALHO. Fernanda Pereira Costa, adv. Ailza Santos Silva, est. Sumário: ACIDENTE DO TRABALHO Fernanda Pereira Costa, adv. Ailza Santos Silva, est. Sumário: I- Introdução II- Conceito III. Responsabilidade civil do empregador pelo acidente do trabalho IV- Competência para apreciar

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR LUIZ SILVIO RAMALHO JÚNIOR

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR LUIZ SILVIO RAMALHO JÚNIOR PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR LUIZ SILVIO RAMALHO JÚNIOR ACÓRDÃO APELAÇÃO CRIMINAL (Processo n 001.2008.024234-8/001) RELATOR: Desembargador Luiz Silvio

Leia mais

Meio Ambiente do Trabalho Saudável como Direito Fundamental

Meio Ambiente do Trabalho Saudável como Direito Fundamental XI Salão de Iniciação Científica PUCRS Meio Ambiente do Trabalho Saudável como Direito Fundamental João Pedro Ignácio Marsillac (apresentador), Denise Pires Fincato (orientadora) Faculdade de Direito -

Leia mais

O Dano Moral no Direito do Trabalho

O Dano Moral no Direito do Trabalho 1 O Dano Moral no Direito do Trabalho 1 - O Dano moral no Direito do Trabalho 1.1 Introdução 1.2 Objetivo 1.3 - O Dano moral nas relações de trabalho 1.4 - A competência para julgamento 1.5 - Fundamentação

Leia mais

Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional

Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional Universidade de Brasília Disciplina: Teoria Geral do Processo II Professor: Dr. Vallisney

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal AÇÃO CÍVEL ORIGINÁRIA 2.479 RIO DE JANEIRO RELATOR AUTOR(A/S)(ES) PROC.(A/S)(ES) RÉU(É)(S) PROC.(A/S)(ES) : MIN. ROBERTO BARROSO :MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL :PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA :MINISTÉRIO PÚBLICO

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução.

Copyright Proibida Reprodução. RESPONSABILDADE CIVIL DO DANO AMBIENTAL Prof. Éder Responsabilidade Clementino dos civil Santos INTRODUÇÃO Evolução da sociedade: séc. XX (novas tecnologias x modelo de vida); Inércia do Estado: auto-tutela;

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICADA A AQUICULTURA

LEGISLAÇÃO APLICADA A AQUICULTURA LEGISLAÇÃO APLICADA A AQUICULTURA C O N T E Ú D O : N O Ç Õ E S D E D I R E I T O : I N T R O D U Ç Ã O A O E S T U D O D O D I R E I T O A M B I E N T A L C A R A C T E R Í S T I C A S D A L E G I S L

Leia mais

OS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E A DEFESA DOS INTERESSES DA UNIÃO

OS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E A DEFESA DOS INTERESSES DA UNIÃO OS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E A DEFESA DOS INTERESSES DA UNIÃO Artigo jurídico apresentado por MARCELO THIMOTI DA SILVA, professor, especialista em Direito Administrativo, Constitucional

Leia mais

PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual.

PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual. PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Legitimidade - art. 499 CPC: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual. Preposto é parte? Pode recorrer? NÃO.

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DESEMBARGADOR RAIMUNDO NONATO SILVA SANTOS

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DESEMBARGADOR RAIMUNDO NONATO SILVA SANTOS fls. 122 Processo: 0135890-46.2012.8.06.0001 - Apelação Apelante: Sindicato dos Guardas Municipais da Região Metrolitana de Fortaleza - SINDIGUARDAS Apelado: Município de Fortaleza Vistos etc. DECISÃO

Leia mais

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA Índice 1. Competência...3 1.1. Critérios Objetivos... 3 1.1.1. Critérios Subjetivos... 4 1.1.2. Competência Territorial... 4 2. Dos Processos...4

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

Conflitos entre o Processo Penal E o Processo Administrativo sob O ponto de vista do médico. Dr. Eduardo Luiz Bin Conselheiro do CREMESP

Conflitos entre o Processo Penal E o Processo Administrativo sob O ponto de vista do médico. Dr. Eduardo Luiz Bin Conselheiro do CREMESP Conflitos entre o Processo Penal E o Processo Administrativo sob O ponto de vista do médico Dr. Eduardo Luiz Bin Conselheiro do CREMESP PRÁTICA MÉDICA A prática médica se baseia na relação médicopaciente,

Leia mais

Ementa: Apresentação da declaração de bens e rendas. Lei 8.730/93. Lei 8.429/92. Instrução Normativa do TCU nº 65, de 20 de abril de 2011.

Ementa: Apresentação da declaração de bens e rendas. Lei 8.730/93. Lei 8.429/92. Instrução Normativa do TCU nº 65, de 20 de abril de 2011. Nota Técnica n 01/2011 Ementa: Apresentação da declaração de bens e rendas. Lei 8.730/93. Lei 8.429/92. Instrução Normativa do TCU nº 65, de 20 de abril de 2011. Obrigatoriedade. 1. No dia 03.05.2011 o

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECLAMAÇÃO 15.309 SÃO PAULO RELATORA RECLTE.(S) PROC.(A/S)(ES) RECLDO.(A/S) ADV.(A/S) INTDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. ROSA WEBER :MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO :PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO

Leia mais

TEORIAS RELACIONADAS À RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA

TEORIAS RELACIONADAS À RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA TEORIAS RELACIONADAS À RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA Bruno Rodrigo Aparecido de Oliveira 1 RESUMO Através deste artigo, iremos de maneira simples, porém cientifica, tratar das teorias que dão

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO AMBIENTAL

RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO AMBIENTAL RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO AMBIENTAL O ordenamento jurídico pátrio, em matéria ambiental, adota a teoria da responsabilidade civil objetiva, prevista tanto no art. 14, parágrafo 1º da Lei 6.938/81

Leia mais

ACÓRDÃO PODER JUDICIÁRIO

ACÓRDÃO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N I miii mil mil mil um um um mu mi nu *03276613* Vistos, relatados e discutidos

Leia mais

RESPONSABILIDADE DOS ATORES POLÍTICOS E PRIVADOS

RESPONSABILIDADE DOS ATORES POLÍTICOS E PRIVADOS SEGURANÇA DE BARRAGENS DE REJEITOS RESPONSABILIDADE DOS ATORES POLÍTICOS E PRIVADOS SIMEXMIN OURO PRETO 18.05.2016 SERGIO JACQUES DE MORAES ADVOGADO DAS PESSOAS DAS PESSOAS NATURAIS A vida é vivida por

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Teorias da conduta no Direito Penal Rodrigo Santos Emanuele * Teoria naturalista ou causal da ação Primeiramente, passamos a analisar a teoria da conduta denominada naturalista ou

Leia mais

www.apostilaeletronica.com.br

www.apostilaeletronica.com.br DIREITO PENAL PARTE GERAL I. Princípios Penais Constitucionais... 003 II. Aplicação da Lei Penal... 005 III. Teoria Geral do Crime... 020 IV. Concurso de Crime... 027 V. Teoria do Tipo... 034 VI. Ilicitude...

Leia mais

Brigada 1 Combate Voluntário a Incêndios Florestais CNPJ 05 840 482 0001/01

Brigada 1 Combate Voluntário a Incêndios Florestais CNPJ 05 840 482 0001/01 REGIMENTO INTERNO O presente Regimento Interno, dirigido aos associados da ONG Brigada 1, inscrita no CNPJ 05.840.482/0001-01 e previsto no Art. 4º do Capítulo II do Estatuto da Instituição, visa estabelecer

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 908.764 - MG (2006/0268169-1) RELATOR : MINISTRO HUMBERTO MARTINS RECORRENTE : MUNICÍPIO DE SANTA LUZIA ADVOGADO : JOSÉ RUBENS COSTA E OUTRO(S) RECORRIDO : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO

Leia mais

PARAMETROS DO ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL

PARAMETROS DO ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL 1 PARAMETROS DO ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL Prof.Dr.Luís Augusto Sanzo Brodt ( O autor é advogado criminalista, professor adjunto do departamento de Ciências Jurídicas da Fundação Universidade Federal

Leia mais

Pessoa Jurídica de Direito Privado como Sujeito de Direitos e Obrigações

Pessoa Jurídica de Direito Privado como Sujeito de Direitos e Obrigações 1 Pessoa Jurídica de Direito Privado como Sujeito de Direitos e Obrigações Maria Bernadete Miranda Mestre em Direito das Relações Sociais, sub-área Direito Empresarial, pela Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

PARECERES JURÍDICOS. Para ilustrar algumas questões já analisadas, citamos abaixo apenas as ementas de Pareceres encomendados:

PARECERES JURÍDICOS. Para ilustrar algumas questões já analisadas, citamos abaixo apenas as ementas de Pareceres encomendados: PARECERES JURÍDICOS Partindo das diversas obras escritas pelo Prof.Dr. AURY LOPES JR., passamos a oferecer um produto diferenciado para os colegas Advogados de todo o Brasil: a elaboração de Pareceres

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2011

PROJETO DE LEI Nº DE 2011 PROJETO DE LEI Nº DE 2011 Altera a Lei nº 8.137, de 27 de dezembro de 1990, a Lei 8.666, de 21 de junho de 1993 e a Lei nº 8.884, de 11 de junho de 1994. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º O art. 4º

Leia mais