O TRIBUNAL DE NUREMBERG: Da tipificação de crimes contra a humanidade a novos paradigmas no direito internacional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O TRIBUNAL DE NUREMBERG: Da tipificação de crimes contra a humanidade a novos paradigmas no direito internacional"

Transcrição

1 1 O TRIBUNAL DE NUREMBERG: Da tipificação de crimes contra a humanidade a novos paradigmas no direito internacional Alessandra Maria Martins de Freitas* Sumário: 1. Introdução; 2. O Estatuto do Tribunal de Nuremberg e a previsão do tipo crime contra a humanidade ; 3. Breve análise do conceito de crime contra a humanidade ; 4. Hiatos enfrentados pelo Tribunal de Nuremberg no julgamento de crimes contra a humanidade; 5. Os Novos Paradigmas do direito internacional e o Tribunal de Nuremberg; 6. Considerações Finais, Referências *Graduanda em Direito pela Universidade Federal de Minas Gerais.

2 1 *Graduanda em Direito pela Universidade Federal de Minas Gerais.

3 2 1. INTRODUÇÃO A Segunda Guerra Mundial, conflito ocorrido entre 1939 e 1945, é considerada um dos episódios mais trágicos da história da civilização contemporânea. Milhões de mortos, dentre civis e militares, foram o resultado dos embates entre as potências do Eixo, constituído por Alemanha, Itália e Japão, e os países Aliados, que tiveram como principais atores a França, a Grã-Bretanha, os Estados Unidos e a União Soviética. É possível considerar, a partir de uma análise histórica, que esse conflito teve suas bases estabelecidas por ocasião da Primeira Guerra Mundial, a qual aconteceu entre 1914 e Esta teve como fatores desencadeadores disputas territoriais e econômicas, calcadas na corrida imperialista entre as potências europeias. A relativa permanência de tais elementos, aliada às sofríveis condições impostas à derrotada Alemanha pelo Tratado de Versalhes (1918), as quais ensejaram a ascensão do nacional-socialismo nesse país, foram as circunstâncias determinantes para a eclosão da Segunda Grande Guerra Mundial.¹ Dessa forma, há inúmeras contingências que conectam os dois conflitos, destacando-se, aqui, a violação de tratados e garantias internacionais e de costumes de guerra, o que acabou por deflagrar guerras de agressão. Esse conceito relacionar-se-ia à noção de conflito justo, a qual, segundo Ana Luiza Almeida Ferro (2002) em análise de Grotius, teria como fundamento o fato de que [...] o Estado reuniria, em relação aos outros Estados, sujeitos passivos de uma possível repressão (quando necessária), as faculdades e atribuições próprias do indivíduo: poder de reagir contra as agressões injustas atingindo a sua pessoa (...). É nesse ponto que Grotius converte a guerra numa instituição jurídica, legítima, portanto, quando de caráter defensivo (...). É importante que se ressalte ainda que, para o autor, não só a causa da guerra devia ser justa, mas também a sua conduta. (FERRO, 2002, p. 25) JAPIASSÚ, Carlos Eduardo Adriano. O Direito Penal Internacional. 1. ed. Belo Horizonte: Del Rey, p. 69 (Coleção Para Entender).

4 3 Portanto, pode-se considerar que tanto a Primeira quanto a Segunda Guerra Mundiais contaram com flagrantes descumprimentos de princípios basilares do direito internacional, como o pacta sunt servanda e a vedação a guerras de agressão, ou seja, àqueles conflitos que não foram motivados pela legítima defesa. No entanto, um elemento determinante diferenciou os dois episódios, colocando o segundo em um patamar singular de hediondez: o massacre, promovido pela Alemanha nacionalsocialista, de forma deliberada e embasada na legislação interna, de um inteiro segmento da população civil, os judeus. Tal massacre, que teve suas bases lançadas com a aprovação, pelo governo nazista, das Leis de Nuremberg (1935)¹, que determinavam a restrição dos direitos civis da população judia, culminou com o deslocamento dos judeus para campos de concentração, onde eram submetidos a trabalhos forçados, a serem cobaias em pesquisas científicas e, sob a alcunha solução final, à morte por meios atrozes, como através de câmaras de gás. Essas medidas, assim, levaram à completa perda da cidadania da população judia que vivia sob o domínio do nacional-socialismo, o que implicou, de acordo com Hannah Arendt (1989), um grande perigo [...] que advém da existência de pessoas forçadas a viver fora do mundocomum. (...) Falta-lhes aquela tremenda equalização de diferenças que advém do fato de serem cidadãos de alguma comunidade, e no entanto, como já se não lhes permite participar do artifício humano, passam a pertencer à raça humana da mesma forma como animais pertencem a uma dada espécie de animais. O paradoxo da perda dos direitos humanos é que essa perda coincide com o instante em que a pessoa se torna um ser humano em geral sem uma profissão, sem uma cidadania, sem uma opinião, sem uma ação pela qual se identifique e se especifique e diferente em geral, representando nada além de sua individualidade absoluta e singular, que, privada da expressão e da ação sobre um mundo comum, perde todo o seu significado. (ARENDT, 1989, p ) Assim, esse perigo consistiu a circunstância singular que permeou a Segunda Guerra Mundial: o cometimento, pelo Estado alemão, de uma série de ações que transcendiam o conceito de crimes de guerra, disciplinados pela Convenção de Haia¹. Tais ações, inéditas em sua clareza, organização e em seu amparo na legislação e na ideologia nacionais, determinaram o extermínio, motivado por questões raciais, de uma inteira parcela populacional. Esta, portanto, não fora uma mera ¹ARENDT, Hannah. Eichmann em Jerusalém: um relato sobre a banalidade do mal. 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, Pp

5 4 vítima do conflito que se desenrolava, vez que, de forma odiosa, é comum que, a exemplo do ocorrido na Primeira Guerra Mundial, a população civil seja a principal atingida pelos ímpetos beligerantes de seu Estado. Na verdade, a violência cometida contra os judeus pelo Estado nazista foi além das contingências da guerra, atingindo-os em sua própria condição humana.¹ Com a capitulação das potências do Eixo e o fim do conflito, em 1945, as nações Aliadas empreenderam esforços para que os atos de barbaridade cometidos fossem devidamente julgados e punidos. Houve, porém, a especial preocupação, ainda que questionável, de que os julgamentos contassem, efetivamente, com motivações jurídicas, e não políticas, não constituindo uma justiça de vencedores.² Assim, em 08 de agosto de 1945, as quatro potências aliadas Grã-Bretanha, Estados Unidos, França e URSS firmaram o Acordo de Londres, pelo qual fora estatuído o Tribunal Militar Internacional, a ser sediado na cidade alemã de Nuremberg, cujo escopo seria o julgamento dos principais responsáveis pelos crimes cometidos no curso Segunda Guerra Mundial. Estavam, dentre os 22 réus, os principais orquestradores do regime nacional-socialista, ligados à burocracia estatal, às políticas de guerra e às políticas raciais. O caminho trilhado por juízes, promotores e advogados que atuaram nos julgamentos de Nuremberg foi árduo: além de, diante da massiva condenação prévia da opinião pública mundial frente às brutais ações levadas a cabo durante a guerra, buscarem se coadunar aos princípios jurídicos mais fundamentais - como a reserva legal e o direito à defesa - os juristas depararam-se com um tipo até então não previsto, de forma ostensiva, na legislação internacional: o crime contra a humanidade. Este, cuja noção chegou a ser citada em declaração feita pelo primeiro-ministro britânico Winston Churchill, em 1941, We are in the presence of a crime without a name, representou um especial desafio para a Corte. Como julgar, tipificar e dosar a pena de um crime que não estava previsto pela legislação internacional até outrora? Como harmonizar a percepção de que as ações ¹ HUHLE, Rainer. Hacia una comprensión de los crímenes contra la humanidad a partir de Nuremberg, Revista Estudios Socio-Juridicos, 13, (2), pp ² FERRO, Ana Luiza Almeida. O Tribunal de Nuremberg: dos precedentes à confirmação de seus princípios. 1. ed. Belo Horizonte: Mandamentos, p. 69 (Coleção Mandamentos Ciências Criminais).

6 5 cometidas contra a população judia foram claras violações à noção de humanidade e de civilização, com as garantias jurídicas fundamentais dadas aos acusados, às quais o Tribunal havia se filiado? E como os princípios advindos de tais considerações influenciaram o direito internacional? São essas sensíveis questões, as quais afloram do caráter inovador do Tribunal de Nuremberg no tocante aos crimes lesa-humanidade, que serão analisadas neste artigo.

7 5

8 6 2. O ESTATUTO DO TRIBUNAL DE NUREMBERG E A PREVISÃO DO TIPO CRIME CONTRA A HUMANIDADE O Estatuto do Tribunal Militar Internacional de Nuremberg previa a realização de um julgamento que [...] garantisse a determinação do direito internacional que requer que qualquer Estado ou grupo de Estados, ao exercerem jurisdição criminal sobre estrangeiros, não neguem justiça. (FERRO, 2002, p. 73). Para tanto, aos acusados foram indicados juristas que elaborassem sua defesa, os quais poderiam ser substituídos, caso fosse sua vontade, por outros de sua preferência. Nos termos do Estatuto, ainda, tinha-se que os juízos de culpabilidade que seriam realizados pela Corte orientar-se-iam pelo princípio da responsabilidade individual. Nesse ínterim, restou marcante para o próprio entendimento jurídico internacional a noção de que os entes estatais não eram os únicos sujeitos sobre os quais as normas internacionais recaíam; e, os indivíduos, outrossim, deveriam responder pelos crimes previstos por tais normas, vez que possuíam, tal qual os Estados, responsabilidade frente à ordem jurídica internacional. De acordo com o Estatuto do Tribunal Militar Internacional de Nuremberg, [...] Art. 7º: A situação oficial dos acusados, seja como Chefes de Estado, seja como altos funcionários, não será considerada, nem como escusa absolutória, nem como motivo para diminuição da pena. Art. 8º: O fato de que o acusado agiu de acordo com as instruções de seu Governo ou de um superior hierárquico não o eximirá de sua responsabilidade, mas poderá ser considerado como motivo para diminuição da pena, se o Tribunal decidir que a justiça o exige. (ESTATUTO, In: FERRO, 2002, p. 129) Assim, a vedação à consideração da obediência hierárquica como excludente da responsabilidade encerra o pressuposto, estatuído pela Corte, de que o indivíduo, assim como os Estados, deveria responder por sua conduta delituosa na esfera internacional. Tal responsabilidade embasou, no âmbito da lide, a consideração de que, tomando-se em conta o calibre dos crimes cometidos, havia uma possibilidade moral de escolha¹, sendo esta juridicamente determinante para a cominação dos delitos. Essa responsabilidade individual foi submetida a juízo no tocante a três crimes, estabelecidos pelo próprio Estatuto: crimes contra a paz, que se traduzem na noção de ¹ FERRO, Ana Luiza Almeida. O Tribunal de Nuremberg: dos precedentes à confirmação de seus princípios. 1. ed. Belo Horizonte: Mandamentos, p. 92.

9 7 guerras de agressão, ou seja, na deflagração de conflitos que não tenham como motivação a legítima defesa; crimes de guerra, que se relacionam à violação de costumes de guerra, já positivados à época; e crimes contra a humanidade, que representam, sucintamente, uma classe de atos que atentam contra a dignidade humana e os direitos humanos mais essenciais.¹ No tocante aos últimos, cabe trazer à baila sua definição, nos termos do Estatuto do Tribunal Militar Internacional: [...] Art. 6º: O Tribunal instaurado pelo Acordo mencionado no artigo primeiro acima, para julgamento e punição dos grandes criminosos de guerra dos países europeus do Eixo, terá competência para julgar e punir todas as pessoas que, agindo por conta dos países europeus do Eixo, cometeram, individualmente ou como membros de organizações, qualquer um dos seguintes crimes: (...) c) crimes contra a humanidade: isto é, o assassinato, exterminação, redução à escravidão, deportação e qualquer outro ato desumano cometido contra populações civis, antes e durante a guerra; ou então, perseguições por motivos políticos, raciais ou religiosos, quando esses atos ou perseguições, quer tenham ou não constituído uma violação do direito interno dos países onde foram perpetrados, tenham sido cometidos em consequência de qualquer crime que entre na competência do Tribunal ou em ligação com esse crime. (ESTATUTO, In: FERRO, 2002, pp ) Diante do exposto no texto do Estatuto, é possível depreender que o rol de condutas taxadas como crimes contra a humanidade seria julgado pela Corte, restritivamente, na medida em que se conectassem aos demais crimes de sua competência, a saber, os crimes contra a paz e os crimes de guerra empreendidos pelas nações do Eixo. Tal tipificação, embora conte com certas limitações, consistiu na primeira formulação conceitual sólida para os chamados crimes contra a humanidade, os crimes sem nome levados a cabo pelo regime nacional-socialista. ¹ HUHLE, Rainer. Hacia una comprensión de los crímenes contra la humanidad a partir de Nuremberg, Revista Estudios Socio-Juridicos, 13, (2), pp

10 8 3. BREVE ANÁLISE DO CONCEITO DE CRIME CONTRA A HUMANIDADE O Estatuto do Tribunal Militar Internacional enumerou, de forma taxativa, as condutas que seriam consideradas crimes contra a humanidade : assassinato, exterminação, redução à escravidão, deportação e outros atos desumanos cometidos contra populações civis, perseguições por motivos políticos, raciais ou religiosos. Independentemente da vinculação à guerra - a qual era, conforme o entendimento do Tribunal de Nuremberg, um pressuposto de tipicidade - qual seria o liame que conecta todas essas ações? Primeiramente, deve-se considerar que o elemento quantitativo, nesse ínterim, não é determinante: um crime, como o assassinato, se perpetrado contra uma quantidade significativa de indivíduos não constitui, unicamente em função deste último elemento, um crime contra a humanidade. De maneira semelhante, o fato de o sujeito ativo das condutas elencadas supra ser o Estado, ou indivíduos sob ordens advindas da burocracia estatal, não o tipifica automaticamente como crime lesa-humanidade, embora seja possível admitir que o aparato estatal possua um poder inquestionável de mobilizar os recursos materiais e humanos comumente utilizados para o cometimento de delitos dessa magnitude.¹ Dessa forma, tanto a quantidade de sujeitos passivos, quanto a qualidade estatal dos sujeitos ativos não determinam se uma conduta enquadra-se na tipificação de crime lesa-humanidade. Na verdade, para que se atinja um elemento comum que abarque tais delitos, deve-se questionar sobre o bem jurídico atingido por essas condutas, o que implica, necessariamente, a definição de um núcleo valorativo que fundamente o juízo de injusto² atribuído aos crimes contra a humanidade. Tal núcleo parece, segundo François de Menthon, procurador-chefe da França nos julgamentos de Nuremberg, relacionar-se à noção de condição humana. Esta, sob a ótica jurídica, encerraria um conjunto de prerrogativas arrogadas a todos os indivíduos, e que constituiria o verdadeiro sentido de suas vidas o direito à cidadania, à vida ¹HUHLE, Rainer. Hacia una comprensión de los crímenes contra la humanidad a partir de Nuremberg, Revista Estudios Socio-Juridicos, 13, (2), pp ²MACLEOD, Christopher. Towards a Philosophical Account of Crimes Against Humanity, European Journal of International Law, Vol. 21 No. 2, pp p. 293

11 8 familiar, ao trabalho, à prática religiosa, à manifestação política. Para Menthon, assim, os crimes contra a humanidade teriam natureza pública e privada¹, que lesariam a pessoa humana em sua condição de sujeito de certos direitos inalienáveis. De acordo com Macleod (2010) é possível considerar, ainda, que os crimes contra a humanidade são aqueles que violam a noção de grand-être, ou seja, de um espírito coletivo. Tal conceito, cuja formulação primordial é atribuída a Auguste Comte, é calcado no entendimento de que todo grupo social possui um conjunto de valores que, embora não sejam, necessariamente, partilhados pela unanimidade de seus membros, são consensualmente aceitos como identificadores desse grupo². Nesse âmbito, aquelas condutas que violassem o grand-être, ou seja, os valores inerentes à consciência coletiva, romperiam o próprio elo que as liga à identidade de humanidade daí seu caráter desumano. Tais violações consistiriam, assim, crimes lesa-humanidade. À luz de tais considerações, pode-se depreender que o denominador comum às condutas tipificadas como crimes dessa natureza é seu flagrante atentado à noção de humanidade, aqui considerada como espaço de convívio histórico entre os múltiplos sujeitos, o qual determina a aglutinação de um gama de faculdades e prerrogativas que, por identificar este espaço, é considerado inafastável. Dessa forma, os crimes lesahumanidade, cuja análise aqui se dá sob o enfoque dos atos cometidos contra a população judia pelo governo nacional-socialista, agrediriam, assim, um status humano. Dessa forma, o ataque a esse status encerraria, segundo Hannah Arendt (1999), o juízo de lesividade e de atrocidade imediatamente suscitado por tais condutas. Segundo a autora, [...] Nem o crime nacional de discriminação legalizada, que resultava em perseguição pela lei, nem o crime internacional de expulsão eram sem precedentes, até mesmo na Idade Moderna. (...) Foi quando o regime nazista declarou que o povo alemão não só não estava disposto a ter judeus na Alemanha, mas desejava fazer todo o povo judeu desaparecer da face da Terra, que passou a existir o novo crime, o crime contra a humanidade no sentido de crime contra o status humano, ou contra a própria natureza da humanidade. A expulsão e o genocídio, embora sejam ambos crimes internacionais, devem ser distinguidos; o primeiro é crime contra as nações irmãs, enquanto o último é um ataque à diversidade humana enquanto tal, ¹HUHLE, Rainer. Hacia una comprensión de los crímenes contra la humanidad a partir de Nuremberg, Revista Estudios Socio-Juridicos, 13, (2), pp ²MACLEOD, Christopher. Towards a Philosophical Account of Crimes Against Humanity, European Journal of International Law, Vol. 21 No. 2, pp p. 293

12 8 isto é, a uma característica do status humano sem a qual a simples palavra humanidade perde o sentido. (ARENDT, 1999, p. 291) ¹HUHLE, Rainer. Hacia una comprensión de los crímenes contra la humanidad a partir de Nuremberg, Revista Estudios Socio-Juridicos, 13, (2), pp ²MACLEOD, Christopher. Towards a Philosophical Account of Crimes Against Humanity, European Journal of International Law, Vol. 21 No. 2, pp p. 293

13 10 4. HIATOS ENFRENTADOS PELO TRIBUNAL DE NUREMBERG NO JULGAMENTO DE CRIMES CONTRA A HUMANIDADE Inúmeras dificuldades resvalaram o Tribunal de Nuremberg no tocante ao julgamento dos crimes contra a humanidade. Dentre estas, talvez a mais contundente resida no próprio ineditismo da tipificação desses delitos: resta claro, em uma primeira análise, que os réus foram condenados por condutas que não eram previstas como típicas quando praticadas, o que atentaria, por óbvio, contra um dos princípios mais radicais do direito ocidental, o da reserva legal. Este, encerrado no epíteto nullum crimen nulla poena sine lege, veda a condenação por atos que não eram considerados criminosos, por força de lei, à época em que foram cometidos. O princípio da reserva legal possui, assim, contornos mais claramente definidos nos sistemas jurídicos romano-germânicos, em que há preponderância da legislação escrita¹, servindo, nesse ínterim, à exclusão de toda arbitrariedade e excesso do poder punitivo². Em relação a tal princípio, no âmbito dos crimes julgados pela Corte de Nuremberg, afirma Yrigoyen (1955) que [...] Los Aliados, al enjuiciar a los grandes criminales de guerra, declararon que lo hacían en virtud del derecho internacional en vigor y que el Estatuto del Tribunal que fué la ley del processo expresaba ese derecho. Esta aseveración implica el hecho de que buscaron la imposición de la Justicia a través del derecho. (...) El Estatuto aplicado por el Tribunal de Nuremberg fué una ley ex post facto, y la imposición de las sanciones penales vulneraba los principios básicos del derecho que son la irretroatividad de las leyes y aquel que deriva de la máxima nullum crimen, nulla poena sine lege. (YRIGOYEN: 1955, p. 289) Sob perspectiva diversa, afirma Ferro (2002) que o princípio da reserva legal possui uma raiz profundamente política, consistindo no mecanismo de coibição do arbítrio no ínterim da atividade jurisdicional, tendo surgido e se desenvolvido, sobretudo, naquelas sociedades em que a desigualdade material imperava. Assim, esse princípio emanaria, tipicamente, de sistemas jurídicos mais desenvolvidos e complexos, em que prevalece a ¹ FERRO, Ana Luiza Almeida. O Tribunal de Nuremberg: dos precedentes à confirmação de seus princípios. 1. ed. Belo Horizonte: Mandamentos, pp ² BITENCOURT, Cezar Roberto. Tratado de Direito Penal, Parte Geral, ed. São Paulo: Saraiva, p. 40.

14 11 legislação escrita: seria desta que, naturalmente, adviria a noção de segurança jurídica dada pela anterioridade da lei. Em virtude disso, aduz a autora que o Direito Penal Internacional especialmente aquele vigente à época dos julgamentos de Nuremberg seria predominantemente consuetudinário, ou seja, orientado por normas originadas do costume internacional. Isso impediria, portanto, a aplicação do princípio da reserva legal, tal qual é concebido nos sistemas jurídicos romano-germânicos, no contexto do julgamento de crimes internacionais.¹ No mesmo sentido, Hannah Arendt (1999) chega a estabelecer que os julgamentos de Nuremberg violaram o princípio da reserva legal de maneira formal, e não material. Isso se fundamentaria na consideração de que a legislação utilizada no âmbito da lide possuía caráter distinto daquela presente em códigos criminais comuns, sendo que [...] a razão dessa diferença está na natureza dos crimes com que lida. Sua retroatividade, pode-se acrescentar, viola apenas formalmente, não substancialmente, o princípio de nullum crimen, nulla poena sine lege, uma vez que este se aplica significativamente apenas a atos conhecidos pelo legislador; se um crime antes desconhecido, como o genocídio, repentinamente aparece, a própria justiça exige julgamento segundo uma nova lei; no caso de Nuremberg, essa nova lei foi a Carta (o Acordo de Londres de 1945). (ARENDT, 2002, pp ) Não obstante, cumpre ressaltar que, independentemente de tais considerações, é facilmente deduzível a natureza ex post facto do Estatuto do qual se valeu o Tribunal de Nuremberg para o julgamento dos crimes contra a humanidade. Atentos a tal fato, os juristas ligados ao litígio buscaram desenvolver sua argumentação de forma a evitar que se recaísse, imediatamente, no juízo de que houvera violação do princípio da reserva legal.² Para tanto, os promotores e juízes da Corte de Nuremberg embasaram-se em uma interpretação restritiva do artigo 6º, alínea c, do Estatuto do Tribunal, que previa o tipo crime contra a humanidade. Dessa forma, foi considerado que todas as condutas previstas no referido dispositivo deveriam, ainda que não adviessem diretamente do conflito, estar em conexão com os atos preparatórios da guerra.³ ¹ FERRO, Ana Luiza Almeida. O Tribunal de Nuremberg: dos precedentes à confirmação de seus princípios. 1. ed. Belo Horizonte: Mandamentos, pp ²HUHLE, Rainer. De Nuremberg a la Haya: Los crímenes de derechos humanos ante la justicia. Problemas, avances y perspectivas a los 60 años del Tribunal Militar Internacional de Nuremberg, Análisis Político nº 55, Bogotá, septiembre-diciembre, p. 23. ³ HUHLE, Rainer. Hacia una comprensión de los crímenes contra la humanidad a partir de Nuremberg, Revista Estudios Socio-Juridicos, 13, (2), pp

15 12 É possível afirmar, portanto, que o caráter inovador do Estatuto do Tribunal Militar Internacional foi, em parte, esvanecido pela tipificação dos crimes contra a humanidade apenas na medida em que estes guardassem alguma relação com os crimes contra a paz e os crimes de guerra, ou seja, com os demais delitos de competência jurisdicional do tribunal.¹ Tal posicionamento foi, em parte, influenciado pelas [...] diferentes interpretações de tratados e princípios internacionais vigentes (HUHLE, 2011, p. 57), o que criaria entraves para o julgamento dos réus. Isso se evidencia pela grande diferença contida na tônica de dois dos elementos observados no Tribunal. O primeiro é o discurso de abertura do julgamento, feito pelo promotor-chefe dos Estados Unidos, Robert Jackson, em que o mesmo destaca que o ajuizamento de crimes contra os partidários do nacional-socialismo teria como fundamento jurídico princípios básicos de direito penal das nações civilizadas, inserindo-se os crimes contra a humanidade, aqui, como delitos que feririam o limite do tolerável pela civilização, sendo independentes das circunstâncias de guerra¹. Já o segundo é a interpretação que a Corte, efetivamente, deu ao Estatuto, ao considerar a conexão à guerra o pressuposto de tipicidade dos atos elencados como crimes contra a humanidade. Tal posição da Corte, que pode ser considerada, até certo ponto, paradoxal, é evidenciada por Arendt (1999), que considera que os crimes contra a humanidade foram os responsáveis por levarem os juízes de Nuremberg a assumirem uma postura ambígua: apesar de se silenciarem sobre tais crimes, tomados de forma autônoma, nas sentenças, restou claro que eles tiveram grande peso sobre a dosimetria das penas aplicadas. Isso se evidenciou pelo fato de que, dos dezesseis réus condenados por crimes contra a humanidade, a doze fora cominada a pena capital.² Dentre estes, incluiuse Julius Streicher, que, apesar de ter sido um dos maiores responsáveis pela propaganda da ideologia anti-semita na Alemanha, não teve participação alguma no conflito armado. Não obstante, ele foi condenado à pena de morte sob a acusação de crime contra a humanidade ainda que, na última frase de sua sentença, fosse feita a ressalva de que a propaganda anti-semita por ele empreendida tenha sido considerada, ali, uma preparação para a guerra, sendo assim, a esta relacionada.³ Infere-se, daí, um ¹ HUHLE, Rainer. Hacia una comprensión de los crímenes contra la humanidad a partir de Nuremberg, Revista Estudios Socio-Juridicos, 13, (2), pp ²Listagem dos réus In: FERRO, Ana Luiza Almeida. O Tribunal de Nuremberg: dos precedentes à confirmação de seus princípios. 1. ed. Belo Horizonte: Mandamentos, pp ³ HUHLE, Rainer. De Nuremberg a la Haya: Los crímenes de derechos humanos ante la justicia. Problemas, avances y perspectivas a los 60 años del Tribunal Militar Internacional de Nuremberg, Análisis Político nº 55, Bogotá, septiembre-diciembre, pp.24

16 13 já significativo juízo valorativo da lesividade do crime contra a humanidade como conduta típica autônoma. Tal juízo de lesividade estaria implicado, assim, na própria observância do princípio da justiça. A consideração deste no âmbito do julgamento, segundo Yrigoyen (1955) estaria substanciado no fato de que [...] Hubiera sido paradójico, declararon muchos autores, que los vacíos del derecho hubiesen impedido el ejercicio de una Justicia imperiosamente reclamada por todo el mundo. (...) Pero, si [los delitos] constituían crímenes desde el punto de vista de la moral, tampoco podían quedar sin sanción por el solo hecho de que la legislación internacional careciera de medidas repressivas previamente establecidas. No había motivo para renunciar a una acusación criminal contra las personas moralmente responsables de provocar la segunda conflagración mundial, afirmaba Hans Kelsen. Em efecto, hubiera constituído uma verdadera aberración moral y una omisión desprovista del más elemental sentido de Justicia. Los culpables de haber cometido (...) atropelos y vejámenes sin paralelo en la Historia contra la dignidade y la integridad física y moral del ser humano, no podían quedar impunes. He aquí el verdadero drama de Nuremberg. (YRIGOYEN, 1955, pp ) Diante do exposto, é possível considerar que os hiatos enfrentados pelo Tribunal Militar de Nuremberg tiveram seu cerne, justamente, em seu caráter vanguardista: ali emergiram novas noções jurídicas no âmbito internacional, as quais, por ainda serem, à época, incipientes, tiveram sua aplicação relativamente limitada. Tais noções, porém, foram determinantes não apenas no ínterim do julgamento, como também para o estabelecimento de novos paradigmas na ordem jurídica internacional.

17 14 5. OS NOVOS PARADIGMAS DO DIREITO INTERNACIONAL E O TRIBUNAL DE NUREMBERG A ordem jurídica internacional sofreu profundas transformações ao longo do século XX. A noção clássica de direito internacional tomava como atores desse ordenamento apenas os Estados, organizados em uma sociedade internacional. Tal sociedade seria marcada pela ausência de hierarquia entre os entes, de forma que as regras jurídicas fossem concertadas, tipicamente, apenas sob a forma de acordos bilaterais, sendo o reflexo da consideração do princípio da soberania estatal e de seu consentimento como absolutos. Mostrava-se evidente, assim, a supremacia da natureza política, e a diminuta relevância da natureza jurídica, no contexto das relações internacionais. No entanto, uma série de alterações permeou o modelo típico de sociedade internacional. A conflagração de duas guerras mundiais demonstrou a falência do modelo do equilíbrio¹ entre soberanias, característico da configuração clássica do direito internacional, para a manutenção da paz e da civilidade. Isso propiciou o paulatino desenvolvimento da noção de que haveria, relativamente a diversos Estados, um conjunto de interesses comuns, os quais passaram a serem objetos de tratados multilaterais. Estes, devido à relevância de certos interesses tutelados, desenvolveram-se no sentido de originarem a constituição de organizações internacionais, instituições capazes de proteger esses objetivos de forma direta e específica. Dessa forma, as organizações internacionais passaram a contar com um poder legislador delegado - em relação ao interesse por elas protegido e nos termos de seus tratados constitutivos - sobre os Estados que lhes aderiram. Assim, as normas de direito internacional oriundas das organizações internacionais contariam com o consentimento indireto dos entes estatais.² Tal alteração do papel do consentimento implicou um redimensionamento da própria noção absoluta de soberania, de forma que houvesse uma nova formulação da estrutura das relações jurídicas internacionais. A estas foram incorporados novos atores³, as organizações internacionais e os indivíduos, além de se ¹ DINH, Nguyen Q.; DAILLIER, Patrick; PELLET, Alain. Direito Internacional Público. 2 ed. Lisboa: Calouste Gulbenkian, p ² BRANT, Leonardo Nemer Caldeira; ELÓI, Pilar de Souza de Paula Coutinho. A natureza normativa da ordem jurídica internacional. Revista da Faculdade Mineira de Direito, v.12, n. 24, jul./dez Pp. 3-5 ³ DINH, Nguyen Q.; DAILLIER, Patrick; PELLET, Alain. Direito Internacional Público. 2 ed. Lisboa: Calouste Gulbenkian, p

18 15 constituir, gradualmente, a consideração de que haveria uma hierarquia no âmbito internacional. Tal hierarquia seria determinada, assim, pelo próprio consentimento indireto, vez que os Estados estariam juridicamente obrigados às normas produzidas, de forma delegada, pelas organizações internacionais às quais se filiaram. Esse novo cenário, que implica relações jurídicas entre Estados, organizações internacionais e, em certa medida, indivíduos, originaria uma nova estrutura, a comunidade internacional. Nesse ínterim, seria [...] da tensão entre estas aspirações confusas à comunidade internacional e a tendência dos Estados para afirmarem a sua soberania, que nasce o direito internacional cujo objeto é, precisamente, o de organizar a necessária interdependência, embora preservando a sua independência. (DINH; DAILLIER; PELLET, 2003, p. 41) Dessa maneira, é possível afirmar que o processo que engendrou a noção de comunidade internacional do concerto de acordos multilaterais ao estabelecimento de organizações internacionais teve como cerne a identificação de interesses comuns entre os diversos Estados. Alguns desses interesses tomaram uma dimensão extremamente relevante, sendo partilhados por um número muito grande de Estados. Eles representavam, assim, um conjunto de valores normativos de tal preponderância, que seriam inderrogáveis. Tais valores seriam as normas jus cogens. Segundo Shaw (2008), as normas de jus cogens não seriam normas em si, mas princípios superiores depreendidos de normas jurídicas internacionais existentes.¹ Tais princípios, oriundos do costume ou de tratados, seriam paulatinamente aceitos pela comunidade internacional como essenciais à ordem jurídica, fato do qual emanariam seu caráter inderrogável e sua hierarquia mais elevada, do ponto de vista material.² Shaw afirma, ainda, que claras manifestações de tais normas cogentes seriam a ilicitude do uso da força, do genocídio, do tráfico de escravos, da pirataria, dentre outros. É possível afirmar, assim, que tais normas dizem respeito, em grande medida, à manutenção da paz e, sobretudo, à proteção da dignidade da pessoa humana. No tocante a esta última, tem-se que normas que possuem, como escopo, a proteção à dignidade da pessoa humana, concernem ao núcleo mais fundamental de ¹ SHAW, Malcolm N. International Law.. 6 ed. New York: Cambridge University, p. 126 ² BIANCHI, Andrea. Human Rights and the magic of Jus Cogens. The European Journal of International Law, Vol. 19, No. 3, 2008.

19 16 direitos humanos. Estes teriam, dessa forma, uma identificação quase direta com as normas de jus cogens: [...] Certainly, the identification of the content of the normative category of jus cogens has never been an easy process. However, human rights rules have been almost invariably designated as part of it. This has occurred either by way of a general reference to the bulk of contemporary human rights prescriptions without any further qualification ( ). In fact, to think of both human rights and jus cogens at the same time is an almost natural intellectual reflex. It is as if human rights were a quintessential part of jus cogens. The introduction of ethical and moral concerns into the international legal system takes place for the first time in an overt manner. ( ) The inner moral aspiration of the law thus materialized in international law with the advent of jus cogens. (BIANCHI, 2008, p. 495) Nesse ínterim, é possível estabelecer como a matriz contemporânea do núcleo mais essencial de direitos humanos a Declaração Universal dos Direitos do Homem (1948), a qual consiste, assim, no cerne da atividade normativa da Organização das Nações Unidas. Tal Organização, erigida sobre as alterações paradigmáticas que resvalaram sobre o direito internacional após a Segunda Guerra Mundial, teve como foco, em sua origem, o respeito universal e efetivo dos direitos do homem e das liberdades fundamentais para todos, sem distinção de sua raça, sexo, língua ou religião.¹ Assim, a Declaração Universal dos Direitos do Homem serve a tal objetivo, no sentido de que [...] consagra os direitos civis e políticos tradicionais e os direitos econômicos e sociais, e constitui uma síntese entre a concepção liberal ocidental e a concepção socialista (...). No que diz respeito ao seu valor jurídico, a Declaração Universal não é, apesar da sua importância histórica e política excepcional, diferente das outras resoluções declarativas de princípios adotados pela Assembleia Geral. (...) Por outro lado, os princípios que proclamam podem ter e têm, em sua maior parte, valor de direito costumeiro, mesmo de normas imperativas. (DINH; DAILLIER; PELLET, 2003, p ) A Declaração Universal, portanto, não era, primariamente, um instrumento normativo vinculante, vez que se tratava de uma recomendação da ONU aos seus Estados signatários. No entanto, as normas nela contidas foram recepcionadas pela ¹ DINH, Nguyen Q.; DAILLIER, Patrick; PELLET, Alain. Direito Internacional Público. 2 ed. Lisboa: Calouste Gulbenkian, pp

20 17 comunidade internacional como tão salutares não apenas à manutenção da paz, mas à própria proteção dos direitos fundamentais individuais que se estruturou um opinio iuris, ou seja, uma convicção de que sua prática geral e efetiva seria obrigatória, vinculante, porque o direito o exige. Fez-se necessário, de outro lado, estabelecer o caráter obrigatório da Declaração através de outros textos normativos.¹ Tal processo implicou que as normas contidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos fossem tomadas pela comunidade internacional, não obstante seu caráter primário não-vinculante, como normas jus cogens, sendo, portanto, não apenas obrigatórias, como gozando, também, de um status hierárquico superior, sob a ótica material, em relação a outras normas. Esse caráter jus cogens demandou, por parte da comunidade internacional, esforços no sentido de garantir e institucionalizar os interesses protegidos pela Declaração. Tais interesses, como explicitado supra, possuem íntima relação com a proteção dos direitos da pessoa humana. Esses direitos denotam, dessa forma, que o indivíduo tome parte de relações jurídicas no âmbito internacional, o que se dá sob duas perspectivas. A primeira diz respeito ao indivíduo como detentor de certos direitos aqui, aqueles concernentes à própria noção de dignidade humana que, se violados, constituem ilícitos internacionais, o que pode ensejar a provocação das instâncias jurisdicionais internacionais competentes. A segunda relaciona-se à consideração de que o indivíduo possui deveres, ou seja, responsabilidade internacional, sobretudo no âmbito penal, e que certas condutas delituosas, em especial aquelas ligadas aos crimes contra a humanidade, engendram seu julgamento e penalização tendo como base o direito internacional.² Essa nova consideração do indivíduo na esfera internacional influenciou, em função do caráter jus cogens da Declaração Universal dos Direitos Humanos, todo o desenvolvimento posterior do direito internacional, estruturado, a partir de então, sobre bases distintas daquelas típicas do modelo clássico de sociedade internacional. A consideração do indivíduo como sujeito do direito internacional, assim, guarda relação com a própria configuração de comunidade internacional. ¹ DINH, Nguyen Q.; DAILLIER, Patrick; PELLET, Alain. Direito Internacional Público. 2 ed. Lisboa: Calouste Gulbenkian, p e p ² SHAW, Malcolm N. International Law.. 6 ed. New York: Cambridge University, pp

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS BR/1998/PI/H/4 REV. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Brasília 1998 Representação

Leia mais

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com Reflexões sobre Empresas e Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com PRINCÍPIOS ORIENTADORES SOBRE EMPRESAS E DIREITOS HUMANOS (ONU, 2011): 1. PROTEGER 2. RESPEITAR 3. REPARAR Em junho de 2011, o

Leia mais

www. Lifeworld.com.br

www. Lifeworld.com.br 1 Artigos da Constituição Mundial A Constituição Mundial é composta de 61º Artigos, sendo do 1º ao 30º Artigo dos Direitos Humanos de 1948, e do 31º ao 61º Artigos estabelecidos em 2015. Dos 30 Artigos

Leia mais

Filosofia dos Direitos Humanos. Introdução ao pensamento de Hannah Arendt sobre direitos humanos.

Filosofia dos Direitos Humanos. Introdução ao pensamento de Hannah Arendt sobre direitos humanos. Filosofia dos Direitos Humanos. Introdução ao pensamento de Hannah Arendt sobre direitos humanos. Rafael Augusto De Conti 1. SUMÁRIO: 1. Introdução; 2. Minorias Grau Avançado de desproteção jurídica; 3.

Leia mais

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado,

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado, Declaração sobre o Direito e o Dever dos Indivíduos, Grupos e Instituições de Promover e Proteger os Direitos Humanos e as Liberdades Fundamentais Universalmente Reconhecidos 1 A Assembléia Geral, Reafirmando

Leia mais

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, A Declaração Universal dos Direitos Humanos é um dos documentos básicos das Nações Unidas e foi assinada em 1948. Nela, são enumerados os direitos que todos os seres humanos possuem. Preâmbulo Considerando

Leia mais

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ (Conjur, 10/12/2014) Alexandre de Moraes Na luta pela concretização da plena eficácia universal dos direitos humanos o Brasil, mais

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014 Disciplina: Direito Internacional Departamento IV Direito do Estado Docente Responsável: Fernando Fernandes da Silva Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual

Leia mais

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial Décima Oitava Sessão Agenda item 43 Resoluções aprovadas pela Assembléia Geral 1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial A Assembléia Geral,

Leia mais

DIREITO PENAL MILITAR

DIREITO PENAL MILITAR DIREITO PENAL MILITAR Objetivos: Definir direito penal e direito penal militar; Distinguir direito penal militar das demais denominações do direito e dos demais direitos e ciências afins; Distinguir lei

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: Noção, fundamento e desenvolvimento histórico do Direito Internacional Público

Resumo Aula-tema 01: Noção, fundamento e desenvolvimento histórico do Direito Internacional Público Resumo Aula-tema 01: Noção, fundamento e desenvolvimento histórico do Direito Internacional Público 1. Evolução histórica A evolução histórica do direito internacional é, geralmente, divida pela doutrina

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros

Leia mais

1. Sobre a teoria geral do direito internacional, é correto afirmar que:

1. Sobre a teoria geral do direito internacional, é correto afirmar que: P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO INTERNACIONAL 1. Sobre a teoria geral do direito internacional, é correto afirmar que: A) O Direito Internacional Público tem como um de seus pilares

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM com a Independência dos E.U.A. e a Revolução Francesa, a Declaração Universal dos Direitos do Homem é um documento extraordinário que precisa ser mais conhecido

Leia mais

O Tribunal Penal Internacional. Luciana Boiteux Prof. Adjunta de Direito Penal FND/UFRJ

O Tribunal Penal Internacional. Luciana Boiteux Prof. Adjunta de Direito Penal FND/UFRJ O Tribunal Penal Internacional Luciana Boiteux Prof. Adjunta de Direito Penal FND/UFRJ Conceitos Básicos É o primeiro tribunal penal internacional permanente Os tribunais internacionais criados até então

Leia mais

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino ED/2003/CONV/H/1 Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino Adotada a 14 de dezembro de 1960, pela Conferência Geral da UNESCO, em sua 11ª sessão, reunida em Paris de 14 de novembro

Leia mais

Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos

Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos No dia 10 de dezembro de 1948, a Assembléia Geral das Nações Unidas adotou

Leia mais

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

PARECER DO CRESS/SP SOBRE A RESOLUÇÃO SAP 88, de 28/04/2010.

PARECER DO CRESS/SP SOBRE A RESOLUÇÃO SAP 88, de 28/04/2010. 1/7 CONSIDERANDO a Lei de Execução Penal 7.210/1984, a partir da redação em vigor dada pela Lei 10.792/2003, especificamente no que diz respeito ao Exame Criminológico; CONSIDERANDO a Súmula Vinculante

Leia mais

3. Características do Direito Internacional Público

3. Características do Direito Internacional Público 18 Paulo Henrique Gonçalves Portela regular as relações entre os Estados soberanos e delimitar suas competências nas relações internacionais; regular as relações internacionais naquilo que envolvam não

Leia mais

Declaração Universal dos. Direitos Humanos

Declaração Universal dos. Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Ilustrações gentilmente cedidas pelo Fórum Nacional de Educação em Direitos Humanos Apresentação Esta é mais uma publicação da Declaração Universal dos Direitos

Leia mais

A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS

A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS Os Direitos Humanos surgiram na Revolução Francesa? Olympe de Gouges (1748-1793) foi uma revolucionária e escritora francesa. Abraçou com destemor

Leia mais

RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS.

RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS. RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS. 1. RELAÇÃO COM O DIREITO ADMINISTRATIVO: Classificado no Direito Público Interno, de quem é um de seus ramos, o Direito Administrativo,

Leia mais

Psicologia Clínica ISSN: 0103-5665 psirevista@puc-rio.br. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Brasil

Psicologia Clínica ISSN: 0103-5665 psirevista@puc-rio.br. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Brasil Psicologia Clínica ISSN: 0103-5665 psirevista@puc-rio.br Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Brasil Declaração Universal dos Direitos Humanos adotada e proclamada pela resolução 217 A (III)

Leia mais

CONVENÇÃO PARA A PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO CRIME DE GENOCÍDIO *

CONVENÇÃO PARA A PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO CRIME DE GENOCÍDIO * CONVENÇÃO PARA A PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO CRIME DE GENOCÍDIO * Aprovada e proposta para assinatura e ratificação ou adesão pela resolução 260 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas, de 9 de Dezembro

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Regente: Professora Doutora Maria Luísa Duarte Colaboradores: Professora Doutora Ana Gouveia Martins; Mestre Ana Soares Pinto;

Leia mais

Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948

Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 PARTE A Módulo I Acordos/Convenções Internacionais 1. Declaração Universal dos Direitos Humanos Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Concurso Delegado de Polícia Federal 2012 Prof. Leopoldo Canal Leopoldo Canal, advogado, assessor e procurador do consulado da República da Guiné no Rio de Janeiro, diretor

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Instituições do Direito Público e Privado

Instituições do Direito Público e Privado Instituições do Direito Público e Privado Professora conteudista: Cristiane Nagai Sumário Instituições do Direito Público e Privado Unidade I 1 INTRODUÇÃO AO DIREITO...1 1.1 Conceitos gerais de direito...2

Leia mais

Os 10 Princípios Universais do Pacto Global

Os 10 Princípios Universais do Pacto Global Os 10 Princípios Universais do Pacto Global O Pacto Global advoga dez Princípios universais, derivados da Declaração Universal de Direitos Humanos, da Declaração da Organização Internacional do Trabalho

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Declaração Universal dos Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento

Leia mais

Princípios norteadores

Princípios norteadores Princípios norteadores A Associação pela Reforma Prisional, Conectas Direitos Humanos, Instituto dos Defensores de Direitos Humanos, Instituto Sou da Paz, Instituto Terra, Trabalho e Cidadania, Instituto

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos do Homem

Declaração Universal dos Direitos do Homem Declaração Universal dos Direitos do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento

Leia mais

Prisma Jurídico ISSN: 1677-4760 prismajuridico@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil

Prisma Jurídico ISSN: 1677-4760 prismajuridico@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil Prisma Jurídico ISSN: 1677-4760 prismajuridico@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil Fernandes, Pádua Reseña de "Da proclamação à garantia efectiva dos direitos fundamentais: em busca de um due

Leia mais

PARECER. Por intermédio da indicação 129/2011, o Consócio Marcos Silas solicita

PARECER. Por intermédio da indicação 129/2011, o Consócio Marcos Silas solicita PARECER Bombeiros militares. Porte de Arma de Fogo. ínclusão dos- corpos de bombeiros militares como órgãos de segurança pública não garante direito ao porte de arma. Direito atribuído por tel, A CONSULTA

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO

DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO Direito Internacional Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 39 DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO Introdução A dinâmica das relações de caráter econômico ou não no contexto mundial determinou a criação de

Leia mais

DIREITOS HUMANOS. Concepções, classificações e características A teoria das gerações de DDHH Fundamento dos DDHH e a dignidade Humana

DIREITOS HUMANOS. Concepções, classificações e características A teoria das gerações de DDHH Fundamento dos DDHH e a dignidade Humana DIREITOS HUMANOS Noções Gerais Evolução Histórica i Concepções, classificações e características A teoria das gerações de DDHH Fundamento dos DDHH e a dignidade Humana Positivismo e Jusnaturalismo Universalismo

Leia mais

Asilo político! Territorial! Diplomático! Militar!

Asilo político! Territorial! Diplomático! Militar! Asilo lato sensu (perseguição que impede continuar onde reside)! Asilo político! Refúgio! Territorial! Diplomático! Militar! Asilo em sentido amplo! Do sentido antigo e medieval: defesa de criminosos comuns,

Leia mais

Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid

Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid INTRODUÇÃO A Convenção Apartheid foi aprovado pela Assembléia Geral da ONU em 1973, mas com um grande número de abstenções por

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Por Carlos ley Noção e Significados A expressão direitos humanos é uma forma abreviada de mencionar os direitos fundamentais da pessoa humana. Sem esses direitos a pessoa não

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO CURSO

PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIREITO PENAL - PDF Duração: 09 semanas 01 aula por semana. Início: 04 de agosto Término: 06 de outubro Professor: JULIO MARQUETI PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIA 04/08 - Aula 01 Aplicação da Lei Penal no tempo.

Leia mais

PROCESSO PENAL I 2ª - Par a t r e Pro r f o e f ss s o s r o : r :Ru R b u ens s Co C r o r r e r ia a Jun u ior

PROCESSO PENAL I 2ª - Par a t r e Pro r f o e f ss s o s r o : r :Ru R b u ens s Co C r o r r e r ia a Jun u ior PROCESSO PENAL I 2ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 I HISTÓRIA 2 PROCESSO E PROCEDIMENTO Procedimento: é o conteúdo do processo; Processo: atividade jurisdicional; SUJEITOS PRINCIPAIS E SECUNDÁRIOS

Leia mais

Perguntas e Respostas

Perguntas e Respostas DECLARAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE OS DIREITOS DOS POVOS INDÍGENAS Perguntas e Respostas I - Introdução O Secretário-Geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, comemora a adoção da Declaração dos Direitos dos

Leia mais

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Nuremberg Conseqüências - Direitos Humanos - Bárbaros INTRODUÇÃO

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Nuremberg Conseqüências - Direitos Humanos - Bárbaros INTRODUÇÃO A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA PARA O DIREITO Renata Cristina Bisam, aluna do 8º. Semestre noturno do Curso de Direito do CEUNSP de Salto/ SP. RESUMO O presente trabalho visa analisar o direito durante a história,

Leia mais

2. O diploma legal hierarquicamente superior da ordem jurídica dos Estados Democráticos de Direito da atualidade denomina-se: Escolher uma resposta.

2. O diploma legal hierarquicamente superior da ordem jurídica dos Estados Democráticos de Direito da atualidade denomina-se: Escolher uma resposta. Direitos Humanos de 1 a 4 Aula Tema 1 1. Os direitos humanos fundamentais e o poder político coexistem sob a égide do sistema de três Poderes harmônicos e independentes entre si, formulado por Montesquieu.

Leia mais

Capítulo II Princípios penais e político-criminais

Capítulo II Princípios penais e político-criminais Capítulo II Princípios penais e político-criminais Sumário 1. Princípio da legalidade penal: 1.1. Previsão; 1.2. Origem; 1.3. Denominação e alcance; 1.4. Funções 2. Princípio da fragmentariedade 3. Princípio

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Aspectos civis do seqüestro de menores Roberta de Albuquerque Nóbrega * A Regulamentação Brasileira De acordo com a Lei de Introdução ao Código Civil (LICC), em seu artigo 7º, o

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL NO DIREITO POSITIVO Cíntia Cecília Pellegrini

A INFLUÊNCIA DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL NO DIREITO POSITIVO Cíntia Cecília Pellegrini A INFLUÊNCIA DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL NO DIREITO POSITIVO Cíntia Cecília Pellegrini RESUMO: Após a Segunda Guerra Mundial, a sociedade internacional passou a ter como principal objetivo a criação de acordos

Leia mais

Max Weber e o Direito (1864-1920)

Max Weber e o Direito (1864-1920) 82 Max Weber e o Direito (1864-1920) Fontes: BILLIER, Jean-Cassiere MARYIOLI, Aglaé. História da Filosofia do Direito. Barueri: Manole, 2005. DEFLEM, Mathiew. Sociology of Law. Cambridge: CUP, 2008. RODRIGUES

Leia mais

Escrito por Administrator Ter, 13 de Setembro de 2011 13:23 - Última atualização Ter, 13 de Setembro de 2011 16:22

Escrito por Administrator Ter, 13 de Setembro de 2011 13:23 - Última atualização Ter, 13 de Setembro de 2011 16:22 Proteção Internacional de Direitos Humanos Coordenação: Profa. Dra. Cristina Figueiredo Terezo Resumo O pioneiro projeto de extensão visa capacitar os discentes para acionar a jurisdição do Sistema Interamericano

Leia mais

CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM Viena, 14-25 de Junho de 1993

CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM Viena, 14-25 de Junho de 1993 CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM Viena, 14-25 de Junho de 1993 DECLARAÇÃO DE VIENA E PROGRAMA DE ACÇÃO Nota do Secretariado Em anexo encontra-se o texto da Declaração de Viena e do Programa

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Competência da Justiça Militar Paulo Tadeu Rodrigues Rosa* A Justiça Militar é um dos órgãos do Poder Judiciário, com previsão constitucional e Lei de Organização Judiciária que

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012 PROJETO DE LEI Nº 128/2012 Altera a Lei nº 14.485, de 19 de julho de 2007, com a finalidade de incluir no Calendário Oficial de Eventos da Cidade de São Paulo o Dia Municipal de Combate a Homofobia, a

Leia mais

FONTES DO DIREITO CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO INTRODUÇÃO AO DIREITO PROF. MS.ROSANE BARCELLOS TERRA 18/08/2012

FONTES DO DIREITO CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO INTRODUÇÃO AO DIREITO PROF. MS.ROSANE BARCELLOS TERRA 18/08/2012 FONTES DO DIREITO CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO INTRODUÇÃO AO DIREITO 1 PROF. MS.ROSANE BARCELLOS TERRA FONTE: Expressão vem do latim (fons, fontis, nascente). Significado: tudo aquilo que origina,

Leia mais

PARECER N.º, DE 2009

PARECER N.º, DE 2009 PARECER N.º, DE 2009 Da COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS E LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA, sobre o Projeto de Lei da Câmara n.º 122, de 2006 (PL n.º 5.003, de 2001, na Casa de origem), que altera a Lei n.º 7.716,

Leia mais

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO Art.º 202º da Constituição da República Portuguesa «1. Os tribunais são órgãos de soberania com competência para Administrar a justiça em nome do povo. (...)» A lei

Leia mais

TÍTULO: A VIOLAÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA MILITAR BRASILEIRA E A SUA CONSEQUÊNCIA JURÍDICA NO BRASIL ATUAL

TÍTULO: A VIOLAÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA MILITAR BRASILEIRA E A SUA CONSEQUÊNCIA JURÍDICA NO BRASIL ATUAL TÍTULO: A VIOLAÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA MILITAR BRASILEIRA E A SUA CONSEQUÊNCIA JURÍDICA NO BRASIL ATUAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO:

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Coletivos dos Povos

Declaração Universal dos Direitos Coletivos dos Povos Declaração Universal dos Direitos Coletivos dos Povos Preâmbulo CONSIDERANDO os progressos conseguidos, em particular a partir da "Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão" na tomada de consciência

Leia mais

RICARDO S. PEREIRA NOÇÕES DE DIREITOS HUMANOS. 1ª Edição OUT 2012

RICARDO S. PEREIRA NOÇÕES DE DIREITOS HUMANOS. 1ª Edição OUT 2012 RICARDO S. PEREIRA NOÇÕES DE DIREITOS HUMANOS TEORIA 38 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS GABARITADAS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Ricardo S. Pereira Organização e Diagramação: Mariane dos Reis 1ª

Leia mais

Distinção entre Norma Moral e Jurídica

Distinção entre Norma Moral e Jurídica Distinção entre Norma Moral e Jurídica Filosofia do direito = nascimento na Grécia Não havia distinção entre Direito e Moral Direito absorvia questões que se referiam ao plano da consciência, da Moral,

Leia mais

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL. MENSAGEM N o 479, DE 2008

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL. MENSAGEM N o 479, DE 2008 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM N o 479, DE 2008 Submete à consideração do Congresso Nacional o texto do Tratado de Extradição entre a República Federativa do Brasil e o Governo

Leia mais

Torre de Babel. Luis Flavio Sapori. Nota sobre a I Conseg

Torre de Babel. Luis Flavio Sapori. Nota sobre a I Conseg Nota sobre a I Conseg Luís Flávio Sapori é doutor em Sociologia pelo Instituto Universitário de Pesquisa do Rio de Janeiro, professor e coordenador do curso de Ciências Sociais da Universidade Católica

Leia mais

CULPABILIDADE RESUMO

CULPABILIDADE RESUMO CULPABILIDADE Maira Jacqueline de Souza 1 RESUMO Para uma melhor compreensão de sanção penal é necessário a análise levando em consideração o modo sócio-econômico e a forma de Estado em que se presencie

Leia mais

Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime. UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge

Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime. UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge Boa tarde! Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge Chediek, e a toda sua equipe, pela oportunidade em participar desse importante

Leia mais

37. Garantias do preso (Art. 104 GG)

37. Garantias do preso (Art. 104 GG) 37. Garantias do preso (Art. 104 GG) GRUNDGESETZ Art. 104 (Garantias do preso) 1 (1) A liberdade da pessoa só pode ser cerceada com base em uma lei formal e tão somente com a observância das formas nela

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série 1 - DEFINIÇÃO Direitos e deveres civis, sociais e políticos usufruir dos direitos e o cumprimento das obrigações constituem-se no exercício da

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL. Fábio Konder Comparato *

A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL. Fábio Konder Comparato * A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL Fábio Konder Comparato * Dispõe a Constituição em vigor, segundo o modelo por nós copiado dos Estados Unidos, competir

Leia mais

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas.

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O que é o dever de Consulta Prévia? O dever de consulta prévia é a obrigação do Estado (tanto do Poder Executivo, como do Poder Legislativo)

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O objeto social e os limite da atuação do administrador da sociedade empresarial. A teoria do ato ultra vires Amanda Alves Moreira* 1. INTRODUÇÃO As sociedades comerciais, na situação

Leia mais

TRABALHO 1 COMENTÁRIOS A ACÓRDÃO(STF)

TRABALHO 1 COMENTÁRIOS A ACÓRDÃO(STF) UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA MATRICULA:12/0138573 ALUNO:WILSON COELHO MENDES PROFESSOR:VALLISNEY OLIVEIRA TRABALHO 1 COMENTÁRIOS A ACÓRDÃO(STF) Teoria geral do Processo II Princípio:Juiz natural, com observações

Leia mais

DECLARAÇÃO DE BRASÍLIA. A segunda etapa do I Seminário Luso-brasileiro sobre Tráfico de Pessoas e

DECLARAÇÃO DE BRASÍLIA. A segunda etapa do I Seminário Luso-brasileiro sobre Tráfico de Pessoas e DECLARAÇÃO DE BRASÍLIA A segunda etapa do I Seminário Luso-brasileiro sobre Tráfico de Pessoas e Imigração Ilegal/Irregular realizado em Brasília, Brasil, entre os dias 27 e 29 de novembro de 2006, reuniu

Leia mais

PARECERES JURÍDICOS. Para ilustrar algumas questões já analisadas, citamos abaixo apenas as ementas de Pareceres encomendados:

PARECERES JURÍDICOS. Para ilustrar algumas questões já analisadas, citamos abaixo apenas as ementas de Pareceres encomendados: PARECERES JURÍDICOS Partindo das diversas obras escritas pelo Prof.Dr. AURY LOPES JR., passamos a oferecer um produto diferenciado para os colegas Advogados de todo o Brasil: a elaboração de Pareceres

Leia mais

Declaração sobre a raça e os preconceitos raciais

Declaração sobre a raça e os preconceitos raciais Declaração sobre a raça e os preconceitos raciais Aprovada e proclamada pela Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, reunida em Paris em sua 20.º reunião,

Leia mais

A efetividade das sentenças da Corte Interamericana de Direitos Humanos no Brasil

A efetividade das sentenças da Corte Interamericana de Direitos Humanos no Brasil IX Salão de Iniciação Científica PUCRS A efetividade das sentenças da Corte Interamericana de Direitos Humanos no Brasil Gabriela Bratkowski Pereira, Elias Grossmann (orientador) Faculdade de Direito,

Leia mais

Breves comentários sobre Dodd-Frank e o programa de recompensa para delatores de fraudes 1. Por Carlos Henrique da Silva Ayres 2

Breves comentários sobre Dodd-Frank e o programa de recompensa para delatores de fraudes 1. Por Carlos Henrique da Silva Ayres 2 Breves comentários sobre Dodd-Frank e o programa de recompensa para delatores de fraudes 1 Por Carlos Henrique da Silva Ayres 2 Em julho de 2010, entrou em vigor nos Estados Unidos o Dodd Frank Wall Street

Leia mais

ÍNDICE SISTEMÁTICO. Capítulo VI Elementos de Conexão 6.1 Considerações iniciais 6.2 Classes de elementos de conexão

ÍNDICE SISTEMÁTICO. Capítulo VI Elementos de Conexão 6.1 Considerações iniciais 6.2 Classes de elementos de conexão ÍNDICE SISTEMÁTICO Capítulo I Noções Fundamentais e Objeto do Direito Internacional Privado 1.1 Considerações iniciais 1.2 Conceito 1.3 Objeto 1.4 Normas de DIPr na Constituição Federal de 1988 1.5 Direitos

Leia mais

OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO

OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO FOLHETO CICV O Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho O Movimento Internacional

Leia mais

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 CONSELHO ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE MINAS GERAIS DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 A Diretoria Executiva do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

MULTICULTURALISMO E UNIVERSALIDADE DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS

MULTICULTURALISMO E UNIVERSALIDADE DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS MULTICULTURALISMO E UNIVERSALIDADE DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS Amanda Juncal Prudente Mariana Tavares Pedi UENP 1. Direitos fundamentais e humanos: conceito e evolução. 2. Os direitos fundamentais no panorama

Leia mais

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA Proclamada pela Resolução da Assembleia Geral 1386 (XIV), de 20 de Novembro de 1959 PREÂMBULO CONSIDERANDO que os povos das Nações Unidas reafirmaram, na Carta, a sua

Leia mais

Convenção para a Prevenção e a Repressão do Crime de Genocídio

Convenção para a Prevenção e a Repressão do Crime de Genocídio Direito Internacional Aplicado Tratados e Convenções Direito Internacional Penal Convenção para a Prevenção e a Repressão do Crime de Genocídio Conclusão e assinatura: Nova Iorque EUA, 09 de dezembro de

Leia mais

ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO. Liberdade de profissão

ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO. Liberdade de profissão ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO Liberdade de profissão Preparado por Carolina Cutrupi Ferreira (Escola de Formação, 2007) MATERIAL DE LEITURA PRÉVIA: 1) Opinião Consultiva n. 5/85 da Corte Interamericana

Leia mais

CIRLANE MARA NATAL MESTRE EM EDUCAÇÃO PPGE/UFES 2013

CIRLANE MARA NATAL MESTRE EM EDUCAÇÃO PPGE/UFES 2013 CIRLANE MARA NATAL MESTRE EM EDUCAÇÃO PPGE/UFES 2013 LEGISLAÇÃO E NORMA LEGISLAÇÃO GENERALIDADE PRINCÍPIOS; NORMA ESPECIFICIDADE REGRAS; CONSELHO DE EDUCAÇÃO: - CONTROLE SOBRE O CUMPRIMENTO DA LEI; - NORMATIZADOR

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal AÇÃO CÍVEL ORIGINÁRIA 2.479 RIO DE JANEIRO RELATOR AUTOR(A/S)(ES) PROC.(A/S)(ES) RÉU(É)(S) PROC.(A/S)(ES) : MIN. ROBERTO BARROSO :MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL :PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA :MINISTÉRIO PÚBLICO

Leia mais

O Sistema Interamericano de Direitos Humanos

O Sistema Interamericano de Direitos Humanos O Sistema Interamericano de Direitos Humanos Valerio Bonnet * Introdução O início da pesquisa para realização deste trabalho, revelou clara a relação entre o surgimento da declaração dos direitos humanos

Leia mais

Faculdade de Direito da Alta Paulista

Faculdade de Direito da Alta Paulista Disciplina: DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Código: Série: 4º Obrigatória (X) Optativa ( ) CH Teórica:68 CH Prática: CH Total: 68 Obs: Objetivos GERAL - Enfocar o conjunto de normas jurídicas que regulam

Leia mais

Como ensinamos o Holocausto? Essas linhas mestras foram traduzidas pelo Ministério da Educação português

Como ensinamos o Holocausto? Essas linhas mestras foram traduzidas pelo Ministério da Educação português Como ensinamos o Holocausto? Essas linhas mestras foram traduzidas pelo Ministério da Educação português O Holocausto O Holocausto foi o extermínio de, aproximadamente, seis milhões de judeus pelos nazis

Leia mais

12/08/2012 PROCESSO PENAL II PROCESSO PENAL II

12/08/2012 PROCESSO PENAL II PROCESSO PENAL II II 2ª -Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 II Acessem!!!!!! www.rubenscorreiajr.blogspot.com 2 1 O : É o conjunto de atos cronologicamente concatenados (procedimentos), submetido a princípios e regras

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

Remédio constitucional ou remédio jurídico, são meios postos à disposição dos indivíduos e cidadão para provocar a intervenção das autoridades

Remédio constitucional ou remédio jurídico, são meios postos à disposição dos indivíduos e cidadão para provocar a intervenção das autoridades Remédio constitucional ou remédio jurídico, são meios postos à disposição dos indivíduos e cidadão para provocar a intervenção das autoridades competentes, visando sanar ilegalidades ou abuso de poder

Leia mais

A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA

A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MILITAR DIREITO PENAL MILITAR PARTE GERAL MARCELO VITUZZO PERCIANI A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA Marcelo Vituzzo Perciani 1º Tenente da Polícia

Leia mais

A PROBLEMÁTICA CONTEMPORÂNEA DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA

A PROBLEMÁTICA CONTEMPORÂNEA DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA A PROBLEMÁTICA CONTEMPORÂNEA DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA CLÁUDIO RIBEIRO LOPES Mestre em Direito (Tutela de Direitos Supraindividuais) pela UEM Professor Assistente da UFMS (DCS/CPTL)

Leia mais

Questão 1. Sobre os diversos âmbitos do Direito Internacional, assinale a alternativa verdadeira:

Questão 1. Sobre os diversos âmbitos do Direito Internacional, assinale a alternativa verdadeira: PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO INTERNACIONAL P á g i n a 1 Questão 1. Sobre os diversos âmbitos do Direito Internacional, assinale a alternativa verdadeira: a) O Direito Internacional Público

Leia mais

AULA 08. CONTEÚDO DA AULA: Teorias da Conduta (cont). Teoria social da ação (cont.). Teoria pessoal da ação. Resultado. Relação de Causalidade Início.

AULA 08. CONTEÚDO DA AULA: Teorias da Conduta (cont). Teoria social da ação (cont.). Teoria pessoal da ação. Resultado. Relação de Causalidade Início. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Penal / Aula 08 Professora: Ana Paula Vieira de Carvalho Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 08 CONTEÚDO DA AULA: Teorias da (cont). Teoria social

Leia mais

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Karina Balduino Leite e Rivadavio Anadão de Oliveira Guassú Maria da Penha foi uma entre as incontáveis vítimas de violência doméstica espalhadas pelo planeta.

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB (ASFORA, R. V. S.) - Raphaella Viana Silva Asfora/Autora ¹ Escola Superior da Magistratura

Leia mais

A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO

A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MILITAR DIREITO PENAL MILITAR PARTE ESPECIAL MARCELO VITUZZO PERCIANI A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO Marcelo Vituzzo Perciani

Leia mais