Resumo Aula-tema 01: Noção, fundamento e desenvolvimento histórico do Direito Internacional Público

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resumo Aula-tema 01: Noção, fundamento e desenvolvimento histórico do Direito Internacional Público"

Transcrição

1 Resumo Aula-tema 01: Noção, fundamento e desenvolvimento histórico do Direito Internacional Público 1. Evolução histórica A evolução histórica do direito internacional é, geralmente, divida pela doutrina em períodos. Para Accioly (2012, p. 50), essa divisão tem seus méritos, mas as classificações são muito arbitrárias, uma vez que há muitas rupturas de um período a outro, de modo que características de um determinado período geralmente tiveram origem no anterior, e, princípios nascidos em um, permanecem nos subsequentes, modificando-se de acordo com o passar do tempo. Na verdade, isso demonstra que a divisão em períodos históricos tem caráter didático. Tanto que, depois do comentário crítico, o próprio Accioly (2012, p ) discorre longamente sobre as seguintes fases históricas. São elas: 1ª Fase até os tratados de Vestfália (1948); 2ª Fase de Vestfália (1648) a Viena (1815); 3ª Fase de Viena (1815) até Versalhes (1919); 4ª Fase de Versalhes (1919) ao contexto presente. 2. Fundamento do Direito Internacional Controvertem os juristas sobre o fundamento da obrigatoriedade do Direito Internacional. Uma excelente classificação das teorias e seus defensores é apresentada por Portela (2011, p ), que a faz nos seguintes termos: 1) Voluntarismo: teoria subjetivista, cujo elemento central é a vontade. Suas correntes são: 1.1. Autodelimitação da vontade (Georg Jellinek): o fundamento é a decisão do próprio Estado de se submeter às normas internacionais e limitar sua soberania Consentimento das nações (Hall e Oppenheim): é a decisão da maioria dos Estados, mas sem exigência de unanimidade Vontade coletiva (Heinrich Triepel): a decisão depende da conjunção das vontades unânimes dos Estados.

2 1.4. Delegação do Direito interno (Max Wenzel): o fundamento está no próprio ordenamento jurídico nacional dos Estados. 2) Objetivismo: o elemento central é a premente importância das normas internacionais para o bom desenvolvimento das relações entre os Estados. Suas correntes são: 2.1. Jusnaturalismo: as normas internacionais impõem-se naturalmente, por terem fundamento na própria natureza humana, seja por origem divina, seja com base na razão Teoria da norma-base (Hans Kelsen): o fundamento é a norma hipotética fundamental, determinante do direito de respeitar as normas internas e internacionais Teorias sociológicas: as normas internacionais fundamentam-se em fatos sociais que se impõem aos indivíduos Direitos fundamentais dos Estados: os Estados possuem direitos que lhes são inerentes e se impõem perante terceiros. 3) Teoria mista (Anzilotti): o fundamento da obrigatoriedade estaria na vontade dos estados de celebrar tratados internacionais (aspecto voluntarista), mas a vontade estatal deve estar amparada no cumprimento do jus cogens (normas de direito cogente), isto é, os princípios e regras imperativos que, por sua importância para a sociedade internacional, limitam a vontade do Estado e não podem ser violados por nenhum ente estatal. É a linha de pensamento seguida por Accioly (2012, p ), que ressalta a importância do artigo 53 da Convenção de Viena sobre o Direito dos Tratados de Esse dispositivo dispõe sobre o Tratado em Conflito com uma Norma Imperativa de Direito Internacional Geral (jus cogens) nos seguintes termos: É nulo um tratado que, no momento de sua conclusão, conflite com uma norma imperativa de Direito Internacional geral. Para os fins da presente Convenção, uma norma imperativa de Direito Internacional geral é uma norma aceita e reconhecida pela comunidade internacional dos Estados como um todo, como norma da qual nenhuma derrogação é

3 permitida e que só pode ser modificada por norma ulterior de Direito Internacional geral da mesma natureza. 3. Fontes e princípios do Direito Internacional Público O estudo das fontes jurídicas de direito internacional compreende a investigação acerca de onde emanam os direitos e obrigações das pessoas internacionais (ACCIOLY, 2012, p. 146). Existem várias classificações e enumerações conhecidas. A partir do estudo da obra de Accioly (2012, p ), propõe-se aqui a seguinte classificação: Fontes materiais: também chamadas de fontes reais, são as fontes fundamentais, correspondentes aos princípios gerais de direito internacional, isto é, os princípios do jus cogens (normas cogentes de direito internacional), entre os quais se destacam o pacta sunt servanda (autonomia da vontade) e a boa-fé. Fontes formais: também chamadas de fontes positivas, correspondem ao direito objetivo internacional, compreendendo os tratados e os costumes internacionais. Fontes auxiliares: doutrina dos juristas e jurisprudência dos tribunais internacionais, conforme consagrado no artigo 38 do Estatuto da Corte Internacional de Justiça. Outras fontes: além das fontes materiais, formais e auxiliares, o direito internacional também emana da equidade, das resoluções das organizações internacionais e dos atos unilaterais dos Estados. 4. Codificação internacional O Direito Internacional Público do século XX foi caracterizado pela tendência à codificação internacional de diversas matérias, por meio de convenções, a maioria delas assinadas na cidade de Viena, na Áustria, a saber: Convenção de Viena sobre relações diplomáticas (1961); Convenção de Viena sobre relações consulares (1963); Convenção de Viena sobre direito dos tratados (1969); Convenção de Viena sobre a representação de estados nas suas relações com organizações internacionais de caráter universal (1975); Convenção sobre missões especiais

4 (1969); Convenções de Viena sobre sucessão de estados (1978 e 1983); Convenção de Viena sobre o direito dos tratados de organizações internacionais (1986); Convenção das Nações Unidas sobre direito do mar (1982); Convenções sobre assuntos científicos, tecnológicos e sobre o meio ambiente. 5. Relações do direito internacional com o direito interno Kelsen (2005, p ) demonstrava a existência de duas correntes principais que dividem as opiniões dos internacionalistas no que diz respeito às relações entre as ordens jurídicas interna e internacional. A teoria dualista defende a existência de duas ordens distintas, uma interna e outra internacional, que não mantêm qualquer tipo de relacionamento, muito menos, qualquer interdependência. Em relação aos tratados, propugnam pela necessidade de uma norma de caráter especial, por meio da qual há uma metamorfose do tratado em lei interna para que possa ter vigência no ordenamento jurídico interno. É o que ocorre em parte no sistema jurídico brasileiro, no qual é necessário que os tratados sejam celebrados pelo Presidente da República e ratificados pelo Congresso Nacional por meio de decreto legislativo. A inteligência decorre da interpretação conjunta dos artigos 84, inciso VIII e 49, inciso I da Constituição, de acordo com os quais compete ao Presidente da República celebrar tratados internacionais, mas ficam os mesmos sujeitos a referendo do Congresso Nacional, exarado por meio de decreto legislativo. A corrente do monismo, ao contrário, com primazia do direito internacional, sustenta a existência de uma única ordem que abarca a ordem interna e a internacional. A teoria monista tenta demonstrar que a ratificação dos tratados produz efeitos, no mesmo lapso temporal, tanto no plano internacional quanto no interno, sem a necessidade de anterior ato legislativo. É o que ocorre no Brasil em relação aos tratados que versam sobre direitos e garantias fundamentais, que nos termos do artigo 5º, 2º da Constituição Federal, têm vigência imediata em nossa ordem jurídica, bastando que o Brasil seja parte no tratado para que suas respectivas normas sejam válidas no âmbito interno. Acrescente-se, por oportuno, que a partir do advento da Emenda Constitucional 45/2004 e inserção do 3º no artigo 5º da Constituição, os tratados ou convenções sobre direitos humanos, uma vez aprovados em cada Casa do Congresso Nacional, em dois turnos, por três

5 quintos dos votos dos respectivos membros, passaram a equivaler a emendas constitucionais. Diante desse arcabouço constitucional, o posicionamento do STF é claro no sentido de que os tratados que não versam sobre direitos humanos têm valor legal (RE SP e HC TO), e podem, inclusive, ser revogados por lei ordinária posterior (RE SE). Quanto aos tratados que versam sobre direitos humanos, o STF ainda não tem posição consolidada, gravitando o seu entendimento, de acordo com os posicionamentos dos ministros, entre valor supralegal e o valor constitucional. O assunto será tratado com mais vagar em atividades da aula tema 05, que trata dos direitos internacionais do homem. Conceitos Fundamentais Atos unilateriais dos Estados: são manifestações de vontade de caráter unilateral com repercussão na estrutura e funcionamento da sociedade internacional. Codificação: é a consolidação e sistematização em um único texto das normas jurídicas fundamentais sobre determinada matéria. Costume internacional: qualquer prática reiterada nas relações entre os Estados, em relação à qual se tem a convicção de ser obrigatória. Equidade: critério de justiça e igualdade para integração de lacunas normativas, isto é, solução de controvérsias em relações às quais não há norma jurídica expressa no direito positivo. Jus cogens: é o conjunto dos princípios e regras imperativos que, por sua importância para a sociedade internacional, limitam a vontade do Estado e não podem ser violados por nenhum ente estatal. Resoluções das organizações internacionais: são atos normativos emanados das organizações internacionais dentro de suas esferas de atuação. Tratado internacional: é o ato jurídico por meio do qual se manifesta um acordo de vontades entre dois ou mais sujeitos internacionais (ACCYOLI, 2012, p. 158).

6 Referências ACCIOLY, Hidelbrando; CASELLA, Paulo Borba; SILVA, G. E. do Nascimento. Manual de direito internacional público. 20ª Ed. São Paulo: Saraiva, KELSEN, Hans. Teoria geral do direito e do Estado. 2ª Ed. São Paulo: Martins Fontes, PORTELA, Paulo Henrique Gonçalves. Direito internacional público e privado. 3ª Ed. Salvador: Juspodivm, 2011.

3. Características do Direito Internacional Público

3. Características do Direito Internacional Público 18 Paulo Henrique Gonçalves Portela regular as relações entre os Estados soberanos e delimitar suas competências nas relações internacionais; regular as relações internacionais naquilo que envolvam não

Leia mais

ARTIGO: TRATADOS INTERNACIONAIS SOBRE DIREITOS HUMANOS E

ARTIGO: TRATADOS INTERNACIONAIS SOBRE DIREITOS HUMANOS E ARTIGO: TRATADOS INTERNACIONAIS SOBRE DIREITOS HUMANOS E O ORDENAMENTO INTERNO Luís Fernando de Souza Pastana 1 RESUMO: este artigo visa observar a relação existente entre os tratados internacionais sobre

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Concurso Delegado de Polícia Federal 2012 Prof. Leopoldo Canal Leopoldo Canal, advogado, assessor e procurador do consulado da República da Guiné no Rio de Janeiro, diretor

Leia mais

Direito Ambiental. Prof. Fabrício Ferreira Aula III

Direito Ambiental. Prof. Fabrício Ferreira Aula III Direito Ambiental Prof. Fabrício Ferreira Aula III 1 Direito Internacional NOÇÕES PRELIMINARES CONCEITO: É o conjunto de normas jurídicas que regulam as relações mútuas dos Estados e, subsidiariamente,

Leia mais

Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro

Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro Semana de Produção e Consumo Sustentável Mauricio Pellegrino de Souza FIEMG Convenção de Viena 1969 Direito dos Tratados

Leia mais

Faculdade de Direito da Alta Paulista

Faculdade de Direito da Alta Paulista Disciplina: DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Código: Série: 4º Obrigatória (X) Optativa ( ) CH Teórica:68 CH Prática: CH Total: 68 Obs: Objetivos GERAL - Enfocar o conjunto de normas jurídicas que regulam

Leia mais

TRATADOS INTERNACIONAIS E SUA INCORPORAÇÃO NO ORDENAMENTO JURÍDICO 1. DIREITOS FUNDAMENTAIS E TRATADOS INTERNACIONAIS

TRATADOS INTERNACIONAIS E SUA INCORPORAÇÃO NO ORDENAMENTO JURÍDICO 1. DIREITOS FUNDAMENTAIS E TRATADOS INTERNACIONAIS Autora: Idinéia Perez Bonafina Escrito em maio/2015 TRATADOS INTERNACIONAIS E SUA INCORPORAÇÃO NO ORDENAMENTO JURÍDICO 1. DIREITOS FUNDAMENTAIS E TRATADOS INTERNACIONAIS Nas relações internacionais do

Leia mais

II - Fontes do Direito Tributário

II - Fontes do Direito Tributário II - Fontes do Direito Tributário 1 Fontes do Direito Tributário 1 Conceito 2 - Classificação 3 - Fontes formais 3.1 - principais 3.2 complementares 4 Doutrina e jurisprudência 2 1 - Conceito As fontes

Leia mais

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ (Conjur, 10/12/2014) Alexandre de Moraes Na luta pela concretização da plena eficácia universal dos direitos humanos o Brasil, mais

Leia mais

PONTO 1: Poderes Administrativos: - Poder Hierárquico continuação. - Poder de Polícia. - Poder Vinculado. - Poder Discricionário.

PONTO 1: Poderes Administrativos: - Poder Hierárquico continuação. - Poder de Polícia. - Poder Vinculado. - Poder Discricionário. 1 DIREITO ADMINISTRATIVO PONTO 1: Poderes Administrativos: - Poder Hierárquico continuação. - Poder de Polícia. - Poder Vinculado. - Poder Discricionário. 1)Poderes Administrativos: Poder hierárquico continuação:

Leia mais

FONTES DO DIREITO DO TRABALHO

FONTES DO DIREITO DO TRABALHO FONTES DO DIREITO DO TRABALHO CONCEITO As fontes do direito do trabalho são fundamentais para o conhecimento da própria ciência, vez que nelas são descobertas as reais origens e as bases da matéria do

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Regente: Professora Doutora Maria Luísa Duarte Colaboradores: Professora Doutora Ana Gouveia Martins; Mestre Ana Soares Pinto;

Leia mais

EVOLUÇÃO DA APLICAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS SOCIAIS NO ORDENAMENTO JURIDICO BRASILEIRO.

EVOLUÇÃO DA APLICAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS SOCIAIS NO ORDENAMENTO JURIDICO BRASILEIRO. 1 EVOLUÇÃO DA APLICAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS SOCIAIS NO ORDENAMENTO JURIDICO BRASILEIRO. Clarissa Felipe Cid 1 Sumário:1. Introdução. 2. A distinção entre direitos humanos e fundamentais. 3. Como são aplicadas

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho.

Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho. Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho. O propósito dessa aula é reconhecer quais os lugares de onde se originam os direitos trabalhistas, onde procurá-los

Leia mais

Convenção de Viena sobre o Direito dos Tratados entre Estados e Organizações Internacionais ou entre Organizações Internacionais

Convenção de Viena sobre o Direito dos Tratados entre Estados e Organizações Internacionais ou entre Organizações Internacionais Direito Internacional Aplicado Tratados e Convenções Direito dos Tratados Convenção de Viena sobre o Direito dos Tratados entre Estados e Organizações Internacionais ou entre Organizações Internacionais

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA I. Curso: DIREITO II. Disciplina: DIREITO INTERNACIONAL (D-57) Área: Ciências Sociais Período: Décimo Turnos: Matutino e Noturno Ano: 2013.1 Carga Horária: 72 h; Créd.: 04 III. Pré-Requisito: DIREITO CONSTITUCIONAL

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014 Disciplina: Direito Internacional Departamento IV Direito do Estado Docente Responsável: Fernando Fernandes da Silva Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO. Aula de Apresentação

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO. Aula de Apresentação DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Aula de Apresentação (Clique aqui para assistir à aula gravada) O DIREITO INTERNACIONAL E SEUS ASPECTOS HISTÓRICOS INTRODUÇÃO O DIP é o também chamado direito das gentes.

Leia mais

Comentário à Jurisprudência

Comentário à Jurisprudência Comentário à Jurisprudência OS TRATADOS DE DIREITOS HUMANOS NA JURISPRUDÊNCIA DO STF APÓS A EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 45/2004 CÁSSIO HENRIQUE AFONSO DA SILVA Oficial do Ministério Público 1. Introdução

Leia mais

Processo Legislativo. Aula 2. Prof. Jorge Bernardi. A federação brasileira. A Federação Brasileira. O positivismo. Conceito de lei.

Processo Legislativo. Aula 2. Prof. Jorge Bernardi. A federação brasileira. A Federação Brasileira. O positivismo. Conceito de lei. Processo Legislativo Aula 2 Contextualização Prof. Jorge Bernardi A federação brasileira Conceito de lei O direito O jus naturalis O positivismo Validade da lei Tipologia das normas Decreto autônomo A

Leia mais

Direito Tributário. Aula 05. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Direito Tributário. Aula 05. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Direito Tributário Aula 05 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

1. Sobre a teoria geral do direito internacional, é correto afirmar que:

1. Sobre a teoria geral do direito internacional, é correto afirmar que: P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO INTERNACIONAL 1. Sobre a teoria geral do direito internacional, é correto afirmar que: A) O Direito Internacional Público tem como um de seus pilares

Leia mais

Convenção de Viena sobre sucessão de Estados em matéria de Tratados

Convenção de Viena sobre sucessão de Estados em matéria de Tratados Direito Internacional Aplicado Tratados e Convenções Direito dos Tratados Convenção de Viena sobre sucessão de Estados em matéria de Tratados Conclusão e assinatura: Viena Áustria, 23 de agosto de 1978

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA INSTITUTO DE ESTUDOS POLÍTICOS LICENCIATURA EM CIÊNCIA POLÍTICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS GONÇALO MATIAS 2013/2014 5.5 ECTS PROGRAMA I Introdução

Leia mais

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Maria Cecília Paes de Carvalho

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Maria Cecília Paes de Carvalho Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro A Incorporação dos Tratados Internacionais de Direitos Humanos após EC 45/2004 Maria Cecília Paes de Carvalho Rio de Janeiro 2009 MARIA CECILIA PAES DE

Leia mais

T E O R I A GERAL DO DIREITO CIVIL

T E O R I A GERAL DO DIREITO CIVIL ROTEIRO DE AULA Ponto 02 Teoria Geral do Direito Civil 1. Histórico Romano-Germânica Direito Português Direito Brasileiro Idade Antiga Ius Civile (Roma) Idade Média Direito Romano com fortes influências

Leia mais

TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO SUBSEQUENTE NOÇÕES GERAIS DO DIREITO CONCEITOS BÁSICOS

TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO SUBSEQUENTE NOÇÕES GERAIS DO DIREITO CONCEITOS BÁSICOS NOÇÕES GERAIS DO DIREITO CONCEITOS BÁSICOS 1 I. Introdução: - A vida em Sociedade exige regramento; - As Normas Reguladoras das relações humanas; - A aplicação das sanções (punições): maior ou menor grau

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador WALDEMIR MOKA

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador WALDEMIR MOKA PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 544, de 2013, do Senador Vicentinho Alves, que altera a Lei nº 9.656, de 3 de junho de 1998,

Leia mais

Sumário DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO. Capítulo 2 Fontes do Direito Internacional Público... 23

Sumário DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO. Capítulo 2 Fontes do Direito Internacional Público... 23 Sumário DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Capítulo 1 Fundamentos do Direito Internacional Público... 13 1. Introdução... 13 2. A sociedade internacional... 14 3. Conceito... 16 4. Objeto... 16 5. Fundamentos

Leia mais

CONTROLE DE CONVENCIONALIDADE: STF REVOLUCIONOU NOSSA PIRÂMIDE JURÍDICA

CONTROLE DE CONVENCIONALIDADE: STF REVOLUCIONOU NOSSA PIRÂMIDE JURÍDICA CONTROLE DE CONVENCIONALIDADE: STF REVOLUCIONOU NOSSA PIRÂMIDE JURÍDICA Elaborado em 01.2009 Luiz Flávio Gomes Doutor em Direito Penal pela Faculdade de Direito da Universidade Complutense de Madri, mestre

Leia mais

DA INCONSTITUCIONALIDADE DA PRISÃO DO DEPOSITÁRIO INFIEL

DA INCONSTITUCIONALIDADE DA PRISÃO DO DEPOSITÁRIO INFIEL 1 DA INCONSTITUCIONALIDADE DA PRISÃO DO DEPOSITÁRIO INFIEL Edson Ribeiro De acordo com a Convenção de Viena (1969), os tratados internacionais são acordos internacionais firmados entre Estados, na forma

Leia mais

Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes. Introdução ao. Direito Administrativo

Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes. Introdução ao. Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes Introdução ao Direito Administrativo NOÇÕES GERAIS O estudo do Direito Administrativo, no Brasil, torna- se um pouco penoso pela falta de um código, uma legislação

Leia mais

FUNDAMENTAÇÃO DO DIREITO INTERNACIONAL RESUMO

FUNDAMENTAÇÃO DO DIREITO INTERNACIONAL RESUMO 1 FUNDAMENTAÇÃO DO DIREITO INTERNACIONAL Lucas Hage Chahine Assumpção 1 RESUMO Esse trabalho foi elaborado a partir de uma problemática levantada no livro Curso de Direito Internacional Público, de autoria

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO: CURSO: BACHARELADO EM DIREITO TURMA: 1º SEMESTRE NOTURNO DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO DIREITO CARGA HORÀRIA: 80H/A

1. IDENTIFICAÇÃO: CURSO: BACHARELADO EM DIREITO TURMA: 1º SEMESTRE NOTURNO DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO DIREITO CARGA HORÀRIA: 80H/A Faculdades IESGO Direção Acadêmica Instituto de Ensino Superior de Goiás Coordenação do Curso de Direito 1. IDENTIFICAÇÃO: CURSO: BACHARELADO EM DIREITO TURMA: 1º SEMESTRE NOTURNO DISCIPLINA: INTRODUÇÃO

Leia mais

a convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência 2007 e o decreto n o 6.949, de 25 de agosto de 2009. 1

a convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência 2007 e o decreto n o 6.949, de 25 de agosto de 2009. 1 a convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência 2007 e o decreto n o 6.949, de 25 de agosto de 2009. 1 Depois de concluídas todas as etapas, podemos inferir que a Convenção sobre os Direitos

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO

JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO 1 O art. 19 da Lei nº 8.112/90, com a redação dada pela Lei nº 8.270/91, estabelece que os servidores públicos deverão cumprir jornada de trabalho fixada em razão das

Leia mais

VALOR DOS DIREITOS HUMANOS NO SISTEMA JURÍDICO BRASILEIRO

VALOR DOS DIREITOS HUMANOS NO SISTEMA JURÍDICO BRASILEIRO VALOR DOS DIREITOS HUMANOS NO SISTEMA JURÍDICO BRASILEIRO LUIZ FLÁVIO GOMES Professor Doutor em Direito penal pela Universidade de Madri, Mestre em Direito penal pela USP, Professor de Direito Penal na

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DIREITO 12ºANO DE ESCOLARIDADE ANO LECTIVO 2014/2015

PLANIFICAÇÃO ANUAL DIREITO 12ºANO DE ESCOLARIDADE ANO LECTIVO 2014/2015 Governo dos Açores Escola Básica e Secundária de Velas PLANIFICAÇÃO ANUAL DIREITO 12ºANO DE ESCOLARIDADE ANO LECTIVO 2014/2015 (Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho, alterado pelo Decreto-Lei nº 91/2013,

Leia mais

Publicação, Identificação e Formulário dos Diplomas

Publicação, Identificação e Formulário dos Diplomas Publicação, Identificação e Formulário dos Diplomas Lei n.º 74/98, de 11 de novembro com as alterações introduzidas pela Lei n.º 2/2005, de 24 de janeiro 1 2, Lei n.º 26/2006, de 30 de junho, Lei n.º 42/2007,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Prisão Civil do depositário infiel: é possível no Brasil? Bruno Haddad Galvão Como citar este artigo: GALVÃO, Bruno Haddad. Prisão Civil do depositário infiel: é possível no Brasil?

Leia mais

VALOR DOS DIREITOS HUMANOS NO SISTEMA JURÍDICO BRASILEIRO. Luiz Flávio Gomes

VALOR DOS DIREITOS HUMANOS NO SISTEMA JURÍDICO BRASILEIRO. Luiz Flávio Gomes VALOR DOS DIREITOS HUMANOS NO SISTEMA JURÍDICO BRASILEIRO Luiz Flávio Gomes VALOR DOS DIREITOS HUMANOS NO SISTEMA JURÍDICO BRASILEIRO Luiz Flávio Gomes Doutor em Direito penal pela Universidade Complutense

Leia mais

O STATUS DOS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS NO SISTEMA CONSTITUCIONAL BRASILEIRO

O STATUS DOS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS NO SISTEMA CONSTITUCIONAL BRASILEIRO O STATUS DOS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS NO SISTEMA CONSTITUCIONAL BRASILEIRO Renato Braz Mehanna Khamis Mestre em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Professor do

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL II REUNIÃO DO CONSELHO DAS AUTORIDADES CENTRAIS BRASILEIRAS RESOLUÇÃO N.º 02/ 2000 Dispõe sobre a Aprovação do Regimento Interno e dá outras providências O Presidente do Conselho das Autoridades Centrais

Leia mais

1. Proteção Internacional dos Direitos Humanos. Pode-se entender como precedentes históricos do processo de internacionalização dos.

1. Proteção Internacional dos Direitos Humanos. Pode-se entender como precedentes históricos do processo de internacionalização dos. MATERIAL DE AULA I) Ementa da aula e breve resumo 1. Proteção Internacional dos. : Pode-se entender como precedentes históricos do processo de internacionalização dos 1.1. Direito Humanitário. É o conhecido

Leia mais

ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL

ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Direito Constitucional / Aula 13 Professor: Marcelo L. Tavares Monitora: Carolina Meireles ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL Lei 9.882/99

Leia mais

PRINCÍPIOS GERAIS DO DIREITO DO TRABALHO1

PRINCÍPIOS GERAIS DO DIREITO DO TRABALHO1 Professora: Silvaney Isabel Gomes de Oliveira Disponível em www.tstanavanda.wikispaces.com PRINCÍPIOS GERAIS DO DIREITO DO TRABALHO1 1. DEFINIÇÃO DE PRINCÍPIOS: Sérgio Pinto Martins afirma que princípios

Leia mais

DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996)

DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996) DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996) Promulga a Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher, concluída em Belém do Pará,

Leia mais

FONTES DO DIREITO CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO INTRODUÇÃO AO DIREITO PROF. MS.ROSANE BARCELLOS TERRA 18/08/2012

FONTES DO DIREITO CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO INTRODUÇÃO AO DIREITO PROF. MS.ROSANE BARCELLOS TERRA 18/08/2012 FONTES DO DIREITO CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO INTRODUÇÃO AO DIREITO 1 PROF. MS.ROSANE BARCELLOS TERRA FONTE: Expressão vem do latim (fons, fontis, nascente). Significado: tudo aquilo que origina,

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO 1 - RESPOSTAS. 1.1. Quais as funções dos Princípios? RESPOSTA: Os princípios apresentam uma tríplice função:

ESTUDO DIRIGIDO 1 - RESPOSTAS. 1.1. Quais as funções dos Princípios? RESPOSTA: Os princípios apresentam uma tríplice função: ESTUDO DIRIGIDO 1 - RESPOSTAS 1. Princípios do Direito do Trabalho 1.1. Quais as funções dos Princípios? RESPOSTA: Os princípios apresentam uma tríplice função: a) Função informativa/inspiradora: informam

Leia mais

Processo de internalização do Tratado sobre o Comércio de Armas no Brasil

Processo de internalização do Tratado sobre o Comércio de Armas no Brasil Processo de internalização do Tratado sobre o Comércio de Armas no Brasil PROCESSO DE INTERNALIZAÇÃO DO TRATADO SOBRE O COMÉRCIO DE ARMAS NO BRASIL INSTITUTO SOU DA PAZ JANEIRO DE 2014 2 Introdução Com

Leia mais

A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA

A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA Antônio José Calhau de Resende Consultor da Assembléia Legislativa Lei decorrente de sanção tácita. Ausência de promulgação pelo Chefe do Poder Executivo

Leia mais

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras CONVENÇÃO DE NOVA YORK Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras Decreto nº 4.311, de 23/07/2002 Promulga a Convenção sobre o Reconhecimento e a Execução

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL ESTÁCIO-CERS DIREITO CONSTITUCIONAL Professora Ana Paula Teixeira Delgado Tema: Poder Constituinte Poder Constituinte Definição: Poder de elaborar (originário)ou de atualizar uma

Leia mais

INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL É o ato de intervir (tomar parte), toda vez que a ação de um Estado- Membro perturbe o sistema constitucional federativo ou provoque grave anormalidade

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 250, de 2005 Complementar, do Senador PAULO PAIM, que estabelece requisitos e critérios diferenciados

Leia mais

PROVA DE NOÇÕES DE DIREITO

PROVA DE NOÇÕES DE DIREITO 12 PROVA DE NOÇÕES DE DIREITO QUESTÃO 41 NÃO está correta a seguinte definição: a) DIREITO POSITIVO: o ordenamento ideal, correspondente a uma justiça superior e intrinsecamente boa e legítima. b) DIREITO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.310, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo dos Estados

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO Nº 3002, DE 2003

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO Nº 3002, DE 2003 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO Nº 3002, DE 2003 (MENSAGEM Nº 1106/2001) Aprova o texto da Convenção Conjunta sobre o Gerenciamento Seguro de Combustível

Leia mais

Internacional Público: Introdução

Internacional Público: Introdução CAPÍTULO II Fontes do Direito Internacional Público: Introdução SUMÁRIO 1. Conceito; 1.1 Fontes materiais e fontes formais; 2. Fontes formais do Direito Internacional; 2.1 Fontes estatutárias do Direito

Leia mais

Artigo I. Artigo II. Artigo III. A cooperação a que se refere o presente Convénio compreenderá:

Artigo I. Artigo II. Artigo III. A cooperação a que se refere o presente Convénio compreenderá: Decreto n.º 66/97 de 30 de Dezembro Convénio sobre Prevenção do Uso Indevido e Repressão do Tráfico Ilícito de Estupefacientes e de Substâncias Psicotrópicas entre o Governo da República Portuguesa e o

Leia mais

Comentários do Primeiro Simulado Direito Previdenciário Aula 03 LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

Comentários do Primeiro Simulado Direito Previdenciário Aula 03 LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA Comentários do Primeiro Simulado Direito Previdenciário Aula 03 LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA Legislação Previdenciária Lei Sentido Estrito Normas emanadas do Poder Legislativo Principais Sentido Amplo Conjunto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE DIREITO PROF. JACY DE ASSIS DIRETORIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE DIREITO PROF. JACY DE ASSIS DIRETORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE DIREITO PROF. JACY DE ASSIS DIRETORIA CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS DE PROFESSOR DA CARREIRA DE MAGISTÉRIO SUPERIOR INTEGRANTE

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DIREITO CONSTITUCIONAL AULA 2 CONSTITUIÇÃO E CONSTITUCIONALISMO

INTRODUÇÃO AO DIREITO CONSTITUCIONAL AULA 2 CONSTITUIÇÃO E CONSTITUCIONALISMO INTRODUÇÃO AO DIREITO CONSTITUCIONAL AULA 2 CONSTITUIÇÃO E CONSTITUCIONALISMO QUESTÃO PARA DISCUSSÃO: EXPLIQUE A DEFINIÇÃO DE CONSTITUCIONALISMO POR CANOTILHO, como uma Técnica específica de limitação

Leia mais

Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal de Contas

Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal de Contas TREINAMENTO AOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DE RORAIMA Módulo: Processos e Técnicas Legislativas Noções Básicas de Direito Administrativo e Administração Pública Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal

Leia mais

2.6.2. Entidades fundacionais as fundações públicas 2.6.2.1. Conceito

2.6.2. Entidades fundacionais as fundações públicas 2.6.2.1. Conceito Esses consórcios, a fim de poder assumir obrigações e exercer seus direitos perante terceiros, precisam de personalidade jurídica, assim, a citada lei dispôs que eles serão pessoas jurídicas de direito

Leia mais

RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO

RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO Em resposta à questão de ordem apresentada pelo Senador

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Núcleo de Integração Nacional e Meio Ambiente

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Núcleo de Integração Nacional e Meio Ambiente Nota Técnica n.º 27/12 Admissibilidade de Emendas Dezembro/2012 Antônio Paulo Rodrigues Marcelo de Rezende Macedo Salvador Roque Batista Junior Setor III Integração Nacional e Meio Ambiente Endereço na

Leia mais

CONVENÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA A REPÚBLICA DA TUNÍSIA

CONVENÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA A REPÚBLICA DA TUNÍSIA CONVENÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA TUNÍSIA DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DA DEFESA A República Portuguesa e a República da Tunísia, doravante designadas conjuntamente por "Partes" e separadamente

Leia mais

CONCEITO E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO DIREITO ECONÔMICO CONCEITO DE DIREITO ECONÔMICO SUJEITO - OBJETO

CONCEITO E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO DIREITO ECONÔMICO CONCEITO DE DIREITO ECONÔMICO SUJEITO - OBJETO CONCEITO E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO DIREITO ECONÔMICO CONCEITO DE DIREITO ECONÔMICO SUJEITO - OBJETO CONCEITO DIREITO ECONÔMICO É O RAMO DO DIREITO QUE TEM POR OBJETO A JURIDICIZAÇÃO, OU SEJA, O TRATAMENTO

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO

DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO Direito Internacional Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 39 DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO Introdução A dinâmica das relações de caráter econômico ou não no contexto mundial determinou a criação de

Leia mais

O DIREITO DE ADESÃO AOS PROGRAMAS SOCIAIS DO GOVERNO FEDERAL POR PARTE DOS REFUGIADOS RESIDENTES NO BRASIL.

O DIREITO DE ADESÃO AOS PROGRAMAS SOCIAIS DO GOVERNO FEDERAL POR PARTE DOS REFUGIADOS RESIDENTES NO BRASIL. O DIREITO DE ADESÃO AOS PROGRAMAS SOCIAIS DO GOVERNO FEDERAL POR PARTE DOS REFUGIADOS RESIDENTES NO BRASIL. Carolina Scherer Procuradora Federal Procuradora-Chefe junto ao Instituto de Pesquisa Econômica

Leia mais

Subseção I Disposição Geral

Subseção I Disposição Geral Subseção I Disposição Geral Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de: I - emendas à Constituição; II - leis complementares; III - leis ordinárias; IV - leis delegadas; V - medidas provisórias;

Leia mais

PLANO DE ENSINO EMENTA

PLANO DE ENSINO EMENTA Faculdade de Direito Milton Campos Disciplina: Introdução ao Direito I Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Direito Privado Área: Direito Civil PLANO DE ENSINO EMENTA Acepções, enfoques teóricos

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL. Fábio Konder Comparato *

A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL. Fábio Konder Comparato * A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL Fábio Konder Comparato * Dispõe a Constituição em vigor, segundo o modelo por nós copiado dos Estados Unidos, competir

Leia mais

Instituições do Direito Público e Privado

Instituições do Direito Público e Privado Instituições do Direito Público e Privado Professora conteudista: Cristiane Nagai Sumário Instituições do Direito Público e Privado Unidade I 1 INTRODUÇÃO AO DIREITO...1 1.1 Conceitos gerais de direito...2

Leia mais

A (IM)POSSIBILIDADE DE PRISÃO DO DEPOSITÁRIO INFIEL NO BRASIL: ANÁLISE CRÍTICA DA DECISÃO PROFERIDA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

A (IM)POSSIBILIDADE DE PRISÃO DO DEPOSITÁRIO INFIEL NO BRASIL: ANÁLISE CRÍTICA DA DECISÃO PROFERIDA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL A (IM)POSSIBILIDADE DE PRISÃO DO DEPOSITÁRIO INFIEL NO BRASIL: ANÁLISE CRÍTICA DA DECISÃO PROFERIDA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL THE (IM)POSSIBILITY OF PRISION KEEPER OF THE INFIDEL IN BRAZIL: REVIEW

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL PARECER N.

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL PARECER N. PARECER N.º, DE 2015 Opina acerca do Acordo sobre Constituição da Rede Internacional do Bambu e do Ratã, celebrado em Pequim, em 6 de novembro de 1997, nos termos da MSC n.º 379/2014. I RELATÓRIO A Excelentíssima

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador CRISTOVAM BUARQUE

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador CRISTOVAM BUARQUE PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS E LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 333, de 2014, do Senador Pedro Taques, que altera a Lei nº 7.853, de 24 de outubro de

Leia mais

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS 1 1. CONCEITO BÁSICO DE DIREITO Somente podemos compreender o Direito, em função da sociedade. Se fosse possível ao indivíduo

Leia mais

DEPARTAMENTO DE DIREITO

DEPARTAMENTO DE DIREITO DEPARTAMENTO DE DIREITO O INGRESSO DOS TRATADOS INTERNACIONAIS NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO: A PRISÃO CIVIL DO DEPOSITÁRIO INFIEL E A CONSTITUCIONALIDADE DO PACTO DE SAN JOSÉ DA COSTA RICA por LIVIA

Leia mais

Wander Garcia e Renan Flumian

Wander Garcia e Renan Flumian Wander Garcia e Renan Flumian Coordenadores BÔNUS ON-LINE: DOUTRINA: Disciplinas Jurídicas Direito Internacional Direito Financeiro Direito Administrativo Direito Civil Disciplinas Básicas Língua Portuguesa

Leia mais

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL Vinícius Paulo Mesquita 1) Notas Introdutórias Com a promulgação da E.C. 66/10, a chamada PEC do Divórcio, a doutrina pátria passou a sustentar em sua grande

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Com fundamento na recente Lei n. 1.234, do Estado Y, que exclui as entidades de direito privado da Administração Pública do dever de licitar, o banco X (empresa pública

Leia mais

NOTA INFORMATIVA Nº 1.385, DE 2015

NOTA INFORMATIVA Nº 1.385, DE 2015 Consultoria Legislativa NOTA INFORMATIVA Nº 1.385, DE 2015 Relativa à STC nº 2015-03673, do Senador Ricardo Ferraço, que solicita a análise sobre a legislação federal e estadual, acerca da possibilidade

Leia mais

Marco legal. da política indigenista brasileira

Marco legal. da política indigenista brasileira Marco legal da política indigenista brasileira A política indigenista no país tem como base a Constituição Federal de 1988, o Estatuto do Índio (Lei nº 6.001/1973) e instrumentos jurídicos internacionais,

Leia mais

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito:

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito: Unidade II 4 IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS A Constituição Federal proíbe a instituição de impostos sobre certas pessoas ou situações. Baleeiro (1976, p. 87) ensina que imunidades tributárias são: vedações absolutas

Leia mais

Direito Tributário Nacional: Princípios Constitucionais Tributários. Fontes do Direito

Direito Tributário Nacional: Princípios Constitucionais Tributários. Fontes do Direito PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professor: Leandro Chiarello de Souza E-MAIL: leandrosouza@conection.com.br Período/ Fase: 5ª

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, nos termos do 3º do art. 60 da Constituição Federal, promulgam a seguinte Emenda ao texto constitucional:

Leia mais

O Brasil e os Tribunais Internacionais: entre o direito interno e o direito internacional

O Brasil e os Tribunais Internacionais: entre o direito interno e o direito internacional Minicurso de extensão O Brasil e os Tribunais Internacionais: entre o direito interno e o direito internacional Realização: Grupo de pesquisa Crítica & Direito Internacional O Brasil e a Corte Internacional

Leia mais

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 259, de 2010 Complementar, que altera a Lei Complementar nº 126, de 15 de janeiro de 2007, que dispõe sobre a

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br O Princípio da Legalidade na Administração Pública Heletícia Oliveira* 1. INTRODUÇÃO O presente artigo tem como objeto elucidar, resumidamente, a relação do Princípio da Legalidade

Leia mais

OAB 2ª Fase Direito Constitucional Meta 4 Cristiano Lopes

OAB 2ª Fase Direito Constitucional Meta 4 Cristiano Lopes OAB ª Fase Direito Constitucional Meta Cristiano Lopes 0 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. META LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CF, arts. ; Doutrina: Poder legislativo

Leia mais

Pró-Reitoria de Graduação Curso de Direito Trabalho de Conclusão de Curso

Pró-Reitoria de Graduação Curso de Direito Trabalho de Conclusão de Curso Pró-Reitoria de Graduação Curso de Direito Trabalho de Conclusão de Curso A HIERARQUIA NORMATIVA DOS TRATADOS INTERNACIONAIS SOBRE DIREITOS HUMANOS EM FACE DO ORDENAMENTO JURÍDICO INTERNO Autor: Guilherme

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DA CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 6.542, DE 2006 VOTO EM SEPARADO DEPUTADO REGIS DE OLIVEIRA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DA CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 6.542, DE 2006 VOTO EM SEPARADO DEPUTADO REGIS DE OLIVEIRA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DA CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 6.542, DE 2006 Regulamenta o inciso IX do art. 114 da Constituição Federal, para dispor sobre competências da Justiça do Trabalho referentes

Leia mais

DIREITOS HUMANOS. Concepções, classificações e características A teoria das gerações de DDHH Fundamento dos DDHH e a dignidade Humana

DIREITOS HUMANOS. Concepções, classificações e características A teoria das gerações de DDHH Fundamento dos DDHH e a dignidade Humana DIREITOS HUMANOS Noções Gerais Evolução Histórica i Concepções, classificações e características A teoria das gerações de DDHH Fundamento dos DDHH e a dignidade Humana Positivismo e Jusnaturalismo Universalismo

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA. PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 55, DE 2007. (MENSAGEM N o 470, de 2006)

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA. PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 55, DE 2007. (MENSAGEM N o 470, de 2006) COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 55, DE 2007 (MENSAGEM N o 470, de 2006) Aprova o texto do Acordo, por troca de Notas, sobre Supressão de Vistos entre

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China CONVENÇÃO SOBRE A JURISDIÇÃO, LEI APLICÁVEL E RECONHECIMENTO DE DECISÕES EM MATÉRIA DE ADOÇÃO (Concluída em 15 de novembro de 1965) (Conforme o seu artigo 23, esta Convenção teve vigência limitada até

Leia mais

Resolução da Assembleia da República n.º 67/2003 Convenção de Viena sobre o Direito dos Tratados, assinada em 23 de Maio de 1969

Resolução da Assembleia da República n.º 67/2003 Convenção de Viena sobre o Direito dos Tratados, assinada em 23 de Maio de 1969 Resolução da Assembleia da República n.º 67/2003 Convenção de Viena sobre o Direito dos Tratados, assinada em 23 de Maio de 1969 Aprova, para adesão, a Convenção de Viena sobre o Direito dos Tratados,

Leia mais

ÍNDICE. Alguns estudos do autor... Prefácio...

ÍNDICE. Alguns estudos do autor... Prefácio... ÍNDICE Alguns estudos do autor................... Prefácio..................................... 5 11 Capítulo I - CONCEITO DE DIREITO TRIBUTÁRIO 1. Direito financeiro e direito tributário........ 23 2.

Leia mais