Telejornalismo e identidade em emissoras locais: a construção de contratos de pertencimento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Telejornalismo e identidade em emissoras locais: a construção de contratos de pertencimento"

Transcrição

1 Telejornalismo e identidade em emissoras locais: a construção de contratos de pertencimento Iluska Coutinho 1 Resumo: A proposta deste artigo é refletir sobre a produção dos contratos de afinidade, e da relação de pertencimento entre uma emissora e seu público, tendo como referência a identidade forjada nos telejornais locais. A experiência de Juiz de Fora/MG, e de uma de suas emissoras de televisão, é o foco central desse trabalho no qual compreende-se que a veiculação diária de produtos jornalísticos reforça a relação entre TV e município, conforme estruturada no modelo brasileiro de radio/teledifusão. Autores como Hall e Bauman oferecem suporte teórico para a discussão da Identidade e, na reflexão proposta, dialogam com pesquisadores que estudam a televisão, e especialmente seu material jornalístico. Palavras-chave: Telejornalismo local; Narrativa; Identidade; Dramaturgia. Em 1969 entrava no ar o Jornal Nacional e com ele o modelo de transmissões de programas em rede 2 e a perspectiva de integração nacional via telinha, instaurando no campo das telecomunicações a ideologia de segurança nacional. O acesso à tecnologia de transmissão, inclusive, foi viabilizado com a utilização de orçamento público, opção dos militares para garantir a difusão do sinal de televisão, e da ideologia de segurança nacional, por todo o território brasileiro: ( )a TV realizou o sonho de integração nacional, agindo como ponta-de-lança na implantação de uma mentalidade modernizadora do Brasil. (Gleiser, 1983, p. 19). A compreensão de modernização de acordo com o modelo implantado envolvia a transmissão simultânea dos mesmos conteúdos e das mesmas imagens por todo o país, 1 Professora adjunto II do Departamento de Jornalismo da FACOM/ UFJF. Jornalista, mestre em Comunicação e Cultura (UnB), doutora em Comunicação Social (Umesp) com estágio doutoral na Columbia University. Líder do Grupo de Pesquisa Comunicação, Identidade e Cidadania. 2 A interligação via rede terrestre de microondas não atingia todo o território nacional. Até a década de 80, com a chegada do satélite, apenas as regiões sul, sudeste e parte do nordeste brasileiro possuíam 1

2 o que envolvia a difusão também imediata de informações, noticiosas e/ou educativas, em um raciocínio claramente desenvolvimentista, perspectiva defendida pelos ideólogos do regime militar. Nessa linha se tornou célebre a afirmação atribuída ao então presidente Emílio Garrastazu Médici de que, após um dia extenuante de trabalho, se sentia tranquilo quando assistia todas as noites ao Jornal Nacional. Afinal, como salientou Ester Hamburguer à propósito das relações entre a TV e os telespectadores no Brasil, Enquanto a segregação social, econômica e cultural segmenta e divide a sociedade brasileira, a televisão acena a possibilidade de conexão, mesmo que virtual (1968, p.485). Mas, se por um lado a (re)união do país em rede nacional de TV atendia aos interesses do governo militar e também do ainda incipiente mercado publicitário, por outro esse modelo de teledifusão reduziu os sotaques e sabores regionais então presentes nas emissoras de televisão espalhadas pelo país. Organizadas em redes nacionais, as emissoras brasileiras desde então se reúnem por meio de contratos de afiliação. Nessa estrutura a significativa maioria dos conteúdos veiculados ao longo da programação é produzida pela chamada "cabeça de rede" e reproduzido pelas emissoras afiliadas, que estendem o sinal da rede por diversos estados e municípios, garantindo o alcance nacional. De acordo com esse modelo as emissoras de TV que tem contrato com determinada "Rede de TV" reproduzem simultaneamente a programação gerada, ocupando com sua produção (local ou regional), espaços que são determinados de acordo com o contrato de afiliação. A exigência de produção de material audiovisual local é prevista em lei, embora sua fiscalização em geral também fique apenas no papel. interligação. Não por acaso é nessa região que há maior concentração populacional e também da renda nacional. 2

3 Geralmente a produção realizada pelas emissoras afiliadas tem caráter jornalístico ou integraria a categoria informação, na classificação estabelecida por Souza (2004). Nessa perspectiva, a proposta nesse artigo é refletir sobre as possibilidades de veiculação e/ou construção de uma identidade de caráter regional em uma emissora de TV local, com destaque para seus telejornais. Localizada em Juiz de Fora, primeira cidade do interior a contar com uma estação de TV na América Latina, a pesquisa procurar refletir sobre a identidade que a emissora afiliada da Rede Globo de Televisão, TV Panorama, busca forjar em sua programação e ainda analisar os laços de pertencimento que são tecidos por meio de seu discurso jornalístico. Este estudo se insere na pesquisa macro Dramaturgia do Telejornalismo Regional: a estrutura narrativa das notícias em TV na qual são analisadas as produções de duas emissoras de TV instaladas em Juiz de Fora, município da Zona da Mata mineira em que a questão da identidade também merece reflexões. Mas, se nossa temática transita pelos aspectos de representação e identidade, cabe esclarecer qual a perspectiva ou pertencimento teórico, que oferece referências à análise proposta. Sobre Identidade e Diferença De acordo com Stuart Hall (1999) é possível falar em três ou concepções de identidade a partir de três formas de compreender o sujeito, e o mundo. Assim, haveria de acordo com o autor as visões de identidade correspondentes aos sujeitos: do iluminismo, sociológico e pós-moderno. O primeiro deles, o sujeito do Iluminismo seria marcado pela crença na racionalidade e na compreensão de indivíduos centrado, unificado (...) cujo centro consistia num núcleo interior (...)O centro essencial do eu era a identidade de uma pessoa. (HALL: 1999, pp.10-11). Com a complexificação do mundo emergiria o 3

4 sujeito sociológico, marcado pela perda de autonomia do indivíduo, frente ao mundo social. O sujeito e sua identidade seriam constituídos na relação com o outro, na mediação social de valores, sentidos e símbolos, nas trocas culturais. Caberia a identidade, de acordo com essa concepção, o papel de preencher o espaço entre os mundos pessoal e público ou entre interior e exterior, a costura ou sutura ao sujeito à estrutura social e cultural na qual sua vida se insere. Finalmente o sujeito pós-moderno ou contemporâneo, como talvez prefiram alguns, tem como característica de destaque sua fragmentação, sendo sua(s) identidade(s) mais fluída, algumas vezes contraditória...multimídia, para fazer uma brincadeira com a questão dos suportes, e de seus usos em tempos de convergência midiática. Ao invés de ser determinada de forma biológica ou social a identidade desse sujeito é estabelecida historicamente, sendo possível assumir diferentes identidades ao longo do tempo. A identidade torna-se uma celebração móvel, formada e transformada continuamente em relação às formas pelas quais somos representados ou interpelados nos sistemas culturais que nos rodeiam (...) à medida que os sistemas de significação se multiplicam, somos confrontados por uma multiplicidade desconcertante e cambiantes de identidades possíveis (HALL: 1999, p.13). O autor destaca o caráter de simplificação na tipologia proposta e se detém na questão da identidade cultural do sujeito fragmentado e em especial na análise da identidade nacional. As culturas nacionais seriam fontes de identidade cultural para os indivíduos na contemporaneidade, e uma das formas destes se definirem em relação aos outros. Hall ainda coloca em relevo a questão da representação, a partir da(s) qual(is) se construiriam os significados e valores, a própria idéia de nação. E, ainda que se constituindo de acordo com Benedict Anderson como uma comunidade imaginada, a identidade nacional subordinaria as diferenças regionais e étnicas. No Brasil essa narrativa da nação seria construída especialmente a partir das emissões diárias das Redes de Televisão, de suas telenovelas e também telejornais. Na 4

5 telinha os brasileiros além celebrar as memórias do passado, de perpetuarem sua herança (cultural) também reforçariam seu desejo de viver em conjunto, ainda que via laço social feito à distância, para tomar emprestada imagem construída por Dominique Wolton ao propor uma teoria crítica da televisão (1996). Nesse sentido a programação das emissoras de televisão distribuídas por todo o Brasil, ao compartilhar simultaneamente os mesmos sons e imagens, acabaria por se constituir no dispositivo discursivo descrito por Hall que representa a diferença como unidade ou identidade (1999, p.62). O caráter de construção da identidade também é reforçado por Zygmunt Bauman segundo quem sua idéia não seria natural nem partiria apenas da experiência humana. Para o autor a identidade, especialmente em sua vertente versão nacional, teria surgido como ficção, e se consolidado via coerção e convencimento, para o qual concorreriam as emissões das emissoras de TV, mensageiras da ordem no modelo brasileiro de radiodifusão. Mas se nascida da crise do pertencimento a identidade nacional poderia ser entendida como um grito de guerra, por outro lado, Uma comunidade nacional coesa sobrepondo-se ao agregado de indivíduos do Estado estava destinada a permanecer incompleta, mas eternamente precária um projeto a exigir uma vigilância contínua, um esforço gigantesco e o emprego de boa dose de força a fim de assegurar que a exigência fosse ouvida e obedecida (BAUMAN: 2005, p.27). A relação entre a (con) formação da identidade e sua relação com a utilização de regras e sanções será retomada posteriormente nesse artigo, quando da análise da questão juizforana. Assim como Hall, Bauman localiza na crise do identidade, ou de seu modelo unitário e/ou uniforme, a razão para suas buscas, em termos teóricos e práticos, na contemporaneidade. Sem as âncoras sociais que garantiriam sua naturalidade, a identificação ganharia importância para os indivíduos que passariam a buscá-la de 5

6 forma desesperada. Essa buscas seriam significativamente mediadas, acrescente-se, quer seja por meio das imagens e representados veiculados pela grande mídia, com destaque para o conteúdo jornalístico, quer pela criação de novos grupos e/ou espaços de circulação de mensagens customizadas no ciberespaço. Bauman destaca os riscos do caráter mediado dessa localização ou identificação: (...) os grupos que os indivíduos destituídos pelas estruturas de referências ortodoxas tentam encontrar ou estabelecer hoje em dia tendem a ser eletronicamente mediados, frágeis totalidades virtuais, em que é fácil entrar e ser abandonados. (...) Não podem ser um substituto válido de sentar-se a uma mesa, olhar o rosto das pessoas e ter uma conversa real. Tampouco podem essas comunidades virtuais dar substância à identidade pessoal a razão básica para procurá-las. (BAUMAN: 2005, p.31). O certo, de acordo com o autor é que em um mundo marcado pela velocidade, pela fragilidade da segurança e das oportunidades, denominado por ele de modernidade líquida, as identidades convencionais, que não permitiriam negociação, não teriam espaço nem pertencimento, esse um termo caro na sua discussão do tema. Mas se a noção anterior de identidade, como tudo que é sólido, teria se desmanchado no ar, para usar a imagem proposta por Marx e Engels, o que poderia ser dito dessa(s) nova(s) identidade(s) e de sua construção? Bauman recusa a utilização com o quebra-cabeças como analogia, apenas parcialmente esclarecedora para descrever o processo de composição da identidade. Se no primeiro caso o destino final seria estabelecido à priori (muitas vezes acompanhado por uma ilustração do modelo pronto ), sendo o processo de encaixe definido como uma tarefa direcionada para o objetivo, no caso da identidade o trabalho teria os meios como orientação. Não se começa pela imagem final, mas por uma série de peças já obtidas ou que pareçam valer a pena ter, e então se tenta descobrir como é possível agrupá-las e reagrupá-las para montar imagens (quantas?) agradáveis. Você está experimentando com o que tem.(bauman: 2005, p.55). 6

7 Nesse aspecto, se a proposta é refletir sobre a construção da identidade em Juiz de Fora, via telejornais, caberia perguntar sobre as imagens e peças que o cidadão dessa cidade da Zona da Mata mineira tem para se (re) construir como grupo, também via jornalismo. Sobre Telejornalismo e Identidade em Juiz de Fora Os percursos históricos do telejornalismo e das emissoras de televisão em Juiz de Fora registram aspectos interessantes no que diz respeito à construção da identidade, local, entre seus telespectadores, bem como sobre as relações de pertencimento que passam a se constituir em torno das emissões cotidianas de informação via telinha. Primeira emissora de televisão (com geração própria) do interior do país, a TV Industrial entra no ar em 24 de Julho de 1964, menos de quatro meses após o golpe militar cuja marcha partiu exatamente de Juiz de Fora. Mas, diferente do que posteriomente foi estabelecido como modelo na chamada ideologia de segurança nacional que ofereceu suporte à integração do país via televisão, a emissora de TV juizforana nasce com a perspectiva de autonomia, de produção e veiculação de material próprio, desvinculado da programação gerada na capital de Minas Gerais, por exemplo. A TV Industrial foi a primeira e única emissora do sistema de tv aberta genuinamente local, já que as 12 horas de programação local diária que foram ao ar de 1964 a 1980 (ano em que a Tv foi vendida para a Rede Globo de Televisão) eram quase na totalidade produzidas pela própria emissora que não era filiada a nenhuma rede de tv nacional (LINS, 2006, p.24). Regina Gaio, editora do telejornal MGTV1ª Edição, veiculado pela TV Panorama (nome atual da emissora), também era a responsável pela edição do noticiário de maior longevidade da extinta TV Industrial. O telejornal Imagem, que foi ao ar de 1977 a 1980, calcula que cerca de 80% da programação da emissora era local e o 20% restantes eram ocupados com a veiculação de filmes. Apesar disso, ainda na fase pioneira da TV Industrial, Regina destaca a existência de influência das grandes emissoras. 7

8 Bastante crítica, Regina Gaio não credita ao telejornalismo as razões para o sucesso da emissora junto a seu público, para a criação dos primeiros laços de pertencimento entre emissora e público, que teriam sido forjados, em sua visão, graças à programas de auditórios e mesas de debates, onde as pessoas se viam na TV. A questão da visualidade é retomada pela editora como um provável motivo para justificar a falta de laços entre o telejornal e os cidadãos juizforanos, ou para a falta de uma identidade telejornalística na programação da TV Industrial já que, apesar de seu nome, o noticiário Imagem não veiculava outra imagem que não a de seu apresentador em estúdio. Esse tipo de produção jornalística, que também encontra correlato em emissoras de TV de capitais do Brasil, correspondeu ao que poderíamos denominar de fase radiofônica do telejornalismo. Mas em função das dificuldades operacionais e financeiras da emissora de TV juizforana, na região da Zona da Mata Mineira ele foi mais persistente. Uma das alternativas construídas pela então equipe de jornalistas da emissora era a utilização de selos, via uso de cartões com desenho, ao lado do apresentador. Os selos mostravam o personagem símbolo da emissora, o Zé Marmita, em situações relacionadas à temática abordada nos textos apresentador: Esporte; Educação; Política etc. Filho do criador da emissora, Geraldo Mendes descreve a TV Industrial como uma emissora popular, daí a opção por seu personagem símbolo, em busca de uma identificação com o público alvo, imaginado pelos proprietários. A TV Industrial encerrou suas atividades em 1980, quando o canal passou para a Rede Globo de Televisão, que mesmo abrindo espaço para um jornalismo local, provocou segundo Luiz Carlos Nazaré muita reclamação, pois as pessoas já não se viam mais, já que mais de 90% da programação não era da cidade. (LINS, 2006, p. 28). Com a compra da TV Industrial pela Globo, a programação da emissora perdeu seu caráter local, agora restrito aos telejornais. E, apesar da manutenção do quadro de funcionários, os dirigentes vieram do Rio de Janeiro. Dentro da concepção de Rede, de 8

9 1980 a 1997 a geração de material na TV Globo Juiz de Fora 3 (oficialmente emissora de propriedade de Flávia Marinho, neta do patriarca Roberto Marinho) restringiu-se a poucos minutos de jornalismo diário, à transmissão da Missa em seus estúdios e, algumas vezes, a eventuais especiais jornalísticos sobre cidade e região. Com problemas financeiros, as Organizações Globo comercializam parte de suas emissoras localizadas no interior do país. Assim, em 2004 a TV Panorama foi vendida para o empresário mineiro Omar Resende Peres. Além da emissora de TV, Peres compra uma rádio FM e cria um jornal impresso; estava constituído o grupo regional OP.COM. O jornalismo na TV Panorama tem como referência o modelo de telejornalismo da Rede Globo. Mais que isso a indicação, escolha do chefe de seu departamento de jornalismo está subordinado à aprovação da chamada cabeça de rede. Apesar disso, e que pesem as limitações reconhecidas no sistema de afiliação, e particularmente no caso das emissoras afiliadas da Rede Globo, a TV Panorama busca a ampliação de espaços identitários e de vínculos com seu público via telejornalismo. Além das edições do MGTV1ª e 2ª Edição, com apresentação local e veiculação de um mix de matérias que inclui material produzido pela TV Globo Minas e outras de suas afiliadas, a TV Panorama conta com outros dois programas jornalísticos: Panorama Revista (veiculado aos sábados) e Panorama Entrevista (exibido aos domingos). Como no princípio, há a busca pelo popular em sua programação, pela constituição de vínculos mais próximos com seu público, reforçada especialmente no texto lido pelos apresentadores dos telejornais e no estabelecimento da pauta/ edição do telejornal. Desta forma, por exemplo, o telejornal começa sempre com uma matéria 3 Mais tarde, dentro da estratégia de regionalização da Rede Globo, a emissora passa a se chamar TV Panorama. 9

10 local, ainda que seja um material frio, sem grande relevância, em contraposição a outro produzido em outra localidade, como Belo Horizonte, capital do estado. Além disso merece destaque a realização de campanhas pela emissora, que com freqüência é personagem das narrativas veiculadas em seus telejornais, como abordamos em artigo anterior (COUTINHO, 2005). Em busca do reconhecimento, da identificação, e do estabelecimento de laços de pertencimento com o público a emissora procura em suas matérias, telejornais, permitir que o juizforano se veja. Assim, uma condição sine qua non na receita da TV Panorama é a realização de, pelo menos, dois Povo Fala durante o MGTV 1ª Edição. Entre as fontes cujas entrevistas são veiculadas no programa, o grupo Populares tem destacada maioria em relação por exemplo a Autoridades ; Especialistas ; Políticos etc. A percepção e reconhecimento da Juizdeforaneidade A reflexão sobre a identidade juizforana na redação desse artigo é acompanhada pela exposição da autora à campanha de comemoração dos 156 anos da cidade. O comercial veiculado nas emissoras de TV mostra imagens de seus pontos turísticos, de encontro e de personagens (re) conhecidos pela população, que repetem: eu amo Juiz de Fora. Como forma de celebrar o aniversário da cidade uma enquete promovida pelas Organizações Panorama de Comunicação(OP.com), a qual pertence a TV Panorama, vai revelar para os telespectadores juizforanos o símbolo que mais representa Juiz de Fora na opinião de seus cidadãos 4. Na tentativa de compreender o processo de constituição da identidade juizforana, e da própria concepção da cidade, que considera de fronteira geográfica e simbólica, 4 Foi o editor responsável pela TV Panorama, Roberto Gonçalves, que chegou recentemente chegou à cidade (contratado por indicação da Rede Globo) que idealizou a promoção. A votação ocorreu na web (http://www.ipanorama.com) e foi encerrada no daí 31 de maio, aniversário da cidade, e os resultados conhecidos por meio do MGTV2ª Edição e do Jornal Panorama. Foram cinco opções de escolha: o 10

11 Christina Musse estabelece um percurso histórico de resgate. Em tese de doutorado ela salienta (...)diferenças concretas que marcaram a ocupação da região, diferenciando-a do restante do estado de Minas Gerais e, em especial, revelando como a cidade, por não ter compartilhado do sentimento barroco característico do período colonial mineiro, desta forma, se afastou daquilo que se convencionou chamar de discurso da mineiridade, que forja a sua narrativa, nos setecentos e oitocentos. (MUSSE: 2006, p.46) Nesse aspecto vale a pena ressaltar que o processo de ocupação e desenvolvimento em Juiz de Fora, assim como em toda a região da chamada Zona da Mata Mineira ocorre tardiamente. Historiadores como Carlos Alberto Hargreaves Botti justificam esse atraso em função dos primeiros residentes, a população indígena que habitava a região, serem especialmente agressivos, refratários às tentativas de colonização 5. Desta forma os viajantes que partiam de São Sebastião do Rio de Janeiro em direção às terras do centro do ouro optavam por um caminho mais longo, que ficou conhecido como Caminho Velho. A partir de uma perspectiva histórica, Musse ressalta ainda o interesse da coroa em manter um certo isolamento na região da Mata Mineira, como forma de proteção ao ouro existente então. Assim, apenas com o esgotamento do chamado ciclo da mineração é que a região onde se insere Juiz de Fora deixou de estar à margem do processo de desenvolvimento construído pelos portugueses. Esse percurso histórico guardaria para Musse, parte da identidade de Juiz de Fora como vila e cidade: Se a Minas do ouro tem sua vida urbana ligada à exploração e à comercialização do metal, num período em que o Brasil ainda estava subjugado à Coroa portuguesa, Juiz de Fora terá, como vila do século XIX, história totalmente diferente, nascida sob um novo momento histórico, em que, ainda no Império, o Brasil buscava se constituir como Nação. (MUSSE: 2006, p.47). É só com o esgotamento do ciclo do ouro que Juiz de Fora começa a se constituir, no processo de fixação de comunidades ao longo do rio Paraibuna onde Calçadão da Rua Halfeld, o Cine-Theatro Central, o Parque Halfeld, o Museu Mariano Procópio e o Morro do Cristo. 11

12 desenvolviam atividades agrícolas. Christina Musse lembra em sua tese que todos os povoados agrícolas das chamadas Matas do Leste estavam então subordinados ao governo do Rio de Janeiro, que doou sesmarias a seus funcionários e agregados imediatos (2006, p.49). Talvez estejam aí os primeiros indicativos de construção na imagem juizforana da marca identitária, com viés pejorativo, de cariocas do brejo. Nesse aspecto cabe refletir também a partir de autores como Tomaz Tadeu da Silva, para quem a produção social da identidade e da diferença passa pela questão da linguagem, e especialmente pela ação de denominar. Assim, para compreender melhor a identidade juizforana seria interessante resgatar o próprio nome da cidade. Em uma visita ao Fórum da Cultura, um dos espaços de produção cultural e também de resgate da memória na cidade 6, um de seus monitores apresenta duas versões sobre o nome Juiz de Fora. De acordo com uma delas a cidade teria esse nome uma vez que um magistrado de outra região viria ao local para julgar questões controversas; em outra, o suposto juiz teria sido colocado para fora por causa de uma conduta desabonadora, reprovada pelos habitantes de então. Primeiro é interessante ressaltar que o nome da cidade foi estabelecido a partir de uma fazenda que pertenceu no passado a um Juiz de Fora, o senhor Bustamente e Sá, aposentado que comprou uma sesmaria do então secretário de governo de São Sebastião do Rio de Janeiro. A região ficou conhecida então como a Fazenda do Juiz de 5 Essa resistência à adoção dos modelos oferecidos será retomada posteriormente na análise da identidade juizforana. 6 O Fórum da Cultura pertence à Universidade Federal de Juiz de Fora e é constituído por um Museu de Arte Popular, uma Galeria e um Teatro. É no âmbito do Fórum que se organiza o Grupo Divulgação, que completa em anos de atividades de teatro amador, e ainda o Centro de Estudos Teatrais. O imóvel é um casarão construído na década de 20 do século passado, e serviu como residência de importantes famílias de Juiz de Fora. O prédio já abrigou, também, a Faculdade de Direito nos anos 50 e, na década de 60, o primeiro gabinete do reitor da UFJF, o prof. Moacyr Borges de Mattos. (www.ufjf.br. Em 1972 o casarão se tornou um centro cultural. Há oito anos o Fórum da Cultura é dirigido pelo professor da Faculdade de Comunicação José Luiz Ribeiro, que estabeleceu no local também um ambiente de monitoria acadêmica, com inserção de alunos na história do local, da cidade e ainda no projeto de ampliação do acesso aos bens culturais. Uma das vertentes dessa proposta são as visitas guiadas, que atendem escolas municipais e estaduais, públicas e privadas, e demais visitantes. 12

13 Fora. Apesar desse esclarecimento preliminar, a história do personagem que doou seu nome a cidade permaneceu envolta em mistério de acordo com Musse. Não conseguimos identificar as razões pelas quais, durante mais de um século, ninguém tenha tomado a iniciativa de esclarecer o enigma, até que as pesquisas realizadas por Alexandre Miranda Delgado, nos arquivos da Torre do Tombo, em Portugal, na década de 1980, viessem a colocar um ponto final (ou mais algumas reticências...), nas estórias que tentavam dar conta da origem da cidade. Os documentos, reproduzidos na Revista do Instituto Histórico e Geográfico de Juiz de Fora, identificaram o personagem como um servidor da Coroa Portuguesa, que prestou serviços no Rio de Janeiro, no século XVIII. (2006, p.51). Ainda de acordo com Alexandre Delgado o juiz de fora teria construído o prédio sede da Fazenda, que recebeu o título de seu cargo, e posteriormente vendido o terreno a seu genro. Mais tarde a fazenda e seu terreno teriam sido repassados ao comerciante Antônio Vidal e em poder de sua família estendido sua extensão territorial, pela compra de novas áreas, até 1812, quando a fazenda é vendida com cinco sesmarias para um coronel, Vida Barbosa. Digressões históricas à parte, assim como Musse caberia perguntar o motivo do culto ao mistério envolvendo o nome da cidade, uma vez que grande parte de seus habitantes atualmente ainda ignoram sua verdadeira origem e continuam a especular sobre ela (MUSSE: 2006, p.53). No âmbito desse texto, em diálogo com a proposta de análise das questões de identidade e diferença locais veiculadas e reforçadas via telejornais, insinua-se uma hipótese. Construir um passado sólido para essa cidade/história/identidade poderia ser uma limitação ao seu auto-retrato em que Juiz de Fora revela-se como uma região (pós)moderna, sem fronteiras e/ou pertencimentos que não possam se desmanchar no ar. Como hipótese ou indício essa perspectiva ainda necessitaria de confirmação, embora não seja essa a proposta desse texto. À título de localização geográfica dessa cidade de fronteira, ou margem como prefere Musse, vale recorrer aos registros da enciclopédia livre da rede mundial de 13

14 computadores. Com uma latitude de 21º 45' S e longitude 43º 21', Juiz de Fora pertence à região da Zona da Mata Mineira, que polariza atualmente por meio da prestação de serviços de saúde, educação, comércio, entre outros. Fundada como vila em 1850 a cidade tem uma altitude de 696 metros, uma área de 442,9 km² e habitantes (densidade: 312,1 h/km²). Seu PIB per capita é de 6,2 mil reais e Juiz de Fora possui uma das mais altas expectativas de vida do Brasil se constituindo como um importante centro regional cultural, sendo a única cidade de sua microregião a ter cinemas, teatros, casas noturnas e outros locais de entretenimento funcionais (http://pt.wikipedia.org/wiki/juiz_de_fora). Mas, se a localização geo-econômica pode ser definida com a clareza e precisão dos números, a(s) identidade(s) cultural(is) de Juiz de Fora e a percepção e sentimento de pertencimento de seus habitantes têm um caráter mais fluído, e de construção histórica. Aliás, se a produção de identidade é um processo que tem um caráter de diferenciação, que pressupõe a existência de um Outro, talvez seja ainda mais correto afirma que a identidade de Juiz de Fora ou juizdeforaneidade se forja a partir de sua relação de oposição, diferença, em relação à Belo Horizonte, capital do estado. Assim, a cidade que já foi o centro mais importante de Minas Gerais, no período em que era (re)conhecida como a "Manchester Mineira", guarda um sentimento de estranhamento com a capital, e especialmente com o modelo de estado que foi conformado, excluindo o município do lugar de relevância e destaque até então conquistado. Se Juiz de Fora já foi conhecida como a Europa dos Pobres, e depois teria se tornado referência cultural pelas letras de Murilo Mendes, Pedro Nava, Afonso Romano de Sant anna, Rubem Fonseca, a capital mineira, de acordo com as lentes dos juizforanos ainda teria a marca do Barraco, seria Grande Sertão Veredas, como definiu o professor e dramaturgo José Luiz Ribeiro. 14

15 E se Juiz de Fora é uma cidade (pós)moderna um interessante indicativo para avaliar a percepção e o reconhecimento de sua identidade poderia ser a existência de comunidades virtuais relacionadas ao município e/ou seus habitantes. No site de relacionamentos Orkut havia no final de maio de 2006, 698 comunidades localizadas a partir do nome Juiz de Fora. Entre elas registra-se a curiosa Sou de Fora em Juiz de Fora, que agrega moradores que apesar de não serem naturais da cidade buscam sua inserção e/ou pertencimento (5106 cadastrados) e ainda aquelas que reforçam a ligação da cidade com outros municípios (Rio de Janeiro, Cabo Frio, Piúma) ou que tentam conformar sua identificação com o Estado, como no grupo Juiz de Fora é Minas. Essa última comunidade, de adesão bem restrita contrasta com a forte oposição percebida pelos habitantes que, em oposição ao conservadorismo da capital destacam em Juiz de Fora o respeito à diferença. Desde o advento do Lei 9791, a Lei Rosa, que projetou positivamente a nossa política pública de respeito à diferença para todo o território nacional, vimos experimentando uma série de conquistas no campo do reconhecimento e da afirmação dos direitos iguais para todos os iguais (SILVA, 2006). A citação acima integra um artigo disponível na página do MGM, Movimento Gay de Minas, organização não governamental criada em 2000 para combater a homofobia - o ódio e intolerância contra gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros (GLBTs). Sua sede se localiza em Juiz de Fora, localização que pode ser compreendida como oposição/ diferença ao modelo da capital Belo Horizonte (que abriga o Movimento Machão de Minas). A análise sobre a representação e identificação no que se refere ao movimento gay em Juiz de Fora mereceu destaque em artigo apresentado no Intercom 2006 (Coutinho, 2006). 15

16 Conclusões Na tentativa de finalizar parte das discussões realizadas neste artigo cabe destacar a atribuição do nome da primeira emissora local em Juiz de Fora com a própria identidade da cidade da Zona da Mata de Minas Gerais. Afinal, surgida em meados da década de 1960, a TV Industrial busca reforçar e/ou recompor a identidade da Manchester Mineira, que vinha sofrendo com um quadro de recessão, fechamento de fábricas...não sem motivo o personagem símbolo da emissora busca o diálogo com uma população, público, que na visão dos primeiros proprietários da emissora seria essencialmente operário, daí o Zé Marmita. Ao inserir em sua programação, especialmente nos telejornais, imagens do juizforano comum, de entrevistados que estão nas ruas, prontos a dar sua opinião e Ter sua imagem multiplicada, a emissora busca reconstruir sua marca local, de realização do que denominou-se de jornalismo de proximidade. Afinal, como descreveu Francisco Rui Cádima, "O paradoxo da escrita em televisão, está no fato de as imagens, além dessa relação unívoca, serem também cúmplices de quem as olha. Outorgado ao espectador/ entrevistado o direito de observação descrito por Cádima, e de participação, complete-se, é possível compreender que o discurso da TV Panorama, como das demais mídias, guarda em si as estratégias de dominação e o conjunto de práticas que (con)formam uma identidade particular. Seja ela experimentada de forma concreta, seja via mediação dos telejornais locais, detentores de um valor de verdade, para utilizar uma expressão de Foucault, a(s) identidade(s) juizforana(s) se constrói (em) a cada nova edição, encontro catódico. 16

17 Referências bibliográficas COUTINHO, Iluska. Dramaturgia do telejornalismo brasileiro: a estrutura narrativa das notícias em TV. Tese de Doutorado em Comunicação Social. Universidade Metodista de São Paulo. São Bernardo do Campo, Celebração no telejornalismo local: A festa de N. Sra. Aparecida na TV em Juiz de Fora. Celacom São Bernardo do Campo: Cátedra Unesco, CD Rom. Emissoras comerciais de TV e a promessa do Jornalismo Público. III Encontro SBPJor. Florianópolis: UFSC, Telejornalismo e Identidade em Juiz de Fora: a (re) afirmação da diferença na cobertura do Miss Brasil Gay. Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Brasília: UnB e Intercom, CD Rom. FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, GLEISER, Luiz. Além da notícia: o Jornal Nacional e a televisão brasileira. Dissertação de Mestrado. Rio de Janeiro: UFRJ, p. HALL, Stuart. Identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, HAMBURGUER, Ester. Diluindo fronteiras: a televisão e as novelas no cotidiano. In História da vida privada no Brasil: contrastes da intimidade contemporânea (vol.iv)/ coordenação geral da produção Fernando A Novais; org. do volume Lilia Moritz Schwarz São Paulo: Companhia das Letras, p MARTIN-BARBERO, Jesús, GERMAN-REY, Tradução de Jacob Gorender. Os exercícios do ver: hegemonia audiovisual e ficção televisiva. São Paulo: Senac, p MUSSE, Christina Ferraz. Imprensa, cultura e imaginário urbano: exercício de memória sobre os anos 60/70 em Juiz de Fora. Tese de Doutorado. Escola de Comunicação da UFRJ. Rio de Janeiro, SOUZA, José Aronchi de. Gêneros na televisão brasileira. São Paulo: Summus, SILVA, José Augusto da. Agosto: Identidade na diversidade. Disponível em: Acesso em 20/05/2006. SILVA, Tomaz Tadeu da (org). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 4ª Ed. Petrópolis: Vozes, WOLTON, Dominique. Elogio do grande público - uma teoria crítica da televisão. São Paulo: Ática,

Fontes e público: quem faz parte do Repórter Brasil? 1. Roberta Braga Chaves 2 Iluska Coutinho 3 Universidade Federal de Juiz de Fora

Fontes e público: quem faz parte do Repórter Brasil? 1. Roberta Braga Chaves 2 Iluska Coutinho 3 Universidade Federal de Juiz de Fora Fontes e público: quem faz parte do Repórter Brasil? 1 Roberta Braga Chaves 2 Iluska Coutinho 3 Universidade Federal de Juiz de Fora RESUMO Este trabalho tem como objetivo analisar as fontes que aparecem

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática. (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi)

Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática. (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi) Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi) XI Colóquio Internacional de Comunicação para o Desenvolvimento Regional (9,10,11

Leia mais

Telejornalismo local e Identidade: O Jornal da Alterosa e a construção de um lugar de referência 1 Iluska Coutinho 2 e Livia Fernandes 3

Telejornalismo local e Identidade: O Jornal da Alterosa e a construção de um lugar de referência 1 Iluska Coutinho 2 e Livia Fernandes 3 Telejornalismo local e Identidade: O Jornal da Alterosa e a construção de um lugar de referência 1 Iluska Coutinho 2 e Livia Fernandes 3 Resumo O telejornalismo ocupa um papel relevante para a nossa ordem

Leia mais

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1 Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG RESUMO Como forma de estimular a criatividade

Leia mais

(In)visibilidades fotográficas do mundo do trabalho: representações visuais e lacunas do visível nas imagens da Revista do Globo.

(In)visibilidades fotográficas do mundo do trabalho: representações visuais e lacunas do visível nas imagens da Revista do Globo. Mesa 24 (In)visibilidades fotográficas do mundo do trabalho: representações visuais e lacunas do visível nas imagens da Revista do Globo. Cláudio de Sá Machado Júnior Dentre as várias tipologias fotográficas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 DO ACONTECIMENTO

Leia mais

A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1. Thais CASELLI 2. Iluska COUTINHO 3

A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1. Thais CASELLI 2. Iluska COUTINHO 3 A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1 RESUMO Thais CASELLI 2 Iluska COUTINHO 3 Universidade Federal de Juiz De Fora, Juiz de Fora, MG Este trabalho verifica como é a

Leia mais

Inovação e o Telejornalismo Digital

Inovação e o Telejornalismo Digital Inovação e o Telejornalismo Digital Prof. Antonio Brasil Cátedra UFSC - RBS 2011 Telejornalismo Digital Novas práticas, desafios e oportunidades O que é Telejornalismo Digital Inovação tecnológica Interatividade

Leia mais

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno)

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Disciplina Ementa Pré- requisito C.H. Curso Assessoria de Comunicação Conhecimento geral, reflexão e prática

Leia mais

11ÍIJIIIII Linga A/902799

11ÍIJIIIII Linga A/902799 Linga-Bibliothek 11ÍIJIIIII Linga A/902799 REDE GLOBO 40 ANOS DE PODER E HEGEMONIA Valério Cruz Brittos César Ricardo Siqueira Bolano (orgs.) PAULUS {locíl Sumário APRESENTAÇÃO 11 PARTE I PLANO GERAL 17

Leia mais

PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM PRODUTO DE INCENTIVO A FAVOR DAS ENTIDADES DA TV COMUNITÁRIA

PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM PRODUTO DE INCENTIVO A FAVOR DAS ENTIDADES DA TV COMUNITÁRIA 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

Acessibilidade pela FAAC WebTV LIBRAS em transmissão ao vivo 1

Acessibilidade pela FAAC WebTV LIBRAS em transmissão ao vivo 1 Acessibilidade pela FAAC WebTV LIBRAS em transmissão ao vivo 1 Ana Beatriz Abbate 2 Henrique da Silva Pereira 3 Vinícius Laureto de Oliveira 4 Willians Cerozzi Balan 5 UNESP Universidade Estadual Paulista

Leia mais

A voz do público nas redes sociais: como se dá a interação e participação através da página do Repórter Brasil no Facebook

A voz do público nas redes sociais: como se dá a interação e participação através da página do Repórter Brasil no Facebook A voz do público nas redes sociais: como se dá a interação e participação através da página do Repórter Brasil no Facebook Roberta BRAGA 1 Allana MEIRELLES 2 Iluska COUTINHO 3 Resumo: Este trabalho faz

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO 1. Oficina de Produção CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO Duração: 03 dias Público ideal: grupos de até 15 pessoas Objetivo: Capacitar indivíduos ou grupos a produzirem pequenas peças

Leia mais

NOVO MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE JORNALISMO ADAPTADA À RESOLUÇÃO 001/2013 - CNE

NOVO MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE JORNALISMO ADAPTADA À RESOLUÇÃO 001/2013 - CNE NOVO MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE JORNALISMO ADAPTADA À RESOLUÇÃO 001/2013 - CNE 1º Período TEORIA DA COMUNICAÇÃO I Conceitos de comunicação e de comunicação social. Contexto histórico do surgimento da

Leia mais

A Cultura Popular Representada no Repórter Brasil 1. Allana MEIRELLES Vieira 2 Caio Cardoso de QUEIROZ 3 Iluska Maria da Silva COUTINHO 4

A Cultura Popular Representada no Repórter Brasil 1. Allana MEIRELLES Vieira 2 Caio Cardoso de QUEIROZ 3 Iluska Maria da Silva COUTINHO 4 A Cultura Popular Representada no Repórter Brasil 1 Allana MEIRELLES Vieira 2 Caio Cardoso de QUEIROZ 3 Iluska Maria da Silva COUTINHO 4 Resumo Este artigo tem como objetivo avaliar a relação entre cultura

Leia mais

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados Comunicação e Reputação 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados 1 Introdução Ao contrário do que alguns podem pensar, reputação não é apenas um atributo ou juízo moral aplicado às empresas.

Leia mais

Vinheta Sala de Cinema 1. Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM

Vinheta Sala de Cinema 1. Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM Vinheta Sala de Cinema 1 Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM RESUMO Esse trabalho surgiu a partir das atividades de um projeto de extensão (Pibex)

Leia mais

CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008;

CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008; CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014 Dispõe sobre propostas para adequação do Plano de Trabalho 2015 da EBC. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008; Considerando que o Plano de

Leia mais

TV VILA EMBRATEL Uma experiência de Web TV Comunitária a partir de uma solução de Sistemas de Gerenciamento de Conteúdo

TV VILA EMBRATEL Uma experiência de Web TV Comunitária a partir de uma solução de Sistemas de Gerenciamento de Conteúdo TV VILA EMBRATEL Uma experiência de Web TV Comunitária a partir de uma solução de Sistemas de Gerenciamento de Conteúdo Anissa Ayala CAVALCANTE 1 - UFMA Jessica WERNZ 2 - UFMA Márcio CARNEIRO 3 - UFMA

Leia mais

I Conferência Nacional de Comunicação CONFECOM. Marcelo Bechara Brasília, 21 de outubro de 2009

I Conferência Nacional de Comunicação CONFECOM. Marcelo Bechara Brasília, 21 de outubro de 2009 I Conferência Nacional de Comunicação CONFECOM Marcelo Bechara Brasília, 21 de outubro de 2009 1962 Lei nº 4.117, de 27 de agosto de 1962 Institui o Código Brasileiro de Telecomunicações CBT. 1963 Decreto

Leia mais

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão.

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão. A MÚSICA NA SOCIALIZAÇÃO DAS MENINAS DE SINHÁ GIL, Thais Nogueira UFMG thaisgil@terra.com.br GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: CAPES O que acontece quando os sujeitos excluídos

Leia mais

Radionovela para e com deficientes visuais 1

Radionovela para e com deficientes visuais 1 Radionovela para e com deficientes visuais 1 Gabriela Rodrigues Pereira CAPPELLINI 2 Raquel PELLEGRINI 3 Christian GODOI 4 Centro Universitário do Monte Serrat, Santos, SP RESUMO Narrar histórias a deficientes

Leia mais

Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ² Ruth Sabat.² RESUMO

Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ² Ruth Sabat.² RESUMO PROREXT/PROJETO DE EXTENSÃO 2008/1 - TERRITÓRIO AFROSUL DESENVOLVENDO O DIÁLOGO ACADEMIA / ONG AFROSUL ATRAVÉS DE TRABALHO COM JOVENS DE COMUNIDADE POPULAR RESUMO Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ²

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO Código Unidade 042 Cód. Curso Curso 42501 COMUNICAÇÃO SOCIAL Habilitação Etapa Sem/Ano JORNALISMO 6ª 1º / 2009 Cód. Disc. Disciplina Créditos CH Sem Teoria Prática 121.3604.2 TELEJORNALISMO I 04 X X Docentes

Leia mais

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Disciplinas Optativas Publicidade Carga horária total

Leia mais

Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹

Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹ Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹ Serena Veloso GOMES² Thamara Rocha Ribeiro FAGURY³ Kalyne Menezes SOUZA4 Silvana Coleta Santos PEREIRA5 Universidade Federal

Leia mais

I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos

I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos LABORATÓRIO DE CONVERGÊNCIA DE MÍDIAS PROJETO DE CRIAÇÃO DE UM NOVO AMBIENTE DE APRENDIZADO COM BASE EM REDES DIGITAIS. 1 Palavras-chave: Convergência,

Leia mais

Fortaleza, 4 de novembro de 2013.

Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, no V Fórum Banco Central sobre Inclusão Financeira Senhoras e senhores, boa tarde a todos.

Leia mais

COMUNICAÇÃO EM SAÚDE

COMUNICAÇÃO EM SAÚDE Fórum ONG/AIDS RS COMUNICAÇÃO EM SAÚDE Paulo Giacomini Porto Alegre, 30 de Outubro de 2014. Comunicação 1. Ação de comunicar, de tornar comum (à comunidade) uma informação (fato, dado, notícia); 2. Meio

Leia mais

Sheet1. Criação de uma rede formada por tvs e rádios comunitárias, para acesso aos conteúdos

Sheet1. Criação de uma rede formada por tvs e rádios comunitárias, para acesso aos conteúdos Criação de um canal de atendimento específico ao público dedicado ao suporte de tecnologias livres. Formação de comitês indicados por representantes da sociedade civil para fomentar para a ocupação dos

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA COMUNITÁRIA : ANÁLISE E PROPOSTA DE FORMATO JORNALÍSTICO NO PORTAL COMUNITÁRIO

PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA COMUNITÁRIA : ANÁLISE E PROPOSTA DE FORMATO JORNALÍSTICO NO PORTAL COMUNITÁRIO 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA

Leia mais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Comunicação é um direito de todos No Brasil, os meios de comunicação estão concentrados nas mãos de poucas empresas familiares que têm a

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

ABC Digital 1. PALAVRAS-CHAVE: TV Digital; Jornalismo Utilitário; Interatividade; Privacidade; Modelagem de conteúdo. INTRODUÇÃO

ABC Digital 1. PALAVRAS-CHAVE: TV Digital; Jornalismo Utilitário; Interatividade; Privacidade; Modelagem de conteúdo. INTRODUÇÃO ABC Digital 1 Fernanda Chocron MIRANDA 2 ; Diolene Borges Machado, Suzana Cunha Lopes, Dandara Silva de Almeida, Fabrício Natalino Bentes Queiroz, Graziella Câmara Mendonça, Killzy Kelly Lucena, Larissa

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

TV VE - uma experiência em webjornalismo participativo na produção de conteúdo audiovisual sob a ótica da comunidade da Vila Embratel 1

TV VE - uma experiência em webjornalismo participativo na produção de conteúdo audiovisual sob a ótica da comunidade da Vila Embratel 1 I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos TV VE - uma experiência em webjornalismo participativo na produção de conteúdo audiovisual sob a ótica da comunidade da Vila Embratel 1 Márcio Carneiro

Leia mais

TÍTULO / TÍTULO: TV EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO: PROJETO INTEGRADO DE EXTENSÃO E COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA

TÍTULO / TÍTULO: TV EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO: PROJETO INTEGRADO DE EXTENSÃO E COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA TÍTULO / TÍTULO: TV EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO: PROJETO INTEGRADO DE EXTENSÃO E COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA AUTOR / AUTOR: Ruy Alkmim Rocha Filho INSTITUIÇÃO / INSTITUCIÓN: Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

Práticas Laboratoriais de uma Rede de Comunicação Acadêmica Rede Teia de Jornalismo

Práticas Laboratoriais de uma Rede de Comunicação Acadêmica Rede Teia de Jornalismo Práticas Laboratoriais de uma Rede de Comunicação Acadêmica Rede Teia de Jornalismo Autores: Maria Zaclis Veiga e Élson Faxina Docentes do Centro Universitário Positivo UnicenP Resumo: A Rede Teia de Jornalismo

Leia mais

Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula

Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula José Manuel Moran A seguir são apresentadas sugestões de utilização de vídeo, CD e DVD. Vídeo como produção Como documentação, registro de eventos, de aulas,

Leia mais

O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões

O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões Nosso entrevistado é o Prof. Dr. Rogério da Costa, da PUC-SP. A partir de um consistente referencial teórico-filosófico, mas em uma linguagem simples,

Leia mais

A AGÊNCIA DE JORNALISMO COMO SUPORTE E APOIO AOS PROJETOS E AÇÕES DO CURSO DE JORNALISMO UEPG

A AGÊNCIA DE JORNALISMO COMO SUPORTE E APOIO AOS PROJETOS E AÇÕES DO CURSO DE JORNALISMO UEPG ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A AGÊNCIA DE JORNALISMO COMO SUPORTE

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

Proposta de programação cultural nos Centros Unificados de Educação

Proposta de programação cultural nos Centros Unificados de Educação CULTURA NOS CEUs Proposta de programação cultural nos Centros Unificados de Educação Resumo São Paulo, março de 2013. Por Ney Piacentini O projeto CULTURA NOS CEUs pretende levar às instalações culturais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE COMUNICAÇÃO, TURISMO E ARTES Coordenação de Jornalismo

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE COMUNICAÇÃO, TURISMO E ARTES Coordenação de Jornalismo UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE COMUNICAÇÃO, TURISMO E ARTES Coordenação de Jornalismo REGIMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM JORNALISMO Capítulo I Da concepção de estágio O Estágio visa oportunizar

Leia mais

E já surgia vitoriosa! Pois todos os vetos de Goulart foram rejeitados.

E já surgia vitoriosa! Pois todos os vetos de Goulart foram rejeitados. Senhoras e senhores Companheiros da Radiodifusão, É para mim e para todos os meus colegas da ABERT uma enorme alegria e uma honra receber tantos amigos e presenças ilustres nesta noite em que comemoramos

Leia mais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5.1 A Rede Globo A Rede Globo é uma das maiores redes de televisão do mundo, com milhões de espectadores

Leia mais

Pronac Nº 1111032 Você em Cenna é um concurso cultural que irá eleger atores e atrizes amadores de todo o país, que enviarão vídeos de suas performances para votação popular e de júri especializado. Os

Leia mais

artes visuais na capital

artes visuais na capital artes visuais na capital Na cidade de São Paulo, em função do tamanho da amostra, é possível comparar os resultados entre as diferentes regiões da cidade.! As páginas seguintes apresentam o número de entrevistados

Leia mais

A MultiRio na formação do leitor

A MultiRio na formação do leitor A MultiRio na formação do leitor Há 18 anos, a MultiRio presta relevantes serviços, enfrentando o desafio de participar da formação de educadores e alunos da Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro,

Leia mais

O PROJETO PORQUE PATROCINAR

O PROJETO PORQUE PATROCINAR PAIXÃO NACIONAL O gosto pelo futebol parece ser uma das poucas unanimidades nacionais do Brasil. As diferenças sociais, políticas e econômicas, tão marcantes no dia a dia do país diluem-se quando a equipe

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

Curso de Comunicação Social da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE Presidente Prudente-SP.

Curso de Comunicação Social da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE Presidente Prudente-SP. 500 DE QUAL MEIO AMBIENTE? Ana Luiza Barilli Nogueira, Munir Jorge Felicio Curso de Comunicação Social da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE Presidente Prudente-SP. RESUMO A comunicação social se auto

Leia mais

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário SOUZA, Kauana Mendes 1 ; XAVIER, Cintia 2 Universidade Estadual de Ponta Grossa, Paraná, PR RESUMO O projeto Portal

Leia mais

Plano de COMUNICAÇÃO do Planejamento Estratégico da Justiça Federal

Plano de COMUNICAÇÃO do Planejamento Estratégico da Justiça Federal Plano de COMUNICAÇÃO do Planejamento Estratégico da Justiça Federal PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA Introdução É importante ressaltar que um plano de comunicação tem a finalidade de tornar conhecida

Leia mais

Questões de gênero. Masculino e Feminino

Questões de gênero. Masculino e Feminino 36 Questões de gênero Masculino e Feminino Pepeu Gomes Composição: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes Ôu! Ôu! Ser um homem feminino Não fere o meu lado masculino Se Deus é menina e menino Sou Masculino

Leia mais

Portfolio de Produtos

Portfolio de Produtos Introdução O Guia de Produtos e Serviços da Assessoria de Comunicação (ASCOM) da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) foi elaborado com o objetivo de apresentar os produtos e serviços prestados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 65, DE 11 DE MAIO DE 2012 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 257ª Reunião Extraordinária, realizada em 11 de maio de 2012, e considerando

Leia mais

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Sétimo Fórum Nacional de Professores de Jornalismo Praia dos Ingleses, SC, abril de 2004 GT: Laboratório de Jornalismo Eletrônico Trabalho: TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Autora: Célia Maria Ladeira

Leia mais

Sistema de Gerenciamento da Informação. Mais informação, mais conteúdo, em menos tempo. Mais negócios, mais sucesso profissional.

Sistema de Gerenciamento da Informação. Mais informação, mais conteúdo, em menos tempo. Mais negócios, mais sucesso profissional. Sistema de Gerenciamento da Informação Mais informação, mais conteúdo, em menos tempo. Mais negócios, mais sucesso profissional. O tempo sumiu-1 8 horas dormir; 8 horas trabalhar; 1,5 hora no trânsito;

Leia mais

Convergência e Narrativa Transmidiática

Convergência e Narrativa Transmidiática Convergência e Narrativa Transmidiática O que é convergência? Convergência: processo que torna imprecisas as fronteiras entre as comunicações ponto a ponto (correio, telefone) e de massa. O que é convergência?

Leia mais

Comunicação Comunitária: Uma Análise de Conteúdo do Jornal-Laboratório Portal Comunitário¹

Comunicação Comunitária: Uma Análise de Conteúdo do Jornal-Laboratório Portal Comunitário¹ Comunicação Comunitária: Uma Análise de Conteúdo do Jornal-Laboratório Portal Comunitário¹ RESUMO Vinícius SABINO¹ José TOLEDO² Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, PR Universidade Estadual

Leia mais

programação para 105 municípios, iremos verificar se ele prioriza os acontecimentos locais ou

programação para 105 municípios, iremos verificar se ele prioriza os acontecimentos locais ou 9 1. INTRODUÇÃO O presente trabalho visa abordar a representação da cidade de Juiz de Fora, localizada na Zona da Mata de Minas Gerais, por meio do material televisivo produzido pela TV Integração, emissora

Leia mais

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com. INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br 1. Introdução A rede mundial tem permitido novas práticas

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 490, DE 2011 (Apensos: PL 4186/1998, PL 4225/1998, PL 1513/1999, PL 2949/2000,PL4156/2001, PL4165/2001, PL

Leia mais

Palavras-chave: Mediação Cultural; Autonomia; Diversidade.

Palavras-chave: Mediação Cultural; Autonomia; Diversidade. Um olhar sobre a diversidade dos educativos da Fundaj 1 Maria Clara Martins Rocha Unesco / MG Maria José Gonçalves Fundaj / PE RESUMO Os programas educativos nos diferentes equipamentos culturais da Fundação

Leia mais

RPC TV. no caminho da TV Digital. reportagem RPC TV

RPC TV. no caminho da TV Digital. reportagem RPC TV reportagem RPC TV RPC TV no caminho da TV Digital A primeira cidade a ter transmissão digital foi Curitiba, a capital do Estado e sede da RPC TV. Empresa completou em 2012 o ciclo de cobertura digital

Leia mais

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA Em cena: A realidade do sonho Uma mapa imaginário ( página 123) A sociologia foi uma criação da sociedade urbana. Com a advento da industrialização as grandes

Leia mais

PRODUÇÃO IMOBILIÁRIA E PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO NO BRASIL CONTEMPORÂNEO: UMA INTERPRETAÇÃO A PARTIR DA IMPRENSA ESPECIALIZADA

PRODUÇÃO IMOBILIÁRIA E PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO NO BRASIL CONTEMPORÂNEO: UMA INTERPRETAÇÃO A PARTIR DA IMPRENSA ESPECIALIZADA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 492 PRODUÇÃO IMOBILIÁRIA E PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO NO BRASIL CONTEMPORÂNEO: UMA INTERPRETAÇÃO A PARTIR DA IMPRENSA

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

EVOLUÇÃO DA MÍDIA AUDIOVISUAL ANDRÉIA SOARES F. DE SOUZA

EVOLUÇÃO DA MÍDIA AUDIOVISUAL ANDRÉIA SOARES F. DE SOUZA EVOLUÇÃO DA MÍDIA AUDIOVISUAL ANDRÉIA SOARES F. DE SOUZA Cronograma de Evolução da Mídia Audiovisual no Brasil Gráfico representativo do desenvolvimento de mídia audiovisual no Brasil década a década A

Leia mais

Produção Eletrônica em Rádio e TV

Produção Eletrônica em Rádio e TV Produção Eletrônica em Rádio e TV Programetes Vídeos Institucionais e Produções Informativas TVs Corporativas Prof. Dirceu Lemos dirceulemos@yahoo.com.br O que são programetes? Programetes são programas

Leia mais

Mestres 1 RESUMO. 4. Palavras-chave: Comunicação; audiovisual; documentário. 1 INTRODUÇÃO

Mestres 1 RESUMO. 4. Palavras-chave: Comunicação; audiovisual; documentário. 1 INTRODUÇÃO Mestres 1 Tiago Fernandes 2 Marcelo de Miranda Noms 3 Mariane Freitas 4 Tatiane Moura 5 Felipe Valli 6 Bruno Moura 7 Roberto Salatino 8 Conrado Langer 9 Prof. Msc. Luciana Kraemer 10 Centro Universitário

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

Promover e Valorizar a Paisagem Natural e a Cultura Local por meio de Cartões Postais 1

Promover e Valorizar a Paisagem Natural e a Cultura Local por meio de Cartões Postais 1 Promover e Valorizar a Paisagem Natural e a Cultura Local por meio de Cartões Postais 1 COIMBRA, Bruno Abdala Vieira Di 2 ; ALMEIDA, Maria Geralda 3 Palavras-chave: Kalunga, Paisagem Cultural, Paisagem

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 010/2013

ATO NORMATIVO Nº 010/2013 ATO NORMATIVO Nº 010/2013 Organiza as ações de comunicação social, no âmbito do Ministério Público do Estado da Bahia. OPROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 27

PROVA ESPECÍFICA Cargo 27 29 PROVA ESPECÍFICA Cargo 27 QUESTÃO 41 A importância e o interesse de uma notícia são avaliados pelos órgãos informativos de acordo com os seguintes critérios, EXCETO: a) Capacidade de despertar o interesse

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 93/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Jornalismo, Bacharelado,

Leia mais

Na disputa da TV a Cabo um incrível dilema entre pluralismo e monopólio

Na disputa da TV a Cabo um incrível dilema entre pluralismo e monopólio Na disputa da TV a Cabo um incrível dilema entre pluralismo e monopólio No debate que ainda não saiu dos bastidores, a luta pelo controle da infra-estrutura da "sociedade da informação o cidadão chega

Leia mais

Atividades. Caro professor, cara professora,

Atividades. Caro professor, cara professora, Atividades Caro professor, cara professora, Apresentamos mais uma nova proposta de atividade sobre alguns dos temas abordados pelo programa Escravo, nem pensar!, da ONG Repórter Brasil*. Ela inaugura a

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADE CURSO DE INICIAÇÃO POLÍTICA ETEC-CEPAM - 2010

RELATÓRIO DE ATIVIDADE CURSO DE INICIAÇÃO POLÍTICA ETEC-CEPAM - 2010 RELATÓRIO DE ATIVIDADE CURSO DE INICIAÇÃO POLÍTICA ETEC-CEPAM - 2010 Autoria: Prof. Dr. Introdução Entre os dias 08 e 10 de dezembro de 2010 ocorreu na sede da Etec-Cepam a primeira edição do curso de

Leia mais

OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL E SUA INFLUÊNCIA NA REPRESENTAÇÃO DE AMBIENTE EM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Lucia de Fatima Estevinho Guido

OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL E SUA INFLUÊNCIA NA REPRESENTAÇÃO DE AMBIENTE EM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Lucia de Fatima Estevinho Guido OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL E SUA INFLUÊNCIA NA REPRESENTAÇÃO DE AMBIENTE EM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Lucia de Fatima Estevinho Guido Universidade Federal de Uberlândia Este trabalho apresenta resultados

Leia mais

CASA MACUNAÍMA E A COMUNICAÇÃ O DO 7º Fórum Internacional Software Livre

CASA MACUNAÍMA E A COMUNICAÇÃ O DO 7º Fórum Internacional Software Livre CASA MACUNAÍMA E A COMUNICAÇÃ O DO 7º Fórum Internacional Software Livre "Então o pássaro principiou falando numa fala mansa, muito nova, muito! Tudo ele contou pro homem e depois abriu asa rumo de Lisboa.

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

7 Congresso de Pós-Graduação O ENSINO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA EM DISSERTAÇÕES E TESES NO BANCO DE DADOS DA CAPES

7 Congresso de Pós-Graduação O ENSINO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA EM DISSERTAÇÕES E TESES NO BANCO DE DADOS DA CAPES 7 Congresso de Pós-Graduação O ENSINO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA EM DISSERTAÇÕES E TESES NO BANCO DE DADOS DA CAPES Autor(es) CHRISTINE BARBOSA BETTY Orientador(es) BRUNO PUCCI 1.

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI N.º 3.398, DE 2000

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI N.º 3.398, DE 2000 COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI N.º 3.398, DE 2000 Modifica a Lei n.º 8.977 de 6 de janeiro de 1995. Autor: Deputado JOSÉ CARLOS MARTINEZ Relator: Deputado IRIS

Leia mais

PROJETO TEMÁTICO Campanha de divulgação Do Programa de Responsabilidade Socioambiental do TJDFT VIVER DIREITO

PROJETO TEMÁTICO Campanha de divulgação Do Programa de Responsabilidade Socioambiental do TJDFT VIVER DIREITO PROJETO TEMÁTICO Campanha de divulgação Do Programa de Responsabilidade Socioambiental do TJDFT VIVER DIREITO OBJETIVO A campanha teve por objetivo implantar na Instituição a cultura da responsabilidade

Leia mais

- Deptº de Marketing -TV Bahia. Rua Aristides Novis nº 123 Federação. Tel.: (71) 3203-1207 -

- Deptº de Marketing -TV Bahia. Rua Aristides Novis nº 123 Federação. Tel.: (71) 3203-1207 - O Projeto Despertar a consciência de que cada um é responsável pelo equilíbrio ambiental e que, cabe a nós convencermos a quem convivemos disso. É o mote do projeto que vai estimular a conscientização

Leia mais

TV UNIVERSITÁRIA: TELEJORNALISMO ALTERNATIVO

TV UNIVERSITÁRIA: TELEJORNALISMO ALTERNATIVO TV UNIVERSITÁRIA: TELEJORNALISMO ALTERNATIVO Fabiana Piccinin 1 Esse artigo faz uma crítica ao modelo de telejornalismo adotado pelas Tvs comerciais brasileiras, apresentando uma nova proposta de jornalismo

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

Sumário. Apresentação...7

Sumário. Apresentação...7 Sumário Apresentação................................7 1. CONCEITOS BÁSICOS.........................11 Delimitação de funções..................... 12 2. ORIGENS E DESENVOLVIMENTO...................21 3.

Leia mais

PROJETOS ÁREA COMUNICAÇÃO

PROJETOS ÁREA COMUNICAÇÃO Comunicação Christina Ferraz Musse estratégica Comunicação Social para grupos de economia popular solidária de Juiz de Fora e região (Núcleo de Comunicação Social da INTECOOP/ UFJF) Website da Liga Acadêmica

Leia mais