Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta. Resposta

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta. Resposta"

Transcrição

1 Questão 1 No ano passado, aconteceu em Pequim mais uma Olimpíada. No mundo, peças teatrais estão sendo continuamente encenadas. Como se sabe, Olimpíadas e teatro (ocidental) foram uma criação da Grécia antiga. Discorra sobre a) o significado dos jogos olímpicos para os antigos gregos; b) as características do teatro na Grécia antiga. a) Os jogos olímpicos na Grécia Antiga contavam com a participação de várias pólis, tendo essencialmente um significado religioso. Os exercícios físicos eram formas de homenagem às divindades gregas. Diferentemente dos jogos olímpicos modernos, criados no século XIX, as modalidades eram em menor número e praticadas por indivíduos do sexo masculino. Visavam também à preparação do corpo para eventuais guerras. Os jogos eram realizados em Olímpia, daí o nome do certame. b) O teatro na Grécia Antiga era representado através das tragédias e comédias. As tragédias acompanhavam a trajetória de um personagem central o herói que deveria resistir bravamente a um destino inexorável que o levaria à decadência. As comédias, por sua vez, eram veículos de crítica de costumes, tendo também um viés político. O teatro grego remonta, em suas origens, ao culto do deus Dionísio (deus do vinho e do entusiasmo). Questão 2 No feudalismo, a organização da sociedade baseava-se em vínculos de dependência pessoal como os de vassalagem e servidão. Descreva o que eram e como funcionavam, na sociedade feudal, a) a vassalagem; b) a servidão. a) A vassalagem se constituía em um laço de dependência pessoal e política de um senhor feudal em relação ao seu senhor (suserano), que era hierarquicamente superior àquele. Este laço de dependência se traduzia, entre outros aspectos, em receber proteção do suserano e reciprocamente servir ao suserano, por exemplo, em caso de guerra. b) A servidão é uma forma de trabalho compulsório, segundo a qual o servo paga com o seu trabalho (através de numerosas obrigações servis) o direito de viver nas terras do senhor. Questão 3 A Reforma religiosa do século XVI provocou na Europa mudanças históricas significativas em várias esferas. Indique transformações decorrentes da Reforma nos âmbitos a) político e religioso; b) sócio-econômico. a) No plano político a Reforma constitui-se, entre outros aspectos, em um desafio e ao mesmo tempo no enfraquecimento da autoridade do imperador do Sacro Império Romano-Germânico, no fortalecimento da autoridade dos príncipes alemães, no enfraquecimento da autoridade da Igreja Católica, bem como propiciou o fortalecimento da autoridade do poder real face à nobreza e à Igreja, como foi o caso, por exemplo, da Inglaterra, cujo movimento envolveu a confiscação dos bens da Igreja e o estabelecimento do absolutismo pela Dinastia Tudor. Ainda no plano político, a Reforma projetou os monarcas espanhóis no cenário europeu como um dos baluartes da Contrarreforma e de confrontação ao protestantismo. No plano religioso, a Reforma provocou o rompimento da unidade da Igreja de Roma e deu origem às Igrejas Reformadas (o protestantismo), destacando-se o calvinismo, o luteranismo e o anglicanismo. Além disso, provocou a reação da Igreja Católica a Reforma Católica, que tinha que passar por reformas caso quisesse sobreviver poderosa como o fora até então. Os pilares da Reforma Católica, ou Contrarreforma, foram: a aprovação dos Estatutos da Companhia de Jesus (1540), a reorganização da Inquisição (o Tribunal do Santo Ofício 1542), a criação do Index Librorum Prohibitorum (1559) e a reunião do Concílio de Trento (1545).

2 história 3 b) No plano socioeconômico, a Reforma ocorre em um momento de afirmação das prerrogativas de um grupo social emergente, a burguesia mercantil, que vê no fortalecimento da autoridade do poder real uma forma de combater os privilégios dos senhorios locais no sentido de garantir a livre-circulação de pessoas e mercadorias no interior do Estado, tal como ocorreu, por exemplo, na monarquia inglesa. A teologia calvinista, por sua vez, vem coonestar o individualismo e o enriquecimento como um sinal de bênção divina e, por essa via, num plano mais amplo, a Reforma incentiva a mobilidade social. O sectarismo de muitos movimentos religiosos no interior da Reforma propiciou também uma mobilidade social horizontal, levando à ocupação de outras regiões, como foi o caso do início da colonização da América inglesa. Questão 4 E [os índios] são tão cruéis e bestiais que assim matam aos que nunca lhes fizeram mal, clérigos, frades, mulheres... Esses gentios a nenhuma coisa adoram, nem conhecem a Deus. Padre Manuel da Nóbrega, em carta de (...) Não vejo nada de bárbaro ou selvagem no que dizem daqueles povos; e na verdade, cada qual considera bárbaro o que não se pratica em sua terra. (...) Esses povos não me parecem, pois, merecer o qualitativo de selvagens somente por não terem sido se não muito pouco modificados pela ingerência do espírito humano e não haverem quase nada perdido de sua simplicidade. Michel de Montaigne. Ensaios, a) Compare as concepções dos dois autores sobre as populações nativas do Brasil. b) Indique a concepção que prevaleceu e quais as conseqüências para a população indígena. a) A avaliação do Padre Nóbrega sobre os nativos é claramente eurocêntrica. Segundo esse ponto de vista, os nativos contrastam radicalmente "cruéis, bestiais, (...) nenhuma coisa adoram, nem conhecem Deus" com a chamada "civilização cristã europeia". Já a avaliação de Montaigne revela uma compreensão quase antropológica da diferença, da existência do outro. A ênfase nesse caso é chamar a atenção para a inocência e simplicidade dos nativos quando comparados aos europeus. b) Prevaleceu a concepção expressa pelo padre Nóbrega, o que teve várias consequências para as populações nativas. Entre elas, podemos destacar: O esforço da Igreja Católica e mesmo da Reforma no sentido de catequização e conversão das populações nativas ao cristianismo, nas suas mais variadas manifestações. Nesse processo houve também um esforço no sentido da aculturação para integrar os nativos nos moldes da cultura e ideologia do colonizador. As resistências das populações nativas a essas iniciativas foram, por sua vez, severamente punidas. Legitimou-se, nesse contexto, o conceito de "guerra justa", segundo a qual os nativos resistentes poderiam ser combatidos militarmente e submetidos à escravidão. A propósito, a Igreja condenou a escravidão indígena, que só era tolerada em caso de "guerra justa". Não é difícil perceber que, dada a superioridade tecnológica do colonizador nos equipamentos de guerra, provocava-se uma sucessão de "guerras justas" nas regiões onde o uso da mão de obra escrava africana era difícil. Ao mesmo tempo a resistência indígena à escravidão serviu também de pretexto para incentivar o tráfico de escravos africanos para as áreas coloniais. Por fim, vale igualmente registrar que a ocupação do europeu e de seus descendentes nas áreas coloniais levou a várias formas de extermínio das populações nativas, não só pelo uso da violência física, como também pela transmissão de doenças e hábitos que a médio e longo prazos desencadearam um processo de liquidação de suas respectivas identidades. Questão 5 Imagem de Ângelo Agostini sobre o impacto da Guerra do Paraguai na sociedade brasileira.

3 história 4 Questão 6 CUSTO DE VIDA, SALÁRIOS E PRODUÇÃO INDUSTRIAL NO BRASIL ANO CUSTO DE VIDA SALÁRIOS PRODUÇÃO INDUSTRIAL Observando a ilustração, explique a) o impacto social a que ela se refere; b) os desdobramentos políticos dessa guerra. a) A Guerra do Paraguai ( ) envolveu de um lado a Tríplice Aliança, formada por Brasil, Argentina e Uruguai, e de outro, o Paraguai. Durante a guerra, houve a participação de escravos que lutaram com a expectativa de receberem a alforria após o término do conflito. Na imagem, observa-se a grande contradição entre aparticipaçãodeescravosnaguerraeacontinuidade da escravidão no Brasil. Como impacto social, a guerra fará crescer o sentimento abolicionista. b) Durante a segunda metade do século XIX, o Brasil passou por importantes transformações econômicas, sociais e políticas. Houve na política o crescimento do Movimento Republicano entre os membros da elite cafeeira. Com a Guerra do Paraguai, os militares, sobretudo do Exército, passaram a exigir uma maior participação política defendendo, em alguns casos, a república. Dessa forma, a Guerra do Paraguai contribuiu para o enfraquecimento da monarquia e para a Proclamação da República, realizada pelo Marechal Deodoro da Fonseca, membro das Forças Armadas. Fonte: Simonsen, R.C. A Evolução Industrial do Brasil, a) Os dados da tabela indicam que, apesar das oscilações, houve expressivo crescimento industrial no período Explique as razões desse crescimento. b) Estabeleça relações entre os dados da tabela sobre custo de vida e salários com o movimento operário do período. a) Não existe um único fator responsável pelo referido crescimento. Entre eles, podemos destacar: a pujança da economia cafeeira, que incentivou a existência de setores ligados ao beneficiamento do produto, redes de comércio, casas comissárias, redes de comunicação e transporte especialmente ferrovias, o que, no conjunto, propiciou a urbanização, a monetarização da economia e a livre-circulação de pessoas e mercadorias; a existência de uma conjuntura econômico-financeira internacional com excedentes de capitais nos grandes centros financeiros e interessados em investir em outras regiões da periferia onde houvesse perspectiva de melhores ganhos; a significativa mudança na sociedade brasileira com a transição de uma economia baseada na mão de obra escrava para o uso cada vez mais extensivo do trabalho assalariado, o que resultou na formação de um expressivo mercado de consumo, propício portanto para a referida expansão industrial;

4 história 5 a presença significativa de imigrantes europeus nos centros urbanos, estes qualificados para o trabalho urbano-industrial, imprescindível para a dinamização da indústria; por fim, vale destacar uma conjuntura específica associada à Primeira Guerra Mundial ( ). Até a eclosão desse conflito prevalecia o chamado modelo primário-exportador. O Brasil exportava produtos primários e, com as divisas provenientes das exportações, importava manufaturados. Entretanto, a conjuntura da guerra faz com que as potências beligerantes reconvertam suas respectivas economias para o esforço de guerra. Assim, na periferia, criava-se uma situação específica: existiam divisas provenientes das exportações que agora não podiam mais comprar os manufaturados estrangeiros. Os empresários locais perceberam que havia uma demanda reprimida de bens de consumo manufaturados e passam a investir nesse setor. Aos poucos o chamado "modelo primário-exportador" cede lugar a um outro modelo conhecido como "industrialização substitutiva de importações". Ou seja, cria-se uma indústria de bens de consumo, dadas as dificuldades de importação devido à conjuntura da guerra. Passa-se a produzir os bens de consumo que até então eram importados. Eis, de uma forma geral, os fatores que nos ajudam a entender os dados da tabela apresentada. b) Os dados da tabela nos informam que o crescimento dos salários não acompanhou na mesma proporção o aumento do custo de vida e da produção industrial. Apesar disso, no final do período referido ( ) o crescimento do salário é significativo em relação aos anos anteriores. Igualmente, não há um único fator capaz de explicar totalmente o fenômeno, todavia é possível estabelecer alguma correlação entre o crescimento da combatividade do operariado urbano, nas suas variadas tendências políticas trabalhistas, anarcossindicalistas e, após 1917, comunistas e a melhoria das condições de salário. Apesar da repressão a tais movimentos, seja pelo setor empresarial, seja pelas autoridades governamentais, no final do período referido na tabela há um recrudescimento do movimento operário que se traduz, entre outros aspectos, em greves como a emblemática greve de 1917 em São Paulo que, de alguma forma, podem ter pressionado as autoridades patronais e governamentais no sentido da melhoria dos salários. Questão 7 A expressão política do café com leite é muito utilizada para caracterizar a Primeira República no Brasil. Sobre essa política, descreva a) seu funcionamento; b) seu colapso na década de a) Em 1900, o presidente Campos Sales montou um esquema para garantir apoio no Congresso Nacional, que ficou conhecido como Política dos Governadores. O governo central apoiava os governos estaduais desde que estes o apoiassem no Congresso. Esse sistema de apoio mútuo resultou no predomínio político dos estados mais ricos, São Paulo e Minas Gerais política do café com leite pois as maiores bancadas na Câmara dos Deputados eram provenientes desses dois estados (os mais populosos e, portanto, com maior número de representantes). Os componentes dessas bancadas garantiam o esquema de apoio e chegaram a fazer um acordo tácito para que mineiros e paulistas se revezassem na presidência. b) Vários fatores contribuíram para o colapso da política do café com leite, entre os quais podemos citar: rompimento do modelo agrário-exportador com a industrialização substitutiva das importações a partir da Primeira Guerra Mundial; centros que abrigam a indústria nascente tornam-se importantes aglomerados urbanos, densamente povoados, geram trabalho, produtos e serviços, tornando-se independentes do mundo rural, e atraem migrantes que buscam melhores condições de trabalho; industrialização e urbanização eliminam a base de sustentação dos coronéis; cidades industriais formam massas anônimas que escapam às formas tradicionais de controle político e social; intensificação das greves operárias; início do movimento tenentista, que passa de uma atitude de crítica ao esquema vigente à ação armada (Revolta do Forte de Copacabana e Coluna Prestes); surgimento de novas lideranças políticas que, aproveitando a pouca infraestrutura dos centros urbanos para receber tanta gente, acenam com promessas para obter o apoio das massas urbanas; a Crise de 1929, que promove enorme queda no valor das exportações; rompimento da aliança São Paulo-Minas Gerais nas eleições de 1930.

5 história 6 Questão 8 Questão 9 Dentre as Revoluções ocorridas na América Latina, no século XX, duas sobressaem: a Mexicana de 1910 e a Cubana de Pode-se afirmar que o traço distintivo da primeira é seu caráter camponês e o da segunda, seu caráter socialista. Explique o significado desses traços distintivos em relação à a) Revolução Mexicana. b) Revolução Cubana. a) A Revolução Mexicana de 1910 foi o primeiro grande levante popular do século XX, sendo responsável pela queda do governo Porfirio Díaz ( ). No período da ditadura de Porfirio Díaz, a economia mexicana era dependente do capital estrangeiro. Com a finalidade de atender aos interesses da economia de exportação, a população camponesa e indígena fora expropriada de suas terras comunais, dando origem a uma massa de camponeses e indígenas empobrecidos e marginalizados. O poder político de Porfirio Díaz foi questionado por liberais como Francisco Madero, descontentes com as constantes re-eleições que perpetuavam o regime porfirista, os quais contaram com a adesão de lideranças populares como as de Emiliano Zapata e Francisco "Pancho" Villa, que passaram a defender, no contexto da revolução, a reforma agrária. b) A Revolução Cubana foi responsável pela derrubada do governo Fulgêncio Batista ( ). O regime político imposto por Batista não deixava espaço para uma oposição política institucional, restando o recurso à luta armada. Os métodos de governo e a corrupção política forneceram a oportunidade para que a oposição se aglutinasse em torno do advogado Fidel Castro. Assim que Fidel Castro assumiu o poder, implantou uma série de alterações na estrutura socioeconômica do país: nacionalizou a indústria, realizou uma reforma agrária e educacional e aproximou Cuba dos países da área socialista. Os Estados Unidos romperam relações diplomáticas com Cuba em Na mesma ocasião, Castro definia-se "marxista-leninista" e declarava o caráter socialista da Revolução Cubana. Com o esfacelamento do regime soviético, a economia cubana passou por uma gravíssima crise, mas ainda mantém um regime socialista. A construção de Brasília foi um marco no governo de Juscelino Kubitschek ( ). a) Relacione a construção de Brasília com as metas do governo JK. b) Indique algumas decorrências da mudança da capital federal para o interior do país. a) A construção de Brasília, cujos projetos arquitetônicos e paisagísticos são de autoria de Oscar Niemeyer e Lúcio Costa, respectivamente, inseriu-se em uma estratégia mais ampla de desenvolvimento econômico e social chamada de Plano de Metas. De acordo com o Plano de Metas o desenvolvimento ocorreria a partir dos eixos energia e transporte, através de estímulos ao desenvolvimento da indústria automobilística com capital externo, da instalação de hidrelétricas (Furnas, Três Marias) e a criação da Sudene (Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste). A construção da nova capital federal mobilizou amplos setores da construção civil e grandes contingentes de mão de obra, principalmente migrantes do Norte e Nordeste, servindo também como símbolo de concretização do Plano de Metas. Deve-se acrescentar também que para além de obedecer a dispositivos constitucionais anteriores, a construção de Brasília representava a interiorização do desenvolvimento econômico. b) O deslocamento da capital federal da cidade do Rio de Janeiro para Brasília teve como consequência uma maior aproximação do centro político da vida nacional com regiões até então afastadas devido à ocupação tardia, resultado de maior concentração econômica e populacional em áreas litorâneas, cuja origem remonta ao Período Colonial. A criação e a manutenção da infraestrutura urbana e burocrática de Brasília tornaram a cidade um polo de atração de atividades econômicas e mão de obra, além de desempenhar uma função estratégica no processo de ocupação do interior do país. Questão 10 Criado em 1948, o Estado de Israel acaba de completar 60 anos. Discorra sobre a) o contexto histórico internacional que levou à criação desse Estado; b) as razões históricas dos conflitos entre israelenses e palestinos, que persistem até hoje.

6 história 7 a) As perseguições aos judeus sempre foram constantes na Europa desde a Antiguidade. Na Época Contemporânea, com a Revolução Francesa, a situação dos judeus, apesar de melhorar, não impediu novas perseguições. No contexto das manifestações nacionalistas do século XIX, organizou-se o Primeiro Congresso Internacional Sionista presidido por um intelectual de origem judaica, Theodor Herzl, que pregava a volta de judeus para a "Terra de Sion", argumentando que as perseguições aos judeus europeus poderiam ser evitadas com a criação de um "lar judeu". No entanto, essa proposta não se concretizou, ficando apenas no plano das ideias. A região onde se localiza a Palestina pertencia ao Império Turco-Otomano e com sua decadência aquela área passou a ter maior influência de potências europeias. Durante a Primeira Guerra Mundial, o Império Turco alia-se à Alemanha e, portanto, com a sua derrota, algumas áreas do antigo Império Otomano passam ao controle britânico (Palestina, Jordânia e Iraque) e aos franceses (Síria e Líbano). Durante o período do mandato britânico, por intermédio da "Declaração Balfour" (nome do ministro britânico autor da declaração), afirmava-se que o governo daquele país via com bons olhos a criação de um lar judeu na Palestina, área de cultura islâmica. A ação do governo britânico, no entanto, era dúbia, ora favorável aos judeus, ora pendendo às populações árabes contrárias à presença judaica na região. Somente em 1945, após a Segunda Guerra Mundial, a imigração judaica na Palestina aumentou consideravelmente. O holocausto judaico provocado pelo nazismo sensibilizou o mundo para a necessidade de um lar judeu. Aos europeus judeus sobreviventes, a ideia da criação de um Estado na Palestina tornou-se forte. A presença cada vez maior de judeus na região levará a um confronto com as populações árabes na Palestina, que estava sob o mandato britânico. A ONU, recém-criada no Pós-Guerra, propôs uma solução para a Questão Judaica a Partilha da Palestina entre judeus e palestinos (árabes habitantes da região). Esse plano foi rejeitado por todos os países árabes e pelos palestinos, persistindo o conflito. Quando, em 1948, as tropas britânicas deixaram a região, os judeus proclamaram o Estado de Israel, dando continuidade a um estado de guerra entre as partes envolvidas que se estende até hoje. b) Na Antiguidade, durante o Império Romano, ocorreu uma das diásporas judaicas. Os judeus, dispersos por todas as áreas do Império Romano, mantiveram-se unidos, entre outros aspectos, pela ideia da volta à "Terra de Sion" a Terra Prometida. Após a Segunda Guerra Mundial, na criação do Estado de Israel os judeus argumentavam "razões religiosas", enquanto os palestinos, na região desde a Idade Média, argumentavam "razões históricas" no direito à terra. Com o impacto do holocausto judeu, a opinião pública mundial tendia a ser favorável à criação de um lar judeu, pondo um fim à "Questão Judaica". A imigração de judeus europeus para a Palestina resultou em conflitos com populações árabes. O plano da ONU Partilha da Palestina dividiu a terra entre um Estado palestino e um Estado judeu. Em 1948, os judeus proclamam o Estado de Israel, rejeitado imediatamente pelos palestinos e pelos países árabes. Nesse contexto, ocorreu a primeira guerra árabe-israelense ( ) com vitória de Israel. O saldo dessa guerra foi a ocupação de territórios que eram destinados aos palestinos, imediatamente ocupados na sua maioria por Israel e outras regiões menores pelos países árabes vizinhos. Assim a antiga "Questão Judaica" transformava-se na "Questão Palestina", isto é, agora eram os palestinos que lutavam pela criação de um Estado. Após a primeira guerra ( ), outras ocorreram até os dias atuais, e podemos dar destaque à Guerra dos Seis Dias (1967), que com a vitória de Israel, são anexados ao seu território o Sinai, a Faixa de Gaza (do Egito), a Cisjordânia e Jerusalém Oriental (da Jordânia), e as Colinas de Golã (da Síria), tornando a ideia do Estado palestino mais distante. Somente de 1993 a 1995, com os acordos de Oslo entre as partes, os palestinos passam a ter relativo controle de um grande trecho da Faixa de Gaza e de parte da Cisjordânia. Os palestinos conquistam graus diferenciados de autonomia nessas regiões. Em 2003, propostas de paz elaboradas pela ONU, Rússia, EUA e União Europeia visam à existência de um Estado Nacional Palestino. Esses esforços de paz não encontram apoio em certos setores tanto dos palestinos como dos israelenses, pois grupos radicais nos dois lados condicionam a existência de seus estados com a aniquilação da outra parte. As diferenças religiosas entre os dois povos não são causas fundamentais do conflito, embora sejam intensificadoras da questão, envolvendo outros países muçulmanos e potências mundiais, como os EUA. O problema principal é o conflito de caráter político-territorial, ou seja, a luta de dois povos por um mesmo território.

7 história 8 História bem elaborada e extensa Comparada à prova do ano anterior, a prova deste ano apresentou um baixo grau de dificuldade para os candidatos quanto ao conteúdo. Prevaleceram questões de baixa complexidade. Todavia as vinte questões (10 questões divididas em dois itens) podem ter apresentado dificuldade quanto ao tempo e espaço disponíveis, pois algumas respostas exigiriam um espaço maior que o oferecido na folha de respostas. A prova premiou os candidatos que se prepararam e que dominavam a disciplina. Uma boa prova. República 30% Monarquia Colônia América Medieval Moderna Antiga Contemporânea

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes Africana: África como berço da humanidade Capítulo 1: Item 1 Européia Capítulo 1: Item 2 Asiática Capítulo 1: Item 2 Americana Capítulo 1: Item 3 Arqueologia Brasileira Capítulo 1: Item 4 A paisagem e

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. Revolução Agrícola Capítulo 1: Item 5 Egito - política, economia, sociedade e cultura - antigo império

1º ano. 1º Bimestre. Revolução Agrícola Capítulo 1: Item 5 Egito - política, economia, sociedade e cultura - antigo império Introdução aos estudos de História - fontes históricas - periodização Pré-história - geral - Brasil As Civilizações da Antiguidade 1º ano Introdução Capítulo 1: Todos os itens Capítulo 2: Todos os itens

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE - Sistemas sociais e culturais de notação de tempo ao longo da história, - As linguagens das fontes históricas; - Os documentos escritos,

Leia mais

CONFLITO ENTRE ISRAEL E PALESTINA CLAUDIO F GALDINO GEOGRAFIA

CONFLITO ENTRE ISRAEL E PALESTINA CLAUDIO F GALDINO GEOGRAFIA CONFLITO ENTRE ISRAEL E PALESTINA CLAUDIO F GALDINO GEOGRAFIA Oferecimento Fábrica de Camisas Grande Negão AQUELA QUE TRAZ EMOÇÃO. PARA VOCÊ E SEU IRMÃO!!! Canaã Terra Prometida Abraão recebeu de Deus

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

HISTÓRIA. (19) 3251-1012 www.elitecampinas.com.br O ELITE RESOLVE FUVEST 2009 SEGUNDA FASE HISTÓRIA

HISTÓRIA. (19) 3251-1012 www.elitecampinas.com.br O ELITE RESOLVE FUVEST 2009 SEGUNDA FASE HISTÓRIA HISTÓRIA QUESTÃO 01 No ano passado, aconteceu em Pequim mais uma Olimpíada. No mundo, peças teatrais estão sendo continuamente encenadas. Como se sabe, Olimpíadas e teatro (ocidental) foram uma criação

Leia mais

Conflitos no Oriente Médio. Prof a Maria Fernanda Scelza

Conflitos no Oriente Médio. Prof a Maria Fernanda Scelza Conflitos no Oriente Médio Prof a Maria Fernanda Scelza Revolução Iraniana 1953: o Xá (rei) Mohamed Reza Pahlevi passou a governar autoritariamente o Irã; Seu objetivo era ocidentalizar o país, tornando-o

Leia mais

Cite e analise UMA SEMELHANÇA e UMA DIFERENÇA entre a religião muçulmana e a religião cristã durante a Idade Média.

Cite e analise UMA SEMELHANÇA e UMA DIFERENÇA entre a religião muçulmana e a religião cristã durante a Idade Média. Questão 1: Leia o trecho abaixo a responda ao que se pede. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE Quando Maomé fixou residência em Yatrib, teve início uma fase decisiva na vida do profeta, em seu empenho

Leia mais

ATIVIDADES ONLINE 9º ANO

ATIVIDADES ONLINE 9º ANO ATIVIDADES ONLINE 9º ANO 1) (UFV) Das alternativas, aquela que corresponde à causa do acordo entre Israel e a Organização para Libertação da Palestina (OLP) é: a) o fortalecimento do grupo liderado por

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: HISTÓRIA SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:. Compreender

Leia mais

Descolonização e Lutas de Independência no Século XX

Descolonização e Lutas de Independência no Século XX Descolonização e Lutas de Independência no Século XX A Independência da Índia (1947) - Antecedentes: Partido do Congresso (hindu) Liga Muçulmana Longa luta contra a Metrópole inglesa - Desobediência pacífica

Leia mais

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009 Questão 01 UFBA - -2009 2ª FASE 2009 Na Época Medieval, tanto no Oriente Médio, quanto no norte da África e na Península Ibérica, muçulmanos e judeus conviviam em relativa paz, fazendo comércio e expressando,

Leia mais

ISRAEL E A QUESTÃO PALESTINA

ISRAEL E A QUESTÃO PALESTINA ISRAEL E A QUESTÃO PALESTINA Origem do Judaísmo Os relatos bíblicos são a principal fonte de informações para entender as origens dos judeus. Segundo a Bíblia, Abraão recebeu de Deus a missão de levar

Leia mais

1º ano. 1) Relações de Trabalho, Relações de Poder...

1º ano. 1) Relações de Trabalho, Relações de Poder... Liberdade, propriedade e exploração. A revolução agrícola e as relações comerciais. Capítulo 1: Item 5 Relações de trabalho nas sociedades indígenas brasileiras e americanas. Escravidão e servidão. Divisão

Leia mais

A Organização da Aula

A Organização da Aula Curso: Ciências Sociais Prof. Ms: Edson Fasano Sociedade Capitalista: Revoluções Inglesas. A Organização da Aula 1º Bloco: A Inglaterra do século XVI; 2º Bloco: - A Revolução Puritana e Gloriosa; 3º Bloco:

Leia mais

Unidade III. Aula 16.1 Conteúdo Aspectos políticos. A criação dos Estados nas regiões; os conflitos árabe-israelenses. Cidadania e Movimento

Unidade III. Aula 16.1 Conteúdo Aspectos políticos. A criação dos Estados nas regiões; os conflitos árabe-israelenses. Cidadania e Movimento CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade III Cidadania e Movimento Aula 16.1 Conteúdo Aspectos políticos. A criação dos Estados nas regiões; os conflitos árabe-israelenses. 2

Leia mais

Formação do Estado de Israel

Formação do Estado de Israel Arão e Sara recebem de Deus Canaã para viverem e a promessa que sua família se transformaria em uma nação numerosa. Livro do Bereshit (Gênesis) - Torá1 17/04/2013 1 BANDEIRA DE ISRAEL 17/04/2013 2 Primeira

Leia mais

Israel e o mundo Árabe

Israel e o mundo Árabe Israel e o mundo Árabe Leonardo Herms Maia¹ Regina Cohen Barros² Para uma compreensão espacial e econômica deste assunto, irei abordar temas principais que nos mostram como Israel se tornou uma grande

Leia mais

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2 1º ano O absolutismo e o Estado Moderno Capítulo 12: Todos os itens A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10:

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2F

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2F CADERNO DE EXERCÍCIOS 2F Ensino Fundamental Ciências Humanas Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1 Movimento operário e sindicalismo no Brasil H43 2 Urbanização nas regiões brasileiras H8,

Leia mais

Rei (controla poder moderador) além de indicar o primeiro ministro e dissolve a Câmara de Deputados Monarquia torna-se estável

Rei (controla poder moderador) além de indicar o primeiro ministro e dissolve a Câmara de Deputados Monarquia torna-se estável História do Brasil Professora Agnes (Cursinho Etec Popular de São Roque) Política Interna O SEGUNDO REINADO (1840-1889) * Apogeu da monarquia brasileira. * Centralização política e administrativa. * Pacificação

Leia mais

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727)

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727) A Revolução Inglesa A Revolução inglesa foi um momento significativo na história do capitalismo, na medida em que, ela contribuiu para abrir definitivamente o caminho para a superação dos resquícios feudais,

Leia mais

O candidato deverá demonstrar uma visão globalizante do processo transformacional

O candidato deverá demonstrar uma visão globalizante do processo transformacional CIÊNCIAS HUMANAS (HISTÓRIA/ATUALIDADES/GEOGRAFIA) O candidato deverá demonstrar uma visão globalizante do processo transformacional das sociedades através dos tempos, observando os fatores econômico, histórico,

Leia mais

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL A MUDANÇA DA POLÍTICA COLONIAL ESPANHOLA SE DEU EM FUNÇÃO: DO ENVOLVIMENTO DA ESPANHA NAS GUERRAS EUROPEIAS; DA DECADÊNCIA DA MINERAÇÃO; DAS DIFICULDADES QUE

Leia mais

Oriente Médio. Geografia Monitor: Renata Carvalho e Eduardo Nogueira 21, 24 e 25/10/2014. Material de Apoio para Monitoria

Oriente Médio. Geografia Monitor: Renata Carvalho e Eduardo Nogueira 21, 24 e 25/10/2014. Material de Apoio para Monitoria Oriente Médio 1.(VEST - RIO) A Guerra do Líbano, o conflito Irã/ Iraque, a questão Palestina, a Guerra do Golfo, são alguns dos conflitos que marcam ou marcaram o Oriente Médio. Das alternativas abaixo,

Leia mais

Quadro de conteúdos HISTÓRIA

Quadro de conteúdos HISTÓRIA Quadro de conteúdos HISTÓRIA 1 Apresentamos, a seguir, o conteúdo a ser trabalhado em cada período do segundo ciclo do Ensino Fundamental do 6º ao 9º ano. 6 o ano 1 A História e a humanidade 2 Sociedades

Leia mais

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista A era dos impérios A expansão colonial capitalista O século XIX se destacou pela criação de uma economia global única, caracterizado pelo predomínio do mundo industrializado sobre uma vasta região do planeta.

Leia mais

Exercícios sobre Israel e Palestina

Exercícios sobre Israel e Palestina Exercícios sobre Israel e Palestina Material de apoio do Extensivo 1. Observe o mapa a seguir, que representa uma área do Oriente Médio, onde ocorrem grandes tensões geopolíticas. MAGNOLI, Demétrio; ARAÚJO,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 221, DE 26 DE JULHO DE 2011

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 221, DE 26 DE JULHO DE 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 221, DE 26 DE JULHO DE 2011 O Presidente, Substituto, do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas

Leia mais

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA 2011/HIST8ANOEXE2-PARC-1ºTRI-I AVALIAÇÃO PARCIAL 1º TRIMESTRE

Leia mais

Durante. Utilize os conteúdos multimídia para ilustrar a matéria de outras formas.

Durante. Utilize os conteúdos multimídia para ilustrar a matéria de outras formas. Olá, Professor! Assim como você, a Geekie também tem a missão de ajudar os alunos a atingir todo seu potencial e a realizar seus sonhos. Para isso, oferecemos recomendações personalizadas de estudo, para

Leia mais

Cidade e desigualdades socioespaciais.

Cidade e desigualdades socioespaciais. Centro de Educação Integrada 3º ANO GEOGRAFIA DO BRASIL A Produção do Espaço Geográfico no Brasil nas economias colonial e primário exportadora. Brasil: O Espaço Industrial e impactos ambientais. O espaço

Leia mais

1º ano CULTURA, DIVERSIDADE E SER HUMANO TRABALHO, CONSUMO E LUTAS POR DIREITOS

1º ano CULTURA, DIVERSIDADE E SER HUMANO TRABALHO, CONSUMO E LUTAS POR DIREITOS 1º ano Estudo da História Estudo da História O Brasil antes dos portugueses América antes de Colombo Povos indígenas do Brasil A colonização portuguesa A colonização europeia na América Latina Introdução:

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CIÊNCIAS HUMANAS 3º ANO FILOSOFIA FILOSOFIA NA HISTÓRIA

Leia mais

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes A independência foi o processo político e militar que afetou todas as regiões situadas entre os vicereinados da Nova Espanha e do Rio da

Leia mais

A formação do Estado de Israel

A formação do Estado de Israel A formação do Estado de Israel 1946: 500 mil judeus na Palestina querem a independência de Israel do domínio britânico Aumento da tensão entre israelenses e ingleses: centenas de ataques de judeus a britânicos

Leia mais

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos.

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. HISTÓRIA 8º ANO A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. Por volta do século XIII, o rei João sem terras estabeleceu novos

Leia mais

REFORMA PROTESTANTE E CONTRARREFORMA CATÓLICA. Professor: Eduardo C. Ferreira

REFORMA PROTESTANTE E CONTRARREFORMA CATÓLICA. Professor: Eduardo C. Ferreira REFORMA PROTESTANTE E CONTRARREFORMA CATÓLICA Professor: Eduardo C. Ferreira REFORMA PROTESTANTE MOVIMENTO DE CONTESTAÇÃO AOS DOGMAS DA IGREJA CATÓLICA, APÓS SÉCULOS DE FORTE PODER INFLUÊNCIA NA EUROPA.

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ HISTÓRIA PROSEL/PRISE 1ª ETAPA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ HISTÓRIA PROSEL/PRISE 1ª ETAPA HISTÓRIA PROSEL/PRISE 1ª ETAPA EIXOS TEMÁTICOS: I. MUNDOS DO TRABALHO COMPETÊNCIA HABILIDADES CONTEÚDO -Compreender as relações de trabalho no mundo antigo, nas sociedades pré-colombianas e no mundo medieval.

Leia mais

o declínio do poder dos senhores feudais e as monarquias nacionais... 14

o declínio do poder dos senhores feudais e as monarquias nacionais... 14 SuMÁRIo UNIDADE I O ADVENTO DO MUNDO MODERNO: POLÍTICA E CULTURA... 12 Capítulo 1 o declínio do poder dos senhores feudais e as monarquias nacionais... 14 A fragmentação do poder na sociedade feudal...

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ HISTÓRIA PROSEL/PRISE 1ª ETAPA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ HISTÓRIA PROSEL/PRISE 1ª ETAPA HISTÓRIA PROSEL/PRISE 1ª ETAPA EIXOS TEMÁTICOS HABILIDADES/ COMPETÊNCIAS TEMAS/ CONTEÚDO - Compreender a diversidade do trabalho em sociedades que se baseiam nas relações sociais compulsórias e nas de

Leia mais

UFSC. Resposta: 02 + 04 + 16 = 22. Comentário. Resposta: Comentário

UFSC. Resposta: 02 + 04 + 16 = 22. Comentário. Resposta: Comentário Resposta: 02 + 04 + 16 = 22 Resposta: 01. Incorreta. Na região dos Rios Tigre e Eufrates tivemos o desenvolvimento da Civilização Mesopotâmica, que, mesmo enfrentando guerras, desenvolveu atividades artísticas

Leia mais

Exercícios de Oriente Médio

Exercícios de Oriente Médio Exercícios de Oriente Médio 1. (Cesgranrio) Quanto aos conflitos entre árabes e israelenses, podemos dizer que: I - se aceleram com a partilha da Palestina realizada pela ONU em 1947, que deu origem ao

Leia mais

(Disponível em: http://www.nomismatike.hpg.ig.com.br/grecia/etruria.htm. Acesso em: 3 jun. 2005.)

(Disponível em: http://www.nomismatike.hpg.ig.com.br/grecia/etruria.htm. Acesso em: 3 jun. 2005.) 2 o PROCESSO SELETIVO/2005 1 O DIA GABARITO 1 33 HISTÓRIA QUESTÕES DE 51 A 60 51. Analise o mapa e o texto a seguir: (Disponível em: http://www.nomismatike.hpg.ig.com.br/grecia/etruria.htm. Acesso em:

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 8 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Nome: Data: 1. Elabore um texto utilizando as palavras do quadro. França Napoleão Bonaparte Egito 18 Brumário guerra Constituição 2. Sobre

Leia mais

Descolonização Afroasiática

Descolonização Afroasiática Aula 50 Descolonização Afroasiática 1 Fatores Setor 1602 2 Casos Nacionais 3 China ealvespr@gmail.com Objetivo da aula Analisar o quadro geral da descolonização afroasiática após a Segunda Guerra Mundial.

Leia mais

Total aulas previstas

Total aulas previstas ESCOLA BÁSICA 2/3 DE MARTIM DE FREITAS Planificação Anual de História do 7º Ano Ano Lectivo 2011/2012 LISTAGEM DE CONTEÚDOS TURMA Tema 1.º Período Unidade Aulas Previas -tas INTRODUÇÃO À HISTÓRIA: DA ORIGEM

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo.

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo. HISTÓRIA 37 Associe as civilizações da Antigüidade Oriental, listadas na Coluna A, às características políticas que as identificam, indicadas na Coluna B. 1 2 3 4 COLUNA A Mesopotâmica Fenícia Egípcia

Leia mais

Material de divulgação da Editora Moderna

Material de divulgação da Editora Moderna Material de divulgação da Editora Moderna Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS 11) China, Japão e Índia são três dos principais países asiáticos. Sobre sua História, cultura e relações com o Ocidente, analise as afirmações a seguir. l A China passou por um forte processo de modernização

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA 8º ANO PROFESSOR: MÁRCIO AUGUSTO

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA. MOVIMENTO BURGUÊS França antes da revolução TEVE APOIO DO POVO Monarquia absolutista Economia capitalista.(costumes feudais) sociedade estamental. 1º Estado-

Leia mais

Vestibular UFRGS 2015. Resolução da Prova de História

Vestibular UFRGS 2015. Resolução da Prova de História Vestibular UFRGS 2015 Resolução da Prova de História COMENTÁRIO GERAL: Foi uma prova com conteúdos de História do Brasil e História Geral bem distribuídos e que incluiu também questões de História da América

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA Fase 1 Novembro 2008 INTRODUÇÃO Na prova de História de 2009 foi possível concretizar vários dos objetivos do programa do Vestibular.

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

Reformas Religiosas Monique Bilk

Reformas Religiosas Monique Bilk Reformas Religiosas Monique Bilk Contexto Início da Idade Moderna O Renascimento estimula a crítica e o livre-pensar A burguesia tem projetos que esbarram nos obstáculos que a Igreja coloca... (doutrina

Leia mais

HISTÓRIA - 6º AO 9º ANO

HISTÓRIA - 6º AO 9º ANO A FORMAÇÃO DO CURRÍCULO DA REDE O solicitou-nos uma base para colocar em discussão com os professores de história da rede de São Roque. O ponto de partida foi a grade curricular formulada em 2008 pelos

Leia mais

ENEM 2014 - Caderno Rosa. Resolução da Prova de História

ENEM 2014 - Caderno Rosa. Resolução da Prova de História ENEM 2014 - Caderno Rosa Resolução da Prova de História 5. Alternativa (E) Uma das características basilares do contato entre jesuítas e os povos nativos na América, entre os séculos XVI e XVIII, foi o

Leia mais

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL Portugal: crises e dependências -Portugal: acordos comerciais com a Inglaterra; -Exportação de produtos brasileiros; -Tratado de Methuen: redução fiscal para os

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org O Movimento Social Palestino rumo ao FME O Fórum Mundial da Educação na Palestina será realizado

Leia mais

ALTA IDADE MÉDIA 1. FORMAÇÃO DOS REINOS CRISTÃOS-BÁRBAROS

ALTA IDADE MÉDIA 1. FORMAÇÃO DOS REINOS CRISTÃOS-BÁRBAROS ALTA IDADE MÉDIA É costume dividir o período medieval em duas grandes fases: a Alta Idade Média, que se estende do século V ao século XI e a Baixa Idade Média, do século XII ao século XV. A primeira fase

Leia mais

a) A humilhação sofrida pela China, durante um século e meio, era algo inimaginável para os ocidentais.

a) A humilhação sofrida pela China, durante um século e meio, era algo inimaginável para os ocidentais. Questões: 01. Ao final do século passado, a dominação e a espoliação assumiram características novas nas áreas partilhadas e neocolonizadas. A crença no progresso, o darwinismo social e a pretensa superioridade

Leia mais

IGREJA NA BAIXA IDADE MÉDIA

IGREJA NA BAIXA IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA -Características: *Grandes transformações no sistema feudal; *aumento da produção agrícola; *aparecimento da burguesia; *crise de poder da nobreza feudal. IGREJA NA

Leia mais

Exercícios Reorganização Política Internacional

Exercícios Reorganização Política Internacional Exercícios Reorganização Política Internacional 1. (Ufg 2013) Analise a charge a seguir. A charge refere-se a dois temas: o papel do Estado na economia e as relações de trabalho. A respeito desses temas,

Leia mais

A história da Igreja e sua problemática A história da Igreja na Idade Antiga

A história da Igreja e sua problemática A história da Igreja na Idade Antiga SUMÁRIO Introdução... 11 A história da Igreja e sua problemática... 17 A. Alguns pressupostos e indicações básicos antes de começar o caminho... 17 Trata-se de um ramo da ciência histórica ou da ciência

Leia mais

ANTECEDENTES A idéia de República

ANTECEDENTES A idéia de República ANTECEDENTES A idéia de República Silêncio, o imperador está governando o Brasil Piada comum entre os republicanos. Para eles, não era apenas o imperador que estava envelhecido e incapaz. O próprio regime

Leia mais

1 a Questão: (2,0 pontos) APRESENTAÇÃO

1 a Questão: (2,0 pontos) APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO Para dar uma definição compreensível de revolução, diremos que ela é uma tentativa de substituir o poder estabelecido por outro poder, usando meios ilegais. Esses meios, geralmente, implicam

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA http://www.youtube.com/watch?v=lmkdijrznjo Considerações sobre a independência -Revolução racional científica do

Leia mais

Formação do Estado Nacional Moderno: O Antigo Regime

Formação do Estado Nacional Moderno: O Antigo Regime Formação do Estado Nacional Moderno: O Antigo Regime A formação do Absolutismo Inglês Medieval Territórios divididos em condados (shires) e administrados por sheriffs (agentes reais) submetidos ao poder

Leia mais

TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE

TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE 1.Analise as afirmativas abaixo referentes ao Iluminismo: 01 - Muitas das idéias propostas pelos filósofos iluministas são, hoje, elementos essenciais da identidade da

Leia mais

FO F RMA M ÇÃ Ç O DA D S S MO M NARQUIAS A NACI C ONAIS França e Inglaterra

FO F RMA M ÇÃ Ç O DA D S S MO M NARQUIAS A NACI C ONAIS França e Inglaterra FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS NACIONAIS França e Inglaterra Contexto: Cruzadas O Poder Real Ganha Força Burguesia Renascimentos Comercial e Urbano Aliança Rei-Burguesia versus Senhores Feudais e Igreja Os senhores

Leia mais

A PAZ ENTRE PALESTINOS E ISRAELENSES CONTINUA DISTANTE

A PAZ ENTRE PALESTINOS E ISRAELENSES CONTINUA DISTANTE Aumentar a fonte Diminuir a fonte MUNDO ÁRABE A PAZ ENTRE PALESTINOS E ISRAELENSES CONTINUA DISTANTE Apesar da vitória diplomática palestina na ONU, a existência de um Estado fica difícil com os novos

Leia mais

Oriente Médio Oceania

Oriente Médio Oceania 1 Fonte: Para viver juntos: Geografia, 9º ano: ensino fundamental. São Paulo: Edições SM, 2008, p. 206. O mapa acima nos mostra uma região que tem sido motivo de disputas e conflitos entre os europeus

Leia mais

UFMG - 2006 3º DIA HISTÓRIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2006 3º DIA HISTÓRIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2006 3º DIA HISTÓRIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR História Questão 01 Considerando as transformações que abriram caminho para o surgimento do Mundo Moderno, ANALISE o impacto dessas mudanças

Leia mais

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Índice Clique sobre tema desejado: A origem dos Estados Nacionais Contexto Histórico: crise feudal (séc. XIV-XVI) Idade Média Idade Moderna transição Sociedade

Leia mais

DATA: VALOR: 20 PONTOS NOME COMPLETO:

DATA: VALOR: 20 PONTOS NOME COMPLETO: DISCIPLINA: Geografia PROFESSOR(A): Rodrigo/Saulo DATA: VALOR: 20 PONTOS NOTA: NOME COMPLETO: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 2ªEM TURMA: Nº: 01. RELAÇÃO DO CONTEÚDO Demografia (Transição

Leia mais

A Revoluções Burguesas na Inglaterra: o surgimento do Parlamentarismo

A Revoluções Burguesas na Inglaterra: o surgimento do Parlamentarismo A Revoluções Burguesas na Inglaterra: o surgimento do Parlamentarismo Parlamento Inglês -Rainha Elizabeth I (1558-1603) maior exemplo de poder absoluto na Inglaterra daquele tempo; - Maquiavélica; - Enquanto

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como:

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: 1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: a) incapacidade dos Braganças de resistirem à pressão

Leia mais

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros REFORMA E CONTRARREFORMA Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros INTRODUÇÃO A Reforma Religiosa e o Renascimento ocorreram na mesma época e expressam a grande renovação de ideias

Leia mais

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA INDEPENDÊNCIA DO Colonização: espanhola até 1697, posteriormente francesa. Produção açucareira. Maioria da população:

Leia mais

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO.

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO. APRESENTAÇÃO Aula 08 3B REVOLUÇÃO FRANCESA Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra

Leia mais

HISTÓRIA Professores: Pedro Alexandre, Guga, André, Osvaldo

HISTÓRIA Professores: Pedro Alexandre, Guga, André, Osvaldo HISTÓRIA Professores: Pedro Alexandre, Guga, André, Osvaldo Comentário Geral Como sempre foi ressaltado em sala de aula, temas como Grécia, Idade Média, Revolução Francesa, Direitos Civis, refugiados,

Leia mais

Superioridade ibérica nos mares

Superioridade ibérica nos mares 2.ª metade do século XVI Superioridade ibérica nos mares PORTUGAL Entre 1580 e 1620 ESPANHA Império Português do oriente entra em crise devido a Escassez de gentes e capitais Grande extensão dos domínios

Leia mais

500 anos: O Brasil Colônia na TV

500 anos: O Brasil Colônia na TV 500 anos: O Brasil Colônia na TV Episódio 5: A Conquista da terra e da gente Resumo O episódio 5, A Conquista da terra e da gente, parte da série 500 anos: O Brasil Colônia na TV, apresenta o processo

Leia mais

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA TREZE COLÔNIAS Base de ocupação iniciativa privada: Companhias de colonização + Grupos de imigrantes = GRUPOS DISTINTOS [excedente da metrópole;

Leia mais

Unidade IV Natureza-Sociedade: questões ambientais Aula 21. 1 Conteúdo A conquista do Oeste; Acordos, guerra e ouro; A guerra civil norte-americana.

Unidade IV Natureza-Sociedade: questões ambientais Aula 21. 1 Conteúdo A conquista do Oeste; Acordos, guerra e ouro; A guerra civil norte-americana. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade IV Natureza-Sociedade: questões ambientais Aula 21. 1 Conteúdo A conquista do Oeste; Acordos, guerra e ouro; A guerra civil norte-americana.

Leia mais

América: a formação dos estados

América: a formação dos estados América: a formação dos estados O Tratado do Rio de Janeiro foi o último acordo importante sobre os limites territoriais brasileiros que foi assinado em 1909, resolvendo a disputa pela posse do vale do

Leia mais

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA AULA: 17 Assíncrona TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdos: China: dominação

Leia mais

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX)

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX) 1803 Os Estados Unidos compram a Louisiana da França. Cronologia 1846 a 1848 Guerra do México. Os Estados Unidos conquistam e anexam os territórios da Califórnia, Novo México, Nevada, Arizona e Utah. 1810

Leia mais

Unidade III Cidadania e Movimento Aula 16.2 Conteúdo: Israel: uma política desenvolvida na região. A difícil criação de um Estado Palestino.

Unidade III Cidadania e Movimento Aula 16.2 Conteúdo: Israel: uma política desenvolvida na região. A difícil criação de um Estado Palestino. Unidade III Cidadania e Movimento Aula 16.2 Conteúdo: Israel: uma política desenvolvida na região. A difícil criação de um Estado Palestino. 2 Habilidades: Analisar os motivos que levaram ao conflito entre

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

EUROPA NO SÉCULO XIX. http://historiaonline.com.br

EUROPA NO SÉCULO XIX. http://historiaonline.com.br EUROPA NO SÉCULO XIX A INGLATERRA NO SÉCULO XIX: Era Vitoriana (1837-1901): Hegemonia marítima inglesa. Fortalecimento do poder político da burguesia. Expansão da economia industrial 2ª Revolução Industrial.

Leia mais

Transição da condição colonial para o país livre

Transição da condição colonial para o país livre Transição da condição colonial para o país livre ERA COLONIAL (1521-1810): Conhecido como Nova Espanha, a maior parte das terras era comandada por proprietários espanhóis. Economia e política mexicanas

Leia mais