Redes Convergentes no Cenário da IEC Brasil

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Redes Convergentes no Cenário da IEC-61850. Brasil"

Transcrição

1 Redes Convergentes no Cenário da IEC O. J. M. da MOTTA e C.A. CORDEIRO FURNAS M. G. CASTELLO BRANCO* e C. H. R. de OLIVEIRA CPqD Brasil RESUMO Neste trabalho, os autores propõem uma abordagem dos principais aspectos relacionados ao projeto, arquitetura e dimensionamento de uma rede convergente IP num ambiente típico de uma concessionária de energia elétrica, para que sejam alcançados os resultados esperados pelos usuários / clientes (humanos ou dispositivos inteligentes) e suas aplicações de operação e comunicação. O trabalho se baseia nos primeiros resultados de um projeto de pesquisa e desenvolvimento que vem sendo conduzido pelo CPqD e por FURNAS com foco numa metodologia para testes de interoperabilidade entre dispositivos eletrônicos inteligentes numa rede Ethernet de alta velocidade. A partir deste trabalho, os autores esperam contribuir para uma melhor visão de arquitetura e parâmetros mais adequados a uma rede convergente multiserviços baseada em protocolo IP e outros padrões de comunicação sobre redes Ethernet para os futuros ambientes de operação e comunicação das concessionárias de energia elétrica na fase de maturação dos conceitos trazidos pela norma IEC Esta visão, uma vez aplicada, permitirá otimizar os investimentos em infra-estrutura e equipamentos de rede e, ao mesmo tempo, alcançar maior flexibilidade com os serviços e aplicações a serem implementados para diferentes tipos e perfis de usuários / clientes, sejam eles pessoas ou dispositivos interconectados pela rede. PALAVRAS CHAVE Redes convergentes, Redes de automação, Redes IP e Ethernet. (*)

2 1. Introdução A convergência IP no mundo das redes de comunicação vem quebrando diversos paradigmas e propiciando inúmeras aplicações para diversos perfis de usuários / clientes sejam pessoas ou dispositivos. No âmbito das redes de telecomunicações, estas mudanças vêm sendo assimiladas com naturalidade, face ao grande estímulo e ansiedade criados no cidadão comum, dadas às novas aplicações de banda larga que incluem IPTV, VoIP, VoD, Vídeo-chamadas, etc., sobre os mais variados meios de acesso (cabo, óptico e sem fio) e em diferentes tipos de terminais fixos ou móveis. Esta naturalidade se espelha pela migração planejada pelas prestadoras de serviços de telecomunicações para a nova arquitetura IMS (IP Multimedia Subsystem). Já no âmbito das redes operativas, dentre as quais se inserem as redes de automação, proteção e controle das concessionárias de energia, a resistência a esta convergência vem sendo um pouco maior, face à tradicional visão crítica das operações voltadas ao fornecimento ininterrupto de energia elétrica a seus clientes. O surgimento da norma IEC [1] desde 2002 vem quebrando, progressivamente, este paradigma uma vez que provê recursos para a otimização e priorização do tráfego de mensagens operacionais críticas na rede Ethernet IP, mesmo que esta possua tráfego concorrente de fundo, cujos tempos de fluxo na rede não sejam tão críticos. Tais recursos são, entretanto, fortemente dependentes dos parâmetros, elementos e arquiteturas destas novas redes convergentes, para que os requisitos operacionais não sejam afetados, como analisado em [2] e [3]. Neste contexto se inserem outras preocupações associadas que são, por exemplo, os aspectos de interoperabilidade entre os diferentes elementos desta rede convergente, mesmo que oriundos de diferentes fabricantes e destinados às mais diversas aplicações que farão uso da rede convergente. Neste sentido, CPqD e Furnas ingressaram em 2008 num projeto de pesquisa e desenvolvimento (suportado pela ANEEL) que visava conceber uma metodologia para validar a interoperabilidade de equipamentos de uma rede convergente voltada para automação e controle baseada na norma de comunicações estabelecida pela IEC Dentro deste projeto também se inseriram estudos voltados às melhores arquiteturas e requisitos de rede que possam suportar as diferentes aplicações neste novo modelo de comunicações para ambientes de subestações de energia elétrica. Nas seções seguintes serão abordados os principais resultados deste projeto de P&D que estão associados ao cenário da IEC no ambiente de uma rede Ethernet convergente. 2. O conceito da inteligência distribuída na rede O novo ambiente das redes convergentes com protocolos de comunicações padronizados internacionalmente tem propiciado, além da maior diversidade de aplicações possíveis, uma maior flexibilidade de arquiteturas. Tais arquiteturas buscam tirar proveito da distribuição dos recursos de processamento e armazenamento de informações em cada um dos elementos da rede, dispostos convenientemente do ponto de vista físico e topológico, porém, compartilhando dados de forma rápida e segura para a correta execução de cada aplicação a que se propõem. Dentro deste conceito encontram-se, por exemplo, os Dispositivos Eletrônicos Inteligentes (IEDs), definidos pela IEC-61850, que atuam como servidores executando funções internas associadas às lógicas de proteção, automação e controle implementadas nas subestações de energia ou mesmo fora destas. Tais dispositivos por vezes se comunicam entre si por protocolos padrões destinados a mensagens críticas entre equipamentos, mas, ao mesmo tempo, disponibilizam suas bases de dados internas aos clientes da rede tais como os sistemas de gerência e de aquisição de dados da rede elétrica, tais como os sistemas SCADA / EMS. No primeiro cenário de comunicação os IEDs atuam no modelo publish / subscriber onde um deles publica uma mensagem crítica na rede Ethernet associada a um evento ou alarme, 1

3 por exemplo, enquanto o outro ou outros atuam como assinantes daquela mensagem, sobre a qual procedem outras ações na rede elétrica a partir do recebimento da mensagem do primeiro IED. Estas mensagens, denominadas genericamente como GOOSE (Generic Object Orientated System-wide Events), requerem priorização e requisitos de desempenho da rede Ethernet que permitam que estas sejam trafegadas em intervalos de tempo de alguns milisegundos. Esta forma de comunicação é denominada comunicação horizontal uma vez que costuma ocorrer entre elementos de um mesmo nível de barramento de rede da subestação (estação, vão ou processo). Já no segundo cenário, estes mesmos IEDs disponibilizam dados e informações internas de suas bases às estações de trabalho, gerência e supervisão da rede (ex. Sistemas SCADA) consideradas como IHM (Interfaces Homem-Máquina). Nesta segunda forma de comunicação denominada comunicação vertical os dados são trafegados entre os diferentes níveis de barramento de rede convergindo nas interfaces IHM no barramento de estação. A Figura 1 ilustra estas diferentes formas de comunicação horizontal e vertical num ambiente de uma subestação. Figura 1 Tipos de comunicação entre elementos numa subestação Quando mapeados os tipos de comunicação em suas respectivas formas ou protocolos de rede associados, verifica-se que os padrões podem ser comuns em diferentes camadas da comunicação, desde a camada física Ethernet até os modelos de dados para objetos e serviços a serem implementados na rede, conforme ilustra a Figura 2. 2

4 Figura 2 - Mapeamento para comunicação numa subestação Neste mapeamento pode-se constatar que o protocolo de automação industrial MMS (Manufacturing Message Specification) é mapeado diretamente sobre o protocolo de transporte TCP / IP (Transmission Control Protocol / Internet Protocol) para efetivar a comunicação do tipo vertical que permite, por exemplo, o transporte das informações contidas nos IEDs para o sistema supervisório SCADA no modelo cliente (SCADA) / servidor (IED). Da mesma forma, as informações consideradas mais críticas em termos de requisitos de tempo de transmissão, a serem trafegadas na mesma rede, podem ser mapeadas sobre protocolos de comunicação em tempo real [4] como é o caso das mensagens GOOSE circuladas entre os IEDs e as amostras de valores críticos dos elementos do sistema. Em ambos os casos, os resultados destes mapeamentos distintos são combinados sobre as mesmas camadas física e de enlace da rede Ethernet fazendo-se uso dos recursos de QoS (Quality of Service) priorização / VLAN definidos na Norma IEEE 802.1p / 802.1Q. Esta norma estabelece as formas de inserção de tags de priorização nos quadros de pacotes Ethernet para a criação de redes virtuais locais (VLANs) permitindo, portanto, que as informações consideradas mais críticas sejam trafegadas na mesma rede com prioridade sobre as demais mapeadas como menos críticas. Neste cenário, pode-se constatar a clara distribuição da inteligência da rede de comunicações entre os diferentes elementos da mesma, sejam esses elementos, IEDs ou Interfaces Homem-Máquina (IHM). Esta distribuição permite o compartilhamento de múltiplas bases de armazenamento de informações e a divisão de responsabilidades nas ações e decisões a serem tomadas ao longo dos diferentes processos executados sobre a rede de comunicação, por exemplo, as lógicas de proteção de sistemas elétricos. 3. Aspectos relacionados à topologia e arquitetura das redes A eficácia das redes convergentes com inteligência distribuída depende não só do desempenho de seus elementos individualmente como também da sua topologia e arquitetura de integração. Neste sentido, as formas de interligação entre os elementos, por exemplo, IEDs e os recursos de rede (ex: switches Ethernet) são fundamentais para a eficácia da rede convergente para cada um dos processos e aplicações às quais ela se destina. Para tanto, ilustramos a seguir alguns núcleos básicos de topologias possíveis e relacionamos suas vantagens e desvantagens. 3

5 3.1. Topologia estrela: As arquiteturas de redes baseadas na topologia estrela possuem elementos funcionais interligados de forma centralizada através de um elemento de rede agregador ao qual também pode ser conectado a interface homem-máquina (IHM) que pode ser uma estação de engenharia ou um sistema de supervisão e gerência tal como o SCADA. A Figura 3 ilustra um núcleo de rede com este tipo de topologia. As vantagens desta topologia são: Figura 3 Núcleo de rede em topologia estrela Menor quantidade de switches (menor custo de rede associado); Menor quantidade de cabos de rede e interconexões; Ideal para IEDs com uma única porta Ethernet; Ideal para redes que não contemplem redundância de funções entre IEDs. As desvantagens são: Ausência de redundância de caminho de rede para cada IED e funções associadas; Risco de igualar ou exceder a capacidade máxima de portas do switch impedindo reconfigurações ou interligação de novos elementos à rede. A Figura 4 ilustra o emprego deste tipo de topologia para testes de interoperabilidade entre três IEDs com portas simples se comunicando entre si e com o sistema supervisório SAGE. 4

6 Figura 4 Emprego da topologia estrela para testes de interoperabilidade 3.2. Topologia em anel: As arquiteturas de redes baseadas na topologia em anel possuem elementos funcionais interligados ao longo de um anel permitindo caminhos alternativos de rede para as informações ou mensagens até sua chegada ao seu destino (elemento adjacente ou IHM). A Figura 5 ilustra um núcleo de rede com topologia em anel. As vantagens desta topologia são: Figura 5 Núcleo de rede em topologia em anel Redundância de caminhos de rede para cada IED e funções associadas; Maior flexibilidade para re-configurações ou expansões com interligação de novos elementos à rede; Maior confiabilidade associada à redundância existente; Recomendado para IEDs com portas redundantes Ethernet; 5

7 Ideal para redes que contemplem redundância de funções entre IEDs criando maior segurança na execução das mesmas. Permite esquemas de recuperação rápida de anel em caso de falhas nas portas (ex: RSTP 1 ) desde que disponíveis e previamente configurados nos switches utilizados. As desvantagens são: Maior quantidade de switches (maior custo de rede associado); Maior quantidade de cabos de rede e interconexões; Maior complexidade e custo dos IEDs e switches; A Figura 6 ilustra o emprego deste tipo de topologia para testes de interoperabilidade entre três IEDs com portas redundantes se comunicando entre si e com o sistema supervisório SAGE. Figura 6 Topologia em anel para teste de interoperabilidade com SAGE É importante observar que a norma IEC em sua edição vigente ainda não contempla a redundância de portas nos IEDs que permitirá o máximo proveito da topologia em anel. Entretanto, este recurso já vem sendo implementado pelos principais fabricantes uma vez que a IEC já estuda esta incorporação na norma Distribuição de funções entre os IEDs: Outro recurso importante na montagem de arquiteturas de redes convergentes é a forma de distribuição dos nós lógicos (LN 2 ) entre os diversos IEDs da rede através dos quais serão executadas as funções e aplicações dos diferentes processos. 1 RSTP = Rapid Spanning Tree Protocol 2 LN = Logical Node 6

8 A Figura 7 ilustra exemplos de duas diferentes formas de se agrupar nós lógicos em IEDs de proteção e controle para se executar as mesmas funções. Numa delas todos os nós lógicos são separados num par de IEDs que realizam, cada um deles, as funções de proteção e controle. Na segunda forma os nós lógicos são agrupados de forma que as mesmas funções de proteção e controle são executadas por um único IED. A primeira forma permite uma maior confiabilidade das funções uma vez que não dependem de apenas um IED, porém dependem mais fortemente da rede para a intercomunicação entre os IEDs e seu custo é mais elevado pela maior quantidade de equipamentos necessários. Já a segunda forma permite menor custo de investimento em equipamentos e em rede, porém exige maior confiabilidade do IED já que este fica responsável por um maior número de funções. Figura 7 Exemplo de formas de alocação de nós lógicos entre IEDs A Figura 8 ilustra o caimento dos custos relativos para implantação de uma rede convergente em função do número de LNs implementados por IED. 7

9 Figura 8 Caimento dos custos de implementação de uma rede de IEDs 4. Aplicações Práticas: Compartilhamento de recursos de rede entre aplicações Num ambiente de rede convergente é sempre importante prever as condições de compartilhamento dos recursos e da capacidade da rede entre as diversas aplicações nela trafegadas. No caso particular de convergência entre aplicações operativas e corporativas, a questão da priorização de tráfego e da garantia de capacidade de vazão das informações operativas torna-se fundamental. Visando avaliar a eficácia dos recursos de priorização de mensagens operativas GOOSE trocadas entre IEDs numa rede compartilhada com tráfego de informações corporativas, foi realizado um experimento envolvendo cinco relés digitais, de diferentes fabricantes e modelos, interligados em rede. O experimento procurou retratar um esquema de lógica de proteção representado na Figura 9. Neste esquema, no caso de ocorrência de subtensão na linha A (PTUV Função 27), não causada por um curto-circuito na carga C (ausência de pickup 51 - PTOC), e se E aberto e B fechado e a linha B estiver saudável (ausência de subtensão 27 PTUV abaixo de 80% do nominal), o relé A receberá o estado do disjuntor B (52 - XCBR), através do relé B, enviará um GOOSE de fecha E e um trip de abre A. Para executar esta proteção os relés foram interligados em rede conforme a Figura 10. Esta montagem visou não só a validação da interoperabilidade entre os IEDs (todos relés digitais) como a configuração de priorização de tráfego de mensagens GOOSE entre os dois switches utilizados. Os testes permitiram confrontar o resultado desta priorização em diferentes condições de carregamento do enlace trunk entre os dois switches provocado por uma ferramenta de emulação de tráfego IP denominada IxChariot [5]. A Figura 11 ilustra a tela do software IxChariot na condição de 80% de carregamento da rede em ambos os sentidos (Pair 1 do IxChariot -> Endpoint e Pair 2 do Endpoint -> IxChariot). Figura 9 Esquema de lógica de proteção com cinco relés em rede 8

10 Figura 10 Montagem da rede para esquema de lógica de proteção Figura 11 - Software IxChariot com 80% de carregamento A Tabela I mostra o resultado dos testes com diferentes percentuais de carregamento da rede e os efeitos desprezíveis nas estampas de tempo de eventos de proteção registrados entre relés situados em switches diferentes da rede. Tais resultados demonstram a eficácia do recurso de priorização de GOOSE implementados em ambos os switches evitando-se 9

11 prejuízos aos tempos de tráfego de mensagens operativas consideradas críticas quando compartilhando enlace de rede Ethernet com tráfego IP concorrente. As diferenças de leituras se devem a formas distintas de sincronismo IRIGB ou NTP entre cada IED. Evento (carregamento da rede) Instante lido pelo relé E (mesmo switch 1) Instante lido pelo relé B (em outro switch 2) Diferença de leituras Abertura Relé A (0%) 15:17: :17: ms Fechamento Relé E (0%) 15:17: :17: ms Abertura Relé A (10%) 15:25: :25: ms Fechamento Relé E (10%) 15:25: :25: ms Abertura Relé A (80%) 15:27: :27: ms Fechamento Relé E (80%) 15:27: :27: ms Abertura Relé A (100%) 15:32: :32: ms Fechamento Relé E (100%) 15:32: :32: ms Tabela I Resultados dos testes de carregamento de tráfego na rede de relés 5. Conclusões O presente trabalho procurou tratar os aspectos relacionados ao projeto de uma rede convergente IP num ambiente de uma concessionária de energia elétrica, visando os resultados esperados pelos usuários / clientes (humanos ou dispositivos inteligentes). O trabalho se baseou nos primeiros resultados de um projeto de pesquisa e desenvolvimento conduzido pelo CPqD e por FURNAS com foco numa metodologia para testes de interoperabilidade entre dispositivos eletrônicos inteligentes numa rede Ethernet de alta velocidade baseada na Norma IEC Esta abordagem, uma vez aplicada, permitirá otimizar os investimentos em infra-estrutura e equipamentos de rede e alcançar maior flexibilidade com os serviços e aplicações. Nas fases seguintes do projeto será proposto um modelo básico para subestações futuras utilizando uma implementação totalmente baseada na Norma IEC Além disso, será elaborado um conjunto de especificações mínimas para equipamentos e sistemas elétricos que se comuniquem segundo a Norma IEC BIBLIOGRAFIA [1] IEC 61850, Communication Networks and Systems in Substations Parts [2] M.G. Castello Branco, N. Mincov and S.M.C. Tome, A Inevitável Convergencia IP das Redes Operativa e Corporativa (XIX SNPTEE, October 2007). [3] M.G. Castello Branco, C. Esteve Rothenberg and N. Mincov, New Challenges in Electric Substation Telecommunication and IT Networks - Bienal CIGRÉ Paris 2008 Revista EletroEvolução Sistemas de Potência no. 53 Dez [4] L. Winkel, "Real-Time Ethernet in IEC and IEC series", In proceedings, Industrial Informatics, 2006 IEEE International Conference on, On page(s): , Singapore, Aug [5] 10

AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES E USINAS ESTADO DA ARTE E TENDÊNCIAS UTILIZANDO A NORMA IEC 61850

AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES E USINAS ESTADO DA ARTE E TENDÊNCIAS UTILIZANDO A NORMA IEC 61850 AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES E USINAS ESTADO DA ARTE E TENDÊNCIAS UTILIZANDO A NORMA IEC 61850 Allan Cascaes Pereira*; David Cáceres Jorge Miguel O. Filho; R. Pellizzoni José Roberto G. Correia Brasil EUA

Leia mais

IX Seminário Técnico de Proteção e Controle. 1 a 5 de Junho de 2008. Belo Horizonte Minas Gerais Brasil

IX Seminário Técnico de Proteção e Controle. 1 a 5 de Junho de 2008. Belo Horizonte Minas Gerais Brasil IX Seminário Técnico de Proteção e Controle 1 a 5 de Junho de 2008 Belo Horizonte Minas Gerais Brasil Diretrizes para Ensaios de Interoperabilidade e Testes Funcionais em Relés Multifuncionais Baseados

Leia mais

A EVOLUÇÃO DOS ESQUEMAS DE PROTEÇÃO COM A ADOÇÃO DA NORMA IEC 61850 E O ADVENTO DA INTEROPERABILIDADE

A EVOLUÇÃO DOS ESQUEMAS DE PROTEÇÃO COM A ADOÇÃO DA NORMA IEC 61850 E O ADVENTO DA INTEROPERABILIDADE XI SIMPÓSIO DE AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS 16 a 19 de Agosto de 2015 CAMPINAS - PR A EVOLUÇÃO DOS ESQUEMAS DE PROTEÇÃO COM A ADOÇÃO DA NORMA IEC 61850 E O ADVENTO DA INTEROPERABILIDADE Paulo Sergio

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA GPC

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA GPC SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPC 01 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA

Leia mais

SK, SÉRGIO KIMURA. ELEKTRO Eletricidade e Serviços SA BRASIL RESUMO

SK, SÉRGIO KIMURA. ELEKTRO Eletricidade e Serviços SA BRASIL RESUMO SK, SÉRGIO KIMURA ELEKTRO Eletricidade e Serviços SA BRASIL RESUMO O trabalho tem a finalidade de compartilhar a experiência da ELEKTRO com a utilização da norma IEC61850 implantada atualmente em 18(dezoito)

Leia mais

Simulador de IEDs utilizando arquivos ICD/SCD

Simulador de IEDs utilizando arquivos ICD/SCD 1 XI SIMPÓSIO DE AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS 16 a 19 de Agosto de 2015 CAMPINAS - SP Simulador de IEDs utilizando arquivos ICD/SCD Juliana Adabo Atizani Siemens LTDA. Brasil Paulo Roberto Antunes de

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GPC.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMA DE POTÊNCIA

Leia mais

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DE SISTEMAS DIGITAIS DE PROTEÇÃO E AUTOMAÇÃO BASEADOS EM IEDS OPERANDO COM O PROTOCOLO IEC 61850.

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DE SISTEMAS DIGITAIS DE PROTEÇÃO E AUTOMAÇÃO BASEADOS EM IEDS OPERANDO COM O PROTOCOLO IEC 61850. SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DE SISTEMAS DIGITAIS DE PROTEÇÃO E AUTOMAÇÃO BASEADOS EM IEDS OPERANDO COM O PROTOCOLO IEC 61850. Roberval Bulgarelli Eduardo César Senger Francisco Antônio Reis Filho Petrobras /

Leia mais

Capítulo X Automação elétrica industrial Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL)

Capítulo X Automação elétrica industrial Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) 52 Apoio Automação de subestações Capítulo X Automação elétrica industrial Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) A instalação de relés microprocessados em indústrias tornou-se

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Teste de IEDs Baseados na IEC 61850

Teste de IEDs Baseados na IEC 61850 1 Teste de IEDs Baseados na IEC 61850 M. E. de C. Paulino, Member, IEEE Abstract - A integração de IEDs multifuncionais em subestações complexas requer desenvolvimento de um protocolo padrão que reúna

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

IX Seminário Técnico de Proteção e Controle. 1 o a 5 de Junho de 2008. Belo Horizonte Minas Gerais Brasil

IX Seminário Técnico de Proteção e Controle. 1 o a 5 de Junho de 2008. Belo Horizonte Minas Gerais Brasil IX Seminário Técnico de Proteção e Controle 1 o a 5 de Junho de 2008 Belo Horizonte Minas Gerais Brasil Testes de Performance em IED s através de ensaios utilizando mensagens GOOSE (IEC61850) Paulo Sérgio

Leia mais

PROFINET. Guilherme Magalhães de Bastos e Lucas Fernandes Sousa

PROFINET. Guilherme Magalhães de Bastos e Lucas Fernandes Sousa 1 de 5 PROFINET Guilherme Magalhães de Bastos e Lucas Fernandes Sousa Pontifícia Universidade Católica de Goiás E-mails: guilherme_12_94@hotmail.com, lucas_f.s@hotmail.com Avenida Primeira Avenida, Setor

Leia mais

Benefícios da utilização da Norma IEC 61850 para coleta de oscilografias

Benefícios da utilização da Norma IEC 61850 para coleta de oscilografias XI SIMPÓSIO DE AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS 16 a 19 de Agosto de 2015 CAMPINAS - PR Benefícios da utilização da Norma IEC 61850 para coleta de oscilografias Alexandre Fernandes Onça Siemens Vinicius

Leia mais

PROTEÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES COM USO DA NORMA IEC61850

PROTEÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES COM USO DA NORMA IEC61850 PROTEÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES COM USO DA NORMA IEC61850 Felipe Lotte de Sá Magalhães Bruno Alberto Calado Silva Esp. Paulo Rogério Pinheiro Nazareth RESUMO - Este artigo aborda a proteção,

Leia mais

Optimização de processos e ferramentas de Controlo e Gestão em Sistemas de Protecção, Comando e Controlo

Optimização de processos e ferramentas de Controlo e Gestão em Sistemas de Protecção, Comando e Controlo Mestrado Integrado em Engenharia Eletrotécnica e de Computadores Optimização de processos e ferramentas de Controlo e Gestão em Sistemas de Protecção, Comando e Controlo PDI Preparação para Dissertação

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes de comunicação. de Dados. Network) Area. PAN (Personal( Redes de. de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes de comunicação. de Dados. Network) Area. PAN (Personal( Redes de. de dados Fundamentos de Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação

Leia mais

Aumento da Confiabilidade de Esquemas de Proteção e Controle em IEC 61850 com o uso de Message Quality

Aumento da Confiabilidade de Esquemas de Proteção e Controle em IEC 61850 com o uso de Message Quality umento da Confiabilidade de Esquemas de Proteção e Controle em IEC 61850 com o uso de Message Quality Douglas Oliveira - SEL Geraldo Rocha - SEL Paulo Franco - SEL Introdução Norma IEC 61850 Estabelece

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS BREVE HISTÓRICO A década de 60 Surgiram os primeiros terminais interativos, e os usuários podiam acessar o computador central através de linhas de comunicação.

Leia mais

Comunicação Industrial: Algumas características importantes em Switches Industriais.

Comunicação Industrial: Algumas características importantes em Switches Industriais. Comunicação Industrial: Algumas características importantes em Switches Industriais. O uso de switches ethernet é cada vez maior em redes industriais, não resta dúvida, e essa utilização não é de agora.

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações

Estrutura de um Rede de Comunicações Fundamentos de Profa.. Cristina Moreira Nunes Estrutura de um Rede de Comunicações Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Comunicando através da rede

Comunicando através da rede Comunicando através da rede Fundamentos de Rede Capítulo 2 1 Estrutura de Rede Elementos de comunicação Três elementos comuns de comunicação origem da mensagem o canal destino da mensagem Podemos definir

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com RESUMO 1 COMUTAÇÃO DE CIRCUITOS Reservados fim-a-fim; Recursos são dedicados; Estabelecimento

Leia mais

AULA 6 Esquemas Elétricos Básicos das Subestações Elétricas

AULA 6 Esquemas Elétricos Básicos das Subestações Elétricas CONSIDERAÇÕES INICIAIS AULA 6 Esquemas Elétricos Básicos das Subestações Elétricas Quando planejamos construir uma subestação, o aspecto de maior importância está na escolha (e, conseqüentemente, da definição)

Leia mais

Topologia de rede Ligação Ponto-a-Ponto

Topologia de rede Ligação Ponto-a-Ponto TIPOS DE REDE Tipos de Redes Locais (LAN - Local Area Network), Redes Metropolitanas (MAN - Metropolitan Area Network) e Redes Remotas (WAN - Wide Area Network). Redes que ocupam um pequeno espaço geográfico

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores é um conjunto de equipamentos que são capazes de trocar informações e compartilhar recursos entre si, utilizando protocolos para se comunicarem e

Leia mais

Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Nome dos Alunos

Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Nome dos Alunos Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour Nome dos Alunos Cenário 1: Considere a seguinte topologia de rede IPB 210.0.0.1/24 IPA 10.0.0.5/30 220.0.0.1\24 4 5 3 1 IPC 10.0.0.9/30 REDE B

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTL 02 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS

Leia mais

Conceito de Rede e seus Elementos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Conceito de Rede e seus Elementos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceito de Rede e seus Elementos Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceito de Rede e seus Elementos O conceito de rede segundo Tanenbaum é: um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações

Leia mais

XI Seminário Técnico de Proteção e Controle 18 a 21 de novembro de 2012 Florianópolis Santa Catarina Brasil

XI Seminário Técnico de Proteção e Controle 18 a 21 de novembro de 2012 Florianópolis Santa Catarina Brasil Topologias de rede ethernet tipo anel para grandes sistemas elétricos baseados na norma IEC61850 Paulo Antunes Souza Jr Newton de Carvalho Fernandez Gilberto Morgado Siemens I&C SG EA Baumier Siemens I&C

Leia mais

Arquiteturas e redundâncias em redes Ethernet Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL)

Arquiteturas e redundâncias em redes Ethernet Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) 56 Capítulo IV Arquiteturas e redundâncias em redes Ethernet Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) As atuais soluções de automação de subestações um relé de proteção 99,9945%

Leia mais

Sistemas de geração de energia elétrica Sistemas de distribuição de energia elétrica Supervisão e controle de energia elétrica Aquisição de dados e

Sistemas de geração de energia elétrica Sistemas de distribuição de energia elétrica Supervisão e controle de energia elétrica Aquisição de dados e Sistemas de geração de energia elétrica Sistemas de distribuição de energia elétrica Supervisão e controle de energia elétrica Aquisição de dados e registro de eventos Intertravamentos de segurança Série

Leia mais

Sistema de Disaster Recovery do Centro de Operação da Enersul

Sistema de Disaster Recovery do Centro de Operação da Enersul Sistema de Disaster Recovery do Centro de Operação da Enersul Aluísio de Barros Leite Empresa Energética do Mato Grosso do Sul - ENERSUL Brasil Gustavo Castilho Merighi Empresa Energética do Mato Grosso

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPC.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO EM SISTEMAS DE

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Redes de Computadores Prof. Dr. Rogério Galante Negri Rede É uma combinação de hardware e software Envia dados de um local para outro Hardware: transporta sinais Software: instruções que regem os serviços

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO DO DIRETORIA DE OPERAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE OPERAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO DOP TERMO DE REFERÊNCIA 011/2010 - DOP PROJETO DE AUTOMAÇÃO DAS SUBESTAÇÕES ARIQUEMES, JARU, JI-PARNÁ I, CACOAL, PIMENTA BUENO, ESPIGÃO

Leia mais

Funcionalidade Escalabilidade Adaptabilidade Gerenciabilidade

Funcionalidade Escalabilidade Adaptabilidade Gerenciabilidade Projeto de Redes Requisitos Funcionalidade -- A rede precisa funcionar. A rede precisa permitir que os usuários desempenhem os seus deveres profissionais. A rede precisa oferecer conectividade de usuário-para-usuário

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 1: Etapas de Projeto e Dimensionamento do Sistema INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 Etapas de projeto e dimensionamento

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTL 07 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE GOIÁS CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF.

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE GOIÁS CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. 1 REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE GOIÁS CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN E L A B O R A Ç Ã O : M Á R C I O B A L I A N / T I A G O M A

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET

REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com ARQUITETURA ISDN (Integrated Services Digital Network)

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES REDE DE COMPUTADORES Tipos de classificação das redes de acordo com sua topologia Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Ao longo da historia das redes, varias topologias foram

Leia mais

Comunicação de Dados

Comunicação de Dados UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Comunicação de Dados Aula 1 Agenda Apresentação da Disciplina Introdução Tipos de Redes Arquiteturas de Redes Nivelamento

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO PARA O CONTROLE DE PCHs - COACH. Brasil

SISTEMA INTEGRADO PARA O CONTROLE DE PCHs - COACH. Brasil SISTEMA INTEGRADO PARA O CONTROLE DE PCHs - COACH José Luiz Bozzetto BCM ENGENHARIA LTDA Flávio C. Bianchi BCM ENGENHARIA LTDA Brasil RESUMO Este trabalho descreve em linhas gerais um sistema integrado

Leia mais

UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO IEC61850 PARA AUTOMAÇÃO, PROTEÇÃO E CONTROLE DE SUBESTAÇÕES BRASIL

UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO IEC61850 PARA AUTOMAÇÃO, PROTEÇÃO E CONTROLE DE SUBESTAÇÕES BRASIL UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO IEC61850 PARA AUTOMAÇÃO, PROTEÇÃO E CONTROLE DE SUBESTAÇÕES LUIS FABIANO DOS SANTOS * ABB LTDA. MAURÍCIO PEREIRA ABB LTDA. BRASIL RESUMO Este artigo aborda a nova Norma IEC61850

Leia mais

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço.

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. O que se deve considerar no planejamento de uma rede multi-serviço? Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. Jorge Moreira de Souza Doutor em Informática

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO EM SISTEMAS

Leia mais

4 Implementação e Ambiente de Simulação

4 Implementação e Ambiente de Simulação 4 Implementação e Ambiente de Simulação Conforme apresentado no capítulo anterior, o protocolo HIP não estava implementado em nenhum framework do OMNeT++. Estudando os frameworks disponíveis para esse

Leia mais

Francisco M. Pires Neto Gestor de Sistemas de Controle EDP BANDEIRANTE Brasil

Francisco M. Pires Neto Gestor de Sistemas de Controle EDP BANDEIRANTE Brasil Francisco M. Pires Neto Gestor de Sistemas de Controle EDP BANDEIRANTE Brasil 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL Premissas básicas de projetos Foram desenhados

Leia mais

Evolução das Redes de Telecomunicação: Arquitetura IMS

Evolução das Redes de Telecomunicação: Arquitetura IMS Evolução das Redes de Telecomunicação: Arquitetura IMS Samuel R. Lauretti Graduado em Engenharia Elétrica pela USP-São Carlos em 1987, com Mestrado em Telecomunicações pela UNICAMP em 1993. Completou o

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 2 Arquitetura de Data Center Ambientes Colaborativos A história dos sistemas

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Topologias Tipos de Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 REDES LOCAIS LAN -

Leia mais

Capítulo VII. Redes de comunicação em subestações de energia elétrica Norma IEC 61850. Automação de subestações. A norma IEC 61850

Capítulo VII. Redes de comunicação em subestações de energia elétrica Norma IEC 61850. Automação de subestações. A norma IEC 61850 56 Capítulo VII Redes de comunicação em subestações de energia elétrica Norma IEC 61850 Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) A construção de subestações é uma atividade que

Leia mais

Configuração de VLANS em ambientes CISCO

Configuração de VLANS em ambientes CISCO Configuração de VLANS em ambientes CISCO Vanderlei Lemke Kruger, André Moraes 1 Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas (FATEC - Senac) Rua Gonçalves Chaves, 602 Centro Curso Superior de Tecnologia em Redes

Leia mais

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino <filipe.raulino@ifrn.edu.br> Introdução Redes de Computadores Filipe Raulino Introducão A comunicação sempre foi uma necessidade básica da humanidade. Como se comunicar a distância? 2 Evolução da Comunicação

Leia mais

UNICE Ensino Superior Introdução a Redes de Computadores Aula 01

UNICE Ensino Superior Introdução a Redes de Computadores Aula 01 UNICE Ensino Superior Introdução a Redes de Computadores Aula 01 PROFESSOR: Hiarly Alves Rodrigues Paiva Introdução a Redes de Computadores FACULDADE UNICE Fortaleza CE Ementa Introdução. Topologias de

Leia mais

1. Descrição do Produto

1. Descrição do Produto 1. Descrição do Produto Os repetidores óticos FOCOS/PROFIBUS AL-2431 e AL-2432 destinam-se a interligação de quaisquer dispositivos PROFIBUS, assegurando altíssima imunidade a ruídos através do uso de

Leia mais

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Redes definidas por software e Computação em Nuvem Prof. Rodrigo de Souza Couto Informações Gerais Prof. Rodrigo de Souza Couto E-mail: rodsouzacouto@ieee.org

Leia mais

Características: Switch Industrial Ethernet: Cisco Secure Agent: É isolado de todas as outras redes por um firewall ou por uma lista de acesso

Características: Switch Industrial Ethernet: Cisco Secure Agent: É isolado de todas as outras redes por um firewall ou por uma lista de acesso O switch Industrial Ethernet Cisco Catalyst 2955 garante a confiabilidade o determinismo e a segurança fundamentais para uma rede de controle de produção. A confiabilidade é obtida evitando que PLCs e

Leia mais

Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo.

Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo. Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo. Desafios da vigilância por vídeo hoje O mercado de vigilância por vídeo está crescendo, impulsionado por preocupações de segurança

Leia mais

Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento P&D. Companhia Energética do Maranhão - CEMAR. Última atualização:

Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento P&D. Companhia Energética do Maranhão - CEMAR. Última atualização: Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento P&D Companhia Energética do Maranhão - CEMAR Última atualização: Março/2016 PROGRAMA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO CEMAR CONCLUÍDO 2015 Título do Projeto: Sistema

Leia mais

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral RCO2 LANs, MANs e WANs Visão geral 1 LAN, MAN e WAN Classificação quanto a alcance, aplicação e tecnologias Distâncias: WAN: : distâncias arbitrariamente longas MAN: : distâncias médias (urbanas) LAN:

Leia mais

LAN Design. LAN Switching and Wireless Capítulo 1. Version 4.0. 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1

LAN Design. LAN Switching and Wireless Capítulo 1. Version 4.0. 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1 LAN Design LAN Switching and Wireless Capítulo 1 Version 4.0 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1 Objetivos do Módulo Compreender os benefícios e do uso de uma organização hierárquica

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO EM SISTEMAS

Leia mais

INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES. Dois ou mais computadores conectados um ao outro por um meio de transmissão.

INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES. Dois ou mais computadores conectados um ao outro por um meio de transmissão. INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES O que é uma Rede? Dois ou mais computadores conectados um ao outro por um meio de transmissão. Uma Rede de Computadores é constituída por vários computadores conectados

Leia mais

Comunicação Dados: Conceitos e Evolução Prof. Valderi Leithardt www.inf.ufrgs.br/~vrqleithardt. Ulbra Canoas - 2012-2

Comunicação Dados: Conceitos e Evolução Prof. Valderi Leithardt www.inf.ufrgs.br/~vrqleithardt. Ulbra Canoas - 2012-2 Comunicação Dados: Conceitos e Evolução Prof. Valderi Leithardt www.inf.ufrgs.br/~vrqleithardt Ulbra Canoas - 2012-2 Apresentação Professor: Dissertação de Mestrado: Uma Plataforma para Integrar Dispositivos

Leia mais

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Pós-graduação Lato Sensu em Desenvolvimento de Software e Infraestrutura

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro Material de Apoio IV TOPOLOGIAS

Leia mais

Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul

Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Redes Locais Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://professoreduardoaraujo.com Modelo de Rede Hierárquico Camada de

Leia mais

Interconexão redes locais (LANs)

Interconexão redes locais (LANs) Interconexão redes locais (LANs) Descrever o método de funcionamento dos dispositivos bridge e switch, desenvolver os conceitos básicos de LANs intermediárias, do uso do protocolo STP e VLANs. Com o método

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos

Redes de Computadores I Conceitos Básicos Redes de Computadores I Conceitos Básicos Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2011/2 v3 2011.07.27 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Histórico da Evolução das Redes Histórico

Leia mais

Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento P&D. Companhia Energética do Maranhão - CEMAR. Última atualização:

Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento P&D. Companhia Energética do Maranhão - CEMAR. Última atualização: Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento P&D Companhia Energética do Maranhão - CEMAR Última atualização: Março/2015 Título do Projeto: Desenvolvimento de Cabeça de Série de Transformador com Medição Integrada

Leia mais

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed quality of service Resumo para a disciplina de Processamento Digital de

Leia mais

Transdução Digital em Subestações de EHV com Controle de Qualidade de Energia Elétrica

Transdução Digital em Subestações de EHV com Controle de Qualidade de Energia Elétrica 1 Transdução Digital em Subestações de EHV com Controle de Qualidade de Energia Elétrica M. Nakashima, A. R. Figueiredo, S. Gambini, CTEEP, J.A. Jardini, L.C. Magrini e C. A. B. Pariente, USP. Resumo-

Leia mais

19/09/2009 MEIOS DE COMUNICAÇÃO. REDES E COMUNICAÇÃO DE DADOS George Gomes Cabral FIO DE PAR TRANÇADO

19/09/2009 MEIOS DE COMUNICAÇÃO. REDES E COMUNICAÇÃO DE DADOS George Gomes Cabral FIO DE PAR TRANÇADO MEIOS DE COMUNICAÇÃO No caso de armazenamento de dados, o termo meio significa o meio de armazenamento usado. No contexto atual, meio significa aos fios, cabos e outros recursos para transferência de dados.

Leia mais

EA080- Laboratório de Redes de Computadores Laboratório 2 Virtualização (Relatório Individual) Prof. Responsável: Mauricio Ferreira Magalhães

EA080- Laboratório de Redes de Computadores Laboratório 2 Virtualização (Relatório Individual) Prof. Responsável: Mauricio Ferreira Magalhães EA080- Laboratório de Redes de Computadores Laboratório 2 Virtualização (Relatório Individual) Prof. Responsável: Mauricio Ferreira Magalhães A virtualização de processadores é uma tecnologia que foi inicialmente

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Dispositivos de Interconexão www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Componentes de Rede Diversos são os componentes de uma rede de computadores e entendê-los

Leia mais

Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs

Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers Presentation_ID

Leia mais

ICORLI INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS E INTERNET

ICORLI INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS E INTERNET INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS E INTERNET 2010/2011 1 Introdução às redes e telecomunicações O que é uma rede? Uma rede de computadores é um sistema de comunicação de dados constituído

Leia mais

Máquinas Virtuais: Windows 2008 Server

Máquinas Virtuais: Windows 2008 Server Máquinas Virtuais: Windows 2008 Server André Luiz Silva de Moraes chameandre@gmail.com Faculdade Senac http://www.senacrs.com.br Feira das Oportunidades 04 de Maio de 2011 1 / 11 1 Conceitos Básicos Definições

Leia mais

Experiência 05: CONFIGURAÇÃO BÁSICA DE UMA REDE. Objetivo Geral Criar uma rede ponto-a-ponto com crossover e utiizando switch.

Experiência 05: CONFIGURAÇÃO BÁSICA DE UMA REDE. Objetivo Geral Criar uma rede ponto-a-ponto com crossover e utiizando switch. ( ) Prova ( ) Prova Semestral ( ) Exercícios ( ) Prova Modular ( ) Segunda Chamada ( ) Exame Final ( ) Prática de Laboratório ( ) Aproveitamento Extraordinário de Estudos Nota: Disciplina: Turma: Aluno

Leia mais

Topologias e abrangência das redes de computadores. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com

Topologias e abrangência das redes de computadores. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Topologias e abrangência das redes de computadores Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Objetivos Tornar os alunos capazes de reconhecer os tipos de topologias de redes de computadores assim como

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 1

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 1 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 1 Índice 1. Redes de Computadores e Telecomunicações...3 2. Topologias de Redes...4 2.1 Barramento... 4 2.2 Anel... 4 2.3 Estrela... 5 2.4 Árvore... 5 2.5

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Transmissão www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Transmissão Transmissão é a técnica que é utilizada para enviar um sinal entre os dois pontos envolvidos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes Locais Virtuais - VLANs Paulo Coelho 005 Versão 1.0 1 Segmentação de LANs As redes são normalmente segmentadas de modo a reflectir a estrutura administrativa da empresa aumentar

Leia mais

Objetivos: i) Verificar o impacto de loops em redes locais ii) Configurar o protocolo STP para remover loops da rede

Objetivos: i) Verificar o impacto de loops em redes locais ii) Configurar o protocolo STP para remover loops da rede Laboratório de Redes de Computadores 2 8 o experimento Objetivos: i) Verificar o impacto de loops em redes locais ii) Configurar o protocolo STP para remover loops da rede Introdução A interligação de

Leia mais

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto Introdução Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 1. Introdução i. Conceitos e Definições ii. Tipos de Rede a. Peer To Peer b. Client/Server iii. Topologias

Leia mais

Análise de uma rede Smart Grid usando a norma IEC 61850 e dados de medições

Análise de uma rede Smart Grid usando a norma IEC 61850 e dados de medições Análise de uma rede Smart Grid usando a norma IEC 61850 e dados de medições Fernando Petenel e Cristiano Panazio Resumo Este artigo apresenta uma análise de uma rede Smart Grid baseada na norma IEC 61850

Leia mais

Aspectos dos projetos elétricos na alimentação de cargas de missão crítica por UPS

Aspectos dos projetos elétricos na alimentação de cargas de missão crítica por UPS 24 Capítulo VIII Aspectos dos projetos elétricos na alimentação de cargas de missão crítica por or Luis Tossi e José tarosta o capítulo anterior, foram apresentadas as premissas relativas aos indicadores

Leia mais

Figura 5 - Workflow para a Fase de Projeto

Figura 5 - Workflow para a Fase de Projeto 5. Fase de Projeto A Fase de Projeto caracteriza-se por transformar as informações modeladas durante a Fase de Análise em estruturas arquiteturais de projeto com o objetivo de viabilizar a implementação

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GTM.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE TRANSFORMADORES, REATORES, MATERIAIS E TECNOLOGIAS

Leia mais

ESCLARECIMENTO Nº 02

ESCLARECIMENTO Nº 02 ESCLARECIMENTO Nº 02 Segue abaixo, solicitações formuladas por empresas participantes da licitação supra e as respectivas respostas de FURNAS: 1. Pergunta: Solicitamos todas as distâncias entre as salas

Leia mais

Centros de controle de motores CENTERLINE 2500 de baixa tensão

Centros de controle de motores CENTERLINE 2500 de baixa tensão Centros de controle de motores CENTERLINE 2500 de baixa tensão Projetados para inteligência, segurança e confiabilidade Centros de controle de motores e distribuição de cargas de alto desempenho que atendem

Leia mais

Pontes. Aula 14. VLANs. Pontes (bridges) Virtual LANs (VLANs) 2005-2006

Pontes. Aula 14. VLANs. Pontes (bridges) Virtual LANs (VLANs) 2005-2006 Aula 14 (bridges) Virtual LANs () FCUL 2005-2006 Nível 1/2 vs nível 3 A interligação de redes é, de acordo com os modelos OSI ou TCP/IP, feita no nível 3. Vantagens da interligação nível 3 Genérica, pois

Leia mais