Responsabilidades do Responsável de Segurança na implementação das Medidas de Autoprotecção (MAP) LOGO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Responsabilidades do Responsável de Segurança na implementação das Medidas de Autoprotecção (MAP) LOGO"

Transcrição

1 Responsabilidades do Responsável de Segurança na implementação das Medidas de Autoprotecção (MAP) 1 Francisco Ideias Martins - Assistant Director of Engineering

2 Introdução Hotel Ritz Four Seasons Lisboa Four Seasons Hotels & Resorts 90 hotéis em 36 países Hotel Ritz N.º total de pisos: 16 N.º de pisos com acesso ao cliente: 13 Nº quartos: 282 N.º quartos que podem receber pessoas com mobilidade reduzida: 2 * N.º colaboradores total: Francisco Ideias Martins - Assistant Director of Engineering

3 Metodologia para elaboração A elaboração seguiu as fases: 1. Auditoria Conformidade Legal Ambiente Segurança Incluiu a identificação das graves desconformidades com o disposto no RTSCIE (Portaria n.º 1532/2008, artigo 193º) Elaborado Plano de Ação para garantir a implementação, mas em prazos alargados devido aos investimentos envolvidos 3 Francisco Ideias Martins - Assistant Director of Engineering

4 2. Classificação do Hotel Utilização-tipo predominante: TIPO VII - (Hoteleiros e Restauração) 4ª Categoria de Risco Metodologia para elaboração 4 Francisco Ideias Martins - Assistant Director of Engineering

5 Metodologia para elaboração 3. Processo de elaboração Elaboração do Plano de Prevenção Adaptação de procedimentos de prevenção já implementados Organização dos Registos de Segurança Adequação do Plano de Emergência Interno já existente e implementado. Recurso ao apoio de empresa de consultoria com experiência na área Consulsafety, Lda. 5 Francisco Ideias Martins - Assistant Director of Engineering

6 4. Formação e treino Todos os colaboradores Regras de prevenção Metodologia para elaboração Instruções gerais de actuação em caso de emergência 6 Francisco Ideias Martins - Assistant Director of Engineering

7 4. Formação e treino Elementos da Equipa de Segurança Metodologia para elaboração Director do dopei (Director PEI Geral) COE Centro de Operações em Emergência Grupo de Apoio Recepção Telefonistas Delegado de Segurança (Director Técnico) Primeiros Socorros Evacuação Intervenção Apoio Técnico 7 Equipas de Emergência (áreas de Actuação) Francisco Ideias Martins - Assistant Director of Engineering

8 4. Formação e treino Metodologia para elaboração Elementos da Equipa de Segurança: 1 os Socorros 8 Francisco Ideias Martins - Assistant Director of Engineering

9 4. Formação e treino Metodologia para elaboração Elementos da Equipa de Segurança: Brigadas Intervenção 9 Francisco Ideias Martins - Assistant Director of Engineering

10 5. Teste e simulacros Metodologia para elaboração Exercícios de tempo de resposta realizados mensalmente Teste quinzenal a sistema de informação de emergência Simulacros globais realizados anualmente 1. Dificuldade em mobilizar clientes para treinar situação próxima do real 2. Treino do efetivo no período noturno 10 Francisco Ideias Martins - Assistant Director of Engineering

11 Metodologia para elaboração 5. Teste e simulacros 11 Francisco Ideias Martins - Assistant Director of Engineering

12 Estrutura e Responsabilidades Responsável de Segurança: Director Geral Delegados de Segurança: Assistant Director of Engineering Duty Manager Fora do horário normal e na ausência do Assistant Director of Engineering. 12 Francisco Ideias Martins - Assistant Director of Engineering

13 Responsabilidades do RS Para além da implementação do sistema de gestão de segurança e de autoproteção o RS assegura o cumprimento de outros requisitos específicos, nomeadamente: HACCP Segurança alimentar Autorização de funcionamento de instalações técnicas (caldeiras, compressores, etc.) Certificação Energética e Qualidade do Ar Interior 13

14 Práticas de segurança do grupo Hotéis Four Seasons: Politicas Internas Primeira cadeia a implementar Sistemas Automáticos de Extinção 14 Francisco Ideias Martins - Assistant Director of Engineering

15 Dificuldades na implementação Custos da implementação : Taxas elevadas para apreciação ; Documento elaborado em 2010, mas só enviado para apreciação em ,46 Inspeções regulares com periodicidade anual a solicitar pelo RS Sujeito a pagamento de taxa elevada 7335,70 15 Francisco Ideias Martins - Assistant Director of Engineering

16 Dificuldades na implementação Custos da implementação : Formação e treino Formação dos Delegados de Segurança; Formação de todos os colaboradores; Vantagem pelos colaboradores de um modo geral estáveis nas funções Formação dos intervenientes em emergência. Recorrer a entidades acreditadas, para a formação ser certificada contribuindo para o cumprimento do requisito legal relativo número mínimo de horas de formação/ trabalhador 16

17 Conclusão O RJSCIE constitui, sem dúvida, um referencial com um ganho evidente para a segurança das pessoas e do património e para a continuidade do negócio. 17 Francisco Ideias Martins - Assistant Director of Engineering

18 Conclusão 1. Necessita de revisão de modo a torná-lo mais flexível e adaptável às muitas situações/ condições particulares de vários negócios/ atividades sem prejuízo do desempenho em termos de segurança. 18 Francisco Ideias Martins - Assistant Director of Engineering

19 Conclusão 2. É importante uma evolução das disposições prescritivas para disposições baseadas no desempenho. 19 Francisco Ideias Martins - Assistant Director of Engineering

20 Conclusão 3. O elevado valor das taxas e a ineficiente fiscalização contribui para que seja muito reduzido o número de aderentes ao processo, com manifesta penalização destes últimos que se veêm confrontados com custos adicionais em relação a grande parte da concorrência. 20 Francisco Ideias Martins - Assistant Director of Engineering

21 Conclusão Obrigado pela atenção Francisco Ideias Martins 21

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO IV JORNADAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO DA ESCOLA PROFISSIONAL DE AVEIRO SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO Manuela Mil-Homens Comando Distrital de Operações de Socorro

Leia mais

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores Cenário 1 Alarme de reconhecimento Responsável Bloco faz o reconhecimento Atuação Equipa 1ª Intervenção Alarme Parcial Bloco A Atuação Equipa Evacuação Bloco A Situação Controlada? Sinistro? Sim Não Reposição

Leia mais

Legislação em Segurança contra Incêndios em. António Mascarenhas Diretor EIPC

Legislação em Segurança contra Incêndios em. António Mascarenhas Diretor EIPC Legislação em Segurança contra Incêndios em Edifícios António Mascarenhas Diretor EIPC 8 Bombeiros morreram em 2013 Incêndios Urbanos Mais de 200 pessoas morreram nos últimos cinco anos em incêndios Urbanos

Leia mais

ELABORAÇÃO DE MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO

ELABORAÇÃO DE MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO Praça Nove de Abril, 170. 4200 422 Porto Tel. +351 22 508 94 01/02 www.jct.pt SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS ELABORAÇÃO DE MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO JCT - Consultores de Engenharia, Lda tem como

Leia mais

MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO

MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO Paulo Pinto Obrigações legais e metodologias para a sua implementação Conteúdo 2 Medidas de Autoprotecção O que são? Enquadramento legal Responsabilidades Coimas e sanções acessórias

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Definir bases técnicas para a elaboração de Plantas de Emergência, em suporte de papel ou em suporte digital, conforme a legislação

Leia mais

RISCO DE INCÊNDIO. Risco mais frequente

RISCO DE INCÊNDIO. Risco mais frequente RISCO DE INCÊNDIO (RJ-SCIE / RT-SCIE) Risco mais frequente Fonte: André Kosters / Lusa 29 Abril 2008 (2 mortos) Incêndio no Centro de Recolhimento da Segurança Social no Convento da Encarnação, em Lisboa.

Leia mais

PLANTAS DE EMERGÊNCIA

PLANTAS DE EMERGÊNCIA OBJETIVO Definir bases técnicas para a elaboração de Plantas de Emergência, em suporte físico ou em suporte digital, conforme a legislação em vigor (RJ-SCIE e RT-SCIE) e a NP4386, aqui entendidas como

Leia mais

MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO. Regime Jurídico de Segurança Contra Incêndio em Edifícios Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de Novembro (RJ-SCIE).

MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO. Regime Jurídico de Segurança Contra Incêndio em Edifícios Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de Novembro (RJ-SCIE). Regime Jurídico de Segurança Contra Incêndio em Edifícios Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de Novembro (RJ-SCIE). Regulamento Técnico de Segurança Contra Incêndio em Edifícios - Portaria n.º 1532/2008,

Leia mais

COMPETÊNCIAS E RESPONSABILIDADES EM SCIE

COMPETÊNCIAS E RESPONSABILIDADES EM SCIE OBJETIVO Descrever detalhadamente as competências e responsabilidades de cada interveniente, em cada fase do processo construtivo, designadamente no âmbito da coordenação e conceção dos diversos projetos,

Leia mais

O Portal da Construção Segurança e Higiene do Trabalho

O Portal da Construção Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVIII Plano de Emergência um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a

Leia mais

Semana da Proteção Civil Seminário Incêndios Urbanos. PREVENÇÃO E RESPOSTA 27 Fevereiro 2015

Semana da Proteção Civil Seminário Incêndios Urbanos. PREVENÇÃO E RESPOSTA 27 Fevereiro 2015 Semana da Proteção Civil Seminário Incêndios Urbanos PREVENÇÃO E RESPOSTA 27 Fevereiro 2015 Riscos tecnológicos Incêndios estruturais: da prevenção ao combate Pedro Miguel de Araújo Comandante dos Bombeiros

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES PERGUNTAS MAIS FREQUENTES REGIME JURÍDICO DA (RJ-SCIE) (Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de Novembro) REGULAMENTO TÉCNICO DE SCIE (RT-SCIE) (Portaria n.º 1532/2008, de 29 de Dezembro) E LEGISLAÇÃO/DOCUMENTOS

Leia mais

Seminário Técnico Riscos Tecnológicos

Seminário Técnico Riscos Tecnológicos Autoridade Nacional de Protecção Civil Comando Distrital de Operações de Socorro do Porto Seminário Técnico Riscos Tecnológicos A Segurança Contra Incêndio em Estabelecimentos Industriais Porto, 15 de

Leia mais

Nova Regulamentação Portuguesa de Segurança contra Incêndios em Edifícios. Nuevo Reglamento Portugués de Seguridad contra Incendios en Edificios

Nova Regulamentação Portuguesa de Segurança contra Incêndios em Edifícios. Nuevo Reglamento Portugués de Seguridad contra Incendios en Edificios Carlos Ferreira de Castro Nova Regulamentação Portuguesa de Segurança contra Incêndios em Edifícios Nuevo Reglamento Portugués de Seguridad contra Incendios en Edificios New Portuguese Code Requirements

Leia mais

Vencemos juntos. Apresentação da Empresa

Vencemos juntos. Apresentação da Empresa Vencemos juntos Apresentação da Empresa @ 2014 Quem Somos Missão Fornecer ferramentas e recursos, que juntos, colmatam as necessidades dos nossos Clientes tornando-os mais competitivos e eficazes. Visão

Leia mais

Os Custos de Prevenção e Segurança e a sua Recuperação no Tempo COMUNICAÇÃO DE MANUEL MENDES DA CRUZ

Os Custos de Prevenção e Segurança e a sua Recuperação no Tempo COMUNICAÇÃO DE MANUEL MENDES DA CRUZ Os Custos de Prevenção e Segurança e a sua Recuperação no Tempo COMUNICAÇÃO DE MANUEL MENDES DA CRUZ INTRODUÇÃO O inesperado é o dia a dia das empresas... Pelo que os gestores têm também de prever o inesperado...

Leia mais

S ão as pessoas, não as empresas, que fazem a qualidade do serviço.

S ão as pessoas, não as empresas, que fazem a qualidade do serviço. S ão as pessoas, não as empresas, que fazem a qualidade do serviço. Qualidade Ambiente Segurança A Quambis é uma empresa do Grupo Sondar, que tem como principal finalidade prestar um serviço integrado

Leia mais

Curso de Especialização Pós-Graduada em Sistemas de Segurança, Gestão Técnica e Domótica

Curso de Especialização Pós-Graduada em Sistemas de Segurança, Gestão Técnica e Domótica 1. Designação do Curso: Curso de Especialização Pós-Graduada em Sistemas de Segurança, Gestão Técnica e Domótica 2. Denominação do Diploma ou Certificado Diploma de Pós-Graduação em Sistemas de Segurança,

Leia mais

Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A.

Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A. Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A. CÂMARA MUNICIPAL DE VILA POUCA DE AGUIAR SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL SETEMBRO DE 2010 ÍNDICE

Leia mais

w w w. v e n t u r a. pt

w w w. v e n t u r a. pt O que é? 1. O que é? Conjunto de todos os serviços de consultoria na área da Restauração desde a Concepção, Desenvolvimento, Abertura e Acompanhamento, tudo num só! All in One Hospitality Consulting 2.

Leia mais

PROJECTO INDIVIDUAL. Plano de Segurança Interno

PROJECTO INDIVIDUAL. Plano de Segurança Interno MESTRADO EM SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO (23.ª Edição do Curso de Técnico Superior de SHT) PROJECTO INDIVIDUAL Plano de Segurança Interno Orientador: Professor Doutor Paulo Lima Discente: Sara Cristina

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO DA ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS DE SETÚBAL

PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO DA ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS DE SETÚBAL MESTRADO EM SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO (7ª Edição) - PROJETO INDIVIDUAL EM CONTEXTO REAL DE TRABALHO - PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO DA ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS DE SETÚBAL ORIENTADOR:

Leia mais

Organização e Gestão da Segurança. Contra Incêndios

Organização e Gestão da Segurança. Contra Incêndios Organização e Gestão da Segurança Contra Incêndios Dissertação Instituto Superior de Engenharia do Porto Mestrado em Engenharia Civil - 2º ano Ramo de Infraestruturas e Ambiente Nuno Filipe Martins da

Leia mais

4.2.2. Verificação da informação disponibilizada pelo estabelecimento

4.2.2. Verificação da informação disponibilizada pelo estabelecimento 4.2.2. Verificação da informação disponibilizada pelo estabelecimento Os operadores de estabelecimentos SEVESO, de acordo com o seu nível de perigosidade, devem apresentar às entidades competentes e/ou

Leia mais

POSTO DE SEGURANÇA OBJETIVO APLICAÇÃO ÍNDICE REFERÊNCIAS SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS NOTA TÉCNICA N.º 20 POSTO DE SEGURANÇA

POSTO DE SEGURANÇA OBJETIVO APLICAÇÃO ÍNDICE REFERÊNCIAS SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS NOTA TÉCNICA N.º 20 POSTO DE SEGURANÇA OBJETIVO Em cumprimento do prescrito no RT-SCIE caracterizar as diversas configurações possíveis do Posto de Segurança, alargando a sua funcionalidade a outras áreas da segurança, não perdendo de vista

Leia mais

Uma Questão de Atitude...

Uma Questão de Atitude... Uma Questão de Atitude... Catálogo de Formação 2014 1 Introdução 3 Soluções de Formação 3 Áreas de Formação 4 Desenvolvimento Pessoal 5 Comercial 12 Secretariado e Trabalho Administrativo 15 Indústrias

Leia mais

Plano de Prevenção e Emergência do Lar de Idosos

Plano de Prevenção e Emergência do Lar de Idosos PROTÓTIPO Plano de Prevenção e Emergência do Lar de Idosos Nome do estabelecimento/localidade/freguesia Ano de ÍNDICE 1. INFORMAÇÕES GERAIS RELATIVAS AO EDIFÍCIO 1.1 IDENTIFICAÇÃO 1.2 DATA DA ENTRADA EM

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO

PLANO DE SEGURANÇA MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO ÍNDICE Agradecimentos... 5 1. INTRODUÇÃO... 6 2. DISPOSIÇÕES ADMINISTRATIVAS... 8 2.1 Promulgação e Aprovação... 8 2.2 Lista de páginas em vigor... 8 2.3 Entrada em vigor... 8 2.4 Lista de Revisões e Alterações...

Leia mais

Novas disposições regulamentares aplicáveis à Instalação e Manutenção de sistemas de SCIE

Novas disposições regulamentares aplicáveis à Instalação e Manutenção de sistemas de SCIE Novas disposições regulamentares aplicáveis à Instalação e Manutenção de sistemas de SCIE Seminário A Emergência [ANTESHT] 4 de Junho, EXPONOR 1 Equipamentos e sistemas de segurança Maria João Conde Conteúdos

Leia mais

Formação Pedagógica Inicial de Formadores B-Learning

Formação Pedagógica Inicial de Formadores B-Learning Formação Pedagógica Inicial de Formadores B-Learning Curso certificado e homologado pelo IEFP Sessão Piloto a 04 de Maio 90 horas (32 horas presenciais) - Pós Laboral (Terças e Quintas feiras, das 19h30

Leia mais

Paula Bragança e Machado 17 e 19 de Junho 2009

Paula Bragança e Machado 17 e 19 de Junho 2009 OPORTUNIDADES AMBIENTAIS DAS EMPRESAS E ENTIDADES SUMÁRIO EMAS: a experiência dos Hotéis Bensaude Paula Bragança e Machado 17 e 19 de Junho 2009 Enquadramento Apresentação das Unidades registadas Estrutura

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1 Introdução No actual quadro legislativo (35/2004) é bem claro que a responsabilidade pelas condições de Segurança, Higiene e Saúde

Leia mais

7ª Edição da Semana da Responsabilidade Social

7ª Edição da Semana da Responsabilidade Social 7ª Edição da Semana da Responsabilidade Social Mudança e inovação para novos estilos de vida Exemplos da aplicação dos 10 princípios pelos membros do GCNP - O caso do Ritz Four Seasons Hotel Lisboa - Menú

Leia mais

PROCEDIMENTOS EM CASO DE EMERGÊNCIA INTRODUÇÃO

PROCEDIMENTOS EM CASO DE EMERGÊNCIA INTRODUÇÃO PROCEDIMENTOS EM CASO DE EMERGÊNCIA INTRODUÇÃO Os procedimentos em caso de emergência definem-se como um documento orientador com normas de actuação dos vários sectores em situação de emergência, destinadas

Leia mais

Formação de Combate a Incêndio

Formação de Combate a Incêndio Allianz Portugal. S.A. Portugal tel : +351 213 165 300 fax: +351 213 578 140 info@allianz.pt www.allianz.pt Formação de Combate a Incêndio Direcção Negócio Empresa http://empresas.allianz.pt/riscos/brochuras.html

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE

CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE Proposta de Regulamento do Serviço Municipal de Protecção Civil do Concelho da Ribeira Grande Preâmbulo Atendendo que: A Protecção Civil é, nos termos da Lei de Bases

Leia mais

Auxiliar os consultores de segurança e projetistas na elaboração do Projeto de SCIE e da Ficha de Segurança.

Auxiliar os consultores de segurança e projetistas na elaboração do Projeto de SCIE e da Ficha de Segurança. OBJETIVO De acordo com o Artigo 17.º do Decreto-Lei n.º 220/2008 (Regime Jurídico de SCIE), descrever e detalhar como devem ser instruídos e apresentados os Projetos de SCIE (com o conteúdo descrito no

Leia mais

CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL E SEGURANÇA NA REDE 13º ENCONTRO VALORPNEU

CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL E SEGURANÇA NA REDE 13º ENCONTRO VALORPNEU CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL E SEGURANÇA NA REDE 13º ENCONTRO VALORPNEU Ana Lima, Environment & Safety SGS Portugal 20 Novembro 2015 A SGS NO MUNDO Fundada em 1878 Atualmente presente em mais de 140 países Mais

Leia mais

X Legislatura Número: 02 III Sessão Legislativa (2013/2014) Quarta-feira, 16 de outubro de 2013. Suplemento

X Legislatura Número: 02 III Sessão Legislativa (2013/2014) Quarta-feira, 16 de outubro de 2013. Suplemento Região Autónoma da Madeira Assembleia Legislativa X Legislatura Número: 02 III Sessão Legislativa (2013/2014) Quarta-feira, 16 de outubro de 2013 Suplemento Sumário Projetos de Decreto Legislativo Regional:

Leia mais

Existe um contrato/plano de manutenção para os equipamentos de uso clínico

Existe um contrato/plano de manutenção para os equipamentos de uso clínico 1 - Organização e Procedimentos 1.1 Existe um contrato/plano de manutenção para os equipamentos de uso clínico 1.1.1 Estão disponíveis os manuais relevantes dos equipamentos de uso clínico Equipamentos

Leia mais

Hospitality & Leisure

Hospitality & Leisure ESTUDO DE REMUNERAÇÃO 2015 Hospitality & Leisure Hospitality & Leisure Specialists in hospitality & leisure recruitment www.michaelpage.pt Hospitality & Leisure Estudo de Remuneração 2015 Apresentamos-lhe

Leia mais

Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna. Abílio Casaleiro

Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna. Abílio Casaleiro Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna 27.02.2015 Apresentação do Hospital de Cascais Plano de Catástrofe Externa Plano de Emergência Interna Hospital de Cascais - Caracterização

Leia mais

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2014 FORMAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PARA EMPRESAS PARA PROFISSIONAIS DE SEGURANÇA NO TRABALHO

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2014 FORMAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PARA EMPRESAS PARA PROFISSIONAIS DE SEGURANÇA NO TRABALHO CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2014 FORMAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PARA EMPRESAS COM POSSIBILIDADE DE INSCRIÇÃO INDIVIDUAL PARA PROFISSIONAIS DE SEGURANÇA NO TRABALHO INDICE Áreas de intervenção formativa

Leia mais

www.neyahotels.com Pedro Teixeira Qualidade, Ambiente e Segurança QAS III SEMINÁRIO NACIONAL GREEN KEY 25 de Novembro de 2015

www.neyahotels.com Pedro Teixeira Qualidade, Ambiente e Segurança QAS III SEMINÁRIO NACIONAL GREEN KEY 25 de Novembro de 2015 Pedro Teixeira Qualidade, Ambiente e Segurança QAS III SEMINÁRIO NACIONAL GREEN KEY 25 de Novembro de 2015 No centro de Lisboa, nasceu a primeira unidade hoteleira do Grupo NEYA Hotels: NEYA LISBOA HOTEL

Leia mais

Communication on Progress 2012

Communication on Progress 2012 Communication on Progress 2012 Lisboa, Julho de 2012 Índice 1. Apresentação da empresa 2. Declaração de compromisso 3. Princípios do Global Compact no Ritz Four Seasons Hotel Lisboa: Acções desenvolvidas

Leia mais

Portugal 2020. CCILC, Junho 2014

Portugal 2020. CCILC, Junho 2014 Portugal 2020 CCILC, Junho 2014 Internacionalização: Quando? Para Quem? PME Organizações Onde? Regiões Como valorizar? + RH +Inovação O Quê? Que Investimentos? Quais? Temas Prioridades Objetivos Internacionalização:

Leia mais

REGULAMENTO DE HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DE ESTABELECIMENTOS DE VENDA AO PÚBLICO E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE BEJA.

REGULAMENTO DE HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DE ESTABELECIMENTOS DE VENDA AO PÚBLICO E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE BEJA. REGULAMENTO DE HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DE ESTABELECIMENTOS DE VENDA AO PÚBLICO E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE BEJA. Jorge Pulido Valente, presidente da Câmara Municipal de Beja, torna público

Leia mais

Consultoria para implementação de um Sistema de Gestão Integrado de Qualidade e Inovação.

Consultoria para implementação de um Sistema de Gestão Integrado de Qualidade e Inovação. Integrado de Qualidade e Inovação. o referencial NP 4457:2007 da Consultoria para implementação de um Sistema HACCP DS 3027 E: 2002; Formação em Qualidade; Formação em Boas Práticas e HACCP; Auditorias

Leia mais

JORNADAS TÉCNICAS SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS EM EDIFÍCIOS. Medidas de Autoproteccção ANGRA DO HEROÍSMO POSSIDÓNIO ROBERTO

JORNADAS TÉCNICAS SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS EM EDIFÍCIOS. Medidas de Autoproteccção ANGRA DO HEROÍSMO POSSIDÓNIO ROBERTO JORNADAS TÉCNICAS SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS EM EDIFÍCIOS Medidas de Autoproteccção ANGRA DO HEROÍSMO POSSIDÓNIO ROBERTO Medidas de Autoprotecção 1- Condições Gerais de Autoprotecção 2- Organização do

Leia mais

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico, Turismo de Portugal, I.P. Rua Ivone Silva, Lote 6, 1050-124 Lisboa Tel. 211 140 200 Fax. 211 140 830 apoioaoempresario@turismodeportugal.pt

Leia mais

Duração da Prova de conhecimentos 90 minutos. Grupo II Conhecimentos específicos

Duração da Prova de conhecimentos 90 minutos. Grupo II Conhecimentos específicos Procedimento concursal comum para constituição de relação jurídica de emprego público por tempo indeterminado, tendo em vista o preenchimento de um posto de trabalho, da categoria de Técnico Superior,

Leia mais

SEGURANÇA ALIMENTAR PROGRAMA QUALIDADE PARA ÁFRICA OCIDENTAL SUPORTE A COMPETITIVIDADE E HARMONIZAÇÃO DOS ACORDOS OTC E SPS

SEGURANÇA ALIMENTAR PROGRAMA QUALIDADE PARA ÁFRICA OCIDENTAL SUPORTE A COMPETITIVIDADE E HARMONIZAÇÃO DOS ACORDOS OTC E SPS SEGURANÇA ALIMENTAR PORQUÊ UMA NORMA ISO DE GESTÃO DA SEGURNAÇA ALIMENTAR? 1,5 Bilhões de casos de toxi- infecções alimentares por ano; Uma das causas mais comuns de mortalidade em Países em desenvolvimento;

Leia mais

ERS 3002 - Qualidade e Segurança Alimentar na Restauração. www.apcer.pt

ERS 3002 - Qualidade e Segurança Alimentar na Restauração. www.apcer.pt ERS 3002 - Qualidade e Segurança Alimentar na Restauração www.apcer.pt AGENDA Apresentação APCER Desenvolvimento ERS3002 Conteúdo da ERS3002 Metodologias de auditorias Associação constituída em Abril 1996

Leia mais

SEDE - Carnaxide. Número de postos de trabalho - Presidente (1) - 1. Cargo/carreira/categoria. Técnico Superior. Técnico Superior Direito 3

SEDE - Carnaxide. Número de postos de trabalho - Presidente (1) - 1. Cargo/carreira/categoria. Técnico Superior. Técnico Superior Direito 3 2009 MAPA DE PESSOAL DA ANPC (Artigo 5º da Lei nº 2-A/2008, 27 Fevereiro) SEDE - Carnaxi Competências/Actividas Área formação académica e/ou - Presinte () - - Director Nacional () - 3 - Comandante Operacional

Leia mais

Megaexpansão - Silves

Megaexpansão - Silves 2010 Megaexpansão - Silves DÁRIO AFONSO FERNANDA PIÇARRA [ 21 09 2010 ] ÍNDICE Objectivos (pág. 3) Caracterização do Estabelecimento (pág. 3 a 6) Organização de Emergência (pág. 6 a 8) Plano de Intervenção

Leia mais

www.intelac.pt Pacote de Serviços Integrados Disponibilizados pela Intelac Rh a MICRO EMPRESAS

www.intelac.pt Pacote de Serviços Integrados Disponibilizados pela Intelac Rh a MICRO EMPRESAS www.intelac.pt Pacote de Serviços Integrados Disponibilizados pela Intelac Rh a MICRO EMPRESAS 1 3 4 recursos humanos contabilidade e gestão DINAMIZAÇÃO DO NEGÓCIO 1 2 área comercial área HST Enquadramento

Leia mais

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A.

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. Empresa especializada na concepção, instalação e manutenção de equipamentos para a indústria hoteleira, restauração e similares. Primeira empresa do sector a nível

Leia mais

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA OBJETIVO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos exigidos no RT-SCIE, apresentando soluções disponíveis de possível aplicação.

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO Introdução No actual quadro legislativo (Lei 7/2009 Código do Trabalho) e (Lei 102/2009 Regime jurídico da promoção da segurança e saúde

Leia mais

Serviços de Higiene, Segurança e Saúde no Trabalho

Serviços de Higiene, Segurança e Saúde no Trabalho Trimestral n.º 3-28 de Janeiro de 2013 Serviços de Higiene, Segurança e Saúde no Trabalho NEWSLETTER SHST XZ Consultores, SA - Empresa autorizada pela ACT por despacho nº 446/2006 SMTB, Lda. - Entidade

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA UMA LIDERANÇA INOVADORA

COMPETÊNCIAS PARA UMA LIDERANÇA INOVADORA CURSO PARA A Liderança e Gestão Implemente e Aplique COMPETÊNCIAS PARA UMA LIDERANÇA INOVADORA A Liderança é conseguir olhar mais alto e mais longe, para que a actuação das pessoas alcance o seu potencial

Leia mais

Uma Questão de Atitude...

Uma Questão de Atitude... Uma Questão de Atitude... Catálogo de Formação 1 Introdução 3 Soluções de Formação 3 Áreas de Formação 4 Desenvolvimento Pessoal 5 Comercial 12 Secretariado e Trabalho Administrativo 15 Indústrias Alimentares

Leia mais

SIMBOLOGIA GRÁFICA PARA PLANTAS DE SCIE

SIMBOLOGIA GRÁFICA PARA PLANTAS DE SCIE OBJETIVO Listar os símbolos gráficos a utilizar nos projetos e planos de Segurança Contra Incêndios (SCIE) a que se refere o Regime Jurídico de SCIE (n.º 1 do artigo 17.º do Decreto-Lei n.º 220/2008, de

Leia mais

projectos de engenharia e fiscalização de obras, lda.

projectos de engenharia e fiscalização de obras, lda. projectos de engenharia e fiscalização de obras, lda. PORTUGAL ARGELIA ANGOLA BARRA4 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 MORADIAS EM BANDA Correia & Nóbrega, Lda Caniço, R. A. Madeira MORADIA UNIFAMILIAR

Leia mais

Direito à informação ao consumo seguro. Entidades que supervisionam as empresas/instituições

Direito à informação ao consumo seguro. Entidades que supervisionam as empresas/instituições Direito à informação ao consumo seguro Entidades que supervisionam as empresas/instituições Escola B+S Ângelo Augusto da Silva Projeto de Educação Financeira Banco de Portugal Bancos O Banco de Portugal

Leia mais

PROCEDIMENTO DE GESTÃO

PROCEDIMENTO DE GESTÃO Página: 1 de 7 ÍNDICE 1. OBJECTIVO 2 2. CAMPO DE APLICAÇÃO 2 3. DEFINIÇÕES 2 4. REFERÊNCIAS 2 5. RESPONSABILIDADES E MODOS DE PROCEDER 2 5.1. Cuidados em Situação de Emergência 2 5.2. Cuidados de Saúde

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES OS MODELOS DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE / SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE.

QUALIFICAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES OS MODELOS DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE / SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE. QUALIFICAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES OS MODELOS DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE / SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE. Por: Cândido Pires Presidente da Direcção do Centro de Solidariedade de Braga, Licenciado em Engenharia,

Leia mais

CADERNOS TÉCNICOS PROCIV. 4 Estabelecimentos de Apoio Social a Pessoas Idosas Manual para a Elaboração de Planos de Segurança

CADERNOS TÉCNICOS PROCIV. 4 Estabelecimentos de Apoio Social a Pessoas Idosas Manual para a Elaboração de Planos de Segurança CADERNOS TÉCNICOS PROCIV 4 Estabelecimentos de Apoio Social a Pessoas Idosas Manual para a Elaboração de Planos de Segurança EDIÇÃO: AUTORIDADE NACIONAL DE PROTECÇÃO CIVIL DEZEMBRO DE 2008 02 Cadernos

Leia mais

Mestrado em Conservação e Reabilitação do Edificado uma resposta à crise vivida no sector da Construção em Portugal

Mestrado em Conservação e Reabilitação do Edificado uma resposta à crise vivida no sector da Construção em Portugal INSCRIÇÕES ABERTAS NOS SERVIÇOS ACADÉMICOS!!! Mestrado em Conservação e Reabilitação do Edificado uma resposta à crise vivida no sector da Construção em Portugal Reabilitação Urbana e do Património Edificado

Leia mais

Regime Jurídico de SCIE (Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de novembro) Regulamento Técnico de SCIE (Portaria n.º 1532/2008, de 29 de dezembro)

Regime Jurídico de SCIE (Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de novembro) Regulamento Técnico de SCIE (Portaria n.º 1532/2008, de 29 de dezembro) OBJETIVO Especificar as características e os requisitos para a elaboração de considerando estes como a associação dos Registos de Segurança, do Plano de Prevenção (ou Procedimentos de Prevenção) e do Plano

Leia mais

Curso Combate a Incêndios

Curso Combate a Incêndios Curso Combate a Incêndios Referencial do Curso Objectivos Objectivos Gerais Dotar os participantes de conhecimentos básicos sobre o combate a incêndios e colocar em prática os conteúdos teóricos abordados.

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

Co-Financiado por: EQUAL. Regulamento

Co-Financiado por: EQUAL. Regulamento Co-Financiado por: EQUAL Regulamento IQA Inovar para a Qualidade Alimentar 07/05/2009 ÍNDICE 1- DESCRIÇÃO... 3 Localização do projecto por região:... 4 Localização do projecto por distrito:... 4 2- OBJECTIVOS...

Leia mais

Regulamento. Núcleo de Voluntariado de Ourique

Regulamento. Núcleo de Voluntariado de Ourique Regulamento Núcleo de Voluntariado de Ourique Regulamento da Núcleo de Voluntariado de Ourique Nota Justificativa O presente Regulamento define as normas de funcionamento do Núcleo de Voluntariado de Ourique,

Leia mais

RESPONSABILIDADE AMBIENTAL

RESPONSABILIDADE AMBIENTAL RESPONSABILIDADE AMBIENTAL AXA Portugal ORDEM DOS ENGENHEIROS - XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de Outubro 2012 Paula Bruto da Costa 1 sumário Enquadramento

Leia mais

Dynamic Hotels - Hospitality Consultants. Soluções à medida para o seu investimento hoteleiro

Dynamic Hotels - Hospitality Consultants. Soluções à medida para o seu investimento hoteleiro Soluções à medida para o seu investimento hoteleiro Consultora Hoteleira Dynamic Hotels, líder de mercado na área de desenvolvimento hoteleiro, providencia capacidade e competências na concepção de um

Leia mais

Catálogo de Formação. Estabelecemos Parcerias orientadas para a criação de valor, baseado no desenvolvimento do Capital Humano da sua Empresa

Catálogo de Formação. Estabelecemos Parcerias orientadas para a criação de valor, baseado no desenvolvimento do Capital Humano da sua Empresa Catálogo de Formação Estabelecemos Parcerias orientadas para a criação de valor, baseado no desenvolvimento do Capital Humano da sua 1. Apresentação 2. Plano de formação 2.1 Condutores/manobradores de

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

Finanças para Não Financeiros

Finanças para Não Financeiros www.pwc.pt/academy Finanças para Não Financeiros Academia da PwC Este curso permite-lhe compreender melhor as demonstrações financeiras, os termos utilizados e interpretar os principais indicadores sobre

Leia mais

LISBOA/LNEC CURSO PARA PROJECTISTAS DE SEGURANÇA A CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS DAS 3ª 3 E 4ª 4 CATEGORIAS DE RISCO. Dia 29 de Março o de 2011

LISBOA/LNEC CURSO PARA PROJECTISTAS DE SEGURANÇA A CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS DAS 3ª 3 E 4ª 4 CATEGORIAS DE RISCO. Dia 29 de Março o de 2011 CURSO PARA PROJECTISTAS DE SEGURANÇA A CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS DAS 3ª 3 E 4ª 4 CATEGORIAS DE RISCO LISBOA/LNEC Dia 29 de Março o de 2011 Titulo VII Condições Gerais de Autoprotecção CONDIÇÕES DE AUTOPROTECÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelos artigos 112º n.º 8 e 241º da Lei Constitucional, devem os Municípios aprovar os respectivos regulamentos municipais,

Leia mais

Alojamento Local no Município de Albufeira

Alojamento Local no Município de Albufeira Sessão de Esclarecimento Ricardo Sena/Dinis Alves Departamento de Planeamento e Gestão Urbanística Agenda Enquadramento Ponto de Situação Procedimentos Requisitos Enquadramento Noção de Estabelecimentos

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO www.zonaverde.pt Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Os acidentes nas organizações/estabelecimentos são sempre eventos inesperados, em que a falta de conhecimentos/formação,

Leia mais

COMPLEXO DE APOIO ÀS ACTIVIDADES DESPORTIVAS (CAAD) LEI ORGÂNICA

COMPLEXO DE APOIO ÀS ACTIVIDADES DESPORTIVAS (CAAD) LEI ORGÂNICA COMPLEXO DE APOIO ÀS ACTIVIDADES DESPORTIVAS (CAAD) LEI ORGÂNICA Decreto-Lei n.º 64/97 de 26 de Março O Decreto-Lei nº 64/97, de 26 de Março, foi revogado pelo Decreto-Lei nº 96/2003, de 07 de Maio, que

Leia mais

Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros. Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril

Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros. Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril REPE Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril 1 - A enfermagem registou entre nós, no decurso

Leia mais

Balanced Scorecard e a

Balanced Scorecard e a Sessões de Trabalho Balanced Scorecard e a Execução Estratégica Programa de 3 dias de Treino Inscrições até 31/Março = 375 + IVA Inscrições até 11/Abril = 750 + IVA Local: Armazém SYV (em Lisboa, na Junqueira)

Leia mais

Fórum Jurídico. Julho 2013 Contencioso Penal INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/6

Fórum Jurídico. Julho 2013 Contencioso Penal INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/6 Julho 2013 Contencioso Penal A Livraria Almedina e o Instituto do Conhecimento da Abreu Advogados celebraram em 2012 um protocolo de colaboração para as áreas editorial e de formação. Esta cooperação visa

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE

REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE CAPÍTULO I Objecto ARTIGO.º (Objecto) O presente regulamento define a composição e o regime jurídico do pessoal do Gabinete do Presidente do Tribunal de Contas.

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE SSMA PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE SSMA PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS 2.a SEP PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE SSMA PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Cortesia: Antônio Henriques & Isegnet Projeto de Inserção: 3RFollowGoGreener Aplicação: MPEM Rede Petro/SEBRAE Contato: www.isegnet.com.br

Leia mais

PROTECÇÃO CONTRA INCÊNDIO LARES DE IDOSOS

PROTECÇÃO CONTRA INCÊNDIO LARES DE IDOSOS PROTECÇÃO CONTRA INCÊNDIO LARES DE IDOSOS FILIPE ALEXANDRE RODRIGUES SOARES Dissertação submetida para satisfação parcial dos requisitos do grau de MESTRE EM ENGENHARIA CIVIL ESPECIALIZAÇÃO EM CONSTRUÇÕES

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DA GRACIOSA ANO LETIVO 2014-2015 PLANIFICAÇÃO DE CIDADANIA (7º)

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DA GRACIOSA ANO LETIVO 2014-2015 PLANIFICAÇÃO DE CIDADANIA (7º) ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DA GRACIOSA ANO LETIVO 2014-2015 PLANIFICAÇÃO DE CIDADANIA (7º) 1º Período (26 Aulas) Identidade Pessoal As minhas principais qualidades e como se revelam importantes - Os meus

Leia mais

Empreendimentos Turísticos - CAE 55111 a 55119, 55121 a 55124 e 55201 a 55300. Instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos turísticos;

Empreendimentos Turísticos - CAE 55111 a 55119, 55121 a 55124 e 55201 a 55300. Instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos turísticos; O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL Empreendimentos Turísticos CAE 55111 a 55119, 55121

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: al.g) do n.º 27.º do art. 9.º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: al.g) do n.º 27.º do art. 9.º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA al.g) do n.º 27.º do art. 9.º. Enquadramento - Prestação de serviços de gestão administrativa e actuariais, realizadas a Sociedades Gestoras de Fundos de

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento da Gestão de Reclamações de Tomadores de Seguros, Segurados, Beneficiários ou Terceiros Lesados.

Regulamento Interno de Funcionamento da Gestão de Reclamações de Tomadores de Seguros, Segurados, Beneficiários ou Terceiros Lesados. Regulamento Interno de Funcionamento da Gestão de Reclamações de Tomadores de Seguros, Segurados, Beneficiários ou Terceiros Lesados Artigo 1º Objecto O presente documento tem por objecto estabelecer um

Leia mais

PRINCÍPIOS PIOS BASE DA FISCALIZAÇÃO DE SEGURANÇA. J. Amorim Faria

PRINCÍPIOS PIOS BASE DA FISCALIZAÇÃO DE SEGURANÇA. J. Amorim Faria PRINCÍPIOS PIOS BASE DA FISCALIZAÇÃO DE SEGURANÇA J. Amorim Faria 1 CONTEÚDO Legislação Fundamental Intervenientes na Segurança a em Obra: Principais Funções e Responsabilidades Princípios pios-base Documentos

Leia mais

2. MISSÃO COMUM A TODAS AS ENTIDADES E ORGANISMOS DE APOIO IMPLANTADOS NO CONCELHO DE SINES

2. MISSÃO COMUM A TODAS AS ENTIDADES E ORGANISMOS DE APOIO IMPLANTADOS NO CONCELHO DE SINES 2. MISSÃO COMUM A TODAS AS ENTIDADES E ORGANISMOS DE APOIO IMPLANTADOS NO CONCELHO DE SINES Colaboram com o SMPC ou o CMOEPC (se estiver activado) na actualização do inventário dos seus meios e recursos.

Leia mais

1. INTRODUÇÃO... 14 2. EQUADRAMENTO LEGAL... 16 3. CARACTERIZAÇÃO DO EDIFÍCIO/ESTABELECIMENTO... 17 4. MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO...

1. INTRODUÇÃO... 14 2. EQUADRAMENTO LEGAL... 16 3. CARACTERIZAÇÃO DO EDIFÍCIO/ESTABELECIMENTO... 17 4. MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO... ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 14. EQUADRAMENTO LEGAL... 16 3. CARACTERIZAÇÃO DO EDIFÍCIO/ESTABELECIMENTO... 17 4. MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO... 18 4.1. Utilização Tipo... 18 4.. Categorias de Risco... 18 4.3.

Leia mais

Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo REFINARIA DO PORTO Petrogal

Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo REFINARIA DO PORTO Petrogal Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo REFINARIA DO PORTO Petrogal MAIO 2011 4. Informação complementar 4.1 Secção I 4.1.1 Mecanismos da estrutura de Protecção Civil Estrutura de Operações

Leia mais

ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL A PESSOAS IDOSAS

ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL A PESSOAS IDOSAS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL A PESSOAS IDOSAS PLANOS DE SEGURANÇA A sociedade é feita por todas as pessoas, em todas as idades NÚCLEO DE CERTIFICAÇÃO E FISCALIZAÇÃO ALEXANDRA SANTOS E MARIA ANDERSON

Leia mais