:44 "5%

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ":44 "5%"

Transcrição

1 5- :44 "5% f.

2 k'^` t'ç ria ',fz 1 ) ( 4t1 Nr :y tis TI XtO DE CLÁUDIA MARQUES SANTOS...,.4-.PṢ.,ORAFIAS ARQUIVO DN

3 Se em Espanha a imagética de um povo está associada ao placará de um touro negro nas lezírias, em Portugal ela traduz-se em muito no ideário. construído pelo Estado Novo à volta bacalhau, em que se quis tornar a arte dura de pescar nos mares do Norte herdeira das viagens de s. podiainoscomeçar este textoa explanar o anunciado e prontamente criticado Bacalhau Story Centre (ver página 24)- nãosabemos se pela impertinência do tema na lista de prioridades do executivo da câmara lisboeta, se pelo facto de o nome em inglês indiciar que aprofundamento a dar ao tema será para francês ver. Preferimos cingir-nos á contextualização histórica que explica a carga narrativa do assunto "bacalhau" no imaginário dos - e sobre os- portugueses. A relação dos portugueses com o bacalhau começou na Idade Média com a exportação de sal e a importação de bacalhau. E desde o século xv que há barcos lusos nos mares da Terra Nova. AS ORIGENS Os primeiros a pescar bacalhau foram os vikings. que. à falta de sal, deixavam o peixe a secar ao ar livre nos barcos. Sal era coisa que, na Idade Média, os portugueses tinham e usavam como moeda de troca com os países nórdicos: importavam o bacalhau, exportavam o sal. O rótulo "bacalhau da Noruega" remonta aqui. Os primeiros relatos a indicarem uma relação da pesca de bacalhau com o método da.salga datam do século xtv e, durante as viagens das ditas descobertas portuguesas, no século xv, a necessidade de conservação do peixe durante longos períodos de tempo tornou-se imperiosa. Na viragem do século xv para o xvi, tornámo-nos pioneiros na armação de grandes barcos para a pesca e rumámos aos mares da Terra Nova, hoje uma província do Canadá, e da Gronelândia. a bordo dos veleiros de três mastros chamados de lugres. Em 1506, havia já um imposto sobre o bacalhau que entrava nos portos situados entre o Douro e o Minho. A pesca por frotas portuguesas manteve-se irregular e foi mesmo interrompida durante a dinastia filipina.

4 1 as ti 1 49! No século XVII o consumo do bacalhau salgado seco era generalizado. A expressão "fiel amigo" data do século xix. CONTEXTO PRÉ-REPÚBLICA E PRÉ-ESTADO NOVO No século xvii. o consumo de bacalhau salgado seco era generalizado, sobretudoatraves de intennediáriosingleses em Lisboa e no Porto. Até ao século xx, consumia-se o chamado "bacalhau inglês". Portugal só retoma a atividade de armar navios para a Terra Nova em 1835, através da companhia de Pescarias Lisbonense. Num artigo publicado em 2013 na revista cio Centro em Rede de Investigação em Antropologia. da autoria de José Manuel Sobral e Patrícia Rodrigues. diz-se que o bacalhau não foi considerado comida de primeira categoria durante séculos. Em carta datada de 1773, a mulher clo morgado de Mateus, então governador de São Paulo, no Brasil, escreveu-lhe a queixar-se da filha bastarda, que não queria comer "senão galinha, franga e doce, que enjoa vaca e bacalhau, único peixe que' aqui aborda". "Estamos a falar do interior, de Vila Real de Trás-os-Montes. onde esse peixe já chegava", refere o artigo. "Um folheto da épõea - Aventuras, ou Lograçoens. de D. Bacalhdo Quaresma e de D. Sardinha d 'ISpixa (Anónimo 1790) - distribui social, espacial e culinatiamente o seu consumo na cidade de Lisboa, vendo-o, em contraste com a imagem mais difundida..como integrado nos hábitos alimentares das classes média e alta. Seria consumido por aristocratas, médicos, estrangeiros, ricos, homens de "gravata lavada", que habitariam na parte. alta da cidade cie então:bairro Alto, zonado Príncipe Real, Buenos Aires ou Estrela." O estudo refere tamhém ser jáconfecionado de "mil maneiras" e que era adquirido pela Casa Real, com' fornecedores próprios já nos séculos XVIII e xix.

5 sas x ot k It 'irá,:` A expressão "fiel amigo" data também do século xtx. É famosa a frase de Eça de Queiroz, escrita numa carta endereçada ao se,u amigo Oliveira Martins em 1884: "Os meus romances no fundo são franceses. como eu sou em quase tudo um francês - exceto num certo fundo sincero de tristeza lírica, que é uma característica portuguesa, num gosto depravado pelo fadinho, e no justo amor do bacalhau de cebolada." E ASSIM COMEÇOU O MITO O bacalhau não escapou à máquina de propaganda cio Estado Novo, que transformou as duras lides da pesca numa epopeia romanceada. nessa contradição de nos projetar enquanto povo valente e destemido mas de-nos exigir recato e pequeneza. Em 1937, ocorre a primeira greve e única dos bacalhoeiros em Portugal durante o salazarismo, a que se sucede um conjunto de medidas de enquadramento. proteção e incentivo aos pescadores cio bacalhau. A manchete do Dicl rio de Notícias do. dia de maio do ano anterior falava com pompa e circunstância da cerimónia da bênção cia frota dos lugres bacalhoeiros. que ia rumar aos mares da Terra Nova e da Gronelândia. e contou comapresença dos ministros da Marinha e do Comércio, assim como do subsecretário das Corporações. O antetítulo e o titulo diziam tudo: "Uma linda festa no Tejo" e "Foi impressionante a cerimónia da benção dos lugres bacalhoeiros". A CAMPANHA Alvaro Garrido, historiador das ações marítimas e piscatórias portuguesas, professor na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra e consultor do Museu Marítimo de ilhavo. é também autor do prefácio da republ icação do livro A Campanha do Argus, pela Cavalo de ferro, em autor. Alan Villiers, foi oficial da ma rinha australiana e um repórter de sucesso da National Geographic Magazine. O convite feito a Villiers para acompanhar uma frota bacalhoeira partiu do embaixador português em Washington, Pedro Teotónio Pereira. O livro, datado de 1951, foi editado em Nova Iorque pela Charles Scribner's Sons e em Londres pela Hodder & Stoughton e veio a tornar-se um elássi- O bacalhau não escapou à propaganda do Estado Novo. E a sua pesca era apresentada de forma romanceada. Mas em 1937 ocorreu a primeira greve dos pescadores de bacalhau a que se sucedeu um conjunto de medidas de proteção e incentivo à classe. Co da literatura marítima mundial. Villiers fez também um filme documental comas imagens que captou durante a viagem. Estava assim criado "o drama épico da pesca do bacalhau", Na introdução ao livra. Alvaro Garrido escreve: "A propósito da experiência que tivera nosbancos da Terra Nova e do livro que acabara de redigir. em agosto de 1951 Alan Villiers deu conferências em diversas universidades americanas. Afável e carismático, o comandante Villiers falava tão bem quanto escrevia. Instruído sobre a vulgata historicista da propaganda portuguesa. nunca se furtou a comparar os:capitães e pescadores portugueses aos navegadores de Quiri bentos." E, maisà frente. diz: "Aos olhos de Lisboa, o trabalho da diplomacia portuguesa foi considerado 'impecável.; um fiel exemplo de uma diplomacia arguta e mobilizadora, capaz de exaltar o presente e de mostrar à A merica quanto os dirigentes portugueses seriam dignos do seu passado. Todo este intenso nabal ho de propaganda, certamente pago pelas autoridades salazaristas. despertou ondas de emoção em Portugal."

6 O PICO DA CAPTURA As décadas de 1950 e 60 marcaram o auge da frota bacalhoeira portuguesa. Se em 1934 Portugal produzia 11% do bacalhau que comia, na década de 1960 esse número ascendia aos 70%. As frotas de lugres transportavam em pilha os dóris, as em barcações a remos de um homem lançadas ao mar para pescar o bacalhau à linha - arte dominante de pesca até Com uma duração de cerca de seis meses, de cada viagem regressavam sempre menos homens do que os que tinham partido. As condições de trabalho eram muito duras, como descreve Garrido no prefácio! "As viagens dos pescadores de dóri eram relativamente curtas, masperigosas. Os pescadores marinheiros afastavam-se do 'navio-mãe' centenas de metros, às vezes duas ou três milhas, e voltavam largas horas depois. quando carregados de bacalhau. O nevoeiro e os icebergues eram os principais obstáculos a vencer." lá para'não falar nos fatores vento e on- As viagens para a pesca do bacalhau demoravam cerca de seis meses. De cada viagem regressavam menos. homens do que Os que tinham partido. dulação. primitivismo do trabalho a bordo dos pequenos dóris (a pesca com linhas e anzóis), a dureza das tarefas no convés (a escala) e os constrangimentos do porão (a salga de bordo) cederam ante a beleza do navio e a bravura dos seus homens. Castigados por jornadas de trabalho que desafiavam os limites da resistência humana. os rudes pescadorespassaram a 'intrépidos navegantes'." O FIM Numa entrevista dada em 2018 a Nuno Ramos de Almeida para o jorna l i a propósito da reedição do ano passado de A Campanha do Argus pela Cavalo de Ferro, Alvaro Garrido explicava que o objetivo do Estado Novo era. do ponto de vista económico. "tornar barata a subsistência através de uma proteina de largo consumo que fosse um fator de bloqueio dos salários e de financiamento da paz social". Em 1958, Portugal tornava-se o produtora' I de bacalhau salgado seco. "Há toda uma propaganda do êxito da campanha do bacalhau. dessa afirmação do mercado internacional, do qual Portugal era historicamente muito dependente." A partir dos anos 1960, começamà surgir os problemas motivados pela mudança do direito do mar e pela crescente dificuldade em arranjar quem quisesse trabalhar naquelas condições. Alvaro Garrido associa aqueda da pesca do bacalhau à queda do Estado Novo. Os últimos três grandes navios de pesca de bacalhau à linha vão pela última vez ao mar em Não há coincidências. ii r A pesca do bacalhau foi assunto levado à capa do Diário de Notícias a 4 de maio de 1936 que relatou a bênção da frota de lugres bacalhoeiros. Cada um por si, dezenas de homens era lançados ao mar nos doris, os botes da pesca do bacalhau.

Curiosidades... O Gadus Morhua. -clicar para mudar de slide-

Curiosidades... O Gadus Morhua. -clicar para mudar de slide- Curiosidades... O Gadus Morhua -clicar para mudar de slide- Exactamente... Trata-se do vulgar bacalhau. Sendo eu um fanático deste peixe, decidi compartilhar com os amigos o que dele sabia. O bacalhau

Leia mais

A Heroica Pesca do Bacalhau

A Heroica Pesca do Bacalhau A Heroica Pesca do Bacalhau Música: Fado Marujo Canta: Amália Rodrigues By Ney Deluiz Ligue o Som O Cod Gadus Morhua é o legítimo bacalhau. É pescado no Atlântico Norte e considerado o bacalhau mais nobre.

Leia mais

Família real portuguesa no Brasil

Família real portuguesa no Brasil Família real portuguesa no Brasil Vinda da família real No início do século XIX Napoleão Bonaparte era imperador da França. Ele queria conquistar toda a Europa e para tanto derrotou os exércitos de vários

Leia mais

D E S C O B R I M E N T O S

D E S C O B R I M E N T O S SALA DE ENTRADA Aqui começa a tua viagem ao Passado Marítimo Português. Começamos pelo período dos Descobrimentos Portugueses e das viagens de exploração realizadas nos séculos XV e XVI, as quais só foram

Leia mais

2018/2019. Serviço Educativo Municipal de Ílhavo

2018/2019. Serviço Educativo Municipal de Ílhavo 2018/2019 Serviço Educativo Municipal de Ílhavo O Município de Ílhavo ao longo dos últimos anos tem-se destacado pela apresentação de uma estratégia única e diferenciada no que se refere à oferta educativa

Leia mais

R.: d) O Brasil foi "descoberto" ou "conquistado? Explique sua resposta. R.:

R.: d) O Brasil foi descoberto ou conquistado? Explique sua resposta. R.: PROFESSOR: EQUIPE DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - HISTÓRIA E GEOGRAFIA - 4 ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ====================================================================== 01- O livro: "Nuno

Leia mais

Bacalhau O rei do natal

Bacalhau O rei do natal Bacalhau O rei do natal O bacalhau faz parte do nosso património cultural e, embora não seja pescado na nossa costa, é presença assídua na mesa dos portugueses há muitos séculos, especialmente na ceia

Leia mais

2016 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DA FUNDAÇÃO LUSÍADA

2016 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DA FUNDAÇÃO LUSÍADA 2016 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DA FUNDAÇÃO LUSÍADA RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DA FUNDAÇÃO LUSÍADA 2016 RELATÓRIO das Actividades da FUNDAÇÃO LUSÍADA E CONTAS referentes ao ANO 2016 No ano de 2016, a Fundação

Leia mais

MAPA XVII RESPONSABILIDADES CONTRATUAIS PLURIANUAIS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS E DOS SERVIÇOS E FUNDOS AUTÓNOMOS, AGRUPADOS POR MINISTÉRIO (EM EURO)

MAPA XVII RESPONSABILIDADES CONTRATUAIS PLURIANUAIS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS E DOS SERVIÇOS E FUNDOS AUTÓNOMOS, AGRUPADOS POR MINISTÉRIO (EM EURO) RESPONSABILIDADES CONTRATUAIS PLURIANUAIS DOS E DOS, AGRUPADOS POR MINISTÉRIO Página 1/8 01 - ENCARGOS GERAIS DO ESTADO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL 20 981 20 981 20 981 20 981 ENTIDADE REGULADORA PARA

Leia mais

DICIONÁRIO DE HISTÓRIA EMPRESARIAL PORTUGUESA

DICIONÁRIO DE HISTÓRIA EMPRESARIAL PORTUGUESA DICIONÁRIO DE HISTÓRIA EMPRESARIAL PORTUGUESA Séculos XIX e XX VOLUME II SEGURADORAS COORDENAÇÃO Miguel Figueira de Faria José Amado Mendes COMISSÃO CIENTÍFICA Jaime Reis José Amado Mendes Miguel Figueira

Leia mais

Potências marítimas: Novas (burguesia) Antigas (nobreza) Portugal Espanha Holanda Inglaterra França

Potências marítimas: Novas (burguesia) Antigas (nobreza) Portugal Espanha Holanda Inglaterra França 1. O tempo do grande comércio oceânico Criação/crescimento de grandes companhias de comércio europeias: - Companhia das Índias Ocidentais (1600 Londres) - Companhia Inglesa das Índias Orientais (Londres

Leia mais

PLANO DE CURSO Disciplina: HISTÓRIA Série: 4º ano Ensino Fundamental PROCEDIMENTOS METODOLÓGICO QUAL O SIGNFICADO PARA VIDA PRÁTICA

PLANO DE CURSO Disciplina: HISTÓRIA Série: 4º ano Ensino Fundamental PROCEDIMENTOS METODOLÓGICO QUAL O SIGNFICADO PARA VIDA PRÁTICA PLANO DE CURSO Disciplina: HISTÓRIA Série: 4º ano Ensino Fundamental Capítulo 1: A construção da historia. Cultura e tradição Cultura: costumes que permanecem O registro como fonte histórica. Capitulo

Leia mais

Índice 1. FESTIVAL INTERNACIONAL CÁDIZ EM DANÇA 2. A GRANDE REGATA CÁDIZ 2012 CONVIDA AOS JOVENS GADITANOS A FAZER O TRAJETO LISBOA-CÁDIZ

Índice 1. FESTIVAL INTERNACIONAL CÁDIZ EM DANÇA 2. A GRANDE REGATA CÁDIZ 2012 CONVIDA AOS JOVENS GADITANOS A FAZER O TRAJETO LISBOA-CÁDIZ Atividades Índice 1. FESTIVAL INTERNACIONAL CÁDIZ EM DANÇA 2. A GRANDE REGATA CÁDIZ 2012 CONVIDA AOS JOVENS GADITANOS A FAZER O TRAJETO LISBOA-CÁDIZ 1 FESTIVAL INTERNACIONAL CÁDIZ EM DANÇA De 8 de Junho

Leia mais

Outros Assuntos da Actualidade

Outros Assuntos da Actualidade Outros Assuntos da Actualidade Coronel David Martelo Capitão-de-mar-e-guerra Armando José Dias Correia II - Outros Assuntos de Actualidade Apresentação do livro "Teoria Geral da Estratégia - o essencial

Leia mais

H PERSUPER ESPECIAL Bacalhau

H PERSUPER ESPECIAL Bacalhau 16:59 Page 01 H PERSUPER www.hipersuper.pt ESPECIAL Bacalhau Page 02 ACTUALIDADE Mais bacalhau nos lares Por Redacção Hipersuper categoria de bacalhau seco e derivados alcançou um volume de negócios de

Leia mais

Índice. Principais riscos profissionais na Empresa Pascoal. Paula Silva. Pascoal & Filhos, S.A.

Índice. Principais riscos profissionais na Empresa Pascoal. Paula Silva. Pascoal & Filhos, S.A. Paula Silva Pascoal & Filhos, S.A. Principais riscos profissionais na Empresa Pascoal Escola Profissional de Aveiro Auditório Eng.º Victor Matos 5 de Maio de 2010 Índice 1. Introdução 2. Descrição das

Leia mais

Estrela Vermelha Série geral - Associação Portuguesa de Cartofilia ( ) Pág. 1 de 20

Estrela Vermelha Série geral - Associação Portuguesa de Cartofilia ( ) Pág. 1 de 20 1 - - 4 - - 7 - - 2 - - 5 - - 8 - - 3 - - 6 - - 9 - Margens do Douro - Alameda de Massarelos - Estrela Vermelha Série geral - Associação Portuguesa de Cartofilia (30-03-2002) Pág. 1 de 20 10 - Margens

Leia mais

HISTÓRIA PROVA SIMULADA- PARCIAL I

HISTÓRIA PROVA SIMULADA- PARCIAL I HISTÓRIA PROVA SIMULADA- PARCIAL I Aluno: 1- O início do século XV é conhecido como o período das Grandes Navegações. Quais os dois países europeus que se destacaram nesse período? 2-Por que as pessoas

Leia mais

MAPA XVII RESPONSABILIDADES CONTRATUAIS PLURIANUAIS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS E DOS SERVIÇOS E FUNDOS AUTÓNOMOS, AGRUPADOS POR MINISTÉRIO (EM EURO)

MAPA XVII RESPONSABILIDADES CONTRATUAIS PLURIANUAIS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS E DOS SERVIÇOS E FUNDOS AUTÓNOMOS, AGRUPADOS POR MINISTÉRIO (EM EURO) RESPONSABILIDADES CONTRATUAIS PLURIANUAIS DOS E DOS, AGRUPADOS POR MINISTÉRIO Página 1/7 01 - ENCARGOS GERAIS DO ESTADO ENTIDADE REGULADORA PARA A COMUNICAÇAO SOCIAL - ORÇAMENTO PRIVATIVO 79 203 78 175

Leia mais

O MUNDO CONTINUARÁ A GIRAR

O MUNDO CONTINUARÁ A GIRAR C M Y CM MY CY CMY K Portugal e o Plano Marshall Crise Académica Salazar e Pétain Luso-Tropicalismo e Ideologia Colonial Crime e Sociedade Salazarismo e Cultura Popular Aventura Surrealista Salazar e as

Leia mais

O CONSUMO DE LOUÇAS EUROPEIAS PELOS SOBRALENSES NO SÉCULO XVIII e XIX

O CONSUMO DE LOUÇAS EUROPEIAS PELOS SOBRALENSES NO SÉCULO XVIII e XIX Centro de ciências Humanas - CCH Curso de História Disciplina: Métodos e Técnicas da Pesquisa em História (METEC) Professor (a): Dr ª Telma Bessa O CONSUMO DE LOUÇAS EUROPEIAS PELOS SOBRALENSES NO SÉCULO

Leia mais

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES SUPLEMENTO DE ATIVIDADES 1 NOME: N O : ESCOLA: SÉRIE: Um dos mais importantes escritores portugueses, Eça de Queirós foi um arguto analista da sociedade e das relações humanas. Crítico implacável, satirista

Leia mais

MAPA XVII RESPONSABILIDADES CONTRATUAIS PLURIANUAIS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS E DOS SERVIÇOS E FUNDOS AUTÓNOMOS, AGRUPADOS POR MINISTÉRIO (EM EURO)

MAPA XVII RESPONSABILIDADES CONTRATUAIS PLURIANUAIS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS E DOS SERVIÇOS E FUNDOS AUTÓNOMOS, AGRUPADOS POR MINISTÉRIO (EM EURO) RESPONSABILIDADES CONTRATUAIS PLURIANUAIS DOS E DOS, AGRUPADOS POR MINISTÉRIO Página 1/8 01 - ENCARGOS GERAIS DO ESTADO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL 76 621 76 621 76 621 76 621 ENTIDADE REGULADORA PARA

Leia mais

`A PESCA DO BACALHAU TORNOU-SE UM MITO ALÉM- -FRONTEIRAS POR CAUSA DESTE LIVRO' ÁLVARO GARRIDO, PROFESSOR, INVESTIGADOR E CONSULTOR DO MUSEU DE ILHAVO

`A PESCA DO BACALHAU TORNOU-SE UM MITO ALÉM- -FRONTEIRAS POR CAUSA DESTE LIVRO' ÁLVARO GARRIDO, PROFESSOR, INVESTIGADOR E CONSULTOR DO MUSEU DE ILHAVO 14-04-2018 ÁLVARO GARRIDO, PROFESSOR, INVESTIGADOR E CONSULTOR DO MUSEU DE ILHAVO `A PESCA DO BACALHAU TORNOU-SE UM MITO ALÉM- -FRONTEIRAS POR CAUSA DESTE LIVRO' José Cabrita Saraiva jose.c.saraiva(a sol.pt

Leia mais

Competição Europeia de Estatística Fase Nacional

Competição Europeia de Estatística Fase Nacional Competição Europeia de Estatística Fase Nacional Nome da Equipa:MAT7189 Nome da Escola: Externato de Santa Joana Região: Norte Categoria: B A sinistralidade em Portugal Continental entre 2014 e 2016 Março

Leia mais

Encontro de Bento XVI com os membros do corpo diplomático. XIII Encontro de Agentes Sociopastorais das Migrações em Portugal

Encontro de Bento XVI com os membros do corpo diplomático. XIII Encontro de Agentes Sociopastorais das Migrações em Portugal Paulo Rocha Agência Ecclesia Deveriam ser notícia Percorrer os dias do ano 2013 leva-me ao encontro de muitos acontecimentos que não foram notícia. E deveriam ter sido! Vejamos: se numa noite de inverno,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV. Evento: Seleção para o Semestre I das Casas de Cultura Estrangeira 2013.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV. Evento: Seleção para o Semestre I das Casas de Cultura Estrangeira 2013. Questão 42 A catequese tinha por objetivo incutir nas populações indígenas alguns dos elementos da cultura europeia, tais como a religião, hábitos morais e valores ocidentais. Entre estes, inclui-se a

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Distribuição dos tempos letivos disponíveis para o 6 º ano de escolaridade 1º Período 2º Período 3º Período *Início: 15 setembro 2014 *Fim: 16 dezembro 2014 *Início: 5

Leia mais

PROVA AFERIÇÃO. 55.º Ano. História e Geografia de Portugal

PROVA AFERIÇÃO. 55.º Ano. História e Geografia de Portugal PROV DE 2017 FERIÇÃO 55.º no História e Geografia de Portugal Índice Prova 1 4 Prova 2 14 Prova 3 26 Prova 4 40 Prova 5 50 Prova 6 60 Propostas de resolução 71 ISN 978-989-767-203-3 2 PROV DE FERIÇÃO HGP5

Leia mais

MAPA XVII RESPONSABILIDADES CONTRATUAIS PLURIANUAIS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS E DOS SERVIÇOS E FUNDOS AUTÓNOMOS, AGRUPADOS POR MINISTÉRIO (EM EURO)

MAPA XVII RESPONSABILIDADES CONTRATUAIS PLURIANUAIS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS E DOS SERVIÇOS E FUNDOS AUTÓNOMOS, AGRUPADOS POR MINISTÉRIO (EM EURO) Página 1/8 01 - ENCARGOS GERAIS DO ESTADO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL 65 009 65 009 GABINETE DO SECRETÁRIO DE ESTADO DA ADMINISTAÇÃO LOCAL 202 624 202 624 INSTITUTO PORTUGUÊS DA JUVENTUDE 2 706 067 2 177

Leia mais

Os da Minha Rua de Ondjaki

Os da Minha Rua de Ondjaki Os da Minha Rua de Ondjaki Nome Nº Ano/Turma Grupo I (50 pontos) Assinale com verdadeiro ou falso (V/F) as seguintes afirmações: V/F 1. Ndalu convidava, frequentemente, Jika para almoçar em sua casa. 2.

Leia mais

Oferta Educativa 2016/2017 No seu sexto ano de desenvolvimento, o Serviço Educativo Municipal de Ílhavo (SEMI) mantém a sua aposta numa oferta educativa diversificada e de qualidade, reiterando os princípios

Leia mais

HOJE VAMOS FALAR SOBRE O COMÉRCIO JUSTO EMRC 6º ANO

HOJE VAMOS FALAR SOBRE O COMÉRCIO JUSTO EMRC 6º ANO HOJE VAMOS FALAR SOBRE O COMÉRCIO JUSTO EMRC 6º ANO QUANDO E COMO SURGIU? O comércio justo (CJ) é um movimento internacional, criado em 1960 na Holanda, baseado na promoção de uma aliança entre todos

Leia mais

IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII

IMPÉRIO E MONARQUIA ABSOLUTA NO SÉCULO XVIII IMPÉRIO PORTUGUÊS NO SÉCULO XVI IMPÉRIO PORTUGUÊS NO SÉCULO XVIII Houve grandes alterações no Império Português entre os séculos XVI e XVIII. O BRASIL NOVA FONTE DE RIQUEZA BRASIL Com a diminuição dos

Leia mais

PROFESSOR PEDRO AUGUSTO LYNCE DE ABREU DE FARIA ( )

PROFESSOR PEDRO AUGUSTO LYNCE DE ABREU DE FARIA ( ) PROFESSOR PEDRO AUGUSTO LYNCE DE ABREU DE FARIA (1943 - ) Nasceu em Lisboa, a 06 de fevereiro de 1943. Professor Emérito da Universidade Técnica de Lisboa. Agregação em Ciências Agronómicas, Instituto

Leia mais

Galeón Andalucía Réplica auntêntica de uma galeão espanhol do século XVII. de 20 a 22 de abril Doca de Alcântara Lisboa DOSSIER DE IMPRENSA

Galeón Andalucía Réplica auntêntica de uma galeão espanhol do século XVII. de 20 a 22 de abril Doca de Alcântara Lisboa DOSSIER DE IMPRENSA com a colaboração de: de 20 a 22 de abril Doca de Alcântara Lisboa Galeón Andalucía Réplica auntêntica de uma galeão espanhol do século XVII DOSSIER DE IMPRENSA O Galeão Espanhol O Galeão Andalucía é a

Leia mais

ACADEMIA DE MARINHA MEMÓRIAS VOLUME XL

ACADEMIA DE MARINHA MEMÓRIAS VOLUME XL ACADEMIA DE MARINHA MEMÓRIAS 2010 VOLUME XL ÍNDICE Titulares dos cargos estatutários em 2010 x Vida acadêmica XI Lista de Membros eleitos XVI Sessões na Academia 12 JANEIRO O Porto de Lisboa e a Golada

Leia mais

FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO. Componente Curricular: Literatura Portuguesa I. Professor(es):

FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO. Componente Curricular: Literatura Portuguesa I. Professor(es): FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO Curso: Letras Língua Portuguesa Semestre/ Módulo: 5º Semestre Componente Curricular: Literatura Portuguesa I Professor(es): Carga Horária: 50 horas Período: 1º Semestre/2017

Leia mais

AS INVASÕES NAPOLEONICAS DESDE A IDA DA FAMÍLIA REAL PARA 0 BRASIL ÀS LINHAS DE TORRES

AS INVASÕES NAPOLEONICAS DESDE A IDA DA FAMÍLIA REAL PARA 0 BRASIL ÀS LINHAS DE TORRES JOSÉ CUSTÓDIO MADALENO GERALDO SUB Hamburg A/561137 AS INVASÕES NAPOLEONICAS DESDE A IDA DA FAMÍLIA REAL PARA 0 BRASIL ÀS LINHAS DE TORRES 1807-1811 e d i t o r a ÍNDICE AGRADECIMENTOS 17 PRINCIPAIS SIGLAS

Leia mais

KEURELENE CAMPELO PAZ NA ESCOLA. História Moderna: As Grandes Navegações HISTÓRIA

KEURELENE CAMPELO PAZ NA ESCOLA. História Moderna: As Grandes Navegações HISTÓRIA KEURELENE CAMPELO HISTÓRIA História Moderna: As Grandes Navegações PAZ NA ESCOLA DATA: 13 de março. Conteúdo: As Grandes Navegações Europeia; Objetivo da Aula: - Contextualizar as grandes navegações em

Leia mais

EDIÇÃO Nº 4 DATA: 21 de Setembro de 2009 Comemoração do Dia Mundial do Mar Apresentação do livro A Muleta

EDIÇÃO Nº 4 DATA: 21 de Setembro de 2009 Comemoração do Dia Mundial do Mar Apresentação do livro A Muleta EDIÇÃO Nº 4 DATA: 21 de Setembro de 2009 Comemoração do Dia Mundial do Mar Apresentação do livro A Muleta No próximo dia 25 de Setembro comemora-se o Dia Mundial do Mar. O Ecomuseu Municipal do Seixal

Leia mais

Domínio: Atividades Económicas. Subdomínio: Pesca

Domínio: Atividades Económicas. Subdomínio: Pesca Domínio: Atividades Económicas Subdomínio: Pesca Resumo 1 2 3 4 Fatores que condicionam a pesca Tipos de pesca Desafios da pesca Aquacultura 5 Retrato de Portugal Fatores que condicionam a pesca Os oceanos

Leia mais

Academia de Marinha SESSÃO SOLENE DE ENCERRAMENTO DO ANO ACADÉMICO

Academia de Marinha SESSÃO SOLENE DE ENCERRAMENTO DO ANO ACADÉMICO Academia de Marinha Newsletter Nº10 Dezembro 2018 SESSÃO SOLENE DE ENCERRAMENTO DO ANO ACADÉMICO Sob a presidência do Chefe do Estado-Maior da Armada, Almirante António Mendes Calado, teve lugar em 11

Leia mais

Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a ti mesmo. Jesus Cristo

Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a ti mesmo. Jesus Cristo Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a ti mesmo. Jesus Cristo Qual é o seu preconceito? Navio negreiro, ou "navio tumbeiro, é o nome dado aos navios de carga para o transporte de escravos,

Leia mais

Entrevista João Marques, autor de A Pesca do Bacalhau : Nas nossas veias não corre sangue, mas sim água salgada

Entrevista João Marques, autor de A Pesca do Bacalhau : Nas nossas veias não corre sangue, mas sim água salgada Entrevista João Marques, autor de A Pesca do Bacalhau : Nas nossas veias não corre sangue, mas sim água salgada por Pedro Costa 13/11/2018 No dia 17 de novembro, pelas 16h00, a bordo do Navio-Hospital

Leia mais

Ano Letivo 2018/2019 _2_ºCiclo _6_ºAno

Ano Letivo 2018/2019 _2_ºCiclo _6_ºAno ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação História e Geografia de Ano Letivo 2018/2019 _2_ºCiclo _6_ºAno Tema / Unidade Didáctica Conteúdos Competências Específicas Avaliação C.2 O

Leia mais

VIAGENS DE GULLIVER. Jonathan Swift Adaptação Cláudia Lopes. Profª Kelly de Sousa Alves

VIAGENS DE GULLIVER. Jonathan Swift Adaptação Cláudia Lopes. Profª Kelly de Sousa Alves VIAGENS DE GULLIVER Jonathan Swift Adaptação Cláudia Lopes Profª Kelly de Sousa Alves Contexto A obra Viagens de Gulliver, foi publicada em 1726. Trata-se do relato das viagens de um médico através de

Leia mais

1. ZIMBOS Angola Ilha de Luanda Nácar

1. ZIMBOS Angola Ilha de Luanda Nácar 1. ZIMBOS Angola Ilha de Luanda Nácar Os zimbos eram pequenas conchas recolhidas na ilha de Luanda e usadas como ornamento e moeda corrente no Reino do Congo. São já referidas por Duarte Pacheco Pereira

Leia mais

FUNDAMENTOS DA CIÊNCIA PESQUEIRA

FUNDAMENTOS DA CIÊNCIA PESQUEIRA FUNDAMENTOS DA CIÊNCIA PESQUEIRA Aula 01 Conceito e evolução da pesca Conhecer o conceito de pesca Identificar, com base nesse conceito, as principais características dessa atividade Compreender as transformações

Leia mais

Mariazinha em África: novos horizontes da literatura colonial

Mariazinha em África: novos horizontes da literatura colonial [ Mariazinha em África: novos horizontes da literatura colonial Palavras-chave: Fernanda de Castro Mariazinha em África Literatura Colonial Guiné-Bissau Ana Isabel Evaristo Universidade de Aveiro, Portugal

Leia mais

A RIBEIRA DE SINES DE 1601 A Obras portuárias e actividades económicas

A RIBEIRA DE SINES DE 1601 A Obras portuárias e actividades económicas A RIBEIRA DE SINES DE 1601 A 1970 Obras portuárias e actividades económicas Descrição dos portos do reyno de Portugal de João Teixeira, 1648, desenho n.º 2 feito por F. de Lapointe, Paris, 1669, coleção

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CASTRO DAIRE (ANO LETIVO 2012/2013)

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CASTRO DAIRE (ANO LETIVO 2012/2013) PLANIFICAÇÃO ANUAL DE H.G.P. 5º ANO AULAS PREVISTAS (45 MIN.): 1º PERÍODO -39; 2º PERÍODO -2; 3º PERÍODO - 2 --- TOTAL - 93 (ANO LETIVO 2012/2013) COMPETÊNCIAS GERAIS DE FINAL DO 2º CICLO Situar-se no

Leia mais

Newsletter. Academia de Marinha. Sessão Solene. Dezembro 2017

Newsletter. Academia de Marinha. Sessão Solene. Dezembro 2017 Nº10 Dezembro 2017 Newsletter Academia de Marinha Sessão Solene Em 12 de dezembro, decorreu no Auditório da Academia de Marinha, uma Sessão Solene intitulada "Como o Mar fez Portugal", apresentada por

Leia mais

rio Douro Área da bacia: Fluxo: Nascente: Foz: Pontes: Cidades: Uma viagem pelo rio

rio Douro Área da bacia: Fluxo: Nascente: Foz: Pontes: Cidades: Uma viagem pelo rio PORTUGAL RIO DOURO Quando se visita a região do Porto, realizar um passeio de barco nas águas do Rio Douro é uma experiência obrigatória, uma verdadeira oportunidade de passar algumas das mais deslumbrantes

Leia mais

Oferta Educativa 2016/2017 No seu sexto ano de desenvolvimento, o Serviço Educativo Municipal de Ílhavo (SEMI) mantém a sua aposta numa oferta educativa diversificada e de qualidade, reiterando os princípios

Leia mais

Diogo Soares da Silva Elisabete Figueiredo Universidade de Aveiro, Portugal

Diogo Soares da Silva Elisabete Figueiredo Universidade de Aveiro, Portugal Diogo Soares da Silva diogo.silva@ua.pt Elisabete Figueiredo elisa@ua.pt Universidade de Aveiro, Portugal Explorar a (re)emergência do discurso agro-ruralista em Portugal nos últimos anos, através da análise

Leia mais

HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL

HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 6.º ANO SEGUNDO CICLO DO ENSINO BÁSICO ANA FILIPA MESQUITA CLÁUDIA VILAS BOAS HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL DOMÍNIO D PORTUGAL DO SÉCULO XVIII AO SÉCULO XIX DOMÍNIO E PORTUGAL DO SÉCULO XX ÍNDICE 1

Leia mais

UM PEIXE SE TRANSPOR GALO DE BAR

UM PEIXE SE TRANSPOR GALO DE BAR 26-03-2018 Bacalhau UM PEIXE SE TRANSPOR GALO DE BAR t. fr %,,10 11.-. " : _ ; 111Z 4 " " akk ~tº, j1 r"." ' ' "" h,. "..,, MIL. t t,, % ;.;...a*. # ',... '.s. 1 e, -È.. -,f..?.:,:t. ' ' 4.* 4ir 4" dei.#

Leia mais

414 ALFREDO ROQUE GAMEIRO , "Cacho de uvas", aguarela sobre papel, assinada e datada no verso de 1899 Dim x 28 cm

414 ALFREDO ROQUE GAMEIRO , Cacho de uvas, aguarela sobre papel, assinada e datada no verso de 1899 Dim x 28 cm 414 ALFREDO ROQUE GAMEIRO - 1864-1935, "Cacho de uvas", aguarela sobre papel, assinada e datada no verso de 1899 Dim. - 35 x 28 cm 2.500-3.750 415 ABEL SALAZAR - 1889-1946, "Figura de senhora", monotipia

Leia mais

Manual do pescador Tremembé

Manual do pescador Tremembé Coordenador Geral Tremembé Deuses do mar Coordenador Geral Fundamentos Legais da Educação Escolar Indígena Coordenador Geral Manual do pescador Tremembé Dicionário do pescador Tremembé Coordenador Geral

Leia mais

PESCAR OU INIA0 PEIEs

PESCAR OU INIA0 PEIEs 29-08-2018 PESCAR OU INIA0 PEIEs CAI.:4 4. QUESTÃ SA 29-08-2018 199 ip,fṭ elik, Pâreceres científicos defendem que a pesca tem de ser uspensa por causa do ritmo acelerado a que o Sock tem vindo a decrescer.

Leia mais

- votaram: crianças, escravos. e mortos. PARTIDO LIBERAL E PARTIDO CONSERVADOR... OU SERÁ VICE-VERSA?

- votaram: crianças, escravos. e mortos. PARTIDO LIBERAL E PARTIDO CONSERVADOR... OU SERÁ VICE-VERSA? 1 - Eleições do cacete 1.1 - D. Pedro II - 1 Ministério composto por membros do Partido Liberal. 1.2 - Eleições para Câmara dos Deputados => fraudes - substituições: juizes, presidentes das províncias,

Leia mais

Bacalhau. (Gadus morhua) O legítimo bacalhau. Características:

Bacalhau. (Gadus morhua) O legítimo bacalhau. Características: Bacalhau (Gadus morhua) O legítimo bacalhau. Características: Pratos sugeridos: Coloração: Cauda: É o legítimo Bacalhau da Noruega, com postas altas, claras e tão macias que derretem na boca. Ideal para

Leia mais

Experiência de negócio da lugrade com o Bacalhau da Islândia

Experiência de negócio da lugrade com o Bacalhau da Islândia Experiência de negócio da lugrade com o Bacalhau da Islândia Lugrade Bacalhau de Coimbra SA Bacalhau da Islândia Empresa Com 26 anos de existência, a Lugrade é hoje uma empresa com resultados e crescimento

Leia mais

RECUPERAÇÃO PARALELA PREVENTIVA DE HISTÓRIA 7º ANO

RECUPERAÇÃO PARALELA PREVENTIVA DE HISTÓRIA 7º ANO RECUPERAÇÃO PARALELA PREVENTIVA DE HISTÓRIA 7º ANO QUESTÃO 1. Renascimento comercial e urbano. O fim das invasões bárbaras na Europa, por volta do século X, trouxe certa paz ao continente. Do período que

Leia mais

Qual palavra colorida da canção completa adequadamente cada uma das frases?

Qual palavra colorida da canção completa adequadamente cada uma das frases? PROFESSOR: EQUIPE DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - HISTÓRIA E GEOGRAFIA 4 ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================= 01- Cerca de quinhentos

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO - 4º Ano EF- JULHO/ º ANO: DATA DE ENTREGA: Ai de ti, Tietê

ESTUDO DIRIGIDO - 4º Ano EF- JULHO/ º ANO: DATA DE ENTREGA: Ai de ti, Tietê 1 NOME: Nº: 4º ANO: DATA DE ENTREGA: Ai de ti, Tietê Um grupo de alunos reúne-se para realizar uma pesquisa escolar sobre o Rio Tietê. O que antes parecia uma atividade pouco interessante torna-se uma

Leia mais

História e Geografia de Portugal

História e Geografia de Portugal 6.º Ano História e Geografia de Portugal Joana Simas Localização Tempo 2.ª metade do século XIX (1851-1900) Espaço Portugal: Portugal na segunda metade do século XIX Contextualização Aspetos Políticos

Leia mais

Obs. Todas as disciplinas relacionadas já são registradas e codificadas. Pertencem ao DFCH com Carga Horária - 60 horas Créditos: 2T1P.

Obs. Todas as disciplinas relacionadas já são registradas e codificadas. Pertencem ao DFCH com Carga Horária - 60 horas Créditos: 2T1P. Anexo DISCIPLINAS OPTATIVAS DO CURSO A) Disciplinas Optativas do Eixo da Formação Científico-Cultural FCH358 - Antropologia do Imaginário: Analisar a constituição do imaginário social, a partir de uma

Leia mais

MAPA XVII RESPONSABILIDADES CONTRATUAIS PLURIANUAIS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS E DOS SERVIÇOS E FUNDOS AUTÓNOMOS, AGRUPADOS POR MINISTÉRIO (EM EURO)

MAPA XVII RESPONSABILIDADES CONTRATUAIS PLURIANUAIS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS E DOS SERVIÇOS E FUNDOS AUTÓNOMOS, AGRUPADOS POR MINISTÉRIO (EM EURO) Página 1/8 01 - ENCARGOS GERAIS DO ESTADO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL 52 505 35 503 17 002 GABINETE DO SECRETÁRIO DE ESTADO DA ADMINISTAÇÃO LOCAL 202 624 163 545 39 079 INSTITUTO PORTUGUÊS DA JUVENTUDE

Leia mais

OS PESCADORES DA FUZETA. Na Dura Faina do Bacalhau na Terra Nova e Gronelândia. Índice. 1-A Descoberta da Terra Nova

OS PESCADORES DA FUZETA. Na Dura Faina do Bacalhau na Terra Nova e Gronelândia. Índice. 1-A Descoberta da Terra Nova OS PESCADORES DA FUZETA Na Dura Faina do Bacalhau na Terra Nova e Gronelândia Índice 1-A Descoberta da Terra Nova 2-A Evolução da Pesca do Bacalhau 2.1-A Pesca à Linha nos Dóris 2.2-A Organização Corporativa

Leia mais

Preparatório EsPCEx História Geral. Aula 13 - Independência das 13 colônias inglesas

Preparatório EsPCEx História Geral. Aula 13 - Independência das 13 colônias inglesas Preparatório EsPCEx História Geral Aula 13 - Independência das 13 colônias inglesas A formação dos EUA (I) Inglaterra nos séculos XV e XVI Fortalecimento Absolutismo Implantação política mercantilista

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO GERAL. RCSI: Rui Costa e Sousa & Irmão, SA. 12 de Dezembro 2012 BACALHAU SECO PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO

CARACTERIZAÇÃO GERAL. RCSI: Rui Costa e Sousa & Irmão, SA. 12 de Dezembro 2012 BACALHAU SECO PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO CARACTERIZAÇÃO GERAL BACALHAU SECO PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO 2 2 CARATERIZAÇÃO GERAL DEMOLHADO ULTRACONGELADO CORTE DEMOLHA CONGELAÇÃO EMBALAGEM EXPEDIÇÃO 3 CARACTERIZAÇÃO GERAL SAZONALIDADE MATÉRIA-PRIMA

Leia mais

5ª Edição da Conferência económica franco-portuguesa Marca Portugal - O contributo das empresas francesas

5ª Edição da Conferência económica franco-portuguesa Marca Portugal - O contributo das empresas francesas 5ª Edição da Conferência económica franco-portuguesa Marca Portugal - O contributo das empresas francesas Dr. Paulo Macedo 7 de Março 2017 1 Quero saudar o Senhor Ministro da Economia de Portugal, Manuel

Leia mais

SÃO PEDRO Actividade Regional da IIIª Secção. 30 de Junho de 2012

SÃO PEDRO Actividade Regional da IIIª Secção. 30 de Junho de 2012 SÃO PEDRO 2012 Actividade Regional da IIIª Secção 30 de Junho de 2012 São Pedro 2012 1 1 TEMA IIIª Secção São Pedro, o pescador humilde do lago de Genezareth que se tornou Apóstolo a convite de Jesus,

Leia mais

LEITURA ORIENTADA NA SALA DE AULA

LEITURA ORIENTADA NA SALA DE AULA LEITURA ORIENTADA NA SALA DE AULA UMA AVENTURA ENTRE DOURO E MINHO COLEÇÃO UMA AVENTURA ATIVIDADES PROPOSTAS Leitura integral na sala de aula Compreensão da narrativa Expressão escrita Funcionamento da

Leia mais

O ANTIGO REGIME AS RAÍZES DO MUNDO CONTEMPORÂNEO

O ANTIGO REGIME AS RAÍZES DO MUNDO CONTEMPORÂNEO O ANTIGO REGIME AS RAÍZES DO MUNDO CONTEMPORÂNEO ANTIGO REGIME Escreva no seu caderno o que você entende por Antigo Regime. Para auxiliá-lo, abaixo está a definição do dicionário Michaelis para a palavra

Leia mais

Professor João Paulo Bandeira

Professor João Paulo Bandeira Professor João Paulo Bandeira A Guerra Fria tem início logo após a Segunda Guerra Mundial, pois os Estados Unidos e a União Soviética vão disputar a hegemonia política, econômica e militar no mundo. A

Leia mais

4 - A EUROPA NOS SÉC.S XVII E XVIII SOCIEDADE, PODER E DINÂMICAS COLONIAIS 3. TRIUNFO DOS ESTADOS E DINÂMICAS ECONÓMICAS NOS SÉCULOS XVII E XVIII

4 - A EUROPA NOS SÉC.S XVII E XVIII SOCIEDADE, PODER E DINÂMICAS COLONIAIS 3. TRIUNFO DOS ESTADOS E DINÂMICAS ECONÓMICAS NOS SÉCULOS XVII E XVIII 3.3.1 Da crise comercial de finais do séc. XVII à apropriação do ouro brasileiro pelo mercado britânico 1. Introdução produtos do Brasil (açúcar, tabaco) passam a ser cultivados pelos holandeses nas Antilhas

Leia mais

Agrupamento de Escolas Ruy Belo APROVEITAMENTO DO TERRITÓRIO OS RECURSOS NATURAIS DO TERRITÓRIO

Agrupamento de Escolas Ruy Belo APROVEITAMENTO DO TERRITÓRIO OS RECURSOS NATURAIS DO TERRITÓRIO OS RECURSOS NATURAIS DO TERRITÓRIO O povoamento e aproveitamento das terras conquistadas dependia das características naturais das diferentes regiões. O é uma zona de terras altas, onde predominam os e

Leia mais

Departamento de Ciências Sociais e Humanas Ano

Departamento de Ciências Sociais e Humanas Ano Departamento de Ciências Sociais e Humanas Ano 2017-2018 Disciplina: História e Geografia de Portugal (5º e 6º Anos) Critérios de Avaliação ENSINO BÁSICO - 5º E 6º ANOS MATERIAL NECESSÁRIO Manual, caderno

Leia mais

Junho 2008 nº5

Junho 2008 nº5 Junho 2008 nº5 Mensagem do Presidente Olá Viva Neste ano 2008 recebemos o mês que nos traz o Verão - Junho - com uma nova edição da revista Ambúzio, lançada na acção +ECO 2008, como elemento de convite

Leia mais

Newsletter. Academia de Marinha

Newsletter. Academia de Marinha Nº4 Abril 2017 Newsletter Academia de Marinha Sessão Cultural Plataforma Tejo. O regresso ao rio. A frente ribeirinha de Lisboa no século XXI Em 4 de abril foi apresentada a comunicação Plataforma Tejo.

Leia mais

5.ºTESTE CORREÇÃO. Agrupamento de Escolas de Peniche Português - 9.º Ano

5.ºTESTE CORREÇÃO. Agrupamento de Escolas de Peniche Português - 9.º Ano 5.ºTESTE CORREÇÃO Agrupamento de Escolas de Peniche Português - 9.º Ano 2014-15 GRUPO I (LEITURA) Versão A: 1.1. Versão B: 2.2. A leitura do texto permite afirmar que as quatro obras apresentadas têm em

Leia mais

PORFÓLIO PRODUTOS ALIMENTARES

PORFÓLIO PRODUTOS ALIMENTARES PORFÓLIO PRODUTOS ALIMENTARES 2011 Índice 1. Um pouco mais sobre Portugal 2. HiperQual 3. Marcas HiperQual 4. Portfólio de Produtos 4.1 Pastelaria 4.2 Padaria 5. Contactos 3 Portugal abrange 92.090km2

Leia mais

A MÚSICA NA SÉ DE CASTELO BRANCO APONTAMENTO HISTÓRICO E CATÁLOGO DOS FUNDOS MUSICAIS

A MÚSICA NA SÉ DE CASTELO BRANCO APONTAMENTO HISTÓRICO E CATÁLOGO DOS FUNDOS MUSICAIS MARIA LUÍSA FARIA DE SOUSA CERQUEIRA CORREIA CASTILHO A MÚSICA NA SÉ DE CASTELO BRANCO APONTAMENTO HISTÓRICO E CATÁLOGO DOS FUNDOS MUSICAIS FACULDADEDE LETRAS COIMBRA, 1992 ÍNDICE Pag. Nota introdutória........

Leia mais

Recuperação Final de História Caderno 2: páginas: 23 a 34 Caderno 3 : páginas: 3 a 18. Profª Ms. Ariane Pereira

Recuperação Final de História Caderno 2: páginas: 23 a 34 Caderno 3 : páginas: 3 a 18. Profª Ms. Ariane Pereira Recuperação Final de História Caderno 2: páginas: 23 a 34 Caderno 3 : páginas: 3 a 18 Profª Ms. Ariane Pereira Introdução Na Idade Média a Igreja era fundamental na produção cultural e expansão da religião

Leia mais

A Cidade e as Serras. José Maria Eça de Queirós

A Cidade e as Serras. José Maria Eça de Queirós A Cidade e as Serras José Maria Eça de Queirós. 1900. O Autor: Nascimento: Póvoa do Varzim, 1845 Falecimento: Paris, 1900. Formado em direito por Coimbra; Diplomata em Paris, Londres, Havana e Egito. Principais

Leia mais

duplicam Universidades estrangeiros estudantes Há 26 mil a obter diplomas em instituições nacionais

duplicam Universidades estrangeiros estudantes Há 26 mil a obter diplomas em instituições nacionais Universidades duplicam estudantes estrangeiros Há 26 mil a obter diplomas em instituições nacionais Propinas chegam aos sete mil euros Cursos são promovidos no Brasil e na China Páginas e. 7 Estrangeiros

Leia mais

Colégio XIX de Março Educação do jeito que deve ser

Colégio XIX de Março Educação do jeito que deve ser Colégio XIX de Março Educação do jeito que deve ser 2017 3ª PROVA PARCIAL DE HISTÓRIA QUESTÕES ABERTAS Aluno(a): Nº Ano: 7º Turma: Data: 11/11/2017 Nota: Professor(a): Ivana Cavalcanti Valor da Prova:

Leia mais

O HOMEM QUE COME, BEBE E RESPIRA POLÍTICA

O HOMEM QUE COME, BEBE E RESPIRA POLÍTICA O HOMEM QUE COME, BEBE E RESPIRA POLÍTICA MÁRIO SOARES ANA SÁ LOPES O HOMEM QUE COME, BEBE E RESPIRA POLÍTICA Introdução Mário Soares, o homem que come, bebe e respira política Mário Soares é o político

Leia mais

I - INTRODUÇÃO I - INTRODUÇÃO II A ESCOLA

I - INTRODUÇÃO I - INTRODUÇÃO II A ESCOLA I - INTRODUÇÃO 1. Este estudo baseou-se essencialmente num documento com 47 páginas elaborado em 1968 pelo filho, António Álvaro Dória. 2. Colaboração do neto, Raul Narciso Couto da Silva Dória. 3. Raul

Leia mais

18h30 Inauguração da Exposição: 100 Anos de Património: memória e identidade Portugal Palácio Nacional da Ajuda, Galeria do Rei D.

18h30 Inauguração da Exposição: 100 Anos de Património: memória e identidade Portugal Palácio Nacional da Ajuda, Galeria do Rei D. Todos os eventos são de entrada livre excepto em espectáculos de sala 29 de Setembro 17h00 Desfraldar da Bandeira Nacional Praça do Comércio, Arco da Rua Augusta Passeio inaugural Decoração dos pilares

Leia mais

Colégio Santa Dorotéia

Colégio Santa Dorotéia Colégio Santa Dorotéia Disciplina: História / ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS RECUPERAÇÃO Ano: 4º - Ensino Fundamental - Data: 9 / 5 / 2018 CONTEÚDO DE ESTUDO: Unidade I O Brasil antes de Cabral. Capítulo 1 Primeiros

Leia mais

Episódio 1. Todo o teatro é o meu quintal, a minha infância. Sofia: Este é o Largo de São Carlos, em tempos chamado, Largo do Directório.

Episódio 1. Todo o teatro é o meu quintal, a minha infância. Sofia: Este é o Largo de São Carlos, em tempos chamado, Largo do Directório. 1 Episódio 1. Todo o teatro é o meu quintal, a minha infância Localização: Largo de São Carlos / Chiado Sons de rua; gaivotas; passos; música [00:00:20.14] Sofia: Este é o Largo de São Carlos, em tempos

Leia mais

1 - Abreu, Paradela de Timor: a verdade histórica. Lisboa, Luso Dinastia, 1997, 294 p., 23 cm. Capa brochada, bom estado.

1 - Abreu, Paradela de Timor: a verdade histórica. Lisboa, Luso Dinastia, 1997, 294 p., 23 cm. Capa brochada, bom estado. Atempo Timor 1 - Abreu, Paradela de Timor: a verdade histórica. Lisboa, Luso Dinastia, 1997, 294 p., 23 cm. Capa brochada, bom estado. «Para compreendermos o que se passou em Timor-Leste na fase da descolonização,

Leia mais

Colégio Santa Dorotéia Disciplina: História / ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS Ano: 4º - Ensino Fundamental - Data: 6 / 4 / 2018

Colégio Santa Dorotéia Disciplina: História / ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS Ano: 4º - Ensino Fundamental - Data: 6 / 4 / 2018 Colégio Santa Dorotéia Disciplina: História / ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS Ano: 4º - Ensino Fundamental - Data: 6 / 4 / 2018 Conteúdo de estudo para a avaliação TRIMESTRAL de HISTÓRIA - 1ª Etapa Unidade 2 Europa,

Leia mais

Plano Curricular de Estudo do Meio 4.º Ano - Ano Letivo 2017/2018

Plano Curricular de Estudo do Meio 4.º Ano - Ano Letivo 2017/2018 Plano Curricular de Estudo do Meio 4.º Ano - Ano Letivo 2017/2018 1.º Período Conteúdos Programados À Descoberta do Ambiente Natural Os astros O Sistema Solar A forma da Terra Movimentos da Terra Fases

Leia mais

Plano Curricular de Estudo do Meio 4.º Ano - Ano Letivo 2016/2017

Plano Curricular de Estudo do Meio 4.º Ano - Ano Letivo 2016/2017 Plano Curricular de Estudo do Meio 4.º Ano - Ano Letivo 2016/2017 1.º Período Conteúdos Programados À Descoberta do Ambiente Natural Os astros O Sistema Solar A forma da Terra Movimentos da Terra Fases

Leia mais

estação náutica município ílhavo

estação náutica município ílhavo estação náutica município ílhavo O que tem o Município de Ílhavo com interesse para a náutica? O que tem o Município de Ílhavo com interesse para a náutica? ~ 7 km de costa atlântica; ~ O maior porto da

Leia mais