AS INVASÕES NAPOLEONICAS DESDE A IDA DA FAMÍLIA REAL PARA 0 BRASIL ÀS LINHAS DE TORRES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS INVASÕES NAPOLEONICAS DESDE A IDA DA FAMÍLIA REAL PARA 0 BRASIL ÀS LINHAS DE TORRES"

Transcrição

1 JOSÉ CUSTÓDIO MADALENO GERALDO SUB Hamburg A/ AS INVASÕES NAPOLEONICAS DESDE A IDA DA FAMÍLIA REAL PARA 0 BRASIL ÀS LINHAS DE TORRES e d i t o r a

2 ÍNDICE AGRADECIMENTOS 17 PRINCIPAIS SIGLAS E ABREVIATURAS UTILIZADAS 21 PREFÁCIO 23 INTRODUÇÃO 29 CAPÍTULO I Relações Diplomáticas de Portugal nas Vésperas das Invasões Francesas e a Transferência da Família Real para o Brasil 35 Enquadramento Geral 35 A Revolução Industrial e a Revolução Francesa 35 Situação Vigente em Portugal; A Demência da Rainha D. Maria I O Casamento Atribulado de D. João com D. Carlota Joaquina 38 A Europa no Tempo de Napoleão 39 Ambiente Técnico-Militar da Época e os Exércitos do Século xvm 42 Portugal e as Relações Diplomáticas 43 Antecedentes da I Invasão Francesa até à Retirada da Família Real para o Brasil 44 D. João e a Tentativa de Neutralidade 44 A Campanha do Rossilhão e a Atitude de Espanha 45

3 As INVASÕES NAPOLEÓNICAS A Negociação da Paz com a República Francesa 46 Ajuda Portuguesa a Inglaterra 48 A Ira de Napoleão contra a Nação Portuguesa; A Guerra das Laranjas; Tratado de Badajoz 49 Espanha Favorável a Portugal e a Paz Precária 52 Os Embaixadores de Napoleão em Portugal: Lannes e Junot O Bloqueio Continental e o Ultimatum a Portugal 54 A Convenção Secreta de 1807 e o Tratado de Fontainebleau 55 Transferência da Família Real para o Brasil: Suas Consequências 57 Diligências antes da Partida da Família Real 57 O Embarque, segundo José Acúrcio das Neves 62 Palavras do Príncipe Regente aos Portugueses 65 Breve Caracterização de Portugal e dos Portugueses à Época 68 A Esquadra e a Viagem 70 A Chegada ao Brasil 74 Chegada da Família Real ao Rio de Janeiro 74 Chegada de D. João à Baía 76 Chegada de D. João ao Rio de Janeiro 79 A Corte no Brasil 81 Os Primeiros Tempos 81 Os Primeiros Actos de D. João 83 Conquista da Guiana Francesa 84 Consequências da Família Real no Brasil 86 CAPÍTULO II INVASÃO COMANDADA POR JUNOT 91 Chegada dos Franceses a Lisboa 91 Proclamação dos Franceses 92 Como Napoleão conheceu Junot 93 O Exército de Observação da Gironda 95 Organização e Efectivo 95 Marcha do Exército Francês 99 Junot instala-se em Lisboa 102 Ocupação do País pelo Exército Invasor 103 O Exército e a Marinha de Guerra Portugueses 104 O Exército de Linha 104 As Milícias e as Ordenanças 105

4 ÍNDICE '., A Marinha Real 105 O Desarmamento do País 106 El Rei Junot 111 A Legião Portuguesa ao Serviço de Napoleão Bonaparte 112 Bandeira Portuguesa hasteada no Castelo de S. Jorge 121 Invasores chegam ao Porto 123 Extinção do Governo Português (1 de Fevereiro de 1808) 124 Revolta Espanhola (17 de Março de 1808) 124 Insurreições em Portugal 126 Chegada dos Ingleses à Península 130 Combate da Roliça (17 de Agosto de 1808) 133 Batalha do Vimeiro (21 de Agosto de 1808) 137 Convenção para a Suspensão de Armas entre os Exércitos Inglês e Francês (1808) 142 Esquadra Russa no Tejo 144 Cerimónia da Entrega das Armas Espanholas 145 Libertação dos Fortes de Eivas e de Almeida CAPÍTULO III INVASÃO COMANDADA POR SOULT 151 John Moore comanda o Exército Inglês em Portugal 152 Situação Crítica em Portugal 154 Tentativas de Reorganização do Exército 155 Beresford no Comando do Exército Português 159 Soult entra em Portugal; Oposição do General Bernardim Freire de Andrade e do Brigadeiro Francisco da Silveira 163 Morte de Bernardim Freire de Andrade; Tomada de Braga 173 Tomada do Porto 176 Desastre da Ponte das Barcas 184 Balanço da Conquista do Porto 186 Acções a Norte do Porto 188 Acções a Leste do Porto 190 A Defesa de Ponte de Amarante 192 Regresso de Wellington a Portugal 203 Plano de Wellesley sobre a Defesa de Portugal 210 Plano de Ataque de Wellesley 212 Travessia do Douro e Tomada da Cidade do Porto (12 de Maio de 1809) 213

5 As INVASÕES NAPOLEÓNICAS 14 : Retirada de Soult 217 Ponte Nova 219 Ponte de Mizarela 220 Sucesso ou Desastre de Soult? 221 Festejos e Louvores 223 CAPÍTULO IV INVASÃO COMANDADA POR MASSENA 229 Massena - O Filho Querido da Vitória 231 Situação das Forças Francesas 232 Composição e Situação do Exército Francês em Portugal 233 Forças Aliadas 235 Os Comandantes Wellington e Beresford 235 Composição e Disposição das Forças Aliadas 236 Wellington e a Estratégia da Terra Queimada 238 Início das Operações 238 Conquista de Almeida 240 Continuação das Operações 241 Batalha do Buçaco descrita por Wellington 242 Movimento para Sul até às Linhas de Torres Vedras 246 Tentativas de Travessia do Tejo 248 Retirada dos Franceses; Os Sentinelas Espantalhos; O Impasse 249 Os Reforços Franceses 249 Aliados perseguem Invasores; Diversos Combates 250 Episódios a Sul de Portugal 251 CAPÍTULO V - AS LINHAS DE TORRES VEDRAS - DEFESA DE UM PATRIMÓNIO; JOSÉ MARIA DAS NEVES COSTA E OU- TROS PROTAGONISTAS 255 José Maria das Neves Costa e as Linhas de Torres Vedras 257 Os Trabalhos Topográficos e Cartográficos do Terreno a Norte de Lisboa e sua Memória 259 A Construção das Linhas 268 As Linhas a Sul do Tejo 272 As Comunicaçcrô ^òitares nas Linhas 273

6 ÍNDICE ; A Guarnição dos Fortes e a Vitória dos Aliados 274 Os Grandes Protagonistas e o Sucesso das Linhas CONCLUSÃO 283 FONTES 289 BIBLIOGRAFIA & ESTUDOS 291 APÊNDICES GERAIS «MEMÓRIA MILITAR», por José Maria das Neves Costa - Fac- -Símile 305 «PROGRAMMA PARA A COMMEMORAÇÃO DA GUERRA PE- NINSULAR» [1908] 359 CONVENÇÃO SECRETA DE 1807 E SEUS ARTIGOS ADICIONAIS 373 RELAÇÃO DAS OBRAS DE FORTIFICAÇÃO DAS LINHAS DE TORRES VEDRAS 395 QUADRO DAS OBRAS QUE COMPÕEM AS LINHAS POR DIS- TRITOS [...] 403 GRAVURAS, MAPAS & PLANTAS 415 GRAVURAS HISTÓRICAS Napoleão Bonaparte 27 D. João VI 33 General Andoche Junot Marquês de Alorna 113 General Gomes Freire de Andrade 116

7 As INVASÕES NAPOLEÓNICAS 16 Marechal Nicolau Soult 149 Marechal William Car Beresford 160 General Bernardim Freire de Andrade 174 General Francisco da Silveira 193 Marechal André Massena 227 Oficial Engenheiro 253 Duque de Wellington 281

A Guerra das Laranjas e a Questão de Olivença num contexto internacional

A Guerra das Laranjas e a Questão de Olivença num contexto internacional Languages Thomas Strobel A Guerra das Laranjas e a Questão de Olivença num contexto internacional Seminar paper UNIVERSIDADE DE LISBOA Faculdade de Letras Departamento de Língua e Cultura Portuguesa Ano

Leia mais

Vila Velha de Ródão, 2012

Vila Velha de Ródão, 2012 A REAÇÃO DOS PORTUGUESES ÀS INVASÕES NAPOLEÓNICAS A IMPORTÂNCIA DAS TALHADAS Portuguese reaction to napoleonic raids the importance of Talhadas II JORNADAS A Guerra Fantástica e as Guerras Peninsulares

Leia mais

Família real portuguesa no Brasil

Família real portuguesa no Brasil Família real portuguesa no Brasil Vinda da família real No início do século XIX Napoleão Bonaparte era imperador da França. Ele queria conquistar toda a Europa e para tanto derrotou os exércitos de vários

Leia mais

A ERA NAPOLEÔNICA ( ) E O CONGRESSO DE VIENA

A ERA NAPOLEÔNICA ( ) E O CONGRESSO DE VIENA A ERA NAPOLEÔNICA (1799-1815) E O CONGRESSO DE VIENA FIM DA REVOLUÇÃO E EXPANSÃO FRANCESA http://historiaonline.com.br 1. Napoleão de 1769 a 1799: Patente de general com 24 anos. 1.1 Êxitos militares:

Leia mais

A ERA NAPOLEÔNICA ( ) E O CONGRESSO DE VIENA

A ERA NAPOLEÔNICA ( ) E O CONGRESSO DE VIENA A ERA NAPOLEÔNICA (1799-1815) E O CONGRESSO DE VIENA FIM DA REVOLUÇÃO E EXPANSÃO FRANCESA http://historiaonline.com.br 1. Napoleão de 1769 a 1799: Patente de general com 24 anos. 1.1 Êxitos militares:

Leia mais

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A Europa no século XIX Napoleão realizou uma série de batalhas para a conquista de novos territórios para a França. O exército francês aumentou o número

Leia mais

A VIAGEM DE VASCO DA GAMA À ÍNDIA

A VIAGEM DE VASCO DA GAMA À ÍNDIA A 312 HISTÓRIA DA MARINHA PORTUGUESA A VIAGEM DE VASCO DA GAMA À ÍNDIA 1497-1499 Coordenador JOSÉ MANUEL GARCIA Autores JOSÉ MANUEL GARCIA FERNANDO GOMES PEDROSA JOSÉ MANUEL MALHÃO PEREIRA MARÍLIA DOS

Leia mais

França e as Guerras Napoleônicas. Conteúdo cedido, organizado e editado pelos profs. Rodrigo Teixeira e Rafael Ávila

França e as Guerras Napoleônicas. Conteúdo cedido, organizado e editado pelos profs. Rodrigo Teixeira e Rafael Ávila França e as Guerras Napoleônicas Conteúdo cedido, organizado e editado pelos profs. Rodrigo Teixeira e Rafael Ávila A França do Século XVIII 3 a. maior economia europeia; problemas econômicos domésticos

Leia mais

António Carlos Martins Costa. 01/04/ /03/2015 Estagiário na área do Património Associação Portuguesa dos Amigos dos Castelos, Lisboa (Portugal)

António Carlos Martins Costa. 01/04/ /03/2015 Estagiário na área do Património Associação Portuguesa dos Amigos dos Castelos, Lisboa (Portugal) CURRICULUM VITAE ANTÓNIO CARLOS MARTINS COSTA INVESTIGADOR DO CENTRO DE HISTÓRIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA INFORMAÇÃO PESSOAL António Carlos Martins Costa Rua General da Silva Freire, nº 31 B, R/C Esqº,

Leia mais

HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 6º Ano PLANIFICAÇÃO ANUAL º PERÍODO: 13 semanas (+/- 26 tempos)

HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 6º Ano PLANIFICAÇÃO ANUAL º PERÍODO: 13 semanas (+/- 26 tempos) HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 6º Ano PLANIFICAÇÃO ANUAL 2013-2014 1º PERÍODO: 13 semanas (+/- 26 tempos) Diagnóstico e atividades preparatórias (2 tempos) Rever a última matéria de 5ºano 3.3. A vida

Leia mais

Século XVIII. Revolução francesa: o fim da Idade Moderna

Século XVIII. Revolução francesa: o fim da Idade Moderna Século XVIII Revolução francesa: o fim da Idade Moderna Marco inicial: tomada da Bastilha Assembleia Nacional Consituinte 1789-1792 Nova Constituição (liberal) para a França; Alta burguesia assume o comando

Leia mais

Escola Básica de Custóias/ Faculdade de Letras da Universidade do Porto Núcleo de Estágio em História e Geografia 2011/2012 Estagiária: Diana Barroso

Escola Básica de Custóias/ Faculdade de Letras da Universidade do Porto Núcleo de Estágio em História e Geografia 2011/2012 Estagiária: Diana Barroso Escola Básica de Custóias/ Faculdade de Letras da Universidade do Porto Núcleo de Estágio em História e Geografia 2011/2012 Estagiária: Diana Barroso Escola: Básica de Custóias (sede) Ano: 8º ano Turma:

Leia mais

IDADE CONTEMPORÂNEA A ERA NAPOLEÔNICA

IDADE CONTEMPORÂNEA A ERA NAPOLEÔNICA ERA NAPOLEÔNICA (1799 1815) Prof. João Gabriel da Fonseca joaogabriel_fonseca@hotmail.com 1 - O CONSULADO (1799 1804): Pacificação interna e externa. Acordos de paz com países vizinhos. Acordo com a Igreja

Leia mais

Livros Recomendados. Apoio a projetos História de Portugal. Autores Títulos Editoras ISBN

Livros Recomendados. Apoio a projetos História de Portugal. Autores Títulos Editoras ISBN AA. VV. (Coord. Maria Fernanda Rollo / Fernando Rosas) História da Primeira República Portuguesa Edições Tinta-da-china 978-989-671-051-4 Abecassis, Maria Isabel Braga A Real Barraca - A residência na

Leia mais

O PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DO BRASIL COLÉGIO PEDRO II PROFESSOR: ERIC ASSIS

O PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DO BRASIL COLÉGIO PEDRO II PROFESSOR: ERIC ASSIS O PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DO BRASIL 1820-1822 COLÉGIO PEDRO II PROFESSOR: ERIC ASSIS O 7 DE SETEMBRO: A INDEPENDÊNCIA FOI SOMENTE O GRITO DO IPIRANGA? OS SIGNIFICADOS DA INDEPENDÊNCIA Emancipação ou

Leia mais

ÍNDICE. Compêndio da Arte da Guerra. Da política e da guerra. Estudo Introdutório

ÍNDICE. Compêndio da Arte da Guerra. Da política e da guerra. Estudo Introdutório ÍNDICE Estudo Introdutório Notas biográficas 15 A obra e o seu estilo 18 A questão dos princípios 20 Jomini e Clausewitz 23 Repercussões 28 Tradução e terminologia 31 Compêndio da Arte da Guerra Advertência

Leia mais

INDEPENDÊNCIA DO BRASIL. Prof. Victor Creti Bruzadelli

INDEPENDÊNCIA DO BRASIL. Prof. Victor Creti Bruzadelli INDEPENDÊNCIA DO BRASIL Prof. Victor Creti Bruzadelli Era das Revoluções Conceito de Eric Hobsbawn: Processo amplo de decadência do Antigo Regime e da ascensão de novos modelos políticos e grupos sociais

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA. Professor Marcelo Pitana

REVOLUÇÃO FRANCESA. Professor Marcelo Pitana REVOLUÇÃO FRANCESA Professor Marcelo Pitana REVOLUÇÃO FRANCESA (1789 Queda da Bastilha) Antecedentes: - Ideais iluministas (liberais); - Abuso de poder da nobreza; - Pompa das cortes; - Déficit orçamentário;

Leia mais

32 q. Luís Farinha. O Reviralho. Revoltas Republicanas contra a Ditadura e o Estado Novo EDITORIAL ESTAMPA

32 q. Luís Farinha. O Reviralho. Revoltas Republicanas contra a Ditadura e o Estado Novo EDITORIAL ESTAMPA 32 q Luís Farinha O Reviralho Revoltas Republicanas contra a Ditadura e o Estado Novo 1926-1940 EDITORIAL ESTAMPA 1998 ÍNDICE NOTA PRÉVIA 13 INTRODUÇÃO 15 1. Porquê o estudo do tema? 15 2. Algumas considerações

Leia mais

RESENHA HISTORICO-MILITAR

RESENHA HISTORICO-MILITAR ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO Comissão para o Estudo das Campanhas de África (1961-1974) SUB Hamburg A/472366 RESENHA HISTORICO-MILITAR DAS CAMPANHAS DE ÁFRICA 6. VOLUME Aspectos da Actividade Operacional Tomo

Leia mais

A TRANSFERÊNCIA DA FAMÍLIA REAL PARA O BRASIL. Está ligada às Guerras Napoleônicas e ao decreto do BLOQUEIO CONTINENTAL PORTUGAL

A TRANSFERÊNCIA DA FAMÍLIA REAL PARA O BRASIL. Está ligada às Guerras Napoleônicas e ao decreto do BLOQUEIO CONTINENTAL PORTUGAL A TRANSFERÊNCIA DA FAMÍLIA REAL PARA O BRASIL Está ligada às Guerras Napoleônicas e ao decreto do BLOQUEIO CONTINENTAL De um lado, a pressão napoleônica para Portugal aderir ao bloqueio PORTUGAL De outro

Leia mais

COMISSÃO PORTUGUESA DE HISTÓRIA MILITAR PROGRAMA XXII COLÓQUIO DE HISTÓRIA MILITAR

COMISSÃO PORTUGUESA DE HISTÓRIA MILITAR PROGRAMA XXII COLÓQUIO DE HISTÓRIA MILITAR COMISSÃO PORTUGUESA DE HISTÓRIA MILITAR PORTUGAL NA GUERRA PENINSULAR (1812 1815) DO CERCO DE CIUDAD RODRIGO AO CONGRESSO DE VIENA O CAMINHO PARA A DERROCADA DO IMPÉRIO NAPOLEÓNICO PROGRAMA XXII Comissão

Leia mais

CRONOLOGIA GERAL DA GUERRA PENINSULAR

CRONOLOGIA GERAL DA GUERRA PENINSULAR 1789 14 de Julho Tomada do Forte-Prisão da Bastilha (Paris), marcando o início da Revolução Francesa. 26 de Agosto A Assembleia Nacional Constituinte Francesa aprova a Declaração dos Direitos do Homem

Leia mais

7 - INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA ESPANHOLA

7 - INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA ESPANHOLA 7 - INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA ESPANHOLA Movimentos pela independência Influenciados pela Independência dos Estados Unidos Facilitados pela ocupação da Espanha por Napoleão Afrouxou o controle do país sobre

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. mcc

NAPOLEÃO BONAPARTE. mcc NAPOLEÃO BONAPARTE mcc Golpe do 18 Brumário ( 9 de novembro de 1799) Fim da Revolução Francesa. O Diretório foi substituído por uma nova forma de governo- Consulado. Três cônsules passaram a governar a

Leia mais

Departamento Curricular de Ciências Sociais e Humanas. Grupo de Recrutamento: 400. Planificação Trimestral de História A. 2º Período.

Departamento Curricular de Ciências Sociais e Humanas. Grupo de Recrutamento: 400. Planificação Trimestral de História A. 2º Período. Departamento Curricular de Ciências Sociais e Humanas Grupo de Recrutamento: 400 Coordenadora: Rosa Santos Subcoordenador: Armando Castro Planificação Trimestral de História A 2º Período 11º Ano Professor:

Leia mais

Colégio Santa Dorotéia

Colégio Santa Dorotéia Colégio Santa Dorotéia Área de Ciências Humanas Disciplina: História Série: 8ª Ensino Fundamental Professora: Letícia História Atividades para Estudos Autônomos Data: 03 / 10 / 2016 Aluno(a): Nº: Turma:

Leia mais

Período Joanino 1808-1821

Período Joanino 1808-1821 Período Joanino 1808-1821 Bloqueio Continental - 1806 Tratado de Fontainebleau - 1807 Guerras Napoleônicas Fatores Motivadores Invasão das tropas Napoleônicas - Espanha Invasão das tropas Napoleônicas

Leia mais

Os panfletos anti-franceses: subsídios para a sua História * Por António Ventura **

Os panfletos anti-franceses: subsídios para a sua História * Por António Ventura ** Os panfletos anti-franceses: subsídios para a sua História * Por António Ventura ** Não vou fazer uma conferência mas sim algumas considerações sobre a produção da literatura anti-francesa em Portugal

Leia mais

ENTREVISTA A LAURENTINO GOMES Fonte: Pessoal e Transmissível (TSF)

ENTREVISTA A LAURENTINO GOMES Fonte: Pessoal e Transmissível (TSF) ENTREVISTA A LAURENTINO GOMES Fonte: Pessoal e Transmissível (TSF) Fonte: http://podcast.cdn.tsf.pt/pet_20080303.mp3 EOI SANTIAGO DE COMPOSTELA Ouve a entrevista a Laurentino Gomes e responda às seguintes

Leia mais

2ª Guerra Mundial

2ª Guerra Mundial 2ª Guerra Mundial 1939-1945 http://historiaonline.com.br Antecedentes da Guerra Política de apaziguamento: LIGA DAS NAÇÕES Tolerância excessiva em relação às violações do Tratado de Versalhes e Saint Germain.

Leia mais

JORNALINHO DO CAMPO. Fevereiro 2010 Edição on-line nº 11 Carlos Caseiro (Autor) Sara Loureiro Correia (Revisão de textos)

JORNALINHO DO CAMPO. Fevereiro 2010 Edição on-line nº 11 Carlos Caseiro (Autor) Sara Loureiro Correia (Revisão de textos) Nesta sopinha de letras estão os nomes de oito países da América do Sul e Central. É fácil! Encontra-os! :-) Ora vamos lá a saber! Onde estão os erros nestas frases? Gosto muito do meu chapéo! Aqui é Purtugal.

Leia mais

Era o dia 8 de junho de 1808. Era dia de grande festa em Lisboa.

Era o dia 8 de junho de 1808. Era dia de grande festa em Lisboa. I Junot Era o dia 8 de junho de 1808. Era dia de grande festa em Lisboa. Não era, porém, festa para portugueses. No Castelo de S. Jorge, nos arsenais do Exército e da Marinha, no Castelo de Almada e nas

Leia mais

ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. -Análise de uma planta para se visualizar o crescimento da cidade ao longo dos tempos;

ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. -Análise de uma planta para se visualizar o crescimento da cidade ao longo dos tempos; ENSINO BÁSICO Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes ESCOLA BÁSICA DOS 2.º E 3.º CICLOS D. MIGUEL DE ALMEIDA DISCIPLINA: HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL ANO: 5º ANO 2013/2014 METAS DE APRENDIZAGEM: 1.

Leia mais

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Espanhol

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Espanhol Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Espanhol 1 Os exercícios deverão ser feitos no livro. Predicado Verbal Leitura: págs. 91 e 92 do livro

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Distribuição dos tempos letivos disponíveis para o 6 º ano de escolaridade 1º Período 2º Período 3º Período *Início: 15 setembro 2014 *Fim: 16 dezembro 2014 *Início: 5

Leia mais

O processo de independência do Brasil. Prof. Dieikson de Carvalho

O processo de independência do Brasil. Prof. Dieikson de Carvalho O processo de independência do Brasil Prof. Dieikson de Carvalho Levantes no Brasil A chegada da Família Real no Brasil Contexto sóciopolítico da Europa A chegada da Família Real no Brasil INGLATERRA MAIOR

Leia mais

31 SUMÁRIO 51 NOTA DE ABERTURA 71 PREFÁCIO 91 INTRODUÇÃO 131 OS HINOS NA HISTÓRIA DE PORTUGAL. 211 HINOS PATRiÓTICOS E MILITARES PORTUGUESES

31 SUMÁRIO 51 NOTA DE ABERTURA 71 PREFÁCIO 91 INTRODUÇÃO 131 OS HINOS NA HISTÓRIA DE PORTUGAL. 211 HINOS PATRiÓTICOS E MILITARES PORTUGUESES índice GERAL 31 SUMÁRIO 51 NOTA DE ABERTURA 71 PREFÁCIO 91 INTRODUÇÃO 131 OS HINOS NA HISTÓRIA DE PORTUGAL 211 HINOS PATRiÓTICOS E MILITARES PORTUGUESES 231 SÉCULO XIX 241 Síntese histórica 251 Síntese

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 8 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Nome: Data: 1. Elabore um texto utilizando as palavras do quadro. França Napoleão Bonaparte Egito 18 Brumário guerra Constituição 2. Sobre

Leia mais

06/06/1944 Dia D marca a chegada dos Aliados à França

06/06/1944 Dia D marca a chegada dos Aliados à França 06/06/1944 Dia D marca a chegada dos Aliados à França Embora o termo Dia D seja rotineiramente usado em um contexto militar para o dia de uma operação ou um evento planejado, para muitas pessoas esta expressão

Leia mais

A Historiografia do Brasil Colonial tem início em 22 de abril de 1500 com a chegada dos portugueses.

A Historiografia do Brasil Colonial tem início em 22 de abril de 1500 com a chegada dos portugueses. A Historiografia do Brasil Colonial tem início em 22 de abril de 1500 com a chegada dos portugueses. A Colônia é o período da História do Brasil que engloba os anos de 1500 a 1822. Ele começa com a chegada

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

CP/ECEME/2007 2ª AVALIAÇÃO FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA. 1ª QUESTÃO (Valor 6,0)

CP/ECEME/2007 2ª AVALIAÇÃO FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA. 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) CP/ECEME/07 2ª AVALIAÇÃO FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar os fatos históricos, ocorridos durante as crises política, econômica e militar portuguesa/européia

Leia mais

Período Joanino Quando o Brasil virou capital do Império Português

Período Joanino Quando o Brasil virou capital do Império Português Período Joanino Quando o Brasil virou capital do Império Português Napoleão e Portugal 1804 Napoleão dominava a Europa, sendo coroado Imperador 1806 Bonaparte, decreta o Bloqueio Continental O objetivo:

Leia mais

UD II - ASSUNTO 6 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA 02 TEMPOS

UD II - ASSUNTO 6 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA 02 TEMPOS UD II - ASSUNTO 6 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA 02 TEMPOS OBJETIVOS: -IDENTIFICAR OS OBJETIVOS E OS PRINCÍPIOS DO CONGRESSO. - DEFINIR OS OBJETIVOS E A ATUAÇÃO DA SANTA ALIANÇA. SUMÁRIO: 1.CONCEITUAÇÃO.

Leia mais

UD II - ASSUNTO 6 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA 02 TEMPOS OBJETIVOS:

UD II - ASSUNTO 6 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA 02 TEMPOS OBJETIVOS: UD II - ASSUNTO 6 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA 02 TEMPOS OBJETIVOS: -IDENTIFICAR OS OBJETIVOS E OS PRINCÍPIOS DO CONGRESSO. - DEFINIR OS OBJETIVOS E A ATUAÇÃO DA SANTA ALIANÇA. SUMÁRIO: 1.CONCEITUAÇÃO.

Leia mais

Revolução francesa. Monarquia absolutista*

Revolução francesa. Monarquia absolutista* Revolução francesa No desenrolar dos fatos históricos, alguns deles de tão marcantes, dividem os períodos da humanidade. Atualmente os seres humanos dividem a sua atuação no mundo em cinco partes. Pré-História

Leia mais

DISCIPLINA OPTATIVA: HISTÓRIA DA AVIAÇÃO MILITAR BRASILEIRA. 45h/3 créditos

DISCIPLINA OPTATIVA: HISTÓRIA DA AVIAÇÃO MILITAR BRASILEIRA. 45h/3 créditos DISCIPLINA OPTATIVA: HISTÓRIA DA AVIAÇÃO MILITAR BRASILEIRA 45h/3 créditos Ementa: História da aviação militar no Brasil. Primórdios da aviação militar. Precedentes do uso do avião como um instrumento

Leia mais

O IMPÉRIO NAPOLEÔNICO E O CONGRESSO DE VIENA COLÉGIO PEDRO II PROFESSOR: ERIC ASSIS

O IMPÉRIO NAPOLEÔNICO E O CONGRESSO DE VIENA COLÉGIO PEDRO II PROFESSOR: ERIC ASSIS O IMPÉRIO NAPOLEÔNICO E O CONGRESSO DE VIENA 1799-1815 COLÉGIO PEDRO II PROFESSOR: ERIC ASSIS OS SIGNIFICADOS DA ASCENSÃO DE NAPOLEÃO O esgotamento político e social após 10 anos de revolução na França.

Leia mais

NOVA HISTORIA DE PORTUGAL. Direcção de joel SERRÃO e A.H. de OLIVEIRA MARQUES PORTUGAL E. o ESTADO NOVO ( )

NOVA HISTORIA DE PORTUGAL. Direcção de joel SERRÃO e A.H. de OLIVEIRA MARQUES PORTUGAL E. o ESTADO NOVO ( ) ~ NOVA HISTORIA DE PORTUGAL Direcção de joel SERRÃO e A.H. de OLIVEIRA MARQUES PORTUGAL E o ESTADO NOVO (1930-1960) ÍNDICE GERAL PREFÁCIO o INTRODUÇÃO o o o o o o o o o o 0.0 o o o o o. o o o o o o o o

Leia mais

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA http://plataformabrioli.xpg.uol.com.br/historiaresumo/2ano/epopeialusitana.pdf http://blog.msmacom.com.br/familia-real-portuguesa-quem-e-quem-na-monarquia/

Leia mais

REVOLUÇÃO AMERICANA

REVOLUÇÃO AMERICANA REVOLUÇÃO AMERICANA 1776-1781 CONTEXTO Crise do Antigo Regime na América. Expansão dos ideais Iluministas. Liberalismo político e econômico. Crítica ao Sistema Colonial Consolidação do Estado Burguês na

Leia mais

DISCIPLINA 06 HISTÓRIA MILITAR

DISCIPLINA 06 HISTÓRIA MILITAR DISCIPLINA 06 HISTÓRIA MILITAR - 2010 UNIDADES DIDÁTICAS HORAS PÁGINA I. ARTE DA GUERRA, PENSAMENTO MILITAR E DOUTRINA MILITAR BRASILEIRA II. A PARTICIPAÇÃO DA FORÇA TERRESTRE NA HISTÓRIA MILITAR NACIONAL

Leia mais

DISCIPLINA 06 HISTÓRIA MILITAR

DISCIPLINA 06 HISTÓRIA MILITAR DISCIPLINA 06 HISTÓRIA MILITAR - 2010 UNIDADES DIDÁTICAS HORAS PÁGINA I. ARTE DA GUERRA, PENSAMENTO MILITAR E DOUTRINA MILITAR BRASILEIRA II. A PARTICIPAÇÃO DA FORÇA TERRESTRE NA HISTÓRIA MILITAR NACIONAL

Leia mais

Aula 08 Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real.

Aula 08 Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. Aula 08 Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. O que foram os movimentos de pré-independência? Séculos XVIII e XIX grandes mudanças afetaram o Brasil... MUNDO... Hegemonia das ideias

Leia mais

PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA

PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA EJA - Ensino Fundamental 2º Segmento PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA Fase/Ano: 4ª Fase -6º e 7º Ano Ano Letivo: 2014 Componente Curricular: História Professora do Estúdio: Isabel Saraiva Silva Carga Horária:

Leia mais

índice Nota Introdutória 3 Capítulo 1 - Sociedades de iniciados e de Eleitos: as elites, a Igreja e as Maçonarias 4

índice Nota Introdutória 3 Capítulo 1 - Sociedades de iniciados e de Eleitos: as elites, a Igreja e as Maçonarias 4 índice Nota Introdutória 3 Capítulo 1 - Sociedades de iniciados e de Eleitos: as elites, a Igreja e as Maçonarias 4 1. Da especulação à realidade. Iniciados e células e grupos de iniciados 4 2. Sociedades

Leia mais

O que é que isto significa? Será um teste? Será uma provocação? Será uma ignorância atrevida? Como se poderá explicar esta aleivosia de lesa Pátria?

O que é que isto significa? Será um teste? Será uma provocação? Será uma ignorância atrevida? Como se poderá explicar esta aleivosia de lesa Pátria? 2007/12/22 ACORDEM PORTUGUESES! A última vez que houve um motim em Lisboa por se ter hasteado uma bandeira estrangeira, foi no dia 13/12/1807. O seu causador foi o general Junot que mandou hastear a bandeira

Leia mais

1. Portugal no século XIV tempo de crise

1. Portugal no século XIV tempo de crise 1. Portugal no século XIV tempo de crise A situação que se viveu em Portugal no século XIV foi de uma situação de crise, e foram vários os fatores que contribuíram para isso: Crise agrária os Invernos

Leia mais

ÍNDICE GERAL. Agradecimentos Nota prévia...

ÍNDICE GERAL. Agradecimentos Nota prévia... ÍNDICE GERAL Agradecimentos Nota prévia......................................... 7 9 PRIMEIRA PARTE - O estudo da instituição militar 1 - Marxismo e temas militares.......................................

Leia mais

Aula 15- A Crise do Império de Novembro de 1889

Aula 15- A Crise do Império de Novembro de 1889 Aula 15- A Crise do Império 1870-1889 15 de Novembro de 1889 Silêncio! Dom Pedro está governando o Brasil. z z z Proclamação da República A Questão Militar A Questão Religiosa Questão Abolicionista A

Leia mais

A OPERAÇÃO "SACA" 211 A execução 212 A CAMINHO DA I RPM - O DESTACAMENTO "BENEDITO" 214 Antecedentes 214 O Destacamento "Benedito" e a sua progressão

A OPERAÇÃO SACA 211 A execução 212 A CAMINHO DA I RPM - O DESTACAMENTO BENEDITO 214 Antecedentes 214 O Destacamento Benedito e a sua progressão SIROCO Os Comandos no Leste de Angola ÍNDICE ENQUADRAMENTO GEOGRÁFICO 10 OS COMANDOS NO LESTE DE ANGOLA 15 PREFÁCIO 25 AGRADECIMENTOS 29 DEDICATÓRIA 31 PÓRTICO 33 CÓDIGO COMANDO 37 MAMASUME 39 INTRODUÇÃO

Leia mais

Transferir a Capital e a Corte para o Brasil: ou como manter a Soberania sem dar um Tiro

Transferir a Capital e a Corte para o Brasil: ou como manter a Soberania sem dar um Tiro Transferir a Capital e a Corte para o Brasil: ou como manter a Soberania sem dar um Tiro Major-general João Jorge Botelho Vieira Borges 1. Introdução A Liga dos Amigos do Museu Militar do Porto lançou-nos

Leia mais

CURRICULUM VITAE. II FORMAÇÃO ACADÉMICA E PROFISSIONAL 1. Cursos de formação académica (Licenciatura/Pós-graduação/Mestrado/Doutoramento)

CURRICULUM VITAE. II FORMAÇÃO ACADÉMICA E PROFISSIONAL 1. Cursos de formação académica (Licenciatura/Pós-graduação/Mestrado/Doutoramento) CURRICULUM VITAE Identificação abreviada: Maj Inf Para Rui Jorge Roma Pais dos Santos I DADOS PESSOAIS Rui Jorge Roma Pais dos Santos 08 de maio de 1974 S. Jorge de Arroios Divorciado Major de Infantaria

Leia mais

INTERCULTURALIDADE NA GUERRA PENINSULAR ( )

INTERCULTURALIDADE NA GUERRA PENINSULAR ( ) Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto Estudos Interculturais INTERCULTURALIDADE NA GUERRA PENINSULAR (1807 1814) João Pedro Santos Silva Nº 2121148 ÍNDICE I. Introdução.1 II. Portugal

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA CÂMARA DOS DEPUTADOS DO BRASIL

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA CÂMARA DOS DEPUTADOS DO BRASIL ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA CÂMARA DOS DEPUTADOS DO BRASIL No âmbito das Comemorações da Ida da Corte Portuguesa para o Brasil, decorreu na Sala do Senado da Assembleia da República, no dia 14 de Março de

Leia mais

Revolução Francesa e Napoleão

Revolução Francesa e Napoleão Revolução Francesa e Napoleão Revolução Francesa e Napoleão 1. A convocação dos Estados Gerais deu início à Revolução Francesa, ocasionando um conjunto de mudanças que abalaram não só a França, mas também

Leia mais

CADERNO 1 BRASIL CAP. 3. Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA. Resposta da questão 1: [D]

CADERNO 1 BRASIL CAP. 3. Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA. Resposta da questão 1: [D] Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA Resposta da questão 1: Somente a proposição está correta. Com a expansão napoleônica na Europa e a invasão do exército Francês em Portugal ocorreu a vinda da corte portuguesa

Leia mais

LEONOR TELES (1350M410?)

LEONOR TELES (1350M410?) Sumário PARTE O EXÓRDIO 15 Introdução 17 Fernão Lopes, a verdade e a história 21 Preâmbulo 27 A linhagem de Leonor Teles 30 A família direta 32 A linhagem de Leonor Teles no seio da nobreza medieval e

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Coordenadoria de Concursos - CCV 2ª ETAPA PROVA ESPECÍFICA DE HISTÓRIA PROVA ESPECÍFICA DE HISTÓRIA

Universidade Federal do Ceará Coordenadoria de Concursos - CCV 2ª ETAPA PROVA ESPECÍFICA DE HISTÓRIA PROVA ESPECÍFICA DE HISTÓRIA 1ª AVALIAÇÃO CORRETOR 1 01 02 03 04 05 06 07 08 Reservado à CCV AVALIAÇÃO FINAL Universidade Federal do Ceará Coordenadoria de Concursos - CCV Comissão do Vestibular Reservado à CCV 2ª ETAPA PROVA ESPECÍFICA

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5º ANO História e Geografia de Portugal

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5º ANO História e Geografia de Portugal PLANIFICAÇÃO ANUAL DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5º ANO História e Geografia de Portugal Tema 0 - Conhecer o Manual 2012/2013 Aulas previstas-5 1º Período Apresentação Material necessário para o

Leia mais

FICHA DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA INVESTIGADOR DO CISDI

FICHA DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA INVESTIGADOR DO CISDI MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL ESTADO-MAIOR GENERAL DAS FORÇAS ARMADAS INSTITUTO DE ESTUDOS SUPERIORES MILITARES CENTRO DE INVESTIGAÇÃO DE SEGURANÇA E DEFESA FICHA DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA INVESTIGADOR DO

Leia mais

AGRADECIMENTOS 17 PREFÁCIO 21. INTRODUçAo 33 I PARTE - GEOGRAFIA E HISTÓRIA CIVIL 37. Geografia 39 História Civil ~ 43

AGRADECIMENTOS 17 PREFÁCIO 21. INTRODUçAo 33 I PARTE - GEOGRAFIA E HISTÓRIA CIVIL 37. Geografia 39 História Civil ~ 43 AGRADECIMENTOS 17 PREFÁCIO 21 INTRODUçAo 33 I PARTE - GEOGRAFIA E HISTÓRIA CIVIL 37 Geografia 39 História Civil ~ 43 11PARTE - HISTÓRIA ECLESIÁSTICA - I PERÍODO.47 Os Dominicanos na Insulíndia 49 Capítulo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CUBA Escola Básica Integrada c/ Jardim de Infância Fialho de Almeida, Cuba Ano Lectivo 2007/2008

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CUBA Escola Básica Integrada c/ Jardim de Infância Fialho de Almeida, Cuba Ano Lectivo 2007/2008 Planificação Anual da Área Curricular de História e Geografia de Portugal 5º Ano 1. Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar situações e problemas

Leia mais

Carisma e realidade do General Francisco da Silveira Um militar de carreira em momento de viragem

Carisma e realidade do General Francisco da Silveira Um militar de carreira em momento de viragem Revista da Faculdade de Letras HISTÓRIA Porto, III Série, vol. 10 2009, pp. 91-102 Maria do Carmo Serén Carisma e realidade do General Francisco da Silveira Um militar de carreira em momento de viragem

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799

REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799 REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799 À procura de solução para a crise: 1787 Luís XVI convocação dos conselheiros para criação de novos impostos Acabar com a isenção fiscal do Primeiro e Segundo Estados CONSEQUÊNCIA

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO ANUAL 2º CICLO HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5.º ANO Documento(s) Orientador(es): Programa de História e Geografia de Portugal

Leia mais

Efemérides Sábado, 30 Agosto :09 EFEMÉRIDES

Efemérides Sábado, 30 Agosto :09 EFEMÉRIDES EFEMÉRIDES 1962 Julho - Criado, em Zemba/Angola, o Centro de Instrução N. 21 (Cl 21), onde foram formados os primeiros 6 Grupos de "Comandos". Terminaram a instrução em finais de Novembro do mesmo ano.

Leia mais

2- POR QUE a família real portuguesa se mudou, em 1808, para sua colônia na

2- POR QUE a família real portuguesa se mudou, em 1808, para sua colônia na Atividade de Estudo Geo/História 5º ano Nome: 1- LIGUE os itens abaixo corretamente. 2- POR QUE a família real portuguesa se mudou, em 1808, para sua colônia na América? 3- ASSINALE as afirmativas erradas

Leia mais

ACADEMIA MILITAR. Bernardim Freire de Andrade, Tenente- General ( ) Patrono dos Cursos de Entrada na Academia Militar

ACADEMIA MILITAR. Bernardim Freire de Andrade, Tenente- General ( ) Patrono dos Cursos de Entrada na Academia Militar Publicado em 2013, Lisboa, Centro De Audiovisuais do Exército. ACADEMIA MILITAR Bernardim Freire de Andrade, Tenente- General (1759-1809) Patrono dos Cursos de Entrada na Academia Militar Ano Letivo 2013-2014

Leia mais

Era Napoleônica e Independência do Brasil

Era Napoleônica e Independência do Brasil 1. (UNIRIO) A Era Napoleônica (1799-1815) marcou a conjuntura de transição do mundo moderno para o contemporâneo, alterando o equilíbrio de poder construído pelos Estados europeus. Sobre a Era Napoleônica,

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 1116/XII DIA NACIONAL DAS LINHAS DE TORRES

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 1116/XII DIA NACIONAL DAS LINHAS DE TORRES PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 1116/XII DIA NACIONAL DAS LINHAS DE TORRES As Linhas de Torres constituem o mais notável conjunto de fortificações das Guerras Napoleónicas, tendo sido aí que decorreram as principais

Leia mais

A ERA NAPOLEÔNICA ( )

A ERA NAPOLEÔNICA ( ) Prof. Tácius Fernandes Blog: www.proftaciusfernandes.wordpress.com A ERA NAPOLEÔNICA (1799-1814) SÍNTESE: Coube a Napoleão Bonaparte a difícil tarefa de consolidar a estrutura social burguesa na França

Leia mais

ERA NAPOLEÔNICA República CONSULADO. IMPÉRIO Volta da Monarquia Napoleão torna-se imperador Golpe 18 Brumário

ERA NAPOLEÔNICA República CONSULADO. IMPÉRIO Volta da Monarquia Napoleão torna-se imperador Golpe 18 Brumário - - - - República ERA NAPOLEÔNICA CONSULADO 1º Cônsul IMPÉRIO Volta da Monarquia Napoleão torna-se imperador Governo dos Cem Dias 1799 Golpe 18 Brumário Napoleão derruba o Diretório 1804 Napoleão torna-se

Leia mais

Potências marítimas: Novas (burguesia) Antigas (nobreza) Portugal Espanha Holanda Inglaterra França

Potências marítimas: Novas (burguesia) Antigas (nobreza) Portugal Espanha Holanda Inglaterra França 1. O tempo do grande comércio oceânico Criação/crescimento de grandes companhias de comércio europeias: - Companhia das Índias Ocidentais (1600 Londres) - Companhia Inglesa das Índias Orientais (Londres

Leia mais

Professor Ulisses Mauro Lima A Guerra do Paraguai: historiaula.wordpress.com

Professor Ulisses Mauro Lima A Guerra do Paraguai: historiaula.wordpress.com Professor Ulisses Mauro Lima A Guerra do Paraguai: 1864-1870 historiaula.wordpress.com A Guerra do Paraguai: 1864-1870 No dia 11 de junho de 1865, a esquadra brasileira sob o comando de Francisco Barroso

Leia mais

1) Com relação ao período colonial, tanto na América Portuguesa quanto na América Espanhola, considere as seguintes afirmações:

1) Com relação ao período colonial, tanto na América Portuguesa quanto na América Espanhola, considere as seguintes afirmações: 1) Com relação ao período colonial, tanto na América Portuguesa quanto na América Espanhola, considere as seguintes afirmações: 1. a mão-de-obra escrava africana, empregada nas atividades econômicas, era

Leia mais

Formação Econômica do Brasil. Michelle M. Miltons Aula 1

Formação Econômica do Brasil. Michelle M. Miltons Aula 1 Formação Econômica do Brasil Michelle M. Miltons Aula 1 Aula 1 1808-1822 1808-1850 Era do Liberalismo Aula de hoje: 1808-1822 Caio Prado Jr fala do anacronismo presente na situação das coroas espanhola

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE TÂNIA REGINA CAMPOS DA CONCEIÇÃO

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE TÂNIA REGINA CAMPOS DA CONCEIÇÃO SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE TÂNIA REGINA CAMPOS DA CONCEIÇÃO A VINDA DA FAMÍLIA REAL PORTUGUESA AO BRASIL Projeto apresentado e desenvolvido na

Leia mais

PRIMEIRA INVASÃO FRANCESA A INVASÃO DE JUNOT E A REVOLTA POPULAR

PRIMEIRA INVASÃO FRANCESA A INVASÃO DE JUNOT E A REVOLTA POPULAR João Paulo Ferreira Silva PRIMEIRA INVASÃO FRANCESA 1807-1808 A INVASÃO DE JUNOT E A REVOLTA POPULAR ACADEMIA DAS CIÊNCIAS DE LISBOA FICHA TÉCNICA TITULO PRIMEIRA INVASÃO FRANCESA 1807-1808 A INVASÃO DE

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: A Revolução Francesa

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: A Revolução Francesa Conteúdo: A Revolução Francesa Habilidades: Reconhecer nas origens e consequências da Revolução Francesa de 1789, os elementos fundamentais da formação política e social contemporânea para a história contemporânea.

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 23 A REVOLUÇÃO DO PORTO DE 1820

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 23 A REVOLUÇÃO DO PORTO DE 1820 HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 23 A REVOLUÇÃO DO PORTO DE 1820 Fixação 1) (ENEM) Eu, o Príncipe Regente, faço saber aos que o presente Alvará virem: que desejando promover e adiantar a riqueza nacional, e

Leia mais

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:História ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 5 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:História ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 5 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS UNIDADE 1 COLÔNIA PLANO DE CURSO VIVER NO BRASIL *Identificar os agentes de ocupação das bandeiras *Conhecer e valorizar a história da capoeira *Analisar a exploração da Mata Atlântica *Compreender a administração

Leia mais

SEGUNDA REPÚBLICA A REVOLUÇÃO TRAÍDA GETÚLIO ASSUME E FICA A República Armada ( ) (Recapitulação)

SEGUNDA REPÚBLICA A REVOLUÇÃO TRAÍDA GETÚLIO ASSUME E FICA A República Armada ( ) (Recapitulação) Paulo Victorino 1930-1945 - SEGUNDA REPÚBLICA A REVOLUÇÃO TRAÍDA GETÚLIO ASSUME E FICA 005 - A República Armada (1889-1930) (Recapitulação) A Proclamação da Independência (1822) - A Proclamação da República

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM 2º CICLO Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO ANUAL HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 6.º ANO Documento(s) Orientador(es): Programa de História e Geografia de Portugal

Leia mais

NE 'Brasil' chega a Lisboa

NE 'Brasil' chega a Lisboa NE 'Brasil' chega a Lisboa Por Guilherme Wiltgen O Navio-Escola Brasil (U 27) chegou ontem pela manhã ao porto de Lisboa, em Portugal. A chegada foi registrada pelo nosso leitor Mário Costa, que nos enviou

Leia mais

FICHA TÉCNICA TITULO PRIMEIRAS INVASÕES FRANCESAS 1807-1808: A INVASÃO DE JUNOT E A REVOLTA POPULAR AUTOR JOÃO PAULO FERREIRA SILVA

FICHA TÉCNICA TITULO PRIMEIRAS INVASÕES FRANCESAS 1807-1808: A INVASÃO DE JUNOT E A REVOLTA POPULAR AUTOR JOÃO PAULO FERREIRA SILVA FICHA TÉCNICA TITULO PRIMEIRAS INVASÕES FRANCESAS 1807-1808: A INVASÃO DE JUNOT E A REVOLTA POPULAR AUTOR JOÃO PAULO FERREIRA SILVA EDITOR ACADEMIA DAS CIÊNCIAS DE LISBOA CONCEPÇÃO GRÁFICA JOÃO MÉNDEZ

Leia mais

A O PAIS EM REVOLUÇÃO. Coordenação". J. M. BrandãoMe Brito. HT notícias editorial

A O PAIS EM REVOLUÇÃO. Coordenação. J. M. BrandãoMe Brito. HT notícias editorial A 384913 O PAIS EM REVOLUÇÃO Coordenação". J. M. BrandãoMe Brito HT notícias editorial ÍNDICE I OS MILITARES E A EVOLUÇÃO POLÍTICA INTERNA E EXTERNA (1974-1982) José Medeiros Ferreira 11 INTRODUÇÃO 11

Leia mais

A República do Café - II. Prof. Thiago História C Aula 10

A República do Café - II. Prof. Thiago História C Aula 10 A República do Café - II Prof. Thiago História C Aula 10 Hermes da Fonseca (1910-1914) Política Salvacionista Enfrenta a Revolta da Chibata Criou a faixa presidencial; Único presidente a casar durante

Leia mais