PARECER TÉCNICO EM QUÍMICA

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PARECER TÉCNICO EM QUÍMICA"

Transcrição

1 PARECER TÉCNICO EM QUÍMICA RELATÓRIO Trata-se a presente análise, solicitada pelo Promotor de Justiça da área de Publicidade, Dr. Marcos Tofani Baer Bahia, de um estudo dos aspectos químicos do objeto da investigação preliminar nº , produto Seda Serum fabricado pela Unilever do Brasil. O fornecedor apresentou, conforme determinado pela Promotoria, informações sobre o produto mencionado, bem como laudos técnicos produzidos pela Universidade de São Carlos e patrocinados pela Reclamada, que tem como objetivo, comprovar através de dados técnicos, fáticos e científicos que o produto Sera Serum para pentear transforma o cabelo de opaco e com frizz para brilhante e super liso. FUNDAMENTAÇÃO O Decreto Federal nº /77 (alterado pelo Decreto nº /79), que regulamenta a Lei nº 6.360/76, que dispõe sobre a Vigilância Sanitária a que ficam sujeitos os (...) Cosméticos (...) e outros Produtos (...), estabelece, em seu parágrafo único, que: Não poderão constar da rotulagem ou da publicidade e propaganda dos produtos submetidos ao regime deste Regulamento, designações, nomes geográficos, símbolos, figuras, desenhos ou quaisquer indicações que possibilitem interpretação falsa, erro ou confusão quanto à origem, procedência, natureza, composição ou qualidade, ou que atribuam ao produto, finalidades ou características diferentes daquelas que realmente possua." O fornecedor apresentou o documento denominado nº 03, de caráter semi-publicitário, que tem como objetivo prestar informações sobre o

2 produto mencionado. Este relatório, sem identificação de autoria, serve como introdução aos Relatórios finais de estudo patrocinados pela Unilever Brasil Ltda. e elaborados pela Universidade Federal de São Carlos/Centro Multidisciplinar de Desenvolvimento e em parceria com a empresa Kosmocience Ciência & Tecnologia Cosmética Ltda., que são, em tese, a comprovação propriamente dita das características prometidas e vinculadas ao cosmético em questão. Os relatórios técnicos são documentos com formatação própria. Devem prezar pela organização e coerência. Devem ser capazes de expressar, com clareza, quais foram as condições e procedimentos utilizados para se chegar aos resultados e conclusões. A partir da análise dos procedimentos foi possível verificar se os dados técnico-científicos apresentados tem relação direta com a publicidade do produto. Na folha 26 da IP o fornecedor afirma que o produto em questão oferece três soluções que, em conjunto, tem a faculdade de transformar o cabelo de opaco e com frizz para brilhante e super liso, são eles: 1) Look natural bem definido; 2) Controle de frizz e; 3) Brilho instantâneo. Conforme descrito no documento, os parâmetros look natural bem definido bem como a definição da quantidade do produto a ser utilizado para se atingir o fim pretendido foram analisados através de teste de consumidor ou teste com consumidoras. O fornecedor estabeleceu que a utilização de 2 a 4 gotas do produto é suficiente para alcançar o efeito desejado. Para avaliar o parâmetro Controle de Frizz, o fornecedor apresentou o documento: Estudos dos efeitos macro-visuais no cabelo Controle de Frizz Relatório Final de Estudo UL (fls ). Foi possível verificar no procedimento de obtenção das imagens das mechas de cabelo pós-tratadas que o tempo entre a aplicação do produto e a aquisição das imagens digitais foi de 24 horas. O mesmo fato ocorreu no experimento de

3 avaliação do efeito liso (fls ), em que a medição do comprimento do cabelo foi avaliada após este mesmo tempo de secagem. Dados estatísticos obtidos de um conjunto de resultados tem valor limitado por si mesmos. Uma consideração de maior importância é a da decisão delicada de rejeitar certos resultados. Aplicando-se o correto teste estatístico, pode se verificar (fl.41) que o valor de 0,28 pixels do grupo Curly, para o estado inicial do código SRC e o valor de 0,36 pixels do grupo Straight, estado inicial do código SRC (ou melhor, SRS) devem ser rejeitados. Assim, torna-se necessário corrigir a tabela 1 da folha 34, ficando a % de redução diminuída a 77 % para o código SRC. Já a tabela 2 da folha 35, o correto valor de redução será de 58 % para o grupo SRS. Para avaliar o Brilho instantâneo, foi apresentado o documento Avaliação da eficácia objetiva de brilho em cabelos Relatório final de estudo UL R2 (fls ). O brilho do cabelo é diretamente afetado pela quantidade de sebo secretado pelo couro cabeludo. De posse desta realidade, o experimento simulou a incidência destes óleos e gorduras nas amostras de cabelos lisos e castanhos escuros. Foi utilizado o Sebo sintético de Spangler, que é uma mistura determinada de lipídios. Neste mesmo teste, utilizou-se o equipamento Automated Hair Comber Machine para secar as amostras de cabelo antes da realização das leituras de brilho efetuadas com o Glossmeter. O Relatório final de estudo UL tratou de avaliar o Efeito liso (fl ). O Efeito lizz foi definido como a variação do comprimento das mechas entre o tempo inicial e final, através da análise de imagens via software. Quanto menor a variação do comprimento, maior a manutenção do comprimento dos cabelos e, por conseqüência, maior a manutenção do liso. Foram escolhidos, para cada teste, diferentes tipos de cabelo, conforme tabela abaixo:

4 Tabela 1 Características das mechas por experimento Experimento Características básicas Controle de Frizz Cabelos caucasianos, naturalmente cacheados e naturalmente lisos Brilho Cabelos caucasianos, castanhos escuros e lisos Efeito liso Cabelos caucasianos, castanhos escuros, naturalmente ondulados. DESENVOLVIMENTO O fornecedor não conseguiu comprovar, através de dados técnicos, fáticos e científicos como chegou aos resultados apresentados (fl. 26) para o parâmetro Look natural bem definido, utilizando como metodologia, o teste de consumidor. Imagina-se que teste com consumidoras seja um procedimento em que são eleitos candidatos para experimentar os produtos em condições controladas. Os resultados são então expressos de forma sistemática, em documentos organizados e capazes de informar, com clareza, os resultados obtidos. Da mesma forma, não foi apresentado qualquer relatório que comprove o teste de consumidoras para avaliar a quantidade ótima de produto a se aplicar no cabelo. Além disso, os termos: look natural definido, deixa os cachos definidos, define o cabelo liso e deixa o cabelo com movimento natural, não foram devidamente explicados, restando, pois, considerá-los subjetivos e não científicos. Causou espanto verificar que o documento que deveria conter explicações detalhadas a respeito da linha de produtos (fl.12) possui pontos de interrogação nas linhas em que são registrados os resultados para cada variante do cosmético analisado. Foram verificadas incorreções na expressão dos resultados para a análise do Controle de frizz considerando o tratamento matemático e

5 estatístico. Quanto à apresentação dos resultados na conclusão do relatório sobre brilho (fl. 52), foram observadas comparações discrepantes. Concluiu-se que a variação do brilho, em porcentagem, do tratamento código SRS comparado com o grupo controle (código CTRL), foi de 21 %, ou um aumento de 37 vezes! Da mesma forma, a variação do brilho, em porcentagem, do tratamento código LCS comparado com o grupo CTRL, foi de apenas 1,2 %, ou um aumento de 1,4 no número de vezes! Estas anomalias devem ser detectadas em tempo, pois comprometem a credibilidade das conclusões que são apresentadas aos órgãos competentes. Quanto à execução dos procedimentos, restou estabelecer uma correlação segura entre o tempo de ação esperado do produto em relação ao tempo de verificação dos parâmetros após a aplicação do produto nos testes realizados no laboratório. Nos procedimentos em que foram utilizadas imagens de computador para quantificar um parâmetro, como por exemplo, o comprimento de mechas, o tempo utilizado na pesquisa foi de 24 horas. Já a publicidade nos dá a impressão de que resultado é imediato. Assim, neste sentido, pode se apresentar comprometida a análise realizada por erro de técnica. A apresentação dos resultados como variação de brilho adicionado às mechas tratadas em relação ao grupo padrão tratado apenas com sebo trouxe resultados surpreendentes. Quanto menor o brilho detectado na amostra tratada com sebo, maior será o aumento do brilho das amostras tratadas com o cosmético objeto de estudo comparado com a própria amostra tratada com sebo. Dois fatores contribuíram para grande diminuição do brilho nas amostras tratadas com sebo: 1) adição de um volume muito grande de sebo nas mechas e 2) a não utilização do Automed Hair Comber Machine para secar as mechas, e conseqüentemente, proporcionar maior uniformidade aos fios. Além disso, foram observadas diversas alterações do procedimento, no histórico da revisão, quanto à utilização do grupo SEB e foi verificado que o equipamento secador não foi utilizado com a mecha com sebo. Ainda quanto ao brilho, e reforçando o raciocínio do parágrafo anterior, observou-se na memória de cálculo para se definir a quantidade de

6 sebo que será adicionada (fl.48), que o comprimento da mecha foi de 20 cm, enquanto que, nos testes, foi utilizada mechas de 25 cm, aumentando, injustificadamente, a quantidade de sebo a ser adicionada. Também não ficou claro no procedimento experimental de preparação das mechas de cabelo, quais foram os motivos que levaram a secar as amostras utilizando o equipamento Automated Hair Comber Machine, bem como sua forma de utilização. O aumento da regularidade da superfície aumenta a reflexão especular, ou seja, o brilho. A utilização de equipamento específico para secagem das mechas e aparato para fixação das mechas pode diminuir a reflexão difusa, gerando resultados analiticamente satisfatórios, porém distantes da realidade do consumidor final. Conforme apresentado na publicidade, a capacidade do produto em transformar o cabelo em super liso não pode ser diretamente associada à definição do Efeito lizz. Para um consumidor mediano, transformar o cabelo em super liso, é aplicar o produto e perceber que o cabelo passou de um estado menos liso para um estado bem mais liso, no mínimo. Acontece que o termo efeito lizz ou manutenção do liso, conforme foi definido, é a capacidade das mechas de cabelo resistirem à ondulação natural do cabelo. Desta forma, os testes demonstram que o produto não é capaz de alisar o cabelo, mas, apenas, auxiliar o aumento de uma característica da própria mecha ou adquirida as custas da aplicação anterior de produtos alisantes. Corre-se, então, um grande risco de causar interpretação errônea no consumidor acerca das características do cosmético. Restou também justificar a escolha do tipo de amostras de mechas de cabelo para a realização de cada teste. Por que foi utilizada a mecha de cabelo castanho escuro e liso para o teste de brilho e não o cabelo castanho claro e ondulado? Faltou estabelecer, também, através de dados técnicos e científicos, que os resultados encontrados para as mechas escolhidas podem ser correlacionados para qualquer tipo de cabelo. Assim, não há evidências que o produto em questão, de acordo com os testes apresentados, possui características que são atribuías a ele para todos os tipos de cabelo.

7 CONCLUSÃO O fornecedor não conseguiu comprovar de forma completa, através de dados técnicos, fáticos e científicos que o produto Seda Serum para pentear transforma o cabelo de opaco e com frizz para brilhante e super liso. A publicidade veiculada pode possibilitar interpretação falsa, errônea ou até mesmo provocar nos consumidores confusão quanto a percepção da natureza, qualidade ou finalidade que produto possui, conforme toda a documentação apresentada e, principalmente, quanto à definição de super liso. É a análise. Belo Horizonte, 18 de junho de Luiz Otávio Teixeira Oficial do MP - Especialidade: Auxiliar de Química MAMP: 3096 CRQ:

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

CURSO DE ESTILISMO CAPILAR. Edital de Seleção

CURSO DE ESTILISMO CAPILAR. Edital de Seleção CURSO DE ESTILISMO CAPILAR Edital de Seleção Nome do curso: Estilismo Capilar formação: estilistas em cabelos Coordenador Geral: Prof. Magno Alves Parceria: UNICA Universidade do Cabelo Área do Conhecimento:

Leia mais

SOLID CERAMIC HAIR STYLER

SOLID CERAMIC HAIR STYLER SOLID CERAMIC HAIR STYLER Straigth & Curls HS 3830 PORTUGUÊS A C E A B D F 2 SEGURANÇA Durante a colocação em funcionamento do aparelho, por favor, respeite as seguintes indicações: 7 Este aparelho destina-se

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE CTA 20 DE 11/04/2014 ALCANCE DA NORMA

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE CTA 20 DE 11/04/2014 ALCANCE DA NORMA NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE CTA 20 DE 11/04/2014 João Alfredo de Souza Ramos Contador CRCES 2289 joaoalfredo@srauditores.com.br Telefone: 27-4009-4666 ALCANCE DA NORMA Trata dos padrões técnicos

Leia mais

NORMAS GERAIS DE ESTÁGIO DE PSICOPEDAGOGIA

NORMAS GERAIS DE ESTÁGIO DE PSICOPEDAGOGIA NORMAS GERAIS DE ESTÁGIO DE PSICOPEDAGOGIA I - APRESENTAÇÃO Este manual destina-se a orientação dos procedimentos a serem adotados durante o estágio supervisionado. Procuramos ser objetivos e práticos

Leia mais

INSTITUTO CAMPINENSE DE ENSINO SUPERIOR FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU CURSO DE ENFERMAGEM. NOME DOS ALUNOS (equipe de 4 pessoas) TÍTULO DO PROJETO

INSTITUTO CAMPINENSE DE ENSINO SUPERIOR FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU CURSO DE ENFERMAGEM. NOME DOS ALUNOS (equipe de 4 pessoas) TÍTULO DO PROJETO 1 INSTITUTO CAMPINENSE DE ENSINO SUPERIOR FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU CURSO DE ENFERMAGEM NOME DOS ALUNOS (equipe de 4 pessoas) TÍTULO DO PROJETO CAMPINA GRANDE-PB 2014 2 NOME DOS ALUNOS (equipe de 4

Leia mais

Histórico. Controle Estatístico de Processo

Histórico. Controle Estatístico de Processo Histórico O CEP se destacou como ferramenta poderosa após ter sido intensamente utilizada pelo Japão após a Segunda Guerra Mundial. Após a recuperação deste país, através da obtenção de processos produtivos

Leia mais

ESCOVA DE CAVIAR [RELAXAMENTO DEFINITIVO A BASE DE TIOGLICOLATO]

ESCOVA DE CAVIAR [RELAXAMENTO DEFINITIVO A BASE DE TIOGLICOLATO] 18 KARATI COSMÉTICA PROFISSIONAL ESCOVA DE CAVIAR [RELAXAMENTO DEFINITIVO A BASE DE TIOGLICOLATO] [MÓDULO TÉCNIC0] 2 HAIR CAVIAR 18K ESCOVA DEFINITIVA A BASE DE TIOGLICOLATO DE AMÔNIO FORTE Uso exclusivo

Leia mais

A Semana Agricolana de Ciência, Tecnologia e Inovação possui como principais objetivos:

A Semana Agricolana de Ciência, Tecnologia e Inovação possui como principais objetivos: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CAMPUS ITAPINA Rodovia BR-259, Km 70 Zona Rural Caixa Postal 256 29709-910 Colatina ES 27 3723-1202 EDITAL 09/2014 - SEMANA AGRICOLANA DE CIÊNCIA,

Leia mais

ANEXO I - EDITAL Nº 04/2013

ANEXO I - EDITAL Nº 04/2013 Página 1 de 5 ANEXO I - EDITAL Nº 04/2013 O SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SESC/RN, representado por sua Administração Regional no Estado do Rio Grande do Norte, torna público, para o conhecimento de quantos

Leia mais

Roteiro para Elaboração de Relatório de Aulas Práticas, Visitas técnicas e Trabalhos Acadêmicos

Roteiro para Elaboração de Relatório de Aulas Práticas, Visitas técnicas e Trabalhos Acadêmicos UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE SÃO LUIS DE MONTES BELOS TECNOLOGIA EM LATICÍNIOS Roteiro para Elaboração de Relatório de Aulas Práticas, Visitas técnicas e Trabalhos Acadêmicos

Leia mais

REAJUSTE DE MENSALIDADE INFORMAÇÕES INDISPENSÁVEIS AO CONSUMIDOR

REAJUSTE DE MENSALIDADE INFORMAÇÕES INDISPENSÁVEIS AO CONSUMIDOR REAJUSTE DE MENSALIDADE INFORMAÇÕES INDISPENSÁVEIS AO CONSUMIDOR Reajuste de mensalidade é a variação do valor pago ao plano de saúde. A variação pode acontecer por três motivos: necessidade de atualização

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A AUDITORIA DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PRODAF

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A AUDITORIA DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PRODAF TERMO DE REFERÊNCIA PARA A AUDITORIA DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PRODAF Introdução 1. O Estado do Piauí celebrou com o Banco Interamericano de Desenvolvimento - BID, em 22 de outubro de 2010, o Contrato

Leia mais

Art. 3º Para efeito deste Regulamento são adotadas as seguintes definições:

Art. 3º Para efeito deste Regulamento são adotadas as seguintes definições: Portaria SES-RS nº 767 DE 13/08/2015 Norma Estadual - Rio Grande do Sul Publicado no DOE em 26 ago 2015 Aprova os critérios e procedimentos para o recolhimento de alimentos, inclusive in natura, bebidas

Leia mais

Serão aceitos trabalhos com no máximo oito integrantes, sendo o autor principal e o apresentador acadêmicos em exercício.

Serão aceitos trabalhos com no máximo oito integrantes, sendo o autor principal e o apresentador acadêmicos em exercício. NORMAS PARA INSCRIÇÃO Para submeter um trabalho é obrigatório que todos os seus autores, inclusive o(s) orientador(es), estejam inscritos no XXXVIII Congresso Médico Universitário do ABC (COMUABC) e que

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO N o 337, DE 2005

PROJETO DE LEI DO SENADO N o 337, DE 2005 PROJETO DE LEI DO SENADO N o 337, DE 2005 Acrescenta o 5 o ao art. 46 da Lei 8.666, de 21 de junho de 1993, a fim de regular a utilização das licitações dos tipos melhor técnica e técnica e preço na contratação

Leia mais

A presente seção apresenta e especifica as hipótese que se buscou testar com o experimento. A seção 5 vai detalhar o desenho do experimento.

A presente seção apresenta e especifica as hipótese que se buscou testar com o experimento. A seção 5 vai detalhar o desenho do experimento. 4 Plano de Análise O desenho do experimento realizado foi elaborado de forma a identificar o quão relevantes para a explicação do fenômeno de overbidding são os fatores mencionados na literatura em questão

Leia mais

CHAMADA INTERNA Nº 01/2012/Gabinete/IFBAIANO PROGRAMA CIÊNCIA ITINERANTE Programa de Fomento à Institucionalização do Projeto Escola Itinerante

CHAMADA INTERNA Nº 01/2012/Gabinete/IFBAIANO PROGRAMA CIÊNCIA ITINERANTE Programa de Fomento à Institucionalização do Projeto Escola Itinerante MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO GABINETE DA REITORIA CHAMADA INTERNA Nº 01/2012/Gabinete/IFBAIANO PROGRAMA

Leia mais

Município de Oliveira do Hospital PROJETO DO REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS

Município de Oliveira do Hospital PROJETO DO REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS PROJETO DO REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS O Município de Oliveira do Hospital entende como de interesse municipal as iniciativas empresariais que contribuem para o desenvolvimento e dinamização

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº /200X. NOME DA INSTITUIÇÃO: Ernst & Young Terco (BRADLEI RICARDO MORETTI)

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº /200X. NOME DA INSTITUIÇÃO: Ernst & Young Terco (BRADLEI RICARDO MORETTI) MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº /200X NOME DA INSTITUIÇÃO: Ernst & Young Terco (BRADLEI RICARDO MORETTI) AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO:

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

Marcos Bragatto Superintendente de Regulação e Comercialização de Eletricidade ap049_2011@aneel.gov.br

Marcos Bragatto Superintendente de Regulação e Comercialização de Eletricidade ap049_2011@aneel.gov.br Ao Senhor Nélson José Hübner Moreira Diretor Geral da Agência Nacional de Energia Elétrica São Paulo, 7 de outubro de 2011 Carta Coex 219/2011 C/C: Marcos Bragatto Superintendente de Regulação e Comercialização

Leia mais

FACULDADE GUARAPUAVA CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS LICENCIATURA REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC

FACULDADE GUARAPUAVA CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS LICENCIATURA REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC FACULDADE GUARAPUAVA CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS LICENCIATURA REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC Guarapuava - 2013 I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este Regulamento estabelece as regras

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Subsecretaria de Finanças

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Subsecretaria de Finanças EXPLÍCITAS DIRETAS Governo do Estado do Rio de Janeiro III PROJETO PPP LINHA 3 Os valores listados na Tabela, abaixo, possuem referência no Estudo Técnico apresentado pelo Consórcio Rio de Janeiro em Movimento

Leia mais

EDITAL nº 084/2013 IFMG PUBLICAÇÃO DE ARTIGOS E RELATOS DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS SOBRE O PROEJA E PROEJA FIC NO ÂMBITO DO IFMG

EDITAL nº 084/2013 IFMG PUBLICAÇÃO DE ARTIGOS E RELATOS DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS SOBRE O PROEJA E PROEJA FIC NO ÂMBITO DO IFMG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS REITORIA PRÓ-REITORIA DE ENSINO Av. Professor Mario Werneck,

Leia mais

NORMA TÉCNICA PARA IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SISTEMAS OU APLICAÇÕES NO BANCO DE DADOS CORPORATIVO

NORMA TÉCNICA PARA IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SISTEMAS OU APLICAÇÕES NO BANCO DE DADOS CORPORATIVO NORMA TÉCNICA PARA IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SISTEMAS OU APLICAÇÕES NO BANCO DE DADOS CORPORATIVO Referência: NT-AI.04.02.01 http://www.unesp.br/ai/pdf/nt-ai.04.02.01.pdf Data: 27/07/2000 STATUS: EM VIGOR A

Leia mais

3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa

3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa 3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa Escolher o tipo de pesquisa a ser utilizado é um passo fundamental para se chegar a conclusões claras e responder os objetivos do trabalho. Como existem vários tipos

Leia mais

PRÊMIO APEx APTEL de Excelência REGULAMENTO GERAL 2010

PRÊMIO APEx APTEL de Excelência REGULAMENTO GERAL 2010 1 - O PRÊMIO APEX PRÊMIO APEx APTEL de Excelência REGULAMENTO GERAL 2010 O Prêmio APEX é dedicado a reconhecer e conectar as realizações específicas com os objetivos das empresas que resultam em implementação

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA , UNIVERSIDADE PAULISTA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA MANUAL ESPECÍFICO Projeto Integrado Multidisciplinar II PIM II RECURSOS HUMANOS 2º semestre, turmas ingressantes em Agosto. São Paulo 2011 1 PIM

Leia mais

Aula 9 ESCALA GRÁFICA. Antônio Carlos Campos

Aula 9 ESCALA GRÁFICA. Antônio Carlos Campos Aula 9 ESCALA GRÁFICA META Apresentar as formas de medição da proporcionalidade entre o mundo real e os mapas através das escalas gráficas. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: estabelecer formas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA REGULAMENTO N 001, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA REGULAMENTO N 001, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA REGULAMENTO N 001, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 Estabelece os procedimentos necessários à sistematização do Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Engenharia Mecânica é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares

Leia mais

Considerando que abrange, para os fins do presente termo, o bloqueio à ligações para telefones fixos e aparelhos de telefonia móvel em geral.

Considerando que abrange, para os fins do presente termo, o bloqueio à ligações para telefones fixos e aparelhos de telefonia móvel em geral. TERMOS E CONDIÇÕES DE USO TERMOS E CONDIÇÕES DE USO DO CADASTRO DE BLOQUEIO DE LIGAÇÕES DE TELEMARKETING OFERECIDO PELA GERÊNCIA DE DEFESA E PROTEÇÃO AO CONSUMIDOR PROCON/MA, NOS TERMOS DA LEI 9.053/2009,

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE MONITORIA DA UFPel CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

NORMAS DO PROGRAMA DE MONITORIA DA UFPel CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES NORMAS DO PROGRAMA DE MONITORIA DA UFPel CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Programa de Monitoria, vinculado à Seção de Apoio Estudantil da Coordenadoria de Assuntos Estudantis e Comunitários,

Leia mais

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DE TECNOLOGIA Departamento de Informática Curso de Engenharia de Computação/Bacharelado em Informática Coordenadoria do Trabalho de Conclusão

Leia mais

Regulamento de Compras :

Regulamento de Compras : Regulamento de Compras : Capítulo I: das Disposições Gerais Artigo 1º. O presente Regulamento estabelece normas para a contratação de obras e serviços e compras, no âmbito da Associação Fundo de Incentivo

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE-UNICENTRO SETOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE GUARAPUAVA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE-UNICENTRO SETOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE GUARAPUAVA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE-UNICENTRO SETOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE GUARAPUAVA DIRETRIZES PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) EM EDUCAÇÃO FÍSICA REGULAMENTO PARA

Leia mais

Aspectos Ambientais para Geração de Vácuo

Aspectos Ambientais para Geração de Vácuo Aspectos Ambientais para Geração de Vácuo Sumário Muitas etapas do trabalho no laboratório necessita do uso de vácuo. Para geração de vácuo uma bomba de vácuo tipo jato de água e uma bomba de vácuo (bombas

Leia mais

AMOSTRAGEM ESTATÍSTICA EM AUDITORIA PARTE ll

AMOSTRAGEM ESTATÍSTICA EM AUDITORIA PARTE ll AMOSTRAGEM ESTATÍSTICA EM AUDITORIA PARTE ll! Os parâmetros para decisão do auditor.! Tipos de planos de amostragem estatística em auditoria. Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CARIRI PRÓ-REITORIA DE CULTURA EDITAL Nº 11/2014/PROCULT

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CARIRI PRÓ-REITORIA DE CULTURA EDITAL Nº 11/2014/PROCULT EDITAL Nº 11/2014/PROCULT SELEÇÃO DE ESTUDANTES PARA CONCESSÃO DE BOLSA DE ESPORTE NO ÂMBITO DA - 2015 A Pró-Reitoria de Cultura torna pública a abertura das inscrições destinadas a selecionar estudantes

Leia mais

FMEA (Failure Model and Effect Analysis)

FMEA (Failure Model and Effect Analysis) Definição FMEA (Failure Model and Effect Analysis) Conceitos Básicos A metodologia de Análise do Tipo e Efeito de Falha, conhecida como FMEA (do inglês Failure Mode and Effect Analysis), é uma ferramenta

Leia mais

Estudo das Propriedades Físico Mecânicas do Papel a ser submetido ao 4º EETCG- Encontro de Engenharia e Tecnologia dos Campos Gerais

Estudo das Propriedades Físico Mecânicas do Papel a ser submetido ao 4º EETCG- Encontro de Engenharia e Tecnologia dos Campos Gerais Estudo das Propriedades Físico Mecânicas do Papel a ser submetido ao 4º EETCG- Encontro de Engenharia e Tecnologia dos Campos Gerais Pâmila Thais Heitkoeter de Melo (FATEB Faculdade de Telêmaco Borba)

Leia mais

DIRETRIZES PARA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO - CESCAGE

DIRETRIZES PARA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO - CESCAGE DIRETRIZES PARA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO - CESCAGE PONTA GROSSA 2013 Página 1 1. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1.1. A presente diretriz tem por finalidade normatizar a elaboração do

Leia mais

A SEGUIR ALGUMAS DICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE UM PROJETO CIENTÍFICO

A SEGUIR ALGUMAS DICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE UM PROJETO CIENTÍFICO A SEGUIR ALGUMAS DICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE UM PROJETO CIENTÍFICO DESENVOLVENDO UM PROJETO 1. Pense em um tema de seu interesse ou um problema que você gostaria de resolver. 2. Obtenha um caderno

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO CULTURAL MARATONAS DE NEGOCIOS CAMPUS PARTY 2015

REGULAMENTO DO CONCURSO CULTURAL MARATONAS DE NEGOCIOS CAMPUS PARTY 2015 REGULAMENTO DO CONCURSO CULTURAL MARATONAS DE NEGOCIOS CAMPUS PARTY 2015 DO CONCURSO CULTURAL 1. O Concurso Cultural denominado MARATONAS DE NEGOCIOS CAMPUS PARTY 2015 é promovido pela FUTURA NETWORKS

Leia mais

EM1010 R6 Adaptador de Rede USB 10/100 Mbps

EM1010 R6 Adaptador de Rede USB 10/100 Mbps EM1010 R6 Adaptador de Rede USB 10/100 Mbps EM1010 Adaptador de Rede USB 2 PORTUGUÊS Índice 1.0 Introdução... 2 1.1 Funções e funcionalidades... 2 1.2 Conteúdo da embalagem... 2 1.3 Antes de começar...

Leia mais

TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO

TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO (Adaptado do texto do prof. Adair Santa Catarina) ALGORITMOS COM QUALIDADE MÁXIMAS DE PROGRAMAÇÃO 1) Algoritmos devem ser feitos para serem lidos por seres humanos: Tenha em mente

Leia mais

A computação forense e perícia digital na sociedade contemporânea

A computação forense e perícia digital na sociedade contemporânea A computação forense e perícia digital na sociedade contemporânea DANTAS, Elias Rangel (1); MEIRELLES, Sara Garcia (1); SANTOS, Lorena Rodrigues dos (1); COTA, Maria Aparecida Mendes Leite (2) (1) Alunos

Leia mais

Faculdade Batista de Minas Gerais. Curso de Direito. Edital de Monitoria No. 1/2014.2. AGOSTO de 2014

Faculdade Batista de Minas Gerais. Curso de Direito. Edital de Monitoria No. 1/2014.2. AGOSTO de 2014 Faculdade Batista de Minas Gerais Curso de Direito Edital de Monitoria No. 1/2014.2 AGOSTO de 2014 EDITAL DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE MONITORIA ACADÊMICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE BATISTA DE MINAS

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA EAD

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA EAD CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA EAD CONTRATANTE: A PESSOA FÍSICA identificada no formulário de matrícula do curso, que, para todos os efeitos,

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA COMPUTAÇÃO 1 UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA COMPUTAÇÃO ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS (Orientações para a realização das APS dos Cursos de Engenharia

Leia mais

COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ

COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ 1. ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO (TCLE) A importância do TCLE. A Resolução CNS 196/96 afirma

Leia mais

REGULAMENTO DA MONOGRAFIA DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CEFET-SP DO OBJETIVO DA PROPOSTA DE MONOGRAFIA

REGULAMENTO DA MONOGRAFIA DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CEFET-SP DO OBJETIVO DA PROPOSTA DE MONOGRAFIA REGULAMENTO DA MONOGRAFIA DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CEFET-SP DO OBJETIVO Normatiza as atividades relacionadas à monografia da pós-graduação lato sensu do CEFET-SP. Art. 1º. Os objetivos da monografia

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Tópicos Avançados II 5º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 3: Políticas e Declaração de

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL

REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL O Município de Chaves tem entendido como de interesse municipal as iniciativas empresariais de natureza económica que contribuem

Leia mais

1.OBJETIVO 2.APLICAÇÃO 3.ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4.DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5.TERMINOLOGIA 6.DESCRIÇÃO DO PROCESSO

1.OBJETIVO 2.APLICAÇÃO 3.ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4.DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5.TERMINOLOGIA 6.DESCRIÇÃO DO PROCESSO Aprovado ' Elaborado por Fernando Cianci/BRA/VERITAS em 28/11/2014 Verificado por Jose Eduardo em 28/11/2014 Aprovado por Sandro de Luca/BRA/VERITAS em 04/12/2014 ÁREA GFI Tipo Procedimento Regional Número

Leia mais

Modelo TS-243 ESCOVA GIRATÓRIA ARGAN OIL + ION MANUAL DE INSTRUÇÕES

Modelo TS-243 ESCOVA GIRATÓRIA ARGAN OIL + ION MANUAL DE INSTRUÇÕES Modelo TS-243 ESCOVA GIRATÓRIA ARGAN OIL + ION MANUAL DE INSTRUÇÕES PRECAUÇÕES IMPORTANTES As instruções de segurança devem sempre ser seguidas para reduzir riscos. É importante ler com cuidado todas as

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS)

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) Temas para Discussão 1) DISPOSIÇÕES GERAIS 2) DEFINIÇÕES GERAIS 3) CARACTERÍSTICAS E ATRIBUTOS DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS 4) EVIDENCIAÇÃO

Leia mais

GONÇALVES, Eugênio Celso & BAPTISTA, Antonio Eustáquio. Contabilidade geral. 5ªedição São Paulo: Editora Atlas, 2004.

GONÇALVES, Eugênio Celso & BAPTISTA, Antonio Eustáquio. Contabilidade geral. 5ªedição São Paulo: Editora Atlas, 2004. SUPERVISÃO DE ESTAGIO EMENTA Articulação entre teoria e prática das várias possibilidades de atuação profissional docontador. Identificação e avaliação dos procedimentos contábeis e aplicação dosinstrumentos

Leia mais

GEO A75 - Trabalho Final de Graduação I

GEO A75 - Trabalho Final de Graduação I - GEO A75 - Trabalho Final de Graduação I http://www.moodle.ufba.br/course/view.php?id=10353 Departamento de Geologia e geofísica Aplicada http://www.moodle.ufba.br/course/category.php?id=131 - Ciência

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 01/2015

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 01/2015 RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 01/2015 A Presidente do Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSEPE da Universidade Estadual de Santa Cruz UESC, no uso de suas atribuições, considerando o deliberado

Leia mais

REGULAMENTO GERAL 5º Edição do Prêmio CISER de Inovação Tecnológica

REGULAMENTO GERAL 5º Edição do Prêmio CISER de Inovação Tecnológica REGULAMENTO GERAL 5º Edição do Prêmio CISER de Inovação Tecnológica 1. O PRÊMIO O Prêmio CISER de Inovação Tecnológica, doravante denominado PRÊMIO, promovido pela Cia. Industrial H. Carlos Schneider (CISER),

Leia mais

6 A coleta de dados: métodos e técnicas utilizadas na pesquisa

6 A coleta de dados: métodos e técnicas utilizadas na pesquisa A coleta de dados: métodos e técnicas utilizadas na pesquisa 110 6 A coleta de dados: métodos e técnicas utilizadas na pesquisa 6.1. Introdução Neste capítulo pretende-se apresentar os métodos e as técnicas

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO DE PONTE DE SOR

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO DE PONTE DE SOR ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO DE PONTE DE SOR CURSOS PROFISSIONAIS ANO LECTIVO 2006 / 2007 Cursos Profissionais Cursos vocacionados para a qualificação inicial dos alunos, privilegiando

Leia mais

Regulamento do VII Congresso de Iniciação Científica Júnior (CICFAI Júnior) das Faculdades Adamantinenses Integradas - FAI Adamantina/SP - 2014

Regulamento do VII Congresso de Iniciação Científica Júnior (CICFAI Júnior) das Faculdades Adamantinenses Integradas - FAI Adamantina/SP - 2014 Regulamento do VII Congresso de Iniciação Científica Júnior (CICFAI Júnior) das Faculdades Adamantinenses Integradas - FAI Adamantina/SP - 2014 Este regulamento tem como objetivo traçar as diretrizes organizacionais

Leia mais

PRÊMIO FRANCISCO CUNHA PEREIRA FILHO TERCEIRA EDIÇÃO 2015 REGULAMENTO

PRÊMIO FRANCISCO CUNHA PEREIRA FILHO TERCEIRA EDIÇÃO 2015 REGULAMENTO PRÊMIO FRANCISCO CUNHA PEREIRA FILHO TERCEIRA EDIÇÃO 2015 REGULAMENTO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. O Instituto dos Advogados do Paraná promove o PRÊMIO FRANCISCO CUNHA PEREIRA FILHO, em sua terceira

Leia mais

1.2.1. Proporcionar ao Corpo Docente a participação de monitores junto ao desenvolvimento de suas disciplinas.

1.2.1. Proporcionar ao Corpo Docente a participação de monitores junto ao desenvolvimento de suas disciplinas. A Coordenação de Pesquisa e Extensão (COPEX) da Faculdade Metropolitana da Grande Recife, em conjunto com a Direção Acadêmica, abre inscrições aos alunos de graduação interessados em participar do Programa

Leia mais

4. RESULTADOS E DISCUSSÃO

4. RESULTADOS E DISCUSSÃO 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO 4.1. Energia cinética das precipitações Na Figura 9 estão apresentadas as curvas de caracterização da energia cinética aplicada pelo simulador de chuvas e calculada para a chuva

Leia mais

Produtos para os cabelos. Prof. Msc. Mayara Peron

Produtos para os cabelos. Prof. Msc. Mayara Peron Prof. Msc. Mayara Peron Brasil é o 2º maior mercado mundial em produtos para cabelos (Franquilino, 2009). CABELO Divisão do cabelo; Composição do cabelo; Tipos de cabelos; Fases de crescimento do cabelo.

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Matemática versus Estágio Supervisionado

Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Matemática versus Estágio Supervisionado Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Matemática versus Estágio Supervisionado O objetivo deste texto é destacar as principais atividades envolvendo o projeto pedagógico do curso de licenciatura

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TSC 4410, DE 30 DE AGOSTO DE 2013

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TSC 4410, DE 30 DE AGOSTO DE 2013 NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TSC 4410, DE 30 DE AGOSTO DE 2013 Dispõe sobre trabalho de compilação de informações contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições

Leia mais

REGULAMENTO PROMOÇÃO SEU FUTURO COM 1 MILHÃO DE PONTOS MULTIPLUS

REGULAMENTO PROMOÇÃO SEU FUTURO COM 1 MILHÃO DE PONTOS MULTIPLUS REGULAMENTO PROMOÇÃO SEU FUTURO COM 1 MILHÃO DE PONTOS MULTIPLUS MULTIPLUS S.A. Rua Ministro Jesuíno Cardoso, 454, 2ª Andar Vila Nova Conceição - São Paulo SP CNPJ nº 11.094.546/0001-75 Nesta promoção

Leia mais

ITIL v3 - Operação de Serviço - Parte 1

ITIL v3 - Operação de Serviço - Parte 1 ITIL v3 - Operação de Serviço - Parte 1 É na Operação de Serviço que se coordena e realiza as atividades e processos necessários para fornecer e gerenciar serviços em níveis acordados com o usuário e clientes

Leia mais

ANEXO C PROCEDIMENTO ALTERNATIVO PARA LICITAÇÕES

ANEXO C PROCEDIMENTO ALTERNATIVO PARA LICITAÇÕES ANEXO C LEG/OPR1/IDBDOCS: 547205 PROCEDIMENTO ALTERNATIVO PARA LICITAÇÕES Programa de Modernização do Sistema de Controle Externo dos Estados, Distrito Federal e Municípios Brasileiros - PROMOEX (Fase

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DO PROJETO-PILOTO DE INTEGRAÇÃO DOS ATRIBUTOS PROFISSIONAIS DA ORDEM DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS NO SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ATRIBUTOS PROFISSIONAIS (SCAP) Entre:

Leia mais

Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso do Bacharelado em Sistemas de Informação. Capítulo I Das Disposições Preliminares

Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso do Bacharelado em Sistemas de Informação. Capítulo I Das Disposições Preliminares Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso do Bacharelado em Sistemas de Informação Capítulo I Das Disposições Preliminares Art. 1. Este regulamento define as diretrizes técnicas, procedimentos de acompanhamento

Leia mais

Resultados da Pesquisa IDIS de Investimento Social na Comunidade 2004

Resultados da Pesquisa IDIS de Investimento Social na Comunidade 2004 Resultados da Pesquisa IDIS de Investimento Social na Comunidade 2004 Por Zilda Knoploch, presidente da Enfoque Pesquisa de Marketing Este material foi elaborado pela Enfoque Pesquisa de Marketing, empresa

Leia mais

CONCURSO: AS MELHORES PRÁTICAS DE ESTÁGIO NA PMSP.

CONCURSO: AS MELHORES PRÁTICAS DE ESTÁGIO NA PMSP. CONCURSO: AS MELHORES PRÁTICAS DE ESTÁGIO NA PMSP. A Prefeitura do Município de São Paulo - PMSP, por meio da Secretaria Municipal de Gestão - SMG, mantém o Sistema Municipal de Estágios, que é coordenado

Leia mais

Secos, mistos, oleosos. Qual o seu tipo de cabelo? Você cuida bem de seus cabelos? Confira algumas dicas da dermatologista Dra. Andréa Botto.

Secos, mistos, oleosos. Qual o seu tipo de cabelo? Você cuida bem de seus cabelos? Confira algumas dicas da dermatologista Dra. Andréa Botto. Secos, mistos, oleosos. Qual o seu tipo de cabelo? Você cuida bem de seus cabelos? Confira algumas dicas da dermatologista Dra. Andréa Botto. CONTEÚDO HOMOLOGADO Nesta entrevista ao isaúde Bahia, a médica

Leia mais

Legitimação dos conceitos face as práticas organizacionais; Oportunizar reflexão sobre as competências em desenvolvimento;

Legitimação dos conceitos face as práticas organizacionais; Oportunizar reflexão sobre as competências em desenvolvimento; 1 MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS INTEGRADORES CURSO SUPERIORES DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA (LOGÍSTICA) SÃO PAULO 2009 2 Introdução A prática pedagógica dos Cursos Superiores de Graduação

Leia mais

Município de Valpaços

Município de Valpaços Município de Valpaços Regulamento Municipal de Atribuição de Apoios às Freguesias Preâmbulo A Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro aprovou o regime jurídico das autarquias locais, o estatuto das entidades

Leia mais

Edital do Processo Seletivo

Edital do Processo Seletivo Edital do Processo Seletivo EDITAL GERAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA O PROCESSO SELETIVO DO PRÉ UNIVERSITÁRIO MUNICIPAL 2016 A prefeitura municipal de São Mateus do Maranhão, por meio da secretaria

Leia mais

Resolução da Assembleia da República n.º 64/98 Convenção n.º 162 da Organização Internacional do Trabalho, sobre a segurança na utilização do amianto.

Resolução da Assembleia da República n.º 64/98 Convenção n.º 162 da Organização Internacional do Trabalho, sobre a segurança na utilização do amianto. Resolução da Assembleia da República n.º 64/98 Convenção n.º 162 da Organização Internacional do Trabalho, sobre a segurança na utilização do amianto. Aprova, para ratificação, a Convenção n.º 162 da Organização

Leia mais

EDITAL 001/2015 PROCEDIMENTO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PMI

EDITAL 001/2015 PROCEDIMENTO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PMI EDITAL 001/2015 PROCEDIMENTO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PMI PROCEDIMENTO DE SOLICITAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PREFEITURA MUNICIPAL DE SORRISO/MT PMI Nº 001/2015, PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS

Leia mais

XIV FESTIVAL DE MÚSICA EDUCADORA FM EDITAL Nº /2016

XIV FESTIVAL DE MÚSICA EDUCADORA FM EDITAL Nº /2016 1 CONCURSO PARA PREMIAÇÃO DE OBRAS MUSICAIS INÉDITAS E GRAVADAS XIV FESTIVAL DE MÚSICA EDUCADORA FM EDITAL Nº /2016 O IRDEB INSTITUTO DE RADIODIFUSÃO EDUCATIVA DA BAHIA, fundação pública vinculada à SEC

Leia mais

DIRETORIA COMERCIAL PLANO DE OCUPAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DA COELCE

DIRETORIA COMERCIAL PLANO DE OCUPAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DA COELCE DIRETORIA COMERCIAL PLANO DE OCUPAÇÃO DIRETORIA COMERCIAL JUN/21 S U M Á R I O 1 OBJETIVO...1 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS, DE CONDIÇÕES TÉCNICAS E DE SEGURANÇA...1 3 CLASSES DE INFRAESTRUTURAS DISPONIBILIZADAS...2

Leia mais

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2015/2016 Sendo a avaliação um «processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar

Leia mais

Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO. 1- Como aderir à proposta AMQ?

Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO. 1- Como aderir à proposta AMQ? Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO 1- Como aderir à proposta AMQ? A adesão é realizada através do preenchimento e envio do Formulário de Cadastramento Municipal no site do projeto. O gestor municipal da saúde

Leia mais

PORTARIA FATEC / PRESIDENTE PRUDENTE Nº 90/2015 DE 08 DE SETEMBRO DE 2015. Regulamenta os trabalhos de graduação dos cursos superiores da Faculdade de Tecnologia de Presidente Prudente. O diretor da Faculdade

Leia mais

NORMAS PARA INSCRIÇÃO E APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS NO II SIMPÓSIO REGIONAL DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS

NORMAS PARA INSCRIÇÃO E APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS NO II SIMPÓSIO REGIONAL DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS NORMAS PARA INSCRIÇÃO E APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS NO II SIMPÓSIO REGIONAL DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS O II SIMPÓSIO REGIONAL DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS oferece somente uma possibilidade de inscrição de trabalho:

Leia mais

COMO LEVAR A COR A OUTRO NÍVEL. Siga as instruções Descarrega da aplicação Ver os videos no YouTube

COMO LEVAR A COR A OUTRO NÍVEL. Siga as instruções Descarrega da aplicação Ver os videos no YouTube COMO LEVAR A COR A OUTRO NÍVEL Siga as instruções Descarrega da aplicação Ver os videos no YouTube INSTRUÇÕES DE USO PARA NOVOS UTILIZADORES AMOR APRENDER CRESCER ATINGIR MELHORAR ENSINAR PARTILHAR OLAPLEX

Leia mais

Tratamento Com Escova Progressiva Gold

Tratamento Com Escova Progressiva Gold Tratamento Com Escova Progressiva Gold PRODUTOS NECESSÁRIOS: KERATIN PLUS GOLD SHAMPOO KERATIN PLUS GOLD TREATMENT ENHANCING SHAMPOO REVITAL MASK SERUM PRANCHA J PREMIUM 1 PASSO-A-PASSO - Tratamento Escova

Leia mais

A ILMO. PREGOEIRO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA

A ILMO. PREGOEIRO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A ILMO. PREGOEIRO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA REF:PREGÃO ELETRONICO Nº PE 57/2015 Itens 01e 02. FRAGCENTER COMERCIO E SERVIÇOS LTDA-ME, pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ sob o nº.

Leia mais

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Preâmbulo A Câmara Municipal de Nordeste tem vindo a apoiar ao longo dos anos de forma directa e organizada toda a actividade desportiva no concelho

Leia mais

REGIMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO

REGIMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO Res. CONSUN nº 49/03, 10/12/03 Art. 1 o O presente documento objetiva fornecer as orientações

Leia mais

Projeto de Regulamento de Concessão de Apoios. Freguesia de Fátima

Projeto de Regulamento de Concessão de Apoios. Freguesia de Fátima Projeto de Regulamento de Concessão de Apoios Freguesia de Fátima Índice Nota justificativa... 2 Capítulo I - Disposições gerais... 2 Artigo 1.º Lei habitante... 2 Artigo 2.º Objeto... 3 Artigo 3.º Âmbito

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n o 06577/2007/RJ COGCE/SEAE/MF Rio de janeiro, 11 de outubro de 2007.. Referência: Processo n.º 18101.000561/2007-11. Assunto: Distribuição

Leia mais

Tecelagem Manual TEAR PENTE LIÇO PADRONAGENS

Tecelagem Manual TEAR PENTE LIÇO PADRONAGENS Tecelagem Manual TEAR PENTE LIÇO PADRONAGENS Engº Áquila Klippel R. Laurindo Januário da Silveira 2626 CEP 88062-200 Fone (48) 232-6131 Email: aklippel@tecelagemanual.com.br Florianópolis SC TÉCNICAS BÁSICAS

Leia mais

P4-MPS.BR - Prova de Conhecimento do Processo de Aquisição do MPS.BR

P4-MPS.BR - Prova de Conhecimento do Processo de Aquisição do MPS.BR Data: 6 de Dezembro de 2011 Horário: 13:00 às 17:00 horas (hora de Brasília) Nome: e-mail: Nota: INSTRUÇÕES Você deve responder a todas as questões. O total máximo de pontos da prova é de 100 pontos (100%),

Leia mais

Q-Acadêmico. Módulo CIEE - Estágio. Revisão 01

Q-Acadêmico. Módulo CIEE - Estágio. Revisão 01 Q-Acadêmico Módulo CIEE - Estágio Revisão 01 SUMÁRIO 1. VISÃO GERAL DO MÓDULO... 2 1.1 PRÉ-REQUISITOS... 2 2. ORDEM DE CADASTROS PARA UTILIZAÇÃO DO MÓDULO CIEE... 3 2.1 CADASTRANDO EMPRESAS... 3 2.1.1

Leia mais