Modelo Entidade - Relacionamento (ER ou MER) Parte 2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Modelo Entidade - Relacionamento (ER ou MER) Parte 2"

Transcrição

1 Modelo Entidade - Relacionamento (ER ou MER) Parte 2 ISTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊCIA E TECOLOGIA DE SATA CATARIA CAMPUS DE FLORIAÓPOLIS CURSO TÉCICO T DE METEOROLOGIA DASS - Departamento Acadêmico de Saúde e Serviços Unidade Curricular De Sistema de Banco de Dados Prof. Marcos Antônio Viana ascimento

2 os dias atuais se comenta muito sobre a qualidade de vida das pessoas. Um dos comentários mais ouvidos é que, para estar bem com a vida, devemos em primeiro lugar estar bem conosco. Devemos nos autorrelacionar muito bem, gostar de nós mesmos antes de tudo para poder encarar a vida. Estas afirmativas apresentam um relacionamento do ser humano consigo mesmo, isto é, autorelacionamento. SBD /2 2

3 A situação mais típica dos relacionamentos que existem e entre duas entidades, o qual chamamos de Relacionamento Binário. Entretanto, podemos ter relacionamento de uma entidade com ela mesma, chamado de Unário. O relacionamento de duas entidades com uma terceira e chamado de Ternário. Podem existir relacionamentos entre 4, 5 e entidades. A função que uma entidade desempenha em um relacionamento é chamada Papel. Assim, pode ocorrer de um mesmo conjunto de entidades participar de um conjunto de relacionamentos mais de uma vez em diferentes papeis. SBD /2 3

4 Relacionamento UARIO ou Auto-Relacionamento São relacionamentos que se estabelecem entre os elementos de uma mesma entidade. Funcionário Funcionário subordinado 1: chefe (1,1) (1,) Chefia subordinado Lucia Carolina Guilherme Hewerton Laís Iracema Ventura Chefe SBD /2 4

5 Auto-relacionamentos são, na maioria das vezes, representações de estruturas de hierarquias. Vamos considerar a entidade Pessoa cujas ocorrências são representativas de inúmeras pessoas de um determinado local. Entre essas inúmeras ocorrências de pessoas existem relacionamentos bem definidos, tais como, É filho de, Tem Pai, Tem Mãe, etc.. SBD /2 5

6 Pessoa Um filho (Pessoa) pode ter no Mínimo 1 pai e no Maximo 1 (1,1) 1: Tem Pai Uma pessoa (Pai) tem muitos filhos: 1: Um pai (Pessoa) pode ter no Mínimo 1 filho e no Maximo (1,) 1 1 Mãe Pessoa Pai Filho Uma filho (Pessoa) pode ter no Mínimo 1 mãe e no Maximo 1 (1,1) Pessoa 1: Tem Mãe Uma Mãe (Pessoa) pode ter no Mínimo 1 filho e no Maximo (1,) Tem Mãe Tem Pai Uma pessoa (Mãe) tem muitos filhos: 1: SBD /2 6

7 Composto Produto : Componente Em uma industria um produto é composto de vários outros produtos: 1: Por outro lado, um produto componente pode participar da composição de muitos produtos: 1: Compõe Um componente (produto) compõe no Mínimo 1 produto e no Maximo (1,). Pessoa 1:1 Marido Esposa Casamento SBD /2 7

8 Ate o momento apresentamos e analisamos situações em que as entidades se relacionavam aos pares, isto e, relacionamentos Binários. E e assim que deve ocorrer quando estamos no principio da construção da modelagem de dados: analisar as entidades aos pares. O relacionamento entre múltiplas entidades expressam um fato em que todas as entidades ocorrem simultaneamente, ou seja, todas as ocorrências do relacionamento possuem, sempre, ligações com todas as entidades envolvidas no relacionamento. ão e possível um relacionamento triplo, em um determinado momento, transformar-se em duplo. SBD /2 8

9 Considere as entidades abaixo, na realidade de uma escola. Qual o grau do relacionamento entre as entidades? Aluno Cursa Disciplina : 1. Um alunos pode cursar no mínimo 1 e no máximo disciplinas; 2. Em uma disciplina podemos ter cursando no mínimo 1 e no máximo alunos; 3. Portanto, o grau do relacionamento é muitos para muitos, isto é, : SBD /2 9

10 Considere as entidades abaixo, na realidade de uma escola. Qual o grau do relacionamento entre as entidades? Professor Ministra Disciplina : 1. Um professor pode cursar no mínimo 1 e no máximo disciplinas; 2. Uma disciplina pode ser ministrada no mínimo 1 e no máximo professores; 3. Portanto, o grau do relacionamento é muitos para muitos, isto é, : SBD /2 10

11 Considere as entidades abaixo, na realidade de uma escola. Qual o grau do relacionamento entre as entidades? Professor Aula Aluno : 1. Um professor pode dar aula para no mínimo 1 e no máximo alunos; 2. Um aluno pode aula com no mínimo 1 e no máximo professores; 3. Portanto, o grau do relacionamento é muitos para muitos, isto é, : SBD /2 11

12 Aluno Cursam Disciplina Professor E Agora! Como resolver? 1. Quando um aluno esta matriculado em uma disciplina, ele tem sempre um professor. 2. Um aluno pode estar matriculado em varias disciplinas. 3. Uma disciplina tem vários alunos matriculados, e somente um professor. 4. Um professor leciona uma disciplina para vários alunos. 5. Um aluno em uma disciplina sempre tem um professor. 6. Uma disciplina com alunos sempre tem um professor. 7. Um professor com aluno sempre tem uma disciplina. SBD /2 12

13 Relacionamento Ternário Aluno (1,) Cursam (1,) Disciplina (1,1) Professor Isolando ALUO Para cada par Professor-Disciplina podemos ter de 1 a Alunos relacionados. Isolando PROFESSOR Para cada par Aluno-Disciplina podemos ter de 1 e somente 1 Professor relacionado. Isolando DISCIPLIA Para cada par Professor-Aluno podemos ter SBD /2 13 de 1 a Disciplinas relacionadas.

14 : Aluno Cursam Disciplina 1: 1 1: Professor SBD /2 14

15 Existem situações em que a visão dos dados nos deixa dúvida de como representar um fato que está relacionado a ouro fato. Isso equivale a dizer que um relacionamento está relacionado a outro. Conceitualmente, não existem relacionamentos entre relacionamentos; é uma inverdade conceitual. O que existe no mundo real são relacionamentos dependentes de outros, que somente existem após a ocorrência de outro, considerado fundamental. A essas situações chamadas de AGREGAÇÃO, em que consiste numa forma de abstração onde o relacionamento entre objetos é considerado um objeto de nível mais elevado. SBD /2 15

16 Disciplina ão é Permitido!!! Ministra É freqüentada Professor Aluno SBD /2 16

17 Meliante Assassina Vitima Crime Usa Arma SBD /2 17

18 Utilizando Entidades Associativas Meliante 1 1 Faz Crime Tem Vitima 1 Usa 1 Arma SBD /2 18

19 Funcionário Alocado Projeto Usa 1 Computador SBD /2 19

20 Utilizando Entidades Associativas Funcionário 1 Tem Alocação Associado 1 Projeto 1 Possui Utilização Usa 1 Computador SBD /2 20

21 Fato 1 Médico Atende Paciente Usa Fato 2 1 Clinica Atua Local SBD /2 21

22 Utilizando Entidades Associativas Médico 1 Consulta 1 Paciente Realiza 1 Clinica 1 Clinica 1 local Local SBD /2 22

23 Generalização e Especialização IE ome Endereço CPJ Pessoas Tipo sangue Razão Social CPF Filiação Telefone RG Sexo Cidade SBD /2 23

24 Generalização e Especialização Telefone ome Cidade Pessoas Cod_Pessoa Cod_Pessoa Endereço Sexo Tipo Pessoa IE RG Pessoa Física Pessoa Jurídica CPJ Filiação Tipo sangue CPF Cod_Pessoa Razão Social SBD /2 24

25 Generalização e Especialização Aluno Médico Engenheiro Matrícula CRM CREA ome ome ome Idade Idade Idade Sexo Sexo Sexo Altura Altura Altura SBD /2 25

26 Generalização e Especialização ome Idade Altura PESSOA Sexo GEERALIZAR Aluno Médico Engenheiro Matrícula CRM CREA SBD /2 26

27 Generalização e Especialização Idade ome PESSOA Sexo Altura Tipo Pesooa ALUO Matrícula MÉDICO EGEHEIRO CREA CRM SBD /2 27

28 Propriedades da Generalização Disjunção x Sobreposição (D x S) Se uma entidade especializada puder pertencer a mais de um subconjunto de entidades ao mesmo tempo, diz-se ter uma sobreposição, caso contrário, disjunção. Cobertura Total ou Parcial (T x P) Se toda entidade pertencente ao conjunto de entidades genérica pertencer a alguma entidade no conjunto de entidades especializadas, então tem-se cobertura total; caso contrário, cobertura parcial. SBD /2 28

29 Generalização e Especialização Idade ome PESSOA Sexo Altura DISJUÇÃO SOBREPOSIÇÃO LÚCIA Tipo Pesooa ALUO ou e EGEHEIRO Matrícula MÉDICO CREA CRM SBD /2 29

30 Generalização e Especialização Idade ome PESSOA Sexo Altura TOTAL LÚCIA Tipo Pesooa e/ou ALUO Matrícula e/ou MÉDICO EGEHEIRO CREA CRM SBD /2 30

31 Generalização e Especialização Idade ome PESSOA Sexo Altura PARCIAL LÚCIA Tipo Pesooa ALUO Matrícula MÉDICO EGEHEIRO CREA CRM SBD /2 31

32 Estudante Tipo Estudante Graduação Pós-Graduação Técnico Tipo Técnico Pós-Médio Integrado SBD /2 32

33 Especialização Conta Empregado Tipo Conta Tipo Funcionário Especial Poupança Secretario Técnico Engenheiro SBD /2 33

34 Pessoa: Código, TipoDePessoa, ome, Endereço, Telefone, CPF, RG, CPJ, IE, RazaoSocial 2) Criar uma tabela para cada especialização e definir mais um campo identificador Pessoa: Código, ome, Endereço, Telefone Pessoa_Fisica: CodPessoa, CPF, RG Pessoa_Juridica: CodPessoa, CPJ, IE, RazaoSocial A vantagem da primeira alternativa é que não precisaremos fazer junções da tabela generalizada (Pessoa) com a tabela especializada (Pessoa Física ou Jurídica) quando precisarmos de informações específicas. Outra vantagem é que a chave primária da tabela Pessoa fica armazenada somente 1 vez no banco de dados. A desvantagem é que, ao fazermos uma consulta no banco de dados, a linha inteira (todos os campos) são carregados na memória, mas sabemos que haverão campos em branco, dependendo do tipo de Pessoa cadastrada. a segunda alternativa, há a necessidade de fazer junções quando formos obter todas as informações de uma Pessoa. Porém, a vantagem é que teremos somente os dados necessários sem a necessidade de carregar todos os campos na memória, gerando mais acessos ao banco de dados. As chaves primárias de Pessoa são repetidas nas tabelas especializadas e, quando houver atualização das informações de uma pessoa, haverá a necessidade de criar uma instrução para cada tabela especializada. A escolha de um dos tipos de tradução para generalizações/especializações irá depender do projeto que está sendo construído e dos recursos disponíveis para quem está modelando. ada impede que as duas alternativas sejam usadas no mesmo projeto de banco de dados, uma alternativa pra cada caso de tabelas generalizadas. SBD /2 34

Projeto de Banco de Dados

Projeto de Banco de Dados Projeto de Banco de Dados Atividade de modelagem de dados em diversos níveis de abstração Modelagem conceitual (projeto conceitual) abstração de mais alto nível objetivo: representação dos requisitos de

Leia mais

Banco de Dados - Senado

Banco de Dados - Senado Banco de Dados - Senado Introdução Ilka Kawashita Material preparado :Prof. Marcio Vitorino Ementa do Curso n Banco de Dados n Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) n ORACLE BANCO DE DADOS (BD) n Modelo Entidade

Leia mais

Disciplina: Unidade II: Prof.: E-mail: Período:

Disciplina: Unidade II: Prof.: E-mail: Período: Encontro 03 Disciplina: Sistemas de Banco de Dados Unidade II: Modelagem Conceitual de Dados Prof.: Mario Filho E-mail: pro@mariofilho.com.br Período: 5º. SIG - ADM 2. Modelagem Conceitual de Dados (Modelo

Leia mais

Propriedades de entidades

Propriedades de entidades Propriedades de entidades Angélica Toffano Seidel Calazans E-mail: angelica_toffano@yahoo.com.br Abordagem Entidade-Relacionamento Entidade isoladamente não informa nada. É necessário atribuir propriedades

Leia mais

Fernando Fonseca Ana Carolina

Fernando Fonseca Ana Carolina Banco de Dados Ciclo de Desenvolvimento de Sistemas de BD Investigação dos Dados Modelagem dos Dados Modelagem Conceitual Projeto do Banco de Dados Fernando Fonseca Ana Carolina Implementação do Banco

Leia mais

PROJETO DE BANCO DE DADOS -PROJETO CONCEITUAL. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

PROJETO DE BANCO DE DADOS -PROJETO CONCEITUAL. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. PROJETO DE BANCO DE DADOS -PROJETO CONCEITUAL Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. PROJETO CONCEITUAL Levantamento de requisitos Modelagem Conceitual Modelo ER PROJETO CONCEITUAL Parte integrante do Projeto

Leia mais

Administração de Bancos de Dados

Administração de Bancos de Dados Modelo Entidade-Relacionamento Prof. Rodrigo M. Silva Administração de Bancos de Dados 1 silvars@gmail.com Plano de Aula Modelos de Dados (Revisão) O Modelo Entidade-Relacionamento Entidades Atributos

Leia mais

Modelo de Entidade e Relacionamento (MER) - Parte 07

Modelo de Entidade e Relacionamento (MER) - Parte 07 Modelo de Entidade e Relacionamento (MER) - Parte 07 7.1 Definição Consiste em mapear o mundo real do sistema em um modelo gráfico que irá representar o modelo e o relacionamento existente entre os dados.

Leia mais

Modelo Entidade - Relacionamento (ER ou MER) Parte 3

Modelo Entidade - Relacionamento (ER ou MER) Parte 3 Modelo Entidade - Relacionamento (ER ou MER) Parte 3 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS DE FLORIANÓPOLIS CURSO TÉCNICO T DE METEOROLOGIA DASS - Departamento Acadêmico

Leia mais

Banco de Dados 1 2º Semestre

Banco de Dados 1 2º Semestre Banco de Dados 1 2º Semestre Aula 07 Prof. Gladimir Ceroni Catarino gladimir@gmail.com SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS o Uma coletânea de conceitos que

Leia mais

Descreve relacionamentos entre objetos de dados; conduz à modelagem de dados; atributos de cada objeto => Descrição de Objetos de Dados;

Descreve relacionamentos entre objetos de dados; conduz à modelagem de dados; atributos de cada objeto => Descrição de Objetos de Dados; Diagrama Entidade-Relacionamento (DER) Descreve relacionamentos entre objetos de dados; conduz à modelagem de dados; atributos de cada objeto => Descrição de Objetos de Dados; Profa. Maria Auxiliadora

Leia mais

Modelo Entidade-Relacionamento. Prof. Antonio Almeida de Barros Jr.

Modelo Entidade-Relacionamento. Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Modelo Entidade-Relacionamento Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Conteúdo Contexto Histórico A Importância da Modelagem de Dados Projeto de Banco de Dados Modelagem Conceitual Projeto Lógico Projeto

Leia mais

ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO

ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO BANCO DE DADOS I CONTEÚDO 2 Prof. Msc. Ricardo Antonello ABORDAGEM ER A primeira etapa do projeto de um banco de dados é a construção de um modelo conceitual ou modelagem conceitual.

Leia mais

Introdução à Banco de Dados

Introdução à Banco de Dados Introdução à Banco de Dados Introdução à Banco de Dados Agenda O que é Banco de Dados Como ele funciona Sistema Gerenciador de Banco de Dados Modelagem de Dados Modelo de dados Entidade-Relacionamento

Leia mais

Ciclo de Desenvolvimento de Sistemas de BD

Ciclo de Desenvolvimento de Sistemas de BD Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca Ana Carolina Valeria Times Bernadette Loscio Robson Nascimento Ciclo de Desenvolvimento de Sistemas de BD Investigação dos Dados Modelagem dos Dados

Leia mais

Bancos de Dados Aula #3 MER Estendido

Bancos de Dados Aula #3 MER Estendido Bancos de Dados Aula #3 MER Estendido Prof. Eduardo R. Hruschka * Slides baseados no material elaborado pelas professoras: Cristina D. A. Ciferri Elaine P. M. de Souza MER Estendido (Expandido) Características:

Leia mais

BANCO DE DADOS PROFESSOR MAURÍCIO - MAURICIO.MELLO@PUCPR.BR AULA 02. O Modelo Entidade-Relacionamento ( MER )

BANCO DE DADOS PROFESSOR MAURÍCIO - MAURICIO.MELLO@PUCPR.BR AULA 02. O Modelo Entidade-Relacionamento ( MER ) AULA 02 BANCO DE DADOS PROFESSOR MAURÍCIO - MAURICIO.MELLO@PUCPR.BR O Modelo Entidade-Relacionamento ( MER ) Fases do Projeto de Bases de Dados (EN94)- O Modelo Entidade- Relacionamento Definição : modelo

Leia mais

Modelagem dos dados. entendo. Reino Real. Reino. Representação

Modelagem dos dados. entendo. Reino Real. Reino. Representação Modelagem dos dados entendo Reino Real Reino Imaginário (modelagem) Reino Representação represento Nós não somos capazes de representar tudo o que imaginamos. Nós somente representamos o que é interessante.

Leia mais

O Modelo de Entidade Relacionamento (ER ou MER) Parte 1

O Modelo de Entidade Relacionamento (ER ou MER) Parte 1 O Modelo de Entidade Relacionamento (ER ou MER) Parte 1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS DE FLORIANÓPOLIS CURSO TÉCNICO T DE METEOROLOGIA DASS - Departamento

Leia mais

Banco de Dados Básico

Banco de Dados Básico Básico Unicamp Centro de Computação Objetivos Introduzir conceitos básicos de Modelo de dados Introduzir conceitos básicos de Banco de dados Capacitar o aluno a construir o modelo físico de uma base de

Leia mais

Ciclo de vida de um banco de dados relacional

Ciclo de vida de um banco de dados relacional Ciclo de vida de um banco de dados relacional 1. Formulação e análise de requisitos: a) Relacionamentos naturais entre os dados (independentes de processo). b) Requisitos de uso (dependentes de processo).

Leia mais

1) O QUE NÃO É BANCO DE DADOS?

1) O QUE NÃO É BANCO DE DADOS? FMU - Graduação em Ciência da Computação - BANCO DE DADOS I - Prof. Fernando Alberto Covalski - pág 1 1) O QUE NÃO É BANCO DE DADOS? SISTEMAS ISOLADOS SISTEMA DE PRODUÇÃO SISTEMA DE VENDAS SISTEMA DE COMPRAS

Leia mais

Banco de Dados Modelo Entidade-Relacionamento. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br

Banco de Dados Modelo Entidade-Relacionamento. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Banco de Dados Modelo Entidade- Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Modelo Entidade- Proposto por Peter Chen, em 1976 Baseado na percepção do mundo real Consiste de um conjunto de objetos básicos

Leia mais

Modelo Entidade-Relacionamento

Modelo Entidade-Relacionamento Modelo Entidade-Relacionamento Banco de Dados I Fases do Projeto jt de BD Enunciado de requisitos entrevista com o usuário do banco de dados para entender e documentar seus requerimentos de dados. Projeto

Leia mais

MER Modelo de entidade e Relacionamento. Prof. Me. Hélio Esperidião

MER Modelo de entidade e Relacionamento. Prof. Me. Hélio Esperidião MER Modelo de entidade e Relacionamento Prof. Me. Hélio Esperidião MODELO DE DADOS Um modelo de (banco de) dados é uma descrição dos tipos de informações que estão armazenadas em um banco de dados. Por

Leia mais

I Requisitos de um modelo conceitual: - clareza (facilidade de compreensão) - exatidão (formal)

I Requisitos de um modelo conceitual: - clareza (facilidade de compreensão) - exatidão (formal) Modelagem Conceitual C O objetivo É: Representar a semântica da informação, independente de considerações de eficiência. D O objetivo NÃO É: Descrever a estrutura do armazenamento do banco de dados. I

Leia mais

CIn/UFPE Projeto Conceitual de BD - Prof. Robson Fidalgo 1

CIn/UFPE Projeto Conceitual de BD - Prof. Robson Fidalgo 1 CIn/UFPE Projeto Conceitual de BD - Prof. Robson Fidalgo 1 Projeto Conceitual de BD Transformação ER/Relacional Por: Robson do Nascimento Fidalgo rdnf@cin.ufpe.br CIn/UFPE Projeto Conceitual de BD - Prof.

Leia mais

Banco de Dados. Modelagem de Dados com MER. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.

Banco de Dados. Modelagem de Dados com MER. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo. Banco de Dados Modelagem de Dados com MER Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015 Modelagem de Dados Modelagem de Dados tem como objetivo transformar uma

Leia mais

Banco de Dados. Modelo Entidade Relacionamento Estendido (ME-RX) Prof. Enzo Seraphim

Banco de Dados. Modelo Entidade Relacionamento Estendido (ME-RX) Prof. Enzo Seraphim Banco de Dados Modelo Entidade Relacionamento Estendido (ME-RX) Prof. Enzo Seraphim Roteiro Abstração Agregação Abstração Generalização Abstração em Modelo de Dados Agregação Usualmente a agregação assume

Leia mais

BANCO DE DADOS I AULA 3. Willamys Araújo

BANCO DE DADOS I AULA 3. Willamys Araújo BANCO DE DADOS I AULA 3 Willamys Araújo Modelo Conceitual Descreve quais dados serão armazenados no banco de dados as relações que existem entre eles. Independe do SGBD e da abordagem do banco de dados

Leia mais

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 9. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc.

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 9. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. MODELAGEM DE DADOS PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS Aula 9 Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord 1 Objetivos: Método de conversão do modelo conceitual para o modelo

Leia mais

Banco de Dados I. 1. Conceitos de Banco de Dados

Banco de Dados I. 1. Conceitos de Banco de Dados Banco de Dados I 1. Conceitos de Banco de Dados 1.1. Características de um Banco de Dados. 1.2. Vantagens na utilização de um BD. 1.3. Quando usar e não usar um Banco de Dados. 1.4. Modelos, Esquemas e

Leia mais

MC536 Bancos de Dados: Teoria e Prática

MC536 Bancos de Dados: Teoria e Prática Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Instituto de Computação - IC MC536 Bancos de Dados: Teoria e Prática Aula #3 : MER e MER Estendido Profs. Anderson Rocha e André Santanchè Campinas, 1 de Agosto

Leia mais

Curso de Gestão em SI MODELAGEM DE DADOS. Rodrigo da Silva Gomes. (Extraído do material do prof. Ronaldo Melo - UFSC)

Curso de Gestão em SI MODELAGEM DE DADOS. Rodrigo da Silva Gomes. (Extraído do material do prof. Ronaldo Melo - UFSC) Curso de Gestão em SI MODELAGEM DE DADOS Rodrigo da Silva Gomes (Extraído do material do prof. Ronaldo Melo - UFSC) Modelo Conceitual Descrição do banco de dados de forma independente de implementação

Leia mais

Curso Superior em Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Campus Alegrete. Banco de Dados I. Cristhiano Bossardi de Vasconcellos.

Curso Superior em Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Campus Alegrete. Banco de Dados I. Cristhiano Bossardi de Vasconcellos. Curso Superior em Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Campus Alegrete Banco de Dados I Cristhiano Bossardi de Vasconcellos Parte 8 TRANSFORMAÇÃO ENTRE MODELOS A abordagem ER é voltada à

Leia mais

Modelagem de Dados com UML. Modelagem de Dados com UML. Modelagem de Dados com UML. Modelagem de Dados com UML. ! Generalização/Especialização

Modelagem de Dados com UML. Modelagem de Dados com UML. Modelagem de Dados com UML. Modelagem de Dados com UML. ! Generalização/Especialização ! Herança de propriedades! Associação do tipo é um Super-classe nome Física CPF RG Sexo DataNascimento Jurídica CGC RazãoSocial Sub-classes (herdeiras)! Polimorfismo: não há necessidade de se criar uma

Leia mais

Banco de Dados. Banco de Dados (aulas 7 e 8) 1 Wedson Quintanilha da Silva - Banco de Dados

Banco de Dados. Banco de Dados (aulas 7 e 8) 1 Wedson Quintanilha da Silva - Banco de Dados Banco de Dados Banco de Dados (aulas 7 e 8) 1 Wedson Quintanilha da Silva - Banco de Dados Generalizaçao/Especialização: Definição de atributos e/ou relacionamentos particulares a um subconjunto de ocorrências

Leia mais

Modelo Entidade-Relacionamento

Modelo Entidade-Relacionamento Modelo Entidade-Relacionamento ome Designação Doc... #Disc... Docente Ensina Disciplina Abordagem proposta por Peter P. Chen (década de 70) para o processo de modelação de dados com ampla aceitação; Trabalho

Leia mais

Ferramentas Estruturadas de Análise. Dicionário de Dados Diagramas Entidade-Relacionamento. Resumo. Elementos da Análise Estruturada

Ferramentas Estruturadas de Análise. Dicionário de Dados Diagramas Entidade-Relacionamento. Resumo. Elementos da Análise Estruturada Ferramentas Estruturadas de Análise Dicionário de Dados Diagramas Entidade-Relacionamento Profa iriam Sayão Diagrama de Fluxo de Dados - Rede de processos inter-relacionados. Dicionário de Dados e - Detalham

Leia mais

MODELAGEM DE DADOS MODELAGEM DE DADOS. rafaeldiasribeiro.com.br. Aula 3. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord

MODELAGEM DE DADOS MODELAGEM DE DADOS. rafaeldiasribeiro.com.br. Aula 3. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS Aula 3 Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord 1 Objetivos: Conhecer a arquitetura de 3 esquemas (conceitual, lógico

Leia mais

AULA 11-12. Entidade-Relacionamento

AULA 11-12. Entidade-Relacionamento AULA 11-12 Modelo Conceitual, Lógico e Físico, Entidade-Relacionamento Curso: Técnico em Informática (Integrado) Disciplina: Banco de Dados Prof. Abrahão Lopes abrahao.lopes@ifrn.edu.br Modelos de banco

Leia mais

Engenharia de Software. Diagramas de Entidade- Relacionamento (E-R) Estruturação de dados

Engenharia de Software. Diagramas de Entidade- Relacionamento (E-R) Estruturação de dados Engenharia de Software Profa. Dra. Lúcia V. L. Filgueiras Profa. Dra. Selma Shin Shimizu Melnikoff Diagramas de Entidade- Relacionamento (E-R) modelo para descrever a estruturação dos dados armazenados

Leia mais

Profº Aldo Rocha. Banco de Dados

Profº Aldo Rocha. Banco de Dados Profº Aldo Rocha Banco de Dados AULA 03: MODELO CONCEITUAL E DE ENTIDADES Turma: ASN102 BELÉM, 19 DE AGOSTO DE 2011 Aula Passada Na aula passada nós trabalhamos a introdução a Banco de dados e a AGENDA

Leia mais

Prof. Alexandre Unterstell Banco de Dados I

Prof. Alexandre Unterstell Banco de Dados I Prof. Alexandre Unterstell Banco de Dados I Etapas para o projeto de um BD Análise de requisitos Analista: Entrevista Necessidade do negócio As etapas não consideram ainda nenhuma característica específica

Leia mais

Disciplina: Unidade III: Prof.: E-mail: Período:

Disciplina: Unidade III: Prof.: E-mail: Período: Encontro 08 Disciplina: Sistemas de Banco de Dados Unidade III: Modelagem Lógico de Dados Prof.: Mario Filho E-mail: pro@mariofilho.com.br Período: 5º. SIG - ADM Relembrando... Necessidade de Dados Projeto

Leia mais

MODELO ENTIDADE - RELACIONAMENTO

MODELO ENTIDADE - RELACIONAMENTO MODELO ENTIDADE - RELACIONAMENTO Modelo Entidade - Relacionamento = Percepção de que o mundo real é formado por um conjunto de objetos chamados entidades e pelo conjunto dos relacionamentos entre estes

Leia mais

Banco de Dados Lista de Exercícios 01

Banco de Dados Lista de Exercícios 01 Banco de Dados Lista de Exercícios 01 Prof. Anderson Rocha & Prof. André Santanché Campinas, 24 de Setembro de 2012 Nome: RA: 1 Observações Este lista contem 20 exercícios e contempla os seguintes assuntos

Leia mais

MODELAGEM DE DADOS. Banco de Dados I. O uso da análise e do projeto Orientados a Objetos atenuou a separação! Unidade I

MODELAGEM DE DADOS. Banco de Dados I. O uso da análise e do projeto Orientados a Objetos atenuou a separação! Unidade I O uso da análise e do projeto Orientados a Objetos atenuou a separação! 1 Etapas do Projeto do BD Análise de Requisitos Coleta de informações sobre os dados e seus relacionamentos na organização Projeto

Leia mais

Processo de Projeto Bottom-Up. esquema conceitual do BD. engenharia reversa do esquema relacional. esquema relacional integrado do BD (esquema global)

Processo de Projeto Bottom-Up. esquema conceitual do BD. engenharia reversa do esquema relacional. esquema relacional integrado do BD (esquema global) Processo de Projeto Bottom-Up esquema conceitual do BD engenharia reversa do esquema relacional Passo4 esquema relacional integrado do BD (esquema global) esquema relacional 1 normalização tabela ÑN 1

Leia mais

Processo de Projeto Bottom-Up. esquema conceitual do BD. engenharia reversa do esquema relacional. esquema relacional integrado do BD (esquema global)

Processo de Projeto Bottom-Up. esquema conceitual do BD. engenharia reversa do esquema relacional. esquema relacional integrado do BD (esquema global) Processo de Projeto Bottom-Up esquema conceitual do BD engenharia reversa do esquema relacional Passo4 esquema relacional integrado do BD (esquema global) integração Passo3 esquema relacional 1 normalização

Leia mais

O Modelo de Entidades e Relacionamentos (MER) é um modelo conceitual usado para projeto de aplicações de banco de dados.

O Modelo de Entidades e Relacionamentos (MER) é um modelo conceitual usado para projeto de aplicações de banco de dados. Fases do Projeto de um Banco de Dados Modelo ER O Modelo de Entidades e Relacionamentos (MER) é um modelo conceitual usado para projeto de aplicações de banco de dados. É um modelo baseado na percepção

Leia mais

Simulado Banco de Dados I Bimestre 1 Capítulo 1 Projeto Lógico de Banco de Dados

Simulado Banco de Dados I Bimestre 1 Capítulo 1 Projeto Lógico de Banco de Dados Simulado Banco de Dados I Bimestre 1 Capítulo 1 Projeto Lógico de Banco de Dados 01) Defina com suas próprias palavras: a) Banco de Dados b) Sistema Gerenciador de Banco de Dados c) Sistema de Banco de

Leia mais

Conceitos Básicos de Banco de Dados

Conceitos Básicos de Banco de Dados Conceitos Básicos de Banco de Dados Laboratório de Bases de Dados Sistema de Banco de Dados (SBD) Sistema de armazenamento de dados Objetivos: manter informações torná-las disponível quando necessário

Leia mais

Conjunto de objetos da realidade modelada sobre os quais deseja-se. dados.

Conjunto de objetos da realidade modelada sobre os quais deseja-se. dados. Linguagens Visuais & Banco de Dados Aula 2 Heuser, Carlos A. Projeto de banco de dados. Ed. Sagra e Luzzato. Porto alegre, 1999 Entidade Conjunto de objetos da realidade modelada sobre os quais deseja-se

Leia mais

Profa. Daniela Barreiro Claro

Profa. Daniela Barreiro Claro Profa. Daniela Barreiro Claro Modelar é criar representações do mundo real A modelagem relacional pode ser representada via MER (Modelo de Entidade Relacionamento) O MER define estruturas e restrições

Leia mais

Revisão e Dicas de Projeto Conceitual Modelo ER

Revisão e Dicas de Projeto Conceitual Modelo ER Revisão e Dicas de Projeto Conceitual Modelo ER Modelo definido or Peter Chen em 1976 modelo sofreu diversas extensões e notações ao longo do temo Padrão ara modelagem conceitual de BD modelo simles oucos

Leia mais

Após a leitura desse capítulo, o leitor saberá:

Após a leitura desse capítulo, o leitor saberá: Estudo Dirigido Disciplina: Modelagem de sistemas Diagrama de Classe - Modelo de domínio Após a leitura desse capítulo, o leitor saberá: - identificar uma classe e objetos - definir os tipos de classes

Leia mais

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão SISTEMAS DE BANCO DE DADOS Prof. Adriano Pereira Maranhão 1 REVISÃO BANCO DE DADOS I O que é banco de dados? Ou seja afinal o que é um SGBD? REVISÃO BD I REVISÃO DE BD I Um Sistema de Gerenciamento de

Leia mais

Aula II Introdução ao Modelo de Entidade-Relacionamento

Aula II Introdução ao Modelo de Entidade-Relacionamento Aula II Introdução ao Modelo de Entidade-Relacionamento Referência bibliográfica ANGELOTTI, E S. Banco de Dados. Ed. Livro Técnico Introdução É um modelo conceitual e deve estar o mais próximo possível

Leia mais

Tecnologias e Linguagens para Banco de Dados I

Tecnologias e Linguagens para Banco de Dados I Tecnologias e Linguagens para Banco de I Apresentação do Curso Introdução a Banco de Modelagem Conceitual Prof. Gilberto B. Oliveira Competências e Habilidades Competências: Coletar dados junto ao usuário

Leia mais

PROJETO LÓGICO. Passos para transformação ER Relacional: 1) Tradução inicial de Entidades e seus Atributos;

PROJETO LÓGICO. Passos para transformação ER Relacional: 1) Tradução inicial de Entidades e seus Atributos; BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br PROJETO LÓGICO Passos

Leia mais

Roteiro 3 Modelagem relacional

Roteiro 3 Modelagem relacional Roteiro 3 Modelagem relacional Objetivos: Explorar conceitos sobre: o Modelagem de bancos de dados projetos: conceitual, lógico e físico; o Conceitos sobre o modelo relacional: tuplas, atributo, entidades,

Leia mais

Lista de exercícios 01

Lista de exercícios 01 PARTE I Lista de exercícios 01 1. Defina os seguintes termos: entidade, atributo, valor do atributo, atributo composto, atributo multivalorado, atributo derivado, atributo-chave, domínio. 2. Explique as

Leia mais

Modelagem de Dados Usando o Modelo Entidade-Relacionamento

Modelagem de Dados Usando o Modelo Entidade-Relacionamento Usando o Modelo Entidade-Relacionamento MER 1 MER Levantamento e Análise de requisitos Entrevista Entender e documentar seus requisitos de dados Requisitos funcionais da aplicação empregadas ao banco de

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Banco de Dados Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Processo de Projeto de Banco de Dados Minimundo Projeto Lógico (Mapeamento do Modelo de Dados) 1 4 Esquema Lógico (Modelo do SGBD)

Leia mais

O Modelo Entidade-Relacionamento MER

O Modelo Entidade-Relacionamento MER O Modelo Entidade-Relacionamento MER Capítulo 2 1 Etapas do Projeto de BD 1. Análise de Requisitos: Processo informal que envolve discussões entre grupos de usuários Entender quais dados serão armazenados

Leia mais

Herança. Herança. Especialização. Especialização

Herança. Herança. Especialização. Especialização Herança Herança Em muitos casos, um tipo e entiae tem vários subconjuntos e entiaes que são significativos para a aplicação. Exemplo: as entiaes e um tipo e entiae Empregao poem ser agrupaas em Secretária,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 17 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 17 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 17 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 19 de Novembro de 2013. Revisão aula anterior Modelagem orientada a objetos com UML Software: Astah Community

Leia mais

Banco de Dados. MER Estendido. Profa. Flávia Cristina Bernardini

Banco de Dados. MER Estendido. Profa. Flávia Cristina Bernardini Banco de Dados MER Estendido Profa. Flávia Cristina Bernardini * Slides Baseados no material elaborado pelos professores Eduardo R. Hruschka, Cristina D. A. Ciferri e Elaine Parros Machado MER Estendido

Leia mais

Lato Sensu Tecnologia de Desenvolvimento de Sistemas. SENAC Rio Preto

Lato Sensu Tecnologia de Desenvolvimento de Sistemas. SENAC Rio Preto Curso de Pós Graduação Lato Sensu Tecnologia de Desenvolvimento de Sistemas SENAC Rio Preto Laboratório: Modelo Entidade Relacionamento Juliano Augusto Carreira Profº. Dr. Carlos Roberto Valêncio 23/08/2008

Leia mais

Atributos. Exercício (4.1) Angélica Toffano Seidel Calazans E-mail: angelica_toffano@yahoo.com.br Abordagem Entidade-Relacionamento

Atributos. Exercício (4.1) Angélica Toffano Seidel Calazans E-mail: angelica_toffano@yahoo.com.br Abordagem Entidade-Relacionamento Cardinalidades mínimas e máximas Até grau máximo Pelo menos grau mínimo 1,1 1,n Escola atende aluno Até grau máximo Pelo menos grau mínimo Angélica Toffano Seidel Calazans E-mail: angelica_toffano@yahoo.com.br

Leia mais

BANCO DE DADOS -PROJETO LÓGICO. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

BANCO DE DADOS -PROJETO LÓGICO. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br BANCO DE DADOS -PROJETO LÓGICO Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br PROJETO DE BANCO DE DADOS Atividade de modelagem de dados em diversos níveis de abstração Modelagem conceitual

Leia mais

Projeto Conceitual (geralmente no modelo E-R):

Projeto Conceitual (geralmente no modelo E-R): 1 Projeto Conceitual (geralmente no modelo E-R): o modelo E-R o esquema do BD é representado graficamente. Quais as entidades e os relacionamentos na empresa? Que informações sobre essas entidades e relacionamentos

Leia mais

Banco de Dados Modelo Conceitual, Lógico, Físico, Entidade- Relacionamento (ER) Hélder Nunes

Banco de Dados Modelo Conceitual, Lógico, Físico, Entidade- Relacionamento (ER) Hélder Nunes Banco de Dados Modelo Conceitual, Lógico, Físico, Entidade- Relacionamento (ER) Hélder Nunes Modelos de banco de dados Modelo de banco de dados é uma descrição dos tipos de informações que estão armazenadas

Leia mais

Todos os imóveis são comprados pela imobiliária para, então, serem colocados a venda.

Todos os imóveis são comprados pela imobiliária para, então, serem colocados a venda. Como base nas especificações abaixo, elabore o modelo conceitual de dados (DER), contendo todos os objetos (Entidades, Atributos relacionamentos e cardinalidades). 1) Clínica Médica Uma clínica deseja

Leia mais

AULA 01: Modelagem de Bancos de Dados

AULA 01: Modelagem de Bancos de Dados AULA 01: Modelagem de Bancos de Dados SUMÁRIO PÁGINA 1. Introdução 1 2. Modelagem de Banco de dados 3 2.1. Introdução 3 2.2. Modelos de dados 6 3. Modelo de Entidades e Relacionamentos 8 3.1. Conceitos

Leia mais

Banco de Dados Transformação Modelo Conceitual para Lógico Relacional. Prof. Juliano Lucas Gonçalves juliano.gonçalves@ifsc.edu.br

Banco de Dados Transformação Modelo Conceitual para Lógico Relacional. Prof. Juliano Lucas Gonçalves juliano.gonçalves@ifsc.edu.br Banco de Dados Transformação Modelo Conceitual para Lógico Relacional Prof. Juliano Lucas Gonçalves juliano.gonçalves@ifsc.edu.br Implementação inicial de entidades Cada entidade é traduzida para uma tabela.

Leia mais

Apostila de Banco de Dados

Apostila de Banco de Dados Fundação Educacional de Fernandópolis Apostila de Banco de Dados Prof. Evandro A. Jardini 1 de fevereiro de 2006 Sumário 1 Introdução 4 1.1 Sistema de Processamento de Arquivos...............................

Leia mais

Bibliografia. Desenvolvimento Orientado a Objetos. Introdução. Bibliografia. O que você vê?

Bibliografia. Desenvolvimento Orientado a Objetos. Introdução. Bibliografia. O que você vê? Bibliografia Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof.: Edson dos Santos Cordeiro LARMAN, Graig. Utilizando UML e padrões. Porto Alegre: Bookman, 2000. STAA, Arndt von. Programação modular. Rio de Janeiro:

Leia mais

Generalização e Especialização Banco de Dados

Generalização e Especialização Banco de Dados Generalização e Especialização Banco de Dados Extensões do Modelo ER Possuem o objetivo de aumentar o poder de expressão do modelo provendo novos meios de representações Suporte a Abstrações de Dados características

Leia mais

Exercícios Propostos de Modelagem parte II

Exercícios Propostos de Modelagem parte II Exercícios Propostos de Modelagem parte II Vitor Valerio de Souza Campos Uma pizzaria de tele-entrega apresenta um cardápio composto por diversos tipos de pizza, cujos dados são: número do item, nome da

Leia mais

Exercícios Propostos de Modelagem parte II

Exercícios Propostos de Modelagem parte II Exercícios Propostos de Modelagem parte II Vitor Valerio de Souza Campos Uma pizzaria de tele-entrega apresenta um cardápio composto por diversos tipos de pizza, cujos dados são: número do item, nome da

Leia mais

MODELAGEM DE DADOS TEORIA E PRÁTICA

MODELAGEM DE DADOS TEORIA E PRÁTICA MODELAGEM DE DADOS TEORIA E PRÁTICA ARAÚJO, M. A. P. 1. INTRODUÇÃO Modelagem de sistemas, tanto a nível funcional quanto de dados, é um requisito fundamental para a obtenção de produtos de software de

Leia mais

Banco de Dados I. Prof. Bal. Emerson Meneses Inocente

Banco de Dados I. Prof. Bal. Emerson Meneses Inocente Banco de Dados I Prof. Bal. Emerson Meneses Inocente Continuação aula 1 Arquitetura de SGBD Relacional ocaracterísticas: Independência de dados e programas; Suporte a múltiplas visões de usuários; Uso

Leia mais

Banco de Dados I. Modelo Entidade Relacionamento Mapeamento para tabelas. Apresentação. Ementa

Banco de Dados I. Modelo Entidade Relacionamento Mapeamento para tabelas. Apresentação. Ementa Banco de Dados I Modelo Entidade Relacionamento para tabelas Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Ementa Conceitos Fundamentais de

Leia mais

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Disciplina: INF 02810 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 1. Introdução 2. Processo de Software 3. Gerência de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO (UFRPE)

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO (UFRPE) UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO (UFRPE) COORDENAÇÃO GERAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD/UFRPE) Banco de Dados Sandra de Albuquerque Siebra Volume 2 Recife, 2010 Universidade Federal Rural de Pernambuco

Leia mais

Diagrama de Classe. Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha. Engenharia de Software

Diagrama de Classe. Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha. Engenharia de Software "Antes de imprimir pense em sua responsabilidade e compromisso com o MEIO AMBIENTE." Engenharia de Software Diagrama de Classe Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha

Leia mais

MODELAGEM DE DADOS. Unidade II Arquiteturas do SGBD

MODELAGEM DE DADOS. Unidade II Arquiteturas do SGBD MODELAGEM DE DADOS Unidade II Arquiteturas do SGBD 0 UNIDADE II: TÓPICOS: Tópico 1 - Arquitetura SGBD Tópico 2 - Etapas de um projeto de Banco de Dados Tópico 3 Modelagem Tópico 1 - Arquitetura SGBD A

Leia mais

UD 4: Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados

UD 4: Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados UD 4: Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados 1 Assunto 1: Conceitos 1. BASE DE DADOS conjunto de dados armazenados logicamente conteúdo representa o estado atual de uma determinada aplicação modelo

Leia mais

Modelo Relacional. Modelo Relacional. Tabelas

Modelo Relacional. Modelo Relacional. Tabelas MODELO RELACIONAL Banco de Dados Relacional = consiste em uma coleção de tabelas ou relações, cada uma das quais com um nome único. 2 1 Tabelas Conjunto não ordenado de linhas (tuplas); Cada linha é composta

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Curso de Desenvolvimento de Software Prof. Alessandro J de Souza ajdsouza@cefetrn.br 1 Rational Unified Process RUP Fase Elaboração 2 VISÃO GERAL Fase Elaboração. Visão Geral 3

Leia mais

Banco de Dados. Modelagem de Dados. Prof.: Salustiano Rodrigues

Banco de Dados. Modelagem de Dados. Prof.: Salustiano Rodrigues Banco de Dados Modelagem de Dados Prof.: Salustiano Rodrigues OBJETIVOS: Dados x Informação; O que é um Banco de Dados? Estrutura de um projeto de Banco de Dados; O que é um mini mundo? O que é o Modelo

Leia mais

SESAU/EDITAL/CGTES/DGES 001/2013 DE SELEÇÃO PARA O CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO ADMINSTRATIVO COM ÊNFASE EM PAD E SINDICÂNCIA DA SESAU

SESAU/EDITAL/CGTES/DGES 001/2013 DE SELEÇÃO PARA O CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO ADMINSTRATIVO COM ÊNFASE EM PAD E SINDICÂNCIA DA SESAU SESAU/EDITAL/CGTES/DGES 001/2013 DE SELEÇÃO PARA O CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO ADMINSTRATIVO COM ÊNFASE EM PAD E SINDICÂNCIA DA SESAU A Secretaria de Estado da Saúde de Roraima por meio da Faculdade

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em BD

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em BD Modelagem de Dados Aula 01 Revisão Modelos de Dados Existem modelos para diferentes níveis de abstração de representação de dados modelos conceituais modelos lógicos

Leia mais

Fundamentos de Banco de Dados e Modelagem de Dados

Fundamentos de Banco de Dados e Modelagem de Dados Abril - 2015 Universidade Federal de Mato Grosso Instituto de Computação Pós Graduação Lato Sensu em Banco de Dados Fundamentos de Banco de Dados e Modelagem de Dados Prof. Dr. Josiel Maimone de Figueiredo

Leia mais

4.2. UML Diagramas de classes

4.2. UML Diagramas de classes Engenharia de Software 4.2. UML Diagramas de classes Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Um diagrama de classes serve para modelar o vocabulário de um sistema Construído e refinado ao longo

Leia mais

CADASTROS E CONCEITOS DAS BASES DE DADOS

CADASTROS E CONCEITOS DAS BASES DE DADOS CADASTROS E CONCEITOS DAS BASES DE DADOS INSUMOS DOS PROCESSO 1. PESSOAS 1. PLANO DE ITENS 3. OPERACIONAIS 4. CENTROS DE RESULTADO 1.1 Clientes 2.1 Unidades 3.1 Endereços 4.1 Plano de Contas 1.2 Fornecedores

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. PROFESSOR: Andrey DISCIPLINA: Técnicas Alternativas de Programação AULA: 08 APRESENTAÇÃO Na aula de hoje vamos apresentar e discutir como definir

Leia mais