PROJETO DE BANCO DE DADOS -PROJETO CONCEITUAL. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO DE BANCO DE DADOS -PROJETO CONCEITUAL. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc."

Transcrição

1 PROJETO DE BANCO DE DADOS -PROJETO CONCEITUAL Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

2 PROJETO CONCEITUAL Levantamento de requisitos Modelagem Conceitual Modelo ER

3 PROJETO CONCEITUAL Parte integrante do Projeto de um BD Etapas: Levantamento de requisitos Projeto conceitual Projeto lógico Projeto físico Preocupação com a representação adequada dos dados da organização Definição de esquemas de dados em diferentes níveis de abstração

4 MODELAGEM CONCEITUAL Abstração de alto nível dos fatos relevantes do mundo real que devem se tornar persistentes (dados operacionais) Identifica : Objetos concretos (pessoa, livro etc.) Objetos abstratos (conceitos) (endereço, pedido etc.)

5 MODELAGEM CONCEITUAL Vantagens de uma documentação conceitual de dados independente de detalhes de implementação em um SGBD facilita a definição da semântica dos dados de um domínio melhor compreendido por usuários leigos pode ser mapeado para qualquer modelo de BD facilita a manutenção dos dados modificação de requisitos de dados engenharia reversa (desempenho,...) facilita a migração de SGBD usado como modelo intermediário

6 MODELO ER Modelo definido por Peter Chen em 1976 sofreu diversas extensões e notações ao longo do tempo Padrão para modelagem conceitual de BD modelo simples poucos conceitos representação gráfica fácil compreensão Um esquema conceitual de BD é também chamado de diagrama ER

7 Entidade Relacionamento Atributo Generalização e Especialização

8 Entidade Representa o conjunto de objetos da realidade modelada sobre os quais deseja-se manter informações no banco de dados; Uma entidade pode representar: Objetos concretos da realidade P.ex.: uma pessoa, um automóvel Objetos abstratos P.ex.: um departamento, um endereço Pode ser: normal, fraca ou associativa É representada por um retângulo PESSOAS

9 Entidade Exemplos: Sistema de informações industrial: Produtos Tipos de produtos Vendas Compras Sistema de contas correntes: Clientes Contas correntes Cheques Agências

10 Propriedades A entidade isoladamente pouco informa É necessário atribuir propriedades às entidades Em um modelo ER, propriedades são especificadas através de: Relacionamentos Atributos Generalizações / Especializações

11 Entidade Relacionamento Atributo Generalização e Especialização

12 Relacionamento É o conjunto de associações entre entidades sobre as quais deseja-se manter informações na base de dados; É representado por um losango: DEPARTAMENTO S LOTAÇÃ O EMPREGADOS

13 Relacionamento e Instância Relacionamento é um conjunto de associações entre instâncias de entidades Uma instância (ocorrência) é uma associação específica entre determinadas instâncias de entidade Exemplo (relacionamento LOTAÇÃO): instância de LOTAÇÃO = par específico formado por uma ocorrência de PESSOA e uma ocorrência de DEPARTAMENTO

14 Relacionamento e Instância (Fonte: HEUSER, 2009)

15 Relacionamento Relacionamento pode ser: auto-relacionamento, binário ou n-ário Cardinalidades de um relacionamento: um-para-um, um-para-muitos ou muitos-para-muitos participação opcional ou obrigatória das entidades envolvidas

16 Auto-Relacionamento (Fonte: HEUSER, 2009)

17 Papel no relacionamento Função que uma ocorrência de uma entidade cumpre em uma ocorrência de um relacionamento esposa marido (Fonte: HEUSER, 2009)

18 Papel no relacionamento Relacionamentos entre entidades diferentes Não é usual indicar os papéis das entidades DEPARTAMENTO S LOTAÇÃ O EMPREGADOS

19 Cardinalidade de relacionamentos Propriedade importante de um relacionamento Número de ocorrências de uma entidade que podem estar associadas a uma determinada ocorrência de entidade através do relacionamento; Chamada de cardinalidade de uma entidade em um relacionamento; Há duas cardinalidades: Máxima Mínima

20 Cardinalidade de relacionamentos Para projeto de BD relacional: Não é necessário distinguir entre diferentes cardinalidades máximas > 1; Dois valores de cardinalidades máximas são usados: Cardinalidade máxima: 1 Cardinalidade máxima não limitado ( muitos ), representado pela letra n

21 Cardinalidade de relacionamentos Cardinalidade máxima pode ser usada para classificar relacionamentos binários Relacionamento binário: é aquele cujas instâncias envolvem duas instâncias de entidades Relacionamentos binários: n:n (muitos-para-muitos) 1:n (um-para-muitos) 1:1 (um-para-um)

22 Relacionamentos 1:1

23 Relacionamentos 1:n

24 Relacionamentos n:n

25 Relacionamentos Ternários

26 Relacionamentos Ternários

27 Relacionamentos Ternários

28 Cardinalidade mínima Número mínimo de ocorrências de entidade que são associadas a uma ocorrência de uma entidade através de um relacionamento; Para fins de projeto de BD relacional, são consideradas apenas duas cardinalidades mínimas: cardinalidade mínima 0 cardinalidade mínima 1 Denominação alternativa: cardinalidade mínima 0 = associação opcional cardinalidade mínima 1 = associação obrigatória

29 Exemplo de diagrama E-R

30 Entidade Relacionamento Atributo Generalização e Especialização

31 Atributo Dado ou informação que é associado a cada ocorrência de uma entidade ou de um relacionamento; tipos de atributos identificador, monovalorado, multivalorado, composto, obrigatório e opcional

32 Atributos com cardinalidade Cardinalidade mínima: atributo obrigatório (cardinalidade mínima 1 ) cada entidade possui no mínimo um valor associado atributo opcional (cardinalidade mínima 0 ) Cardinalidade máxima: atributo monovalorado (cardinalidade máxima 1 ) cada entidade possui no máximo um valor associado atributo multivalorado (cardinalidade máxima n )

33 Atributos com cardinalidade

34 Atributos com cardinalidade

35 Atributo em relacionamento

36 Atributo em relacionamento1:n

37 Identificador de entidade Cada entidade deve possuir um identificador Identificador de entidade = conjunto de propriedades (atributos, relacionamentos) de uma entidade cujos valores servem para distinguir uma ocorrência da entidade das demais ocorrências da mesma entidade

38 Atributo identificador

39 Relacionamento identificador

40 Relacionamento identificador

41 Relacionamento identificador (recursão)

42 Identificador de relacionamento Uma ocorrência de relacionamento diferencia-se das demais do mesmo relacionamento pelas ocorrências de entidades que dela participam;

43 Relacionamento com atributo identificador

44 Entidade Relacionamento Atributo Generalização e Especialização

45 Generalização e Especialização Permite: Atribuir propriedades particulares a um subconjunto das ocorrências (especializadas) de uma entidade genérica; Pode ser: total ou parcial exclusiva ou não-exclusiva

46 Generalização e Especialização Entidade genérica Símbolo da generalizaçãoespecialização Identificador somente na entidade genérica Herda as propriedades da entidade genérica Entidade especializada

47 Generalização e Especialização A árvore de herança deve ter uma única entidade raiz, que define o identificador; Herança múltipla

48 Generalização e Especialização Caso proibido: Herança de múltiplos identificadores; Qual seria o identificador dessa entidade?

49 Especialização total

50 Especialização parcial Necessário em especialização parcial

51 Especialização não exclusiva (compartilhada)

52 Tipos de Generalização/Especialização Total (t) Parcial (p) Exclusiva (x) xt xp Compartilhada (c) ct cp

53 Entidade Associativa Modificar modelo: Adicionar a informação de que medicamentos foram prescritos em uma consulta;

54 Entidade Associativa

55 Entidade Associativa OPÇÃO 1: Substitui o relacionamento por entidade

56 Entidade Associativa OPÇÃO 2: Entidade associativa

57 a7 MODELO ER - NOTAÇÃO a5 a6 E1 a1 E3 r 2 a8 a9 a2 E5 E4 p (0,3) E6 a10 r 1 a3 r 4 E9 E7 a4 (0,1) E2 papel 1 papel 2 E8 r 5 E10 E11 a11 a12 r 3 r 6 E12 (0,1) a13

58 a7 MODELO ER - NOTAÇÃO a5 a6 E1 a1 E3 r 2 a8 a9 a2 E5 E4 p (0,3) E6 r 1 a3 entidade a10 r 4 E9 E7 a4 (0,1) E2 papel 1 papel 2 E8 r 5 E10 E11 a11 a12 r 3 r 6 E12 (0,1) a13

59 a7 MODELO ER - NOTAÇÃO a5 a6 E1 a1 E3 r 2 a8 entidade fraca a9 a2 E5 E4 p (0,3) E6 a10 r 1 a3 r 4 E9 E7 a4 (0,1) E2 papel 1 papel 2 E8 r 5 E10 E11 a11 a12 r 3 r 6 E12 (0,1) a13

60 a7 MODELO ER - NOTAÇÃO a5 a6 E1 a1 E3 r 2 a8 a9 a2 E5 E4 p (0,3) E6 a10 r 1 a3 r 4 E9 E7 a4 (0,1) E2 papel 1 papel 2 E8 r 5 E10 E11 a11 entidade associativa a12 r 3 r 6 E12 (0,1) a13

61 a7 MODELO ER - NOTAÇÃO a5 a6 E1 a1 E3 r 2 a8 a9 a2 E5 E4 p (0,3) E6 a10 r 1 a3 r 4 E9 E7 a4 (0,1) E2 papel 1 papel 2 E8 r 5 E10 relacionamento E11 a11 a12 r 3 r 6 E12 (0,1) a13

62 a7 MODELO ER - NOTAÇÃO a5 a6 E3 a8 a9 a2 E5 E1 r 2 E4 a1 p (0,3) E6 a10 r 1 a3 r 4 E9 E7 a4 (0,1) E2 papel 1 papel 2 E8 auto-relacionamento r 5 E10 E11 a11 a12 r 3 r 6 E12 (0,1) a13

63 MODELO ER - NOTAÇÃO relacionamento ternário a7 a5 a6 E3 a8 a9 a2 E5 E1 r 2 E4 a1 p (0,3) E6 a10 r 1 a3 r 4 E9 E7 a4 (0,1) E2 papel 1 papel 2 E8 r 5 E10 E11 a11 a12 r 3 r 6 E12 (0,1) a13

64 a7 MODELO ER - NOTAÇÃO a5 a6 a2 E1 a1 E3 r 2 a8 a9 E5 E4 p (0,3) r 1 a3 atributo identificador E6 a10 r 4 E9 E7 a4 (0,1) E2 papel 1 papel 2 E8 r 5 E10 E11 a11 a12 r 3 r 6 E12 (0,1) a13

65 MODELO ER - NOTAÇÃO atributo monovalorado a7 a5 a6 E3 a8 a9 a2 E5 E1 r 2 E4 a1 p (0,3) E6 a10 r 1 a3 r 4 E9 E7 a4 (0,1) E2 papel 1 papel 2 E8 r 5 E10 E11 a11 a12 r 3 r 6 E12 (0,1) a13

66 a7 MODELO ER - NOTAÇÃO a5 a6 a2 E1 a1 E3 r 2 a8 a9 E5 E4 p E6 (0,3) a10 r 1 a3 r 4 E9 E7 a4 (0,1) E2 papel 1 papel 2 E8 r 5 E10 atributo multivalorado E11 a11 a12 r 3 r 6 E12 (0,1) a13

67 a7 MODELO ER - NOTAÇÃO a5 a6 a2 E1 a1 E3 r 2 a8 a9 E5 E4 p (0,3) E6 a10 r 1 a3 r 4 E9 E7 a4 (0,1) E2 papel 1 papel 2 E8 r 5 E10 E11 a11 atributo composto a12 r 3 r 6 E12 (0,1) a13

68 MODELO ER - NOTAÇÃO atributo obrigatório a7 a5 a6 a2 E1 a1 E3 r 2 a8 a9 E5 E4 p (0,3) E6 a10 r 1 a3 r 4 E9 E7 a4 (0,1) E2 papel 1 papel 2 E8 r 5 E10 E11 a11 atributo opcional a12 r 3 r 6 E12 (0,1) a13

69 MODELO ER - NOTAÇÃO especialização parcial a7 a5 a6 E3 a8 a9 a2 E5 E1 r 2 E4 a1 p (0,3) E6 a10 r 1 a3 r 4 E9 E7 a4 (0,1) E2 papel 1 papel 2 E8 r 5 E10 E11 a11 especialização total a12 r 3 r 6 E12 (0,1) a13

70 MODELO ER - NOTAÇÃO especialização exclusiva a7 a5 a6 E3 a8 a9 a2 E5 E1 r 2 E4 a1 p (0,3) E6 a10 r 1 a3 r 4 E9 E7 a4 (0,1) E2 papel 1 papel 2 E8 r 5 E10 E11 a11 especialização não-exclusiva a12 r 3 r 6 E12 (0,1) a13

71 QUESTÕES DE REPRESENTAÇÃO Entidade X Atributo a opção por entidade é válida se existem propriedades (atributos e relacionamentos) e transações relevantes para o fato Empregados salário deduçãoirpf valorbruto Empregados remuneração Salários categoria gratificação valorlíquido

72 QUESTÕES DE REPRESENTAÇÃO Entidade X Atributo Composto a opção por atributo composto é válida se existe noção de agregação Pessoas imóvel localização valor domínio comercial (setor de crediário de uma loja) localização Pessoas proprietário Imóveis valor domínio imobiliário

73 QUESTÕES DE REPRESENTAÇÃO Entidade X Atributo Multivalorado a opção por atributo multivalorado é válida se existe noção de agregação Pessoas telefone domínio comercial (setor de crediário de uma loja) DDD Pessoas (0,1) proprietário Linhas Telefônicas número domínio de uma companhia telefônica

74 QUESTÕES DE REPRESENTAÇÃO Entidade Fraca X Atributo a opção por atributo é válida se o fato não possui outros relacionamentos Pedidos itens descrição quantidade valor número quantidade Pedidos composição Itens Produtos referência

75 QUESTÕES DE REPRESENTAÇÃO Entidade X Relacionamento admite-se representações equivalentes a opção por relacionamento é recomendada se não existem propriedades associadas ao fato a opção por entidade é recomendada se existe um identificador explícito para o fato (ex.: ID da consulta)

76 QUESTÕES DE REPRESENTAÇÃO Entidade X Relacionamento nome CRM hora nome Médicos consulta Pacientes código data CRM nome Médicos Consultas nome Pacientes código data hora

77 QUESTÕES DE REPRESENTAÇÃO Entidade X Relacionamento a opção por entidade introduz uma indireção na associação entre fatos não recomendável, especialmente para casos um-para-um e um-para-muitos

78 QUESTÕES DE REPRESENTAÇÃO Entidade X Relacionamento nome CPF marca Pessoas (0,1) posse Automóveis chassi nome CPF marca Pessoas (0,1) Posses Automóveis chassi

79 QUESTÕES DE REPRESENTAÇÃO Entidade X Entidade Associativa admite-se representações equivalentes levar em conta as recomendações do caso anterior (entidade X relacionamento)

80 QUESTÕES DE REPRESENTAÇÃO Entidade X Entidade Associativa nome CRM hora nome Médicos consulta Pacientes código data Consultas nome intervalohoras prescrição Medicamentos código

81 QUESTÕES DE REPRESENTAÇÃO Entidade X Entidade Associativa nome CRM nome Médicos Consultas Pacientes código data hora nome intervalohoras prescrição Medicamentos código

82 QUESTÕES DE REPRESENTAÇÃO Entidade Associativa X Relacionamento N- Ário recomenda-se a opção por relacionamento n-ário apenas se a participação for obrigatória para todas as entidades evita problemas de identificação do relacionamento

83 QUESTÕES DE REPRESENTAÇÃO Entidade Associativa X Relacionamento N- Ário nome CPF nome Empregados alocação Projetos código nome Tarefas código

84 QUESTÕES DE REPRESENTAÇÃO Entidade Associativa X Relacionamento N- Ário nome CPF nome Empregados alocação Projetos código Alocações nome execução Tarefas código

85 QUESTÕES DE REPRESENTAÇÃO Relacionamento X Especialização a opção por especialização é válida se houver uma associação um-para-um entre as entidades participantes

86 QUESTÕES DE REPRESENTAÇÃO Relacionamento X Especialização nome Pessoas CPF CPF nome Pessoas titulação formação habilitação Professores domínio universitário código tempo Professores experiência domínio de uma escola de música

87 QUESTÕES DE REPRESENTAÇÃO Atributo X Especialização a opção por especialização é valida se houver atributos e/ou relacionamentos relevantes para os fatos especializados função nome Pessoas CPF CREA nome Pessoas CPF nrohabilitação Engenheiros Motoristas

88 QUESTÕES DE REPRESENTAÇÃO Atributo X Especialização atributos opcionais podem sugerir a modelagem de uma entidade especializada veículoshabilitados nrohabilitação (0,1) nome Pessoas CPF nome Pessoas CPF nrohabilitação veículoshabilitados Motoristas

89 QUESTÕES DE REPRESENTAÇÃO Limitações no poder de expressão exige a documentação de restrições de integridade em anexo

90 QUESTÕES DE REPRESENTAÇÃO Limitações no poder de expressão Empregados supervisionado (0,1) supervisor supervisão RIs: - um empregado não pode ser supervisor de si próprio - ciclos em hierarquias de supervisão não são permitidos Alunos emcurso G emcurso PG Graduação Pós-Graduação RI: um aluno não pode estar cursando ambos os cursos Cursos domínio de um depto universitário

91 QUESTÕES DE REPRESENTAÇÃO Consideração de aspectos temporais alteram a modelagem conceitual Empregados instantâneo salário valor data Empregados remuneração Salários temporal

92 QUESTÕES DE REPRESENTAÇÃO Consideração de aspectos temporais Empregados lotação Departamentos instantâneo data Empregados lotação Departamentos temporal

93 QUESTÕES DE REPRESENTAÇÃO Entidade isolada admite-se a sua representação Escolas definição Home-Pages DicasDidáticas (mostrada aleatoriamente sempre que uma home-page é aberta) Empresa Empregados lotação Departamentos

94 QUESTÕES DE REPRESENTAÇÃO Validação do esquema conceitual verificar eventuais redundâncias... pesar desempenho de consultas X controles de integridade e volume de dados

95 QUESTÕES DE REPRESENTAÇÃO Validação do esquema conceitual lotação Setores composição Departamentos Empregados departamento lotação (0,1) Setores composição Fábricas Máquinas bens

96 QUESTÕES DE REPRESENTAÇÃO Sugestões finais substantivos para nomes de relacionamentos descrevem ação ou estado minimizam a redundância de nomes nomes mais adequados para prováveis entidades lógicas na dúvida, definir cardinalidades opcionais menos restritivas reduzem os controles de integridade no BD dependências de inserção e controles na atualização

97 QUESTÕES DE REPRESENTAÇÃO Sugestões finais possui Setores revisão lotação Setores Máquinas Máquinas

98 EXERCÍCIO DE MODELAGEM ER Pizzaria Uma pizzaria de tele-entrega apresenta um cardápio composto por diversos tipos de pizza, cujos dados são: número do item, nome da pizza, ingredientes e preços das pizzas pequena, média e grande. Na pizzaria trabalham funcionários que emitem pedidos de pizzas. Cada pedido possui um número e uma data de emissão, além do nome, telefone e endereço do cliente que solicitou o pedido. Um pedido é emitido por apenas um funcionário. Um pedido solicita uma ou mais pizzas do cardápio, informando tamanhos (pequena, média ou grande) e quantidades desejados de cada pizza. O cliente pode desejar retirar um ou mais ingredientes de alguma pizza solicitada. Existem funcionários que são entregadores, ou seja, são responsáveis pela entrega de um ou mais pedidos. Deve-se saber o número do telefone celular destes funcionários para um eventual contato durante uma entrega. Um pedido destina-se a um bairro. Para cada bairro existe um tempo máximo de espera para a entrega de um pedido. Você é livre para definir outros atributos que julgar relevantes.

Revisão e Dicas de Projeto Conceitual Modelo ER

Revisão e Dicas de Projeto Conceitual Modelo ER Revisão e Dicas de Projeto Conceitual Modelo ER Modelo definido or Peter Chen em 1976 modelo sofreu diversas extensões e notações ao longo do temo Padrão ara modelagem conceitual de BD modelo simles oucos

Leia mais

Projeto de Banco de Dados

Projeto de Banco de Dados Projeto de Banco de Dados Atividade de modelagem de dados em diversos níveis de abstração Modelagem conceitual (projeto conceitual) abstração de mais alto nível objetivo: representação dos requisitos de

Leia mais

Disciplina: Unidade II: Prof.: E-mail: Período:

Disciplina: Unidade II: Prof.: E-mail: Período: Encontro 03 Disciplina: Sistemas de Banco de Dados Unidade II: Modelagem Conceitual de Dados Prof.: Mario Filho E-mail: pro@mariofilho.com.br Período: 5º. SIG - ADM 2. Modelagem Conceitual de Dados (Modelo

Leia mais

Fernando Fonseca Ana Carolina

Fernando Fonseca Ana Carolina Banco de Dados Ciclo de Desenvolvimento de Sistemas de BD Investigação dos Dados Modelagem dos Dados Modelagem Conceitual Projeto do Banco de Dados Fernando Fonseca Ana Carolina Implementação do Banco

Leia mais

Modelagem de Dados e Conversão de Modelos. Frederico Damasceno Bortoloti freddb@ltc.ufes.br

Modelagem de Dados e Conversão de Modelos. Frederico Damasceno Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Modelagem de Dados e Conversão de Modelos Frederico Damasceno Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Objetivo Teoria e prática de projeto de Bancos de Dados Relacionais (BDRs) Foco: modelagem conceitual e lógica

Leia mais

Ciclo de Desenvolvimento de Sistemas de BD

Ciclo de Desenvolvimento de Sistemas de BD Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca Ana Carolina Valeria Times Bernadette Loscio Robson Nascimento Ciclo de Desenvolvimento de Sistemas de BD Investigação dos Dados Modelagem dos Dados

Leia mais

Modelo Entidade-Relacionamento

Modelo Entidade-Relacionamento Modelo Entidade-Relacionamento Banco de Dados I Fases do Projeto jt de BD Enunciado de requisitos entrevista com o usuário do banco de dados para entender e documentar seus requerimentos de dados. Projeto

Leia mais

Banco de Dados - Senado

Banco de Dados - Senado Banco de Dados - Senado Introdução Ilka Kawashita Material preparado :Prof. Marcio Vitorino Ementa do Curso n Banco de Dados n Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) n ORACLE BANCO DE DADOS (BD) n Modelo Entidade

Leia mais

ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO

ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO BANCO DE DADOS I CONTEÚDO 2 Prof. Msc. Ricardo Antonello ABORDAGEM ER A primeira etapa do projeto de um banco de dados é a construção de um modelo conceitual ou modelagem conceitual.

Leia mais

Administração de Bancos de Dados

Administração de Bancos de Dados Modelo Entidade-Relacionamento Prof. Rodrigo M. Silva Administração de Bancos de Dados 1 silvars@gmail.com Plano de Aula Modelos de Dados (Revisão) O Modelo Entidade-Relacionamento Entidades Atributos

Leia mais

Banco de Dados 1 2º Semestre

Banco de Dados 1 2º Semestre Banco de Dados 1 2º Semestre Aula 07 Prof. Gladimir Ceroni Catarino gladimir@gmail.com SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS o Uma coletânea de conceitos que

Leia mais

BANCO DE DADOS -PROJETO LÓGICO. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

BANCO DE DADOS -PROJETO LÓGICO. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br BANCO DE DADOS -PROJETO LÓGICO Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br PROJETO DE BANCO DE DADOS Atividade de modelagem de dados em diversos níveis de abstração Modelagem conceitual

Leia mais

Curso de Gestão em SI MODELAGEM DE DADOS. Rodrigo da Silva Gomes. (Extraído do material do prof. Ronaldo Melo - UFSC)

Curso de Gestão em SI MODELAGEM DE DADOS. Rodrigo da Silva Gomes. (Extraído do material do prof. Ronaldo Melo - UFSC) Curso de Gestão em SI MODELAGEM DE DADOS Rodrigo da Silva Gomes (Extraído do material do prof. Ronaldo Melo - UFSC) Modelo Conceitual Descrição do banco de dados de forma independente de implementação

Leia mais

MC536 Bancos de Dados: Teoria e Prática

MC536 Bancos de Dados: Teoria e Prática Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Instituto de Computação - IC MC536 Bancos de Dados: Teoria e Prática Aula #3 : MER e MER Estendido Profs. Anderson Rocha e André Santanchè Campinas, 1 de Agosto

Leia mais

Propriedades de entidades

Propriedades de entidades Propriedades de entidades Angélica Toffano Seidel Calazans E-mail: angelica_toffano@yahoo.com.br Abordagem Entidade-Relacionamento Entidade isoladamente não informa nada. É necessário atribuir propriedades

Leia mais

Processo de Projeto Bottom-Up. esquema conceitual do BD. engenharia reversa do esquema relacional. esquema relacional integrado do BD (esquema global)

Processo de Projeto Bottom-Up. esquema conceitual do BD. engenharia reversa do esquema relacional. esquema relacional integrado do BD (esquema global) Processo de Projeto Bottom-Up esquema conceitual do BD engenharia reversa do esquema relacional Passo4 esquema relacional integrado do BD (esquema global) esquema relacional 1 normalização tabela ÑN 1

Leia mais

Processo de Projeto Bottom-Up. esquema conceitual do BD. engenharia reversa do esquema relacional. esquema relacional integrado do BD (esquema global)

Processo de Projeto Bottom-Up. esquema conceitual do BD. engenharia reversa do esquema relacional. esquema relacional integrado do BD (esquema global) Processo de Projeto Bottom-Up esquema conceitual do BD engenharia reversa do esquema relacional Passo4 esquema relacional integrado do BD (esquema global) integração Passo3 esquema relacional 1 normalização

Leia mais

MODELAGEM DE DADOS. Banco de Dados I. O uso da análise e do projeto Orientados a Objetos atenuou a separação! Unidade I

MODELAGEM DE DADOS. Banco de Dados I. O uso da análise e do projeto Orientados a Objetos atenuou a separação! Unidade I O uso da análise e do projeto Orientados a Objetos atenuou a separação! 1 Etapas do Projeto do BD Análise de Requisitos Coleta de informações sobre os dados e seus relacionamentos na organização Projeto

Leia mais

Modelo Entidade-Relacionamento. Prof. Antonio Almeida de Barros Jr.

Modelo Entidade-Relacionamento. Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Modelo Entidade-Relacionamento Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Conteúdo Contexto Histórico A Importância da Modelagem de Dados Projeto de Banco de Dados Modelagem Conceitual Projeto Lógico Projeto

Leia mais

Ciclo de vida de um banco de dados relacional

Ciclo de vida de um banco de dados relacional Ciclo de vida de um banco de dados relacional 1. Formulação e análise de requisitos: a) Relacionamentos naturais entre os dados (independentes de processo). b) Requisitos de uso (dependentes de processo).

Leia mais

Modelagem dos dados. entendo. Reino Real. Reino. Representação

Modelagem dos dados. entendo. Reino Real. Reino. Representação Modelagem dos dados entendo Reino Real Reino Imaginário (modelagem) Reino Representação represento Nós não somos capazes de representar tudo o que imaginamos. Nós somente representamos o que é interessante.

Leia mais

BANCO DE DADOS PROFESSOR MAURÍCIO - MAURICIO.MELLO@PUCPR.BR AULA 02. O Modelo Entidade-Relacionamento ( MER )

BANCO DE DADOS PROFESSOR MAURÍCIO - MAURICIO.MELLO@PUCPR.BR AULA 02. O Modelo Entidade-Relacionamento ( MER ) AULA 02 BANCO DE DADOS PROFESSOR MAURÍCIO - MAURICIO.MELLO@PUCPR.BR O Modelo Entidade-Relacionamento ( MER ) Fases do Projeto de Bases de Dados (EN94)- O Modelo Entidade- Relacionamento Definição : modelo

Leia mais

Descreve relacionamentos entre objetos de dados; conduz à modelagem de dados; atributos de cada objeto => Descrição de Objetos de Dados;

Descreve relacionamentos entre objetos de dados; conduz à modelagem de dados; atributos de cada objeto => Descrição de Objetos de Dados; Diagrama Entidade-Relacionamento (DER) Descreve relacionamentos entre objetos de dados; conduz à modelagem de dados; atributos de cada objeto => Descrição de Objetos de Dados; Profa. Maria Auxiliadora

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Banco de Dados Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Processo de Projeto de Banco de Dados Minimundo Projeto Lógico (Mapeamento do Modelo de Dados) 1 4 Esquema Lógico (Modelo do SGBD)

Leia mais

Banco de Dados. Modelagem de Dados com MER. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.

Banco de Dados. Modelagem de Dados com MER. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo. Banco de Dados Modelagem de Dados com MER Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015 Modelagem de Dados Modelagem de Dados tem como objetivo transformar uma

Leia mais

Banco de Dados Modelo Entidade-Relacionamento. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br

Banco de Dados Modelo Entidade-Relacionamento. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Banco de Dados Modelo Entidade- Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Modelo Entidade- Proposto por Peter Chen, em 1976 Baseado na percepção do mundo real Consiste de um conjunto de objetos básicos

Leia mais

Atributos. Exercício (4.1) Angélica Toffano Seidel Calazans E-mail: angelica_toffano@yahoo.com.br Abordagem Entidade-Relacionamento

Atributos. Exercício (4.1) Angélica Toffano Seidel Calazans E-mail: angelica_toffano@yahoo.com.br Abordagem Entidade-Relacionamento Cardinalidades mínimas e máximas Até grau máximo Pelo menos grau mínimo 1,1 1,n Escola atende aluno Até grau máximo Pelo menos grau mínimo Angélica Toffano Seidel Calazans E-mail: angelica_toffano@yahoo.com.br

Leia mais

Conjunto de objetos da realidade modelada sobre os quais deseja-se. dados.

Conjunto de objetos da realidade modelada sobre os quais deseja-se. dados. Linguagens Visuais & Banco de Dados Aula 2 Heuser, Carlos A. Projeto de banco de dados. Ed. Sagra e Luzzato. Porto alegre, 1999 Entidade Conjunto de objetos da realidade modelada sobre os quais deseja-se

Leia mais

A quem pertencem os atributos: PRECO, QUANTIDADE e PRAZO?

A quem pertencem os atributos: PRECO, QUANTIDADE e PRAZO? Atributos de Relacionamento A quem pertencem os atributos: PRECO, QUANTIDADE e PRAZO? Produto n Vende n Fornecedor Produto n Vende n Fornecedor Preço Quant Prazo 1 DESENVOLVIMENTO DA MODELAGEM - Observar

Leia mais

Exercícios Propostos de Modelagem parte II

Exercícios Propostos de Modelagem parte II Exercícios Propostos de Modelagem parte II Vitor Valerio de Souza Campos Uma pizzaria de tele-entrega apresenta um cardápio composto por diversos tipos de pizza, cujos dados são: número do item, nome da

Leia mais

Exercícios Propostos de Modelagem parte II

Exercícios Propostos de Modelagem parte II Exercícios Propostos de Modelagem parte II Vitor Valerio de Souza Campos Uma pizzaria de tele-entrega apresenta um cardápio composto por diversos tipos de pizza, cujos dados são: número do item, nome da

Leia mais

Modelo Entidade-Relacionamento

Modelo Entidade-Relacionamento Modelo Entidade-Relacionamento ome Designação Doc... #Disc... Docente Ensina Disciplina Abordagem proposta por Peter P. Chen (década de 70) para o processo de modelação de dados com ampla aceitação; Trabalho

Leia mais

MSc. Daniele Carvalho Oliveira

MSc. Daniele Carvalho Oliveira MSc. Daniele Carvalho Oliveira AULA 2 Administração de Banco de Dados: MSc. Daniele Oliveira 2 CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE BANCO DE DADOS Administração de Banco de Dados: MSc. Daniele Oliveira 3 Conceitos

Leia mais

Profa. Daniela Barreiro Claro

Profa. Daniela Barreiro Claro Profa. Daniela Barreiro Claro Modelar é criar representações do mundo real A modelagem relacional pode ser representada via MER (Modelo de Entidade Relacionamento) O MER define estruturas e restrições

Leia mais

Banco de Dados I. Projeto de Banco de Dados e o Modelo E-R Parte 2. Fabricio Breve

Banco de Dados I. Projeto de Banco de Dados e o Modelo E-R Parte 2. Fabricio Breve Banco de Dados I Projeto de Banco de Dados e o Modelo E-R Parte 2 Fabricio Breve Aspectos de projeto de entidaderelacionamento As noções de um conjunto de entidades e um conjunto de relacionamento não

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em BD

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em BD Modelagem de Dados Aula 01 Revisão Modelos de Dados Existem modelos para diferentes níveis de abstração de representação de dados modelos conceituais modelos lógicos

Leia mais

MODELO ENTIDADE - RELACIONAMENTO

MODELO ENTIDADE - RELACIONAMENTO MODELO ENTIDADE - RELACIONAMENTO Modelo Entidade - Relacionamento = Percepção de que o mundo real é formado por um conjunto de objetos chamados entidades e pelo conjunto dos relacionamentos entre estes

Leia mais

Modelagem de Dados Usando o Modelo Entidade-Relacionamento

Modelagem de Dados Usando o Modelo Entidade-Relacionamento Usando o Modelo Entidade-Relacionamento MER 1 MER Levantamento e Análise de requisitos Entrevista Entender e documentar seus requisitos de dados Requisitos funcionais da aplicação empregadas ao banco de

Leia mais

Banco de Dados I. 1. Conceitos de Banco de Dados

Banco de Dados I. 1. Conceitos de Banco de Dados Banco de Dados I 1. Conceitos de Banco de Dados 1.1. Características de um Banco de Dados. 1.2. Vantagens na utilização de um BD. 1.3. Quando usar e não usar um Banco de Dados. 1.4. Modelos, Esquemas e

Leia mais

Construindo modelos ER. Capítulo 3

Construindo modelos ER. Capítulo 3 Construindo modelos ER Capítulo 3 1 Construindo modelos ER Conselhos práticos Heurísticas Notações alternativas Processo de modelagem e alternativas 2 Propriedades de modelos ER Modelo ER é um modelo formal

Leia mais

Modelagem de dados usando o modelo BANCO DE DADOS 1º TRIMESTRE PROF. PATRÍCIA LUCAS

Modelagem de dados usando o modelo BANCO DE DADOS 1º TRIMESTRE PROF. PATRÍCIA LUCAS Modelagem de dados usando o modelo Entidade-Relacionamento BANCO DE DADOS 1º TRIMESTRE PROF. PATRÍCIA LUCAS Introdução Modelagem conceitual fase de planejamento/projeto de um BD; Modelo Entidade/Relacionamento

Leia mais

Profº Aldo Rocha. Banco de Dados

Profº Aldo Rocha. Banco de Dados Profº Aldo Rocha Banco de Dados AULA 03: MODELO CONCEITUAL E DE ENTIDADES Turma: ASN102 BELÉM, 19 DE AGOSTO DE 2011 Aula Passada Na aula passada nós trabalhamos a introdução a Banco de dados e a AGENDA

Leia mais

CIn/UFPE Projeto Conceitual de BD - Prof. Robson Fidalgo 1

CIn/UFPE Projeto Conceitual de BD - Prof. Robson Fidalgo 1 CIn/UFPE Projeto Conceitual de BD - Prof. Robson Fidalgo 1 Projeto Conceitual de BD Transformação ER/Relacional Por: Robson do Nascimento Fidalgo rdnf@cin.ufpe.br CIn/UFPE Projeto Conceitual de BD - Prof.

Leia mais

BANCO DE DADOS I AULA 3. Willamys Araújo

BANCO DE DADOS I AULA 3. Willamys Araújo BANCO DE DADOS I AULA 3 Willamys Araújo Modelo Conceitual Descreve quais dados serão armazenados no banco de dados as relações que existem entre eles. Independe do SGBD e da abordagem do banco de dados

Leia mais

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão SISTEMAS DE BANCO DE DADOS Prof. Adriano Pereira Maranhão 1 REVISÃO BANCO DE DADOS I O que é banco de dados? Ou seja afinal o que é um SGBD? REVISÃO BD I REVISÃO DE BD I Um Sistema de Gerenciamento de

Leia mais

http://groups beta.google.com/group/digitalsource

http://groups beta.google.com/group/digitalsource http://groups beta.google.com/group/digitalsource Projeto de Banco de Dados Carlos A. Heuser* * Carlos A. Heuser, 1998 - A publicação comercial deste texto está planejada. Ele deve ser considerado como

Leia mais

Projeto de Banco de Dados

Projeto de Banco de Dados Projeto de Banco de Dados Atividade de modelagem de dados em diversos níveis de abstração Modelagem conceitual (projeto conceitual) abstração de mais alto nível objetivo: representação dos requisitos de

Leia mais

O Modelo de Entidades e Relacionamentos (MER) é um modelo conceitual usado para projeto de aplicações de banco de dados.

O Modelo de Entidades e Relacionamentos (MER) é um modelo conceitual usado para projeto de aplicações de banco de dados. Fases do Projeto de um Banco de Dados Modelo ER O Modelo de Entidades e Relacionamentos (MER) é um modelo conceitual usado para projeto de aplicações de banco de dados. É um modelo baseado na percepção

Leia mais

Unidade II ADMINISTRAÇÃO DE. Prof. Luiz Fernando de Lima Santos

Unidade II ADMINISTRAÇÃO DE. Prof. Luiz Fernando de Lima Santos Unidade II ADMINISTRAÇÃO DE BANCOS DE DADOS Prof. Luiz Fernando de Lima Santos Modelagem de Dados Coleção de ferramentas conceituais para descrever dados, suas relações e restrições Modelo Conceitual:

Leia mais

Banco de Dados. Modelagem de Dados. Prof.: Salustiano Rodrigues

Banco de Dados. Modelagem de Dados. Prof.: Salustiano Rodrigues Banco de Dados Modelagem de Dados Prof.: Salustiano Rodrigues OBJETIVOS: Dados x Informação; O que é um Banco de Dados? Estrutura de um projeto de Banco de Dados; O que é um mini mundo? O que é o Modelo

Leia mais

MODELAGEM DE DADOS. Unidade II Arquiteturas do SGBD

MODELAGEM DE DADOS. Unidade II Arquiteturas do SGBD MODELAGEM DE DADOS Unidade II Arquiteturas do SGBD 0 UNIDADE II: TÓPICOS: Tópico 1 - Arquitetura SGBD Tópico 2 - Etapas de um projeto de Banco de Dados Tópico 3 Modelagem Tópico 1 - Arquitetura SGBD A

Leia mais

Projeto Conceitual (geralmente no modelo E-R):

Projeto Conceitual (geralmente no modelo E-R): 1 Projeto Conceitual (geralmente no modelo E-R): o modelo E-R o esquema do BD é representado graficamente. Quais as entidades e os relacionamentos na empresa? Que informações sobre essas entidades e relacionamentos

Leia mais

Modelagem de Dados Usando o Modelo Entidade-Relacionamento

Modelagem de Dados Usando o Modelo Entidade-Relacionamento Modelagem de Dados Usando o Modelo Entidade-Relacionamento Sumário Fases do Projeto de BD Conceitos Básicos do Modelo ER Tipos de entidade, atributos e chaves Tipos de relacionamento Restrições estruturais

Leia mais

PROJETO DE BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

PROJETO DE BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. 1 PROJETO DE BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. FUNDAMENTOS Dados Representação de fatos, conceitos ou instruções de maneira formalizada; Informação Significado que pessoas associam

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO (UFRPE)

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO (UFRPE) UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO (UFRPE) COORDENAÇÃO GERAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD/UFRPE) Banco de Dados Sandra de Albuquerque Siebra Volume 2 Recife, 2010 Universidade Federal Rural de Pernambuco

Leia mais

Banco de Dados I. Modelagem Conceitual Parte 2. Cardinalidades, atributos em relacionamentos, identificadores, generalização. Prof.

Banco de Dados I. Modelagem Conceitual Parte 2. Cardinalidades, atributos em relacionamentos, identificadores, generalização. Prof. Banco de Dados I Modelagem Conceitual Parte 2 Cardinalidades, atributos em relacionamentos, identificadores, generalização. Prof. Moser Fagundes Curso TSI Instituto Federal Sul-Rio-Grandense (IFSul) Campus

Leia mais

PROJETO DE BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

PROJETO DE BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza 1 PROJETO DE BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza FUNDAMENTOS Dados Representação de fatos, conceitos ou instruções de maneira formalizada; Informação

Leia mais

O Modelo Entidade-Relacionamento MER

O Modelo Entidade-Relacionamento MER O Modelo Entidade-Relacionamento MER Capítulo 2 1 Etapas do Projeto de BD 1. Análise de Requisitos: Processo informal que envolve discussões entre grupos de usuários Entender quais dados serão armazenados

Leia mais

Capítulo 5 Complemento. 5.1 Laudon, Cap. 5

Capítulo 5 Complemento. 5.1 Laudon, Cap. 5 Capítulo 5 Complemento Fundamentos de Bancos de Dados: Modelo de Entidade e Relacionamento - MER 5.1 Laudon, Cap. 5 Modelo mais utilizado: simplicidade e eficiência. Banco de dados relacional. Base: percepção

Leia mais

Banco de Dados I. Projeto de Banco de Dados e o Modelo E-R. Fabricio Breve

Banco de Dados I. Projeto de Banco de Dados e o Modelo E-R. Fabricio Breve Banco de Dados I Projeto de Banco de Dados e o Modelo E-R Fabricio Breve O Modelo E-R Representação do mundo real por meio de Entidades e dos Relacionamentos entre as entidades Desenvolvido originalmente

Leia mais

Bancos de Dados Aula #3 MER Estendido

Bancos de Dados Aula #3 MER Estendido Bancos de Dados Aula #3 MER Estendido Prof. Eduardo R. Hruschka * Slides baseados no material elaborado pelas professoras: Cristina D. A. Ciferri Elaine P. M. de Souza MER Estendido (Expandido) Características:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PRÓ-REITORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA ESCOLA TÉCNICA ABERTA DO PIAUÍ ETAPI CAMPUS TERESINA CENTRAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PRÓ-REITORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA ESCOLA TÉCNICA ABERTA DO PIAUÍ ETAPI CAMPUS TERESINA CENTRAL 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PRÓ-REITORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA ESCOLA TÉCNICA ABERTA DO PIAUÍ ETAPI CAMPUS TERESINA CENTRAL 2 3 PRESIDENTE DA REPÚBLICA Luiz Inácio Lula da Silva MINISTRO

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados Prova 3

Fundamentos de Bancos de Dados Prova 3 Fundamentos de Bancos de Dados Prova 3 Prof. Carlos A. Heuser 26 de janeiro de 2004 Duração: 2 horas Prova com consulta Questão 1 (Construção de modelo ER - Peso 3) Deseja-se construir uma base de dados

Leia mais

I Requisitos de um modelo conceitual: - clareza (facilidade de compreensão) - exatidão (formal)

I Requisitos de um modelo conceitual: - clareza (facilidade de compreensão) - exatidão (formal) Modelagem Conceitual C O objetivo É: Representar a semântica da informação, independente de considerações de eficiência. D O objetivo NÃO É: Descrever a estrutura do armazenamento do banco de dados. I

Leia mais

Modelagem de dados e uso do SGBD MySQL

Modelagem de dados e uso do SGBD MySQL CURSO DE VERÃO EM BIOINFORMÁTICA ESTRUTURAL Modelagem de dados e uso do SGBD MySQL Modelagem e projeto de banco de dados Arquitetura de três esquemas [1] USUÁRIOS Nível externo Visão externa Mapeamento

Leia mais

Introdução à Banco de Dados

Introdução à Banco de Dados Introdução à Banco de Dados Introdução à Banco de Dados Agenda O que é Banco de Dados Como ele funciona Sistema Gerenciador de Banco de Dados Modelagem de Dados Modelo de dados Entidade-Relacionamento

Leia mais

Banco de Dados I. Prof. Bal. Emerson Meneses Inocente

Banco de Dados I. Prof. Bal. Emerson Meneses Inocente Banco de Dados I Prof. Bal. Emerson Meneses Inocente Continuação aula 1 Arquitetura de SGBD Relacional ocaracterísticas: Independência de dados e programas; Suporte a múltiplas visões de usuários; Uso

Leia mais

ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO CONTEÚDO 4 GENERALIZAÇÃO E ENTIDADE ASSOCIATIVA. Prof. Msc. Ricardo Antonello BANCO DE DADOS I

ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO CONTEÚDO 4 GENERALIZAÇÃO E ENTIDADE ASSOCIATIVA. Prof. Msc. Ricardo Antonello BANCO DE DADOS I ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO BANCO DE DADOS I CONTEÚDO 4 GENERALIZAÇÃO E ENTIDADE ASSOCIATIVA Prof. Msc. Ricardo Antonello Generalizaçao ou especialização Além de relacionamentos e atributos, propriedades

Leia mais

Revisão de Banco de Dados

Revisão de Banco de Dados Revisão de Banco de Dados Fabiano Baldo 1 Sistema de Processamento de Arquivos Antes da concepção dos BDs o registro das informações eram feitos através de arquivos. Desvantagens: Redundância e Inconsistência

Leia mais

GBC043 Sistemas de Banco de Dados Modelo de Entidade-Relacionamento (ER)

GBC043 Sistemas de Banco de Dados Modelo de Entidade-Relacionamento (ER) GBC043 Sistemas de Banco de Dados Modelo de Entidade-Relacionamento (ER) Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd Projeto de BD Uma Visão Panorâmica Página 2 Projeto Conceitual

Leia mais

Modelo de Entidade e Relacionamento (MER) - Parte 07

Modelo de Entidade e Relacionamento (MER) - Parte 07 Modelo de Entidade e Relacionamento (MER) - Parte 07 7.1 Definição Consiste em mapear o mundo real do sistema em um modelo gráfico que irá representar o modelo e o relacionamento existente entre os dados.

Leia mais

Aula II Introdução ao Modelo de Entidade-Relacionamento

Aula II Introdução ao Modelo de Entidade-Relacionamento Aula II Introdução ao Modelo de Entidade-Relacionamento Referência bibliográfica ANGELOTTI, E S. Banco de Dados. Ed. Livro Técnico Introdução É um modelo conceitual e deve estar o mais próximo possível

Leia mais

1) O QUE NÃO É BANCO DE DADOS?

1) O QUE NÃO É BANCO DE DADOS? FMU - Graduação em Ciência da Computação - BANCO DE DADOS I - Prof. Fernando Alberto Covalski - pág 1 1) O QUE NÃO É BANCO DE DADOS? SISTEMAS ISOLADOS SISTEMA DE PRODUÇÃO SISTEMA DE VENDAS SISTEMA DE COMPRAS

Leia mais

Modelagem E-R Exercícios e Verificação IME- Instituto Militar de Engenharia Mini-mundos Biblioteca Escola de música Oficina Distribuidora de filmes 1 Biblioteca Sistema de controle e gerenciamento de empréstimos

Leia mais

MODELAGEM DE DADOS TEORIA E PRÁTICA

MODELAGEM DE DADOS TEORIA E PRÁTICA MODELAGEM DE DADOS TEORIA E PRÁTICA ARAÚJO, M. A. P. 1. INTRODUÇÃO Modelagem de sistemas, tanto a nível funcional quanto de dados, é um requisito fundamental para a obtenção de produtos de software de

Leia mais

Fundamentos de Banco de Dados e Modelagem de Dados

Fundamentos de Banco de Dados e Modelagem de Dados Abril - 2015 Universidade Federal de Mato Grosso Instituto de Computação Pós Graduação Lato Sensu em Banco de Dados Fundamentos de Banco de Dados e Modelagem de Dados Prof. Dr. Josiel Maimone de Figueiredo

Leia mais

Modelos de Armazenamento de dados. Prof. Guilherme Tomaschewski Netto guilherme.netto@gmail.com

Modelos de Armazenamento de dados. Prof. Guilherme Tomaschewski Netto guilherme.netto@gmail.com Modelos de Armazenamento de dados Prof. Guilherme Tomaschewski Netto guilherme.netto@gmail.com Legendas! Nesta apresentação serão utilizadas algumas legendas: Indica uma referência, para quem ficou curioso

Leia mais

Roteiro 3 Modelagem relacional

Roteiro 3 Modelagem relacional Roteiro 3 Modelagem relacional Objetivos: Explorar conceitos sobre: o Modelagem de bancos de dados projetos: conceitual, lógico e físico; o Conceitos sobre o modelo relacional: tuplas, atributo, entidades,

Leia mais

INF01145 - Fundamentos de Banco de Dados Exercícios sobre normalização

INF01145 - Fundamentos de Banco de Dados Exercícios sobre normalização INF045 - Fundamentos de Banco de Dados Exercícios sobre normalização Carlos A. Heuser 28 de Junho de 2006 Exercícios do Capítulo 5 do livro Exercício. Considere as seguintes alternativas de implementação

Leia mais

Banco de Dados. Banco de Dados (aulas 7 e 8) 1 Wedson Quintanilha da Silva - Banco de Dados

Banco de Dados. Banco de Dados (aulas 7 e 8) 1 Wedson Quintanilha da Silva - Banco de Dados Banco de Dados Banco de Dados (aulas 7 e 8) 1 Wedson Quintanilha da Silva - Banco de Dados Generalizaçao/Especialização: Definição de atributos e/ou relacionamentos particulares a um subconjunto de ocorrências

Leia mais

Apresentação. Unimar - Universidade de Marília F.C.T.

Apresentação. Unimar - Universidade de Marília F.C.T. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

Exemplo de Necessidade de Modelagem de Dados. Exemplo de Necessidade de Modelagem de Dados

Exemplo de Necessidade de Modelagem de Dados. Exemplo de Necessidade de Modelagem de Dados Exemplo de Necessidade de Modelagem de Dados 1 Exemplo de Necessidade de Modelagem de Dados 2 1 Exemplo de Necessidade de Modelagem de Dados 3 Exemplo de Necessidade de Modelagem de Dados 4 2 Exemplo de

Leia mais

ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO BANCO DE DADOS I CONTEÚDO 5 ABORDAGEM RELACIONAL

ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO BANCO DE DADOS I CONTEÚDO 5 ABORDAGEM RELACIONAL ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO BANCO DE DADOS I CONTEÚDO 5 ABORDAGEM RELACIONAL PROF. MS C. RICARDO ANTONELLO WWW.ANTONELLO.COM.B R PORQUE SER RELACIONAL? Hoje, há um claro predomínio dos SGBD relacionais, principalmente

Leia mais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Prof. Marcos Francisco Pereira da Silva Especialista em Engenharia de Software Jogos Digitais - Computação Gráfica 1 Agenda Vantagens de usar a abordagem

Leia mais

Modelo Entidade-Relacionamento. Modelo Entidade-Relacionamento. Modelo Entidade-Relacionamento

Modelo Entidade-Relacionamento. Modelo Entidade-Relacionamento. Modelo Entidade-Relacionamento 5 Modelo Entidade-Relacionamento Material baseado nas notas de aula: Maria Luiza M. Campos IME/2005 Carlos Heuser - livro Projeto de Banco de Dados CasaNova / PUC/RJ Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com

Leia mais

ADMINISTRADOR DE BANCO DE DADOS

ADMINISTRADOR DE BANCO DE DADOS FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA ADMINISTRADOR DE BANCO DE DADOS ADMINISTRADOR DE BANCO DE DADOS Márcia Cristina Dadalto Pascutti Versão 1 Ano 2012 Os textos que compõem estes cursos, não podem ser reproduzidos

Leia mais

Introdução Banco de Dados

Introdução Banco de Dados Introdução Banco de Dados Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny Por que estudar BD? Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária reserva de hotel matrícula em

Leia mais

AULA 11-12. Entidade-Relacionamento

AULA 11-12. Entidade-Relacionamento AULA 11-12 Modelo Conceitual, Lógico e Físico, Entidade-Relacionamento Curso: Técnico em Informática (Integrado) Disciplina: Banco de Dados Prof. Abrahão Lopes abrahao.lopes@ifrn.edu.br Modelos de banco

Leia mais

Aula VI -MODELO RELACIONAL

Aula VI -MODELO RELACIONAL Aula VI -MODELO RELACIONAL ModeloRelacional É constituído de tabelas, ou relações. Para cada tabela deve haver um nome único. Uma tabela pode ser considerada como um tipo de relação matemática. Uma tabela

Leia mais

Simulado Banco de Dados I Bimestre 1 Capítulo 1 Projeto Lógico de Banco de Dados

Simulado Banco de Dados I Bimestre 1 Capítulo 1 Projeto Lógico de Banco de Dados Simulado Banco de Dados I Bimestre 1 Capítulo 1 Projeto Lógico de Banco de Dados 01) Defina com suas próprias palavras: a) Banco de Dados b) Sistema Gerenciador de Banco de Dados c) Sistema de Banco de

Leia mais

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1 1. Quando se constrói um banco de dados, define-se o modelo de entidade e relacionamento (MER), que é a representação abstrata das estruturas de dados do banco e seus relacionamentos. Cada entidade pode

Leia mais

Modelo Relacional. Modelo Relacional. Tabelas

Modelo Relacional. Modelo Relacional. Tabelas MODELO RELACIONAL Banco de Dados Relacional = consiste em uma coleção de tabelas ou relações, cada uma das quais com um nome único. 2 1 Tabelas Conjunto não ordenado de linhas (tuplas); Cada linha é composta

Leia mais

Aula 3 SBD Modelo Entidade Relacionamento Parte 1. Profa. Elaine Faria UFU - 2015

Aula 3 SBD Modelo Entidade Relacionamento Parte 1. Profa. Elaine Faria UFU - 2015 Aula 3 SBD Modelo Entidade Relacionamento Parte 1 Profa. Elaine Faria UFU - 2015 Processo do Projeto de um Banco de Dados A criação de uma aplicação de banco de dados envolve várias tarefas Projeto do

Leia mais

BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS E WEBMAPPING -MODELAGEM DE BD GEOGRÁFICOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS E WEBMAPPING -MODELAGEM DE BD GEOGRÁFICOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza 1 BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS E WEBMAPPING -MODELAGEM DE BD GEOGRÁFICOS Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MODELAGEM DE BDG Modelagem de dados convencional abstração de entidades

Leia mais

Prof. Alexandre Unterstell Banco de Dados I

Prof. Alexandre Unterstell Banco de Dados I Prof. Alexandre Unterstell Banco de Dados I Etapas para o projeto de um BD Análise de requisitos Analista: Entrevista Necessidade do negócio As etapas não consideram ainda nenhuma característica específica

Leia mais

Roteiro. Modelagem de Dados: Usando o Modelo Entidade-Relacionamento. BCC321 - Banco de Dados I. Processo de Projeto de Banco de Dados.

Roteiro. Modelagem de Dados: Usando o Modelo Entidade-Relacionamento. BCC321 - Banco de Dados I. Processo de Projeto de Banco de Dados. Roteiro Modelagem de Dados: Usando o Modelo Entidade-Relacionamento Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br www.decom.ufop.br/luiz

Leia mais

Desenho e Modelação de Esquemas de Bases de Dados

Desenho e Modelação de Esquemas de Bases de Dados Sistemas de Bases de Dados Edição 2004 Desenho e Modelação de Esquemas de Bases de Dados Orlando Belo Departamento de Informática Escola de Engenharia Universidade do Minho Índice Ciclo de Vida de uma

Leia mais

Engenharia de Software. Diagramas de Entidade- Relacionamento (E-R) Estruturação de dados

Engenharia de Software. Diagramas de Entidade- Relacionamento (E-R) Estruturação de dados Engenharia de Software Profa. Dra. Lúcia V. L. Filgueiras Profa. Dra. Selma Shin Shimizu Melnikoff Diagramas de Entidade- Relacionamento (E-R) modelo para descrever a estruturação dos dados armazenados

Leia mais

Introdução a Banco de Dados. Adão de Melo Neto

Introdução a Banco de Dados. Adão de Melo Neto Introdução a Banco de Dados Adão de Melo Neto 1 Por que estudar BD? Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária reserva de hotel matrícula em uma disciplina da universidade cadastro

Leia mais

Generalização e Especialização Banco de Dados

Generalização e Especialização Banco de Dados Generalização e Especialização Banco de Dados Extensões do Modelo ER Possuem o objetivo de aumentar o poder de expressão do modelo provendo novos meios de representações Suporte a Abstrações de Dados características

Leia mais