DFC - DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA - Roteiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DFC - DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA - Roteiro"

Transcrição

1 Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) , (teleatendimento), fax (11) web: Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis São Paulo SP Presidente: Luiz Fernando Nóbrega Gestão Palestra Demonstração D de Fluxo de Caixa - Roteiro A reprodução total ou parcial, bem como a reprodução de apostilas a partir desta obra intelectual, de qualquer forma ou por qualquer meio eletrônico ou mecânico, inclusive através de processos xerográficos, de fotocópias e de gravação, somente poderá ocorrer com a permissão expressa do seu Autor (Lei n. 9610) TODOS OS DIREITOS RESERVADOS: É PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL DESTA APOSTILA, DE QUALQUER FORMA OU POR QUALQUER MEIO. CÓDIGO PENAL BRASILEIRO ARTIGO 184. Elaborado por: Paulo Cesar Raimundo Peppe O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a). agosto 2012 Acesso gratuito pelo portal do CRC SP

2 Objetivo: PARTE A DFC - DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA - Roteiro 1.Apresentação dos Conceitos e Estrutura da DFC Demonstração de Fluxo de Caixa, pelos métodos diretos e indiretos, bem como um ROTEIRO ou síntese objetivando a facilitação e simplificação na elaboração da DFC Demonstração de Fluxo de Caixa. DFC - DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA - Roteiro Instrumentos Técnicos CPC-03 (R2) / (IAS 7 - IASB) DFC - Demonstrações dos Fluxos de Caixa Deliberação CVM 547/2008 Resolução CFC 1.296/10 = NBC TG 3 Resolução do CMN nº. 3604/08 2

3 DFC e DVA Sociedades Obrigadas a apresentação: CIA ABERTA Terá de elaborar, publicar e auditar com regularidade, também as Demonstrações do Fluxo de Caixa DFC e a Demonstração do Valor Adicionado DVA. Vai propiciar aos investidores conhecerem melhor o fluxo de dinheiro na empresa e o quanto ela produz de riqueza ao longo do ano, bem como seguir as normas internacionais disciplinadas pela CVM. DFC e DVA Sociedades Obrigadas a apresentação: CIA FECHADA Também terá de elaborar e publicar com regularidade, a DFC podendo ficar dispensada dessa elaboração e publicação, quando o seu patrimônio líquido, na data do balanço, for inferior a R$ ,00 ( 6º. Art.176). Esta dispensada de elaborar e publicar a DVA, independente do valor do seu PL, pois a DVA é obrigatória somente para S/A de CAPITAL ABERTO, conforme consta expressamente no inciso V da lei. 3

4 DFC e DVA Sociedades Obrigadas a apresentação: SOCIEDADE DE GRANTE PORTE (Individual) Que tiver, no exercício social anterior atingido um dos dois limites: a. Ativo total superior a R$ 240 milhões; ou b. Receita bruta anual superior a R$ 300 milhões. OBS.: A obrigatoriedade também se faz presente quando analisada a situação de um mesmo grupo econômico. CONJUNTO DE SOCIEDADE SOB CONTROLE COMUM. Estas sociedades, também se sujeitam aos procedimentos gerais de AUDITORIA INDEPENDENTE, por auditores registrados na CVM. Objetivo e Função Prover informações Relevantes sobre os pagamentos e recebimentos (dinheiro à mão, conta corrente bancária e aplicações de sobra de caixa), de uma empresa, ocorridos durante um determinado período. Destina-se a controlar as alterações ocorridas durante o exercício, no saldo de caixa e equivalentes de caixa. Indica a origem de todo o dinheiro que entrou no caixa em determinado período, bem como, o resultado do seu fluxo financeiro, permitindo ao administrador melhorar o planejamento financeiro das empresas, 4

5 APRESENTAÇÃO DOS FLUXOS DURANTO O PERÍODO: CLASSIFICADOS POR ATIVIDADES SENDO: ATIVIDADES OPERACIONAIS ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTOS Transações que NÃO ENVOLVEM CAIXA ou EQUIVALENTES DE CAIXA: APRESENTAÇÃO MACRO-ESTRUTURA: Fluxo de caixa proveniente das operações: (AO) Resultado líquido do exercício = Lucro / (Prejuízo) Itens que não Afetam o Caixa: Variações no Ativo Circulante e Realizável a Longo Prazo Variações no Passivo Circulante e Exigível a Longo Prazo Total das Atividades Operacionais Atividades de Investimentos : (AI) Total das Atividades de Investimentos Atividades de Financiamento: (AF) Recursos Líquidos Utilizados nas Atividades de Financiamento Total dos Efeitos de Caixa 5.733) Variação no Caixa Saldo final de caixa e aplicações financeiras Saldo inicial de caixa e aplicações financeiras Variação no Caixa (5.733) 5

6 . AO ATIVIDADES OPERACIONAIS ATIVIDADES OPERACIONAIS É O INDICADOR CHAVE DA EXTENSÃO DE QUE O MONTANTE DOS FLUXOS DE CAIXA DA ENTIDADE SÃO SUFICIENTES PARA: 1. AMORTIZAR EMPRÉSTIMOS; 2. MANTER A CAPACIDADE OPERACIONAL DA ENTIDADE; 3. PAGAR DIVIDENDOS ou Juros sobre o Capital Próprio; 4. FAZER NOVOS INVESTIMENTOS, sem recorrer a fontes de financiamentos externos. As informações sobre os componentes específicos dos fluxos de caixa operacionais históricos são úteis, em conjunto com outras informações, na projeção de futuros fluxos de caixa operacionais. 6

7 ATIVIDADES OPERACIONAIS Algumas transações, como a venda de um ativo tais como: Investimentos, Imobilizado ou Intangível, podem resultar em ganho ou perda, que é incluído na apuração do lucro líquido ou prejuízo. Entretanto, os fluxos de caixa relativos a tais transações são fluxos de caixa provenientes de atividades de investimento, podendo contudo serem lavadas para as ATIVIDADES OPERACIONAIS ATIVIDADES OPERACIONAIS ASSIM, NESTE CASO, ao invés de se ajustar o RESULTADO DO EXERCÍCIO, com a soma do CUSTO RESIDUAL DOS BENS BAIXADOS (Investimentos, Imobilizado e Intangíveis) deve ser assim apresentado: NAS ATIVIDADES OPERACIONAIS: O valor do Resultado (Ganho ou Perda) com a baixa daqueles ativos, e; NAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS: O montante específico, correspondente a exato valor da venda de tais ativos. VER EXEMPLO: 7

8 Exemplo: Pressupondo a transação de venda de um ATIVO, Imobilizado pelo valor de $ ,00, cujo Custo Residual, seja de $ compreendido por custo de $ e depreciações acumuladas de $ Neste caso teremos um GANHO DE CAPITAL de $ ou seja: V.Venda $ Residual $ Exemplo: ATIVO IMOBILIZADO Valor de custo ,00 (-) Depreciação Acumulada ,00 Valor Residual Contábil ,00 Valor Venal (Recuperável) ,00 GANHO DE CAPITAL ,00 AI = Atividade de Investimentos Efeito de Mutação no ATIVO IMOBILIZADO AI = Entrada de Caixa Na DFC AO = Ajuste (negativo) AO = Atividade Operacional 8

9 Exemplo: Observação Na antiga DOAR, o Resultado do Exercício era simplesmente ajustado pelo valor do Custo Residual de $ , enquanto que na DFC deve ser: NAS ATIVIDADES OPERACIONAIS Ajuste por: - Resultado com venda de Ativos = $ NAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS: - Valor de Venda de Ativos = $ e; ATIVIDADES OPERACIONAIS Nas atividades operacionais poderá ser apresentada sob duas formas: Métodos da DFC PELO MÉTODO DIRETO e PELO MÉTODO INDIRETO PELO MÉTODO DIRETO: São demonstrados os recebimentos e pagamentos derivados das atividades da empresa, os fluxos que geram ou consomem caixa das operações. Demonstra diretamente as alterações ocorridas no caixa. (entradas e saídas). 9

10 ATIVIDADES OPERACIONAIS Nas atividades operacionais poderá ser apresentada sob duas formas: PELO MÉTODO DIRETO: NOTA: Este método é mais complexo e detalhado, requer da Administração Controles e informações financeiras específicas pertinentes ao contexto financeiro de pagamentos e recebimentos, desconsideradas os aspectos que não afetam o CAIXA. A ADOÇÃO DO MÉTODO DIRETO REQUER SEJA FEITA E APRESENTADA UMA CONCILIAÇÃO, QUE NA MAIS É DO QUE O MÉTODO INDIRETO ATIVIDADES OPERACIONAIS PELO MÉTODO INDIRETO: Parte do Resultado Líquido do Exercício até chegar ao Fluxo de Caixa, ou seja, no qual os recursos provenientes das atividades operacionais são demonstrados a partir do Lucro Líquido, ajustados pelos itens que não afetaram o caixa da empresa. Consiste no fato de fazer a reconciliação entre o Lucro Líquido do Exercício e o caixa. Consiste ainda em evidenciar aumentos ou reduções de determinados itens como os explicativos de variações no caixa etc. 10

11 ATIVIDADES OPERACIONAIS PELO MÉTODO INDIRETO: Neste método a DFC é elaborada a partir do lucro ou prejuízo do exercício, que sofre ajustes similares aos da antiga DOAR. OBS.: É fundamental ter em mãos todo o detalhamento da movimentação geral do ATIVO IMOBILIZADO / INVESTIMENTOS / INTANGÍVEL e pelas MUTAÇÕES do PATRIMÔNIO LÍQUIDO. NOTA: MOVIMENTAÇÃO, é o que esta definido nas Normas para a divulgação, como CONCILIAÇÃO. Conciliação / Evolução do Ativo Imobilizado Exemplo de Conciliação CUSTOS Evolução do Imobilizado Taxa Deprec. Anual Saldos em (+) 31/12/2010 Entradas (-) Saídas Transf. Saldo em 31/12/2011 Máq. e Equipamentos 10% Móveis e Utensílios 10% Veículos 5% Instalações 10% Equip. de Telefonia 10% Equip. de Informática 5% Outras Imobilizações 10% Sub-total Evolução do Intangível Software 20% Imobilizado Total Valores que irão na DFC 11

12 Evolução da Depreciação Acumulada Exemplo de Conciliação Deprec. / Amortiz. Acumuladas Evolução das Deprec. Saldo (+) (-) Saldo Contas Inicial Entradas Saídas Transf. Final 2011 Máq. e Equipamentos Móveis e Utensílios Veículos Instalações Equipamentos de Telefonia Equipamentos de Informática Outras Imobilizações Sub-total Evolução do Intangível Software Imobilizado Total Valores que irão na DFC Evolução da Depreciação Acumulada DETALHAMENTO DAS BAIXAS e APURAÇÃO DE GANHOS DE CAPITAL COM VENDA DE ATIVOS BAIXAS DO ATIVO IMOBILIZADO Total dos custos das baixas por vendas Total das Depreciações das baixas por vendas = Custo Residual de Bens Baixados Receita de Venda dos Ativos ( ) GC = Lucro da Venda de Ativos (36.216) 12

13 Evolução da Depreciação Acumulada DMP Demonstração das Mutações do Patr. Líquido Res. para Total do Capital Retenção Lucros Patr. Social de Lucros Acum. Líquido Saldo em 31 de Dezembro de Distribuição de dividendos ( ) ( ) Lucro do exercício findo em 31/12/ Destinação para retenção de lucros ( ) Juros sobre capital próprio ( ) ( ) Saldo em 31 de Dezembro de Nota 1: Olhar apenas a COLUNA do total da MPL identificando a natureza de cada uma das mutações para a correta classificação na DFC = Net de R$ Nota 2: Ver no SLIDE seguinte a composição do Lucro Liquido do Exercício. Evolução da Depreciação Acumulada DRE LUCRO LIQUIDO DO EXERCÍCIO 31/12/2011 Receita operacional líquida (-) Custo das operações com energia elétrica ( ) Lucro bruto Despesas e receitas operacionais Despesas administrativas e comerciais ( ) Despesas financeiras ( ) Receitas financeiras Outras despesas e receitas operacionais (66.951) ( ) Resultado antes do IRPJ e CSLL ( - ) IRPJ / CSLL ( ) Resultado antes das participações (+) Reversão dos juros do capital proprio Lucro líquido do exercício

14 ATIVIDADES OPERACIONAIS PELO MÉTODO INDIRETO: ELEMENTOS COMPONENTES DO FLUXO: Esta subdivido em três partes sendo: 1ª Parte: A do Resultado Líquido do Exercício (L&P) AJUSTADOS PELOS ELEMENTOS DA 2ª PARTE ATIVIDADES OPERACIONAIS PELO MÉTODO INDIRETO: ELEMENTOS COMPONENTES DO FLUXO: 2ª Parte: Deve-se efetuar os ajustes que foram computados na DRE e não refletem ou afetam no caixa, tais como: Despesas de Depreciações / Amortizações / Provisões; Resultado (Ganho ou Perda) na venda de Ativos: Investimentos, Imobilizados e Intangíveis; Resultado de equivalência Patrimonial; Juros Incorridos, não pagos ou Recebidos; Pagamentos / Recebimentos de Dividendos ou Juros sobre o Capital Próprio; (Alternativamente podem ser classificados com de ATIV. DE FINANCIAMENTOS, contudo recomendável como At. Operacionais) 14

15 ATIVIDADES OPERACIONAIS PELO MÉTODO INDIRETO: ELEMENTOS COMPONENTES DO FLUXO: Esta subdivido em três partes sendo: 3ª Parte: Deve-se efetuar os ajustes pelas adições e subtrações das contas Patrimoniais decorrentes das atividades operacionais, do: Ativo Circulante e Realizável a Longo Prazo; Passivo Circulante e Exigível a Longo Prazo. COM EXCEÇÕES DE: AC = Caixa, Bancos e Equivalentes de Caixa (Estas deverão compor no rodapé da DFC como VARIAÇÕES DE CAIXA e EC) (Equivalentes de Caixa) PC / ELP = Empréstimos e Financiamentos (Estas deverão compor as Atividades de Financiamentos) AI ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS 15

16 ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS A divulgação em separado dos fluxos de caixa decorrentes das atividades de investimento é importante porque: A. Tais fluxos de caixa representam: A extensão em que dispêndios de recursos são feitos pela entidade com a finalidade de gerar receitas e fluxos de caixa no futuro; B. Compreendem as operações com: Ativos de longo prazo (Investimentos / Imobilizado / Intangíveis e empréstimos ) que representam gastos destinados a gerar receitas futuras de caixa. As atividades de Investimentos não compreendem a aquisição de ativos com o objetivo de revenda ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS ELEMENTOS COMPONENTES: Os elementos abaixo, são aplicáveis tanto para o Método Direto, como também para o Método Indireto: 1. Recebimentos em CAIXA resultates da venda de ativos: Imobilizados, Intangíveis e outros Ativos a Longo Prazo; 2. Recebimentos em CAIXA provenientes da venda de ações: Participações Societárias (Exceto recebimentos referentes aos títulos considerados como equivalentes de caixa e os mantidos para negociação; 3. Recebimentos em caixa por liquidações de: Adiantamentos de L.Prazo; 4. Recebimentos em CAIXA por amortização de: Valor principal de empréstimos feitos a terceiros de L. Prazo. (EXCETO ADIANTAMENTOS E EMPRÉSTIMOS DE UMA INSTITUIÇÃO FINANCEIRA) 5. Resgate de Aplicações Financeiras: (Desde que com prazos superior a três meses) 16

17 ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS ELEMENTOS COMPONENTES: 6. Recebimentos em CAIXA de dividendos / lucros (ou JCP): (Alternativamente podem ser classificados como de Atividade Operacional) ; 7. Recebimentos em CAIXA dos juros, inclusive de empréstimos concedidos: (Alternativamente também podem ser classificados como de Atividade Operacional); 8. Desembolsos de CAIXA para a aquisição de Ativos: Imobilizado / Intangíveis: (Incluem Adiantamentos e Imobilizações em Andamento); 9. Desembolsos de CAIXA para a aquisição de: Ações e Participações Societárias, Sociedades Coligadas e Controladas; 10. Empréstimos feitos a terceiros e adiantamentos de caixa: (Exceto adiantamentos e empréstimos feitos por uma Instituição Financeira) ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS ELEMENTOS COMPONENTES: 11. Desembolsos de CAIXA por contratos futuros, a termo, de opção e SWAP: (Exceto quando contratos destinados à intermediação ou os pagamentos forem classificados como atividades de financiamento) 12. Desembolsos de CAIXA para APLICAÇÕES FINANCEIRA: Com prazo superior a três meses) 17

18 AF ATIVIDADES DE FINANCIAMENTOS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTOS A divulgação em separado dos fluxos de caixa decorrentes das atividades de financiamentos é importante em razão: Da sua utilidade para prever: A. As exigências sobre futuros fluxos de caixa pelos fornecedores de capital à entidade; e B. Também mostrar, quem esta financiando a empresa. 18

19 ATIVIDADES DE FINANCIAMENTOS ELEMENTOS COMPONENTES: Os elementos abaixo, são aplicáveis tanto para o Método Direto, como também para o Método Indireto: 1. Numerário recebido pela emissão de Ações; 2. Numerário recebido pelo aumento ou integralização de capital; 3. Numerário recebido proveniente da emissão e resgate de debêntures; 4. Numerário recebido proveniente de empréstimos obtidos no mercado, de curto e longo prazo; 5. Numerário recebido proveniente de recursos vindos dos proprietários ou acionistas: (AFAC,s ou Empréstimos) 6. Recebimento de doações e subvenções, financeiras: ATIVIDADES DE FINANCIAMENTOS ELEMENTOS COMPONENTES: Os elementos abaixo, são aplicáveis tanto para o Método Direto, como também para o Método Indireto: 7. Pagamentos em caixa a investidores para adquirir ou resgatar ações da entidade (Ações em tesouraria); 8. Pagamentos aos acionistas ou quotistas por dividendos, lucros e JCP, por se tratarem de CUSTOS da obtenção de recursos de financiamento. (Alternativamente podem ser classificados como ATIVIDADE OPERACIONAL, afim de determinar a capacidade da entidade remunerar seus investidores.); 9. Pagamentos / Amortizações de empréstimos de curto e longo prazo; 19

20 ATIVIDADES DE FINANCIAMENTOS ELEMENTOS COMPONENTES: Os elementos abaixo, são aplicáveis tanto para o Método Direto, como também para o Método Indireto: 10. Pagamentos em caixa por um arrendatário, pela redução do passivo relativo a um arrendamento financeiro; (Financiamento / LEASING) 11. Pagamentos em caixa dos JUROS de Empréstimos e/ou Financiamentos. (Alternativamente podem ser classificados como ATIVIDADE OPERACIONAL, por se tratarem de CUSTOS de obtenção de recursos financeiros.) Transações que NÃO ENVOLVEM CAIXA ou EQUIVALENTES DE CAIXA: ELEMENTOS COMPONENTES: TRANSAÇÕES DE INVESTIMENTOS e FINANCIAMENTOS QUE NÃO ENVOLVEM O USO DE CAIXA OU EQUIVALENTES, NÃO DEVEM SER INCLUÍDAS NAS DFC,s, CONTUDO DEVEM SER DIVULGADAS EM OUTRA PARTE DAS DC,s ou EM NE. ESTAS INFORMAÇÕES SÃO IMPORTANTES, A FIM DE FORNECEREM DADOS SOBRE AS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTOS E DE INVESTIMENTOS RELEVANTES, DESTAS NATUREZAS. 20

21 Transações que NÃO ENVOLVEM CAIXA ou EQUIVALENTES DE CAIXA: ELEMENTOS COMPONENTES: Muitas das Atividades de Investimentos e Financiamentos, não impactam diretamente os FLUXOS DE CAIXA, contudo, AFETAM A ESTRUTURA de CAPITAL e de ATIVOS de uma entidade, tais como: 1. A aquisição de ativos com assunção direta de respectivo passivo ou mediante de um ARRENDAMENTO FINANCEIRO (LEASING); 2. A aquisição de uma entidade mediante emissão de ações; 3. A conversão de uma dívida em CAPITAL; 4. O aumento ou a integralização de Capital, mediante a CONFERÊNCIA DE BENS. DICA DE COMO MONTAR UMA DFC Demonstração dos Fluxos de Caixa JÁ PARTIR COM TODOS OS NÚMEROS BATIDOS, ABSOLUTOS E CORRETOS E COM SEUS SINAIS Positivos e Negativos Para serem distribuídos na DFC Então: FAÇA UMA ASA DE PÁSSARO Completa do BALANÇO PATRIMONIAL 21

22 FAÇA A ASA DE PÁSSARO Balanço Patrimonial A T I V O P A S S I V O 31/12/X1 31/12/X0 31/12/X1 31/12/X0 Balanço Patrimonial A T I V O P A S S I V O X1 X0 X1 X0 Então, no ATIVO X0 menos X1 E no PASSIVO X1 menos X0 MAIS DETALHES, VEREMOS NOS CASOS PRÁTICOS 22

23 ATIVOS CIRCULANTE e RLP / PASSIVOS CIRCULANTE e ELP DICA PARA NÃO ERRAR. Faça a ASA DE PÁSSARO ATIVO 31/12/X1 31/12/X0 Variação PASSIVO 31/12/X1 31/12/X0 Variação CIRCULANTE CIRCULANTE Disponibilidades Emprestimos e Finan (299) Duplicatas a Receber (820) Fornecedores Estoques Obrigações Sociase Ficais Outros Valores a Receber (210) Outros Valores a Pagar REALIZÁVEL A LONGO PRAZO (1.150) EXIGÍVEL A LONGO PRAZO (329) OU SEJA: PARA TODAS AS CONTAS DO ATIVO: PERÍODO ANTERIOR, menos PERÍODO ATUAL OU SEJA: PARA TODAS AS CONTAS DO PASSIVO: PERÍODO ATUAL, menos PERÍODO ANTERIOR CONSIDERE NA SUA DFC, OS VALORES EXATAMENTE COMO SÃO APRESENTADOS, OU SEJA POSITIVOS E NEGATIVOS DFC Determinação das variações do ATIVO: ATIVO 31/12/ /12/2007 Variação C - DFC CIRCULANTE Disponibilidades (1.601) Var. no Caixa Aplicações financeiras Var. no Caixa Contas a receber - clientes (57) AO -Var. AC/RLP Bancos c/ vinculadas AO -Var. AC/RLP Títulos e créditos a receber (1.263) AO -Var. AC/RLP Adiantamentos a fornecedores AO -Var. AC/RLP Adiantamentos - funcionários e terceiros (32) AO -Var. AC/RLP Impostos e encargos a compensar (15) AO -Var. AC/RLP Estoques (6.176) AO -Var. AC/RLP Despesas antecipadas AO -Var. AC/RLP Total do ativo circulante (385) NÃO CIRCULANTE Realizável a Longo Prazo Depósitos judiciais (322) AO -Var. AC/RLP Outros créditos (1.707) AO -Var. AC/RLP (2.029) Investimentos (abrir) = AO e/ou AI Imobilizado (13.429) (abrir) = AO e/ou AI Intangível (abrir) = AO e/ou AI (13.220) Total do ativo não circulante (15.249) Total do Ativo (15.634) 23

24 DFC Determinação das variações do PASSIVO: PASSIVO e PATR. LÍQUIDO 31/12/ /12/2007 Variação C-DFC CIRCULANTE Empréstimos e financiamentos AF Fornecedores AO - Var. PC/ELP Salários e encargos sociais AO - Var. PC/ELP Tributos e contribuições a recolher AO - Var. PC/ELP Contas a pagar AO - Var. PC/ELP Adiantamento de clientes AO - Var. PC/ELP Lucros e dividendos a pagar AO - Var. PC/ELP Provisão para férias e encargos AO - Var. PC/ELP Total do passivo circulante NÃO CIRCULANTE Exigível a Longo Prazo Créd. tributários sujeitos a homologação AO - Var. PC/ELP Empréstimos e financiamentos AF Provisão p/ contingências AO - Ajuste Lucro Débitos c/ socied. coligadas/controladas AO - Var. PC/ELP ou AF Outras obrigações (201) AO - Var. PC/ELP Total do passivo não circulante PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital social AF Reservas de capital AF Reservas de reavaliação (7.175) Reservas de lucros (AF) Lucros acumulados (74.093) AO / (AF) Total do patrimônio líquido (4.545) Total do Passivo e Patrimônio Líquido APRESENTAÇÃO E DETALHAMENTO DE UM CASO PRÁTICO 24

25 ATIVO 31/12/ /12/2010 Variação CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa ( ) Duplicatas a receber ( ) Estoques ( ) Impostos a recuperar Outros créditos ( ) Despesas antecipadas (247) Total do ativo circulante ( ) NÃO CIRCULANTE Realizável a Longo Prazo Adiantamento a sócios Depósitos judiciais 510 (510) Imobilizado Intangível (1.097) Total do ativo não circulante Total do Ativo ( ) PASSIVO e PATR. LÍQUIDO 31/12/ /12/2010 Variação CIRCULANTE Empr. e financiamentos Fornecedores Arrend. mercantil (leasing) Obrigações Sociais Impostos e contr. a recolher (40.703) Provisão de férias e encargos Outras obrigações (78.035) Total do passivo circulante NÃO CIRCULANTE Exigível a Longo Prazo Arrend. mercantil (leasing) ( ) Parcelamento de impostos ( ) Total do passivo não circulante ( ) PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital social Reserva de lucros Lucros Acumulados Total do patrimônio líquido Total do Passivo e Patr. Líquido

26 DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA 31/12/2011 Fluxo de caixa proveniente das operações: Resultado antes do imposto de renda e contribuição social Itens que não Afetam o Caixa: Depreciações e amortizações GC = Lucro na venda de ativo imobilizado (36.216) Reversão dos Juros sobre o capital próprio (Aumento) redução do ativo Duplicatas a receber ( ) Estoques ( ) Impostos a recuperar Outros créditos ( ) Despesas antecipadas (247) Adiantamento a sócios Depósitos judiciais (510) Imposto de renda e contribuição social pago ( ) ( ) Aumento (redução) do passivo Fornecedores Salários, encargos e férias a pagar Impostos e contribuições a recolher (40.703) Outras obrigações (78.035) Parcelamentos de Impostos ( ) Total das Atividades Operacionais Total das Atividades Operacionais Atividades de Investimentos Aquisição de Ativo Imobilizado ( ) Intangível (6.318) Recebimento pela venda de ativo imobilizado Total das Atividades de Investimentos ( ) Atividades de Financiamento Empréstimos e financiamentos Pagamentos / Transf. Não Circ. P/ Circ. Leasing a Pagar ( ) Distribuição de lucro ( ) Juros sobre capital próprio ( ) Recursos Líq. Utilizados nas Atividades de Financiamento ( ) Aumento (redução) líquida de caixa e equivalentes de caixa

27 Variação em Caixa e Equivalentes de Caixa Caixa e equivalentes de caixa no final do exercício Caixa e equivalentes de caixa no início do exercício Aumento (redução) líquido de caixa e equivalentes de caixa CONTATO: 27

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09 Demonstração de Fluxo de Caixa Demonstração de Fluxo de Caixa A partir de 28.12.2007 com a publicação

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 17.488 25.888 Fornecedores e outras obrigações 17.561 5.153 Contas a receber

Leia mais

Patrimônio Líquido. Políticas Contábeis, Mudanças de Estimativas e Retificação de Erro. Agosto 2012. Elaborado por:

Patrimônio Líquido. Políticas Contábeis, Mudanças de Estimativas e Retificação de Erro. Agosto 2012. Elaborado por: Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Tributos sobre o Lucro Seção 29

Tributos sobre o Lucro Seção 29 Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Setembro 2012. Elaborado por: Luciano Perrone O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a).

Setembro 2012. Elaborado por: Luciano Perrone O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a). Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

IFRS para PMEs: Seção 35 Adoção Inicial

IFRS para PMEs: Seção 35 Adoção Inicial Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010

Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010 54 RELATÓRIO ANUAL GERDAU 2011 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RESUMIDAS Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010 GERDAU S.A. e empresas controladas BALANÇOS PATRIMONIAIS CONSOLIDADOS

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

A demonstração dos fluxos de caixa evidencia a variação ocorridas no saldo das disponibilidades da companhia, em um determinado exercício ou período,

A demonstração dos fluxos de caixa evidencia a variação ocorridas no saldo das disponibilidades da companhia, em um determinado exercício ou período, A demonstração dos fluxos de caixa evidencia a variação ocorridas no saldo das disponibilidades da companhia, em um determinado exercício ou período, por meio eo da exposição posção dos fluxos de recebimentos

Leia mais

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO 2 -DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS. OBJETIVO E CONTEÚDO Os objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis podem ser variados. Cada grupo de usuários pode ter objetivos específicos para analisar as Demonstrações

Leia mais

3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa

3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa Aplicação 1 - As instituições financeiras e demais instituições

Leia mais

Resumindo, teríamos as seguintes companhias obrigadas à elaboração da DFC:

Resumindo, teríamos as seguintes companhias obrigadas à elaboração da DFC: Aula 4 Questões Comentadas e Resolvidas Demonstração dos Fluxos de Caixa (Método Direto e Indireto). Demonstração do Valor Adicionado. 1.(Analista de Gestão Corporativa-Contabilidade-Empresa de Pesquisa

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC)

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) A Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) passou a ser um relatório obrigatório pela contabilidade para todas as sociedades de capital aberto

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo OBJETIVO

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 4 Balanço Patrimonial Passivo 6 Demonstração do Resultado 9 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS 1. CONCEITOS A Demonstração do Fluxo de Caixa demonstra a origem e a aplicação de todo o dinheiro que transitou pelo Caixa em um determinado período e o resultado desse fluxo (Iudícibus e Marion, 1999).

Leia mais

SEÇÃO 27 REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVOS. Dezembro 2011. Elaborado por:

SEÇÃO 27 REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVOS. Dezembro 2011. Elaborado por: Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Telefones: 11 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento); fax 11 3824-5487 E-mail: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

IFRS para PMEs: Seção 14 - Investimento em Controlada e em Coligada

IFRS para PMEs: Seção 14 - Investimento em Controlada e em Coligada Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-54, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Art. 1º Aprovar a NBC TG 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa que tem por base o Pronunciamento Técnico CPC 03 (R2) (IAS 7 do IASB).

Art. 1º Aprovar a NBC TG 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa que tem por base o Pronunciamento Técnico CPC 03 (R2) (IAS 7 do IASB). A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Norma de NBC T 3.8 para NBC TG 03 e de outras normas citadas: de NBC T 7 para NBC TG 02; de NBC T 19.11 para NBC TG 23; de NBC T 19.36 para

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO CIRCULANTE 19.549.765,82 17.697.855,44

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO CIRCULANTE 19.549.765,82 17.697.855,44 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO ATIVO R$ CIRCULANTE 19.549.765,82 17.697.855,44 Disponibilidades 1.222.288,96 946.849,34 Mensalidades a receber 4.704.565,74 4.433.742,86 Endosso para terceiros 1.094.384,84

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB BV2010) Índice OBJETIVO Item ALCANCE

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB BV2010) Índice OBJETIVO Item ALCANCE

Leia mais

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade II DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 3 INTRODUÇÃO 1 2 A demonstração dos fluxos de caixa (DFC), a partir de 01/01/08, passou a ser uma demonstração obrigatória, conforme estabeleceu a lei

Leia mais

Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados - Roteiro

Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados - Roteiro Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

IFRS para PMEs: Seção 25 - Custos de Empréstimos Seção 20 - Operações de Arrendamento Mercantil. Dezembro 2012. Elaborado por:

IFRS para PMEs: Seção 25 - Custos de Empréstimos Seção 20 - Operações de Arrendamento Mercantil. Dezembro 2012. Elaborado por: Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA DFC A DFC é uma demonstração que tem por finalidade evidenciar as transações ocorridas em determinado período e que provocaram modificações nas disponibilidades da empresa

Leia mais

FCPERJ UCAM Centro. Contabilidade Empresarial DFC. Prof. Mônica Brandão

FCPERJ UCAM Centro. Contabilidade Empresarial DFC. Prof. Mônica Brandão FCPERJ UCAM Centro Contabilidade Empresarial DFC Prof. Mônica Brandão DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA É uma demonstração que tem por finalidade evidenciar as transações ocorridas em determinado período

Leia mais

Banrisul Armazéns Gerais S.A.

Banrisul Armazéns Gerais S.A. Balanços patrimoniais 1 de dezembro de 2012 e 2011 Nota Nota explicativa 1/12/12 1/12/11 explicativa 1/12/12 1/12/11 Ativo Passivo Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 17.891 18.884 Contas

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 641 DE 07/10/2010 DOU de 08/10/2010

DELIBERAÇÃO CVM Nº 641 DE 07/10/2010 DOU de 08/10/2010 PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM DELIBERAÇÃO CVM Nº 641 DE 07/10/2010 DOU de 08/10/2010 Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03(R2) do Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC sobre

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 1 Objetivos e considerações gerais sobre as Demonstrações Financeiras Conteúdo

Leia mais

Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo

Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UERJ FAF / DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DOAR e DFC Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo Com base nas demonstrações contábeis que seguem,

Leia mais

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE QUADRO I - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em reais) Nota Nota ATIVO Explicativa PASSIVO Explicativa CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 4 3.363.799

Leia mais

Palestra. Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) e Demonstração do Valor Adicionado (DVA) - Novas Normas Contábeis. Março 2012.

Palestra. Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) e Demonstração do Valor Adicionado (DVA) - Novas Normas Contábeis. Março 2012. Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS 1.1 - CONCEITO A Demonstração das Origens e Aplicações de recursos (DOAR) deixou de ser obrigatória por força da lei

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008 Alterações da Lei 6404/76 Lei 11638 de 28 de dezembro de 2007 Lei 11638/07 que altera a Lei 6404/76 Art. 1o Os arts. 176 a 179, 181 a 184, 187, 188, 197, 199, 226 e 248 da Lei no 6.404, de 15 de dezembro

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras

Análise das Demonstrações Financeiras UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua: Barão de Camargo, nº. 695 Centro Uberlândia/MG. Telefax: (34) 3223-2100 Análise das Demonstrações

Leia mais

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto Olá, pessoal! Aqui estou eu de novo, para continuar o assunto da aula passada: Fluxo de Caixa e Demonstração do Fluxo de Caixa. Assunto da maior importância, que está sendo cobrado nos atuais concursos

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_...

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... Página 1 de 14 CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Considerações ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

Leia mais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais Conteúdo 1 Introdução... 1 2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais... 1 3 Questão 32 Natureza das contas... 3 4 Questão 33 Lançamentos - Operações de captação de recursos... 4 5 Questão

Leia mais

Contabilidade Societária 3

Contabilidade Societária 3 Contabilidade Societária 3 Prof. Dr. Fernando Caio Galdi fernando.galdi@fucape.br Redução ao Valor Recuperável de Ativos CPC 01 Impairment of Assets IAS 36 2 1 Conceito de ATIVO Prováveis benefícios econômicos

Leia mais

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar A seguir um modelo de Plano de Contas que poderá ser utilizado por empresas comerciais, industriais e prestadoras de serviços, com as devidas adaptações: 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponível 1.1.1.01

Leia mais

Conta Descrição (em R$ mil) 31/03/2011 31/12/2010. 1 Ativo Total 13.623.774 13.422.948. 1.01 Ativo Circulante 1.403.533 1.180.328

Conta Descrição (em R$ mil) 31/03/2011 31/12/2010. 1 Ativo Total 13.623.774 13.422.948. 1.01 Ativo Circulante 1.403.533 1.180.328 Conta Descrição (em R$ mil) /0/0 //00 Ativo Total.6.77..98.0 Ativo Circulante.0.5.80.8.0.0 Caixa e Equivalentes de Caixa 69.7 8.657.0.0.0 Bens Numerários.0 05.0.0.0 Depósitos Bancários.07.57.0.0.0 Aplicações

Leia mais

03 (CESGRANRIO/BR DISTRIBUIDORA 2008) FLUXO DE CAIXA

03 (CESGRANRIO/BR DISTRIBUIDORA 2008) FLUXO DE CAIXA FLUXO DE CAIXA 01 (CARLOS CHAGAS/TRT 18ª REGIÃO 2008) Um dos objetivos da Demonstração do Fluxo de Caixa, recém tornada obrigatória em virtude da modificação introduzida pela Lei nº 11.638/2007 na Lei

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

DFC Demonstração dos Fluxos de Caixa. Professor: Eduardo José Zanoteli, M.Sc.

DFC Demonstração dos Fluxos de Caixa. Professor: Eduardo José Zanoteli, M.Sc. DFC Demonstração dos Fluxos de Caixa Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC Regime de Caixa Regime de Competência X DFC: Objetivo/finalidade Permitir que investidores, credores e outros usuários avaliem:

Leia mais

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1 Exercícios de Fixação (Questões de concurso) 1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1.1.1 Concurso para AFRF 2000 prova de contabilidade avançada - Questão 15 ENUNCIADO 15- Aplicações em Investimentos

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

NBC TSP 2 - Demonstração dos Fluxos de Caixa. Objetivo

NBC TSP 2 - Demonstração dos Fluxos de Caixa. Objetivo NBC TSP 2 - Demonstração dos Fluxos de Caixa Objetivo A demonstração dos fluxos de caixa identifica (a) as fontes de geração dos fluxos de entrada de caixa, (b) os itens de utilização de caixa durante

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01901-1 EMPR. CONCESS. DE RODOVIAS DO NORTE S.A. 02.222.736/0001-30 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01901-1 EMPR. CONCESS. DE RODOVIAS DO NORTE S.A. 02.222.736/0001-30 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/25 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Aula n 04 online MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Balanço Patrimonial Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio

Leia mais

Departamento de Desenvolvimento Profissional

Departamento de Desenvolvimento Profissional Departamento de Desenvolvimento Profissional Ênfase das Demonstrações do Fluxo de Caixa e Demonstração do Valor Adicionado Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com Rio de Janeiro Janeiro de 2015

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ABRANGENTE (DRA)

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ABRANGENTE (DRA) DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ABRANGENTE (DRA) Vou abordar, neste artigo, um assunto relativamente novo, mas que já foi cobrado por algumas bancas. Trata-se da Demonstração do Resultado Abrangente (DRA). Resultado

Leia mais

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 02: BALANÇO PATRIMONIAL. É a apresentação padronizada dos saldos de todas as contas patrimoniais, ou seja, as que representam

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/25 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Divulgação Externa O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO

Leia mais

Segue a relação das contas do Ativo e do Passivo Exigível mais utilizadas pela ESAF, organizadas por grupo de contas.

Segue a relação das contas do Ativo e do Passivo Exigível mais utilizadas pela ESAF, organizadas por grupo de contas. Segue a relação das contas do Ativo e do Passivo Exigível mais utilizadas pela ESAF, organizadas por grupo de contas. 1 - Ativo (Saldo devedor, exceto as contas retificadoras) 1.1 Ativo Circulante Adiantamento

Leia mais

ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 1 - BALANÇO PATRIMONIAL CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 6º CCN

ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 1 - BALANÇO PATRIMONIAL CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 6º CCN CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Disciplina Estrutura e Análise das Demonstrações Contábeis PROFESSOR : Salomão Dantas Soares TURMA 6º CCN AULA 02 Turno/Horário Noturno Apostila

Leia mais

1 Conceitos Básicos da DFC Demonstração dos Fluxos de Caixa

1 Conceitos Básicos da DFC Demonstração dos Fluxos de Caixa Sumário 1 Conceitos Básicos da DFC Demonstração dos Fluxos de Caixa... 1 1.1 Antecedentes históricos a DOAR... 1 1.1.1 Finalidade da DOAR... 1 1.1.2 Conceitos Básicos rels à DOAR... 2 1.1.3 A Estrutura

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

01279-3 FIBRIA CELULOSE SA 60.643.228/0001-21 6 - DDD 7 - TELEFONE 8 - TELEFONE 9 - TELEFONE 10 - TELEX

01279-3 FIBRIA CELULOSE SA 60.643.228/0001-21 6 - DDD 7 - TELEFONE 8 - TELEFONE 9 - TELEFONE 10 - TELEX DFP - DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PADRONIZADAS EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Data-Base - 31/12/29 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES

Leia mais

1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200

1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 EXERCÍCIOS EXTRAS 1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 S.DEVEDORES (APLICAÇÕES)............ S.CREDORES (ORIGENS)...... t o t a

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA www.editoraferreira.com.br CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Professor Humberto Fernandes de Lucena 6.1. Balanço Patrimonial Desde o início de nosso curso, vimos tratando sobre Balanço Patrimonial apenas

Leia mais

18- PLANILHA DOS METODOS DIRETO E INDIRETO DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA MÉTODO DIRETO

18- PLANILHA DOS METODOS DIRETO E INDIRETO DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA MÉTODO DIRETO 18- PLANILHA DOS METODOS DIRETO E INDIRETO DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA MÉTODO DIRETO Fluxos de caixa das atividades operacionais: Recebimentos de Clientes (+) Pagamento de Fornecedores (-) Pagamento

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ALCANCE 1.... estabelece critérios e procedimentos específicos a serem observados pelas entidades

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

BACEN Técnico 2010 Fundamentos de Contabilidade Resolução Comentada da Prova

BACEN Técnico 2010 Fundamentos de Contabilidade Resolução Comentada da Prova Conteúdo 1 Questões Propostas... 1 2 Comentários e Gabarito... 1 2.1 Questão 41 Depreciação/Amortização/Exaustão/Impairment... 1 2.2 Questão 42 fatos contábeis e regime de competência x caixa... 2 2.3

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2011 - CIA CAT. DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2011 - CIA CAT. DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Fluxo de Caixa 6 Demonstração das Mutações

Leia mais

DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007. Autor - Manoel Moraes Jr

DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007. Autor - Manoel Moraes Jr DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007 Autor - Manoel Moraes Jr OBJETIVOS DA DOAR Apresentar de forma ordenada e sumariada as informações relativas

Leia mais

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro Contabilidade e Balanço Patrimonial Contabilidade É a ciência teórica e prática que estuda os métodos de cálculo e registro da movimentação financeira e patrimônio

Leia mais

IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa

IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa outubro/2010 1 SIMPLIFICAÇÃO DOS PRONUNCIAMENTOS: Pronunciamento CPC PME - Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas (225 páginas)

Leia mais

Oficina Técnica. Demonstração de Fluxo de Caixa (Resolução CFC 1296/2010) Agosto 2012. Elaborado por: Walter Luiz Quaglio

Oficina Técnica. Demonstração de Fluxo de Caixa (Resolução CFC 1296/2010) Agosto 2012. Elaborado por: Walter Luiz Quaglio Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

AULA 8: FLUXO DE CAIXA

AULA 8: FLUXO DE CAIXA AULA 8: FLUXO DE CAIXA E os estudos, na reta final? A pedidos estou colocando a aula de Demonstração do Fluxo de Caixa. Como é uma matéria nova em Contabilidade Geral, estou fazendo uma introdução teórica

Leia mais

ASSOCIAÇÃO FRATERNAL PELICANO CNPJ Nº 05.439.594/0001-55 BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012/2011 (EM R$)

ASSOCIAÇÃO FRATERNAL PELICANO CNPJ Nº 05.439.594/0001-55 BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012/2011 (EM R$) BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012/2011 (EM R$) ATIVO 2012 2011 PASSIVO E PATRIMONIO SOCIAL 2012 2011 CIRCULANTE 41.213,54 37.485,00 CIRCULANTE 12.247,91 11.914,91 EQUIVALENCIA DE

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

ANEXO - CAPÍTULO III - Modelo de Publicação BALANÇO PATRIMONIAL - ATIVO

ANEXO - CAPÍTULO III - Modelo de Publicação BALANÇO PATRIMONIAL - ATIVO BALANÇO PATRIMONIAL - ATIVO 200Y 200X ATIVO Contas ATIVO CIRCULANTE 12 Disponível 121 Realizável 122+123+124+125+126+127+128+129 Aplicações Financeiras 122 Aplicações Vinculadas a Provisões Técnicas 1221

Leia mais

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Niterói Administradora de Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89 01 - CONTEXTO OPERACIONAL A Companhia, com sede em Gravataí (RS) e unidade industrial em Glorinha (RS), tem por objeto a industrialização, comércio, importação, exportação e beneficiamento de aços e metais,

Leia mais

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66 Apresentação Parte I - CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE, 1 1 Introdução ao Estudo da Ciência Contábil, 3 1 Conceito, 3 2 Objeto, 3 3 Finalidade, 4 4 Técnicas contábeis, 4 5 Campo de aplicação, 5

Leia mais

Departamento de Desenvolvimento Profissional. Elaboração das Demonstrações Contábeis Armando Madureira Borely Armando.borely@globo.

Departamento de Desenvolvimento Profissional. Elaboração das Demonstrações Contábeis Armando Madureira Borely Armando.borely@globo. Departamento de Desenvolvimento Profissional Elaboração das Demonstrações Contábeis Armando Madureira Borely Armando.borely@globo.com Rio de Janeiro Janeiro de 2015 Rua 1º de Março, 33 Centro Rio de Janeiro/RJ

Leia mais

Equipe de Professores da FECAP

Equipe de Professores da FECAP São Paulo, 28 de fevereiro de 2014. Exame de Suficiência CFC 02/2013 Setembro/2013 Prezados professores, alunos, ex-alunos da Fecap e demais interessados, Apresentamos a seguir nosso trabalho de apresentação,

Leia mais

Setor Cultural e de Divulgação. Contabilidade Geral Ênfase na Lei 11.638/07. Armando Madureira Borely Armando.borely@globo.com

Setor Cultural e de Divulgação. Contabilidade Geral Ênfase na Lei 11.638/07. Armando Madureira Borely Armando.borely@globo.com Setor Cultural e de Divulgação Contabilidade Geral Ênfase na Lei 11.638/07 Armando Madureira Borely Armando.borely@globo.com Rio de Janeiro Junho de 2015 Rua Buenos Aires, 283 / 2º andar Centro Rio de

Leia mais

Lei 11.638 de 28 de dezembro de 2007 artigo 1 altera o artigo 176 inciso IV e parágrafo 6º e

Lei 11.638 de 28 de dezembro de 2007 artigo 1 altera o artigo 176 inciso IV e parágrafo 6º e DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA JOSÉ APARECIDO MAION jmaion@maioncia.com.br MAION & OLIVEIRA Auditores Independentes S/S Sócio DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA Lei 11.638 de 28 de dezembro de 2007 artigo

Leia mais

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis:

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: 4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA Exercícios: 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO CFC N.º 1.418/12 Aprova a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais e com

Leia mais

Demonstrações Contábeis Obrigatórias

Demonstrações Contábeis Obrigatórias Demonstrações Contábeis Obrigatórias 1.Introdução As demonstrações contábeis são os meios pelos quais as empresas e as demais entidades informam à sociedade as condições de seu patrimônio. A legislação

Leia mais

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001. Empresa: Plano referencial 4 - Seguradoras

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001. Empresa: Plano referencial 4 - Seguradoras 1 ATIVO 1.01 CIRCULANTE 1.01.01 DISPONÍVEL 1.01.01.01 Caixa 1.01.01.02 Valores em Trânsito 1.01.01.03 Bancos Conta Depósitos 1.01.01.04 Aplicações no Mercado Aberto 1.01.02 APLICAÇÕES 1.01.02.01 Títulos

Leia mais

Contabilidade Geral Correção da Prova 2 Analista Técnico Controle e Fiscalização - Susep 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL

Contabilidade Geral Correção da Prova 2 Analista Técnico Controle e Fiscalização - Susep 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL CONTABILIDADE GERAL 1 - A legislação vigente sobre as sociedades anônimas estabelece o que deve ser computado na determinação do resultado do exercício. Diz a lei que devem ser incluídas as receitas e

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro Unidade II CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Objetivo Conhecer a estrutura do balanço patrimonial: ativo; passivo. Conhecer a estrutura do DRE. Conhecer a estrutura do DFC: direto; indireto. Balanço patrimonial

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte DLPA DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS A DLPA expõe as variações ocorridas, durante o exercício, na conta Lucros ou Prejuízos Acumulados. Ela pode ser incluída na DMPL Demonstração das Mutações

Leia mais

PLANO DE CONTAS REFERENCIAL ECD-ECF EMPRESAS EM GERAL (L100A)- CONTAS PATRIMONIAS (Dt.Inicio: 01/01/14) Número Conta Descrição (Nome da Conta) Ord

PLANO DE CONTAS REFERENCIAL ECD-ECF EMPRESAS EM GERAL (L100A)- CONTAS PATRIMONIAS (Dt.Inicio: 01/01/14) Número Conta Descrição (Nome da Conta) Ord PLANO DE CONTAS REFERENCIAL ECD-ECF EMPRESAS EM GERAL (L100A)- CONTAS PATRIMONIAS (Dt.Inicio: 01/01/14) Número Conta Descrição (Nome da Conta) Ord TipoConta SuperiorGrau Nat 1 ATIVO 1 S 1 1 1.01 ATIVO

Leia mais

CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA II DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO (DMPL)

CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA II DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO (DMPL) CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA II DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO Prof. Emanoel Truta Conceito É uma demonstração contábil que visa evidenciar as variações ocorridas em todas as contas que compõem o Patrimônio

Leia mais