CÓDIGO DE CONTAS. O Código de Contas que abaixo se apresenta obedece às seguintes especificidades:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CÓDIGO DE CONTAS. O Código de Contas que abaixo se apresenta obedece às seguintes especificidades:"

Transcrição

1 CÓDIGO DE CONTAS O Código de Contas que abaixo se apresenta obedece às seguintes especificidades: Clientes / Fornecedores Estão previstos Clientes / Fornecedores Nacionais, Comunitários e de Outros Países. Estão formatadas para clientes ou fornecedores ( ) Compras / Vendas Consequentemente, estas contas estão também previstas para aqueles 3 mercados. As vendas estão também estabelecidas, dentro do mercado Nacional, por diversos locais onde se situam agências ou filiais, tais como Açores e Madeira. IVA As contas de IVA (2432 e 2433) têm a divisão necessária para corresponderem ao indicado em Compras/Vendas Médio/Longo Prazo e Curto Prazo Para satisfazer a obtenção do Balanço e da Demonstração dos Resultados (Demonstrações Financeiras) de forma automática, estão desdobradas para o efeito as contas: 219 Perdas por imparidade acumuladas 222 Fornecedores Títulos a Pagar 2511 Empréstimos bancários 2513 Locações Financeiras 2532 Outros participantes Suprimentos 2681 Empréstimos de Sócios Fornecedores de Imobilizado Títulos a Pagar Serviço de Construção Civil / Sucatas Estão previstas as contas 314 e 315 para este tipo de operações Viaturas ligeiras de passageiros Estão previstos 2 tipos destas viaturas: As que não ultrapassam os limites (valor de aquisição) da Portaria 467/2010 Conta 43421, e as que ultrapassam esses limites Conta IVA dedutível e Não dedutível Existem diversas contas em que se apresenta o seguinte: Base tributável e IVA não dedutível. Esta separação é absolutamente necessária, com vista ao preenchimento do anexo L e M da IES, em que se estipula que apenas as bases tributáveis são de incluir nesse anexo. Encargos não dedutíveis (no modelo22) Indicam-se as contas que contem valores que irão ao quadro 07, do modelo 22. Algumas dessas contas são ainda passíveis de tributações autónomas (ex: Despesas não documentadas).

2 Tributações autónomas Por força da nova redacção do artigo 88.º, do CIRC, as tributações autónomas sofreram, para 2011, uma transformação completa. O código de contas que se apresenta, contempla todas as alterações, tendo ainda em vista as despesas com viaturas ligeiras de passageiros, que se apresentam dívidas em dois grupos: As que se referem a viaturas cujo preço de aquisição não ultrapassa os limites da Portaria 467/2010 (pagam 10% de tributação autónoma 20% se a empresa obteve PREJUIZO no exercício) e As que se referem a viaturas cujo preço de aquisição ultrapassa os limites da Portaria 467/2010 (pagam 20% de tributação autónoma 30% se a empresa obteve prejuízo no exercício). Conclusão Portanto as empresas que não tiverem necessidade de todas as contas (por exemplo vendas e compras para os mercado comunitário e/ou outros mercados), não as utilizarão, encurtando, assim, o código de contas. Também os últimos 4 dígitos indicados para as contas de clientes e de fornecedores (0001), que dão até clientes e outros tantos fornecedores, pode ser alterado para 001 (se tiverem até 999 clientes e fornecedores), ou para 01, se tiverem até 99. Exemplo disso é um café, que só tem um cliente (vendas a dinheiro) e muito dificilmente ultrapassa os 99 fornecedores. Também as empresas que não sejam de construção civil e de sucatas, retirarão do código de contas as indicadas para essas actividades. Mário Portugal Fevereiro de 2012

3 11 CAIXA 111 Caixa SEDE 12 DEPOSITOS A ORDEM 1201 Banco 01 AAA 13 OUTROS DEPÓSITOS BANCÁRIOS 131 DEPÓSITOS A PRAZO 1311 Banco 01 AAA c/prazo 14 OUTROS INSTRUMENTOS FINANCEIROS 141 DERIVADOS 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente desfavoráveis 142 INSTRUMENTOS FINANCEIROS DETIDOS 1421 Activos Financeiros 1422 Passivos Financeiros 143 OUTROS ACTIVOS E PASSIVOS FINANCEIROS 1431 Outros activos financeiros 1432 Outros passivos financeiros 21 CLIENTES 211 CLIENTES,C/C 2111 CLIENTES GERAIS CLIENTES NACIONAIS Cliente XXXX CLIENTES DE PAISES COMUNITÁRIOS Cliente XXXX CLIENTES DE OUTROS PAISES Cliente xxxx 212 CLIENTES TITULOS A RECEBER 2121 CLIENTES GERAIS CLIENTES NACIONAIS Cliente XXXX 213 CLIENTES TITULOS DESCONTADOS 2131 CLIENTES GERAIS CLIENTES NACIONAIS Cliente XXXX 214 REPONSABILIDADE P/LETR.DESCONTADAS 2141 Banco CLIENTES DE COBRANCA DUVIDOSA 2171 CLIENTES NACIONAIS MÉDIO/LONGO PRAZ Cliente XXXX 2172 CLIENTES NACIONAIS CURTO PRAZO Cliente XXXX 218 ADIANTAMENTOS DE CLIENTES 2181 CLIENTES NACIONAIS COM IVA LIQUIDADO TAXA NORMAL Cliente PERDAS POR IMPARIDADE ACUMULADAS 2191 Clientes Médio/Longo Prazo 2192 Clientes Curto Prazo 22 FORNECEDORES 221 FORNECEDORES.C/C

4 2211 FORNECEDORES GERAIS FORNECEDORES NACIONAIS Fornecedor xxxx FORNECEDORES DE PAISES COMUNITARIOS Fornecedor XXXX FORNECEDORES DE OUTROS PAISES Fornecedor xxxx 222 FORNECEDORES TITULOS A PAGAR 2221 FORNECEDORES GERAIS A CURTO PRAZO Fornecedor xxxx A MÉDIO E LONGO PRAZO Fornecedor XXXX 225 FACTS. EM RECEPÇÃO E CONFERÊNCIA 228 ADIANTAMENTOS A FORNECEDORES 2281 FORNECEDORES NACIONAIS COM IVA DEDUTIVEL Tx.Normal Fornecedor XXXX 229 PERDAS POR IMPARIDADE ACUMULADAS 23 PESSOAL 231 REMUNERAÇÕES A PAGAR 2311 Aos orgãos sociais 2312 Ao Pessoal 232 ADIANTAMENTOS 2321 Aos orgãos sociais 2322 Ao Pessoal 237 CAUÇÕES 2371 Dos Orgãos sociais 2372 Do Pessoal 238 OUTRAS OPERAÇÕES 2381 Com os orgãos sociais 2382 Com o pessoal 239 PERDAS POR IMPARIDADE ACUMULADAS 24 ESTADO E OUTROS ENTES PÚBLICOS 241 IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO 2411 IMPOSTO CORRENTE PAGAMENTOS POR CONTA Pagamento Especial por Conta Pagamento por Conta Derrama Estadual Art.º 104 A IRCC Pg.adicion.p/conta Art.º 105 A CIRC 2412 RETENCÕES NA FONTE EFECT.P/TERCEIROS s/rendimentos de capitais 2413 Estimativa de IRC 2415 Apuramento 2416 Imposto a pagar 2417 Imposto a recuperar 242 RETENÇÃO DE IMPOSTOS SOBRE RENDIMEN 2421 Trabalho dependente 2422 Trabalho independ.(empres./profiss)

5 2423 CAPITAIS RETENÇAO DE I.R.S s/juros de suprimentos Outros rendimentos RETENÇÃO DE IRC s/ Rendas pagas 2425 COMISSÕES Retenção de I.R.S Sobretaxa Extrordin ria 243 IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCE.(IVA) 2432 IVA DEDUTIVEL EXISTENCIAS IVA DEDUT. EXISTEN. Tx.Reduzida Mercado nacional Sede IVA DEDUT. EXISTEN. Tx.Intermedia Mercado Nacional Sede Outros Mercados IVA DEDUT. EXISTEN. Tx.Normal Mercado nacional Sede Mercado comunitário IMOBILIZADO IVA DEDUTIVEL IMOBIL. Tx.Normal Mercado nacional Sede OUTROS BENS E SERVICOS IVA DEDUT. O.B.S. Tx.Reduzida Mercado nacional Sede IVA DEDUT. O.B.S. Tx.Intermedia Mercado Nacional Sede IVA DEDUT. O.B.S. Tx.Normal Mercado nacional Sede IVA deduzido * 25% * IVA deduzido * 50% * IVA deduzido Auto Liquidado 2433 IVA LIQUIDADO OPERACOES GERAIS SECÇÃO 1 SEDE IVA LIQUIDADO OP.GERAIS Tx.Reduzida Mercado nacional Mercado comunitário IVA LIQUIDADO OP.GERAIS Tx.Intermédia Mercado Nacional Mercado comunitário IVA LIQUIDADO OP.GERAIS Tx.Normal Mercado Nacional Mercado comunitário SECÇÃO 2 AÇORES IVA LIQUIDADO OP.GERAIS Tx.Normal Mercado Nacional SECÇÃO 3 MADEIRA IVA LIQUIDADO OP.GERAIS Tx.Normal

6 Mercado Nacional SECÇÃO: PRODUTOS ACABADOS IVA LIQUIDADO OP.GERAIS Tx.Normal Mercado Nacional AUTOCONSUMOS E OPERAC. GRATUITAS IVA LIQ. AUT.OP.GRATUI. Tx.Normal Mercado nacional AQUISI.SERVI OS IVA AUTO LIQUIDADO IVA Taxa normal 2434 IVA REGULARIZACOES MENSAIS/TRIMES. FAVOR DA EMPRESA IVA Reg. Favor da empresa 23% *SEDE MENSAIS/TRIMES. FAVOR DO ESTADO IVA Reg. Favor do Estado 23% * SEDE 2435 IVA Apuramento 2436 IVA A pagar 2437 IVA A recuperar 2438 IVA Reembolsos pedidos 2439 IVA Liquidações Oficiosas 244 OUTROS IMPOSTOS 2441 Imposto do Selo 245 CONTRIBUICOES PARA A SEGUR. SOCIAL 2451 Valores a pagar 25 FINANCIAMENTOS OBTIDOS 251 INSTITUIÇÕES CRÉDITO E SOC.FINANCEI 2511 EMPRESTIMOS BANCARIOS A CURTO PRAZO A MÉDIO E LONGO PRAZO Banco 01*Livran a s/prazo juro trim 2512 DESCOBERTOS BANCARIOS Banco CCC c/ descoberto banc rio LOCAÇõES FINANCEIRAS PASSIVO NÃO CORRENTE Viatura Ligeira Passageiros LEASING Viatura Ligeira Passageiros LEASING 2532 OUTROS PART. SUPRIMEN.OUTROS MéTUOS A CURTO PRAZO A MÉDIO /LONGO PRAZO Sócio A c/ Suprimentos 26 ACCIONISTAS / SÓCIOS 261 ACCIONISTAS CONTA SUBSCRIÇÃO 262 QUOTAS NÃO LIBERADAS 263 ADIANTAMENTOS POR CONTA DE LUCROS 264 RESULTADOS ATRIBUIDOS 2641 S cio A Resultados Atribu dos 2642 S cio B Resultados Atribuidos 265 LUCORS DISPONIVEIS 268 OUTRAS OPERAÇÕES 269 PERDAS POR IMPARIDADE 27 OUTRAS CONTAS A RECEBER E A PAGAR

7 271 FORNECEDORES DE INVESTIMENTOS 2711 FORNECED. INVESTIMEN. CONTAS GERAIS *FORNECEDORES DE IMOBILIZADO, C/C ** A CURTO PRAZO ** FORNECEDORES NACIONAIS Fornecedor A *FORNEC. IMOBILIZAD TITULOS A PAGAR ** A CURTO PRAZO ** FORNECEDORES NACIONAIS Fornecedor A ** A MÉDIO E LONGO PRAZO ** FORNECEDORES NACIONAIS Fornecor A 272 DEVEDORES E CREDORES POR ACRÉSCIMOS 2721 DEVEDORES POR ACRESC.DE RENDIMENTOS Juros a receber 2722 CREDORES POR ACRÉSCIMOS DE GASTOS Seguros a liquidar Remuneracoes a liquidar Outros Gastos a Liquidar 273 BENEFICIOS PÓS EMPREGO 274 IMPOSTOS DIFERIDOS 275 CREDORES P/SUBSCRIÇÕES NÃO LIBERADAS 276 ADIANTAMENTOS POR CONTA DE VENDAS 278 OUTROS DEVEDORES E CREDORES 2781 SINDICATOS Valores a pagar a Sindicatos 2782 CONSULTORES,ASSESSOR.INTERMEDIARIOS COMISSIONISTAS Comissionista A 2783 Estado Subsidio Formação 2788 OUTROS DEVEDORES E CREDORES OUTROS DEVEDORES Devedor A 279 PERDAS POR IMPARIDADE ACUMULADAS 28 DIFERIMENTOS 281 GASTOS A RECONHECER 2811 Outros gastos diferidos 282 RENDIMENTOS A RECONHECER 2821 Estado Subsidio Formação 29 PROVISÕES 291 Impostos 292 Garantias a clientes 293 Processos Judiciais em curso 294 Acidentes de trabalho e doenças pro 295 Matérias ambientais 296 Contratos onerosos 297 Reestruturação 298 Outras Provisões 31 COMPRAS

8 311 MERCADORIAS 3111 MERCADO NACIONAL Compras Mercadorias Tx.Reduzida Compras Mercadorias Tx.Intermedia Compras Mercadorias Tx.Normal 3112 MERCADO COMUNITARIO Tx.Reduzida Tx.Intermedia 3113 Tx.Normal OUTROS MERCADOS Tx.Reduzida Tx.Intermedia Tx.Normal 3119 DESPESAS ADICIONAIS DE COMPRAS COM IVA DEDUTIVEL IMPORTA åes Taxa reduzida Taxa Intermédia Taxa Normal DIREITOS/ISENTOS IVA COM AUTO LIQUIDAÇAO DE IVA Tx.Norma Transp.Intracomunit./Oper.assimilad Sucatas Lei 33/2006 Existências Sucatas Lei 33/2006 Out.Bens e Serv Sucatas Lei 33/2006 Imobilizado Serv.Const.Civil DL.21/2007 O.B.S Serv.Const.Civil DL.21/2007 Imobili 312 MATERIAS PRIMAS SUBSID. E DE CONS Matérias primas 3122 Matérias subsidiárias 3123 Materiais diversos 3124 Embalagens de consumo 313 ACTIVOS BIOLÓGICOS 314 SERVIÇO CONST.CIVIL DEC.LEI 21/ MERCADO NACIONAL COM IVA AUTO LIQUIDADO DL.21/ Outros Bens e Serviços Activo Imobilizado 315 SUCATAS LEI 33/ MERCADO NACIONAL COM IVA AUTO LIQUIDADO LEI 33/ Existências Outros bens e servi os Activo imobilizado 317 DEVOLUCOES DE COMPRAS 3171 DEVOLUÇÃO DE COMPRAS MERCADORIAS MERCADO NACIONAL Devol. Compras Mercad. Tx.Normal 3172 DEVOLUÇÃO COMPRAS MAT.PRIMAS,SUBSID MERCADO NACIONAL Devol. Compr. Mat.Primas Tx.Normal

9 318 DESCONTOS E ABATIMENTOS EM COMPRAS 3181 DESC.ABAT.COMPRAS MERCADORIAS MERCADO NACIONAL Desc.Abat.Compras Mercad. Tx.Normal 3182 DESC.ABAT.COMPR. MAT.PRIMAS,SUBSIDI MERCADO NACIONAL Desc.Abat.Compr. Mat.Primas Tx.Norm 32 MERCADORIAS 321 Em armazém 329 Perdas por imparidade acumuladas 33 MAT. PRIMAS SUBSID. E DE CONSUMO 331 Matérias primas 339 Perdas por imparidade acumuladas 34 PRODUTOS ACABADOS E INTERMDIOS 341 Em armazém 349 Perdas por imparidade acumuladas 35 SUBPRODUTOS,DESPERD.,RESID E DE CONSUMO 36 PRODUTOS E TRABALHOS EM CURSO 37 ACTIVOS BIOLÓGICOS 38 RECLAS.REGUL.INVENT.ACTIV.BIOLÓGICO 382 MERCADORIAS 3821 Ofertas COM IVA Liquidado Tx.Normal 3822 Sinistros 383 MAT.PRIMAS,SUBSID. E DE CONSUMO 384 PRODUTOS ACABADOS E INTERMÉDIOS 385 SUBPRODT.,DESPED.,RESID. E REFUGOS 386 PRODUTOS E TRABALHOS EM CURSO 387 ACTIVOS BIOLÓGICOS 39 ADIANTAMENTOS POR CONTA DE COMPRAS 41 INVESTIMENTOS FINANCEIROS 414 INVESTIMENTOS NOUTRAS EMPRESAS 4141 PARTICIPAÇÕES DE CAPITAL Quota na Sociedade "X" PERDAS POR IMPARIDADE ACUMULADAS 4142 EMPRÉSTIMOS CONCEDIDOS 415 OUTROS INVESTIMENTOS FINANCEIROS 4158 Outros 419 PERDAS POR IMPARIDADE ACUMULADAS 42 PROPRIEDADES DE INVESTIMENTO 421 TERRENOS E RECURSOS NATURAIS 422 EDIFICIOS E OUTRAS CONSTRUCOES 426 OUTRAS PROPRIEDADES DE INVESTIMENTO 428 DEPRECIAÇÕES ACUMULADAS 429 PERDAS POR IMPARIDADE ACUMULADAS 43 ACTIVOS FIXOS CORRENTES 431 TERRENOS E RECURSOS NATURAIS 432 EDIFICIOS E OUTRAS CONSTRUCOES 4321 ENTRADO FUNCIONAMEN.A PARTIR Instalações Novas Edificio Instalações Novas Terreno (25%)

10 433 EQUIPAMENTO BASICO 4332 ENTRADO FUNCIONAMEN.A PARTIR Equipamento "X" 434 EQUIPAMENTO DE TRANSPORTE 4342 ENTRADO FUNCIONAMEN.A PARTIR VIAT.LIG.PASSAG*AQUIS.INFE.467/ VIAT.LIGEIRA PASSAGEIROS XX 99 LG XX Base Tribut vel IVA não dedut vel VIATURAS DE MERCADORIAS Viatura XX.PM XX*Pesado,mercadorias Viatura XX LM XX*Ligeiro,mercadoria Grande reparação viat. XX PM XX EMPILHADORES, CARROS DE TRANSPORTE Empilhador "Toyota" VIAT.LIG.PASSAG*AQUIS.SUPE.467/ VIAT.LIG.PASSAG.*01 LP 11*LEASING Base tribut vel IVA não dedut vel 435 EQUIPAMENTO ADMINISTRATIVO 4352 ENTRADO FUNCIONAMEN.A PARTIR Mobiliario diverso Mobiliário Aq.valor menos 1000 euro 436 EQUIPAMENTOS BIOLÓGICOS 437 OUTROS ACTIVOS FIXOS TANGÍVEIS 4371 FERRAMENTAS E UTENSILIOS ENTRADO FUNCIONAMEN.A PARTIR Utensilios diversos Utensilios Val. menos 1000 euros 438 DEPRECIAÇOES ACUMULADAS 4382 Edificios e outras construcoes 4383 Equipamento basico 4384 EQUIPAMENTO DE TRANSPORTE Viaturas ligeiras de passageiros Outro Equipamento de transporte 4385 Equipamentos administrativos 4387 OUTROS ACTIVOS FIXOS TANGÍVEIS Ferramentas e utensilios 439 PERDAS POR IMPARIDADE ACUMULADAS 44 ACTIVOS INTANGÍVEIS 442 Projectos de desenvolvimento 443 Programas de computador 444 Propriedade industrial 446 Outros activos intngíveis 448 Depreciações acumuladas 449 PERDAS POR IMPARIDADE ACUMULADAS 45 INVESTIMENTOS EM CURSO 451 Investimentos financeiros em curso 452 Propriedades de investimento em curso 453 Activos fixos tangiveis em curso

11 454 A ctivos intangiveis em curso 455 Adiantamentos por conta de investimentos 459 Perdas por imparidade acumuladas 51 CAPITAL 511 S cio "A" C/Capital 512 S cio "B" C/Capital 513 Sociedade " Quota Própria" 52 ACCOES (QUOTAS) PROPRIAS 521 Valor nominal 522 Descontgos e prémios 53 OUTROS INSTRUMENTOS CAPITAL PRÓPRIO 531 Sócio "A" Prestações suplementares 532 Sócio "B" Prestações suplementares 54 PRÉMIOS DE EMISSÇO 55 RESERVAS 551 Reservas legais 552 Outras Reservas 56 RESULTADOS TRANSITADOS 561 Exerc cio de AJUSTAMENTOS DE ACTIVOS FINANCEIROS 58 EXCED.REVAL.ACTIV.FIX.TANGÍV.E INTANG 581 REAVALIA åes DECORR.DIPLOMAS LEGAIS 5811 Antes do imposto sobre o rendimento 5812 impostos diferidos 589 Outros execedentes 59 OUTRAS VARIAÇOES NO CAPITAL PRÓPRIO 591 Diferen as conver.demonst.financeir 592 Ajustamentos por impostos diferidos 593 Subs dios 594 Doações 599 Outras 61 CUSTO MERCAD. VENDIDAS E MAT. CONS. 611 Mercadorias 612 Matérias primas,subsidiárias,consum 613 Activos biológicos (compras) 62 FORNECIMENTOS E SERVICOS EXTERNOS 621 SUBCONTRATOS 6211 FORNECEDORES NACIONAIS Com IVA dedut vel Tx.Normal SERVI OS ESPECIALIZADOS 6221 TRABALHOS ESPECIALIZADOS Com IVA dedutivel Tx.Normal 6222 PUBLICIDADE E PROPAGANDA Com IVA dedutivel Tx.Normal 6223 VIGILANCIA E SEGURANCA Com IVA dedutivel Tx.Normal 6224 HONORARIOS CUSTOS NORMAIS Com IVA dedutivel Tx.Normal Regime isenção Art.º53.º CIVA

12 Isentos Art.9.º CIVA SUJEITOS A TRIBUTA ÇO AUTONUMA*10%* Com IVA dedut vel Tx. normal Regime isençao art. 53.º CIVA SUJEITOS A TRIBUTAÇÃO AUTÓNOMA*20%* Com IVA dedut vel Tx. normal Regime isenção Art.º 53.º CIVA 6225 COMISSOES A RESIDENTES Com IVA Dedutivel Tx.Normal 6226 CONSERVAÇÃO E REPARAÇÕES SUJ.TRIB.AUTONOM VIAT.LIG.PASS*10%* Base Tributavel IVA nao dedutivel DE OUTROS BENS Com IVA dedutivel Tx.Normal Regime isençao ou pequen.retalhista Auto liquidação IVA(Intracomunit r) SUJ.TRIB.AUTONOM VIAT.LIG.PASS*20%* Base tributável IVA não dedut vel 6227 SERVICOS BANCARIOS Com IVA dedutivel Tx.Normal Isentos de IVA 6228 Outros 623 MATERIAIS 6231 FERRAM. UTENS. DE DESGASTE RAPIDO Com IVA dedutivel Tx.Normal Regime isençao ou pequen.retalhista 6232 LIVROS E DOCUMENTACAO TECNICA Com IVA dedutivel Tx.Reduzida Com IVA dedutivel Tx.Normal Regime isençao ou pequen.retalhista 6233 MATERIAL DE ESCRITORIO Com IVA dedutivel Tx.Normal Regime isençao ou pequen.retalhista 6234 ARTIGOS PARA OFERTA IVA NAO DEDUTIVEL Base tributavel IVA nao dedutiv.*art.º 21,1,d)CIVA COM IVA DEDUTIVEL Com IVA dedut vel Tx.Normal Regime isençao ou pequen.retalhista 6238 Outros 624 ENERGIA E FLUIDOS 6241 ELECTRICIDADE SEDE IVA dedutivel Tx.Reduzida MAIA IVA dedutivel. Tx. reduzida 6242 COMBUSTIVEIS SUJEIT.TRIB.AUTON=10%=ART.º88.º n.º3

13 GASOLINA Base tributavel Iva nao dedutivel (100%) GASOLEO/GPL/GAZ 50% IVA dedutivel Base tributavel IVA não dedutivel (50%) NAO SUJEITOS A TRIBUTAÇAO AUTONOMA GASOLEO/GPL (50% IVA dedutivel) Base Tributavel IVA nao dedutivel(50%) PARA PESADOS DE MERCADORIAS Gasoleo(Total IVA dedutiv) Tx.Norma SUJEIT.TRIB.AUTON=20%=ART.º88 N.º GASOLINA Base tribut vel IVA não dedut vel (100%) GASÓLEO 50% IVA DEDUTÖVEL Base tribut vel IVA não dedut vel (50%) VIAT.NÃO PERTENÇ.EMPR*NÃO CUSTO FIS GASOLINA Base tributavel IVA não dedutivel (100%) 6243 AGUA SEDE IVA dedutivel Tx.Reduzida MAIA IVA dedutivel taxa reduzida 625 DESLOCA åes, ESTADAS E TRANSPORTES 6251 DESLOCACOES E ESTADAS GERENCIA Base tributavel IVA nao dedut.*art.º21.º 1c)*CIVA COMPENS.UTIL.VIAT.PROPRIA*KMS.PAGOS NÇO FACTURADAS A CLIENTES Com mapa próprio T.A SEM mapa próprio T.A. + NÃO custo PESSOAL Base tributavel IVA nao dedut. art.º21.º 1 c)*civa COMPENS.UTIL.VIAT.PROPRIA*KMS.PAGOS NÇO FACTURADAS A CLIENTES Com mapa pr prio T.A SEM mapa próprio T.A. + NÃO custo DESPESAS C/CONGRESSOS,ETC*50% dedu PORTAGENS, ESTACION.E ANÁLOGOS VIATURAS SUJEIT.TRIBUT.AUTÓNOMA 10% Base Tributavel IVA nao dedut. Art.º21.º N.º1 c) CIVA LIGEIROS DE MERCADORIAS Base tributavel IVA nao dedut. Art.º21 N.º. 1 c) CIVA

14 Pesados IVA dedut vel Tax.Normal VIATURAS SUJEIT.TRIBUT.AUTÓNOMA 20% Base tribut vel IVA NÃO dedut.art.º.21.º. 1 c) CIVA 6252 TRANSPORTES DE PESSOAL Com IVA dedutivel Tx.Normal 6253 TRANSPORTES DE MERCADORIAS Com IVA dedutivel Tx.Normal Isentos Exportaçao Transp.Intracom. c/auto Liquid.IVA 6258 OUTROS 626 SERVIÇOS DIVERSOS 6261 RENDAS E ALUGUERES ALD VIAT.LIG.PASSAG./MISTOS TA=10%= Base tributavel IVA nao dedut.*art.º.21.º 1 a) CIVA OUTROS VEICULOS Com IVA dedut vel Tx.Normal OUTRAS RENDAS Com IVA dedutivel Tx.Normal Isentas Imoveis Art.º9.º,n.º29 CIVA ALD VIAT.LIG.PASSAG./MISTOS TA=20%= Base tribut vel IVA não dedut.*art.21.º 1 a) CIVA 6262 COMUNICACAO Com IVA dedutivel Tx.Reduzida Com IVA dedutivel Tx.Normal Selos/serv.CTT isentos art.º9.º CIVA Telefonemas serviço pequen.retalhis 6263 SEGUROS RAMO:AUTOMàVEL VIAT.LIGEIRAS/MISTAS Val.aquis.INFERIOR 467/2010*TA.10% Val.aquis.SUPERIOR 467/2010*TA.20% Ramo:Autom vel Outras viaturas Ramo: Incêndio Ramo: Mercadorias Ramo:Edificio "Maia" Ramo:Equipamento Inform tico Ramo:Diversos 6265 CONTENCIOSO E NOTARIADO CUSTOS NORMAIS Com IVA dedutivel Tx.Normal Excluido IVA Notar/Tribun/Conservat SUJEITOS A TRIBUTAÇÃO AUTÓNOMA*10%* Com IVA dedutivel Tx.Normal Excluido IVA Notar/Tribun/Conservat SUJEITOS A TRIBUTAÇAO AUTÓNOMA*20%* Com IVA dedutível Tx. Normal Excluido IVA Notar/Tribun/Conservat 6266 DESPESAS DE REPRESENTACAO ==T.A.==

15 62661 Base tributavel IVA nao dedutiv.*art.º21. 1 d) CIVA 6267 LIMPEZA,HIGIENE E CONFORTO Com IVA dedutivel Tx.Reduzida Com IVA dedutivel Tx.Normal Regime isençao ou pequen.retalhista 6268 OUTROS SERVIÇOS Com IVA dedutivel Tx.Normal Regime isençao ou pequen.retalhista Licenças e Taxas Camarárias Livros de cheques bancários Enc.c/NIF inval./inexist. NÇO CUSTO 63 GASTOS COM O PESSOAL 631 REMUNERACOES DOS ORGAOS SOCIAIS 6311 REMUNERAÇOES Vencimentos mensais 6312 SUBSIDIOS DE FERIAS Subsidio de férias 6313 SUBSIDIO DE NATAL Subsidio de Natal 6318 AJUDAS DE CUSTO GERÊNCIA NÃO facturadas a clientes Com mapa próprio T.A SEM mapa próprio T.A.+ NÃO custo Variaçao n/estimativ.p/enc.c/ferias 632 REMUNERACOES DO PESSOAL 6321 VENCIMENTOS MENSAIS Venc.mensais SEDE Venc.mensais MAIA Venc.mensais AÇORES Venc.mensais MADEIRA 6322 REMUNERAÇÕES ADICIONAIS SUBSIDIOS DE FERIAS POR SECÇÕES Sub.férias SEDE Sub.férias MAIA Sub.férias AÇORES Sub.férias MADEIRA VARIAÇAO N/ESTIMATIV.P/ENC.C/FERIAS SUBSIDIO DE NATAL Sub.Natal SEDE Sub.Natal MAIA Sub.Natal AÇORES Sub.Natal MADEIRA SUBSIDIO DE ALIMENTAÇAO Sub.aliment. SEDE Sub.aliment. MAIA Sub.aliment. AÇORES Sub.aliment. MADEIRA AJUDAS DE CUSTO PESSOAL

16 NÃO FACTURADAS A CLIENTES Com mapa próprio T.A SEM mapa T.A. + NÃO custo 634 INDEMNIZAÇÕES 635 ENCARGOS SOBRE REMUNERACOES 6351 TAXA SOCIAL UNICA Enc.patron. ORGAOS SOCIAIS Enc.patron. SEDE Enc.patron. MAIA Enc.patron. AÇORES Enc.patron. MADEIRA 636 SEG. ACID. NO TRAB. E DOENC. PROF Seguro AT. ORGAOS SOCIAIS 6362 Seguro AT. SEDE 6363 Seguro AT. MAIA 6364 Seguro AT. AÇORES 6365 Seguro AT. MADEIRA 637 CUSTOS DE ACCÇO SOCIAL 6372 Com IVA dedutivel Tx.Normal 638 OUTROS GASTOS COM O PESSOAL 6382 OUTROS CUSTOS DIVERSOS Com IVA dedutivel Tx.Normal Regime isençao ou pequen.retalhista 6384 FORMACAO PROFISSIONAL Com IVA dedutivel Tx.Normal Isenção de IVA (art.º.9.º CIVA) Gastos formação subsidiada 6385 Participação nos lucros 64 GASTOS DE DEPRECIAÇÃO E AMORTIZAÇÃO 641 PROPRIEDADES DE INVESTIMENTO 642 ACTIVOS FIXOS TANGÍVEIS 6422 Edificios e outras construcoes 6423 Equipamento basico 6424 EQUIPAMENTO DE TRANSPORTE Viat.ligeiras.passageiros=TA=10% Outros equipamentos de transporte Viat.ligeiras passageiros=ta=20%= 6425 Ferramentas e utensilios 6426 Equipamento administrativo 643 ACTIVOS INTANGÍVEIS 6432 Projectos de Desenvolvimento 6433 Programas de computador 65 PERDAS POR IMPARIDADE 651 EM DIVIDAS A RECEBER 6511 Clientes 6512 Outros devedores 652 Em inventários 653 Em investimentos financeiros 655 Em activos fixos tang veis 656 Em activos intang veis

17 66 PERDAS POR REDUÇÕES DE JUSTO VALOR 67 PROVISOES DO EXERCICIO 671 Impostos 672 Garantias a clientes 673 Processos judiciais em curso 674 Acidentes no trabalho e doenç.profiss. 675 Matérias ambientais 676 Contratos onerosos 677 Reetruturação 678 Outras provisões 68 OUTROS GASTOS E PERDAS 681 IMPOSTOS 6811 IMPOSTOS DIRECTOS 6812 IMPOSTOS INDIRECTOS IMPOSTO DO SELO IMPOSTO DO SELO SUPORTADO Verba 4 TGIS Cheques nacionais Verba 15 TGIS Notariado/actos notar Verba 17 TGIS Operaçoes financeiras Verba 23 TGIS T tulos cred/letras N/ Saques N/ Aceites IMPOSTO ÚNICO DE CIRCULAÇÃO (IUC) S/Viat.ligeiras passageiros=ta=10% S/outras viaturas S/Viat.ligeiras passageiros=ta=20%= 6813 TAXAS 682 DESC. DE PRONTO PAG. CONCEDIDOS 683 DIVIDAS INCOBRAVEIS 6831 Nos termos art.º 41.º,CIRC 6832 Outras dividas NãO CUSTO FISCAL 684 PERDAS EM INVENTÁRIOS 6841 Sinistros 6842 Quebras 6848 Outras perdas 686 GASTOS E PERD. NOS REST. INV. FINAN 6861 Cobertura de preju zos 6862 ALIENAÇÕES 687 GASTOS E PERDAS INVESTIME.NÃO FINAN 6871 ALIENAÇÕES Menos Valias obtidas 6872 Sinistros 6873 Abates 688 OUTROS 6881 Correcções relativas per od.anterio 6882 DONATIVOS CONSIDERADOS COMO CUSTOS FISCAIS COM MAJORAÇÃO Majoração de 150% Majoração de 140%

18 Majoração de 130% Majoração de 120% SEM MAJORAÇÃO Donativos a organismos associativos NAO CONSIDERADOS COMO CUSTO FISCAL 6883 Quotizações (Majoração 150%) 6884 OFERTAS E AMOSTRAS DE INVENTµRIOS Ofertas c/ IVA liquidado (23%) 6885 Insuficiên.estimativa para impostos 6886 PERDAS EM INSTRUMENTOS FINANCEIROS 6887 Dif.cambio desfav.(act.operacional) 6888 OUTROS NÇO ESPECIFICADOS NÃO CONSIDERADOS CUSTOS FISCAIS DESP.NÃO DOCUMENTADAS*NÃO CUSTO+TA* Suj.passivos CIRC art.º 88.º. n.º Suj.passivos CIRC art.º 88 º. n.º Enc.NÂO devidam.document.*nâo CUSTO MULTAS E PENALIDADES Multas ficais NÃO custo fiscal Juros compensatór/mora *NÃO CUSTO* Outras multas contratuais NAO ESPECIFICADOS INDEMNIZAÇ.P/EVENTO RISCO SEGURAVEL Roubos risco segurável *NÃO CUSTO* Sinistros risco segurável*não CUSTO* Indemnizaç.contratuais pag.terceiro CUST.NÃO INDISPENS. ART.º 23.º CIRC Com IVA dedutivel Tx.Normal Regime isenção ou pequen.retalhista 689 Desconto especial concedido "Rappel 69 GASTOS E PERDAS DE FINANCIAMENTO 691 JUROS SUPORTADOS 6911 JUROS DE FINENCIAMENTOS OBTIDOS Emprestimos Banc rios LOCAÇÕES FINANCEIRAS Viat.lig.passag. Trib.Autónom.=10%= Viat.lig.passag. Trib.Autónom. 20%= 6913 OUTROS EMPRESTIMOS OBTIDOS JUROS DE SUPRIMENTOS Juros nao excedentes do limite Excesso *Art.º. 45.º.1 j).circ* 6914 Descontos de titulos 6915 Juros de mora e compensat rios 6918 OUTROS JUROS 698 OUTROS GASTOS E PERDAS DE FINANCIAM 71 VENDAS 711 *MERCADORIAS 7111 **MERCADO NACIONAL *** SECÇÃO 1 (SEDE) Com IVA Tx.Reduzida

19 Com IVA Tx.Intermedia Com IVA Tx.Normal ***SECÇÃO 2 (AÇORES) Com IVA Tx.Normal ***SECÇÃO 3 (MADEIRA) Com IVA Tx, Normal 7112 **MERCADO COMUNITARIO *** SECÇÃO 1 (SEDE) Isentas de IVA 7113 **OUTROS MERCADOS ***SECÇÃO 1 (SEDE) Isentas de IVA 712 *PRODUTOS ACABADOS E INTERMEDIOS 7121 MERCADO NACIONAL SECÇÃO: PROD.ACABADOS Com IVA Taxa Normal 713 SUBPRODUT.,DESPERD.,RESIDUOS E REFUGOS 714 ACTIVOS BIOLÓGICOS 716 IVA DAS VENDAS COM IMPOSTO INCLUIDO 717 DEVOLUCOES DE VENDAS 7171 *MERCADORIAS **MERCADO NACIONAL *** SECÇÃO 1 (SEDE) Com IVA Taxa Reduzida Com IVA Taxa Intermedia Com IVA Taxa Normal 718 DESCONTOS E ABATIMENTOS EM VENDAS 7181 *MERCADORIAS **MERCADO NACIONAL *** SECÇÃO 1 (SEDE) Com IVA Tx.Normal 72 PRESTACOES DE SERVICOS 721 *SERVIÇOS GERAIS 7211 **MERCADO NACIONAL Com IVA Taxa Tx.Normal 7212 **MERCADO COMUNITÁRIO Com IVA Tx.reduzid.(alojamento) Com IVA Tx.interm.(alimenta Æo) *tribut al.a),n.º6,art.6.º a contrar 7213 **OUTROS PAÖSES Com IVA Tx.reduzid.(alojamento) Com IVA Tx.interm.(alimenta Æo) *.tribut al.a),n.º6,art.6.º a contrar 73 VARIAÇÕES NOS INVENTAR.DE PRODUÇÃO 731 Produtos acabados e interm dios 732 Subprodut.,desperd.,res duos,refugo 733 Produtos e trabalhos em curso 74 TRABALHOS PARA A PRàPRIA ENTIDADE 75 SUBSÍDIOS EXPLORAÇÃO 751 SubsÍdios do Estado e outros entes

20 752 SubsÍdios de outras entidades 76 REVERSÕES 761 DE DEPRECIAÇÕES E DE AMORTIZAÇÕES 762 DE PERDAS POR IMPARIDADE 763 DE PROVISÕES 7631 Impostos 7632 Garantias a Clientes 7633 Processos Judiciais em Curso 7634 Acidentes no trabalho e doenç.profiss Matérias ambientais 7636 Contratos onerosos 7637 Reetruturação 7638 Outras provisões 77 GANHOS POR AUMENTOS DE JUSTO VALOR 771 Em instrumentos financeiros 772 Em investimentos financeiros 773 Em propriedades de investimento 774 Em activos biológicos 78 OUTROS RENDIMENTOS E GANHOS 781 RENDIMENTOS SUPLEMENTARES 7815 Desempenho carg. soc. noutras emp. 782 Descontos de pronto pag. obtidos 783 Recuperação de d vidas a receber 784 GANHOS EM INVENTÁRIOS 7841 Sinistros 7848 Outros ganhos 787 REND. E GANHOS EM INV. NÃO FINANCEI 7871 ALIENAÇÕES Valor recebido/mais Valia obtida 7872 Sinistros 7878 Outros rendimentos e ganhos 788 OUTROS 7881 Correcções relativas a per odos ant 7882 Excesso de estimativa para impostos 7887 Dif.cambio favor.(act.operacional) 79 JUROS,DIVID.OUT.RENDIM.SIMILARES 791 JUROS OBTIDOS 7911 De depósitos 7915 De financiamentos obtidos 792 DIVIDENDOS OBTIDOS 7921 De aplicaç.meios financeiros liquid 7928 Outras 793 Dif.câmbio favor activ.financiam. 798 OUTROS RENDIMENTOS SIMILARES 81 RESULTADO LíQUIDO DO EXERCÍCIO 811 Resultado antes de impostos 812 IMPOSTO SOBRE RENDIMENTO DO PERÍODO 8121 Imposto estimado para o per odo 8122 Imposto diferido 818 Resultado Liquido

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

DFR SOFT - EMPRESA DE DEMONSTRACAO Ref. : CONTP040 Data : 28/07/11 Listagem do Plano de Contas Pág. :

DFR SOFT - EMPRESA DE DEMONSTRACAO Ref. : CONTP040 Data : 28/07/11 Listagem do Plano de Contas Pág. : Listagem do Plano de Contas Pág. : 1 11 CAIXA 111 Caixa A 1111 Caixa A 112 Caixa Compras a Dinheiro 1121 Caixa Compras a Dinheiro 113 Caixa Vendas a Dinheiro 1131 Caixa Vendas a Dinheiro 114 Caixa Valores

Leia mais

ANEXO 4 Tabela de Rubricas Orçamentais 1 NATUREZA DA DESPESA SUPORTE DESPESAS CORRENTES

ANEXO 4 Tabela de Rubricas Orçamentais 1 NATUREZA DA DESPESA SUPORTE DESPESAS CORRENTES ANEXO 4 Tabela de Rubricas Orçamentais 1 CODIGO DESPESAS CORRENTES 010101 TITULARES DE ORGÃOS DE SOBERANIA E MEMBROS DE ORGÃOS AUTÁRQUICOS Corrente DL 26/2002 010102 ORGÃOS SOCIAIS Corrente DL 26/2002

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I Aprova o Código de Contas para Microentidades O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria

Leia mais

C N C. Indice 11 - CÓDIGO DE CONTAS CLASSE 1 - DISPONIBILIDADES 11 - CÓDIGO DE CONTAS... 1

C N C. Indice 11 - CÓDIGO DE CONTAS CLASSE 1 - DISPONIBILIDADES 11 - CÓDIGO DE CONTAS... 1 Indice 11 - CÓDIGO DE CONTAS... 1 CLASSE 1 - DISPONIBILIDADES... 1 CLASSE 2 - TERCEIROS*... 2 CLASSE 3 - EXISTÊNCIAS*... 4 CLASSE 4 - IMOBILIZAÇÕES*... 5 CLASSE 5 - CAPITAL, RESERVAS E RESULTADOS TRANSITADOS...

Leia mais

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CONTAS ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PARAQUEDISMO RUA DA UNIDADE, 9 7000-719

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria do membro

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Portaria n.º 1011/2009 de 9 de Setembro O Decreto -Lei n.º 158/2009, de 13 de Julho,

Leia mais

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado:

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado: PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 Imobilizado: ACTIVO AB AA AL AL Imobilizações incorpóreas: Despesas de Instalação... 770,64 770,64 Despesas de investigação e de desenvolvimento... Propriedade industrial

Leia mais

MUNICÍPIO DE MÊDA Plano de Contas Consolidado para o Ano Económico de 2012

MUNICÍPIO DE MÊDA Plano de Contas Consolidado para o Ano Económico de 2012 Plano de s Consolidado para o Ano Económico de 2012 1 Disponibilidades 11 Caixa 111 Caixa Principal 118 Fundo Maneio 119 Transferências de caixa 12 Depósitos em instituições financeiras 1201 Caixa Geral

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 51 14 de Março de 2011 1435

Diário da República, 1.ª série N.º 51 14 de Março de 2011 1435 Diário da República, 1.ª série N.º 51 14 de Março de 2011 1435 quer sejam de sua propriedade, quer estejam em regime de locação financeira. Compreende os investimentos financeiros, as propriedades de investimento,

Leia mais

IRIS INCLUSIVA - ASSOCIAÇÃO DE CEGOS E AMBLÍOPES

IRIS INCLUSIVA - ASSOCIAÇÃO DE CEGOS E AMBLÍOPES Pág. 1 11 CAIXA 7,343.08 7,249.75 93.33 111 Caixa - SEDE 7,343.08 7,249.75 93.33 12 DEPOSITOS A ORDEM 133,736.88 110,585.83 23,151.05 1201 C.G.D. 123,639.94 100,488.89 23,151.05 1202 B.C.P. 18.00 18.00

Leia mais

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014 PARTE A (13,50v) Realize as partes A e B em folhas de teste separadas devidamente identificadas I A empresa A2, SA dedica-se à compra e venda de mobiliário, adotando o sistema de inventário periódico.

Leia mais

Balancete Geral (Acumulado até Regularizações) - 2012

Balancete Geral (Acumulado até Regularizações) - 2012 Pág. 1/5 Data b.: 31-13-2012 11 Caixa 2.628,04 2.297,40 330,64 0,00 111 Caixa 2.628,04 2.297,40 330,64 0,00 Soma Líquida 2.628,04 2.297,40 330,64 0,00 Soma Saldos 330,64 0,00 12 Depósitos à ordem 152.341,84

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTAL E PATRIMONIAL DO POCAL, APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 54-A/99, DE 22 DE FEVEREIRO

CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTAL E PATRIMONIAL DO POCAL, APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 54-A/99, DE 22 DE FEVEREIRO Classe 0 Contas do controlo orçamental e de ordem* 01 Orçamento Exercício corrente* 02 Despesas 021 Dotações iniciais* 022 Modificações orçamentais* 0221 Transferências de dotações 02211 Reforços* 02212

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Código das contas POCMS Imobilizado ACTIVO Exercícios AB AP AL AL Bens de domínio público: 451 Terrenos e Recursos naturais 452 Edifícios 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

Scal - Mediação de Seguros, S. A.

Scal - Mediação de Seguros, S. A. Scal - Mediação de Seguros, S. A. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1. Nota introdutória A Empresa Scal-Mediação de Seguros foi constituída

Leia mais

ÍNDICE GERAL ÍNDICE GERAL. Nota prévia... 21. Capítulo I Introdução

ÍNDICE GERAL ÍNDICE GERAL. Nota prévia... 21. Capítulo I Introdução ÍNDICE GERAL Nota prévia... 21 Capítulo I Introdução Breves considerações sobre a História da Contabilidade... 27 Definição e divisões da Contabilidade... 30 A Empresa, os mercados e os fluxos... 34 O

Leia mais

PLANO DE CONTAS DECLARAÇÕES ELECTRÓNICAS INFORMÁTICA

PLANO DE CONTAS DECLARAÇÕES ELECTRÓNICAS INFORMÁTICA PLANO DE CONTAS DECLARAÇÕES ELECTRÓNICAS INFORMÁTICA Por Mário Portugal TOC nº 7 O trio que constitui o título deste artigo bem poderia ser substituído por um outro que nos dirá a mesma coisa: Contabilidade

Leia mais

BALANCETE CONTAS PLANO1 (Formato Pré-definido #2)

BALANCETE CONTAS PLANO1 (Formato Pré-definido #2) : (0) / 16 PARÂMETROS: Período Contabilístico Contas Plano1 entre Grau entre Contas Falsas Contas Lançamento (L) Contas c/ Quantidades (Q) Contas c/ Divisas (V) Contas Lancam/ Externo (T) Contas Estatísticas

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

Tributações autónomas, gastos e encargos não fiscais

Tributações autónomas, gastos e encargos não fiscais Tributações autónomas, gastos e encargos não fiscais Este trabalho pode auxiliá-lo numa tarefa nem sempre clara nem sempre fácil: o apuramento das tributações autónomas. Para tal, são-lhe apresentadas

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2012 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Polis Litoral Ria Aveiro das ACTIVO BALANÇO ANALÍTICO Dezembro 09 Dezembro 08 ACTIVO BRUTO AMORT. E AJUST. ACTIVO LIQUIDO ACTIVO LIQUIDO IMOBILIZADO Imobilizações Incorpóreas

Leia mais

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 ANEXO Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1 - Identificação de entidade: 1.1- Designação da entidade: GATO - Grupo de Ajuda a Toxicodependentes

Leia mais

ÍNDICE GERAL ÍNDICE GERAL. Nota prévia... 21. Capítulo I Introdução

ÍNDICE GERAL ÍNDICE GERAL. Nota prévia... 21. Capítulo I Introdução ÍNDICE GERAL Nota prévia... 21 Capítulo I Introdução Breves considerações sobre a História da Contabilidade... 27 Definição e divisões da Contabilidade... 30 A Empresa, os mercados e os fluxos... 34 O

Leia mais

Balanço e Demonstração de Resultados. Conheça em detalhe a Avaliação de Risco. Risco Elevado SOCIEDADE EXEMPLO, LDA AVALIAÇÃO DO RISCO COMERCIAL

Balanço e Demonstração de Resultados. Conheça em detalhe a Avaliação de Risco. Risco Elevado SOCIEDADE EXEMPLO, LDA AVALIAÇÃO DO RISCO COMERCIAL Balanço e Demonstração de Resultados Data 26-6-215 SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28 3º, 4º E 5º, 125-44 LISBOA TEL.: 213 5 3 FAX: 214 276 41 ana.figueiredo@ama.pt

Leia mais

BOLETIM OFICIAL 3.º SUPLEMENTO. I Série SUMÁRIO. Número 48. Segunda-feira, 29 de Dezembro de 2008

BOLETIM OFICIAL 3.º SUPLEMENTO. I Série SUMÁRIO. Número 48. Segunda-feira, 29 de Dezembro de 2008 Segunda-feira, 29 de Dezembro de 2008 I Série Número 48 BOLETIM OFICIAL 3.º SUPLEMENTO MINISTÉRIO DA FINANÇAS: Portaria nº 49/2008: Aprova o Código de Contas do Sistema de Normalização Contabilístico e

Leia mais

GUIÃO PARA AVALIAÇÃO DA EMPRESA/EMPRESÁRIO/PROJECTO PORTOS DE PESCA, LOCAIS DE DESEMBARQUE E DE ABRIGO

GUIÃO PARA AVALIAÇÃO DA EMPRESA/EMPRESÁRIO/PROJECTO PORTOS DE PESCA, LOCAIS DE DESEMBARQUE E DE ABRIGO GUIÃO PARA AVALIAÇÃO DA EMPRESA/EMPRESÁRIO/PROJECTO PORTOS DE PESCA, LOCAIS DE DESEMBARQUE E DE ABRIGO I - CARACTERIZAÇÃO DA ACTIVIDADE DA EMPRESA/EMPRESÁRIO a) 1.1. Breve resumo da actividade da Empresa/Empresário

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS 4958 Diário da República, 1.ª série N.º 142 23 de julho de 2015 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Portaria n.º 218/2015 de 23 de julho Na sequência da publicação do Decreto -Lei n.º 98/2015, de 2 de junho, que transpôs

Leia mais

ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO

ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Imobilizado ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Capital Próprio Imobilizações Incorpóreas 0,00 Capital 49.879,79 49.879,79 0,00 Imobilizações

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I)

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) Ano de 2007 CC ÂÂMM AARR AA MM UU NN I IICC IIPP I AALL DD EE GG OONN DD OOMM AARR R EE LL AA TT ÓÓ RR II IOO EE C OO NN TT AA SS / 22

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas Nome: Nº do BI/ Passaporte Duração: 2 horas Leia atentamente as questões. Depois, coloque no quadradinho que fica na parte superior direito de cada questão, a alínea correspondente à melhor resposta. Se

Leia mais

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009 Folha de cálculo para Plano de Negócios 7 de Novembro 2009 9 de Novembro de 2009 Modelo 9 de Novembro de 2009 2 Objectivos ferramenta Disponibilizar uma ferramenta que possibilite a um empreendedor efectuar

Leia mais

O trio que constitui o título deste artigo

O trio que constitui o título deste artigo 32 Contabilidade Plano de contas, declarações electrónicas e informática O POC admite que as empresas possam criar subcontas, evidenciadas por reticências, segundo as suas necessidades. Neste trabalho

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/2009

Contabilidade Financeira II 2008/2009 Contabilidade Financeira II 2008/2009 Valores a receber e a pagar, Acréscimos e Diferimentos e Provisões Valores a receber e a pagar, Acréscimos e Diferimentos e Provisões Contas a receber e a pagar Acréscimos

Leia mais

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte:

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: 3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO CONSIDERAÇÕES GERAIS Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: Tomar como referência o código de contas constante do POC e proceder apenas às alterações

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31 00 - Introdução a) Objecto social e identificação da Empresa HABECE Cooperativa de Habitação e Construção de Cedofeita, Crl., tem por objecto a construção ou a sua promoção e a aquisição de fogos para

Leia mais

AMADORA - MUNICIPIO DA AMADORA MOEDA EUR DATA 2015/04/10 A DEZEMBRO - 2014/12/01 a 2014/12/31 PAG. 1

AMADORA - MUNICIPIO DA AMADORA MOEDA EUR DATA 2015/04/10 A DEZEMBRO - 2014/12/01 a 2014/12/31 PAG. 1 A DEZEMBRO - 2014/12/01 a 2014/12/31 PAG. 1 Imobilizado: Bens de domínio público 451 Terrenos e recursos naturais 1.437.193,54 1.437.193,54 1.424.390,02 452 Edifícios 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/09

Contabilidade Financeira II 2008/09 Contabilidade Financeira II 2008/09 Impostos Estado e Outros Entes Públicos Impostos: IRC - Imposto sobre o rendimento IRS - Retenção de impostos sobre rendimentos (já vimos) IVA - Imposto sobre o valor

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

Contabilidade II. I. Demonstração dos resultados. Tipos de demonstrações de resultados

Contabilidade II. I. Demonstração dos resultados. Tipos de demonstrações de resultados Contabilidade II I. Demonstração dos resultados Demonstração dos resultados A demonstração dos resultados tem como objectivo evidenciar os resultados (lucros ou prejuízos) obtidos na actividade desenvolvida

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS CONTABILIDADE GERAL I III - CADERNO DE EXERCÍCIOS Terceiros e Antecipações Exercício 17 A empresa

Leia mais

ENCERRAMENTO DE CONTAS

ENCERRAMENTO DE CONTAS 1 13 Jan 2011 ENCERRAMENTO DE CONTAS ROCHA MARTINS 2010-2011: Informação Crítica para a Transição Fiscal Parceiros Institucionais Media Partner 2 ENCERRAMENTO DE CONTAS GENERALIDADES GENERALIDADES 1. Número

Leia mais

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2011

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2011 BALANÇO INDIVIDUAL ACTIVO Activo não corrente: Activos fixos tangíveis... 5 52.063,72 63.250,06 Propriedades de investimento... Goodwill... Activos intangíveis. Activos biológicos.. Participações financeiras

Leia mais

Balancete Analítico - Contabilidade Geral

Balancete Analítico - Contabilidade Geral Balancete Analítico - bilidade Geral 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 1.345.508,10 1.272.318,67 73.189,43 11 CAIXA 1.545,73 1.417,87 127,86 111 Caixa 1.545,73 1.417,87 127,86 12 DEPÓSITOS À ORDEM 683.962,37

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

Código de contas, declarações eletrónicas e informática

Código de contas, declarações eletrónicas e informática Código de contas, declarações eletrónicas e informática Conheça os dados mais relevantes para o correto preenchimento do quadro 07 da declaração modelo 22 do IRC. Por Mário Portugal * Artigo recebido em

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2010 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 2.1 Referencial

Leia mais

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ASSOCIAÇÃO POPULAR DE PAÇO DE ARCOS Rua Carlos Bonvalot, Nº 4 Paço de Arcos Contribuinte nº 501 238 840 NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE:

Leia mais

Relatório de Gestão. Exercício de 2014 INSTITUTO CARDIOLOGIA PREVENTIVA DE ALMADA. Audite Gestão Financeira

Relatório de Gestão. Exercício de 2014 INSTITUTO CARDIOLOGIA PREVENTIVA DE ALMADA. Audite Gestão Financeira Relatório de Gestão INSTITUTO CARDIOLOGIA PREVENTIVA DE ALMADA Audite Exercício de 2014 11-03-2015 Linda-a Velha, 11 de Março de 2015 Estimado cliente, O presente relatório pretende dar-lhe um flash da

Leia mais

Ativos não monetários identificáveis, sem substância física e geradores de fluxos económicos futuros

Ativos não monetários identificáveis, sem substância física e geradores de fluxos económicos futuros Balanço Detalhado Relação entre os investimentos (correntes e não correntes) e os seus financiamentos (próprios e alheios à entidade): ótica do Valor acumulado da Entidade Normalização Contabilística -

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EXERCÍCIO 2014

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EXERCÍCIO 2014 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EXERCÍCIO 2014 AIDGLOBAL- ACÃO E INTEG. PARA O DESENVOLVIMENTO GLOBAL ONG BALANÇOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 (VALORES EXPRESSOS EM EUROS) Notas 2014 2013 Activo Activos

Leia mais

Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira Anexo 13 de Março de 2015

Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira Anexo 13 de Março de 2015 Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira Anexo 13 de Março de 2015 1 Identificação da Entidade A Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira é uma instituição sem fins lucrativos, constituída sob

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA O FECHO DE EXERCÍCIO

RECOMENDAÇÕES PARA O FECHO DE EXERCÍCIO RECOMENDAÇÕES PARA O FECHO DE EXERCÍCIO Verificar passagem de ano Verificar aprovação de contas do exercício anterior Verificar apuramentos do IVA Verificar contas do balancete e fazer as devidas correcções

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO- BREVES CONSIDERAÇÕES

IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO- BREVES CONSIDERAÇÕES IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO- BREVES CONSIDERAÇÕES CONTA 243 - IVA Esta subconta destina-se a registar as situações decorrentes da aplicação do Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA).

Leia mais

6 RELATÓRIO E CONTAS 2012 7 10 11 12 13 14 15 16 17 18 Nº Mulheres 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 N = 53 Masculino Feminino 29 A SITUAÇÃO ECONÓMICA E FINANCEIRA ANOS PROCURA INTERNA 1 EXPORTAÇÕES (FOB)

Leia mais

VISÃO A CERCI Braga será uma entidade de referência no âmbito da inclusão social, proporcionando melhor qualidade de vida aos seus clientes.

VISÃO A CERCI Braga será uma entidade de referência no âmbito da inclusão social, proporcionando melhor qualidade de vida aos seus clientes. Ano: 2016 Instituição: CERCI Braga Caracterização Síntese: MISSÃO Contribuir para a congregação e articulação de esforços no sentido de melhorar a qualidade de vida das pessoas com deficiência intelectual

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2012 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 1. Indicação e justificação das disposições do POC que, em casos excepcionais, tenham sido derrogadas e dos respectivos efeitos nas demonstrações financeiras,

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Designação da Entidade: CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2006 8.2.1 Não se aplica. 8.2.2 Os conteúdos das contas

Leia mais

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira 18 de Maio de 2011 1 Modelo de análise económico-financeira 2 Modelo de análise económico-financeira

Leia mais

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto 2011/2012

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto 2011/2012 Contabilidade Geral Gestão do Desporto 2011/2012 OPERAÇÕES CORRENTES 1. Meios Financeiros Líquidos Esta Classe destina-se a registar os meios financeiros líquidos que incluem quer o dinheiro e depósitos

Leia mais

IV.2 - LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os custos correntes do exercício

IV.2 - LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os custos correntes do exercício Anexo à Instrução nº 5/96 IV.2 - LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA As contas desta classe registam os custos correntes do exercício 70 - JUROS E CUSTOS EQUIPARADOS 703 - Juros de recursos

Leia mais

Noções de Contabilidade

Noções de Contabilidade Noções de Contabilidade 1 1. Noção de Contabilidade A contabilidade é uma técnica utilizada para: registar toda a actividade de uma empresa (anotação sistemática e ordenada da qualidade e quantidade de

Leia mais

Anexo às Demonstrações Financeiras - ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Prefabricação em Betão ANEXO

Anexo às Demonstrações Financeiras - ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Prefabricação em Betão ANEXO ANEXO IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE Designação ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Morada Rua Dona Filipa de Vilhena, Nº 9-2.º Direito Código postal 1000-134 Localidade LISBOA DADOS DA ENTIDADE

Leia mais

Contabilidade Financeira I

Contabilidade Financeira I Contabilidade Financeira I INVESTIMENTOS É constituído pelos recursos que a empresa detém com carácter de continuidade, não se destinando a ser vendidos ou transformados no decorrer das suas actividades

Leia mais

Balanço e análise setorial

Balanço e análise setorial Balanço e análise setorial Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28 3º, 4º E 5º,

Leia mais

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014 NOTA 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE: 1.1. Designação da entidade INSTITUTO PROFISSIONAL DO TERÇO 1.2. Sede PRAÇA MARQUÊS DO POMBAL, 103 4000 391 PORTO 1.3. NIPC 500836256 1.4. - Natureza da actividade CAE

Leia mais

MAPAS DE FLUXOS FINANCEIROS

MAPAS DE FLUXOS FINANCEIROS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 2010 MAPAS DE FLUXOS FINANCEIROS Documentos de Prestação de Contas 2010 DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 2010 Fluxos de Caixa Documentos de Prestação de Contas 2010 DOC

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS A Penafiel Verde, E.M. é uma empresa municipal, com sede em Penafiel, constituída em Maio de 2006 e que tem como actividades principais a gestão e exploração

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

Contabilidade Financeira I

Contabilidade Financeira I Contabilidade Financeira I e principais demonstrações financeiras A Contabilidade Noção e objecto Relembremos a noção de contabilidade anteriormente apresentada: Reconhecimento ou Expressão Mensuração

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2011 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação;

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação; 14.5 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS I - Informações relativas às empresas incluídas na consolidação e a outras 1. Relativamente às empresas incluídas na consolidação a)

Leia mais

Clube de Futebol Os Belenenses

Clube de Futebol Os Belenenses Clube de Futebol Os Belenenses Em Preparado por: 1 Índice das Balanços em 30 de Junho 2015 e 30 Junho de 2014 3 Demonstrações dos Resultados por Naturezas dos exercícios findos em 30 Junho 2015 e 2014

Leia mais

CAPÍTULO I A ORGANIZAÇÃO DA CONTABILIDADE ÍNDICE

CAPÍTULO I A ORGANIZAÇÃO DA CONTABILIDADE ÍNDICE CAPÍTULO I A ORGANIZAÇÃO DA CONTABILIDADE ÍNDICE A ORGANIZAÇÃO ÍNDICE DA CONTABILIDADE Capítulo I - A ORGANIZAÇÃO DA CONTABILIDADE 1. As necessidades de Informação nas empresas... 27 2. O ciclo contabilístico...

Leia mais

Relatório e Contas. Fundação Denise Lester

Relatório e Contas. Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2011 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/16 Índice Balanço individual Demonstração dos resultados individuais Demonstração das Alterações dos fundos patrimoniais Demonstração

Leia mais

Federação Portuguesa de Pentatlo Moderno

Federação Portuguesa de Pentatlo Moderno Pág. 1 11 CAIXA 45,345.91 45,309.19 36.72 111 Caixa A 45,345.91 45,309.19 36.72 12 DEPOSITOS A ORDEM 233,679.52 231,740.62 1,938.90 121 Bancos 233,679.52 231,740.62 1,938.90 1211 Millenium BCP 0.21 0.21

Leia mais

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal.

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (Montantes expressos em euros) 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da Entidade Casfig Coordenação de âmbito social

Leia mais

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras Nos termos do previsto no ponto 2.1.4. das Bases para a Apresentação das Demonstrações

Leia mais

versus explicado Paula Franco

versus explicado Paula Franco versus explicado Paula Franco FICHA TÉCNICA TÍTULO AUTOR DESIGN E PAGINAÇÃO ISBN IMPRESSÃO DEPÓSITO LEGAL versus explicado Paula Franco DCI - Departamento de Comunicação e Imagem da OTOC 978-989-95224-9-7

Leia mais

1. Natureza Actividade Comercial Industrial Serviços

1. Natureza Actividade Comercial Industrial Serviços 1. Natureza Actividade Comercial Industrial Serviços 2. Vendas e Operações com clientes Artigos Venda Segmentos clientes - Mercado Interno vs Externo; Corporate vs Particulares PV e PMR (condições comerciais

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

CASA DO POVO DA ALAGOA. Demonstrações Financeiras e Anexo

CASA DO POVO DA ALAGOA. Demonstrações Financeiras e Anexo CASA DO POVO DA ALAGOA Demonstrações Financeiras e Anexo em 31 de Dezembro de 2014 BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 RUBRICAS ACTIVO Euros DATAS 31-12-2014 31-12-2013 Activo não corrente Activos fixos

Leia mais

A prestação de contas de 2011 é elaborada de acordo com o SNC 1, não existiram alterações no capital nem perdas ou ganhos por imparidade.

A prestação de contas de 2011 é elaborada de acordo com o SNC 1, não existiram alterações no capital nem perdas ou ganhos por imparidade. INTERPRETAÇÃO DAS CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2011 Nota Introdutória: A prestação de contas de 2011 é elaborada de acordo com o SNC 1, não existiram alterações no capital nem perdas ou ganhos por imparidade.

Leia mais

Balanço e demonstração de resultados Plus

Balanço e demonstração de resultados Plus Balanço e demonstração de resultados Plus Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28

Leia mais

SPMS, E.P.E. Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento...

SPMS, E.P.E. Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento... 2012 Orçamento Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento... 8 1 Plano Estratégico 2011-2013 1. Enquadramento O presente documento

Leia mais

2. REFERENCIAL CONTABILISTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

2. REFERENCIAL CONTABILISTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Nos termos da Portaria nº 105/2011 de 14 de Março, as divulgações a efetuar pelas ESNL em anexo às Demonstrações Financeiras, correspondem às publicadas no anexo nº 10 da Portaria nº 986/2009 de 07 de

Leia mais

R E L A T Ó R I O E C O N T A D E G E R Ê N C I A 2 0 0 8

R E L A T Ó R I O E C O N T A D E G E R Ê N C I A 2 0 0 8 R E L A T Ó R I O E C O N T A D E G E R Ê N C I A 2 0 0 8 índice Índice (numeração conforme a indicação no POCAL) índice... 2 5 - Balanço... 3 6 Demonstração de Resultados... 9 7 Mapas de Execução Orçamental...

Leia mais

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA 31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA A demonstração de fluxos de caixa é um mapa de fluxos que releva a entradas e as saídas de caixa, durante um exercício. A Demonstração de fluxos de caixa é estruturada

Leia mais