Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas"

Transcrição

1 Nome: Nº do BI/ Passaporte Duração: 2 horas Leia atentamente as questões. Depois, coloque no quadradinho que fica na parte superior direito de cada questão, a alínea correspondente à melhor resposta. Se colocar mais do que uma alínea de resposta para a mesma questão, essa questão será considerada como não respondida. Cotação Cada questão de múltipla escolha tem a cotação de 0,5 valor. O apuramento de resultado tem a cotação de 1 valor, a elaboração da Demonstração de Resultados tem a cotação de 1,5 valores e a elaboração do Balanço tem 2,5 valores. Questão 1 1) De acordo com a estrutura conceptual do SNCRF o objectivo das Demonstrações Financeiras é o de: a) Proporcionar informação acerca da posição financeira e do desempenho de uma entidade. b) Proporcionar informação acerca do desempenho financeiro, da posição financeira e do rédito de uma entidade. c) Proporcionar informação acerca da posição financeira, do desempenho e das alterações na posição financeiras de uma entidade. d) Proporcionar informação acerca do desempenho financeiro, da posição financeira, e relevância de uma entidade e) Proporcionar informação apenas acerca da posição financeira de uma entidade. Questão 2 2) Um conjunto completo de demonstrações financeiras é composto por: a) Balanço, Demonstração dos Resultados, Demonstração das alterações no capital próprio, Demonstração de fluxos de caixa e Anexo b) Balanço, Demonstração dos Resultados, Mapa de alterações de capital próprio, Mapa de fluxos de caixa e Anexo c) Balanço, Demonstração dos Resultados, Demonstração de fluxos de caixa, Mapa de fluxos de caixa e Anexo d) Nenhuma das anteriores Página 1 de 18

2 Questão 3 3) De acordo com a Estrutura Conceptual, os pressupostos subjacentes à preparação das demonstrações financeiras são: a) Regime do acréscimo e continuidade. b) Compreensibilidade, relevância, fiabilidade e comparabilidade. c) Justo valor e prudência. d) Periodização económica e especialização de exercícios. Questão 4 4) Segundo a estrutura conceptual do SNCRF, a informação financeira deve estar isenta de erros materiais e preconceitos. Qual dos seguintes termos respeita a esta afirmação? a) Mensuração. b) Relevância. c) Reconhecimento. d) Materialidade. e) Fiabilidade Questão 5 5) Os elementos das demonstrações financeiras directamente relacionados com o Balanço são: a) Rendimentos, activo e gastos b) Gastos, passivo e capital Próprio c) Activo, passivo e capital próprio d) Activo, passivo e gastos e) Activo, capital próprio, rendimentos e gastos Página 2 de 18

3 Questão 6 6) Um activo só deve ser reconhecido no balanço de uma entidade quando: a) É controlado pela entidade e mensurado com fiabilidade. b) Quando o valor do activo seja pago pela entidade e estar registado em nome dela. c) For provável que gere benefícios económicos futuros e é da propriedade de uma entidade. d) For provável que gere benefícios económicos futuros, poder ser mensurado com fiabilidade e seja controlado pela entidade. e) É controlado por uma entidade e é da propriedade legal da entidade. Questão 7 7) A compra de um veículo por 800 contos, com pagamento de 50% à vista e o restante em 10 prestações. a) Aumenta 800 contos o activo e 800 contos o Passivo b) Aumenta 400 contos o activo e 400 contos o passivo c) Aumenta 800 contos o activo e 400 contos o passivo d) Aumenta 400 contos o activo e 800 contos o passivo Questão 8 8) A empresa Alfa S.A. em 2012 dispunha de um capital próprio (A-P) de contos. No decurso do primeiro semestre de 2013 verificaram-se os seguintes factos patrimoniais: Compra a crédito de uma máquina fabril no valor de contos; Venda de mercadorias por contos que lhe tinha custado contos; Processamento dos ordenados do pessoal no valor de contos; Pagamento da amortização do empréstimo bancário de contos e juros no valor de contos. Após estas operações diga qual o valor do capital próprio da empresa Alfa. a) contos b) contos c) contos d) contos Página 3 de 18

4 Questão 9 9) Na demonstração dos fluxos de caixa: a) Os recebimentos estão necessariamente associados às vendas; b) Os pagamentos respeitantes a activos fixos tangíveis representam as aquisições efectuadas no período; c) A realização do capital social corresponde ao aumento do capital social; d) Todas as anteriores estão erradas. Questão 10 10) Quando uma empresa obtém um empréstimo bancário: a) O capital próprio aumenta. b) O activo e o passivo aumentam. c) Os gastos aumentam. d) Todas as anteriores estão correctas. Questão 11 11) Admita que a empresa Beta S.A. vendeu, a crédito, mercadoria por $00, que tinham custado $00. Qual o efeito (impacto) que esta operação provoca no balanço e na demonstração de resultados? a) Aumenta clientes por $00, rendimentos por $00, reduz mercadoria por $00 e reduz dívidas para com fornecedor por $00. b) Aumenta caixa por $00, aumenta rendimento por $00, reduz mercadoria por $00, aumenta o custo de mercadorias vendidas por $00. c) Aumenta clientes por $00, aumenta rendimento por $00, reduz mercadoria por $00, aumenta o custo de mercadorias vendidas por $00 e aumenta o resultado por $00. d) Aumenta rendimento por $00, reduz mercadoria por $00, aumenta o resultado por $00. Página 4 de 18

5 Questão 12 No final de Dezembro de 2012, a ABC S.A. celebrou um contrato de arrendamento de um espaço comercial em Palmarejo, para vigorar a partir do início do ano seguinte e pagou de imediato as três primeiras rendas mensais relativas ao primeiro trimestre de A proprietária do imóvel é uma sociedade anónima e a renda bruta mensal estipulada foi de 500 contos. 12) Nas demonstrações financeiras anuais da ABC S.A. reportadas a 31 de Dezembro de 2012, deverá estar apresentado: a) No balanço, no activo, na rubrica Diferimentos, no valor de contos. b) No balanço, no passivo, na rubrica Diferimentos no valor de contos. c) Na demonstração dos resultados, em Fornecimentos e Serviços Externos, um gasto no valor de contos. d) Nenhuma das anteriores. Questão 13 Em 2 de Janeiro de 2012 a empresa Gama S.A. adquiriu, a crédito, uma máquina industrial pelo lor de contos, tendo sido concedido um desconto comercial de 10%, com o acordo de que a montagem e instalação da mesma seria por conta da empresa Gama, S.A. A empresa Gama contratou dois técnicos que cobraram 750 contos pelo serviço, tendo o pagamento efectuado através de cheque. Os gastos com transporte até ao armazém da Gama, S.A. ascenderam a 250 contos, pagos por transferência bancária. Estima-se que a vida útil da máquina é de 5 anos. Página 5 de 18

6 13) O registo contabilístico correspondente deveria ser: a) Débito da conta 433- Equipamento básico: contos; Débito da conta 62- fornecimentos e serviços externos: contos; Crédito da conta fornecedor de investimento: contos e Crédito da conta 12- Depósito à ordem: contos. b) Débito da conta 433- Equipamento básico: contos; Débito da conta 62- fornecimentos e serviços externos: contos; Crédito da conta fornecedores de investimentos: contos e Crédito da conta 12- Depósito à ordem: contos. c) Débito da conta 433- Equipamento básico: contos; Crédito da conta fornecedores de investimentos: contos e Crédito da conta 12- Depósito à ordem: contos. d) Débito da conta 433- Equipamento básico: contos; Débito da conta 62- fornecimentos e serviços externos: contos; Crédito da conta 221- fornecedor c/c: contos e Crédito da conta 12- Depósito à ordem: contos. Questão 14 14) Identifique quais das propriedades descritas em seguida, devem ser classificadas como Propriedades de Investimento. a) A empresa K. adquiriu um edifício, para expandir a sua capacidade de produção. b) A empresa M, está a construir um prédio para venda. c) A empresa B detém um terreno em São Vicente, e arrendou-o à empresa Gama S.A. d) A empresa JD adquiriu um terreno para construção da sua sede. Página 6 de 18

7 Questão 15 15) De acordo com a NRF 17- imparidade de activos: Um activo encontra-se em imparidade quando: a) O justo valor é menor que o valor de uso. b) O valor de uso é superior à quantia escriturada. c) A quantia escriturada é inferior à quantia recuperável. d) Quando a quantia escriturada é superior à quantia recuperável. Questão 16 Em 2 de Janeiro de 2012 a empresa Gama S.A. adquiriu, a crédito, uma máquina pelo valor de contos, tendo gasto pela sua instalação o valor de contos, fixando o período da vida útil esperado em 8 anos, e o valor residual da máquina em contos. 16) O registo contabilístico correspondente à depreciação da máquina no ano de 2012 deveria ser no valor de: a) contos. b) contos. c) contos d) contos. Questão 17 A empresa Beta Lda, transformou-se de sociedade por quotas em sociedade anónima, tendo suportado gastos com essa transformação (escrituras, registos, etc.) o valor de $00. 17) A conta onde deve ser registado esses gastos deve ser a conta: a) FSE Trabalhos especializados; b) Activo intangível; c) Acréscimos e diferimentos; d) FSE contencioso e notariado. Página 7 de 18

8 Questão 18 A empresa Gama S.A. cuja actividade é a construção civil, celebrou, no ano N, um contrato de empreitada, no valor de $00, para a construção de um edifício. Considerando a seguinte informação. Descrição Ano N Ano N+1 Custos acumulados até à data $ $00 Custos estimados para conclusão $ Facturação emitida no período $ $00 Facturação acumulada $ $00 18) Qual é o rendimento a reconhecer pela empresa Gama no ano N, considerando o método da percentagem de acabamento: a) $00 b) $00 c) $00 d) $00 Questão 19 Em 30 de Março de 2012 a empresa Beta S.A. celebrou um contrato de locação financeira com a locadora Alfa, S.A. para aquisição de um equipamento industrial nas seguintes condições: Custo do equipamento: contos; Taxa de juro implícita no contrato: 6% ao semestre; Duração do contrato: 4 anos (8 semestres); Renda: semestral, constante e postecipada; Vida útil do bem: 4 anos; o plano de amortização é o que se segue. Página 8 de 18

9 Data Períodos capital em dívida no Amortização Juros Semestral início do período do capital Renda , ) Os registos contabilísticos a serem efectuados em 30 de Março de 2012 são: a) Débito da conta 433- equipamento básico: contos e Crédito da conta Fornecedores de investimentos: contos. b) Débito da conta 433- equipamento básico: contos e Crédito da conta Locações financeiras: contos. c) Débito da conta 433- equipamento básico: contos e Crédito da conta- 12 Depósitos à ordem: contos. d) Débito da conta 435- equipamento administrativo: contos e Crédito da conta- 12 Depósitos à ordem: contos. 19.A ) Os registos contabilísticos a serem efectuados em 30 de Setembro de 2012 são: a) Débito juros de financiamentos obtidos contos Débito Fornecedores de investimentos contos Crédito contos b) Débito comissões 900 contos Débito locações financeiras contos Crédito 12 depósitos à ordem 2.416contos Página 9 de 18

10 c) Débito renda e alugueres 900 contos Débito locações financeiras contos Crédito 12- depósitos à ordem contos d) Débito juros de financiamentos obtidos. 900 contos Débito locações financeiras contos Crédito 12 - depósitos à ordem contos Questão 20 A empresa Mendes Mendes, Lda. adquiriu, a crédito, no início do ano 2013, uma máquina pelo valor de contos, tendo recebido, através da transferência bancária, um subsídio governamental, no valor de contos, para auxílio na compra dessa máquina. Foi estimada a vida útil da máquina por um período de 8 anos e valor residual zero. 20) Os registos contabilísticos a serem efectuados no início do ano referentes aos subsídios recebidos deveriam ser: a) Débito da conta 12- Depósitos à ordem: contos e Crédito da conta- 741 Subsídio de estado e outros entes públicos: contos b) Débito da conta 12- Depósitos à ordem: contos e Crédito da conta outras contas a pagar: contos c) Débito da conta 12- Depósitos à ordem: contos e Crédito da conta- 283 Subsídios para investimento. d) Débito da conta 12- Depósitos à ordem: contos e Crédito da conta Fornecedores de investimentos. 20- A) Os registos contabilísticos a serem efectuados no final do ano de 2013 deveriam ser: e) Débito da conta 642- gasto de depreciação: contos e Crédito da conta Depreciação acumulada: contos, e Débito da conta 283- Subsídios para investimento: contos e Crédito da conta- 741 Subsídio de estado e outros entes públicos: contos. Obs: Continuação na folha seguinte Página 10 de 18

11 Continuação da questão 20 -A f) Débito da conta 642- gasto de depreciação: contos e Crédito da conta Depreciação acumulada: contos, e Débito da conta 741- Subsídio de estado e outros entes públicos: contos e Crédito da conta- 283 Subsídios para investimento: contos. g) Débito da conta 642- gasto de depreciação: contos e Crédito da conta Depreciação acumulada: contos, e Débito da conta Subsídios para investimento: contos e Crédito da conta Imputação de Subsídios para investimento: contos. h) Débito da conta 642- gasto de depreciação: contos e Crédito da conta Depreciação acumulada: contos, e Débito da conta Subsídios para investimento: contos e Crédito da conta- 741 Subsídio de estado e outros entes públicos: contos. Questão 21 A empresa XP, Lda. recebeu juros de depósito a prazo no valor de contos, tendo o banco efectuado a retenção de IUR de contos. 21) O registo contabilístico correspondente aos factos acima referidos deveria ser: a) Débito da conta 12- depósitos à ordem: contos; crédito da conta juros de aplicações financeiras: contos b) Débito da conta 12- depósitos à ordem: contos; Débito da conta impostos: contos Crédito da conta juros de aplicações financeiras: contos c) Débito da conta 12- depósitos à ordem: contos; Crédito da conta juros de aplicações financeiras: contos d) Débito da conta 12- depósitos à ordem: contos; Débito da conta Retenção na fonte (terceiros): contos Crédito da conta juros de aplicações financeiras: conto Página 11 de 18

12 Questão 22 No dia 2 de Dezembro de 2013, a empresa JP pagou à empresa K a renda do edifício, no valor de $00, sujeita a uma retenção de IUR à taxa de 10%. 22) Os registos contabilísticos a serem efectuados deveriam ser: a) Débito da conta Renda e alugueres: $00 Crédito da conta- 12 Depósitos à ordem: $00. b) Débito da conta Renda e alugueres: $00 Crédito da conta- 12 Depósitos à ordem: $00. c) Débito da conta Renda e alugueres: $00 Crédito da conta rendas e outros rendimentos em prop. de investimento: $00 Crédito da conta- 12 Depósitos à ordem: $00. d) Débito da conta Renda e alugueres: $00 Crédito da conta Prediais: $00 Crédito da conta- 12 Depósitos à ordem: $00. Questão 23 A empresa Alfa S.A. apresentava, em 31 de Dezembro de 2012, um capital próprio de contos, e capital social de contos representado por acções. A empresa pretende aumentar o capital através de emissão de acções de valor nominal de 1 e a subscrição pelo valor de 1,2. A realização do capital será realizada mediante entrega de dinheiro. 23) Na subscrição do capital os registos contabilísticos a serem efectuados deveriam ser: a) Débito da conta Accionista c/ subscrição: contos Crédito da conta - 51 capital: contos. b) Débito da conta Accionista c/ subscrição: contos Crédito da conta- 51 capital: contos. c) Débito da conta Accionista c/ subscrição: contos Crédito da conta- 51 capital: contos. Crédito da conta- 54 prémios de emissão: contos. d) Débito da conta Quotas não liberadas: contos Crédito da conta- 51 capital: contos. Página 12 de 18

13 Questão 24 A empresa Beta S.A recebeu., em Dezembro do ano 2013, a renda dos meses de Dezembro/13 e Janeiro/14, no valor de 108 contos, líquido de IUR á taxa de 10%, de um apartamento classificado como propriedade de investimento. 24) Os registos contabilísticos a serem efectuados deveriam ser: a) Débito da conta Depósitos à ordem: 108 contos Crédito da conta rendas e outros rendimentos em prop. de investimento: 108 contos. b) Débito da conta Depósitos à ordem: 120 contos Crédito da conta rendas e outros rendimentos em prop. de investimento: 120 contos. c) Débito da conta Depósitos à ordem: 108 contos Débito da conta Retenção na fonte (terceiros): 12 contos Crédito da conta rendas e outros rendimentos em prop. de investimento: 120 contos. Questão 25 A empresa Alfa S.A, possuía entre os seus activos fixos tangíveis, um terreno adquirido em 01 de Janeiro de 2011, a um custo de contos, para o qual adoptava o modelo de revalorização como política contabilística aplicável aos terrenos. Em 31 de Dezembro de 2011, o justo valor do terreno foi estimado em contos. 25) Os registos contabilísticos a serem efectuados em 31/12/11, considerando os efeitos de impostos diferidos (taxa de IUR de 25%), deveriam ser: a) Débito da conta terrenos e recursos naturais: contos Crédito da conta ganhos por aumento de justo valor em prop. de invest: contos, e Débito da conta ajustamentos por imposto diferidos: contos. Crédito da conta passivos por impostos diferidos: contos b) Débito da conta terrenos e recursos naturais: contos Crédito da conta Outros excedente antes de imp. sobre rendimento: contos, e Débito da conta impostos diferidos: contos Crédito da conta passivos por impostos diferidos: contos. Página 13 de 18

14 Obs: Continua na outra folha Continuação da questão 25 c) Débito da conta terrenos e recursos naturais: contos Crédito da conta outros rendimentos: contos, e Débito da conta impostos diferidos: contos Crédito da conta Activos por impostos diferidos: contos. d) Nenhum dos lançamentos está correcto. Questão 26 26) De acordo com a NRF 13 os inventários devem ser mensurados: a) Sempre pelo seu valor de custo; b) Pelo seu valor de venda; c) Pelo custo ou valor realizável líquido, dos dois o mais alto; d) Pelo custo ou valor realizável líquido, dos dois o mais baixo. Questão 27 No dia 2 de Janeiro de 2013 a Empresa Beta S.A. procedeu à alienação de um edifício integrado nos activos fixos tangíveis, que em 31/12/12 apresentava, como custo de aquisição, o valor de contos, as depreciações acumuladas de contos e perdas por imparidades, no valor de contos, e o valor de venda foi de contos. 27) Com esta venda a empresa Beta S.A. obteve: a) Mais-valia de contos b) Menos valia de contos c) Mais-valia de contos d) Mais- valia de contos Página 14 de 18

15 Questão 28 A empresa Gama S.A., tinha em 31 de Dezembro de 2012, um equipamento básico, com os seguintes dados: Valor de aquisição: contos Depreciações acumuladas: contos (já inclui depreciação do ano 2012) Valor de uso: contos Justo valor: contos 28) Considerando os dados acima referidos pode-se afirmar que o equipamento: a) Apresenta perda por imparidade, no valor de contos. b) Não apresenta perda por imparidade. c) Apresenta perda por imparidade, no valor de contos. d) Apresenta perda por imparidade, no valor de contos. Questão 29 A empresa Alfa S.A. apresenta em 31 de Dezembro de 2012, o balancete rectificado que abaixo se apresenta. Pretende-se com base no referido documento: a) O apuramento do resultado, considerando a taxa de IUR de 25%, b) A elaboração da Demonstração de Resultados, e c) A elaboração do Balanço em 31/12/12. Observação: Do valor de financiamentos obtidos, 25% é para ser pago a curto prazo, e os rentantes 75% a longo prazo Página 15 de 18

16 Balancetes da empresa ALFA S.A. em 31 de Dezembro de 2012 Contas Descrição Valores em contos Balancete rectificado Saldo Devedor Saldo Credor 11 Caixa 900,00 12 Dépositos à ordem 2.800,00 13 Depósitos a prazo , Clientes , Adiantamento de clientes 3.600, Perdas por imparidades acumuladas 7.800, Fornecedores , Adiantamento a fornecedores 6.600, Financiamentos obtidos , Retenção de imposto sobre rendimento 4.030, Contribuições para a segurança social 5.600, Accionistas c/ subscrição 5.000, Devedores por acréscimo de rendimento 1.900, Credores por acrescimo de gasto 3.200, Outros devedores e credores 1.150, Acrescimos por férias e sub. de férias 6.900, Diferimentos - Gastos a reconhecer 1.700, Direfrimentos - Rendimentos a reconhecer 3.000, Inventários ,00 42 Propriedades de investimento 4.000, Equipamento básico , Equipamento administractivo 5.700, Dep. acumuludas de Equip. básico , Dep. acumuludas de equip. admin. 620, Perdas por impar.acumuladas de Equipamento Básico 4.000,00 51 Capital , Acções própias- valor nominal 4.000, Reservas legais , Resultados transitados 9.600, Gastos c/ mercadorias vend.e mat. cons ,00 62 Fornecimentos e serviços externos ,00 63 Gastos com pessoal ,00 64 Gastos de depreciação e de amortização , Perdas por imparidades em dividas a receber de clientes 7.800, Juros de financiamentos obtidos 4.200,00 71 Vendas , Reversões de perdas por imparidade de clientes 2.800, Rendas e outros rendimentos em propriedes de investimento 1.400, rendimentos em investimentos não financeiros - Alienações 4.600, Juros obtidos de apliações financeiras ,00 Total , ,00 Página 16 de 18

17 ALFA, S.A. NIF : DEMOSTRAÇÂO DE RESULTADOS POR NATUREZAS PERÍODO COMPREENDIDO ENTRE 01 de JANEIRO DE 2012 E 31 DE DEZEMBRO DE 2012 Vendas e prestações de serviços Ganhos/perdas imputados de subsidiárias, associadas e empreendimentos conjuntos Variação nos inventários de produção Gastos com mercadorias vendidas e materias consumidas Fornecimentos e serviços externos Gastos com pessoal Ajustamentos de inventários (perdas/reversões) Imparidade de dividas a receber (perdas /reversões) Outros rendimentos e ganhos Outros gastos e perdas Resultado operacional bruto - Valor acrescentado bruto - Resultado antes de depreciações, amortizações, perdas/ganhos de financ. e imposto - Gastos/Reversões de depreciação e de amortização Perdas/Reversões por imparidade de activos depreciáveis/amortizaveis Resultado operacional (antes de perdas/ganhos de financiamento e imposto) - Juros e ganhos similares juros e perdas similares Resultado antes de impostos - Imposto sobre rendimentos do periodo - Para ser lido com as notas do anexo RUBRICAS Notas Valores em Esc. Data de referência Ano 2012 Ano 2011 Valores Valores Resultado liquido do período - - Página 17 de 18

18 ALFA, S.A. NIF : BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 Activo não Corrente Activos fixos tangíveis ACTIVO Edificios e outras construções Equipamento básico RUBRICAS Notas Valores em contos Data de referência Valores Valores Equipamentos Administrativos Propriedades de investimento Activo Corrente Inventários Mercadorias Clientes Adiantamentos a fornecedores Outras contas a receber Diferimentos Caixa e depósitos bancários Capital Próprio Capital realizado Acções (quotas) próprias Reservas legais Outras reservas Resultados transítados CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO Resultado líquido do periodo Passivo não corrente Provisões PASSIVO Total do activo não corrente Total do activo corrente Total do Activo - - Total do capital próprio - - Financiamentos obtidos Passivo Corrente Total do Passivo não corrente - - Fornecedores Adiantamentos de clientes Estados e outros entes públicos Financiamentos obtidos Outras contas a pagar Diferimentos Total do passivo Corrente - - Total do passivo - - Total do Capital Próprio e do Passivo - - Página 18 de 18

Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2013/2014 1º Semestre. 28 de NOVEMBRO de 2013 Duração da prova: 60 minutos

Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2013/2014 1º Semestre. 28 de NOVEMBRO de 2013 Duração da prova: 60 minutos Contabilidade Financeira Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2013/2014 1º Semestre 28 de NOVEMBRO de 2013 Duração da prova: 60 minutos 3º TESTE INTERMÉDIO NOME: NÚMERO: Atenção

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014 PARTE A (13,50v) Realize as partes A e B em folhas de teste separadas devidamente identificadas I A empresa A2, SA dedica-se à compra e venda de mobiliário, adotando o sistema de inventário periódico.

Leia mais

2. Regra geral, o IVA não dedutível deve ser registado na conta 68111 : a) Verdadeira; b) Falsa Justificação:

2. Regra geral, o IVA não dedutível deve ser registado na conta 68111 : a) Verdadeira; b) Falsa Justificação: 1. A aplicação do princípio da prudência está exclusivamente relacionada com o registo de perdas de imparidade em activos e provisões : a) Verdadeira; b) Falsa 2. Regra geral, o IVA não dedutível deve

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA Exame Época Normal 04 de Julho de 0 Duração: H 00M Deve identificar-se nesta folha de prova, indicando o nome completo, número de matrícula e turma em que se encontra inscrito(a). As opções de resposta

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I Aprova o Código de Contas para Microentidades O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria do membro

Leia mais

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 ANEXO Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1 - Identificação de entidade: 1.1- Designação da entidade: GATO - Grupo de Ajuda a Toxicodependentes

Leia mais

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

CENTRO DE CARIDADE NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO

CENTRO DE CARIDADE NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO CENTRO DE CARIDADE NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2014 Índice Balanço... 3 Demonstração dos Resultados por Naturezas... 4 Demonstração dos Fluxos de Caixa...

Leia mais

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ASSOCIAÇÃO POPULAR DE PAÇO DE ARCOS Rua Carlos Bonvalot, Nº 4 Paço de Arcos Contribuinte nº 501 238 840 NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE:

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS CONTABILIDADE GERAL I III - CADERNO DE EXERCÍCIOS Terceiros e Antecipações Exercício 17 A empresa

Leia mais

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2011

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2011 BALANÇO INDIVIDUAL ACTIVO Activo não corrente: Activos fixos tangíveis... 5 52.063,72 63.250,06 Propriedades de investimento... Goodwill... Activos intangíveis. Activos biológicos.. Participações financeiras

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2010 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 2.1 Referencial

Leia mais

Scal - Mediação de Seguros, S. A.

Scal - Mediação de Seguros, S. A. Scal - Mediação de Seguros, S. A. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1. Nota introdutória A Empresa Scal-Mediação de Seguros foi constituída

Leia mais

LIVRO SNC CONTABILIDADE FINANCEIRA: SUA APLICAÇÃO

LIVRO SNC CONTABILIDADE FINANCEIRA: SUA APLICAÇÃO LIVRO SNC CONTABILIDADE FINANCEIRA: SUA APLICAÇÃO P. 2 Sistema de Normalização Contabilística Prático SNC Contabilidade Financeira: sua aplicação CAPÍTULO 1 CONTABILIDADE E O SEU PAPEL PARTE I P. 28 (QUESTÃO

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

CASA DO POVO DA ALAGOA. Demonstrações Financeiras e Anexo

CASA DO POVO DA ALAGOA. Demonstrações Financeiras e Anexo CASA DO POVO DA ALAGOA Demonstrações Financeiras e Anexo em 31 de Dezembro de 2014 BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 RUBRICAS ACTIVO Euros DATAS 31-12-2014 31-12-2013 Activo não corrente Activos fixos

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2012 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS

CADERNO DE EXERCÍCIOS CONTABILIDADE II CADERNO DE EXERCÍCIOS CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS Ano Lectivo 2009/2010 Maio de 2010 EXERCÍCIO N º 1C A sociedade M possui 60% de voto da sociedade A, a qual possui, por sua vez, 40% de direitos

Leia mais

! " # $%&' (") *+)( *+)* , " # - %. " / 012 $ )"* *+)( 012+"4 "# *+)( 012 5"5 " 6! ! " '.! " 7 . % "' *+)( $%, % " ## *++* -. - ! $ ." )+#.

!  # $%&' () *+)( *+)* ,  # - %.  / 012 $ )* *+)( 012+4 # *+)( 012 55  6! !  '.!  7 . % ' *+)( $%, %  ## *++* -. - ! $ . )+#. !! " # $%&' (") *+)( *+)*, " # %. " / 012 $ )"* *+)( 3 012+"4 "# *+)( 012 5"5 " 6!! " '.! " 7. % "' *+)(!, $%, % " ## *++*. 7! $." )+#. *+)*!! 28" *+)(. "' $%981!5": *+)(*+);!)5) *++**++

Leia mais

Fundação Casa Museu Mario Botas

Fundação Casa Museu Mario Botas DEMOSNTRAÇAO DE RESULTADOS 2012 Fundação Casa Museu Mario Botas RENDIMENTOS E GASTOS 31-Dez-2012 31-Dez-2011 Vendas 551,62 Prestação de serviços Subsídios à exploração Ganhos/perdas imputados a subsidiárias

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 51 14 de Março de 2011 1435

Diário da República, 1.ª série N.º 51 14 de Março de 2011 1435 Diário da República, 1.ª série N.º 51 14 de Março de 2011 1435 quer sejam de sua propriedade, quer estejam em regime de locação financeira. Compreende os investimentos financeiros, as propriedades de investimento,

Leia mais

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS COMPROVATIVO DE ENTREGA DA CONTA DE GERÊNCIA Ano: 2014 Identificação da Declaração: Data da recepção: 29/06/2015 1. Identificação da Instituição Nome: ASSOCIAÇÃO SOCIAL CULTURAL ESPIRITUALISTA Morada:

Leia mais

A prestação de contas de 2011 é elaborada de acordo com o SNC 1, não existiram alterações no capital nem perdas ou ganhos por imparidade.

A prestação de contas de 2011 é elaborada de acordo com o SNC 1, não existiram alterações no capital nem perdas ou ganhos por imparidade. INTERPRETAÇÃO DAS CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2011 Nota Introdutória: A prestação de contas de 2011 é elaborada de acordo com o SNC 1, não existiram alterações no capital nem perdas ou ganhos por imparidade.

Leia mais

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal.

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (Montantes expressos em euros) 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da Entidade Casfig Coordenação de âmbito social

Leia mais

Instrumentos de Gestão Previsional

Instrumentos de Gestão Previsional Instrumentos de Gestão Previsional Ano 2012 Relatório 1.Introdução Dando cumprimento ao artigo 40º da Lei 53-F/2006 de 29 de Dezembro, a Empresa Municipal, TEGEC Trancoso Eventos, EEM, vem apresentar os

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/2009

Contabilidade Financeira II 2008/2009 Contabilidade Financeira II 2008/2009 Valores a receber e a pagar, Acréscimos e Diferimentos e Provisões Valores a receber e a pagar, Acréscimos e Diferimentos e Provisões Contas a receber e a pagar Acréscimos

Leia mais

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras Nos termos do previsto no ponto 2.1.4. das Bases para a Apresentação das Demonstrações

Leia mais

31-Dez-2013 31-Dez-2012

31-Dez-2013 31-Dez-2012 FUNDAÇÃO CASA MUSEU MÁRIO BOTAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS CONTAS 31 DE DEZEMBRO DE 2013 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA OS PERÍODOS FFI INDOS EM 31 DE DEZZEMBRO DE 2013 E DE 2012 ACTIVO NÃO CORRENTE

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Exame 2.ª época de Contabilidade Financeira 2.º semestre 2008/09 Data: 19 de Junho de 2009 Início: 12h30m Duração: 2h00m Cotação e tempo esperado de resolução:

Leia mais

Contabilidade Financeira I

Contabilidade Financeira I Operações de Fim de Exercício Terminado o exercício contabilístico a empresa efectua diversos trabalhos ou operações de fim de exercício contabilístico. Contabilidade Financeira I Operações de Fim de Exercício

Leia mais

RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL

RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL 2015 RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL EM 1 - Introdução 2 - Análise dos Documentos Previsionais 2.1 - Plano Plurianual de Investimentos 2.2 - Orçamento Anual de Exploração 2.3. Demonstração

Leia mais

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS COMPROVATIVO DE ENTREGA DA CONTA DE GERÊNCIA Ano: 2011 Identificação da Declaração: Data da recepção: 27/06/2012 1. Identificação da Instituição Nome: AMU - COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE LUSÓFONA POR UM MUNDO

Leia mais

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte:

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: 3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO CONSIDERAÇÕES GERAIS Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: Tomar como referência o código de contas constante do POC e proceder apenas às alterações

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2011 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Portaria n.º 1011/2009 de 9 de Setembro O Decreto -Lei n.º 158/2009, de 13 de Julho,

Leia mais

Relatório e Contas. Fundação Denise Lester

Relatório e Contas. Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2011 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/16 Índice Balanço individual Demonstração dos resultados individuais Demonstração das Alterações dos fundos patrimoniais Demonstração

Leia mais

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CONTAS ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PARAQUEDISMO RUA DA UNIDADE, 9 7000-719

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

Balanço e análise setorial

Balanço e análise setorial Balanço e análise setorial Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28 3º, 4º E 5º,

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas

UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas C O M P I L A Ç Ã O D E M A T E R I A I S Conteúdo programático Código das contas Meios Financeiros Líquidos Contas a receber e a pagar

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

Balanço e Demonstração de Resultados. Conheça em detalhe a Avaliação de Risco. Risco Elevado SOCIEDADE EXEMPLO, LDA AVALIAÇÃO DO RISCO COMERCIAL

Balanço e Demonstração de Resultados. Conheça em detalhe a Avaliação de Risco. Risco Elevado SOCIEDADE EXEMPLO, LDA AVALIAÇÃO DO RISCO COMERCIAL Balanço e Demonstração de Resultados Data 26-6-215 SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28 3º, 4º E 5º, 125-44 LISBOA TEL.: 213 5 3 FAX: 214 276 41 ana.figueiredo@ama.pt

Leia mais

6 RELATÓRIO E CONTAS 2012 7 10 11 12 13 14 15 16 17 18 Nº Mulheres 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 N = 53 Masculino Feminino 29 A SITUAÇÃO ECONÓMICA E FINANCEIRA ANOS PROCURA INTERNA 1 EXPORTAÇÕES (FOB)

Leia mais

Balanço e demonstração de resultados Plus

Balanço e demonstração de resultados Plus Balanço e demonstração de resultados Plus Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28

Leia mais

Noções de Contabilidade

Noções de Contabilidade Noções de Contabilidade 1 1. Noção de Contabilidade A contabilidade é uma técnica utilizada para: registar toda a actividade de uma empresa (anotação sistemática e ordenada da qualidade e quantidade de

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Código das contas POCMS Imobilizado ACTIVO Exercícios AB AP AL AL Bens de domínio público: 451 Terrenos e Recursos naturais 452 Edifícios 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Polis Litoral Ria Aveiro das ACTIVO BALANÇO ANALÍTICO Dezembro 09 Dezembro 08 ACTIVO BRUTO AMORT. E AJUST. ACTIVO LIQUIDO ACTIVO LIQUIDO IMOBILIZADO Imobilizações Incorpóreas

Leia mais

ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO

ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Imobilizado ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Capital Próprio Imobilizações Incorpóreas 0,00 Capital 49.879,79 49.879,79 0,00 Imobilizações

Leia mais

1 - Identificação da entidade

1 - Identificação da entidade ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2014 ATAS Apartamentos Turísticos Amorim Santos, Lda 1 - Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade: Apartamentos Turísticos Amorim

Leia mais

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014 NOTA 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE: 1.1. Designação da entidade INSTITUTO PROFISSIONAL DO TERÇO 1.2. Sede PRAÇA MARQUÊS DO POMBAL, 103 4000 391 PORTO 1.3. NIPC 500836256 1.4. - Natureza da actividade CAE

Leia mais

2. REFERENCIAL CONTABILISTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

2. REFERENCIAL CONTABILISTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Nos termos da Portaria nº 105/2011 de 14 de Março, as divulgações a efetuar pelas ESNL em anexo às Demonstrações Financeiras, correspondem às publicadas no anexo nº 10 da Portaria nº 986/2009 de 07 de

Leia mais

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras. 2.2. Activo. 2.

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras. 2.2. Activo. 2. MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras Nos termos do previsto no ponto 2.1.4. das Bases para a Apresentação das Demonstrações

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

BALANÇO EM 31 de Dezembro de 2013. NOTAS 31 Dez 2013

BALANÇO EM 31 de Dezembro de 2013. NOTAS 31 Dez 2013 Entida:ANIPB - Associação Nacional s Industriais Prefabricação em Betão BALANÇO EM 31 Dezembro 2013 Nº Contribuinte: 0084421 RUBRICAS 31 Dez 2013 31 Dez 2012 ATIVO Ativo Não Corrente Ativos Fixos Tangíveis

Leia mais

SPMS, E.P.E. Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento...

SPMS, E.P.E. Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento... 2012 Orçamento Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento... 8 1 Plano Estratégico 2011-2013 1. Enquadramento O presente documento

Leia mais

Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas

Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Formação Eventual Sistema de Normalização Contabilística Exemplos práticos 14Set2009 a 14Out2009 1 de 142 Sistema de Normalização Contabilística Exemplos práticos

Leia mais

BOMPISO COMERCIO DE PNEUS, S.A.

BOMPISO COMERCIO DE PNEUS, S.A. Exercício 2012 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2010 Balanço Individual em 31 de Dezembro de 2010 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 31

Leia mais

BOLETIM OFICIAL 3.º SUPLEMENTO. I Série SUMÁRIO. Número 48. Segunda-feira, 29 de Dezembro de 2008

BOLETIM OFICIAL 3.º SUPLEMENTO. I Série SUMÁRIO. Número 48. Segunda-feira, 29 de Dezembro de 2008 Segunda-feira, 29 de Dezembro de 2008 I Série Número 48 BOLETIM OFICIAL 3.º SUPLEMENTO MINISTÉRIO DA FINANÇAS: Portaria nº 49/2008: Aprova o Código de Contas do Sistema de Normalização Contabilístico e

Leia mais

Contabilidade Financeira I

Contabilidade Financeira I Contabilidade Financeira I INVESTIMENTOS É constituído pelos recursos que a empresa detém com carácter de continuidade, não se destinando a ser vendidos ou transformados no decorrer das suas actividades

Leia mais

Federação Portuguesa de Orientação

Federação Portuguesa de Orientação Federação Portuguesa de Orientação Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2013 Índice Balanço... 4 Demonstração dos Resultados por Naturezas... 5 Demonstração dos Resultados por Funções... 6 Demonstração

Leia mais

INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA - IES DECLARAÇÃO ANUAL. PERGUNTAS & RESPOSTAS Anexo A. Formulários ANEXO A

INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA - IES DECLARAÇÃO ANUAL. PERGUNTAS & RESPOSTAS Anexo A. Formulários ANEXO A Formulários ANEXO A 90) QUAL É A UNIDADE MONETÁRIA A CONSIDERAR PARA PREENCHIMENTO DA IES? O preenchimento deve ser efetuado em euros, com duas casas decimais. 91) COMO DEVO PREENCHER O QUADRO 02-A? Este

Leia mais

- Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL. Por incorporação de Reservas. Por entrada de Dinheiro

- Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL. Por incorporação de Reservas. Por entrada de Dinheiro AULA 10 Capital Próprio Aumentos de capital Demonstração de fluxos de caixa Construção da DFC - Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL Por incorporação de Reservas Por

Leia mais

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado:

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado: PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 Imobilizado: ACTIVO AB AA AL AL Imobilizações incorpóreas: Despesas de Instalação... 770,64 770,64 Despesas de investigação e de desenvolvimento... Propriedade industrial

Leia mais

III. DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 0.1. Balanço

III. DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 0.1. Balanço III. DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 0.1. Balanço 1 1.2.1.Demonstração de Resultados por Naturezas 2 1.3.Demonstração de Fluxos de Caixa 3 1.4.Demonstração das Alterações no Capital Próprio 4 1. Identificação

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

RELATÓRIO INSTRUMENTOS PREVISIONAIS VARZIM

RELATÓRIO INSTRUMENTOS PREVISIONAIS VARZIM 2012 RELATÓRIO INSTRUMENTOS PREVISIONAIS VARZIM LAZEREEM 1 - Introdução 2 - Análise dos Documentos Previsionais 2.1 - Plano Plurianual de Investimentos 2.2 - Orçamento Anual de Exploração 2.3 - Demonstração

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2012 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias

Leia mais

ÍNDICE GERAL ÍNDICE GERAL. Nota prévia... 21. Capítulo I Introdução

ÍNDICE GERAL ÍNDICE GERAL. Nota prévia... 21. Capítulo I Introdução ÍNDICE GERAL Nota prévia... 21 Capítulo I Introdução Breves considerações sobre a História da Contabilidade... 27 Definição e divisões da Contabilidade... 30 A Empresa, os mercados e os fluxos... 34 O

Leia mais

I B 1:) CERTIFICAÇÃO LEGAL DAS CONTAS. Introdução

I B 1:) CERTIFICAÇÃO LEGAL DAS CONTAS. Introdução Relatório e Contas do Exercício de 2013 10, I B 1:) Te[: +351 217 990 420 Av. da República, 50-1Q Fax: +351 217990439 1069-211 Lisboa www. bdo. pt CERTIFICAÇÃO LEGAL DAS CONTAS Introdução 1. Examinámos

Leia mais

RELATÓRIO DA GESTÃO, BALANÇO E CONTAS

RELATÓRIO DA GESTÃO, BALANÇO E CONTAS 2014 1 Nome: SEDE: Rua Infante D. Henrique - Beja NIF: 500875030 Instituição Particular de Solidariedade Social RELATÓRIO DA GESTÃO, BALANÇO E CONTAS Índice RELATÓRIO DE GESTÃO... 3 2 BALANÇO EM 31 DE

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS CONTABILIDADE GERAL I V - CADERNO DE EXERCÍCIOS Imobilizações ANO LECTIVO 2004/2005 1º SEMESTRE Exercício 29 A empresa Sempre a dever,

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EXERCÍCIO 2014

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EXERCÍCIO 2014 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EXERCÍCIO 2014 AIDGLOBAL- ACÃO E INTEG. PARA O DESENVOLVIMENTO GLOBAL ONG BALANÇOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 (VALORES EXPRESSOS EM EUROS) Notas 2014 2013 Activo Activos

Leia mais

NOTAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO

NOTAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO NOTAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO 1.1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade IDFG Instituto D. Francisco Gomes - Casa dos Rapazes 1.2 Sede Bom João 8000-301 Faro 1.3 NIPC 500868395

Leia mais

Anexo às Demonstrações Financeiras - ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Prefabricação em Betão ANEXO

Anexo às Demonstrações Financeiras - ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Prefabricação em Betão ANEXO ANEXO IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE Designação ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Morada Rua Dona Filipa de Vilhena, Nº 9-2.º Direito Código postal 1000-134 Localidade LISBOA DADOS DA ENTIDADE

Leia mais

5.5. ANEXO ANEXO DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014. 1 Nota introdutória

5.5. ANEXO ANEXO DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014. 1 Nota introdutória 5.5. ANEXO ANEXO DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 Nota introdutória A Empresa foi constituída em 26 de Junho de 1997, tem a sua sede na Av. Tenente Coronel João Luis de Moura, Loja A cave

Leia mais

Relatório de Gestão. Exercício de 2014 INSTITUTO CARDIOLOGIA PREVENTIVA DE ALMADA. Audite Gestão Financeira

Relatório de Gestão. Exercício de 2014 INSTITUTO CARDIOLOGIA PREVENTIVA DE ALMADA. Audite Gestão Financeira Relatório de Gestão INSTITUTO CARDIOLOGIA PREVENTIVA DE ALMADA Audite Exercício de 2014 11-03-2015 Linda-a Velha, 11 de Março de 2015 Estimado cliente, O presente relatório pretende dar-lhe um flash da

Leia mais

Anexo em 31 de Dezembro de 2014 Anexo 31 de Dezembro de 2014

Anexo em 31 de Dezembro de 2014 Anexo 31 de Dezembro de 2014 Anexo 31 de Dezembro de 2014 Associação Escola 31 de Janeiro 1 Índice 1- IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE... 3 2- REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS... 3 3 - PRINCIPAIS POLÍTICAS

Leia mais

Sistema de Normalização Contabilística

Sistema de Normalização Contabilística Sistema de Normalização Contabilística A MUDANÇA PARA UM NOVO AMBIENTE CONTABILISTICO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO 2009 1 Sistema de Normalização Contabilística Trata-se de uma mudança de grande

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (EM EUROS) Relatório Anual 2012 2 Relatório Anual 2012 3 Relatório Anual 2012 4 Relatório Anual 2012 5 Relatório

Leia mais

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 1. Identificação da entidade EXERCÍCIO DE 2011 INTRODUÇÃO PLC - Corretores de Seguros, S.A é uma sociedade anonima. A Empresa foi constituida em 1999, tem sede na Av. Infante Santo nº 48 2º Esq. em Lisboa,

Leia mais

GUIÃO PARA AVALIAÇÃO DA EMPRESA/EMPRESÁRIO/PROJECTO PORTOS DE PESCA, LOCAIS DE DESEMBARQUE E DE ABRIGO

GUIÃO PARA AVALIAÇÃO DA EMPRESA/EMPRESÁRIO/PROJECTO PORTOS DE PESCA, LOCAIS DE DESEMBARQUE E DE ABRIGO GUIÃO PARA AVALIAÇÃO DA EMPRESA/EMPRESÁRIO/PROJECTO PORTOS DE PESCA, LOCAIS DE DESEMBARQUE E DE ABRIGO I - CARACTERIZAÇÃO DA ACTIVIDADE DA EMPRESA/EMPRESÁRIO a) 1.1. Breve resumo da actividade da Empresa/Empresário

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Designação da Entidade: CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2006 8.2.1 Não se aplica. 8.2.2 Os conteúdos das contas

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II CONTABILIDADE FINANCEIRA II Equipa Docente: Data: 28 de Março de 2007 Cristina Neto de Carvalho Duração: 2 horas e 30 minutos Gioconda Magalhães Sílvia Cortês Joana Peralta Sofia Pereira Luiz Ribeiro 1ª

Leia mais

MESTRADO EM GESTÃO / (MBA)

MESTRADO EM GESTÃO / (MBA) MESTRADO EM GESTÃO / (MBA) (2008/2009) DISCIPLINA: CONTABILIDADE FINANCEIRA FINANCIAL ACCOUNTING Docente: Professor Auxiliar Convidado do ISEG/UTL jlacunha@iseg.utl.pt Síntese 1. A contabilidade como sistema

Leia mais

Associação Boa Hora, IPSS NIPC: 503897531 Contas 2014

Associação Boa Hora, IPSS NIPC: 503897531 Contas 2014 Notas às Demonstrações Financeiras Individuais 31 De Dezembro de 2014 1. Identificação da Entidade ASSOCIAÇÃO BOA HORA, IPSS, é uma instituição particular de solidariedade social, com sede na Rua do Cemitério,

Leia mais

Cotação e tempo esperado de resolução: Grupo 1 Questões de resposta múltipla e verdadeiro ou falso

Cotação e tempo esperado de resolução: Grupo 1 Questões de resposta múltipla e verdadeiro ou falso FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Exame de 2.ª época de Contabilidade Financeira 2.º semestre 2009/10 Data: 18 de Junho de 2010 Início: 14:30 Duração: 2h00m Cotação e tempo esperado de

Leia mais

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A.

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A. Balanço Em 31 de Dezembro de 2006 ACTIVO Notas Caixa e disponibilidades no Banco Central 5 204 460 2 547 Disponibilidades sobre instituições de crédito 6 2 847 256 35 474 Créditos sobre clientes 7 75 154

Leia mais

Contabilidade Geral I

Contabilidade Geral I Contabilidade Geral I Licenciatura(s) : GESTÃO; MAEG; FINANÇAS Ano/semestre/regime : 1º ano/2º semestre/tempo integral (Gestão) (recomendado) : 3º ano/1º semestre/tempo integral (MAEG) : 2º ano/1º semestre/tempo

Leia mais

PARTE I IVA-IMPOSTO SOBRE VALOR ACRESCENTADO. 1 - Assinale a resposta correcta ou a mais correcta no caso de haver mais do que uma resposta correcta.

PARTE I IVA-IMPOSTO SOBRE VALOR ACRESCENTADO. 1 - Assinale a resposta correcta ou a mais correcta no caso de haver mais do que uma resposta correcta. ORDEM PROFISSIONAL DE AUDITORES E CONTABILISTAS CERTIFICADOS FISCALIDADE CABO-VERDIANA EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO 04/07/2013 NOME: B.I. / PASS: PARTE I IVA-IMPOSTO SOBRE VALOR ACRESCENTADO 1 -

Leia mais

DFR SOFT - EMPRESA DE DEMONSTRACAO Ref. : CONTP040 Data : 28/07/11 Listagem do Plano de Contas Pág. :

DFR SOFT - EMPRESA DE DEMONSTRACAO Ref. : CONTP040 Data : 28/07/11 Listagem do Plano de Contas Pág. : Listagem do Plano de Contas Pág. : 1 11 CAIXA 111 Caixa A 1111 Caixa A 112 Caixa Compras a Dinheiro 1121 Caixa Compras a Dinheiro 113 Caixa Vendas a Dinheiro 1131 Caixa Vendas a Dinheiro 114 Caixa Valores

Leia mais

Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Batalha Relatório e Contas 2013 ANEXO

Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Batalha Relatório e Contas 2013 ANEXO ANEXO 13 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários do Concelho da Batalha, PCUP 1.2 Sede: Batalha 2440-117 Batalha 1.3 - Natureza da actividade:

Leia mais