TERMO DE REFERÊNCIA Nº

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2012.0112.1612.56120"

Transcrição

1 TERMO DE REFERÊNCIA Nº Projeto: ELABORAÇÃO DE PLANO DE OCUPAÇÃO E PROJETO EXECUTIVO COMPLETO PARA IMPLANTAÇÃO DA SUBSEDE BABILÔNIA DO PARQUE ESTADUAL DO DESENGANO Protocolo nº: Assunto: Item: Contratação de serviços de consultoria PJ destinados à elaboração de diagnóstico/ zoneamento da área, projetos executivos de arquitetura, paisagismo e complementares, pavimentação, drenagem e contenção da estrada existente, sinalização, planilhas orçamentárias, especificações e cronograma físicofinanceiro para a implantação de infraestrutura de: pórtico/guarita, subsede administrativa, café/ lanchonete/ lojinha, centro de visitantes, alojamento de guarda-parques, alojamento de pesquisadores, visitantes, casa do chefe, camping, áreas de lazer para o Núcleo Babilônia do Parque Estadual do Desengano em Campos. Obras e Instalações x Prestação de Serviços INFORMAÇÕES Aquisição de materiais e equipamentos 1. JUSTIFICATIVA O Parque Estadual do Desengano (PED), criado em 1970, é a mais antiga e menos conhecida das unidades de conservação estaduais. Com hectares, está inserido na categoria de Unidades de Proteção Integral. Constitui-se em um bem de uso comum e tem como objetivo principal a preservação dos ecossistemas e seus atributos ecológicos, permitindo a realização de atividades de educação ambiental, pesquisa científica e visitação. Em sua área, os mananciais são protegidos; a fauna e a flora conservadas, assim como os processos ecológicos que regem os ecossistemas, garantindo a manutenção de seus recursos naturais. Situado na região anteriormente denominada de Serra do Rio Preto, nas encostas terminais da Serra do Mar junto ao Rio Paraíba do Sul, permaneceu inexplorado até por volta de Dotado de atributos naturais excepcionais e constituídos por ecossistemas pouco modificados, representa a última área florestal expressiva de Mata Atlântica do norte fluminense. Caracterizado por afloramentos rochosos de grandes desníveis altimétricos, sua linha de cumeada de orientação oeste-leste sustenta altitudes que variam entre e 1.600m, com picos que atingem 1.800m, que o tornam reconhecido como importante área de interesse geológico do estado. Em função de seu relevo e seus sistemas hidrográficos, o parque conserva um excelente manancial aquífero, que atende às populações do norte do estado do Rio de Janeiro. Fornece também acesso rodoviário facilitado, contribuindo para acessibilidade de todas as faixas econômicas da população, que podem usufruir de seus atrativos. Esse cenário ressalta a relevância do desenvolvimento de ações que promovam a sustentabilidade ambiental, a minimização dos conflitos junto à comunidade do entorno e o combate à degradação ambiental, de forma a garantir proteção dos recursos naturais do PED. Dessa forma, propõe-se a implantação da infraestrutura física do Núcleo Babilônia, com enfoque importante no uso público, considerando os atrativos naturais existentes, além de construções que atendam a demandas de suporte à gestão do parque, tais como administração, controle e fiscalização. A área em que será implantado a subsede, objeto deste termo de referência, trata-se de uma fazenda de 378,22 ha, denominada Cachoeira Bonita, em processo de desapropriação pelo estado baseado nos estudos do Núcleo de Regularização Fundiária da DIBAP/INEA. No Núcleo Babilônia pretende-se implantar: subsede e centro de visitantes em um única edificação, alojamento de guarda-parques, alojamento de pesquisadores/visitantes, casa do chefe, pórtico e guarita, camping completo e área de lazer, revitalização da estrada existente com criação de acessos se for o caso, e paisagismo em geral, inclusive nas margens dos cursos d água e cachoeiras existentes. A construção desse núcleo é vital para a manutenção da rica biodiversidade da Mata Atlântica da região e para a efetivação da fiscalização e de ações ligadas ao uso público do PED no município de Campos. 2. IDENTIFICAÇÃO Contratação de serviços de consultoria de pessoa jurídica destinados à elaboração de diagnóstico/ proposta de ocupação e uso da área, topografia, sondagem e projetos executivos de arquitetura, paisagismo e complementares, de pavimentação, drenagem e contenção das vias, de sinalização, orçamento com planilhas, especificações e cronograma físico-financeiro para a efetiva implantação das obras da subsede administrativa com café/ lanchonete/ lojinha e centro de visitantes, casa do chefe, alojamento de pesquisadores/visitantes, laboratórios, camping e toda sua estrutura, áreas de lazer para o núcleo Babilônia do Parque Estadual

2 Do Desengano em Campos, conforme este termo de referência, que estabelece as condições técnicas a serem obedecidas na elaboração dos projetos. Cada item deste TdR que se relaciona a serviços, etapas e produtos deve ser considerado para cada edificação ou atividade. 3. OBJETIVO DO TRABALHO 3.1 Objetivo: Elaboração de projetos executivos para implantar a infraestrutura de apoio à fiscalização, administração, pesquisa científica, educação ambiental e uso público da unidade de conservação conforme atividades abaixo: Levantamento topográfico: Contratação dos serviços de topografia para área do Parque Estadual do desengano, situada em propriedade em processo de desapropriação, na região de Babilônia, Campos, onde será implantada a subsede, com área de aproximadamente 45 ha Serviços de sondagem (20 furos) Diagnóstico do terreno, levantamento da edificação existente Elaboração dos projetos de urbanização e paisagismo, arquitetura e complementares de todas as edificações, urbanização e paisagismo das áreas de entorno das edificações em nível executivo, com utilização de tecnologia construtiva e modulação de uso tijolo em solo cimento, conforme programa básico e áreas aproximadas a seguir: 1. Proposta urbano-paisagística, proposta de zoneamento que define usos e localiza no terreno os principais acessos e ligações, atividades e edificações. 2. Pórtico e guarita Elaboração de proposta de implantação e atualização do orçamento, considerando que será construída a mesma guarita e pórtico utilizados no parque, na entrada da trilha da cascata em Santa Maria Madalena. 3. Subsede administrativa/centro de visitantes: Programa com área aproximada de 450 m² Em uma única edificação: subsede: varanda, recepção, sala do chefe, sala dos técnicos, sala de reunião, acervo técnico/sala de estudos, dois sanitários com previsão de uso de portadores de necessidades especiais, área de serviço com tanque e lava pés, depósito, banheiro de serviço com chuveiro, copa/cozinha. Centro de visitantes: área para exposições (temporária e permanente), café/lanchonete e lojinha, integrada com o espaço de exposição, com balcão para venda de souvenires, espaços interno e externo para mesas próximo a cozinha, auditório para 50 pessoas, depósito, vestiário para funcionários e ambulatório. Estacionamento para 15 carros e dois ônibus de turismo 300 m² (pode ser diluído em mais de uma área) 4. Casa do chefe Elaboração de proposta de implantação no terreno e atualização do orçamento, considerando que será construído o mesmo projeto da casa do chefe existente na sede localizada no Horto de em Santa Maria Madalena. 5. Alojamento de guarda-parques; Elaboração de proposta de implantação no terreno e atualização do orçamento, considerando que será construído o projeto de alojamento de guarda-parques já desenvolvido e contratado pela GEPRO. 6. Alojamento de pesquisadores/visitantes Elaboração de proposta de implantação no terreno de 5 (cinco) alojamentos próximos ao laboratório, considerando que será construído o mesmo projeto de alojamento já desenvolvido e contratado pelo GEPRO. Atualização do orçamento existente considerando que serão cinco edificações. Espaço de integração dos pesquisadores: quiosque com churrasqueira, bancada com pia, deposito, sanitário e vaga coberta para 4 (quatro) veículos - 80 m² 7. Laboratórios Edificação com seguintes espaços e áreas aproximadas: hall de entrada/recepção 16 m², 3 laboratórios de ( 5m x 9m) cada 45 m², circulação 30 m², 1 sala administração ( com 3 postos de trabalho) 18 m², 1 sala de reunião (mesa com 6 cadeiras) 18 m², 1 sanitários masculino com 3 boxes (incluindo 1 c/acessibilidade p/portadores de necessidades especiais )com vestiário na entrada 15 m², 1 sanitário feminino 3 boxes (incluindo 1 c/ acessibilidade p/ portadores necessidades especiais) com vestiário na entrada 15 m², 1 almoxarifado/ depósito 15 m², 1 sala de apoio aos pesquisadores, com bancada e pia. 15 m²

3 Edificação deverá ficar próxima aos quatro alojamentos- com área total aproximada de 400 m²; 8. Camping Administração com banheiro, recepção, varanda, lanchonete, restaurante: área comum para refeições, sanitários masculinos e femininos com acessibilidade para portadores de necessidades especiais, área de serviço, cozinha e depósito - área aproximada de 500 m² Vestiários/ lavanderia: feminino e masculino, cada um deve ter: 5 lavatórios, 5 sanitários e 5 chuveiros 25 m² cada, área de serviço para lavação com 5 pias e 5 tanques 30 m², - área aproximada de 100 m² cada; Quiosque com churrasqueiras 30 m² cada; Lazer coberto com bancada com pia e 2 sanitários 150 m² Estacionamento para 30 automóveis 250 m², área para 30 barracas; deve ser identificado espaço para cada, área de brinquedos infantis com no mínimo 3 equipamentos diferentes 120 m² e definição de quadras de esportes, anfiteatro, áreas de descanso, mirantes para contemplação inseridos em todo o terreno, incluindo mesas de piquenique e bancos; Projeto de bio-saneamento Elaboração de projeto de esgotamento sanitário para todas as edificações, com tecnologia de biodigestor. Observação: Os itens que estão em itálico (2, 4, 5 e 6) são edificações que já estão projetadas, detalhadas e orçadas (vide em anexo), a contratada terá que fazer o estudo de implantação das mesmas, considerando as características do terreno, entorno, topografia, orientação, ventos dominantes, insolação dentre outros. E na etapa final de orçamento, incluir os valores relativos a essas construções na planilha geral e no cronograma. 4. SERVIÇOS, ETAPAS E PRODUTOS 4.1. Serviços: Levantamento cadastral e topográfico: contratação e execução dos serviços de topografia para área da unidade onde se localizam as edificações a serem reformadas/construídas, com área total de 45 ha; deverá apresentar todos os elementos necessários à elaboração dos projetos referidos, além de apresentar: Contorno de fragmentos de mata ou vegetação arbustiva fechada. No caso de árvores isoladas, o levantamento indicará cada uma delas definindo sua copa, altura e diâmetro do tronco; Elementos construídos existentes: construções e cercas; Pontes, portões, postes ou qualquer outro mobiliário urbano, calçadas, cercas, muros, escadas, trilhas e estradas; Marcos demarcatórios, valas, cursos de rios com planialtimetria das margens, bem como o levantamento de pontos suficientes para a rigorosa elaboração do modelo altimétrico do terreno; Estrada de acesso existente, com faixa de 10m de cada lado do eixo (2400 m de extensão); Sondagem: contratação e execução de serviços geotécnicos no terreno da sede e do centro de educação ambiental e deque para implantação e reforma das edificações previstas neste tdr, conforme itens abaixo: Limpeza do terreno, se necessária; Mobilização e desmobilização; Locação e execução de pelo menos 20 furos para sondagem, considerando a NBR 6484/2001. O tipo de sondagem, quantidade e posicionamento dos furos será definido pelo autor do projeto e pela equipe da GEPRO, de acordo com o estudo preliminar de arquitetura; Proposta urbano-paisagística: proposta urbano-paisagística para a área definida para implantação do núcleo, incluindo: projeto para via de acesso principal, ligação entre as edificações, drenagem e contenção, arborização com definição de espécies (somente nativas), valorização dos cursos d água (avaliar a possibilidade de inserção de equipamentos de lazer, decks e/ou prainha próxima ao camping. Requalificação da via de acesso, com 631 m, dentro da propriedade desapropriada, contemplando proposta de drenagem e contenção em pontos críticos, se for o caso. Indicando proposta para cercamento da área quando conveniente ou necessário (divisas com outros

4 terrenos, acesso). Projeto de paisagismo gera soluções dos espaços externos de modo a integrar as edificações, prevendo acessos, estacionamentos e demais áreas previstas neste TdR, especificando materiais e todas as espécies vegetais utilizadas; Diagnóstico identifica as caracteríscas do terreno, do entorno e da edificação, apontando potencialidades; Projeto de arquitetura abrange as soluções de agenciamento dos espaços internos e externos das edificações para atendimento do programa de necessidades, assim como o tratamento plástico a ser dado em seus elementos externos e internos. Inclui o layout de todas as edificações, com especificação de mobiliário; Projeto de estrutura conjunto de elementos gráficos, como memoriais, desenhos e especificações, que visa definir e disciplinar a execução de parte da edificação considerada resistente às ações e coações atuantes; Projeto de instalações elétricas abrange as redes internas e externas de energia para alimentação de equipamentos eletro-eletrônicos e aparelhos de iluminação, devendo ser estudada proposta para sistema complementar de iluminação e de aquecimento de água com energia solar, contempla todos os cálculos e especificações necessários; Projeto de instalações especiais de telefonia e lógica abrange as redes internas de monitoramento, lógica e telefonia, contempla todos os cálculos e especificações. O projeto de lógica deverá ser submetido à GETEC (Gerência de Tecnologia de Informação) para apreciação da concepção e avaliação da compatibilidade com o sistema do INEA (Instituto Estadual do Ambiente); Projeto de instalações hidro-sanitárias incluem as redes de alimentação e distribuição interna de água, rede interna e despejo final de esgotos sanitários, rede de coleta e de esgotamento de águas pluviais, dimensionamento dos elementos e cálculos; Prevenção de incêndios conjunto de elementos gráficos, como memoriais, desenhos e especificações, que visa definir e disciplinar a instalação de dispositivos de detecção e alarme de incêndio; prevê cálculos e especificações; Projeto de sinalização - indicação de edificações e demais áreas pertinentes (áreas de lazer, camping etc); Memorial descritivo e caderno de especificações contém descrição das soluções adotadas nos projetos e inclui a indicação detalhada de todos os cálculos e especificações dos materiais, sistemas e equipamentos que serão empregados na obra; Planilhas orçamentárias elaboração de planilha de custos com quantitativos de todos os materiais e serviços necessários para realização da obra, no padrão EMOP, especificando na íntegra as referências e textos dos ítens; Cronograma físico-financeiro de execução do projeto indica tempo e valores por etapas; Perspectivas abrange ilustrações das soluções internas e externas da proposta; devem ser entregues no mínimo uma perspectiva interna e uma externa de cada edificação, uma geral de cada área e uma geral de todo o conjunto; ART Anotação de Responsabilidade Técnica junto ao conselho responsável de todos os componentes dos serviços, inclusive os subcontratados Etapas: Topografia Os produtos deverão ser apresentados em cadernos impressos sob a forma de relatórios técnicos, preferencialmente em escala 1:250, com curvas de nível de 1/1 metro, produzidas em ambiente digital, que deverão ser geradas em arquivo dwg (Autocad 2000 ou superior), com todas as entidades em 3D e plotadas a cores em papel sulfite. Em terrenos com baixa declividade os pontos poderão ser cotados de 5 em 5 metros; em terrenos mais ondulados, as curvas de nível deverão ser representadas de 1 em 1 metro Os relatórios técnicos e cadernos com plantas altimétricas referentes ao levantamento cadastral e topográfico serão apresentados em duas cópias impressas em formato A3 ou A4, a cores, em papel sulfite, e em quatro cds com todos os arquivos digitais produzidos em word, dwg e também em pdf As representações gráficas das soluções adotadas em todos os projetos deverão ser feitas através de desenhos digitalizados, elaborados conforme exigências das normas da ABNT, em escalas, padrões e legendas compatíveis Sondagem: Devem ser entregues cadernos técnicos em formato A3 ou A4 contendo metodologia, descrição dos serviços, laudo, resultado e todas as informações e/ou desenhos pertinentes ao entendimento; Todos os produtos deverão ser apresentados em formato Word, Excel, AutoCAD e/ou outras

5 soluções usuais e devem ser entregues em via digital (4 cds) e em via impressa (3 cópias de cada) à GEPRO/DIBAP/INEA, em forma de cadernos técnicos. Nos cds, os arquivos digitais deverão estar também em pdf Os desenhos gráficos deverão ser elaborados por meio de plantas digitalizadas, padronizadas conforme exigências das normas da ABNT, em escala, padrão e carimbo compatíveis, contendo as informações necessárias ao total entendimento do serviço. Indicar sempre o norte e outras referências importantes nas pranchas Proposta urbano-paisagística/diagnóstico e plano de ocupação - deverá ser representado através de planta de situação e desenhos esquemáticos, indicando as características do terreno e do entorno, assim como orientação solar, ventos dominantes, dimensões, relevo e demais observações feitas na visita técnica e por fim os principais acessos e distribuição espacial do terreno Projeto de paisagismo será desenvolvido em três etapas, a saber: Estudo preliminar estudo dos principais acessos, ligação entre as edificações e planos de massa; Anteprojeto definição de todas as áreas externas através da planta de situação do terreno, definição de acessos, especificação dos materiais e espécies vegetais a serem utilizados; Projeto Executivo planta de situação definitiva e demais desenhos que forem necessários, especificação de revestimentos, acabamentos, espécies vegetais, definição e detalhamento de drenagem e aspectos construtivos Projeto de Arquitetura, a ser desenvolvido em três etapas, a saber: Estudo Preliminar constitui a configuração inicial da proposta, contendo a soluções plásticas e técnicas, atendendo as principais exigências do programa de necessidades. Deverá ser apresentado através de: planta de situação, planta-baixa, cortes e perspectivas com definição de todos os espaços e equipamentos necessários para cada espaço ou edificação; Anteprojeto abrange o desenvolvimento da solução arquitetônica adotada, que deverá orientar as propostas das demais disciplinas, deverá ser apresentado através de: planta de situação ajustada de acordo com o projeto de paisagismo, planta baixa, cortes, fachadas, planta baixa humanizada, especificação dos materiais e revestimentos de pisos, paredes, tetos, bancadas e outros elementos que se façam necessários; Projetos executivos desenvolvimento e detalhamento do anteprojeto aprovado, a fornecer todas as informações arquitetônicas necessárias à construção. Compreende os elementos do anteprojeto e todos os detalhes necessários para a perfeita execução da obra, tais como plantas de teto, planta de paginação do piso, detalhamento dos banheiros e cozinhas, detalhamento das escadas e outros elementos que se façam necessários, inclusive layout e especificação de mobiliário, com detalhamentos e cotas Projeto estrutural será desenvolvido em duas etapas, a saber: Anteprojeto constando todos os desenhos de formas e respectivos quadros de quantidades estimadas, além das soluções técnicas adotadas; Projeto Executivo constando de plantas, cortes e detalhes cotados, com dimensionamento dos elementos estruturais e distribuição de ferragens necessárias à sua execução Projeto de instalações elétricas (força e iluminação) será desenvolvido em duas etapas, a saber: Anteprojeto planta de situação com os pontos de iluminação externa, de caráter funcional; planta baixa de cada pavimento, com indicação dos principais pontos de iluminação e alimentação elétrica dos ambientes internos; Projeto executivo planta de situação definitiva com os pontos de iluminação externa, de caráter funcional, com a rede elétrica externa, tipo subterrânea, para atender as cargas de iluminação; planta baixa definitiva de cada pavimento, com indicação de todos os pontos de iluminação e alimentação elétrica dos ambientes e a rede elétrica interna, para atender as cargas de luz, força e ar condicionado, tubuladas em baixa tensão; entrada, quando em baixa tensão, tipo subterrâneo (área) com medição de energia; quadros especiais de distribuição de luz e força localizadas nos diversos recintos e blocos; planilhas das cargas de luz e força; Sistema de proteção contra raios, quando necessários; listagem das características dimensionais e construtivas dos materiais a serem utilizados nas instalações Projeto de instalações de telefonia e lógica será desenvolvido em duas etapas, a saber: Anteprojeto planta de situação e localização indicando o tipo de entrada e o ponto de abastecimento; plantas baixas, conforme a subdivisão iniciada no projeto arquitetônico, indicando a posição e tipos dos pontos

6 telefônicos; Projeto executivo planta definitiva de situação e localização, com as mesmas informações do anteprojeto; plantas baixas definitivas, de cada pavimento e de cada setor com as mesmas informações do anteprojeto, além de antena e caixas de distribuição; corte esquemático, mostrando todas as prumadas, com as respectivas caixas de passagem e de distribuição; as especificações de materiais constarão de listagem das características dimensionais e construtivas dos materiais a serem utilizados nas instalações Projeto de instalações hidro-sanitárias, e projeto de bio-saneamento, será desenvolvido em duas etapas, a saber: Anteprojeto planta de situação das instalações hidrosanitárias externas, indicando a localização das redes externas de alimentação de água, inclusive reservatórios, irrigação e propósitos afins, de pequeno porte; rede externa e despejo final de esgotos sanitários; rede de coleta e despejo de águas pluviais; Planta baixa de cada pavimento, indicando a posição e o tipo dos diversos aparelhos sanitários, dos pontos de alimentação e consumo, a posição das colunas de água, de esgotos, de águas pluviais e de ventilação, além dos elementos de comando; Projeto executivo planta de situação definitiva das instalações hidrosanitárias externas, indicando a localização e o dimensionamento das redes externas de alimentação de água, inclusive reservatórios, irrigação e propósitos afins, de pequeno porte; rede externa e despejo final de esgotos sanitários; rede de coleta e despejo de águas pluviais; plantas baixas definitivas de cada pavimento e de cada setor, com as mesmas informações do anteprojeto; perspectivas isométricas das tubulações que abastecem os conjuntos sanitários, lavanderias e cozinhas; planta baixa do barrilete de distribuição de água; cortes esquemáticos dos diversos blocos, indicando o pé direito, os desvios necessários e outros elementos característicos das instalações hidráulicas, para edificações com mais de dois pavimentos; detalhes dos reservatórios de água de suas ligações e das bombas de recalque, quando existir; detalhes dos dispositivos de despejo final de esgotos sanitários (fossa, filtro, etc.); listagem das características dimensionais e construtivas dos materiais a serem utilizados nas instalações; Biodigestor O projeto precisa ser composto em duas partes: Consideramos de eficiência e otimização o projeto executivo que: Recipiente para abrigar e permitir a digestão da biomassa (tanque); Gasômetro para armazenar o biogás (campânula) O sistema deverá ter a função de fornecer as condições propícias para a degradação do material orgânico e de acordo com A fermentação também deverá ocorrer à liberação do biogás Projeto de prevenção de incêndios: Anteprojeto apresentação de todas as plantas que possuam instalação e alarme de incêndio, com indicação dos dispositivos; Projeto executivo plantas definitivas com esquema elétrico da fonte de instalação, lista detalhada de equipamentos e materiais da instalação e respectivas garantias; Memorial e planilhas orçamentárias e cronograma físico-financeiro perspectivas e ARTs - após a aprovação do projeto pela GEPRO Forma de apresentação dos produtos Os produtos de todas as etapas de trabalho deverão ser apresentados à GEPRO/DIBAP INEA sob a forma de relatórios técnicos, em cadernos impressos, coloridos, em formato e escala compatíveis as características do produto e que permita a perfeita compreensão do cliente; Todos os produtos impressos nos relatórios técnicos também deverão ser fornecidos à GEPRO/DIBAP INEA e contratante em meio digital, através de CDs gravados nos formatos e ferramentas utilizadas para sua elaboração/edição Word, Excel, AutoCAD e/ou outras soluções usuais e também em pdf; Os relatórios técnicos das etapas iniciais referentes a diagnóstico e estudos preliminares serão apresentados à GEPRO/DIBAP/INEA e contratante em apenas 1 (uma) cópia impressa e 1 (um) CD gravado; Os relatórios técnicos da etapa de anteprojetos de arquitetura, estrutura e demais instalações serão apresentados à GEPRO/DIBAP/INEA e contratante em 2 (duas) cópias impressas e 2 (dois) CDs gravados; Os relatórios técnicos da etapa de projetos executivos de arquitetura, estrutura e demais instalações serão apresentados à GEPRO/DIBAP/INEA e contratante em 3 (três) cópias impressas e 3 (três) CDs gravados; As representações gráficas das soluções adotadas em todos os projetos deverão ser feitas através de desenhos digitalizados, elaborados conforme exigências das normas da ABNT, em escalas, padrões e legendas compatíveis, compreendendo, entre outros tipos de representação necessários ao entendimento da proposta, plantas de situação, plantas baixas, plantas de teto refletido, cortes, fachadas, vistas e elevações, detalhes e pormenores,

7 ilustrações e perspectivas; Os carimbos de todas as pranchas, assim como as capas de todos os relatórios técnicos dos produtos, deverão conter as seguintes informações: Governo do Estado do Rio de Janeiro / Secretaria de Estado do Ambiente SEA/ Instituto Estadual do Ambiente INEA Diretoria de Biodiversidade e Áreas Protegidas DIBAP Gerência de Unidades de Conservação de Proteção Integral GEPRO Projeto: Infraestrutura para implantação do Núcleo Babilônia do Parque Estadual do Desengano Campos dos Goytacazes Projeto financiado com recursos de compensação ambiental da empresa..., processo... Descrição da prancha: Número da prancha: Escala: Setagem: Data, inclusive correções: Responsável pelo projeto, CREA: Desenho: Nos desenhos dos estudos preliminares, a serem apresentados em escala 1/75 e/ou 1/100, constarão as soluções de organização dos espaços, com layout de lançamento do mobiliário básico, a solução plástica adotada e as principais características construtivas Nos desenhos dos anteprojetos, representados nas escalas 1/50 e/ou 1/75, serão indicadas as soluções arquitetônicas adotadas e as propostas para os sistemas e redes de infraestrutura, devidamente cotadas e com especificação básica de materiais de acabamento Nos desenhos dos projetos executivos, representados nas escalas 1/50 e/ou 1/75, constarão as soluções definitivas adotadas, com indicação de todos os pormenores que constituem a obra a ser executada, incluindo as especificações dos materiais de acabamento, dos sistemas e dos equipamentos. Observações: Deve-se considerar a inserção de conceitos de uso racional/renovável de energia e materiais, conforto ambiental e arquitetura bioclimática, considerando o entorno, os ventos dominantes, a orientação solar e as características físicas do terreno. Devem ser consideradas soluções que minimizem o impacto visual das edificações sobre a paisagem. Devem ser inseridos no projeto conceitos de acessibilidade universal em todas as edificações. Os projetos de arquitetura e complementares dever estar compatibilizados para permitir a construção sem necessidade de alteração posterior. Todos os serviços, bem como informações contidas nos projetos, deverão ser executados rigorosamente em consonância com as normas da ABNT. Para melhor adequação aos recursos disponíveis, os projetos deverão ser apresentados com detalhamento executivo, visando à licitação imediata das obras. Considerando as características do terreno e seu entorno, topografia, orientação, ventos dominantes, insolação, etc, os projetos elaborados por este contrato poderão ser implantados em outras unidades de conservação a critério do INEA, resguardando a autoria do projeto, consultando o autor no caso da necessidade de alguma adaptação. Além dos critérios presentes nesse termo de referência, a elaboração projetos de urbanização, paisagismo, arquitetura e projetos complementares de todas as edificações, em nível executivo, deverão ser adotados, em sua totalidade, as diretrizes presentes no conjunto de normas NBR , referente a requisitos mínimos de desempenho de diversos sistemas das edificações; norma NBR 9050, referente a acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos, e por fim, Resolução SEA n 216 de 10 de junho de 2011 Art. 6.

8 5. CRONOGRAMA DE ATIVIDADES E PRAZOS O prazo total para realização do serviço é de até 210 dias após assinatura do termo de autorização para início de serviços. O prazo contratual é de 270 dias, com uma margem para possíveis modificações de projeto. Segue cronograma: Atividades Topografia, diagnóstico e proposta de ocupação e uso Entrega da proposta urbano paisagística e estudos preliminares Entrega dos anteprojetos de arquitetura e paisagismo e resultados da sondagem Entrega dos anteprojetos complementares Entrega dos projetos executivos Entrega do memorial descritivo, perspectivas, caderno de especificações, planilhas, cronograma, e ARTs Entrega da topografia, zoneamento dos usos e diagnóstico 30 dias após a assinatura do contrato; Entrega do estudo preliminar e proposta urbano paisagistica 30 dias após a 1ª entrega; Entrega dos anteprojetos de arquitetura e paisagismo 30 dias após a aprovação do estudo preliminar ; Entrega dos demais anteprojetos complementares 30 dias após a aprovação dos anteprojetos de arquitetura e paisagismo; Projetos executivos - 45 dias após o aceite de todos os anteprojetos; Memorial descritivo, perspectivas, caderno de especificações, planilhas, cronograma e ARTs 45 dias após o aceite do projeto executivo; O prazo total para execução dos serviços é de até 270 dias após assinatura do contrato. Visitas às obras marcar duas durante a realização dos serviços e outra no final, antes do aceite final. Poderá haver prorrogação do prazo, caso exista a necessidade, desde que ocorra uma justificativa por escrito pela contratada ao INEA e este remeter a aprovação ao contratante, além de um novo cronograma. 6. FORMA DE PAGAMENTO A proposta apresentada deverá conter no preço global todos os componentes do custo, inclusive gastos com passagens, diárias, combustível, cópias, plotagens, projetos subcontratados etc. O pagamento será efetuado após a aprovação de cada etapa, contra a apresentação e aceite da fatura/ nota fiscal dos serviços prestados, após apreciação e aprovação dos produtos relacionados pela GEPRO/DIBAP/INEA. O prazo para pagamento será em até 10 (dez) dias após a aprovação final de cada produto, emissão de parecer técnico e Termo de Recebimento e Aceite.

9 Atividades Valor Topografia, diagnóstico, proposta de ocupação e uso, proposta urbano paisagística e estudos preliminares 20% Sondagem e todos os anteprojetos 30% Projetos executivos 30% Memorial descritivo, perspectivas, caderno de especificações, planilhas, cronograma, e ARTs 20% Desembolso 100% 7. HABILITAÇÃO TÉCNICA Experiência em projetos arquitetônicos, conceitos de conforto ambiental e energias renováveis, de preferência em parques e unidades de conservação; Experiência comprovada em desenvolvimento de projetos com tecnologia construtiva de solo-cimento; Deve respeitar as legislações vigentes, as características do terreno e a minimização dos impactos ambientais; Deve ser apto a exercer as atividades perante o CREA. Os profissionais participantes da equipe deverão ser os mesmos que assinarão as ARTs; Equipe deve contar com no mínimo os seguintes profissionais: arquiteto coordenador, arquiteto ou engenheiro de instalações, calculista, paisagista e orçamentista e consultor em sustentabilidade. 8. PRAZO A consultoria será realizada em até 270 dias após a assinatura do Termo de autorização de início dos serviços. 9. OBRIGAÇÕES DAS PARTES Obrigações do INEA: Para que sejam atingidos os objetivos do presente Termo de Referência, a Gerência de Unidades de Conservação de Proteção Integral GEPRO, da DIBAP/INEA, se obriga a: Prestar as informações e os esclarecimentos que venham a ser solicitados, bem como disponibilizar recursos humanos para reuniões; Supervisionar e acompanhar o desempenho dos projetos e suas etapas, assim como convocar a qualquer momento o executor do projeto para prestar esclarecimentos ou sanar dúvidas; Avaliar produtos de cada etapa em até 10 dias, no máximo; Fornecer os projetos excutivos existentes para: guarita, pórtico, casa do chefe, alojamento de pesquisadores, alojamento de guarda-parques. Além do Manual de Sinalização para Parques e Reservas do Rio de Janeiro. Obrigações da contratada: Realizar visita técnica à área, com o objetivo de desenvolver diagnóstico, zoneamento de usos e estudo preliminar; realizar pelo menos três visitas durante a execução das obras para qualquer esclarecimento; Estar durante a consultoria em contato com o chefe da unidade e com a equipe da GEPRO/INEA e contratante para troca de informações, documentos e orientações técnicas, definição de tarefas, prazos e critérios para aprovação, adequação de estudos à execução e agendar visita técnica; Realizar o serviço objeto deste estudo dentro da boa técnica e em conformidade legal e fornecer sempre que solicitado

10 informações e documentos necessários ao desenvolvimento do projeto; Executar todos os serviços e informações contidas nos projetos rigorosamente em consonância com as normas da ABNT; Apresentar a Anotação de Responsabilidade Técnica ART dos projetos junto ao CREA/RJ, assinada e quitada; Estar disponível durante a execução das obras para sanar qualquer dúvida e resolver qualquer problema relativo aos serviços executados; Cumprir todas as diretrizes, realizar todas as tarefas e entregar todos os produtos deste TdR; Disponibilizar os insumos necessários para a execução dos serviços, objeto deste TdR, arcando com os seus custos; Considerar a inserção de conceitos de uso racional/renovável de energia e materiais, conforto ambiental e arquitetura bioclimática, considerando o entorno, os ventos dominantes, a orientação solar e as características do terreno (áreas alagadiças, acessos, etc.) e inserir no projeto conceitos de acessibilidade universal, conforme as diretrizes do conjunto de normas NBR , referente a requisitos mínimos de desempenho de diversos sistemas das edificações, da NBR 9050, sobre acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos, e da Resolução SEA n. 216, de 10 de junho de 2011, art. 6, que trata de materiais sustentáveis; Apresentar o trabalho a ser desenvolvido para aprovação da Gerência de Unidades de Conservação de Proteção Integral (GEPRO) da DIBAP/ INEA e da administração da unidade; A proposta apresentada deverá conter no preço global todos os componentes do custo, inclusive gastos com passagens, diárias, combustível, cópias, plotagens, projetos subcontratados, bem como quaisquer gastos oriundos de obrigações e encargos fiscais, tributários, trabalhistas e previdenciários;

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2010053113295193

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2010053113295193 TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2010053113295193 Projeto: Elaboração de Plano de Ocupação e Projeto Executivo Completo para implantação da Subsede Teresópolis do Parque Estadual dos Três Picos Protocolo nº: 2010053113295193

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 20140818112605155

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 20140818112605155 TERMO DE REFERÊNCIA Nº 20140818112605155 Projeto: REVITALIZAÇÃO DA SEDE E FORTALECIMENTO DA ESTRUTURA DE APOIO A VISITAÇÃO DO PARQUE ESTADUAL DO DESENGANO, EM SANTA MARIA MADALENA. Protocolo nº: 20140818112605155

Leia mais

Obras e Instalações x Prestação de Serviços INFORMAÇÕES

Obras e Instalações x Prestação de Serviços INFORMAÇÕES Projeto: TERMO DE REFERÊNCIA Nº 201805171636099 Elaboração de Projetos Eecutivos de Reforma e Construção de Infraestrutura da Sede da Reserva Biológica de Araras (RBA). Protocolo nº: 201805171636099 Assunto:

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA Nº 20141102110350178 e 20141102110932178 MELHORIA DA ESTRUTURA DE USO PÚBLICO DO PARQUE NACIONAL DO ITATIAIA PROJETO.

TERMO DE REFERENCIA Nº 20141102110350178 e 20141102110932178 MELHORIA DA ESTRUTURA DE USO PÚBLICO DO PARQUE NACIONAL DO ITATIAIA PROJETO. TERMO DE REFERENCIA Nº 20141102110350178 e 20141102110932178 PROJETO Assunto MELHORIA DA ESTRUTURA DE USO PÚBLICO DO PARQUE NACIONAL DO ITATIAIA Item: Contratação de consultoria PJ especializada para realização

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 20140818110508155

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 20140818110508155 TERMO DE REFERÊNCIA Nº 20140818110508155 Projeto: REVITALIZAÇÃO DA SEDE E FORTALECIMENTO DA ESTRUTURA DE APOIO A VISITAÇÃO DO PARQUE ESTADUAL DO DESENGANO, EM SANTA MARIA MADALENA. Protocolo nº: 20140818110508155

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 01/2011. x Obras e Instalações Prestação de Serviços INFORMAÇÕES

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 01/2011. x Obras e Instalações Prestação de Serviços INFORMAÇÕES TERMO DE REFERÊNCIA Nº 01/2011 Projeto: FORTALECIMENTO DO PARQUE ESTADUAL DA PEDRA BRANCA - PEPB: OBRAS DE RECUPERAÇÃO E AQUISIÇÃO DE MOBILIÁRIO E EQUIPAMENTOS Protocolo nº: 20110302174043107 Assunto:

Leia mais

técnica à Gerência de Unidades de Conservação de Proteção Integral

técnica à Gerência de Unidades de Conservação de Proteção Integral TERMO DE REFERÊNCIA Nº. 03 / 2012 Projeto: Assunto: Serviços Técnicos especializados de Engenharia consultiva de Gerenciamento de Obras e Assessoria técnica para elaboração de projetos de implantação das

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Obras e Instalações x Prestação de Serviços INFORMAÇÕES

TERMO DE REFERÊNCIA. Obras e Instalações x Prestação de Serviços INFORMAÇÕES TERMO DE REFERÊNCIA Projeto: Elaboração de Projetos Executivos de implantação da Infraestrutura para a nova Sede do Parque Estadual da Serra da Tiririca no Município de Niterói Protocolo n : 20130927165817150

Leia mais

Fundação de Tecnologia Florestal e Geoprocessamento

Fundação de Tecnologia Florestal e Geoprocessamento Fundação de Tecnologia Florestal e Geoprocessamento Brasília, 26 de novembro de 2012 Prezado A comissão de licitação da FUNDAÇÃO DE TECNOLOGIA FLORESTAL E GEOPROCESSAMENTO - Funtec-DF, leva ao conhecimento

Leia mais

x Obras e Instalações Prestação de Serviços INFORMAÇÕES

x Obras e Instalações Prestação de Serviços INFORMAÇÕES Projeto: TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2010062316505095 Conclusão das obras de infraestrutura física do alojamento de pesquisadores, recuperação das edificações existentes (sede administrativa e centro de visitantes),

Leia mais

Obras e Instalações x Prestação de Serviços INFORMAÇÕES

Obras e Instalações x Prestação de Serviços INFORMAÇÕES Projeto: Assunto: TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2014.0413.1652.14131 Elaboração de Projeto Eecutivo Completo para reforma da sede administrativa com construção de aneo para alojamento dos pesquisadores e posto

Leia mais

Os Levantamentos somente serão liberados pelos técnicos se estiverem assinados e acompanhados das respectivas ARTs ou RRTs.

Os Levantamentos somente serão liberados pelos técnicos se estiverem assinados e acompanhados das respectivas ARTs ou RRTs. INSTRUÇÃO TÉCNICA 11 COMUNICAÇÃO VISUAL E SINALIZAÇÃO Revisão 00 jan/2014 1 OBJETIVO Esta Instrução Técnica apresenta os procedimentos, critérios e padrões que deverão ser adotados na execução de serviço

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DO PROJETOS BÁSICO

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DO PROJETOS BÁSICO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DO PROJETOS BÁSICO 1. Projeto Arquitetônico (estudo preliminar, anteprojeto, projeto definitivo): O projeto arquitetônico compõe-se dos seguintes dados concepcionais suscetíveis

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS 1 OBJETIVO Revisão 00 fev/2014 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA -2

TERMO DE REFERÊNCIA -2 TERMO DE REFERÊNCIA -2 1. O PROJETO Título do Projeto: Reforma e Ampliação das Promotorias de Justiça de Direitos Constitucionais e Patrimônio Público e Promotorias de Justiça de Ações Constitucionais

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO 1. OBJETIVO 1.1. Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam os procedimentos, critérios e padrões a serem adotados para elaboração dos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03 /2011. x Obras e Instalações Prestação de Serviços INFORMAÇÕES

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03 /2011. x Obras e Instalações Prestação de Serviços INFORMAÇÕES TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03 /2011 Projeto: Cercamento do Parque Estadual da Pedra Branca - PEPB Protocolo nº: 20110725165535111 Assunto: Item: Contratação de serviços de instalação de cercamento visando

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2012 AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A IMPLANTAÇÃO DO PARQUE ESTADUAL DA COSTA DO SOL

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2012 AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A IMPLANTAÇÃO DO PARQUE ESTADUAL DA COSTA DO SOL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2012 Projeto: AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A IMPLANTAÇÃO DO PARQUE ESTADUAL DA COSTA DO SOL Protocolo nº:20120913134734122 Assunto: Contratação de Consultoria Pessoa Jurídica Especializada

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA -2

TERMO DE REFERÊNCIA -2 TERMO DE REFERÊNCIA -2 1. O PROJETO Projeto executivo para construção do prédio das Promotorias da Infância e Juventude. 2. OBJETIVOS O presente Termo de Referência tem como objetivo nortear a contratação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA REVITALIZAÇÃO DA SEDE E FORTALECIMENTO DA ESTRUTURA DE APOIO A VISITAÇÃO DO PARQUE ESTADUAL DO DESENGANO, EM SANTA MARIA MADALENA.

TERMO DE REFERÊNCIA REVITALIZAÇÃO DA SEDE E FORTALECIMENTO DA ESTRUTURA DE APOIO A VISITAÇÃO DO PARQUE ESTADUAL DO DESENGANO, EM SANTA MARIA MADALENA. TERMO DE REFERÊNCIA Projeto: REVITALIZAÇÃO DA SEDE E FORTALECIMENTO DA ESTRUTURA DE APOIO A VISITAÇÃO DO PARQUE ESTADUAL DO DESENGANO, EM SANTA MARIA MADALENA. Protocolo nº: 20140918174308155 Assunto:

Leia mais

2.3 Os projetos somente serão liberados pelos técnicos se estiverem assinados e acompanhados das respectivas ARTs ou RRTs.

2.3 Os projetos somente serão liberados pelos técnicos se estiverem assinados e acompanhados das respectivas ARTs ou RRTs. INSTRUÇÃO TÉCNICA 11 COMUNICAÇÃO VISUAL E SINALIZAÇÃO Revisão 00 jan/2014 1 OBJETIVO 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam os procedimentos, critérios e padrões a serem adotados para elaboração

Leia mais

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 3.2 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 3.2.1 - Plano de Intervenção

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 01 /2012

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 01 /2012 TERMO DE REFERÊNCIA Nº 01 /2012 Projeto: RESERVA BIOLÓGICA UNIÃO UMA ÁREA NATURAL PROTEGIDA DE MATA ATLÂNTICA ACESSÍVEL AOS PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS. Protocolo nº: 20120523121243128 Assunto:

Leia mais

A Gerência de Unidades de Conservação de Proteção Integral GEPRO - tem entre suas principais atribuições

A Gerência de Unidades de Conservação de Proteção Integral GEPRO - tem entre suas principais atribuições TERMO DE REFERÊNCIA Nº. xx / 2015 Projeto: Gerenciamento de Projetos Arquitetônicos e Obras para estruturação física das Unidades de Conservação Estaduais do Estado do Rio de Janeiro 2ª fase Assunto: Protocolo

Leia mais

VIMOS SOLICITAR A ANALISE DO PROJETO ARQUITETÔNICO TRATA-SE DE UM CONJUNTO RESIDENCIAL VERTICAL COM AS SEGUINTES CARACTERISTICAS:

VIMOS SOLICITAR A ANALISE DO PROJETO ARQUITETÔNICO TRATA-SE DE UM CONJUNTO RESIDENCIAL VERTICAL COM AS SEGUINTES CARACTERISTICAS: Á PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LEOPOLDO EM ANEXO. VIMOS SOLICITAR A ANALISE DO PROJETO ARQUITETÔNICO TRATA-SE DE UM CONJUNTO RESIDENCIAL VERTICAL COM AS SEGUINTES CARACTERISTICAS: - 12 EDIFICIOS COM 10

Leia mais

Orçamento Projeto de Arquitetura

Orçamento Projeto de Arquitetura São Paulo, 19 de Outubro de 2012 Orçamento Projeto de Arquitetura Cliente Empreendimento De Alphaville Urbanismo S.A. Av. Nações Unidas, 8501, 9º Andar São Paulo, SP Alphaville Bauru Arq. Márton Gyuricza

Leia mais

MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense

MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Ao: Pró Reitor de Desenvolvimento Institucional ANTÔNIO A. RAITANI JÚNIOR Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense Assunto:

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE LOTEAMENTO URBANO

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE LOTEAMENTO URBANO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO GUANHÃES MG INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE LOTEAMENTO URBANO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO. Assessoria de Infraestrutura - INFRA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO. Assessoria de Infraestrutura - INFRA UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO Assessoria de Infraestrutura - INFRA Petrolina Junho de 2013 APRESENTAÇÃO A Assessoria de Infraestrutura INFRA é um órgão da administração superior da Univasf

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA 1. INTRODUÇÃO Este Termo de Referência tem por objetivo estabelecer as exigências técnicas e a metodologia para a contratação de serviços técnicos

Leia mais

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE RESOLUÇÃO COPLAN Nº 001/2012 O Coordenador do COPLAN/ALTO VALE, no exercício de suas atribuições e, atendendo a deliberação ocorrida na reunião ordinária do dia 07/12/2011, resolve: Art. 1º Fica aprovado,

Leia mais

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT - IBR 001/2006 PROJETO BÁSICO Primeira edição: válida a partir de 07/11/2006 Palavras Chave: Projeto Básico,

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PARA LOTEAMENTOS URBANOS 1 DO OBJETIVO A presente Norma estabelece os requisitos mínimos a serem obedecidos

Leia mais

ESTADO DO PARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO ESPECIFICAÇÃO

ESTADO DO PARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO ESPECIFICAÇÃO ESPECIFICAÇÃO 1. O PROJETO Projeto básico e executivo para construção do prédio das Promotorias de Justiça de Parauapebas. 2. OBJETIVOS O presente Termo de Referência tem como objetivo nortear a contratação

Leia mais

ROTEIRO PARA SOLICITAÇÃO DE PARECER EM LEIAUTE E FLUXOGRAMA SETOR DE ALIMENTOS

ROTEIRO PARA SOLICITAÇÃO DE PARECER EM LEIAUTE E FLUXOGRAMA SETOR DE ALIMENTOS ROTEIRO PARA SOLICITAÇÃO DE PARECER EM LEIAUTE E FLUXOGRAMA SETOR DE ALIMENTOS Este roteiro só se aplica aos estabelecimentos não obrigados a aprovação de projeto arquitetônico na Vigilância Sanitária

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Este informativo foi elaborado visando a padronização para a Apresentação de Projetos junto ao da Associação, para que a análise e a aprovação de projetos transcorram de forma mais rápida e eficiente.

Leia mais

COORDENAÇÃO DOS PROJETOS DE SISTEMAS PREDIAIS HIDRO- SANITÁRIOS EM EDIFICAÇÕES VERTICALIZADAS

COORDENAÇÃO DOS PROJETOS DE SISTEMAS PREDIAIS HIDRO- SANITÁRIOS EM EDIFICAÇÕES VERTICALIZADAS COORDENAÇÃO DOS PROJETOS DE SISTEMAS PREDIAIS HIDRO- SANITÁRIOS EM EDIFICAÇÕES VERTICALIZADAS Arancibia Rodríguez, Marco A. (1); Novaes, Rogério (2) (1) Eng. Civil, Mestre em Engenharia, Doutorando em

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo de Área

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 20151028123025143_20151028122923143

TERMO DE REFERÊNCIA 20151028123025143_20151028122923143 TERMO DE REFERÊNCIA 20151028123025143_20151028122923143 Projeto: IMPLANTAÇÃO DAS UNIDADES DE POLÍCIA AMBIENTAL (UPAms) NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO LOCALIZADAS

Leia mais

1 Introdução. antes de mudar

1 Introdução. antes de mudar Introdução 1 Introdução antes de mudar Recebendo as chaves do imóvel, o proprietário deverá providenciar junto as concessionárias, as ligações de alguns serviços indispensáveis ao funcionamento de sua

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE REFORMA E ADAPTAÇÃO EM EDIFÍCIO PARA SEDE DA PTM DE BARUERI

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE REFORMA E ADAPTAÇÃO EM EDIFÍCIO PARA SEDE DA PTM DE BARUERI ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO ELETRÔNICO Nº. 24/2011 TERMO DE REFERÊNCIA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE REFORMA E ADAPTAÇÃO EM EDIFÍCIO PARA SEDE DA PTM DE BARUERI 1. OBJETO 1.1. Contratação de empresa

Leia mais

Professor: Dr. Gilberto Fernandes ESCOLA DE MINAS - UFOP

Professor: Dr. Gilberto Fernandes ESCOLA DE MINAS - UFOP Professor: Dr. Gilberto Fernandes ESCOLA DE MINAS - UFOP Obra de uma residência no bairro Bauxita Ouro Preto Características da edificação: Área do terreno: 360m²; Área a ser construída: 150m²; Obra de

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO

PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO Superintendência de Urbanismo e Produção Habitacional Coordenação de Projetos PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA,

Leia mais

1.3.2 Um ponto de água e esgoto e uma tomada 110V para instalação de purificador

1.3.2 Um ponto de água e esgoto e uma tomada 110V para instalação de purificador Anexo I Chamamento Público 01/2014 1 Espaço A. Destinação Almoxarifado: armazenamento útil mínimo de 1.000m², divididos da seguinte forma: 1.1 Área de armazenagem 87% (mínimo de 870m²) 1.1.1 Sala administrativa

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES -

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - 1. LEGISLAÇÃO SANITÁRIA ESPECÍFICA - Lei Federal 6.360/76 e Decreto Estadual (DE) 23.430 de 24/10/1974 (http://www.al.rs.gov.br/legis/);

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 1. INTRODUÇÃO

TERMO DE REFERÊNCIA 1. INTRODUÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA PARA REPAROS E OBRAS EMERGENCIAIS DE IMOVEIS SITUADOS NA ÁREA DE ESPECIAL INTERESSE URBANISTICO DA REGIÃO DO PORTO MARAVILHA. 1. INTRODUÇÃO A Operação

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Projeto de Programação Visual Externa - Diversas Agências e Postos Bancários

MEMORIAL DESCRITIVO. Projeto de Programação Visual Externa - Diversas Agências e Postos Bancários MEMORIAL DESCRITIVO Projeto de Programação Visual Externa - Diversas Agências e Postos Bancários FINALIDADE O presente memorial tem por finalidade orientar a elaboração do projeto de programação visual

Leia mais

Dados do Produto. Ar Condicionado: ponto dreno + carga elétrica (sala e dormitório)

Dados do Produto. Ar Condicionado: ponto dreno + carga elétrica (sala e dormitório) FICHA TÉCNICA Projeto Arquitetônico: Gkalili Arquitetura Design de Fachada: Triptyque Arquitetura Projeto Paisagístico: EKF Arquitetura paisagística Projeto Decoração: Triptyque Arquitetura Dados do Produto

Leia mais

CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO E PAGAMENTO

CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO E PAGAMENTO TABELA DE PREÇOS CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO E PAGAMENTO ENGENHARIA CONSULTIVA SANEAGO_15-02 8892 ADMINISTRADOR DE EMPRESAS - JÚNIOR (MENSALISTA) MÊS EFETIVAMENTE TODOS OS SERVIÇOS DE COORDENAÇÃO, ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Blumenau, maio de 2010.

Blumenau, maio de 2010. INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELÉTRICO, TELEFÔNICO E CABEAMENTO ESTRUTURADO Blumenau, maio de 2010. 1. RESUMO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. INTRODUÇÃO... 3 4. INSTRUÇÕES GERAIS... 4 5. INSTALAÇÕES

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE INSTALAÇÕES PREVENTIVAS CONTRA INCÊNDIO DE EDIFICAÇÃO

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE INSTALAÇÕES PREVENTIVAS CONTRA INCÊNDIO DE EDIFICAÇÃO INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE INSTALAÇÕES PREVENTIVAS CONTRA INCÊNDIO DE EDIFICAÇÃO Blumenau, maio de 2010 1. RESUMO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. INTRODUÇÃO... 3 4. SISTEMA PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO...

Leia mais

MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL PROGRAMA PRELIMINAR CENTRO ESCOLAR DE S.JULIÃO/TAVAREDE PROJECTOS DE ESPECIALIDADES 1 1. Introdução Pretende a Câmara Municipal da Figueira da Foz, desenvolver

Leia mais

Serviços e Projetos em Engenharia para todos os segmentos.

Serviços e Projetos em Engenharia para todos os segmentos. Apresentação da Empresa Sumário 02 Quem Somos 03 Urbanismo e Infraestrutura 04 Arquitetura e Paisagismo 05 Área de Estruturas 06 Proteção contra Incêndio 07 Área de Hidráulica 08 Instalações Elétricas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO (SPCI), DESCARGAS ATMOSFÉRICAS (SPDA), E DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO ( GLP)

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO (SPCI), DESCARGAS ATMOSFÉRICAS (SPDA), E DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO ( GLP) TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO (SPCI), DESCARGAS ATMOSFÉRICAS (SPDA), E DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO ( GLP) EDIFÍCIO SEDE TERRACAP DITEC Diretoria Técnica e de Fiscalização

Leia mais

End. Rua Gonçalves Dias, 1075 MEMORIAL DO EMPREENDIMENTO

End. Rua Gonçalves Dias, 1075 MEMORIAL DO EMPREENDIMENTO End. Rua Gonçalves Dias, 1075 MEMORIAL DO EMPREENDIMENTO INFORMAÇÕES GERAIS Endereço do Empreendimento Rua Gonçalves Dias, N 1075 Menino Deus - Porto Alegre RS Composição do Apartamento Tipo 03 Dormitórios

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 04 PROJETOS DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCENDIOS (PCI)

INSTRUÇÃO TÉCNICA 04 PROJETOS DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCENDIOS (PCI) INSTRUÇÃO TÉCNICA 04 PROJETOS DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCENDIOS (PCI) 1 OBJETIVO 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam os procedimentos, critérios e padrões a serem adotados para elaboração

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES DAS ÁREAS DE VIVÊNCIA DOS CANTEIROS DE OBRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NO ESTADO DA BAHIA.

QUESTIONÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES DAS ÁREAS DE VIVÊNCIA DOS CANTEIROS DE OBRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. QUESTIONÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES DAS ÁREAS DE VIVÊNCIA DOS CANTEIROS DE OBRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. O presente trabalho é resultado de um consenso estabelecido

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE INSTALAÇÕES PREVENTIVAS CONTRA INCÊNDIO DE EDIFICAÇÃO

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE INSTALAÇÕES PREVENTIVAS CONTRA INCÊNDIO DE EDIFICAÇÃO 1 INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE INSTALAÇÕES PREVENTIVAS CONTRA INCÊNDIO DE EDIFICAÇÃO 2 ÍNDICE Lista de Abreviaturas 03 Introdução 04 Parte I 05 Instruções Gerais 05 Modelo de Selo Padrão 07

Leia mais

Memorial Descritivo de Acabamentos

Memorial Descritivo de Acabamentos Memorial Descritivo de Acabamentos Nome do Empreendimento: CRISRETELI RESIDENCE Endereço: AVENIDA COPACABANA ESQUINA COM A RUA OURO PRETO, S/N PRAIA DO MORRO GUARAPARI / ES Incorporação: AS FILHOS CONSTRUÇÕES

Leia mais

Protocolo nº: Item: Contratação de empresa para o fortalecimento e implantação da gestão Obras Instalações. Prestação de Serviços

Protocolo nº: Item: Contratação de empresa para o fortalecimento e implantação da gestão Obras Instalações. Prestação de Serviços 1) Projeto: TERMO DE REFERÊNCIA Nº 01/2013 Ações prioritárias de apoio à gestão da Reserva Particular do Patrimônio Natural RPPN Bacchus: elaboração do Plano de Manejo e apoio à proteção. Assunto: Protocolo

Leia mais

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 SELO CASA AZUL CAIXA Sandra Cristina Bertoni Serna Quinto Arquiteta Gerência Nacional de Meio Ambiente SELO CASA AZUL CAIXA CATEGORIAS E CRITÉRIOS SELO

Leia mais

MUSEU DAS TELECOMUNICAÇÕES

MUSEU DAS TELECOMUNICAÇÕES 1 ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS (NORMAS E DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS, ESPECIFICAÇÕES E PLANILHA) MUSEU DAS TELECOMUNICAÇÕES ELABORAÇÃO, APROVAÇÃO, DETALHAMENTO E DESENVOLVIMENTO DOS PROJETOS

Leia mais

Resolução SMU nº 728 de 10 de julho de 2007

Resolução SMU nº 728 de 10 de julho de 2007 Resolução SMU nº 728 de 10 de julho de 2007 Altera a Resolução SMU n.º 703 de 29/12/2006 que consolida, organiza e atualiza as normas, os procedimentos e a padronização para a elaboração e aprovação dos

Leia mais

Concurso Público: Prêmio Caneleiro de Arquitetura Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA

Concurso Público: Prêmio Caneleiro de Arquitetura Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA Concurso Público: Prêmio Caneleiro de Arquitetura Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA Junho 2014 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO Pg. 03 2. OBJETO Pg. 03 3. ESCOPO DOS PRODUTOS E SERVIÇOS Pg. 03 4. DIRETRIZES PARA

Leia mais

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases:

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases: ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Passarela para Pedestres em Projetos de Engenharia Ferroviária. 2. FASES DO PROJETO O

Leia mais

c) Em hipótese alguma as taxa de iluminação das concessões deverão ultrapassar os valores

c) Em hipótese alguma as taxa de iluminação das concessões deverão ultrapassar os valores planta baixa, preferencialmente em escala 1:50, contendo indicação dos dutos de insuflamento ou exaustão de ar quanto a materiais, comprimentos, dimensões, com elevações; bocas de insuflamento e exaustão;

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO EXECUTIVO PARA REFORMA DO TERMINAL RODOVIÁRIO LUCÍDIO PORTELA TERESINA-PI.

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO EXECUTIVO PARA REFORMA DO TERMINAL RODOVIÁRIO LUCÍDIO PORTELA TERESINA-PI. 1. OBJETO Contratação de empresa especializada na área de engenharia e arquitetura para a prestação de serviços técnicos de elaboração de Projeto Executivo para reforma do Terminal Rodoviário Lucídio Portela,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI SUPERINTENDÊNCIA DE INFRAESTRUTURA DIAMANTINA MINAS GERAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI SUPERINTENDÊNCIA DE INFRAESTRUTURA DIAMANTINA MINAS GERAIS TERMO DE REFERÊNCIA Contratação de empresas para prestação de serviços técnicos profissionais de engenharia para elaboração de projetos diversos para os Campi da UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DE JEQUITINHONHA

Leia mais

11. CONSIDERAÇÕES FINAIS

11. CONSIDERAÇÕES FINAIS Detalhes de execução ou instalação dos sprinklers; Detalhes de todos os furos necessários nos elementos de estrutura e suporte da instalação, e das peças a ser embutidas; Detalhes de fixação dos extintores

Leia mais

Análise de Viabilidade de Empreendimentos Habitacionais Programa Minha Casa Minha Vida

Análise de Viabilidade de Empreendimentos Habitacionais Programa Minha Casa Minha Vida Análise de Viabilidade de Empreendimentos Habitacionais Programa Minha Casa Minha Vida APRESENTAÇÃO 9h00 até 9h30: Abertura 9h30 até 11h15: Critérios gerais de análise técnica 11h15 até 11h30: Coffee-break

Leia mais

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE 01 NOSSOS SERVIÇOS Após 35 anos de experiência na área de edificações para o mercado imobiliário gaúcho, a BENCKEARQUITETURA, juntamente com a BENCKECONSTRUÇÕES,

Leia mais

18.4. Áreas de vivência

18.4. Áreas de vivência 18.4. Áreas de vivência 18.4.1. Os canteiros de obras devem dispor de: a) instalações sanitárias; (118.015-0 / I4) b) vestiário; (118.016-9 / I4) c) alojamento; (118.017-7 / I4) d) local de refeições;

Leia mais

2.2 O escopo dos serviços a serem contratados inclui:

2.2 O escopo dos serviços a serem contratados inclui: ANEXO I PROJETO BÁSICO GEMAP 10/2008 1. DO OBJETO Visa o presente à contratação de empresa de engenharia e, ou, arquitetura, especializada na prestação de serviços de ambientação interna com elaboração

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 18.4 Áreas de Vivência 18.4.1. Os canteiros de obras devem dispor de: a) instalações sanitárias; b) vestiário; c) alojamento; d)

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 12/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Informações ENE065 http://www.ufjf.br/ivo_junior/ ENE065_NOTURNO Generalidades Sistema Elétrico de Potência

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 06/2013

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 06/2013 TERMO DE REFERÊNCIA Nº 06/2013 Projeto: AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A IMPLANTAÇÃO DO PARQUE ESTADUAL DA PEDRA SELADA - PEPS Protocolo nº: 20131209172124148 Assunto: Contratação de Consultoria Pessoa Jurídica

Leia mais

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental Eco Houses / Casas ecológicas Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental IDHEA - INSTITUTO PARA O DESENVOLVIMENTO DA HABITAÇÃO ECOLÓGICA Conceito:

Leia mais

ANEXO II - Termo de Referência

ANEXO II - Termo de Referência ANEXO II - Termo de Referência 1. OBJETIVO: O presente Termo de Referência tem por objetivo estabelecer as condições mínimas para a contratação de uma empresa de engenharia para a implementação do projeto

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA RESTAURAÇÃO DA IGREJA SÃO FRANCISCO DA PRAINHA

TERMO DE REFERÊNCIA RESTAURAÇÃO DA IGREJA SÃO FRANCISCO DA PRAINHA TERMO DE REFERÊNCIA RESTAURAÇÃO DA IGREJA SÃO FRANCISCO DA PRAINHA 1. INTRODUÇÃO Este Termo de Referência tem por objetivo estabelecer as exigências técnicas e a metodologia para a contratação de Serviços

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Construção de Prédios no Campus V- Divinópolis-MG. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais

MEMORIAL DESCRITIVO. Construção de Prédios no Campus V- Divinópolis-MG. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais MEMORIAL DESCRITIVO Construção de Prédios no Campus V- Divinópolis-MG Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais Fevereiro/2007 INTRODUÇÃO O objetivo deste documento é complementar as informações

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SERVIÇO DE EDIFICAÇÕES ESCOLARES TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHARIA

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SERVIÇO DE EDIFICAÇÕES ESCOLARES TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHARIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHARIA 1. OBJETIVO Este Termo de Referência é parte integrante do Convite nº 01 / 2015. O objetivo deste Termo de Referência é definir as diretrizes

Leia mais

TABELA DE PREÇOS DE PROJETOS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA SIN 2011-2013 (SEM BDI)

TABELA DE PREÇOS DE PROJETOS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA SIN 2011-2013 (SEM BDI) TABELA DE PREÇOS DE PROJETOS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA SIN 2011-2013 (SEM BDI) AGOSTO/2011 1 ÍNDICE GERAL 1. PROJETO DE ARQUITETURA... 5 2. PROJETO DE URBANISMO... 5 3. PROJETO DE URBANISMO PAISAGÍSTICO...

Leia mais

Relatório de Vistoria Técnica com Cadastramento do Imóvel

Relatório de Vistoria Técnica com Cadastramento do Imóvel Relatório de Vistoria Técnica com Cadastramento do Imóvel REFORMA DA SEDE DA SUBSEÇÃO DA OAB/BA NO MUNICÍPIO DE GUANAMBI/BA Avenida Presidente Castelo Branco, nº 271, Aeroporto Velho Guanambi/BA Foto:

Leia mais

à Coordenadoria de Mecanismos de Proteção à Biodiversidade/Serviço de Regularização Fundiária

à Coordenadoria de Mecanismos de Proteção à Biodiversidade/Serviço de Regularização Fundiária TERMO DE REFERÊNCIA Nº. 01/2015 Projeto: REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DAS UCs ESTADUAIS Assunto: Protocolo nº: 20151126163316190 Item: Contratação de empresa de consultoria para prestação de serviços de assessoria

Leia mais

PROGRAMAS DAS PROVAS

PROGRAMAS DAS PROVAS ENGENHEIRO CIVIL (prova objetiva) PORTUGUÊS: PROGRAMAS DAS PROVAS 1. Compreensão de textos informativos e argumentativos e de textos de ordem prática (ordens de serviço, instruções, cartas e ofícios).

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS CONSTRUÇÕES (ÁREAS CONSTRUÍDAS) NO IFSULDEMINAS CÂMPUS MACHADO Término Nº de

DESCRIÇÃO DAS CONSTRUÇÕES (ÁREAS CONSTRUÍDAS) NO IFSULDEMINAS CÂMPUS MACHADO Término Nº de DESCRIÇÃO DAS CONSTRUÇÕES (ÁREAS CONSTRUÍDAS) NO IFSULDEMINAS CÂMPUS MACHADO Término Nº de Área Valor da Obra Valor do M² Nome da Obra Início da Obra Programado Obras Construída M² R$ R$ da Obra Descrição

Leia mais

INFORMAÇÕES BÁSICAS. Projeto Fundação e Estaqueamento: STAN FUND E CONST. CIVIS LTDA.

INFORMAÇÕES BÁSICAS. Projeto Fundação e Estaqueamento: STAN FUND E CONST. CIVIS LTDA. INFORMAÇÕES BÁSICAS Nome do Empreendimento: Villa Aribiri Residencial Clube Endereço : RUA PASTOR JOÃO PEDRO DA SILVA, ARIBIRÍ VILA VELHA - ES CEP 29.119-021 Realização : GRUPO WIG PIANA DE MARTIN CONSTRUTORA

Leia mais

Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra

Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra André Luís Gamino Professor Área de Construção Civil

Leia mais

ANTEPROJETO DE UM CENTRO DE EVENTOS E CONVENÇÕES NA CIDADE DE JACAREÍ

ANTEPROJETO DE UM CENTRO DE EVENTOS E CONVENÇÕES NA CIDADE DE JACAREÍ ANTEPROJETO DE UM CENTRO DE EVENTOS E CONVENÇÕES NA CIDADE DE JACAREÍ Thais Ragagnan Carvalho 1 Orientador Prof. Dr. Selso Dal Belo 2 1 Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade de Engenharia, Arquitetura

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2005 e 1 o semestre letivo de 2006 CURSO de ARQUITETURA E URBANISMO

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2005 e 1 o semestre letivo de 2006 CURSO de ARQUITETURA E URBANISMO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2005 e 1 o semestre letivo de 2006 CURSO de ARQUITETURA E URBANISMO Verifique se este caderno contém : INSTRUÇÕES AO CANDIDATO PROVA

Leia mais

CARTILHA CAU/RS 2014 INSTRUÇÕES PARA ARQUITETURA DE INTERIORES SHOPPING CENTER

CARTILHA CAU/RS 2014 INSTRUÇÕES PARA ARQUITETURA DE INTERIORES SHOPPING CENTER CARTILHA CAU/RS 2014 INSTRUÇÕES PARA ARQUITETURA DE INTERIORES SHOPPING CENTER APRESENTAÇÃO O CAU/RS Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio Grande do Sul, na qualidade de Autarquia Federal deve na

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 01/2014. Obras e Instalações x Prestação de Serviços INFORMAÇÕES

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 01/2014. Obras e Instalações x Prestação de Serviços INFORMAÇÕES TERMO DE REFERÊNCIA Nº 01/2014 Projeto: MELHORIA DA ESTRUTURA DE USO PÚBLICO DO PARQUE NACIONAL DO ITATIAIA Protocolos nº s 20141102110350178 e 20141102110932178 Assunto: Item: Contratação de consultoria

Leia mais

ANEXO XVII MEMORIAL DESCRITIVO ESTRUTURAS METÁLICAS DA COBERTURA ÍNDICE

ANEXO XVII MEMORIAL DESCRITIVO ESTRUTURAS METÁLICAS DA COBERTURA ÍNDICE ANEXO XVII MEMORIAL DESCRITIVO ESTRUTURAS METÁLICAS DA COBERTURA ÍNDICE 2.1 DADOS GERAIS... 2 Objeto:... 2 Local do Projeto:... 2 Proprietário:... 2 Contratante:... 2 Empresa Contratada:... 2 Anotação

Leia mais

Proposta Técnica Projeto de Arquitetura e Projeto Legal

Proposta Técnica Projeto de Arquitetura e Projeto Legal São Paulo, 19 de Outubro de 2012 Proposta Técnica Projeto de Arquitetura e Projeto Legal Cliente Alphaville Urbanismo S.A. Av. Nações Unidas, 8501, 9º Andar 05425-070 Pinheiros São Paulo, SP Empreendimento

Leia mais

ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO COTAÇÃO DE PREÇO Nº 09/2014 PROCESSO Nº 09/2014 ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL MAMIRAUÁ IDSM PROJETO - ARQUITETURA, PROJETOS EXECUTIVOS COMPLEMENTARES E ORÇAMENTO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA NÚMERO 002/2012/3300/3000 SERVIÇOS DE SURVEY E PROJETOS DE REDES DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA PARA OS ESTADOS DA REGIÃO NORTE.

TERMO DE REFERÊNCIA NÚMERO 002/2012/3300/3000 SERVIÇOS DE SURVEY E PROJETOS DE REDES DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA PARA OS ESTADOS DA REGIÃO NORTE. TERMO DE REFERÊNCIA NÚMERO 002/2012/3300/3000 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA EXECUÇÃO DE SERVIÇOS DE SURVEY E PROJETOS DE REDES DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA PARA OS ESTADOS DA REGIÃO NORTE. 1. OBJETIVO: 1.1.

Leia mais