Colaboke: Um gerenciador de conteúdo multimídia com conceitos de framework

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Colaboke: Um gerenciador de conteúdo multimídia com conceitos de framework"

Transcrição

1 Colaboke: Um gerenciador de conteúdo multimídia com conceitos de framework Antonio D. De Carvalho Jr 1, Diego G. Brandão 1, Tatiana A. Tavares 1 1 Laboratório de Vídeo Digital (LAVID) Universidade Federal da Paraíba (UFPB) João Pessoa, PB - Brasil Abstract. This article describes the results of the study and development of a multimedia content management system. The manager presents all the basic functionalities required to use, a framework structure providing the development of new applications from the same, and to serve as a basis for studies related to internet systems. Resumo. Este artigo descreve o resultado do estudo e desenvolvimento de um gerenciador de conteúdos multimídia. O gerenciador apresenta-se com todas as funcionalidades básicas necessárias e com uma estrutura de framework propiciando o desenvolvimento de novas aplicações a partir do mesmo, além de servir como base para estudos voltados a sistemas para internet. 1. Gerenciamento de conteúdo na WEB Uma diversidade de conteúdos digitais é distribuída diariamente via internet com o intuito de permitir uma absorção de conhecimento dinâmica aos usuários deste meio de comunicação. À medida que o fluxo desses conteúdos for aumentando, gerenciadores são desenvolvidos a fim de tornar mais prática a edição e disponibilização de conteúdo. Com isso surgiram os Sistemas de Gerenciamento de Conteúdo (Content Management Systems CMS) [Brampton, 2008]. Devido à diversificação de sua utilização, seja ela por empresas ou usuários comuns, passaram a existir diversos tipos de CMS. O desenvolvimento dos mesmos segue a mesma sequência de passos de qualquer sistema. No entanto, os CMS voltados para WEB apresentam uma característica especial que é a necessidade de facilitar a interação do usuário considerando que será utilizado por qualquer tipo de usuário, tornando-os semelhantes aos programas comuns como editores de textos ou aplicativos de leitura de . Diante disto, conceitos de gerenciadores de conteúdo multimídia serão apresentados e levados ao encontro de noções de frameworks para desenvolvimento de aplicações da voltadas à web. Por fim será apresentado o Colaboke que engloba partes destes conceitos em seu desenvolvimento, e será apresentado um comparativo com sistemas semelhantes Gerenciamento de conteúdo multimídia O termo multimídia tem evoluído a abrangência da sua definição ao longo dos anos. O termo normalmente é tratado a com base na definição realizada por Chapman &

2 Chapman (2000): Multimídia é a combinação, controlada por computador, de pelo menos um tipo de media estático (texto, fotografia, gráfico), com pelo menos um tipo de media dinâmico (vídeo, áudio, animação). Sendo assim, gerenciadores de conteúdo multimídia hão de alcançar objetivos diferentes dos gerenciadores comuns de arquivos. Dependendo do tipo conteúdo que se deseja gerenciar, há de se pensar em como haverá de proceder. A instalação de componentes nos gerenciadores resolve a maioria dos problemas neste caso, limitando-se, no entanto, às funcionalidades apresentadas por tais componentes. Outra opção vem a ser a utilização de um gerenciador específico para o tipo de mídia desejado. Esta última opção nem sempre é possível em casos específicos visto que a maioria dos CMS são genéricos. Em última instância o que resta é o desenvolvimento do gerenciador. Um gerenciador de arquivos multimídia torna-se especial perante outros gerenciadores de conteúdo pelo fato de arquivos multimídia se apresentarem em diversos formatos e extensões, além de necessitarem de um servidor apropriado para suportar o fluxo de arquivos de alta qualidade. Algumas características básicas que também podem ser citadas são: perfis de usuários personalizáveis; gerenciamento de comentários e permissões em arquivos; possibilidade de links entre usuários seja por meio de comunidades, grupos ou projetos; utilização de sistema de busca interno baseado em tags ou outras classificações relevantes para identificação de conteúdo; etc [Verens, 2010]. O desenvolvimento de um CMS partindo do início seria uma reengenharia de um sistema comum. Utilizar outros CMS como base poderia ser útil também, tendo em vista que se teria tudo pronto, restando apenas um estudo de sua estrutura para se realizar as alterações necessárias. Porém, a maioria dos gerenciadores existentes não são amigáveis para serem alterados devido à complexidade considerando o compromisso de serem genéricos. Até para o estudo acadêmico vem a ser inviável para um estudante iniciar seus estudos tentando alterar um gerenciador genérico com diversas funcionalidades [Welling e Thompson, 2005]. 2. Frameworks voltados para WEB O reuso de software e sistema está geralmente vinculado à diminuição de custos, redução de prazos e aumento da qualidade. Partindo de abstrações maiores que objetos, temos os frameworks como auxiliadores no processo de desenvolvimento. Desta maneira é possível afirmar que um framework é um projeto de subsistema composto por um conjunto de classes abstratas e concretas e as interfaces entre elas [Wirfs-Brock e Johnson, 1990]. Ainda podemos dizer que um framework é um conjunto de classes que colaboram para realizar uma responsabilidade para um domínio de um subsistema da aplicação [Fayad e Schmidt, 1997]. Os frameworks podem ou não serem apresentados como uma aplicação propriamente dita. Uma diferença importante entre eles está voltada ao fato de serem do tipo vertical ou horizontal. Os frameworks verticais são desenvolvidos com base na experiência obtida em um domínio específico e são tidos como frameworks especialistas. O outro tipo é o caso genérico no qual a aplicação que o utilizará poderá compreender qualquer âmbito de uso [Sommerville, 2007]. Para conteúdos digitais é mais comum encontrar frameworks genéricos, sendo eles apresentados com módulos

3 para configuração e inserção de conteúdo, principalmente. Outras características deles é a utilização de templates proporcionando uma diversificação de interfaces baseada comumente no redirecionamento dos módulos e modificação de padrões de cores. A dinamicidade dos conteúdos digitais perante sua a diversidade de formatos impõe aos frameworks um controle maior do fluxo de atualizações. Sendo eles genéricos em sua grande parte, quão maior for este fluxo mais complexo se torna o framework considerando que o mesmo terá que acompanhar ambos os pontos citados, dinamismo e diversificação. Por um lado, iniciar o desenvolvimento de uma aplicação a partir de algo que já tenha tudo pronto e que se encontra sempre em atualização facilita o trabalho, mas a amarração arquitetural que se encontrará pela frente poderá se tornar um empecilho por não permitir muita remodelagem ou não dar brechas para facilitar alterações arquiteturas para casos específicos. 3. Colaboke: um gerenciador de conteúdo com conceito de framework Considerando o caminho para onde estão evoluindo as tecnologias para a internet desde sua criação, prover maneiras de suprir necessidades dos usuárias é o que impulsiona todo o processo de evolução. Divulgação de informações, troca de mensagens, estreitamento da distância entre serviços e consumidores, possibilidade de realizar todas as atividades computacionais na internet desde edição de texto a gerenciamento de sistemas, são exemplos de necessidades supridas com a evolução da internet. Hoje em dia o foco na computação nas nuvens é o que está dando forças a esta evolução constante [Mather et al, 2009]. A possibilidade de compartilhamento e gerenciamento destes tipos de arquivos são facilmente encontradas em sites como YouTube (www.youtube.com) que proporciona edição básica de informações em arquivos de vídeo digitais, e também sites como o MySpace (www.myspace.com) que permite a divulgação de arquivos de áudio. Alguns outros sites proporcionam o download de arquivos de qualquer tipo de formato facilitando a distribuição de conteúdo multimídia, como é o caso do 4Shared (www.4shared.com). No entanto, poucos sistemas web proporcionam o gerenciamento e edição de conteúdos com a mesma praticidade dos programas para desktop. Na intenção de permitir o desenvolvimento de gerenciadores de conteúdo deste tipo com maior facilidade, surgiu o Colaboke (www.colaboke.lavid.ufpb.br). A princípio o Colaboke foi concebido como um simples sistema para colaboração de arquivos de áudio, mas durante o seu desenvolvimento vários conceitos foram aperfeiçoados deixando sua estrutura modularizada como o que acontece em outros CMS. Um dos pontos principais é sua facilidade de edição. O Colaboke utiliza as linguagens PHP e MySQL o que torna o código aberto para download e utilização. Os módulos desenvolvidos se dividem de acordo com sua funcionalidade. O módulo de cadastro de usuário permite que o usuário insira suas informações básicas e aceite o contrato de termos de serviço. Anexado ao cadastro temos o módulo de perfil do usuário, no qual o usuário pode inserir e alterar suas informações pessoais além de realizar configurações de permissões de acesso aos seus projetos. O módulo de projetos apresenta-se como o principal módulo no qual é possível criar e editar um projeto e suas informações.

4 Como a intenção era tornar prática a utilização do Colaboke em qualquer outra aplicação, alguns padrões de projetos foram utilizados. Um deles foi o Observer para permitir diferentes visualizações nos projetos, definindo visualizações para os usuários comuns, cadastrados, colaboradores e os donos de projeto. Outro padrão utilizado entre os projetos foi o Builder em virtude de termos diversos tipos de arquivos multimídia a serem apresentados, logo ao visualizar um projeto, seus arquivos podem ser apresentados em formatos diferentes e assim precisam ser tratados como objetos diferentes e utilizam meios diferentes de leitura e visualização. A utilização do padrão Composite se dá em função da representação e manipulação de objetos correlatos como projetos, arquivos dos projetos, logos e players dos arquivos [Gamma et al, 1995]. Há também uma implementação de funções do sistema seguindo a metodologia CRUD (Create, Read, Update and Delete) [Verens, 2010]. Esta metodologia permite uma manipulação prática das operações básicas de um banco de dados. Sendo assim, torna-se possível realizar as operações de bancos de dados relacionais executando apenas a chamada de métodos específicos para cada objeto que se queira manipular, seja ele um usuário, projeto ou arquivo do Colaboke. A logomarca do projeto Colaboke (Figura 1.) remete as mesas de som utilizadas pelos profissionais de áudio, procurando fazer uma relação dessa maquinária com a colaboratividade das redes sociais, ficando explícita através dos quadrados coloridos que conotam um aglomerado de pessoas (redes). A cor branca significa os usuários contectados à rede social, daí o destaque na letra "C" que direciona o olhar por neutralizar todo o colorido da logo. Esta brincadeira visual pode ser fortuita a cada captação do usuário, tornando-se um atrativo visual à recepção e decodificação. O layout do site segue o gênero padrão das redes sociais (Figura 1). Procura facilitar o acesso à informação de forma clara e intuitiva, atendendo ao princípio da proximidade, onde devemos agrupar os itens relacionados entre si [Williams, 1995]. Para isso está montado num sistema de grids simples, com apenas três botões no menu principal, que comandam a navegação estrutural de todo site. A atenção visual direciona-se para a área central que é onde ocorre o conteúdo dinâmico. (a) (b) Figura 1. (a) Logo do Colaboke e (b) seu layout

5 Diante disso, tem-se o Colaboke como um gerenciador de arquivos multimídia estruturado em módulos capaz de ser reutilizado para desenvolvimento de sistemas inovadores para a web. Pelas suas características de framework vertical no âmbito multimídia, novas oportunidades de estudo e desenvolvimento são deixadas nas mãos de quem apresentar interesse por este tipo de CMS. 4 Trabalhos correlatos Na literatura da área temos dois grandes exemplos de gerenciadores e editores de arquivos multimídia. O primeiro deles surgiu no final de 2006, o Jamglue (www.jamglue.com). Este sistema gerenciava a colaboração de edição de arquivos de áudio via web numa interface semelhante aos editores de áudio desktop. O segundo veio no final de 2008, o Creaza (www.creaza.com). O Creaza apresenta-se como um conjunto de aplicativos online para alunos e educadores trabalharem com publicação de conteúdos digitais como desenhos animados, vídeos e áudio. Ambos os exemplos não disponibilizam seus códigos para estudos ou desenvolvimento de novas funcionalidades. 5 Conclusão Diante destes exemplos citados e de outros gerenciadores de conteúdo temos que a possibilidade de utilização de um CMS para estudos ou desenvolvimento de outro é um pouco restrita. Em alguns casos os CMS apresentam funcionalidades genéricas demais, o que pode não ser tão útil em casos específicos como no caso de gerenciadores de arquivos multimídia. Um outro ponto relevante é o caso de os exemplos de sistemas semelhantes ao Colaboke não permitirem o estudo de seus sistemas, deixando apenas a possibilidade de utilização por não apresentarem código aberto. Referências Brampton, M. (2008), PHP 5 CMS Framework Development. Packt Publishing Ltd. Chapman, N. e Chapman, J. (2000), Digital Multimedia. John Wiley & Sons. Fayad, M. E. e Schmidt, D. C. (1997). Object-oriented application frameworks. Comm. ACM 40(10), Gamma, E., Helm, R., Johnson, R. e Vlissides, J. (1995) Design Patterns: Elements of Reusable Object-Oriented Software. 1 ed. Addison-Wesley. Mather, T., Kumaraswamy, S. e Latif, S. (2009) Cloud Security and Privacy An Enterprise Perspective on Risks and Compliance. O`Reilly. Sommerville, I. (2007), Engenharia de software. 8a Ed. São Paulo. Pearson Addison- Wesley. Verens, K. (2010), CMS Design Using PHP and jquery. Packt Publishing Ltd. Welling, L. e Thomson, L. (2005), PHP and MySQL Web Development. 3a Ed. Sams Publishing. Williams, Robin. Design para quem não é designer: noções básicas de planejamento visual. São Paulo: Callis, Wirfs-Brock, R. J. e Johnson, R. E. (1990) Surveying current research in objectoriented design. Comm. ACM, 33(9),

Padrões de Projeto. Prof. Jefersson Alex dos Santos (jefersson@dcc.ufmg.br) http://www.dcc.ufmg.br/~jefersson

Padrões de Projeto. Prof. Jefersson Alex dos Santos (jefersson@dcc.ufmg.br) http://www.dcc.ufmg.br/~jefersson Padrões de Projeto Prof. Jefersson Alex dos Santos (jefersson@dcc.ufmg.br) http://www.dcc.ufmg.br/~jefersson Apresentação Conceitos Definição Ponto de vista prático História Padrões de Projeto Conhecidos

Leia mais

e-vent-br: Proposta de um Sistema Web de Gerenciamento de Eventos Acadêmicos

e-vent-br: Proposta de um Sistema Web de Gerenciamento de Eventos Acadêmicos e-vent-br: Proposta de um Sistema Web de Gerenciamento de Eventos Acadêmicos Luis Paulo da Silva Carvalho, Moara Sousa Brito, Pablo Freire Matos, Lucas Amparo Barbosa, Cremildo Lima Gomes, Ivick Roberta

Leia mais

PADRÕES DE PROJETO E FRAMEWORK NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

PADRÕES DE PROJETO E FRAMEWORK NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PADRÕES DE PROJETO E FRAMEWORK NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Nelson Ribeiro de Carvalho Júnior 1 RESUMO Atualmente o cenário mundial cuja dependência do software está cada vez mais evidente requer que

Leia mais

Em Busca de uma Arquitetura de Referência para Frameworks de Aplicação Dirigidos por Modelos para Sistemas de Informação

Em Busca de uma Arquitetura de Referência para Frameworks de Aplicação Dirigidos por Modelos para Sistemas de Informação Em Busca de uma Arquitetura de Referência para Frameworks de Aplicação Dirigidos por Modelos para Sistemas de Informação Valdemar Vicente GRACIANO NETO 1 ; Juliano Lopes DE OLIVEIRA 1 1 Instituto de Informática

Leia mais

Frameworks. Pasteur Ottoni de Miranda Junior

Frameworks. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Frameworks Pasteur Ottoni de Miranda Junior 1-Definição Apesar do avanço das técnicas de desenvolvimento de software, a construção de software ainda é um processo extremamente complexo.a reutilização tem

Leia mais

Reuso. Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior

Reuso. Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Reuso Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Reutilização de Software Na maioria das áreas de engenharia de software, sistemas são desenvolvidos

Leia mais

PROJECT FRAMEWORK MODEL PMF: PARA O DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ORIENTADOS A OBJETOS Leandro Doutor Branquinho Sérgio Teixeira de

PROJECT FRAMEWORK MODEL PMF: PARA O DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ORIENTADOS A OBJETOS Leandro Doutor Branquinho Sérgio Teixeira de PROJECT FRAMEWORK MODEL PMF: PARA O DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ORIENTADOS A OBJETOS Leandro Doutor Branquinho Sérgio Teixeira de Carvalho Leandro D. Branquinho e Sérgio Teixeira de Carvalho

Leia mais

Abordagem de Frameworks e Design Patterns para desenvolvimento de Aplicações Approach Frameworks and Design Patterns for Application Development

Abordagem de Frameworks e Design Patterns para desenvolvimento de Aplicações Approach Frameworks and Design Patterns for Application Development Abordagem de Frameworks e Design Patterns para desenvolvimento de Aplicações Approach Frameworks and Design Patterns for Application Development Demetrio da Silva Passos 1 Augusto Nogueira Zadra 2 Resumo:

Leia mais

PictureFrame: Um padrão para criação de imagens reutilizáveis

PictureFrame: Um padrão para criação de imagens reutilizáveis PictureFrame: Um padrão para criação de imagens reutilizáveis Paulo A. S. Costa 1,2,3, Ismayle S. Santos 1,2,3, Rossana M. C. Andrade 1,2,4 1 Grupo de Redes, Engenharia de Software e Sistemas - GREaT 2

Leia mais

Um Sistema de Ensino na Web Baseado no Padrão Pedagógico Exposição Teórica-Exemplos-Atividade- Apresentação-Avaliação

Um Sistema de Ensino na Web Baseado no Padrão Pedagógico Exposição Teórica-Exemplos-Atividade- Apresentação-Avaliação Um Sistema de Ensino na Web Baseado no Padrão Pedagógico Exposição Teórica-Exemplos-Atividade- Apresentação-Avaliação Flavio M. Medeiros, Arturo Hernández-Domínguez, Fábio N. de Medeiros, Anderson G. da

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

SGCD 2.2. Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico

SGCD 2.2. Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico Atualizado em 13/AGO/2012 Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico No final de 2007, o Serviço Técnico de Informática da UNESP Marília, disponibilizou para a comunidade acadêmica e administrativa o Sistema

Leia mais

Um Arcabouço open source em Python para DBC com

Um Arcabouço open source em Python para DBC com Um Arcabouço open source em Python para DBC com Suporte à Evolução Dinâmica não Antecipada Yguaratã C. Cavacanti 1, Hyggo Oliveira de Almeida 1, Evandro Costa 2 1 Instituto de Computação Universidade Federal

Leia mais

Definição de Padrões. Padrões Arquiteturais. Padrões Arquiteturais. Arquiteturas de Referência. Da arquitetura a implementação. Elementos de um Padrão

Definição de Padrões. Padrões Arquiteturais. Padrões Arquiteturais. Arquiteturas de Referência. Da arquitetura a implementação. Elementos de um Padrão DCC / ICEx / UFMG Definição de Padrões Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo Um padrão é uma descrição do problema e a essência da sua solução Documenta boas soluções para problemas recorrentes

Leia mais

SGCD 2.0 Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico

SGCD 2.0 Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico Atualizado em 24/08/2011 No final de 2007, o Serviço Técnico de Informática da UNESP Marília, disponibilizou para a comunidade acadêmica e administrativa o Sistema

Leia mais

Design Patterns STRATEGY EMERSON BARROS DE MENESES

Design Patterns STRATEGY EMERSON BARROS DE MENESES Design Patterns STRATEGY EMERSON BARROS DE MENESES 1 Breve Histórico Sobre Design Patterns A origem dos Design Patterns (Padrões de Desenho ou ainda Padrões de Projeto) vem do trabalho de um arquiteto

Leia mais

MedEl: Uma solução de E-Learning utilizando tecnologia Microsoft ASP.NET

MedEl: Uma solução de E-Learning utilizando tecnologia Microsoft ASP.NET MedEl: Uma solução de E-Learning utilizando tecnologia Microsoft ASP.NET Átila Correia Cunha 1, 2, Glaucon Henrique Mauricio Maia 1, 2, Waner Ferreira Tavares 1, 2, Jorge Bergson¹, Rui Gomes Patrício 3

Leia mais

Frameworks para Desenvolvimento Rápido de Aplicações Web: um Estudo de Caso com CakePHP e Django

Frameworks para Desenvolvimento Rápido de Aplicações Web: um Estudo de Caso com CakePHP e Django Frameworks para Desenvolvimento Rápido de Aplicações Web: um Estudo de Caso com CakePHP e Django Adriano Pereira 1, Vinícius Vielmo Cogo 1, Andrea Schwertner Charão 1 1 Programa de Educação Tutorial (PET)

Leia mais

Desenvolvimento de um Componente para Gerenciamento de Perfis de Usuários para o Joomla!

Desenvolvimento de um Componente para Gerenciamento de Perfis de Usuários para o Joomla! Desenvolvimento de um Componente para Gerenciamento de Perfis de Usuários para o Joomla! Michel Carlo Santos Mendes 1, André Luiz Peron Martins Lanna 1, Ricardo de Oliveira Duarte 1 1 Departamento de Computação

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

Gerencie a sala de espera e garanta a satisfação dos pacientes

Gerencie a sala de espera e garanta a satisfação dos pacientes Centralx Clinic O ciclo de trabalho completo em um só sistema. Para ambientes de alta produtividade, do agendamento à consulta, do faturamento ao rateio entre prestadores de serviço, o Centralx Clinic

Leia mais

Curso de Capacitação em Gerenciador de Conteúdo PLONE

Curso de Capacitação em Gerenciador de Conteúdo PLONE Curso de Capacitação em Gerenciador de Conteúdo PLONE 1 Índice Dicas iniciais O que é o Plone? 3 Formulário de Solicitação 6 Acesso ao Plone 6 Configurações do Site 14 Inserindo Conteúdo Inserir Pastas

Leia mais

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1 1 / 58 - Parte 1 Erick Nilsen Pereira de Souza T017 - Arquitetura e Design de Aplicações Análise e Desenvolvimento de Sistemas Universidade de Fortaleza - UNIFOR 11 de fevereiro de 2015 2 / 58 Agenda Tópicos

Leia mais

1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2.

1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2. 1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2. Editando um Artigo 4.3. Excluindo um Artigo 4.4. Publicar

Leia mais

O CMS certo para as suas necessidades! Quadro Comparativo

O CMS certo para as suas necessidades! Quadro Comparativo O CMS certo para as suas necessidades! Quadro Comparativo Prof. Ricardo 1 Um CMS (Content Management Systems) é um Sistema de gerenciamento de Conteúdo de websites, portais e intranet disponíveis para

Leia mais

Construtor de sites SoftPixel GUIA RÁPIDO - 1 -

Construtor de sites SoftPixel GUIA RÁPIDO - 1 - GUIA RÁPIDO - 1 - Sumário Introdução...3 Por que utilizar o Construtor de Sites?...3 Vantagens do Construtor de Sites...3 Conceitos básicos...3 Configuração básica do site...5 Definindo o layout/template

Leia mais

FA PorT: Um Framework para Sistemas Portfólio-Tutor utilizando Agentes

FA PorT: Um Framework para Sistemas Portfólio-Tutor utilizando Agentes FA PorT: Um Framework para Sistemas Portfólio-Tutor utilizando Agentes Fábio Nicácio de Medeiros, Flávio Mota Medeiros, Arturo Hernández Domínguez Instituto de Computação Universidade Federal de Alagoas

Leia mais

PADRÕES DE SOFTWARE. Jerffeson Teixeira de Souza, Ph.D. Tarciane de Castro Andrade. Grupo de Padrões de Software da UECE (GPS.

PADRÕES DE SOFTWARE. Jerffeson Teixeira de Souza, Ph.D. Tarciane de Castro Andrade. Grupo de Padrões de Software da UECE (GPS. PADRÕES DE SOFTWARE 1 Jerffeson Teixeira de Souza, Ph.D. Tarciane de Castro Andrade Grupo de Padrões de Software da UECE (GPS.UECE) Julho-2009 CONTEÚDO Introdução aos Padrões de Software O quê são padrões?

Leia mais

J930. Padrões. Projeto. Introdução. argonavis.com.br. Helder da Rocha (helder@acm.org)

J930. Padrões. Projeto. Introdução. argonavis.com.br. Helder da Rocha (helder@acm.org) Padrões de J930 Projeto Introdução Helder da Rocha (helder@acm.org) argonavis.com.br O que é um padrão? Maneira testada ou documentada de alcançar um objetivo qualquer Padrões são comuns em várias áreas

Leia mais

1Introdução Helder da Rocha (helder@acm.org)

1Introdução Helder da Rocha (helder@acm.org) J930 Padrões Projeto de 1Introdução Helder da Rocha (helder@acm.org) argonavis.com.br O que é um padrão? Maneira testada ou documentada de alcançar um objetivo qualquer Padrões são comuns em várias áreas

Leia mais

Cursos de Magento. 2013 Gugliotti Consulting

Cursos de Magento. 2013 Gugliotti Consulting Cursos de Magento F U N D A M E N T O S D E M A G E N T O C O M M E R C E C U R S O E M V Í D E O - A U L A S M Ó D U L O 2 F T O 2 Fundamentos de Magento Commerce Módulo 2 Aula 1 Configuração da plataforma

Leia mais

ANEXO 11. Framework é um conjunto de classes que colaboram para realizar uma responsabilidade para um domínio de um subsistema da aplicação.

ANEXO 11. Framework é um conjunto de classes que colaboram para realizar uma responsabilidade para um domínio de um subsistema da aplicação. ANEXO 11 O MATRIZ Para o desenvolvimento de sites, objeto deste edital, a empresa contratada obrigatoriamente utilizará o framework MATRIZ desenvolvido pela PROCERGS e disponibilizado no início do trabalho.

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO INTRODUÇÃO AO MACROMEDIA DREAMWEAVER MX 2004 O Macromedia Dreamweaver MX 2004 é um software que permite a criação de páginas de Internet profissionais, estáticas

Leia mais

Um Modelo Conceitual bem Fundamentado para Adequação do Método FrameWeb a Múltiplos Frameworks

Um Modelo Conceitual bem Fundamentado para Adequação do Método FrameWeb a Múltiplos Frameworks Um Modelo Conceitual bem Fundamentado para Adequação do Método FrameWeb a Múltiplos Frameworks Beatriz Franco Martins Souza (mbeatrizfranco@yahoo.com.br) Computer Science Department Federal University

Leia mais

Desenvolvendo Websites com Joomla. Breno Leonardo G. de M. Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br

Desenvolvendo Websites com Joomla. Breno Leonardo G. de M. Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br Desenvolvendo Websites com Joomla Breno Leonardo G. de M. Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br Currículo Meu nome: Breno Leonardo G. de M. Araújo Formação: Bacharel em Sistemas de

Leia mais

Módulo e-rede VirtueMart v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados

Módulo e-rede VirtueMart v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados Módulo e-rede VirtueMart v1.0 Manual de Instalação do Módulo estamos todos ligados 01 02 03 04 Introdução 3 Versão 3 Requerimentos 3 Manual de instalação 4 05 06 4.1 Permissões 4 4.2 Instalação e ativação

Leia mais

Introdução ao Plone. terça-feira, 4 de agosto de 15

Introdução ao Plone. terça-feira, 4 de agosto de 15 Introdução ao Plone Sumário O que é Gestão de Conteúdo O que é Conteúdo Principais características de um CMS O que é o Plone Tipos de conteúdo no Plone Metadados Templates Interface do portal Gestão de

Leia mais

Manual do Usuário. www.ezsites.com.br. Manual de operação do sistema ezsites. ezsites Versão 3.0 Manual do Usuário Versão 1.0

Manual do Usuário. www.ezsites.com.br. Manual de operação do sistema ezsites. ezsites Versão 3.0 Manual do Usuário Versão 1.0 Manual do Usuário Manual de operação do sistema ezsites ezsites Versão 3.0 Manual do Usuário Versão 1.0 www.ezsites.com.br Índice 1. Apresentação... 3 2. Visão geral... 4 3. Sistema de gestão de conteúdo...

Leia mais

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA INTERCÂMBIOS ESTUDANTIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Criação de um site sobre Comunicação

Criação de um site sobre Comunicação Luciano Conceição Martins Criação de um site sobre Comunicação UNICAMP Universidade Estadual de Campinas Introdução: Um site é um conjunto de arquivos feitos através de códigos de programação. E, estes

Leia mais

Sistema de Digitalização e Gerenciamento de Arquivos On-Line

Sistema de Digitalização e Gerenciamento de Arquivos On-Line Sistema de Digitalização e Gerenciamento de Arquivos On-Line O aplicativo Aplicativo com quase 3 anos de mercado, onde gerencia atualmente mais de 500.000 arquivos sendo eles entre digitalizados ou anexados

Leia mais

Framework para jogos de cartas

Framework para jogos de cartas Framework para jogos de cartas por André Luís Knabben e Thiago Robert Professor Doutor Ricardo Pereira e Silva Orientador Resumo Projetar artefatos de software visando a reusabilidade é uma tarefa complexa.

Leia mais

Engenharia de Software Aplicações de Internet

Engenharia de Software Aplicações de Internet Engenharia de Software Aplicações de Internet Eduardo Santos eduardo.edusantos@gmail.com eduardo.santos@planejamento.gov.br www.softwarepublico.gov.br Histórico Por que existe a Internet? Por que existe

Leia mais

build UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas 3 Prof.Marcelo Nogueira A produção de Software é uma atividade build and fix.

build UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas 3 Prof.Marcelo Nogueira A produção de Software é uma atividade build and fix. UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas Prof.Marcelo Nogueira Análise Essencial de Sistemas 1 Introdução A produção de Software é uma atividade build and fix. Análise Essencial de Sistemas

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Software - PPGSW

Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Software - PPGSW Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Software - PPGSW EDITAL 01/2013/PPGSW PROCESSO DE SELEÇÃO 2014.1 - Mestrado Profissional em Engenharia de Software

Leia mais

Drupal para Empresas. Descobrindo os benefícios do Drupal para o seu negócio

Drupal para Empresas. Descobrindo os benefícios do Drupal para o seu negócio Sorteio de R$400 de crédito nos cursos de Drupal! http://j.mp/sorteio400reais O que veremos nessa palestra? # Apresentação # Introdução a CMS # Conhecendo o Drupal # Drupal como solução para Empresas #

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Software - PPGSW

Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Software - PPGSW Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Software - PPGSW EDITAL 02/2016/PPgSW PROCESSO DE SELEÇÃO 2016.2 Mestrado Profissional em Engenharia de Software

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS RESUMO Este artigo apresenta a especificação de um sistema gerenciador de workflow, o ExPSEE, de acordo com a abordagem de desenvolvimento baseado

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS. Trabalho sobre Drupal-7 Atividade-05-Sistemas de Informação

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS. Trabalho sobre Drupal-7 Atividade-05-Sistemas de Informação FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Trabalho sobre Drupal-7 Atividade-05-Sistemas de Informação Eduardo Perin Wille Análise e desenvolvimento de sistemas,2013 1 Sumário 1 Introdução... 1 1.1 Como surgiu...

Leia mais

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS 769 SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS Mateus Neves de Matos 1 ; João Carlos Nunes Bittencourt 2 ; DelmarBroglio Carvalho 3 1. Bolsista PIBIC FAPESB-UEFS, Graduando em Engenharia de

Leia mais

APRESENTAÇÃO. É com grande satisfação que apresentamos a você uma proposta de desenvolvimento de website para sua empresa.

APRESENTAÇÃO. É com grande satisfação que apresentamos a você uma proposta de desenvolvimento de website para sua empresa. APRESENTAÇÃO É com grande satisfação que apresentamos a você uma proposta de desenvolvimento de website para sua empresa. A proposta consiste em um website com uma área administrativa que permite a você

Leia mais

SISTEMA I-KERNEL: UM KERNEL INTELIGENTE PARA O SIMPREBAL SISTEMA DE MANUTENÇÃO PREDITIVA DE BALBINA

SISTEMA I-KERNEL: UM KERNEL INTELIGENTE PARA O SIMPREBAL SISTEMA DE MANUTENÇÃO PREDITIVA DE BALBINA PROGRAMA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO CICLO 2003/2004 Nº DO CONTRATO: 4500052325 Nº DO PROJETO: 128 INÍCIO: 28/09/2005 DURAÇÃO: 24 meses A. Instituição executora: B. Título do Projeto: Modernização

Leia mais

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais.

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Tales Henrique José MOREIRA 1 ; Gabriel da SILVA 2 ; 1 Estudante de Tecnologia em Sistemas para

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT E s t u d o s o b r e a i n t e g r a ç ã o d e f e r r a m e n t a s d i g i t a i s n o c u r r í c u l o d a d i s c i p l i n a d e E d u c a ç ã o V i s u a l e T e c n o l ó g i c a MockFlow M a

Leia mais

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE Um estudo sobre os aspectos de desenvolvimento e distribuição do SIE Fernando Pires Barbosa¹, Equipe Técnica do SIE¹ ¹Centro de Processamento de Dados, Universidade Federal de Santa Maria fernando.barbosa@cpd.ufsm.br

Leia mais

O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto Metodista Granbery: uma ferramenta de acompanhamento e relacionamento

O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto Metodista Granbery: uma ferramenta de acompanhamento e relacionamento Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Sistemas de Informação - N. 7, JUL/DEZ 2009 O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto

Leia mais

Desenvolvimento de Sistema WEB com orçamento ajustável

Desenvolvimento de Sistema WEB com orçamento ajustável PROPOSTA DE PROJETO Desenvolvimento de Sistema WEB com orçamento ajustável Etapas / Atividades Desenvolvimento de Site (CMS) Hospedagem de Sistema e Suporte Técnico Gerenciamento do Sistema (opcional)

Leia mais

Desafios na construção de um Framework de acesso a dados em PHP

Desafios na construção de um Framework de acesso a dados em PHP 4 5 Desafios na construção de um Framework de acesso a dados em PHP Dimas Ferreira Vidal O presente artigo procura mostrar os principais desafios no processo de desenvolvimento do framework PHPO2_DB de

Leia mais

Sistemas de Informação 3º ANO

Sistemas de Informação 3º ANO Sistemas de Informação 3º ANO BANCO DE DADOS Carga horária: 120h Visão geral do gerenciamento de banco de dados. Arquitetura de um Sistema Gerenciador de Banco de Dados. Modelagem e projeto de banco de

Leia mais

Padrões de Projeto de Software Orientado a Objetos

Padrões de Projeto de Software Orientado a Objetos Padrões de Projeto de Software Orientado a Objetos Ricardo Argenton Ramos [Baseado nos slides do professor Fabio Kon - USP] 1 Padrões de Projeto de Software OO Também conhecidos como Padrões de Desenho

Leia mais

Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop

Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop Apresentação da ferramenta Professor: Danilo Giacobo Página pessoal: www.danilogiacobo.eti.br E-mail: danilogiacobo@gmail.com 1 Introdução Visual

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Design de Software e Projeto Arquitetural de Software. Prof. Edison A M Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti.br

Design de Software e Projeto Arquitetural de Software. Prof. Edison A M Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti.br Design de Software e Projeto Arquitetural de Software Prof. Edison A M Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti.br Agenda 1. Contexto da Arquitetura e Projeto de Software 2. Definição de Arquitetura

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Ferramentas desenvolvidas internamente não atendem às necessidades de crescimento, pois precisam estar sendo permanentemente aperfeiçoadas;

Ferramentas desenvolvidas internamente não atendem às necessidades de crescimento, pois precisam estar sendo permanentemente aperfeiçoadas; APRESENTAÇÃO O Myself é um sistema de gerenciamento de conteúdo para websites desenvolvido pela Genial Box Propaganda. Seu grande diferencial é permitir que o conteúdo de seu website possa ser modificado

Leia mais

Fábio Rocha de Araújo & Felipe Rocha de Araújo. 30 de janeiro de 2012

Fábio Rocha de Araújo & Felipe Rocha de Araújo. 30 de janeiro de 2012 Laboratório de Processamento de Sinais Laboratório de Sistemas Embarcados Universidade Federal do Pará 30 de janeiro de 2012 Introdução Conhecendo o Joomla! Administrando extensões Joomla! e criando Módulos

Leia mais

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar as principais características de uma Aplicação Internet Rica.

Leia mais

Faculdade de Tecnologia Senac (Pelotas) Análise e desenvolvimento de Sistemas Sistemas de Informação

Faculdade de Tecnologia Senac (Pelotas) Análise e desenvolvimento de Sistemas Sistemas de Informação Faculdade de Tecnologia Senac (Pelotas) Análise e desenvolvimento de Sistemas Sistemas de Informação Investigando Sistemas de Informação PHP-Nuke Maxwell Rodrigues Laner Sumário 1. Introdução...3 2. 1

Leia mais

Programação com Objectos. Programação Centrada em Objectos. Home Page. Ano Lectivo 2008/2009 1º Semestre. Objectivos Programa Bibliografia Avaliação

Programação com Objectos. Programação Centrada em Objectos. Home Page. Ano Lectivo 2008/2009 1º Semestre. Objectivos Programa Bibliografia Avaliação Última actualização: 25 de Outubro de 2008 Ano Lectivo 2008/2009 1º Semestre ção com Objectos ção Centrada em Objectos Docente: Paulo Leocádio Web: www.uac.pt/~pleocadio E-mail: pleocadio@uac.pt : Competências:

Leia mais

Alfamídia Web: Wordpress

Alfamídia Web: Wordpress Todos os direitos reservados para Alfamídia Prow. AVISO DE RESPONSABILIDADE As informações contidas neste material de treinamento são distribuídas NO ESTADO EM QUE SE ENCONTRAM, sem qualquer garantia,

Leia mais

VISUAL LIGHTBOX FERRAMENTA WEB DESIGN FABIANO KEIJI TAGUCHI

VISUAL LIGHTBOX FERRAMENTA WEB DESIGN FABIANO KEIJI TAGUCHI VISUAL LIGHTBOX FERRAMENTA WEB DESIGN FABIANO KEIJI TAGUCHI ESTE MATERIAL TEM UM OBJETIVO DE COMPLEMENTAR OS ASSUNTOS ABORDADOS DENTRO DE SALA DE AULA, TORNANDO-SE UM GUIA PARA UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA

Leia mais

TIPOS DE USUÁRIOS DO PORTAL

TIPOS DE USUÁRIOS DO PORTAL TIPOS DE USUÁRIOS DO PORTAL - login Estrutura que representa os usuários do portal TIPO DE USUÁRIO PERMISSÕES 114 PASSO A PASSO EFETUANDO O LOGIN Tela inicial do Portal da Escola RECURSOS PARA O ADMINISTRADOR

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

Módulo e-rede VirtueMart v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados

Módulo e-rede VirtueMart v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados Módulo e-rede VirtueMart v1.0 Manual de Instalação do Módulo estamos todos ligados ÍNDICE 01 02 03 04 Introdução 3 Versão 3 Requerimentos 3 Manual de instalação 4 05 06 4.1 Permissões 4 4.2 Instalação

Leia mais

Desenvolvimento de Sistema WEB de Gerenciamento de Conteúdo para a empresa SC PRINT

Desenvolvimento de Sistema WEB de Gerenciamento de Conteúdo para a empresa SC PRINT PROJETO Desenvolvimento de Sistema WEB de Gerenciamento de Conteúdo para a empresa SC PRINT Etapas / Atividades Registro de Domínio Hospedagem de Sistema Desenvolvimento de Site (CMS) Gerenciamento do

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

Apostila de. Renan Teruo Carneiro Wilson Kazuo Mizutani. 12 de agosto de 2013

Apostila de. Renan Teruo Carneiro Wilson Kazuo Mizutani. 12 de agosto de 2013 Apostila de Infográficos Renan Teruo Carneiro Wilson Kazuo Mizutani 12 de agosto de 2013 Copyright (C) 2013 USPGameDev Escrito por: Renan Teruo Carneiro (imano ob at uspgamedev.org) Wilson Kazuo Mizutani

Leia mais

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio 32 3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio Este capítulo apresenta o framework orientado a aspectos para monitoramento e análise de processos de negócio

Leia mais

A opção de CMS que vem crescendo rápido. Bruno Gomes Cláudio Barbosa Cláudio Gomes

A opção de CMS que vem crescendo rápido. Bruno Gomes Cláudio Barbosa Cláudio Gomes A opção de CMS que vem crescendo rápido Bruno Gomes Cláudio Barbosa Cláudio Gomes Uma evolução do Mambo, o Joomla! é um gerenciador de conteúdo open source baseado em PHP e MySQL que possui um bom número

Leia mais

Unidade: Sistemas Hipermidia Multimidia. Unidade I:

Unidade: Sistemas Hipermidia Multimidia. Unidade I: Unidade I: 0 Unidade: Sistemas Hipermidia Multimidia Engenharia de Websites Por que realizar uma Engenharia de websites: Devemos seguir Princípios básicos de Engenharia (passos bem definidos); Websites

Leia mais

www.uatt.com powered by TikiCMS

www.uatt.com powered by TikiCMS Sumário 1. Iniciando as atividades a. O TikiCMS 3 b. Como acessar o TikiCMS c. Como criar novos administradores para o TikiCMS 2. Principais cadastros a. Cadastro de clientes i. Cadastrando distribuidores

Leia mais

Proposta. Soluções Comunicação Digital

Proposta. Soluções Comunicação Digital Proposta Soluções Comunicação Digital Fevereiro 2013 Proposta Proposta para fornecimento de soluções digitais para comunicação, gestão do conhecimento e aprendizagem para o CBVE. Portal Institucional Plataforma

Leia mais

Construindo sítios profissionais com Mambo

Construindo sítios profissionais com Mambo 23/09/06 Construindo sítios profissionais com Mambo Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org 1 Sumário Software Livre Conceitos de CMS Mambo Configuração do Mambo Novidades Referências 2 O que é software

Leia mais

Definições: quando usar cada um?

Definições: quando usar cada um? Framework ou CMS? Definições: quando usar cada um? Framework: Uma arquitetura desenvolvida com o objetivo de atingir a máxima reutilização, representada como um conjunto de classes abstratas e concretas,

Leia mais

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software SISPA FACULDADE SENAC

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software SISPA FACULDADE SENAC 1 Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software SISPA FACULDADE SENAC Edilberto Silva 1, André Luiz (1012545), Andreia Pereira da Silva (1012547) Carlos Alberto (1012206), Humberto César de Carvalho

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

Investigando Sistemas de Informação. Crafty Syntax Live Help

Investigando Sistemas de Informação. Crafty Syntax Live Help Investigando Sistemas de Informação Crafty Syntax Live Help Mateus Vilar Santos 1 Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas (SENAC) Caixa Postal 15.064 91.501-970 Pelotas RS Brazil mateus.santos@gmail.com

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS

PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Apresentar o que é uma Aplicação Rica para Internet Contextualizar tais aplicações na Web e os desafios

Leia mais

Um Processo de Engenharia de Domínio com foco no Projeto Arquitetural Baseado em Componentes

Um Processo de Engenharia de Domínio com foco no Projeto Arquitetural Baseado em Componentes Um Processo de Engenharia de Domínio com foco no Projeto Arquitetural Baseado em Componentes Ana Paula Blois 1, 2, Karin Becker 2, Cláudia Werner 1 1 COPPE/UFRJ, Universidade Federal do Rio de Janeiro,

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS Edi Carlos Siniciato ¹, William Magalhães¹ ¹ Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edysiniciato@gmail.com,

Leia mais

Este livro é dedicado a minha esposa Edna e a todos os desenvolvedores que fizeram do software livre um meio profissional levado a sério.

Este livro é dedicado a minha esposa Edna e a todos os desenvolvedores que fizeram do software livre um meio profissional levado a sério. EDSON GONÇALVES Este livro é dedicado a minha esposa Edna e a todos os desenvolvedores que fizeram do software livre um meio profissional levado a sério. AGRADECIMENTOS Primeiramente gostaria de agradecer

Leia mais

Introdução ao ActionScript

Introdução ao ActionScript Introdução ao ActionScript Grupo de Estudos de Actionscript 3.0 Fábio Flatschart Fábio Flatschart Consultor da Adobe Systems do Brasil Consultor da subárea de Internet da Gerência de Desenvolvimento (GD2)

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

Um Protótipo de Editor de Imagens via Web

Um Protótipo de Editor de Imagens via Web Um Protótipo de Editor de Imagens via Web Thiago Silva Borges 1, Jackson Gomes de Souza 1 1 Sistemas de Informação Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Palmas TO Brasil {thiago,jgomes}@ulbra-to.br

Leia mais

Table 1. Dados do trabalho

Table 1. Dados do trabalho Título: Desenvolvimento de geradores de aplicação configuráveis por linguagens de padrões Aluno: Edison Kicho Shimabukuro Junior Orientador: Prof. Dr. Paulo Cesar Masiero Co-Orientadora: Prof a. Dr. Rosana

Leia mais

Prezado Senhor, Em prosseguimento aos nossos entendimentos, estamos formalizando a nossa proposta para desenvolvimento do site da Digivox.

Prezado Senhor, Em prosseguimento aos nossos entendimentos, estamos formalizando a nossa proposta para desenvolvimento do site da Digivox. João Pessoa, 18 de Agosto de 2015. Prezado Senhor, Em prosseguimento aos nossos entendimentos, estamos formalizando a nossa proposta para desenvolvimento do site da Digivox. 1. Projeto Desenvolvimento

Leia mais

Produto IV: ATU SAAP. Manual de Referência

Produto IV: ATU SAAP. Manual de Referência Produto IV: ATU SAAP Manual de Referência Pablo Nogueira Oliveira Termo de Referência nº 129275 Contrato Número 2008/000988 Brasília, 30 de outubro de 2008 1 Sistema de Apoio à Ativideade Parlamentar SAAP

Leia mais

CRIANDO UM SITE RESPONSIVO COM W O R D P R E S S. Autores: Marcel Ferrante Silva

CRIANDO UM SITE RESPONSIVO COM W O R D P R E S S. Autores: Marcel Ferrante Silva CRIANDO UM SITE RESPONSIVO COM W O R D P R E S S Autores: Marcel Ferrante Silva Apresentação Marcel Ferrante marcelf@gmail.com Prof. Adjunto no Curso de Gestão da Informação/UFG (2014) Doutor em Ciência

Leia mais