PAIR. Material Didático PROGRAMA DE AÇÕES INTEGRADAS E REFERENCIAIS DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL INFANTOJUVENIL NO TERRITÓRIO BRASILEIRO PAIR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PAIR. Material Didático PROGRAMA DE AÇÕES INTEGRADAS E REFERENCIAIS DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL INFANTOJUVENIL NO TERRITÓRIO BRASILEIRO PAIR"

Transcrição

1 PAIR Material Didático PROGRAMA DE AÇÕES INTEGRADAS E REFERENCIAIS DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL INFANTOJUVENIL NO TERRITÓRIO BRASILEIRO PAIR 1 Passo a passo da metodologia

2 2

3 Material Didático PROGRAMA DE AÇÕES INTEGRADAS E REFERENCIAIS DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL INFANTOJUVENIL NO TERRITÓRIO BRASILEIRO PAIR 1 Passo a passo da metodologia 3

4 Presidenta da República Dilma Vana Rousseff Vice-Presidente da República Michel Miguel Elias Temer Lulia Ministra de Estado Chefe da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República Maria do Rosário Nunes Secretário Executivo da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República Ramaís de Castro Silveira Secretária Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Carmen Silveira de Oliveira Diretora do Departamento de Políticas Temáticas dos Direitos da Criança e do Adolescente Marcia Ustra Soares Coordenadora do Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Leila Regina Paiva de Souza Reitora da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Célia Maria da Silva Correa Oliveira Pró Reitora de Extensão e Assuntos Estudantis Thelma Lucchese Cheung Coordenador do Programa Escola de Conselhos da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Antonio José Angelo Motti 4

5 Sumário Apresentação Articulação Político-institucional Graça Gadelha Diagnóstico Rápido Participativo Adriana Teruya Maekawa e Maria de Lourdes Jeffery Contini Seminário para construção do Plano Operativo Local Ângelo Motti Capacitação da Rede Local Sandra Amorim A Assessoria Técnica no PAIR Ângelo Motti e Sandra Santos O processo de monitoramento e avaliação do Plano Operativo Local Eliane Bispo Campelo, Fernando Luz e Leila Paiva Elaboração, execução e monitoramento de Projetos Ivan Carvalho e Leila Paiva Anexo 1: Manual do Pesquisador - Orientações importantes para as equipes que realizarão o Diagnóstico Rápido Participativo (DRP Anexo 2: DRP Formulário 1: CMDCA Anexo 3: DRP Formulário 2: Defesa e Responsabilização Anexo 4: DRP Formulário 3: Atendimento e Prevenção Anexo 5: DRP Formulário 4: Comunidade Anexo 6: DRP Formulário 5: Movimentos sociais Anexo 7: DRP Formulário 6: Setor Corporativo Anexo 8: Capacitação da Rede Local Matriz de Conteúdos Anexo 9: Instrumento de Monitoramento do POL

6 Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul e Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual de Crianças e Adolescentes SCS B, Qd 9, Lt C, Ed. Parque Cidade Corporate, Torre A, sala 805-B Brasília DF Telefone: (61) Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Pró-Reitoria de Extensão, Cultura e Assuntos Estudantis Cidade Universitária, Caixa Postal 549, CEP , Campo Grande MS Telefone/Fax: (67) Esta publicação é resultado de Convênio /2008 entre a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República e a Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. A reprodução do todo ou parte deste documento é permitida somente para fins não lucrativos e com a autorização prévia e formal da SDH/PR. Título original: PAIR Programa de Ações Integradas e Referenciais de Enfrentamento da Violência Sexual Infantojuvenil no Território Brasileiro Conteúdo disponível também no site da SDH Tiragem desta edição: exemplares Impresso no Brasil Organização Ângelo Motti Eliane Bispo Fernando Luz Graça Gadelha Leila Paiva Revisão Edmilson Nascimento da Silva Diagramação Rogério Anderson Ilustração Rodrigo Mafra 6

7 Apresentação O Pair Programa de Ações Integradas e Referenciais de Enfrentamento da Violência Sexual Infantojuvenil no Território Brasileiro - é um programa implementado pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República desde Integrar políticas e desenvolver metodologias adequadas que possam ser disseminadas e replicadas foram (e estão sendo) objetivos centrais do Programa. O PAIR tem como base de intervenção o município e está pautado nos eixos do Plano Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Infantojuvenil. A metodologia do PAIR teve sua ação experimental desenvolvida em seis municípios/estados no período de 2003 a 2005, tendo como marco orientador e como base para intervenção os eixos do Plano Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Infantojuvenil. Atualmente, a metodologia do PAIR está em franco processo de expansão, hoje atingindo mais de 500 municípios, em 22 Estados brasileiros. A metodologia do PAIR prevê algumas etapas para o desenvolvimento de seus objetivos e metas estratégicas, destacando-se: a articulação política de cada município; a formação de um grupo intersetorial em cada cidade; a realização de um Diagnóstico Rápido Participativo que desvele a ocorrência do fenômeno da violência sexual; a realização de um grande Seminário Municipal para debater o problema e construir coletivamente um Plano Operativo Local POL, que operacionalize o Plano Municipal de Enfrentamento da Violência Sexual contra crianças e Adolescentes; a escolha da Comissão Local que cuidará da efetivação do POL por meio de um processo de monitoramento; a Capacitação da Rede; e o Assessoramento Técnico sistemático. Esta Publicação está organizada em dois volumes: 1- Apresenta textos que descrevem de forma direta o passo a passo da metodologia do PAIR; 2- Apresenta os conteúdos produzidos para os processos de capacitação da rede na área violência sexual. Esperamos que estes Cadernos possam ser instrumentos facilitadores da implementação da metodologia do PAIR e do processo de especialização das redes de atenção a crianças e adolescentes no Brasil. Instituto Aliança Escola de Conselhos - UFMS Secretaria dos Direitos Humanos da Presidência da República 7

8 8

9 ARTICULAÇÃO POLÍTICO-INSTITUCIONAL Graça Gadelha APRESENTAÇÃO Em 2002, o Programa de Ações Integradas e Referenciais de Enfrentamento da Violência Sexual Infantojuvenil no Território Brasileiro (PAIR) foi concebido como uma experiência-piloto de operacionalização das diretrizes e metas estabelecidas no Plano Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual Infantojuvenil, aprovado em A construção do Plano Nacional foi marcada por um intenso processo de mobilização social. Dentre as diretrizes estabelecidas destacam-se: a) a integração das políticas públicas, a partir das ações desenvolvidas pela sociedade civil e poder público, de forma descentralizada; e b) a construção de planos locais de enfrentamento à violência sexual contra crianças e adolescentes nos estados e municípios, tendo como base os seis eixos programáticos estabelecidos no Plano Nacional: Análise da Situação, Mobilização e Articulação, Defesa e Responsabilização, Atendimento, Prevenção e Protagonismo Juvenil. O Plano Nacional reafirma os princípios da proteção integral e propõe o desenvolvimento de ações articuladas e de intervenções qualificadas dos pontos de vista técnico e político nas questões relacionadas às violências sexuais praticadas contra crianças e adolescentes. Para o Comitê Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes, esse documento acabou tornando-se referência para a sociedade civil organizada e para as três instâncias do poder federativo brasileiro. Nele estão contidas as diretrizes que oferecem uma síntese metodológica para a (re)estruturação de políticas, programas e serviços de enfrentamento à violência sexual, consolidando a articulação como eixo estratégico e os direitos humanos sexuais da criança e do adolescente como questão estruturante. 9

10 Por ocasião da aprovação do referido Plano, os participantes firmaram a Carta de Natal, ressaltando-se dentre os compromissos pactuados, no campo da mobilização e da articulação, os seguintes itens:. que sejam respeitadas as identidades, competências e responsabilidades próprias de cada órgão, entidade ou instância de decisão, sendo a ARTICULAÇÃO uma estratégia permanente entre todos os operadores de ações pertinentes ao Plano Nacional; que os Conselhos dos Direitos sejam respeitados como legítima instância formal e legal de deliberação das diretrizes de políticas para crianças e adolescentes e os Fóruns como instrumentos mobilizadores da sociedade e de fortalecimento de suas instituições. Seguindo a lógica estabelecida pelo Plano Nacional, a proposta metodológica do PAIR foi construída elegendo como princípios sustentadores: a) a integração das políticas públicas nos níveis federal, estadual e municipal e esses entre si; b) o desenvolvimento de ações compartilhadas entre os diversos órgãos do poder público e as organizações da sociedade civil; e c) o fortalecimento das ações locais, tendo por referência a construção de Planos Operativos em cada município, organizados a partir dos seis eixos do Plano Nacional. A pergunta que orientou a proposta metodológica do PAIR como construir nos municípios ações referenciais/metodológicas de enfrentamento às situações de violência sexual contra crianças e adolescentes para tornar operativo o Plano Nacional? encontra respaldo no artigo 86 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA): A política de atendimento dos direitos da criança e do adolescente far-se-á através de um conjunto articulado de ações governamentais e não-governamentais da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios. Para operacionalização desse dispositivo, no tocante ao enfrentamento da violência sexual contra crianças e adolescentes, a metodologia do PAIR propõe uma necessária compatibilização entre os eixos do Sistema de 10

11 Garantia de Direitos (SGD) e os seis eixos norteadores do Plano Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual Infantojuvenil, conforme diagrama abaixo: Sistema de Garantia de Direitos Promoção Controle Defesa Análise da Situação Atendimento Prevenção Articulação e Mobilização Protagonismo Juvenil Defesa e Responsabilização Referência Metodológica Plano Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Infantojuvenil Eixo norteador: Articulação em Rede Base de Intervenção: Município / Empoderamento local Para dar concretude às diretrizes do ECA, as políticas públicas devem ser organizadas segundo os princípios da municipalização/descentralização, da articulação de ações governamentais e não-governamentais e da participação da população, por meio de diversos conselhos, especialmente o Conselho dos Direitos da Criança e do Adolescente e o Conselho Tutelar. 11

12 Por outro lado, o desafio de construir uma política de atenção às crianças e aos adolescentes pressupõe a convergência de princípios e esforços no sentido de assegurar o acesso (a) às políticas sociais básicas (universalização do atendimento), como saúde e educação; (b) à política de assistência social, em caso de risco e vulnerabilidade social; e (c) às políticas de garantia de direitos, para as situações de ameaça ou a sua violação. Esse conjunto de princípios e diretrizes gera impacto direto nas diferentes e complexas realidades dos municípios brasileiros. O tamanho da população de um município vai além de uma questão numérica e deve ser considerado ao se pensar em estratégia de formulação, implementação e descentralização de políticas públicas. Ser um grande ou um pequeno município (no que diz respeito ao porte populacional) revela ainda diferenças na capacidade de produzir e consumir bens e serviços; na gestão e na estruturação dos serviços e das políticas para os seus habitantes. Essas diferentes realidades demandam formulação e aprimoramento de políticas diferenciadas, pois, nos impõem a necessidade de compreender a dinâmica que os fenômenos adquirem na escala local 1 Nessa perspectiva, considerando que o Brasil possui municípios, dos quais 70% com população de no máximo habitantes, a proposta metodológica do PAIR prevê estratégias diferenciadas nos processos de articulação e mobilização, reconhecendo os contextos e as peculiaridades de cada município, resguardando sua autonomia e criatividade dos entes políticos e demais parceiros envolvidos nas ações a serem desenvolvidas pelo programa. Compreender essa diversidade e reconhecer essa diferença é fundamental no processo de implementação da metodologia do PAIR. Objetivos da Etapa Articulação Político-institucional A Articulação Político-institucional constitui um dos primeiros e mais importantes componentes da metodologia do PAIR. Uma condição imprescindível ao processo de implantação do PAIR em cada município consiste em estabelecer uma sólida articulação com gestores públicos, buscando a sua plena adesão. 1 Cartilha PAIR: Uma proposta metodológica para mobilização, articulação e formação de redes para o enfrentamento da violência sexual contra crianças e adolescentes Eliane Monteiro Bispo Campelo, Fernando Luz Carvalho e Leila Paiva, SDH/PR,

13 Esta etapa é estruturante para a efetiva operacionalização do PAIR em cada município. O desenvolvimento de ações nesta etapa se propõe alcançar o objetivo geral e os objetivos do eixo Mobilização e Articulação do Plano Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Infantojuvenil, conforme demonstrado no quadro a seguir: Objetivo Geral do Plano Nacional: Estabelecer um conjunto de ações articuladas que permita a intervenção técnico-política e financeira para o enfrentamento da violência sexual contra crianças e adolescentes Objetivo Geral Eixo do Plano e Etapa do PAIR Plano Nacional Eixo: Mobilização e Articulação Fortalecer as articulações nacionais, regionais e locais de combate e pela eliminação da violência sexual; comprometer a sociedade civil no enfrentamento dessa problemática; divulgar o posicionamento do Brasil em relação ao sexo turismo e ao tráfico para fins sexuais e avaliar os impactos e resultados das ações de mobilização PAIR Etapa: Articulação Político-institucional Apresentar aos gestores a proposta de trabalho do PAIR e promover a mobilização das forças locais para a necessária sensibilização e mobilização em torno da problemática da violência sexual contra crianças e adolescentes Objetivos Específicos Promover ações de sensibilização junto aos gestores públicos, para o efetivo envolvimento de suas respectivas áreas de responsabilidade no enfrentamento ao tráfico e exploração sexual de crianças e adolescentes 13

14 Articular organismos nacionais e internacionais que tenham atuação na área de proteção à infância e adolescência, visando seu engajamento em ações de mobilização da sociedade para o enfrentamento das situações de exploração sexual de crianças e adolescentes e tráfico para esse fim. Subsidiar tecnicamente os organismos locais na adequação de linguagem e mensagem quando do desenvolvimento de campanhas de conscientização, com a participação de formadores de opinião, para mobilização do público contra a exploração sexual de crianças e adolescentes Fortalecer as articulações nacionais, regionais e locais de combate à violência sexual Infantojuvenil, em especial os conselhos, fóruns, comissões e comitês, enquanto instâncias privilegiadas na formulação de políticas, programas e ações dirigidas ao atendimento e defesa de direitos de crianças e adolescentes Desenvolver campanhas de mobilização dos diversos segmentos, notadamente a mídia, setores produtivos e, em especial, aqueles que, comprovadamente, constituem fatores de risco à população Infantojuvenil, dado o envolvimento em situações ou esquemas de aliciamento e exploração sexual comercial Relevante destacar que os indicadores propostos pelo Plano Nacional em relação ao eixo Mobilização e Articulação possibilitam analisar o nível de comprometimento do poder público e da sociedade civil no enfrentamento da situação de violência sexual Infantojuvenil no Brasil, tendo sido definidos os seguintes objetivos: Objetivo 1 Comprometer a sociedade civil no enfrentamento à violência sexual. Proporção de órgãos governamentais e ONGs que participam de projetos de enfrentamento à violência sexual. Objetivo 2 Fortalecer articulações nacionais, regionais e locais no combate e eliminação da violência sexual. Proporção de entidades com bancos de dados informatizados associadas às outras entidades locais e estaduais. O processo de mobilização social tem, portanto, como propósito promover e estimular a articulação entre diferentes instâncias e atores, e aponta para a construção e/ou fortalecimento de Redes de Proteção que assegurem o fim da violência contra crianças e adolescentes. 14

15 O PASSO A PASSO DO COMPONENTE DE ARTICULAÇÃO POLÍTICO-INSTITUCIONAL A primeira estratégia da metodologia do PAIR consiste na articulação política e institucional junto aos gestores e sociedade civil nos estados e municípios onde o programa será implantado. Essa ação é viabilizada por meio da realização de visitas e reuniões de articulação visando promover a mobilização das forças locais para o enfrentamento da violência sexual cometida contra crianças e adolescentes. A articulação política e institucional deve se dar inicialmente no âmbito estadual, comprometendo gestores e técnicos, para que as ações de enfrentamento nessa área estejam interligadas e integradas, considerando os diferentes níveis de gestão. Ao estado cabe disponibilizar apoio político e técnico, como também suporte logístico para o desenvolvimento das ações. Ao município compete assumir a gestão do PAIR. A articulação entre o estado e o município, como instâncias competenciais na coordenação e execução das políticas públicas, funciona como uma resposta concreta aos avanços das redes organizadas que atuam nessa área, sobretudo na modalidade do tráfico de crianças e adolescentes para fins de exploração sexual. Para melhor compreensão de como se dá o processo de articulação político-institucional, a seguir são detalhadas as seguintes fases: 1ª fase: Articulação Nacional cabe à Comissão Intersetorial de Enfrentamento à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes, por meio do PNVESCA, a tarefa de mobilizar os organismos públicos no âmbito estadual (secretarias e congêneres) que possuam representações ou serviços no município, como também as representações de organismos federais (superintendências, delegacias, escritórios) para fortalecimento das ações do PAIR no âmbito municipal. O agendamento dessas audiências deve incluir representantes dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário e o setor privado. Esse trabalho busca promover o envolvimento e comprometer todos os setores das políticas públicas vinculados aos três níveis de governo e da iniciativa privada no desenvolvimento de ações integradas para o enfrentamento da violência sexual contra crianças e adolescentes em cada município; 15

16 destaca-se, no conjunto dos atores mobilizados, o papel do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente (CEDCA); ressalta-se ainda a importância da articulação com a Associação Brasileira de Magistrados, Promotores e Defensores da Infância e Juventude (ABMP) para fomentar a participação e envolvimento de seus representantes em âmbito local no processo de implantação do PAIR e até mesmo para levar ao conhecimento de seus pares a metodologia, enquanto estratégia de fortalecimento e articulação da rede de defesa e responsabilização. Do mesmo modo, outras instâncias podem ser provocadas, como o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), a Associação de Juízes para a Democracia (AJD), etc. 2ª fase Constituição de uma Comissão Intersetorial Estadual a mobilização dessas instâncias e atores estratégicos deve culminar com a formação dessa Comissão Intersetorial, que passa a responder pelas ações de articulações políticas no âmbito do Estado, com o fim de assegurar aos gestores municipais o apoio necessário, de caráter complementar, para implementação do PAIR; com o apoio do CEDCA, essa comissão deve mobilizar as suas representações, secretarias e serviços para efetiva participação nas diversas etapas de implementação do PAIR, especialmente quando do desenvolvimento das atividades previstas no Plano Operativo Local (POL). É fundamental contar com a participação de representantes da sociedade civil na comissão. 3ª fase Articulação dos atores estratégicos municipais Na etapa inicial de implementação do PAIR no município, o grande desafio é assegurar o envolvimento e compromisso do: Prefeito Municipal, que tem um papel político preponderante, cuja adesão e compromisso são essenciais para assegurar a efetiva implementação do PAIR nas suas diferentes etapas em seu município; e do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA), instância pública referencial na formulação e controle da Política Municipal de Proteção Integral à Criança e ao Adolescente. Nessa perspectiva, a metodologia do PAIR considera o CMDCA um dos principais interlocutores no processo de implementação local das ações de enfrentamento da violência sexual contra crianças e adolescentes. 16

17 4ª fase Constituição da Comissão Local Provisória com o apoio dos governos federal e estadual, no âmbito de suas respectivas comissões intersetoriais, deve ser agendada reunião com o gestor municipal e representantes de órgãos públicos municipais que têm relação com o tema, sobretudo o CMDCA para criação de uma Comissão Local Provisória, de caráter intersetorial, responsável pela deflagração do processo de implementação do PAIR no município; essa Comissão deve ser vinculada ao CMDCA, funcionando, preferencialmente, como uma comissão temática deste colegiado, com o objetivo de pautar o tema violência sexual no campo da formulação de políticas públicas locais e de controle das ações nesta área; conselhos tutelares e os demais conselhos setoriais, os fóruns, as redes e comitês de enfrentamento da violência sexual Infantojuvenil, as ONGs, sindicatos e empresas são considerados parceiros fundamentais na formação dessa comissão; 5ª fase Constituição da Comissão Local por ocasião da realização do Seminário Municipal para Construção do Plano Operativo Local (POL) os participantes, que representam os diferentes órgãos e segmentos, escolhem a Comissão Local, que passa a ser responsável pelo monitoramento das ações de enfrentamento da violência sexual no município, tendo por referência o POL; a Comissão Local deve ser composta por representantes da Rede de Enfrentamento à Violência Sexual Infantojuvenil (se houver) e profissionais das áreas da saúde, educação, assistência social, segurança. Justiça, direitos humanos, turismo, dentre outras. A principal característica dessa comissão é a intersetorialidade, com a responsabilidade de promover a articulação político-institucional, com o objetivo de assegurar o agendamento das entrevistas para a realização do Diagnóstico Rápido Participativo (DRP) e a organização do Seminário para Construção do Plano Operativo Local. destacar a importância de que instituições que integram o eixo Defesa e Responsabilização sejam instadas a participar da Comissão Local de monitoramento do POL composta no seminário, para que possam acompanhar mais de perto o nível de implementação das respostas aos problemas levantados no POL. 17

18 sugere-se que o CMDCA assuma a liderança desse processo, aprovando e ratificando, mediante resolução, a criação dessa Comissão Local, como responsável pelo monitoramento e avaliação dessas ações, e que passa a funcionar como uma comissão temática do CMDCA. Essa iniciativa representa a culminância do processo de articulação político-institucional no âmbito do município, ressaltado como indiscutível o papel do CMDCA como instância de formulação e controle de políticas públicas nessa área. 6ª fase Implantação do PAIR no município Como resultado prático das reuniões realizadas e dos pactos firmados, a Comissão Local deve propor a elaboração de um cronograma das atividades a serem desenvolvidas, contando-se, em cada uma dessas etapas, com parceiros estratégicos, a seguir assinalados: Etapa/Atividade Diagnóstico Rápido e Participativo (DRP) instrumento que possibilita o conhecimento dos fatores que caracterizam a ocorrência do fenômeno no município, bem como do nível de organização e distribuição geográfica dos serviços da Rede local Principais Parceiros/Interlocutores CMDCA, instituições de ensino e pesquisa, órgãos públicos que atuam na área de estudos e pesquisa Seminário para Construção do Plano Operativo Local (POL) espaço que amplia a discussão para conhecer os dados disponíveis, a partir de uma sondagem inicial sobre o nível de compreensão acerca da violência sexual contra crianças e adolescentes Instâncias que executam políticas públicas (ampliar a base de parceiros com áreas que fazem interface com o tema violência sexual) Mídia Parlamentares Organizações juvenis Movimentos sociais É fundamental incitar a participação de delegados, agentes de polícia militar, civil, federal e rodoviária federal, juízes, defensores e promotores 18

19 Capacitação da Rede sobre o tema, realizada a partir de uma matriz já estruturada e dirigida aos agentes públicos e sociais que integram a Rede de Proteção para uma atuação qualificada nessa área. Nessa ocasião, é realizada uma revisão do POL, como também a formalização de Pactos com a Sociedade que visam assegurar o compromisso dos governos federal, estaduais e municipa is para o cumprimento das metas previstas no POL Assessoramento técnico aos profissionais vinculados aos serviços da Rede de Proteção, com a participação de consultores especializados para repasse de metodologias eficazes de intervenção nos casos de violência sexual Monitoramento e avaliação das ações que compõem os Planos Operativos, juntamente com as Comissões Locais Atores que integram o Sistema de Garantia de Direitos Instituições e organizações que atuam com temáticas que têm interface com a discussão da situação de crianças e adolescentes: iniquidades regionais; gênero; LGBTT; étnico-racial; pessoas com deficiência. A proposta consiste em ampliar a rede do PAIR, incluindo atores que podem contribuir para o diagnóstico, capacitação e produção de materiais. Reafirma-se a necessidade de assegurar a participação de adolescentes e jovens também nesta etapa Profissionais vinculados à Rede Socioassistencial (Cras, Creas, espaços de acolhimento familiar e institucional), ONGs que atuam no atendimento direto; membros de conselhos tutelares; profissionais dos sistemas de segurança e justiça Universidades Representante do Ministério Público Recomenda-se, ainda, que, para garantir a sustentabilidade das ações, a Comissão Local promova articulações político-institucionais com as universidades, objetivando qualificar as ações, em diferentes níveis, sinalizando também a possibilidade de esses novos atores estratégicos virem a se aproximar mais do tema e da Rede de Proteção local. O papel das universidades no processo de mobilização para implantação do PAIR é referencial, considerando as seguintes possibilidades de parceria técnica: produção de informações por meio de diagnósticos que subsidiem uma compreensão crítica do fenômeno; produção de indicadores para o monitoramento das políticas públicas e capacitação instrumental-reflexiva de atores sociais para a formulação e a avaliação das políticas públicas; como também a sistematização das experiências desenvolvidas em cada município para reedição da metodologia. 19

20 A mídia exerce papel relevante no enfrentamento da violência sexual contra a criança e o adolescente, na medida em que promove e fortalece o debate crítico em torno das políticas voltadas para esse segmento. O trabalho da mídia pode contribuir de forma significativa em diferentes níveis (seja na cobrança às autoridades, na visibilidade das ações desenvolvidas pelos projetos que atuam nessa área e na exposição de redes criminosas), razão pela qual a sua participação é considerada fundamental no processo de implementação do PAIR. No decorrer das ações de articulação, ressalta-se também o papel do setor privado como estratégico no desenvolvimento de parcerias que possam responder às efetivas demandas no campo da empregabilidade de adolescentes e jovens em situação de violência sexual. Articular e comprometer pessoas que atuam nessa área pode se revelar uma eficiente estratégia para o desenvolvimento também de outras iniciativas no âmbito do PAIR, como, por exemplo, a realização de campanhas de sensibilização e conscientização sobre o tema. Destaca-se também a imprescindível contribuição das Frentes Parlamentares pela Infância, sobretudo pela capacidade e poder político na proposição de iniciativas capazes de contribuir para uma substancial mudança na qualidade de vida das crianças e adolescentes vítimas de violência sexual. Por fim, vale destacar a especial atenção que deve ser dada ao processo de articulação com as instituições que integram o eixo de Defesa e Responsabilização. Isso porque, não só a experiência da implantação do PAIR desde 2003, como também a percepção do movimento social que milita em torno dessa causa, apontam que as maiores dificuldades para efetivação do Plano Nacional residem nas ações de articulação com esse eixo. Nesse sentido, estratégias próprias para articulação e mobilização desse segmento devem ser pensadas e estruturadas nos âmbitos nacional, estadual e municipal. Pelo conjunto das articulações propostas, resulta evidente que as ações de mobilização realizadas pela Comissão Intersetorial (Nacional e Estadual) devem criar um ambiente favorável à efetiva implementação do PAIR nos municípios. Nessa perspectiva, quanto mais atores organizados estiverem reunidos em torno de um mesmo objetivo, maior será o potencial da Rede de Proteção para o enfrentamento desse fenômeno no âmbito local. 20

21 DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO Maria de Lourdes Jeffery Contini Adriana Teruya Maekawa APRESENTAÇÃO Este módulo tem como foco o Diagnóstico Rápido Participativo (DRP). Apresenta, portanto, os objetivos, a justificativa, a metodologia e a importância do DRP na implantação do Programa de Ações Integradas e Referenciais de Enfrentamento à Violência Sexual Infantojuvenil no Território Brasileiro (PAIR). Para a realização do DRP, é importante que o Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA) e a Comissão Provisória Local, formada na etapa Articulação Político-institucional, compreendam os objetivos do PAIR. Essa etapa resultará na produção de um documento a ser utilizado em todas as etapas subsequentes, como base de dados, análise e monitoramento para a proposição das ações construídas pelos atores da Rede de Proteção no enfrentamento da violência sexual Infantojuvenil. Bom trabalho! O que é o DRP? O Diagnóstico 1 Rápido Participativo (DRP) é a segunda etapa do PAIR. É descrito metodologicamente como parte do processo de implementação de um programa que procura integrar políticas para a construção de uma agenda comum de trabalho, entre governos, sociedade civil e organismos internacionais, visando ao desenvolvimento de ações articuladas e referenciais de proteção a crianças e adolescentes vulneráveis ou vítimas de violência sexual. 1 Diagnóstico: descrição minuciosa do objeto de estudo e do fenômeno como um todo feita por um pesquisador; fotografia do objeto de estudo. 21

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Mostrando que a proteção de nossas crianças e adolescentes também está em fase de crescimento Subsecretaria de Promoção

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR Presidência da República Secretaria de Direitos Humanos Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Departamento de Políticas Temáticas dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

Eixos do Plano de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes do Município de Palmas

Eixos do Plano de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes do Município de Palmas Eixos do Plano de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes do Município de Palmas Período de execução 2015/2019 EIXO PREVENÇÃO EIXO - PREVENÇÃO Objetivo: Assegurar ações preventivas

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria Especial dos Direitos Humanos Subsecretaria de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria Especial dos Direitos Humanos Subsecretaria de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria Especial dos Direitos Humanos Subsecretaria de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Programa de Ações Integradas e Referenciais de Enfrentamento à Violência

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes.

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes. Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes. Crescendo junto com o Brasil. Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria

Leia mais

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS 8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS DOCUMENTO FINAL EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ações de mobilização: 1. Ampla mobilização, por

Leia mais

P A I R. Secretaria Especial dos Direitos Humanos Presidência da República

P A I R. Secretaria Especial dos Direitos Humanos Presidência da República P A I R Secretaria Especial dos Direitos Humanos Presidência da República GESTÃO E EXECUÇÃO Gestão Estratégica: Subsecretaria de Promoção dos Direitos da Criança a e do Adolescente - SPDCA Secretaria Especial

Leia mais

O Desafio da Implementação das Políticas Transversais

O Desafio da Implementação das Políticas Transversais O Desafio da Implementação das Políticas Transversais Professora: Juliana Petrocelli Período: Novembro de 2013 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS SECRETARIA NACIONAL DE PROMOÇÃO DOS

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE APRESENTAÇÃO: A violência sexual contra a criança e o adolescente tem sido um problema de difícil enfrentamento por

Leia mais

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da política e do Plano Decenal

Leia mais

Tourisme sexuel impliquant des enfants & grands

Tourisme sexuel impliquant des enfants & grands Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Conférence Internationale Tourisme sexuel impliquant des enfants & grands

Leia mais

EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente nos âmbitos

Leia mais

Ananindeua, Rurópolis, Belterra, Santarém, Novo Progresso, Trairão, Itaituba, Alenquer, Portel, Breves, Souré, Salvaterra.

Ananindeua, Rurópolis, Belterra, Santarém, Novo Progresso, Trairão, Itaituba, Alenquer, Portel, Breves, Souré, Salvaterra. I-IDENTIFICAÇÃO 1. INSTITUIÇÃO Universidade Federal do Pará 2. UNIDADE ACADÊMICA/ CAMPI/ NÚCLEO DEPARTAMENTO/ COLEGIADO Instituto de Ciências da Educação / Programa de Pós-Graduação em Educação / Núcleo

Leia mais

Os Atores do Sistema de Garantia aos Direitos da Criança e do Adolescente e o Significado do Controle Social

Os Atores do Sistema de Garantia aos Direitos da Criança e do Adolescente e o Significado do Controle Social Os Atores do Sistema de Garantia aos Direitos da Criança e do Adolescente e o Significado do Controle Social INGRID CATARINA SOLEDADE CALASANS ingridcalasans@gmail.com ARYADNE MARTINS SOARES BOHRER aryadneadv@gmail.com

Leia mais

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 CONSELHO ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE MINAS GERAIS DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 A Diretoria Executiva do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social O PETI e o Trabalho em Rede Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social Articulação da rede de serviços socioassistenciais Proteção

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

REGIÃO SUL. Grupo 1 EXPLORAÇÃO SEXUAL Políticas Envolvidas. Assistência Social. Saúde. Segurança pública. Sistema de justiça. Turismo.

REGIÃO SUL. Grupo 1 EXPLORAÇÃO SEXUAL Políticas Envolvidas. Assistência Social. Saúde. Segurança pública. Sistema de justiça. Turismo. REGIÃO SUL Eixos de Atuação 1. Informação e Mobilização Planejamento das Ações Intersetoriais 1.1 Realizar campanhas articuladas entre as políticas para prevenção do turismo sexual (agentes de saúde, professores

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 101 DE 17 DE MARÇO DE 2005 (*)

RESOLUÇÃO Nº 101 DE 17 DE MARÇO DE 2005 (*) RESOLUÇÃO Nº 101 DE 17 DE MARÇO DE 2005 (*) Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente Dispõe sobre os Procedimentos e critérios para a aprovação de projetos a serem financiados com recursos

Leia mais

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente

Leia mais

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI)

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) Presidência da República Controladoria-Geral da União Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL (PETI) O PETI é um programa do Governo Federal que

Leia mais

Articular o Conselho Escolar, os Grêmios Estudantis, os trabalhadores de educação, as Associações de Pais e Mestres e a comunidade em geral.

Articular o Conselho Escolar, os Grêmios Estudantis, os trabalhadores de educação, as Associações de Pais e Mestres e a comunidade em geral. EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente nos âmbitos federal, estadual,

Leia mais

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes 1. Introdução Fenômeno dos mais graves de nosso tempo, a exploração sexual-comercial de crianças e adolescentes não deve ser

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

CARTA DA BAHIA. Tema: ENFRENTAMENTO AO ABUSO E A EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

CARTA DA BAHIA. Tema: ENFRENTAMENTO AO ABUSO E A EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES CARTA DA BAHIA O Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente- CONANDA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei Federal no 8.242, de 12 de outubro de 1991, e pelo seu Regimento

Leia mais

I Oficina com os Estados: Fortalecer a Gestão para Concretizar a Proteção Social

I Oficina com os Estados: Fortalecer a Gestão para Concretizar a Proteção Social I Oficina com os Estados: Fortalecer a Gestão para Concretizar a Proteção Social OFICINAS DO XIV ENCONTRO NACIONAL DO CONGEMAS ENFRENTAMENTO AO TRABALHO INFANTIL NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA Nivia Maria

Leia mais

DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS AS E ADOLESCENTES NO BRASIL.

DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS AS E ADOLESCENTES NO BRASIL. PRINCÍPIOS PIOS DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS AS E ADOLESCENTES NO BRASIL. Contextualização A elaboração da Política Nacional e do Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

Carta Unir para Cuidar Apresentação

Carta Unir para Cuidar Apresentação Carta Unir para Cuidar Apresentação Durante o 17º Encontro Nacional de Apoio à Adoção (ENAPA), na capital federal, de 07 a 09 de junho de 2012, as entidades participantes assumem, com esta carta de compromisso,

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

14/Mar/2013 :: Edição 31 ::

14/Mar/2013 :: Edição 31 :: 14/Mar/2013 :: Edição 31 :: Cadernos do Poder Executivo Poder Geraldo Julio de Mello Filho Executivo DECRETO Nº 26.993 DE 13 DE MARÇO DE 2013 EMENTA: Descreve as competências e atribuições dos cargos comissionados

Leia mais

FORTALECIMENTO DO SISTEMA DE GARANTIA DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE EQUIPAGEM ORIENTAÇÕES AOS GESTORES LOCAIS

FORTALECIMENTO DO SISTEMA DE GARANTIA DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE EQUIPAGEM ORIENTAÇÕES AOS GESTORES LOCAIS FORTALECIMENTO DO SISTEMA DE GARANTIA DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Conselho Tutelar EQUIPAGEM DE CONSELHOS TUTELARES O trabalho da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.272, DE 25 DE AGOSTO DE 2010. Regulamenta a Lei n o 11.346, de 15 de setembro de 2006, que cria o Sistema Nacional de

Leia mais

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ VOCÊ É A PEÇA PRINCIPAL PARA ENFRENTAR ESTE PROBLEMA Brasília - DF 2008

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE JUSTIÇA, DIREITOS HUMANOS E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Superintendência de Apoio e Defesa aos Direitos Humanos

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE JUSTIÇA, DIREITOS HUMANOS E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Superintendência de Apoio e Defesa aos Direitos Humanos TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL DE SELEÇÃO DE ENTIDADES PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS N /2015: EXECUÇÃO DO PROGRAMA DE PROTEÇÃO A CRIANÇAS E ADOLESCENTES AMEAÇADOS DE MORTE NO ESTADO DA BAHIA (PPCAAM/BA).. 1.

Leia mais

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Módulo II - O provimento dos serviços socioassistenciais Proteção Social Especial Recife, fevereiro/2014 Conteúdo Programático

Leia mais

Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade

Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade EDITAL 2015 PROJETO BRA/11/023 Desenvolvimento de capacidades, de justiça econômica sustentável e promoção de boas

Leia mais

ANEXO II CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO E/ OU IMPLANTAÇÃO DE ÓRGÃOS COLEGIADOS E APOIO A FÓRUNS E REDES

ANEXO II CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO E/ OU IMPLANTAÇÃO DE ÓRGÃOS COLEGIADOS E APOIO A FÓRUNS E REDES ANEXO II CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO E/ OU IMPLANTAÇÃO DE ÓRGÃOS COLEGIADOS E APOIO A FÓRUNS E REDES I ÁREAS DE INTERESSE Criança e Adolescente Apoio aos Fóruns, Comitês, Associações

Leia mais

Breve Cronologia das Ações

Breve Cronologia das Ações A ECPAT nasce como campanha de mobilização contra o turismo sexual nos países asiáticos e, a partir de 1995, torna-se referência mundial no combate à exploração sexual comercial, à pornografia e ao tráfico

Leia mais

Secretaria dos Direitos Humanos Presidência da República ÍNDICE

Secretaria dos Direitos Humanos Presidência da República ÍNDICE Secretaria dos Direitos Humanos Presidência da República O QUE É O PLANTAR? O Plano Técnico de Articulação de Rede de Promoção dos Direitos da Pessoa Idosa (PLANTAR) é uma proposta metodológica que pretende

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA Comitê Intersetorial Direito à Convivência Familiar e Comunitária Porto Alegre, 9 de outubro de 2012 DIRETRIZES Fundamentação Plano Nacional Efetivação

Leia mais

EDITAL 02/2008 - PROJETO 914BRA1109 SELECIONA

EDITAL 02/2008 - PROJETO 914BRA1109 SELECIONA Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura EDITAL 02/2008 - PROJETO 914BRA1109 SELECIONA Consultor por Produto para Projeto da Organização das Nações Unidas para a Educação, a

Leia mais

Considerando o ensinamento lecionado no paragrafo único do art.134, da Lei Federal nº8.069/90;

Considerando o ensinamento lecionado no paragrafo único do art.134, da Lei Federal nº8.069/90; RESOLUÇÃO N. º 002/2015-CMDCA Dispõe sobre os parâmetros para a formação continuada de conselheiros de direitos e tutelares do Município de São Luis-MA. O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA FACULDADE DE PSICOLOGIA/UFAM Nº 03/2013 SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA ATUAÇÃO POR CURTO PRAZO

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA FACULDADE DE PSICOLOGIA/UFAM Nº 03/2013 SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA ATUAÇÃO POR CURTO PRAZO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS FACULDADE DE PSICOLOGIA Núcleo de Formação Continuada de Conselheiros dos Direitos e Conselheiros Tutelares do Estado do Amazonas Escola de Conselhos do Amazonas CHAMADA

Leia mais

NORMATIVAS INTERNACIONAIS Publicação/Origem

NORMATIVAS INTERNACIONAIS Publicação/Origem LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DO SERVIÇO DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA, ABUSO E EXPLORAÇÃO SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES 1. Marcos Lógicos NORMATIVAS INTERNACIONAIS DECLARAÇÃO DE GENEBRA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS PROJETO BRA/10/007

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS PROJETO BRA/10/007 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS PROJETO BRA/10/007 BOAS PRÁTICAS EM REDES NA IMPLANTAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA: SIPIA CONSELHO

Leia mais

PROPOSTAS APROVADAS NA PLENÁRIA FINAL DA VII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

PROPOSTAS APROVADAS NA PLENÁRIA FINAL DA VII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PROPOSTAS APROVADAS NA PLENÁRIA FINAL DA VII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL EIXO 1 Processo Histórico da Participação Popular no País: nossa cidade e territórios em movimento; Trajetória e

Leia mais

CARTA ABERTA DE INTENÇÕES DO II ENCONTRO DOS MUNICÍPIOS PARA COORDENAÇÃO DO ATENDIMENTO SOCIOEDUCATIVO AO ADOLESCENTE EM CASA

CARTA ABERTA DE INTENÇÕES DO II ENCONTRO DOS MUNICÍPIOS PARA COORDENAÇÃO DO ATENDIMENTO SOCIOEDUCATIVO AO ADOLESCENTE EM CASA CARTA ABERTA DE INTENÇÕES DO II ENCONTRO DOS MUNICÍPIOS PARA COORDEN DO ATENDIMENTO SOCIOEDUCATIVO AO ADOLESCENTE EM CASA Aos trinta dias do mês de novembro do ano de dois mil e sete, reuniram-se no município

Leia mais

SUGESTÕES DE COMO ABORDAR NAS EMPRESAS O TEMA DO ENFRENTAMENTO DA EXPLORAÇÃO SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES

SUGESTÕES DE COMO ABORDAR NAS EMPRESAS O TEMA DO ENFRENTAMENTO DA EXPLORAÇÃO SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES SUGESTÕES DE COMO ABORDAR NAS EMPRESAS O TEMA DO ENFRENTAMENTO DA EXPLORAÇÃO SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PRESIDENTA DA REPÚBLICA Dilma Vana Rousseff MINISTRA DE ESTADO CHEFE DA SECRETARIA DE

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS, DISTRITAL E ESTADUAIS DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE GUIA NÚMERO 1

ORIENTAÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS, DISTRITAL E ESTADUAIS DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE GUIA NÚMERO 1 ORIENTAÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS, DISTRITAL E ESTADUAIS DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE GUIA NÚMERO 1 SUMÁRIO Apresentação 03 Tema 06 Objetivos 06 Cronograma de realização

Leia mais

Seminário: Proteção Social e Trabalho Infantil

Seminário: Proteção Social e Trabalho Infantil Seminário: Proteção Social e Trabalho Infantil Enfrentamento ao trabalho infantil no Sistema Único de Assistência Social - SUAS 12 de junho de 2013 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome

Leia mais

Câmara Municipal de Uberaba A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904

Câmara Municipal de Uberaba A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904 A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904 Disciplina a Política Municipal de Enfrentamento à Violência Sexual e dá outras providências. O Povo do Município de Uberaba, Estado de Minas Gerais, por seus representantes

Leia mais

VIII CONFERENCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE UBERABA

VIII CONFERENCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE UBERABA VIII CONFERENCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE UBERABA 27 DE MARÇO DE 2015 CENTRO ADMINISTRATIVO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERABA TEMA: POLÍTICA E O PLANO DECENAL DE DIREITOS

Leia mais

FORTALECIMENTO DO SISTEMA DE GARANTIAS DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

FORTALECIMENTO DO SISTEMA DE GARANTIAS DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA (X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA FORTALECIMENTO

Leia mais

Rede de Defesa e Segurança

Rede de Defesa e Segurança Rede de Defesa e Segurança 1 PROGRAMA ALIANÇA PELA VIDA Objetivo: Estruturar ações integradas de prevenção, acolhimento e tratamento dos usuários e dependentes de álcool e outras drogas e seus familiares,

Leia mais

TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS

TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS Programação Primeiro Dia: I Seção Discutindo Papéis 1-8h30 às 12h30 Abertura e Boas-vindas Dinâmica de Apresentação Acordos de Convivência Trabalho

Leia mais

ANEXO III CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO A ESTUDOS, PESQUISAS E PROJETOS INOVADORES

ANEXO III CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO A ESTUDOS, PESQUISAS E PROJETOS INOVADORES ANEXO III CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO A ESTUDOS, PESQUISAS E PROJETOS INOVADORES I ÁREAS DE INTERESSE Criança e Adolescente Apoio a Estudos e Pesquisas e Projetos Inovadores para promoção,

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Institui a Política Nacional de Participação Social - PNPS e o Sistema Nacional de Participação

Leia mais

Histórico Rede Evangélica Nacional de Ação Social (RENAS) agosto de 2010 no Recife Transformando a sociedade a partir da igreja local

Histórico Rede Evangélica Nacional de Ação Social (RENAS) agosto de 2010 no Recife Transformando a sociedade a partir da igreja local Histórico Esta campanha tem sua origem no contexto do V Encontro Nacional da Rede Evangélica Nacional de Ação Social (RENAS) em agosto de 2010 no Recife PE. Nessa ocasião, o enfoque do evento foi: Transformando

Leia mais

Esta publicação tem por objetivo apresentar o Programa Cultura Viva, de responsabilidade da Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural do

Esta publicação tem por objetivo apresentar o Programa Cultura Viva, de responsabilidade da Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural do Esta publicação tem por objetivo apresentar o Programa Cultura Viva, de responsabilidade da Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural do Ministério da Cultura, de modo a facilitar sua compreensão

Leia mais

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República Participação Social como Método de Governo Secretaria-Geral da Presidência da República ... é importante lembrar que o destino de um país não se resume à ação de seu governo. Ele é o resultado do trabalho

Leia mais

BALANÇO SEMESTRAL DO DISQUE DIREITOS HUMANOS DISQUE 100 PESSOA IDOSA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

BALANÇO SEMESTRAL DO DISQUE DIREITOS HUMANOS DISQUE 100 PESSOA IDOSA PESSOA COM DEFICIÊNCIA BALANÇO SEMESTRAL DO DISQUE DIREITOS HUMANOS DISQUE 100 PESSOA IDOSA LGBT PESSOA COM DEFICIÊNCIA CRIANÇA E ADOLESCENTE POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA PESSOAS EM RESTRIÇÃO DE LIBERDADE BALANÇO SEMESTRAL

Leia mais

Critérios de Elegibilidade Resolução CNAS nº08/2013 e Resolução CNAS nº10/2014

Critérios de Elegibilidade Resolução CNAS nº08/2013 e Resolução CNAS nº10/2014 Critérios de Elegibilidade Resolução CNAS nº08/2013 e Resolução CNAS nº10/2014 Municípios com alta incidência de trabalho infantil que apresentaram: a) mais de 250 casos de trabalho infantil ou com taxa

Leia mais

- REGIMENTO INTERNO -

- REGIMENTO INTERNO - - REGIMENTO INTERNO - Secretaria de Assistência Social Leis nº 6.529/05 e nº 6.551/06, Decretos nº 12.634/06, nº 13.239/07, nº 15.181/11, 15.454/12 e nº 15.581/12 I - Secretaria Executiva: - auxiliar e

Leia mais

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 Brasília - DF 2012 1 O presente Plano

Leia mais

ANEXO ÚNICO POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE GOIÁS

ANEXO ÚNICO POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE GOIÁS 1 ANEXO ÚNICO POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE GOIÁS I. PROPÓSITOS A Política Estadual em Saúde do Trabalhador tem por propósito definir princípios, diretrizes e estratégias para

Leia mais

EDITAL. Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade

EDITAL. Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade EDITAL Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade 1. Justificativa Geral A Declaração do Milênio deixa clara a importância da participação social ao considerar

Leia mais

PROGRAMA. Brasil, Gênero e Raça. Orientações Gerais

PROGRAMA. Brasil, Gênero e Raça. Orientações Gerais PROGRAMA Brasil, Gênero e Raça Orientações Gerais Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Trabalho e Emprego Luiz Marinho Secretário-Executivo Marco Antonio de Oliveira Secretário

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM NACIONAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL CAPÍTULO I DA FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM NACIONAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL CAPÍTULO I DA FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM NACIONAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1 o O Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil, constituído em 1994,

Leia mais

PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO

PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO a Área da Assistência Social PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO Assistência Social na PNAS Situada como proteção social não contributiva;

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

Programa. orientações. Portal do Ministério da Cultura www.cultura.gov.br. Cultura Viva www.cultura.gov.br/culturaviva

Programa. orientações. Portal do Ministério da Cultura www.cultura.gov.br. Cultura Viva www.cultura.gov.br/culturaviva Programa Portal do Ministério da Cultura www.cultura.gov.br Cultura Viva www.cultura.gov.br/culturaviva orientações @DiversidadeMinC e @CulturaViva cidadaniaediversidade Secretaria da Cidadania e da Diversidade

Leia mais

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 Com a Constituição Federal de 1988, a Assistência Social passa

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN ESPÍRITO SANTO/RN, OUTUBRO DE 2014. FRANCISCO ARAÚJO DE SOUZA PREFEITO MUNICIPAL DE ESPÍRITO SANTO/RN ELIZANGELA FREIRE DE

Leia mais

Departamento da Rede SocioassistencialPrivada do

Departamento da Rede SocioassistencialPrivada do Departamento da Rede SocioassistencialPrivada do SUAS Dados Gerais: Pesquisa das Entidades de Assistência Social Privadas sem Fins Lucrativos PEAS realizada em 2006,pormeiodeparceriaentreoMDSeoIBGE. Objeto

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL E PROTEÇÃO DO TRABALHADOR ADOLESCENTE NO CEARÁ - 2007 / 2010

PLANO ESTADUAL DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL E PROTEÇÃO DO TRABALHADOR ADOLESCENTE NO CEARÁ - 2007 / 2010 PROTEÇÃO DO TRABALHADOR ADOLESCENTE NO CEARÁ - 2007 / Eixo Programático nº 01: INTEGRAÇÃO E SISTEMATIZAÇÃO DOS DADOS Eixo Programático 01: Integração e Sistematização dos Dados Objetivo específico: Identificar

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome PETI. Programa de Erradicação do Trabalho Infantil

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome PETI. Programa de Erradicação do Trabalho Infantil Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome PETI Programa de Erradicação do Trabalho Infantil Brasil livre do trabalho infantil, todos juntos nesse desafio! O Governo Federal e a sociedade brasileira

Leia mais

Comissão Municipal Interinstitucional de Enfrentamento à Violência contra Crianças e Adolescentes

Comissão Municipal Interinstitucional de Enfrentamento à Violência contra Crianças e Adolescentes 1 Comissão Municipal Interinstitucional de Enfrentamento à Violência contra Crianças e Adolescentes PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO ÀS VIOLÊNCIAS CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Ponta Grossa Paraná 2013

Leia mais

Ações Socioeducativas

Ações Socioeducativas AÇÕES SOCIOEDUCATIVAS NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Assistência Social Ações Socioeducativas Garantia dos direitos Inclusão social Desenvolvimento do protagonismo Desenvolvimento da autonomia individual

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília Nome do Evento: Fórum Mundial de Direitos Humanos Tema central: Diálogo e Respeito às Diferenças Objetivo: Promover um

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

A operacionalização da gestão de condicionalidades no Programa Bolsa Família (PBF) ocorre de forma:

A operacionalização da gestão de condicionalidades no Programa Bolsa Família (PBF) ocorre de forma: CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA ATORES RESPONSÁVEIS PELA GESTÃO A operacionalização da gestão de condicionalidades no Programa Bolsa Família (PBF) ocorre de forma:» Intersetorial: com os responsáveis

Leia mais

Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária

Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária Manaus/AM 29 de Abril de 2014 Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança

Leia mais

ANEXO I SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES EM ECONOMIA SOLIDÁRIA (SIES) TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES EM ECONOMIA SOLIDÁRIA (SIES) TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES EM ECONOMIA SOLIDÁRIA (SIES) TERMO DE REFERÊNCIA 1. INTRODUÇÃO O Ministério do Trabalho e Emprego, por meio da Secretaria Nacional de Economia Solidária tem entre

Leia mais

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL MEDIDAS CONCRETAS PARA O ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER NO ÂMBITO DOMÉSTICO/FAMILIAR A presente Matriz insere-se no

Leia mais

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada 1 O Projeto Litoral Sustentável 1ª Fase (2011/2012): Diagnósticos municipais (13 municípios) Diagnóstico regional (Já integralmente

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA Nº 1 DE 2010 CMDCA E COMAS SP

RESOLUÇÃO CONJUNTA Nº 1 DE 2010 CMDCA E COMAS SP RESOLUÇÃO CONJUNTA Nº 1 DE 2010 CMDCA E COMAS SP Regulamenta e Normatiza os Programas de Acolhimento Institucional e Familiar no Município de São Paulo visando atingir a adequação destes serviços aos princípios,

Leia mais

Plano Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas

Plano Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas Plano Nacional de Enfrentamento ao Plano Nacional de Enfrentamento ao Secretaria Nacional de Justiça Ministério da Justiça Ministério da Justiça MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Presidente da República Luiz Inácio

Leia mais

A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS

A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS Deliberação da IV Conferência Nacional; Garantia de acesso aos direitos socioassistenciais; Modelo democrático e descentralizado

Leia mais

Secretaria de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres 1º Fórum de Violência contra a Mulher: Múltiplos olhares

Secretaria de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres 1º Fórum de Violência contra a Mulher: Múltiplos olhares Secretaria de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres 1º Fórum de Violência contra a Mulher: Múltiplos olhares Campinas, Abril de 2014 Violência contra as Mulheres: dados Internacional: 1 de cada

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO DESEMBARGADOR COORDENADOR DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE

EXCELENTÍSSIMO DESEMBARGADOR COORDENADOR DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE EXCELENTÍSSIMO DESEMBARGADOR COORDENADOR DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE ATENDIMENTO A CRIANÇAS E ADOLESCENTES USUÁRIOS DE DROGAS ENCAMINHAMENTOS DECORRENTES DE SEMINÁRIO ORGANIZADO PELA COORDENADORIA DA INFÂNCIA

Leia mais

Princípios Gerais. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra 15/10/2012

Princípios Gerais. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra 15/10/2012 Princípios Gerais Política Nacional de Saúde Integral da População Negra PORTARIA Nº 992, DE 13 DE MAIO DE 2009 Profª Carla Pintas A Constituição de 1988 assumiu o caráter de Constituição Cidadã, em virtude

Leia mais

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento Carta de Joinville Os Secretários e Secretárias Municipais de Saúde, reunidos no XXIII Congresso Nacional das Secretarias Municipais de Saúde e IV Congresso Brasileiro de Saúde, Cultura de Paz e Não-Violência,

Leia mais