VIGILÂNCIA EM SAÚDE DO VIAJANTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VIGILÂNCIA EM SAÚDE DO VIAJANTE"

Transcrição

1 Matriz de Orientação VIGILÂNCIA EM SAÚDE DO VIAJANTE Copa do Mundo de Futebol África do Sul 11 de junho a 11 de julho de 2010 A África do Sul será o primeiro país africano a sediar uma Copa do Mundo, de 11 de junho a 11 de julho de 2010, sendo palco de um dos maiores eventos do planeta. Os jogos serão distribuídos em oito províncias e nove cidades e espera-se mais de meio milhão de visitantes no país. Além da grande quantidade de atletas, delegações e voluntários de dezenas de países de todos os continentes do mundo, estarão acompanhando os jogos outros milhares de turistas e trabalhadores que, direta ou indiretamente, estarão atuando durante a copa (ex. da imprensa, promotores de produtos, equipes de serviços, comercio, saúde, segurança e outros setores). Neste cenário, onde se reúnem um grande número de pessoas, com intenso trânsito internacional, apresenta-se um aumento do risco potencial da disseminação de doenças, na sua maioria de natureza infecciosa, seja através de contato direto entre humanos, de ingestão de alimentos contaminados ou de outras exposições. Este documento servirá de base para elaboração de outros materiais informativos (impressos e eletrônicos), com as principais orientações aos brasileiros que viajarão para os Jogos da Copa, visando prevenir a ocorrência de doenças infecciosas e outros agravos à saúde em saúde, além da introdução no país de agentes atualmente exóticos ou de potencial risco sanitário nacional/internacional. Preparando a viagem para a África do Sul Ao programar uma viagem para um país como a África do Sul, distante geograficamente, com grande diversidade cultural, hábitos e costumes diferentes do Brasil, o brasileiro tem que tomar alguns cuidados com a saúde para evitar contratempos desagradáveis como por exemplo, ter que trocar seu ingresso do jogo final da Copa do Mundo por uma estadia em algum hospital estrangeiro. Para iniciar a preparação da sua viagem realize uma avaliação de saúde com profissionais habilitados. Recomenda-se não viajar doente, pois assim aumentam as chances de apresentar complicações no exterior. As longas horas de vôo favorecem o surgimento de problemas circulatórios e o estresse da viagem pode diminuir a resistência do seu organismo abrindo o caminho para outras doenças. Outro cuidado importante é avaliar a situação vacinal de acordo com sua idade. Para isso, procure uma unidade de saúde, de preferência da rede pública do Sistema Único de Saúde, portando o cartão de vacinação para verificar e atualizar, as vacinas necessárias para sua viagem. Todas as vacinas em atraso devem ser tomadas, com destaque para: Febre Amarela, Sarampo, Rubéola. É importante que essa atualização seja realizada dez dias antes da data da viagem para que a vacina possa fazer efeito e a imunidade seja adquirida Calendário de Vacinação: Importante Nunca viaje com vacinas pendentes ou atrasadas, a VACINA é a medida mais eficaz e segura para a prevenção de várias doenças graves.

2 2 Outra questão importante é que todo viajante com destino à África do Sul deve obrigatoriamente apresentar o Certificado Internacional de Vacinação e Profilaxia comprovando a profilaxia contra a febre amarela sob o risco de ter sua entrada proibida no referido país. O Brasil não exige mais este documento seja para a chegada de estrangeiros seja para o retorno de brasileiros. Essas mediadas, além de evitarem intercorrências na sua viagem, previnem uma série de problemas que podem ocorrer em eventos de grande magnitude onde estão presentes pessoas de diferentes países e é comum a ocorrência de doenças já controladas no país, por exemplo, sarampo ou rubéola. Confira abaixo as vacinas de rotina do calendário de vacinação da criança, adolescente e adulto/idoso: Rotina Vacina BCG-ID Hepatite B VOP Vacina Oral contra Pólio Calendário de Vacinação da Criança Contra Difteria, Tétano e Coqueluche e Haemophilus influenzae Tetravalente DTP + Hib VORH-Vacina Oral de Rotavírus Humano Contra Febre Amarela (em área de risco) Contra Sarampo, Caxumba e Rubéola Tríplice Viral Contra Difteria, Tétano e Coqueluche DPT Tríplice Bacteriana Hepatite B Calendário de Vacinação do Adolescente Contra Difteria e Tétano dt Dupla Bacteriana Contra Sarampo, Caxumba e Rubéola - Tríplice Viral Contra Febre Amarela área de risco Influenza Gripe (idoso) Calendário de Vacinação do Adulto/Idoso Contra Difteria e Tétano dt Dupla Bacteriana Anti-Pneumocócica (somente para protadores de doenças cronicas)* Contra Febre Amarela: em área de risco *Não disponível na rede pública, exceto nos Centros de Referências de Imunobiológicos Especiais CRIE.

3 3 ATENÇÃO O Governo da África do Sul exige a apresentação do Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia contra a Febre Amarela para entrada no país. A Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) recomenda que os países da região, adotem as seguintes medidas para impedir a importação do vírus do sarampo e da rubéola no continente: 1. Qualquer morador das Américas, incluindo as equipes participantes na Copa do Mundo e outros turistas que viajam para este evento, devem ser imunizados ao sarampo e rubéola antes de sua partida, pois há surtos destas doenças na África do Sul e outros países do continente. 2. Alerta-se aos profissionais de saúde do setores público e privado da possibilidade de aparecimento de sarampo e rubéola. Durante a sua viagem a África do Sul Os problemas de saúde podem ocorrer ainda dentro do avião, assim, não deixe de levar, tanto na mala como na maleta de mão, todos os medicamentos necessários à manutenção da sua saúde, como medicações contra dor de cabeça, alergias imprevistas ou aquelas de uso regular no controle de doenças pré existentes (hipertensão, diabetes, asma etc.) prescritas pelo médico. Siga sempre as regras para transporte de objetos e líquidos, exigidos pelas companhias de transporte aéreo internacional. Se ocorrer qualquer alteração no seu estado de saúde durante o vôo, comunique imediatamente ao comissário de bordo que acionará os serviços de controle sanitário nos pontos de entrada no país de destino. A entrada de medicamentos de uso pessoal em outros países poderá sofrer fiscalização sanitária, para tanto recomendamos procurar informações junto à embaixada ou consulado do país de destino. Em geral, os países exigem prescrição médica, atestando a necessidade e quantidade da medicação de uso contínuo ou controlado. É importante que o medicamento esteja acondicionado de acordo com as normas do fabricante e acompanhado da caixa e bula original. Recomenda-se que o viajante esteja sempre identificado por meio de documento, pulseira ou placa, de preferência em inglês, com informações e contatos pessoais, incluindo tipo sanguíneo e alergias. Frente a quaisquer situações inusitadas (acidentes, assaltos, perda de passaporte), bem como a problemas mais graves de saúde NÃO hesite em procurar ajuda/orientações junto à Embaixada do Brasil na África do Sul IMPORTANTE Em viagem internacional o DOCUMENTO OFICIAL para identificação é o PASSAPORTE. Por isso NÃO se esqueça de levá-lo consigo em todos os momentos de sua viagem.

4 4 Brasileiros não necessitam de visto até 90 dias (estudo, turismo e/ou negócios), basta apenas apresentar o passaporte com validade de até 1 (um) mês (da data de retorno ao Brasil), com pelo menos 2 (duas) páginas em branco e apresentar o CIV (Certificado Internacional da Vacina) contra febre amarela, que deve ser tomada pelo menos 10 dias antes do embarque. EMBAIXADA DO BRASIL NA ÁFRICA DO SUL (PRETÓRIA) Endereço: Hillcrest Office Park, Woodpecker Place, First Floor, 177 Dyer Road, Hillcrest. Cidade: Pretória Telefone: (00xx27 12) Fax: (00xx27 12) Em caso de adoecimento durante a sua estadia na África do Sul, busque atendimento médico e não pratique a automedicação. Doenças de Transmissão Hidrica-Alimentar Um dos principais problemas que ocorrem em viagens nacionais ou internacionais é a diarréia do viajante, ocasionada pelo consumo de água e alimentos contaminados ou pela ingestão de alimentos gordurosos ou com excesso de tempero local. Além da diarréia do viajante, podem ocorrer outras doenças de transmissão hídricaalimentar com sinais e sintomas mais graves, levando a desidratação e choque. Outros sintomas alem das náuseas, vômito e diarréia podem estar presentes: febre, fraqueza, dor no corpo, dor nas articulações, aumento de gânglios, e até paralisia, entre outros. Para evitar a ocorrência dessas doenças é necessário estar sempre atento a segurança e qualidade do que você ingere ou oferece às crianças. Siga as seguintes sugestões, que são de aplicação geral: Lave as mãos com água e sabão antes de comer; De preferência, consuma água mineral engarrafada ou outras bebidas industrializadas. Caso contrário tente ferver ou tratar a água. Para isso, filtre a água e depois coloque 2 gotas de Hipoclorito de sódio a 2,5% em 1 litro de água e aguarde por 30 minutos antes de consumir. Em algumas farmácias e supermercados há outros produtos para tratamento da água, onde deve ser seguida a instrução do fabricante; Certifique-se que tanto o gelo quanto os sucos foram preparados com água mineral ou tratada; Prefira restaurantes e lanchonetes que tenham sido indicados por agências de viagens, guias, recepcionistas dos hotéis ou por alguém do local. Evite comer alimentos de ambulantes; Pratos quentes: devem estar bem cozidos e/ou bem passados e quentes no momento do consumo. Não coma alimentos que ficaram em temperatura ambiente por mais de 2 horas. Saladas e sobremesas: devem estar frias no momento do consumo; Evite consumir leite cru e seus derivados não industrializados, bem como carnes cruas e mal passadas (de animais exóticos ou não); Tenha cuidado antes de ingerir peixes e frutos do mar que podem causar alergias e em alguns casos, sintomas neurológicos; Não se esqueça de lavar ou descascar as frutas e verduras; É interessante levar nos passeios seu próprio alimento, de preferência alimentos prontos e industrializados e que podem ficar fora de refrigeração e não estragam com o calor;

5 5 Doenças transmitidas por vetores e zoonoses Normalmente estão associadas ao eco-turismo ou ao turismo rural. Antes de sair das áreas urbanas da África do Sul ou mesmo para explorar outras regiões do continente africano, mesmo que, outros centros urbanos, busque informações sobre a ocorrência na região de destino de doenças como Febre Amarela, Malária e outras exóticas ao Brasil como a Febre de Rift Valley. No que se refere à malária, fique atento ao surgimento de alguns sintomas como dor no corpo, dor de cabeça e principalmente a febre. Em caso de manifestação desses sintomas, procure uma unidade de saúde imediatamente. O Ministério da Saúde recomenda ainda que no caso específico da Malária, além da prevenção contra picadas de mosquitos, deve-se buscar diagnóstico e tratamento precoce, devendo o diagnóstico ser em até 24 horas após os primeiros sintomas. A malária é uma doença que pode evoluir para forma grave, especialmente quando o tratamento não é adequado e oportuno. Tendo em vista que a África do Sul não é região endêmica de malária, não se recomenda o uso de quimioprofilaxia para prevenção da doença, uma vez que, esta deve ser indicada em situações específicas, quando o risco de malária grave e/ou morte por malária P. falciparum for superior ao risco dos eventos adversos graves relacionados às drogas utilizadas na quimioprofilaxia. Para maiores informações, acesse o link do Guia para profissionais de saúde sobre prevenção da malária em viajantes. A Febre de Rift Valley é uma doença que afeta primariamente animais, mas ocasionalmente pode infectar o homem. Alguns casos foram notificados em áreas rurais de determinadas províncias sul-africanas, sendo transmitida através de picadas de mosquitos e insetos hematófagos ou pelo contato direto com material infectado e líquidos como o sangue dos animais durante o abate. O leite cru de animais infectados também podem representar um risco. Mas, nenhum caso de transmissão de humano para humano foi relatado até o momento. Viajantes procedentes de áreas de ocorrência da doença que apresentarem febre, dor de cabeça, artralgia ou mialgia até 12 dias após a chegada ao Brasil devem procurar seu profissional de saúde para avaliação. A Febre Maculosa é uma doença infecciosa febril aguda transmitida pela picada de carrapatos contaminados com o agente causador da doença. Existem carrapatos no mundo todo, sendo, portanto, fundamental a adoção das medidas preventivas. Na África do Sul há presença de vários vetores, como o Aedes aegypti, porém algumas doenças assim transmitidas, como dengue, febre amarela, leishmaniose, filariose e chinkunguia, entre outras, não há notificações recentes na África do Sul, em países vizinhos há casos destas doenças, o que requer atenção dos viajantes que forem se deslocar a outras regiões do continente africano. O risco de infecção por doenças transmitidas por mosquitos ou carrapatos pode ser reduzido quando observadas as seguintes recomendações: Priorize hospedar-se em locais que disponham de ar condicionado ou telas de proteção nas portas e janelas. Caso isso não seja possível, utilize mosquiteiros. Ao realizar turismo em regiões fora da área urbana, utilize roupas que protejam contra picadas de insetos (preferencialmente cores claras): como camisas de mangas compridas, calças compridas e sapatos fechados; Aplique repelente à base de DEET (dietiltoluamida) nas áreas expostas da pele seguindo a orientação do fabricante. Em crianças menores de 2 anos de idade não é recomendado o uso de repelente sem orientação médica. Para crianças entre 2 e 12 anos usar concentrações até 10% de DEET, no máximo três vezes por dia, evitando-se o uso prolongado. Evite local que possa ter carrapatos como matas e beira-rio (sentar ou deitar diretamente na grama etc.). Examine seu corpo a cada 3 horas a fim de verificar a presença de carrapatos e caso os encontre, retire-os com o auxílio de uma pinça (de sobrancelhas ou pinça cirúrgica auxiliar) tomando o cuidado para não esmagá-los com as unhas, pois os mesmos podem liberar os patógenos e contaminar partes do corpo já com lesões; Fique atento ao surgimento de alguns sintomas como febre, dor no corpo e dor de cabeça; No caso da manifestação desses sintomas, procure uma unidade de saúde imediatamente e não se esqueça de informar ao seu médico seu itinerário de viagem e se teve contato com mosquitos e carrapatos.

6 6 Na prevenção de outras zoonoses, também evite contato com aves vivas ou abatidas em granjas e mercados públicos. Em caso de contato acidental, mordedura, lambedura ou arranhadura por mamíferos (ex. cão, gato, morcego, etc.), lave o local atingido com água corrente e sabão, e procure imediatamente assistência de saúde para avaliação e, se necessário, aplicação da vacina e soro anti-rábico. Os acidentes com animais peçonhentos mais comuns são acidentes por escorpiões, serpentes, aranhas, abelhas, lagartas e arraias. Em caso de acidente não realize procedimentos caseiros, procure imediatamente o serviço de saúde local. Para prevenir acidentes com animais procure seguir a seguintes recomendações: Evite contato direto com animais vivos ou mortos; Evite caminhar descalço em áreas de matas ou plantações. Preferencialmente utilize calça e botas de cano longo ou bota com perneira (que protejam até o joelho); Não coloque a mão em buracos, cuidado ao sentar em pedras e, acima de tudo, não manipule esses animais, por mais inofensivos que eles pareçam; No caso específico de aranhas e escorpiões, vistorie roupas e calçados antes de vesti-los e toalhas ou capas antes de utilizá-las; Durante a realização de trilhas ou caminhadas ecológicas examine cuidadosamente os locais onde for apoiar-se (por exemplo, árvores, rochas, etc.). Doenças de transmissão respiratória A doença de transmissão respiratória mais comum é a gripe, que é uma doença infecciosa de natureza viral e de alta transmissibilidade. É responsável por elevada morbimortalidade, principalmente em grupos de maior vulnerabilidade. Atualmente, entre as causas de gripe, considera-se a de maior importância epidemiológica em todo o mundo aquela causada pelo vírus Influenza Pandêmica (H1N1)2009, conhecida como Gripe A ou H1N1. No Brasil, a vacina contra esta doença está disponível para grupos específicos, e deve ser tomada, no mínimo, 15 dias antes da viagem. Se você pertence a um dos grupos indicados para vacinação e ainda não foi vacinado, procure um serviço de saúde público para atualizar sua situação vacinal. Outros eventos de transmissão respiratória que merecem atenção são: Sarampo, Rubéola e outras doenças virais de transmissão respiratória (varicela, caxumba): são de ocorrência comum em eventos que envolvem pessoas de diferentes países e preveníveis por vacina, a recomendação aos viajantes que se deslocam para países onde há evidências de risco de transmissão da doença, como a África do Sul, que há circulação do vírus e surtos comprovados da doença, é que sejam vacinados previamente para evitar o contágio. No Brasil a vacina contra o sarampo é obrigatória independente da ocorrência destas situações. Poliomielite, doença infecto-contagiosa viral aguda, caracterizada por quadro de paralisia flácida de início súbito, transmitida por gotículas de secreções da orofaringe (ao falar, tossir ou espirrar), e por objetos, alimentos e água contaminados com fezes de doentes ou portadores. Apesar de não ter circulação de Poliovírus selvagem nos países da África do Sul que sediarão a Copa do Mundo de 2010, é importante alertar aos viajantes brasileiros que haverá participação de pessoas e atletas de outros países. No Continente Africano, segundo a OMS, atualmente ocorrem surtos da poliomielite. Por isso a recomendação é que o viajante esteja atento aos principais sinais e sintomas da doença. O vírus da poliomielite ainda circula em alguns países da África e da Ásia. Recomenda-se a vacina para pessoa em viagem para países onde a doença ainda é endêmica. Tem sido exigido para entrada para Arábia Saudita na peregrinação para Meca (Hajj e Umrah). Existem países sem interrupção de casos de poliomielite, como Afeganistão, Índia, Nigéria, Paquistão e países com casos importados: Angola. Chad, Congo, Mianmar. Ainda existem países com casos de popilomielite importados ou de caso relacionado com um caso importado, como: Angola, Burkina Faso, República Centro Africano, Chade, República Democrática do Congo, Etiópia, Quênia, Uganda, Sudão, Togo, Nigéria. Para atualização acesse o site:

7 7 A recomendação do Programa Nacional de Imunizações é a seguinte: para os indivíduos que viajam ao exterior, a países com circulação do poliovírus selvagem recomenda-se vacinar, a partir de dois meses de idade, em qualquer idade, garantindo o recebimento do esquema básico completo; caso não haja tempo suficiente, que recebam pelo menos uma única dose, complementando o esquema logo ao chegar em seu destino, se necessário pelo tempo que deverá passar neste lugar. Para aqueles indivíduos que já tiveram recebido as três doses ou mais, garantir uma única dose de reforço. Recomenda-se usar a vacina inativada para pólio (VIP), preferencialmente, encontradas nos CRIEs para os indivíduos suscetíveis que se apresentam em situações especiais que contra-indicam o uso da vacina oral (com vírus vivos atenuados), a exemplo de imunodeprimidos e/ou seus contatos (ver Indicações deste produto no Manual de Normas dos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais CRIEs. A vacina inativada é disponibilizada à rede pública nestes CRIEs, em nível estadual ou diretamente com as Coordenações Estaduais de Imunizações, em cada unidade federada. Não é necessário administrar dose adicional para viagens subseqüentes a países endêmicos. Não é necessário reinício de esquema, caso tenha sido interrompido no passado. Aos menores de dois meses de idade, garantir pelo menos uma única dose e antecipar, de acordo com as normas do Programa Nacional de Imunizações (PNI), a administração do esquema básico. Doença Meningocócica, doença grave, cujos principais sinais e sintomas são: mal-estar súbito, febre, prostração, manifestações hemorrágicas na pele (petéquias e equimoses), cefaléia, náuseas, vômitos e rigidez de nuca. Caso o viajante apresente alguns desses sintomas deverá procurar imediatamente assistência médica. A vacina meningocócica A+C é indicada para os viajantes que se dirigem para países onde o sorogrupo A é endêmico. É obrigatória pelas autoridades sanitárias locais a comprovação da vacina para todos aqueles que se deslocam para a Arábia Saudita quando da peregrinação anual para o Hajj e Umrah em Meca e Medina. Por exemplo, o Cinturão africano região ao norte da África é freqüentemente acometido por epidemias causadas por este agente (Benin, Burkina Faso, Chade, Costa do Marfim, Eritréia, Etiópia, Gana, Mali, Níger, Nigéria, Sudão). O esquema: a partir de dois (2) meses de idade, em dose única, um reforço é recomendável após o intervalo mínimo de três a cinco anos da primeira dose. Em geral, além das vacinas, outras medidas de prevenção de doenças de transmissão respiratória devem ser adotadas: Higienize as mãos com água e sabonete antes das refeições, antes de tocar os olhos, boca e nariz e após tossir, espirrar ou usar o banheiro; Evite tocar os olhos, nariz ou boca após contato com superfícies contaminadas; Proteja com lenços (preferencialmente descartáveis) boca e nariz, ao tossir ou espirrar, para evitar disseminação de aerossóis; Indivíduos doentes devem evitar contato com outras pessoas suscetíveis; Indivíduos doentes devem evitar aglomerações e ambientes fechados; Mantenha os ambientes ventilados; Indivíduos doentes devem ficar em repouso, utilizar alimentação balanceada e aumentar a ingestão de líquidos. Esteja sempre atento ao apresentar sintomas respiratórios de maior gravidade e procure imediatamente assistência médica.

8 8 Outras Recomendações As mudanças físicas e ambientais decorrentes de uma viagem podem alterar o seu estado de saúde. Portanto, conheça as características da África do Sul: clima, altitude, diferença de fuso-horário, infra-estrutura urbana, alimentação, costumes, normas, cultura; doenças afetam a população local e susceptibilidade dos lugares visitados a desastres naturais (inundações, terremotos, furacões, etc); Mantenha-se sempre atualizado, seja pela internet, televisão, jornais ou quaisquer outras formas de comunicação sobre o que ocorre no país de destino e no mundo. Há possibilidade de ocorrência de epidemias, calamidades e eventos como ataques terroristas ou bio-terroristas. Com relação a seguros de saúde, você poderá obter junto à embaixada, informações sobre possíveis convenções acerca de cuidados de saúde recíprocos entre país de origem e destino; além de obter um seguro que cubra eventuais cuidados de saúde no país de destino, incluindo cuidados médicos dispendiosos. Para prevenir as doenças sexualmente transmissíveis DST e AIDS, o uso de preservativos é recomendado em todas as relações sexuais. Além disso, é importante que as pessoas percebam que, quando consomem álcool e outras substâncias psicoativas, muitas vezes o preservativo não é lembrado. Ter preservativos consigo facilita sua utilização e a prevenção desses agravos. Evite exposição excessiva ao sol. Lembre-se sempre de aplicar o protetor solar no mínimo 30 minutos antes da exposição (Fator de Proteção Solar: mínimo 15) nas áreas do corpo não protegidas por vestuário, reaplicando conforme orientação do fabricante. Utilize também óculos de sol com filtro ultravioleta e chapéu de aba larga. Ao retornar da África do Sul Após o retorno da viagem, caso apresente febre ou outros sintomas como diarréia, problemas de pele ou respiratórios procure imediatamente o serviço médico e informe o trajeto de sua viagem. Se possível procure por serviços de referência para doenças infecto contagiosas em seu estado. Por fim, não se esqueça de trazer os souvenires para seus parentes e amigos, mostrar as fotos de viagem e, no caso dos atletas, trazer a vitória do campeonato para o Brasil!

ORIENTAÇÃO AO VIAJANTE Copa do Mundo de Futebol África do Sul 11 de junho a 11 de julho de 2010

ORIENTAÇÃO AO VIAJANTE Copa do Mundo de Futebol África do Sul 11 de junho a 11 de julho de 2010 ORIENTAÇÃO AO VIAJANTE Copa do Mundo de Futebol África do Sul 11 de junho a 11 de julho de 2010 A África do Sul será o primeiro país africano a sediar uma Copa do Mundo, de 11 de junho a 11 de julho de

Leia mais

DICAS PARA AS VIAGENS DE FÉRIAS VERÃO 2010/2011

DICAS PARA AS VIAGENS DE FÉRIAS VERÃO 2010/2011 DICAS PARA AS VIAGENS DE FÉRIAS VERÃO 2010/2011 São diversos os destinos nacionais e internacionais por onde circulam os turistas que chegam e saem das suas casas neste final de ano. Cada um destes possui

Leia mais

Guia de bolso da. Saúde do Viajante. Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa

Guia de bolso da. Saúde do Viajante. Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa Guia de bolso da Saúde do Viajante Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa Guarde aqui o seu CIVP O fluxo internacional de pessoas, bens e mercadorias é cada vez maior. Infelizmente, o risco

Leia mais

CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS

CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS ORIENTAÇÃO AOS PEDAGOGOS Todas as informações constantes nesta cartilha devem ser levadas ao conhecimento de todos os alunos,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Informe Técnico Recomendações para Viajantes Copa do Mundo de Futebol - África do Sul - 2010 A África

Leia mais

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Para entender a influenza: perguntas e respostas A comunicação tem espaço fundamental na luta contra qualquer doença. Um exemplo é o caso do enfrentamento da influenza

Leia mais

Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais.

Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais. Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais. Fonte: Agência Fiocruz 1. Há casos de influenza A (H1N1) no Brasil? Não. Até

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA A SAÚDE DOS VIAJANTES

RECOMENDAÇÕES PARA A SAÚDE DOS VIAJANTES MERCOSUL/GMC/RES. N 23/08 RECOMENDAÇÕES PARA A SAÚDE DOS VIAJANTES TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a Resolução N 22/08 do Grupo Mercado Comum. CONSIDERANDO: Que a Resolução

Leia mais

Prepare sua viagem à África do Sul

Prepare sua viagem à África do Sul Prepare sua viagem à África do Sul Embaixada do Brasil na África do Sul Endereço: Hillcrest Office Park, Woodpecker Place, First Floor, 177 Dyer Road, Hillcrest. Cidade: Pretória Telefone: (00xx27 12)

Leia mais

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h Ministério da Saúde Gabinete Permanente de Emergências em Saúde Pública ALERTA DE EMERGÊNCIA DE SAÚDE PÚBLICA DE IMPORTÂNCIA INTERNACIONAL Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA

Leia mais

Doenças transmitidas pelo Aedes Aegypti

Doenças transmitidas pelo Aedes Aegypti Doenças transmitidas pelo Aedes Aegypti Dengue O que é a Dengue? A dengue é uma doença viral transmitida pelo mosquito Aedes aegypti. No Brasil, foi identificada pela primeira vez em 1986. Estima-se que

Leia mais

Informe sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1

Informe sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1 Informe sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1 DOCUMENTO PARA O PÚBLICO EM GERAL Coordenação: Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) Associação Médica Brasileira (AMB) Apoio e participação:

Leia mais

Informativo Empresarial Especial

Informativo Empresarial Especial Informativo Empresarial Especial Gripe Suína Plano de Contingência Empresarial A Gripe Influenza A H1N1 e o Transporte Rodoviário A gripe que ficou conhecida como gripe suína é causada por vírus que se

Leia mais

Calendário de Vacinas 2011

Calendário de Vacinas 2011 Calendário de Vacinas 2011 Untitled-2 1 4/4/11 4:59 PM Atualizações + atualizações_arquivo.indd 1 2 Atualizações Calendário Básico de Vacinação 2011 Idade Vacina Dose Doenças evitadas Ao nascer BCG-ID

Leia mais

Adultos e idosos também precisam se vacinar

Adultos e idosos também precisam se vacinar ANO VII N.º 10 Abril 2013 Canal de Comunicação da Sistel para os Usuários de Saúde Adultos e idosos também precisam se vacinar Na hora de cuidar da própria saúde, muitos adultos e idosos não dão importância

Leia mais

PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010

PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010 Institui, em todo o território nacional, o Calendário de vacinação para os Povos Indígenas. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE,

Leia mais

As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família

As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família 1º. a 3 de junho de 2004 lourdes.maia@funasa.gov.br PNI. Dados Históricos No Brasil, vacina-se desde 1804. 1973 foi criado um Programa Nacional

Leia mais

Política de Vacinação

Política de Vacinação Rol de s cobertas por esta Política Catapora ou Varicela contra Varicela Biken Crianças de 1 a 12 anos: esquema vacinal em dose única. Pacientes imunocomprometidos: portadores de leucemia linfóide aguda

Leia mais

Rede Pública ou Particular?

Rede Pública ou Particular? Vacinar seu filho na feito com carinho para você ganhar tempo! Rede Pública ou Particular? guia rápido das vacinas e principais diferenças Um guia de utilidade pública com as fichas de 10 vacinas para

Leia mais

Instrumento Administrativo Política Institucional Nº 02.03 Política de Vacinação

Instrumento Administrativo Política Institucional Nº 02.03 Política de Vacinação Rev: 03 Data: 19/07/2010 Página 1 de 5 Anexo I - Rol de Vacinas cobertas por esta Política Vacina Nome da Droga Pré-requisitos para cobertura Documentação necessária Observação Crianças de 1 a 12 anos:

Leia mais

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR. INFLUENZA A H1N1 junho de 2011

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR. INFLUENZA A H1N1 junho de 2011 CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR INFLUENZA A H1N1 junho de 2011 Medidas de prevenção: Higienizar as mãos com água e sabonete/sabão antes

Leia mais

FLÚVIA AMORIM ENFERMEIRA- CERTIFICADA EM EPIDEMIOLOGIA PELA JOHNS HOPKINS BLOOMBERG UNIVERSITY AND SCHOOL PUBLIC HEALTH-EUA MESTRE EM EPIDEMIOLOGIA

FLÚVIA AMORIM ENFERMEIRA- CERTIFICADA EM EPIDEMIOLOGIA PELA JOHNS HOPKINS BLOOMBERG UNIVERSITY AND SCHOOL PUBLIC HEALTH-EUA MESTRE EM EPIDEMIOLOGIA Doenças de Notificação Compulsória FLÚVIA AMORIM ENFERMEIRA- CERTIFICADA EM EPIDEMIOLOGIA PELA JOHNS HOPKINS BLOOMBERG UNIVERSITY AND SCHOOL PUBLIC HEALTH-EUA MESTRE EM EPIDEMIOLOGIA PELA UFG. DIRETORA

Leia mais

INFORMAÇÃO É PREVENÇÃO! ESCLAREÇA AQUI SUAS DÚVIDAS

INFORMAÇÃO É PREVENÇÃO! ESCLAREÇA AQUI SUAS DÚVIDAS GRIPE A (H1N1) INFORMAÇÃO É PREVENÇÃO! ESCLAREÇA AQUI SUAS DÚVIDAS Fazer de cada dia um dia melhor Informe-se e proteja a sua saúde e a de sua família. Talvez você esteja inseguro com tantas informações

Leia mais

UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DE CASTELO BRANCO. Ébola. O que é?

UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DE CASTELO BRANCO. Ébola. O que é? UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DE CASTELO BRANCO Ébola. O que é? O vírus Ébola encontra-se em alguns países africanos em reservatórios naturais, e foi descoberto pela primeira vez em 1976 no antigo

Leia mais

Gripe Suína ou Influenza A (H1N1)

Gripe Suína ou Influenza A (H1N1) Gripe Suína ou Influenza A (H1N1) Perguntas e respostas 1. O que é Gripe Suína ou Influenza A (H1N1)? 2. A gripe causada pelo Influenza A (H1N1) é contagiosa? 3. Quem pode adoecer pela nova gripe causada

Leia mais

Você sabe os fatores que interferem na sua saúde?

Você sabe os fatores que interferem na sua saúde? DICAS DE SAÚDE 2 Promova a sua saúde. Você sabe os fatores que interferem na sua saúde? Veja o gráfico : 53% ao estilo de vida 17% a fatores hereditários 20% a condições ambientais 10% à assistência médica

Leia mais

IMPORTANTE. Os imunobiológicos devem ser mantidos no REFRIGERADOR com temperatura entre -2 e +8 C.

IMPORTANTE. Os imunobiológicos devem ser mantidos no REFRIGERADOR com temperatura entre -2 e +8 C. Administração de Imunobiológicos IMPORTANTE Os imunobiológicos devem ser mantidos no REFRIGERADOR com temperatura entre -2 e +8 C. Contra indicações gerais: Imunodeficiência congênita ou adquirida Neoplasias

Leia mais

Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial deste novo vírus, o Comitê Estadual de

Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial deste novo vírus, o Comitê Estadual de Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial deste novo vírus, o Comitê Estadual de Enfrentamento da Influenza A H1N1 elaborou esta cartilha com

Leia mais

Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ. Professor Adjunto de Infectologia Pediátrica da UFRJ,

Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ. Professor Adjunto de Infectologia Pediátrica da UFRJ, VACINAÇÃO DE GESTANTES Isabella Ballalai (MD) Diretora Médica da VACCINI - Clínica de Vacinação Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ Edimilson Migowski (MD, PhD, MSc) Professor Adjunto de

Leia mais

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014:

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014: ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014: O Estado de São Paulo reforça a recomendação para que todos os GVE mantenham os municípios de sua área de abrangência em TOTAL ALERTA

Leia mais

Gripe A (H1N1) de origem suína

Gripe A (H1N1) de origem suína Gripe A (H1N1) de origem suína A gripe é caracterizada como uma doença infecciosa com alto potencial de contagio causado pelo vírus Influenza. Este vírus apresenta três tipos, sendo eles o A, B e C. Observam-se

Leia mais

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD ALERTA EPIDEMIOLÓGICO I Influenza Suína ABRIL 2009 Definição de caso 1-Caso suspeito de infecção humana pelo vírus da influenza suína A (H1N1). Apresentar

Leia mais

Câmara Municipal de Itápolis 1

Câmara Municipal de Itápolis 1 Câmara Municipal de Itápolis 1 Apresentação Prezado Cidadão, Esta é a Cartilha da Boa Saúde de Itápolis, uma publicação da Câmara Municipal de Vereadores que tem por objetivo trazer à população informações

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos I e II do parágrafo único do art. 87 da Constituição; e

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos I e II do parágrafo único do art. 87 da Constituição; e PORTARIA Nº- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010 Institui em todo o território nacional, o Calendário Básico de Vacinação da Criança, o Calendário do Adolescente e o Calendário do Adulto e Idoso. O MINISTRO

Leia mais

INFLUENZA A (H1N1) CARTILHA DE RECOMENDAÇÕES Para empresas, repartições públicas e comércio em geral

INFLUENZA A (H1N1) CARTILHA DE RECOMENDAÇÕES Para empresas, repartições públicas e comércio em geral INFLUENZA A (H1N1) CARTILHA DE RECOMENDAÇÕES Para empresas, repartições públicas e comércio em geral Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial

Leia mais

Principais Sintomas. Medidas de Prevenção

Principais Sintomas. Medidas de Prevenção A gripe é uma doença causada pelo vírus da Influenza, que ocorre predominantemente nos meses mais frios do ano. Esse vírus apresenta diferentes subtipos que produzem a chamada gripe ou influenza sazonal.

Leia mais

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a gripe? É uma doença infecciosa aguda das vias respiratórias, causada pelo vírus da gripe. Em

Leia mais

ORIENTAÇÕES EM SITUAÇÕES DE ENCHENTES OU ENXURRADAS

ORIENTAÇÕES EM SITUAÇÕES DE ENCHENTES OU ENXURRADAS ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUPERINTENDENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAUDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA ORIENTAÇÕES EM SITUAÇÕES DE ENCHENTES OU ENXURRADAS

Leia mais

Sucessos, Desafios e Perspectivas

Sucessos, Desafios e Perspectivas Sucessos, Desafios e Perspectivas Carla Magda A. S. Domingues Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Cenário Epidemiológico 1970 Doença

Leia mais

CALENDÁRIO BÁSICO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA

CALENDÁRIO BÁSICO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA CALENDÁRIO BÁSICO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CENTRO DE EPIDEMIOLÓGICA DO PARANÁ PROGRAMA ESTADUAL DE IMUNIZAÇÃO TODO DIA É DIA

Leia mais

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE IMUNIZAÇÕES E REDE FRIO GOIÁS EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO CAMPANHA DE MULTIVACINAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DA VACINA INATIVADA POLIOMIELITE

Leia mais

DOENÇAS OU AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA IMEDIATA

DOENÇAS OU AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA IMEDIATA DOENÇAS OU AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA IMEDIATA NÚCLEO HOSPITALAR DE EPIDEMIOLOGIA HNSC/HCC A Portaria do Ministério da Saúde Nº 1.271, de 06 de Junho de 2014 atualizou a Portaria Nº 104, de 25

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO POVOS INDÍGENAS

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO POVOS INDÍGENAS INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO POVOS INDÍGENAS O presente instrumento estabelece as normatizações técnicas do Programa Nacional de Imunizações referentes ao Calendário

Leia mais

Campanha para Atualização da Caderneta de Vacinação. Brasília - agosto de 2012

Campanha para Atualização da Caderneta de Vacinação. Brasília - agosto de 2012 Campanha para Atualização da Caderneta de Vacinação Brasília - agosto de 2012 18/08/2012 Atualização da Caderneta de Vacinação A campanha será realizada no período de 18 a 24 de agosto Dia da Mobilização

Leia mais

Informe Técnico - SARAMPO nº2 /2010 Atualização da Situação Epidemiológica

Informe Técnico - SARAMPO nº2 /2010 Atualização da Situação Epidemiológica 1 SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC Av. Dr. Arnaldo, 351-6º andar SP/SP CEP: 01246-000 Fone: (11)3082-0957 Fax:

Leia mais

O Estado de S.Paulo 30/01/2007 câncer câncer Vigilância Sanitária Anvisa Medicamentos medicamentos câncer câncer câncer câncer câncer INCIDÊNCIA

O Estado de S.Paulo 30/01/2007 câncer câncer Vigilância Sanitária Anvisa Medicamentos medicamentos câncer câncer câncer câncer câncer INCIDÊNCIA O Estado de S.Paulo Vida & Liberada droga contra câncer de pulmão Tarceva é o 1º remédio de terapia-alvo para combater a doença; um mês de tratamento custará R$ 8 mil Adriana Dias Lopes O primeiro remédio

Leia mais

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Perguntas Frequentes Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG VACINAS AULA II. Prof. Edison Luiz Devos Barlem ebarlem@gmail.com

Universidade Federal do Rio Grande FURG VACINAS AULA II. Prof. Edison Luiz Devos Barlem ebarlem@gmail.com Universidade Federal do Rio Grande FURG VACINAS AULA II Prof. Edison Luiz Devos Barlem ebarlem@gmail.com Calendário de Vacinação Infantil 2011 1. BCG (contra Tuberculose); 2. Vacina contra Hepatite B;

Leia mais

Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança

Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança Central de Atendimento: (61) 3329-8000 Calendário de Vacinação do Prematuro Vacinas BCG ID (intradérmica) Hepatite B (HBV) Pneumocócica conjugada Recomendações

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS UFPR

HOSPITAL DE CLÍNICAS UFPR HOSPITAL DE CLÍNICAS UFPR HC UFPR COMITÊ DE INFLUENZA SUÍNA 27 de abril DIREÇÃO DE ASSISTÊNCIA SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA INFECTOLOGIA CLÍNICA - ADULTO E PEDIÁTRICA SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

Leia mais

CALENDÁRIOS VACINAIS. Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM

CALENDÁRIOS VACINAIS. Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM CALENDÁRIOS VACINAIS Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM VACINA É PARA A VIDA TODA... Oportunidades para a Vacinação criança adolescente adulto Programa infantil Catch up (repescagem)

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO E SAÚDE

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO E SAÚDE VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO E SAÚDE Orientador Empresarial Vacinação - Calendário Básico - Criança, Adolescente, Adulto e Idoso Revogação da Portaria

Leia mais

Agente Infectante. Vetor / Transmissão. Doença. Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares.

Agente Infectante. Vetor / Transmissão. Doença. Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares. Dengue Dengue Agente Infectante Arbovirus Vetor / Transmissão Picada do mosquito Aedes Aegypti Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares. Profilaxia

Leia mais

FEBRE AMARELA: Informações Úteis

FEBRE AMARELA: Informações Úteis FEBRE AMARELA: Informações Úteis Quando aparecem os sintomas? Os sintomas da febre amarela, em geral, aparecem entre o terceiro e o sexto dia após a picada do mosquito. Quais os sintomas? Os sintomas são:

Leia mais

A Saúde do. Moro no trabalho e durmo nos aviões. Depoimento de um cliente da MedRio

A Saúde do. Moro no trabalho e durmo nos aviões. Depoimento de um cliente da MedRio A Saúde do Viajante Moro no trabalho e durmo nos aviões. Depoimento de um cliente da MedRio Supervisão editorial: Dr. Gilberto Ururahy Baixe agora o aplicativo e mantenha sua saúde em dia! Editora responsável:

Leia mais

UNIMED GOIÂNIA. Centro de Vacinação

UNIMED GOIÂNIA. Centro de Vacinação UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO 2013 PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS RECURSOS E SERVIÇOS PRÓPRIOS 20 de outubro de 2012 Centro de Vacinação SÓ ABRA ESTE CADERNO QUANDO AUTORIZADO

Leia mais

Perguntas e Respostas Influenza A (atualizado em 11/06/2009) MINISTÉRIO DA SAÚDE Assessoria de Comunicação

Perguntas e Respostas Influenza A (atualizado em 11/06/2009) MINISTÉRIO DA SAÚDE Assessoria de Comunicação Perguntas e Respostas Influenza A (atualizado em 11/06/2009) MINISTÉRIO DA SAÚDE Assessoria de Comunicação 1) Qual a diferença entre o nível 5 e o nível 6? O que difere os níveis de alerta 5 e 6 é o aumento

Leia mais

GRIPE sempre deve ser combatida

GRIPE sempre deve ser combatida GRIPE sempre deve ser combatida Aviária Estacional H1N1 SAZONAL suína GRIPE = INFLUENZA Que é a INFLUENZA SAZONAL? É uma doença própria do ser humano e se apresenta principalmente durante os meses de inverno

Leia mais

Aulas só reiniciarão no dia 31 de agosto

Aulas só reiniciarão no dia 31 de agosto Informativo eletrônico do IFRS Campus Sertão Ano 01 Edição 1 Agosto de 2009 Aulas só reiniciarão no dia 31 de agosto Docentes decidiram protelar a volta às aulas de 17 para 31 de agosto em reunião na manhã

Leia mais

Sumario de Assuntos por Boletim Epidemiológico NÚMERO DO BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO

Sumario de Assuntos por Boletim Epidemiológico NÚMERO DO BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO Sumario de Assuntos por Boletim Epidemiológico AGRAVO NÚMERO DO BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO AIDS 3-4 - 13-14 - 17-18 - 28-34 - 36-38 - 42-44 - 45 Cobertura Vacinal 7-8 - 9-10 - 12-14 - 16-18 - 19-22 - 23-25

Leia mais

PORTARIA No- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010

PORTARIA No- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010 PORTARIA No- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010 Institui em todo o território nacional, o Calendário Básico de Vacinação da Criança, o Calendário do Adolescente e o Calendário do Adulto e Idoso. O MINISTRO

Leia mais

Medidas de Controle e Prevenção da Infecção

Medidas de Controle e Prevenção da Infecção Secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro Protocolos Influenza A (H1N1) Medidas de Controle e Prevenção da Infecção Porta

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO - PNI. Profª. Andréa Paula Enfermeira andreapsmacedo@gmail.com

PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO - PNI. Profª. Andréa Paula Enfermeira andreapsmacedo@gmail.com PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO - PNI Profª. Andréa Paula Enfermeira andreapsmacedo@gmail.com HISTÓRIA DO PNI Desde que foi criado, em 18 de setembro de 1973, o PNI tornou-se ação de governo caracterizada

Leia mais

ATCHIM!! Gripe Suína. Influenza A. Conheça essa doença que está assustando todo mundo...

ATCHIM!! Gripe Suína. Influenza A. Conheça essa doença que está assustando todo mundo... ATCHIM!! Gripe Suína Influenza A Conheça essa doença que está assustando todo mundo... Coordenadoria de Assistência Social da Universidade de São Paulo Divisão de Promoção Social Educação em Saúde São

Leia mais

Cartilha de Vacinas. Para quem quer mesmo saber das coisas

Cartilha de Vacinas. Para quem quer mesmo saber das coisas Cartilha de Vacinas Para quem quer mesmo saber das coisas 1 Organização Pan-Americana da Saúde / Organização Mundial da Saúde, 2003 Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução total ou parcial

Leia mais

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica Estado de São Paulo, Maio 2014:

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica Estado de São Paulo, Maio 2014: ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica Estado de São Paulo, Maio 2014: Definição de caso suspeito de sarampo: Todo paciente que, independente da idade e da situação vacinal, apresentar febre

Leia mais

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES DENGUE

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES DENGUE DENGUE O que é? A dengue é uma doença febril aguda, causada por vírus, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti (Brasil e Américas) e Aedes albopictus (Ásia). Tem caráter epidêmico, ou seja, atinge um grande

Leia mais

Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis

Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis Agosto - 2012 APRESENTAÇÃO O Sistema Único de Saúde (SUS) altera

Leia mais

Podem ser portadores e formar uma rede de transmissão. Não, porque contêm químicos e está clorada.

Podem ser portadores e formar uma rede de transmissão. Não, porque contêm químicos e está clorada. Influenza A H1N1 /GRIPE SUÍNA PERGUNTAS E RESPOSTAS: PERGUNTA 1. Quanto tempo o vírus da gripe suína permanece vivo numa maçaneta ou superfície lisa? 2. O álcool em gel é útil para limpar as mãos? 3. Qual

Leia mais

Relatório Trabalhista

Relatório Trabalhista Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone/fax (11) 4742-6674 Desde 1987 Legislação Consultoria Assessoria Informativos Treinamento Auditoria Pesquisa Qualidade Relatório

Leia mais

SAÚDE.sempre. Gripe. newsletter. medidas de auto cuidado. Secretaria Regional dos Assuntos Sociais

SAÚDE.sempre. Gripe. newsletter. medidas de auto cuidado. Secretaria Regional dos Assuntos Sociais Janeiro * 2014 Instituto de Administração da Saúde e Assuntos Sociais, IP-RAM Gripe medidas de auto cuidado newsletter Secretaria Regional dos Assuntos Sociais Ficha Técnica Newsletter - Janeiro de 2014

Leia mais

Actualizado em 21-09-2009* Doentes com Diabetes mellitus 1

Actualizado em 21-09-2009* Doentes com Diabetes mellitus 1 Doentes com Diabetes mellitus 1 Estas recomendações complementam outras orientações técnicas para protecção individual e controlo da infecção pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009. Destaques - Os procedimentos

Leia mais

PLANO DE ACTUAÇÃO CONTRA A GRIPE PANDÉMICA NO INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA

PLANO DE ACTUAÇÃO CONTRA A GRIPE PANDÉMICA NO INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA PLANO DE ACTUAÇÃO CONTRA A GRIPE PANDÉMICA NO INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA 1. OBJECTIVOS DO PLANO Antecipar e gerir a resposta do ISA para minimizar as condições de propagação da Gripe A na comunidade

Leia mais

VIROSES. Prof. Edilson Soares www.profedilson.com

VIROSES. Prof. Edilson Soares www.profedilson.com VIROSES Prof. Edilson Soares www.profedilson.com CATAPORA OU VARICELA TRANSMISSÃO Saliva Objetos contaminados SINTOMAS Feridas no corpo PROFILAXIA Vacinação HERPES SIMPLES LABIAL TRANSMISSÃO Contato

Leia mais

GRIPE A (H1N1) INFORMAÇÃO E RECOMENDAÇÕES PARA ESCOLAS E OUTROS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO

GRIPE A (H1N1) INFORMAÇÃO E RECOMENDAÇÕES PARA ESCOLAS E OUTROS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO GRIPE A (H1N1) INFORMAÇÃO E RECOMENDAÇÕES PARA ESCOLAS E OUTROS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO As escolas e outros estabelecimentos de ensino assumem um papel muito importante na prevenção de uma pandemia

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Viva intensamente. Cuide-se DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nossos órgãos internos HÁBITOS SAUDÁVEIS Para se ter qualidade com aumento da expectativa de vida,precisa-se manter hábitos saudáveis: Alimentação balanceada

Leia mais

Ass. de Comunicação www.ptexto.com.br. Veículo: Correio Braziliense Data: 06/12/2009 Seção: Capa Pág.: 1 Assunto: Vacinação antes da viagem

Ass. de Comunicação www.ptexto.com.br. Veículo: Correio Braziliense Data: 06/12/2009 Seção: Capa Pág.: 1 Assunto: Vacinação antes da viagem Veículo: Correio Braziliense Data: 06/12/2009 Seção: Capa Pág.: 1 Assunto: Vacinação antes da viagem Veículo: Correio Braziliense Data: 06/12/2009 Seção: Saúde Pág.: 25 Assunto: Vacinação antes da viagem

Leia mais

Influenza. João Pedro Marins Brum Brito da Costa (Instituto ABEL) Orientador: André Assis (UFRJ Medicina)

Influenza. João Pedro Marins Brum Brito da Costa (Instituto ABEL) Orientador: André Assis (UFRJ Medicina) Influenza João Pedro Marins Brum Brito da Costa (Instituto ABEL) Orientador: André Assis (UFRJ Medicina) O que éinfluenza Também conhecida como gripe, a influenza éuma infecção do sistema respiratório

Leia mais

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia.

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. a) Estudo de saúde da população humana e o inter relacionamento com a saúde animal; b) Estudo de saúde em grupos de pacientes hospitalizados;

Leia mais

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DA UFPR NA VIGILÂNCIA DOS EVENTOS ADVERSOS INFANTIS NOS ANOS DE 2004 E 2005.

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DA UFPR NA VIGILÂNCIA DOS EVENTOS ADVERSOS INFANTIS NOS ANOS DE 2004 E 2005. O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DA UFPR NA VIGILÂNCIA DOS EVENTOS ADVERSOS INFANTIS NOS ANOS DE 2004 E 2005. COORDENADORA Prof Dra. Denise Siqueira de Carvalho EQUIPE EXECUTORA

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

Boletim Epidemiológico Volume 01, Nº 2, 04 de Julho 2013.

Boletim Epidemiológico Volume 01, Nº 2, 04 de Julho 2013. Boletim Epidemiológico Volume 0, Nº 2, 04 de Julho 20. Influenza O controle da Influenza no país continua sendo feito por monitoramento - vigilância de Síndrome Gripal (SG) e da Síndrome Respiratória Aguda

Leia mais

Estratégias de Comunicação

Estratégias de Comunicação Estratégias de Comunicação Orientações do Governo Federal Epidemias acontecem em cenários de incerteza e confusão, com grande potencial para ocasionar intranqüilidade na população, desordem social e prejuízos

Leia mais

Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII. Ocorrências de casos humanos na América do Norte Informe do dia 29.04.

Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII. Ocorrências de casos humanos na América do Norte Informe do dia 29.04. I. Informações gerais Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Gabinete Permanente de Emergências de Saúde Pública Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII Ocorrências

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL REALIZAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS

NORMA PROCEDIMENTAL REALIZAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS 10.03.002 1/09 1. FINALIDADE Estabelecer procedimentos e disciplinar o processo para realização de exames laboratoriais no Hospital de Clínicas - HC. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Todas as unidades do HC, em

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico Página 1 / 8 1. Situação Epidemiológica do Sarampo Diferentes regiões do mundo estão definindo metas para a eliminação do sarampo e da rubéola até o ano de 2015. No entanto, surtos recentes de sarampo

Leia mais

Gripe por Influenza A H1N1 *

Gripe por Influenza A H1N1 * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, maio de 2009. Gripe por Influenza A H1N1 * Informações básicas O que é Gripe por Influenza A H1N1? A gripe por Influenza A H1N1 (Suína) é uma doença

Leia mais

Orientações para cuidado em casa com pessoas suspeitas ou confirmadas de Gripe por Influenza A H1N1(Gripe A)

Orientações para cuidado em casa com pessoas suspeitas ou confirmadas de Gripe por Influenza A H1N1(Gripe A) Orientações para cuidado em casa com pessoas suspeitas ou confirmadas de Gripe por Influenza A H1N1(Gripe A) Essas são recomendações do CDC (Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos) sobre o tempo

Leia mais

INFORME TÉCNICO CONTEXTO EPIDEMIOLÓGICO - COPA DO MUNDO FIFA 2014 23/05/14

INFORME TÉCNICO CONTEXTO EPIDEMIOLÓGICO - COPA DO MUNDO FIFA 2014 23/05/14 INFORME TÉCNICO CONTEXTO EPIDEMIOLÓGICO - COPA DO MUNDO FIFA 2014 23/05/14 INTRODUÇÃO Eventos de massa podem ser entendidos como qualquer evento que envolva grande número de pessoas, reunidas para um objetivo

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO O presente instrumento estabelece as normatizações técnicas do Programa Nacional de Imunizações referentes ao Calendário Nacional de Vacinação,

Leia mais

VACINAÇÃO DE GESTANTES

VACINAÇÃO DE GESTANTES VACINAÇÃO DE GESTANTES Renato de Ávila Kfouri INTRODUÇÃO A vacinação de grávidas muitas vezes pressupõe oportunidades perdidas de vacinação da mulher, antes da concepção. Doenças imunopreveníveis deveriam

Leia mais

A INTRODUÇÃO DA VACINA DPT - HEPATITE B

A INTRODUÇÃO DA VACINA DPT - HEPATITE B A INTRODUÇÃO DA VACINA DPT - HEPATITE B INFORMAÇÃO AO PESSOAL DE SAÚDE MAIO - 2001 Ministério da Saúde Departamento de Saúde da Comunidade 1 INFORMAÇÃO AO PESSOAL DE SAÚDE No mês de Julho de 2001, o Programa

Leia mais

Gripe H1N1 ou Influenza A

Gripe H1N1 ou Influenza A Gripe H1N1 ou Influenza A A gripe H1N1 é uma doença causada por vírus, que é uma combinação dos vírus da gripe normal, da aviária e da suína. Essa gripe é diferente da gripe normal por ser altamente contagiosa

Leia mais

Recomendações para instituições

Recomendações para instituições Recomendações para instituições Quando fazer a higiene das mãos A higiene das mãos deve ser feita com grande frequência em contexto de pandemia da gripe, com maior incidência nos seguintes casos: Após

Leia mais

CONHECENDO MELHOR A DOENÇA DO VÍRUS EBOLA - DVE. Dra. Rôsani Arantes de Faria Gerente de Gestão de Riscos GERISCO/SUNAS/SES-GO

CONHECENDO MELHOR A DOENÇA DO VÍRUS EBOLA - DVE. Dra. Rôsani Arantes de Faria Gerente de Gestão de Riscos GERISCO/SUNAS/SES-GO CONHECENDO MELHOR A DOENÇA DO VÍRUS EBOLA - DVE Dra. Rôsani Arantes de Faria Gerente de Gestão de Riscos GERISCO/SUNAS/SES-GO HISTÓRICO DA DVE O vírus Ebola foi identificado pela primeira vez em 1976,

Leia mais

Informações aos Pais sobre a Gripe nas Creches

Informações aos Pais sobre a Gripe nas Creches The Commonwealth of Massachusetts Executive Office of Health and Human Services Department of Public Health Informações aos Pais sobre a Gripe nas Creches 18 de setembro, 2009 A gripe H1N1 (suína) voltará

Leia mais

Medidas de protecção individual contra a Gripe A(H1N1)

Medidas de protecção individual contra a Gripe A(H1N1) Medidas de protecção individual contra a Gripe A(H1N1) Evite o contacto próximo com pessoas com gripe! Procure não estar na presença de pessoas com gripe. Se ficar doente, mantenha-se afastado dos outros,

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA- CALENDÁRIO VACINAL 2013

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA- CALENDÁRIO VACINAL 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA- CALENDÁRIO VACINAL 2013 IDADE Ao 2m 3m 4m 5m 6m 7m 12m 15m 18m 4 a 6 11 14 a 16 Nascer anos anos anos BCG ID 1 Hepatite B 2 DTP / DTPa 3 dt/dtpa 4 Hib 5 VIP / VOP 6 Pneumo

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [GRIPE (INFLUENZA A) SUÍNA]

www.drapriscilaalves.com.br [GRIPE (INFLUENZA A) SUÍNA] [GRIPE (INFLUENZA A) SUÍNA] 2 Gripe (Influenza A) Suína Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil I ÓBITOS, CASOS GRAVES E FATORES DE RISCO Entre 25 de abril e 8 de agosto, foram informados

Leia mais

PALESTRA SOBRE O VIRUS ÉBOLA Dr. VENCESLAU BRAVO DANIEL VEMBA

PALESTRA SOBRE O VIRUS ÉBOLA Dr. VENCESLAU BRAVO DANIEL VEMBA PALESTRA SOBRE O VIRUS ÉBOLA Dr. VENCESLAU BRAVO DANIEL VEMBA O QUE É A DOENÇA PELO VÍRUS ÉBOLA É a infecção provocada pelo vírus Ébola, que é uma doença grave, muitas vezes fatal em seres humanos,macacos,

Leia mais