O desafio de informar melhor. Juntos, uma comunicação de sucesso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O desafio de informar melhor. Juntos, uma comunicação de sucesso"

Transcrição

1 O desafio de informar melhor Juntos, uma comunicação de sucesso Janeiro 2006

2

3 1.Introdução Dar a conhecer à população (e sensibilizar os potenciais beneficiários) o papel que os financiamentos comunitários desempenham no desenvolvimento social e económico dos Estados-membros beneficiários, constitui uma matéria de natureza tão estratégica como a boa gestão administrativa, física e financeira ou outra actividade de gestão de um Programa Operacional. Neste sentido, no actual período de programação é definido, pela primeira vez, através do Regulamento (CE) nº 1159/ 2000, de 30 de Maio, as regras de execução em matéria de informação e publicidade a levar efeito pelos Estados Membros sobre as intervenções dos Fundos Estruturais. O Regulamento acima referenciado A União Europeia deve estar mais próxima dos cidadãos. O projecto europeu precisa de maior visibilidade. A participação dos cidadãos no debate europeu é essencial para reforçar a solidariedade europeia e consolidar assim os próprios alicerces da nossa União. Isto mostra a imensa importância que reveste a informação, um desafio que implica a partilha de responsabilidades. As autoridades de gestão dos Fundos Estruturais, pelo conhecimento que têm do terreno, ocupam um lugar de relevo para veicular a voz da Europa para as regiões, o mais perto possível dos cidadãos. 1 prevê que as acções em questão sejam programadas, estruturadas e avaliadas. A programação e estruturação encontram-se claramente estabelecidas no âmbito do Plano de Comunicação adoptado, em cada Programa Operacional, em sede de Complemento de Programação. No decurso da implementação dos Programas Operacionais, as Autoridades de Gestão tiveram/têm nomeadamente de: - fornecer provas das acções realizadas, sob a forma de exemplos de instrumentos (publicações, produtos multimédia, cartazes, etc.) ou a descrição de qualquer acção (por exemplo, um evento) que não possa assumir a forma de um instrumento concreto; - demonstrar a qualidade e a eficácia das acções empreendidas, ou seja, realizar avaliações centradas em indicadores específicos de qualidade e de eficácia e fornecer à Comissão informações sobre os resultados destas actividades; - fornecer estas informações aos Comités de Acom-panhamento; - prever um capítulo específico nos relatórios anuais com as informações transmitidas aos Comités de Acompanhamento. 1 Barnier, Michel. Guia Prático da Comunicação sobre os Fundos Estruturais Comissão Europeia, Direcção-Geral da Politica Regional, pág. 2. 1

4 2. Os Objectivos 2.1. A necessidade de uma reflexão sobre Informação e Comunicação O ano de 2006 será, sem dúvida, um ano marcado pela terceira fase dos planos estratégicos de divulgação dos Programas Operacionais. É o momento de mostrar resultados e avaliar as acções. Em simultâneo será um ano marcado pela preparação e conclusão do QREN e das negociações quanto aos Programas Operacionais que irão actuar no próximo período de programação, ou seja, tudo tem de estar pronto em 1 de Janeiro de Afigura-se, assim, o momento próprio para promover uma reunião centrada na troca de experiências, boas e más, numa análise de carácter prospectivo, numa reflexão sobre a avaliação das acções implementadas no actual período de programação e no debate das questões centrais subjacentes à implementação de uma estratégia de comunicação e publicidade, que observe as disposições regulamentares 2 já apresentadas pela Comissão Europeia sobre esta matéria O modelo organizacional Considerando os temas propostos para a reunião, optou-se por envolver um grupo específico constituído pelos responsáveis pela informação e publicidade de cada um dos Programas Operacionais. A moderação da reunião caberá à DGDR. Dada a transversalidade do tema, serão convidados a participar nesta reunião os responsáveis pela informação e publicidade dos organismos membros da Comissão de Gestão do QCA III. Por questões de natureza logística, sugerimos que a composição da representação de cada Programa Operacional não ultrapasse 2 participantes A data proposta Considerando a necessidade de se fazer um balanço crítico da actual experiência e desenvolver uma estratégia para o próximo período de programação, propomos a data de 9 de Fevereiro de 2006, pelas 10horas, para a realização da reunião acima referida. 2 Proposta de regulamento de aplicação do regulamento geral dos Fundos, apresentado pela Comissão Europeia 2

5 Dada a agenda que propomos (ponto 3 deste documento, prevê-se que a reunião preencha todo o dia de trabalho O local A reunião será realizada em Lisboa, em local a indicar oportunamente. 3. A proposta de agenda O que se pretende é aferir se os actuais Planos de Comunicação de cada um dos Programas Operacionais foram adequadamente implementados, quais os instrumentos utilizados (e se estes se verificaram ser os mais adequados) e se as acções desenvolvidas foram eficientes e eficazes. Com base numa avaliação crítica da situação actual pretende-se ainda reflectir sobre os diversos caminhos possíveis para a montagem e operacionalização do(s) Plano(s) de Comunicação do próximo período de programação. Neste contexto propõe-se a seguinte agenda de trabalhos: AGENDA DE TRABALHOS 1. Avaliação da situação actual 1.1 Troca de experiências 1.2 Avaliação 2. Preparação do encerramento dos Programas 3 3. Juntos, uma comunicação de sucesso 3.1 O site do QCA III - http//www.qca.pt 3.2 Uma campanha global 4. Preparação do próximo período de programação Julga-se que na sessão da manhã poderão ser tratados o primeiro e segundo pontos da agenda e os restantes na sessão da tarde. 3 Guia prático da comunicação sobre os Fundos Estruturais

6 4. Guião dos trabalhos 1. Avaliação da situação actual 1.1 Troca de experiências O plano de acção para a divulgação dos Programas segue de perto o ciclo de vida do próprio Programa, encontrando-se, na generalidade, as situações claramente delineadas em três fases de actuação: I fase: divulgação generalista II fase: divulgação dirigida (públicos-alvo, sectores e áreas temáticas específicos) III fase: divulgação de resultados. Convidamos, assim, à apresentação e disponibilização dos materiais usados 1, por parte de cada Programa Operacional, de uma acção avaliada como boa prática em cada uma das fases já percorridas. Em termos de troca de experiências é ainda importante que sejam evidenciados os instrumentos/acções que tiverem resultados menos satisfatórios. Para a terceira fase, sugerimos a apresentação das acções para divulgação dos resultados, que se encontrem já realizadas ou planeadas. Para adequar a logística e a organização dos trabalhos, solicita-se que nos sejam indicadas, até 1 de Fevereiro, as intenções de cada Programa Operacional para esta apresentação. 1.2 Avaliação Avaliar significa medir. Para isso é necessário identificar e utilizar indicadores específicos De acordo com o Regulamento (CE) nº. 1159/2000, de 30 de Maio de 2000, as Autoridades de Gestão devem fornecer provas das acções realizadas e demonstrar a qualidade e a eficácia das acções empreendidas, ou seja, realizar avaliações centradas em indicadores específicos de qualidade e de eficácia e fornecer à Comissão informação sobre os resultados destas actividades. Importa precisar que instrumentos de avaliação foram já implementados e que indicadores foram já quantificados. Com base nesta análise interessaria fazer um balanço da eficiência da actividade de informação e divulgação. 4 Para o efeito poderão ser disponibilizados expositores para cada Programa Operacional ou equipamentos de suporte a outras formas de apresentação a indicar pelas Autoridades de Gestão. Recorda-se no entanto que, por uma questão de gestão de tempo, a existirem apresentações a sua duração não deverá ultrapassar 5/10 minutos por cada Programa. 4

7 Para tal, sem inabilitar qualquer contributo que possa ser dado na reunião, mas procurando constituir uma base de trabalho, fizemos um levantamento com base nos Planos de Comunicação que constam dos Complementos de Programação e dos Relatórios de Execução de 2004 de cada Programa Operacional tendo chegado aos seguintes resultados: Avaliação das acções de comunicação PROGRAMAS Plano de comunicação Bateria de indicadores Relatório de Execução Quantificação dos indicadores EDUCAÇÃO - EMPREGO - X CIÊNCIA - X SOC. CONHECIM - SAÚDE X CULTURA - X AGRICULTURA X PESCAS X ECONOMIA TRANSPORTES AMBIENTE NORTE CENTRO X LVT X ALENTEJO - ALGARVE X AÇORES X MADEIRA - X AT QCA X quantificação das acções mas sem indicação sobre a sua abrangência/aderência quantificação das acções e dos utilizadores 5

8 Não obstante cada Programa Operacional poder ter adoptado os seus próprios indicadores, recorda-se aqui a bateria de indicadores avançados no já citado guia prático da comunicação sobre os Fundos Estruturais AVALIAÇÃO DAS ACÇÕES, DOS INSTRUMENTOS E DA ESTRATÉGIA DE COMUNICAÇÃO APÓS A SUA EXECUÇÃO Indicadores de eficácia alteração (aumento/diminuição) do nível de transparência e do nível de conhecimento sobre o papel desempenhado pela União através dos Fundos Estruturais Indicadores de resultado Avaliação do efeito directo e imediato induzido pelo instrumento ou pela acção a nível dos destinatários Método de utilização dos indicadores de impacto e de resultado: - Interrogação inicial dos destinatários das acções de informação e de publicidade. - Interrogações intermédia e final do mesmo público e apuramento das mudanças ocorridas a nível da transparência e do conhecimento e a nível dos resultados produzidos pela utilização das acções e dos instrumentos. Exemplos: - Número de visitas de um sítio web - Número de participantes num evento em relação ao número de convidados - Número de leitores de um artigo de imprensa em relação ao número de exemplares difundidos - Número de pedidos de financiamento recebidos em relação aos beneficiários potenciais atingidos - Número de artigos publicados e/ou de reportagens televisivas ou radiofónicas realizadas após uma conferência de imprensa ou um acontecimento importante - Número de telespectadores duma emissão de televisão/rádio Indicadores de realização Realização efectiva das diferentes acções/instrumentos do plano de comunicação em relação às acções/instrumentos planeados Indicadores orçamentais Avaliação do consumo das dotações para a informação e publicidade em relação às dotações programadas Indicadores de qualidade Indicadores específicos para cada uma das acções/produtos realizados Exemplos Publicações: - Carácter atractivo - Clareza da linguagem - Equilíbrio entre o texto e a imagem - Produtos electrónicos em linha e fora de linha - Facilidade de utilização - Facilidade de acesso Eventos: - Qualidade da organização (pontualidade, funcionamento dos serviços, prestações do pessoal responsável pela organização) - Nível de participação no debate - Profissionalismo, clareza e duração das intervenções - Qualidade da documentação distribuída - Facilidade de acesso ao local do evento 2. Preparação do encerramento dos Programas Operacionais Com o objectivo de preparar o encerramento dos Programas Operacionais importa rever os mecanismos de observância dos requisitos inerentes à Informação e Publicidade que, efectivamente, foram implementados no terreno, designadamente tendo presente o quadro resumo abaixo indicado. 6

9 Fonte: Guia prático da comunicação sobre FE Juntos, uma comunicação de sucesso O site do QCA III - http//www.qca.pt O portal do QCA III foi, recentemente remodelado 6, tendo sido criadas novas funcionalidades, actualizados e introduzidos novos conteúdos. Este sítio tem por principal objectivo disponibilizar uma visão global e integrada do QCA III e do papel dos Fundos Comunitários em Portugal, divulgando as notícias mais relevantes desta área de negócio e facilitando, para o público em geral, a panóplia de acessos aos diversos sítios específicos dos Programas Operacionais. Tratando-se de um sítio dinâmico, encontra-se previsto a implementação, ao longo de 2006, de novos conteúdos e funcionalidades. Pretende-se neste ponto, percepcionar funcionalidades que ainda possam estar aquém das expectativas dos utilizadores e, porventura sobretudo, envolver todos os Programas Operacionais em termos de colaboração na prestação de informação através deste endereço. Na verdade existe uma grande assimetria de informação disponibilizada por cada Programa Operacional neste endereço, conforme pode ser verificado no quadro abaixo, que julgamos de colmatar, através da efectiva colaboração de todos os Programas. 5 Guia prático da comunicação sobre FE Será apresentado um breve resumo sobre as principais alterações/melhorias introduzidas 7

10 Nº de Notícias por Entidade em 2005 PROGRAMAS TOTAl EDUCAÇÃO EMPREGO 2 CIÊNCIA SOC. CONHECIM SAÚDE 2 CULTURA ADM. PUBLICA AGRICULTURA PESCAS ECONOMIA 13 TRANSPORTES AMBIENTE NORTE 21 CENTRO LVT ALENTEJO 19 ALGARVE AÇORES MADEIRA DGDR Uma campanha global O ano de 2006 será, ainda, o ano em que se perfazem 20 anos de intervenções dos Fundos Estruturais em Portugal. Considera-se que se trata de um marco que deve ser assinalado com iniciativas que mostrem aos portugueses a imagem do seu País antes e depois da intervenção dos Fundos Estruturais. Para desenvolver qualquer iniciativa que pretenda dar uma visão de conjunto é da maior importância a colaboração de todos os Programas Operacionais. Esta colaboração passa, desde logo, pela constituição de um banco central de imagens. Através desta iniciativa pretende-se constituir uma base de trabalho, acessível por todos, que possibilite uma visão de conjunto e que possa ser usada nos vários instrumentos publicitários sobre o QCA III e os Fundos Estruturais. 8

11 Neste contexto, considera-se necessário o envio de todas as imagens (fotos, vídeos, etc) já recolhidas pelas Estruturas de Apoio técnico de cada Programa Operacional, se possível, até dia 6 de Fevereiro, para um dos seguintes endereços electrónicos: ou Na reunião será apresentado o ponto de situação desta recolha. 4. Preparação do próximo período de programação Com base na apresentação 7 e análise da proposta apresentada pela Comissão Europeia para este domínio da gestão, para o próximo período de programação, e ponderando as lições da experiência acumuladas por cada Programa Operacional, importa reflectir sobre o processo de preparação e montagem do(s) Plano(s) de Comunicação. Com base nesta troca de opiniões será elaborado um documento de síntese, que se pretende vir a constituir um testemunho útil para os agentes que vierem a estar envolvidos nas matérias em apreço. 7 Será apresentada a súmula da proposta da Comissão Europeia para esta temática 9

QUADRO COMUNITÁRIO DE APOIO

QUADRO COMUNITÁRIO DE APOIO QUADRO COMUNITÁRIO DE APOIO 2000-2006 PLANO DE ACÇÃO DE COMUNICAÇÃO DO QCA AGOSTO 2001 1 ÍNDICE 1 - Objectivos... 4 2 - Públicos-alvo... 4 3 - Estratégia... 4 4 Conteúdo e Estratégia das Acções... 5 5

Leia mais

Plano de Comunicação para o QCA III. Relatório de Execução de 2002

Plano de Comunicação para o QCA III. Relatório de Execução de 2002 Plano de Comunicação para o QCA III Relatório de Execução de 2002 Após o período de lançamento do QCA III o ano de 2002 foi de consolidação dos projectos iniciados e de apresentação dos primeiros resultados.

Leia mais

Comunicação durante o processo de auto-avaliação

Comunicação durante o processo de auto-avaliação Comunicação durante o processo de auto-avaliação Durante o processo de auto-avaliação a política de comunicação deve focalizar os ganhos para todas as partes interessadas, colaboradores e cidadãos/clientes.

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 O ano de 2008 é marcado, em termos internacionais, pela comemoração dos vinte anos do Movimento Internacional de Cidades Saudáveis. Esta efeméride terá lugar em Zagreb,

Leia mais

Guia de Informação e Publicidade para Beneficiários

Guia de Informação e Publicidade para Beneficiários Guia de Informação e Publicidade para Beneficiários Autoridade de Gestão do PO Algarve21 Outubro 2008 Obrigações de Informação e Publicidade dos Beneficiários A divulgação e a publicitação do apoio (co-financiamento)

Leia mais

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho De : DCED/DICUL Carlos Anjos Proc. Nº Para : ANA JOSÉ CARVALHO, CHEFE DA DICUL Assunto : PROPOSTA DE PLANO DE ACTIVIDADES DO GRUPO DE TRABALHO PARA O MOVIMENTO ASSOCIATIVO - 2011 Para os efeitos tidos

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Visitas às Eco-Escolas. Auditorias de Qualidade do Programa. - Guião de preenchimento do inquérito -

Visitas às Eco-Escolas. Auditorias de Qualidade do Programa. - Guião de preenchimento do inquérito - Visitas às Eco-Escolas Auditorias de Qualidade do Programa - Guião de preenchimento do inquérito - NOTAS PRÉVIAS O presente documento serve de guião à aplicação da ficha de visita às Eco-Escolas fornecendo

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA PLANO DE COMUNICAÇÃO E DIVULGAÇÃO Deliverable 4 Fase 2 Novembro 2008 1 P á g i n a Índice 1. Objectivos... 3 2. Públicos-alvo... 4 3. Estratégia de Comunicação... 5 3.1

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DA CULTURA

PROGRAMA OPERACIONAL DA CULTURA PROGRAMA OPERACIONAL DA CULTURA Relatório de 2000 1. Introdução e enquadramento. 1.1 Apresentação e síntese do documento O relatório de 2000 do Programa Operacional da Cultura, constitui o 1º relatório

Leia mais

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 UNIÓN EUROPEA 1 de junio de 2011 3. SUMÁRIO EXECUTIVO A avaliação do Plano de

Leia mais

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE . Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete . Objectivos e Princípios Orientadores O Sistema de Informação e Comunicação (SIC) da Rede Social de Alcochete tem como objectivo geral

Leia mais

Guia de Normas de Informação e Publicidade para Beneficiários

Guia de Normas de Informação e Publicidade para Beneficiários Guia de Normas de Informação e Publicidade para Beneficiários Índice Introdução 04 Obrigações de Informação e Publicidade dos Benficiários 05 Síntese das Obrigações de Informação e Publicidade do Beneficiários

Leia mais

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura No âmbito do Contrato de Delegação de Competências do POPH na CCP 1. Enquadramento da Iniciativa A Iniciativa Formação para Empresários tem

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Organismos Intermédios Eixo Prioritário VI - Assistência Técnica Convite para

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS (Enquadramento) Conforme o disposto na Resolução do Conselho de Ministros nº. 197/97, de 18 de Novembro e no Despacho Normativo nº. 8/2, de 12 de

Leia mais

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC. FAQs

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC. FAQs Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC FAQs Folha de Controlo Nome do Documento: FAQs Evolução do Documento Versão Autor Data Comentários

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

CENTRO DE INFORMAÇÃO EUROPE DIRECT DE SANTARÉM

CENTRO DE INFORMAÇÃO EUROPE DIRECT DE SANTARÉM CENTRO DE INFORMAÇÃO EUROPE DIRECT DE SANTARÉM Assembleia de Parceiros 17 de Janeiro 2014 Prioridades de Comunicação 2014 Eleições para o Parlamento Europeu 2014 Recuperação económica e financeira - Estratégia

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

DOCUMENTO DE CONSULTA PÚBLICA

DOCUMENTO DE CONSULTA PÚBLICA DOCUMENTO DE CONSULTA PÚBLICA N.º 8/2010 Projecto de Orientação Técnica relativa ao desenvolvimento dos sistemas de gestão de riscos e de controlo interno das entidades gestoras de fundos de pensões 31

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Síntese das acções de informação e publicidade dos Beneficiários

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Síntese das acções de informação e publicidade dos Beneficiários SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Síntese das acções de informação e publicidade dos Beneficiários Acções obrigatórias Na fase inicial Durante a execução Na fase de encerramento Especificações Inclusão

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de Dezembro, estabeleceu o enquadramento

Leia mais

Regulamento do Concurso de Ideias

Regulamento do Concurso de Ideias Regulamento do Concurso de Ideias 1. Apresentação O Concurso de Ideias e a Conferência Internacional sobre Prevenção e Controlo do Tabagismo, que vai ter lugar em Lisboa, de 14 a 15 de novembro de 2013,

Leia mais

Relatório de Actividades do Ano de 2013 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica. Conselho Consultivo da Reforma Jurídica

Relatório de Actividades do Ano de 2013 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica. Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Relatório de Actividades do Ano de 2013 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Março de 2014 Índice 1. Resumo das actividades....1 2. Perspectivas para as actividades

Leia mais

Normas de Informação e Publicitação de Apoios para Beneficiários

Normas de Informação e Publicitação de Apoios para Beneficiários Projectos de Investigação Científica e Desenvolvimento Tecnológico Normas de Informação e Publicitação de Apoios para Beneficiários Versão 1.0 10/03/2011 Governo da República Portuguesa 2 Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

INSTITUCIONAL. Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO. Operações no Domínio da Administração em Rede

INSTITUCIONAL. Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO. Operações no Domínio da Administração em Rede Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL Operações no Domínio da Administração em Rede Aviso para apresentação de candidaturas - Eixo Prioritário V Governação e Capacitação Institucional

Leia mais

REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM DA FREGUESIA DE SÃO TEOTÓNIO (1ª ALTERAÇÃO)

REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM DA FREGUESIA DE SÃO TEOTÓNIO (1ª ALTERAÇÃO) DA FREGUESIA DE SÃO TEOTÓNIO (1ª ALTERAÇÃO) Órgão Executivo, Órgão Deliberativo, Em de 2015 Em de 2015 Preâmbulo A freguesia de São Teotónio tem um compromisso estabelecido com a população de cumprir a

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO FUNDÃO Publicação II SÉRIE N.º 98 20 de Maio de 2010 Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão Preâmbulo A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 IV (Actos adoptados, antes de 1 de Dezembro de 2009, em aplicação do Tratado CE, do Tratado da UE e do Tratado Euratom) DECISÃO DO CONSELHO de 27 de Novembro

Leia mais

Objectivos Estratégicos (OE) Meta 2008 Taxa de Realização

Objectivos Estratégicos (OE) Meta 2008 Taxa de Realização Ministério: Organismo: MISSÃO: Ministério das Finanças e da Administração Pública Direcção-Geral do Orçamento A Direcção-Geral do Orçamento (DGO) tem por missão superintender na elaboração e execução do

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

Banco Local de Voluntariado de Gondomar

Banco Local de Voluntariado de Gondomar Regulamento Interno do Banco Local de Voluntariado de Gondomar (Aprovado em reunião de Câmara de 12 de Fevereiro e Assembleia Municipal de 18 de Fevereiro de 2009) Preâmbulo Entende-se por voluntariado

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA Extracto do PARECER TÉCNICO emitido pelo Especialista da Formação PREÂMBULO O presente Parecer tem como objectivo a análise do Projecto de Investigação

Leia mais

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA UNIVERSIDADE DO PORTO PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA LITERACIA FINANCEIRA DA U.PORTO Outubro de 2012 Enquadramento do programa na Estratégia Nacional de Formação Financeira Plano Nacional de Formação Financeira

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Síntese das acções de informação e publicidade dos Beneficiários. Acções obrigatórias

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Síntese das acções de informação e publicidade dos Beneficiários. Acções obrigatórias Acções obrigatórias Na fase inicial Durante a execução Na fase de encerramento Especificações Inclusão na lista de beneficiários para publicitação por parte da Autoridade de Gestão, nos termos previstos

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Eixo Prioritário IV Protecção e Valorização Ambiental ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ÁGUAS INTERIORES Aviso nº : CENTRO-VQA-2009-14-PIN-07

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 I. Âmbito de Aplicação e Princípios Gerais...4 Artigo 1.º Âmbito Pessoal...4 Artigo 2.º Âmbito Territorial...4 Artigo 3.º Princípios Gerais...4 Artigo

Leia mais

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9.

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9. Índice: Introdução 3 Princípios Orientadores 3 Definição do projecto 4 Objectivos a alcançar 5 Implementação do projecto 5 Recursos necessários 6 Avaliação do projecto 7 Divulgação Final do Projecto 7

Leia mais

Guia para o Plano de comunicação e visibilidade dos Projetos financiados pela União Europeia em Cabo Verde

Guia para o Plano de comunicação e visibilidade dos Projetos financiados pela União Europeia em Cabo Verde UNIÃO EUROPEIA DELEGAÇÃO NA REPÚBLICA DE CABO VERDE Guia para o Plano de comunicação e visibilidade dos Projetos financiados pela União Europeia em Cabo Verde 1 P a g e Visibilidade e comunicação são dois

Leia mais

- Reforma do Tesouro Público

- Reforma do Tesouro Público - Reforma do Tesouro Público Em Novembro de 1997 foram definidas as opções estratégicas do Ministério das Finanças para a adopção da moeda Única ao nível da Administração Financeira do Estado. Estas opções,

Leia mais

IDN-Incubadora de Idanha-a-Nova

IDN-Incubadora de Idanha-a-Nova IDN-Incubadora de Idanha-a-Nova Guião do estudo económico e financeiro IDN - Incubadora de Idanha - Guião de candidatura Pág. 1 I CARACTERIZAÇÃO DO PROMOTOR 1.1 - Identificação sumária da empresa 1.2 -

Leia mais

ESTRATÉGIA DE COMUNICAÇÃO DO PO CH PROPOSTA À COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO. POCH 1 www.poch.portugal2020.pt

ESTRATÉGIA DE COMUNICAÇÃO DO PO CH PROPOSTA À COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO. POCH 1 www.poch.portugal2020.pt ESTRATÉGIA DE COMUNICAÇÃO DO PO CH PROPOSTA À COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO POCH 1 www.poch.portugal2020.pt O ponto de partida Principais conclusões das avaliações sobre a comunicação no âmbito do QREN: 88%

Leia mais

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2009

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2009 QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2009 Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior FCT (última actualização 2009/03/09) Missão: A missão da FCT visa o desenvolvimento, financiamento e avaliação

Leia mais

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02 Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental Acções de Valorização e Qualificação Ambiental Aviso - ALG-31-2010-02 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO

Leia mais

1) Breve apresentação do AEV 2011

1) Breve apresentação do AEV 2011 1) Breve apresentação do AEV 2011 O Ano Europeu do Voluntariado 2011 constitui, ao mesmo tempo, uma celebração e um desafio: É uma celebração do compromisso de 94 milhões de voluntários europeus que, nos

Leia mais

ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS

ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS Novembro de 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE ESPOSENDE ESPOSENDE AMBIENTE, EEM OBJECTIVOS DE COMBATE ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS Até ao ano de 2020, Aumentar em 20% a eficiência energética

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Órgãos de Gestão

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Órgãos de Gestão EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência

Leia mais

Regime do Canal Parlamento e do Portal da Assembleia da República

Regime do Canal Parlamento e do Portal da Assembleia da República Regime do Canal Parlamento e do Portal da Assembleia da República Resolução da Assembleia da República n.º 37/2007, de 20 de agosto com as alterações introduzidas pela Resolução da Assembleia da República

Leia mais

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves. Fundos Comunitários geridos pela Comissão Europeia M. Patrão Neves Fundos comunitários: no passado Dependemos, de forma vital, dos fundos comunitários, sobretudo porque somos um dos países da coesão (e

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

FAQ s METODOLOGIA DE INTERVENÇÃO / ORGANIZAÇÃO

FAQ s METODOLOGIA DE INTERVENÇÃO / ORGANIZAÇÃO FAQ s METODOLOGIA DE INTERVENÇÃO / ORGANIZAÇÃO 1) Quais os objectivos que se pretende atingir com a Sessão de Imersão e o Seminário de Diagnóstico? A Sessão de Imersão tem por objectivo a apresentação

Leia mais

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e Ética 6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e de Ética ETICA COMPROMISSO CONDUTA EMPRESAS PROFISSIONAL PRINCÍPIOS INDEPENDÊNCIA DEVERES CLIENTES EXIGÊNCIAS PÚBLICO

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. AUDIÊNCIA 3 3. VALOR DA INFORMAÇÃO 4 4. IMPORTÂNCIA DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 5 5. MODELO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 6 6. RESPONSABILIDADES NA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 7 7. MANUTENÇÃO

Leia mais

circular ifdr Noção de Organismo de Direito Público para efeitos do cálculo de despesa pública SÍNTESE: ÍNDICE

circular ifdr Noção de Organismo de Direito Público para efeitos do cálculo de despesa pública SÍNTESE: ÍNDICE N.º 01/2008 Data: 2008/07/16 Noção de Organismo de Direito Público para efeitos do cálculo de despesa pública Elaborada por: Núcleo de Apoio Jurídico e Contencioso e Unidade de Certificação SÍNTESE: A

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO

AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO 1. A auto-regulação da publicidade é a resposta da indústria publicitária ao desafio de lidar com as questões

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, 25.6.2003 L 156/17 DIRECTIVA 2003/35/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 26 de Maio de 2003 que estabelece a participação do público na elaboração de certos planos e programas relativos ao ambiente

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME NATUREZA DO PROGRAMA O Programa Formação-Acção PME consiste num itinerário de Formação e Consultoria Especializada (Formação-Acção Individualizada), inteiramente

Leia mais

Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa

Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Criação 1. A Conferência dos Ministros da Justiça

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE SUPERVISORES FINANCEIROS CONSULTA PÚBLICA N.º 3/2007 BETTER REGULATION DO SECTOR FINANCEIRO EM MATÉRIA DE REPORTE ACTUARIAL

CONSELHO NACIONAL DE SUPERVISORES FINANCEIROS CONSULTA PÚBLICA N.º 3/2007 BETTER REGULATION DO SECTOR FINANCEIRO EM MATÉRIA DE REPORTE ACTUARIAL CONSELHO NACIONAL DE SUPERVISORES FINANCEIROS CONSULTA PÚBLICA N.º 3/2007 BETTER REGULATION DO SECTOR FINANCEIRO EM MATÉRIA DE REPORTE ACTUARIAL 1 I - ENQUADRAMENTO 1. A iniciativa de Better Regulation

Leia mais

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas A auditoria à Conta Geral da Regiã o Administrativa Especial de Macau no â mbito da prestaçã o de contas São Tomé e Príncipe, 11-14 de Outubro de 2010 VI Assembleia Geral da OISC/CPLP Índice 1. Introdução

Leia mais

Página. Plano. de Gestão Sustentável do IFDR. Poupança. Boas Práticas. Energia. Reciclagem. Plano de Gestão Sustentável do IFDR

Página. Plano. de Gestão Sustentável do IFDR. Poupança. Boas Práticas. Energia. Reciclagem. Plano de Gestão Sustentável do IFDR Página Plano de Gestão Sustentável do IFDR 2010 Energia Poupança Boas Práticas Reciclagem Dezembro de 2010 Página 2 Energia Poupança Página Reciclagem Boas Práticas Índice 1. Enquadramento 5 2. Objectivos

Leia mais

ANEXO I ORDENS DE TRABALHO DAS REUNIÕES DO PLENÁRIO DA CPEE

ANEXO I ORDENS DE TRABALHO DAS REUNIÕES DO PLENÁRIO DA CPEE ANEXO I ORDENS DE TRABALHO DAS REUNIÕES DO PLENÁRIO DA CPEE Durante o ano de 2009, nas 8 (oito) reuniões de Plenário da CPEE os assuntos abordados e as matérias alvo de deliberação foram as constantes

Leia mais

Síntese das acções de informação e publicidade dos Beneficiários. Acções obrigatórias

Síntese das acções de informação e publicidade dos Beneficiários. Acções obrigatórias Síntese das acções de informação e publicidade dos Beneficiários Acções obrigatórias Na fase inicial Durante a execução Na fase de encerramento Especificações de execução Inclusão na lista de beneficiários

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

DIGITALMAISTV DIGITALMAISTV

DIGITALMAISTV DIGITALMAISTV DIGITALMAISTV A DIGITALMAISTV é um canal de televisão online que procura divulgar a região do Algarve no país e no mundo através da Internet, apostando na diversidade de conteúdos e numa vasta oferta de

Leia mais

Conselho Municipal de Educação

Conselho Municipal de Educação 1 Regimento do (CME) do Município de Vila Nova de Paiva A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19, n.º2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS

AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS I A Comissão Directiva do POPH informa que decorre entre os dias 30 de Janeiro e 3 de Março de 2008 o período para apresentação de candidaturas ao Programa Operacional

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA Nô Pintcha Pa Dizinvolvimentu UE-PAANE - Programa de Apoio aos Actores Não Estatais TERMOS DE REFERÊNCIA CONTRATO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA PARA FORMADOR EM CONTABILIDADE, GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo O (adiante designado de Pacto Territorial), é uma plataforma de intervenção integrada, criada no âmbito do Projecto EQUAL Migrações e Desenvolvimento com vista à dinamização

Leia mais

Guião de apoio para divulgação junto da Comunicação Social

Guião de apoio para divulgação junto da Comunicação Social Semana da Liberdade de Escolha da Escola / School Choice Week & I Conferência da Liberdade de Escolha da Escola / 1st School Choice Conference Guião de apoio para divulgação junto da Comunicação Social

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:213931-2013:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:213931-2013:text:pt:html 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:213931-2013:text:pt:html B-Bruxelas: Serviços de apoio à promoção de talento Web na Europa através do incentivo à utilização

Leia mais

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa CORECARD > MONITORIZAÇÃO Organização e Processos de Gestão Estratégica Liderar e criar uma cultura de escola Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

Leia mais

Introdução. O Júri seleccionará cinco organizações para cada uma das seguintes categorias:

Introdução. O Júri seleccionará cinco organizações para cada uma das seguintes categorias: REGULAMENTO Introdução O Prémio Healthy Workplaces - Locais de Trabalho Saudáveis pretende reconhecer e distinguir as organizações portuguesas com contributos notáveis e inovadores para a segurança, o

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO Novembro/2014 Índice INTRODUÇÃO... 3 Balanço da execução do plano... 4 Conclusão... 5 Recomendações... 8 REVISÃO DO

Leia mais

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Enquadramento Com base numa visão estratégica de desenvolvimento social que valorize a rentabilização dos recursos técnicos e financeiros

Leia mais

Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses

Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses Ficha de Inscrição Encontre a resposta às suas dúvidas! Identifique a sessão pretendida: Porto AICEP (Rua António Bessa Leite, 1430-2.º andar)

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONCHIQUE Preâmbulo Considerando que a participação solidária em acções de voluntariado, definido como conjunto de acções de interesse

Leia mais

- A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados

- A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados Boas práticas no sector segurador - A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados Eduardo Farinha Pereira eduardo.pereira@isp.pt Sumário Enquadramento

Leia mais

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE V EUROSAI/OLACEFS CONFERENCE SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES A V Conferência EUROSAI/OLACEFS reuniu, em Lisboa, nos dias 10 e 11 de Maio de

Leia mais

FEDERAÇÃO NACIONAL DAS COOPERATIVAS DE CONSUMIDORES, FCRL

FEDERAÇÃO NACIONAL DAS COOPERATIVAS DE CONSUMIDORES, FCRL COMENTÁRIOS DA FENACOOP PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR As cooperativas de consumo são, nos termos da Constituição e da Lei, entidades legítimas de representação dos interesses e direitos dos

Leia mais

SISTEMA DE APOIOS À MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA (SAMA)

SISTEMA DE APOIOS À MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA (SAMA) AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 1 / SAMA/ 2009 SISTEMA DE APOIOS À MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA (SAMA) PROJECTOS-PILOTO SUSTENTADOS EM REDES DE NOVA GERAÇÃO OPERAÇÕES INDIVIDUAIS E OPERAÇÕES

Leia mais

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844 SA11715 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844 MECANISMO REVISTO DE ACOMPANHAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO, MONITORIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DO PLANO

Leia mais

MODELO DE COMUNICAÇÃO DE ALTERAÇÕES

MODELO DE COMUNICAÇÃO DE ALTERAÇÕES MODELO DE COMUNICAÇÃO DE ALTERAÇÕES GUIÃO DE UTILIZAÇÃO FORMULÁRIO DE COMUNICAÇÃO DE ALTERAÇÕES - 1 - INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO Questões Prévias: 1. A Entidade Titular do Pedido de Financiamento deverá

Leia mais

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Ponto de situação em 31 de Outubro de 2007 As listas de consumidores com direito à restituição de caução foram

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO y Câmara Municipal de Redondo CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO O DL 7/2003, de 15 de Janeiro, que prevê a constituição do Conselho Municipal de Educação, regulou as suas competências

Leia mais

(Regimento para o Conselho Nacional de Protecção Civil) Decreto-Regulamentar n.º 3/2002 De 12 de Junho

(Regimento para o Conselho Nacional de Protecção Civil) Decreto-Regulamentar n.º 3/2002 De 12 de Junho I SÉRIE N.º 20 B. O. DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 12 DE JULHO DE 2001 (Regimento para o Conselho Nacional de Protecção Civil) Decreto-Regulamentar n.º 3/2002 De 12 de Junho A Lei de Bases de Protecção Civil,

Leia mais

Regulamento da Rede de Mentores

Regulamento da Rede de Mentores Regulamento da Rede de Mentores 1. Enquadramento A Rede de Mentores é uma iniciativa do Conselho Empresarial do Centro (CEC) e da Associação Industrial do Minho (AIMinho) e está integrada no Projeto Mentor

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Serviço Nacional de Saúde

Serviço Nacional de Saúde Informação de Custos dos Cuidados de Saúde Serviço Nacional de Saúde A Informação de custos dos Cuidados de Saúde é uma iniciativa do Ministério da Saúde, de abrangência nacional, enquadrada no Programa

Leia mais

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES FICHA TÉCNICA Organização: Câmara Municipal da Amadora, Gabinete de Acção Social Equipa Técnica: Ana Costa, Rute Gonçalves e Sandra Pereira Design/Paginação: Estrelas

Leia mais

Plano de Redução e Melhoria da Administração Central do Estado

Plano de Redução e Melhoria da Administração Central do Estado Plano de Redução e Melhoria da Administração Central do Estado PREMAC Relatório de Execução 15.09.2011 Hélder Rosalino Propósitos gerais: O Governo assumiu, no seu Programa, a urgência de reduzir os custos

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC)

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIAC / 2012 SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) PROGRAMA ESTRATÉGICO +E+I PROMOÇÃO DA PARTICIPAÇÃO NO 7.º PROGRAMA-QUADRO DE I&DT (UNIÃO EUROPEIA)

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais