NOVAS TECNOLOGIAS PARA ISOLAMENTO Palestra TÉRMICO DE TUBULAÇÕES E DUTOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NOVAS TECNOLOGIAS PARA ISOLAMENTO Palestra TÉRMICO DE TUBULAÇÕES E DUTOS"

Transcrição

1 NOVAS TECNOLOGIAS PARA ISOLAMENTO Palestra TÉRMICO DE TUBULAÇÕES E DUTOS 1 EFEITOS DA UMIDADE NO DESEMPENHO E VIDA ÚTIL DE INSTALAÇÕES HVAC-R Palestrante Antonio Luís de Campos Mariani Escola Politécnica da USP - ASHRAE Member ARMACELL

2 PROGRAMA 1. Introdução, motivação e destaques 2. Propriedades físicas, características de isolantes térmicos e fatores que influenciam variações nestas 3. Migração de vapor d água e processo de condensação 4. Aplicação a isolantes térmicos 5. Análise em termos energéticos, vida útil de instalação de condicionamento de ar 6. Resumo e conclusões 2

3 INTRODUÇÃO Motivação e importância para o uso do isolante térmico Aspectos técnicos para análise de alternativas para uso de isolantes térmicos Foco: Aplicação de isolantes térmicos em tubulações e dutos de sistemas de HVAC Efeitos da presença de umidade nos isolantes térmicos: condensação de vapor d água 3

4 MOTIVAÇÃO PARA ANÁLISE DE DIMENSIONAMENTO E SELEÇÃO ISOLANTES TÉRMICOS CONSERVAÇÃO DE ENERGIA DIMENSIONAMENTO DE ESPESSURA ECONÔMICA PROTEÇÃO DO USUÁRIO CONTROLE DE CONDENSAÇÃO DE VAPOR D ÁGUA ESTABILIDADE PARA O CONTROLE DE PROCESSOS CONTROLE DE RUÍDO SEGURANÇA EM CASO DE INCÊNDIO 4

5 DESTACANDO PONTOS IMPORTANTES CONSERVAÇÃO DE ENERGIA Redução no consumo de energia em sistemas HVAC Níveis mínimos de isolamento estão previstos nas normas ASHRAE 90.1 e 90.2 Resultado importante para avaliação de Edifícios Verdes critérios LEED 5

6 DESTACANDO PONTOS IMPORTANTES DIMENSIONAMENTO DE ESPESSURA ECONÔMICA Selecionar a espessura ótima para determinado isolante Avaliar comparativamente tipos de materiais isolantes para obter determinado nível de desempenho térmico Considerar o melhor custo de ciclo de vida para determinado período 6

7 DESTACANDO PONTOS IMPORTANTES 7 DIMENSIONAMENTO DE ESPESSURA ECONÔMICA: A espessura econômica é definida para minimizar o custo total do ciclo de vida do isolante Figura 1: Determinação da espessura econômica do isolamento térmico. (ASHRAE Fundamentals, 2013)

8 DESTACANDO PONTOS IMPORTANTES CONTROLE DE CONDENSAÇÃO DE VAPOR D ÁGUA É muito importante para sistemas que conduzem fluidos com temperatura abaixo da ambiente!! Dois objetivos importantes: EVITAR CONDENSAÇÃO DE VAPOR D ÁGUA SOBRE A SUPERFÍCIE EXTERNA DE DUTOS E OUTROS ACESSÓRIOS DO SISTEMA MINIMIZAR OU CONTROLAR A INTRUSÃO DE VAPOR D ÁGUA NO ISOLANTE TÉRMICO ATENÇÃO PARA O CLIMA TROPICAL ÚMIDO! 8

9 DESTACANDO PONTOS IMPORTANTES CONDENSAÇÃO DE VAPOR D ÁGUA SOBRE A SUPERFÍCIE EXTERNA DE DUTOS, TUBULAÇÕES E ACESSÓRIOS: Gotejamento de água sobre objetos abaixo dos dutos. Evitar crescimento de microorganismos (fungos, mofos) que requerem umidade para evoluir. Evitar deterioração da barreira de vapor e de acessórios da rede de dutos (p. ex.: suportes, etc.) 9

10 DESTACANDO PONTOS IMPORTANTES CONDENSAÇÃO DE VAPOR D ÁGUA SOBRE A SUPERFÍCIE EXTERNA DE DUTOS, TUBULAÇÕES E ACESSÓRIOS: 10 Figura 2:Condensação de vapor d água.(ashrae IAQ GUIDE - capítulo 4)

11 DESTACANDO PONTOS IMPORTANTES Espessura mínima para Eficiência Energética para isolantes térmicos 11 Figura 3: Isolamento mínimo para eficiência energética (ASHRAE Handbook of Fundamentals 2013, cap. 23)

12 DESTACANDO PONTOS IMPORTANTES Espessura mínima para evitar condensação para isolante genérico (k=0,043 W/(m K)): Figura 4: Isolamento mínimo para evitar condensação de vapor d água (ASHRAE Handbook of Fundamentals 2013, cap. 23) 12

13 DESTACANDO PONTOS IMPORTANTES Espessura mínima para evitar condensação: Exemplo de Charlotte (1200 horas/ano > 90%) Nota: 1 ano tem 8760 horas 13 Figura 5: Umidade Relativa em Charlotte, Carolina do Norte, USA (ASHRAE Handbook of Fundamentals 2013, cap. 23)

14 DESTACANDO PONTOS IMPORTANTES Espessura mínima para evitar condensação: Exemplo Porto Alegre (RS) em 03/2014 Verifica-se: 8 dias em 31 registros com UR 90% 14 Figura 6: Umidade Relativa em Porto Alegre em março de 2014 às 12horas. INMET

15 DESTACANDO PONTOS IMPORTANTES SEGURANÇA EM CASO DE INCÊNDIO Propriedades do isolante térmico a avaliar: Propagação de chamas Emissão de fumaça, gases tóxicos Normas e legislações locais e internacionais apresentam índices: NFPA ASTM ABNT 15

16 PROPRIEDADES FÍSICAS DE ISOLANTES TÉRMICOS Temperatura de trabalho Condutividade térmica Resistência à compressão Permeabilidade ao vapor d água (ou fator de resistência à difusão de vapor d água) Absorção de água 16

17 PROPRIEDADES FÍSICAS DE ISOLANTES TÉRMICOS - Detalhando grandezas Faixa de temperaturas de trabalho: Máxima: Avaliada conforme norma ASTM C411 Testes em superfícies aquecidas verificando até que temperatura não há mudança em suas características Mínima: Não há norma para sua determinação Verifica-se qual a temperatura mínima em que mantem integridade física e propriedades físicas 17

18 PROPRIEDADES FÍSICAS DE ISOLANTES TÉRMICOS Condutividade térmica (k): Equação da condução de calor: q = -k (dt/dx) Unidade no SI: W/(m K) É função da temperatura (usual t=24ºc) Ensaio para determinação: Normas: exemplos ASTM C177; ASTM C518; ASTM C335 Diferente de resistência térmica (R T =e/k) 18

19 PROPRIEDADES FÍSICAS DE ISOLANTES TÉRMICOS Resistência à compressão É importante nos locais onde os dutos devem suportar carga sem esmagar o isolamento; por exemplo: isolamento instalado em seções onde há suportes ou tirantes para fixação Há normas ASTM para medir a resistência à compressão: Para materiais fibrosos: C165 Para materiais plásticos: D1621 Atenção para alteração na espessura de projeto do isolamento térmico 19

20 PROPRIEDADES FÍSICAS DE ISOLANTES TÉRMICOS Permeabilidade ao vapor d água ( ): Avalia o fluxo de vapor d água através do isolante produzido por determinado gradiente de pressão de vapor. Unidade no SI (isolantes térmicos): ng/(pa s m) Unidade alternativa: kg/(m h Pa) Em aplicações para tubulações e dutos com fluidos em temperaturas abaixo do ambiente é preciso cuidar para minimizar o fluxo de vapor d água em direção à superfície fria. Usualmente utiliza-se barreira de vapor sobre o isolante térmico para manter fluxo de vapor abaixo de determinado limite 20

21 PROPRIEDADES FÍSICAS DE ISOLANTES TÉRMICOS Permeabilidade ao vapor d água (continuação): ISOLANTES Flexíveis com células fechadas tem sido usado com sucesso sem barreira de vapor independente (ASHRAE Fundamentals). Norma ASTM E96: medida da permeabilidade 21

22 PROPRIEDADES FÍSICAS DE ISOLANTES TÉRMICOS Outra grandeza para medir a permeabilidade ao vapor d água é: Fator de resistência à difusão de vapor d água ( ), adimensional; Relação entre a permeabilidade do ar ( ar ) em condições de referência (0ºC) e a permeabilidade ( m ) do material: permeabilidade no ar ( ar ) permeabilidade no material ( mat Na NBR 16401: isolação de dutos e tubulações sem barreira de vapor para 2500 ) 22

23 PROPRIEDADES FÍSICAS DE ISOLANTES TÉRMICOS Absorção de água (% em volume) Medida em amostra do isolante térmico inserido em meio que mantém uma pressão de vapor especificada por determinado período de tempo; É avaliada em termos porcentuais de volume; 23

24 PROPRIEDADES FÍSICAS DE ISOLANTES TÉRMICOS VALORES TÍPICOS (ASHRAE/ASTM) 24 Figura 7: Propriedades de isolantes térmicos. ASHRAE Handbook of Fundamentals, 2013

25 MIGRAÇÃO DE VAPOR D ÁGUA E PROCESSO DE CONDENSAÇÃO EM SUPERFÍCIES Modelando o ar úmido: ar seco +vapor d água: Comportam-se como substâncias isoladas e atuam de forma independente; Lei de Dalton: Ocupam o mesmo volume (V) Estão à mesma temperatura (T) Possuem pressões próprias de cada componente (Pa e Pv): Pressão Total da mistura: P P = Pa + Pv 25

26 MIGRAÇÃO DE VAPOR D ÁGUA E PROCESSO DE CONDENSAÇÃO EM SUPERFÍCIES Sentido do Fluxo do Vapor d água: Migração (Fluxo) do vapor d água: Pv menor Pv maior Independente da Pressão Total da mistura (P) ESTUDO DE CASO: Instalação industrial Ambientes vizinhos (A) e (B)com umidades absolutas muito diferentes: A << B Migração de vapor pelo duto de retorno comum 26

27 MIGRAÇÃO DE VAPOR D ÁGUA ESTUDO DE CASO LEGENDA vapor d agua ar seco Ambiente A A A5 A4 A3 A2 vedaçao na porta (ineficaz) A1 P o r t a B Ambiente B ar umido NOTA: modelo esquematico retorno por duto comum dutos de insuflaçao Tratamento 2º estagio ( A ) Tratamento 1º estagio ( B ) duto de retorno A << B 27 Figura 8: Migração de vapor em instalação industrial. Bolliger Jr e Mariani, 1997

28 MIGRAÇÃO DE VAPOR D ÁGUA ESTUDO DE CASO SOLUÇÃO: implantação de divisão no duto de retorno (vermelho) Aumento do caminho a ser percorrido pelo vapor d água ( depth of travel - Bryant) LEGENDA vapor d agua ar seco Ambiente A A P o r t a B Ambiente B ar umido NOTA: modelo esquematico dutos de insuflaçao retorno por duto comum A << B Tratamento 2º estagio ( A ) Tratamento 1º estagio ( B ) duto de retorno 28 Figura 9: Migração de vapor em instalação industrial. Bolliger Jr e Mariani, 1997

29 MIGRAÇÃO DE VAPOR D ÁGUA ESTUDO DE CASO Sentido do Fluxo do Vapor d água: Recomendação de manuais de ar condicionado: Em redes de dutos de instalações em que o ar é tratado para condições de baixa umidade Mesmo dutos de insuflação (pressão positiva) Junções dos dutos devem ser soldadas para evitar migração de vapor d água para dentro do duto. 29

30 MIGRAÇÃO DE VAPOR D ÁGUA - APLICAÇÃO A ISOLANTES TÉRMICOS Processo de migração de vapor em pontos em que a barreira de vapor não cumpre sua função, ou que não há barreira de vapor; Condensação intersticial x barreira de vapor: isolamento térmico duto ou tubulação meio externo TEXT=20ºC a 32ºC ar úmido = ar seco + vapor d água gradiente de temperatura e de Pv temperatura do fluido: TF= 4ºC a 12ºC Figura 10: Migração de vapor d água e condensação intersticial vapor d água condensação intersticial 30

31 MIGRAÇÃO DE VAPOR D ÁGUA - APLICAÇÃO A ISOLANTES TÉRMICOS Barreira de vapor ou material isolante com baixa permeabilidade (alta resistência à difusão de vapor d água) isolamento térmico duto ou tubulação meio externo TEXT=20ºC a 32ºC ar úmido = ar seco + vapor d água temperatura do fluido: TF= 4ºC a 12ºC Figura 11: Barreira de vapor ou baixa permeabilidade à migração de vapor d água 31 barreira contra vapor d água ou baixa permeabilidade

32 MIGRAÇÃO DE VAPOR D ÁGUA APLICAÇÃO A ISOLANTES TÉRMICOS Isolantes térmicos aplicados sobre a superfície externa de dutos, tubulações e acessórios: Processo de migração de vapor para o interior do isolante 32 Ocorre: Em pontos em que a barreira de vapor não cumpre sua função, ou que não há barreira de vapor Entre camadas do material isolante térmico em que há permeabilidade ao vapor d água Não ocorre: Onde há barreira de vapor Isolantes térmicos tem alto fator de resistência à difusão de vapor; células resistentes e fechadas

33 MIGRAÇÃO DE VAPOR D ÁGUA E PROCESSO DE CONDENSAÇÃO EM SUPERFÍCIES Processo de condensação do vapor d água: Análise psicrométrica caracterizando a temperatura de ponto de orvalho (ou Ponto de Orvalho). Figura 12: Carta Psicrométrica. ASHRAE Handbook of Fundamentals,

34 APLICAÇÃO A ISOLANTES TÉRMICOS PARA TUBULAÇÕES E DUTOS DE SISTEMAS HVAC ISOLANTES TÍPICAMENTE UTILIZADOS: Poliestireno expandido; Poliuretano expandido; Lã de fibra de vidro; Espuma elastomérica 34

35 PROPRIEDADES FÍSICAS DE ISOLANTES TÉRMICOS VALORES TÍPICOS (ASHRAE/ASTM) 35 Figura 7 (repetição): ASHRAE Handbook of Fundamentals, 2013

36 APLICAÇÃO A ISOLANTES TÉRMICOS PARA TUBULAÇÕES E DUTOS DE SISTEMAS HVAC CARACTERÍSTICAS DOS ISOLANTE TÍPICAMENTE: Poliestireno expandido: Exige barreira de vapor Condutividade térmica típica (seco): 0,037 W/m K Permeabilidade à migração de vapor: 2,2 ng/(pa s m) Risco de variação da condutividade térmica por acúmulo de vapor d água condensado 36

37 APLICAÇÃO A ISOLANTES TÉRMICOS PARA TUBULAÇÕES E DUTOS DE SISTEMAS HVAC CARACTERÍSTICAS DOS ISOLANTE TÍPICAMENTE: Poliuretano expandido: Exige barreira de vapor Condutividade térmica típica (seco): 0,026 a 0,030 W/m K Permeabilidade à migração de vapor: 5,8 ng/(pa s m) Risco de variação da condutividade térmica por acúmulo de vapor d água condensado. Dificuldade de fechamento da barreira de vapor (execução na obra) 37

38 APLICAÇÃO A ISOLANTES TÉRMICOS PARA TUBULAÇÕES E DUTOS DE SISTEMAS HVAC CARACTERÍSTICAS DOS ISOLANTE TÍPICAMENTE: Lã de fibra de vidro : Exige barreira de vapor Condutividade térmica típica (seco): 0,035 W/m K Permeabilidade à migração de vapor: N/A Risco de variação da condutividade térmica por acúmulo de vapor d água condensado. Boa velocidade de instalação 38

39 APLICAÇÃO A ISOLANTES TÉRMICOS PARA TUBULAÇÕES E DUTOS DE SISTEMAS HVAC CARACTERÍSTICAS DOS ISOLANTE TÍPICAMENTE: Espuma elastomérica Não exige barreira de vapor Condutividade térmica típica (seco): 0,036 a 0,040 W/m K Permeabilidade à migração de vapor: 0,15 ng/(pa s m) Material células fechadas, evita acúmulo de vapor d água condensado. 39

40 APLICAÇÃO A ISOLANTES TÉRMICOS PARA TUBULAÇÕES E DUTOS DE SISTEMAS HVAC ANÁLISE COMPARATIVA DE MATERIAIS (resumo): Isolante Térmico Condutividade (seco) W/m K Permeabilidade ng/(pa s m) Barreira de Vapor Poliestireno expandido 0,037 2,2 Obrigatória Poliuretano expandido 0,026 a 0,030 5,8 Obrigatória Lã de fibra de vidro 0,035 N/A Obrigatória Espuma elastomérica 0,036 a 0,040 0,15 Facultativa Considerar o conjunto de variáveis Atenção para risco de variação da condutivade térmica com o acúmulo de vapor d água 40

41 APLICAÇÃO A ISOLANTES TÉRMICOS Estudo de desempenho de isolamento térmico em tubulações Projeto de pesquisa da ASHRAE Research Project RP 1356 Prof. Lorenzo Cresmaschi, Shanshan Cai e Kasey Wortinghton Universidade de Oklahoma Figura 13: Capa do relatório do Projeto de pesquisa, ASHRAE RP1356,

42 APLICAÇÃO A ISOLANTES TÉRMICOS Estudo de desempenho de isolamento térmico em tubulações determinação da condutividade térmica Trechos de tubos (d T = 75 mm) com fluido em baixa temperatura: 4,7ºC Isoladas termicamente apenas com isolamento, sem barreira de vapor (propositalmente), espessura do isolamento: e = 50 mm Ensaios em duas fases: Fase 1: Ensaio seco, sem condensação de vapor Fase 2: Ensaio úmido por determinado período em ambiente com alta umidade (>80% a 35ºC) Períodos diferentes / não comparativo entre si Destaque na variação da condutividade térmica 42

43 APLICAÇÃO A ISOLANTES TÉRMICOS Aparato para ensaios em câmara climática 43 Figura 14: Foto aparato usado nos ensaios. ASHRAE RP 1356, Lorenzo Cresmaschi et al, 2012

44 APLICAÇÃO A ISOLANTES TÉRMICOS Resultados ensaios: Fase 1: ensaio seco sem condensação de vapor 44 Figura 15: Propriedades de isolantes térmicos. Obtidos através do Projeto RP1356 e publicados no ASHRAE Handbook of Fundamentals, 2013

45 APLICAÇÃO A ISOLANTES TÉRMICOS Fase 2 (ensaio úmido): Resultados comparativos com o mesmo isolante em ensaio seco (sem condensação= Fase 1) Avaliação da condutividade com acúmulo de vapor d água condensado Dois isolamentos testados (risco variação de k por acúmulo de água): Lã de fibra de vidro Poliuretano (tipo fenólico) 45

46 APLICAÇÃO A ISOLANTES TÉRMICOS LÃ DE FIBRA DE VIDRO 46 Figura 16: Foto do protótipo testado com isolamento com lã de fibra de vidro. ASHRAE RP 1356, Lorenzo Cresmaschi et al, 2012

47 APLICAÇÃO A ISOLANTES TÉRMICOS Resultados Fase 2 (ensaio úmido) Lã de Fibra de Vidro : Resultados comparativos com o mesmo isolante em ensaio seco (sem condensação= Fase 1): 47 Figura 17: Resultados com valor relativo de condutividade térmica para lã de vidro em função do número de dias de ensaio. ASHRAE RP 1356, Lorenzo Cresmaschi et al, 2012

48 APLICAÇÃO A ISOLANTES TÉRMICOS Resultados Fase 2 (ensaio úmido) Lã de Fibra de Vidro : Condutividade térmica em função da presença de umidade: 48 Figura 18: Resultados condutividade térmica para lã de vidro em função do da porcentagem de água acumulada no isolamento térmico. ASHRAE RP 1356, Lorenzo Cresmaschi et al, 2012

49 APLICAÇÃO A ISOLANTES TÉRMICOS Resumo resultados Fase 2 (ensaio úmido): Isolante Lã de Fibra de Vidro: Condutividade térmica aumentou 3,15 vezes Absorção de umidade: 11% em volume 49 Figura 19: Fotos do isolamento testado ao final do ensaio úmido. ASHRAE RP 1356, Lorenzo Cresmaschi et al, 2012

50 APLICAÇÃO A ISOLANTES TÉRMICOS POLIURETANO (tipo fenólico) 50 Figura 20: Foto do protótipo testado com isolamento de poliuretano. ASHRAE RP 1356, Lorenzo Cresmaschi et al, 2012

51 APLICAÇÃO A ISOLANTES TÉRMICOS Resultados Fase 2 (ensaio úmido) Poliuretano : Resultados comparativos com o mesmo isolante em ensaio seco (sem condensação= Fase 1): 51 Figura 21: Resultados com valor relativo de condutividade térmica para poliuretano em função do número de dias de ensaio. ASHRAE RP 1356, Lorenzo Cresmaschi et al, 2012

52 APLICAÇÃO A ISOLANTES TÉRMICOS Resultados Fase 2 (ensaio úmido) Poliuretano : Condutividade térmica em função da presença de umidade: 52 Figura 22: Resultados condutividade térmica para poliuretano em função do da porcentagem de água acumulada no isolamento térmico. ASHRAE RP 1356, Lorenzo Cresmaschi et al, 2012

53 APLICAÇÃO A ISOLANTES TÉRMICOS Resumo resultados Fase 2 (ensaio úmido): Isolante Poliuretano : Condutividade térmica aumentou 1,55 vezes Absorção de umidade: 5% em volume 53 Figura 23: Fotos do isolamento testado ao final do ensaio úmido. ASHRAE RP 1356, Lorenzo Cresmaschi et al, 2012

54 ANÁLISE EM TERMOS ENERGÉTICOS ESTUDO DE CASO: Duto de ar condicionado isolado térmicamente atravessando ático: Alteração na condutividade térmica Variações por deficiência na instalação e/ou manutenção da barreira de vapor; Mudanças de condições climáticas ou ambientais podem causar conseqüente deficiência do isolamento térmico (dimensionamento da espessura torna-se insuficiente); Aumento de temperatura do ar tratado; Variação de carga térmica; 54

55 ANÁLISE EM TERMOS ENERGÉTICOS ESTUDO DE CASO: Duto de ar condicionado isolado térmicamente com lã de vidro: Parâmetros de entrada para simulação: Vazão de ar tratado: 22 kg/s Duto retangular (1 x 2) m atravessando 30 m de ático Isolamento térmico de 25 mm Variação na condutividade térmica: 0,035 para 0,110 W/m K Resultados: Ampliação da variação de temperatura para o ar tratado: 0,45ºC Acréscimo na carga térmica: 10,02 kw ( ~2,8 TR) 55

56 ANÁLISE EM TERMOS ENERGÉTICOS ESTUDO DE CASO: Duto de ar condicionado isolado termicamente com poliuretano: Parâmetros de entrada: Vazão de ar tratado: 22 kg/s Duto retangular (1 x 2) m atravessando 30 m de ático Isolamento térmico de 25 mm Variação na condutividade térmica: 0,035 para 0,054 W/m K Resultados: Variação de temperatura para o ar tratado: 0,15ºC Acréscimo na carga térmica: 3,36 kw ( ~ 1 TR) 56

57 CRESCIMENTO MICROBIOLÓGICO Consequências no isolamento térmico: Condensação de vapor d água Crescimento de colônias de microorganismos 57 Figura 24: Fotos apresentando crescimento de mofo no isolamento testado ao final do ensaio úmido. ASHRAE RP 1356, Lorenzo Cresmaschi et al, 2012

58 CRESCIMENTO MICROBIOLÓGICO Técnicas de redução e/ou eliminação de microorganismos nos isolamentos térmicos: Evitar condições para crescimento (umidade; temperatura ; alimento); Utilizar agentes bactericidas (eliminam microorganismos) evitar crescimento de colônias; Exemplo de produto utilizado em espuma elastomérica: Microban 58

59 CRESCIMENTO MICROBIOLÓGICO APLICAÇÕES IMPORTANTES EM QUE DEVE-SE EVITAR CONTAMINAÇÃO POR MICROORGANISMOS: Áreas hospitalares Áreas Industriais Farmacêutica Alimentos Vacinas Eletrônica - microcomponentes 59

60 RESUMO / CONCLUSÕES Analisar conjuntamente todos parâmetros para seleção e dimensionamento de isolamento térmico: Condutividade térmica Permeabilidade à migração do vapor d água Condensação do vapor d água e conseqüências 60

61 RESUMO / CONCLUSÕES Manutenção da vida útil da instalação por ciclo desejável requer: Reduzir ao mínimo a presença de vapor d água condensado no interior do isolamento térmico Atenção para riscos de migração de vapor d água Vantagem célula fechada Vantagem barreira de vapor intrínseca. Qualidade/facilidade na instalação e manutenção 61

62 RESUMO / CONCLUSÕES Atenção para riscos de deterioração da instalação (isolamento, dutos, acessórios, etc) Crescimento de microorganismos Aumento no consumo de energia Risco de prejuízos em processos Ambientes especiais: antimicrobianos são vantagem extra. 62

63 RESUMO / CONCLUSÕES 63 Barreira de vapor mesmo em espumas elastoméricas são vantajosas: Maior resistência mecânica Maior resistência ao fogo Facilidade para higienização e limpeza Solução de aplicação de espuma elastomérica em camadas para bloquear migração de vapor d água em emendas e frestas. Exemplo de caso atual: obra premiada pela SMACNA Destaques do ano 2013

64 PRINCIPAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 64 ASHRAE HANDBOOKS: Fundamentals, 2013, Chapters 23, 25, 26 HVAC Applications ASHRAE Research Project - RP-1356, Final Report, Cresmaschi, L. et al., 2012 ASHRAE Transactions 2012, vol. 118, Part 1, Measurements of pipe insulation thermal conductivity at below ambient temperatures part 1: Experimental methodology and dry tests. Cresmaschi, L. et al. Boletim técnico ARMACELL. Especificação técnica para sistemas de isolamento térmico com materiais em espumas elastoméricas. Departamento de Energia dos USA. Insulation, Moisture Control. acesso em ago/2014.

65 OBRIGADO! 65

CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013

CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013 S DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013 1 - Curso de Simulação de Edificações com o EnergyPlus (Edição 1) 8 e 9 de março 15 e 16 de março 5 e 6 de abril 19 e 20 de abril 2 - Curso de Psicrometria

Leia mais

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado Fundamentos de Engenharia Solar Racine T. A. Prado Coletores Solares Um coletor solar é um tipo específico de trocador de calor que transforma energia solar radiante em calor. Duffie; Beckman Equação básica

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 04 Isolamento térmico AQUECIMENTO DE TUBULAÇÕES Motivos Manter em condições de escoamento líquidos de alta viscosidade ou materiais que sejam sólidos

Leia mais

Sistemas e produtos de HVAC (aquecimento, ventilação e ar condicionado) Bill Tolliver Gerente de Suporte Técnico

Sistemas e produtos de HVAC (aquecimento, ventilação e ar condicionado) Bill Tolliver Gerente de Suporte Técnico Sistemas e produtos de HVAC (aquecimento, ventilação e ar condicionado) Bill Tolliver Gerente de Suporte Técnico Razões para isolar sistemas de HVAC Redução da perda ou aumento de temperatura. Redução

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações

Desempenho Térmico de edificações Desempenho Térmico de edificações PROFESSOR Roberto Lamberts Unidade deportiva Atanasio Girardot - Medellín ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS estrutura intro isolantes cálculos exemplos e testes 2 introdução

Leia mais

Gás LP x Energia Elétrica Aquecimento de água. Estudo comparativo feito pelo Instituto de Eletrotécnica e Energia da USP

Gás LP x Energia Elétrica Aquecimento de água. Estudo comparativo feito pelo Instituto de Eletrotécnica e Energia da USP x Energia Elétrica Aquecimento de água Estudo comparativo feito pelo Instituto de Eletrotécnica e Energia da USP Apresentação O projeto Análise de custos de infra-estrutura Análise de custos para o cliente

Leia mais

ArmAcell soluções PArA sistemas sistemas de refrigeração, Ar condicionado e ventilação

ArmAcell soluções PArA sistemas sistemas de refrigeração, Ar condicionado e ventilação ARMACELL SOLUÇÕES PARA SISTEMAS SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO, AR CONDICIONADO E VENTILAÇÃO AF/Armaflex Armafix AF Armaflex ultima NH/Armaflex HT/Armaflex Armaflex Duct tubolit Split E duosplit Arma-Chek Armaflex

Leia mais

A GAMA COMPLETA DE ISOLAMENTO PARA UMA POUPANÇA EFECTIVA DE ENERGIA

A GAMA COMPLETA DE ISOLAMENTO PARA UMA POUPANÇA EFECTIVA DE ENERGIA A GAMA COMPLETA DE ISOLAMENTO PARA UMA POUPANÇA EFECTIVA DE ENERGIA Tubolit O sistema de isolamento robusto e fiável para reduzir as perdas de calor em tubagens de aquecimento e fornecimento de água. Tubolit

Leia mais

Condensação. Ciclo de refrigeração

Condensação. Ciclo de refrigeração Condensação Ciclo de refrigeração Condensação Três fases: Fase 1 Dessuperaquecimento Redução da temperatura até a temp. de condensação Fase 2 Condensação Mudança de fase Fase 3 - Subresfriamento Redução

Leia mais

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor.

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Francisco Vecchia Departamento de Hidráulica e Saneamento Escola de Engenharia

Leia mais

Módulo VIII Princípios da Psicrometria. Bulbo Seco e Úmido. Cartas Psicrométricas.

Módulo VIII Princípios da Psicrometria. Bulbo Seco e Úmido. Cartas Psicrométricas. Módulo VIII Princípios da Psicrometria. Bulbo Seco e Úmido. Cartas Psicrométricas. Ar Úmido Ar úmido significa uma mistura de ar seco (substância pura) mais vapor d água. É assumida que essa mistura comporta-se

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE TÉCNICA REFERENTE À IMPLANTAÇÃO DO ISOLAMENTO TÉRMICO DA TUBULAÇÃO DE ÁGUA REFRIGERADA DA UNIDADE DE PRODUÇÃO DA SPAR

ANÁLISE DA VIABILIDADE TÉCNICA REFERENTE À IMPLANTAÇÃO DO ISOLAMENTO TÉRMICO DA TUBULAÇÃO DE ÁGUA REFRIGERADA DA UNIDADE DE PRODUÇÃO DA SPAR ANÁLISE DA VIABILIDADE TÉCNICA REFERENTE À IMPLANTAÇÃO DO ISOLAMENTO TÉRMICO DA TUBULAÇÃO DE ÁGUA REFRIGERADA DA UNIDADE DE PRODUÇÃO DA SPAR LAISE NASCIMENTO SANTANA (UFBA ) lay_iti@hotmail.com CRISTIANO

Leia mais

Climatização eficiente com termoacumulação para produção abaixo de 10 TR. Por Carlos de Holanda, Fábio Cezar Beneduce, Rubens Herbster e Thiago Neves*

Climatização eficiente com termoacumulação para produção abaixo de 10 TR. Por Carlos de Holanda, Fábio Cezar Beneduce, Rubens Herbster e Thiago Neves* 46 Capítulo XII Climatização eficiente com termoacumulação para produção abaixo de 10 TR Por Carlos de Holanda, Fábio Cezar Beneduce, Rubens Herbster e Thiago Neves* Atualmente, o custo da energia elétrica

Leia mais

Sistemas de Condicionamento da Amostra para Análise de Gases

Sistemas de Condicionamento da Amostra para Análise de Gases Sistemas de Condicionamento da Amostra para Análise de Gases V1 O queéum Sistemade Condicionamento? O Que é um Sistema de Condicionamento? Amostra do Processo? Analisador Sistema de Condicionamento O sistema

Leia mais

Ar Condicionado e Refrigeração. Psicrometria. Estudo das propriedades do ar (mistura do ar com vapor d água)

Ar Condicionado e Refrigeração. Psicrometria. Estudo das propriedades do ar (mistura do ar com vapor d água) Estudo das propriedades do ar (mistura do ar com vapor d água) Ar puro: mistura dos gases presentes em nossa atmosfera, com as seguintes porcentagens (em volume): 78% de nitrogênio 2% de oxigênio 0,97%

Leia mais

Escoamento em dutos em L

Escoamento em dutos em L 4ª Parte do Trabalho EM974 Métodos Computacionais em Engenharia Térmica e Ambiental Escoamento em dutos em L Rafael Schmitz Venturini de Barros RA:045951 Marcelo Delmanto Prado RA: 048069 1. Introdução

Leia mais

revestimentos de tecnologia biônica

revestimentos de tecnologia biônica revestimentos de tecnologia biônica criando ambientes melhores revestimentos de tecnologia biônica Flotex, tudo aquilo que você pode esperar de uma solução inovadora de alta tecnologia: excelente performance,

Leia mais

TIPO MCS. Câmara de Espuma Argus. Descrição do Produto. Normas aplicáveis. Aplicação. Operação

TIPO MCS. Câmara de Espuma Argus. Descrição do Produto. Normas aplicáveis. Aplicação. Operação Câmara de Espuma Argus TIPO MCS Descrição do Produto As Câmaras Modelo MCS foram desenvolvidas para proporcionar correta expansão e aplicação de espuma no interior de tanques de teto fixo de armazenagem

Leia mais

Aplicação de XPS em sistema ETICS e suas vantagens

Aplicação de XPS em sistema ETICS e suas vantagens Fachadas energeticamente eficientes: contribuição dos ETICS/Argamassas Térmicas Aplicação de XPS em sistema ETICS e suas vantagens Oradora: Vera Silva Associação Portuguesa de Fabricantes de Argamassas

Leia mais

1. Quais são os principais tipos de subcobertura utilizados no Brasil? De onde surgiu o conceito subcobertura?

1. Quais são os principais tipos de subcobertura utilizados no Brasil? De onde surgiu o conceito subcobertura? 1. Quais são os principais tipos de subcobertura utilizados no Brasil? De onde surgiu o conceito subcobertura? O conceito de subcobertura é algo já bem antigo no Brasil. Os profissionais mais preocupados,

Leia mais

Avaliações Técnicas ITA reconhecida pelo PBQP-H

Avaliações Técnicas ITA reconhecida pelo PBQP-H PBQP-H INMETRO Programas Setoriais da Qualidade EGT credenciada pelo PBQP-H e acreditada pelo INMETRO Avaliações Técnicas ITA reconhecida pelo PBQP-H Mais de 250 ensaios acreditados pelo INMETRO SINAT

Leia mais

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Giorgia Francine Cortinovis (EPUSP) Tah Wun Song (EPUSP) 1) Introdução Em muitos processos, há necessidade de remover carga térmica de um dado sistema

Leia mais

Universidade Federal do Piauí Mestrado em Agronomia Clima e Agricultura. Umidade do ar. Francisco Edinaldo Pinto Mousinho

Universidade Federal do Piauí Mestrado em Agronomia Clima e Agricultura. Umidade do ar. Francisco Edinaldo Pinto Mousinho Universidade Federal do Piauí Mestrado em Agronomia Clima e Agricultura Umidade do ar Francisco Edinaldo Pinto Mousinho Teresina, março-2010 Umidade do ar A água é a única substância que ocorre nas três

Leia mais

FENÔMENOS DE TRANSPORTE 2 CONDICIONAMENTO DE AR E PSICOMETRIA

FENÔMENOS DE TRANSPORTE 2 CONDICIONAMENTO DE AR E PSICOMETRIA FENÔMENOS DE TRANSPORTE 2 CONDICIONAMENTO DE AR E PSICOMETRIA DEFINIÇÃO "Ar condicionado é um processo de tratamento de ar, que visa controlar simultaneamente a temperatura, a umidade, a pureza e a distribuição

Leia mais

Prof. Eduardo Loureiro, DSc.

Prof. Eduardo Loureiro, DSc. Prof. Eduardo Loureiro, DSc. Transmissão de Calor é a disciplina que estuda a transferência de energia entre dois corpos materiais que ocorre devido a uma diferença de temperatura. Quanta energia é transferida

Leia mais

Exercícios Terceira Prova de FTR

Exercícios Terceira Prova de FTR Exercícios Terceira Prova de FTR 1) Existe uma diferença de 85 o C através de uma manta de vidro de 13cm de espessura. A condutividade térmica da fibra de vidro é 0,035W/m. o C. Calcule o calor transferido

Leia mais

4ª aula Compressores (complemento) e Sistemas de Tratamento do Ar Comprimido

4ª aula Compressores (complemento) e Sistemas de Tratamento do Ar Comprimido 4ª aula Compressores (complemento) e Sistemas de Tratamento do Ar Comprimido 3ª Aula - complemento - Como especificar um compressor corretamente Ao se estabelecer o tamanho e nº de compressores, deve se

Leia mais

PERDA DE CARGA EM SISTEMAS DE VENTILAÇÃO

PERDA DE CARGA EM SISTEMAS DE VENTILAÇÃO PERDA DE CARGA EM SISTEMAS DE VENTILAÇÃO Tal como nos sistemas de bombeamento de água, nos dutos de ventilação industrial carateriza-se o escoamento em função do número de Reynols. A queda de pressão em

Leia mais

ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO

ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO CONSUMO DE ENERGIA E AR COMPRIMIDO NA INDÚSTRIA Consumo de Energia 20% 50% 30% Fornec.de ar Refrigeração Outros Consumo de Ar Comprimido 10%

Leia mais

CUIDADOS NO TESTE DE ESTANQUEIDADE, DE DESIDRATAÇÃO E DE CARGA DE REFRIGERANTE NOS CONDICIONADORES DE AR DIVIDIDOS * Oswaldo de Siqueira Bueno

CUIDADOS NO TESTE DE ESTANQUEIDADE, DE DESIDRATAÇÃO E DE CARGA DE REFRIGERANTE NOS CONDICIONADORES DE AR DIVIDIDOS * Oswaldo de Siqueira Bueno CUIDADOS NO TESTE DE ESTANQUEIDADE, DE DESIDRATAÇÃO E DE CARGA DE REFRIGERANTE NOS CONDICIONADORES DE AR DIVIDIDOS * Oswaldo de Siqueira Bueno 1.0 Introdução Existe um crescimento enorme em termos de instalação

Leia mais

Curso Básico. Mecânica dos Fluidos. Unidade 3

Curso Básico. Mecânica dos Fluidos. Unidade 3 164 Curso Básico de Mecânica dos Fluidos Curso Básico de Mecânica dos Fluidos Unidade 3 Raimundo Ferreira Ignácio 165 Curso Básico de Mecânica dos Fluidos Unidade 3 - Conceitos Básicos para o Estudo dos

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS E INSTALAÇÕES

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS E INSTALAÇÕES EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS E INSTALAÇÕES PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 2 Áreas de oportunidade para melhorar a eficiência na distribuição de frio Isolamento das tubulações

Leia mais

Os efeitos de um incêndio em uma unidade petroquímica podem gerar perdas de produção e lesões aos trabalhadores.

Os efeitos de um incêndio em uma unidade petroquímica podem gerar perdas de produção e lesões aos trabalhadores. 3M Proteção Passiva Contra Fogo Aplicações para Oil & Gas Permitir a Continuidade Operacional e Ajudar a Proteger Vidas Os efeitos de um incêndio em uma unidade petroquímica podem gerar perdas de produção

Leia mais

PRODUTO DA MARCA SEVENCOAT FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

PRODUTO DA MARCA SEVENCOAT FICHA TÉCNICA DO PRODUTO PRODUTO DA MARCA SEVENCOAT FICHA TÉCNICA DO PRODUTO PRODUTO DA MARCA SEVENCOAT É uma tinta isolante térmica, composta de polímeros acrílicos elastoméricos, microesferas de cerâmicas, e aditivos especiais

Leia mais

Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor

Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor 1. Junta de expansão de fole com purga de vapor d água Em juntas de expansão com purga da camisa interna, para

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 ESTUDO E DETERMINAÇÃO DE UM SISTEMA DE AQUECIMENTO DE MISTURA ÁGUA/ÓLEO PARA AVALIAÇÃO AUTOMÁTICA DE MEDIDORES DE VAZÃO

Leia mais

Baixa densidade Produto económico

Baixa densidade Produto económico R PN 0 PK 0 PA 0 EFINIÇÃO: Paineis semi-rígidos (0 kg/m ) de espessura uniforme, constituídos de fibras de lã de rocha aglutinadas com resina sintética termo-endurecida, - PN 0 sem revestimento. - PK 0

Leia mais

Perda de Carga e Comprimento Equivalente

Perda de Carga e Comprimento Equivalente Perda de Carga e Comprimento Equivalente Objetivo Este resumo tem a finalidade de informar os conceitos básicos para mecânicos e técnicos refrigeristas sobre Perda de Carga e Comprimento Equivalente, para

Leia mais

Filtros de Bolsas. Para Montagem em Dutos F3-003 TROX DO BRASIL LTDA.

Filtros de Bolsas. Para Montagem em Dutos F3-003 TROX DO BRASIL LTDA. F3-003 Filtros de Bolsas Para Montagem em Dutos TROX DO BRASIL LTDA. Rua Alvarenga, 05 05509-005 São Paulo SP Fone: (11) 3037-30 Fax: (11) 3037-3910 E-mail: trox@troxbrasil.com.br www.troxbrasil.com.br

Leia mais

NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com

NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA NBR5410 As instalações elétricas devem ser concebidas e construídas

Leia mais

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica Roberto Lamberts Oficina 09 junho de 2010 1 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES Publicação: junho de 2009. EDIFÍCIOS ETIQUETADOS CETRAGUA

Leia mais

ETAPAS CONSTRUTIVAS DE UM PROTÓTIPO DE UM RESFRIADOR EVAPORATIVO

ETAPAS CONSTRUTIVAS DE UM PROTÓTIPO DE UM RESFRIADOR EVAPORATIVO Anais do 14 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 2008 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil 2008. ETAPAS CONSTRUTIVAS DE UM PROTÓTIPO DE UM

Leia mais

NORMA DE DESEMPENHO TÉRMICO DE COBERTURAS E AS EMPRESAS DE IMPERMEABILIZAÇÃO

NORMA DE DESEMPENHO TÉRMICO DE COBERTURAS E AS EMPRESAS DE IMPERMEABILIZAÇÃO NORMA DE DESEMPENHO TÉRMICO DE COBERTURAS E AS EMPRESAS DE IMPERMEABILIZAÇÃO LUIS AMERICO CSERNIK SPUMAPAC INDUSTRIAL E DISTRIBUIDORA DE ARTEFATOS PLASTICOS LTDA Rua Prof. Clarismundo Fornari, 2990 Bairro

Leia mais

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL SISTEMA DE VEDAÇÃO Um subsistema

Leia mais

A sua casa respeita o ambiente?

A sua casa respeita o ambiente? A sua casa respeita o ambiente? A casa passiva com Dow - Soluções para a Construção A casa passiva isolada com produtos Dow Soluções para a Construção Um resultado extraordinário E=-92% & 0 CO 2 E=-92%

Leia mais

- Válvulas com Flange -

- Válvulas com Flange - Procedimentos de Montagem e Manutenção - Válvulas com Flange - Para Sistemas de Vapor, Óleo Térmico e Outros Processos Industriais. Em uma instalação industrial de aquecimento, devem ser previstas facilidades

Leia mais

Desempenho Térmico de Edificações: Parte 1: Definições, Símbolos e

Desempenho Térmico de Edificações: Parte 1: Definições, Símbolos e Janeiro 2003 Projeto 02:135.07-001 Desempenho térmico de edificações Parte 1: Definições, Símbolos e Unidades. Origem: 02:135.07-001:1998 CB-02- Comitê Brasileiro de Construçãivil CE-02:135.07 - Comissão

Leia mais

Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás.

Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás. Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás. USO DE GÁS NATURAL CANALIZADO NORMAS E LEGISLAÇÃO: ABNT NBR 14570 ABNT NBR 13103 COSCIP código de segurança - decreto estadual nº

Leia mais

Resfriadores Evaporativos BRISBOX

Resfriadores Evaporativos BRISBOX Características do Produto: Resfriadores Evaporativos BRISBOX BRISBOX Aplicações Resfriadores evaporativos Munters, possuem uma ótima performance energética e podem ser aplicados em: Bingos; Boates; Academias;

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Provas REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome

Leia mais

Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo.

Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo. Medição de Vazão 1 Introdução Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo. Transporte de fluidos: gasodutos e oleodutos. Serviços

Leia mais

PROJETO FINAL 2014-2. Alunos: Turma: Sistema de condicionamento de ar central residencial PIC Projeto de Instalações de Condicionamento de Ar

PROJETO FINAL 2014-2. Alunos: Turma: Sistema de condicionamento de ar central residencial PIC Projeto de Instalações de Condicionamento de Ar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA - CAMPUS SÃO JOSÉ Projetos de Instalação de Ar Condicionado

Leia mais

Nanotech do Brasil. Rua Curupaiti, 199 Jd. Paraíso Santo André SP CEP 09190-040

Nanotech do Brasil. Rua Curupaiti, 199 Jd. Paraíso Santo André SP CEP 09190-040 1 Rev. 3 D.U.M. 28/08/2015 Produto Nanothermic 3 Isolante térmico Nanothermic 3 é um revestimento térmico, contendo as melhores matérias primas. É um revestimento de múltiplas aplicações que soluciona

Leia mais

Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 5 Controle de fumaça mecânico em edificações horizontais... 367

Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 5 Controle de fumaça mecânico em edificações horizontais... 367 Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 5 Controle de fumaça mecânico em edificações horizontais... 367 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO

Leia mais

MERCOFRIO 2000 CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL

MERCOFRIO 2000 CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL MERCOFRIO 2000 CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL ANÁLISE COMPARATIVA DAS TAXAS TRANSFERÊNCIA DE CALOR EM SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO DO TIPO VOLUME DE AR CONSTANTE

Leia mais

FCTA 4 TROCAS TÉRMICAS ENTRE O MEIO E AS EDIFICAÇÕES 4.1 FECHAMENTOS TRANSPARENTES

FCTA 4 TROCAS TÉRMICAS ENTRE O MEIO E AS EDIFICAÇÕES 4.1 FECHAMENTOS TRANSPARENTES 4 TROCAS TÉRMICAS ENTRE O MEIO E AS EDIFICAÇÕES 4.1 FECHAMENTOS TRANSPARENTES Nestes tipos de fechamento podem ocorrer três tipos de trocas térmicas: condução, convecção e radiação. O vidro comum é muito

Leia mais

SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO. Fábio Ferraz

SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO. Fábio Ferraz SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO Fábio Ferraz SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO Os principais sistemas de refrigeração são listados a seguir: Sistema de refrigeração por compressão; Sistema de refrigeração por absorção;

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS FABRICANTES DE LÃS ISOLANTES MINERAIS // ABRALISO

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS FABRICANTES DE LÃS ISOLANTES MINERAIS // ABRALISO ABRALISO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS FABRICANTES DE LÃS ISOLANTES MINERAIS ABRALISO É uma organização que representa os fabricantes nacionais de lãs isolantes minerais, basicamente lã de vidro e lã de rocha.

Leia mais

Varycontrol Caixas VAV

Varycontrol Caixas VAV 5/1/P/3 Varycontrol Caixas VAV Para Sistemas de Volume Variável Séries TVZ, TVA TROX DO BRASIL LTDA. Rua Alvarenga, 2025 05509-005 São Paulo SP Fone: (11) 3037-3900 Fax: (11) 3037-3910 E-mail: trox@troxbrasil.com.br

Leia mais

Fio e Cabo Inbranil Antichama - 750V

Fio e Cabo Inbranil Antichama - 750V Fio e Cabo Inbranil Antichama - 750V Características Construtivas 1) Para Fio Inbranil Antichama: condutor sólido de cobre eletrolítico nu, têmpera mole, classe 1. Para Cabo Inbranil Antichama: condutor

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II ÁGUA QUENTE 1 UTILIZAÇÃO Banho Especiais Cozinha Lavanderia INSTALAÇÕES

Leia mais

SUMARIO 1 INTRODUÇÃO, 1

SUMARIO 1 INTRODUÇÃO, 1 SUMARIO 1 INTRODUÇÃO, 1 Evolu ão modema dajécnica.de.. tratamento 'Aplicação das técnicas de tratamento, 1 Noções fundamentais sobre movimentos de fluidos, 4 Cisalhamento e gradientes de velocidade no

Leia mais

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 Este boletim de engenharia busca apresentar informações importantes para conhecimento de SISTEMAS de RECUPERAÇÃO de ENERGIA TÉRMICA - ENERGY RECOVERY aplicados a CENTRAIS

Leia mais

Gases gerados na queima da espuma flexível de poliuretano.

Gases gerados na queima da espuma flexível de poliuretano. + 2 N R N - Gases gerados na queima da espuma flexível de poliuretano. por Walter Vilar, Doutor em Química rgânica pelo Instituto de Química da UFRJ, Pós Doutor pelo Instituto Militar de Engenharia (RJ),

Leia mais

Aeração de Grãos Armazenados 1. SILVA, Luís César (enviar e-mail: www.agais.com)

Aeração de Grãos Armazenados 1. SILVA, Luís César (enviar e-mail: www.agais.com) Aeração de Grãos Armazenados 1 SILVA, Luís César (enviar e-mail: www.agais.com) 1. Introdução Em unidades armazenadoras de grãos, o ar é empregado em diversas atividades que envolvem troca de calor e,

Leia mais

Conceitos gerais. A movimentação do ar e dos gases de combustão é garantida por: Ventiladores centrífugos Efeito de sucção da chaminé

Conceitos gerais. A movimentação do ar e dos gases de combustão é garantida por: Ventiladores centrífugos Efeito de sucção da chaminé TIRAGEM Definição Tiragem é o processo que garante a introdução do ar na fornalha e a circulação dos gases de combustão através de todo gerador de vapor, até a saída para a atmosfera 00:43 2 Conceitos

Leia mais

A psicrometria é a parte da termodinâmica que tem por objetivo o estudo das propriedade do ar úmido.

A psicrometria é a parte da termodinâmica que tem por objetivo o estudo das propriedade do ar úmido. 16 3 PSICROMETRIA A psicrometria é a parte da termodinâmica que tem por objetivo o estudo das propriedade do ar úmido. 3.1 CARTA PSICROMÉTRICA É um ábaco que permite representar graficamente as evoluções

Leia mais

Componentes para telhas Brasilit

Componentes para telhas Brasilit Componentes para telhas Brasilit Selamax Selante Selante elástico para elástico colagem para e vedação colagem e vedação SolarMaxxi Manta impermeável, térmica e acústica LitFoil e LitFoil Plus Mantas térmicas

Leia mais

Existe uma maneira melhor de você reduzir os ruídos.

Existe uma maneira melhor de você reduzir os ruídos. Existe uma maneira melhor de você reduzir os ruídos. um produto que une efi ciência técnica com preocupação ambiental EcoSilenzio é um produto que traz ao mercado um novo conceito para a absorção das vibrações

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Módulo IV Aula 01 1. Introdução Vamos estudar as torres de refrigeração que são muito utilizadas nas instalações de ar condicionado nos edifícios, na

Leia mais

Arranjo Instalações Físico da Indústria. Caracterização dos Sistemas na Indústria

Arranjo Instalações Físico da Indústria. Caracterização dos Sistemas na Indústria Caracterização dos Sistemas na Indústria - Trata-se do conjunto de das instalações de processo e das instalações auxiliares, que são agrupadas de acordo com sua nalidade, em diversos sistemas integrados;

Leia mais

Análise de especificação de chuveiro elétrico

Análise de especificação de chuveiro elétrico MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA Análise de especificação de chuveiro elétrico RELATÓRIO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais

Condicionamento de Ar

Condicionamento de Ar Condicionamento de Ar Instituto Federal de Brasília Sumário Introdução Tipos de Condicionadores de ar Vantagens e desvantagens Introdução Refrigeração por Compressão de Vapor Introdução Refrigeração por

Leia mais

Princípios e métodos de esterilização

Princípios e métodos de esterilização Princípios e métodos de esterilização FUNDAMENTOS DE ESTERILIZAÇÃO Bactérias (forma vegetativa ou esporulada) São os menores organismos vivos; Existem em maior número; São as maiores responsáveis pelos

Leia mais

Água quente e vapor condensadoras evaporadoras água gelada aplicações especiais

Água quente e vapor condensadoras evaporadoras água gelada aplicações especiais Água quente e vapor condensadoras evaporadoras água gelada aplicações especiais Fábrica: Av. Brasil, 20.151 Coelho Neto Rio de Janeiro CEP 21.530-000 Telefax: (21 3372-8484 vendas@trocalor.com.br www.trocalor.com.br

Leia mais

Sala Limpa ou Sala Classificada: Qual a diferença de se trabalhar com elas? Roberta Souza Cruz Bastos Farmacêutica RT Gerente de Suprimentos

Sala Limpa ou Sala Classificada: Qual a diferença de se trabalhar com elas? Roberta Souza Cruz Bastos Farmacêutica RT Gerente de Suprimentos Sala Limpa ou Sala Classificada: Qual a diferença de se trabalhar com elas? Roberta Souza Cruz Bastos Farmacêutica RT Gerente de Suprimentos Outubro/2014 BLOCO I Fundação Cristiano Varella Hospital do

Leia mais

3 conversão térmica da energia solar ÍNDICE

3 conversão térmica da energia solar ÍNDICE ÍNDICE balanço de energia -2 ganho térmico - perdas térmicas -4 aplicações -7 para saber mais... -8-1 balanço de energia A consiste na absorção de radiação numa superfície absorsora e na transferência

Leia mais

EQUIPAMENTOS. Transferência mecânica:

EQUIPAMENTOS. Transferência mecânica: EQUIPAMENTOS Transferência mecânica: Objetivos do equipamento: a) Garantir o acesso seguro à piscina para qualquer pessoa, b) Previnir possíveis riscos de acidente nas transferências ou manipulações, c)

Leia mais

Serie FKR-D-BR-60 D A 355 a 630 Serie FKR-D-BR-45 D A 200 a 315. TROX DO BRASIL LTDA. Fone: (11) 3037-3900 Fax: (11) 3037-3910

Serie FKR-D-BR-60 D A 355 a 630 Serie FKR-D-BR-45 D A 200 a 315. TROX DO BRASIL LTDA. Fone: (11) 3037-3900 Fax: (11) 3037-3910 4/1.3/BR/1 Damper Corta Fogo Serie FKR-D-BR-60 D A 355 a 630 Serie FKR-D-BR-45 D A 200 a 315 Testado no Instituto de Pesquisas Tecnológicas IPT - São Paulo Conforme a Norma NBR 6479/1992 Vedação da aleta

Leia mais

Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente.

Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente. Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente. Bocais e Difusores São normalmente utilizados em motores

Leia mais

A espessura do isolamento, a adotar numa instalação frigorífica, é calculada através da expressão a seguir:

A espessura do isolamento, a adotar numa instalação frigorífica, é calculada através da expressão a seguir: 154 12 ISOLAMENTO TÉRMICO Isolantes são materiais de baixo coeficiente de condutividade, que tem por finalidade, reduzir as trocas térmicas indesejáveis e manter a temperatura da parede externa do recinto

Leia mais

Aquecedor Solar de Placas Planas. Carlos Leandro Veiga Felipe Santin Furlan

Aquecedor Solar de Placas Planas. Carlos Leandro Veiga Felipe Santin Furlan Aquecedor Solar de Placas Planas Carlos Leandro Veiga Felipe Santin Furlan Motivação Questões Econômicas e Ambientais Alta Radiação Solar Baixa Tecnologia Aquecedor Solar 2 Componentes Reservatório térmico

Leia mais

CÁLCULO DO RENDIMENTO DE UM GERADOR DE VAPOR

CÁLCULO DO RENDIMENTO DE UM GERADOR DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br CÁLCULO DO RENDIMENTO DE UM 1 INTRODUÇÃO: A principal forma

Leia mais

20/09/2012 SISTEMA PREDIAL DE ÁGUA QUENTE SISTEMA PREDIAL DE ÁGUA QUENTE SISTEMA PREDIAL DE ÁGUA QUENTE SISTEMA PREDIAL DE ÁGUA QUENTE

20/09/2012 SISTEMA PREDIAL DE ÁGUA QUENTE SISTEMA PREDIAL DE ÁGUA QUENTE SISTEMA PREDIAL DE ÁGUA QUENTE SISTEMA PREDIAL DE ÁGUA QUENTE Sistema composto por tubos, reservatórios, peças de utilização, equipamentos e outros componentes, destinado a conduzir água quente* aos pontos de utilização. *NBR 7198 (ABNT, 1993): temperatura de, no

Leia mais

CURSO EMBALAGENS DE A a V EDIÇÃO NORDESTE. Recife/2013 Accacio Rodrigues

CURSO EMBALAGENS DE A a V EDIÇÃO NORDESTE. Recife/2013 Accacio Rodrigues CURSO EMBALAGENS DE A a V EDIÇÃO NORDESTE Recife/2013 Accacio Rodrigues Formado em Direito, pós graduado em Tributos e Gestão comercial pela Escola de ensino superior Esamc. Há 6 anos trabalha na Empresa

Leia mais

c = c = c =4,20 kj kg 1 o C 1

c = c = c =4,20 kj kg 1 o C 1 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO TESTE INTERMÉDIO - 2014 (VERSÃO 1) GRUPO I 1. H vap (H 2O) = 420 4 H vap (H 2O) = 1,69 10 3 H vap (H 2O) = 1,7 10 3 kj kg 1 Tendo em consideração a informação dada no texto o calor

Leia mais

Trabalho Prático MEDIDA DA CONDUTIVIDADE TÉRMICA DE DIFERENTES MATERIAIS

Trabalho Prático MEDIDA DA CONDUTIVIDADE TÉRMICA DE DIFERENTES MATERIAIS Trabalho Prático MEDIDA DA CONDUTIVIDADE TÉRMICA DE DIFERENTES MATERIAIS Objectivo - Determinação da condutividade térmica de 5 diferentes materiais de construção. 1. Introdução O calor pode ser transferido

Leia mais

Sistema de Aquecimento Therm 8000 S Com inovadora tecnologia de condensação. Mais água quente, mais eficiência.

Sistema de Aquecimento Therm 8000 S Com inovadora tecnologia de condensação. Mais água quente, mais eficiência. Sistema de Aquecimento Therm 8000 S Com inovadora tecnologia de condensação. Mais água quente, mais eficiência. 2 Sistema de Aquecimento Therm 8000 S Therm 8000 S Soluções de aquecimento de água para altas

Leia mais

MONTAGEM MIDFELT COBERTURAS

MONTAGEM MIDFELT COBERTURAS COBERTURAS MIDFELT Feltro leve e flexível constituído de lã de vidro aglomerada por resinas sintéticas, com características termo-acústicas e produzido pelo processo Telstar, exclusivo da Isover. O Midfelt

Leia mais

AR CONDICIONADO. Componentes

AR CONDICIONADO. Componentes AR CONDICIONADO AR CONDICIONADO Basicamente, a exemplo do que ocorre com um refrigerador (geladeira), a finalidade do ar condicionado é extrair o calor de uma fonte quente, transferindo-o para uma fonte

Leia mais

Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO. Orientador(es) ADRIANA PETITO DE ALMEIDA SILVA CASTRO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1.

Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO. Orientador(es) ADRIANA PETITO DE ALMEIDA SILVA CASTRO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. 19 Congresso de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE COBERTURAS DE POLICARBONATO E ACRÍLICO: ESTUDO DE CASO NO CAMPUS DA UNIMEP EM SANTA BÁRBARA DOESTE Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO

Leia mais

Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente.

Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente. Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente. Conservação da Massa A massa, assim como a energia, é uma propriedade que se conserva,

Leia mais

AR COMPRIMIDO. Esse sistema compreende três componentes principais: o compressor, a rede de distribuição e os pontos de consumo.

AR COMPRIMIDO. Esse sistema compreende três componentes principais: o compressor, a rede de distribuição e os pontos de consumo. AR COMPRIMIDO Nos diversos processos industriais, os sistemas de ar comprimido desempenham papel fundamental na produção e representam parcela expressiva do consumo energético da instalação. Entretanto,

Leia mais

Comportamento Dinâmico do Sistema Térmico de uma Caldeira Genérica

Comportamento Dinâmico do Sistema Térmico de uma Caldeira Genérica Comportamento Dinâmico do Sistema Térmico de uma Caldeira Genérica Luiz Felipe da S. Nunes Fábio P. de Araújo Paulo Renato G. de Souza Resumo O presente trabalho consiste em análise computacional do sistema

Leia mais

vendas1@juntasamf.com.br

vendas1@juntasamf.com.br À Sr( a) Ref.: Apresentação para Cadastro de Fornecedor Prezados Senhores, Vimos através desta, apresentar a Juntas AMF Ind. e Com. de Peças Ltda., uma empresa que já se tornou referencia no mercado de

Leia mais

ECOTELHADO. Segundo pesquisador da Lawrence Berkley National Laboratory (CA, EUA), cerca de 25% da superfície de uma cidade consiste de telhados.

ECOTELHADO. Segundo pesquisador da Lawrence Berkley National Laboratory (CA, EUA), cerca de 25% da superfície de uma cidade consiste de telhados. ECOTELHADO Segundo pesquisador da Lawrence Berkley National Laboratory (CA, EUA), cerca de 25% da superfície de uma cidade consiste de telhados. TRANSMISSÃO DE CALOR por condução térmica através de materiais

Leia mais

ISOVER 2015 Isolamentos e Complementos

ISOVER 2015 Isolamentos e Complementos 205 Isolamentos e Complementos Refrigeração e Climatização A ISOVER é a marca líder em produtos e soluções de isolamento sustentáveis. A Isover faz parte do Grupo Saint-Gobain, líder mundial em soluções

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Depósitos Gama S ZB-Solar. www.vulcano.pt. Novembro 2014

FICHA TÉCNICA. Depósitos Gama S ZB-Solar. www.vulcano.pt. Novembro 2014 Departamento Comercial e Assistência Técnica: Av. Infante D. Henrique, lotes 2E-3E - 1800-220 LISBOA * Tel.: +351.218 500 300 Novembro 2014 FICHA TÉCNICA Depósitos Gama S ZB-Solar www.vulcano.pt FICHA

Leia mais

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA Prof. ENEDIR GHISI UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Departamento

Leia mais

ESQUADRIAS Resumo da aula

ESQUADRIAS Resumo da aula ESQUADRIAS Resumo da aula Os vãos têm como funções a vedação e a comunicação dos ambientes internos e externos do edifício. Ambos necessitam de obras e serviços, executadas com materiais, segundo determinadas

Leia mais