COMPENSAÇÃO NO DIREITO TRIBUTÁRIO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMPENSAÇÃO NO DIREITO TRIBUTÁRIO"

Transcrição

1 COMPENSAÇÃO NO DIREITO TRIBUTÁRIO Rafael da Rocha Guazelli de Jesus * Sumário: 1. Introdução 2. O Instituto da Compensação 3. Algumas legislações que tratam da compensação 4. Restrições impostas pela Fazenda Pública 5. Conclusão 6. Bibliografia. 1 Introdução A compensação está assim prevista no art. 368 do Código Civil: Se duas pessoas forem ao mesmo tempo credor e devedor uma da outra, as duas obrigações extinguem-se, até onde se compensarem. Por sua vez, o art. 369 do Código Civil exige que sejam... dívidas líquidas, vencidas e de coisas fungíveis. Ou seja, para que haja a compensação é essencial que o devedor seja ao mesmo tempo credor da mesma pessoa, devendo as dívidas ser líquidas e estarem vencidas. Em se tratando de relação tributária, era possível a aplicação do Código Civil (art. 374) à compensação de dívidas fiscais e parafiscais. No entanto, houve a revogação do referido dispositivo pela Lei /2003. Logo, o Código Civil não se aplica as relações tributárias no que se refere a compensação, muito embora seja rotineiramente utilizado pela própria Fazenda Nacional para denegar o direito do contribuinte à compensação. O Código Tributário Nacional previa a compensação, mas deixou esta a depender do legislador ordinário. Apenas com a edição da lei 8.383/91 é que restou regulamentada a compensação em Direito Tributário. Posteriormente, sobrevieram diversas legislações regulamentando a compensação. Em primeira análise, a questão parece não guardar grande complexidade. No entanto, há um grande volume de ações no Judiciário em que é discutida a compensação. Isto porque a Fazenda Nacional vem colocando diversas restrições ilegais ao exercício do direito à compensação. Abaixo serão examinados diversos aspectos inerentes à compensação no Direito Tributário e as restrições criadas pela Fazenda Nacional. 2 O instituto da compensação O art. 170 do Código Tributário Nacional prevê que: A lei pode, nas condições e sob as garantias que estipular, ou cuja estipulação em cada caso atribuir à autoridade administrativa, autorizar a compensação de créditos tributários líquidos e certos, vencidos e vincendos, do sujeito passivo contra a Fazenda Pública. Este dispostivo exige três elementos para que a compensação seja viabilizada no Direito Tributário: (i) a existência de uma lei disciplinadora; (ii) a existência de créditos tributários; (iii) a presença da Fazenda Pública.

2 No entanto, cumpre ressaltar que o direito a compensação possui fundamento na Constituição Federal. Sobre o assunto, o tributarista HUGO DE BRITO MACHADO sustenta que: A Constituição Federal de 1988 diz que a República Federativa do Brasil constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamento, entre outros, a cidadania. Coloca entre os princípios fundamentais de nossa República o de construir uma sociedade livre, justa e solidária. Diz que todos são iguais perante a lei, e que são garantidos os direitos, entre os quais o direito à propriedade. E estabelece ainda que a Administração obedecerá aos princípios que enumera, entre os quais o da moralidade. Vê-se, pois, que pelo menos cinco são os fundamentos que se encontram na Constituição para o direito à compensação de créditos do contribuinte com seus débitos tributários. [1] Note-se que a Fazenda Pública vem praticando a compensação quando tem um débito com alguém. E pior, compensa até créditos que ressentem de liquidez e certeza. É o caso da multa de mora lançada pela Fazenda decorrente do atraso na entrega na declaração de rendimento. A Fazenda já deduz a multa do valor do imposto a ser restituído ao contribuinte que apresentou declaração fora do prazo legal. E tal multa é indevida porque o art. 138 do CTN exclui a responsabilidade pela infração pela denúncia espontânea do contribuinte. Notório é que a Fazenda não possibilita ao contribuinte o direito de apresentar impugnação administrativa ao respectivo lançamento. Nota-se que em respeito ao princípio constitucional da isonomia, não se pode admitir que seja apenas reservado à Fazenda Pública o exercício do direito de compensação. Há quem argumente que a negativa da compensação se fundamenta no interesse público, eis que os créditos da Fazenda Pública seriam de todos, não podendo ser compensados com créditos individuais dos contribuintes. Ocorre que o referido argumento cai por terra na medida em que se os créditos da Fazenda são de todos, os débitos desta também são de todos. Assim, resta demonstrado que o instituto da compensação é direito oriundo dos princípios fundamentais inseridos na Constituição Federal. 3 Algumas legislações que tratam da compensação O art. 66 da Lei 8.383/1991 autorizou que: Nos casos de pagamento indevido ou a maior de tributos, contribuições federais, inclusive previdenciárias, e receitas patrimoniais, mesmo quando resultante de reforma, anulação, revogação ou rescisão de decisão condenatória, o contribuinte poderá efetuar a compensação desse valor no recolhimento de importância correspondente a período subseqüente. O parágrafo primeiro do referido dispositivo restringiu o direito à compensação apenas... entre tributos, contribuições e receitas da mesma espécie. Por tributos da mesma espécie, entende-se que são aqueles que possuam a mesma destinação orçamentária. A compensação de tributos de espécies distintas implicaria na distorção da destinação da receita. Por exemplo, a compensação do imposto de renda com o imposto de importação, não é possível porque a receita do primeiro é destinada aos estados e municípios, enquanto a receita do segundo é

3 destinada totalmente à União. O professor JOSÉ EDUARDO SOARES DE MELO defende que:... penso ser viável compensar-se impostos de natureza diversa mas pertinente à mesma pessoa pessoa jurídica de direito público como é o caso do IPTU com o ISS, pois, para a entidade envolvida, o dinheiro será sempre destinado a atender às necessidades gerais da coletividade municipal. [2] No entanto, com a edição da Lei 9.430/1996, no seu art. 74, com a redação dada pelo art. 49 da Lei /2002, restou possibilitada a compensação de tributos de espécies distintas desde que fossem administrados pela Secretaria da Receita Federal mediante requerimento administrativo do contribuinte. Veja o que diz o art. 49 da Lei /2002: O sujeito passivo que apurar crédito, inclusive os judiciais com trânsito em julgado, relativo a tributo ou contribuição administrado pela Secretaria da Receita Federal, passível de restituição ou de ressarcimento, poderá utilizá-lo na compensação de débitos próprios relativos a quaisquer tributos e contribuições administrados por aquele Órgão. 1 o A compensação de que trata o caput será efetuada mediante a entrega, pelo sujeito passivo, de declaração na qual constarão informações relativas aos créditos utilizados e aos respectivos débitos compensados. O Superior Tribunal de Justiça também vem admitindo a compensação de tributos de espécies distintas desde que atendidas as exigências dos dispositivos acima transcritos: Da atenta leitura dos autos, diante da data de propositura da ação, denotase a vigência do art. 74 da Lei n /96, sem as alterações determinadas na Lei n /2002. Da exegese do citado diploma legal, sem a nova redação, conclui-se que é possível a compensação de tributos diversos, desde que sejam administrados pela Secretaria da Receita Federal, e que este Órgão, mediante prévio requerimento administrativo do contribuinte, autorize a compensação, o que não se verifica no caso. (REsp /SP, Min. Humberto Martins, 02ª TU, DJ ). Portanto, para que seja viabilizada a compensação entre tributos de espécies distintas são necessários os seguintes requisitos: (i) que ambos sejam administrados pela Secretaria da Receita Federal; (ii) prévio requerimento administrativo do contribuinte; (iii) deferimento do requerimento autorizando a compensação. Também é muito comum a compensação de tributos com precatórios. Há, inclusive, disposição no art. 78 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias: Ressalvado os créditos definidos em lei como de pequeno valor, os de natureza alimentícia, os de que trata o art. 33 deste Ato das Disposições Constitucionais Transitórias e suas complementações e os que já tiverem os seus respectivos recursos liberados ou depositados em juízo, os precatórios pendentes na data de promulgação desta Emenda e os que decorram de ações iniciais ajuizadas até 31 de dezembro de 1999 serão liquidados pelo seu valor real, em moeda corrente, acrescido de juros legais,em prestações anuais,

4 iguais e sucessivas, no prazo máximo de dez anos, permitidas as cessão dos créditos. (...) Parágrafo 2º - As prestações anuais a que se refere o caput deste artigo terão, se não liquidados até o final do exercício a que se referem, poder liberatório do pagamento de tributos da entidade devedora. Trata-se de uma modalidade de compensação de caráter constitucional que não está vinculada à forma prevista pelo art. 170 do CTN. O dispositivo acima transcrito determina que os entes federativos devem quitar os precatórios até 13 de setembro de 2000 (data da promulgação da Emenda) e de ações ajuizadas até 31 de dezembro de 1999, em prestações anuais, iguais e sucessivas, no prazo de dez anos. Caso não cumpra a exigência constitucional, estará autorizada a compensação de tributos com precatórios. No Paraná, a compensação de tributos com precatórios atualmente está disciplinada no Decreto 5.154/ Restrições impostas pela Fazenda Pública Desde já, cumpre esclarecer que a via adequada para o reconhecimento do direito à compensação é o mandado de segurança. O assunto já foi pacificado pela Súmula 213 do STJ: O mandado de segurança constitui ação adequada para a declaração do direito à compensação tributária. Em muitos casos, em decisão transitada em julgado em mandado de segurança é declarado o direito à compensação sem que se tenha um valor líquido. E sabe-se que em sede de mandado de segurança não se admite dilação probatória. Então, o contribuinte com o seu direito reconhecido apresenta requerimento administrativo de habilitação de crédito expondo que seu direito foi reconhecido e postulando pela sua compensação com um débito que possua com a Fazenda. O fisco vem indeferindo o pedido sob o fundamento de que não há valor líquido apto a ser compensado. Para tanto, sustenta que não foram atendidas as exigências das instruções normativas que tratam de compensação. Ocorre que um ato infra-legal não pode restringir mais ainda um direito disposto na Constituição Federal e no Código Tributário Nacional. Trata-se de evidente violação ao princípio constitucional da legalidade. Não bastasse isso, a negativa do fisco também está contrariando decisão judicial transitada em julgado. Então, o contribuinte possui três vias para ter efetivado o seu direito já reconhecido: (i) novo mandado de segurança; (ii) reclamação ao STJ; (iii) recurso no âmbito administrativo. Os tributaristas vêm orientando pela apresentação de recurso no âmbito administrativo. Isto porque primeiramente o uso de qualquer das outras vias já eliminaria a via administrativa. Segundo porque no caso de ajuizamento de mandado de segurança se a liminar não é obtida, a efetivação do direito já reconhecido terá que aguardar mais alguns anos. Aliás, um novo mandado de segurança para validar uma decisão transitada em julgado proferida em um outro mandado de segurança

5 é colocar em dúvida a eficácia das decisões do Poder Judiciário. A reclamação ao STJ seria uma via excepcional mas recai também no problema da demora. Mostra-se mais eficaz a apresentação de recurso no âmbito administrativo, devendo o contribuinte sustentar que o pedido de habilitação atende os requisitos das instruções normativas. Ressalte-se que a orientação não é sustentar a inconstitucionalidade das instruções normativas mas sustentar que o pedido de habilitação atende os requisitos dispostos nela. Deferido o pedido de habilitação será aberta na esfera administrativa, uma dilação probatória para se apurar o valor a ser compensado. Caso não seja acolhido o recurso, o contribuinte ainda dispõe do mandado de segurança e da reclamação ao STJ. 5 Conclusão Portanto, conclui-se que a compensação está assegurada na Constituição Federal, sendo ilegais as restrições impostas pelo fisco para a concessão de tal direito. As restrições colocadas pelo fisco devem sofrer séria reprimenda do Poder Judiciário para que o contribuinte tenha garantido o exercício de um direito previsto constitucionalmente, afastando conseqüentemente a violação aos direitos fundamentais. 6 Bibliografia JUSTIÇA, Superior Tribunal. Trecho extraído do voto do Recurso Especial nº /SP, rel. Min. Humberto Martins. 02ª Turma, DJ MACHADO, Hugo de Brito. Curso de Direito Tributário. 23ª. ed.., São Paulo. Editora Malheiros, SOARES DE MELO, José Eduardo. Repetição do Indébito e Compensação no Direito Tributário. São Paulo. Editora Dialética, * Graduado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica PUC-PR e Pós-Graduando pelo Instituto Brasileiro de Estudos Tributários IBET. Advogado atuante nas áreas civil, comercial e tributária no escritório FRANÇA DA ROCHA ADVOCACIA em Curitiba-PR. [1] - MACHADO, Hugo de Brito. Curso de Direito Tributário, São Paulo. Editora Malheiros, 2005, fls. 196/197. [2] - MELO, José Eduardo Soares de. Repetição do Indébito e Compensação no Direito Tributário, São Paulo. Editora Dialética, 1999, fl. 251.

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Divergência nº 39 - Data 30 de dezembro de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: NORMAS GERAIS DE DIREITO TRIBUTÁRIO TEMPLOS QUALQUER CULTO. IMUNIDADE.

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 125 Registro: 2016.0000104672 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 1029695-32.2014.8.26.0053, da Comarca de, em que é apelante, é apelado FAZENDA DO ESTADO DE SÃO PAULO.

Leia mais

A EXCLUSÃO DE ICMS, ISS, PIS E COFINS DA BASE DE CÁLCULO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA. Rafael Bello Zimath OAB/SC 18.

A EXCLUSÃO DE ICMS, ISS, PIS E COFINS DA BASE DE CÁLCULO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA. Rafael Bello Zimath OAB/SC 18. A EXCLUSÃO DE ICMS, ISS, PIS E COFINS DA BASE DE CÁLCULO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A Rafael Bello Zimath OAB/SC 18.311 2. Elementos Essenciais da Contribuição Previdenciária sobre a Receita

Leia mais

COMARCA DE PORTO ALEGRE 6ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA 1º JUIZADO PROCESSO Nº 001/ NATUREZA: IMPETRANTE: IMPETRADO:

COMARCA DE PORTO ALEGRE 6ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA 1º JUIZADO PROCESSO Nº 001/ NATUREZA: IMPETRANTE: IMPETRADO: COMARCA DE PORTO ALEGRE 6ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA 1º JUIZADO PROCESSO Nº 001/1.10.0126539-5 NATUREZA: IMPETRANTE: IMPETRADO: MANDADO DE SEGURANÇA NOVA PACK EMBALAGENS LTDA. DIRETOR DO DEPARTAMENTO DA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES AGRAVANTE AGRAVADO EMENTA PROCESSUAL CIVIL E TRIBUTÁRIO. AGRAVO REGIMENTAL. ADUANEIRO. PENA DE PERDIMENTO DE VEÍCULO OBJETO DE ARRENDAMENTO MERCANTIL (LEASING)

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR : MINISTRO TEORI ALBINO ZAVASCKI PROCURADOR : CESAR AUGUSTO BINDER E OUTRO(S) EMENTA TRIBUTÁRIO. EMBARGOS À EXECUÇÃO FISCAL. MASSA FALIDA. JUROS MORATÓRIOS. ATIVO SUFICIENTE PARA PAGAMENTO DO PRINCIPAL.

Leia mais

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DAS MULTAS POR FALTA DE PAGAMENTO DE ISS NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO NA VIGÊNCIA DE MEDIDA LIMINAR

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DAS MULTAS POR FALTA DE PAGAMENTO DE ISS NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO NA VIGÊNCIA DE MEDIDA LIMINAR ANÁLISE DA APLICAÇÃO DAS MULTAS POR FALTA DE PAGAMENTO DE ISS NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO NA VIGÊNCIA DE MEDIDA LIMINAR MARCUS OLIVEIRA Mestre em Direito Tributário Questão problema Pode haver aplicação

Leia mais

Cumprimento provisório da sentença e competência do Juizado Especial Fazendário

Cumprimento provisório da sentença e competência do Juizado Especial Fazendário Cumprimento provisório da sentença e competência do Juizado Especial Fazendário A Lei n 12.153/09, ao disciplinar os Juizados Especiais Fazendários, omitiu-se quanto ao cumprimento da sentença, porém,

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XX EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XX EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em 1º de janeiro de 2014, a União publicou lei ordinária instituindo Contribuição de Intervenção do Domínio Econômico (CIDE) incidente sobre as receitas decorrentes

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Prescrição do crédito na execução fiscal: ausência de despacho citatório Walter Gomes D Angelo * O débito numa execução fiscal possui natureza tributária, originada pelo inadimplemento

Leia mais

05ª Vara Federal de Execução Fiscal do Rio de Janeiro ( ) EMENTA

05ª Vara Federal de Execução Fiscal do Rio de Janeiro ( ) EMENTA Apelação Cível - Turma Espec. II - Tributário Nº CNJ : 0045951-57.2014.4.02.5101 (2014.51.01.045951-8) RELATOR : Desembargador Federal FERREIRA NEVES APELANTE : MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO PROCURADOR :

Leia mais

Processo Administrativo Fiscal Federal

Processo Administrativo Fiscal Federal Processo Administrativo Fiscal Federal Prof. Dr. Érico Hack ABDCONST novembro/2013 1 Estrutura de julgamento - Federal - Estrutura subordinada diretamente à SRF - 1ª instância DRJ Delegacia da Receita

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DE DESEMBARGADOR

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DE DESEMBARGADOR ( Agravo de Instrumento no. 041.2007.002068-4/001 Relator: Des. José Di Lorenzo Serpa Agravante: Município de Conde, representado por seu Prefeito Adv. Marcos Antônio Leite Ramalho Junior e outros Agravado:

Leia mais

respeitável decisão interlocutória (fs ) proferida pelo digno juiz de

respeitável decisão interlocutória (fs ) proferida pelo digno juiz de AGRAVO DE INSTRUMENTO N. 643851-3, DE MARINGÁ 5.ª VARA CÍVEL RELATOR : DESEMBARGADOR Francisco Pinto RABELLO FILHO AGRAVANTE : ÉLIO CAETANO VIEIRA AGRAVADA : FAZENDA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ Execução

Leia mais

Direito Processual Tributário

Direito Processual Tributário CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ON-LINE EM Direito Processual Tributário Processo Judicial Tributário I Camila Vergueiro Catunda CICLO DE VIDA DA OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA Constituição Federal - competências

Leia mais

EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELACAO CIVEL

EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELACAO CIVEL RELATOR : DESEMBARGADOR FEDERAL PAULO BARATA EMBARGANTE : PROFABRIL ENGENHARIA LTDA ADVOGADO : EDISON FREITAS DE SIQUEIRA E OUTROS EMBARGADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS PROCURADOR : CATIA

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 232 - Data 11 de dezembro de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA RETIDO NA FONTE - IRRF CLÁUSULA CONTRATUAL.

Leia mais

A DEMORA ADMINISTRATIVA E A SUSPENSÃO DO PRAZO PRESCRICIONAL DE PRESTAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS

A DEMORA ADMINISTRATIVA E A SUSPENSÃO DO PRAZO PRESCRICIONAL DE PRESTAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS A DEMORA ADMINISTRATIVA E A SUSPENSÃO DO PRAZO PRESCRICIONAL DE PRESTAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS Elaborado em 07.2008 Rogério Camargo Gonçalves de Abreu Advogado (Graduação PUC-CAMPINAS) e Cientista Político

Leia mais

Apelação Cível nº , de Cambé Vara Cível Relator: Lauro Laertes de Oliveira Apelante: Município de Cambé Apelado: Aparecido Alves Teixeira

Apelação Cível nº , de Cambé Vara Cível Relator: Lauro Laertes de Oliveira Apelante: Município de Cambé Apelado: Aparecido Alves Teixeira , de Cambé Vara Cível Relator: Lauro Laertes de Oliveira Apelante: Município de Cambé Apelado: Aparecido Alves Teixeira Trata-se de execução fiscal, afinal extinta diante do reconhecimento, de ofício,

Leia mais

PROCESSO: AP

PROCESSO: AP Acórdão 4ª Turma Contribuições Previdenciárias. Juros da mora e correção monetária. As contribuições previdenciárias, a despeito de serem corrigidas monetariamente nos mesmos moldes das demais verbas deferidas

Leia mais

Apresentação da Disciplina

Apresentação da Disciplina ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM DIREITO TRIBUTÁRIO APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA, EMENTA E INFORMAÇÕES CORRELATAS Prof. Thiago Gomes Apresentação da Disciplina 1. IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Estágio Supervisionado

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ TRADIÇÃO, EXPERIÊNCIA E OUSADIA DE QUEM É PIONEIRO Curso: DIREITO Disciplina: DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO II Professora: ILZA MARIA DA SILVA FACUNDES Turma: 8ºDIV

Leia mais

Crédito e lançamento tributário

Crédito e lançamento tributário Crédito e lançamento tributário Levar o entendimento ao aluno sobre o que é, como se processa o crédito e as formas do lançamento do crédito tributário. Vamos lá, pessoal, na aula passada vimos a integração

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECURSO EXTRAORDINÁRIO 869.572 SÃO PAULO RELATORA : MIN. CÁRMEN LÚCIA RECTE.(S) :CAIXA ECONOMICA FEDERAL ADV.(A/S) : ROGÉRIO ALTOBELLI ANTUNES E OUTRO(A/S) RECDO.(A/S) :MUNICÍPIO DE CAMPINAS PROC.(A/S)(ES)

Leia mais

FUNDEF. Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental. Recuperação de créditos para municípios mineiros

FUNDEF. Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental. Recuperação de créditos para municípios mineiros FUNDEF Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental Recuperação de créditos para municípios mineiros FUNDEF Criação (EC 14/96) Art. 5º É alterado o art. 60 do ADCT e nele são inseridos novos

Leia mais

O PRINCÍPIO DA CAPACIDADE CONTRIBUTIVA E OS IMPOSTOS DIRETOS E INDIRETOS

O PRINCÍPIO DA CAPACIDADE CONTRIBUTIVA E OS IMPOSTOS DIRETOS E INDIRETOS O PRINCÍPIO DA CAPACIDADE CONTRIBUTIVA E OS IMPOSTOS DIRETOS E INDIRETOS Giovana JERONIMO 1 Wesley TEIXEIRA 2 RESUMO: através de um breve apontamento teórico, o presente estudo buscou analisar o princípio

Leia mais

2ª Turma/DRJ/Brasília-DF Lectra Sistemas do Brasil Ltda

2ª Turma/DRJ/Brasília-DF Lectra Sistemas do Brasil Ltda Fls. 1 nfls txtfls Old MINISTÉRIO DA FAZENDA PRIMEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES PRIMEIRA CÂMARA Processo nº 13808.005902/2001-88 Recurso nº 159.532 De Ofício Matéria IRPJ e reflexos Acórdão nº 101-96.661

Leia mais

Departamento de Direito I IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA II EMENTA

Departamento de Direito I IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA II EMENTA Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências Jurídicas Departamento de Direito I IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Nome Curso DIREITO TRIBUTARIO I DIREITO - NOTURNO Código DIR - 5533 Número horas-aula

Leia mais

CARF ESTRUTURA ATUAL E ASPECTOS JURISPRUDENCIAIS. DENISE LUCENA CAVALCANTE Gramado-RS, 25 /06/2010. Denise Lucena Cavalcante

CARF ESTRUTURA ATUAL E ASPECTOS JURISPRUDENCIAIS. DENISE LUCENA CAVALCANTE Gramado-RS, 25 /06/2010. Denise Lucena Cavalcante CARF ESTRUTURA ATUAL E ASPECTOS JURISPRUDENCIAIS DENISE LUCENA CAVALCANTE Gramado-RS, 25 /06/2010 1 Denise Lucena Cavalcante HISTÓRICO DO CONSELHO ADMINISTRATIVO 1924 Conselho de Contribuintes do Imposto

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal AÇÃO CÍVEL ORIGINÁRIA 1.532 SANTA CATARINA RELATOR AUTOR(A/S)(ES) PROC.(A/S)(ES) RÉU(É)(S) PROC.(A/S)(ES) : MIN. LUIZ FUX :ESTADO DE SANTA CATARINA :PROCURADOR-GERAL DO ESTADO DE SANTA CATARINA :UNIÃO

Leia mais

ATIVO 11 ATIVO CIRCULANTE , , CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA EM MOEDA NACIONAL - CONSO ,

ATIVO 11 ATIVO CIRCULANTE , , CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA EM MOEDA NACIONAL - CONSO , ATIVO 11 ATIVO CIRCULANTE 2.072.292,35 1.379.606,70 111 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 2.041.298,85 1.345.167,65 1111 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA EM MOEDA NACIONAL 2.041.298,85 1.345.167,65 11111 CAIXA

Leia mais

PROCESSO Nº TST-RR A C Ó R D Ã O 7ª Turma DCABP/abp/cgel

PROCESSO Nº TST-RR A C Ó R D Ã O 7ª Turma DCABP/abp/cgel A C Ó R D Ã O 7ª Turma DCABP/abp/cgel I - AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE REVISTA. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA DO TRABALHO. RECONHECIMENTO DA RELAÇÃO DE EMPREGO. EXCLUSÃO DO NOME DO RECLAMANTE DO QUADRO

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Consumação Mínima: Incidência de ISS Daniel Barbosa Lima Faria Corrêa de Souza* 1. Hodiernamente, indaga-se a respeito da incidência ou não de ISS (Imposto Sobre Serviços) sobre

Leia mais

SUMÁRIO Direito Tributário...2 O Direito Tributário e as demais ciências jurídicas...5 O Direito Tributário e os Limites ao Poder de Tributar...

SUMÁRIO Direito Tributário...2 O Direito Tributário e as demais ciências jurídicas...5 O Direito Tributário e os Limites ao Poder de Tributar... SUMÁRIO Direito Tributário...2 Conceito...2 Polos...2 Receitas públicas...2 Natureza...3 Exemplos de receitas derivadas...3 Exemplos de receitas originárias...4 O Direito Tributário e o Direito Público...4

Leia mais

O ISS Fixo Profissionais Autônomos. Muito se tem falado sobre a revogação, ou não, do art. 9º. do Decreto-lei

O ISS Fixo Profissionais Autônomos. Muito se tem falado sobre a revogação, ou não, do art. 9º. do Decreto-lei O ISS Fixo Profissionais Autônomos Muito se tem falado sobre a revogação, ou não, do art. 9º. do Decreto-lei 406/68, em vista de sua omissão no art. 10 da Lei Complementar 116/03: "Art. 10. Ficam revogados

Leia mais

DIREITOS HUMANOS E A CONSTITUIÇÃO

DIREITOS HUMANOS E A CONSTITUIÇÃO DIREITOS HUMANOS E A CONSTITUIÇÃO Aula 06 NOS CAPÍTULOS ANTERIORES... Identificamos a evolução histórica dos direitos humanos Direitos Humanos Direitos fundamentais Geração x Dimensões Documentos Históricos

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Procurador-Geral de Justiça e Presidente da Egrégia Câmara de Procuradores do Ministério Público do Estado de Minas Gerais

Excelentíssimo Senhor Procurador-Geral de Justiça e Presidente da Egrégia Câmara de Procuradores do Ministério Público do Estado de Minas Gerais Excelentíssimo Senhor Procurador-Geral de Justiça e Presidente da Egrégia Câmara de Procuradores do Ministério Público do Estado de Minas Gerais Os membros da Comissão Temporária constituída na 5ª Sessão

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR : MINISTRO CASTRO MEIRA EMENTA RECURSO ESPECIAL. BACALHAU IMPORTADO DA NORUEGA. DESEMBARAÇO ADUANEIRO. ICMS. COMPROVAÇÃO DE PAGAMENTO. AUSÊNCIA DE PREQUESTIONAMENTO. APELO NÃO CONHECIDO. SÚMULA

Leia mais

Planejamento Tributário Empresarial

Planejamento Tributário Empresarial Planejamento Tributário Empresarial Aula 09 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina, oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades,

Leia mais

(Afeal ) COMPENSAÇÃO TRIBUTÁRIA

(Afeal ) COMPENSAÇÃO TRIBUTÁRIA (Afeal 27.11.2007) COMPENSAÇÃO TRIBUTÁRIA APRESENTAÇÃO Conceito e Fundamento Auto Compensação art. 66 da Lei n. 8.383/91 Compensação perante à SRF art. 74 da Lei n. 9.430/96 A criação do programa PER/DCOMP

Leia mais

O Artigo 98 do CTN Comentários sobre o dispositivo que nunca deveria ter existido

O Artigo 98 do CTN Comentários sobre o dispositivo que nunca deveria ter existido 13/10/2016 O Artigo 98 do CTN Comentários sobre o dispositivo que nunca deveria ter existido Sergio André Rocha sergio.andre@sarocha.com.br www.sarocha.com.br O Artigo 98 do CTN foi Consequência de um

Leia mais

PODER EXECUTIVO (art. 76 a 91, CRFB/88)

PODER EXECUTIVO (art. 76 a 91, CRFB/88) PODER EXECUTIVO PODER EXECUTIVO (art. 76 a 91, CRFB/88) Sistema de Governo Presidencialista Junção das funções de Chefe de Estado e Chefe de Governo É exercido, no âmbito federal, desde 1891, pelo Presidente

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0079.12.039931-0/001 Númeração 0364640- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Eduardo Mariné da Cunha Des.(a) Eduardo Mariné da Cunha 16/07/0015 28/07/2015

Leia mais

IMPOSTO SOBRE PROPRIEDADE DE VEÍCULOS AUTOMOTORES (IPVA)

IMPOSTO SOBRE PROPRIEDADE DE VEÍCULOS AUTOMOTORES (IPVA) PROFESSOR ASSOCIADO PAULO AYRES BARRETO Disciplina: TRIBUTOS ESTADUAIS, MUNICIPAIS E PROCESSO TRIBUTÁRIO (DEF0516) IMPOSTO SOBRE PROPRIEDADE DE VEÍCULOS AUTOMOTORES (IPVA) 02/09/2015 PERFIL CONSTITUCIONAL

Leia mais

ATUALIZAÇÃO ATUALIZAÇÃO

ATUALIZAÇÃO ATUALIZAÇÃO ATUALIZAÇÃO 1 Obra: Resumos Gráficos de Direito Tributário Autor: Eduardo Sabbag Página 12 Súmula Vinculante n o 50 do STF: Norma legal que altera o prazo de recolhimento da obrigação tributária não se

Leia mais

IV - APELACAO CIVEL

IV - APELACAO CIVEL RELATOR APELANTE ADVOGADO APELANTE ADVOGADO APELADO ORIGEM : JUIZ FEDERAL CONVOCADO JOSÉ ANTONIO LISBOA NEIVA : COOK ELECTRIC TELECOMUNICACOES S/A : MARIA DE LOURDES JORGE ESTEVES : CAIXA ECONOMICA FEDERAL

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.086.170 - SP (2008/0190551-1) RELATORA : MINISTRA ELIANA CALMON EMENTA TRIBUTÁRIO - IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO - VITAMINA A-1 - DERIVADOS - GATT - ISENÇÃO - PRECEDENTES DO STJ. 1. Os derivados

Leia mais

O CENÁRIO DO TERCEIRO SETOR NO BRASIL 6º ENCONTRO GAÚCHO DO TERCEIRO SETOR

O CENÁRIO DO TERCEIRO SETOR NO BRASIL 6º ENCONTRO GAÚCHO DO TERCEIRO SETOR IMUNIDADES E ISENÇÕES DE TRIBUTOS PARA O TERCEIRO SETOR O CENÁRIO DO TERCEIRO SETOR NO BRASIL 6º ENCONTRO GAÚCHO DO TERCEIRO SETOR TRIBUTOS (art. 145 CF). IMUNIDADES E ISENÇÕES IMUNIDADE VEDAÇÃO - PROIBIÇÃO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Registro: 2016.0000591378 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento nº 2085576-68.2016.8.26.0000, da Comarca de Piracicaba, em que é agravante M.PEREIRA ADVOGADOS ASSOCIADOS,

Leia mais

ORDEM DOS ADV. BRASIL - DF - OAB/DF CNPJ: / Siscontw - v

ORDEM DOS ADV. BRASIL - DF - OAB/DF CNPJ: / Siscontw - v Página : 350 2 SISTEMA FINANCEIRO 7.860.041,21C 10.482.757,81 8.350.356,82 5.727.640,22C 2.1 ATIVO FINANCEIRO 11.020.907,81D 8.422.506,35 6.327.754,64 13.115.659,52D 2.1.1 DISPONÍVEL 1.575.253,27D 8.361.434,18

Leia mais

PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL

PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL *ATENÇÃO: ANTES DE INICIAR A PROVA, VERIFIQUE SE TODOS OS SEUS APARELHOS ELETRÔNICOS FORAM ACONDICIONADOS E LACRADOS DENTRO DA EMBALAGEM PRÓPRIA. CASO A QUALQUER MOMENTO DURANTE A REALIZAÇÃO DO EXAME VOCÊ

Leia mais

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO RIO DE JANEIRO - CAU / RJ BALANCETE DE JANEIRO DE 2013

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO RIO DE JANEIRO - CAU / RJ BALANCETE DE JANEIRO DE 2013 BALANCETE DE JANEIRO DE 2013 ATIVO 9.854.457,63 ATIVO CIRCULANTE 9.658.703,72 Disponível Vinculado C/C Bancária 4.989.235,75 Créditos a Receber do Exercício 4.635.067,97 Demais Créditos e Valores a Curto

Leia mais

Direito Tributário Noções Básicas

Direito Tributário Noções Básicas Necessidades Públicas Direito Tributário Noções Básicas Profª: Vera Beatriz S. de Oliveira email: verabeatrizz@gmail.com É a necessidade que tem um interesse geral em determinado grupo social e é satisfeita

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO (HÓÖÖ0Ø1éñ) PODER JUDICIÁRIO RELATORA : DESEMBARGADORA FEDERAL MARIA DO CARMO CARDOSO APELANTE : FAZENDA NACIONAL PROCURADOR : CRISTINA LUISA HEDLER APELADO : TRANSPORTADORA LEV E TRAZ LTDA ADVOGADO :

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal MEDIDA CAUTELAR NA AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE 5.341 ACRE RELATOR REQTE.(S) INTDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. EDSON FACHIN :PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA :ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ACRE :SEM

Leia mais

PROCESSO Nº TST-RR A C Ó R D Ã O 4ª TURMA GDCCAS/CVS/NC/iap

PROCESSO Nº TST-RR A C Ó R D Ã O 4ª TURMA GDCCAS/CVS/NC/iap A C Ó R D Ã O 4ª TURMA GDCCAS/CVS/NC/iap RECURSO DE REVISTA INTERPOSTO PELA UNIÃO (PGF), EM FACE DE DECISÃO PUBLICADA ANTES DA VIGÊNCIA DA LEI Nº 13.015/2014. PROCEDIMENTO SUMARÍSSIMO. ACORDO HOMOLOGADO

Leia mais

RECEITA ORÇAMENTÁRIA

RECEITA ORÇAMENTÁRIA RECEITA ORÇAMENTÁRIA Receita Orçamentária Efetiva é aquela que, no momento do reconhecimento do crédito, aumenta a situação líquida patrimonial da entidade. Constitui fato contábil modificativo aumentativo.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça EDcl no RECURSO ESPECIAL Nº 1.096.639 - DF (2008/0218651-2) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI EMENTA PROCESSO CIVIL. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO NO RECURSO ESPECIAL. OMISSÃO. INOCORRÊNCIA. - Rejeitam-se os

Leia mais

Advogados : Renata Alice Pessôa Ribeiro de Castro Stutz (OAB/RO 1.112) e outros

Advogados : Renata Alice Pessôa Ribeiro de Castro Stutz (OAB/RO 1.112) e outros TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE RONDÔNIA 2ª Câmara Cível Data de distribuição :28/07/2008 Data de julgamento :17/09/2008 100.005.2007.006353-8 Apelação Cível Origem : 00520070063538 Ji-Paraná/RO (2ª Vara Cível)

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 158.184 - SP (2012/0055988-6) RELATOR AGRAVANTE ADVOGADO AGRAVADO ADVOGADO INTERES. : MINISTRO CESAR ASFOR ROCHA : COMPANHIA DE SANEAMENTO BÁSICO DO ESTADO DE SÃO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça EMBARGOS DE DIVERGÊNCIA EM RESP Nº 834.956 - RS (2006/0189384-5) RELATOR : MINISTRO HUMBERTO MARTINS EMBARGANTE : ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADOR : LEANDRO DA CUNHA E SILVA E OUTROS EMBARGADO :

Leia mais

Questões Tributárias e seus Reflexos para as Autogestões Aspectos jurídicos da taxa de saúde suplementar

Questões Tributárias e seus Reflexos para as Autogestões Aspectos jurídicos da taxa de saúde suplementar Questões Tributárias e seus Reflexos para as Autogestões Aspectos jurídicos da taxa de saúde suplementar Welington Luiz Paulo Aspecto Tributário das Taxas Classificação C.F - Art. 145, II. (Em razão do

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.240.005 - RS (2011/0042131-1) RELATORA : MINISTRA ELIANA CALMON EMENTA TRIBUTÁRIO - DESEMBARAÇO ADUANEIRO - DECLARAÇÃO DE IMPORTAÇÃO - SUBFATURAMENTO DO BEM IMPORTADO - ART. 105,

Leia mais

Exercícios: Princípios e Imunidades Coordenação do material: Emersom Fernandes TV EXAME DE ORDEM

Exercícios: Princípios e Imunidades Coordenação do material: Emersom Fernandes TV EXAME DE ORDEM Exercícios: Princípios e Imunidades Coordenação do material: Emersom Fernandes TV EXAME DE ORDEM 1-Lei catarinense, publicada em 01.12.2008, alterou, de 3% para 4%, a alíquota do IPVA relativo à propriedade

Leia mais

Conselho Reg. de Medicina/SE - CRM/SE Siscontw - v

Conselho Reg. de Medicina/SE - CRM/SE Siscontw - v Folha : 1 2 SISTEMA FINANCEIRO 286.691,03D 322.235,08 221.824,24 387.101,87D 2.1 ATIVO FINANCEIRO 453.716,42D 252.884,38 207.573,39 499.027,41D 2.1.1 DISPONIBILIDADES 176.677,60D 252.749,13 205.659,61

Leia mais

Contabilidade e Legislação Tributária Aula 2

Contabilidade e Legislação Tributária Aula 2 Contabilidade e Legislação Tributária Aula 2 Prof. Gustavo Gonçalves Vettori Receitas Originárias e Derivadas Preços Públicos Originárias Ingressos Comerciais Receitas Compensações Financeiras (Royalties)

Leia mais

Simone Costa Barreto Mestre e doutora PUC/SP

Simone Costa Barreto Mestre e doutora PUC/SP Conflitos entre ISS e ICMS nas operações de industrialização por encomenda Simone Costa Barreto Mestre e doutora PUC/SP Problemática do tema Incentivo à verticalização das operações Tributação cumulativa

Leia mais

Conselho Reg. de Medicina/SE - CRM/SE Siscontw - v

Conselho Reg. de Medicina/SE - CRM/SE Siscontw - v Folha : 1 2 SISTEMA FINANCEIRO 618.698,02D 187.660,17 210.025,07 596.333,12D 2.1 ATIVO FINANCEIRO 613.448,78D 158.175,88 181.126,13 590.498,53D 2.1.1 DISPONIBILIDADES 439.539,14D 138.787,44 175.790,36

Leia mais

COPIA - STF RE CPF /03/ :08:44. (e-stj Fl.1010)

COPIA - STF RE CPF /03/ :08:44. (e-stj Fl.1010) (e-stj Fl.1010) (e-stj Fl.1011) (e-stj Fl.1012) (e-stj Fl.1013) (e-stj Fl.1014) (e-stj Fl.1015) (e-stj Fl.1016) (e-stj Fl.1017) (e-stj Fl.1018) (e-stj Fl.1019) (e-stj Fl.1020) (e-stj Fl.1021) (e-stj Fl.1022)

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DO ICMS NA TRANSFERÊNCIA DE MERCADORIA ENTRE MATRIZ E FILIAL

TRIBUTAÇÃO DO ICMS NA TRANSFERÊNCIA DE MERCADORIA ENTRE MATRIZ E FILIAL TRIBUTAÇÃO DO ICMS NA TRANSFERÊNCIA DE MERCADORIA ENTRE MATRIZ E FILIAL I. RESUMO DO TEMA JURÍDICO ANALISADO. II. CONSTRUÇÃO LÓGICO-SEMÂNTICA DO TERMO ICMS. III. HIPÓTESE DE NÃO-INCIDÊNCIA DO ICMS NAS

Leia mais

AULA 1: ORGANIZAÇÃO DOS PODERES

AULA 1: ORGANIZAÇÃO DOS PODERES AULA 1: ORGANIZAÇÃO DOS PODERES EMENTÁRIO DE TEMAS: São Poderes da União, independentes e harmônicos entre si, o Legislativo, o Executivo e o Judiciário (Art. 2º, da CRFB/88) Organização dos Poderes: separação

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XX EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XX EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL - C006060 Em 1º de janeiro de 2014, a União publicou lei ordinária instituindo Contribuição de Intervenção do Domínio Econômico (CIDE) incidente sobre as receitas

Leia mais

PARECER NORMATIVO Nº 1, DE 24 DE SETEMBRO DE 2002

PARECER NORMATIVO Nº 1, DE 24 DE SETEMBRO DE 2002 SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL PARECER NORMATIVO Nº 1, DE 24 DE SETEMBRO DE 2002 Ementa: IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE - IRRF. IRRF. RETENÇÃO EXCLUSIVA. RESPONSABILIDADE. No caso de imposto de renda

Leia mais

Balancete Interno de Maio de 2017 Empresa : FIP INFRA BB VOT ENERGIA SUSTENTAVEL I - CONSOLIDADO

Balancete Interno de Maio de 2017 Empresa : FIP INFRA BB VOT ENERGIA SUSTENTAVEL I - CONSOLIDADO 22/06/2017 16:46:39 Folha : 1 *** Ativo *** 1.0.0.00.00.000-7 * REALIZAVEL 47.381.094,97-2.542.044,73 1.850.856,11 48.072.283,59-1.1.0.00.00.000-6 * DISPONIBILIDADES 601.097,77 601.097,77 1.1.2.00.00.000-2

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE)

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE) O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações) estipula a Demonstração do Resultado do Exercício.

Leia mais

RELATÓRIO. A Excelentíssima Senhora Desembargadora Federal Relatora, Dra. Vesna Kolmar:

RELATÓRIO. A Excelentíssima Senhora Desembargadora Federal Relatora, Dra. Vesna Kolmar: APELAÇÃO CÍVEL Nº 2008.03.99.034831-0/SP RELATORA APELANTE ADVOGADO APELADO ADVOGADO No. ORIG. : VESNA KOLMAR : MOTO CHAPLIN LTDA : ESPER CHACUR FILHO e outro : Uniao Federal (FAZENDA NACIONAL) : MARLY

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 929.862 - RS (2007/0042912-6) RELATOR : MINISTRO HUMBERTO MARTINS RECORRENTE : AUTO POSTO RALLY LTDA ADVOGADO : MARCOS VALÉRIO LESSA E OUTRO(S) RECORRIDO : MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 6 28/10/2016 PRIMEIRA TURMA AG.REG. NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 806.607 PIAUÍ RELATOR AGTE.(S) AGDO.(A/S) : MIN. ROBERTO BARROSO :ESTADO

Leia mais

ARTIGO 65 DA LEI Nº , DE 11 DE JUNHO DE Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial ARTIGO 65

ARTIGO 65 DA LEI Nº , DE 11 DE JUNHO DE Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial ARTIGO 65 ARTIGO 65 LEI Nº 12.249, DE 11 DE JUNHO DE 2010 Art. 65. Poderão ser pagos ou parcelados, em até 180 (cento e oitenta) meses, nas condições desta Lei, os débitos administrados pelas autarquias e fundações

Leia mais

PIS-IMPORTAÇÃO E COFINS-IMPORTAÇÃO (LEI Nº /04)

PIS-IMPORTAÇÃO E COFINS-IMPORTAÇÃO (LEI Nº /04) PIS-IMPORTAÇÃO E COFINS-IMPORTAÇÃO (LEI Nº 10.865/04) Vimos por meio do presente resumo destacar nosso entendimento sobre a sistemática de incidência do PIS e da COFINS nas operações de importação, bem

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 611.763 - DF (2003/0213407-8) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN RECORRENTE : UNIMED NOROESTE FLUMINESE COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO ADVOGADO : REGINALDO FERREIRA LIMA E OUTRO(S)

Leia mais

São Paulo, 04 de outubro de 2012.

São Paulo, 04 de outubro de 2012. São Paulo, 04 de outubro de 2012. Ref.: QUESTÕES TRIBUTÁRIAS: MOVIMENTO RENTABILIDADE PELA PORTA DA TRIBUTAÇÃO Prezados associados, Em assembleia geral realizada em 27.09.2007, foi aprovada a propositura,

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores ERBETTA FILHO (Presidente) e RAUL DE FELICE. São Paulo, 4 de maio de 2017.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores ERBETTA FILHO (Presidente) e RAUL DE FELICE. São Paulo, 4 de maio de 2017. Registro: 2017.0000327714 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 1023287-36.2014.8.26.0114, da Comarca de Campinas, em que é apelante ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA IGREJA DE JESUS CRISTO

Leia mais

<CABBCBBCCADACABAADBCAADCBAACDBBAACDAA DDADAAAD> A C Ó R D Ã O

<CABBCBBCCADACABAADBCAADCBAACDBBAACDAA DDADAAAD> A C Ó R D Ã O EMENTA: AGRAVO EM EXECUÇÃO PENAL CONDENAÇÃO SUPERVENIENTE HOMOLOGAÇÃO DO ATESTADO DE PENA REGIME ABERTO INCONFORMISMO MINISTERIAL IMPOSIÇÃO DO REGIME SEMIABERTO

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XX EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XX EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em janeiro de 2007, a Fazenda Nacional lavrou auto de infração em face da pessoa jurídica ABC, visando à cobrança de contribuições previdenciárias dos anos de 2005

Leia mais

Prezados Leitores: Nesta 65ª edição, estamos tratando de 03 diferentes questões, dentro de Jurisprudência e de Legislação.

Prezados Leitores: Nesta 65ª edição, estamos tratando de 03 diferentes questões, dentro de Jurisprudência e de Legislação. Prezados Leitores: A publicação Nota Tributária tem por objetivo atualizar nossos clientes e demais interessados sobre os principais assuntos que estão sendo discutidos e decididos no âmbito do Judiciário,

Leia mais

Repetição de indébito federal, estadual e municipal (STJ info. 394)

Repetição de indébito federal, estadual e municipal (STJ info. 394) Repetição de indébito federal, estadual e municipal (STJ info. 394) Devido ao princípio da vedação ao enriquecimento sem causa, o Estado tem o dever de restituir o tributo, ou parcela de tributo, pago

Leia mais

DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES. Prof. Eduardo Casassanta

DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES. Prof. Eduardo Casassanta DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES Prof. Eduardo Casassanta Ementa Separação das funções Estatais Poder Legislativo Poder Executivo Poder Judiciário Funções Essenciais à Justiça Organização dos Poderes Separação

Leia mais

Curso Resultado. Jurisprudência ordenada por matérias e assuntos Juizados

Curso Resultado. Jurisprudência ordenada por matérias e assuntos Juizados Curso Resultado Jurisprudência ordenada por matérias e assuntos Juizados Atualizado em 19 de novembro de 2015 Sumário Alçada Criação por Estado Depósito para recurso ALÇADA Em relação à questão da competência

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO ACÓRDÃO Registro: 2012.0000145628 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0023402-05.2010.8.26.0053, da Comarca de São Paulo, em que é apelante/apelado AKA PUBLICIDADE DE PARTICIPAÇÕES

Leia mais

ACÓRDÃO DO TRF DA 1ª REGIÃO RECONHECE A EXCLUSÃO DO ICMS NA BASE DO PIS E DA COFINS

ACÓRDÃO DO TRF DA 1ª REGIÃO RECONHECE A EXCLUSÃO DO ICMS NA BASE DO PIS E DA COFINS ACÓRDÃO DO TRF DA 1ª REGIÃO RECONHECE A EXCLUSÃO DO ICMS NA BASE DO PIS E DA COFINS O Tribunal Regional Federal da Primeira Região fora praticamente pioneiro em conceder decisões em que reconhecera o direito

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Ementa e Acórdão DJe 03/05/2012 Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 6 17/04/2012 SEGUNDA TURMA AG.REG. NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 662.125 RIO DE JANEIRO RELATOR AGTE.(S) ADV.(A/S) AGDO.(A/S) PROC.(A/S)(ES)

Leia mais

PERDCOMP (Pedido de Eletronico de Ressarcimento ou Restituição e Declaração de Compensação)

PERDCOMP (Pedido de Eletronico de Ressarcimento ou Restituição e Declaração de Compensação) (Pedido de Eletronico de Ressarcimento ou Restituição e Declaração de Compensação) contato@agmcontadores.com.br 2015 Atualizada em março-2015 2 PER/DCOMP - PEDIDO ELETRÔNICO DE RESSARCIMENTO OU RESTITUIÇÃO

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos estes autos da Apelação Cível nº , em que figuram como apelante

Vistos, relatados e discutidos estes autos da Apelação Cível nº , em que figuram como apelante QUINTA CÃMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL Nº 0052359-17.1997.805.0001-0 (antigo nº 82115-7/2009) APELANTE: FAZENDA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DO SALVADOR APELADOS: BH S/A RELATOR: DES. JOSÉ CÍCERO LANDIN NETO EMENTA

Leia mais

DISCIPLINA: DIREITO TRIBUTÁRIO E PROCESSO TRIBUTÁRIO

DISCIPLINA: DIREITO TRIBUTÁRIO E PROCESSO TRIBUTÁRIO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO DISCIPLINA: DIREITO TRIBUTÁRIO E PROCESSO TRIBUTÁRIO QUESTÃO Nº 51 Protocolo: 11913003323-3 Segundo o recorrente, a alternativa D deve ser considerada

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA SÉTIMA CÂMARA CÍVEL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA SÉTIMA CÂMARA CÍVEL TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA SÉTIMA CÂMARA CÍVEL Apelação Cível nº 0018150-71.2007.8.19.0004 Apelante: Município de São Gonçalo Apelado: Casa de Saúde Santa Lúcia Relator: Des.

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 07, ANO V JULHO DE 2013 1 STJ - EMBARGOS NÃO SUSPENDEM EXECUÇÃO FISCAL Agora a suspensão do processo é a exceção em casos pontuais, e

Leia mais

Assegurar que a parte executada em um processo realize o pagamento do valor discutido, caso venha a ser comprovado que esse é devido.

Assegurar que a parte executada em um processo realize o pagamento do valor discutido, caso venha a ser comprovado que esse é devido. GARANTIAS JUDICIAIS 1 OBJETIVO DA GARANTIA JUDICIAL Assegurar que a parte executada em um processo realize o pagamento do valor discutido, caso venha a ser comprovado que esse é devido. 2 Código de Processo

Leia mais

A Execução Fiscal e o novo CPC. < competência > Prof. Mauro Luís Rocha Lopes

A Execução Fiscal e o novo CPC. < competência > Prof. Mauro Luís Rocha Lopes A Execução Fiscal e o novo CPC < competência > Prof. Mauro Luís Rocha Lopes LEF, art. 5º A competência para processar e julgar a execução da Dívida Ativa da Fazenda Pública exclui a de qualquer outro juízo,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AGRAVADO ADVOGADO INTERES. : JOSÉ MEIRELLES FILHO E OUTRO(S) - SP086246 : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO EMENTA PROCESSO PENAL. AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL. EXECUÇÃO PROVISÓRIA

Leia mais