Inspeção Predial e Auditoria Técnica Predial

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Inspeção Predial e Auditoria Técnica Predial"

Transcrição

1 Orientação Técnica OT-003/2015-IBRAENG (Aprovada e publicada aos 19 de agosto de 2015) Inspeção Predial e Auditoria Técnica Predial Building Inspection and Technical Building Audit Comitê de Elaboração/Revisão (2015): Eng o Civil Marcio Soares da Rocha, Eng o Civil Ernesto Ferreira Nobre Júnior, Eng o Civil Francisco Alves de Aguiar, Eng o Civil Jorge Luiz Rodrigues Cursino de Sena, Eng o Civil José de Montier Barroso, Eng a Civil Christina Bianchi Brandão, Eng o Civil Elismar de Oliveira Sá. Palavras-Chaves: edificações, inspeção predial, auditoria técnica. 18 páginas Sumário PREFÁCIO... 2 INTRODUÇÃO OBJETIVO REFERÊNCIAS NORMATIVAS E TÉCNICAS DEFINIÇÕES HABILITAÇÃO PROFISSIONAL CLASSIFICAÇÃO DAS EDIFICAÇÕES CLASSIFICAÇÃO DAS INSPEÇÕES PREDIAIS CARACTERIZAÇÃO DA AUDITORIA TÉCNICA PREDIAL METODOLOGIA DA INSPEÇÃO PREDIAL E DA AUDITORIA TÉCNICA PREDIAL DOCUMENTAÇÃO DA EDIFICAÇÃO INSPECIONADA OU AUDITADA PLANEJAMENTO DA VISTORIA TÉCNICA E ELABORAÇÃO DE LISTAS DE VERIFICAÇÃO (CHECKLISTS) VISTORIA TÉCNICA INFORMAÇÕES ADICIONAIS ÚTEIS À INSPEÇÃO PREDIAL OU À AUDITORIA TÉCNICA PREDIAL CLASSIFICAÇÃO DAS ANOMALIAS CLASSIFICAÇÃO DAS FALHAS CLASSIFICAÇÃO DO GRAU DE RISCO DAS ANOMALIAS E FALHAS DEFINIÇÃO DE PRIORIDADES COM RELAÇÃO AO SANEAMENTO DE ANOMALIAS E À CORREÇÃO DE FALHAS AVALIAÇÃO DA MANUTENÇÃO E DO USO DA EDIFICAÇÃO... 13

2 2 18 AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE ESTABILIDADE E SEGURANÇA DA EDIFICAÇÃO PRESCRIÇÕES/RECOMENDAÇÕES DA INSPEÇÃO OU AUDITORIA ESTRUTURA PARA APRESENTAÇÃO DO LAUDO DE INSPEÇÃO PREDIAL E/OU DE AUDITORIA TÉCNICA PREDIAL TÓPICOS ESSENCIAIS COMO CITAR ESTE DOCUMENTO ANEXO NORMAS TÉCNICAS DA ABNT INDICADAS PREFÁCIO O IBRAENG Instituto Brasileiro de Auditoria de Engenharia é a entidade de classe homologada pelo sistema Confea-Crea que objetiva o desenvolvimento e a padronização de métodos e técnicas científicas de auditoria, aplicáveis aos trabalhos de Engenharia. O IBRAENG possui registro regional no Crea-CE, tem atuação nacional e possui como associados profissionais de Engenharia e Arquitetura de nível superior de todo o Brasil. As Orientações Técnicas emitidas pelo IBRAENG visam contribuir para a uniformização e padronização do entendimento sobre métodos, técnicas e procedimentos pertinentes à Auditoria de Engenharia e sobre temas afins e correlatos, bem como orientar aos profissionais de Engenharia e Arquitetura sobre os assuntos nelas tratados. As Orientações Técnicas do IBRAENG são disponibilizadas gratuitamente em meio eletrônico e podem ser publicadas e distribuídas, sendo, no entanto, vetada a sua comercialização. A impressão deste documento para uso pessoal é permitida; todavia, a impressão em grande escala e para uso coletivo só pode ser feita com permissão do IBRAENG. As citações desta Orientação Técnica devem ser feitas conforme apresentado no item 21 desta Orientação Técnica. INTRODUÇÃO Nos últimos 10 anos diversas leis e/ou decretos municipais instituindo a obrigatoriedade de inspeções prediais em edificações em funcionamento têm sido projetados, sancionados e/ou regulamentados no Brasil. Tais projetos, leis e decretos determinam que a competência para a realização de vistorias técnicas e emissão de laudos de inspeções prediais em edificações compete aos profissionais de nível superior devidamente registrados e habilitados nos conselhos profissionais regionais de Engenharia e Agronomia (Crea) e nos conselhos profissionais regionais de Arquitetura e Urbanismo (CAU), entretanto, não trazem orientações metodológicas que possibilitem a efetiva e competente realização dessas inspeções prediais. Tal situação pode provocar a realização de inspeções prediais de má qualidade que não atendam ao objetivo maior de proteger a sociedade contra acidentes e incidentes provocados por defeitos construtivos, uso inadequado ou falta de manutenção das edificações e de seus sistemas e equipamentos. O IBRAENG, portanto, com o intuito de contribuir para o desenvolvimento do país e para a proteção da sociedade brasileira, disponibiliza aos profissionais de Engenharia e Arquitetura em geral, aos Conselhos Profissionais de Engenharia e Arquitetura, às entidades de classe e aos órgãos públicos (contratantes, controladores e reguladores) esta Orientação Técnica que visa contribuir para uniformizar o entendimento sobre as definições de inspeção predial e auditoria técnica predial, bem como para padronizar a metodologia referencial para a realização de inspeções prediais e auditorias técnicas prediais. 1 OBJETIVO Esta Orientação Técnica objetiva contribuir para: a) Uniformizar as definições de inspeção predial e auditoria técnica predial e demais termos técnicos correlacionados com essas atividades; b) Padronizar a metodologia para a realização de inspeções prediais e auditorias técnicas prediais;

3 3 c) Indicar quais são os profissionais habilitados legalmente para inspeção predial e auditoria técnica predial, por sistema predial; d) Definir a estrutura essencial (tópicos) que devem constar num laudo de inspeção predial e de auditoria técnica predial; 2 REFERÊNCIAS NORMATIVAS E TÉCNICAS Na aplicação desta Orientação Técnica é necessário atender aos seguintes preceitos legais: Leis Municipais de Inspeção Predial. Códigos de Obras e Edificações (COE) municipais. Lei Federal Nº 5.194, DE 24 DEZ 1966 (Regula o exercício das profissões de Engenheiro, Arquiteto e Engenheiro-Agrônomo, e dá outras providências). Lei Federal Nº /2010 (Regulamenta o exercício da Arquitetura e Urbanismo; cria o Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil - CAU/BR e os Conselhos de Arquitetura e Urbanismo dos Estados e do Distrito Federal - CAUs; e dá outras providências). Decreto Federal n o /1978 (Aprova o Quadro Geral de Unidades de Medidas). Resolução n o 1002/2002 do Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (Código de Ética Profissional do Confea). Resolução n o 218/1973 do Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (Fixa as atribuições do Engenheiro, Arquiteto e Engenheiro Agrônomo nas diversas modalidades). Resolução n o 1010/2007 do Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (Fixa as atribuições do Engenheiro, Arquiteto e Engenheiro Agrônomo nas diversas modalidades). Normas Técnicas da ABNT referentes a perícias e a execução de diversos serviços de engenharia, especialmente as destacadas no Anexo desta Orientação Técnica. São referências técnicas desta Orientação Técnica: INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE ENGENHARIA. OT-001/2012-IBRAENG: Auditorias de Engenharia Procedimentos Gerais. Fortaleza, INSTITUTO BRASILEIRO DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS DE ENGENHARIA. Norma de Inspeção predial do IBAPE Nacional DEFINIÇÕES Anomalias: desconformidades técnicas construtivas ou de uso de uma edificação ou de seus equipamentos e sistemas, que implicam na perda de desempenho da edificação ou de suas partes (equipamentos e sistemas) e na redução de sua vida útil. Podem comprometer a segurança, a estabilidade e a funcionalidade da edificação, a saúde dos usuários, o conforto térmico, acústico e lumínico, a estética, a acessibilidade, a durabilidade, a vida útil, e outros aspectos de desempenho constantes na NBR /ABNT. Auditoria técnica predial: conjunto de procedimentos voltados à análise da conformidade de uma edificação de engenharia concluída e em funcionamento, com relação às suas condições técnicas, de uso e de manutenção, à luz das leis e normas técnicas vigentes e que resulta num laudo. A auditoria técnica predial é realizada necessariamente por uma equipe multidisciplinar e preferencialmente fundamenta as suas conclusões em resultados de exames tecnológicos ou de medições realizadas com equipamentos. Documentos técnicos: desenhos técnicos e/ou textos descritivos que caracterizam e registram os diversos elementos e sistemas componentes dos projetos e obras de engenharia.

4 4 Falhas: desconformidades de manutenção de uma edificação ou de seus equipamentos e sistemas, que provocam ou possam vir a provocar anomalias, as quais podem comprometer a segurança, a estabilidade e a funcionalidade da edificação, a saúde dos usuários, o conforto térmico, acústico e lumínico, a estética, a acessibilidade, a durabilidade, a vida útil, e outros aspectos de desempenho constantes na NBR /ABNT. Grau de risco de anomalias e falhas: Critério de classificação das anomalias e falhas existentes na edificação e constatadas em uma inspeção predial, considerado o risco oferecido aos usuários, ao meio ambiente e ao patrimônio, dentro dos limites da inspeção predial. (definição da Norma de Inspeção predial do IBAPE Nacional Item 4.4) O grau de risco das anomalias e falhas de uma edificação é classificado em: crítico, médio e mínimo, de acordo com os critérios definidos no corpo desta OT. Habitabilidade: estado das características ou condições de adequação de uma habitação humana no que se refere à segurança e estabilidade, conforto térmico, sonoro, higiene, iluminação, umidade, salubridade, ventilação e odores. Inspeção predial: análise diagnóstica de uma edificação, quanto aos seus aspectos técnicos, de uso e de manutenção, que resulta num laudo. A inspeção predial, a depender do seu nível, pode ser realizada por um profissional ou por uma equipe multidisciplinar e pode fundamentar as suas conclusões em observações visuais ou em resultados de exames laboratoriais ou de medições realizadas com o uso de equipamentos. Irregularidades: ver anomalias. Listas de verificação (ou checklists): formulários elaborados pelos inspetores e/ou auditores para verificação e anotação in loco das características técnicas, de uso e de manutenção de uma edificação inspecionada ou auditada. São documentos imprescindíveis nas vistorias técnicas, onde os inspetores e auditores registrarão as características dos diversos sistemas construtivos da edificação e das práticas de uso e manutenção adotadas pelos seus usuários e administradores, além das anomalias e falhas porventura constatadas. Nível de inspeção predial: classificação da inspeção predial quanto a sua complexidade, em função das características técnicas, da manutenção e do uso observado na edificação inspecionada, e da necessidade ou não de formação de equipe multidisciplinar para execução dos trabalhos. Os níveis de inspeção predial podem ser classificados em nível 1, nível 2 e nível 3 (conforme definidos no corpo desta OT). A inspeção predial de nível 3 é a auditoria técnica predial. Memorial descritivo: documento técnico no qual os serviços, os sistemas, os equipamentos e os materiais de construção de uma edificação são descritos e especificados de modo que permita a sua completa compreensão, bem como o seu uso e manutenção. Projeto executivo (Lei 8.666/93, art. 6º, X) : X Projeto Executivo o conjunto dos elementos necessários e suficientes à execução completa da obra, de acordo com as normas pertinentes da Associação Brasileira de Normas Técnicas ABNT. Projeto as built: documento técnico que registra, descreve e retrata a edificação exatamente como foi (e está) construída, considerando as alterações porventura realizadas com relação ao seu projeto executivo. Serviço de engenharia: toda atividade, cuja execução seja de competência restrita aos profissionais de engenharia. Sustentabilidade ambiental: (1) característica ou condição de um processo ou de um sistema que permite a sua permanência, em certo nível, por um determinado prazo; (2) uso racional de recursos naturais de forma a prejudicar o menos possível o equilíbrio entre o meio ambiente e as comunidades humanas e toda a biosfera que dele dependem para existir.

5 5 Vistoria: visita técnica realizada por um profissional de Engenharia ou Arquitetura para caracterizar uma obra em andamento ou uma edificação concluída quanto aos seus diversos aspectos físicos, ao seu uso e manutenção. Nota: algumas leis e/ou decretos municipais incluem na definição de vistoria a identificação das causas de anomalias porventura existentes na edificação inspecionada. 4 HABILITAÇÃO PROFISSIONAL As Inspeções Prediais e as Auditorias Técnicas Prediais deverão ser realizadas apenas por engenheiros e arquitetos devidamente registrados e regulares com o CREA e CAU e em conformidade com as respectivas atribuições de cada modalidade profissional, conforme resoluções do CONFEA e CAU-BR, preferencialmente treinados e capacitados mediante cursos específicos promovidos por entidades de classe da Engenharia e da Arquitetura ou por profissionais experientes, por meio de empresas especializadas. As inspeções prediais podem possuir características multidisciplinares, em função da complexidade e da diversidade dos sistemas construtivos, equipamentos e materiais de construção a serem inspecionados. Os profissionais responsáveis pela realização de inspeções prediais podem convocar profissionais de outras especialidades para assessorá-los, conforme o nível de inspeção predial contratado, cuja comprovação deve ser anexada ao laudo através das competentes ARTs e RRTs. Cada modalidade profissional possui as suas atribuições definidas por leis e resoluções dos respectivos conselhos profissionais. A tabela 4.1 informa quais são os profissionais habilitados para inspecionar/auditar cada tipo de sistema predial. As Auditorias Técnicas Prediais geralmente possuem características multidisciplinares e são realizadas por equipes de profissionais de diversas especialidades, conforme tabela 4.1 desta OT. Tabela Profissionais habilitados legalmente para inspeção predial e auditoria técnica predial, por sistema predial SISTEMA PREDIAL PROFISSIONAL HABILITADO FUNDAMENTO Estrutura (fundações, pilares, vigas, lajes etc.) Alvenaria, Vedação (paredes e divisórias), Revestimentos e Esquadrias Cobertura Trabalhos em solos (aterramentos, contenções etc.) Instalações hidráulicas e sanitárias Instalações de gás Instalações de comunicação (telefonia e informática) Instalações elétricas de baixa tensão (conforme classificação da NBR 5410/ABNT, item 1.2.2) Instalações elétricas de alta tensão Arquiteto/Urbanista Arquiteto/Urbanista Arquiteto/Urbanista Arquiteto/Urbanista Arquiteto/Urbanista Arquiteto/Urbanista Arquiteto/Urbanista Engenheiro Eletricista Arquiteto/Urbanista Engenheiro Eletricista Engenheiro Eletricista Lei Federal 5.194/1964; Lei Federal /2010; Lei Federal 5.194/1964; ; Lei Federal /2010; Lei Federal 5.194/1964; Lei Federal /2010; Lei Federal 5.194/1964; Lei Federal 5.194/1964; Lei Federal /2010; Lei Federal 5.194/1964; Lei Federal /2010. Lei Federal 5.194/1964; Lei Federal /2010. Lei Federal 5.194/1964; Lei Federal /2010. Lei Federal 5.194/1964; Lei Federal /2010

6 6 Tabela Profissionais habilitados legalmente para inspeção predial e auditoria técnica predial, por sistema predial (conclusão) SISTEMA PREDIAL PROFISSIONAL HABILITADO FUNDAMENTO Elevadores e demais máquinas Engenheiro Mecânico e equipamentos eletromecânicos (geradores, Lei Federal 5.194/1964; Engenheiro Mecatrônico Engenheiro de Produção exaustores etc.) Lei Federal 5.194/1964; Climatização Engenheiro Mecânico Bombas dos sistemas hidrossanitários Combate a incêndio Proteção Contra Descargas Atmosféricas Climatização Automação Segurança (câmeras, alarmes etc.) Energias Renováveis Engenheiro Mecânico Arquiteto/Urbanista Engenheiro de Segurança do Trabalho Engenheiro Eletricista Engenheiro Mecânico Engenheiro Eletricista Engenheiro Eletrônico Engenheiro Mecatrônico Engenheiro Eletricista Engenheiro Eletrônico Engenheiro Mecatrônico Engenheiro Eletricista Engenheiro Mecânico Lei Federal 5.194/1964; Lei Federal 5.194/1964; Lei Federal 5.194/1964; Lei Federal 5.194/1964; Lei Federal 5.194/1964; Lei Federal 5.194/1964; Lei Federal 5.194/1964; Nota: se existirem relatórios de manutenções periódicas de máquinas e equipamentos eletromecânicos da edificação inspecionada, elaborados por empresas ou profissionais registrados e regulares com o Crea regional, contendo suas respectivas ART s, fica a critério do contratado e do contratante a formação de equipe multidisciplinar para a realização de inspeções prediais de nível 1 e 2, as quais podem ser realizadas apenas por engenheiros civis e/ou arquitetos. Tais relatórios, no entanto, deverão ser anexados ao laudo dos inspetores prediais. 5 CLASSIFICAÇÃO DAS EDIFICAÇÕES 5.1 Quanto ao Tipo, Ocupação e Utilização Os tipos das edificações, para efeito desta Orientação Técnica, são: residenciais; comerciais; industriais; rurais; portuárias; aeroportuárias; ferroviárias; de saúde; públicas; recreativas; educacionais; religiosas; rodoviárias; temporárias ou efêmeras (estandes, coberturas etc.); subterrâneas; aquáticas; de comunicações; de energia; de transporte urbano; monumentos. 5.2 Quanto ao Padrão e Complexidade Construtiva Para fins de classificação das inspeções e auditorias técnicas prediais, as edificações podem ser classificadas quanto ao padrão e complexidade construtiva em: a) Baixo: edificações com estruturas, equipamentos e instalações básicas, sem elevadores e com padrão construtivo e de acabamento classificado como baixo segundo a NBR /2006/ABNT. Possuem fundações simples diretas (blocos ou sapatas). b) Normal: edificações com estruturas, equipamentos e instalações comuns, com pelo menos um elevador e padrão construtivo e de acabamento classificado como normal segundo a NBR /2006/ABNT. c) Alto: edificações com estruturas, equipamentos e instalações complexas, com mais de um elevador e com padrão construtivo e de acabamento classificado como alto segundo a NBR /2006/ABNT. Possuem fundações especiais e um ou mais sistemas de automação.

7 7 5.3 Quanto ao Número de Pavimentos As edificações, para efeito desta Orientação Técnica, são classificadas também conforme o número de pavimentos ou andares. A classificação, quanto a este aspecto, é quantitativa. 5.4 Quanto à Área Construída As edificações, para efeito desta Orientação Técnica, são classificadas também conforme as suas respectivas áreas construídas (áreas pavimentadas), A classificação, quanto a este aspecto, é quantitativa e as áreas são descritas em metros quadrados. Exemplo de classificação de edificação: (1) residencial; (2) padrão normal; (3) 15 pavimentos; (4) Área Construída de m 2. Nota: independente da classificação da edificação conforme este item, cabe aos inspetores e auditores apresentar no laudo a descrição da edificação, apontando a sua localização, sua idade e os sistemas construtivos que a compõem. 6 CLASSIFICAÇÃO DAS INSPEÇÕES PREDIAIS A Inspeção Predial é classificada quanto à sua complexidade, em função das características técnicas, da manutenção e do uso observado na edificação inspecionada, e da necessidade ou não de formação de equipe multidisciplinar para execução dos trabalhos. Os níveis de inspeção predial podem ser classificados em nível 1, nível 2 e nível 3 conforme se define a seguir. 6.1 Inspeção Predial de Nível 1 Inspeção Predial realizada em edificação com padrão e complexidade construtiva do tipo baixo (ver 5.2.a), que possui até três pavimentos, sem elevadores, e que apresenta simplicidade na manutenção e na operação de seus elementos e sistemas construtivos. A Inspeção Predial nesse nível pode ser realizada por um ou mais profissionais habilitados em apenas uma especialidade (engenheiro civil ou arquiteto) e suas conclusões são fundamentadas nas observações visuais e/ou em medições realizadas pelos próprios inspetores prediais. Consoante a Lei Municipal específica, o laudo de inspeção predial neste nível deverá apontar as medidas saneadoras das anomalias e falhas porventura constatadas. 6.2 Inspeção Predial de Nível 2 Inspeção Predial realizada em edificação com padrão e complexidade construtiva normal (ver 5.2.b), com um ou mais elevadores, cujas manutenções de seus equipamentos e sistemas construtivos (tais como elevadores, bombas hidráulicas e sanitárias, portões automáticos, reservatórios de água etc.) sejam feitas por empresas especializadas terceirizadas, registradas e regulares no Crea. A Inspeção Predial nesse nível é elaborada por profissionais habilitados em mais de uma especialidade, de acordo com as respectivas habilitações e atribuições profissionais de cada especialidade profissional (ver Tabela 4.1), e suas conclusões são fundamentadas principalmente na observação visual e nas medições feitas pelos próprios inspetores, podendo contar com resultados de ensaios e ensaios tecnológicos, conforme o caso. Dependendo da legislação municipal específica, o laudo de inspeção predial neste nível deverá apontar as medidas saneadoras das anomalias e falhas porventura constatadas pelos inspetores, bem como os prazos para as medidas corretivas que devem ser executadas. Nota: se existirem relatórios de manutenções periódicas de máquinas e equipamentos eletromecânicos da edificação inspecionada, elaborados por empresas ou profissionais registrados e regulares com o Crea regional, contendo suas respectivas ART s, fica a critério do contratado e do contratante a formação de equipe multidisciplinar para a realização de inspeções prediais de nível 2, as quais podem ser realizadas apenas por engenheiros civis e/ou arquitetos. Tais relatórios, no entanto, deverão ser anexados ao laudo dos inspetores prediais.

8 8 6.3 Inspeção Predial de Nível 3 Inspeção Predial realizada em edificações com alto padrão e alta complexidade construtiva (ver 5.2.c), com vários pavimentos, com mais de um elevador, cujas manutenções de seus equipamentos e sistemas construtivos (tais como elevadores, bombas hidráulicas e sanitárias, portões automáticos, reservatórios de água etc.) sejam feitas por empresas especializadas terceirizadas, registradas no Crea. A Inspeção Predial nesse nível é elaborada necessariamente por profissionais habilitados em mais de uma especialidade, de acordo com as respectivas habilitações e atribuições profissionais de cada especialidade profissional (ver Tabela 4.1) e suas conclusões são fundamentadas conjuntamente na observação visual, nas medições feitas pelos próprios inspetores e nos resultados de ensaios e exames laboratoriais. Nas inspeções prediais de nível 3 os inspetores podem contratar ou indicar ao contratante peritos/especialistas externos à equipe de inspetores prediais para embasar conclusões do laudo, conforme o caso. Nesse nível de inspeção, o trabalho poderá ser intitulado como de Auditoria Técnica. (Norma de Inspeção Predial do IBAPE Nacional/2012. Item 6.1.3). O laudo de uma Inspeção Predial de nível 3 (Auditoria Técnica Predial) necessariamente apresenta prescrições e recomendações para saneamento de anomalias e correções de falhas porventura constatadas pela equipe de inspetores, bem como os prazos para as medidas corretivas que devem ser executadas pelos proprietários ou administradores dos prédios inspecionados. 7 CARACTERIZAÇÃO DA AUDITORIA TÉCNICA PREDIAL A Auditoria Técnica Predial é equivalente à Inspeção Predial de nível 3. É realizada por uma equipe de profissionais de nível superior, geralmente de mais de uma especialidade, de acordo com as respectivas atribuições profissionais de cada modalidade profissional (ver Tabela 4.1) e com o grau de complexidade dos equipamentos e sistemas auditados. As conclusões apresentadas nos laudos das Auditorias Técnicas Prediais são fundamentadas conjuntamente na observação visual e nas medições feitas pelos próprios auditores, e nos resultados de ensaios e exames laboratoriais. Nas auditorias técnicas prediais os auditores podem contratar ou indicar ao contratante peritos especialistas externos à equipe de auditores prediais para embasar conclusões do laudo, conforme o caso. O laudo de uma Auditoria Técnica Predial deve indicar prescrições e recomendações para correções e saneamento de anomalias e correções de falhas porventura constatadas pela equipe durante a auditoria, bem como os prazos para as medidas corretivas que devem ser executadas pelos proprietários ou administradores dos prédios auditados. 8 METODOLOGIA DA INSPEÇÃO PREDIAL E DA AUDITORIA TÉCNICA PREDIAL As inspeções prediais e as auditorias técnicas prediais são realizadas segundo o seguinte método: Visita preliminar à edificação; Determinação/classificação do nível de inspeção predial (ver item 6); Solicitação da documentação da edificação (ver item 9); Análise da documentação (ver item 9); Planejamento da vistoria técnica (ver item 10); Vistoria da edificação, preenchimento das listas de verificação (ver item 11), registro técnico fotográfico e obtenção de informações complementares dos usuários, responsáveis, proprietários e gestores das edificações (ver item 12); Classificação das anomalias e falhas constatadas nos itens vistoriados e das não conformidades com a documentação examinada (ver itens 13 e 14); Classificação e análise das anomalias e falhas quanto ao grau de risco (ver item 15); Definição de prioridades com relação às anomalias e falhas (ver item 16); Avaliação da manutenção e uso (ver item 17);

9 9 Avaliação das Condições de Estabilidade e Segurança (ver item 18) Prescrições e recomendações técnicas para saneamento de anomalias e correções de falhas (ver item 19); Elaboração e entrega do laudo (ver item 20). 9 DOCUMENTAÇÃO DA EDIFICAÇÃO INSPECIONADA OU AUDITADA Para a realização de inspeção predial ou auditoria técnica predial, deve-se colecionar e analisar, quando disponíveis e existentes, os diversos documentos administrativos, técnicos, de manutenção e operação da edificação. A lista constante neste item não é exaustiva e deve ser adaptada pelos inspetores e auditores prediais conforme o tipo e a complexidade da edificação e suas instalações e sistemas construtivos a serem inspecionados. 9.1 Documentação Administrativa Instituição, Especificação e Convenção de Condomínio; Regimento Interno do Condomínio; Alvará de Construção; IPTU; Alvará do Corpo de Bombeiros; Ata de instalação do condomínio; Alvará de funcionamento; Certificado de Manutenção do Sistema de Segurança; Certificado de treinamento de brigada de incêndio; Licença de funcionamento da prefeitura; Licença de funcionamento do órgão ambiental competente; Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos, quando pertinente; Relatório de danos ambientais, quando pertinente; Licença da vigilância sanitária, quando pertinente; Contas de consumo de energia elétrica, água e gás; Certificado de Acessibilidade. 9.2 Documentação Técnica Memorial descritivo dos sistemas construtivos; Projeto executivo; Projeto as built; Projeto de estruturas; Projetos de Instalações Prediais: Instalações hidráulicas; Instalações de gás; Instalações elétricas; Instalações de cabeamento e telefonia Instalações do Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas; Instalações de climatização; Combate a incêndio; Projeto de Impermeabilização; Projeto de Revestimentos em geral, incluída fachadas; Projeto de paisagismo. 9.3 Documentação de Manutenção Manual de Uso, Operação e Manutenção (Manual do Proprietário e do Síndico); Plano de Manutenção e Operação e Controle (PMOC) Selos dos Extintores Relatório de Inspeção Anual de Elevadores (RIA);

10 10 Atestado do Sistema de Proteção a Descarga Atmosférica - SPDA; Certificado de limpeza e desinfecção dos reservatórios; Relatório das análises físico-químicas de potabilidade de água dos reservatórios e da rede; Certificado de ensaios de pressurização em mangueiras; Laudos de Inspeção Predial anteriores; Certificado de ensaios de pressurização em cilindro de extintores. Relatório do acompanhamento de rotina da Manutenção Geral; Relatórios dos Acompanhamentos das Manutenções dos Sistemas Relatórios de ensaios da água gelada e de condensação de sistemas de ar condicionado central; Certificado de teste de estanqueidade do sistema de gás; Relatórios de ensaios tecnológicos, caso tenham sido realizados; Relatórios dos Acompanhamentos das Manutenções dos Sistemas Específicos, tais como: ar condicionado, motores, antenas, bombas, CFTV, Equipamentos eletromecânicos e demais componentes. Cadastro de equipamentos e máquinas. 10 PLANEJAMENTO DA VISTORIA TÉCNICA E ELABORAÇÃO DE LISTAS DE VERIFICAÇÃO (CHECKLISTS) Os inspetores e auditores prediais devem planejar as vistorias no tocante ao tempo, aos recursos humanos, aos documentos e equipamentos necessários e suficientes ao êxito da inspeção ou auditoria. O planejamento das vistorias técnicas deve ser feito antes das mesmas serem realizadas, considerando a complexidade da edificação a ser inspecionada e contemplando: O dimensionamento da equipe de inspetores ou auditores; O transporte adequado da equipe ao local da edificação; Equipamentos de proteção individual, conforme o caso; A elaboração e impressão dos checklists (listas de verificação) adequados para caracterização e classificação da edificação e de suas anomalias e/ou falhas; A elaboração de questionários para obtenção de informações adicionais de proprietários, usuários e administradores da edificação; Os equipamentos de medição e registro necessários; O contato com institutos ou empresas especializadas em ensaios laboratoriais de materiais, equipamentos e sistemas de construção, conforme a necessidade; As datas, horários e períodos que propiciem o tempo necessário e suficiente para realizar a vistoria em todos os sistemas da edificação; A necessidade de extração de corpos de provas para ensaios ou exames laboratoriais. As listas de verificação (checklists) devem ser elaboradas de modo a permitir ainda a classificação das anomalias e desconformidades porventura constatas, quanto ao grau de risco e a definição de prioridades quanto às medidas saneadoras a serem recomendadas no laudo, se existirem. 11 VISTORIA TÉCNICA A vistoria técnica presencial é obrigatória nas inspeções prediais e nas auditorias técnicas prediais. Nas vistorias, os inspetores e auditores coletarão todos os dados e amostras de materiais e equipamentos (se necessários) relativos às edificações inspecionadas e/ou auditadas, relevantes aos objetivos do trabalho em pauta. Durante a vistoria, serão preenchidas as listas de verificação, os questionários e entrevistas e também se fará o registro técnico fotográfico da edificação. Recomenda-se que as vistorias sejam registradas em documentos (termos de vistorias), preferencialmente assinados por representantes da edificação inspecionada ou auditada. Recomenda-se que a vistoria da inspeção predial abranja todos os sistemas construtivos prediais e seus elementos, tais como: estrutura, impermeabilização, instalações (hidráulicas, sanitárias, elétricas, de comunicação e outras), revestimentos em geral, esquadrias, elevadores, climatização, exaustão mecânica, ventilação, coberturas e telhados, combate a incêndio e SPDA.

11 11 12 INFORMAÇÕES ADICIONAIS ÚTEIS À INSPEÇÃO PREDIAL OU À AUDITORIA TÉCNICA PREDIAL Recomenda-se que os inspetores e auditores prediais obtenham informações adicionais sobre a edificação inspecionada ou auditada por meio de questionários e entrevistas junto aos usuários, síndicos, gestores prediais, e demais responsáveis técnicos e legais pela edificação, principalmente objetivando identificar possíveis modificações e reformas na edificação original. Esses questionários e entrevistas devem ser aplicados durante as vistorias técnicas. 13 CLASSIFICAÇÃO DAS ANOMALIAS Adota-se nesta OT a classificação de anomalias, quanto às suas origens, constante na Norma de Inspeção predial do IBAPE Nacional/2012 (item 11.1) As anomalias ou irregularidades são relacionadas a vícios e defeitos construtivos das edificações e de seus sistemas e podem ser classificadas, quanto às suas origens, em: 13.1 Endógenas Originárias da própria edificação (projeto, materiais e execução) Exógenas Originárias de fatores externos a edificação, provocados por terceiros Naturais Originárias de fenômenos da natureza Funcionais Originárias da degradação de sistemas construtivos pelo envelhecimento natural e consequente término da vida útil. O IBRAENG recomenda que as anomalias ou irregularidades construtivas das edificações e de seus sistemas sejam classificadas quanto às suas características, de acordo com o tipo de ocorrência e com sua pertinência com cada ramo da Engenharia e Arquitetura. A relação a seguir contém algumas das anomalias que podem ser encontradas nas edificações. Fissuras; Manchas; Afundamentos e abaulamentos; Furos; Oxidações; Corrosões; Quebraduras; Descolamentos; Deslocamentos; Umidades; Infiltrações; Descascamentos; Flexões; Desgastes; Descobrimentos; Vazamentos; Pontos quentes.

12 12 Nas inspeções e auditorias prediais, os profissionais responsáveis devem indicar as causas prováveis das anomalias porventura constatadas e recomendar as medidas saneadoras adequadas (ver item 19). 14 CLASSIFICAÇÃO DAS FALHAS Adota-se nesta OT a classificação de falhas constante na Norma de Inspeção predial do IBAPE Nacional/2012 (item 11.2) As falhas são relacionadas à manutenção da edificação inspecionada ou auditada e podem ser classificadas em: 14.1 De Planejamento Decorrentes de falhas de procedimentos e especificações inadequados do plano de manutenção, sem aderência a questões técnicas, de uso, de operação, de exposição ambiental e, principalmente, de confiabilidade e disponibilidade das instalações, consoante a estratégia de Manutenção. Além dos aspectos de concepção do plano, há falhas relacionadas às periodicidades de execução De Execução Associada à manutenção proveniente de falhas causadas pela execução inadequada de procedimentos e atividades do plano de manutenção, incluindo o uso inadequado dos materiais Operacionais Relativas aos procedimentos inadequados de registros, controles, rondas e demais atividades pertinentes Gerenciais Decorrentes da falta de controle de qualidade dos serviços de manutenção, bem como da falta de acompanhamento de custos da mesma. 15 CLASSIFICAÇÃO DO GRAU DE RISCO DAS ANOMALIAS E FALHAS Adota-se nesta OT a classificação de risco constante na Norma de Inspeção predial do IBAPE Nacional/2012 (item 12.1) 15.1 Risco Crítico Risco de provocar danos contra a saúde e segurança das pessoas e do meio ambiente; perda excessiva de desempenho e funcionalidade causando possíveis paralisações; aumento excessivo de custo de manutenção e recuperação; comprometimento sensível de vida útil Risco Médio Risco de provocar a perda parcial de desempenho e funcionalidade da edificação e a sua deterioração precoce, sem prejuízo à operação direta de sistemas Risco Mínimo Risco de causar pequenos prejuízos à estética ou atividade programável e planejada, sem incidência ou sem a probabilidade de ocorrência dos riscos críticos e regulares, além de baixo ou nenhum comprometimento do valor imobiliário da edificação. Recomenda-se que as anomalias e falhas porventura contatadas em inspeções prediais e em auditorias técnicas prediais sejam apresentadas nos laudos em ordem decrescente quanto ao grau de risco e intensidade, e classificadas com o uso de métodos técnicos apropriados, como o GUT (Gravidade, Urgência e Tendência) ou FEMEA (Failure Mode and Effect Analisys).

13 13 16 DEFINIÇÃO DE PRIORIDADES COM RELAÇÃO AO SANEAMENTO DE ANOMALIAS E À CORREÇÃO DE FALHAS A prioridade na ordem das prescrições e recomendações para saneamento das irregularidades porventura constatadas nas inspeções ou auditorias prediais se baseará na ordem decrescente de gravidade de risco de que trata o item 15 desta OT. 17 AVALIAÇÃO DA MANUTENÇÃO E DO USO DA EDIFICAÇÃO São adotados e recomendados nesta OT aspectos de avaliação de manutenção e uso semelhantes aos constantes na Norma de Inspeção predial do IBAPE Nacional/2012 (item 15.1). No entanto, os parâmetros de avaliação da manutenção nesta OT são próprios do IBRAENG Aspectos para Avaliação da Manutenção da Edificação Plano de Trabalho Coerência do Plano de Manutenção em relação ao especificado por fabricantes de equipamentos e sistemas inspecionados; Coerência do Plano de Manutenção em relação ao preconizado em Normas e / ou Instruções Técnicas de Engenharia específicas; A adequação de rotinas e frequências à idade das instalações, ao uso, exposição ambiental, dentre outros aspectos técnicos que permitam ao inspetor classificar a qualidade da manutenção executada; Condições de Execução das Atividades Propostas no Plano de Manutenção Verificar se existem as condições mínimas necessárias de acesso aos equipamentos e sistemas, permitindo a plena realização das atividades propostas no Plano de Manutenção; Verificar as condições de segurança para o mantenedor e usuários da edificação, durante a execução da manutenção Avaliação da Manutenção A manutenção da edificação inspecionada ou auditada será avaliada com base na conformidade dos procedimentos adotados com a NBR 5674:1999/ABNT e com os manuais de manutenção da edificação e dos seus sistemas e equipamentos porventura existentes, e será classificada em: a) Conforme b) Desconforme c) Inexistente 17.3 Avaliação do Uso Quanto ao uso, os inspetores prediais ou auditores prediais deverão classificar a edificação em: Uso Regular Quando a edificação inspecionada encontra-se ocupada e utilizada de acordo com o uso previsto no projeto Uso Irregular Quando a edificação inspecionada encontra-se ocupada e utilizada de forma divergente do previsto no projeto. O uso regular da edificação contribui para a longevidade, segurança e habitabilidade da edificação. O uso irregular da edificação, por sua vez, poderá comprometer a sua a segurança e habitabilidade.

14 14 18 AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE ESTABILIDADE E SEGURANÇA DA EDIFICAÇÃO A avaliação das condições de estabilidade e segurança estrutural da edificação será feita em função do nível de inspeção predial (1, 2 ou 3), dos recursos e documentos disponibilizados aos inspetores ou auditores e das anomalias observadas visualmente e/ou constatadas pericialmente. Nas inspeções prediais, as condições de estabilidade e segurança estrutural da edificação inspecionada serão apontadas com base nos seguintes aspectos e critérios: Projeto estrutural elaboração por profissional habilitado; conformidade ou não com a norma técnica da ABNT (NBR 6118) e adequação ou não ao tipo de edificação; Execução da obra realização por empresa de engenharia ou arquitetura registrada no Crea ou CAU ou por empresa ou pessoas não habilitadas; Anomalias construtivas presença ou ausência na estrutura, nas vedações e coberturas da edificação. Recuperações estruturais e/ou reformas realizadas por empresas de engenharia ou arquitetura registradas no Crea ou CAU ou por empresa ou pessoas não habilitadas; não realizadas Avaliação das Condições de Estabilidade e Segurança Estrutural em Inspeção Predial do Nível 1 Edificação com Estabilidade e Segurança Estrutural Regulares: (1) projeto estrutural elaborado por profissional habilitado, aprovado pela autoridade municipal competente e contendo a respectiva ART ou RRT; (2) edificação construída por empresa de engenharia ou arquitetura registrada no Crea ou CAU; (3) ausência de anomalias construtivas visíveis a olho nu na estrutura, nas vedações e coberturas da edificação. Além dos aspectos e critérios anteriores, a edificação pode ser classificada como regular se a sua estrutura tiver sido recuperada ou atestada em perícia realizada nos últimos 5 (cinco) anos por empresa ou profissional habilitado. Edificação com Estabilidade e Segurança Estrutural Irregulares: (1) projeto estrutural inexistente e/ou não aprovado pela autoridade municipal competente e/ou não contendo a respectiva ART ou RRT; (2) edificação construída por empresa ou pessoa física não registrada no Crea ou CAU; (3) presença de anomalias construtivas visíveis a olho nu na estrutura e/ou nas vedações e/ou nas coberturas da edificação Avaliação das Condições de Estabilidade e Segurança Estrutural em Inspeção Predial do Nível 2 Edificação com Estabilidade e Segurança Estrutural Regulares: (1) projeto estrutural elaborado por profissional habilitado, aprovado pela autoridade municipal competente e contendo a respectiva ART ou RRT; (2) edificação construída por empresa de engenharia ou arquitetura registrada no Crea ou CAU; (3) ausência de anomalias construtivas visíveis a olho nu e/ou não detectadas por meio de ensaios tecnológicos ou equipamentos diagnósticos, na estrutura, nas vedações e coberturas da edificação. Além dos aspectos e critérios anteriores, a edificação pode ser classificada como regular se a sua estrutura tiver sido recuperada ou atestada em perícia realizada nos últimos 5 (cinco) anos por empresa ou profissional habilitado. Edificação com Estabilidade e Segurança Estrutural Irregular: (1) projeto estrutural inexistente e/ou não aprovado pela autoridade municipal competente e/ou não contendo a respectiva ART ou RRT; (2) edificação construída por empresa ou pessoa física não registrada no Crea ou CAU; (3) presença de anomalias construtivas visíveis a olho nu e/ou detectadas por meio de ensaios tecnológicos ou equipamentos diagnósticos, na estrutura e/ou nas vedações e/ou nas coberturas da edificação, e/ou detectadas por meio de ensaios tecnológicos ou equipamentos diagnósticos.

15 Avaliação das Condições de Estabilidade e Segurança Estrutural em Inspeção Predial do Nível 3 (Auditorias Técnicas Prediais) Edificação com Estabilidade e Segurança Estrutural Regulares: (1) projeto estrutural elaborado por profissional habilitado, aprovado pela autoridade municipal competente, contendo a respectiva ART ou RRT e em conformidade com a norma técnica da ABNT; (2) edificação construída por empresa de engenharia ou arquitetura registrada no Crea ou CAU; (3) ausência de anomalias construtivas visíveis a olho nu e não detectadas em ensaios tecnológicos e/ou por meio de equipamentos diagnósticos, na estrutura, nas vedações e coberturas da edificação. A edificação pode ainda ser classificada como regular se a sua estrutura tiver sido recuperada ou atestada em perícia realizada nos últimos 5 anos por empresa ou profissional habilitado. Edificação com Estabilidade e Segurança Estrutural Irregular: (1) projeto estrutural inexistente ou em desconformidade com a norma técnica da ABNT; (2) edificação construída por empresa ou pessoa física não registrada no Crea ou CAU; (3) presença de anomalias construtivas visíveis a olho nu e detectadas por meio de ensaios tecnológicos ou equipamentos diagnósticos, na estrutura e/ou nas vedações e/ou nas coberturas da edificação. Nota: em qualquer nível de inspeção predial, se os inspetores ou auditores constatarem que o projeto estrutural da edificação não existe e/ou está em desconformidade com a norma técnica da ABNT e/ou inadequado ao tipo de edificação e que a mesma foi construída por empresa ou pessoa física não registrada no Crea ou CAU, deverá ser recomendada uma perícia estrutural Avaliação das Condições de Segurança Contra Incêndio Os inspetores e auditores prediais devem avaliar a segurança contra incêndio da edificação inspecionada ou auditada. Os objetos desta avaliação são os sistemas e equipamentos de proteção contra incêndio (extintores, hidrantes, para raios, sprinklers, iluminação de emergência, saídas de emergência e portas cortafogo) e as instalações elétricas. Os sistemas e equipamentos de proteção contra incêndio e as instalações elétricas das edificações (de qualquer tipo) serão avaliadas quanto à segurança como: Regulares ou Irregulares. A edificação será considerada de segurança regular contra incêndio se: 1. As instalações elétricas estiverem em conformidade com a norma técnica da ABNT que trata sobre segurança em instalações e serviços em eletricidade; 2. As instalações e equipamentos de proteção contra incêndio estiverem de acordo com as normas técnicas da ABNT que tratam sobre: proteção de estruturas contra descargas atmosféricas; chuveiros automáticos para extinção de incêndio (sprinklers); extintores de incêndio; saídas de emergência; iluminação de emergência; portas corta-fogo; programa de brigada de incêndio Avaliação das Condições de Segurança Quanto ao Uso Os inspetores e auditores prediais devem avaliar a segurança da edificação inspecionada ou auditada quanto ao seu uso, conforme item 17.3 desta OT. 19 PRESCRIÇÕES/RECOMENDAÇÕES DA INSPEÇÃO OU AUDITORIA As recomendações técnicas para o saneamento e a correção das anomalias e falhas porventura constatadas na inspeção predial devem ser apresentadas de forma clara e simples no laudo, possibilitando ao gestor, síndico ou proprietário as suas fáceis compreensões. Recomenda-se que os inspetores e/ou auditores indiquem manuais, ilustrações e normas pertinentes para facilitar as futuras providências do contratante.

16 16 Os inspetores e auditores prediais devem recomendar aos responsáveis pela edificação inspecionada que todos os serviços de engenharia (inclusive de manutenção) e arquitetura sejam acompanhados da devida Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) e/ou Registro de Responsabilidade Técnica (RRT). Constituem possíveis recomendações das inspeções prediais, as seguintes: Auditorias Técnicas Prediais; Perícias estruturais (no todo ou em suas partes); Perícias em sistemas específicos (instalações, sistemas de impermeabilização, de automação, revestimentos etc.) no todo ou em suas partes componentes; Contratação de empresas ou profissionais registrados no Crea regional para realizar manutenções periódicas em sistemas, máquinas e equipamentos prediais; Recuperações e/ou reforços estruturais em toda a estrutura ou em suas partes; Recuperações de sistemas específicos (instalações, sistemas de impermeabilização, de automação, revestimentos etc.) no todo ou em suas partes componentes; Substituições de peças e elementos construtivos; Execuções de estruturas ou sistemas inexistentes; Reformas; Demolições. A depender do nível da inspeção predial e da legislação municipal específica, os inspetores ou auditores técnicos prediais devem, além de indicar as medidas saneadoras de anomalias e falhas, prescrever os prazos máximos para a execução das mesmas. Considerando as definições de sustentabilidade e de habitabilidade, as quais abrangem aspectos como o uso racional de recursos naturais, a preservação do conforto e segurança de usuários, assim como a preservação do meio ambiente (permeabilidade de solos, descartes irregulares para redes públicas, etc), recomenda-se indicar todos os dados administrativos, de gestão e outros que possam favorecer a melhor habitabilidade e sustentabilidade da edificação. É importante que as medidas de correção e melhoria da edificação que possam favorecer a sua sustentabilidade e habitabilidade sejam consignadas no laudo. 20 ESTRUTURA PARA APRESENTAÇÃO DO LAUDO DE INSPEÇÃO PREDIAL E/OU DE AUDITORIA TÉCNICA PREDIAL TÓPICOS ESSENCIAIS Identificação do solicitante e do responsável pela edificação vistoriada Data da Vistoria Descrição Técnica da edificação-objeto da inspeção Localização Classificação (tipo, ocupação e utilização, padrão/complexidade, n o de pavimentos, área construída) Idade da edificação Sistemas componentes (estrutura, vedações, instalações, revestimentos etc.) Nível da Inspeção Predial Documentação solicitada, entregue e analisada Descrição do Critério e Método da Inspeção Predial Informações adicionais Lista de verificação dos elementos construtivos e equipamentos vistoriados, descrição e localização das respectivas anomalias e falhas, caso constatadas e indicação das possíveis causas Classificação e análise das anomalias e falhas (caso constatadas), quanto ao grau de risco Indicação de prioridades para as medidas saneadoras Avaliação da manutenção e condições de uso da edificação e dos sistemas construtivos Avaliação das Condições de Estabilidade e Segurança da edificação (estrutural; contra o fogo; do uso e operação)

17 17 Recomendações técnicas Recomendações gerais e de sustentabilidade Relatório Fotográfico Recomendação do prazo para nova Inspeção Predial Data do laudo Assinatura do(s) profissional (ais) responsável (eis), acompanhado do nº do Crea ou do CAU Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) ou Registro de Responsabilidade Técnica (RRT) 21 COMO CITAR ESTE DOCUMENTO INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE ENGENHARIA. OT-003/2015-IBRAENG: Inspeção Predial e Auditoria Técnica Predial. Fortaleza, Disponível em ANEXO NORMAS TÉCNICAS DA ABNT INDICADAS MB Inspeção periódica de elevadores e monta-cargas (1955); NBR Instalações Elétricas de Baixa Tensão (03/2005); NBR Instalações elétricas de alta tensão (de 1,0 kv a 36,2 kv) (10/2003); NBR Proteção de estruturas contra descargas atmosféricas (02/2001); NBR Tubos de aço-carbono para rosca Whitworth gás para usos comuns na condução de fluidos (12/1993); NBR Tubo de aço de baixo carbono, sem costura, trefilado a frio, para permutadores de calor (03/1982); NBR Instalação Predial de Água Fria (09/1998); NBR Manutenção de edificações - Procedimento (09/1999); NBR Recebimento de serviços de engenharia e arquitetura (1980) NBR NB Norma Técnica de Cobertura (02 / 1.982) NBR Projeto e execução de obras de concreto armado (11/1980); NBR Chuveiros Automáticos para Extinção de Incêndio (04/1992); NBR Rosca para tubos onde a vedação e feita pela rosca - Designação, dimensões e tolerâncias (02/2000); NBR Emprego de cores para identificação de tubulações (10/1994); NBR Conexões de ferro fundido maleável, com rosca NBR NM-ISO 7-1, para tubulações (06/2000); NBR Instalação de condicionadores de ar de uso doméstico (tipo monobloco ou modular) (07/1993); NBR Conexão de ferro fundido maleável classes 150 e 300, com rosca para tubulação (04/1995); NBR Projeto e execução de instalações prediais de água quente (09/1993); NBR Execução de revestimento de paredes e tetos de argamassas inorgânicas Procedimento (08/1998); NBR Desempenho de janelas de alumínio em edificação de uso residencial e comercial (08/2000) NBR Projeto, construção e operação de sistemas de tanques sépticos (09/1993); NBR Identificadores de extintores de incêndio - Dimensões e cores (04/2000); NBR Tubo de cobre sem costura para refrigeração e ar condicionado (10/1982); NBR Sistemas prediais de esgoto sanitário - Projeto e execução (09/1999); NBR Acessibilidade de pessoas portadoras de deficiências a edificações, espaço, mobiliário e equipamentos urbanos (09/1994); NBR 9077 Saídas de Emergência em Edifícios (05/1993); NBR 9441 Execução de sistemas de detecção e alarme de incêndio (03/1998); NBR 9574 Execução de Impermeabilização (09/1986) NBR 9575 Projeto de Impermeabilização 1998 NBR Caixilho para Edificação Janela (08/2000); NBR Caixilho para edificação - janela - Medição da atenuação acústica (06/1989);

18 18 NBR Projeto e utilização de caixilhos para edificações de uso residencial e comercial - Janelas NBR Instalações Prediais de Águas Pluviais (12/1989); NBR Proteção Contra Incêndio por Chuveiro Automático (01/1990); NBR Sistema de Iluminação de Emergência (09/1999); NBR Projeto e Execução de Argamassa Armada (06/1990); NBR Portas e vedadores corta-fogo com núcleo de madeira para isolamento de riscos em ambientes comerciais e industriais (04/1992); NBR Conexões para unir tubos de cobre por soldagem ou brasagem capilar (10/1994); NBR Porta corta-fogo para saída de emergência - Especificação (01/1997); NBR Barra antipânico Requisitos (05/1997); (06/1989); NBR Tratamento acústico em recintos fechados (04/1992); NBR Seleção da Impermeabilização 2001 NBR Medidor de gás tipo diafragma, para instalações residenciais - Dimensões (12/1993); NBR Rosca NPT para Tubos Dimensões (06/1993); NBR Inspeção, manutenção e recarga em extintores de incêndio (02/1998); NBR Adequação de ambientes residenciais para instalação de aparelhos que utilizam gás combustível (12/2000); NBR Medidor de gás tipo diafragma, para instalações residenciais (04/1994); NBR Tubo de cobre leve, médio e pesado sem costura, para condução de água e outros fluidos (10/1994); NBR Central predial de Gás Liquefeito de petróleo (GLP) - Projeto e execução (10/1995); NBR Perícias de Engenharia na Construção Civil; NBR Instalações internas de gás liquefeito de petróleo (GLP) - Projeto e execução (08/1997); NBR Instalações internas de gás natural (GN) - Projeto e execução (08/1997); NBR Sistemas de Refrigeração, Condicionamento de Ar e Ventilação Manutenção Programada, 1986; NBR Centrais prediais e industriais de gás liquefeito de petróleo (GLP) Sistema de abastecimento a granel (12/1997); NBR Manual de Operação Uso e Manutenção das Edificações (08/1998); NBR Programa de brigada de incêndio NBR Elevadores Elétricos Elevadores de carga, monta cargas e elevadores de marca Requisitos de segurança para projeto, fabricação e instalação. NBR Guarda-corpo para edificação NBR Desempenho das edificações habitacionais NBR 16280/2014 Reforma em edificações sistema de gestão de reformas requisitos NR10 - Segurança em instalações e serviços em eletricidade (12/2004) NR 18 Segurança da Construção Civil

AutoVistoria Segurança em Edificações. Eng. Eletricista e Segurança do Trabalho: Rogerio Maurer Email: rogeriomaurer@gmail.com

AutoVistoria Segurança em Edificações. Eng. Eletricista e Segurança do Trabalho: Rogerio Maurer Email: rogeriomaurer@gmail.com AutoVistoria Segurança em Edificações Eng. Eletricista e Segurança do Trabalho: Rogerio Maurer Email: rogeriomaurer@gmail.com Motivação: Segurança! Lei Estadual nº 6400, de 05 de Março de 2013. Art. 1º

Leia mais

Artigo Técnico: Startup de Elevadores

Artigo Técnico: Startup de Elevadores Artigo Técnico: Startup de Elevadores Problemas enfrentados no início de operação de elevadores instalados em edifícios existentes modernização ou substituição dos equipamentos em edificações habitadas.

Leia mais

RECEBIMENTO DE OBRA. Eng. Civil Flávia Zoéga Andreatta Pujadas Presidente do IBAPE/SP gestão 2014/2015 archeo@uol.com.br. IBAPE/SP www.ibape-sp.org.

RECEBIMENTO DE OBRA. Eng. Civil Flávia Zoéga Andreatta Pujadas Presidente do IBAPE/SP gestão 2014/2015 archeo@uol.com.br. IBAPE/SP www.ibape-sp.org. RECEBIMENTO DE OBRA Eng. Civil Flávia Zoéga Andreatta Pujadas Presidente do IBAPE/SP gestão 2014/2015 archeo@uol.com.br Inspeção Predial Eng. Civil Flávia Zoéga Andreatta Pujadas Presidente do IBAPE/SP

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº..., DE 2012. (Deputado Augusto Coutinho)

PROJETO DE LEI Nº..., DE 2012. (Deputado Augusto Coutinho) PROJETO DE LEI Nº..., DE 2012. (Deputado Augusto Coutinho) Dispõe sobre a obrigatoriedade de vistorias periciais e manutenções periódicas nas edificações constituídas por unidades autônomas, públicas ou

Leia mais

Jaques Sherique. Engenheiro Mecânico e de Segurança do Trabalho Conselheiro Regional

Jaques Sherique. Engenheiro Mecânico e de Segurança do Trabalho Conselheiro Regional Jaques Sherique Engenheiro Mecânico e de Segurança do Trabalho Conselheiro Regional Cidadão que mediante aprendizado formal e específico adquiriu uma reconhecida qualificação para o exercício de uma determinada

Leia mais

ORIENTAÇÕES E RECOMENDAÇÕES AOS SÍNDICOS E ADMINISTRADORES PREDIAIS

ORIENTAÇÕES E RECOMENDAÇÕES AOS SÍNDICOS E ADMINISTRADORES PREDIAIS ORIENTAÇÕES E RECOMENDAÇÕES AOS SÍNDICOS E ADMINISTRADORES PREDIAIS Em virtude do recente acidente ocorrido no centro da cidade do Rio de Janeiro, onde o desabamento de três prédios comerciais levou ao

Leia mais

INSPEÇÃO PREDIAL Eng Flávia Zoéga Andreatta Pujadas out/2008

INSPEÇÃO PREDIAL Eng Flávia Zoéga Andreatta Pujadas out/2008 INSPEÇÃO PREDIAL Eng Flávia Zoéga Andreatta Pujadas out/2008 INSPEÇÃ ÇÃO O PREDIAL Norma de Inspeção Predial 2007 IBAPE/SP É a avaliação isolada ou combinada das condições técnicas técnicas, de uso e de

Leia mais

Rio de Janeiro, 13 de março de 2013. Of. Circ. Nº 088/13. Ref.: Lei nº 6.400 DE 05/03/2013 (Estadual - Rio de Janeiro) Senhor Presidente,

Rio de Janeiro, 13 de março de 2013. Of. Circ. Nº 088/13. Ref.: Lei nº 6.400 DE 05/03/2013 (Estadual - Rio de Janeiro) Senhor Presidente, Rio de Janeiro, 13 de março de 2013 Of. Circ. Nº 088/13 Ref.: Lei nº 6.400 DE 05/03/2013 (Estadual - Rio de Janeiro) Senhor Presidente, Seguem as informações relacionadas à publicação da Lei Estadual 6.400,

Leia mais

Encontro Secovi PQE "AVCB: o que é, obrigatoriedade e revalidação"

Encontro Secovi PQE AVCB: o que é, obrigatoriedade e revalidação Encontro Secovi PQE "AVCB: o que é, obrigatoriedade e revalidação" Mercado Imobiliário Contextualização do negócio imobiliário que implica na formação do condomínio Incorporação Imobiliária Atividade

Leia mais

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 2.020-D DE 2007

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 2.020-D DE 2007 REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 2.020-D DE 2007 Estabelece diretrizes gerais sobre medidas de prevenção e combate a incêndio e a desastres em estabelecimentos, edificações e áreas de reunião de público;

Leia mais

Importância e cuidados na reforma e manutenção de edifícios / Norma de Manutenção RSO

Importância e cuidados na reforma e manutenção de edifícios / Norma de Manutenção RSO Importância e cuidados na reforma e manutenção de edifícios / Norma de Manutenção RSO Principais novidades Nos últimos anos, com a introdução dos conceitos de desempenho dos sistemas e sua definição clara

Leia mais

REUNIÃO COM A PREFEITURA DO RIO DE JANEIRO SEC. DA CASA CIVIL - DEPUTADO PEDRO PAULO CARVALHO TEIXEIRA SEC. DE URBANISMO SEC. MARIA MADALENA SAINT

REUNIÃO COM A PREFEITURA DO RIO DE JANEIRO SEC. DA CASA CIVIL - DEPUTADO PEDRO PAULO CARVALHO TEIXEIRA SEC. DE URBANISMO SEC. MARIA MADALENA SAINT REUNIÃO COM A PREFEITURA DO RIO DE JANEIRO SEC. DA CASA CIVIL - DEPUTADO PEDRO PAULO CARVALHO TEIXEIRA SEC. DE URBANISMO SEC. MARIA MADALENA SAINT MARTIN DE ASTÁCIO 09/05/2013 Colaboração do Conselho de

Leia mais

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT - IBR 001/2006 PROJETO BÁSICO Primeira edição: válida a partir de 07/11/2006 Palavras Chave: Projeto Básico,

Leia mais

PLANO DE MANUTENÇÃO E CONSERVAÇÃO DE EDIFICAÇÕES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

PLANO DE MANUTENÇÃO E CONSERVAÇÃO DE EDIFICAÇÕES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE PLANO DE MANUTENÇÃO E CONSERVAÇÃO DE EDIFICAÇÕES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2010 PLANO DE MANUTENÇÃO E CONSERVAÇÃO DE EDIFICAÇÕES Apresentação Este plano, preparado pela União

Leia mais

Aprova a Norma Técnica nº 009/2002-CBMDF, sobre Atividades Eventuais, que especificam.

Aprova a Norma Técnica nº 009/2002-CBMDF, sobre Atividades Eventuais, que especificam. DODF Nº237 de 14 de dezembro de 2000. CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 69/2002-CBMDF, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2002 Aprova a Norma Técnica nº 009/2002-CBMDF, sobre Atividades Eventuais,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 2 DE MARÇO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 2 DE MARÇO DE 2012 RESOLUÇÃO Nº 17, DE 2 DE MARÇO DE 2012 Dispões sobre o Registro de Responsabilidade Técnica (RRT) na prestação de serviços de arquitetura e urbanismo e dá outras providências. O Conselho de Arquitetura

Leia mais

Regimento Interno do Sistema

Regimento Interno do Sistema Identificação: R.01 Revisão: 05 Folha: 1 / 14 Artigo 1 - Objetivo do documento 1.1. Este documento tem como objetivo regulamentar as atividades para credenciamento de uma planta de produção com o SELO

Leia mais

DIRETRIZES TÉCNICAS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM EDIFICAÇÕES 05/2015 DT 007/15 DTPC

DIRETRIZES TÉCNICAS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM EDIFICAÇÕES 05/2015 DT 007/15 DTPC DIRETRIZES TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM EDIFICAÇÕES 05/2015 DT 007/15 DTPC 1 DIRETRIZES TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM EDIFICAÇÕES Presidente: Camil Eid. Vice Presidente Técnica: Miriana

Leia mais

Norma da ABNT vai regulamentar reformas

Norma da ABNT vai regulamentar reformas Norma da ABNT vai regulamentar reformas 3 de maio de 2014 6 0 11 Acidentes acontecem quando menos se espera, e muitas vezes causados pelos motivos mais ingênuos que se possa imaginar. Em condomínios a

Leia mais

PROC IBR EDIF 048/2015 Análise de projeto de Instalações Prediais de Água Quente

PROC IBR EDIF 048/2015 Análise de projeto de Instalações Prediais de Água Quente INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC IBR EDIF 048/2015 Análise de projeto de Instalações Prediais de Água Quente Primeira edição

Leia mais

IT - 11 PLANO DE INTERVENÇAO DE INCÊNDIO

IT - 11 PLANO DE INTERVENÇAO DE INCÊNDIO IT - 11 PLANO DE INTERVENÇAO DE INCÊNDIO SUMÁRIO ANEXOS 1 Objetivo A Planilha de levantamento de dados 2 Aplicação B Fluxograma do Plano de Intervenção de Incêndio 3 Referências Normativas e Bibliográficas

Leia mais

2121 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior

2121 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Programa 2121 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Número de Ações 43 Ação Orçamentária Tipo: Operações Especiais 00IO - Inventariança do Fundo

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A MONTAGEM DOS KITS NOS TELECENTROS APOIADOS PELO PROGRAMA

ORIENTAÇÕES PARA A MONTAGEM DOS KITS NOS TELECENTROS APOIADOS PELO PROGRAMA ORIENTAÇÕES PARA A MONTAGEM DOS KITS NOS TELECENTROS APOIADOS PELO PROGRAMA Versão 2013 1 SUMÁRIO 1. Introdução 2. Condições 3. Diretrizes 4. Fundamentação Legal 5. Contrapartidas 5.1. Espaço Físico 5.2.

Leia mais

Auditoria de Segurança e Saúde do Trabalho da SAE/APO sobre Obra Principal, Obras Complementares, Obras do reservatório e Programas Ambientais

Auditoria de Segurança e Saúde do Trabalho da SAE/APO sobre Obra Principal, Obras Complementares, Obras do reservatório e Programas Ambientais 1 / 10 1 OBJETIVO: Este procedimento visa sistematizar a realização de auditorias de Saúde e Segurança do Trabalho por parte da SANTO ANTÔNIO ENERGIA SAE / Gerência de Saúde e Segurança do Trabalho GSST,

Leia mais

Projeto de revisão da NBR 14037 Diretrizes para elaboração de manuais de uso,

Projeto de revisão da NBR 14037 Diretrizes para elaboração de manuais de uso, Projeto de revisão da NBR 14037 Diretrizes para elaboração de manuais de uso, operação e manutenção das edificações- Requisitos para elaboração e apresentação dos conteúdos Texto: 08 04-10 Abril - 2010

Leia mais

FICHA MODELO DA SINOPSE DO LAUDO

FICHA MODELO DA SINOPSE DO LAUDO FICHA MODELO DA SINOPSE DO LAUDO A Ficha objetiva apresentação de SINOPSE do laudo, padronizada, a fim de auxiliar a análise e encaminhamento do mesmo para os interessados. Conforme modelo que segue, o

Leia mais

II Workshop de Desempenho

II Workshop de Desempenho II Workshop de Desempenho Alterações no Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras SiAC para Inclusão das Exigências da Norma de Desempenho ABNT NBR 15575 Marcos Galindo 26.06.2015

Leia mais

LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO

LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO Conforme NR-10 ACME S.A Ind. Com. 1 de 9 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Identificação do Responsável pela Execução do Serviço. Nome: Empresa: Registro: Local de Execução do Serviço.

Leia mais

ANEXO I CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ANEXO I CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1 ANEXO I CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS EDITAL DO PREGÃO AMPLO Nº 008/2010-ER05-Anatel PROCESSO Nº 53528.001004/2010 Projeto Executivo e Estudos de Adequação da nova Sala de Servidores da rede de

Leia mais

Termo de Situação Física das Áreas

Termo de Situação Física das Áreas Termo de Situação Física das Áreas O presente termo apresenta características físicas e tem a finalidade de informar ao Licitante as adequações necessárias nas áreas objeto da concessão, destinadas à exploração

Leia mais

1ª PARTE LEIS E DECRETOS 2ª PARTE ATOS ADMINISTRATIVOS COMANDANTE DO EXÉRCITO

1ª PARTE LEIS E DECRETOS 2ª PARTE ATOS ADMINISTRATIVOS COMANDANTE DO EXÉRCITO 1ª PARTE LEIS E DECRETOS Sem alteração. 2ª PARTE ATOS ADMINISTRATIVOS COMANDANTE DO EXÉRCITO PORTARIA Nº 813, DE 28 DE SETEMBRO DE 2012. Aprova as Normas para a Realização das Atividades de Auditoria e

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação e avaliação contínua dos aspectos ambientais das atividades, produtos, serviços e instalações a fim de determinar quais desses tenham ou possam

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENGENHARIA DE SEGURANÇA ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA DE SEGURANÇA P R O F ª K A R E N W R O B E L S T R A

Leia mais

Lei Municipal N.º 1414

Lei Municipal N.º 1414 Câmara Municipal de Volta Redonda Estado do Rio de Janeiro Lei Municipal N.º 1414 Art. 126 - Para que seja concedido habite-se parcial ou total é necessário o registro prévio de declaração do autor do

Leia mais

O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional.

O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional. 1 POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1.1 Introdução O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional.

Leia mais

NPT 015 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 8 18 ASPECTOS DE SEGURANÇA DO PROJETO DE SISTEMA DE CONTROLE DE FUMAÇA

NPT 015 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 8 18 ASPECTOS DE SEGURANÇA DO PROJETO DE SISTEMA DE CONTROLE DE FUMAÇA Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 015 Controle de fumaça Parte 8 Aspectos de segurança CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 6 páginas SUMÁRIO 18 Aspectos de segurança

Leia mais

OBJETO DA LEI SÍNTESE DA LEI. A Lei é:

OBJETO DA LEI SÍNTESE DA LEI. A Lei é: OBJETO DA LEI O principal objetivo desta nova lei é preservar vidas humanas, garantir o funcionamento seguro das edificações no nosso Estado e proteger patrimônios públicos e privados. A lei 14.376 estabelece

Leia mais

Regulamento de Compras :

Regulamento de Compras : Regulamento de Compras : Capítulo I: das Disposições Gerais Artigo 1º. O presente Regulamento estabelece normas para a contratação de obras e serviços e compras, no âmbito da Associação Fundo de Incentivo

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA RA 01/2016

RELATÓRIO DE AUDITORIA RA 01/2016 TIPO DE AUDITORIA: ACOMPANHAMENTO EXERCÍCIO/PERÍODO: 2015-2016 UNIDADE AUDITADA: PRÓ-REITORIA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DE AUDITORIA RA 01/2016 1) ESCOPO DOS EXAMES Os trabalhos de auditoria acerca da regularidade

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO CONCORRÊNCIA Nº 017/2015 ANEXO Q12 DIRETRIZES DE SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA PARA CONTRATOS SERVIÇOS ÍNDICE

EDITAL DE LICITAÇÃO CONCORRÊNCIA Nº 017/2015 ANEXO Q12 DIRETRIZES DE SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA PARA CONTRATOS SERVIÇOS ÍNDICE ANEXO Q12 DIRETRIZES DE SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA PARA CONTRATOS SERVIÇOS ÍNDICE 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA E COMPLEMENTARES 3. NOMENCLATURA 4. DEFINIÇÕES 5. RESPONSABILIDADES 6. REQUISITOS

Leia mais

SEMINÁRIO DE PERÍCIAS

SEMINÁRIO DE PERÍCIAS SEMINÁRIO DE PERÍCIAS Norma de Vistoria de Vizinhança IBAPE/SP ANTONIO CARLOS DOLACIO Diretor Técnico do IBAPE/SP ABNT NBR 12722 Discriminação de serviços para construção de edifícios - Procedimento Item

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DAS COMUNICAÇÕES

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DAS COMUNICAÇÕES MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DAS COMUNICAÇÕES PRINCÍPIOS E DIRETRIZES JUNHO, 2013. Sumário 1. POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA

Leia mais

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM CORROSÃO E PROTEÇÃO

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM CORROSÃO E PROTEÇÃO ABRACO 00 de 0 OBJETIVO Esta norma estabelece a sistemática adotada pela Associação Brasileira de Corrosão ABRACO para o funcionamento do Sistema Nacional de Qualificação e Certificação em Corrosão e Proteção.

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PORTARIA N. 2, DE 08 DE MAIO DE 1984 O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

Projecto de Decreto-lei

Projecto de Decreto-lei Projecto de Decreto-lei O Decreto Lei nº273/2003, de 29 de Outubro, sobre as regras gerais de planeamento, organização e coordenação para promover a segurança e saúde no trabalho em estaleiros da construção,

Leia mais

DIRETORIA COMERCIAL PLANO DE OCUPAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DA COELCE

DIRETORIA COMERCIAL PLANO DE OCUPAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DA COELCE DIRETORIA COMERCIAL PLANO DE OCUPAÇÃO DIRETORIA COMERCIAL JUN/21 S U M Á R I O 1 OBJETIVO...1 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS, DE CONDIÇÕES TÉCNICAS E DE SEGURANÇA...1 3 CLASSES DE INFRAESTRUTURAS DISPONIBILIZADAS...2

Leia mais

Subsídio ConstruBusiness Grupo de Trabalho sobre Segurança em Edificações

Subsídio ConstruBusiness Grupo de Trabalho sobre Segurança em Edificações Subsídio ConstruBusiness Grupo de Trabalho sobre Segurança em Edificações SEGURANÇA EM EDIFICAÇÕES EXISTENTES (construídas há mais de 10 ou 15 anos) OBJETIVOS 1) Criação de obrigatoriedade de inspeção

Leia mais

GARANTIA. Introdução. Prezado Cliente,

GARANTIA. Introdução. Prezado Cliente, GARANTIA Introdução Prezado Cliente, Este Termo tem como objetivo lhe orientar sobre os prazos de garantia dos componentes e s de seu imóvel, e como solicitar a Assistência Técnica Venax Construtora. Os

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 9 DE JUNHO DE 2015 (PUBLICADA NO DOU Nº 108, EM 10 DE JUNHO DE 2015, SEÇÃO 1, PÁGINAS 39 e 40)

MINISTÉRIO DAS CIDADES. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 9 DE JUNHO DE 2015 (PUBLICADA NO DOU Nº 108, EM 10 DE JUNHO DE 2015, SEÇÃO 1, PÁGINAS 39 e 40) MINISTÉRIO DAS CIDADES INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 9 DE JUNHO DE 2015 (PUBLICADA NO DOU Nº 108, EM 10 DE JUNHO DE 2015, SEÇÃO 1, PÁGINAS 39 e 40) Regulamenta a Política Socioambiental do FGTS, no âmbito

Leia mais

Atribuições dos Tecnólogos

Atribuições dos Tecnólogos UNIVERSIDADE REGIONAL DO CARIRI DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL TECNOLOGIA EM CONTRUÇÃO CIVIL EDIFÍCIOS E ESTRADAS Atribuições dos Tecnólogos Prof.ª Me. Fabiana Marques Maio / 2014 SOBRE O TECNÓLOGO Segundo

Leia mais

ATO NORMATIVO INTERNO Nº 02/2003, DE 08 DE MAIO DE 2003. Dispõe sobre registro e fiscalização das atividades de Engenharia de Segurança do Trabalho

ATO NORMATIVO INTERNO Nº 02/2003, DE 08 DE MAIO DE 2003. Dispõe sobre registro e fiscalização das atividades de Engenharia de Segurança do Trabalho ATO NORMATIVO INTERNO Nº 02/2003, DE 08 DE MAIO DE 2003 Dispõe sobre registro e fiscalização das atividades de Engenharia de Segurança do Trabalho O CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 5, DE 29 DE MAIO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 5, DE 29 DE MAIO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 5, DE 29 DE MAIO DE 2014. Dispõe sobre a instituição da Comissão da Qualidade, e os requisitos técnicos para a realização de auditorias nos laboratórios e bancos que compõem a Rede Integrada

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Município de Torres Secretaria Municipal de Desenvolvimento e Gestão

Estado do Rio Grande do Sul Município de Torres Secretaria Municipal de Desenvolvimento e Gestão DECRETO N o 17, DE 1 o DE MARÇO DE 2013. Regulamenta a Lei Municipal n o 4.324, de 28 de maio de 2010, que dispõe sobre a obrigatoriedade de vistoria preventiva em construções plurifamiliares e de grande

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE VISTORIA PREDIAL LT 10201402 - EDIFICAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO SHALOM RUA BENTO LISBOA 112 CATETE - RJ

LAUDO TÉCNICO DE VISTORIA PREDIAL LT 10201402 - EDIFICAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO SHALOM RUA BENTO LISBOA 112 CATETE - RJ P á g i n a 1 INTRODUÇÃO Laudo Técnico LT 10201402 referente a Vistoria Predial efetuada na edificação da ASSOCIAÇÃO SHALOM, situada na Rua Bento Lisboa 112 - Catete - Rio de Janeiro, composto de 15 (quinze)

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. DADOS DO EMPREENDEDOR:

1. INTRODUÇÃO 2. DADOS DO EMPREENDEDOR: TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL E PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PARA PARQUES DE GERAÇÃO DE ENERGIAS ALTERNATIVA (SOLAR, EÓLICA E OUTRAS) 1. INTRODUÇÃO Este Termo de

Leia mais

MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO

MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO Laudo Ergonômico Laudo de Periculosidade/Insalubridade Laudo

Leia mais

Instrução Normativa 001/2014

Instrução Normativa 001/2014 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Porto Alegre, RS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA Em 03 de Jan de 2014 BM COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS DIVISÃO TÉCNICA DE PREVENÇÃO DE INCÊNDIO 1 Instrução Normativa 001/2014

Leia mais

NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados

NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados O objetivo desta NR é estabelecer os requisitos mínimos para identificação de espaços confinados e o reconhecimento, avaliação, monitoramento

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA AGE Nº 01/2015 NORMAS GERAIS DE PROCEDIMENTOS DAS CCIs

ORIENTAÇÃO TÉCNICA AGE Nº 01/2015 NORMAS GERAIS DE PROCEDIMENTOS DAS CCIs Orienta as Coordenações de Controle Interno (CCIs) dos órgãos e entidades da Administração Pública Direta do Poder Executivo Estadual e demais estruturas de controle existentes nos órgãos e entidades da

Leia mais

NR.35 TRABALHO EM ALTURA

NR.35 TRABALHO EM ALTURA NR.35 TRABALHO EM ALTURA Objetivo e Campo de Aplicação Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura, envolvendo o planejamento, a organização e a execução,

Leia mais

Autores: Deputado SAMUEL MALAFAIA, Deputado LUIZ PAULO A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RESOLVE:

Autores: Deputado SAMUEL MALAFAIA, Deputado LUIZ PAULO A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RESOLVE: PROJETO DE LEI Nº 2584/2013 EMENTA: DETERMINA QUE SEGUROS IMOBILIÁRIOS DE CONDOMÍNIOS, PRÉDIOS RESIDENCIAIS, COMERCIAIS E PÚBLICOS SOMENTE SEJAM EMITIDOS MEDIANTE O CUMPRIMENTO DA LEI Nº6400, DE 05 DE

Leia mais

Plano de Intervenção de Incêndio

Plano de Intervenção de Incêndio SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Definições INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16/2004 Plano de Intervenção

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A LEGISLAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Atualizadas pela Lei Brasileira de Inclusão da PCD (Lei 13.

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A LEGISLAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Atualizadas pela Lei Brasileira de Inclusão da PCD (Lei 13. PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A LEGISLAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Atualizadas pela Lei Brasileira de Inclusão da PCD (Lei 13.146/2015) Sumário: I Direitos previstos na Constituição Federal II Direitos

Leia mais

Vistoria Cautelar de Vizinhança. Eng..o Civil José Fidelis Augusto Sarno

Vistoria Cautelar de Vizinhança. Eng..o Civil José Fidelis Augusto Sarno Eng..o Civil José Fidelis Augusto Sarno Apresentação dos principais tópicos da legislação que rege a matéria; Procedimentos para a realização da Vistoria; Tópicos do Relatório; Apresentação de casos práticos

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO) Procedimento PREPARAÇÃO E RESPOSTA A EMERGENCIA

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO) Procedimento PREPARAÇÃO E RESPOSTA A EMERGENCIA SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO) Procedimento PREPARAÇÃO E RESPOSTA A EMERGENCIA PR.11 Revisão: 00 Página 1 de 4 1. OBJETIVO Estabelecer e manter planos

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TSC 4410, DE 30 DE AGOSTO DE 2013

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TSC 4410, DE 30 DE AGOSTO DE 2013 NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TSC 4410, DE 30 DE AGOSTO DE 2013 Dispõe sobre trabalho de compilação de informações contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições

Leia mais

DIAGNOSTICO DE DEMANDAS E NECESSIDADES Versão reduzida

DIAGNOSTICO DE DEMANDAS E NECESSIDADES Versão reduzida Ministério da Justiça CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA DIAGNOSTICO DE DEMANDAS E NECESSIDADES Versão reduzida 1. CONTEXTO E PROPÓSITO Em outubro de 2011, foi aprovado pelo Congresso Nacional

Leia mais

Minuta de Termo de Referência

Minuta de Termo de Referência Minuta de Termo de Referência Contratação de serviço para elaboração do mapeamento, análise, propostas e implantação de melhorias nos processos de trabalho da Coordenadoria Geral de Licenciamento Ambiental

Leia mais

Analise as Normas Regulamentadoras abaixo e apresente parecer sucinto comparando atendimento de cada item pela empresa.

Analise as Normas Regulamentadoras abaixo e apresente parecer sucinto comparando atendimento de cada item pela empresa. Analise as Normas Regulamentadoras abaixo e apresente parecer sucinto comparando atendimento de cada item pela empresa. NR 01 - Disposições Gerais Descrever alguns tópicos do que cabe ao empregador. Verificar

Leia mais

EVENTOS QUADRO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA DADOS DO EVENTO

EVENTOS QUADRO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA DADOS DO EVENTO EVENTOS QUADRO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA NOME DO EVENTO: DADOS DO EVENTO EMPRESA RESPONSÁVEL: CNPJ: END. COMPLETO: ESTRUTURA: ( ) CAMAROTE NOME: ( ) POSTO DE TRANSMISSÃO ( ) PALCO - ( ) PRATICÁVEIS:

Leia mais

Ilustríssima Comissão Permanente de Licitação do INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE NOVO HAMBURGO IPASEM-NH

Ilustríssima Comissão Permanente de Licitação do INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE NOVO HAMBURGO IPASEM-NH Ilustríssima Comissão Permanente de Licitação do INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE NOVO HAMBURGO IPASEM-NH Referente ao PREGÃO ELETRÔNICO Nº 01/2013 COMERCIAL DE ELETRODOMÉSTICOS

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2012

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2012 ANEXO À RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2012 PROCEDIMENTOS PARA LICENCIAMENTO DE ESTAÇÕES DE RADIOCOMUNICAÇÃO ASSOCIADAS À PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO DESTINADO AO USO DO PÚBLICO EM GERAL - STFC

Leia mais

. A SPE P C E TOS D A L E L G E I G S I LA L ÇÃO M U M NI N C I IP I A P L

. A SPE P C E TOS D A L E L G E I G S I LA L ÇÃO M U M NI N C I IP I A P L INSPEÇÃO PREDIAL: ASPECTOS DA AUTOVISTORIA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO ENGº CIVIL ANTERO PARAHYBA ARQUITETA ADRIANA ROXO 1. HISTÓRICO 2. ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO MUNICIPAL E PROCEDIMENTOS PCRJ 3. DADOS DA

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna 025 1/8 Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento 6. Formulários 7. Anexo A 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos

Leia mais

Contributos da ANET sobre o Projecto Revisão do Regulamento de Coordenação de Segurança e Saúde na Construção. Decreto-Lei n.º /

Contributos da ANET sobre o Projecto Revisão do Regulamento de Coordenação de Segurança e Saúde na Construção. Decreto-Lei n.º / Decreto-Lei n.º / O Decreto Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro, sobre as regras gerais de planeamento, organização e coordenação para promover a segurança e saúde no trabalho em estaleiros da construção,

Leia mais

Inspeção predial: reflexo de economia e segurança

Inspeção predial: reflexo de economia e segurança Inspeção predial: reflexo de economia e segurança Joyce Karla Mendes karlamendes@pop.com.br Auditoria, avaliação e perícia na engenharia - IPOG Resumo A Inspeção Predial é uma ferramenta importante que

Leia mais

Política de Gerenciamento de Risco Operacional

Política de Gerenciamento de Risco Operacional Política de Gerenciamento de Risco Operacional Departamento Controles Internos e Compliance Fevereiro/2011 Versão 4.0 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Definição de Risco Operacional... 3 3. Estrutura de

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

Objeto: seleção de empresa com vistas a Elaboração de Projeto Executivo de Engenharia para

Objeto: seleção de empresa com vistas a Elaboração de Projeto Executivo de Engenharia para De: Ezequiel Mizrahi [mailto:ezequiel@fococgt.com.br] Enviada em: sexta-feira, 5 de outubro de 2012 15:04 Para: 'scl@dnit.gov.br' Assunto: Impugnação ao Edital do Pregão eletrônico nº. 520/2012 DNIT Ao

Leia mais

REGIMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO

REGIMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO Res. CONSUN nº 49/03, 10/12/03 Art. 1 o O presente documento objetiva fornecer as orientações

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 04 PROJETOS DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCENDIOS (PCI)

INSTRUÇÃO TÉCNICA 04 PROJETOS DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCENDIOS (PCI) INSTRUÇÃO TÉCNICA 04 PROJETOS DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCENDIOS (PCI) 1 OBJETIVO 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam os procedimentos, critérios e padrões a serem adotados para elaboração

Leia mais

ESTRATÉGIA DE INSPEÇÃO PREDIAL

ESTRATÉGIA DE INSPEÇÃO PREDIAL ESTRATÉGIA DE INSPEÇÃO PREDIAL EQUIPE Daniel Rodrigues Rezende Neves - Engº Civil Mestrando em Construção Civil Universidade FUMEC Luiz Antônio M. N. Branco - MSc Professor Universidade FUMEC RESUMO Neste

Leia mais

Regulamento de Avaliação da Conformidade das Unidades Armazenadoras

Regulamento de Avaliação da Conformidade das Unidades Armazenadoras Regulamento de Avaliação da Conformidade das Unidades Armazenadoras SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Documentos Complementares 3 Siglas e Definições 4 Condições Gerais 5 Mecanismo de Avaliação da Conformidade 6 Alterações

Leia mais

OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO

OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO FECAM Escola de Gestão Pública Municipal OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO Módulo III Chapecó, março/2012 1 3 Projeto e Orçamento 4 Fiscalização Pedro Jorge Rocha de Oliveira

Leia mais

TRANSIÇÃO DAS CERTIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL, PARA AS VERSÕES 2015 DAS NORMAS.

TRANSIÇÃO DAS CERTIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL, PARA AS VERSÕES 2015 DAS NORMAS. TRANSIÇÃO DAS CERTIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL, PARA AS VERSÕES 2015 DAS NORMAS. As novas versões das normas ABNT NBR ISO 9001 e ABNT NBR ISO 14001 foram

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A RESOLUÇÃO N o 1010/05

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A RESOLUÇÃO N o 1010/05 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A RESOLUÇÃO N o 1010/05 As perguntas abaixo foram compiladas após a série de treinamentos sobre a Resolução nº 1.010, de 2005, ministrados pelo Confea aos Creas durante o primeiro

Leia mais

PATOLOGIAS, DANOS E ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL ENG. LEONARDO MEDINA ROSARIO,ESP,MBA

PATOLOGIAS, DANOS E ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL ENG. LEONARDO MEDINA ROSARIO,ESP,MBA Apresentação Institucional PATOLOGIAS, DANOS E ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL ENG. LEONARDO MEDINA ROSARIO,ESP,MBA Serviços ENGENHARIA DE DIAGNÓSTICO GESTÃO DE ENGENHARIA ENGENHARIA ENGENHARIA

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE XINGUARA, Estado do Pará, faz saber que a câmara Municipal aprovou e ele sanciona a seguinte lei.

O PREFEITO MUNICIPAL DE XINGUARA, Estado do Pará, faz saber que a câmara Municipal aprovou e ele sanciona a seguinte lei. DO DO PARÁ LEI Nº 877/13 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2013. Institui a Política Municipal de Saneamento Básico, e o Plano de Saneamento Básico (PMSB) do Município de Xinguara-Pa e dá outras providências. O PREFEITO

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA 1/8 Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna

Leia mais

INSPEÇÃO PREDIAL. Eng. Civil Flávia Zoéga Andreatta Pujadas archeo@uol.com.br

INSPEÇÃO PREDIAL. Eng. Civil Flávia Zoéga Andreatta Pujadas archeo@uol.com.br INSPEÇÃO PREDIAL Eng. Civil Flávia Zoéga Andreatta Pujadas archeo@uol.com.br INSPEÇÃO PREDIAL e sua EVOLUÇÃO 1º Inspeção Predial: Vistoria técnica da edificação para constatação das anomalias existentes

Leia mais

Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros - AVCB

Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros - AVCB Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros - AVCB Mesmo caro, documento em dia é uma tranquilidade para o Síndico. Em 2013 a maior tragédia envolvendo fogo no Brasil aconteceu. Na boate Kiss, no Rio Grande

Leia mais

Decreto - executivo nº 6/96 de 2 de Fevereiro

Decreto - executivo nº 6/96 de 2 de Fevereiro Decreto - executivo nº 6/96 de 2 de Fevereiro O Decreto nº 31/94, de 5 de Agosto, estabelece no ponto 2 do artigo 18º, a obrigatoriedade da criação e organização de Serviços de Segurança e Higiene no Trabalho

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Versão Julho de 2015 POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL (Política e procedimentos relacionados à responsabilidade socioambiental da Gávea DTVM nos termos da Resolução BCB no 4.327, de 25 de abril

Leia mais

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016 Diário Ofi cial Poder Executivo - Seção I São Paulo, 126 (26) 27

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016 Diário Ofi cial Poder Executivo - Seção I São Paulo, 126 (26) 27 sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016 Diário Ofi cial Poder Executivo - Seção I São Paulo, 126 (26) 27 Deliberação CEE-138, de 11-2-2016 Fixa normas para autorização de funcionamento e supervisão de estabelecimentos

Leia mais

O ACOMPANHAMENTO TÉCNICO COMO CONTRIBUTO PARA A MELHORIA DO DESEMPENHO DA INDÚSTRIA EXTRACTIVA

O ACOMPANHAMENTO TÉCNICO COMO CONTRIBUTO PARA A MELHORIA DO DESEMPENHO DA INDÚSTRIA EXTRACTIVA O ACOMPANHAMENTO TÉCNICO COMO CONTRIBUTO PARA A MELHORIA DO DESEMPENHO DA INDÚSTRIA EXTRACTIVA Guerreiro, Humberto Eng. de Minas - Visa Consultores, S.A., Oeiras. 1. INTRODUÇÃO Na exploração de minas e

Leia mais

Segurança e Saúde dos Trabalhadores

Segurança e Saúde dos Trabalhadores Segurança e Saúde dos Trabalhadores [1]CONVENÇÃO N. 155 I Aprovada na 67ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1981), entrou em vigor no plano internacional em 11.8.83. II Dados referentes

Leia mais

ANEXO II: ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA TÉCNICA E ECONÔMICA ÁREA DE PLANEJAMENTO 3.1

ANEXO II: ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA TÉCNICA E ECONÔMICA ÁREA DE PLANEJAMENTO 3.1 ANEXO II: ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA TÉCNICA E ECONÔMICA ÁREA DE PLANEJAMENTO 3.1 1 Introdução Entende-se que a Proposta Técnica e Econômica é a demonstração do conjunto dos elementos necessários

Leia mais

MODELO DE PROJETO BÁSICO AUDITORIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO DO IFAM [Subtítulo do documento]

MODELO DE PROJETO BÁSICO AUDITORIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO DO IFAM [Subtítulo do documento] Página: 1 de X Objeto: Elaborado por: Equipe X Y Z Aprovado por: Unidade Requisitante Autoridade máxima do órgão Página: 2 de X 1. Definição do Objeto Indicação do que se está pretendendo licitar com a

Leia mais

RESOLUÇÃO N 24, DE 6 DE JUNHO DE 2012.

RESOLUÇÃO N 24, DE 6 DE JUNHO DE 2012. RESOLUÇÃO N 24, DE 6 DE JUNHO DE 2012. Dispõe sobre o acervo técnico do arquiteto e urbanista e a emissão de Certidão de Acervo Técnico (CAT), sobre o registro de atestado emitido por pessoa jurídica de

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS OBRAS EM CONDOMÍNIOS: PRECAUÇÕES E RESPONSABILIDADES

CICLO DE PALESTRAS OBRAS EM CONDOMÍNIOS: PRECAUÇÕES E RESPONSABILIDADES CICLO DE PALESTRAS OBRAS EM CONDOMÍNIOS: PRECAUÇÕES E RESPONSABILIDADES INSPEÇÃO PREDIAL CHECK UP E PREVENÇÃO DE ACIDENTES IBAPE/SP Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia de São Paulo

Leia mais