OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO"

Transcrição

1 FECAM Escola de Gestão Pública Municipal OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO Módulo III Chapecó, março/2012 1

2 3 Projeto e Orçamento 4 Fiscalização Pedro Jorge Rocha de Oliveira Auditor Fiscal de Controle Externo DLC/TCE-SC 2

3 3 Projeto e Orçamento 3

4 ROTEIRO O que vem a ser o Projeto Básico? O que vem a ser o Projeto Executivo? O que vem a ser o as built? Qual a importância da sondagem do terreno? Quais cuidados devemos ter com os memoriais descritivos e especificações técnicas? Quem deve elaborar os projetos e orçamentos de determinada obra? 4

5 ROTEIRO Quais os cuidados com a elaboração do orçamento e da planilha orçamentária? O que vem a ser o BDI nos orçamentos? Como proceder em relação ao BDI nos orçamentos e editais? 5

6 PROJETOS Antes de uma boa obra existe um bom projeto. - cultura do planejamento - Lei 8.666/93 tem 19 anos 6

7 PROJETOS O tempo dispensado aos projetos e os valores aplicados na sua elaboração são investimentos, e não despesas. - Custo projeto: aprox. 5% (média) >> aditivos: 25 ou 50% na obra >> aumento do tempo de execução 7

8 8

9 9

10 10

11 1. O que vem a ser Projeto Básico? >> Elemento mais importante para execução de uma obra pública; >> Deve possibilitar a perfeita quantificação dos materiais, equipamentos e serviços, avaliação do custo da obra e a definição dos métodos e do prazo de execução; 11

12 1. O que vem a ser Projeto Básico? - Deve prever, também, dentre outros:. - compatibilidade total com o local; - acessibilidade; - sustentabilidade; - tratamento ambiental; - desapropriações. Não é sinônimo de projeto simples!! 12

13 1. O que vem a ser o Projeto Básico? Art. 6º da Lei 8.666/93: o conjunto de elementos necessários e suficientes, com o nível de precisão adequado, para caracterizar a obra ou serviço, ou complexo de obras ou serviços objeto da licitação, elaborado com base nas indicações dos estudos técnicos preliminares, que assegurem a viabilidade técnica e o adequado tratamento do impacto ambiental do empreendimento, e que possibilite a avaliação do custo da obra e a definição dos métodos e do prazo de execução [...] 13

14 2. O que vem a ser o Projeto Básico conforme OT IBR 001/2006 Ibraop? O Ibraop Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas edita Orientações Técnicas, visando uniformizar o entendimento da legislação e práticas pertinentes à Auditoria de Obras Públicas editou essa Orientação Técnica Consulte: 14

15 2. O que vem a ser o Projeto Básico conforme OT IBR 001/2006 Ibraop? Projeto Básico é o conjunto de desenhos, memoriais descritivos, especificações técnicas, orçamento, cronograma e demais elementos técnicos necessários e suficientes à precisa caracterização da obra a ser executada, atendendo às Normas Técnicas e à legislação vigente, elaborado com base em estudos anteriores que assegurem a viabilidade e o adequado tratamento ambiental do empreendimento. [...] de forma a evitar alterações e adequações durante a elaboração do projeto executivo e realização das obras. 15

16 OT 001/2006 IBRAOP: definição de Projeto Básico; define conteúdo técnico: - desenho; - memorial descritivo; - especificação técnica; e - orçamento. 16

17 3. O que vem a ser o Projeto Executivo? - Projeto completo com o detalhamento construtivo => complementa o projeto básico e não o altera. - Art. 6.º da Lei de Licitações: X - Projeto Executivo - o conjunto dos elementos necessários e suficientes à execução completa da obra, de acordo com as normas pertinentes da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT; 17

18 3. O que vem a ser o Projeto Executivo? detalhamento específico de todos os elementos construtivos, para a perfeita execução; detalhes especiais, cortes específicos, especificações complementares, entre outros. 18

19 3. O que vem a ser o Projeto Executivo? exemplos: - detalhamento de estruturas de cobertura; - detalhamento das formas; - detalhamento das esquadrias; - detalhamento da impermeabilização; 19

20 Atenção! O Projeto Básico ou Executivo deve ser atualizado para realização da licitação!! 20

21 4. O que vem a ser o Projeto as built? - As built ( como construído ) é o projeto representando fielmente aquilo que foi executado, com todas as alterações que se fizeram necessárias durante a obra; - Sua elaboração deve estar prevista expressamente no edital de licitação, fazendo parte, inclusive, do orçamento da obra; 21

22 4. O que vem a ser o Projeto as built? - sem as built, não há cadastro confiável para as futuras manifestações; - um dos requisitos para emissão do Termo de Recebimento Definitivo. 22

23 Área de escola e ginásio incompatível com terreno! 23

24 O corte do morro na área posterior foi embargado! 24

25 Área anexa foi desapropriada para o ginásio! 25

26 5. Qual a importância da sondagem do terreno (solo)? - Estudo necessário à definição de parâmetros do solo ou rocha (sondagem, ensaios de campo ou ensaios de laboratório); - Identificar as reais condições do solo para que sejam definidos o tipo e as características das fundações. 26

27 5. Qual a importância da sondagem do terreno (solo)? - evitar aditivos logo no começo da obra, inclusive com jogo de preços ; - a sondagem feita após a contratação pode alterar as condições exigidas na qualificação técnica do Edital. >> Deve fazer parte do projeto básico. 27

28 6. Quais cuidados deve-se ter com memoriais descritivos? - descrição detalhada do objeto projetado, na qual são apresentadas as soluções técnicas adotadas, suas justificativas necessárias ao pleno entendimento do projeto, complementando as informações contidas nos desenhos integrantes dos projetos; 28

29 6. Quais cuidados deve-se ter com memoriais descritivos? - não devem ter incompatibilidade com o projeto e o orçamento; - definem o que está contemplado em um determinado serviço constante do orçamento; >> Faz parte do projeto básico, assim como as especificações. 29

30 7. Quais cuidados deve-se ter com especificações técnicas? - regras e condições que se deve seguir para a execução da obra caracterizando os materiais, equipamentos, elementos componentes, sistemas construtivos a serem aplicados e o modo como serão executados cada um dos serviços; 30

31 7. Quais cuidados deve-se ter com especificações técnicas? - assim como o memorial, deve ser compatível com o projeto e orçamento; - deve ser usada, principalmente, em serviços mais complexos, que precisam de uma maior especificação. >> Faz parte do projeto básico, assim como o memorial descritivo. 31

32 8. Quem deve elaborar os projetos e orçamento de uma obra? - projetos e orçamento devem ser elaborados e assinados por profissionais capacitados e habilitados junto ao Crea ou CAU; - deve ter ART ou RRT específica para cada obra contendo todos o projetos e orçamento realizados pelo responsável técnico; 32

33 8. Quem deve elaborar os projetos e orçamento de uma obra? - formalização de responsabilidade pela elaboração do projeto (ART / RRT e assinaturas); - pode ser técnico da própria Prefeitura ou contratado especificamente. 33

34 ART / RRT e assinatura com identificação (concomitante); atender Legislação sistema Confea / Crea / CAU; definir responsabilidade do autor; dificultar alterações. - Lei nº 5.194/66, arts. 13, 14 e 15 - Lei nº 6.496/77, art. 1º e 2º Ausência: >> passível de anulação de Edital; >> multa por infração à norma legal. 34

35 9. Quais os cuidados com a elaboração do orçamento e planilha orçamentária? previsão legal (Lei Federal nº 8.666/93): 35

36 orçamento detalhado do custo global da obra, fundamentado em quantitativos propriamente avaliados (art. 6.º, IX, f); [...] planilhas que expressem a composição de todos os seus custos unitários (art. 7.º, 2.º, II). [...] critério de aceitabilidade dos preços unitário e global, conforme o caso, permitida a fixação de preços máximos e vedados a fixação de preços mínimos... (art. 40, X). orçamento estimado em planilhas de quantitativos e preços unitários; (art. 40, 2º, II). 36

37 9. Quais os cuidados com a elaboração do orçamento e planilha orçamentária? - efetuados após os estudos de viabilidade técnico-econômicos; - série de cálculos que exigem prática de quem os efetua; - deve representar a realidade dos custos para execução de determinada obra, em determinada época; 37

38 9. Quais os cuidados com a elaboração do orçamento e planilha orçamentária? - quantitativos avaliados a partir do Projeto e das condições locais; - levar em consideração dados da sondagem e experiência do conhecimento do local; - coleta de preços no mercado local ou região (adequação da tabelas padrões: Deinfra, Sinapi, Casan, Sicro, etc.); 38

39 9. Quais os cuidados com a elaboração do orçamento e planilha orçamentária? - considerar dificuldade de acesso; - Avaliar a taxa de LS em função do local dos serviços; - avaliar o BDI em função do volume ou porte dos serviços e local de execução; - BDI diferenciado para serviços, materiais e equipamentos; 39

40 9. Quais os cuidados com a elaboração do orçamento e planilha orçamentária? - não podem conter unidades genéricas do tipo gb ou vb, ou ainda, a execução de instalações ou projetos orçados por m²; LLC, art. 7º, 4º É vedada, ainda, a inclusão, no objeto da licitação, de fornecimento de materiais e serviços sem previsão de quantidades ou cujos quantitativos não correspondam às previsões reais do projeto básico ou executivo. 40

41 9. Quais os cuidados com a elaboração do orçamento e planilha orçamentária? - Não atualizar por índices; - Considerar economia de escala; 41

42 Atenção! O Orçamento deve ser atualizado para realização da licitação!! 42

43 10. O que vem a ser o BDI nos orçamentos? O BDI - Benefício (ou Bonificação) e Despesas Indiretas é uma taxa correspondente às despesas indiretas e ao lucro que, aplicada ao custo direto de um empreendimento (materiais, mão de obra, equipamentos) resulta no seu preço final. Preço = custos + BDI 43

44 10. O que vem a ser o BDI nos orçamentos? - dois componentes que determinam o preço final de uma obra: custos diretos e BDI. - um é determinado em função dos materiais e das normas de execução dos serviços constantes nos projetos. - o BDI é aplicado sobre o custo direto para contemplar as despesas indiretas e o lucro da construtora. 44

45 11. Como proceder em relação ao BDI nos orçamentos? Acórdão 325/2007 TCU Plenário: orientar as unidades técnicas do Tribunal que, quando dos trabalhos de fiscalização em obras públicas, passem a utilizar como referenciais as seguintes premissas acerca dos componentes de BDI: 45

46 BDI Descrição Mínimo Máximo Média Garantia 0,00 0,42 0,21 Risco 0,00 2,05 0,97 Despesas Financeiras 0,00 1,20 0,59 Administração Central 0,11 8,03 4,07 Lucro 3,83 9,96 6,90 Tributos 6,03 9,03 7,65 COFINS 3,00 3,00 3,00 PIS 0,65 0,65 0,65 ISS 2,00 5,00 3,62 CPMF 0,38 0,38 0,38 Total 16,36 28,87 22,61 46

47 11. Como proceder em relação ao BDI nos orçamentos? - Acórdão 2.369/2011 TCU Plenário: - BDI para cada tipo de obra (edificações, saneamento, portos, aeroportos etc.); - constituir grupo de trabalho para análise pormenorizada

48 11. Como proceder em relação ao BDI nos orçamentos? - IRPJ e CSLL não devem incluir o BDI, pois são tributos de natureza direta e personalística: >> não se tem garantia de que serão devidos, pois depende do balanço geral de cada empresa, e não de cada obra; >> licitantes devem incluí-los em seus custos; 48

49 11. Como proceder em relação ao BDI nos orçamentos? - Administração deve indicar qual o percentual estimado de BDI adotado; - o Edital deve conter cláusula obrigando as empresas proponentes a demonstrarem a composição de seus BDIs; - diferença entre BDI de material / equipamentos e BDI de mão de obra (materiais mais representativos). 49

50 12. Como se exemplifica irregularidades em orçamentos? Serviços pagos em duplicidade!! ITEM: LIGAÇÕES DOMICILIARES - Bacia 1 DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES UN. QUANT. PREÇO (R$) UNITÁRIO TOTAL SERVIÇOS TÉCNICOS CADASTRO DE LIGAÇÕES un 3.875,00 3, ,70 FUNDAÇÕES E ESTRUTURAS LASTRO, LAJE E BERÇO, TUBOS E PEÇAS PVC, DN 100 m ,00 40, ,18 MM LASTRO, LAJE E BERÇO, TUBOS E PEÇAS PVC, DN 150 m 100,00 45, ,56 MM LIGAÇÕES PREDIAIS ASSENTAMENTO DE RAMAL PREDIAL EM PVC, DN 100 m ,00 2, ,87 MM CAIXA DE INSPEÇÃO DE CONCRETO DN 400MM un 1.162,00 80, ,40 IMPERMEABILIZAÇÃO BETUMINOSA m² 2.500,00 11, ,95 >> Cadastro e impermeabilização incluídos no assentamento 50

51 ITEM: REDE DE ESGOTO - Bacia 1 Falta detalhamento e duplicidade!! DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES UN. QUANT. PREÇO (R$) UNITÁRIO TOTAL MANUTENÇÃO DO CANTEIRO DE OBRAS m ês 30, , ,00 OPERAÇÃO DO SISTEMA DE REBAIXAMENTO cjxdia 120,00 196, ,60 PONTEIRA FILTRANTE EM VALA un 100,00 37, ,12 POÇO DE VISITA (BASE E LAJE SUPERIOR) EM ANÉIS, DIÂMETRO 600 MM un 32,00 454, ,51 POÇO DE VISITA (BASE E LAJE SUPERIOR) EM ANÉIS, DIÂMETRO MM un 729,00 727, ,86 IMPERMEABILIZAÇÃO COM ARGAMASSA DE CIMENTO E AREIA m² 840,00 41, ,62 IMPERMEABILIZAÇÃO BETUMINOSA m² 8.100,00 11, ,88 Ponteiras filtrantes: quantidades subavaliadas Manutenção canteiro: falta detalhamento (unidades mês, gb, vb) Impermeabilização: incluída no Poço de visita 51

52 Materiais orçados em duplicidade!! ITEM: INTERCEPTOR - Bacia 1 DESCRIÇÃO UNID. QUANT. UNITÁRIO TOTAL ASSENTAMENTO ASSENTAMENTO DE TUBOS EM CONCRETO DN 500 MM m 810,00 158, ,70 ASSENTAMENTO DE TUBOS EM CONCRETO DN 600 MM m 1.518,00 202, ,62 ASSENTAMENTO DE TUBOS EM CONCRETO DN 700 MM m 636,00 243, ,72 ASSENTAMENTO DE TUBOS EM CONCRETO DN 800 MM m 1.986,00 296, ,96 MATERIAL TUBO DE CONCRETO ARMADO, DN 500 MM m 810,00 130, ,10 TUBO DE CONCRETO ARMADO, DN 600 MM m 1.518,00 166, ,94 TUBO DE CONCRETO ARMADO, DN 700 MM m 636,00 218, ,24 TUBO DE CONCRETO ARMADO, DN 800 MM m 1.986,00 273, ,92 Duplicidade: material já incluído no assentamento. >> Total orçado a maior: R$ 1 milhão 52

53 4 Fiscalização 53

54 ROTEIRO Como deve ser designado o fiscal para determinada obra ou serviço? Qual o significado de profissional habilitado e capacitado? Em qualquer situação é obrigatório o preenchimento de ART / RRT? Quais a principais atribuições do fiscal? 54

55 ROTEIRO Qual a responsabilidade do fiscal com os controles e cronograma? Qual a função do fiscal nos aditamentos, paralisações, medições e pagamentos? Como fica caracterizado o crime de Falsidade Ideológica? 55

56 1. Como deve ser designado o fiscal de determinada obra ou serviço?.. - designação formal para que um profissional habilitado fiscalize determinada obra ou serviço (ato da administração); - ARTs RRTs de fiscalização de cargo e função; - Leis Federais nºs 6.496/77, 5.194/66 e /10 56

57 2. Qual o significado de profissional habilitado e capacitado? - Profissional habilitado é aquele que possui Crea / CAU, é registrado legalmente e que atue na área de sua formação acadêmica; - Profissional capacitado é aquele que, além de ser habilitado, possui conhecimento acerca do serviço que está fazendo, ou seja possui experiência. 57

58 3. Em qualquer situação é obrigatório o preenchimento de ART / RRT? - nos casos em que é necessária uma responsabilidade técnica pela obra / serviço; - quando são serviços simples, tais como, pinturas de pequenas áreas, calçadas comuns, entre outros, não há necessidade. 58

59 4. Quais a principais atribuições do fiscal? - anotar as ocorrências no Diário de Obra; - proceder ou acompanhar as medições; - providenciar a classificação dos materiais; - atestar a correção e exatidão dos serviços executados e valores monetários a pagar; - fazer comunicações por escrito, inclusive no Diário de Obras, por exemplo; 59

60 4. Quais a principais atribuições do fiscal? - fazer reuniões, com atas; - verificar as condições de organização e segurança dos trabalhadores; - avaliar as solicitações de aditamento; - emitir Termo de Recebimento da obra. 60

61 5. Qual a responsabilidade do fiscal com os controles e cronograma? - certificar a disponibilidade de documentos no canteiro de obras (plantas, memoriais, especificações, ARTs RRTs, contrato, etc.); - solicitar e acompanhar a realização de ensaios (resistência, compactação, umidade, ensaios em fundações, etc.); 61

62 5. Qual a responsabilidade do fiscal com os controles e cronograma? - acompanhar o cronograma físico-financeiro e comunicar ao superior as diferenças observadas no andamento das obras; - manter controle dos valores realizados e a realizar. 62

63 6. Qual a função do fiscal nos aditamentos? - obrigatoriedade da justificativa técnica; - atentar para a permuta indiscriminada de serviços e alterações do projeto; - atentar para jogo de preços ; - Itens novos => ver correta definição de preços; 63

64 6. Qual a função do fiscal nos aditamentos? - mesmo sem alteração de valor, pode descaracterizar o objeto licitado e até os aspectos de qualificação técnica; - se o projeto não foi corretamente elaborado, nova licitação será necessária. 64

65 6. Qual a função do fiscal nos aditamentos? - Para efeito de observância dos limites de alterações contratuais previstos no art. 65 da Lei nº 8.666/93, o conjunto de reduções e o conjunto de acréscimos devem ser sempre calculados sobre o valor original do contrato, aplicando-se a cada um desses conjuntos, individualmente e sem nenhum tipo de compensação entre eles, os limites de alteração estabelecidos no dispositivo legal. TCU Acórdão nº 2.530/2011 e 2819/2011- Plenário. 65

66 6. Qual a função do fiscal nas paralisações? - ausência pode acarretar responsabilização à contratada e aos gestores públicos em função de atrasos ou justificativas sem fundamentação; - paralisação deve ter análise técnica de engenharia e despacho motivado de autoridade superior, sendo obrigatória e fundamentada. 66

67 6. Qual a função do fiscal nas medições? - habilitar ao pagamento parcial de obras com execução parcelada ou global; - evidenciar com exatidão, os quantitativos dos serviços executados; - possibilidade de medição pela contratada, desde que, conferida e visada pelo fiscal; 67

68 6. Qual a função do fiscal nas medições? - assinar medições, também assinadas pela contratada e pela consultora (quando houver);. >> pode ser comissão designada pela contratante;. - atenção à medição por serviços não executados: - prestação de contas em convênios; - medição de gabinete ; 68

69 6. Qual a função do fiscal nas medições? - o fiscal é, em última análise, o responsável por irregularidades, mesmo que tenha sido obrigado a assinar uma medição incorreta. 69

70 6. Qual a função do fiscal nos pagamentos? - imprescindível a atuação do profissional que atua como fiscal da obra; - atestar a execução integral do serviço; >> atentar para o crime de Falsidade Ideológica (medições de serviços não executados) => pagamento antecipado (art. 299 do CP). 70

71 7. Como fica caracterizado o crime de Falsidade Ideológica? - Falso atestado - Falsidade Ideológica é crime (Artigo 299 Código Penal); >> Liquidação da despesa só pode acontecer após a efetiva execução da etapa prevista; 71

72 ARTIGO 299 CP Omitir, em documento público ou particular, declaração que dele devia constar, ou nele inserir ou fazer inserir declaração falsa ou diversa da que devia ser escrita, com o fim de prejudicar direito, criar obrigação ou alterar a verdade sobre fato juridicamente relevante: Pena - reclusão, de 1 a 5 anos, e multa, se o documento é público, e reclusão de 1 a 3 anos, e multa, se o documento é particular. Parágrafo único - Se o agente é funcionário público, e comete o crime prevalecendo-se do cargo, ou se a falsificação ou alteração é de assentamento de registro civil, aumenta-se a pena de sexta parte. 72

73 SITUAÇÕES OBSERVADAS: arquiteto como fiscal de rodovia; fiscal assinou porque Prefeito pediu (na acareação não confirmou); ART de execução (regularização) Não assume a responsabilidade técnica pela obra ; fiscal pediu para TCE ver se a obra estava concluída. >> Responsáveis: Gestor e fiscal e ciência ao Crea. 73

74 Fiscal atestou a execução de toda a estrutura! 74

75 Fiscal atestou a execução em 14 dias! (prest. contas) 75

76 Fiscal ou outra função: Somente assine o que de fato é correto, caso contrário o fiscal será, em última análise, o responsável pelas irregularidades, mesmo que tenha sido forçado a prestar informação não verdadeira. 76

77 77

78 78

79 79

80 80

81 81

82 82

83 83

84 84

85 MUITO OBRIGADO! Pedro Jorge

e-sfinge Obras ênfase no controle interno dos municípios

e-sfinge Obras ênfase no controle interno dos municípios e-sfinge Obras ênfase no controle interno dos municípios Conteúdo Programático - Legislação; - Demonstrar às características básicas do e-sfinge Obras; - Quais dados a serem informados no sistema; - Prazos

Leia mais

Os passos e a importância da elaboração adequada de uma planilha orçamentária para licitações de obras públicas

Os passos e a importância da elaboração adequada de uma planilha orçamentária para licitações de obras públicas Os passos e a importância da elaboração adequada de uma planilha orçamentária para licitações de obras públicas Resumo Marilia Ferreira de Oliveira Corrêa mariliaf_18@hotmail.com Gerenciamento de Obras,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA VISANDO CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE SONDAGEM, ELABORAÇÃO DO PROJETO DE FUNDAÇÃO E DO PROJETO IMPLANTAÇÃO DO CENTRO DE INICIAÇÃO AO

TERMO DE REFERÊNCIA VISANDO CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE SONDAGEM, ELABORAÇÃO DO PROJETO DE FUNDAÇÃO E DO PROJETO IMPLANTAÇÃO DO CENTRO DE INICIAÇÃO AO TERMO DE REFERÊNCIA VISANDO CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE SONDAGEM, ELABORAÇÃO DO PROJETO DE FUNDAÇÃO E DO PROJETO IMPLANTAÇÃO DO CENTRO DE INICIAÇÃO AO ESPORTE CIE -TIPOLOGIA M3R40 1 SIGLAS E DEFINIÇÕES ABNT

Leia mais

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT - IBR 001/2006 PROJETO BÁSICO Primeira edição: válida a partir de 07/11/2006 Palavras Chave: Projeto Básico,

Leia mais

MODELO DE PROJETO BÁSICO AUDITORIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO DO IFAM [Subtítulo do documento]

MODELO DE PROJETO BÁSICO AUDITORIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO DO IFAM [Subtítulo do documento] Página: 1 de X Objeto: Elaborado por: Equipe X Y Z Aprovado por: Unidade Requisitante Autoridade máxima do órgão Página: 2 de X 1. Definição do Objeto Indicação do que se está pretendendo licitar com a

Leia mais

OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA LICITAÇÕES E CONTRATOS

OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA LICITAÇÕES E CONTRATOS OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA LICITAÇÕES E CONTRATOS Instrutora: Adelaide Bittencourt P. Coelho Participação: Paula Romano TCEMG Novembro/2009 IMPORTÂNCIA DO TEMA As obras são a parte mais aparente das

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CGM Nº 001/2010. A CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO, no uso de suas atribuições constitucionais, legais e regimentais;

INSTRUÇÃO NORMATIVA CGM Nº 001/2010. A CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO, no uso de suas atribuições constitucionais, legais e regimentais; INSTRUÇÃO NORMATIVA CGM Nº 001/2010 Estabelece normas, sistematiza e padroniza procedimentos operacionais dos órgãos municipais. A CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO, no uso de suas atribuições constitucionais,

Leia mais

OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA DE ACORDO COM A LEI Nº 8.666/93 E COM O RDC UM PARALELO ENTRE OS REGIMES

OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA DE ACORDO COM A LEI Nº 8.666/93 E COM O RDC UM PARALELO ENTRE OS REGIMES OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA DE ACORDO COM A LEI Nº 8.666/93 E COM O RDC UM PARALELO ENTRE OS REGIMES Do planejamento e julgamento da licitação até a fiscalização dos contratos 31 de março e 1º de abril

Leia mais

NORMA TÉCNICA GEPRO/ESGOTO 001/2015 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSANITÁRIOS POR TERCEIROS

NORMA TÉCNICA GEPRO/ESGOTO 001/2015 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSANITÁRIOS POR TERCEIROS NORMA TÉCNICA GEPRO/ESGOTO 001/2015 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSANITÁRIOS POR TERCEIROS ÍNDICE 1. OBJETIVOS... 1 2. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 1 3. EMPREENDIMENTOS DE INTERESSE... 2 4.

Leia mais

XIV SIMPÓSIO NACIONAL DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS

XIV SIMPÓSIO NACIONAL DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS XIV SIMPÓSIO NACIONAL DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS DIMENSÃO DO PROJETO BÁSICO NA CONCESSÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS PRECEDIDOS DA EXECUÇÃO DE OBRA PÚBLICA Cezar Augusto Pinto Motta TCE-RS / Ibraop Pedro

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A relevância do orçamento detalhado no cumprimento do prazo de execução de contratos de obras públicas Bruno Lima Caldeira de Andrada* Orlando Celso Longo** Resumo: O presente artigo

Leia mais

7 SPDM ASSOCIAÇÃO PAULISTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA MEDICINA Programa de Atenção Integral à Saúde

7 SPDM ASSOCIAÇÃO PAULISTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA MEDICINA Programa de Atenção Integral à Saúde REGULAMENTO DE COMPRAS e CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS DAS UNIDADES SOB GERENCIAMENTO DA O.S.S. SPDM ASSOCIAÇÃO PAULISTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA MEDICINA PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE A SPDM

Leia mais

Orientação Técnica Nº IBEC-04/2011

Orientação Técnica Nº IBEC-04/2011 Orientação Técnica Nº IBEC-04/2011 Elaboração de Orçamentos de Referências de Obras Públicas Versão para Órgãos Contratantes (Versão provisória em consulta pública) O IBEC é membro do Conselho Internacional

Leia mais

Estimativa de valor da contratação

Estimativa de valor da contratação Estimativa de valor da contratação A As contratações públicas somente poderão ser efetivadas após estimativa prévia do seu valor, que deve obrigatoriamente ser juntada ao processo de contratação e, quando

Leia mais

Matriz de Procedimentos. Obras e Serviços de Engenharia

Matriz de Procedimentos. Obras e Serviços de Engenharia Matriz de Procedimentos Obras e Serviços de Engenharia Escopo: Dois processos de maior materialidade executados nos anos de 2011 e 2012. Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina CONTRATO N. 009/2011 Contrato para a elaboração de Projeto Executivo de Coberturas e fechamento de terraços em Estrutura Metálica e Vidro para os Cartórios

Leia mais

PROC IBR EDIF 048/2015 Análise de projeto de Instalações Prediais de Água Quente

PROC IBR EDIF 048/2015 Análise de projeto de Instalações Prediais de Água Quente INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC IBR EDIF 048/2015 Análise de projeto de Instalações Prediais de Água Quente Primeira edição

Leia mais

Orientações sobre Bonificações e Despesas Indiretas (BDI)

Orientações sobre Bonificações e Despesas Indiretas (BDI) MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA DE ECONOMIA E FINANÇAS 11ª INSPETORIA DE CONTABILIDADE E FINANÇAS DO EXÉRCITO Orientações sobre Bonificações e Despesas Indiretas (BDI) Ref: - Acórdão

Leia mais

FECAM Escola de Gestão Pública Municipal OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO. Florianópolis, março/2012. Objetivo do curso:

FECAM Escola de Gestão Pública Municipal OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO. Florianópolis, março/2012. Objetivo do curso: FECAM Escola de Gestão Pública Municipal OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO Módulo I Florianópolis, março/2012 1 Objetivo do curso: Desenvolver competências (conhecimentos, habilidades

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANILHAS DE ORÇAMENTOS DE OBRAS COM O NOVO SINAPI

ELABORAÇÃO DE PLANILHAS DE ORÇAMENTOS DE OBRAS COM O NOVO SINAPI CURSO DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO ELABORAÇÃO DE PLANILHAS DE ORÇAMENTOS DE OBRAS COM O NOVO SINAPI Carga Horária: 16 horas/atividade Horário: 8h30 às 18h (com intervalo para almoço) Brasília, 16 e

Leia mais

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, e CAPÍTULO I DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, e CAPÍTULO I DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 4139, DE 11 DE SETEMBRO DE 2013. Regulamenta o Fundo Municipal de Esporte e Lazer e o Incentivo ao Esporte e Lazer e dá outras providências. O PREFEITO DE GOIÂNIA, no

Leia mais

SEGURO GARANTIA DE ENTREGA DE OBRA CBIC

SEGURO GARANTIA DE ENTREGA DE OBRA CBIC SEGURO GARANTIA DE ENTREGA DE OBRA CBIC PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS E DIFERENCIAIS COORDENAÇÃO BRASIL ROSSANA COSTA: Coordenadora do Convênio de Seguros da CBIC E-mail: rossana@seguroscbic.com.br Coordenadora

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 25 DE JUNHO DE 2009.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 25 DE JUNHO DE 2009. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 25 DE JUNHO DE 2009. Dispõe sobre o Processo de Concessão de Bolsas de Estudo em Idiomas como parte integrante do Programa Permanente de

Leia mais

PROJETO BÁSICO OBRA DE REFORMA E AMPLIAÇÃO DA AC CERES - DR/GO ENDEREÇO: AVENIDA PRESIDENTE VARGAS, LOTE 34, QUADRA Q, SETOR CENTRAL, CERES - GOIÁS

PROJETO BÁSICO OBRA DE REFORMA E AMPLIAÇÃO DA AC CERES - DR/GO ENDEREÇO: AVENIDA PRESIDENTE VARGAS, LOTE 34, QUADRA Q, SETOR CENTRAL, CERES - GOIÁS PROJETO BÁSICO PROJETO BÁSICO PARA: OBRA DE REFORMA E AMPLIAÇÃO DA AC CERES - DR/GO OBJETO DA LICITAÇÃO: O objeto da presente licitação é a OBRA DE REFORMA E AMPLIAÇÃO DA AC CERES - DR/GO, na forma de

Leia mais

PLANEJAMENTO DE OBRAS PÚBLICAS ORIENTAÇÕES

PLANEJAMENTO DE OBRAS PÚBLICAS ORIENTAÇÕES PLANEJAMENTO DE OBRAS PÚBLICAS ORIENTAÇÕES Alberto de Barros Moraes Sayão Secretaria de Aviação Civil da Presidência da Republica alberto.sayao@aviacaocivil.gov.br RESUMO O presente trabalho tem como objetivo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE HOSPITAL DE PRONTO SOCORRO PROJETO BÁSICO ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE HOSPITAL DE PRONTO SOCORRO PROJETO BÁSICO ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS PROJETO BÁSICO ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS 1 OBJETO O presente projeto básico tem por objeto a contratação da execução do Projeto Acústico (controle de poluição sonora) para os equipamentos

Leia mais

MANUAL PARA CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA

MANUAL PARA CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA MANUAL PARA CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA JULHO, 2015 Elaborado e organizado por: Natália Silva Athayde Coordenadora de Planejamento Colaboradores: Anderson de Sousa Verçosa José Cassiano

Leia mais

FUNDAÇÃO DE APOIO AO HEMOSC/CEPON

FUNDAÇÃO DE APOIO AO HEMOSC/CEPON TERMO DE REFERÊNCIA CP 057/14 - OBRAS 1. OBJETO Contratação de empresa especializada para elaboração de projetos executivos e complementares, memoriais descritivos, planilhas orçamentárias visando reforma

Leia mais

CONSIDERANDO a necessidade de conferir mais efetividade e amplitude às ações do controle externo a cargo do Tribunal,

CONSIDERANDO a necessidade de conferir mais efetividade e amplitude às ações do controle externo a cargo do Tribunal, DELIBERAÇÃO Nº 262 2 de dezembro de 2014 Estabelece normas a serem observadas pelos órgãos e entidades estaduais e municipais da Administração Pública Direta e Indireta de qualquer dos Poderes, sob a jurisdição

Leia mais

Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos

Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos Engenheiro Civil Paulo Roberto Vilela Dias, MSc Mestre em Engenharia Civil - uff Professor do Mestrado em Engenharia Civil da Universidade Federal Fluminense

Leia mais

NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 02 CONCORRÊNCIA PÚBLICA NACIONAL Nº 20130012/CIDADES/CCC

NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 02 CONCORRÊNCIA PÚBLICA NACIONAL Nº 20130012/CIDADES/CCC NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 02 CONCORRÊNCIA PÚBLICA NACIONAL Nº 20130012/CIDADES/CCC OBJETO: LICITAÇÃO DO TIPO TÉCNICA E PREÇO PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO URBANÍSTICO

Leia mais

MEMORIAIS, ESPECIFICAÇÕES E PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PARA O PREÇO TOTAL DE ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO

MEMORIAIS, ESPECIFICAÇÕES E PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PARA O PREÇO TOTAL DE ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO MEMORIAIS, ESPECIFICAÇÕES E PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PARA O PREÇO TOTAL DE ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO Í N D I C E APRESENTAÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS METAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PLANILHA ORÇAMENTÁRIA

Leia mais

MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA,

MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA, CONTRATO ADM. Nº 053/2013. Contrato de Prestação de Serviços de Recuperação de pavimentação com TSD e PMF na via de acesso a cidade que entre si celebram o Município de CACHOEIRA ALTA, Goiás e a Empresa

Leia mais

ANEXO 1 - TERMO DE REFERÊNCIA Substituição das telhas de alumínio da marquise frontal do prédio sede da Justiça Federal ES

ANEXO 1 - TERMO DE REFERÊNCIA Substituição das telhas de alumínio da marquise frontal do prédio sede da Justiça Federal ES 1 ANEXO 1 - TERMO DE REFERÊNCIA Substituição das telhas de alumínio da marquise frontal do prédio sede da Justiça Federal ES 1 OBJETO: 1.1 Contratação de empresa para substituição de telhas de alumínio

Leia mais

1- METODOLOGIA DE ORÇAMENTO DE OBRAS. NOVO CONCEITO PARA O BDI

1- METODOLOGIA DE ORÇAMENTO DE OBRAS. NOVO CONCEITO PARA O BDI 1- METODOLOGIA DE ORÇAMENTO DE OBRAS. NOVO CONCEITO PARA O BDI 1.1- INTRODUÇÃO Para a elaboração de orçamentos consistentes de serviços de engenharia, entende-se que algumas premissas devam prevalecer.

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO E COORDENAÇÃO PORTARIA GP Nº 432, DE 13 DE MAIO DE 2015

SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO E COORDENAÇÃO PORTARIA GP Nº 432, DE 13 DE MAIO DE 2015 Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Teresópolis SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO E COORDENAÇÃO PORTARIA GP Nº 432, DE 13 DE MAIO DE 2015. DISPÕE SOBRE NOMEAÇÃO DE CARGO DE SECRETÁRIO O PREFEITO

Leia mais

PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 612, DE 16 DE MARÇO DE 2007. Dispõe sobre a implantação do Sistema de Registro de Preços nas compras, obras e serviços contratados pelos órgãos da

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÕES PREGÃO ELETRÔNICO Nº 10/2008

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÕES PREGÃO ELETRÔNICO Nº 10/2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÕES PREGÃO ELETRÔNICO Nº 10/2008 ATA DO REGISTRO DE PREÇOS CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DO RAMO DE PRESTAÇÃO DE

Leia mais

ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA Fornecimento e instalação de válvulas redutoras de pressão

ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA Fornecimento e instalação de válvulas redutoras de pressão 1 OBJETO: ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA Fornecimento e instalação de válvulas redutoras de pressão 1.1 Contratação de empresa de engenharia para fornecimento e instalação de válvulas redutoras de pressão

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA COORDENAÇÃO DE COMPRAS COSCOM (GESUS) 1 de 9 OBJETIVO: Este Termo de Referência tem por objetivo definir o escopo do processo licitatório de constituição de Registro de Preço para eventual contratação

Leia mais

Número: 00218.001447/2013-83 Unidade Examinada: Município de Quatis/RJ

Número: 00218.001447/2013-83 Unidade Examinada: Município de Quatis/RJ Número: 00218.001447/2013-83 Unidade Examinada: Município de Quatis/RJ Relatório de Demandas Externas n 00218.001447/2013-83 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

Ministério da Fazenda SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS

Ministério da Fazenda SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS PROJETO BÁSICO GESER Nº 04/07 FISCALIZAÇÃO DA OBRA DE IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO 1. OBJETO Contratação de empresa especializada para prestação de serviços de fiscalização

Leia mais

Avaliação de Desempenho da Contratada para Prestação de Serviços de Engenharia (Estudos e Projetos)

Avaliação de Desempenho da Contratada para Prestação de Serviços de Engenharia (Estudos e Projetos) OBJETIVO Estabelecer procedimento para avaliação de desempenho de contratada para a área de estudos e projetos de engenharia, a fim de identificar o perfil de desempenho técnico, administrativo e organizacional

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT IBR 003/2011

ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT IBR 003/2011 Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT IBR 003/2011 Garantia ORIENTAÇÃO Quinquenal TÉCNICA de Obras Públicas OT - IBR 001/2006 PROJETO BÁSICO Primeira

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul MUNICIPIO DE ERECHIM PREFEITURA MUNICIPAL Praça da Bandeira, 354 Fone: 54 520 7000 99700-000 Erechim RS

Estado do Rio Grande do Sul MUNICIPIO DE ERECHIM PREFEITURA MUNICIPAL Praça da Bandeira, 354 Fone: 54 520 7000 99700-000 Erechim RS MINUTA 175/2014 CONTRATO ADMINISTRATIVO N.º /2014 PROCESSO N.º 8287/2014 - PREGÃO PRESENCIAL N.º 153/2014 AQUISIÇÃO DE PEÇAS PARA CONSERTO DA MÁQUINA M-65 - SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS PÚBLICAS E HABITAÇÃO

Leia mais

licitações e obras públicas

licitações e obras públicas Série de Cadernos Técnicos licitações e obras públicas Eng. Civil Pedro Paulo Piovesan de Farias SÉRIE DE cadernos técnicos Da agenda parlamentar licitações e obras públicas expediente Publicações temáticas

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 19 de maio de 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 19 de maio de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 19 de maio de 2008. Dispõe sobre o processo de contratação de serviços de Tecnologia da Informação pela Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional. O SECRETÁRIO

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES TÉCNICAS¹ Obras públicas: Planejamento, Contratação, Execução e Fiscalização

MANUAL DE ORIENTAÇÕES TÉCNICAS¹ Obras públicas: Planejamento, Contratação, Execução e Fiscalização CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO DO NATAL MANUAL DE ORIENTAÇÕES TÉCNICAS¹ Obras públicas: Planejamento, Contratação, Execução e Fiscalização CLARISSA LOUISE M. MOURA Chefe da Assessoria de Avaliação de

Leia mais

Construção do Fórum Trabalhista de Belém (PA)

Construção do Fórum Trabalhista de Belém (PA) Secretaria-Geral Divisão de Auditoria Seção de Auditoria de Gestão de Obras Parecer Técnico n.º 16 de 2014 Construção do Fórum Trabalhista de Belém (PA) Órgão: Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região

Leia mais

CONCORRÊNCIA PÚBLICA DE TÉCNICA E PREÇONº 003/15 CIRCULAR Nº01

CONCORRÊNCIA PÚBLICA DE TÉCNICA E PREÇONº 003/15 CIRCULAR Nº01 Contratação para os serviços de elaboração de Projetos Executivos de Engenharia para gasodutos, redes internas, incluindo levantamento topográfico semi-cadastral, proteção catódica, o estudo de interferência

Leia mais

Prefeitura Municipal de Dumont

Prefeitura Municipal de Dumont REFORMA DA PREFEITURA MUNICIPAL DE DUMONT SP CASA SANTOS DUMONT Memorial Descritivo do Projeto Adelino da Silva Carneiro Prefeito Municipal Rosiane Marin Fernandez Dias Vice-Prefeita Municipal Carla Maria

Leia mais

Obras Públicas. transição governamental

Obras Públicas. transição governamental 2 Obras Públicas Principais Obras conceitos Públicas e recomendações Principais conceitos parae transição recomendações governamental para transição governamental Tribunal de Contas dos Municípios do Estado

Leia mais

DECRETO nº. 11.698, de 16 de janeiro de 2009. O PREFEITO MUNICIPAL DE ANANINDEUA, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, e ainda:

DECRETO nº. 11.698, de 16 de janeiro de 2009. O PREFEITO MUNICIPAL DE ANANINDEUA, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, e ainda: 1 DECRETO nº. 11.698, de 16 de janeiro de 2009 Regulamenta, no âmbito da Administração pública municipal, o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº. 8.666, de 21 de junho de 1993, e

Leia mais

SUPLEMENTO Nº 01. Leia-se: Descrição das atividades desenvolvidas no Projeto Básico, nas áreas: Civil, Elétrica e Mecânica.

SUPLEMENTO Nº 01. Leia-se: Descrição das atividades desenvolvidas no Projeto Básico, nas áreas: Civil, Elétrica e Mecânica. CO.GCM.A.00004.2015 1/19 SUPLEMENTO Nº 01 1. O presente suplemento tem como finalidade, como segue : 1.1. Alterar na QUALIFICAÇÃO TÉCNICA a descrição das atividades no Projeto Básico relacionada em um

Leia mais

ANEXO VI - INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL SUMÁRIO. Seção I Informações Gerais... Erro! Indicador não definido.

ANEXO VI - INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL SUMÁRIO. Seção I Informações Gerais... Erro! Indicador não definido. ANEXO VI - INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL SUMÁRIO Seção I Informações Gerais... Erro! Indicador não definido. Seção II Aspectos da Proposta Comercial... Erro! Indicador não definido.

Leia mais

E EXECUÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO NO CAMPUS JOÃO PESSOA

E EXECUÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO NO CAMPUS JOÃO PESSOA ANEXO I PROJETO BÁSICO AMBIENTAÇÃO DAS SALAS DE AULA DO BLOCO PRINCIPAL e SECUNDÁRIO E EXECUÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO NO 1 1. INTRODUÇÃO A elaboração do presente Projeto Básico atende determinação

Leia mais

VALEC: Desenvolvimento Sustentável para o Cerrado Brasileiro 1º CADERNO DE PERGUNSTAS E RESPOSTAS EDITAL PREGÃO N.º 007/07

VALEC: Desenvolvimento Sustentável para o Cerrado Brasileiro 1º CADERNO DE PERGUNSTAS E RESPOSTAS EDITAL PREGÃO N.º 007/07 1º CADERNO DE PERGUNSTAS E RESPOSTAS EDITAL PREGÃO N.º 007/07 1) O ITEM 10.2.5, DO EDITAL, EXIGE DECLARAÇÃO DE VISTORIA A SER FEITA PELA LICITANTE, INFORMANDO NO MESMO ITEM O ENDEREÇO. A VISTORIA SERÁ

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - DNIT JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO RAZÕES: JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO AO EDITAL Nº.

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - DNIT JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO RAZÕES: JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO AO EDITAL Nº. SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - DNIT JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO FEITO: IMPUGNAÇÃO ADMINISTRATIVA REFERÊNCIA: EDITAL Nº. 0026/2014 RAZÕES: JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO AO EDITAL Nº. 0026/2014

Leia mais

REGULAMENTO DE HONORÁRIOS

REGULAMENTO DE HONORÁRIOS REGULAMENTO DE HONORÁRIOS CAPÍTULO I OBJETIVO Art. 1º - Este regulamento estabelece as normas gerais concernentes aos trabalhos técnicos de Avaliação e Perícia de Engenharia. Art. 2º - As normas aqui estabelecidas

Leia mais

Art. 40. (...) 2º. Constituem anexos do edital, dele fazendo parte integrante:

Art. 40. (...) 2º. Constituem anexos do edital, dele fazendo parte integrante: EM LICITAÇÕES PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS COM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DE MÃO DE OBRA É DEVIDA A INCLUSÃO DE ITEM A TÍTULO DE RESERVA TÉCNICA NA PLANILHA DE ESTIMATIVA DE CUSTOS E FORMAÇÃO

Leia mais

ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL 1. INTRODUÇÃO Este anexo objetiva apresentar as informações necessárias a orientar a LICITANTE quanto à apresentação e conteúdo da sua PROPOSTA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 2 DE MARÇO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 2 DE MARÇO DE 2012 RESOLUÇÃO Nº 17, DE 2 DE MARÇO DE 2012 Dispões sobre o Registro de Responsabilidade Técnica (RRT) na prestação de serviços de arquitetura e urbanismo e dá outras providências. O Conselho de Arquitetura

Leia mais

CURSO LICITAÇÕES, CONTRATOS E CONTROLE de OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA na ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

CURSO LICITAÇÕES, CONTRATOS E CONTROLE de OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA na ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CURSO LICITAÇÕES, CONTRATOS E CONTROLE de OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA na ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA OBJETIVOS: Proporcionar desenvolvimento profissional em Licitações e Contratos de Engenharia na Administração

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES

MINISTÉRIO DAS CIDADES MINISTÉRIO DAS CIDADES Manual de Instruções para Aprovação e Execução dos Programas e Ações do Ministério das Cidades inseridos no Programa de Aceleração do Crescimento PAC Exercícios 2010 / 2011 MINISTÉRIO

Leia mais

CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS

CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS VERIFICAÇÕES PRELIMINARES Art. 3, caput e 1 ; 1. O objeto do convênio ou contrato de repasse guarda relação com a atividade do convenente? 2.

Leia mais

Jurisprudências do TCU - 2014

Jurisprudências do TCU - 2014 Jurisprudências do TCU - 2014 Sobre Licitações e Contratos Administrativos Última Atualização Informativo Nº 227 Sessões do Dia 09 e 10/12/2014 Revisão de Preços É juridicamente inadmissível a revisão

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO TC nº 009.211/2008-1 Fiscalização nº 65/2008 DA FISCALIZAÇÃO Modalidade: conformidade - levantamento Ato originário: Acórdão 461/2008 - Plenário Objeto da fiscalização:

Leia mais

Palestrante: EDUARDO JOSÉ MATTOS DA SILVA Bacharel em Ciências Econômicas pela Faculdade da Católica de Brasília Bacharel em Direito pela Faculdade

Palestrante: EDUARDO JOSÉ MATTOS DA SILVA Bacharel em Ciências Econômicas pela Faculdade da Católica de Brasília Bacharel em Direito pela Faculdade Palestrante: EDUARDO JOSÉ MATTOS DA SILVA Bacharel em Ciências Econômicas pela Faculdade da Católica de Brasília Bacharel em Direito pela Faculdade Euro Americana de Brasília Chefe da Divisão de Gestão

Leia mais

Novo Hamburgo, Abril de 2011. Geóloga Luciana Schneider CREA/RS 148952

Novo Hamburgo, Abril de 2011. Geóloga Luciana Schneider CREA/RS 148952 Novo Hamburgo, Abril de 2011 Geóloga Luciana Schneider CREA/RS 148952 OBJETIVOS Conhecimento na área de perfuração de poços tubulares e licenças necessárias para a execução dos trabalhos na área; Apresentação

Leia mais

Os serviços a serem executados, compreendem a elaboração e fornecimento dos seguintes documentos técnicos:

Os serviços a serem executados, compreendem a elaboração e fornecimento dos seguintes documentos técnicos: 1. Introdução TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA ELABORAÇÃO E FORNECIMENTO DE PROJETOS DE ADEQUAÇÕES DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, REDE LÓGICA E TELEFONIA, ATERRAMENTO E SPDA DA

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL SEADES DIRETORIA DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DSAN

ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL SEADES DIRETORIA DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DSAN 1. APRESENTAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA Este documento se constitui no Termo de Referência que contém as instruções necessárias para a contratação de empresa para a realização de pesquisa e diagnóstico de

Leia mais

Regimento Interno do Sistema

Regimento Interno do Sistema Identificação: R.01 Revisão: 05 Folha: 1 / 14 Artigo 1 - Objetivo do documento 1.1. Este documento tem como objetivo regulamentar as atividades para credenciamento de uma planta de produção com o SELO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE REFORMA E ADAPTAÇÃO EM EDIFÍCIO PARA SEDE DA PTM DE BARUERI

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE REFORMA E ADAPTAÇÃO EM EDIFÍCIO PARA SEDE DA PTM DE BARUERI ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO ELETRÔNICO Nº. 24/2011 TERMO DE REFERÊNCIA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE REFORMA E ADAPTAÇÃO EM EDIFÍCIO PARA SEDE DA PTM DE BARUERI 1. OBJETO 1.1. Contratação de empresa

Leia mais

CADERNO DE COMPRAS E LICITAÇÕES

CADERNO DE COMPRAS E LICITAÇÕES 2010 PREFEITURA MUNICIPAL DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO DIRETORIA DE COMPRAS E LICITAÇÕES CADERNO DE COMPRAS E LICITAÇÕES 1. OBJETIVO Este manual tem por objetivo esclarecer as questões

Leia mais

DECRETO Nº 11.319, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2004

DECRETO Nº 11.319, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2004 DECRETO Nº 11.319, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2004 PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL Nº 032, DE 17-02-2004 Regulamenta o Sistema de Registro de Preços SRP, previsto no art. 15, da Lei nº 8.666, de 21 de junho de

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CONFEA. RESOLUÇÃO Nº 1.066, DE 25 DE SETEMBRO de 2015.

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CONFEA. RESOLUÇÃO Nº 1.066, DE 25 DE SETEMBRO de 2015. RESOLUÇÃO Nº 1.066, DE 25 DE SETEMBRO de 2015. Fixa os critérios para cobrança das anuidades, serviços e multas a serem pagos pelas pessoas físicas e jurídicas registradas no Sistema Confea/Crea, e dá

Leia mais

DIRETRIZES TÉCNICAS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM EDIFICAÇÕES 05/2015 DT 007/15 DTPC

DIRETRIZES TÉCNICAS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM EDIFICAÇÕES 05/2015 DT 007/15 DTPC DIRETRIZES TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM EDIFICAÇÕES 05/2015 DT 007/15 DTPC 1 DIRETRIZES TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM EDIFICAÇÕES Presidente: Camil Eid. Vice Presidente Técnica: Miriana

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI SUPERINTENDÊNCIA DE INFRAESTRUTURA DIAMANTINA MINAS GERAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI SUPERINTENDÊNCIA DE INFRAESTRUTURA DIAMANTINA MINAS GERAIS TERMO DE REFERÊNCIA Contratação de empresas para prestação de serviços técnicos profissionais de engenharia para elaboração de projetos diversos para os Campi da UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DE JEQUITINHONHA

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria do Turismo, Esporte e do Lazer Fundação de Esporte e Lazer do Rio Grande do Sul - FUNDERGS

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria do Turismo, Esporte e do Lazer Fundação de Esporte e Lazer do Rio Grande do Sul - FUNDERGS EDITAL Nº 03/2015 PEQUENAS OBRAS E REFORMAS EM GINÁSIOS ESPORTIVOS, CANCHAS, QUADRAS ESPORTIVAS, ESTÁDIOS, CAMPOS DE FUTEBOL E OUTROS ESPAÇOS DESTINADOS À PRÁTICA DE ESPORTES E AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA N 1.095/SAF, DE 03 DE OUTUBRO 2007.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA N 1.095/SAF, DE 03 DE OUTUBRO 2007. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA N 1.095/SAF, DE 03 DE OUTUBRO 2007. Dispõe sobre procedimentos relativos à supervisão, à fiscalização e à gestão dos contratos, convênios e outros ajustes de

Leia mais

ADITIVO AO EDITAL PREGÃO PRESENCIAL Nº 47/2012.

ADITIVO AO EDITAL PREGÃO PRESENCIAL Nº 47/2012. ADITIVO AO EDITAL PREGÃO PRESENCIAL Nº 47/2012. TÍTULO: Prestação de serviços de monitoramento eletrônico e vigilância patrimonial humana da Sede do SAMAE, localizada na Rua: Barão do Rio Branco, nº 500

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moysés Vianna Unidade Central de Controle Interno

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moysés Vianna Unidade Central de Controle Interno ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moysés Vianna Unidade Central de Controle Interno INSTRUÇÃO NORMATIVA UCCI N 002/2012 VERSÃO 01 ASSUNTO: Regulamenta o

Leia mais

ANEXO I MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E INFRAESTRUTURA TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E INFRAESTRUTURA TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E INFRAESTRUTURA 1 OBJETO TERMO DE REFERÊNCIA 1.1. Contratação de empresa especializada, para o eventual

Leia mais

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Lei Federal nº 4.320, de 17/03/1964 (Lei de Orçamento).

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Lei Federal nº 4.320, de 17/03/1964 (Lei de Orçamento). Código: MAN-SADM-001 Versão: 01 Data de Aprovação: 21/10/2010 Elaborado por: Gerência de Contratação Aprovado por: Secretaria Administrativa 1 Objetivo Estabelecer os critérios e os procedimentos para

Leia mais

Ficha Técnica. Manual de Procedimentos Operacionais. Supervisão. Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP. Documento original

Ficha Técnica. Manual de Procedimentos Operacionais. Supervisão. Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP. Documento original 1 Referência Ficha Técnica Manual de Procedimentos Operacionais Resolução n 1.025, de 30 de outubro de 2009 Revisão 01 Data 28/01/2011 Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP Documento

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES DE SPDA

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES DE SPDA MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES DE SPDA PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOAS/SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL TANCREDO DE ALMEIDA NEVES SETEMBRO DE 2012 STE004-R-PE-SPD-01-01

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A RESPONSABILIDADE RESPONSABILIDADE TÉCNICA OU ÉTICO-PROFISSIONAL RESPONSABILIDADE CIVIL

CONSIDERAÇÕES SOBRE A RESPONSABILIDADE RESPONSABILIDADE TÉCNICA OU ÉTICO-PROFISSIONAL RESPONSABILIDADE CIVIL CONSIDERAÇÕES SOBRE A RESPONSABILIDADE A vida em sociedade somente é possível através dos relacionamentos entre as pessoas. Seja do ponto de vista pessoal ou profissional, todos os atos praticados implicam

Leia mais

II Desenho na escala de 1:100 (uma para cem); III Cotas necessárias à perfeita compreensão do projeto; 1º - O projeto simplificado deverá apresentar:

II Desenho na escala de 1:100 (uma para cem); III Cotas necessárias à perfeita compreensão do projeto; 1º - O projeto simplificado deverá apresentar: Institui Projeto Simplificado e dispõe sobre a forma de apresentação de projetos de construção de edificações residenciais unifamiliares, e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE GUARATINGUETÁ

Leia mais

EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 079/2015.

EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 079/2015. EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 079/2015. PREFEITURA MUNICIPAL DE GAURAMA-RS SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS PÚBLICAS E DE TRÂNSITO EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 079/2015 TIPO MENOR PREÇO GLOBAL Edital de

Leia mais

Roteiro de Operacionalização Obras Públicas

Roteiro de Operacionalização Obras Públicas Roteiro de Operacionalização Obras Públicas Jeferson Alves dos Santos # O que analisar? - Superfaturamento sobrepreço, super quantidade e subqualidade. - O que contratar? = características da obra - Com

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL MI COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DOS VALES DO SÃO FRANCISCO E DO PARNAÍBA 1ª

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL MI COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DOS VALES DO SÃO FRANCISCO E DO PARNAÍBA 1ª PROJETO BÁSICO EXECUÇÃO DE PAVIMENTAÇÃO EM BLOQUETES SEXTAVADO E DRENAGEM URBANA, NUMA ÁREA TOTAL DE 3.300,00 M², NO MUNICÍPIO DE PONTO CHIQUE-MG, NA ÁREA DE ATUAÇÃO DA 1ª SR, NO ESTADO DE MINAS GERAIS.

Leia mais

CARTA CONTRATO N 253/2013, PREFEITURA MUNICIPAL

CARTA CONTRATO N 253/2013, PREFEITURA MUNICIPAL CARTA CONTRATO N 253/2013, celebrado entre a PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE FIGUEIREDO e a empresa CONSTRUTORA SEM FRONTEIRAS LTDA-EPP, objetivando CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA, na forma a

Leia mais

ISO 9001 : 2008 CURSO NOVO CURSO COMPLETO. De: 27/08/2012 a 31/08/2012. Local: Hotel a definir - Rio de Janeiro. Carga Horária: 40 horas

ISO 9001 : 2008 CURSO NOVO CURSO COMPLETO. De: 27/08/2012 a 31/08/2012. Local: Hotel a definir - Rio de Janeiro. Carga Horária: 40 horas ISO 9001 : 2008 Impermeabilização e Proteção das Edificações e Estruturas em Geral De: 27/08/2012 a 31/08/2012 CURSO NOVO CURSO COMPLETO Local: Hotel a definir - Rio de Janeiro Carga Horária: 40 horas

Leia mais

Manutenção do Canteiro de Obras

Manutenção do Canteiro de Obras EPI Sinalização de Obra Manutenção do Canteiro de Obras Medicina do Trabalho OBRIGATÓRIO Apresentar o detalhamento de todos os custos unitários constantes da Planilha de Quantidades. Mobilização e

Leia mais

A seguir, são listados alguns problemas que não podem ocorrer, de forma alguma, na proposição ou na execução do convênio ou contrato de repasse:

A seguir, são listados alguns problemas que não podem ocorrer, de forma alguma, na proposição ou na execução do convênio ou contrato de repasse: CUIDADOS DURANTE A EXECUÇÃO DE UM CONVÊNIO 1 As transferências voluntárias formam um sistema de cooperação entre a União e os demais entes da Federação, além das chamadas organizações nãogovernamentais,

Leia mais

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Lei Federal nº 4.320, de 17/03/1964 (Lei de Orçamento).

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Lei Federal nº 4.320, de 17/03/1964 (Lei de Orçamento). Código: MAN-SADM-001 Versão: 00 Data de Aprovação: 28/04/2010 Elaborado por: Gerência de Contratação Aprovado por: Secretaria Administrativa 1 Objetivo Estabelecer os critérios e os procedimentos para

Leia mais

LEI Nº 9.038, DE 14 DE JANEIRO DE 2005. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 9.038, DE 14 DE JANEIRO DE 2005. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 9.038, DE 14 DE JANEIRO DE 2005 Dispõe sobre o Programa Municipal de Parcerias Público- Privadas. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO PORTARIA N.º 652, DE 19 DE MAIO DE 2011 RESOLVE: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO PORTARIA N.º 652, DE 19 DE MAIO DE 2011 RESOLVE: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS PORTARIA N.º 652, DE 19 DE MAIO DE 2011 A SECRETÁRIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de suas atribuições legais, especialmente em referência ao disposto no artigo 25, da Constituição Federal de 1988, e ao

Leia mais

ANEXO VI ATA DE REGISTRO DE PREÇOS DIRAT/DESEG-200./..., OBJETIVANDO A CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA FORNECIMENTO DE PRODUTOS PARA USO EM MARCENARIA.

ANEXO VI ATA DE REGISTRO DE PREÇOS DIRAT/DESEG-200./..., OBJETIVANDO A CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA FORNECIMENTO DE PRODUTOS PARA USO EM MARCENARIA. PREGÃO Nº 011/2007 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS DIRAT/DESEG-200./..., OBJETIVANDO A CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA FORNECIMENTO DE PRODUTOS PARA USO EM MARCENARIA. Processo nº 041.000.045/2007. VALIDADE: 12

Leia mais

Informativo do TCU º. 181 SUMÁRIO Plenário

Informativo do TCU º. 181 SUMÁRIO Plenário Informativo do TCU º. 181 Este Informativo, elaborado a partir das deliberações tomadas pelo Tribunal nas sessões de julgamento das Câmaras e do Plenário, contém resumos de algumas decisões proferidas

Leia mais